O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1"

Transcrição

1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida e trabalhada na teoria e na clínica psicanalítica. A partir disso pretende-se discutir uma diferenciação bastante complexa e polêmica, dentro do referencial psicanalítico da teoria lacaniana, que é justamente a proximidade ou distanciamento entre o autismo e a psicose infantil. Pretende-se abordar trabalhos de importantes autores que discutem essa questão de modo a refletirmos sobre essa importante questão que se dá num plano teórico, mas que se reveste de inteiro e profundo impacto para a elaboração de estratégias clínicas de intervenção. II Autismo e psicose: a questão da estrutura No campo da psicopatologia a questão do autismo sempre se mostrou um desafio. Tanto não existe um consenso absoluto quanto as suas origens orgânicas ou psicogênicas, quanto sua classificação e diagnóstico geram também muitos desencontros. Essa questão que, diz respeito a uma problemática histórica, chega também ao contexto da psicanálise lacaniana, uma vez que existe uma enorme discussão quanto ao diagnóstico diferencial entre o autismo e a psicose infantil, no que tange às suas dimensões estruturais. Trabalhando dentro da própria teoria lacaniana, variados autores chegam a conclusões diferentes quando pensam o autismo pelo viés do conceito de estrutura subjetiva. De modo geral, podemos identificar três perspectivas diferentes: existem aqueles que defendem uma semelhança estrutural entre autismo e psicose; outros que apontam o autismo como uma estrutura subjetiva diferente, e, aqueles que o definem como uma não-estrutura (Rocha, 2002). Mas do que trata quando falamos de estrutura. Trabalhando na mesma perspectiva de Freud, Lacan também considera que qualquer tipo de estruturação subjetiva é uma estruturação de defesa. Pensando pela via da constituição do sujeito podemos nos 1 Germano Quintanilha Costa: Professor Assistente do Curso de Psicologia da Universidade Federal Fluminense (Pólo de Campos dos Goytacazes). Doutorando do Programa de Psicanálise da UERJ. Mestre em Cognição e Linguagem pela UENF. Psicólogo e Psicanalista Membro do Corpo Freudiano Escola de Psicanálise Seção Campos dos Goytacazes.

2 perguntar: contra o que o bebê tem que se defender para que possa advir como sujeito? O infans precisa lutar contra a ameaça de ser reduzido ao real do seu corpo e com isso ter que encarnar a condição de objeto de demanda imaginário do Outro. Trata-se de uma estruturação de defesa porque tornar-se sujeito é adquirir um estatuto simbólico. Através da entrada no campo da significação o sujeito passa a ter a possibilidade de tornar-se algo a mais, alguma Outra coisa que não seja apenas alguns quilos de carne (Calligaris, 1989). III Diferenças entre autismo e psicose infantil Tomando por base o trabalho de Marie-Cristine Laznik, neste trabalho pretendemos investigar o autismo enquanto um quadro clínico que se difere, às vezes sutilmente, da psicose infantil. No entanto, precisamos destacar a necessidade de caminharmos como uma bastante prudência. Precisamos considerar que Lacan não nos falou sobre a psicose, no singular, mas nas psicoses, no plural. Isso constitui uma questão aberta para nós psicanalistas. Por isso, não pretendemos afirmar de modo taxativo que o autismo é absolutamente diferente das psicoses, mas pretendemos indagar sobre sua diferença com relação a certas modalidades psicóticas. A questão que iremos percorrer é a seguinte: o que se apresenta como situação crítica no autismo é o processo subjetivo da alienação ou da separação? Se tomarmos os casos de psicose infantil veremos que a aproximação entre autismo e psicose infantil não é tão simples. Winnicott analisou uma menina psicótica de três anos, caso conhecido como a Pequena Piggle. Nesse relato de análise, vemos que a criança psicótica traz um endereçamento de um sofrimento, um discurso fragmentado e uma transferência com o analista. Esses elementos não são tão facilmente encontrados nos casos das crianças autistas. É possível enxergar a Pequena Piggle como um sujeito que é constantemente invadida por seus conteúdos inconscientes, ou seja, pelo Gozo do Outro. Trata-se de um impasse no complexo de Édipo, o que faz com que ela não consiga enxergar o Outro com possuidor de uma falta, uma falta que possa funcionar como uma barra a esse Gozo do Outro. Desse modo não há aqui uma castração, não há Nome-do-Pai, portanto, não há separação. Dentre desse contexto, nosso trabalho pretende se posicionar do lado daqueles que pensam o autismo como uma falha grave no processo da alienação e não exatamente no processo de separação. Fazer um furo no Outro Materno, fazer uma barra ao desejo da

3 mãe pressupõe que antes disso o sujeito tenha se instaurado nessa posição de objeto de gozo do Outro. Então, propomos pensar que quando falamos de autismo, estamos falando de um impasse que é fruto de uma falta de alienação ou de uma alienação capenga. Para que possamos então compreender o que explica o autismo dentro de seu próprio campo e o que o diferencia da psicose, precisamos reconhecer a alienação como um processo que perpassa as três dimensões: o real, o simbólico e o imaginário. Para desenvolvermos essa questão, vamos nos utilizar dos apontamentos que Laznik (2004) tece sobre essas três modalidades de alienação. Consideramos bastante plausível a sua hipótese de que o autismo revela uma grave falha na alienação real e imaginária. Isso nos permite compreender porque alguns autistas conseguem fazer um uso da linguagem, sem que esse uso possa demonstrar a presença de um sujeito do inconsciente. Isso por exemplo, faz com que a psicopatologia fenomenológica acabe por criar uma série de classificações e variações dentro do campo autismo dependendo exatamente das presenças e ausências de certas funções psíquicas e comportamentais. Vejamos, portanto, essa fundamentação trazida por Laznik (2004). IV Quando falta a alienação Primeiro, consideremos por alienação imaginária o processo que constrói a imagem do corpo da criança. Estamos falando aqui da fase do espelho como o momento em que a criança reconhece-se como um eu. Através de experiência dos espelhos côncavos, Lacan nos demonstra que é possível um sujeito ter a percepção visual de estar diante de um vaso contendo flores, quando na verdade, o vaso e as flores não se encontram juntos fisicamente. Trata-se de uma ilusão de ótica. Desse modo, podemos pensar a alienação imaginária a partir da loucura necessária das mães. Através dessa loucura ela cria e antecipa uma imagem, uma representação sobre o corpo do bebê, que ele de fato ainda não possui por si próprio. Alienando-se ao olhar do adulto, a criança busca uma confirmação da imagem de si própria. Num ato de precipitação, a criança se lança nessa identificação alienante baseado na imagem do seu corpo e no tecido simbólico dirigido pelo Outro. Isso constitui um ponto importante para distinguirmos o autismo de algumas psicoses, pois na paranóia, por exemplo, o sujeito não consegue se defender psiquicamente do gozo imaginário que esse outro realiza sobre ele. Já no autismo existiria uma ausência do estágio do espelho, seja porque falta um Outro que realize

4 essa antecipação da imagem do corpo do bebê, seja porque o bebê não se vincula ao olhar do adulto. A alienação imaginária é tão importante que ela constitui um dos diagnósticos precoces do autismo, pois é muito frequente que o bebê autista não olhe para o rosto de sua mãe, o que muitas vezes é acompanhado pelo fato dessa mãe não se aperceber disso. Porém, esse não é a única explicação. É preciso considerar um outro aspecto diagnóstico e para isso precisamos compreender o que Laznik (2004) chama de alienação real. Para compreendê-la precisamos recorrer à teoria pulsional de Freud e de Lacan, na qual a pulsão, na busca de sua satisfação, realiza um movimento em forma de circuito, ou seja, ela parte de um ponto, avança e retorna. Podemos identificar então três tempos desse circuito pulsional. Num primeiro tempo, a criança vai em direção a um objeto do mundo exterior e incorpora-o como se fosse seu, por exemplo, o seio materno. Num segundo tempo, a criança busca uma parte do próprio corpo, por exemplo, ela suga o próprio dedo. Num terceiro tempo, a criança busca fisgar o gozo pulsional do outro que está diante dela, desse modo a criança se doa, se oferece, como objeto pulsional a ser tomado pelo Outro. Exemplo: quando o bebê estende suas mãos e seus pés em direção à boca do adulto que finge lhe comer os pezinhos. Baseando-se em Lacan, Laznik (2004) defende que só podemos falar de um sujeito pulsional depois que esse circuito é completado. Desse modo, o surgimento do sujeito depende de uma alienação redobrada, isto é, uma alienação ao Outro simbólico e ao Outro real. A partir desse ponto precisamos destacar o caráter fundamental da relação erótica travada entre a criança e seus pais. Os pais acabam por encarnar estas duas dimensões, pois eles representam o Outro, como aquele que traz os significantes, ao mesmo tempo em que encarnam um outro semelhante, um outro de carne e osso, um outro para quem a criança se oferece como objeto, fazendo uma alienação real, ou melhor pulsional. Esse esclarecimento nos permite visualizar que o enodamento entre a alienação real e imaginária é o que permite a criança ter acesso à alienação simbólica. O erotismo pulsional e o estágio do espelho possibilitam a criança se ver encarnada em um corpo erótico, capaz de ser reconhecido por uma unidade egóica diferenciada do Outro. Essa junção conduz a criança a perceber que em suas experiências de satisfação existem algo de insatisfação. Sentindo que existe uma falta nesse corpo que é pulsional e imaginário,

5 a criança vai buscar as palavras do Outro, para que através delas esse corpo possa não ser apenas imagem, mas que possa se fazer representar através de um discurso. Desse modo, caminhamos para nossa conclusão visando reconhecer o autismo a partir de certas incidências que tornam bastante precárias a instauração do estágio do espelho e também o fechamento do circuito pulsional. Sobre esse respeito, a psicanálise tem nos demonstrado que o autista é alguém que teme ser afetado pulsionalmente por algo que venha do Outro, ao mesmo tempo em que o vemos como um corpo que parece ser desabitado por uma representação de um eu, capaz de encarnar uma ficção, um personagem. Para encerrar, queremos dizer que tudo isso se apresenta como uma teoria complexa, mas que nos é necessária para que possamos sustentar nossa posição de psicanalistas. Ficaremos satisfeitos se, ao menos nós psicanalistas, pudermos olhar para as causas do autismo não como uma doença ou como um distúrbio, mas como uma incidência, um episódio mal sucedido na história da constituição dessas crianças enquanto sujeitos. V - Bibliografia Rocha, Fulvio Holanda. Autismo: controvérsias na psicanálise. ROCHA, Fulvio Holanda. Autismo: controvérsias na psicanálise. In: COLOQUIO DO LEPSI IP/FE- USP, 4., 2002, São Paulo. Laznik, Marie-Christine. A voz da sereia: o autismo e os impasses na constituição sujeito. Salvador, Ágalma: 2004.

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

TÍTULO DO ARTIGO: AUTISMO INFANTIL: A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO PRECOCE NOME DO AUTOR: RITA MAGNA DE ALMEIDA REIS LÔBO DE VASCONCELOS

TÍTULO DO ARTIGO: AUTISMO INFANTIL: A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO PRECOCE NOME DO AUTOR: RITA MAGNA DE ALMEIDA REIS LÔBO DE VASCONCELOS TÍTULO DO ARTIGO: AUTISMO INFANTIL: A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO PRECOCE NOME DO AUTOR: RITA MAGNA DE ALMEIDA REIS LÔBO DE VASCONCELOS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL EMAIL: ritavasconcelos10@gmail.com

Leia mais

Autismo e Deficiência Intelectual.

Autismo e Deficiência Intelectual. Autismo e Deficiência Intelectual. Wagner Ranna. Pediatra. Psiquiatra. Psicanalista. Professor de Psicossomática Psicanalítica do SEDES. Psiquiatra CAPS Infantil da Lapa/PMSP/CRSCO/STS Lapa. Ex-professor

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

A Estrutura na Psicanálise de criança

A Estrutura na Psicanálise de criança A Estrutura na Psicanálise de criança Maria de Lourdes T. R. Sampaio O que está na cabeça do filho depende de seu desejo 1 Esta frase de Alfredo Jerusalinsky, que se refere à ilusão de alguns pais de que

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

Sociedade Civil Sem Fins Lucrativos CNPJ 02.879.848 / 0001-68 Av. Suiça, 99 Piracicaba SP CEP 13416-280 (19) 3433-2568 associacaolivre@yahoo.com.

Sociedade Civil Sem Fins Lucrativos CNPJ 02.879.848 / 0001-68 Av. Suiça, 99 Piracicaba SP CEP 13416-280 (19) 3433-2568 associacaolivre@yahoo.com. ALTERIDADE E ÉTICA EM PSICANÁLISE Realização Associação Livre Instituto de Cultura e Psicanálise Sociedade Civil Sem Fins Lucrativos CNPJ 02.879.848 / 0001-68 Av. Suiça, 99 Piracicaba SP CEP 13416-280

Leia mais

INDICADORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: POSSIBILIDADE DE INTERVENÇÃO PRECOCE 1

INDICADORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: POSSIBILIDADE DE INTERVENÇÃO PRECOCE 1 INDICADORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: POSSIBILIDADE DE INTERVENÇÃO PRECOCE 1 Flores, M. 2 ;. Crestani, A. 3 ;. Souza, A. P. 4 1 Trabalho de pesquisa da UFSM 2 Psicóloga mestranda do curso

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL?

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL? 1 Autora: Juliana Ribeiro Câmara Lima Eixo Temático: AT e instituição de educação Pertinência Institucional: IECE- Instituto Educacional Casa Escola Domicílio: R Raimundo Chaves, 1652. Casa H 03, Candelária,

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires

Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires No cotidiano dos abrigos são muitos aqueles que circulam na instituição: bebês, crianças, adolescentes,

Leia mais

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB.

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB. TÍTULO:TRABALHO CRIATIVO NUMA EXPERIÊNCIA EM UM AMBULATÓRIO PSIQUIÁTRICo AUTORES: Margarida Maria Elia Assad 1 Cleide Pereira Monteiro 2 João Mendes de Lima Júnior 3 Alzira Edjane da Nóbrega Xavier, Elizabeth

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade

Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade Coordenador: Prof. Doutor Ademir Pacelli Ferreira - Instituto de Psicologia - UERJ 2) A Clínica Psicanalítica no Campo da Saúde Mental:

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora Contardo Calligaris Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses 2 a edição z Zagodoni Editora Copyright 2013 by Contardo Calligaris Todos os direitos desta edição reservados à Zagodoni Editora Ltda.

Leia mais

Da assistência a educação, uma trajetória

Da assistência a educação, uma trajetória Trabalho (Versão Completa) para mesa-redonda do IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Título: A Função das Educadoras de Creche

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Para o XVIII Encontro Latino-americano Winnicott contemporâneo. Desde Winnicott reflexões sobre a dimensão corporal da transferência

Para o XVIII Encontro Latino-americano Winnicott contemporâneo. Desde Winnicott reflexões sobre a dimensão corporal da transferência Para o XVIII Encontro Latino-americano Winnicott contemporâneo Tema Livre: Desde Winnicott reflexões sobre a dimensão corporal da transferência Autora: Ivanise Fontes Cada vez são mais evidentes os aspectos

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA Priscila Rodrigues da Silva * Prof. Ms. Clovis E. Zanetti ** RESUMO: A doença renal crônica é considerada

Leia mais

AUTISMO NA INFÂNCIA: HIPÓTESES PSICANALÍTICAS Fúlvio Holanda Rocha 1

AUTISMO NA INFÂNCIA: HIPÓTESES PSICANALÍTICAS Fúlvio Holanda Rocha 1 1 AUTISMO NA INFÂNCIA: HIPÓTESES PSICANALÍTICAS Fúlvio Holanda Rocha 1 A partir de um rápido exame, podemos constatar que o autismo está presente em diversos âmbitos da nossa cultura. É objeto do cinema,

Leia mais

O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro

O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro O tratamento dado ao gozo da intoxicação: as propostas da abstinência, da redução de danos e da psicanálise Cynara Teixeira Ribeiro Atualmente, em vários países do mundo, o uso prejudicial de álcool e

Leia mais

Autismo e Psicose Infantil Exílio e Prisão de uma relação imaginária? Anamaria Vasconcelos*

Autismo e Psicose Infantil Exílio e Prisão de uma relação imaginária? Anamaria Vasconcelos* Autismo e Psicose Infantil Exílio e Prisão de uma relação imaginária? Anamaria Vasconcelos*... a teoria psicanalítica pode ser considerada um delírio no entanto, todo delírio não deixa de inscrever a verdade

Leia mais

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade Ana Paula Pimentel 1 (paulinha_pimentel@yahoo.com.br) Andreia dos Santos Silva² (psiuerj@yahoo.com.br) Ademir Pacelli Ferreira³ (ademirpacelli@uol.com.br)

Leia mais

Psicose e autismo: Discussão sobre a diferença entre as duas estruturas 1

Psicose e autismo: Discussão sobre a diferença entre as duas estruturas 1 Psicose e autismo: Discussão sobre a diferença entre as duas estruturas 1 Rogério Isotton 2 Permito-me iniciar este trabalho apresentando algumas perguntas. Será possível conceber a psicose e o autismo

Leia mais

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO Ana Elizabeth Araujo Luna Roseane Freitas Nicolau O presente trabalho é fruto de uma experiência realizada no

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 A terra da verdade é uma ilha, rodeada por um oceano largo e tormentoso, a região da ilusão; onde muitos nevoeiros, muitos icebergs, parecem ao

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Psicologia Professores: Adriana Ribas adrianaribas@uniarp.edu.br Período/ Fase: 2º Semestre: 2º Ano:

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP Quadro Geral de s do PPGP Obrigatórias CR CH Metodologia de Pesquisa 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicanálise: teoria e clínica 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicologia e Sociedade 4 60

Leia mais

O sinthome no autismo é o corpo

O sinthome no autismo é o corpo O sinthome no autismo é o corpo M. Aparecida Farage Osorio Na origem do autismo, está a dissociação entre a voz e a linguagem, como proteção da presença sonora real do Outro angustiante. A voz, assim,

Leia mais

A clínica dos bebês em tempos de autismo

A clínica dos bebês em tempos de autismo A clínica dos bebês em tempos de autismo Maria Cristina Kupfer A consulta às estatísticas sobre a incidência do autismo no mundo contemporâneo revela um aumento crescente dos casos de crianças atingidas

Leia mais

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

A QUESTÃO DO SUJEITO NA CLÍNICA DA PSICOSE RESUMO

A QUESTÃO DO SUJEITO NA CLÍNICA DA PSICOSE RESUMO Gabriela Rinaldi Meyer Psicanalista; Mestre em Teoria Psicanalítica pela UFRJ; Doutora em Psicologia Clínica pela USP; Pos-doutoranda no Laboratório de Psicopatologia Fundamental, PUC/SP ; Psicóloga do

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br.

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. Título: A incidência do narcisismo na esquizofrenia e na histeria Autora: Graciela Bessa Psicanalista, Doutora em Teoria Psicanalítica (UFRJ). E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. RESUMO: No texto Sobre

Leia mais

APRESENTAÇÃO DESTA COLEÇÃO

APRESENTAÇÃO DESTA COLEÇÃO dos autores, 1991, 1992, 2003 Ágalma para a língua portuguesa, 1991, 1992, 2003 1 a. edição de Coisa de criança: julho de 1991 1 a. edição de Desenho: por que não?: julho de 1992 2 a. edição: novembro

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

Negar é no fundo querer recalcar

Negar é no fundo querer recalcar Negar é no fundo querer recalcar Jorge A. Pimenta Filho Introdução A Negativa 1 artigo de Freud escrito em 1925 se refere à metapsicologia e também à técnica psicanalítica. (FREUD, 1976). A primeira indicação

Leia mais

VÊ SE ME DESIMBAÇA : UMA ALUSÃO AO ESQUEMA ÓPTICO E AO GRAFO DO DESEJO

VÊ SE ME DESIMBAÇA : UMA ALUSÃO AO ESQUEMA ÓPTICO E AO GRAFO DO DESEJO VÊ SE ME DESIMBAÇA : UMA ALUSÃO AO ESQUEMA ÓPTICO E AO GRAFO DO DESEJO Paula Cristina Monteiro de Barros Nanette Zmeri Frej Maria de Fátima Vilar de Melo Era mais um dia de grupo operativo. Como de costume,

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

ALTERIDADE E OS IMPOSSÍVEIS DA INCLUSÃO

ALTERIDADE E OS IMPOSSÍVEIS DA INCLUSÃO ALTERIDADE E OS IMPOSSÍVEIS DA INCLUSÃO André Oliveira Costa FACED/UFRGS Simone Moschen Rickes FACED/UFRGS CAPES Resumo: Este trabalho tem como fio articulador dois conceitos que, ao nosso ver, são co-relativos,

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

PSICOPATOLOGIAS GRAVES NA INFÂNCIA. Profa. Silvana Rabello

PSICOPATOLOGIAS GRAVES NA INFÂNCIA. Profa. Silvana Rabello PSICOPATOLOGIAS GRAVES NA INFÂNCIA Profa. Silvana Rabello Movimento mundial de reformulação da concepção de saúde mental, em especial, da criança: do critério nosológico para uma compreensão da constituição

Leia mais

GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS. C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª)

GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS. C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª) GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS MÓDULO I: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª) 04/07 das 8 às 16h (sábado). Bibliografia

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

O brincar no campo transicional: algumas questões para a clínica psicanalítica com crianças

O brincar no campo transicional: algumas questões para a clínica psicanalítica com crianças O brincar no campo transicional: algumas questões para a clínica psicanalítica com crianças Carolina Valério Barros Daniel Kupermann As crianças não brincam de brincar. Brincam de verdade. (Mario Quintana)

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

O que dizem os autistas?

O que dizem os autistas? Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 11 julho 2013 ISSN 2177-2673 1 Iván Ruiz Acero (ELP) Quem escuta hoje os sujeitos autistas? De que maneira escutamos seu saber silencioso? Atualmente a palavra

Leia mais

O autismo e as formações do inconsciente Entrevista

O autismo e as formações do inconsciente Entrevista O autismo e as formações do inconsciente Entrevista Por Thereza Christina Gontijo Bruzzi Curi Em seu encontro anual com a Dra. Marie-Christine Laznik, em Paris, a Dra. Thereza Christina Gontijo Bruzzi

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Contribuições da noção de pulsão invocante à clínica do autismo e da psicose infantil

Contribuições da noção de pulsão invocante à clínica do autismo e da psicose infantil Contribuições da noção de pulsão invocante à clínica do autismo e da psicose infantil Tiago de Moraes Tavares de Lima Rogério Lerner Diversas pesquisas constataram que há, na primeira infância, uma relação

Leia mais

DIÁLOGOS ENTRE WINNICOTT E LACAN: Do conceito de objeto ao manejo clínico da experiência de sofrimento

DIÁLOGOS ENTRE WINNICOTT E LACAN: Do conceito de objeto ao manejo clínico da experiência de sofrimento 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Tema: 3 DIÁLOGOS ENTRE WINNICOTT E LACAN: Do conceito de objeto ao manejo clínico da experiência de sofrimento Perla Klautau

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza

SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza A interdisciplina tem se feito presente, aproximando as clínicas fonoaudiológica e psicanalítica com base em interrogações como as que

Leia mais

A depressão como paixão da alma Psicanálise depressão emoção - psiquiatria

A depressão como paixão da alma Psicanálise depressão emoção - psiquiatria A depressão como paixão da alma Psicanálise depressão emoção - psiquiatria Márcio Peter de Souza Leite Membro da EBP A depressão na psiquiatria No contexto da psicopatologia existem muitos usos diferentes

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida

Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida Autor: Suzana Faleiro Barroso Psicóloga, psicanalista praticante

Leia mais

Titulo da mesa: O infantil e a infância: da constituição do sujeito ao tratamento dos gozos

Titulo da mesa: O infantil e a infância: da constituição do sujeito ao tratamento dos gozos Titulo da mesa: O infantil e a infância: da constituição do sujeito ao tratamento dos gozos PONTUAÇÕES SOBRE O FEMININO, AUTISMO E GOZO João Luiz Leitão Paravidini Resumo: O feminino e a maternagem implicam

Leia mais

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara "Uma análise termina quando analista e paciente deixam de encontrar-se para a sessão analítica" Sigmund Freud em Analise

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Fabio Thá Psicólogo, psicanalista, doutor em estudos linguísticos pela UFPR, coordenador do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7. Safar-se com a loucura

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7. Safar-se com a loucura Entrevista com Marcus André Vieira 1 Safar-se com a loucura Almanaque: O tema do V ENAPOL A saúde para todos não sem a loucura de cada um a se realizar em junho próximo enfatiza o singular dentro do universal.

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

A Interdisciplinaridade na Clínica do Autismo: onde está o sujeito?

A Interdisciplinaridade na Clínica do Autismo: onde está o sujeito? 1 A Interdisciplinaridade na Clínica do Autismo: onde está o sujeito? Introdução Este trabalho tem como objetivo apresentar discussões preliminares da pesquisa em andamento na Universidade Federal do Pará

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

Heteronomia do desejo Resumo da última aula do 1º semestre do curso

Heteronomia do desejo Resumo da última aula do 1º semestre do curso Heteronomia do desejo Resumo da última aula do 1º semestre do curso Marcus do Rio Teixeira Heteronomia significa que a lei do desejo vem do Outro e que, consequentemente, o sujeito que anima o desejo e

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010 Trabalho para Mesa-redonda TÍTULO: Amor e ódio na neurose obsessiva: a questão do domínio

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais