Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem"

Transcrição

1 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está aí sem dúvida a essência do amor. Amar é dar o que não se tem, ou seja, aquilo que poderia reparar essa fraqueza original Jacques Lacan 1 Amar é dar o que não se tem é uma frase musical, exige música, Música Popular Brasileira, nome próprio. A descoberta dessa frase de Lacan, subtítulo do trabalho, deveu-se a um pedido de Danilo Caymmi. Conhecendo-a há muito, gostando de sua ressonância, de sua força, pediu-me a referência, ou a frase inteira, pois pretendia musicá-la. O interessante é que a frase, forte e bonita, conceitua o amor à fraqueza como a essência do amor. Coisa que me parece perfeitamente lógica, dentro da lógica dos opostos. Encontrei-a no Seminário 17 2, assim por acaso, quando pesquisava a relação entre saber e gozo, preparando uma aula. Agorinha, enquanto refletia sobre o trabalho a ser escrito sobre o amor, voltou-me à lembrança. O impacto surpresivo, a subversão do sentido, a negatividade - coisas tão lacanianas! - associadas à discrição quase triste, quase romântica, diante da fraqueza e da impotência, me fizeram pensar em conspiração. Nessa conspiração do amor, ou sobre o amor, que são a transferência e o desejo do analista. 1 LACAN, Jacques. O Seminário livro 17. O avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1992, p Porém, a famosa frase foi cunhada por Lacan durante o Seminário da Transferência. LACAN, Jacques. O Seminário livro 8. A transferência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1992, p. 41.

2 2 O amor marca o início da psicanálise, com Anna O. e Breuer. Marca o princípio da experiência analítica com o amor de transferência e, no final, marca também o desejo do analista, acossado por um amor sem limite. 3 Um desejo que poderá surgir no final da experiência, não está dado a priori. Como uma aposta. Uma aposta que o desejo inédito, sustentado no agalma, possa aparecer quando houver a passagem de psicanalisante a psicanalista, como ensina Lacan na Proposição de 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola. 4 Diria que a experiência analítica é percorrida pelo amor, de cabo a rabo, esse amor onde se dá o que não se tem, amor onde se doa a falta, sendo que, no princípio e no final, há nomes próprios para designá-lo: transferência e desejo do analista, respectivamente. Conspiração é conluio, maquinação, trama: entendimento secreto dirigido contra alguém ou contra o Estado 5. Por que, então, haveria uma conspiração amorosa a caracterizar a transferência e o desejo do analista? Quem seria o adversário? Lacan, ao falar de O Banquete 6, de Platão, diz haver ali uma teoria do amor, enunciada por Sócrates e Alcibíades, teoria esta que adotará como própria ao discurso analítico e como capaz de esclarecer a natureza da transferência. É a teoria do amor como falta: amar é dar o que não o se tem. É na falta que o amor se junta ao desejo, onde o amante elege um outro, o amado, como aquele ao qual poderá doar sua própria falta, fazendo dele o objeto que lhe falta. Quando Alcibíades entra embriagado na casa de Agatão, durante O Banquete, e declara seu amor a Sócrates, eis aí um bom exemplo da conspiração amorosa. Alcibíades pensa amar Sócrates, mas é o agalma socrático que visa, seu objeto precioso. Visa o que lhe falta, visa em Sócrates o objeto que causa seu próprio desejo, para extraí-lo, arrancá-lo e 3 LACAN, Jacques. O Seminário livro 11. Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988, p LACAN, Jacques. Proposição de 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola. In: Outros Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003, p KOOGAN/HOUAISS. Enciclopédia e Dicionário Ilustrado da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, PLATÃO. O Banquete. In: Diálogos. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1950, p. 109.

3 3 incorporá-lo a si. Como um adereço ou uma prótese ou um semblante. Nessa cena Lacan isola a dialética do amor e as funções do amante e do amado. A conspiração amorosa poder-se-ia caracterizar, então, pela falta; pela extração do objeto causa de desejo (a) do Outro e pela conseqüente troca das posições: de amante passase a amado. Como diz Lacan no Seminário 10, a função da angústia é indicar o momento preciso no qual o sujeito está usurpando o (a) do Outro, doador. Assim, surge o sujeito no lugar do Outro e introduz-se a divisão, a barra, tanto no sujeito quanto no Outro. 7 Retomando, então, Alcibíades aponta Sócrates como detentor do agalma, objeto precioso, acima de todos os bens, causa de desejo. O matema da transferência é idêntico ao agalma, escreve Lacan na Proposição, pois é um guia para análise e articulação do desejo na instância do sujeito. O objetivo é formar uma equação cuja constante é o agalma e a incógnita, x, o desejo do psicanalista. O mesmo x cuja solução entrega ao psicanalisante seu ser e cujo valor tem a notação de castração (-φ), hiância que designamos como a função do falo, isolada no complexo de castração, ou objeto (a)... 8 É nessa hiância, nessa falta única, que o agalma (o objeto a) se sustenta....a questão que diz respeito ao que pode ser o desejo do analista, é que é necessário partir da experiência do amor, como fiz no ano de meu Seminário sobre a transferência, para situar a topologia onde essa transferência pode se inscrever. 9 Então, para se obter algum saber sobre o desejo do analista - essa transferência - é necessário colocar sua função no plano do amor e não somente no plano da luta, no plano da conspiração (referência a Hegel, ainda no Seminário 10). 10 O desejo do analista adquire o estatuto de conceito quando Lacan coloca a experiência do real no coração da experiência analítica, a partir do Seminário 7. Então, o conceito se desenvolve tomando certa distância do registro do imaginário com o objetivo de diferenciá-lo, radicalmente, da contratransferência. Ao mesmo tempo, conceituando desejo do analista, Lacan responde aos teóricos do emprego ativo da contratransferência 7 LACAN, Jacques. O Seminário livro 10. A angústia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005, p LACAN, Jacques. Op. cit., 2004, p LACAN, Jacques. Op. cit., 2005, p LACAN, Jacques. Op. cit., 2005, p. 169.

4 4 no tratamento analítico, particularmente a Paula Heimann. 11 O desejo do analista se dirige ao real que causa o desejo do analisante. Nessa medida, o analista pode ocupar o lugar de semblante do objeto a do sujeito e levá-lo, na experiência, ao encontro de sua diferença absoluta, de sua particularidade, o S1. O desejo do analista não é um desejo puro. Diferente do desejo puro da lei moral. É o desejo de obter a diferença absoluta, aquela que intervém quando, confrontado com o significante primordial, o sujeito vem, pela primeira vez, à posição de se assujeitar a ele. Só aí pode surgir significação para um amor sem limite, porque fora dos limites da lei Esta é uma descrição de Lacan com palavras do matema do Discurso do Analista: a s1 s2 $ Penso, com base nas citações e articulações anteriores, poder afirmar que o desejo do analista, além da transferência, é um dos nomes do amor na experiência analítica. Um amor sem limite, a princípio com uma função operativa vazia de conteúdo próprio, que trata de promover no analisando o bem-dizer sobre o desejo, encarnada pelo analista em posição de objeto (a), causa de desejo. No final, trás em si o resto, o dejeto, a marca do rebotalho, do gozo intolerável, porém irresistível, do sofrimento do sujeito. Em 1973, na Nota Italiana, 13 Lacan afirma que aceder ao desejo inédito é saber ocupar (na análise, ao analisando) o lugar de objeto-rebotalho, objeto perdido, objeto do gozo intratável pelos dispositivos simbólicos próprios aos discursos social e terapêutico. Levado o analisando aos paroxismos de sua particularidade, no final da análise, o desejo do analista opera, mais ainda, como depositário dos restos de gozo do analisando, para dar passagem a um novo psicanalista. 11 COSENZA, Domenico. Scilicet dos Nomes do Pai. Volume preparatório ao VI Congresso da AMP. Belo Horizonte: EBP / AMP, 2005, p LACAN, Jacques. Op. Cit., 1988, p LACAN, Jacques. Nota Italiana, Op. Cit., 2003, p. 313.

5 5...a transferência não é sombra das antigas tapeações do amor: é isolamento, no atual, de seu funcionamento de puro engano. Por trás do amor de transferência há afirmação do laço do desejo do analista com o desejo do paciente. 14 Para dar passagem a um novo desejo de analista. Maria do Carmo Dias Batista 14 LACAN, Jacques. Op. Cit., 1988, p. 240.

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

Metáfora e real no amor: os destinos do amor na clínica psicanalítica

Metáfora e real no amor: os destinos do amor na clínica psicanalítica Metáfora e real no amor: os destinos do amor na clínica psicanalítica 147 Maria Angélica Augusto de Mello Pisetta Resumo Neste artigo pretendemos discutir questões cruciais da clínica psicanalítica lacaniana:

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Matemática e Psicanálise

Matemática e Psicanálise Matemática e Psicanálise Antonio Carlos Borges Campos Desde que comecei minhas leituras sobre Lacan, passei a conviver com um verdadeiro sentimento de estranheza, no sentido do Unheimlich. A topologia

Leia mais

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Os nós e o amor Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Aprendemos com Freud que o amor é sempre narcísico, ou seja, não importa de que escolha de objeto se trate, ele

Leia mais

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi As inúmeras homenagens prestadas durante o ano de 2001, ao centenário

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 Chistophé Honoré, diretor do filme A bela Junie, inspira-se no romance A Princesa de Clèves, publicado anonimamente por Madame de Lafayette,

Leia mais

Lacan Coragem em Vida e Obra

Lacan Coragem em Vida e Obra Lacan Coragem em Vida e Obra Rosa Jeni Matz Lacan foi um bandeirante das trilhas do inconsciente. Teórico da verdade, do não-todo, da meiaverdade, pensou o inconsciente através da topologia, em estudos

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Angústia: acting-out e passagem ao ato * Manoel Barros da Motta ** Jacques-Alain Miller, ao estabelecer o Seminário X de Lacan, A angústia 1, dividiu-o em quatro

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 A terra da verdade é uma ilha, rodeada por um oceano largo e tormentoso, a região da ilusão; onde muitos nevoeiros, muitos icebergs, parecem ao

Leia mais

Há um acontecimento de corpo

Há um acontecimento de corpo Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 1 Ram Avraham Mandil Para uma discussão sobre a lógica do tratamento a partir do Seminário...ou pior, de Jacques Lacan, gostaria

Leia mais

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Carlos Henrique Kessler Foi com muita satisfação que recebi o convite para colaborar com este Informativo, abordando o tema Clínica-escola de psicologia: ética

Leia mais

A Estrutura na Psicanálise de criança

A Estrutura na Psicanálise de criança A Estrutura na Psicanálise de criança Maria de Lourdes T. R. Sampaio O que está na cabeça do filho depende de seu desejo 1 Esta frase de Alfredo Jerusalinsky, que se refere à ilusão de alguns pais de que

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no CRAS? Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2

Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no CRAS? Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2 CRAS? Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2 Este trabalho discute as possibilidades de operar com o saber

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Luis Francisco Espíndola Camargo 1 lfe.camargo@gmail.com Resumo: A noção de sujeito do desejo não inclui a substância gozante. Na clínica, tal característica

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

Amor, Transferência e Desejo 1.

Amor, Transferência e Desejo 1. Amor, Transferência e Desejo 1. Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na II Jornada Freud lacaniana. Recife, 1997. Trabalho publicado nos Anais da II Jornada Freud lacaniana. Recife, 1998.

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

O sujeito e o tempo das escolhas 1

O sujeito e o tempo das escolhas 1 O sujeito e o tempo das escolhas 1 Rita Bícego Vogelaar Trabalho apresentado na Jornada de Encerramento das FCFCL-SP- 2005 Estou chegando esse ano ao Fórum e fiquei pensando nesse espaço, nessa Jornada

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança

Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança Os três tempos do objeto no Fort-Da (1) Maria Rita de Oliveira Guimarães Coordenadora Adjunta do Núcleo de Psicanálise e Criança O ponto central da investigação que, atualmente, a Nova Rede Cereda realiza,

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

A Teoria do Jogo e a Psicanálise Benita Losada A. Lopes *

A Teoria do Jogo e a Psicanálise Benita Losada A. Lopes * A Teoria do Jogo e a Psicanálise Benita Losada A. Lopes * Resumo: Artigo sobre a teoria dos jogos enquanto metáfora da partida analítica a partir de uma lógica, de uma estratégia e de uma tática cujo desenrolar

Leia mais

NÃO HÁ ATO SEXUAL, MAS HÁ ATO PSICANALÍTICO

NÃO HÁ ATO SEXUAL, MAS HÁ ATO PSICANALÍTICO NÃO HÁ ATO SEXUAL, MAS HÁ ATO PSICANALÍTICO Jacques Laberge 1 Não há ato sexual, mas há ato psicanalítico! Isso é uma compensação? Não há ato sexual, mas há ato de casamento. Para confirmar que não há

Leia mais

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda:

A Marca do Medo. Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: A Marca do Medo Silvia Emilia Espósito* Palavras-chave: psicanálise, medicina, drogadição, auto-ajuda: Ficou lugar comum declarar a morte da psicanálise porque está desatualizada ou fora de moda ou, o

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar

O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar Júlio Eduardo de Castro* Unitermos: psicanálise em intensão; sintoma; ética da psicanálise. Resumo Este artigo aborda a ética da psicanálise

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

A dimensão aditiva do sintoma

A dimensão aditiva do sintoma Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673 Glória Maron Introdução Vivemos um tempo posterior à queda dos ideais e das figuras clássicas de autoridade que encarnam a função

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

A letra no corpo. Celso Rennó Lima

A letra no corpo. Celso Rennó Lima A letra no corpo Celso Rennó Lima É tu que está escrevendo teu rótulo! Paulo Vilheña, ator. Tatuagem é alma! Tatiane, modelo. Paredes para se proteger Entrevistada 1. Tatuagem não é moda, é coisa definitiva,

Leia mais

A Interpretação na Psicanálise Lacaniana Interpretation in Lacanian Psychoanalysis

A Interpretação na Psicanálise Lacaniana Interpretation in Lacanian Psychoanalysis A Interpretação na Psicanálise Lacaniana Interpretation in Lacanian Psychoanalysis RESUMO O artigo apresenta, em uma visão lacaniana, as transformações ocorridas com alguns conceitos psicanalíticos, a

Leia mais

ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA

ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA aproximar, ao que se segue a descoberta de que o outro no espelho não é real mais uma imagem e 1 Luciane Batista Após uma primeira leitura do

Leia mais

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB É a verdade do que esse desejo foi em sua história que o sujeito grita

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

A verdade e o nariz ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem

A verdade e o nariz ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 12 novembro 2013 ISSN 2177-2673 ou A ficção do sujeito entre corpo e linguagem Nelly Brito Lacan, em um célebre escrito 1, afirma que a fala do paciente é

Leia mais

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos.

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Tema: O amor e seus transtornos Curitiba, de 04 a 07 de setembro de 2010 MESA-REDONDA Corpo:

Leia mais

Título do trabalho: O amor e seus enlaces Autora: Luciana Brandão Carreira Del Nero 1 e Ana Maria Medeiros da Costa. Resumo:

Título do trabalho: O amor e seus enlaces Autora: Luciana Brandão Carreira Del Nero 1 e Ana Maria Medeiros da Costa. Resumo: Trabalho proposto para mesa redonda intitulada O amor e a escrita, coordenada pela profa Ana Costa, no IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

Falar, amar, gozar e escrever

Falar, amar, gozar e escrever Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 4 Março 2011 ISSN 2177-2673 1 Fernanda Hernani O objetivo desse trabalho é pensar, à luz da psicanálise lacaniana, a relação da escrita com o amor. Para isso

Leia mais

Biblioteca Freudiana de Curitiba Centro de Trabalho em Psicanálise

Biblioteca Freudiana de Curitiba Centro de Trabalho em Psicanálise O psicanalista só se autoriza de si mesmo Inicio com três citações de Lacan: Angela Dal' Vesco Nery O analista só se autoriza de si mesmo, isso é óbvio (...)Aquilo que ele tem de cuidar é que, a autorizar-se

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE JACQUES LACAN NA PSICANÁLISE BRASILEIRA

A INFLUÊNCIA DE JACQUES LACAN NA PSICANÁLISE BRASILEIRA 1 A INFLUÊNCIA DE JACQUES LACAN NA PSICANÁLISE BRASILEIRA A presença do ensino de Lacan na psicanálise brasileira é hoje absoluta. Prova disso foi a recente participação brasileira no I Congresso da Convergencia

Leia mais

O amor e seu enlace com o saber e o gozo

O amor e seu enlace com o saber e o gozo O amor e seu enlace com o saber e o gozo Analisaremos a função do amor na vida de Vincent Van Gogh devido o laço estabelecido entre a morte e o amor. Utilizaremos a biografia feita pela cunhada e um epistolário

Leia mais

Miller, J. A Un répartiroire sexuel, in: La Cause Freudienne, numero 34, Paris Navarin, 1998, pags 7-28 2

Miller, J. A Un répartiroire sexuel, in: La Cause Freudienne, numero 34, Paris Navarin, 1998, pags 7-28 2 O ANALISTA-PARCEIRO-SINTHOMA DA HISTÉRICA Tania Coelho dos Santos - Membro da EBP/Rio e da AMP Eu defendo que a clínica psicanalítica hoje precisa orientar-se pelo parceiro-sinthoma. 1 Isso signfica que

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

PsicoDom, v.2, n.2, jun. 2008

PsicoDom, v.2, n.2, jun. 2008 1 PsicoDom, v.2, n.2, jun. 2008 A Clínica do Amor Jorge Sesarino 1... um egoísmo forte constitui uma proteção contra o adoecer, mas num último recurso devemos começar a amar afim de não adoecermos, e estamos

Leia mais

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara "Uma análise termina quando analista e paciente deixam de encontrar-se para a sessão analítica" Sigmund Freud em Analise

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito,

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito, 1 TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE Marisa De Costa Martinez i Tiago Ravanello ii Nem só a Arte e a Ciência servem; No trabalho há que mostrar paciência 1 São a fome e o amor

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

a. Do estagiário em psicoterapia psicanalítica ao psicanalista em formação.

a. Do estagiário em psicoterapia psicanalítica ao psicanalista em formação. a. Do estagiário em psicoterapia psicanalítica ao psicanalista em formação. b. Germano Almeida Faria Fortunato Pereira Rua São Francisco Xavier, 263. Bairro Tubalina, Uberlândia-MG. 38412-080 c. Graduado

Leia mais

O que dizem os autistas?

O que dizem os autistas? Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 11 julho 2013 ISSN 2177-2673 1 Iván Ruiz Acero (ELP) Quem escuta hoje os sujeitos autistas? De que maneira escutamos seu saber silencioso? Atualmente a palavra

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Cristina Marcos No filme Sonata de Outono, Bergman nos dá a ver a conturbada relação entre mãe e filha, marcada pela impossibilidade do amor.

Leia mais

O sujeito e os gozos #08

O sujeito e os gozos #08 nova série @gente Digital nº 8 Ano 2 Abril de 2013 Revista de Psicanálise O sujeito e os gozos Pierre Skriabine Isso goza e não sabe, nota Lacan na página 104 do seu Seminário Encore, no capítulo intitulado

Leia mais

A Interdisciplinaridade na Clínica do Autismo: onde está o sujeito?

A Interdisciplinaridade na Clínica do Autismo: onde está o sujeito? 1 A Interdisciplinaridade na Clínica do Autismo: onde está o sujeito? Introdução Este trabalho tem como objetivo apresentar discussões preliminares da pesquisa em andamento na Universidade Federal do Pará

Leia mais

O objeto a na melancolia

O objeto a na melancolia O objeto a na melancolia Maria de Fátima Ferreira Sabe-se que, tanto o luto como a melancolia se definem como uma reação à perda de um ente querido, de uma situação, ou de um ideal. Uma primeira distinção

Leia mais

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico De nossos antecedentes Existem instituições onde a psicanálise aplicada da orientação lacaniana tem lugar há muitos anos, como é o caso do Courtil e L Antenne

Leia mais

O que a clínica dos distúrbios alimentares ensina sobre os limites da terapêutica? A Experiência da Comunidade Terapêutica La Vela.

O que a clínica dos distúrbios alimentares ensina sobre os limites da terapêutica? A Experiência da Comunidade Terapêutica La Vela. O que a clínica dos distúrbios alimentares ensina sobre os limites da terapêutica? A Experiência da Comunidade Terapêutica La Vela. Andrea Vilanova 1 A pergunta que intitula este trabalho parte de uma

Leia mais

De uma prática. Samyra Assad 1

De uma prática. Samyra Assad 1 1 De uma prática Samyra Assad 1 INTRODUÇÃO Em primeiro lugar, recebi, há cerca de três anos atrás, e não sem surpresa, um convite para trabalhar no CRP- 04, sob a égide do tema de sua gestão: Cuidar da

Leia mais

Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br

Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br * um encontro que não faz laço Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br Resumo: Este artigo pretende demonstrar que, na experiência analítica, a felicidade reside no encontro transitório, marcado pelo

Leia mais

Escrita poética chinesa. interpretação no último Lacan Cleyton Andrade

Escrita poética chinesa. interpretação no último Lacan Cleyton Andrade Opção Lacaniana online nova série Ano 6 Número 18 novembro 2015 ISSN 2177-2673 e a interpretação no último Lacan Cleyton Andrade No início da lição de 20 de dezembro de 1977 do seminário O momento de concluir

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais