CENTRO DE TRANSPORTE LOGÍSTICO DA AERONÁUTICA: uma proposta de transporte multimodal para a logística da Força Aérea Brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE TRANSPORTE LOGÍSTICO DA AERONÁUTICA: uma proposta de transporte multimodal para a logística da Força Aérea Brasileira"

Transcrição

1 MARCO ANTÔNIO DE OLIVEIRA MONTEIRO CENTRO DE TRANSPORTE LOGÍSTICO DA AERONÁUTICA: uma proposta de transporte multimodal para a logística da Força Aérea Brasileira Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Coronel Int. Aer. Antônio Celente Videira Rio de Janeiro 2014

2 C2014 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitida a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG. Assinatura do autor Biblioteca General Cordeiro de Farias Monteiro, Marco Antônio de Oliveira Centro de Transporte Logístico da Aeronáutica: uma proposta de transporte multimodal para a logística da Força Aérea Brasileira/ Cel. Int. Aer Marco Antônio de Oliveira Monteiro. - Rio de Janeiro : ESG, f.: il. Orientador: Cel Int Aer Antônio Celente Videira. Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Logística. 2. Modal de Transporte. 3. Transporte Multimodal e Intermodal. 4. Operador de Transporte Multimodal. 5. Transporte Logístico.

3 A todos da família que, durante o meu período de formação, contribuíram com ensinamentos e incentivos. A minha gratidão, em especial a minha esposa e filhos, pela compreensão, como resposta aos momentos de minhas ausências e omissões, em dedicação às atividades da ESG.

4 AGRADECIMENTOS Aos meus professores de todas as épocas por terem sido responsáveis por parte considerável da minha formação e do meu aprendizado. Aos estagiários da melhor Turma do CAEPE pelo convívio harmonioso de todas as horas. Ao Corpo Permanente da ESG pelos ensinamentos e orientações que me fizeram refletir, cada vez mais, sobre a importância de se estudar o Brasil com a responsabilidade implícita de ter que melhorá-lo. Ao Cel Int Aer Antônio Celente Videira que me orientou durante a elaboração deste trabalho, contribuindo diretamente com suas sugestões e clarificações para seu aperfeiçoamento e correção.

5 A eficiência é uma relação técnica entre entrada e saída. Idalberto Chiavenato

6 RESUMO Esta monografia aborda a aplicação do conceito de operador de transporte multimodal como um instrumento a ser aplicado na modernização do processo logístico de transporte da Força Aérea Brasileira em sua busca por uma racionalização no emprego dos modais de transporte e pela redução dos seus custos logísticos. O objetivo deste estudo está fundamentado na análise da viabilidade do emprego, à luz da teoria vigente, de uma organização militar com uma concepção de operador de transporte multimodal, com suas vantagens operacionais no gerenciamento do transporte de cargas dentro da FAB. A metodologia adotada comportou uma pesquisa bibliográfica e documental, visando a buscar referenciais teóricos, além da experiência do autor na área da logística por cerca de dezoito anos. O campo de estudo limitou-se ao Operador de Transporte Multimodal dentro do território e portos brasileiros, apesar de que, durante a apreciação do conteúdo bibliográfico deste trabalho, outros níveis de tratados sobre transporte tenham sido analisados. O trabalho discorre sobre a origem do conceito de Logística, as teorias e instrumentos legais que regulamentam e legitimam os diferentes modais de transporte no território brasileiro e na própria FAB. Na parte final, é processada, à luz da doutrina apresentada, uma análise da realidade do transporte logístico dentro da FAB, ressaltando as vantagens por uma opção do emprego de um Centro de Transporte Logístico com as características e vantagens operacionais proporcionadas pelo operador de transporte multimodal. A conclusão indica ainda as vantagens na implementação das ações a serem desenvolvidas para aplicação do conceito de operador de transporte multimodal, cuja aplicação pode contribuir para a otimização e racionalização do transporte logístico dentro da estrutura do COMGAP. Com isso, atende-se às necessidades da área logística, o que refletirá diretamente na aumento da disponibilidade dos meios aéreos, tendo como consequência direta a manutenção da soberania do espaço aéreo brasileiro, missão constitucional da FAB. Palavras-chave: Logística. Modal de Transporte. Transporte Intermodal e Multimodal. Operador de Transporte Multimodal. Transporte Logístico.

7 ABSTRACT This paper discusses the application of the concept of multimodal transport operator as a tool to be used to modernize the logistics process of transporting Brazilian Air Force in their quest for a rationalization in the use of transportation modes and by reducing their logistics costs. This study is based on analysis of the viability of employment in the light of current theory, a military organization with a concept of multimodal transport operator, with its operating advantages in the management of freight within the FAB. The methodology involved a bibliographical and documentary research, aiming to seek theoretical frameworks beyond the author's experience in logistics for eighteen years. The field study was limited to the Multimodal Transport Operator within the territory and Brazilian ports, though, during the examination of the bibliographic content of this work, other levels of treatises on transport have been analyzed. The paper discusses the origin of the concept of logistics, theories and legal instruments that regulate and legitimate the different modes of transportation in Brazil and in FAB own. In the final part, is processed in the light of the doctrine presented an analysis of the reality of logistical transport within the FAB, highlighting the advantages for an option of employing a Center for Transportation Logistics and operational characteristics with the advantages provided by the multimodal transport operator. The conclusion also shows the advantages in the implementation of actions to be taken for implementing the concept of multimodal transport operator, whose application can contribute to the optimization and rationalization of transport logistics within the framework of COMGAP. Thus, it meets the needs of the logistics area, which directly reflect the increased availability of air assets, and as a direct consequence the maintenance of the sovereignty of the Brazilian airspace, constitutional mission of FAB. Keywords: Logistics. Modal Transport. Intermodal and Multimodal Transportation. Multimodal Transport Operator. Transportation Logistics.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO GRÁFICO QUADRO GRAFICO QUADRO GRÁFICO

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT ANAC ANTAQ ANTF ANTT BAAN BABR BABV BACO BAMN BAPV BASM BASP BNDES CECAN CNT COMAR I COMAR II COMAR V COMAR VII COMAER COMGAP CTLA DARJ DCTA DIRMAB ESG FAB IBGE PAMAAF PAMBRJ Associação Brasileira de Normas Técnicas Agência Nacional de Aviação Civil Agência Nacional de Transporte Aquaviário Agência Nacional de Transporte Ferroviário Agência Nacional de Transporte Terrestre Base Aérea de Anápolis Base Aérea de Brasília Base Aérea de Boa Vista Base Aérea de Canoas Base Aérea de Manaus Base Aérea de Porto Velho Base Aérea de Santa Maria Base Aérea de São Paulo Banco Nacional de Desenvolvimento Social Centro do Correio Aéreo Nacional Confederação Nacional do Transporte Primeiro Comando Aéreo Regional Segundo Comando Aéreo Regional Quinto Comando Aéreo Regional Sétimo Comando Aéreo Regional Comando da Aeronáutica Comando-Geral de Apoio Centro de Transporte Logístico da Aeronáutica Depósito de Aeronáutica do Rio de Janeiro Departamento de Ciência e Tecnologia da Aeronáutica Diretoria de Material Aeronáutico e Bélico Escola Superior de Guerra Força Aérea Brasileira Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Parque de Material Aeronáutico dos Afonsos Parque de Material Bélico do Rio de Janeiro

10 PAMAGL PAMALS PAMARF PAMASP Parque de Material Aeronáutico do Galeão Parque de Material Aeronáutico de Lagoa Santa Parque de Material Aeronáutico do Recife Parque de Material Aeronáutico de São Paulo

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO TEÓRICA O PROBLEMA OBJETIVO JUSTIFICATIVA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Caracterização da pesquisa Área de abrangência ESTRUTURA DO ESTUDO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A LOGÍSTICA TRANSPORTE DE CARGA NO BRASIL MATRIZ DE TRANSPORTE Modal rodoviário Modal ferroviário Infraestrutura ferroviária brasileira Modal aquaviário Cabotagem Modal aéreo Principais características Aspecto do transporte déreo Regulamentação Terminal de Carga Aérea -TECA OPERAÇÕES DE TRANSPORTE TRANSPORTE INTERMODAL E MULTIMODAL Vantagens do multimodalismo O MULTIMODALISMO NO BRASIL LOGÍSTICA DE TRANSPORTE NA FAB ESTRUTURA LOGÍSTICA SISTEMÁTICA DE TRANSPORTE CONCLUSÃO REFERÊNCIAS GLOSSÁRIO... 57

12 ANEXO A CONCESSIONÁRIAS FERROVIÁRIAS ANEXO B - PORTOS ORGANIZADOS NO BRASIL ANEXO C - MAPA MULTIMODAL ANEXO D - TERMINAIS DE CARGAS... 61

13 11 1 INTRODUÇÃO A presença do transporte acompanhou a evolução da própria humanidade, servindo de meio para aproximação entre os povos e, ao mesmo tempo, servindo de instrumento de desenvolvimento e de crescimento das economias vigentes. Correlato ao desenvolvimento vivenciado pelo transporte, as inovações tecnológicas serviram de ferramenta para sua modernização, o que resultou na redução dos custos envolvidos na sua operacionalidade, ao mesmo tempo que pôde proporcionar uma redução significativa no tempo envolvido na movimentação da carga até o seu destino final. A logística de transporte, em razão da crescente globalização do comércio mundial, passou de um patamar de simples meio de movimentação de mercadorias entre as cidades próximas para se tornar um fator de aumento da competividade entre empresas e até mesmo entre países. Esta mesma competitividade demanda do operador logístico um aperfeiçoamento de todo seu processo logístico, com reflexo direto na gestão do transporte. O aperfeiçoamento da gestão logística veio com o surgimento do operador de transporte multimodal (OTM) no Brasil. A sua forma exclusiva de centralizar a responsabilidade por toda movimentação da carga, extraindo as principais vantagens em cada um dos modais disponíveis. A utilização do transporte multimodal em outros países já é uma realidade motivada por sua maior capacidade de agilizar a carga transportada, com a redução do tempo de permanência em depósitos e de todo o custo logístico envolvido neste tipo de operação. 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO TEÓRICA A Força Aérea Brasileira (FAB) vem enfrentando um grande dilema dentro da sua logística: aumentar a disponibilidade da sua frota de aeronaves reduzindo, ao mesmo tempo, a quantidade de itens de suprimento estocados e o tempo de ressuprimento, o chamado PIPELINE. A sequência de sucessivos cortes orçamentários nos últimos anos, especialmente nas ações destinadas à aquisição de itens de suprimento e manutenção de material aeronáutico e bélico, obrigou a FAB a reavaliar seus

14 12 procedimentos, racionalizando seus meios operacionais e humanos, com destaque à concepção de uma nova estrutura que permita gerenciar, de forma mais eficiente, o recebimento, a distribuição e o próprio despacho alfandegário de materiais e equipamentos de seu interesse. Diante deste novo cenário, tornou-se fundamental estabelecer uma nova concepção de transporte que permitisse ao usuário orientar, tanto por intermédio da padronização de procedimentos como pela utilização racional dos modais de transporte disponíveis, as diversas necessidades dos elos do sistema de material da FAB. 1.2 O PROBLEMA Qual a sistemática de transporte que a FAB utiliza para implementar o conceito de transporte multimodal, objetivando otimizar a distribuição dos itens de suprimento e material aeronáutico? 1.3 OBJETIVO Este trabalho busca analisar, à luz da teoria vigente, as vantagens em utilizar o operador de transporte multimodal, sua viabilidade e aplicação, no gerenciamento do transporte de cargas do interesse da FAB. Para que este objetivo seja atingido, será inicialmente analisada a participação dos principais modais de transporte no processo de distribuição de carga. Em seguida, serão destacadas as principais características e vantagens do transporte multimodal em relação ao intermodal, destacando as características do Operador de Transporte Multimodal (OTM), na estrutura logística do comércio nacional e a viabilidade da sua da aplicação pelo Centro de Transporte Logístico da Aeronáutica (CTLA). 1.4 JUSTIFICATIVA O tema escolhido encontra fundamentação em razão de alguns argumentos. O primeiro diz respeito à minha formação profissional como oficial que atuou por mais de 15 anos na área logística, sendo que 11 desses dedicado exclusivamente ao transporte de material de interesse da FAB. Acrescente-se, a este argumento, a

15 13 evolução, dificuldade e necessidade de modernização de todo este Sistema como fatores que reforçam a escolha do tema. A possibilidade que a realização do CAEPE em 2014 me proporciona de ampliar meus conhecimentos sobre este tema e, desta forma, contribuir para o aperfeiçoamento da área logística, tão crítica para a FAB, reafirma a correção de minha opção. Neste mesmo diapasão, está o argumento de natureza social, uma vez que, um país com as dimensões territoriais, diversidades regionais e riquezas incalculáveis como o nosso, exige, para a manutenção de sua integridade territorial e soberania nacional, uma Força Aérea capacitada e operacionalmente preparada. Por último, porém não menos importante, está o crescente número de autores e profissionais que atuam nesta área e que vêm abordando a Logística de forma sistemática. Especialmente, a produção acadêmica sobre o transporte multimodal, que já vem merecendo destacado tratamento em nossa literatura. 1.5 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A abordagem apresentada por Tagliacollo para uma melhor compreensão da operacionalização do transporte multimodal, visando a otimizar a logística moderna servirá de fundamentação neste trabalho. As interpretações de Caixeta- Filho, Martins, Pires, Fleury, Wanke e Figueiredo darão sustentação teórica à importância da nova abordagem sistêmica da logística de transporte, com ênfase no multimodalismo no Brasil. A fim de dar maior respaldo ao tema, serão abordadas com maior profundidade as concepções que Dias desenvolveu para a logística de transporte, o transporte multimodal e intermodal, a infraestrutura de transporte, os modais de transporte e emprego do operador de transporte multimodal. Será analisada a teoria de Pires para os modais de transporte, ressaltando suas principais características e vantagens, levando em consideração a estrutura logística de um país com as dimensões territoriais do Brasil. A Lei dos portos e a Lei de autorização do transporte multimodal servirão de parâmetros para as análises dos aspectos organizacionais e estruturais desse setor e seus impactos dentro da atual infraestrutura de transporte Caracterização da Pesquisa

16 14 Esta é uma pesquisa bibliográfica de cunho qualitativo sobre as questões delimitadas já apresentadas, à luz da posição de oito autores selecionados: Marco Aurélio Dias (Logística, Transporte e Infraestrutura, 2012), Luiz Augusto Tagliacollo Silva (Logística no Comércio Exterior, 2013); Jovelino de Gomes Pires (A Logística no Comércio Exterior Brasileiro, 2013); José Vicente Caixeta-Filho e Ricardo Silveira Martins (Gestão Logística do Transporte de Cargas); Paulo Fernando Fleury, Peter Wanker e Kleber Fossati Figueiredo (Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos). Esses analistas foram escolhidos em função da argumentação exposta no marco teórico Área de abrangência De forma preliminar, os conceitos que perpassam a discussão são cinco: logística de transporte, transporte multimodal e intermodal, infraestrutura de transporte, modais de transporte e organização de transporte multimodal. Não obstante, não foi excluída a possibilidade de incluir novos conceitos e autores que demonstraram ser pertinentes a uma melhor fundamentação e compreensão do tema. 1.6 ESTRUTURA DO ESTUDO Este trabalho está estruturado em cinco capítulos. Na introdução, é descrito o problema e sua problemática, as principais finalidades da pesquisa, sua justificativa e as opções teórico-metodológicas empregadas. No segundo capítulo, é abordada a fundamentação teórica, com as definições e descrição dos conceitos julgados fundamentais à compreensão do tema escolhido. O terceiro, apresenta em detalhes a logística de transporte com ênfase no transporte multimodal e o emprego do Operador de Transporte Multimodal (OTM). No capítulo quarto, é feita a analise da estrutura e do procedimento adotado na Força Aérea Brasileira para operacionalizar sua logística de transporte. Por fim, na conclusão, foram reunidos os principais argumentos e recomendações discorridos neste trabalho, após confrontar a teoria apresentada com a realidade desenvolvida no CTLA, dando ênfase à aplicação do modelo de transporte multimodal através da criação de um OTM.

17 15 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 A LOGÍSTICA A logística na atualidade passou a ter um destaque especial para todos aqueles que atuam dentro de um moderno sistema de comércio, seja ele a nível nacional ou internacional. O próprio termo logística não é moderno, muito pelo contrário, já no século XVIII, no reino de Luiz XIV, servia para denominar o posto de Marechal - General de Logis identificando o responsável pelo suprimento e transporte do material bélico das batalhas. (Souza, 2003, p. 5). A origem do nome logística vem do termo grego logos, que significa razão, racionalidade, assim como de logistiki, que significa administração financeira. Como ressalta Silva (2013, p. 18), o conceito de logística tem sua origem na França e sua aplicabilidade remonta às atividades militares da antiguidade, como descrita pelo historiador grego Heródoto, quando da preparação de Ciro durante a invasão da Grécia. Deste entendimento, é possível depreender que a logística é melhor qualificada originalmente como a parte das artes militares que se destinava a assegurar às forças armadas todos os meios necessários para sua sobrevivência no campo de batalha, incluindo as melhores condições de movimentação, abastecimento, alojamento e transporte. Evoluindo na história, é possível ver, na 2 a Guerra Mundial, outro vasto e fértil palco onde o conceito de logística foi amplamente aplicado, que possibilitou, após a atuação do Centro de Inteligência Americana (CIA) e os estudos de professores da Universidade de Harvard, a elevação definitiva da logística ao patamar de uma disciplina gerencial no meio acadêmico. Com o fim da década de 80 e início de 90, grandes e profundas transformações começam a acontecer no ambiente empresarial. Fruto da implementação de um rígido controle inflacionário, surge uma nova estrutura administrativa caracterizada por uma intensa redução do tamanho das suas instalações e do número de colaboradores. O emprego de novas ferramentas gerenciais como o downsizing eleva a logística a um papel primordial dentro desta nova organização, possibilitando sua sobrevivência em um mercado que tem no surgimento da Internet um grande fator disseminador.

18 16 Na contramão da história, muitos administradores continuavam a manter uma visão simplista da administração de cargas, focando a logística exclusivamente no transporte rodoviário. Esta forma simplista de olhar a logística está totalmente distorcida da realidade vivenciada, visto que, neste novo cenário, o papel da logística é muito mais abrangente e variado e com objetivos muito mais amplos que simplesmente o transporte. Analisando a própria definição de logística, fica claro como é amplo e ao mesmo tempo disperso seu campo de atuação. Nos EUA, a Council of Supply Chain Management Professionals, que reúne os profissionais de logística e da cadeia de abastecimento (Supply Chain) de todo mundo, chegou ao seguinte entendimento: A Logística planeja, executa, coordena e controla a movimentação e o armazenamento eficiente e econômico de matérias-primas, materiais semiacabados e produtos acabados, desde sua origem até o local de consumo, com o propósito de atender às exigências do cliente final. Ao analisar esta definição de logística, já é possível ter uma noção muito mais empresarial, muito mais ampla que a antiga conceituação de coordenação de transporte e armazenamento. A nova logística empresarial passa a englobar diversos segmentos, como a distribuição física, a administração de materiais, os suprimentos, os transportes e as operações de movimentação de materiais e produtos. Na definição de Ballo (1995), a logística empresarial é aquela que trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem que facilitam o fluxo de produtos, desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como os fluxos de informações que colocam os produtos em movimentação, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável. No Brasil, a logística passou a constituir um negócio de grandes proporções que teve uma acentuada evolução nos últimos anos. A pesquisa realizada pelo CEL 1, no ano de 2003, já destacava que as 500 maiores empresas industriais brasileiras gastavam cerca de R$ 39 bilhões por ano em suas operações logísticas, o que equivaleria, na época, a uma média de 7% dos seus faturamentos. Importante ressaltar ainda que este percentual poderia variar de menos de 5%, a mais de 20%, dependendo da empresa e do setor industrial de atuação. Um 1 Pesquisa de terceirização em logística

19 17 exemplo está em setores como bebidas, alimentos e materiais de construção, que se caracterizam pelo altos gastos logísticos, muito superiores à média nacional. Em termos de Brasil, a estimativa com os gastos com logística ultrapassam o montante de R$ 160 bilhões por ano. Dentro deste mesmo raciocínio, está o Custo Logístico, que pode atingir valores próximos a 10% do faturamento da empresa e que, dentro da nova sistemática de gastos com controle de estoques, armazenagem e gestão de transportes, não são vistos como simples despesas, pois representam na verdade um importante investimento. Daí surge o novo entendimento de que investir em logística é uma forma de obter maior eficiência e maior produtividade. Esta nova atividade logística muito mais ampla passa a ter nos fluxos logísticos a sua essência. O Objetivo do novo gestor de logística passa a ser o de gerenciar os fluxos presentes na cadeia de suprimento, otimizando processos, reduzindo tempos e custos, ganhando com isso competitividade. A implementação dos novos modelos logísticos contrapõem com a maneira segmentada que as empresas brasileiras atuam. A adaptação dos organogramas e a gestão de processos passam a ser fundamental para que a Logística possa ser adotada de forma sistêmica, com seu foco no desempenho total. É verdade que, analisando as teorias existentes, fica evidenciado que há uma clara percepção nas empresas de que a logística passou a ter um papel estratégico, buscando gerar vantagem competitiva, dentro de um mercado amplo e globalizado. Fica cada vez mais clara a pressão, cada vez maior, da importância do trinômio: PREÇO X QUALIDADE X ATENDIMENTO. Juntamente com este novo entendimento de logística, surgem as primeiras diferenças entre a denominada logística integrada e o chamado supply chain, especialmente no que diz respeito aos serviços de transporte e armazenagem tradicionais. O serviço logístico tradicional geralmente é unidimensional, onde o foco está concentrado no transporte rodoviário e na armazenagem. Já na logística integrada, multidimensional, existe a união do transporte, da armazenagem, do controle de inventário e do sistema de controle. Na interpretação de Silva (2013, p. 31), a logística integrada deve ser entendida como um processo interno das organizações, com ênfase em quatro grandes atividades fundamentais, a saber:

20 18 a) a negociação e a compra de mercadorias; b) o transporte e movimentação dessas mercadorias compradas; c) a armazenagem e a estocagem; e, também, d) a entrega das mercadorias, beneficiadas ou não de algum processo. Como podemos evidenciar, a evolução da logística nos últimos anos foi acompanhada pela modernização de todos os elos do sistema que compõem sua estrutura, tanto quanto pelas atividades que o compõem. Dentre essas atividades, atenção especial será dada ao item transporte e movimentação das cargas, em especial por importância dentro do sistema logístico, não só das Organizações que atuam dentro do mercado globalizado, como pela própria FAB em sua necessidade de fazer chegar a tempo e a hora o item certo no destino certo para disponibilizar suas aeronaves de combate. É esta atividade que será analisada em especial a partir de agora. 2.2 TRANSPORTE DE CARGAS NO BRASIL É nítido que o transporte no Brasil atravessa um período de grande transformação frente a um forte e crescente movimento de modernização das empresas, o que vem impactando diretamente o crescimento da demanda por serviços logísticos cada vez mais eficientes, confiáveis e sofisticados. Um conjunto de problemas estruturais vem distorcendo a matriz de transportes e comprometendo, além da qualidade dos serviços ofertados e da saúde financeira dos operadores, o desenvolvimento econômico e social do país, que está inserido em um mundo cada vez mais globalizado e competitivo. Uma série de problemas estruturais são apontados por Fleury (2013, p. 231), como a causa desses problemas, dentre eles a falta de priorização dos investimentos governamentais, o excesso de regulamentação, a falta de fiscalização e o elevado custo de capital. Este conjunto de problemas levou o país a uma dependência exagerada do modal rodoviário que, por consequência, culminou com os baixos índices de produtividade, o elevado nível de insegurança nas estradas, a baixa eficiência energética e os altos níveis de poluição ambiental. Como destaca Silva (2013, p. 43), transporte é a área da logística que movimenta as mercadorias e posiciona os estoques, o que o transforma na atividade

21 19 mais visível das operações logísticas, levando muitos operadores logísticos a tratá-lo erroneamente como a única ferramenta da logística, o que já foi anteriormente desmistificado, visto ser a logística muito mais ampla que uma simples operação de movimentação de carga. A importância que é atribuída à atividade de transporte dentro da cadeia de abastecimento é justificada pelo crescimento que esse segmento vem sofrendo nos últimos anos, fruto da sua relação direta com a formação dos custos dentro do processo global da Logística Integrada e também por contribuir na redução dos gastos com estoques e nos valores de frete. Analisar a importância que cada modal de transporte assume na movimentação das cargas é fator primordial para sua melhor compreensão e aplicação. Fatores como condições geográficas de cada área ou país, natureza das mercadorias transportadas, estrutura de cada modal e, acima de tudo, o impacto deste transporte sobre a área relacionada deverão ser considerados na avaliação da escolha do modal que melhor atenderá a movimentação da carga requerida. O transporte tem a função básica de proporcionar a elevação na disponibilidade de bens, permitindo que a sociedade tenha acesso a um número ilimitado de produtos que de outra maneira não seria possível ou, se o fosse, somente estariam disponíveis a preços impeditivos. Da mesma forma, a infraestrutura de transporte também proporciona uma elevada variedade de benefícios para a sociedade, tais como a maior disponibilidade de bens, uma maior amplidão dos mercados, o aumento da concorrência, a redução dos custos das mercadorias, a especialização geográfica e o crescimento da renda da terra. Este estudo leva ao entendimento que o transporte tem um papel vital dentre aqueles elementos julgados prioritários em questões de políticas de desenvolvimento, podendo citar, entre muitos: a exploração de diversos recursos, a divisão de trabalho, o aumento do valor da terra e a produção em larga escala. Fair e Williams (1959) destacam a relação recíproca entre o desenvolvimento do transporte e o progresso econômico. No entendimento dos autores, um não pode preceder do outro por um período de tempo razoável, principalmente em razão de suas estreitas relações mútuas. Daí podemos concluir que melhorias nos transportes estimulam progressos na indústria e vice-versa.

22 20 Esta teoria ganha reforço ao analisarmos o aumento que a atividade de transporte tem apresentado em comparação a sua participação no PIB. Como fica evidenciado no gráfico abaixo, a ocorrência de um crescimento de 3,7% para 4,3% nos anos de 1985 e 2000, que significou um aumento de 400%, muito acima dos 250% ocorrido no PIB neste mesmo período Gráfico 1 Crescimento do setor transporte X PIB brasileiro Fonte: Anuário Estatístico do Brasil - IBGE Transporte PIB Já, quando se analisa o quadro abaixo, fica evidente que, ao contrário do crescimento ocorrido na participação do transporte dentro da economia brasileira, o nível de investimento neste setor não acompanhou o seu ritmo de crescimento (R$ Milhões) Gráfico 2 Evolução dos investimentos em infraestrutura de transporte Fonte: Ministério dos Transportes - ANTT - 201

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 SOBRE LOG-IN QUEM SOMOS? Quem Somos Números 96% 96% DE REDUÇÃO EM EMISSÕES DE CO 2 EM RELAÇÃO AO

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 13 Logística de transferência de petróleo INTRODUÇÃO Logística Colocar-se o produto certo, no local correto, no momento adequado e ao menor preço possível, desde as fontes de

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 132

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE SANTA FÉ DO SUL AUTOR(ES):

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

2.8 Infraestrutura. Por que Infraestrutura? Comparação Internacional

2.8 Infraestrutura. Por que Infraestrutura? Comparação Internacional 2.8 Infraestrutura Por que Infraestrutura? Uma rede eficaz de transportes intermodal é fundamental para a competitividade da indústria. A logística eficiente permite a realização das entregas dos insumos

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística?

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística? Relembrando...O Que é Logística? Logística e Distribuição A atividade de Transporte 1 2 Conceito Formal de Logística Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística é o processo de planejar,

Leia mais

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade Maio 2009 Por que o Conteiner não vai mais longe na Ferrovia? Painel Ferrovias Contexto Ferrovias - Brasil 11 malhas concedidas à iniciativa privada totalizam

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR.

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. JORENTE, Marroni Angélica. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: angelicamarroni@flash.tv.br MICHEL, Murillo. Docente da

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Wallenius Wilhelmsen Logistics. Making a Multimodal Brazil

Wallenius Wilhelmsen Logistics. Making a Multimodal Brazil Wallenius Wilhelmsen Logistics Making a Multimodal Brazil Agenda This is Wallenius Wilhelmsen Logistics Multimodal in Brazil Trucking Rail Air Sea Future This is Wallenius Wilhelmsen Logistics A global

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

Logística Agroindustrial alguns conceitos. Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp.

Logística Agroindustrial alguns conceitos. Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp. Logística Agroindustrial alguns conceitos Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp.br POR QUE LOGÍSTICA?? Produção O Agronegócio no Brasil 1º 1º 1º 2º 2º

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO TRANSPORTE TRANSPORTE EM LOGÍSTICA É a movimentação de produtos entre regiões geográficas ou área de comércio, elevando o

Leia mais

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema O sistema de transporte é um elemento importante para o crescimento de cidades e de indústrias, para a geração de renda, de emprego e de estabilidade

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Acarência de informações

Acarência de informações Custos logísticos na economia brasileira Maurício Pimenta Lima Introdução Acarência de informações sobre custos logísticos no Brasil torna freqüente a utilização de dados defasados. O grande problema é

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de Andrade Pereira Prof. Wilson Kuster Versão 2015 TRANSPORTE

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NA VIDA DAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NA VIDA DAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA NA VIDA DAS EMPRESAS Autores 1 : Alessandro Aurélio Ribeiro Alessandro Carvalho Orientadora 2 : Prof. Nanci Ribeiro Prestes RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo uma

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL Tatiana Torres Em um país com tantas deficiências em termos de gestão, investimentos e política pública,

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira Mauro Dias Diretor-Presidente 1 Seminário Cabotagem Brasileira Agosto 2009 Mercado de Cabotagem de Contêineres O mercado de contêineres

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS ANDRÉA VIEIRA LAURINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS ANDRÉA VIEIRA LAURINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS ANDRÉA VIEIRA LAURINO A VIABILIZAÇÃO DO TRANSPORTE INTERMODAL NO ESCOAMENTO DE ARROZ EM LONGOS

Leia mais

Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo.

Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo. Confiança. Diversidade. Competência. Seu desejo é o nosso estilo. O CLIENTE EM PRIMEIRO LUGAR Nossos clientes são tão exclusivos quanto os nossos serviços. Por isto, a O. Lisboa é grande o suficiente para

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Estratégia Unindo Ações OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Fortalecer a capacidade de planejamento buscando o alinhamento das esferas de governo e sociedade Incorporar

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11 Introdução Nos trabalhos sobre aeroportos e transporte aéreo predominam análises específicas que tratam, por exemplo, do interior do sítio aeroportuário, da arquitetura de aeroportos, da segurança aeroportuária,

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG

Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG Infraestrutura de transportes no Brasil: políticas para elevar a oferta e a eficiência dos modais de transporte PAULO RESENDE, Ph.D. Núcleo FDC de Infraestrutura,

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

Identificação dos Custos Logísticos

Identificação dos Custos Logísticos Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade - Identificação dos Custos Logísticos MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Washington Luís Reis Revisão Textual: Profa. Esp.

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE FERROVIÁRIO OUTUBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS O transporte ferroviário responde por 20,7% do transporte de cargas no Brasil e por 0,5% do transporte

Leia mais

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA DÉCADA DE 70 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO DÉCADA DE 80 SISTEMA INTEGRADO DÉCADAS DE 90 / 00 SERVIÇO

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL

LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL LOG-IN LOGÍSTICA INTERMODAL Seminário: Terminais, Ferrovias e Contêineres Maio/2009 A Empresa Nossa Atuação Logística de Minério de Ferro Transporte, manuseio e armazenagem de minério de ferro e pelotas

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PRIMEIRA FASE 01 ECONOMIA Definições e conceitos de economia; macroeconomia; microeconomia; a organização econômica; a atividade de produção; a moeda; a formação de preços; economia de mercado: consumo,

Leia mais

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL SOBRE LOG-IN BENEFÍCIOS MONITORAMENTO 24HS DAS CARGAS Monitoramento de risco e informação de todas as viagens; INTERMODALIDADE

Leia mais