A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna"

Transcrição

1 Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário, as citações deste capítulo referem-se ao quarto capítulo do livro O pai e sua função em Psicanálise, de Joel Dor).[1] A função paterna, no Édipo lacaniano[2], não se limita à proibição do objeto incestuoso (com suas derivações, associadas ao conflito neurótico) e vai além de representar o modelo para a identificação superegóica, papéis relacionados entre si e que são centrais no enfoque freudiano. A partir da descrição freudiana, Lacan estende o papel do que chama de metáfora paterna e Nome-do-Pai, que agencia a "castração" ou separação entre o infans e a "mãe", atribuindo-lhe a função de erguer a barreira contra a psicose. Não fica claro, na descrição lacaniana, se se trata unicamente da psicose adulta, ou se ele se refere igualmente à esquizofrenia infantil (e ao autismo).

2 Em relação ao adulto, a literatura lacaniana recorre à petição princípio. Se há surto, a explicação é que a castração não teria sido agenciada devidamente pelos representantes encarregados de fazer valer a metáfora paterna ou o Nome-do-Pai. Evidentemente, desde que não há como prever o que acontecerá na fase adulta a partir da "observação" do processo de constituição do sujeito, a explicação em questão não somente é inverificável como tautológica. A segunda teoria das pulsões freudiana oferece um enfoque mais coerente. Se a dualidade pulsional permanece ao longo da vida, a "desfusão", termo utilizado por Freud para descrever a autonomia adquirida pela pulsão de morte, não mais contrabalançada por Eros, permitiria entender melhor o movimento que inverte as posições de sujeito e de objeto (ou nem sequer objeto, situação prévia ao espelho) no quadro psicótico. Desde que devidamente interpretado, o conceito freudiano parece dar conta do surto sem recorrer à petição de princípio inerente à hipóstase lacaniana. Cabe acrescentar que a desfusão não necessariamente se apresenta como irreversível, levando em conta que a posição de sujeito pode ser recuperada. Nem todo surto se cronifica, nem toda condição psicótica se deteriora, nem sempre o resultado da irrupção delirante é a demência. Mas, de qualquer forma, em vez de atribuir retroativamente o surto a uma falha no "Nome-do-Pai", trata-se de reconhecer a psicose como uma possibilidade, imprevisível e incontrolável, do sujeito constituído. Já em relação ao autismo e à psicose infantil, o estádio do espelho e a aquisição da linguagem constituiriam fenômenos de importância capital para entender de que maneira o infans pode emergir desses momentos constitutivos e aceder à posição de sujeito. Ainda que Lacan não os tenha mencionado explicitamente, o autismo e a esquizofrenia infantil apóiam decisivamente a sua teoria da constituição do sujeito. Vale a pena ressalvar que "metáfora paterna" e "Nome-do-Pai" seriam metáforas do

3 processo de aquisição de linguagem, agenciado pela identificação com o lugar de sujeito, prevalecente por sua vez no discurso do campo desejante ("função materna") e do campo normativo ("função paterna"). Além de promover a neurose (considerada no universo teórico psicanalítico como um mal menor quando comparada à perversão)[3], o superego freudiano é também o responsável pela depressão, quando a proibição dirigida ao primeiro objeto de desejo (a "mãe") ultrapassa a exacerbação típica da neurose (em que são condenadas pelo interdito as situações caracterizadas por um alto grau de prazer) e atinge a posição de sujeito, promovendo a desvalorização do eu mediante a auto-crítica (culpa) que bloqueia o acesso a todo objeto. Freud não derivou dessa hipótese o que parece sua conseqüência lógica: se a desvalorização extrema caracteriza o quadro melancólico[4], seria possível deduzir que a função superegóica na mania está ligada à valorização irrestrita do eu. O mecanismo seria simetricamente oposto ao da depressão: se a autoagressão, em função do distanciamento ao ideal, constituiria o mecanismo da auto-desvalorização, a auto-exaltação, decorrente do movimento contrário - a coincidência entre o eu e seu ideal - ocasionaria o quadro maníaco. Na mania, o objeto de desejo não apenas é acessível mas constitui um apêndice do sujeito; tudo se torna possível quando a interdição sai de cena. Menos a possibilidade de receber, que promove a associação entre estado maníaco e rejeição, mecanismo que aciona o movimento oposto, conducente à depressão. É lícito considerar que o quadro maníaco-depressivo decorre do poder irrestrito adquirido pelo eu (ego) ideal, que na teoria da constituição do sujeito pode ser referido ao primeiro momento do Édipo, designável pela expressão sujeito absoluto, anterior ao reconhecimento do desejo do outro (ideal de ego). A diferenciação entre ego ideal e ideal de ego foi feita

4 por Lacan, leitor atento das entrelinhas freudianas. Lacan não mencionou a função do supereu na mania, mas em compensação percebeu a sua importância na perversão, o que certamente deve ter surpreendido bastante o pensamento psicanalítico canônico. Se o eu ideal está ligado à depressão e à mania, o ideal de ego seria responsável pela neurose e pela perversão, no último caso através do imperativo: Goze! (ou: transgrida!). O eu ideal designaria então a forma de identidade que Freud descreveu como narcisismo primário, e o ideal de eu ao narcisismo secundário. O narcisismo primário caracteriza a mania-depressão e a paranóia, enquanto o narcisismo secundário caracteriza os conflitos do sujeito constituído - ou seja, neurose e perversão. Tudo se passa como se a identificação com as expectativas inconscientes do Outro (no exercício da função normativa), caracterizadas pela ênfase no ideal, se expressassem por esses conflitos, o que faria do supereu o vilão da segunda tópica. Mas, e referindo novamente o enfoque lacaniano, o supereu tem também a função de contrapor o ideal de eu ao eu ideal, fazendo do conflito no sujeito constituído como tal, submetido à falta, o oposto ao conflito tal como se expressa nos casos em que a completude (desejo de não desejar, pulsão de morte) subverteu o regime da falta (desejo de desejar, pulsão de vida). Nessa acepção, a expressão narcisismo primário (eu ideal) designaria o primeiro momento da formação do eu (aquisição de linguagem, início da fase fálica, reconhecimento do próprio desejo[5]), enquanto narcisismo secundário (ideal de eu) descreve a possibilidade de dirigir o não para o próprio desejo, equivalente ao reconhecimento do desejo do outro. O reconhecimento do desejo do outro, por sua vez, não significa a inexistência de conflito na relação, visto que pode derivar em fuga (neurose) e/ou dependência (perversão), embora seja também a pré-

5 condição da sublimação (aceitação da diferença e propensão à criatividade). O eu ideal corresponde ao primeiro momento do Édipo, em que, recém advinda à posição de sujeito, a criança (não mais infans, porque já habitada pela linguagem em forma de discurso próprio) empenha-se para ser aceita incondicionalmente, recusando normas e limites. O ideal de eu corresponde ao momento final do Édipo, quando a dimensão do futuro se sobrepõe à do presente. A criança ter-se-ia identificado com o lugar que, (sempre de maneira singular, com todas as peculiaridades expressas em cada posição de sujeito), supõe a aceitação das restrições impostas ao narcisismo primário. Sob esse aspecto, o supereu expressaria o reconhecimento do desejo do outro, que equilibra a exigência de ter o próprio desejo reconhecido pelo outro. Faltou a Lacan reconhecer que o supereu, além das suas funções conflitivas (expressas pela neurose, perversão, mania e depressão) e da sua "periclitância" na paranóia, também é responsável pela possibilidade de reconhecer o desejo do outro sem a renúncia ao próprio desejo. Na medida em que se manifesta dessa maneira, o supereu constitui a condição de possibilidade do prazer não conflitivo, cuja conseqüência é a criatividade, ou seja, a sublimação, caracterizada pela convivência não competitiva entre a auto-valorização e a valorização do objeto. O eu ideal representa o narcisismo primário, a posição de objeto absoluto; é anterior ao supereu. O supereu tanto pode representar a possibilidade de dizer não ao desejo de não desejar (posição de sujeito desejante), como, através do ideal de eu "tirânico", manter a posição de sujeito absoluto que havia inaugurado a fase fálica, portanto o complexo de Édipo. Neste último caso, a conseqüência seria a psicose maníaco-depressiva (ou distúrbio bi-polar).

6 Lacan separa mais claramente do que Freud a função proibitiva e propiciatória do supereu do seu agente parental concreto, ou seja, o adulto de carne e osso (pai propriamente dito ou seu(s) substituto(s)). Geralmente emprega a locução "função paterna" em vez de "pai". Mesmo assim, também ocorre sob sua pena a confusão entre "pai real" e "pai concreto". Não menos freqüente é encontrar, na literatura lacaniana, como no título do capítulo do Dor que trata do tema, o substantivo "pai", em vez de "função paterna". (Seria o caso de considerar que mesmo "função paterna" não é uma expressão isenta de empirismo, por manter a referência a "pai" e ao masculino. "Campo normativo" poderia substituí-la vantajosamente, visto que a separação em relação à "figura materna" - expressão igualmente inadequada -, pode ser agenciada por qualquer pessoa, independentemente do sexo) Segue-se uma interpretação das três formas assumidas pela função do pai na concepção lacaniana: Pai imaginário: função paterna (campo normativo) tal como desempenhada(o) na primeira etapa do Édipo, propiciando a identificação com o lugar que produz a aquisição de linguagem. Trata-se do início da fase fálica, momento inaugural da posição de sujeito, associado ao conceito de "metáfora paterna" (que pode ser interpretado como representação do processo responsável pela passagem de "ser o

7 [1] Jorge Zahar Editor, Original em francês publicado pela Point Hors Ligne, Paris: 1989.[2] Lacan confere ao complexo de Édipo, tal como elaborado por Freud, o caráter de um mito teórico mas promove a castração a conceito central para entender o acesso à posição de sujeito. [3] Bem como a única alternativa, no sujeito constituído, à perversão. A psicanálise oficial (tanto a não lacaniana como a lacaniana) não considera a sublimação como estrutura pertencente ao quadro nosográfico enquanto avesso (e antídoto) da neurose, da perversão e da psicose. Priva-se assim de compreender a possibilidade do prazer não conflitivo e da criatividade como contraponto à relação de fuga e/ou dependência. [4] Melancolia era o termo usado para designar a depressão na nosografia psiquiátrica do início do século XX. [5] Sempre expresso metafórica e metonimicamente pela demanda. Consulte mais sobre esse e outro títulos do autor:

Conceitos Fundamentais Freudianos

Conceitos Fundamentais Freudianos Conteúdo Programático 1º Semestre Conceitos Fundamentais Freudianos Inconsciente, Pré-consciente e Consciência Os Mecanismos de Defesa Da Terapia Catártica ao Tratamento Psicanalítico Narcisismo e as Identificações

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17)

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) Terapia Analítica Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) A sugestão. O caráter transitório de seus efeitos lembra os efeitos igualmente

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

A prevalência do falo (Joël Dor)

A prevalência do falo (Joël Dor) A prevalência do falo (Joël Dor) A prevalência do falo Cap. 11 Em Introdução à leitura de Lacan Joël Dor. Artes Médicas, Porto Alegre, 1991. Original: Introduction à la lecture de Lacan L inconscient structuré

Leia mais

DUNKER, C.I.L. Desautorização da Mãe pelo Pai. Revista Pais e Filhos, 2008. A Desautorização da Mãe pelo Pai

DUNKER, C.I.L. Desautorização da Mãe pelo Pai. Revista Pais e Filhos, 2008. A Desautorização da Mãe pelo Pai A Desautorização da Mãe pelo Pai - Quais as consequências de haver um conflito entre pai e mãe em relação à autoridade perante os filhos ou quando divergirem em relação à determinado tema na frente das

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

A violência na relação mãe-filha

A violência na relação mãe-filha 1 Mesa-redonda: VIOLÊNCIA E PODER: REPERCUSSÕES NO FEMININO Coordenação: Profa. Dra. Rita Maria Manso de Barros A violência na relação mãe-filha Marlise Eugenie D Icarahy 1 Rita Maria Manso de Barros 2

Leia mais

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi As inúmeras homenagens prestadas durante o ano de 2001, ao centenário

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se 1 O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE Nahman Armony Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se formando, e, sabedor ou não disto, contribuiu com conceitos

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

Questões preliminares à psicanálise de psicóticos

Questões preliminares à psicanálise de psicóticos Questões preliminares à psicanálise de psicóticos 1987 Questões preliminares à psicanálise de psicóticos Márcio Peter de Souza Leite (Palestra proferida na PUC-SP em 11.11.1987 durante a I Semana de Psicanálise)

Leia mais

Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica.

Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica. Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica. REI, Vivian Anijar Fragoso [1] ; OLIVEIRA, Paula Batista Azêdo de

Leia mais

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924)

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) A dissolução do complexo de Édipo Comentários sobre A dissolução do complexo de Édipo (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) Em extensão sempre crescente, o complexo de Édipo revela sua

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de EX-SISTO, LOGO SÔO Eriton Araújo O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de um aforismo. Mas, para que mais um aforismo para o sujeito da psicanálise? Se considerarmos

Leia mais

RESENHA. Autoras: Fraulein Vidigal de Paula e Denise D Aurea-Tardeli (orgs.) Editora: Universidade Metodista de São Paulo

RESENHA. Autoras: Fraulein Vidigal de Paula e Denise D Aurea-Tardeli (orgs.) Editora: Universidade Metodista de São Paulo RESENHA Violência na escola e da escola: desafios contemporâneos à psicologia da educação Autoras: Fraulein Vidigal de Paula e Denise D Aurea-Tardeli (orgs.) Editora: Universidade Metodista de São Paulo

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Uma introdução Chafia Américo Farah 1

Uma introdução Chafia Américo Farah 1 PASSAGEM AO ATO, ACTING OUT, ATO PSICANALÍTICO: Uma introdução Chafia Américo Farah 1 Palavras chaves: passagem ao ato, acting,psicose,gozo Manhãs de quartas-feiras. Caso clínico ou apresentação de pacientes?

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

A dissecção da personalidade psíquica

A dissecção da personalidade psíquica A dissecção da personalidade psíquica Comentários sobre A dissecção da personalidade psíquica (Conferência número XXXI das Novas Conferências Introdutórias à Psicanálise, volume XXII das Obras Completas

Leia mais

www.franklingoldgrub.com Édipo e gênero

www.franklingoldgrub.com Édipo e gênero www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 9º Capítulo - (texto parcial) Édipo e gênero A função inicial do famoso conceito batizado com o nome do mítico decifrador do enigma foi a de descrever

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Manuela Rossiter Infância - tempo de brincar, coisa séria. Sônia Pereira Pinto da Motta O atendimento de crianças

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

PSICOSE E REENCARNAÇÃO

PSICOSE E REENCARNAÇÃO Matéria de capa 6 PSICOSE E REENCARNAÇÃO NESTA ENTREVISTA, O DR. MÁRIO SÉRGIO SILVEIRA, PSICOTERAPEUTA, EXPLICA COMO O ESPIRITISMO PODE ABRIR NOVAS PERSPECTIVAS NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS MENTAIS Por Érika

Leia mais

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD Eloy San Carlo Maximo Sampaio- IP-USP Psicólogo, mestrando em Psicologia Clínica IP- USP, Bolsista FAPESP 2011/2013

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR 17 ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Ramão Américo Godoy Tatiane Barbosa Serrou da Silva Ana Maria de Oliveira Alves Resumo Este documento

Leia mais

Essa pesquisa foi motivada pelas dificuldades encontradas durante o atendimento

Essa pesquisa foi motivada pelas dificuldades encontradas durante o atendimento Essa pesquisa foi motivada pelas dificuldades encontradas durante o atendimento clínico de pacientes melancólicos. Foi a partir dessa problemática, especialmente relacionada ao estabelecimento da transferência,

Leia mais

O sujeito e os gozos #08

O sujeito e os gozos #08 nova série @gente Digital nº 8 Ano 2 Abril de 2013 Revista de Psicanálise O sujeito e os gozos Pierre Skriabine Isso goza e não sabe, nota Lacan na página 104 do seu Seminário Encore, no capítulo intitulado

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais

Narcisismo e cultura contemporânea

Narcisismo e cultura contemporânea Narcisismo e cultura contemporânea Flávia Ferro Costa Veppo José Juliano Cedaro A cultura hedonista, marcada pela ilusão na satisfação rápida e sempre possível, evidencia a ausência do elemento de barramento

Leia mais

PROJETO 3 (EDUCAÇÃO/PSICANÁLISE- MESTRADO)...

PROJETO 3 (EDUCAÇÃO/PSICANÁLISE- MESTRADO)... PROJETO 3 (EDUCAÇÃO/PSICANÁLISE- MESTRADO)... I. TÍTULO DO PROJETO: A transferência no dispositivo educativo com crianças psicóticas e autistas II. INTRODUÇÃO Atualmente, no campo da psicose e autismo

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

Traumatismo, repetição e comportamento infracional 1

Traumatismo, repetição e comportamento infracional 1 Traumatismo, repetição e comportamento infracional 1 Aline Guimarães Bemfica 2 Em Moral sexual civilizada e doença nervosa moderna (1908), Freud apresenta uma leitura psicanalítica do criminoso: aquele

Leia mais

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Este trabalho tem por intuito verificar quais as transformações sofridas pelos sintomas histéricos ao longo dos anos. Esta indagação se deve

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

O objeto da angústia em Freud e Lacan 1

O objeto da angústia em Freud e Lacan 1 O objeto da angústia em Freud e Lacan O objeto da angústia em Freud e Lacan 1 Maria Carolina Bellico Fonseca Resumo A autora parte, neste trabalho, de algumas considerações, aparentemente discordantes

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

IMAGINÁRIO, EU E PSICOSE NOS PRIMEIROS SEMINÁRIOS DE LACAN

IMAGINÁRIO, EU E PSICOSE NOS PRIMEIROS SEMINÁRIOS DE LACAN RESUMO O artigo propõe uma discussão sobre o tratamento psicanalítico das psicoses, particularmente dos autismos e esquizofrenias, a partir das contribuições de Lacan acerca do registro imaginário presentes

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

Textos originais, revisados pelos membros do conselho editorial. O Editor Científico

Textos originais, revisados pelos membros do conselho editorial. O Editor Científico São Bern@rdo.com.br Revista Acadêmica do Grupo Comunicacional de São Bernardo www.metodista.br/unesco/gcsb/index.htm Ano 1 - nº 1 - (janeiro/junho de 2004) Textos originais, revisados pelos membros do

Leia mais

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER 1 AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER Eloá Andreassa Resumo: As relações amorosas continuam sendo mais que um objetivo na vida das pessoas, é uma necessidade, um sonho, até uma esperança. Porém,

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV 1ª Edição (v1.4) 1 Um projeto de segurança bem feito Até pouco tempo atrás o mercado de CFTV era dividido entre fabricantes de alto custo

Leia mais

Ferramentas para prever, analisar e tratar culturas empresariais

Ferramentas para prever, analisar e tratar culturas empresariais Ferramentas para prever, analisar e tratar culturas empresariais O papel da Gerência enquanto liderança: Evitar ou tratar os problemas patológicos, levando a organização a atingir a Plenitude, buscando

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO

A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO Adm. Marlene Carnevali, PMP, PMI_RMP 1 Adm. Marlene Carnevali, PMP, PMI-RMP marlene@prorisks.com.br www.prorisks.com.br Neste artigo

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

O trauma da poesia inconsciente

O trauma da poesia inconsciente O trauma da poesia inconsciente Marlise Eugenie D Icarahy Psicanalista, doutoranda do Programa de pós-graduação em Psicanálise da UERJ e psicóloga da Prefeitura do Rio de Janeiro. O complexo de Édipo,

Leia mais

Motivação. Robert B. Dilts

Motivação. Robert B. Dilts Motivação Robert B. Dilts A motivação é geralmente definida como a "força, estímulo ou influência" que move uma pessoa ou organismo para agir ou reagir. De acordo com o dicionário Webster, motivação é

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004. LEI Nº 2264, DE 29 DE ABRIL DE 2004. Institui o Plano de Carreira do Magistério Público Municipal e dá outras providências. Grande do Sul. O PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRINHA, Estado do Rio FAÇO SABER

Leia mais