Processos de Produção de Material Didático para Cursos a Distância e Matriz de Design Instrucional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos de Produção de Material Didático para Cursos a Distância e Matriz de Design Instrucional"

Transcrição

1 Processos de Produção de Material Didático para Cursos a Distância e Matriz de Design Instrucional Fernanda Barbosa Ferrari 1 ; Ronei Ximenes Martins 2 1 Centro de Educação a Distância/Departamento de Educação/Universidade Federal de Lavras 2 Centro de Educação a Distância/ Departamento de Educação/Universidade Federal de Lavras Resumo: No cenário atual, a Educação a Distância tem funcionado como instrumento propulsor de disseminação e construção coletiva do conhecimento, democratizando o acesso ao ensino no contexto nacional, notadamente a partir da criação da Universidade Aberta do Brasil (UAB), que é um sistema criado para fomentar a Educação a Distância no país, ofertando cursos de graduação e pós-graduação em municípios do interior. Este artigo tem como objetivo apresentar a utilização da matriz de design instrucional nos processos que fazem parte da produção de material didático para os cursos de graduação e pós-graduação a distância da Universidade Federal de Lavras (UFLA), no âmbito da UAB. Este modelo de matriz de design instrucional foi elaborado por Martins (2008), e posteriormente adaptado, com o propósito de organizar as informações relativas ao desenvolvimento das atividades e do processo de avaliação da aprendizagem das disciplinas dos cursos do Centro de Educação a Distância (CEAD) da UFLA. Palavras-chave: Design Instrucional; Educação a Distância; Produção de Material Didático. Abstract: In the current scenario, Distance Education has functioned as an instrument for promoting dissemination and collective construction of knowledge, democratizing access to education in the national context, especially since the creation of the Open University of Brazil (UAB), which is a system designed to promoting distance education in the country, offering undergraduate and postgraduate studies in interior municipalities. This article aims to present the use of the array of instructional design processes that are part of the production of educational materials for undergraduate and postgraduate distance of the Federal University of Lavras (UFLA), as part of UAB. This matrix model of instructional design was developed by Martins (2008), and later adapted for the purpose of organizing the information pertaining to development activities and the evaluation process of learning the disciplines of the courses of the Centre for Distance Education (CEAD) UFLA. Keywords: Instructional Design; Distance Education; Production of Didactic Material. 1. Contextualização A necessidade de formação ao longo da vida fez da Educação a Distância uma alternativa viável para os profissionais que almejam competitividade e empregabilidade na economia globalizada da sociedade contemporânea. A flexibilidade de tempo (quando) e espaço (onde) dos cursos a distância é a principal característica desta modalidade de ensino que colabora com o cenário atual. 1

2 O surgimento de novas tecnologias de informação e comunicação blogs, chats, e- mails, fóruns, etc. impulsionou a criação e permitiu o desenvolvimento de diversos modelos de cursos para a Educação a Distância, reformulando as estratégias de ensino-aprendizagem e aprimorando as mediações pedagógicas. Segundo Masetto: Por mediação pedagógica entendemos a atitude, o comportamento do professor que se coloca como um facilitador, incentivador ou motivador da aprendizagem, que se apresenta com a disposição de ser uma ponte entre o aprendiz e sua aprendizagem não uma ponte estática, mas uma ponte rolante, que ativamente colabora para que o aprendiz chegue aos seus objetivos (2001, p ). Os meios de comunicação devem ser usados na mediação com o intuito de complementar ou apoiar à ação do professor em sua interação pessoal e direta com os alunos (BELLONI, 2001). Logo, tornou-se imprescindível o emprego de diversas tecnologias nas mediações pedagógicas de cursos a distância. Neste contexto, o material didático produzido para os cursos a distância tem por finalidade mediar os processos de comunicação e interação entre professores e estudantes. Quanto mais tecnologia estiver disponível para esta mediação, mais oportunidades para aperfeiçoar os processos de comunicação e interação serão criadas. Conforme Tori: Apesar de não ser ainda possível uma perfeita substituição do encontro face a face ou da experiência de manipulação direta de um objeto de estudo, as tecnologias interativas conseguem minimizar substancialmente os efeitos da distância na aprendizagem. Por esse motivo a aprendizagem a distância passou a se utilizar intensamente da tecnologia eletrônica como forma de aproximação, o que fomentou o surgimento e a evolução de ferramentas de comunicação, de autoria e de gerenciamento de cursos, bem como de técnicas e métodos, tanto para a criação, o desenvolvimento e o planejamento, como para o oferecimento de atividades virtuais de aprendizagem (2010, p ). Os ambientes virtuais de aprendizagem que são sistemas de gerenciamento de conteúdo e atividades contém ferramentas colaborativas que estimulam a construção coletiva do conhecimento, tais como: fórum de discussão, webconferência, wiki, etc. Sendo assim, a partir do uso adequado destas ferramentas os níveis de interação professor/aluno e aluno/aluno podem ser aumentados. Porém, a existência de tecnologia apenas não basta, ela deve estar acessível a todos e também precisa ser selecionada de modo que suas características atendam às necessidades relativas à comunicação e interação entre professores e alunos, ou seja, a tecnologia precisa ser adequada aos objetivos aos quais se propõem, tornando efetivo o processo educativo. Em vista disso, a produção de materiais didáticos para cursos a distância inclui a identificação das necessidades e possibilidades tecnológicas em cada contexto, considerando as mediações tecnológicas já incorporadas anteriormente, buscando apropriar-se da tecnologia e visando atender às especificidades pedagógicas, de acordo com as habilidades dos atores envolvidos no processo de ensino-aprendizagem (CORRÊA, 2007). No caso da Educação a Distância, a utilização das tecnologias nos processos de mediação pedagógica tem facilitado a pesquisa, a interação e a personalização: a pesquisa permite o acesso ao que acontece perto e longe de nós; a interação possibilita o aprendizado pela experiência dos outros; e a personalização favorece o aprendizado no ritmo, nas condições e de acordo com as motivações de cada um (MORAN, 2009). Diante do exposto, este artigo tem como objetivo mostrar como a utilização da matriz de design instrucional, que aponta as ferramentas a serem aplicadas nas atividades, tem auxiliado os processos de produção de material didático dos cursos de graduação e pósgraduação a distância da Universidade Federal de Lavras. 2

3 2. Elaboração de Material Didático Os cursos de graduação e pós-graduação a distância da Universidade Federal de Lavras (UFLA), ofertados no âmbito da Universidade Aberta do Brasil (UAB), tem a colaboração do Centro Educação a Distância (CEAD) da UFLA. Estes cursos estão fundamentados no modelo de Educação a Distância composto, fundamentalmente, de material impresso e material on-line que fica disponível para os estudantes no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) dos cursos. No modelo adotado pelo CEAD/UFLA, o material impresso empregado desde a primeira geração da Educação a Distância, no estudo por correspondência é representado por um guia de estudos, que aborda todo o conteúdo a ser estudado em cada disciplina do curso. Este guia está dividido em unidades de aprendizagem, de acordo com a ementa da disciplina e o conteúdo a ser estudado, e também indica leituras complementares. Quanto ao material impresso produzido para cursos a distância, e, sobretudo quanto aos guias de estudo, Moore e Kearsley entendem que: Os guias de estudo podem apresentar a organização e a estrutura do curso, mesmo quando forem transmitidos principalmente por outra tecnologia. Cursos que usam em grande escala vídeo ou outras tecnologias eletrônicas geralmente são criados tendo por base um guia do aluno e um guia do instrutor, ambos impressos. Os profissionais que criam os cursos dedicam muita atenção aos guias de estudo impressos, pois estes constituem a âncora para as demais tecnologias. Embora o guia de estudo apresente possivelmente o texto da matéria, deve proporcionar mais do que isso. Deve também conter instruções e orientação para alunos em seu estudo da disciplina e oferecer uma estrutura para interação dos alunos com os instrutores, seja por correspondência ou por alguma outra tecnologia. Não existe, por exemplo, nenhuma tecnologia melhor que o guia de estudo para comunicar as metas e os objetivos dos instrutores e sua abordagem geral e filosofia a respeito da disciplina. [...] O guia de estudo pode transmitir as opiniões dos instrutores e conselhos a respeito de como estudar a matéria; por exemplo, sugerindo quanto tempo dedicar a um tópico ou exercício específico. Como todo professor sabe, a ordem ou a estrutura lógica do conteúdo não é necessariamente a ordem psicológica apropriada para seu estudo (2008, p ). No caso do CEAD/UFLA, esses guias fornecem um roteiro de estudos e servem de elemento de ligação entre os outros materiais didáticos do curso. A apresentação, a explicação e a discussão sobre o conteúdo da disciplina são os assuntos principais tratados nos guias de estudos. Também fazem parte dos guias todas as informações necessárias para que o estudante consiga organizar seus estudos. Além do material impresso, no modelo do CEAD/UFLA, está presente o material online usado a partir da quinta geração da Educação a Distância, após o advento da Internet que é formado pelas atividades (avaliativas ou não) a serem desenvolvidas ao longo da disciplina, os textos complementares, as videoaulas, os links para textos e vídeos, etc. Este material é disposto no AVA do curso, considerando o cronograma da disciplina. Quanto às estratégias de ensino-aprendizagem a serem selecionadas pela equipe de desenvolvimento dos cursos, ao planejar as atividades e a avaliação que serão desenvolvidas pelos alunos no decorrer da disciplina, os professores responsáveis e os designers instrucionais precisam levar em conta a capacidade de retenção da informação relacionada a cada recurso disponível para ser utilizado. Esta capacidade e as estratégias de ensinoaprendizagem a ela associadas estão apresentadas no Quadro 1. 3

4 Quadro 1 Capacidade de retenção de informações e recursos associados. Capacidade de retenção Estratégias associadas Os alunos lembram 10% do que lêem Ler textos Os alunos lembram 20% do que ouvem Ouvir mensagens Os alunos lembram 30% do que vêem Ver imagens Os alunos lembram 50% do que ouvem e vêem Assistir a vídeos, a uma apresentação ou a uma demonstração Os alunos lembram 70% do que dizem e Participar de atividades práticas escrevem Os alunos lembram 90% do que fazem Realizar atividades colaborativas, simular ou modelar uma experiência real Fonte: Adaptado de Litto e Formiga (2009). O material didático dos cursos a distância do CEAD/UFLA é elaborado e produzido por um grupo de trabalho multidisciplinar formado basicamente por: professor conteudista, professor formador, designer instrucional, designer gráfico e revisor textual. Estes atores envolvidos nos processos de elaboração e produção do material didático possuem papéis distintos. De fato, Moore e Kearsley (2008) apontam que o planejamento de um curso a distância requer não apenas o especialista em conteúdo, mas também profissionais da área de instrução, que possam organizar o conteúdo de acordo com aquilo que é conhecido a respeito da teoria e da prática do gerenciamento da informação e da teoria do aprendizado (p.15). Nesta perspectiva, o professor conteudista é responsável pela produção do conteúdo dos guias de estudos das disciplinas dos cursos a distância. Já o professor formador é responsável pela elaboração das atividades de aprendizagem e da avaliação, sejam elas presenciais ou a distância. Tanto o professor conteudista quanto o professor formador são especialistas na área de estudos da disciplina. O trabalho do designer instrucional está relacionado a várias atividades que definem o projeto do curso, a saber: estruturação dos guias de estudos em unidades didáticas; adequação do texto para linguagem dialógica 1 ; experimentação das atividades de aprendizagem; colaboração para determinação do processo de avaliação da aprendizagem dos alunos. De acordo com Filatro: Definimos design instrucional como a ação intencional e sistemática de ensino que envolve o planejamento, o desenvolvimento e a aplicação de métodos, técnicas, atividades, materiais, eventos e produtos educacionais em situações didáticas específicas, a fim de promover, a partir dos princípios de aprendizagem e instrução conhecidos, a aprendizagem humana. Em outras palavras, definimos design instrucional como o processo (conjunto de atividades) de identificar um problema (uma necessidade) de aprendizagem e desenhar, implementar e avaliar uma solução para esse problema (2008, p. 3). O designer instrucional, ao propor soluções para os problemas educacionais, deve considerar que teorias pedagógicas diferentes atendem a necessidades de aprendizagem diversas. Para selecionar os métodos pedagógicos mais adequados a essas necessidades é preciso analisar os objetivos de aprendizagem (FILATRO, 2008). A autora ainda diz que: Assim, quando os alunos estão iniciando a aprendizagem de algum tema e têm pouco conhecimento ou habilidades anteriores, estratégias mais formalmente estruturadas são mais adequadas, já que permitem aos estudantes formar conceitos que lhes servirão de 1 Linguagem Dialógica: linguagem que pressupõe um forte diálogo com o leitor do texto, refere-se à comunicação bidirecional (FRANCO, 2007). 4

5 referências em futuras explorações. Já para aprendizagens mais complexas, que pressupõem o desenvolvimento de competências especializadas, contextos de aprendizagem mais autênticos convidam os alunos a tomar decisões inteligentes, combinando ação e reflexão (p. 13). A função do designer gráfico envolve dois aspectos fundamentais estética e funcionalidade a serem considerados no projeto gráfico dos materiais didáticos de cursos on-line. A informação visual precisa estar organizada de modo confortável e compreensível para o público. É necessário que ela se projete por si só, que tenha uma identidade única e que, certamente, também seja esteticamente agradável (REGGIANI, 2007, p.67). O projeto gráfico de um curso a distância envolve desde a criação da identidade visual do curso (logomarca) até a definição do esquema gráfico (layout) das páginas do material impresso e da página web do material on-line. A revisão textual de materiais didáticos deve considerar os seguintes aspectos: cognitivos, que se referem ao processamento da informação e à aquisição do conhecimento; linguísticos, que antecedem à compreensão semântica do texto; extralinguísticos, que tratam dos conhecimentos prévios dos alunos (FRANCO, 2007). O autor ainda explica que: Isso significa, em relação aos aspectos linguísticos, que é preciso estar atento à estrutura textual que deve colaborar para a automatização da leitura. Quanto aos aspectos extralinguísticos, o foco será dado no processo interacional. Uma vez que não se tem a interação face a face como no ensino presencial, o texto deve ser elaborado de forma a suprir possíveis lacunas dessa interação. Portanto, trata-se de uma produção textual repleta de pistas textuais e contextuais, que privilegia o aspecto dialógico e também reflete a preocupação com os aspectos cognitivos que possibilitam uma melhor inferência do leitor (p. 35). O revisor textual realiza a correção ortográfica e gramatical, bem como observa a lógica e a precisão dos textos impresso e on-line, com o devido cuidado para não alterar o estilo de expressão do autor. Portanto, a revisão textual não se restringe a corrigir os erros de escrita presentes no texto, mas também faz uma análise da estrutura do texto avaliando sua inteligibilidade. 3. Processos para Produção de Material Didático A criação de cursos a distância envolve processos em larga escala, que foram mapeados originalmente pela Instructional System Design (ISD) 2. Estes grandes processos são: análise, desenho, desenvolvimento, implementação e avaliação. O Quadro 2 apresenta os processos para produção de cursos a distância, trazendo uma breve descrição das atividades envolvidas nestes processos. No presente artigo será tratado mais especificamente o processo de produção de material didático, que faz parte da fase de desenvolvimento de cursos a distância. Esta fase trata da produção dos guias de estudos e dos materiais on-line, que incluem as atividades do Ambiente Virtual de Aprendizagem. 2 A ISD surgiu após a Segunda Guerra Mundial com a finalidade de treinamento rápido e eficiente. Possui diversas perspectivas teóricas sobre o processo de ensino-aprendizagem, incluindo a teoria dos sistemas, a psicologia behaviorista e a teoria da comunicação e informação (MOORE e KEARSLEY, 2008). 5

6 Quadro 2 Processos para produção de cursos a distância. Processos Objetivos Atividades Análise Identificação Identificação das características dos cursistas Levantamento das necessidades educacionais Desenho Especificação Mapeamento dos conteúdos a serem trabalhados Definição das estratégias de ensino-aprendizagem Seleção de mídias e ferramentas a serem utilizadas Desenvolvimento Produção Produção dos materiais didáticos do curso on-line Preparação do Ambiente Virtual de Aprendizagem Implementação Ação Aplicação da proposta de design instrucional Disponibilização do conteúdo das disciplinas Execução das atividades de aprendizagem Avaliação Reflexão Verificação da eficácia dos materiais produzidos Revisão das estratégias implementadas no curso Fontes: Adaptado de Filatro (2008); Moore e Kearsley (2008). Muitos autores discutem diretrizes sobre a produção de material didático de cursos a distância, entre eles: Corrêa (2007); Filatro (2008); Moore e Kearsley (2008); Schuelter (2010). No caso dos cursos a distância do CEAD/UFLA, os principais processos envolvidos na produção de material didático estão apresentados na Figura 1. Concepção do Material Design Instrucional Revisão Textual Design Gráfico Reprodução do Material Figura 1 Processos para produção de material didático. No processo de concepção do material, realiza-se a elaboração do conteúdo para os guias de estudos a partir da ementa da disciplina, delimitando o conteúdo de acordo com a carga-horária da disciplina e organizando o mesmo em unidades didáticas, nas quais devem estar claros os objetivos de aprendizagem. Em relação ao material on-line, tem-se a elaboração das atividades, selecionando as estratégias de ensino-aprendizagem e definindo o processo de avaliação. Em seguida, na etapa de design instrucional, a partir da identificação das necessidades pedagógicas dos estudantes, é concebida a matriz de design instrucional, definindo as ferramentas do AVA a serem utilizadas no desenvolvimento das atividades. Nesta etapa, também é feita a adaptação do conteúdo da disciplina para linguagem dialógica. Fazem parte do processo de revisão textual os trabalhos de correção ortográfica dos materiais impressos e dos materiais disponíveis no AVA, bem como de verificação da adequação dos materiais aos objetivos específicos de aprendizagem da disciplina e ao objetivo geral do curso. Na etapa de design gráfico são desenvolvidas as seguintes atividades: criação da identidade visual do curso, criação do projeto gráfico dos materiais impressos e on-line, definição do template da página WEB, diagramação dos textos impressos e editoração eletrônica dos textos on-line. 6

7 Finalmente, o processo de reprodução do material é composto pela reprodução do material impresso, pela reprodução das mídias digitais e pela replicação das salas de aula virtuais no AVA. O CEAD/UFLA tem se preocupado com a devida implantação desses processos em seu fluxo de trabalho. Neste sentido, surgiu a proposta apresentada a seguir (Figuras 2, 3 e 4), que trata das atividades desenvolvidas no decorrer dos processos supracitados, relativas à produção de material didático para cursos a distância. Atividades Elaboração da Matriz de Design Instrucional da Disciplina > Elaboração do Guia de Estudos da Disciplina Figura 2 Atividades desenvolvidas no mês 1. Semanas Atividades Análise e Aprovação do Guia de Estudos Revisão Textual do Guia de Estudos Diagramação do Guia de Estudos Aprovação Final e Envio para Reprodução Figura 3 Atividades desenvolvidas no mês 2. Semanas Atividades Elaboração das Atividades Previstas na Matriz de DI Análise e Aprovação das Atividades Elaboradas Implantação das Atividades no Ambiente Virtual Figura 4 Atividades desenvolvidas no mês 3. Semanas Este método de trabalho, que considera as atividades realizadas nas fases do processo de produção de material didático (impresso e on-line) e seu cronograma, tem sido empregado na organização das rotinas de trabalho do CEAD/UFLA. 4. Matriz de Design Instrucional No que diz respeito à produção de material didático para cursos a distância, fica claro que a equipe de trabalho precisa ser formada por profissionais de áreas diversas, devido à especificidade de cada etapa dos processos de desenvolvimento. Sendo assim, Moore e Kearsley expõem que: Em virtude de os cursos e o ensino serem veiculados por tecnologia, os materiais do curso precisam ser elaborados por especialistas que saibam como fazer o melhor uso de cada tecnologia disponível. Embora existam alguns especialistas em conteúdo que também possuem aptidão para elaboração de instruções e outros que têm conhecimento de tecnologia, muito poucos são igualmente especialistas nessas três áreas. É melhor que essas responsabilidades sejam assumidas por especialistas diferentes. Os profissionais que criam as instruções devem trabalhar com os especialistas em conteúdo para ajudá-los a decidir sobre assuntos como: os objetivos do curso, os exercícios e as atividades que os alunos deverão realizar, o layout do texto e as ilustrações (seja em exemplares impressos ou em materiais pela Internet), o conteúdo de segmentos gravados em áudio ou vídeo e as 7

8 questões para sessões interativas nas salas de bate-papo on-line ou por áudio ou videoconferência. Designers gráficos, programadores de internet e outros especialistas em mídia devem ser agrupados para transformar as ideias dos especialistas em conteúdo e dos profissionais que elaboram as instruções em materiais e programas do curso, de boa qualidade. É preciso decidir sobre que parte das instruções pode ser veiculada mais eficazmente, considerando cada mídia em particular. Por fim, os especialistas em avaliação e pesquisa devem planejar o modo de avaliar o aprendizado individual do aluno, bem como a eficácia de todos os aspectos do curso de educação a distância, a fim de assegurar que ele dê certo; em outras palavras, atender às necessidades dos alunos e da organização de ensino, e proporcionar um aprendizado com redução de custo (2008, p. 15). Devido a toda essa complexidade que envolve a produção de material didático para Educação a Distância, é necessária a implantação de uma gestão de processos e de pessoas para que as tarefas e seus responsáveis sejam bem definidos. Também é preciso gerar um arquivo que armazene todas as informações referentes à construção dos materiais didáticos, tais como: unidades de aprendizagem, objetivos de aprendizagem, atividades de aprendizagem, atividades avaliativas, critérios avaliativos, etc. Com o propósito de organizar e armazenar as informações relativas ao desenvolvimento das atividades e do processo de avaliação da aprendizagem de cada disciplina dos cursos a distância do CEAD/UFLA, foi elaborada uma matriz de design instrucional. Este instrumento serve para orientar o trabalho da equipe multidisciplinar envolvida na realização dos cursos. Quanto à matriz, Filatro afirma que: De fato, por meio da matriz, podemos definir quais atividades serão necessárias para atingir os objetivos, bem como elencar quais conteúdos e ferramentas serão precisos para a realização das atividades. Podemos também estabelecer como se dará a avaliação do alcance dos objetivos. A matriz permite ainda verificar quais serão os níveis de interação entre o aluno e os conteúdos, as ferramentas, o educador e os outros alunos e que tipo de ambiente virtual será necessário para o desempenho das atividades (2008, p. 44). A Figura 5 apresenta o modelo de matriz de design instrucional criado por Martins (2008) e utilizado nos cursos a distância do CEAD/UFLA. Os elementos formadores da matriz indicam o conteúdo e as atividades a serem trabalhados em cada semana que são dimensionados de acordo com a carga-horária disponível determinando qual a produção esperada do aluno e quais os critérios de avaliação adotados. Semana CH Conteúdo Atividades P/D I/G Ferramentas Produção do Aluno Critérios de Avaliação 1 20 h Unidade 1 Leitura de conteúdo; D I Questionário Fazer a leitura da Unidade 1 do material de impresso; Resolução questionário h Unidade 2 Leitura de conteúdo; Participação fórum temático. em D G Fórum de Discussão Figura 5 Modelo de matriz de design instrucional. Responder ao Questionário 1 proposto no AVA. Fazer a leitura da Unidade 2 do material impresso; Participar do Fórum 2 proposto no AVA. 0 não respondeu 5 resposta com recorte/cópia de textos, sem elaboração pessoal 10 resposta coerente com a proposta da atividade, bem elaborada e articulada com o que foi estudado 0 não participou 5 participação burocrática 7,5 participação colaborativa 10 participação inovadora Os elementos da matriz de design instrucional (conteúdo e atividades) são definidos pelos professores conteudistas e professores formadores das disciplinas, em conjunto com o profissional responsável pelo design instrucional do curso, que apontam quais ferramentas são 8

9 mais adequadas para seu desenvolvimento. A seguir expõe-se uma breve descrição a respeito dos elementos formadores da matriz de design instrucional no Quadro 3. Elementos da Matriz Quadro 3 Elementos da matriz de design instrucional. Descrição dos Elementos Semana Carga Horária Conteúdo Aponta o período disponível para realização das atividades de acordo com o calendário da disciplina Determina a carga horária necessária para realização das atividades, incluindo a leitura do conteúdo Menciona as unidades didáticas abrangidas pelo conteúdo referente às atividades de aprendizagem Atividades Enuncia quais atividades de ensino-aprendizagem serão desenvolvidas ao longo do período P e/ou D I e/ou G Ferramentas Produção do Aluno Indica se as atividades devem ser realizadas no presencial (P) ou a distância (D) Indica se as atividades devem ser realizadas individualmente (I) ou em grupo (G) Define quais ferramentas de comunicação e interação serão usadas no desenvolvimento das atividades Explicita qual a produção final esperada do aluno na conclusão da atividade Critérios de Avaliação Fonte: Adaptado de Martins, Explicita quais critérios serão usados na avaliação, considerando o que se espera na resolução da atividade A partir da definição de todos estes elementos, ficam explícitas as orientações de aprendizagem, que se referem à forma como se espera que o aluno se organize para estudar o conteúdo. Estas orientações devem ser compostas pelos seguintes tópicos: Materiais: indicar que materiais se deve utilizar para o estudo; qual a ordem de estudo dos materiais; onde encontrar os materiais. Cronograma: apresentar o cronograma da disciplina ao aluno, sugerindo o tempo que ele deve reservar para estudar cada conteúdo e indicando os prazos de entrega das atividades. Atividades: enumerar as atividades que serão desenvolvidas e a pontuação de cada uma. Sugere-se colocar um título para a atividade e especificar o tipo de atividade. Avaliação: esclarecer os critérios de avaliação da disciplina para o aluno, não apenas a pontuação, mas também os itens que serão observados na avaliação. 9

10 Considerando o trabalho da equipe multidisciplinar do CEAD/UFLA, responsável pela confecção dos materiais didáticos dos cursos de graduação e pós-graduação, pode-se dizer que a utilização da matriz de design instrucional para apoiar a produção destes materiais tem contribuído com os seguintes aspectos: Planejamento do estudo dos alunos, deixando bem claro o que deve ser feito em cada semana no decorrer da disciplina; Orientação do trabalho dos professores conteudistas e dos professores formadores; Direcionamento das atividades desenvolvidas pela equipe de tutoria do curso; Organização das atividades desenvolvidas pela equipe de tecnologia de informação; Gerenciamento dos processos executados pela equipe multidisciplinar do curso. 5. Referências Bibliográficas 1. BELLONI, M. L. Educação a distância. 2ª edição. Campinas/SP: Autores Associados, CORRÊA, J. (org.). Educação a distância: orientações metodológicas. Porto Alegre: Artmed, FRANCO, M. A. M. Elaboração de material impresso: conceitos e propostas. In: CORRÊA, J. (org.). Educação a distância: orientações metodológicas. Porto Alegre: Artmed, FILATRO, A. Design instrucional na prática. São Paulo: Pearson Education do Brasil, GAGNE, R. M.; WAGER, W. W.; GOLAS, K. C.; KELLER, J. M. Principles of instructional design. 5ª edição. Cengage Learning, LITTO, F. M.; FORMIGA, M. (orgs.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education, LITWIN, E. (org.). Educação a distância: temas para o debate de uma nova agenda educativa. Porto Alegre: Artmed, MARTINS, R. X. Design instrucional do curso estratégias e gestão aplicadas à educação a distância. Monografia. Curso de Especialização em Design Instrucional. Itajubá/MG: UNIFEI, MARTINS, R. X.; FERRARI, F. B. Orientações para elaboração de material didático de cursos na modalidade EaD. Lavras/MG: UFLA, MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 3ª edição. Campinas/SP: Papirus, MOORE, M.; KEARSLEY, G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Cengage Learning, MORAN, J. M. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 4ª edição. Campinas/SP: Papirus, REGGIANI, M. Projeto gráfico: construindo a identidade visual. In: CORRÊA, J. (org.). Educação a distância: orientações metodológicas. Porto Alegre: Artmed, SCHUELTER, G. Modelo de educação a distância empregando ferramentas e técnicas de gestão do conhecimento. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Florianópolis: UFSC, TORI, R. Educação sem distância: as tecnologias interativas na redução de distâncias em ensino e aprendizagem. São Paulo: Editora SENAC,

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Recife PE - Abril 2010 Ivanda Maria Martins Silva - UFRPE martins.ivanda@gmail.com Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação

Leia mais

CIRANDAS EM RODAS: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA CONTINUADA DE UMA EQUIPE DE EAD Rita de Cássia M. T. Stano 1, Equipe GTPS-UAB-UNIFEI 2

CIRANDAS EM RODAS: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA CONTINUADA DE UMA EQUIPE DE EAD Rita de Cássia M. T. Stano 1, Equipe GTPS-UAB-UNIFEI 2 CIRANDAS EM RODAS: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA CONTINUADA DE UMA EQUIPE DE EAD Rita de Cássia M. T. Stano 1, Equipe GTPS-UAB-UNIFEI 2 1 Universidade Federal de Itajubá - ritastano@gmail.com 2 Universidade Federal

Leia mais

DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009

DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009 1 DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009 Karine Xavier Freire Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal karine.xavier@gmail.com Categoria

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região Objetivo geral Elaborar um projeto básico de curso on-line Objetivos específicos 1.Aplicar conceitos e fundamentos do DI na concepção

Leia mais

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça 1 O Instituto COPPEAD: O Instituto COPPEAD oferece o curso de especialização

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (Área de Língua Portuguesa)

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (Área de Língua Portuguesa) 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Universidade de Brasília Proposta NNS/FUB n.º 017/2006. Referência: Edital de Licitação SEB/MEC Processo n.º 23.000005051/2006-27 Programa de Incentivo à Formação Continuada

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

Orientações para Elaboração de Material Didático de Cursos na Modalidade EaD

Orientações para Elaboração de Material Didático de Cursos na Modalidade EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS UFLA CENTRO DE APOIO A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD Orientações para Elaboração de Material Didático de Cursos na Modalidade EaD Ronei Ximenes Martins Fernanda Barbosa Ferrari

Leia mais

Relatos do processo de elaboração de um componente online de inglês: desafios e reflexões

Relatos do processo de elaboração de um componente online de inglês: desafios e reflexões Relatos do processo de elaboração de um componente online de inglês: desafios e reflexões Reports on the developmental process of an English online component: challenges and reflections Bruna Lopes Scheiner

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UM PROJETO INSTRUCIONAL DE CURSO A DISTÂNCIA VIRTUAL

ANÁLISE CRÍTICA DE UM PROJETO INSTRUCIONAL DE CURSO A DISTÂNCIA VIRTUAL ANÁLISE CRÍTICA DE UM PROJETO INSTRUCIONAL DE CURSO A DISTÂNCIA VIRTUAL Resende-RJ, 04/2010 Miguel Carlos Damasco dos Santos Associação Educacional Dom Bosco - damasco@resenet.com.br Categoria: Métodos

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

O PAPEL DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO NO DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO A DISTÂNCIA

O PAPEL DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO NO DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO A DISTÂNCIA 1 O PAPEL DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO NO DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO A DISTÂNCIA Adriana Clementino - SENAC-SP / FIPEN / UniABC-FUNADESP São Paulo 05/2012 Categoria: C Métodos e Tecnologias Setor Educacional:

Leia mais

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD

GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE BACHARELADO EM BIBLIOTECONOMIA EM EaD Ana Maria Ferreira Carvalho Mariza Russo Nadir Ferreira Alves Nysia Oliveira de Sá CBG/FACC/UFRJ

Leia mais

PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, MODALIDADE A DISTÂNCIA.

PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, MODALIDADE A DISTÂNCIA. 1 PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, MODALIDADE A DISTÂNCIA. Data de envio do trabalho: 11/05/2008 Rafael Pereira Ocampo Moré rafaelmore@hotmail.com Denise

Leia mais

E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA

E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Maio / 2005 154-TC-C3 Ilene Figueiredo Pessoa UVA - Universidade Veiga de Almeida ilene@uva.br Denise Paiva D Ávila Melo UVA - Universidade

Leia mais

1 - Dos componentes da metodologia do Curso de Pedagogia a Distância CEAD/UAB

1 - Dos componentes da metodologia do Curso de Pedagogia a Distância CEAD/UAB RESOLUÇÃO INTERNA CEAD Nº 001/2013-CONCENTRO (ALTERADA RES.05/2014) Sistema de Educação a Distância Do CEAD para a oferta do Curso de Pedagogia a Distância/UAB Dispõe sobre a metodologia do Curso de Pedagogia

Leia mais

PROFESSOR TUTOR - DESAFIOS DE UMA NOVA PROFISSÃO NO CENÁRIO EDUCACIONAL

PROFESSOR TUTOR - DESAFIOS DE UMA NOVA PROFISSÃO NO CENÁRIO EDUCACIONAL PROFESSOR TUTOR - DESAFIOS DE UMA NOVA PROFISSÃO NO CENÁRIO EDUCACIONAL Postado em Jan 03, 2012 Postado por Francilene Duarte Santos PROFESSOR TUTOR DESAFIOS DE UMA NOVA PROFISSÃO NO CENÁRIO EDUCACIONAL

Leia mais

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros 7 e 8 de maio de 2015 Encontro de integração das Escolas da Magistratura 1 Tema: Sistema de Gestão da EaD Práticas e desafios do

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG. Itajubá, Maio/2009

Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG. Itajubá, Maio/2009 Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG Itajubá, Maio/2009 Luciana Mendonça Rodrigues Universidade Federal de Itajubá lucianarodrigues@unifei.edu.br Categoria: Pesquisa

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Aberta do Brasil. Plano de Trabalho da Disciplina Introdução à EAD

Ministério da Educação Universidade Aberta do Brasil. Plano de Trabalho da Disciplina Introdução à EAD Ministério da Educação Universidade Aberta do Brasil Universidade Federal de Alagoas Instituto de Computação Curso de Graduação em Sistemas da Informação Bacharelado Plano de Trabalho da Disciplina Introdução

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO Clebiana Dantas Calixto clebianageo@hotmail.com (Autora e professora da Educação Básica)

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

05/2008. Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação Universitária) Natureza do Trabalho (Descrição de Projeto em Andamento)

05/2008. Categoria (Conteúdos e Habilidades) Setor Educacional (Educação Universitária) Natureza do Trabalho (Descrição de Projeto em Andamento) UM RELATO SOBRE A TRANSIÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO PRESENCIAL PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ELABORAÇÃO DE MATERIAIS INSTRUCIONAIS - ÓTICA DO DESIGNER INSTRUCIONAL 05/2008 Danielli Veiga Carneiro; Msc.

Leia mais

Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008. Guia do Aluno Online. Abril 2008 2

Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008. Guia do Aluno Online. Abril 2008 2 Guia do aluno Título Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008 Abril 2008 2 Índice 1. Introdução... 4 2. Metodologia... 4 3. Aulas online... 5 4. A avaliação... 5

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

O PLANEJAMENTO EM TEMPOS DIGITAIS: UM PROCESSO A FAVOR DA EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA NA EAD SEBRAE

O PLANEJAMENTO EM TEMPOS DIGITAIS: UM PROCESSO A FAVOR DA EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA NA EAD SEBRAE O PLANEJAMENTO EM TEMPOS DIGITAIS: UM PROCESSO A FAVOR DA EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA NA EAD SEBRAE Florianópolis - SC - Maio 2014 Andréia S. Sudoski IEA e-learning - andreia.sudoski@iea.com.br Cláudio dos

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO A DISTÂNCIA SECADI/UFC AULA 02: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TÓPICO 03: CARACTERÍSTICAS DO ENSINO A DISTÂNCIA VERSÃO TEXTUAL Antes de iniciar este curso, você deve ter refletido bastante sobre

Leia mais

MÓDULO EaD 2013 PROCAED Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento Educacional do IFSC

MÓDULO EaD 2013 PROCAED Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento Educacional do IFSC INSTITUTO EDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA IC PRO-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE EaD PRO-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO MÓDULO EaD 2013 PROCD Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento

Leia mais

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LAUREATE INTERNACIONAL EDUCATION Klaibert Miranda Jacqueline Cícera Florêncio dos Santos Valter Garoli Mariana Estima do Nascimento PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GESTÃO DE CURSOS EM EaD

PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GESTÃO DE CURSOS EM EaD PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GESTÃO DE CURSOS EM EaD Maringá PR Maio 2012 Camilla Barreto Rodrigues Cochia CESUMAR camilla.cochia@ead.cesumar.br José Renato de Paula Lamberti

Leia mais

INDICADORES DE QUALIDADE EAD: UMA AVALIAÇÃO DOS ATORES ENVOLVIDOS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA

INDICADORES DE QUALIDADE EAD: UMA AVALIAÇÃO DOS ATORES ENVOLVIDOS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA INDICADORES DE QUALIDADE EAD: UMA AVALIAÇÃO DOS ATORES ENVOLVIDOS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA São Paulo SP Abril/2013 Prof.ª Esp. Ana Cristina das Neves (UNISA) acneves@unisa.br Prof.ª Esp. Cibele

Leia mais

O Design Instrucional nos cursos de Informática na modalidade a distância: a Experiência do Instituto Federal do Espírito Santo

O Design Instrucional nos cursos de Informática na modalidade a distância: a Experiência do Instituto Federal do Espírito Santo O Design Instrucional nos cursos de Informática na modalidade a distância: a Experiência do Instituto Federal do Espírito Santo José Mário Costa Junior, Danielli V. C. Sondermann, Saymon Castro de Souza

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA PREPARAÇÃO E PRODUÇÃO DE MATERIAIS PARA CURSOS ONLINE

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA PREPARAÇÃO E PRODUÇÃO DE MATERIAIS PARA CURSOS ONLINE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA PREPARAÇÃO E PRODUÇÃO DE MATERIAIS PARA CURSOS ONLINE Maringá PR maio 2015 Maria do Carmo Teles Ferreira Stringhetta Centro Universitário Unicesumar maria.teles@unicesumar.edu.br

Leia mais

A AÇÃO DO DESIGNER INSTRUCIONAL E O EMPREENDEDORISMO EM TURMAS DO SEJA

A AÇÃO DO DESIGNER INSTRUCIONAL E O EMPREENDEDORISMO EM TURMAS DO SEJA 1 A AÇÃO DO DESIGNER INSTRUCIONAL E O EMPREENDEDORISMO EM TURMAS DO SEJA Salvador- BA - maio 2012 Categoria: F Setor Educacional: 5 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: E / Meso: J / Micro:

Leia mais

PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES QUANTO AOS DIFERENCIADORES DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES QUANTO AOS DIFERENCIADORES DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES QUANTO AOS DIFERENCIADORES DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA Lavras MG - 05/14 Ronei Ximenes Martins UFLA rxmartins@cead.ufla.br Luciana Batista Serafim

Leia mais

CRITÉRIOS E INDICADORES PARA A ESCOLHA DE MATERIAIS DIDÁTICOS EM CURSOS ON-LINE

CRITÉRIOS E INDICADORES PARA A ESCOLHA DE MATERIAIS DIDÁTICOS EM CURSOS ON-LINE CRITÉRIOS E INDICADORES PARA A ESCOLHA DE MATERIAIS DIDÁTICOS EM CURSOS ON-LINE 05/2007 Fátima Cristina Nóbrega da Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) fatimacristina.hope@petrobras.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO Curso de Formação de Profissionais para Atuarem no Ensino a Distância Autor: Marilaine Oliveira Casonatti Porto Alegre, Fevereiro de 2012. Introdução Veremos que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE TUTORES PARA SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA.

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE TUTORES PARA SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 576 A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE TUTORES PARA SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA. Marilucia Ricieri, Raquel Rossan

Leia mais

Curso de Capacitação para Tutoria de Cursos a Distância (3ª Edição)

Curso de Capacitação para Tutoria de Cursos a Distância (3ª Edição) Curso de Capacitação para Tutoria de Cursos a Distância (3ª Edição) Proponente: Ricardo Lisboa Pegorini (rpegorini@gmail.com) Especialista em Metodologia da Educação a Distância; Gestor do Ambiente Virtual

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E OS AMBIENTES VIRTUAIS DE APREDIZAGEM

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E OS AMBIENTES VIRTUAIS DE APREDIZAGEM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E OS AMBIENTES VIRTUAIS DE APREDIZAGEM Edivan Claudino Soares da Silva RESUMO O presente trabalho é fruto de uma adaptação do seminário de uma disciplina do Mestrado em Educação Brasileira

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL

MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL Recife, 05/2009 Resumo Ivanda Maria Martins Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco (DEINFO-EAD/UFRPE) martins.ivanda@gmail.com

Leia mais

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 Camila Ribeiro Lisboa Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO: Neste trabalho, apresentamos como

Leia mais

AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL

AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL 1 AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL Belo Horizonte, Maio/2010. Vanessa Belmonte - CEFET-MG - vabelmonte@yahoo.com.br - (31) 9225-1923 Márcia Gorett Ribeiro Grossi - CEFET-MG

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Educação a Distância Definições

Educação a Distância Definições Educação a Distância Definições Educação a distância é o processo de ensino-aprendizagem, mediado por tecnologias, onde professores e alunos estão separados espacial e/ou temporalmente; Visa a interação

Leia mais

77... DESIGN INSTRUCIONAL E O DESENVOLVIMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA UNISULVIRTUAL

77... DESIGN INSTRUCIONAL E O DESENVOLVIMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA UNISULVIRTUAL 77 DESIGN INSTRUCIONAL E O DESENVOLVIMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA UNISULVIRTUAL Cristina Klipp de Oliveira Daniela Erani Monteiro Will Márcia Loch Roseli Rocha Moterle RESUMO: O material didático utilizado

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

Um Modelo de Gestão Participativa Processos de Interação e Comunicação da Equipe Multidisciplinar com Foco na Melhoria do Ensino-Aprendizado

Um Modelo de Gestão Participativa Processos de Interação e Comunicação da Equipe Multidisciplinar com Foco na Melhoria do Ensino-Aprendizado 1 Um Modelo de Gestão Participativa Processos de Interação e Comunicação da Equipe Multidisciplinar com Foco na Melhoria do Ensino-Aprendizado Vitória ES - 04/2013 Vanessa Battestin Nunes, Dra Instituto

Leia mais

SALAS VIRTUAIS DE COORDENAÇÃO DO AVA MOODLE: ESPAÇOS PRIVILEGIADOS PARA GESTÃO DE DISCIPLINAS, TUTORIA E CURSOS A DISTÂNCIA

SALAS VIRTUAIS DE COORDENAÇÃO DO AVA MOODLE: ESPAÇOS PRIVILEGIADOS PARA GESTÃO DE DISCIPLINAS, TUTORIA E CURSOS A DISTÂNCIA SALAS VIRTUAIS DE COORDENAÇÃO DO AVA MOODLE: ESPAÇOS PRIVILEGIADOS PARA GESTÃO DE DISCIPLINAS, TUTORIA E CURSOS A DISTÂNCIA Ouro Preto/ 05/2014 Biancca Nardelli Schenatz Universidade Federal de Ouro Preto

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

Unidade 1 - Nivelamento

Unidade 1 - Nivelamento PLANEJAMENTO DE CARREIRA E SUCESSO PROFISSIONAL - GST0917 PLANEJAMENTO DE CARREIRA E SUCESSO PROFISSIONAL (16/07/2014) Perfil Docente Tutor online: professor com graduação, preferencialmente, na área de

Leia mais

ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO

ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO Porto Velho - RO - 03/2010 Sara Luize Oliveira Duarte, Universidade de Taubaté, saralod@msn.com Walace

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APRENDIZAGEM ATIVA E COLABORATIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EaD

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APRENDIZAGEM ATIVA E COLABORATIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EaD 1 CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APRENDIZAGEM ATIVA E COLABORATIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EaD Resende - RJ - Abril - 2014 Miguel Carlos Damasco dos Santos Associação Educacional Dom Bosco contato@profdamasco.site.br.com

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS DA REDE E-TEC BRASIL NO IFSC

CONTEXTUALIZAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS DA REDE E-TEC BRASIL NO IFSC 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA IDIOMAS SEM FRONTEIRAS DA REDE E-TEC BRASIL NO IFSC Florianópolis, Maio de 2015 Carlos Alberto da Silva Mello¹ IFSC (carlos.mello@ifsc.edu.br) Fernanda Emanuela

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 70 A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O USO DE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Rita de Cássia Viegas dos Santos

Leia mais

Interatividade na Educação a Distância

Interatividade na Educação a Distância Interatividade na Educação a Distância Rubevan Medeiros Lins (UFAM) rubevan@yahoo.com Márcia Helena Veleda Moita (UFAM) marciamoita@ufam.edu.br Silvana Dacol (UFAM) sdacol@ufam.edu.br Resumo O tema central

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE Florianópolis - SC Abril 2015 Aline Linhares F. Silveira. IEA e-learning- aline.silveira@iea.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS NO MOODLE: MATERIAL DIDÁTICO MULTIMÍDIA, ATIVIDADES E AVALIAÇÃO

PLANEJAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS NO MOODLE: MATERIAL DIDÁTICO MULTIMÍDIA, ATIVIDADES E AVALIAÇÃO 1 PLANEJAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DE CURSOS NO MOODLE: MATERIAL DIDÁTICO MULTIMÍDIA, ATIVIDADES E AVALIAÇÃO Curitiba, 05/2009. Sandramara S. Kusano de Paula Soares Universidade Federal do Paraná sskusano@ufpr.br

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF

O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF 1 O DESENVOLVIMENTO DE CURSOS A DISTÂNCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA ESAF Brasília DF Maio 2012 Kelly Ramos de Souza Bitencourt Escola de Administração

Leia mais

AMBIENTAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AÇÃO TUTORIAL AULA 01: AMBIENTAÇÃO TÓPICO 03: HISTÓRIA E FUNDAMENTOS DA EAD VERSÃO TEXTUAL DO FLASH Você conhece a origem da Educação a Distância? Como se iniciaram

Leia mais

a) As características sob a forma de Ensino à Distância:

a) As características sob a forma de Ensino à Distância: Guia do curso EaD O parecer do Conselho Nacional de Educação, homologado pelo Ministro da Educação por meio de Portaria publicada no Diário Oficial, pode ser encontrado nos termos da Lei 9.394/96 (LDB),

Leia mais

Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial.

Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial. 1 Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial Serra, 05/2009 Isaura Alcina Martins Nobre, MSc Ifes isaura@ifes.edu.br

Leia mais

APRENDIZAGEM MULTIMÍDIA NA DISCIPLINA DE LIBRAS SOB A PERSPECTIVA DO ALUNO EAD

APRENDIZAGEM MULTIMÍDIA NA DISCIPLINA DE LIBRAS SOB A PERSPECTIVA DO ALUNO EAD APRENDIZAGEM MULTIMÍDIA NA DISCIPLINA DE LIBRAS SOB A PERSPECTIVA DO ALUNO EAD Erineuda do Amaral Soares 1 Resumo O relato aqui apresentado tem como objetivo compartilhar experiência como discente da disciplina

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

AS VIDEOCONFERÊNCIAS NA EAD: um estudo a partir da experiência do NEAD-UFMA

AS VIDEOCONFERÊNCIAS NA EAD: um estudo a partir da experiência do NEAD-UFMA AS VIDEOCONFERÊNCIAS NA EAD: um estudo a partir da experiência do NEAD-UFMA Kellen Regina Moraes Coimbra 1, Reinaldo Portal Domingo 2 1 Mestranda em Educação UFMA. Técnica em Assuntos Educacionais Núcleo

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

scrita ISSN 2177-6288

scrita ISSN 2177-6288 113 e-scrita scrita ISSN 2177-6288 Tecnologia e educação: introdução à competência tecnológica para o ensino online Márcio Luiz Corrêa Vilaça 1 UNIGRANRIO Resumo: O uso da tecnologia na educação, inclusive

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

O DESIGNER INSTRUCIONAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

O DESIGNER INSTRUCIONAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Gramado RS De 29 de setembro a 2 de outubro de 2014 O DESIGNER INSTRUCIONAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariana Aparecida Schiavon Ferreira Universidade do Estado de Minas Gerais marischiavon@hotmail.com Leililene

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

UNPBFPB CONHECENDO AS DIRETRIZES DAS DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS 2012.1. Heloysa Helena Coordenação Pedagógica do NEaD

UNPBFPB CONHECENDO AS DIRETRIZES DAS DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS 2012.1. Heloysa Helena Coordenação Pedagógica do NEaD CONHECENDO AS DIRETRIZES DAS DISCIPLINAS SEMIPRESENCIAIS 2012.1 Heloysa Helena Coordenação Pedagógica do NEaD João Pessoa/2012 PORQUE PRATICAR A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA? Modalidade educacional autorizada/recomendada

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. CENÁRIO PROFISSIONAL 3. CONCEPÇÃO DA APRENDIZAGEM E METODOLOGIA 4. ESTRATÉGIAS

Leia mais

GESTÃO DE CURSOS COM BASE NA PORTARIA 4059/04: ELEMENTOS ESSENCIAIS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA SEMIPRESENCIAL EM IES

GESTÃO DE CURSOS COM BASE NA PORTARIA 4059/04: ELEMENTOS ESSENCIAIS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA SEMIPRESENCIAL EM IES 1 GESTÃO DE CURSOS COM BASE NA PORTARIA 4059/04: ELEMENTOS ESSENCIAIS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA SEMIPRESENCIAL EM IES Maio 2008 Ana Célia Furtado Orsano de Sousa FSA - ana_orsano@hotmail.com Jacques

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS O que é mesmo Educação a Distância (EAD)? Você está fazendo um curso a distância, mas já parou para pensar no conceito

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 14

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 14 14 TUTORIA VIRTUAL E DOCÊNCIA NA EAD: PROPOSTAS DE FORMAÇÃO Claudia Raimundo Reyes Ana Paula Rodrigues da Silva Marcelo José Araújo Priscila Cristina Fiocco Bianchi Universidade Federal de São Carlos Resumo

Leia mais

O MUNDO MUDOU. #fato

O MUNDO MUDOU. #fato DO GIZ AO BYTE O MUNDO MUDOU #fato Sociedade da Informação Informação como recurso estratégico Uso intensivo das TIC Interação digital Diversas formas de fazer as mesmas, ou novas coisas Qual é a sua?

Leia mais

A tutoria na Educação a Distância

A tutoria na Educação a Distância XII Workshop NPT em Educação a Distância A tutoria na Educação a Distância AMALI DE ANGELIS MUSSI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UEFS 06 de novembro de 2015 TUTORIA... QUANDO PENSAMOS EM PRÁTICAS

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais