IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010."

Transcrição

1 IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos do Amor. Jorge Sesarino Quais são os modos de sofrimentos da atualidade? O declínio da figura do pai e a conseqüente debilitação da lei simbólica, a degradação dos valores e a desvalorização da palavra estão na origem dos modos como o sofrimento humano se apresenta na atualidade. A crescente banalização da palavra desumaniza, o sujeito cala e o objeto, quando não o divide, faz Um com ele, não em Nome do Pai, mas em nome de um gozo totalizador. Somos todos órfãos e temos de escolher entre a ideologia edipiana do Nome do Pai ou a ideologia do gozo desenfreado. O discurso atual orienta o desejo pela via da unificação dos modos de gozar, através dos modelos de objetos, gadgets, que a tecnologia oferece para consumo: celulares, computadores, televisores, vestimentas, casas, apartamentos, automóveis, produtos light, corpos, cosméticos, medicamentos poderosos, substâncias tóxicas, etc. Tal enlaçando sujeito-objeto resulta em nova modalidade de gozo e sofrimentos chamados de novos sintomas. São as patologias das adições. Tal homogeneização de gozos causa o sentimento de exclusão de quem não tem acesso ao mercado de consumo desses objetos falicizados. A conseqüência parece óbvia: enfraquecimento e ruptura do laço social. A competitividade é a grande valia e aqueles que não podem ou não querem competir ficam sem espaço social, sem visibilidade social. Sem o sentimento de pertencimento, ficam ameaçados física e psiquicamente na sobrevivência e na existência. Resta-lhes, ainda, a possibilidade de inventar outra história de si mesmo, bem ou mal sucedida, afinal, não vivemos numa sociedade de castas. Há mobilidade social e um pobre miserável pode tornar-se um grande um rico milionário, tanto, por exemplo, no mundo do tráfico quanto como artista no mundo da arte, ou como jogador de futebol. 1

2 A padronização dos sintomas ofertada na esteira dos CIDs e DSMs e as tentativas das neurociências para explicar o psiquismo em bases orgânicas, parecem mais servir ao poder dominante da indústria farmacêutica e seus lucros obscenos, através da medicalização de toda forma de sofrimento, incluindo, a cada dia mais, a medicalização da infância, os sofrimentos das crianças. Diagnosticadas ou enquadras, as crianças antes chamada de peraltas, atualmente são reconhecidas como hiperativas, as inibidas, de depressivas, etc. e por isso, medicadas. Seus comportamentos considerados inadequados para os padrões atuais esperados (ideais?), passam a receber palavras, signos, como Transtorno de Déficit de Atenção, Hiperatividade, TDA/H 1 e tantos outros novos nomes, que representam um doente para um medicamento ou mais um consumidor para mais um produto de mercado. A medicalização excessiva e irresponsável altera a implicação subjetiva e desresponsabiliza o sujeito, que passa a ser representado por outros significantes: depressivo, bipolar, anoréxico, agorafóbico, panicoso, hiperativo, etc.. Também altera sua subjetividade uma vez que o sujeito é identificado a nomes holofraseantes, alienantes ou anestesiantes da sua condição, num caminho sem volta. A patologização desses sinais-sintomas, rechaça tanto o sintoma psíquico quanto o sujeito do inconsciente. As insistentes ofertas de consumo veiculam promessas de felicidade inatingíveis. O apelo ao consumo abusivo e indiscriminado das substâncias psicotrópicas para se alcançar a felicidade são alternativas falsas e ilusórias. Para que sofrer, se, afinal, há remédio para tudo: para dormir, para acordar, para fazer sexo, para emagrecer, para engordar, para crescer, para defecar, para urinar, para viver e até para morrer. Mas então porque, ainda assim os sofrimentos persistem? Os transtornos alimentares, a pandemia de obesidade que estamos vivendo, estão diretamente ligados a vontade de gozo. Responde-se como que com passagem ao ato, ao imperativo da demanda desse Outro totalizante, que nomeia cada um de consumidor, cliente, expectador, ouvinte, 1 Convém aqui fazer referência a uma conferência do Dr. Alfredo Jerusalinsky proferida em junho de 2003, na Fundación para el Estúdio de los Problemas de la Infância, Centro Dra. Lydia Coriat em Buenos Aires. Acessível no site: 2

3 cidadão, trabalhador, eleitor, dependente, e tantos outros nomes. A lógica do mercado é que para satisfazer um desejo, não tem preço; vale qualquer preço. É a ética das finalidades? A experiência do amor é uma experiência comum dos seres humanos que todos compartilhamos de uma forma ou de outra, a começar pela boca, que é a nossa primeira forma de relação com o mundo. As patologias da alimentação, os ditos transtornos alimentares como a anorexia (amor-exias? 2 ), a bulimia, a obesidade, mas também as toxicomanias, o alcoolismo, podem ser pensadas como transtornos do amor, diretamente relacionados com um luto de um objeto que não pôde ser feito na origem. O amor não causa patologias, mas quando ele não se faz metáfora através do luto primário é rechaçado de alguma forma e então surgem patologias. Podemos dizer que há transtornos do amor quando a função do amor na estrutura não possibilita o amor de transferência. Não é isso o que se denomina fenômeno psicossomático? As neuroses são modos de sofrimentos relativos ao amor, são impasses transferenciais, são interdições no campo do amor. O corpo é o suporte dos afetos e o lugar do sofrimento. Perguntas sobre o sofrimento aparecem no pensamento de quem busca um tratamento psicanalítico, e o seu alívio é o motivo principal que leva alguém a pedir uma análise. O amor do pai ou o amor ao pai é a base do ideal do Eu, que possibilita o ideal do bem e a felicidade como possibilidade de encontro com o bem. A psicanálise busca restituir a figura do pai para recompor a relação do sujeito com a lei e escuta o sintoma como o refúgio de onde o sujeito expressa o seu mal para poder agarrar o seu bem. Mas como agarrar seu bem num tempo em que o bem é o bem comum, representado pelos objetos de consumo? Por se agradar mais do seu sintoma do que de si mesmo não pode amar, ao tentar fazer Um com o objeto, se deixa sofrer e adoecer. Entre a miséria neurótica e a infidelidade comum, hesita e não escolhe, ou escolhe não escolher e aposta no acaso e na sorte. 2 Termo usado pela psicanalista argentina Mirta Goldstein. Acessível no site: 3

4 Freud recomenda que se escolha a infelicidade comum e a felicidade possível pela via transferência, um dos nomes do amor que possibilita amar e trabalhar. A transferência é a condição para a invenção de um novo amor, a partir do amor patológico do sintoma, essa invenção subjetiva diante da falta inevitável do Outro. O amor faz sofrer, mas é também o único recurso com o qual se pode fundar um lugar no mundo. Não há cura sem o amor. Em Inibição, Sintoma e Angustia (1926) o sintoma aparece como uma modalidade de satisfação pulsional. A função do sintomas é a de retirar o eu das situações de perigo, como um amigo que possibilita o laço social para que o sujeito possa emergir na existência e ser reconhecido. Quando o sintoma fracassa, diz Laçam, é quando o sujeito procura um analista. E o que temos para oferecer? Convidamos a falar, a por em jogo a palavra, a falar dos transtornos do amor. Pela via da demanda e sustentado no desejo o amor pede amor. Aí toda forma de sofrimento, inclusive as doenças do corpo, os transtornos do amor, têm uma chance. Conceber o amor como uma forma de suplência à completude do ser aproxima Lacan de Heidegger, para quem o ser só existe na linguagem. O fundamento do amor, mas também do erotismo está na relação especular, não reduzido à dimensão imaginária como aparece nas neuroses que são sofrimentos, transtornos relativos ao amor. O amor é um dom constituído no plano simbólico e sustentado na cadeia significante. No Seminário XX, Lacan afirma que a psicanálise só opera pela via do amor e que é o amor que faz surgir o desejo. A fórmula da transferência, SsS (sujeito suposto saber), não se distingue do amor: àquele a quem suponho o saber, eu o amo 3. Referências bibliográficas: Freud, Sigmund. Três Ensaios Sobre a Teoria da Sexualidade. (1905). ESB. Imago. RJ. 3 Seminário 20. Pág

5 Delírios e sonhos na Gradiva de Jensen. (1907). ESB. O Mal estar na Civilização. (1929). Vol. XXI. ESB. Sobre o Narcisismo: uma introdução. (1914). Vol. XIV. ESB. O ego e o id. (1923). Vol. XXIII. ESB. Imago. RJ Os instintos e suas vicissitudes. (1915). ESB. Imago. RJ Inibição, Sintoma e Angustia. (1926). ESB. Imago. RJ Lacan, J. O Seminário. Livro I. Os Escritos Técnicos de Freud. Zahar Editores, RJ O Seminário. Livro IV. A Relação de Objeto. Jorge Zahar Editor, RJ O Seminário. Livro VIII. A Transferência. Jorge Zahar Editor, RJ O Seminário. Livro XX. Mais, ainda. Jorge Zahar Editor, RJ Jorge Ssesarino Rua Maurício Caillet, 33 Curitiba PR

Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos do Amor. Jorge Sesarino. Quais são os modos de sofrimentos da atualidade?

Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos do Amor. Jorge Sesarino. Quais são os modos de sofrimentos da atualidade? Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos do Amor. Jorge Sesarino Quais são os modos de sofrimentos da atualidade? O declínio da figura do pai e a conseqüente debilitação da lei simbólica,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos.

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos. O conhecimento da psicanálise para o administrador, pode estar facilitando a compreensão das reações e comportamentos das pessoas com quem ele vai estar lidando no seu dia-dia. Temas discutidos nesta aula:

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos.

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Tema: O amor e seus transtornos Curitiba, de 04 a 07 de setembro de 2010 MESA-REDONDA Corpo:

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas Colégio I.L.Peretz Setembro/2011 Qual o lugar da Família nesta reflexão? Profa. Dra. Elizabeth Polity Penso que vivemos um momento

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica.

Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica. Obesidade: um sintoma convertido no corpo. Os sentidos e os destinos do sintoma em indivíduos que se submeteram à cirurgia bariátrica. REI, Vivian Anijar Fragoso [1] ; OLIVEIRA, Paula Batista Azêdo de

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

SUJEITOS DESNORTEADOS: EM BUSCA DA FELICIDADE? 1 Vera Lopes Besset 2

SUJEITOS DESNORTEADOS: EM BUSCA DA FELICIDADE? 1 Vera Lopes Besset 2 SUJEITOS DESNORTEADOS: EM BUSCA DA FELICIDADE? 1 Vera Lopes Besset 2 Introdução Nossa proposta de intervenção se relaciona às pesquisas em andamento no âmbito do Grupo de Pesquisa UFRJ/CNPq CLINP (Clínica

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS 1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS Orientadora: Profa Dra Maria Anita Carneiro Ribeiro Rio de Janeiro Agosto.2014

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

Palavras-chave: amadurecimento, amor, equilíbrio. ..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..

Palavras-chave: amadurecimento, amor, equilíbrio. ..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-.. 1 AMAR É PARA EQUILIBRISTAS Eloá Andreassa Hugo César Gaete Verdugo Resumo: O amor é a questão fundamental da vida. Mas não sabemos o que exatamente é o amor e é a vida que vai nos ensinar sobre ele através

Leia mais

Mentira - o avesso da Verdade?

Mentira - o avesso da Verdade? Mentira - o avesso da Verdade? Christian Ingo Lenz Dunker A educação formal e informal nos ensina que não devemos mentir. A mentira deve ser evitada e a sinceridade prezada acima de tudo. Se exigirmos

Leia mais

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito,

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito, 1 TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE Marisa De Costa Martinez i Tiago Ravanello ii Nem só a Arte e a Ciência servem; No trabalho há que mostrar paciência 1 São a fome e o amor

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER 1 AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER Eloá Andreassa Resumo: As relações amorosas continuam sendo mais que um objetivo na vida das pessoas, é uma necessidade, um sonho, até uma esperança. Porém,

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Este trabalho tem por intuito verificar quais as transformações sofridas pelos sintomas histéricos ao longo dos anos. Esta indagação se deve

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais. Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização nos

UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais. Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização nos 1 UM APELO À HUMANIZAÇÃO NOS HOSPITAIS: um grito a mais Maíla do Val Machado 1 Cláudia Amarante 2 Elaine Maria C. Zanolla Dias de Souza 3 Resumo: Hoje presenciamos a inserção do Programa Nacional de Humanização

Leia mais

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem Aprendizagem humana Ao nascer, o bebê humano é recebido num mundo de cultura e linguagem que o antecede e ao qual necessita ter acesso. Porém falta

Leia mais

CONVIVÊNCIA, ODIOENAMORAMENTO E GOZO DO OUTRO

CONVIVÊNCIA, ODIOENAMORAMENTO E GOZO DO OUTRO CONVIVÊNCIA, ODIOENAMORAMENTO E GOZO DO OUTRO María Rosa Borgatello de Musolino * RESUMO: Toda vez que o ser humano é confrontado com a tarefa da convivência, o amor participa na gênese da consciência

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC Nº 952 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA NÚCLEO COMUM Análise do comportamento O método experimental na análise das relações comportamentais complexas:

Leia mais

Narcisismo e cultura contemporânea

Narcisismo e cultura contemporânea Narcisismo e cultura contemporânea Flávia Ferro Costa Veppo José Juliano Cedaro A cultura hedonista, marcada pela ilusão na satisfação rápida e sempre possível, evidencia a ausência do elemento de barramento

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha Aríete Garcia Lopes Vera Vinheiro Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha o horizonte do discurso psicanalítico. Situada aquém do inconsciente e do recalque, ela escapa

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

Estrutura Curricular do Programa de Pós-graduação em Psicologia UFSC (Atual) Cursos de Mestrado e Doutorado

Estrutura Curricular do Programa de Pós-graduação em Psicologia UFSC (Atual) Cursos de Mestrado e Doutorado Estrutura Curricular do Programa de Pós-graduação em Psicologia UFSC (Atual) Cursos de Mestrado e Doutorado Os cursos de Mestrado e Doutorado do PPGP/UFSC compreendem um conjunto de disciplinas obrigatórias

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1)

Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1) Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1) Introdução Após um percurso de mais de dez anos de pesquisa sobre trauma, violência, exclusão social, herança e transmissão da subjetividade o Grupo de trabalho

Leia mais

Adolescência Márcio Peter de Souza Leite (Apresentação feita no Simpósio sobre Adolescência- Rave, EBP, abril de 1999, na Faculdade de Educação da

Adolescência Márcio Peter de Souza Leite (Apresentação feita no Simpósio sobre Adolescência- Rave, EBP, abril de 1999, na Faculdade de Educação da Adolescência 1999 Adolescência Márcio Peter de Souza Leite (Apresentação feita no Simpósio sobre Adolescência- Rave, EBP, abril de 1999, na Faculdade de Educação da USP) O que é um adolescente? O adolescente

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice

Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice Thiago de Almeida O amor é um conceito que possui uma extensa cadeia de significados e interpretações distintas. Muito longe de ser meramente

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 Maria Izabel Oliveira Szpacenkopf izaszpa@uol.com.br Psicanalista, Membro

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD Eloy San Carlo Maximo Sampaio- IP-USP Psicólogo, mestrando em Psicologia Clínica IP- USP, Bolsista FAPESP 2011/2013

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PSICANALISE PARA A PSICOPEDAGOGIA

A CONTRIBUIÇÃO DA PSICANALISE PARA A PSICOPEDAGOGIA A CONTRIBUIÇÃO DA PSICANALISE PARA A PSICOPEDAGOGIA Rafael de Farias Ferreira Universidade Estadual da Paraíba PPGFP 1 E-mail: rafaelgeografopb@yahoo.com.br Wilza Borges de Souza Universidade Federal de

Leia mais

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN Centro de Medicina Psicossomática Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia, RJ Perguntas aos Cavaleiros do Conselho Federal de Medicina Perguntas ingênuas:

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Camila Chudek Ribeiro 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A obesidade tem atingido níveis epidêmicos na atualidade.

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

Núcleo 2.6 Psicanálise: práticas clínicas e saúde

Núcleo 2.6 Psicanálise: práticas clínicas e saúde Núcleo 2.6 Psicanálise: práticas clínicas e saúde DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Psicodinâmica e Métodos e Técnicas COORDENADOR: Regina Fabbrini PROFESSORES: Paula Regina Peron Alexandre Chafran de Bellis Teresa

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

A MÍDIA E A ILUSÃO DO TÃO DESEJADO CORPO PERFEITO

A MÍDIA E A ILUSÃO DO TÃO DESEJADO CORPO PERFEITO A MÍDIA E A ILUSÃO DO TÃO DESEJADO CORPO PERFEITO 2013 Sabrine Schmitt Psicóloga. Graduada na Universidade Católica de Petrópolis em 2010. Coordenadora do Espaço Liberté, atuando com atendimentos clínicos,

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil

Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Integração social e Segregação real: uma questão para as medidas socioeducativas no Brasil Fídias Gomes Siqueira 1 Andréa Maris Campos Guerra 2 [...] a gente carecia de querer pensar somente nas coisas

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

AÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGOGICA. Profa Dra Nadia Aparecida Bossa

AÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGOGICA. Profa Dra Nadia Aparecida Bossa AÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGOGICA Profa Dra Nadia Aparecida Bossa Aprendizagem Envolve: O corpo individual herdado; O corpo construído especularmente; O desejo; A inteligência construída na interação

Leia mais

Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas

Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas Selma Correia da Silva Damiana Avila Carvalho Moema dos Santos Duberley Introdução O presente trabalho tem como ponto de partida a nossa experiência clínica

Leia mais

A HORA DA ANOREXIA E O FORA DA CENA NA OBESIDADE. Anorexia obesidade adolescência real do sexo

A HORA DA ANOREXIA E O FORA DA CENA NA OBESIDADE. Anorexia obesidade adolescência real do sexo A HORA DA ANOREXIA E O FORA DA CENA NA OBESIDADE Anorexia obesidade adolescência real do sexo Carmen Silvia Cervelatti Estamos na hora da anorexia como estrela, ela é partidária da imagem ideal de beleza.

Leia mais

FALANDO DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO

FALANDO DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO FALANDO DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO A criança portadora de doença cardíaca congênita e o adoecer as emoções e dos sentimentos de sua família. Edna G. Levy O coração está associado à vida e à morte. É o primeiro

Leia mais

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA Por Dr. Paulo F. M. Nicolau Há estudos pormenorizados demonstrativos de que pessoas com constantes distúrbios emocionais caracterizam-se principalmente

Leia mais