Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1"

Transcrição

1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios, claramente delirantes. Morava com a mãe. Usuário pouco assíduo de um CAPS. As maiores queixas da família se relacionavam ao uso de drogas e aos amigos, que se aproveitavam dele, que não eram boas companhias. Foi internado em um Hospital Psiquiátrico, mas devido ao histórico de uso de drogas acabou indo parar na ala de dependentes químicos. Lá foi abusado sexualmente e precisou ser encaminhado para um hospital geral, devido às lesões corporais que sofreu. Retornou ao CAPS num quadro de confusão mental severa. Não conversava com ninguém, passava os dias andando de um lado para o outro, falando sozinho, xingando, agressivo por vezes. Tirava a roupa, urinava e defecava onde estivesse. Certo dia, a analista ouve, em meio a sua conversa impossível de ser decifrada, as palavras estupro e médico, ao que a mesma intervém perguntando se ele tinha vontade de ser médico. Alfredo abre um sorriso muito marcante e continua sua caminhada pelo corredor: andando e falando sozinho. Na semana seguinte, a analista dirige a palavra a ele, que lhe diz: sou médico de almas, quer ver?. Alfredo senta a analista em uma cadeira, segura sua cabeça com as mãos, faz alguns gestos e pergunta se ela está se sentindo melhor. A situação se repete com os técnicos do serviço, que agradecem Alfredo e dizem estar se sentindo melhores. A partir de então, paulatinamente, Alfredo pôde voltar a conversar com as pessoas ao seu redor, falar de sua filha, de seu trabalho de gesseiro, de sua relação com as drogas... Esse recorte clínico nos aponta não um delírio megalomaníaco propriamente dito, mas nos ajuda a pensar a função do amor a si mesmo na reconstrução delirante do eu. Afinal, a mudança do quadro se dá pela possibilidade de identificação do eu a um Ideal. 1 Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2008). Pós-graduanda em Dependência Química pela Universidade Federal de São João del Rey. Mestranda em Psicanálise pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Endereço: Rua São Domingos Sávio, 61. Nossa Senhora Auxiliadora. Ponte Nova MG. CEP:

2 O narcisismo como formador do eu Freud (1914/206), ao abordar o desenvolvimento libidinal, fala de duas principais fases, pelas quais toda criança passaria ao longo de seu desenvolvimento, a saber, o auto-erotismo e o narcisismo (primário). A primeira destas fases seria aquela em que o bebê ainda não diferenciaria seu próprio eu do mundo externo, sendo por isso, esta, uma fase auto-erótica, na qual as pulsões buscam satisfação no próprio corpo, ou melhor, no próprio órgão. Não basta, entretanto, que haja o investimento nos objetos externos, é preciso, ainda, haver o retorno desse investimento em si mesmo - o narcisismo. O eu, enquanto representação complexa que o indivíduo faz de si mesmo, não existe desde o início, ele é desenvolvido. Assim, o narcisismo surge de uma nova ação psíquica sobre o auto-erotismo (Freud, 1914/2006.) ação esta que Lacan ( ) desenvolve e denomina estádio do espelho - momento no qual a criança teria um júbilo narcísico ao reconhecer-se em seu reflexo no espelho. É importante frisar que esse reconhecimento imaginário não se dá sem o intermédio simbólico do Outro cuja primeira encarnação poderíamos associar à mãe -, que assegura à criança sua identificação a um outro semelhante primórdio da função paterna objeto de desejo deste Outro primordial. (Lacan, 1964). Neste momento, como afirma Freud (1914/2006), tudo é ab-rogado em favor da criança, que é Sua Majestade o Bebê, aquela que concretizará os sonhos dourados que os pais jamais realizaram. Ou seja, a criança encarna aqui o ideal dos pais. Freud (1914/2006, p.99) nos aponta - ainda que não desenvolva, que este é o ponto mais importante quanto aos distúrbios aos quais o narcisismo original de uma criança estaria exposto. Afinal, seria só com o Complexo de Castração que essa identificação ao ideal poderia ser abalada. Se, com o estádio do espelho, tínhamos o triângulo amoroso do Complexo de Édipo freudiano e a operação lacaniana da alienação, é só com o Complexo de Castração que podemos ter a castração simbólica de Lacan ( /1999), esta que é mola-mestra da operação da separação e que insere a falta no sujeito, tornando-o desejante. Freud (1914/2006) assinala a separação entre eu ideal e Ideal de eu como importante para o mecanismo do recalque. Para o ego, a formação de um ideal seria o

3 fator condicionante do recalque (Freud, 1914/2006, p.100) O que ele [o indivíduo] projeta diante de si como sendo seu ideal é o substituto do narcisismo perdido de sua infância na qual ele era o seu próprio ideal. (Freud, 1914/2006, p.101) E, se levarmos em consideração que o que diferencia psicoses e neuroses é o mecanismo de defesa - ou seja, na neurose, recalque e, na psicose, rejeição, ou como sugeriu Lacan, foraclusão então a afirmação de Freud (1914/2006), de que a formação de um Ideal separado do eu ideal da infância seria fator condicionante para o recalque, nos é muito preciosa. Megalomania Em 1915, Freud (1015/2006) classifica a paranóia, juntamente à esquizofrenia, como uma neurose narcísica. É só em 1924 que Freud (1924/2006) formaliza as diferenças entre neuroses e psicoses, atribuindo à primeira um conflito entre o eu e o isso e à segunda um conflito entre o eu e o mundo externo. Ele diferencia ainda, as neuroses narcísicas, que aqui seriam as melancolias, as quais sofreriam pelo conflito entre o eu e o supereu. Propomos destacar o caráter megalomaníaco (face da melancolia) das paranóias e a função de tal característica na construção delirante do sujeito psicótico. Freud (1914/2006, p ) afirma que a concepção de um narcisismo primário e normal surgiria da tentativa de explicar a psicose (então chamada de parafrenia) cujas principais características seriam a megalomania e o desvio de seus interesses do mundo externo pela teoria da libido. Ao apresentar o famoso caso Schreber, o autor já havia (Freud, 1911/2006) afirmado que as pessoas que não se libertaram completamente do estádio do narcisismo, isto é, que teriam neste ponto uma fixação, estariam expostas ao perigo de que uma parte da libido excepcionalmente intensa não encontrasse outro escoadouro e desfizesse as sublimações que o indivíduo pudesse ter alcançado. Além disso, Freud (1911/2006) acentua o caráter megalomaníaco dos delírios paranóicos, afirmando que, na paranóia, a libido liberada dos investimentos sociais anteriores vincula-se ao ego e é utilizada para o engrandecimento deste, o que poderia ser caracterizado como um retorno ao estádio do narcisismo.

4 Alienação ao desejo (do Outro) Se um exemplo tão comum de descrição da paranóia é o sujeito que se diz Napoleão; na clínica não é raro vermos sujeitos paranóicos que se intitulam pessoas importantes, ou pelo menos pessoas que julgam importantes. Pacientes que se dizem donos de grandes negócios, médicos, Jesus Cristo, Buda, Deus, são freqüentes nos serviços de saúde mental. E demonstram a característica megalomaníaca da paranóia. Quando a castração evidencia-se na vida de um sujeito psicótico, isto é, quando algo torna evidente que o eu daquele sujeito não corresponde ao ideal, então o supereu surge com toda a sua força - não recalcado, mas vindo de fora. Freud (1914/2006) assinala que a medição entre o eu e o ideal de eu é feita por esta instância crítica, o supereu, e nos diz que o fenômeno psicótico das vozes denuncia a existência dessa instância. Se o famoso Schreber pôde se organizar minimamente e ter seus direitos civis concedidos de volta, foi graças à sua construção delirante, na qual ele identifica-se à nada menos que a mulher de Deus, capaz de gerar uma nova humanidade. (Freud, 1911) Sem entrar nos detalhes do caso, tão conhecido, do presidente Schreber, destaquemos apenas a importância de que ali a identificação a um eu ideal fica patente. Mas, é importante destacar também a importância do Ideal de procriar uma nova raça. Um Ideal, contudo, diferente. Um Ideal que não carrega a duplicidade de sentido do simbólico, mas sim a encarnação imaginária. Dessa forma, através do estudo do narcisismo, podemos perceber uma diferença crucial no desenvolvimento libidinal do sujeito quando, através da separação entre eu ideal e Ideal de eu - momento apontado por Freud como sendo o do Complexo de Castração e desenvolvido por Lacan como momento da castração simbólica o mecanismo do recalque se instaura e, com ele, a possibilidade de dialética do desejo. Não sendo tal mecanismo instaurado, o desejo do sujeito fica apenas alienado ao desejo do Outro. Não havendo separação, não havendo lacuna entre seu eu e seu Ideal de eu, base para constituição de seus desejos, não há dialética do desejo, que acaba por permanecer congelado.

5 Referências Bibliográficas FREUD, Sigmund. Obras completas ESB, Rio de Janeiro: Imago, (1911) Notas psicanalíticas de um relato autobiográfico de um caso de paranóia, v.xii. (1914) Sobre o narcisismo: uma introdução, v. XIV. (1915) Os instintos e suas vicissitudes (1924) Neurose e Psicose, v.xix. LACAN, Jacques. ( ). O Seminário. Livro 5: as formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., ( ) O seminário. Livro 1: os escritos técnicos de Freud. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed (1964) O seminário. Livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Este trabalho tem por intuito verificar quais as transformações sofridas pelos sintomas histéricos ao longo dos anos. Esta indagação se deve

Leia mais

Essa pesquisa foi motivada pelas dificuldades encontradas durante o atendimento

Essa pesquisa foi motivada pelas dificuldades encontradas durante o atendimento Essa pesquisa foi motivada pelas dificuldades encontradas durante o atendimento clínico de pacientes melancólicos. Foi a partir dessa problemática, especialmente relacionada ao estabelecimento da transferência,

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

Conceitos Fundamentais Freudianos

Conceitos Fundamentais Freudianos Conteúdo Programático 1º Semestre Conceitos Fundamentais Freudianos Inconsciente, Pré-consciente e Consciência Os Mecanismos de Defesa Da Terapia Catártica ao Tratamento Psicanalítico Narcisismo e as Identificações

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA Aluno A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais

Narcisismo e cultura contemporânea

Narcisismo e cultura contemporânea Narcisismo e cultura contemporânea Flávia Ferro Costa Veppo José Juliano Cedaro A cultura hedonista, marcada pela ilusão na satisfação rápida e sempre possível, evidencia a ausência do elemento de barramento

Leia mais

Questões preliminares à psicanálise de psicóticos

Questões preliminares à psicanálise de psicóticos Questões preliminares à psicanálise de psicóticos 1987 Questões preliminares à psicanálise de psicóticos Márcio Peter de Souza Leite (Palestra proferida na PUC-SP em 11.11.1987 durante a I Semana de Psicanálise)

Leia mais

Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas

Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas Selma Correia da Silva Damiana Avila Carvalho Moema dos Santos Duberley Introdução O presente trabalho tem como ponto de partida a nossa experiência clínica

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012 Título: A sintonia do eu com o sintoma: a problemática da angústia na neurose obsessiva Autora: Simone Souto Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise

Leia mais

Concurso Público Psicologia Clínica Caderno de Questões Prova Discursiva 2015

Concurso Público Psicologia Clínica Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Homem de 38 anos de idade chegou ao atendimento por pressão de amigos, pois está convencido de que em seu caso não se trata de doença. Lúcido, fala espontaneamente

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915)

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Flávia Lana Garcia de Oliveira (Doutoranda em Teoria Psicanalítica pela UFRJ Bolsa CAPES no Brasil e Bolsa doutorado sanduíche FAPERJ Université Paris-Diderot

Leia mais

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem Aprendizagem humana Ao nascer, o bebê humano é recebido num mundo de cultura e linguagem que o antecede e ao qual necessita ter acesso. Porém falta

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE Tereza Raquel Tomé Adeodato Laéria Bezerra Fontenele Miguel Fernandes Vieira Filho Orlando Soeiro Cruxên Quando nos deparamos com a interseção entre Psicanálise

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires

Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires No cotidiano dos abrigos são muitos aqueles que circulam na instituição: bebês, crianças, adolescentes,

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Quando o sujeito se perde

Quando o sujeito se perde Quando o sujeito se perde Adriana Dias de Assumpção Bastos O tema do congresso é violência e poder, instâncias eloquentemente referidas nos fragmentos do caso clínico que trago à análise. Mariana é uma

Leia mais

PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL

PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL (2006) Francisco Tosta Graduado em Administração de Empresas pela PUC/PR, Brasil Acadêmico de Psicologia da Universidade Tuiuti do Paraná, Brasil A frequentar

Leia mais

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária Renata de Leles Rodrigues Eliana Rigotto Lazzarini Resumo do trabalho: A proposta deste trabalho é articular

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA DE PSIQUIATRIA. Sobre os distúrbios de memória, assinale a alternativa INCORRETA.

PROVA ESPECÍFICA DE PSIQUIATRIA. Sobre os distúrbios de memória, assinale a alternativa INCORRETA. 12 PROVA ESPECÍFICA DE PSIQUIATRIA QUESTÃO 41: Sobre os distúrbios de memória, assinale a alternativa INCORRETA. a) As ecmnésias são estranhas evocações alucinatórias do passado, que podem ser encontradas

Leia mais

A clínica da toxicomania: uma intoxicação transferencial. Amanda Teixeira Rizzo

A clínica da toxicomania: uma intoxicação transferencial. Amanda Teixeira Rizzo A clínica da toxicomania: uma intoxicação transferencial. Amanda Teixeira Rizzo Desde um recorte clínico grupal a pacientes internados em uma instituição hospitalar psiquiátrica para tratamento de dependência

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

O objeto a na melancolia

O objeto a na melancolia O objeto a na melancolia Maria de Fátima Ferreira Sabe-se que, tanto o luto como a melancolia se definem como uma reação à perda de um ente querido, de uma situação, ou de um ideal. Uma primeira distinção

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP Quadro Geral de s do PPGP Obrigatórias CR CH Metodologia de Pesquisa 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicanálise: teoria e clínica 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicologia e Sociedade 4 60

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

Uso de Drogas e Psicose: um Caso de Reincidências Psiquiátricas

Uso de Drogas e Psicose: um Caso de Reincidências Psiquiátricas Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental IX Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Uso de Drogas e Psicose:

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 Maria Izabel Oliveira Szpacenkopf izaszpa@uol.com.br Psicanalista, Membro

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

Amor que transforma Rm 8:35 a 39

Amor que transforma Rm 8:35 a 39 1 Amor que transforma Rm 8:35 a 39 31 Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Aquele que não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como

Leia mais

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL QUANDO A CLÍNICA ENCONTRA A ESCOLA: O TRATAMENTO DO AUTISMO E AS SAÍDAS POSSÍVEIS DE UMA INCLUSÃO Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL Rua Divinópolis, 318/201,

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro A expressão politicamente correto refere-se a uma política que consiste em

Leia mais

Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses

Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses Palavras-chave: Transferência; Neurose de Transferência; Tratamento da Psicose; Psicanálise com crianças.

Leia mais

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA.

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. Mariza P. Porto 1 É preciso ler isto, não com os olhos, não com a memória, mas com a imaginação. (M. de Assis) A psicanálise nos ensina que a pulsão de saber transcende

Leia mais

Pais e filhos : companheiros de viagem 1

Pais e filhos : companheiros de viagem 1 Pais e filhos : companheiros de viagem 1 Janete Rosane Luiz Dócolas 2 Existem algumas coisas que marcam a época em que vivemos. Uma época em que o avanço tecnológico provocou mudanças em praticamente todas

Leia mais

DE ANNA O. A GISELE BÜNDCHEN O TRABALHO PARA CONSTRUIR A VERDADEIRA IDENTIDADE AINDA É UM CAMINHO A PERCORRER. HELEN GUARESI *

DE ANNA O. A GISELE BÜNDCHEN O TRABALHO PARA CONSTRUIR A VERDADEIRA IDENTIDADE AINDA É UM CAMINHO A PERCORRER. HELEN GUARESI * 3 DE ANNA O. A GISELE BÜNDCHEN O TRABALHO PARA CONSTRUIR A VERDADEIRA IDENTIDADE AINDA É UM CAMINHO A PERCORRER. HELEN GUARESI * O que é que pode haver em comum entre estas duas mulheres, onde a primeira

Leia mais

Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta)

Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta) Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta) Leila Maria Amaral Ribeiro 1, Marina Janzen Kassab 2, Samantha Lemos Ferreira da Silva 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria.

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673. Violar corpos. Ondina Machado

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673. Violar corpos. Ondina Machado Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ondina Machado Situando o tema Violência é um substantivo que designa a 'qualidade de violento'. É derivado da raiz latina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NARCISISMO. Elisângela Barboza Fernandes

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NARCISISMO. Elisângela Barboza Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NARCISISMO Elisângela Barboza Fernandes São Carlos 2 º semestre de 2002 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

Leia mais

I - A evolução da Psicanálise

I - A evolução da Psicanálise Necessidades e cuidados no setting. Rosa M. C. Reis. Membro Efetivo da SPRJ - Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro FEBRAPSI Federação Brasileira de Psicanálise IPA - International Association Psychoanalytical

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A TOXICOMANIA ATRAVÉS DE UM GRUPO PSICOTERAPÊUTICO.

UM ESTUDO SOBRE A TOXICOMANIA ATRAVÉS DE UM GRUPO PSICOTERAPÊUTICO. UM ESTUDO SOBRE A TOXICOMANIA ATRAVÉS DE UM GRUPO PSICOTERAPÊUTICO. GOMES, Katia Varela. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Pesquisadora do LAPSO Laboratório de Estudos em Psicanálise

Leia mais

4º Congresso de Mulheres 2014 - MEUC.

4º Congresso de Mulheres 2014 - MEUC. 4º Congresso de Mulheres 2014 - MEUC. Introdução ao tema geral: Silêncio. Mirian Christen Silêncio! No mundo agitado, complexo, barulhento, em que vivemos, parece que não há lugar para o silêncio. No nosso

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

Caso Clínico: análise do filme Dragão Vermelho

Caso Clínico: análise do filme Dragão Vermelho Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Psicologia Carla Vanessa da Silva Ivani Brys Lis Guimarães Caso Clínico: análise do filme Dragão Vermelho Psicopatologia I Marta D Agord & Volmir

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

O homem urso. Alexandre Costa Val Médico Residente em Psiquiatria do IRS e aluno do IPSM-MG

O homem urso. Alexandre Costa Val Médico Residente em Psiquiatria do IRS e aluno do IPSM-MG O homem urso Alexandre Costa Val Médico Residente em Psiquiatria do IRS e aluno do IPSM-MG Introdução O documentário O Homem Urso (Grizzly Man, 2005), dirigido pelo cineasta alemão Werner Herzog, é uma

Leia mais

SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza

SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza A interdisciplina tem se feito presente, aproximando as clínicas fonoaudiológica e psicanalítica com base em interrogações como as que

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6 O delírio como desinserção da linguagem Hebe Tizio Resumo: O texto propõe ser o delírio psicótico uma desinserção da linguagem, por oposição ao que se poderia considerá-lo como uma inserção nela. Esclarece

Leia mais

Não temos tempo a perder 1

Não temos tempo a perder 1 Não temos tempo a perder 1 Ana Martha Wilson Maia Em entrevista concedida a uma revista brasileira, o filósofo Carl Honoré 2 descreve a pressão exercida sobre os pais para oferecerem uma infância perfeita

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais