UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA ALUNA LENAMIRIA CRUZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA ALUNA LENAMIRIA CRUZ"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DISCIPLINA - FÍSICA EXPERIMENTAL ІІ CURSO ENGENHARIA DE ALIMENTOS DOCENTE CALHAU ALUNA LENAMIRIA CRUZ PRINCÍPIO DE PASCAL FEIRA DE SANTANA-BA, DE JULHO DE 2006

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA ALUNA LENAMIRIA CRUZ PRINCÍPIO DE PASCAL EXPERIMENTO REALIZADO 26 DE MAIO E 02 DE JUNHO DE 2006, REFERENTE À DISCIPLINA DE FÍSICA EXPERIMENTAL II MINISTRADA POR CALHAU. FEIRA DE SANTANA-BA, DE JUNHO DE

3 RESUMO No trabalho experimental que está sendo apresentado foi realizado na tentativa de comprovação do Princípio de Pascal. Houve duas etapas, na primeira há uma relação entre a Pressão aplicada num fluido e a Força de aplicação, onde foi encontrada a constante de proporcionalidade ( ) entre elas - =1/A. Enquanto na segunda etapa foi testado a relação entre a Força e a Área onde é aplicada a força. Os dados da primeira etapa foram encontrados ao se aplica forças sobre o êmbolo de uma seringa, onde se tinha um vácuo, a pressão foi obtida através da bomba de vácuo, a constante de proporcionalidade encontrada foi satisfatória, pois ao se comparar a área de aplicação da força calculada através desta constante ( =1/A) e a área medida com um paquímetro teve um erro percentual relativo de1,01%. Na segunda etapa, utilizando um sistema de vasos comunicantes atribuiu um determinado peso ao êmbolo de área menor e estimulou o peso que seria aplicado ao êmbolo maior para manter o sistema em equilíbrio. Foi feito isto para encontrar a relação entre Força e Área, que segundo a teoria teve ser constante, e foi comprovado experimentalmente esta relação, com um erro percentual de apenas 0,06%. O resultado deste experimento foi satisfatório, uma vez que os resultados experimentais foram equivalentes aos esperados teoricamente. 3

4 INTRODUÇÃO TEÓRICA Blase Pascal, físico, filósofo e matemático francês influenciado pelas experiências de Torricelli enunciou os primeiros trabalhos sobre vácuo e demonstrou as variações da pressão atmosférica. Esclareceu os princípios barometricos da prensa hidráulica e da transmissibilidade da pressão. Um fluído quando está sob pressão tem a capacidade de exercer uma determinada força para fora sobre qualquer superfície de contanto, com isso pode-se supor que a pressão (P) é a razão entre a força (F) que é aplicada ao fluído e a área (A) onde é aplicada a força. P= F/A (Eq.1) No S.I a pressão é dada em Pascal, onde 1Pa= 1N/m 2. Ao aplicar uma pressão sobre um sólido esta se transmite desigualmente nas diversas direções, devido a forte força de coesão que dá ao solido sua rigidez. Porém em um fluído incompressível em equilíbrio a pressão se transmite igualmente em todos os pontos. Com isso, em um determinado fluído confinado a pressão aplicada se transmite, sem ter aumento ou diminuição, em todos os pontos (Bonjorno.1993). Este é conhecido com princípio de Pascal. Pode-se fazer uma demonstração desde teorema ao se considerar dois pontos, A e B, dentro de um liquido incompressível em equilíbrio, com densidade onde a aceleração da gravidade vale g e a altura entre eles é h (Fig. 1). Fig. 1.Fluído incompressível A diferença de pressão entre os pontos é : Pa - Pb = gh (Eq. 2) Ao se aplicar um aumento de pressão nos pontos A e B, estem sofreram um acréscimo de pressão (ΔP), então as novas pressões serão: P a = Pa + ΔPa P b = Pb +ΔPb 4

5 Como os líquidos são incompressíveis a altura (distancia entre os pontos) será a mesma. P a P b = gh Pa + ΔPa Pb ΔPb = gh (Eq. 3) Igualando a equação 2 e 3 temos: Pa Pb gh = Pa + ΔPa Pb ΔPb gh ΔPa = ΔPb (Eq. 4) A pressão hidráulica é um exemplo de aplicação do princípio de Pascal (Fig. 2). Fig. 2 Prensa hidráulica comprovação do princípio de Pascal Como a pressão sobre a área menor (A1) é igual a pressão da área maior (A2), as pressões são constantes, temos,de acordo com a Eq.3 e a Eq.1: P1 = P2 = cte F1/A1 = F2/A2 F1*A2 = F2*A1 (Eq. 5) 5

6 OBJETIVOS O objetivo geral do experimento é fazer um amplo estudo do Princípio de Pascal, verificando se este é verídico. Objetivos específicos: Verificar a correlação entre Pressão e Forças encontrando a constante de proporcionalidade entre elas. Verificação da relação entre Força aplicada num fluído e a Área onde esta sendo aplicada. Verificar se em um sistema onde o fluido se comunicam a Pressão aplicada em determinado lado do Fluido é igual a Pressão aplicada ao outro lado. 6

7 MATERIAS UTILIZADOS Bomba de vácuo - de 0,1 cmhg Cilindros Suportes Paquímetros Balança de 0,0005 kg Metais com diversas massas 7

8 DESCRIÇÃO DOS PROCEDIMENTOS A experiência, como já foi salientada anteriormente, foi realizada em duas etapas. Na primeira etapa, a qual era necessária fazer uma relação entre a pressão e força aplicada num fluído para encontrar a área de aplicação de aplicação da força, após a montagem do instrumento (Fig 3 ), formado por uma seringa de vidro com êmbolo (3. 1) ligado a bomba de vácuo (3. 2) e na parte de baixo, através de um gancho, ligado a um suporte com 0,05 Kg, onde era colocados os metais com massas diferentes (3.3), era necessário ajustar a bomba de vácuo para que 4 cmhg valesse como zero, pois havia dificuldade trabalhar com o zero real. Fig. 3 Instrumento utilizado na primeira etapa do procedimento Ao se colocar no suporte objetos metálicos com massas conhecidas a pressão, indicada na bomba de vácuo, começou a sofrer variações. Porém, só foi possível fazer esta observação quando a massa colocada foi de 0,65 Kg ( massa do suporte + massa do objeto), peso igual a 6,37 N, e ao variar os pesos colocados no suporte consequentemente a pressão dentro da bomba de vácuo variava. Foi encontrada a pressão com treze (13) medidas de massas diferentes, sendo que esta parte do experimento foi realizado três vezes para se achar a pressão media em cada ponto. A força que atua no cilindro, com fluído o ar, é a força peso que vale P = mg; onde g é a acelerarão da gravidade, que eqüivale 9,8 m/s 2 e m a massa do objeto + massa do suporte. O fluido em questão foi o vácuo que estava dentro da seringa. Na segunda etapa, a partir da montagem do aparelho pelo instrutor, tentou-se encontrar a relação entre Força e Área. 8

9 Foram utilizadas duas seringas com áreas da seção transversais diferentes ligados ao um suporte que tinha como função fazer uma comunicação entre a seringa menor e maior (Fig. 4.a). O sistema estava em equilíbrio, até que com muito cuidado foi acrescentado uma determinada força (Peso) na parte superior do êmbolo menor (Fig. 4.b),quando o sistema saiu do seu equilíbrio. Fig 4.a Instrumento usado na segunda etapa do Experimento. Fig 4.b Equipamento fora do equilíbrio ao acrescentar um peso. De acordo com a Eq 5 (F 1 /A 1 ) = (F 2 /A 2 ), pode-se deduzir a massa que será necessária para colocar o êmbolo maior em equilíbrio. E após compará-la com a massa colocada experimentalmente na parte superior do desde êmbolo. Se forem equivalentes pode-se dizer que o Princípio de Pascal é verídico. 9

10 APRESENTAÇÃO DOS DADOS Na primeira etapa os dados obtidos tiveram que sofrer uma modificação para se adequar ao M.K.S.; a Pressão apesar de ser medida em cmhg teve que ser modificada para Pa, através da relação 1 cmhg = 1, Pa, como o experimento foi realizado três vezes foram encontrados três valores de pressão associado a cada massa, porém para se trabalhar foi calculada uma média de cada pressão (Tabela 1). A força que atua é a força peso. MASSA PRESSÃO 1 PRESSÃO 2 PRESSÃO 3 <PRESSÃO> FORÇA (P) (Kg) (Pa).10 3 (Pa).10 3 (Pa).10 3 (Pa).10 3 (N) (Pa) ,55 0,00 0,00 0,00 0,00 5,39 0,00 0,65 2,66 1,33 2,66 2,22 6,37 0,77 0,75 5,33 5,33 3,99 4,89 7,35 0,77 0,85 9,33 7,99 7,99 8,44 8,33 0,77 0,95 13,33 10,66 10,66 11,6 9,31 1,54 1,05 17,33 14,66 13,33 15,1 10,29 2,04 1,15 19,99 19,99 18,66 19,6 11,27 0,77 1,25 22,66 22,66 21,33 22,2 12,25 0,77 1,35 26,66 26,66 23,99 25,8 13,23 2,04 1,45 29,33 29,33 26,66 28,4 14,21 1,54 1,55 31,99 31,99 30,66 31,6 15,19 0,77 1,65 34,66 34,66 34,66 34,7 16,17 0,00 1,75 37,32 38,66 37,32 37,8 17,15 0,77 Tabela 1 Dados obtido através do experimento Força e Pressão O (P) desvios da pressão observada na tabela 1 é calculado através da fórmula 2 P Pi = Eq. 6. N 1 Onde Pi é a pressão (Pressão 1, Pressão 2, Pressão 3 ) que se encontrou quando se aplicou a força e N é a quantidade de pontos, no nosso caso N = 3. 10

11 Pressão (Pa) Houve a necessidade de fazer um gráfico (Fig. 4) da Força em função da Pressão (F x P) para ter condições de se calcular a área experimental de aplicação da força, através do coeficiente angular ( ) da melhor reta formada entre os pontos. Pressão (Pa) ,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Força x Pressão Força (N) Força (N) Figura 4. Gráfico Pressão x Força O cálculo do coeficiente angular (coeficiente de proporcionalidade entre Pressão e Força) é feito através da tangente do ângulo ( ) formado pela reta, que eqüivale a: = tag ( ) =cateto oposto/cateto adjacente = P/F ;de acordo com a Eq. 1, P = F/A sendo assim, =(F/A) / F = F * 1 A F =1/A (Eq 7) equação para se calcular a área experimental, onde pode ser encontrado através do método mínimo quadrado = N. (x.y) - x. y (Piacentine,2001) N. x 2 - ( x ) 2 Substituindo o valor calculado de na Eq. 6 temos a Área igual a A = 1/ ; sendo =3, com isto A equivale a : 11

12 A=1/3, A 3, m 2 A área calculada através da seção transversal do êmbolo (Ac), com um paquímetro, Ac = r 2 onde r = 9, m 2 Ac = 2, m 2 Com esses dados foi possui fazer uma comparação entre a Área encontrada através da relação entre Força e Pressão e Ac, onde se encontrou uma diferença (E%) de : E% = (Ac A) / Ac * 100 E% = (2, , ) / 2, *100 E% 1,01% Os dados necessários para a realização da segunda etapa do experimento podem ser observados na tabela 2, onde foram medidos com bastante cautela para o melhor rendimento da experiência. R 1 R 2 M 1 M 2 M a M b 4,65mm 9,625mm 11,8g 38,1g 50g? Tabela 2 Dados da segunda etapa do experimento R 1 = raio da seção transversal do êmbolo menor; R 2 = raio da seção transversal do êmbolo maior; M 1 = massa do êmbolo menor; M 2 = massa do êmbolo maior; M a = massa adicionada ao êmbolo menor + M 1; M b = massa adicionada ao êmbolo maior + M 2. 12

13 De acordo com a Eq. 5: F1 = F2 Ma * g = Mb * g A1 A2 * (R 1 ) 2 * (R 2 ) 2 Ma * (R 2 ) 2 = Mb * (R 1 ) 2 Mb = Ma * (R 2 ) 2 Eq. 8 (R 1 ) 2 Substituindo na Eq.7 os valores numéricos da tabela 2, foi encontrado o valor 264,75g para Mb, ao retirar a massa do êmbolo maior (M 2) estimou a massa necessária para o sistema de vasos comunicantes voltasse ao equilíbrio que foi 226,7g. Experimentalmente o sistema só entrou em equilíbrio quando foi adicionado 228g ao êmbolo maior. Comparando as duas massas obteve um erro percentual de: E% = (226,7 228) / 226,7 * 100 = 0,6%. 13

14 ANÁLISE E CONCLUSÃO A partir da análise dos dados obtidos na experiência pode se constatar a validade teórica do Princípio de Pascal, os resultados que foram encontrados confirma que Pressão eqüivale a Força aplicada em um fluído dividida pela Área onde é aplicada essa força. Quando maior a força aplicada maior é a Pressão sobre a área. Ao observar a primeira etapa da experiência notou-se a mudança de Pressão a partir de uma força de 6,37N deve ao fato que existe uma força atuando no vácuo de dentro da seringa que é contraria a força Peso- que faz com que haja uma variação de Pressão no fluido. Para se verificar essa variação é necessário que a Força Peso seja maior do que a força que atua dentro do fluído. Ao analisar a figura 4 (Força x Pressão) se encontrar uma relação entre essas duas grandezas: o coeficiente angular da melhor reta formada entre os pontos equivale a = 1/A, onde A é área que sofre a Pressão exercida pela força F (peso). Outra observação bastante importante retirada do desde gráfico é a comprovação da atuação de uma força contraria a força peso e que esta força é negativa, sendo assim a pressão não é registrada na bomba de vácuo. A área calculada através das medidas encontradas com o paquímetro, cuja formula é r 2 e a área calculada com a relação comprovada entre força e pressão foram praticamente as mesmas, tendo um pequeno erro percentual de 1,01%. O que pode ser considerado dentro do laboratório de normal. Na segunda etapa do experimento a comprovação do Princípio de Pascal foi ainda melhor, através da estimativa da massa que deveria está no embolo maior para que o sistema de vasos comunicantes estivesse em equilíbrio após a aplicação de uma força no êmbolo menor de acordo com a teoria de Pascal ocorreu um erro percentual de apenas 0,6% ao se comparar o valor da massa teórico e a massa que foi preciso para equilibrar o sistema. 14

15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BONJORNO, Regina Azenha. Física fundamental 2 grau. Volume único. São Paulo: FTD,1993. P PIACENTINI, João J. Introdução ao laboratório de física. 2.ed. Florianópolis : Ed. da UFSC,

PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica

PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica Engenharia Ambiental Laboratório de Física II PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica Grupo Engenhetes : Amanda Pereira Beatriz Stadler Franchini Oliveira Maria Julia Battaglini Mariana Cássia Maio/2014

Leia mais

Mecânica dos Fluidos PROF. BENFICA benfica@anhanguera.com www.marcosbenfica.com

Mecânica dos Fluidos PROF. BENFICA benfica@anhanguera.com www.marcosbenfica.com Mecânica dos Fluidos PROF. BENFICA benfica@anhanguera.com www.marcosbenfica.com LISTA 2 Hidrostática 1) Um adestrador quer saber o peso de um elefante. Utilizando uma prensa hidráulica, consegue equilibrar

Leia mais

ESTÁTICA DE FLUIDOS. Introdução e Revisão de conceitos básicos

ESTÁTICA DE FLUIDOS. Introdução e Revisão de conceitos básicos ESTÁTCA DE FLUDOS ntrodução e Revisão de conceitos básicos Em qualquer ponto da superfície de um corpo submerso, a força exercida pelo fluido estático é perpendicular à superfície do objecto. A pressão

Leia mais

Primeira aula de laboratório de ME4310 primeiro semestre de 2015

Primeira aula de laboratório de ME4310 primeiro semestre de 2015 Primeira aula de laboratório de ME4310 primeiro semestre de 2015 Desejando praticar a certeza que o engenheiro precisa resolver problemas, pede-se verificar a possibilidade de instalar um certo aparelho

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 3 Estática dos Fluidos, Definição de Pressão. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 3 Estática dos Fluidos, Definição de Pressão. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 3 Estática dos Fluidos, Definição de Pressão Tópicos Abordados Nesta Aula Estática dos Fluidos. Definição de Pressão Estática. Unidades de Pressão. Conversão de Unidades de Pressão. Estática dos Fluidos

Leia mais

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7. Física Parte 2 Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.Empuxo Introdução A memorização de unidades para as diversas grandezas existentes

Leia mais

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos 49 Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos fig. V.. Atmosfera terrestre é uma camada essencialmente gasosa um fluido. Na segunda parte da figura podemos ver a um fluido em movimento escoando em um

Leia mais

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE PROFESSORA ANDREZA KALBUSCH PROFESSORA

Leia mais

Física Fascículo 06 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 06 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo 06 Eliana S. de Souza Braga Índice Estática e hidrostática Resumo Teórico...1 Exercícios...2 Gabarito...5 Estática e hidrostática Resumo Teórico Estática do ponto material: Equilíbrio

Leia mais

1ª Lista de exercícios de Física 2 ( Fluidos)

1ª Lista de exercícios de Física 2 ( Fluidos) Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Sorocaba Engenharia Ambiental Profa. Maria Lúcia Antunes 1ª Lista de exercícios de Física 2 ( Fluidos) 1) Encontre o aumento de pressão de um fluido em uma

Leia mais

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120 Departamento Curso Formação Básica Engenharia Civil Disciplina Código Fenômenos de Transporte BT1 Docentes José Gabriel França Simões (Prof. Responsável) Adriana L. S. Domingues Matéria Fenômenos de Transporte

Leia mais

Disciplina : Hidráulica e Pneumática Aula 1: Introdução

Disciplina : Hidráulica e Pneumática Aula 1: Introdução Curso: Técnico em Mecânica Disciplina : Hidráulica e Pneumática Aula 1: Introdução Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Estrutura da aula Introdução O circuito H&P quanto ao fluido Aplicações e exemplos

Leia mais

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS Bibliografia 1) Estática dos Fluidos Professor Dr. Paulo Sergio Catálise Editora, São Paulo, 2011 CDD-620.106 2) Introdução à Mecânica dos Fluidos Robert W. Fox & Alan

Leia mais

HIDROSTÁTICA PRESSÃO DENSIDADE RELATIVA. MASSA ESPECÍFICA (densidade absoluta) TEOREMA FUNDAMENTAL DA HIDROSTÁTICA (Teorema de Stevin)

HIDROSTÁTICA PRESSÃO DENSIDADE RELATIVA. MASSA ESPECÍFICA (densidade absoluta) TEOREMA FUNDAMENTAL DA HIDROSTÁTICA (Teorema de Stevin) Física Aula 05 Prof. Oromar UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS DO

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA Vladimir Caramori Josiane Holz Irene Maria Chaves Pimentel Guilherme Barbosa Lopes Júnior Maceió - Alagoas Março de 008 Laboratório

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 Tópicos de Ensino da Física I

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 Tópicos de Ensino da Física I Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin F 609 Tópicos de Ensino da Física I Princípio de Pascal em um Experimento Auto-explicativo Relatório Final Aluno: João Paulo Cury Bergamim

Leia mais

Hidrostática Pascal Prensa Hidráulica

Hidrostática Pascal Prensa Hidráulica Hidrostática Pascal Prensa Hidráulica 1. (Espcex (Aman) 013) Um elevador hidráulico de um posto de gasolina é acionado por um pequeno êmbolo de área igual a 4 4 10 m. O automóvel a ser elevado tem peso

Leia mais

Mostrar os Objetos 10 Contar a história seguindo os slides (anexo1) 40

Mostrar os Objetos 10 Contar a história seguindo os slides (anexo1) 40 Aula 1: A história do banheiro Tema Mostrar ao aluno como era a vida das pessoas que não possuíam os recursos sanitários conhecidos hoje, a história de como surgiu à necessidade dos mesmos, sua origem

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão. Força por unidade de área F A. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Instrumentação Industrial - ITI Medição de Pressão Definição - I Força por unidade de área p = Força (F) grandeza vetorial Área (A) grandeza

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE QUÍMICA A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS EXPERIMENTAIS PARA O ENSINO DE QUÍMICA Juciery Samara Campos de OLIVEIRA 1 ; João Lopes da SILVA NETO 2 ; Thayana Santiago MENDES 3 ; Raquel de Lima PEREIRA 4 ; Luciene Maria

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

Equações Diferenciais

Equações Diferenciais Equações Diferenciais EQUAÇÕES DIFERENCIAS Em qualquer processo natural, as variáveis envolvidas e suas taxas de variação estão interligadas com uma ou outras por meio de princípios básicos científicos

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Eletrostática. Pré Universitário Uni-Anhanguera 01 - (MACK SP)

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Eletrostática. Pré Universitário Uni-Anhanguera 01 - (MACK SP) Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Eletrostática 01 - (MACK SP) Fixam-se as cargas puntiformes q 1 e q 2, de

Leia mais

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo.

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo. (MECÂNICA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA E MECÂNICA DOS FLUIDOS) 01) Um paraquedista salta de um avião e cai livremente por uma distância vertical de 80 m, antes de abrir o paraquedas. Quando este se abre, ele passa

Leia mais

Problemas de Fluidos

Problemas de Fluidos Problemas de Fluidos DADOS: ρ água = g cm 3 γ água = 0,073 N m ρ mercúrio = 3,6 g cm 3 γ mercúrio = 0,54 N m ρ glicerina =,6 g cm 3 ρ ar =,5 kg m 3 g = 9,8 m s Densidade; Pressão; Tensão Superficial; Capilaridade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Princípios e Fenômenos da Mecânica Professor: Humberto

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Princípios e Fenômenos da Mecânica Professor: Humberto UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Princípios e Fenômenos da Mecânica Professor: Humberto EXPERIMENTO Nº 6 LANÇAMENTO HORIZONTAL DE PROJÉTIL Discentes: Camila de

Leia mais

1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol:

1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol: 1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol: Nesse esquema, estão assinalados quatro pontos P, Q, R ou S da órbita do cometa. a) Indique em qual dos

Leia mais

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução:

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução: PRATICA 2: Corpos em queda livre PRATICA EXPERIMENTAL Introdução: Ao deixar um corpo cair próximo da terra, este corpo será atraído verticalmente para baixo. Desprezando-se se a resistência do ar, todos

Leia mais

Como escrever um bom RELATÓRIO

Como escrever um bom RELATÓRIO Como escrever um bom RELATÓRIO Mas o que é uma EXPERIÊNCIA? e um RELATÓRIO? Profa. Ewa W. Cybulska Profa. Márcia R. D. Rodrigues Experiência Relatório Pergunta à Natureza e a procura da Resposta Divulgação

Leia mais

No ano de 1687 foi publicado -com o imprimatur de S. Pepys- a Philosophiae naturalis principia mathematica de Isaac Newton (1643-1727).

No ano de 1687 foi publicado -com o imprimatur de S. Pepys- a Philosophiae naturalis principia mathematica de Isaac Newton (1643-1727). 2.1-1 2 As Leis de Newton 2.1 Massa e Força No ano de 1687 foi publicado -com o imprimatur de S. Pepys- a Philosophiae naturalis principia mathematica de Isaac Newton (1643-1727). As três Leis (leges)

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Sistema Massa-Mola

Tópico 8. Aula Prática: Sistema Massa-Mola Tópico 8. Aula Prática: Sistema Massa-Mola. INTRODUÇÃO No experimento anterior foi verificado, teoricamente e experimentalmente, que o período de oscilação de um pêndulo simples é determinado pelo seu

Leia mais

Medição de Pressão. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Pressão. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Pressão Profa. Michelle Mendes Santos Introdução Pressão é definida como a força normal por unidade de área e pode ser expressa nas unidades: psi (libras por polegada quadrada); bar; atm (atmosfera);

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

Exercícios do capítulo 2. Segundo semestre de 2010

Exercícios do capítulo 2. Segundo semestre de 2010 Exercícios do capítulo 2 Segundo semestre de 2010 1. (UFOP-93) Para se medir a pressão absoluta de um gás (p gás_abs ) usa-se um manômetro, que consiste de um tubo em forma de U contendo Hg (r=13,6x10

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s ; para a massa específica

Leia mais

Hidrodinâmica Equação de Torricelli

Hidrodinâmica Equação de Torricelli Hidrodinâmica Equação de Torricelli Objetivo Comprovar a equação de Torricelli para hidrodinâmica através do movimento parabólico de um jato de água. Introdução Seja um fluido escoando através de um tubo

Leia mais

4.2 Modelação da estrutura interna

4.2 Modelação da estrutura interna 4.2 Modelação da estrutura interna AST434: C4-25/83 Para calcular a estrutura interna de uma estrela como o Sol é necessário descrever como o gás que o compõe se comporta. Assim, determinar a estrutura

Leia mais

b) Calcule as temperaturas em Kelvin equivalentes às temperaturas de 5,0 ºC e 17,0 ºC.

b) Calcule as temperaturas em Kelvin equivalentes às temperaturas de 5,0 ºC e 17,0 ºC. Questão 1 A pressão P no interior de um fluido em equilíbrio varia com a profundidade h como P = P 0 + ρgh. A equação dos gases ideais relaciona a pressão, o volume e a temperatura do gás como PV = nrt,

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia. Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica

Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia. Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica Unidade 10 Teoremas que relacionam trabalho e energia Teorema da energia cinética Teorema da energia potencial Teorema da energia mecânica Teorema da nergia Cinética Quando uma força atua de forma favorável

Leia mais

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores

Leia mais

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela.

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela. FUNÇÕES Em matemática, uma função é dada pela relação entre duas ou mais quantidades. A função de uma variável f(x) relaciona duas quantidades, sendo o valor de f dependente do valor de x. Existem várias

Leia mais

APRESETAÇÃO E SÍNTESE

APRESETAÇÃO E SÍNTESE Estudo do Pitot Ver 4 APRESETAÇÃO E SÍNTESE O artigo Tubo de Pitot, calibrar ou não calibrar, tem por finalidade demonstrar de maneira Teórica, Estatística e Prática, a não necessidade de enviar seu tubo

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Prof. Dr. Gabriel L. Tacchi Nascimento O que estuda a Cinemática? A cinemática dos fluidos estuda o movimento dos fluidos em termos dos deslocamentos,

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo II Aula 05 1. Introdução A mecânica dos gases é a parte da Mecânica que estuda as propriedades dos gases. Na Física existem três estados da matéria

Leia mais

Principais funções de movimento em analisadores médicos.

Principais funções de movimento em analisadores médicos. Movimento em analisadores médicos Menor, mais rápido, mais forte. Como os motores em miniatura estão ajudando os equipamentos de diagnóstico a avançar. Os diagnósticos médicos fazem parte da vida cotidiana

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - FEAU. Fundamentos Física Prof. Dra. Ângela Cristina Krabbe

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - FEAU. Fundamentos Física Prof. Dra. Ângela Cristina Krabbe Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - FEAU Fundamentos Física Prof. Dra. Ângela Cristina Krabbe Lista de exercícios 1. Considerando as grandezas físicas A

Leia mais

LISTA de HIDROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de HIDROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA de HIDROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Unesp 013) Seis reservatórios cilíndricos, superiormente abertos e idênticos (A, B, C, D, E e F) estão apoiados sobre uma superfície horizontal plana e ligados

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 11 EQUILÍBRIO: DO PONTO MATERIAL E CORPO EXTENSO REVISÃO

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 11 EQUILÍBRIO: DO PONTO MATERIAL E CORPO EXTENSO REVISÃO FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 11 EQUILÍBRIO: DO PONTO MATERIAL E CORPO EXTENSO REVISÃO Fixação F 1) (CESGRANRIO) A figura a seguir mostra uma peça de madeira, no formato de uma forca, 2 utilizada para suspender

Leia mais

Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES

Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES Viscosímetros são instrumentos utilizados para medir a viscosidade de líquidos. Eles podem ser classificados em dois grupos: primário e secundário. No grupo primário

Leia mais

Um bloco de massa igual a 4 kg é arrastado, sobre uma superfície horizontal, por uma força constante, de

Um bloco de massa igual a 4 kg é arrastado, sobre uma superfície horizontal, por uma força constante, de Atividade extra Fascículo 2 Física Unidade 4 Exercício 1 - Adaptado de CEJA - São Gonçalo Um bloco de massa igual a 4 kg é arrastado, sobre uma superfície horizontal, por uma força constante, de módulo

Leia mais

Hoje estou elétrico!

Hoje estou elétrico! A U A UL LA Hoje estou elétrico! Ernesto, observado por Roberto, tinha acabado de construir um vetor com um pedaço de papel, um fio de meia, um canudo e um pedacinho de folha de alumínio. Enquanto testava

Leia mais

Laboratório de Física Básica 2

Laboratório de Física Básica 2 Objetivo Geral: Determinar a aceleração da gravidade local a partir de medidas de periodo de oscilação de um pêndulo simples. Objetivos específicos: Teoria 1. Obter experimentalmente a equação geral para

Leia mais

P R O V A DE FÍSICA II

P R O V A DE FÍSICA II 1 P R O V A DE FÍSICA II QUESTÃO 16 A figura mostra uma barra rígida articulada no ponto O. A barra é homogênea e seu peso P está em seu ponto médio. Sobre cada uma de suas extremidades são aplicadas forças

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (,0 pontos) Avaliador Revisor Uma montagem experimental simples permite a medida da força entre objetos carregados com o auxílio de uma balança (A. Cortel, Physics Teacher 7, 447 (1999)).

Leia mais

condições de repouso ou movimento de corpos sob a ação de forças.

condições de repouso ou movimento de corpos sob a ação de forças. Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Fundamentos para a Análise Estrutural Código: AURB006 Turma: A Período Letivo: 2007-2 Professor:

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

OBJETIVOS: Mostrar o comportamento das correntes de ar e pressão através do gerador de fluxo de ar.

OBJETIVOS: Mostrar o comportamento das correntes de ar e pressão através do gerador de fluxo de ar. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UF PI CENTRO DE CIÊNCIAS DANATUREZA CCN DEPARTAMENTO DE FÍSICA DISCIPLINA: FÍSICA EXPERIMENTAL II PROF. : JEREMIAS ARAÚJO Prática V: APLICAÇÕES DA EQUAÇÃO DE BERNOULLI OBJETIVOS:

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ESTUDO DOS GASES

LISTA DE EXERCÍCIOS ESTUDO DOS GASES GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO GRÉ MATA NORTE UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO CAMPUS MATA NORTE ESCOLA DE APLICAÇÃO PROFESSOR CHAVES LISTA DE EXERCÍCIOS ALUNO(A): Nº NAZARÉ DA MATA, DE DE 2015 2º ANO ESTUDO

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

PLANO DE AULA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves

PLANO DE AULA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves PLANO DE AULA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves Projeto PIBID-IFRS-BG Área: Física Plano de Aula para Aplicação de Atividade Didática Nº de

Leia mais

QUEDA LIVRE. Permitindo, então, a expressão (1), relacionar o tempo de queda (t), com o espaço percorrido (s) e a aceleração gravítica (g).

QUEDA LIVRE. Permitindo, então, a expressão (1), relacionar o tempo de queda (t), com o espaço percorrido (s) e a aceleração gravítica (g). Protocolos das Aulas Práticas 3 / 4 QUEDA LIVRE. Resumo Uma esfera metálica é largada de uma altura fixa, medindo-se o tempo de queda. Este procedimento é repetido para diferentes alturas. Os dados assim

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Leis de Newton

Física. Física Módulo 1 Leis de Newton Física Módulo 1 Leis de Newton Cinemática x Dinâmica: A previsão dos movimentos Até agora apenas descrevemos os movimentos : cinemática É impossível, no entanto, prever movimentos somente usando a cinemática.

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:17. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:17. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor em Física pela Universidade Ludwig Maximilian de Munique, Alemanha Universidade Federal

Leia mais

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3 164 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 Raimundo Ferreira Ignácio 165 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 - Conceitos Básicos para o Estudo dos

Leia mais

Tema: Braço Mecânico Hidráulico (Fluído Água)

Tema: Braço Mecânico Hidráulico (Fluído Água) Tema: Braço Mecânico Hidráulico (Fluído Água) O projeto é uma maquete que explica a Lei de Pascal, simulando o movimento de um Braço Mecânico Hidráulico real utilizado em escavadeiras, caminhões Munk,

Leia mais

ANÁLISE DIMENSIONAL. Grandezas básicas, unidades, dimensões

ANÁLISE DIMENSIONAL. Grandezas básicas, unidades, dimensões ANÁLISE DIMENSIONAL A análise dimensional é uma ferramenta poderosa e simples para avaliar e deduzir relações físicas. A similaridade é um conceito diretamente relacionado, que consiste basicamente na

Leia mais

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 01 - A figura mostra um sistema massa-mola que pode oscilar livremente, sem atrito, sobre a superfície horizontal e com resistência do ar desprezível. Nesse

Leia mais

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS Viscosidade é uma característica dos líquidos que está relacionada com a sua habilidade de fluir. Quanto maior a viscosidade de um líquido (ou de uma solução) mais difícil

Leia mais

Um momento, por favor

Um momento, por favor Um momento, por favor A UU L AL A Outro domingo! Novo passeio de carro. Dessa vez foi o pneu que furou. O pai se esforça, tentando, sem sucesso, girar o parafuso da roda. Um dos filhos então diz: Um momento,

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

COLÉGIO SANTA MARIA 2009 RUMO AOS 70 ANOS AVALIAÇÃO 2ª ETAPA 1º BLOCO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO SANTA MARIA 2009 RUMO AOS 70 ANOS AVALIAÇÃO 2ª ETAPA 1º BLOCO ENSINO MÉDIO OLÉGIO SANTA MAIA 009 UMO AOS 0 ANOS AALIAÇÃO ª TAPA 1º BLOO NSINO MÉDIO NOTA: POFSSO:TADU DISIPLINA: FÍSIA II DATA: / / 3º MÉDIO: ALUNO(A): N Atenção! É importante a escrita legível. Não serão aceitas

Leia mais

1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO CORPO EXTENSO Professor Alexandre Miranda Ferreira

1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO CORPO EXTENSO Professor Alexandre Miranda Ferreira 1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO CORPO EXTENSO Professor Alexandre Miranda Ferreira www.proamfer.com.br amfer@uol.com.br 1 Em uma experiência, a barra homogênea, de secção reta constante e peso 100

Leia mais

CPV 82% de aprovação na ESPM

CPV 82% de aprovação na ESPM CPV 8% de aprovação na ESPM ESPM NOVEMBRO/009 Prova E matemática x + y y x 1. O valor da expressão + 6 : x + y para x 4 e y 0,15 é: a) 0 b) 1 c) d) e) 4 Temos x + y y x + 6 : x + y. Uma costureira pagou

Leia mais

Perguntas. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II

Perguntas. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II Perguntas Lista de Exercícios - FLUIDOS 1. A figura 1 mostra um tanque cheio de água.

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

O ar está pesado. Terra. massa é muito pequena, mas, como existem muitas delas, o peso de todas juntas é considerável.

O ar está pesado. Terra. massa é muito pequena, mas, como existem muitas delas, o peso de todas juntas é considerável. A UU L AL A O ar está pesado Fim de semana, Gaspar vai à praia. Ele mora numa cidade distante do mar, não só distante, como também mais alta do que o mar: é preciso descer a serra. Num momento, durante

Leia mais

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo.

DINÂMICA. Força Resultante: É a força que produz o mesmo efeito que todas as outras aplicadas a um corpo. DINÂMICA Quando se fala em dinâmica de corpos, a imagem que vem à cabeça é a clássica e mitológica de Isaac Newton, lendo seu livro sob uma macieira. Repentinamente, uma maçã cai sobre a sua cabeça. Segundo

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 2 Propriedades dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 2 Propriedades dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 2 Propriedades dos Fluidos Tópicos Abordados Nesta Aula Propriedades dos Fluidos. Massa Específica. Peso Específico. Peso Específico Relativo. Alfabeto Grego Propriedades dos Fluidos Algumas propriedades

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

Capítulo 4 Trabalho e Energia

Capítulo 4 Trabalho e Energia Capítulo 4 Trabalho e Energia Este tema é, sem dúvidas, um dos mais importantes na Física. Na realidade, nos estudos mais avançados da Física, todo ou quase todos os problemas podem ser resolvidos através

Leia mais

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 1. Introdução A avaliação das condições de disponibilidade de água no espaço de solo ocupado pelas raízes das plantas fornece informações

Leia mais

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA

2 - PRIMEIRA LEI DE NEWTON: PRINCÍPIO DA INÉRCIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA F Í S I C A II - DINÂMICA ALUNO: RA: 1 - OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DINÂMICA A Dinâmica é a parte da Mecânica que estuda os movimentos e as causas que os produzem ou os modificam.

Leia mais

= R. Sendo m = 3,3. 10 27 kg, V = 3,0. 10 7 m/s e R = 0,45m, calcula-se a intensidade da força magnética. 3,3. 10 27. (3,0. 10 7 ) 2 = (N) 0,45

= R. Sendo m = 3,3. 10 27 kg, V = 3,0. 10 7 m/s e R = 0,45m, calcula-se a intensidade da força magnética. 3,3. 10 27. (3,0. 10 7 ) 2 = (N) 0,45 37 a FÍSICA Em um cíclotron tipo de acelerador de partículas um deutério alcança velocidade final de 3,0 x 10 7 m/s, enquanto se move em um caminho circular de raio 0,45m, mantido nesse caminho por uma

Leia mais

Como abrir um túnel se você sabe Geometria

Como abrir um túnel se você sabe Geometria Como abrir um túnel se você sabe Geometria Euclides Rosa A ilha de Samos, que ainda pertence à Grécia, fica a menos de 2 quilômetros da Costa da Turquia. Há 2.500 anos, toda aquela região era habitada

Leia mais

Vamos relatar alguns fatos do dia -a- dia para entendermos a primeira lei de Newton.

Vamos relatar alguns fatos do dia -a- dia para entendermos a primeira lei de Newton. CAPÍTULO 8 As Leis de Newton Introdução Ao estudarmos queda livre no capítulo cinco do livro 1, fizemos isto sem nos preocuparmos com o agente Físico responsável que provocava a aceleração dos corpos em

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I:

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Vetores e Forças 2.VETORES 2.1 Introdução Os vetores são definidos como entes matemáticos que dão noção de intensidade, direção e sentido. De forma prática, o conceito de vetor pode

Leia mais

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS Vicente Coney Campiteli (1); Sérgio Luiz Schulz (2) (1) Universidade Estadual de Ponta Grossa, vicente@uepg.br

Leia mais

Método dos mínimos quadrados - ajuste linear

Método dos mínimos quadrados - ajuste linear Apêndice A Método dos mínimos quadrados - ajuste linear Ao final de uma experiência muitas vezes temos um conjunto de N medidas na forma de pares (x i, y i ). Por exemplo, imagine uma experiência em que

Leia mais