A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1"

Transcrição

1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a nossa época e, também, nos confronta com algumas questões pertinentes à nossa condição de analistas: Estamos diante de novos sujeitos e de novos sintomas? Como desdobramento, podemos, ainda, interrogar sobre o lugar do analista na contemporaneidade. Em A Psicanálise na Civilização, encontramos uma observação que diz o seguinte: (...) não se vê mais os grandes sintomas dos primeiros pacientes de Freud, mas, que em contrapartida, viase muitas pessoas com problemas narcísicos, quer dizer, segundo ele, dificuldades de sucesso social, profissional, de inserção no mundo (SOLER, 1998: 288). Sem nos apropriarmos desta observação como verdade absoluta, mas, tomando-a como ponto de partida para uma discussão, podemos dizer que tanto o sujeito quanto os sintomas demonstram, na clínica, a marca da contemporaneidade. E ao analista, cabe intervir tentando diminuir o ônus da submissão do sujeito à civilização. Segundo Freud, o homem tem os seguintes propósitos na vida: por um lado visa a ausência de sofrimento e de desprazer; por outro, à experiência de intensos sentimentos de prazer (FREUD, 1996: 84). Todo o sentido da vida caminha na direção do princípio do prazer, mas, neste percurso, algo da realidade se impõe impedindo que a satisfação almejada seja 1 Este artigo foi apresentado na Jornada de Psicanálise, realizada pelo Curso de Psicologia do Centro Universitário Leste de Minas Gerais Unileste-MG, em 25 de agosto de Psicóloga, Psicanalista, Professora do Curso de Psicologia do Centro Universitário Leste de minas Gerais Unileste-MG.

2 alcançada. È o princípio da realidade que se coloca diante do princípio do prazer, sendo conseqüência disso, o desprazer imposto pela realidade. Ao se confrontar com esta realidade, o sujeito faz uma série de rearranjos para impedir a manifestação de um sofrimento, que, por sua vez, poderia levá-lo a interrogar sobre as suas expectativas subjetivas em relação ao mundo externo e a um saber sobre o inconsciente. A sensação de desprazer, muitas vezes, não faz uma questão para o sujeito, parece não comportar um efeito de sentido que remeta a uma significação. As queixas do sujeito, freqüentemente, se relacionam a um mal-estar imposto pelas técnicas modernas, pelas condições do mercado e pela dificuldade de se fazer laço social. Sob a vertente da ausência de sentido, o sujeito responde com um modo de gozo, que se constitui como excesso pulsional, com o qual o sujeito não consegue se a ver pela via simbólica. Modo de gozo, que também dispensa a fantasia e, por conseguinte, o inconsciente, demonstrando que o objeto de gozo não é o objeto causa de desejo. Em O Mal-Estar na Civilização, Freud nos diz que (...) o que chamamos de nossa civilização é em grande parte responsável por nossa desgraça e que seríamos mais felizes se abandonássemos às condições primitivas (FREUD, 1996: 93). Isto posto, devemos considerar que a civilização nos confronta com uma série de impasses que correspondem, principalmente, à perda dos ideais e dos valores, sendo o sofrimento do sintoma o preço que se paga por nossa condição de sujeito. O sujeito moderno é colocado em um lugar que o impede de se individualizar, fixa-o a um modo de funcionamento pré-estabelecido, no qual a expressão de sua singularidade torna-se impossível. Ele responde às exigências da realidade de forma padronizada, em consonância com aquilo que a civilização espera dele. Sobre isto, nos diz Freud:... a civilização é algo que foi imposto a uma maioria resistente por uma minoria que compreendeu como obter a posse dos meios de poder e coerção (FREUD, 1996: 16). O destino deste sujeito que cede de seu desejo, face aos impasses da civilização, é a impotência diante da satisfação de seu desejo. Para evitar o mal-estar, o sujeito faz um contorno, ou melhor, um curto circuito diante do real, marcando ai uma posição particular, porém, não pela via do desejo, mas do gozo um gozo estranho que o sujeito não 2

3 reconhece como seu. De outra maneira, poderia seguir pela via do inconsciente, que talvez fosse capaz de conduzi-lo a uma significação que o nomeasse e o introduzisse na ordem de uma falta. As saídas encontradas pelo sujeito, não comportam, muitas vezes, um efeito de sentido capaz de remetê-lo a um saber do inconsciente, pelo contrário, sustenta-o em uma posição de gozo, da qual ele também não abre mão. Elas presentificam, em ato, a perda real que o sujeito é incapaz de simbolizar, apresentam-se, portanto, como mensagem cifrada, mascarada no sintoma. O sintoma surge, então, justamente aonde algo fracassa. A Psicanálise, tanto em Freud quanto nos analistas contemporâneos. Com isso, não se pretende negar a existência da consciência, mas não se atribuir a ela a essência do psíquico. Nem tão pouco, deixar de reconhecer nas manifestações do sujeito as transformações da cultura. Segundo Freud: (...) a divisão do psíquico em o que é consciente e o que é inconsciente constitui a premissa fundamental da psicanálise, e somente ela torna possível a esta compreender os processos patológicos da vida mental, que são tão comuns quanto importantes, e encontrar lugar para eles na estrutura da ciência. (FREUD, 1996: 27). O sintoma, na modernidade, se apresenta sob novas formas. Freud o identificava em um sujeito dividido entre seus ideais e suas pulsões, atualmente nos deparamos com o sintoma em um sujeito dividido pela falta e atrelado a um gozo, ao qual não se remete um saber do inconsciente. A toxicomania, a anorexia, a bulimia, os ataques de pânico, a depressão, dentre outros, são sintomas da contemporaneidade, mas, estes, com certeza, não são freudianos. Eles não se apresentam como uma formação de compromisso, mas, como forma de gozo. Citando Freud (1996: 95) Um sintoma é um sinal e um substituto de uma satisfação pulsional que permaneceu em estado jacente; é uma conseqüência do processo de recalque. O recalque se processa a partir do ego quando este pode ser por ordem do superego se recusa a associar-se com uma catexia pulsional que foi provocada no Id. 3

4 De forma diferente, os sintomas contemporâneos, se posicionam na vertente da repetição, fazem uma recusa ao inconsciente e um apelo ao gozo. Contudo, isto não quer dizer que a neurose e psicose não existam, só não fazem mais parte da modernidade, da maneira que se apresentavam na clínica freudiana. Retomando a observação que deu origem a esta breve discussão, arriscamos dizer que os pacientes de Freud, também apresentavam questões relativas a seu tempo, embora diferentes das atuais, mas, historicamente contextualizadas. Os sintomas, por sua vez, têm um sentido e se relacionam com as experiências do sujeito. Neste sentido, nota-se que os sintomas contemporâneos são utilizados como meio para manejo do mal-estar colocado pela civilização. Freud como observador e pesquisador da condição humana antecipou alguns traços do malestar em nossa civilização aos quais estamos expostos freqüentemente. Mas, os analistas contemporâneos, a partir do ensino freudiano, também trouxeram algo de novo à psicanálise, mas: A psicanálise continua freudiana porque Freud inventou o procedimento analisante e dele colheu os primeiros resultados. Desde que um sujeito entra em tarefa analisante, a sombra de Freud, tal como um anjo da guarda, lá está. O analisante como tal é sempre freudiano. Esta é a condição primeira. (SOLER, 1998: 282). O analista deve intervir nas questões de seu tempo, ao ser convocado, o sujeito lhe endereça algo para além de suas queixas; parece buscar nele o reconhecimento de seu desejo, mesmo que, ainda, não lhe confira algum sentido. O analista é colocado pelo sujeito no lugar daquele que tem um saber sobre ele, e que pode responder desse lugar dando-lhe uma significação que o determine. O saber que ele supõe ao analista concerne à sua própria questão enquanto sujeito, estando, portanto, para além de seu sintoma. Cabe ao analista dar uma significação à fala advinda do inconsciente, a algo que está para além da demanda. Estamos, portanto, diante de sujeitos e de sintomas que fazem um laço social de nova forma, e de analistas atentos às questões da contemporaneidade para intervir de forma a permitir que a subjetividade seja capaz de emergir neste contexto. Para finalizar, utilizaremos o significado dado por Freud à expressão civilização humana: Por um lado inclui todo o conhecimento e capacidade que o homem adquiriu com o fim de controlar as forças da natureza e extrair a riqueza desta para 4

5 satisfação das necessidades humanas; por outro, inclui todos os regulamentos necessários para ajustar as relações dos homens uns com os outros e, especialmente, a distribuição da riqueza disponível (FREUD, 1996: 16-17). Diante deste conceito, podemos concluir que estamos todos, velhos e novos sujeitos submetidos à ordem da civilização. Ela, a civilização, é um processo dinâmico, está em constante movimento. Cabe-nos, então, acompanhar este processo e inserir nele da forma que nos é possível, sem perder de vista a tentativa de subjetivar nossas questões. REFERÊNCIAS FREUD, S. O Mal-Estar na Civilização (1930 [1929]). In: O Futuro de uma Ilusão, O Mal- Estar na Civilização e Outros Trabalhos. Rio de Janeiro: Imago Editora, pp (Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XXI).. O Futuro de uma Ilusão. In: O Futuro de uma Ilusão, O Mal-Estar na Civilização e Outros Trabalhos. Rio de Janeiro: Imago Editora, pp (Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XXI). FREUD, S. Inibições, Sintomas e Angústia (1926 [1925]). In: Um Estudo Autobiográfico, Inibições, Sintomas e Angústia, A Questão da Análise Leiga e Outros Trabalhos. Rio de Janeiro: Imago Editora, pp (Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, vol. XX). SOLER, C. Os direitos do sujeito. In: A psicanálise na civilização. Rio de Janeiro: Contra Capa, pp A identidade freudiana da psicanálise. In: A psicanálise na civilização. Rio de Janeiro: Contra Capa, pp

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 Maria Izabel Oliveira Szpacenkopf izaszpa@uol.com.br Psicanalista, Membro

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado Introdução Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado O presente trabalho tem como objetivo a discussão em torno da conceituação do afeto em psicanálise, através do diálogo entre

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Fídias Gomes Siqueira 1 Andréa Maris Campos Guerra 2 [...] a gente carecia de querer pensar somente nas coisas

Leia mais

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos.

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos. O conhecimento da psicanálise para o administrador, pode estar facilitando a compreensão das reações e comportamentos das pessoas com quem ele vai estar lidando no seu dia-dia. Temas discutidos nesta aula:

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES

A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES Silva. M. C, (Dra. Professora do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia CEFET-PR/PPGTE e doutora pela FAU-USP) Magnabosco, M. (Mestrando do

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012 Título: A sintonia do eu com o sintoma: a problemática da angústia na neurose obsessiva Autora: Simone Souto Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS Lorena Munhoz da Costa 1, Gilcinéia Rose da Silva Santos 2 RESUMO: Este trabalho buscou analisar,

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD Eloy San Carlo Maximo Sampaio- IP-USP Psicólogo, mestrando em Psicologia Clínica IP- USP, Bolsista FAPESP 2011/2013

Leia mais

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica Negativo: espaço, tempo e história [1] Marcela Toledo França de Almeida [2] Universidade de Brasília UnB O sujeito se funda pela ausência do que um dia fez marca em seu corpo, espaço delimitado por um

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Magistério e sofrimento psíquico: contribuição para uma leitura psicanalítica da escola

Magistério e sofrimento psíquico: contribuição para uma leitura psicanalítica da escola On-line ISBN 85-86736-06-6 An. 3 Col. LEPSI IP/FE-USP 2002 Magistério e sofrimento psíquico: contribuição para uma leitura psicanalítica da escola Cláudia Murta 1 Há alguns anos trabalhando em projetos

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO Lucy_de_Castro_O_Caso _Emma_uma ilustração_do_projeto 1 Emma_Projeto_Primeira_mentira_ O caso Emma ilustra o capítulo II do Projeto para uma Psicologia Científica, desenvolvido por Freud a partir de suas

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Fernando Del Guerra Prota O presente trabalho surgiu das questões trabalhadas em cartel sobre pulsão e psicossomática. Não se trata de

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária Renata de Leles Rodrigues Eliana Rigotto Lazzarini Resumo do trabalho: A proposta deste trabalho é articular

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Camila Chudek Ribeiro 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A obesidade tem atingido níveis epidêmicos na atualidade.

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico Meu objetivo aqui é estabelecer um ponto de convergência entre a apropriação da linguagem escrita, o fracasso escolar e os conceitos

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

TÍTULO: O CONSUMISMO E A BUSCA DE FELICIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: O CONSUMISMO E A BUSCA DE FELICIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O CONSUMISMO E A BUSCA DE FELICIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA:

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE Tereza Raquel Tomé Adeodato Laéria Bezerra Fontenele Miguel Fernandes Vieira Filho Orlando Soeiro Cruxên Quando nos deparamos com a interseção entre Psicanálise

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

O PSICANALISTA E A DITADURA DA IMAGEM. Ao ser indagado, em 1966, sobre o lugar que a psicanálise poderia ocupar junto

O PSICANALISTA E A DITADURA DA IMAGEM. Ao ser indagado, em 1966, sobre o lugar que a psicanálise poderia ocupar junto O PSICANALISTA E A DITADURA DA IMAGEM Vera Pollo Ao ser indagado, em 1966, sobre o lugar que a psicanálise poderia ocupar junto aos médicos, Lacan (1966/2011) responde o seguinte: pois o que está excluído

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

IDOSO. Série Prática Clínica. e Prática Clínica. Série Prática Clínica Série Prática Clínica. Série Prática Clínica. Série Prática Clínica

IDOSO. Série Prática Clínica. e Prática Clínica. Série Prática Clínica Série Prática Clínica. Série Prática Clínica. Série Prática Clínica e Prática Clínica Atendimento Psicanalítico do IDOSO Atendimento Psicanalítico do IDOSO Ângela Mucida Coordenação da Série Isabel Cristina Gomes z Zagodoni Editora Copyright 2014 by Ângela Mucida Todos

Leia mais

DIFERENÇA CULTURAL, SOFRIMENTOS DA IDENTIDADE E A CLÍNICA PSICANALÍTICA HOJE

DIFERENÇA CULTURAL, SOFRIMENTOS DA IDENTIDADE E A CLÍNICA PSICANALÍTICA HOJE DIFERENÇA CULTURAL, SOFRIMENTOS DA IDENTIDADE E A CLÍNICA PSICANALÍTICA HOJE CULTURAL DIFFERENCE, IDENTITY SUFFERS AND NOWADAYS PSYCHOANALYTICAL CLINIC Jaime Betts 1 INTRODUÇÃO A globalização em escala

Leia mais

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa)

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Edson Saggese Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria. Doutor em Ciências da Saúde pelo IPUB/UFRJ, psiquiatra, psicanalista,

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais. Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização nos

UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais. Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização nos 1 UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais Maíla do Val Machado 1 Cláudia Amarante 2 Elaine Maria C. Zanolla Dias de Souza 3 Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Carlos Henrique Kessler Foi com muita satisfação que recebi o convite para colaborar com este Informativo, abordando o tema Clínica-escola de psicologia: ética

Leia mais

DO ENSINO DA PSICANÁLISE NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA: ALGUMAS QUESTÕES

DO ENSINO DA PSICANÁLISE NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA: ALGUMAS QUESTÕES Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 800 DO ENSINO DA PSICANÁLISE NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA: ALGUMAS QUESTÕES Roberto Mielke 1, Carmen Lúcia

Leia mais

O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos

O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos Entender o comportamento do consumidor não é tarefa fácil Consumidor: motivações internas (psiqué/personalidade) e externas (pressões sociais: família,

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE

A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE Artigo sobre Dissertação de Mestrado em Aconselhamento Dinâmico (2007) Ana Cristina Ferreira da

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS 1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS Orientadora: Profa Dra Maria Anita Carneiro Ribeiro Rio de Janeiro Agosto.2014

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

Manifestações obsessivas em mulheres: uma nova demanda? 1 Obsessive manifestations in the female universe: a new request?

Manifestações obsessivas em mulheres: uma nova demanda? 1 Obsessive manifestations in the female universe: a new request? Manifestações obsessivas em mulheres: uma nova demanda? 1 Obsessive manifestations in the female universe: a new request? Sandra Regina Turke 2 Hospital Universitário Regional do Norte do Paraná Resumo

Leia mais

PSICANÁLISE E SAÚDE DO TRABALHADOR. A respeito das relações entre pathos e saúde, tema deste congresso, a minha

PSICANÁLISE E SAÚDE DO TRABALHADOR. A respeito das relações entre pathos e saúde, tema deste congresso, a minha PSICANÁLISE E SAÚDE DO TRABALHADOR. Lucianne Sant Anna de Menezes Prólogo. A respeito das relações entre pathos e saúde, tema deste congresso, a minha contribuição para este debate vai no sentido de refletir

Leia mais

FUNDAMENTOS PSICODINÂMICOS DA PRÁTICA EM PSICOLOGIA MÉDICA

FUNDAMENTOS PSICODINÂMICOS DA PRÁTICA EM PSICOLOGIA MÉDICA FUNDAMENTOS PSICODINÂMICOS DA PRÁTICA EM PSICOLOGIA MÉDICA Campo transferencial na relação médico/ paciente Dinâmica da equipe de saúde Intervenção psicoterápica do médico- prático Dinâmica da iatropatogenia

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

O trauma da poesia inconsciente

O trauma da poesia inconsciente O trauma da poesia inconsciente Marlise Eugenie D Icarahy Psicanalista, doutoranda do Programa de pós-graduação em Psicanálise da UERJ e psicóloga da Prefeitura do Rio de Janeiro. O complexo de Édipo,

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

A clínica da toxicomania: uma intoxicação transferencial. Amanda Teixeira Rizzo

A clínica da toxicomania: uma intoxicação transferencial. Amanda Teixeira Rizzo A clínica da toxicomania: uma intoxicação transferencial. Amanda Teixeira Rizzo Desde um recorte clínico grupal a pacientes internados em uma instituição hospitalar psiquiátrica para tratamento de dependência

Leia mais

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL QUANDO A CLÍNICA ENCONTRA A ESCOLA: O TRATAMENTO DO AUTISMO E AS SAÍDAS POSSÍVEIS DE UMA INCLUSÃO Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL Rua Divinópolis, 318/201,

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

Conceitos Fundamentais Freudianos

Conceitos Fundamentais Freudianos Conteúdo Programático 1º Semestre Conceitos Fundamentais Freudianos Inconsciente, Pré-consciente e Consciência Os Mecanismos de Defesa Da Terapia Catártica ao Tratamento Psicanalítico Narcisismo e as Identificações

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão Diálogos da última edição deste Boletim trouxe os bastidores e um pouco da história dos nossos eventos. Desta feita, apontamos nossa mira

Leia mais

Traumatismo, repetição e comportamento infracional 1

Traumatismo, repetição e comportamento infracional 1 Traumatismo, repetição e comportamento infracional 1 Aline Guimarães Bemfica 2 Em Moral sexual civilizada e doença nervosa moderna (1908), Freud apresenta uma leitura psicanalítica do criminoso: aquele

Leia mais

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17)

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) Terapia Analítica Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) A sugestão. O caráter transitório de seus efeitos lembra os efeitos igualmente

Leia mais