A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais."

Transcrição

1 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos. O conceito de trabalho assumiu diferentes significados em contextos históricos distintos. Na Grécia Antiga, o trabalho braçal era associado à escravidão. Os romanos, por sua vez, associavam os escravos a objetos de trabalho. A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. Na Europa medieval, a visão negativa do trabalho foi sustentada pela igreja católica. O trabalho braçal seria o oposto do ato de contemplação e de elevação espiritual, pois as tarefas a ele relacionadas não exigiriam atribuições intelectuais para serem executadas.

2 2 Trabalho nas sociedades capitalistas Na Idade Moderna, o surgimento do capitalismo promoveu transformações profundas na visão negativa do trabalho, que passou de algo repugnante a atividade que dignifica o ser humano. Segundo Max Weber, o protestantismo desempenhou papel fundamental no convencimento dos trabalhadores agora livres da servidão a aceitarem a nova situação de opressão a que eram submetidos, pois pregava a vida regrada e a inclinação para o trabalho como caminho para a salvação. Além disso, a ideologia capitalista instituiu a orientação para o trabalho como algo fundamental para a realização individual e social. No entanto, a degradação, a exploração e as péssimas condições de trabalho contradizem esse modelo.

3 3 Karl Marx e a história da exploração do homem Para Marx, a divisão da sociedade em classes é definida pela posição ocupada pelos indivíduos no processo produtivo. No capitalismo industrial, as duas principais classes são a burguesia, formada pelos proprietários dos meios de produção (máquinas, ferramentas, matérias-primas), e o proletariado, que detém apenas sua força de trabalho e se vê obrigado a vendê-la aos burgueses. A exploração do trabalho começa com a expropriação dos meios de produção do trabalhador. Com a ascensão do capitalismo, restou ao trabalhador somente a força de trabalho, que é, então, vendida. Nas sociedades capitalistas o trabalho é empregado para produzir um objeto com valor de troca, destinado à venda uma mercadoria. Como a mercadoria é propriedade do burguês, o excedente econômico (lucro obtido com a troca ou venda do produto) também fica com ele. Como consequência dessa divisão social do trabalho na sociedade capitalista, o trabalhador é submetido a um processo de alienação, em que ele não reconhece como seus os resultados do trabalho que desempenha.

4 4 A mais-valia O principal mecanismo utilizado pelos donos dos meios de produção para obter o lucro foi denominado por Marx mais-valia: excedente de valor obtido pela exploração do trabalho. A força de trabalho também é pensada como uma mercadoria que pode ser vendida e comprada, com a característica marcante de que agrega valor aos produtos. Esse valor, no entanto, não é repassado ao trabalhador, mas apropriado pelo dono dos meios de produção. Mais-valia é a diferença entre o valor da quantidade de trabalho utilizado para produzir uma mercadoria e o que o trabalhador efetivamente recebe como salário para produzi-la, que é sempre menor. Há duas formas de produzir mais-valia: a absoluta, relacionada ao aumento de horas trabalhadas pelo proletário, e a relativa, que deriva da incorporação de tecnologia ou de alguma forma de organização do trabalho que aumenta a produtividade do trabalho, o que entretanto não aumenta seus ganhos. O caráter contraditório das relações de produção no capitalismo está no fato de que o aumento de produtividade não melhora a vida dos trabalhadores que, ao contrário, sofrem um processo de pauperização.

5 5 Max Weber e a ética do trabalho Max Weber partiu de pontos de vista diferentes dos de Marx, propondo uma compreensão do capitalismo que parte do âmbito cultural em vez do econômico. Weber identificou que havia presença muito significativa de protestantes entre os empresários e os trabalhadores qualificados nos países capitalistas mais industrializados. Sendo assim, imaginou que deveria existir uma relação entre certos valores desta vertente religiosa e a origem do capitalismo moderno. Seu argumento é que a mudança ocorrida nos valores e atitudes graças ao surgimento do protestantismo criou a predisposição ao trabalho como forma de salvação da alma. Os seguidores do protestantismo deveriam desenvolver, além da vocação para o trabalho, um comportamento social comedido, em que ócio, luxo e preguiça eram condenados. A ética protestante do trabalho voltado para a acumulação e não para o consumo e gasto supérfluos foi um fator cultural determinante para o desenvolvimento do capitalismo.

6 6 Émile Durkheim e a divisão do trabalho Ao contrário da visão crítica estabelecida por Marx, Durkheim argumenta que a intensa divisão social do trabalho possibilita a existência de coesão e solidariedade social. Durkheim não usa o conceito de solidariedade como sinônimo para ações altruístas, mas como todo tipo de elemento ou característica que explica a harmonia entre os indivíduos de uma sociedade. Segundo ele, o grau de especialização da divisão do trabalho pode gerar dois modelos de solidariedade social: a solidariedade mecânica e a orgânica. A solidariedade mecânica é típica de sociedades pré-capitalistas, marcadas por baixa divisão social do trabalho. É construída a partir de uma forte identificação dos indivíduos com os costumes da comunidade, num contexto em que a consciência coletiva exerce intenso poder de coerção nas ações individuais. A solidariedade orgânica ocorre nas sociedades capitalistas, marcadas por alto grau de divisão social do trabalho e de heterogeneidade cultural. A diversidade de ocupações nessas sociedades faz com que se fortaleça a interdependência entre seus integrantes, e a coesão social depende de que as necessidades individuais sejam supridas pelo que é produzido pelos outros membros do grupo. Se a divisão do trabalho não produz coesão social, há um problema moral: as relações entre os diversos setores da sociedade não estariam prontamente regulamentadas pelas instituições sociais existentes, gerando um estado de anomia.

7 7 As experiências de racionalização do trabalho A partir da segunda metade do século XIX, desenvolveu-se uma área do conhecimento científico fundamentada em um conjunto de normas e funções que visavam organizar o espaço produtivo. Entre as diversas teorias que surgiram, ganhou destaque a do engenheiro norte-americano Frederick W. Taylor, que propunha estratégias de gerência da produção baseadas em rigoroso controle de tempo, especialização das atividades, separação entre o planejamento e a execução das atividades e remuneração por desempenho. O objetivo desse sistema organizacional, chamado de taylorismo, era o aumento da produtividade por meio de mecanismos que, ao intensificarem o ritmo de produção, aumentavam o lucro dos capitalistas. Uma apropriação prática do taylorismo foi o fordismo. Seu precursor, Henry Ford, proprietário da Ford Motor Company, nos EUA, inovou o cenário industrial a partir de 1914, ao produzir modelos padronizados e em grandes quantidades o que barateava os custos de produção visando o consumo em massa. Para isso, foi criada a linha de montagem em série, na qual os trabalhadores se fixavam em seus postos, e os objetos de trabalho se deslocavam em esteiras. Cada trabalhador deveria ser especializado em uma única tarefa, com o ritmo ditado pela velocidade da linha de produção. Ao repetir movimentos iguais, o operário atuava como uma peça da máquina, alienado do conjunto do processo.

8 8 Sistemas flexíveis de produção No contexto atual, a organização do trabalho experimenta uma nova estrutura, apoiada na flexibilização das relações de trabalho e dos processos produtivos, além da intensa utilização de tecnologias de informação. Esse novo modelo representa um afastamento dos princípios fordistas, sendo por isso caracterizado como pós-fordismo. Um sistema pós-fordista de organização do trabalho muito disseminado foi desenvolvido pelo engenheiro Taiichi Ohno, da Toyota Motor Company. Conhecido como toyotismo, tinha como características básicas: a flexibilidade na produção, com capacidade de rápida alteração dos modelos a serem produzidos; produção e entrega mais rápidas, sem necessidade de estocagem; baixos preços devido à lógica de empresa enxuta ; número reduzido de trabalhadores. Enquanto no sistema taylorista-fordista o trabalhador se tornava especialista em uma única, simples e rotineira função, o toyotismo desenvolveu a figura do trabalhador polivalente ou multifuncional, responsável por várias funções. Outro fenômeno que surge com o toyotismo é o sindicalismo de empresa. Nele, o sindicato estabelece uma relação que favorece a aplicação de uma política sindical que tende a alinhar-se com a política de negócios da empresa. Esse modelo passou a rivalizar com o sindicalismo combativo de confronto, de classe e de luta típico do sistema taylorista-fordista.

9 9 Cenário atual do mundo do trabalho Processos implantados a partir do último quarto do século XX resultaram no aumento do desemprego em diversas nações industrializadas do mundo. Entre eles estão: - a liberalização econômica, que possibilitou maior participação do capital, em especial o estrangeiro, em setores antes regulados pelo Estado. - o incremento tecnológico nas áreas da automação e da comunicação. - mudanças nas relações de trabalho (terceirização, trabalho temporário etc.). A liberalização econômica e o incremento tecnológico ocasionaram o fenômeno conhecido como desemprego estrutural, resultado de transformações na estrutura do mercado laboral que o impedem de absorver por períodos longos a mão de obra disponível. Nesse sentido, o crescimento do trabalho subcontratado, temporário e vinculado à economia informal, mesmo nos países industrializados ricos, parece confirmar a tese de que há precarização de grande parte das ocupações atuais. Há também um deslocamento setorial de mão de obra: se por um lado a automação em espaços de trabalho como bancos e escritórios eliminou empregos para trabalhadores qualificados, por outro gerou novas vagas em setores em crescimento, como o de tecnologia da informação.

SOCIOLOGIA. Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan

SOCIOLOGIA. Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan SOCIOLOGIA Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan TRABALHO Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano

Leia mais

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com

Gestão Aplicada I. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Gestão Aplicada I Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com Formação e ficha profissional: Graduado em Analises e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

AP03 OS MODELOS DE PRODUÇÃO DE HENRY FORD

AP03 OS MODELOS DE PRODUÇÃO DE HENRY FORD 1 2 Conhecer os princípios de produção em massa preconizados por Henry Ford Estabelecer correlações entre o Taylorismo e o Fordismo 3 Henry Ford e o modelo T Henry Ford (1863-1947) também é um dos precursores

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Organização da produção social do trabalho Objetivo: Problematizar as diferentes

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN Prof a Carla R. Pereira SURGIMENTO DA PRODUÇÃO LEAN Novas ideias vem em resposta a problemas concretos (Dennis, 2008, p.19)

Leia mais

Estigmatização dos indivíduos. A construção no imaginário social brasileiro sobre as favelas e seus habitantes.

Estigmatização dos indivíduos. A construção no imaginário social brasileiro sobre as favelas e seus habitantes. Estigmatização dos indivíduos A construção no imaginário social brasileiro sobre as favelas e seus habitantes. Questões geoespaciais (onde se mora). Questões étnicas (afrodescendente ou branco) Classe

Leia mais

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? Na Grécia Antiga: A Evolução da Técnica Techné quase sinônimo de arte (enquanto habilidade

Leia mais

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia Atividade extra Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer

Leia mais

O QUE É UMA REVOLUÇÃO?

O QUE É UMA REVOLUÇÃO? Industr ial O QUE É UMA REVOLUÇÃO? - é uma mudança rápida e profunda que afeta as estruturas de uma sociedade determinando a essa uma nova realidade. - Pode ser cultural, política, social, etc. A Revolução

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes Fichamento: Karl Marx Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Higina Madalena

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO. Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 BREVE HISTÓRIA DO TRABALHO O que é trabalho? A palavra trabalho deriva do latim tripalium, objeto de três paus aguçados utilizado na agricultura e também como instrumento de tortura. O trabalho está associado

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

TAYLORISMO, FORDISMO E GEOGRAFIA. Instituto Federal Santa Catarina Câmpus Joinville Unidade Curricular Geografia Professor Mauricio Ruiz Camara

TAYLORISMO, FORDISMO E GEOGRAFIA. Instituto Federal Santa Catarina Câmpus Joinville Unidade Curricular Geografia Professor Mauricio Ruiz Camara TAYLORISMO, FORDISMO E GEOGRAFIA Instituto Federal Santa Catarina Câmpus Joinville Unidade Curricular Geografia Professor Mauricio Ruiz Camara Taylorismo Frederick W. Taylor (1856-1915) WIKIWAND. Disponível

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

2 Trabalho e sociedade

2 Trabalho e sociedade Unidade 2 Trabalho e sociedade Os seres humanos trabalham para satisfazer suas necessidades, desde as mais simples, como as de alimento, vestimenta e abrigo, até as mais complexas, como as de lazer, crença

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Pedagogia Empresarial

Pedagogia Empresarial Pedagogia Prof. Denise D Aurea Tardeli PEDAGOGIA E EMPRESA: fundamentos e práticas Pedagogia Empresarial A Pedagogia empresarial é a área que se ocupa em formar pessoas no âmbito da empresa e promover

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 2º Encontro - 17/02/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO DA

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL SÉCULOS XVIII E XIX

INDUSTRIALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL SÉCULOS XVIII E XIX REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INDUSTRIALIZAÇÃO INDUSTRIALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL SÉCULOS XVIII E XIX RESUMO O setor têxtil foi um dos primeiros a ter uma demanda de designers que produzissem padrões com

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014

Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014 Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014 1 OBJETIVOS Objetivo Geral: Revisar conceitos e abordagens clássicas das Teorias da Administração (Introdução à Administração); Objetivos Específicos: Contextualizar

Leia mais

Sociologia Jurídica. Apresentação 1.1.a Origem e panorama

Sociologia Jurídica. Apresentação 1.1.a Origem e panorama Sociologia Jurídica Apresentação 1.1.a Origem e panorama Origem e panorama Autores clássicos da sociologia Émile Durkheim Karl Marx Max Weber Émile Durkheim Fonte: SABADELL, Ana Lúcia. Manual de Sociologia

Leia mais

Trabalho, Educação e Práticas Pedagógicas: Fordismo

Trabalho, Educação e Práticas Pedagógicas: Fordismo Trabalho, Educação e Práticas Pedagógicas: Fordismo ADRIANO MACHADO ALDERENIK OLIVEIRA EDILENE CUNHA MARTINEZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ, UEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MINTER UEM/FAFIJA

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 As assertivas a seguir resumem formulações teóricas da Sociologia sobre coesão social e anomia Leia-as e assinale a alternativa que indica as formulações corretas na tradição teórica

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

04/02/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 NOÇÕES SOBRE ADMINISTRAÇÃO

04/02/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 NOÇÕES SOBRE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 NOÇÕES SOBRE ADMINISTRAÇÃO 1 ANTECEDENTES HISTÓRICOS Influências da Igreja Católica organização hierárquica Influências

Leia mais

ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Meireles, M.Sc. Segundo a Associação

Leia mais

TEORIAS E MODELOS DE GESTÃO

TEORIAS E MODELOS DE GESTÃO TEORIAS E MODELOS DE GESTÃO Capítulo 02 1 QUESTÕES PARA REFLEXÃO 2 O QUE CARACTERIZOU O INICIO DO MOLDELO INDUSTRIAL NA RELAÇÃO CAPITAL TRABALHO? QUE MUDANÇAS OCORRERAM? 1 3 O QUE CARACTERIZOU O INICIO

Leia mais

www.ricardoalmeida.adm.br Os Precursores da Teoria Administrativa

www.ricardoalmeida.adm.br Os Precursores da Teoria Administrativa Introdução à Administração www.ricardoalmeida.adm.br Os Primórdios da Administração Revolução Industrial Os Precursores da Teoria Administrativa Conceitos de Administração: Escola Funcional ADM é um processo

Leia mais

Fordismo e o Surgimento do Keynesianismo

Fordismo e o Surgimento do Keynesianismo Fordismo e o Surgimento do Keynesianismo Material de apoio para Monitoria 1. (ENEM-2001)... Um operário desenrola o arame, o outro o endireita, um terceiro corta, um quarto o afia nas pontas para a colocação

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO. Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera

SISTEMAS DE PRODUÇÃO. Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera SISTEMAS DE PRODUÇÃO Técnico em Logística, Pronatec- Anhanguera James Watt foi um matemático e engenheiro escocês. Construtor de instrumentos científicos, destacou-se pelos melhoramentos que introduziu

Leia mais

Economia Industrial 1

Economia Industrial 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso de Economia Economia Industrial Análise Estrutural dos Mercados e da Concorrência em Oligopólios Conceitos Introdutórios Professor : Johnny Luiz Grando

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Histórico: - Um dos registros mais antigos de produção gerenciada data de cerca de 5.000 a.c.: monges sumérios já contabilizavam seus estoques,

Leia mais

A efetividade da educação à distância para a formação de profissionais de Engenharia de Produção

A efetividade da educação à distância para a formação de profissionais de Engenharia de Produção A efetividade da educação à distância para a formação de profissionais de Engenharia de Produção Carolina Pinheiro Bicalho Maria Clara Duarte Schettino Maria Laura Quaresma Ragone Mário Santiago Israel

Leia mais

GESTÃO DAS OPERAÇÕES 18/01/2016 VAMOS NOS CONHECER AVALIAÇÕES

GESTÃO DAS OPERAÇÕES 18/01/2016 VAMOS NOS CONHECER AVALIAÇÕES GESTÃO DAS OPERAÇÕES VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI Especialista em Gestão de Projetos,

Leia mais

Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1

Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1 Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1 Vinicius Correia Santos 2 Introdução Como conseqüência da reestruturação

Leia mais

O marxismo heterodoxo de João Bernardo

O marxismo heterodoxo de João Bernardo O marxismo heterodoxo de João Bernardo João Alberto da Costa Pinto 1 Meu propósito neste colóquio é o de fazer uma rápida apresentação de alguns aspectos conceituais que considero fundamentais na proposta

Leia mais

PRECURSORES DO COOPERATIVISMO Caroline Goerck

PRECURSORES DO COOPERATIVISMO Caroline Goerck PRECURSORES DO COOPERATIVISMO Caroline Goerck RESUMO: No Século XIX na Europa, diante da precariedade das condições e relações de trabalho estabelecidas, foram suscitados pela classe trabalhadora movimentos

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA.

GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA. GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA. René Descartes Dualismo: Corpo e mente Cogito ergo sun O trabalho deu origem as organizações

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM As Teorias de administração e os serviços de enfermagem Teorias da administração no processo da enfermagem Administrar: é um processo de planejamento, organização, liderança

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Objetivo Resolver exercícios de vestibulares sobre os clássicos da sociologia:

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre

Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre Colégio: Nome: Nº Sem limite para crescer! Professor (a): Série: 1º ano Turma: Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre Questão 01: Pela exploração do mercado mundial a burguesia imprime um caráter

Leia mais

Evolução do Pensamento Administrativo

Evolução do Pensamento Administrativo Evolução do Pensamento Administrativo Rosely Gaeta Slides de Aula 01 - Evolução da Administração: estágios até as primeiras escolas Fonte: Chiavenatto e diversos autores 18/9/2014 Organização Companhia,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO QUESTÃO 01: - Situar historicamente e contextualizar o percurso de

Leia mais

O DIREITO DO TRABALHO FRENTE ÀS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.

O DIREITO DO TRABALHO FRENTE ÀS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO. O DIREITO DO TRABALHO FRENTE ÀS MUDANÇAS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO. Jorge Luiz Souto Maior (*) Já virou costume dizer que o mundo do trabalho mudou e que, por isto, inevitavelmente, o direito do trabalho

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique?

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? 27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? A implantação da informática em quase todos os campos de atividades humanas tem seu lado positivo, mas, por outro lado, a mão

Leia mais

SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02

SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 SUMÁRIO A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 Max Weber e o espírito do apitalismo...02 PRIMEIRO CONCEITO-Ética protestante

Leia mais

A LOUCURA DO TRABALHO

A LOUCURA DO TRABALHO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA: PSICOLO GIA ORGANIZACIONAL II PROFESSORA: SIRLEI CAVINATO A LOUCURA DO TRABALHO Acadêmica:

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Prof. Adeildo Oliveira E-mail: ad.historiatotal@gmail.com INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Ciências Naturais Física Química Biologia Ciências Sociais Economia Antropologia Sociologia 1 Socius

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com.

Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com. Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com.br Modalidad de trabajo: Eje temático: Palabras claves:

Leia mais

O trabalho enquanto dimensão contraditória da potencialidade humana na trajetória de reestruturação produtiva

O trabalho enquanto dimensão contraditória da potencialidade humana na trajetória de reestruturação produtiva Revista Urutágua - revista acadêmica multidisciplinar www.uem.br/urutagua/007/07santos.htm Quadrimestral Nº 07 Ago/Set/Out/Nov Maringá - Paraná - Brasil - ISSN 1519.6178 Centro de Estudos Sobre Intolerância

Leia mais

Objetivos da aula 9/8/2012. Gestão de Recursos Humanos. Teorias da Administração. Empresas X Pessoas X Administração: uma coisa tem a ver com a outra?

Objetivos da aula 9/8/2012. Gestão de Recursos Humanos. Teorias da Administração. Empresas X Pessoas X Administração: uma coisa tem a ver com a outra? Gestão de Recursos Humanos Profª: Silvia Gattai Teorias da Administração Objetivos da aula Construir conhecimentos sobre as várias teorias da administração, que embasam as metodologias de gestão de pessoas

Leia mais

O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza

O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza O fortalecimento da Educação Infantil no Brasil. Ellen de Lima Souza Desde 1996, com a criação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 9.394/96 (LDBEN), ficou estabelecido que a Educação Infantil

Leia mais

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO Autora: Ludmila Carla Campello Jorge 1 Coautores: Aniele Soares Alves 2 Mônica Ferreira dos Santos 3 Letícia Costa Barros 4 Annielly da Silva

Leia mais

Aula 1 Contextualização

Aula 1 Contextualização Economia e Mercado Aula 1 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância do estudo da Ciência Econômica e da organização dos mercados Impacto na sociedade Instrumentalização Tomada de decisão empresarial

Leia mais

3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker O presente artigo busca destacar as principais contribuições teóricas que definiram a linha evolutiva da Administração que se desenvolveu desde

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE II Semana de Economia Política GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE Resumo Inaê Soares Oliveira 1 Lohana Lemos

Leia mais

SOCIOLOGIA 1ª Parte COMO A SOCIOLOGIA SURGIU? O QUE É A SOCIOLOGIA?

SOCIOLOGIA 1ª Parte COMO A SOCIOLOGIA SURGIU? O QUE É A SOCIOLOGIA? SOCIOLOGIA 1ª Parte O QUE É A SOCIOLOGIA? A sociologia é uma ciência que busca compreender os fenômenos sociais. Em nossa vida em sociedade inúmeros são os exemplos de questões em que a sociologia se debruça.

Leia mais

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana Hannah Arendt na obra A condição Humana trata especificamente da questão do público e do privado. 1) Designa três condições/atividades humanas fundamentais:

Leia mais

Do taylorismo/fordista ao toyotismo e o Programa do Voluntariado do Instituto Ethos.

Do taylorismo/fordista ao toyotismo e o Programa do Voluntariado do Instituto Ethos. NOVAS ESTRATÉGIAS DE OBTENÇÃO DO CONSENSO DA CLASSE TRABALHADORA SOB O PARADIGMA TOYOTISTA: O PROGRAMA VOLUNTARIADO DO INSTITUTO ETHOS Luana M. de Andrade 1 Resumo Pretende-se discutir no contexto da reestruturação

Leia mais

QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON

QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON 1. O sistema de castas da Índia é uma divisão social importante na sociedade Hindu. Define-se casta, como grupo social hereditário, no qual a condição do indivíduo

Leia mais

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi

Filmes. Filmes. Gestão de RH. Medicina e segurança no trabalho. Prof. Rafael Marcus Chiuzi Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Medicina e segurança no trabalho Filmes Vídeo humorístico sobre segurança no trabalho. Duração: 3 20 Filmes Sequência de vídeos de acidente de trabalho. Duração:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. Do Sr. Deputado Vanderlei Macris. O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº. Do Sr. Deputado Vanderlei Macris. O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE Do Sr. Deputado Vanderlei Macris Institui o monitoramento do uso de trabalho forçado e de trabalho infantil em Estados estrangeiros. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica instituído

Leia mais

INICIAÇÃO AO ESTUDO DO CAPITAL IVAN BARBOSA HERMINE

INICIAÇÃO AO ESTUDO DO CAPITAL IVAN BARBOSA HERMINE INICIAÇÃO AO ESTUDO DO CAPITAL IVAN BARBOSA HERMINE SÃO PAULO 2013 INICIAÇÃO AO ESTUDO DO CAPITAL IVAN BARBOSA HERMINE Este trabalho foi elaborado com o objetivo de incentivar o estudo da obra O Capital

Leia mais

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio O QUE É UMA EMPRESA? De acordo com Santos (1982), a empresa é comumente definida pelos economistas como uma unidade básica do sistema econômico, cuja principal função é produzir bens e serviços. Os objetivos

Leia mais

A Administração e Suas Perspectivas. Unidade I

A Administração e Suas Perspectivas. Unidade I A Administração e Suas Perspectivas Unidade I ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA ADMINISTRAÇÃO Filósofos Revolução Industrial Política Recursos? Quais são os antecedentes históricos da Administração? Exército

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área.

Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área. Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área. A história da psicologia organizacional é uma criação do século XX, com seu inicio no final do século

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

TÍTULO: EMPECILHOS À AUTONOMIA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO NO CAPITALISMO FLEXÍVEL

TÍTULO: EMPECILHOS À AUTONOMIA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO NO CAPITALISMO FLEXÍVEL TÍTULO: EMPECILHOS À AUTONOMIA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO NO CAPITALISMO FLEXÍVEL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE UBERABA AUTOR(ES):

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade

Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade Acumulação integral e Mais-violência na contemporaneidade No presente artigo pretende-se discutir os regimes de acumulação, especificamente o integral (Viana, 2009), as mudanças na organização do trabalho

Leia mais

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO MODO DE PRODUÇÃO: Pode ser entendido com a estrutura econômica de uma sociedade. Incluem-se nessa noção a maneira como essa sociedade produz, distribui, consome

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

A influência do toyotismo na reestruturação do sistema capitalista: uma análise gramsciana

A influência do toyotismo na reestruturação do sistema capitalista: uma análise gramsciana A influência do toyotismo na reestruturação do sistema capitalista: uma análise gramsciana João Paulo Santos Araujo 1 Resumo Este artigo tem como preocupação a análise do modelo produtivo Toyotista no

Leia mais

A TEORIA DA BUROCRACIA

A TEORIA DA BUROCRACIA A TEORIA DA BUROCRACIA Uma das primeiras aplicações do termo Burocracia data do século XVIII, onde o termo era carregado de forte conotação negativa, designando aspectos de poder dos funcionários de uma

Leia mais

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações.

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações. Introdução à Teoria Geral da Administração Organização É uma combinação intencional de recursos para atingir um determinado objetivo. O que são teorias? São explicações, interpretações ou proposições sobre

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais