Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012"

Transcrição

1

2 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

3 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário para o segundo semestre de O levantamento demonstra a percepção do transportador em relação ao cenário econômico, considerando os acontecimentos do primeiro semestre do ano. São reavaliados temas como taxa de juros, crescimento do PIB e investimentos. O documento é um importante instrumento de análise quanto ao atual cenário e às expectativas econômicas. Com este trabalho, a CNT, mais uma vez, cumpre o relevante trabalho de elaborar avaliações, estudos e pesquisas voltados a apoiar o desenvolvimento do setor de transporte no Brasil. Senador Clésio Andrade Presidente da CNT

4 ÍNDICE Dados técnicos...05 Metodologia...05 Produto Interno Bruto...06 Inflação Carga Tributária do Setor...08 Juros...09 Crise Econômica Internacional Investimentos...11 Atividade de Transporte...13 Custo dos Insumos Investimentos do Setor...17 Aquisição de Veículos Conclusão...21 Anexo...23

5 DADOS TÉCNICOS Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário para Fase 2. Público alvo: Abrangência: Método de coleta: Empresas de transporte de cargas, passageiros urbanos ou passageiros rodoviários. Nacional. Coleta de dados via internet. Período de coleta: 09 a 31 de agosto de Metodologia A Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Fase 2 foi realizada pela Confederação Nacional do Transporte com empresas do Transporte Rodoviário de Cargas e de Passageiros durante o período de 09 a 31 de agosto de A coleta de dados foi feita mediante aplicação de formulário eletrônico encaminhado aos dirigentes das empresas. Os objetivos foram reavaliar a percepção e mensurar a evolução das expectativas dos transportadores rodoviários sobre temas econômicos na comparação com a primeira fase da sondagem realizada em março de 2012.

6 Produto Interno Bruto Transportadores revelam-se pessimistas quanto ao desempenho econômico brasileiro O reduzido desempenho da economia brasileira, mesmo após diversos pacotes de incentivo do Governo Federal, afeta negativamente a expectativa do transportador rodoviário quanto à taxa de crescimento do PIB. Na sondagem de expectativas realizada no início de 2012, apenas 8,7% dos transportadores acreditavam na desaceleração da economia. No atual levantamento, 51,1% dos participantes esperam uma redução da taxa de crescimento do PIB para o presente ano. Essa expectativa é influenciada pela atual redução no ritmo de crescimento da economia do país e do mundo e também condiz com as previsões de diferentes setores do mercado, que, cada vez mais, apontam para a diminuição na taxa de crescimento do PIB para 2012 em relação ao ano anterior. Em 2011, o país cresceu 2,7%. Atualmente o mercado projeta um crescimento de 1,6% para Relatório FOCUS/BACEN de Expectativa de crescimento do PIB ,1% 45,7% ,2% 37,7% 2 1 8,7% 13,3% 8,0% 3,3% 6

7 Inflação Metade dos entrevistados acredita que a taxa de inflação aumentará Para 5 dos transportadores, a taxa de inflação aumentará em Esse resultado é mais pessimista quando comparado com a sondagem anterior, em que 38,4% dos entrevistados acreditavam que a taxa de inflação se elevaria. Juntamente com a expectativa de redução no crescimento do PIB, a expectativa de elevação da inflação demonstra que os transportadores estão pessimistas quanto ao futuro da economia do país. Um cenário de baixo dinamismo econômico e elevação no nível geral de preços pode acarretar redução de receitas e aumento de custos para diversos setores da economia, inclusive para o setor de transporte. Em relação ao impacto da taxa de inflação na atividade de transporte, a atual sondagem confirmou o resultado da pesquisa anterior. Em ambas, pouco mais de 50% dos entrevistados afirmam que a inflação tem um impacto moderado sobre a atividade. Expectativa para a taxa de inflação ,9% 38,9% 38,4% ,9% 8,9% 3,8% 2,2% Impacto da taxa de inflação na atividade de transporte ,8% 41,1% 52,2% 50,2% ,3% 4,4% 1,7% 2,2% Elevado Moderado Baixo Não sabe 7

8 Carga Tributária do Setor Transportadores estão mais otimistas no que se refere à carga tributária Dos participantes desta sondagem, 46,7% acreditam no aumento da carga tributária no setor. Porém, o percentual somado de transportadores que esperam a manutenção ou redução da carga tributária é de 52,2%. No conjunto, houve uma mudança de expectativa em relação a essa variável, já que na sondagem anterior, a maior parte (51,2%) acreditava no aumento da carga tributária. Essa mudança de expectativa é influenciada pelas medidas do governo em 2012 que reduziram a carga tributária. Por exemplo, as alíquotas da CIDE- Combustíveis para gasolina e diesel, que iniciaram o ano em R$ 0,091 / litro e R$ 0,047 / litro, respectivamente, foram reduzidas a zero em junho de Em maio, o IPI para carros e comerciais leves foi reduzido de 7% para zero 2 e de 4% para 1%, respectivamente. Para a grande maioria (87,8%) dos transportadores, a carga tributária tem elevado impacto sobre a atividade de transporte. O resultado é condizente com a sondagem anterior, em que 87,2% dos entrevistados afirmavam o mesmo. 2. Veículos de até cilindradas. Expectativa para a carga tributária ,1% 43,3% 51,2% 46,7% ,9% 5,9% 2,8% 1,1% Impacto da carga tributária sobre a atividade de transporte 87,2% 87,8% 10,7% 11,1% 1,4% 0,7% 1,1% Elevado Moderado Baixo Não sabe 8

9 JUROS Maioria dos transportadores acredita na manutenção da taxa de juros Para 44,4% dos entrevistados, a taxa de juros se manterá em Esse resultado representa uma alteração de expectativas em relação à sondagem anterior, quando a maioria (34,9%) acreditava na elevação da taxa de juros. Esse ajuste nas expectativas foi influenciado pela redução da taxa básica de juros (SELIC) e pelo repasse dessa queda às taxas de juros cobradas pelo sistema bancário. A SELIC iniciou o ano em 11% a.a. e atualmente está em 7,5% a.a. 3. Já a taxa de juros média para aquisição de veículos automotores, que era de 31,48% a.a. em janeiro de 2012, passou para 28,45% em setembro deste ano 4. A redução da taxa de juros beneficia de várias formas o transportador. O custo de financiamento de veículos se reduz, assim como diminui o custo com capital de giro e empréstimos para ampliação de instalações. Os recursos financeiros que sobram com essa economia podem ser direcionados para outros fins, como investimento em sistemas de controle e gerenciamento ou treinamento de pessoal. Para 54,4% dos entrevistados, a taxa de juros tem um elevado impacto sobre a atividade de transporte rodoviário. 3. Reunião do COPOM de Fonte: BACEN. Média das taxas de juros para financiamento de veículos automotores para pessoa física cobradas pelo sistema bancário. Expectativa para a taxa de juros ,4% ,5% 33,3% 29,8% 34,9% ,8% 64,7% Impacto da taxa de juros na atividade de transporte 54,4% 25,3% 35,6% 8,7% 8,9% 1,4% Elevado Moderado Baixo Não sabe 2,2% 1,1% 9

10 CRISE ECONÔMICA INTERNACIONAL Transportadores esperam que a crise internacional tenha um impacto moderado no Brasil O fraco desempenho econômico de outros países em virtude da crise internacional ainda afeta a economia nacional de várias formas, como redução das exportações brasileiras e do fluxo de capitais estrangeiros para o Brasil. Isso se refletiu na mudança de expectativas dos transportadores, que se tornaram mais pessimistas quanto às consequências da crise. Atualmente, o percentual de entrevistados que acredita que a crise internacional afetará o Brasil subiu de 84,4% para 91,1% em comparação com a sondagem de expectativas realizada no início de Além disso, 87,9% dos transportadores esperam que a crise tenha um impacto alto ou moderado sobre a economia nacional, um número superior quando comparado com o levantamento anterior (77,0%). A crise econômica internacional afetará o Brasil? ,4% 91,1% 12,1% 6,7% 3,5% Sim Não Não sabe Expectativa de impacto da crise internacional 2,2% ,0% 66,8% ,7% 15,9% 10,2% 6,1% 6,1% 3,3% Alto Moderado Baixo Não sabe 10

11 INVESTIMENTOS Transportadores estão mais pessimistas com o nível de investimento no país Com exceção do investimento privado em infraestrutura rodoviária, os transportadores esperam a manutenção do nível de investimento do país. Contudo, esse resultado é mais pessimista que o encontrado na primeira sondagem para 2012, quando a maioria esperava uma elevação do nível de investimentos. Na sondagem anterior, 45,3% dos entrevistados acreditavam numa elevação do investimento total em Agora, a maior parte dos transportadores (42,2%) acredita na manutenção do nível de investimento total. Esse padrão também foi observado em relação ao investimento público geral e ao investimento público em rodovias: a maior parte dos transportadores acredita na manutenção desse tipo de investimento. No levantamento realizado no primeiro semestre de 2012, a maioria acreditava numa elevação. De fato, os dados de investimento público em infraestrutura rodoviária, de janeiro a agosto deste ano, mostram uma redução de 22,5% quando comparados com igual período do ano anterior. Durante os oito primeiros meses de 2011, foram investidos R$ 6,07 bilhões. Para igual período em 2012, foram investidos R$ 4,70 bilhões. Isso demonstra que as expectativas dos transportadores são influenciadas pelo ritmo do investimento público em rodovias no país. Em relação às condições das rodovias, para 43,3% dos transportadores haverá manutenção da qualidade. Apesar disso, os entrevistados estão mais pessimistas que na sondagem anterior, quando a maioria (38,8%) acreditava numa melhoria das condições das estradas. Esse resultado pode ser influenciado pela expectativa pessimista em relação ao investimento no país. Expectativa para investimento total no país ,2% 39,1% 45,3% 3 25,6% 29,8% 27,8% ,4% 5,2% 4,4% 11

12 5 4 Expectativa para investimento público em infraestrutura geral 33,6% 43,3% 46,7% 32,2% ,9% 22,2% 29,8% 1 3,8% 2,2% Expectativa para investimento público em infraestrutura rodoviária ,1% 42,2% 40,1% ,3% 23,3% 31,1% 1 3,5% 3,3% Expectativa para investimento privado em infraestrutura rodoviária ,9% 37,4% 46,7% 42,2% ,7% 14,4% 6,2% 4,4% Expectativa para condições das rodovias ,3% 43,3% 38,8% 3 24,9% 28,9% 26,7% 2 1 1,0% 1,1% 12

13 ATIVIDADE DE TRANSPORTE Transportadores estão pessimistas em relação à sua atividade A maior parte dos transportadores acredita na redução das principais variáveis que definem o ritmo de sua atividade: receita bruta (41,1%), número de viagens (44,4%) e volume de carga ou número de passageiros transportados (38,9%). Em relação a esses quesitos, houve uma mudança significativa em relação ao primeiro semestre de 2012, quando mais de 50% dos entrevistados acreditavam numa elevação dessas variáveis. Quando perguntados sobre a expectativa para contratação formal de empregos, 46,7% acreditam na manutenção do ritmo de contratação. Mesmo assim, é um resultado mais pessimista que o da sondagem anterior, quando a maioria (42,6%) esperava aumento no número de funcionários contratados. Isso demonstra que o setor de transporte rodoviário sentiu os efeitos da crise. Dado que o ritmo de crescimento da economia diminuiu, a produção e o consumo de mercadorias também se reduzem. Portanto, a demanda por serviços de transporte é negativamente afetada. Para se ajustar à expectativa de queda de receita, os transportadores esperam contratar menos. Expectativa para receita bruta ,8% ,1% 33,3% 28,4% 24,4% 11,8% 2,1% 1,1% Expectativa para o número de viagens realizadas pelos veículos da empresa ,8% ,4% 3 27,0% 24,4% 2 14,5% 1 0,7% 1,1% 13

14 Expectativa para o volume de carga ou nº de passageiros transportados ,0% ,9% 31,1% 26,6% 27,8% ,8% 5,5% 2,2% Expectativa para a contratação formal de empregos ,6% 31,1% 38,8% 46,7% 42,6% 21,1% 21,1% 1,1%

15 CUSTO DOS INSUMOS Mais transportadores esperam aumento de preços dos principais insumos Na primeira Sondagem de Expectativas de 2012, a maior parte dos transportadores acreditava na elevação de preço dos principais insumos. Atualmente, a proporção de entrevistados que acredita nisso se elevou. Para 84,4%, o preço do diesel aumentará, contra 60,2% da sondagem anterior. Em relação aos lubrificantes, 85,6% acredita na elevação do preço (anteriormente, esse percentual era de 68,5%). Agora, 77,8% esperam aumento no preço de pneus, contra 73,4% do levantamento anterior. A expectativa de elevação de preços dos principais insumos inibe planos de investimentos futuros e afeta negativamente a contratação futura de mão-de-obra. Caso essa expectativa de aumento de custos se confirme, pode ocorrer repasse aos preços das mercadorias transportadas, dado que o transporte de cargas é uma atividade meio. Em relação ao transporte de passageiros, caso ocorra repasse ao preço das passagens, o consumidor final será diretamente afetado. Expectativa para o preço de diesel ,2% 84,4% ,2% 14,4% 6,2% 1,4% 1,1% Expectativa para o preço de lubrificante ,5% 85,6% ,6% 13,3% 5,9% 1,0% 1,1% 15

16 Expectativa para o preço de pneus ,4% 77,8% ,1% 20,1% 5,9% 0,7% 1,1%

17 INVESTIMENTOS DO SETOR Transportador espera manter o nível de investimento da atividade Assim como na sondagem anterior, os transportadores esperam manter o nível de investimento em sua atividade. Para 61,1% dos entrevistados, a expectativa é de manutenção do tamanho da frota. Contudo, esse resultado revela um certo pessimismo com relação à sondagem anterior, quando 44,6% esperavam aumentar o tamanho da frota. Cerca de 64% dos entrevistados têm a expectativa de manter também a abrangência geográfica de seu negócio. Em relação às instalações físicas, pouco mais de 75% esperam mantê-las. Expectativa do tamanho da frota ,1% ,6% 44,6% ,8% 9,7% 1,0% 1,1% Expectativa de ampliação da abrangência geográfica ,3% 64,4% ,1% 17,8% 14,4% 4,8% 1,7% 3,3% 17

18 Expectativa de ampliação das instalações físicas ,9% 75,6% ,2% 11,1% 11,1% 4,2% 1,7% 2,2%

19 AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS A maior parte dos entrevistados não adquiriu veículos em 2012 e não espera fazê-lo no restante do ano. Pouco mais de 65% dos transportadores participantes desta sondagem não adquiriram veículos em Dentre os que compraram, a maioria (quase 40%) utilizou a linha de financiamento do Programa de Sustentação do Investimento (PSI) do BNDES. A segunda modalidade de financiamento mais utilizada foi o Leasing (28,6%), incluindo o FINAME Leasing do BNDES. Quando perguntados se esperam adquirir algum veículo no restante do ano, mais da metade (55,6%) respondeu negativamente. Esse resultado reflete uma mudança de expectativas dos transportadores, já que na 1ª fase da sondagem, a maioria (66,8%) pretendia adquirir um veículo. Dentre os que ainda esperam comprar neste ano, quase 50% pretende fazê-lo via PSI/BNDES, conforme a 2ª fase da sondagem. Dado que os transportadores esperam um maior impacto da crise internacional no país, refletindo-se numa expectativa mais pessimista em relação ao crescimento do PIB, há um impacto negativo na receita bruta esperada. Isso afeta os investimentos futuros dos transportadores (abrangência geográfica e instalações físicas) e a expectativa do ritmo de atividade do transporte (volume de carga transportada, número de viagens, etc.). Com isso, os transportadores não planejam adquirir veículos ao longo do ano. Adquiriu veículos no último semestre? (fase 2) ,2% ,6% 1 2,2% Sim Não Não sabe 19

20 Qual forma de pagamento foi utilizada para adquirir o veículo? (fase 2) 45,0% 39,3% 4 35,0% 3 28,6% 25,0% 2 15,0% 10,7% 1 7,1% 7,1% 5,0% 3,6% 3,6% 3,6% À vista Leasing (incluindo Finame Leasing) PSI (BNDES) PROCAMINHONEIRO (BNDES) Outras formas de financiamento Finame BNDES Financiamento CDC Não sabe Pretende adquirir novos veículos? ,8% 32,2% 20,4% 55,6% 12,8% Sim Não Não sabe 12,2% Como pretende adquirir o veículo? (fase 2) 60,00% 50,00% 48,3% 40,00% 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% 20,7% Leasing (incluindo Finame Leasing) PSI (BNDES) PROCAMINHONEIRO (BNDES) 10,3% 6,9% Consórcio Outras formas de financiamento 3,4% 3,4% 3,4% 3,4% Juros mais baratos possíveis Parte à vista e parte financiada Não sabe 20

21 CONCLUSÃO Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 A sondagem de Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário para 2012 chega a sua segunda fase. Com os novos resultados, é possível traçar um comparativo em relação à primeira fase da pesquisa, realizada entre janeiro e março deste ano. O otimismo verificado em alguns temas, como a expectativa de redução da carga tributária, é contrastado com uma expectativa negativa em relação a outras variáveis, como o ritmo de crescimento da economia. A maior parte dos entrevistados (91,1%) acredita que a atual crise internacional, marcada pelo menor crescimento econômico de países desenvolvidos, terá um impacto negativo sobre a economia brasileira. Além disso, mais transportadores acreditam que esse impacto será maior, quando comparado com a primeira sondagem. Devido à conjuntura internacional e aos entraves da economia nacional, o ritmo de crescimento brasileiro está diminuindo. Isso influencia as expectativas dos transportadores, já que mais da metade (51,1%) espera uma redução da taxa de crescimento do PIB em Esse resultado é bem mais pessimista que o encontrado na primeira fase da sondagem, quando apenas 8,7% esperavam isso. Para estimular a economia, o governo vem adotando uma série de medidas, como a redução de impostos e da taxa de juros. Isso se reflete na mudança de expectativas dos entrevistados, que estão mais otimistas quanto ao comportamento futuro dessas duas variáveis. Na comparação entre as duas fases da sondagem, diminuiu o número de entrevistados que acredita na elevação da carga tributária (de 51,2% para 46,7%) e da taxa de juros (de 34,9% para 2). Apesar das medidas positivas adotadas pelo governo, o nível de investimento público em infraestrutura rodoviária vem diminuindo, na comparação entre 2012 e Além disso, a redução no ritmo de crescimento da economia pode influenciar negativamente os investimentos privados em rodovias. Isso explica as expectativas mais pessimistas que os transportadores apresentaram em relação aos diversos tipos de investimento, na comparação com a sondagem anterior. Sobre o desempenho da atividade de transporte, os entrevistados se mostraram mais pessimistas em relação à primeira fase da pesquisa. Agora, a maioria espera redução da receita bruta (41,1%), do número de viagens realizadas (44,4%) e do volume de carga ou do número de passageiros transportados (38,9%). Na sondagem anterior, a maior parte dos transportadores esperava a elevação dessas variáveis. 46,7% dos entrevistados esperam manter o nível de contratação formal de emprego. Na sondagem anterior, maioria (42,6%) tinha expectativa de aumentar a contratação. 21

22 Apesar de uma expectativa mais negativa em relação à receita bruta, a maior parte dos transportadores acredita na manutenção dos níveis de investimentos no setor tamanho da frota (61,1%), abrangência geográfica da atividade (64,4%) e tamanho das instalações físicas (75,6%). Esse resultado é semelhante ao encontrado na pesquisa anterior, embora tenha se reduzido o percentual de entrevistados que esperam elevar essas três categorias de investimentos. A expectativa de menor dinamismo da economia e do setor de transporte repercutiu no planejamento futuro de aquisição de veículos. Anteriormente, a maioria esperava comprar veículos (66,8%), o que não foi verificado na atual sondagem, em que a maior parte dos entrevistados não planeja adquirir (55,6%). Para aqueles que ainda pretendem comprar, a maioria (48,3%) espera utilizar o financiamento do PSI (BNDES), que conta com taxas de juros mais atrativas e condições facilitadas. A segunda fase da sondagem de Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário para 2012 refletiu a mudança da conjuntura econômica nacional e internacional ao longo do primeiro semestre. Frente a um cenário mais adverso, a maioria dos transportadores espera redução do ritmo de crescimento da economia, o que repercute numa expectativa mais negativa em relação à receita bruta. Embora os entrevistados esperem a redução de investimentos em infraestrutura no país, a maioria manterá seus planos de investimentos no setor de transporte (tamanho da frota, abrangência geográfica da atividade e tamanho das instalações físicas). Essa postura é benéfica para o país, podendo trazer efeitos positivos para outros setores. 22

23 ANEXO

24 Temas Macroeconômicos questionário Questão 1. Na sua opinião, considerando o desempenho do primeiro semestre do ano, como será o comportamento dos seguintes temas em 2012: Taxa de crescimento do PIB brasileiro (2,7% em 2011) Inflação (6,5% em 2011) Carga Tributária Taxa de juros Questão 2. A crise econômica internacional poderá atingir a economia brasileira? Sim Não Não sabe Questão 2.1. E qual será o impacto da crise internacional na economia brasileira? Alto Moderado Baixo Não sabe 24

25 Investimento questionário Questão 3. Considerando os investimentos já realizados neste ano, qual a sua expectativa para o volume de recursos destinados a: Investimento total no país Investimento público em infraestrutura geral Investimento público em infraestrutura rodoviária Investimento privado em infraestrutura rodoviária Questão 4. Em relação à condição das rodovias, qual a sua expectativa para 2012? Piorar Manter-se Melhorar Não sabe Atividade da Empresa Questão 5. Com relação à sua atividade, considerando o atual cenário econômico do país, qual é a expectativa para os seguintes tópicos em 2012? Receita bruta Nº de viagens realizadas por seus veículos Volume de carga ou número de passageiros transportados Contratação formal de empregados 25

26 Questão 6. Considerando a evolução dos preços no primeiro semestre do ano, qual a sua expectativa para o preço dos seguintes insumos no segundo semestre de 2012? questionário Diesel Lubrificantes Pneus Questão 7. Qual o impacto atual dos seguintes itens para a sua empresa? Elevado Moderado Baixo Não sabe Carga tributária Inflação Taxa de juros Questão 8. Considerando o atual cenário econômico brasileiro, qual a sua expectativa em relação à estrutura de sua empresa para 2012? Tamanho da frota Abrangência geográfica da prestação de serviços Instalações físicas Questão 9. Sua empresa realizou aquisição de veículos no primeiro semestre de 2012? Sim Não Não sabe 26

27 Questão 9.1. Qual a modalidade de pagamento foi utilizada para a aquisição dos veículos? questionário À vista Leasing (incluindo Finame Leasing) PSI (BNDES) Procaminhoneiro (BNDES) Consórcio Outras formas de financiamento Não sabe Questão 10. Sua empresa pretende fazer aquisição de veículos no segundo semestre de 2012? Sim Não Não sabe Questão 11. Considerando a possibilidade de aquisição de veículos no segundo semestre, qual a modalidade prioritária de pagamento que pretende utilizar? À vista Leasing (incluindo Finame Leasing) PSI (BNDES) Procaminhoneiro (BNDES) Consórcio Outras formas de financiamento Não sabe 27

28

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013 16 de dezembro de 2013 Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013 O ICEC é um indicador da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) que visa medir o nível

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 Considerações Iniciais A combinação juros, inflação e câmbio tem tomado maior tempo das análises e preocupações do governo

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul. 18 de Agosto de 2014

Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul. 18 de Agosto de 2014 Previsões para a Indústria Automobilística América do Sul 18 de Agosto de 2014 Agenda Indicadores Econômicos Relevantes Maiores problemas que afetam a produção no Brasil Exportações para a Argentina Declínio

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indicadores CNI INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Momento difícil da indústria se reflete nos investimentos Intenção de investimento para 2015 é a menor da pesquisa Em 2014, 71,8% das empresas investiram 7,9

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Brasília (DF), 06 de outubro de 2015 1 Diretoria Estratégia da Marca Gerência de Assessoramento Econômico Economia Internacional

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8 Conteúdo Introdução... 4 Percepção sobre a economia e o comércio... 5 Gargalos da economia brasileira... 7 Consumo das famílias... 8 Ambiente regulatório... 9 Logística pública... 10 Mão de obra... 10

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 6 Junho de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Falta de crédito dificulta recuperação

Leia mais

Desempenho de vendas do setor segue forte

Desempenho de vendas do setor segue forte Macro Setorial segunda-feira, 20 de maio de 2013 Veículos Desempenho de vendas do setor segue forte Depois de obter recorde na venda de automóveis e comerciais leves em 2012, impulsionado por incentivos

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista. Vendas no 2 Semestre de 2013 e Expectativa de vendas para o 1 Semestre de 2014

Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista. Vendas no 2 Semestre de 2013 e Expectativa de vendas para o 1 Semestre de 2014 Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista Vendas no 2 Semestre de 2013 e Expectativa de vendas para o 1 Semestre de 2014 2014 Apresentação Observar e entender como foram às vendas no início do ano são

Leia mais

Construção encerra o ano em ritmo fraco

Construção encerra o ano em ritmo fraco SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 4 Número 12 Dezembro de 2013 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Dificuldade no acesso ao crédito

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015 Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito Banco Central do Brasil Fevereiro de 215 Indicadores de Condições de Crédito Objetivos: Verificar o sentimento dos últimos meses sobre o mercado de crédito e

Leia mais

PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS. Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac.

PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS. Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac. PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac. 1 APRESENTAÇÃO Com a aproximação do Dia dos Pais, a Fecomércio/Ac,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Nova Estrutura de Dados de Crédito

Nova Estrutura de Dados de Crédito Nova Estrutura de Dados de Crédito Este boxe apresenta as principais alterações introduzidas recentemente nas estatísticas de crédito publicadas pelo Banco Central 1. A reformulação objetivou ampliar a

Leia mais

Empresas de Minas diminuem investimento

Empresas de Minas diminuem investimento Ano 5 Nº 1 JANEIRO 2015 Empresas de Minas diminuem investimento No ano de 2014 mais da metade das empresas mineiras realizaram investimentos, no entanto, desde o início da pesquisa em 2010, o percentual

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião

Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião Resultados da 112ª Pesquisa CNT de Opinião Brasília, 03/08/2012 A 112ª Pesquisa CNT de Opinião, realizada de 18 a 26 de Julho de 2012 e divulgada hoje (03 de Agosto de 2012) pela Confederação Nacional

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL Janeiro 2014

ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL Janeiro 2014 ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL Janeiro 2014 Relatório Sinop janeiro/2014 C I S E - U N E M A T Página 1 O ICE ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL O ICE Índice de Confiança Empresarial busca mapear a percepção

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS Indicadores dos Níveis de Atividade e Emprego continuam em tendência de queda na Indústria da Construção de Alagoas e do Nordeste no 2º Trimestre de 2015 2º

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em mar/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,06 trilhões em mar/15, após alta de 1,2% no mês

Leia mais

Indicadores de Desempenho Julho de 2014

Indicadores de Desempenho Julho de 2014 Alguns fatores contribuiram para acentuar a desaceleração da produção industrial, processo que teve início a partir de junho de 2013 como pode ser observado no gráfico nº 1. A Copa do Mundo contribuiu

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família Núcleo de Pesquisas Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina Os dados levantados pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (PEIC) de Santa

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

Matriz Energética Brasileira do Setor Transportes

Matriz Energética Brasileira do Setor Transportes Matriz Energética Brasileira do Setor Transportes Eduardo Luiz Correia Estudos de Mercados e Negócios Estratégia Corporativa 05 de novembro de 2010 1 A Petrobras construiu 4 Cenários com o horizonte de,

Leia mais

Carga tributária sobe mais forte em 2014

Carga tributária sobe mais forte em 2014 Carga tributária sobe mais forte em 2014 Com fim de desonerações para carros e linha branca, peso dos tributos ante o PIB deve crescer até 0,5 ponto percentual Após arrecadação recorde da Receita Federal

Leia mais

Confiança do comércio paranaense volta a subir

Confiança do comércio paranaense volta a subir Pesquisa de Opinião do Empresário do www.fecomerciopr.com.br www.sebraepr.com.br COMÉRCIO Nº 25 ANO 11 MÊS JANEIRO / JUNHO 2014 Confiança do comércio paranaense volta a subir Apresentação 1º 2014 Confiança

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Variáveis Macroeconômicas Pesquisa de Projeções Macroeconômicas (Média) Efetivos Efetivos Pesquisas anteriores 2012 2013 Pesquisa

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES A Receita dos Serviços de Locação da Ouro Verde registrou novamente crescimento significativo, de 25,0% na comparação com o 1S13. A receita líquida total, incluindo

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo Cliente: Trade Energy Veículo: Portal R7 Assunto: Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas Data: 21/01/2015 http://noticias.r7.com/economia/saiba-o-que-vai-mudar-no-seu-bolso-com-as-novas-medidaseconomicas-do-governo-21012015

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC)

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) 10 de abril de 2013 Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) O ICEC é um indicador da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) que visa medir o nível de confiança

Leia mais

Nota Data 8 de maio de 2013

Nota Data 8 de maio de 2013 Nota Data 8 de maio de 2013 Contato Flávio Resende Proativa Comunicação flavioresende@proativacomunicacao.com.br Tel: (61) 3242-9058/9216-9188 Kadydja Albuquerque Proativa Comunicação coordenacao@proativacomunicacao.com.br

Leia mais

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito 1ª GESTÃO DILMA Menor rigor fiscal Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito Controles diretos de preços (gasolina e energia, por exemplo) e desonerações

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges

Indústria. Prof. Dr. Rudinei Toneto Júnior Renata de Lacerda Antunes Borges A Sondagem Industrial (SI) e o Índice de Confiança (ICEI) são elaborados pela unidade de Política Econômica da Confederação Nacional das s (CNI) em conjunto com as Federações das s dos 23 estados brasileiros

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 22 dezembro de 2014

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 3 Março de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Piora na situação financeira é

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

INVESTIMENTOS FEDERAIS EM TRANSPORTE 1-2015

INVESTIMENTOS FEDERAIS EM TRANSPORTE 1-2015 Maio de 215 INVESTIMENTOS FEDERAIS EM TRANSPORTE 1-215 Investimentos Diretos da União (Orçamento Fiscal da União) 2 - Transporte - acumulado até abril/215 (R$ milhões) Valor Pago (exercício 215) Restos

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015 1. Introdução O Crédito Rural abrange recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização. As suas regras, finalidades e condições estão estabelecidas no Manual de Crédito Rural (MCR), elaborado

Leia mais

O Endividamento das famílias no Brasil

O Endividamento das famílias no Brasil Boletim Econômico Edição nº 74 junho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O Endividamento das famílias no Brasil 1 Situação atual e números O percentual de famílias com

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

MOEDA E CRÉDITO. Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1

MOEDA E CRÉDITO. Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1 MOEDA E CRÉDITO Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1 SUMÁRIO Em sua reunião de 20 de janeiro último, o Copom manteve a meta para a Selic estável em 14,25%. A decisão parece ter surpreendido o mercado, como

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Medidas de Incentivo à Competitividade Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Devolução mais rápida de créditos tributários federais por exportações Devolução de 50% dos créditos de PIS/Pasep, Cofinse IPI

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN MARÇO/ 2009 Fonte: Bacen 23/04/2009 DESTAQUES DE MARÇO/ 2009 O estoque total de crédito contratado no SFN totalizou R$ 1,23 trilhões em Março. Esse montante representou uma

Leia mais