Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise"

Transcrição

1 Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão. Neste trabalho pretendo fornecer ao leitor alguns elementos que sirvam de referência para a elaboração de um projeto de pesquisa. Antes, porém, é necessário explicitar algumas considerações a respeito da importância e da especificidade de um projeto de pesquisa em psicanálise. A pesquisa em psicanálise faz parte da atividade clínica do psicanalista, ou melhor, a clínica psicanalítica é, também, uma intensa atividade de pesquisa em que se engajam paciente e psicanalista. Entretanto, essa atividade de pesquisa não termina quando o psicanalista encerra suas atividades cotidianas. Ela faz parte, também, da própria formação do psicanalista que, é sempre bom lembrar, se apóia em sua análise pessoal, em sua atividade de supervisão e nos estudos que empreende. Esses estudos vem, recentemente, ocorrendo no âmbito da universidade e, dentro dessa instituição, a atividade de pesquisa adquire outros significados. Assim, ao contrário do que ocorre no âmbito da clínica, onde o psicanalista não explicita nada além de que ele é um psicanalista, no âmbito universitário é necessário que ele acrescente especificidade e clareza em sua atividade de pesquisa. Assim, por exemplo, quando um paciente, numa entrevista preliminar, indaga qual minha linha de trabalho, costumo responder que minha linha é a de pescar. Ou seja, por estar numa situação clínica vejo-me na contingência de manter a ambigüidade necessária para que o contrato psicanalítico seja feito. Se disser aos colegas universitários que estou ali para pescar, certamente produzirei um intenso estado de estranhamento e, provavelmente, produzirei fantasias exóticas. Algumas vezes sou procurado por estudantes solicitando orientação de dissertação ou de tese e quando pergunto qual o tema de pesquisa que pretendem desenvolver na universidade, ouço uma estranha resposta: "Estou meio perdido. Não sei direito o que quero fazer". Quando isso ocorre, costumo sugerir ao estudante que ele, primeiro, se ache e depois me procure para conversarmos. Ou seja não considero recomendável que um professor defina um tema de pesquisa para um psicanalista já que este deriva da sua atividade clínica e não da do professor. Um psicanalista que não sabe qual o tema que deseja pesquisar mas procura a universidade é, em geral, alguém que não está pronto para freqüentar um programa de pós-graduação em psicanálise. O primeiro passo para elaborar um projeto de pesquisa em psicanálise é perceber então, que ele nasce na atividade clínica e é um prolongamento desta. O segundo passo porém, é o de reconhecer que a universidade possui requisitos de precisão e clareza que são muito diferentes do que ocorre na clínica onde

2 predomina aquilo que chamo de epistemologia onírica, em que a transferência comanda o ritmo da investigação. Assim, entre a clínica e a universidade há uma distância que vai sendo preenchida pela formulação do projeto de pesquisa. O primeiro passo que vai da clínica à universidade é a escolha de um tema. Assim, por exemplo, meu tema de pesquisa, nos últimos 16 anos é: a noção de sujeito em psicanálise. A escolha de um tema de pesquisa em psicanálise, ainda que se derive da clínica e dela faça parte, quando é desenvolvido na universidade, precisa ser pensado em relação ao tipo de posição que o pesquisador ocupa. Assim, um tema de pesquisa para uma dissertação de mestrado é muito diferente de um tema de pesquisa para quem está na universidade há 40 anos. O mestrando está iniciando sua carreira de pesquisador universitário e deve ser bastante modesto em suas pretensões. O mestrado é uma primeira etapa da pósgraduação que visa a formação de doutores, ou seja, de pesquisadores autônomos, que dispensam o trabalho do orientador. No mestrado, o futuro pesquisador está começando a fazer pesquisa universitária e, por isso, deve ter cuidado em não eleger um tema tão vasto e complexo como "a noção de sujeito em psicanálise". Um projeto de pesquisa visando a obtenção do grau de mestre deve durar, no máximo, dois anos, incluindo a redação da dissertação, e o pesquisador deve estar cônscio disso. O bom pesquisador deve ser audacioso e ambicioso na escolha de seu tema de pesquisa, mas deve recortá-lo, de forma a permitir a feitura de uma dissertação de mestrado. O mesmo tema pode ser retomado, depois, no doutorado onde um novo projeto de pesquisa, mais sofisticado será solicitado. O doutorado deve ser realizado, atualmente, em quatro anos e o pesquisador deve levar em conta essa exigência universitária na maneira como recorta seu tema de pesquisa. Digo isso, porque penso, como os grandes pesquisadores, que um tema de pesquisa é tão interessante quanto mais respostas solicitar. Em outras palavras, as respostas são, neste âmbito, muito menos importantes que as perguntas. Quando o doutorado termina, o pesquisador deve estar apto a formular um projeto de pesquisa e a realizá-lo sem a ajuda de um orientador. Mas isso freqüentemente não acontece pois seis anos e meio é pouco para se formar um pesquisador autônomo competente. É por isso que as universidades oferecem hoje programas de pós-doutorado onde o pesquisador experimenta sua autonomia num ambiente suficientemente bom para que ele possa voar sozinho, sentindo-se seguro e perto de pesquisadores mais experientes, a quem ele pode recorrer quando se sentir inseguro ou num beco sem saída. A escolha de um tema é, portanto, um passo que não é primeiro e que circunscreve um campo restrito no interior da psicanálise. Dizer que pesquiso a noção de sujeito na psicanálise já é uma primeira

3 especificação. Entretanto, é algo que ainda é muito vasto, muito amplo e que requer, ainda, muito trabalho para se transformar num projeto de pesquisa. Uma pesquisa em psicanálise se sustenta, então, em primeiro lugar, pela transferência. Esta, por sua vez, por colocar o psicanalista num lugar muito específico que é o lugar de um saber a respeito de um enigma, lança imediatamente o psicanalista numa atividade de pesquisa pois ele sabe ou, pelo menos desconfia, de que ele não sabe aquilo que o paciente supõe que ele sabe. O tema de pesquisa contém, portanto, um enigma que precisa ser especificado pelo psicanalista. Este enigma pode ser traduzido como sendo uma discrepância entre aquilo que é e aquilo que deveria ser. O reconhecimento do enigma produz então, uma situação problemática que requer um trabalho de especificação. Assim, prosseguindo no exemplo que dei acima, o tema a noção de sujeito em psicanálise, se transforma numa situação problemática quando consigo formular um enigma, uma discrepância entre aquilo que é e o que deveria ser. Neste caso específico, o enigma se refere à descoberta absolutamente corriqueira de que muita gente apresenta sintomas, sofrimento psíquico, atos falhos, tragédia e, no entanto, que leva alguns a um interminável processo psicanalítico, não produz, freqüentemente, nenhum efeito desse tipo ainda que as pessoas saibam da existência da psicanálise. Dizendo de outra forma, porque determinadas pessoas se engajam numa análise pessoal enquanto outras, que manifestam os mesmos sintomas, não se engajam? É claro que o enigma, assim formulado, não me leva longe já que não tenho como saber sobre as pessoas que não se analisam. Mas a pergunta assim formulada me serve para pensar e pesquisar sobre a natureza da crise psíquica que empurra alguém para uma análise, ou seja, abre um enorme espaço de pesquisa que é o que me interessa. O pesquisador, então, não deve se preocupar muito com as respostas mas com as perguntas que possam sustentar sua atividade de pesquisa. Esse enigma se transformou-se assim, numa situação problemática, ou seja na especificação de um enigma que me pesca. Na verdade, depois de 16 anos de empenho nessa tarefa, não estou minimamente interessado em encontrar uma resposta que me satisfaça, para esse enigma. Ao contrário, o enigma sustenta uma série de atividades que são, em si, estimulantes e gratificantes. Há, portanto, na formulação de uma situação problemática, uma específica articulação entre uma matriz biológica que sustenta um desejo de saber, e uma matriz cultural que produz um efeito de significação que constitui o sujeito. Em outras palavras, eu me reconheço como um psicanalista que se dedica a investigar uma situação problemática que implica meu corpo, minha energia em direção à matriz cultural, que vai atribuindo sentido a essa minha inquietação, que se traduz por essa situação problemática. Resumindo, então, um projeto de pesquisa contém:

4 A. um tema de investigação, ou seja, um campo circunscrito em que a pesquisa vai ocorrer e, B. uma situação problemática, ou seja, um enigma, uma discrepância entre aquilo que é e aquilo que deveria ser, que é formulado pelo pesquisador. Entretanto, esses são apenas os dois primeiros passos de um projeto de pesquisa. C. o terceiro passo para que um projeto de pesquisa se constitua, refere-se ao estabelecimento de uma teia de relações entre a situação problemática e a produção cultural já existente a respeito do enigma formulado. Uma situação problemática encontra na matriz cultural a sua filiação e a sua especificação. Isso se traduz, na formulação de um projeto de pesquisa, num levantamento bibliográfico que situe e especifique ainda mais a situação problemática. Assim no projeto que está servindo de exemplo, realizei, em primeiro lugar, uma pesquisa na obra de Freud para ver o que ela diz a respeito da noção de sujeito e descobri que ela não diz, explicitamente, quase nada. Descobri, nas poucas vezes em que Freud emprega a expressão "sujeito", que ele está se referindo ao sujeito da enunciação. Descobri, também, que o eu possui, em Freud, também um significado de sujeito. Descobri, finalmente, que ainda que Freud não trate da noção de sujeito, há, em sua obra, uma clara noção subsumida de sujeito que requer explicitação. Nessa altura, já sabia que Lacan havia se dedicado a tratar a noção de sujeito e isso me fez ler Lacan. É necessário observar então, que a revisão da literatura pertinente sobre uma situação problemática e subordina a essa. Tenho lido uma série de projetos de pesquisa que fornecem uma lista de livros a serem lidos pelo pesquisador. O que o pesquisador pretende ler interessa muito pouco para um projeto de pesquisa. As citações bibliográficas em um projeto de pesquisa possuem uma função muito precisa: a de articular a situação problemática a uma tradição de pensamento que se dedicou a elaborar e esclarecer o enigma contido na situação que se pretende pesquisar. Além disso, a articulação entre a situação problemática e a bibliografia se faz visando especificar, ainda mais, o enigma a ser investigado. Assim, Lacan me ensinou que a noção de sujeito está intimamente articulada à noção de significante. Freud, por sua vez, ensinou-me que não há outro caminho de subjetivação humana que não seja pela via do patológico. Então, a noção de sujeito em psicanálise supõe uma articulação entre significante e psicopatologia. Mas, não tinha certeza sobre essa constatação. Dizer, então, que a noção de sujeito em psicanálise depende de uma articulação entre significante e psicopatologia é formular uma hipótese que passa a orientar o meu trabalho de pesquisa. Neste ponto, quando se formula uma hipótese de investigação temos, então, um problema de pesquisa. Em outras palavras, o problema de pesquisa é uma especificação de uma situação problemática e essa

5 especificação é concluída com uma hipótese, ou seja, numa sentença que estabelece uma relação entre dois conceitos, relação essa que requer demonstração, comprovação, argumentos que a sustentam. Resumindo, então, um projeto de pesquisa contém: A. um tema a ser pesquisado; B. uma situação problemática; C. uma revisão da bibliografia ; D. um problema de pesquisa que inclui uma hipótese que orienta o trabalho de pesquisa. projeto. A partir desse ponto, as coisas ficam um pouquinho mais fáceis pois entramos na parte prática do O que falta no projeto? Dizer, é claro, como a pesquisa vai ser realizada, ou melhor quais os passos que o pesquisador pretende dar para concluir a pesquisa? Essa parte do projeto é chamada metodologia. No caso da pesquisa sobre a noção de sujeito em psicanálise, a metodologia é um conjunto de procedimentos que incluiu: uma pesquisa bibliográfica sobre a noção de sujeito na filosofia para se revelar as diferenças específicas entre a noção de sujeito filosófico e a noção de sujeito em psicanálise. Além disso, a pesquisa bibliográfica se estende a noção de significante; A. uma pesquisa bibliográfica sobre o que é psicopatologia e como se manifesta; B. uma pesquisa clínica sobre como a psicopatologia opera uma ação que produz um efeito de subjetivação no significante. Além de se determinar os principais passos que o problema de investigação solicita, a metodologia inclui uma descrição, a mais específica possível, das maneiras como a pesquisa será realizada. C. Após a formulação da metodologia, o pesquisador deve conceber o tempo necessário para realizar cada etapa da pesquisa. A essa fase do projeto dá-se o nome de cronograma. Finalmente, o pesquisador deve conceber os recursos materiais necessários para que sua pesquisa ocorra. A essa fase do projeto, em que se inclui tanto a descrição dos recursos materiais necessários com seu custo discriminado, dá-se o nome de orçamento. Resumindo, então, um projeto de pesquisa inclui: 1. um tema de investigação;

6 2. uma situação problemática; 3. uma revisão da literatura; 4. um problema de investigação; 5. uma metodologia de pesquisa; 6. um cronograma e, 7. um orçamento. Quando todas essas etapas estiverem escritas, é aconselhável que o pesquisador redija um resumo de 10 a 20 linhas que explicite o seu projeto. Esse resumo, além de ser útil para o leitor do projeto e ser, muitas vezes um requisito de fontes financiadoras de pesquisa, é muito esclarecedor para o pesquisador que, dessa forma, torna ainda mais preciso o seu problema de investigação para si mesmo. Um projeto de pesquisa deve ser muito bem apresentado. Deve ser escrito em bom português, sem erros ortográficos ou de composição. Deve revelar, em outras palavras, que o pesquisador trabalhou e investiu nele. Um projeto de pesquisa com uma apresentação gráfica desleixada, feia, mal elaborada, é, freqüentemente rejeitado por aqueles que o julgam tendo em vista financiamentos ou entradas em programas universitários de ensino e pesquisa. Jovens pesquisadores freqüentemente me perguntam quantas páginas deve conter um projeto de pesquisa. Respondo que isso varia de acordo com a finalidade do projeto. Mas acrescento que ele não deve ultrapassar 30 páginas e que o pesquisador deve estar pronto a reformulá-lo, reduzi-lo dependendo da situação específica. Recomendo, também, que o projeto seja discutido com colegas e professores, pois isso ajuda o trabalho de especificação do projeto e da pesquisa. Alguém que esteja começando a sua carreira de pesquisador na universidade pode pensar que está perdendo tempo precioso formulando um projeto de pesquisa e que deveria estar empregando esse tempo fazendo a pesquisa. Fazer pesquisa sem projeto é como construir casa sem uma planta. Ou a casa é muito simplisinha e pode ser construída sem a planta, ou a casa é complexa e se torna um verdadeiro frankenstein. Além disso, se não há uma cuidadosa planta que detalhe, não só a arquitetura, mas também a parte hidráulica e elétrica, o gasto de tempo, material e dinheiro torna-se brutal. Na pesquisa universitária então, a falta de um projeto precisamente formulado, pode lançar o pesquisador num labirinto sem saída que pode ter conseqüências trágicas. Um projeto cuidadosamente elaborado facilita muito a vida do mestrando, do doutorando, do orientador, da fonte financiadora que concede bolsa e auxílio à pesquisa e da universidade, que freqüentemente, é solicitada a dizer o que estão fazendo seus professores e estudantes. Um pesquisador deve, com freqüência, voltar a ler seu projeto de pesquisa, e modificá-lo à medida em que a pesquisa se desenvolve. Esta prática é muito útil pois reorienta e redireciona o pesquisador, dando-lhe

7 fôlego para continuar seu trabalho. Por isso, recomendo aos psicanalistas que pretendem ingressar na universidade para pesquisar, que tenham sempre à mão um projeto de pesquisa bem elaborado.

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO 15.1 Como se Preparar para as Entrevistas É absolutamente essencial treinar-se para as entrevistas. Se você não praticar, poderá cometer todos os tipos

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR ISSN 2316-7785 CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O APERFEIÇOAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: INOVAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR Gabriela Dutra Rodrigues Conrado Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA gabrielapof@hotmail.com

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR?

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? Como Encontrar a Verdadeira Felicidade Rosanne Martins Introdução Este livro foi escrito com o intuito de inspirar o leitor a seguir o sonho que traz em seu coração.

Leia mais

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET Julia Annas Platão Tradução de Marcio de Paula S. Hack www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 Su m á r i o Ca p í t u l o 1: Discutindo com Platão...7 Ca p í t u l o 2: O nome de Platão e outras questões...18 Ca

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR FERRAZ, Dirce Huf (dirce.ferraz @iap.org.br) IAP CHAVES, Sônia Maria Haracemiv (sharacemiv@gmail.com) Universidade

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO DOUTORADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO DOUTORADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO DOUTORADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO Trabalho apresentado para seleção do curso de Doutorado

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Acate as Objeções do Cliente

Acate as Objeções do Cliente Acate as Objeções do Cliente Esquema de Palestra I. Como Acatar Objeções A. Aprenda a aceitar objeções como um desafio que, quando enfrentado corretamente, beneficiará você e seu cliente potencial. B.

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CPI - SIVAM EVENTO: Reunião Ordinária N : 0454/02 DATA: 21/05/02

Leia mais

O Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e Doutorado

O Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e Doutorado O Quê Você Deveria Saber sobre o seu Mestrado e Doutorado Manoel Mendonça Professor do DCC-IM-UFBA Disclainmer Esta apresentação contém conselhos que considero úteis para o bom desenvolvimento de um curso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6 FIAT Q Questionário de Relacionamento Interpessoal Glenn M. Callaghan Department of Psychology; One Washington Square, San Jose University, San Jose CA 95192-0120 Phone 08) 924-5610 e fax (408) 924 5605.

Leia mais

Preencha a ficha de cadastro no final deste livro e receba gratuitamente informações sobre os lançamentos e as promoções da Elsevier.

Preencha a ficha de cadastro no final deste livro e receba gratuitamente informações sobre os lançamentos e as promoções da Elsevier. Lei_Resp_Fiscal_Book.indb i 04/05/2012 15:51:48 Preencha a ficha de cadastro no final deste livro e receba gratuitamente informações sobre os lançamentos e as promoções da Elsevier. Consulte também nosso

Leia mais

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado Introdução Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado O presente trabalho tem como objetivo a discussão em torno da conceituação do afeto em psicanálise, através do diálogo entre

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial Começo minha reflexão de hoje pensando um pouco na história da Administração, nos princípios de gestão e formas como as empresas hoje são geridas.

Leia mais

Lançada pela Fundação Schlumberger em 2004, a Universidade para o Futuro cresceu para se tornar uma comunidade de 142 mulheres em 43 países.

Lançada pela Fundação Schlumberger em 2004, a Universidade para o Futuro cresceu para se tornar uma comunidade de 142 mulheres em 43 países. Próxima sessão de concessão de bolsas de estudo A sessão de concessão de bolsas de estudo de 2011 abrirá para inscrições a partir de 15 de setembro de 2010. Formulários de orientação e inscrição estarão

Leia mais

Para alcançar o Sucesso é preciso que você tenha a plena convicção de que nossos produtos e nossa Oportunidade podem realmente transformar a vida das

Para alcançar o Sucesso é preciso que você tenha a plena convicção de que nossos produtos e nossa Oportunidade podem realmente transformar a vida das Querida Estrela do Bem, Aqui estão alguns Passos para aplicarmos no dia a dia São passos diários para o sucesso do seu negócio MK. Faça o Plano das 100 CARITAS em 4 semanas com todas as Consultoras de

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com 1 Distribuição Gratuita. Este e-book em hipótese alguma deve ser comercializado ou ter seu conteúdo modificado. Nenhuma parte deste e-book pode ser reproduzida ou transmitida sem o consentimento prévio

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957.

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. FORMAÇÃO

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis

SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis CURRÍCULO DE PROGRAMA SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis Esta sessão trata da importante habilidade pessoal e profissional do estabelecimento de metas. As participantes podem ter sentimentos diferentes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico.

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Aula 3 META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno(a) deverá: ler

Leia mais

Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente.

Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente. BOLETIM TÉCNICO JULHO 2015 Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente. Segundo a Psicologia atual ajudada pela compreensão do mundo real que nos trouxe a Física moderna, nós, seres

Leia mais

Dicas que ajudam pais na escolha da escola dos seus filhos

Dicas que ajudam pais na escolha da escola dos seus filhos Dicas que ajudam pais na escolha da escola dos seus filhos Com a chegada do fim do ano, muitos pais vivem um impasse na escolha da melhor escola para seus filhos. Quais aspectos levar em consideração?

Leia mais

COMO REDIGIR ARTIGOS CIENTÍFICOS. Profa. EnimarJ. Wendhausen

COMO REDIGIR ARTIGOS CIENTÍFICOS. Profa. EnimarJ. Wendhausen COMO REDIGIR ARTIGOS CIENTÍFICOS Profa. EnimarJ. Wendhausen Objetivo do capítulo Contribuir para que o discente, seguindo as etapas apresentadas no texto, tenha condições de redigir um texto em conformidade

Leia mais

Gestão da TI. Os custos escondidos da. Conheça os custos escondidos na gestão amadora da TI e pare de perder dinheiro.

Gestão da TI. Os custos escondidos da. Conheça os custos escondidos na gestão amadora da TI e pare de perder dinheiro. da Gestão da TI Conheça os custos escondidos na gestão amadora da TI e pare de perder dinheiro. Conteúdo Introdução Os custos escondidos - parte 1 Os custos escondidos - parte 2 Os custos escondidos -

Leia mais

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Fídias Gomes Siqueira 1 Andréa Maris Campos Guerra 2 [...] a gente carecia de querer pensar somente nas coisas

Leia mais

QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader

QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader VOCÊ CONHECE ALGUÉM QUE: Quer ganhar dinheiro; Quer uma renda extra; Deseja conhecer pessoas e fazer novas amizades;

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Aprender para além dos muros escolares

Aprender para além dos muros escolares Aprender para além dos muros escolares Aline Verardo Corrêa e Simone de Oliveira Emer 1 Resumo O presente artigo quer de forma fiel e sucinta apresentar esboços de sonhos e realidades sobre a educação

Leia mais

Trabalhando em equipes e resolvendo problemas: a aplicação do PBL em sala de aula

Trabalhando em equipes e resolvendo problemas: a aplicação do PBL em sala de aula Trabalhando em equipes e resolvendo problemas: a aplicação do PBL em sala de aula Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul São Paulo, 17 de junho de 2015. Agenda Introdução

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 O diálogo a seguir envolve dois assuntos de grande interesse geral: a proteção oferecida pelos espíritos frente às diferentes situações a que somos

Leia mais

Planejamento Financeiro Feminino

Planejamento Financeiro Feminino Planejamento Financeiro Feminino Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Sumário introdução 03 Capítulo 5 16 Capítulo 1 Pense no futuro! 04 Aproveite os fins de semana Capítulo 6 18 Capítulo 2 07 É preciso

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero (A autora deste artigo é procuradora da República. Como mãe de duas crianças que freqüentam a educação infantil, e como profissional na área

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

Lembramos que quanto mais transparentes forem as respostas, mais facilmente identificaremos seus objetivos de investimento.

Lembramos que quanto mais transparentes forem as respostas, mais facilmente identificaremos seus objetivos de investimento. São Paulo, de de 20 Nome: Perfil de Risco: Conta Cliente: Prezado Cliente, Atendendo as melhores práticas de mercado, apresentamos abaixo 13 questões, que nos permitirão compreender melhor o seu perfil

Leia mais

Educar é ensinar a pensar

Educar é ensinar a pensar Educar é ensinar a pensar Sara Pain A psicopedagoga argentina condena a transmissão mecânica dos conteúdos e conta como trabalha para formar gente capaz de pesquisar e construir seu próprio conhecimento,

Leia mais

Como desenvolver um projeto de pesquisa. Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br

Como desenvolver um projeto de pesquisa. Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br Como desenvolver um projeto de pesquisa Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br Pesquisa é curiosidade formalizada. É cutucar e indagar com um propósito. (Zora Neale Hurston) A ciência, como um

Leia mais

UM NOVO ESTILO DE VIDA A

UM NOVO ESTILO DE VIDA A 1 UM NOVO ESTILO DE VIDA A Dieta de South Beach sempre se propôs a ser mais do que uma dieta. Na verdade, ela foi desenvolvida para ajudar meus pacientes diabéticos e cardíacos a emagrecer e a se prevenir

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

COMO SIMULAR PROJEÇOES FINANCEIRAS ATRAVÉS DO METODO DE MONTE CARLO

COMO SIMULAR PROJEÇOES FINANCEIRAS ATRAVÉS DO METODO DE MONTE CARLO COMO SIMULAR PROJEÇOES FINANCEIRAS ATRAVÉS! O que é o método de simulação de Monte Carlo?! Como utilizar números aleatórios para testar uma simulação financeira?! Como gerar números aleatórios pelo Excel?!

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ELEMENTOS TEXTUAIS DE PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE ELEMENTOS TEXTUAIS DE PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE ELEMENTOS TEXTUAIS DE PROJETO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REVISÃO DE LITERATURA PROBLEMA HIPÓTESE METODOLOGIA IMPORTÂNCIA, IMPACTOS E RESULTADOS ESPERADOS CRONOGRAMA

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

Marcelo c. m. pessoa

Marcelo c. m. pessoa Marcelo c. m. pessoa CRM 52670502 CIRURGIA PLASTICA INFORMAÇÕES SOBRE TRATAMENTO MÉDICO-ESPECIALIZADO SOLICITAÇÃO E AUTORIZAÇÃO PARA TRATAMENTO Eu, identidade número expedida por, solicito e autorizo ao

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

Anuncii - Programa de afiliados como ganhar dinheiro

Anuncii - Programa de afiliados como ganhar dinheiro Anuncii - Programa de afiliados como ganhar dinheiro Nesse artigo vou explicar os 5 passos para você realizar sua primeira venda no site anuncii programa de afiliados novo e com uma excelente comissão.

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

O caminho do sucesso FORMAÇÃO: AGORA E SEMPRE

O caminho do sucesso FORMAÇÃO: AGORA E SEMPRE 08 05 06 O caminho do sucesso Independente do que cada pessoa considera sucesso, trilhar uma trajetória vencedora depende de investir em uma sólida formação, da gestão eficiente da carreira e de construir

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA 1ª Avaliação do Curso de Especialização em Projetos e Obras Públicas de Edificações do Programa

Leia mais

MÉTODO DE APROVAÇÃO 2.0

MÉTODO DE APROVAÇÃO 2.0 MÉTODO DE APROVAÇÃO 2.0 Os 3 Passos Estratégicos para ser Aprovado em Concursos Priorizando os temas do Edital Gerson Aragão Ex-Defensor Público VERSÃO 2.1 Atualizado 12.11.2015 Índice Apresentação.. 03

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE Márcia Gagliardi Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores

Leia mais

Regulamento Projeto interdisciplinar

Regulamento Projeto interdisciplinar Regulamento Projeto interdisciplinar 1 Apresentação O presente manual tem como objetivo orientar as atividades relativas à elaboração do Projeto Interdisciplinar (PI). O PI é o estudo sobre um tema específico

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Resumo ANDRADE, VALTER ZOTTO DE FAEL valterzotto@uol.com.br Eixo temático: Comunicação

Leia mais

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL)

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) % ABERTURA JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) Esta avaliação é constituída de 20 questões possíveis de ocorrer em uma empresa. Cada questão é composta por duas afirmativas. Você deve analisar

Leia mais

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Energia Eólica Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Tema Eletricidade / usos da energia / uso dos recursos naturais Conteúdos Energia eólica / obtenção de energia e problemas ambientais

Leia mais

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert Biodanza Para Crianças e Jovens Manuela Mestre Robert FICHA TÉCNICA: TÍTULO Biodanza para Crianças e Jovens AUTORIA Manuela Mestre Robert Manuela Mestre Robert, 2008 CAPA Crianças do 1º ciclo do Ensino

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa 3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa O objetivo do presente estudo é o de avaliar um processo de comunicação oficial na organização STAR, uma organização do segmento de educação, sem fins lucrativos,

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) IFRJ-Reitoria Rio de Janeiro 2014 1 C O M I S S Ã O D E E L A B O R A Ç Ã O Portaria n 0092 de 05 de agosto de 2013 Cláudia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MANUAL DO AVALIADOR Avaliar é fazer análise e ter a oportunidade de rever, aperfeiçoar, fazer de forma diferente, sempre em busca de eficácia e resultados. Gartner & Sánchez As

Leia mais

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros ???????? Apoio: Rica Eu quero ser... Um guia para encontrar a rota da prosperidade por Mara Luquet 81 Era uma vez... Era uma vez uma princesa, dessas que passeiam pelos campos e bosques e são muito bonitas

Leia mais

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO Entrevista Cláudia Peixoto de Moura Nós da Comunicação tendemos a trabalhar com métodos qualitativos, porque, acredito, muitos pesquisadores desconhecem os procedimentos metodológicos quantitativos ED

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

Elaboração de Plano de Negócio Leandro Lind 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais!

Elaboração de Plano de Negócio Leandro Lind 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Elaboração de Plano de Negócio Leandro Lind 04.Jun.2013 Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! O que é importante para você? O que é importante para você? Saúde! O que

Leia mais

O MUNDO É A CASA DO HOMEM

O MUNDO É A CASA DO HOMEM O MUNDO É A CASA DO HOMEM Nichan Dichtchekenian Há dois motivos principais que me levam a fazer esta apresentação: O primeiro é fazer um esclarecimento e uma defesa da Fenomenologia, buscando, este esclarecimento,

Leia mais

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente

Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente Um pro logo que ha de fazer algum sentido mais a frente De entre todas as coisas que podem entupir os canos lá em casa, um mamífero do Ártico com excesso de peso é provavelmente a pior. Isto porque, embora

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO SEM SUPERVISÃO

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO SEM SUPERVISÃO CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CPI - SIVAM EVENTO: N : 0528/02 DATA: 04/06/02 INÍCIO: 15h35min TÉRMINO:

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

PACIÊNCIA ZERO. Do atendimento ao cliente chato. De Wellington Rianc Della Sylva

PACIÊNCIA ZERO. Do atendimento ao cliente chato. De Wellington Rianc Della Sylva PACIÊNCIA ZERO Do atendimento ao cliente chato De Wellington Rianc Della Sylva 2013 SINOPSE Você que trabalha ou já trabalhou com atendimento ao usuário por telefone vai dizer que é verdade. Tem usuário

Leia mais

Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS

Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS Neste inicio de curso de Formação em Coaching e Mentoring do Sistema ISOR, eu quero fazer a seguinte pergunta: o que vocês mais querem da vida hoje? Alguém pode começar?

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Passos para recrutar voluntários

Passos para recrutar voluntários Passos para recrutar voluntários Encontrando o voluntário Faça um - mostrando o que Deus está fazendo no ministério Coloque no boletim um Em todos os eventos do ministério que levantam outras pessoas passe

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais