Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar"

Transcrição

1 Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar André Cristóvão Martins ALFRAPARK Edifício C Piso 2 Estrada do Seminário, 4 - Alfragide AMADORA (Portugal) Telemóvel: de Junho de 2012 Resumo Pretende-se com este artigo dar a conhecer boas práticas circundantes ao processo de desenvolvimento de Software com vista a contribuir para o aumento de eficiência/eficácia e qualidade do produto final a desenvolver. Este artigo é também um testemunho pessoal com vista a que todos os leitores possam encarar a qualidade com outros olhos. Palavras-chave: Quality Assurance, Automatização, Integração Contínua, Autonomia de uma equipa de QA Onde Começa QA? É sabido que quanto mais cedo existirem tarefas de Quality Assurance no seio de um projeto, maior ganho de qualidade tem o produto final. O Modelo V (ilustrado na Figura 1) advoga isso mesmo, sendo um modelo que representa um processo de desenvolvimento de Software. Sucintamente, o Modelo V enfatiza a importância de considerar as atividades de testes durante o processo, ao invés de uma fase de testes após o término do processo. Deste modo, aquando levantamento dos requisitos e definição da especificação funcional, uma equipa de testes deve, paralelamente, elaborar o caderno de especificação de casos de teste de aceitação e o caderno de especificação de casos de teste funcionais. Posteriormente e, com a elaboração do caderno de especificação técnica, a equipa de testes deve conceber o caderno de especificação de casos de teste de integração. Na fase de implementação dos módulos de software são especificados os casos de teste unitários. Nesta fase, é atingido o vértice do V e começa a execução dos testes anteriormente especificados. Cronologicamente a execução dos testes inicia-se pelos testes unitários que é seguida depois pela execução dos testes funcionais e de integração e, por fim, a execução dos testes de aceitação, estes já executados pelo cliente delegando à equipa de testes um papel de acompanhamento/esclarecimento da execução dos testes. Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar Página 1

2 Figura 1 - Modelo V Esta abordagem traz a meu ver duas grandes vantagens: 1- Antecipar possíveis não-conformidades em qualquer ponto do projeto, reduzindo o custo de resolução e evitando a propagação de uma não-conformidade por outros módulos; 2- Antecipar a necessidade do conhecimento do negócio de uma equipa de testes permitindo a esta um aumento de eficácia e eficiência aquando início da execução dos testes; Com esta introdução processual, vamos agora descer um patamar e centralizarmo-nos na origem do Software propriamente dita. Procurarei abordar aplicações e boas práticas que servem de catalisadores para a qualidade do produto final. Aplicações de Controlo de Versões Para os menos familiarizados, uma aplicação de controlo de versões não é mais que um grande repositório centralizado onde são armazenados quaisquer artefactos produzidos pelas diversas equipas constituintes num projeto, sejam eles propostas, requisitos, especificações funcionais, especificações técnicas, cadernos de casos de teste, código, etc. e onde são controladas as alterações destes. Aplicações como Commit Monitor tornam possível saber em modo real quem, quando e o que foi alterado. Como sugestão, deixo a boa prática de condicionar a necessidade de introduzir comentários à ação de commit, isto é, impossibilitar commits sem qualquer comentário. Integração Contínua A ideia subjacente à integração contínua é, como o próprio nome indica, adotar mecanismos que integram continuadamente o código que vai sendo produzido. Deste modo, qualquer código novo é compilado com o código já existente oferecendo com isso um controlo de qualidade contínuo e contribuindo para um aumento de qualidade do Software e uma redução do tempo de disponibilização do mesmo nos ambientes. Desta forma, consegue-se antecipar possíveis conflitos entre os diversos Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar Página 2

3 módulos de Software. Subjacente a esta abordagem, um developer antes de fazer qualquer commit deve efetuar update para a sua máquina local do código existente no repositório. A grande vantagem é evitar integrações massivas e, sempre trabalhosas, do código produzido pelos vários developers evitando necessidade de rework. Complementarmente as aplicações de integração contínua (e.g. Hudson, Jenkins, etc) suportam (recorrendo a um só comando) o processo de criação e subida do Software para os ambientes existentes, bem como estão capacitados para despoletarem baterias de testes automáticos sempre que o servidor deteta um novo commit. Processo Automático Exemplo de uma arquitetura possível 1- A cada commit realizado o servidor de Controlo de Versões regista a alteração efetuada; 2- A cada commit realizado o servidor de integração contínua é notificado; 3- A cada commit realizado o servidor de integração contínua despoleta a bateria de Sanity Tests; 4- Caso o ponto 3 tenha sucesso, é dado início à disponibilização da nova versão de Software para os ambientes de teste; 5- A cada commit realizado o servidor de integração contínua despoleta a bateria de testes de regressão; 6- Criação automática de incidências quando a execução de um caso de teste falha; 7- Geração automática do relatório de execução da bateria com envio automático dos resultados para os membros da equipa do projeto por e instant messaging. Figura 2 - Processo Automático 1 Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar Página 3

4 Natureza da Aplicação a Desenvolver A equipa de desenvolvimento pode contribuir de forma preponderante como facilitadora aquando idealização da natureza da aplicação a desenvolver. Seguidamente, são apresentadas boas práticas que contribuem para a qualidade de Software. Registo de mensagens de integração É boa prática munir uma aplicação com ecrãs que permitem consultar a troca de mensagens entre a própria aplicação e as aplicações com que integram. Mensagens que costumam estar apenas presentes em tabelas de base de dados passam a estar facilmente acessíveis na própria aplicação, permitindo a qualquer momento efetuar uma análise de situações de erro mais detalhada. Indicadores de performance A importância de monitorizar os indicadores da memória que está a ser alocada, da percentagem de cpu, número de sessões ativas, tempos de resposta por cada chamada htlm, etc, ganha uma maior dimensão se estes indicadores estiverem acessíveis por um ecrã e associados a alarmísticas que avisam quando os indicadores estiverem a revelar uma degradação na aplicação. Processo de deployment ágil Cada vez mais é uma vantagem criar mecanismos que permitem com facilidade disponibilizar novas funcionalidades da aplicação, evitando recorrer à necessidade de criação de pacotes de Software e respetivo deployment para os ambientes. Processo este que acaba por ser algo moroso. Exemplos desses mecanismos são: o recurso a configurações xml que permitem, por exemplo, mudar todo um funcionamento de um ecrã recorrendo apenas a uma só intervenção; código protegido por funcionalidades que podem a qualquer momento, e através da própria aplicação, ser ativadas ou desativadas sem recurso a qualquer criação de pacotes de Software. Desta forma, evita-se a necessidade de ter várias linhas de desenvolvimento e passa-se a ter uma só linha; na realidade as novas funcionalidades estão sempre presentes, mesmo quando ainda inacabadas, mas devidamente desabilitadas. Gestão de Acessos É essencial e comum prever distintos perfis de acesso à aplicação. Temos, por exemplo, o perfil do utilizador final e o perfil administrador que habilita ao utilizador acesso total aos módulos da aplicação. Existem também perfis com base na própria organização da empresa cliente: uma direção x tem acesso a determinados módulos, os mesmos não são disponibilizados aos utilizadores da direção y. Isolamento O isolamento de uma aplicação é uma característica da testabilidade e traduz-se no grau em que o componente alvo de teste pode ser testado isoladamente. Garanti-lo permite criar funcionalidades configuradas às respostas das aplicações externas, isto é, com base no preenchimento de atributos de ecrã obtenho uma resposta x simulada, com base num preenchimento alternativo, obtenho uma resposta y simulada, e assim sucessivamente. Este isolamento deve também ser facilmente habilitado ou desabilitado a qualquer instante. Amiga da Automatização A idealização de uma aplicação deve desde logo prever que a mesma irá ter uma vertente de automatização de testes, pelo que o seu cariz deve prever a criação de facilitadores para a automatização. Exemplos destes são: a geração de TestIDs que se traduzem por identificadores unívocos de todos os elementos da aplicação; e a geração de ações de negócio com vista à automatização keyword driven. As vantagens inerentes a esta saudável amizade, passam por possibilitar Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar Página 4

5 usar uma ferramenta de automatização de testes integrada com a plataforma de desenvolvimento; desenho da automatização dos casos de negócio recorrendo a ações de negócio da aplicação e permitindo que a automatização esteja ao alcance de qualquer membro das equipas de projeto, tenham eles perfis de tester, funcional ou desenvolvimento. Indicação do número da revisão do código Um pormenor como disponibilizar a indicação do número da revisão do código na própria aplicação, faz muita diferença pois permite a uma equipa de QA saber a qualquer momento que revisão do código se encontra a testar. Deste modo, o ónus da decisão de subida de novo Software passa para a equipa de QA. Num processo de gestão de resolução de defeitos permite abolir a etapa de passar um incidente de resolvido para pronto a ser testado. A equipa de desenvolvimento deixa de ter a preocupação acrescida de subir correções. Amiga da abertura de incidentes Outro pormenor de grande eficiência é habilitar a aplicação, em ambiente de teste, com ecrãs munidos de links para abertura de incidentes com a automatização da ação de anexar a imagem do ecrã onde se detetou o incidente. Diversidade de ambientes Numa fase inicial ao projeto deve ser reconhecida e garantida a existência de vários ambientes, cada um com o seu propósito. Assim, recomendo como proposta minimalista a existência dos seguintes ambientes: 1- Ambiente local Tipicamente o ambiente de cada developer; 2- Ambiente de Desenvolvimento Usado pela equipa de desenvolvimento e tem como objetivo a realização dos primeiros testes de integração; 3- Ambiente de Testes Utilizado em exclusivo pela equipa de testes e com integração com outras aplicações externas; 4- Ambiente de Qualidade Evolutiva Usado pelo cliente com vista à aceitação do Software; 5- Ambiente de Qualidade Manutenção Usado para correções/validações de incidentes detetados em ambiente produtivo; 6- Ambiente Produtivo Utilizado pelo cliente final nas tarefas do dia-a-dia. Eventualmente pode haver necessidade de ter ainda um ambiente pré-produtivo e outro de formação. É boa prática garantir refrescamentos de dados periodicamente garantindo homogeneidade entre os diversos ambientes, diminuindo a degradação dos dados e salvaguardando o esforço da necessidade de reparação de dados aquando problemas de Software. A Autonomia de uma Equipa de QA Os pontos focados anteriormente permitem um incremento substancial na autonomia de uma equipa de QA. Esta equipa pode então gerir a subida de Software para os ambientes de testes e qualidade; Ativar ou desativar as diversas funcionalidades da aplicação, estando inerente a ativação em ambiente de qualidade apenas e só após ter certificado a mesma no ambiente de testes; Estar munida de ecrãs que lhe permitem um maior conhecimento na origem dos problemas que vai detetando, permitindolhes coletar informação com valor acrescentado aquando registo de incidências; etc. Sucintamente, uma equipa de QA autónoma é uma equipa com maior conhecimento e mais próxima da equipa técnica. A proximidade é conseguida quando a equipa técnica reconhece o valor acrescentado na Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar Página 5

6 informação do incidente e reconhece que o tempo necessário da análise ao problema diminui, estando a mesma focada única e exclusivamente na resolução do incidente. Onde Termina QA? Esta pergunta é de difícil resposta mas creio que as atividades de QA nunca terminam na realidade até o ciclo de vida da aplicação terminar. Vivemos atualmente numa era de constante mudança. As aplicações acompanham a mudança, seja ela económica ou social. A minha opinião muito pessoal é que o mindset de uma equipa de QA deve mudar e, enquanto recurso de uma equipa de QA que sou, só fico de consciência tranquila quando, depois de ter certificado uma funcionalidade de Software, garanto também que automatizo a funcionalidade que certifiquei, deste modo sei que o meu trabalho irá perpetuar a cada execução de bateria de testes automáticos, garantindo que a funcionalidade que certifiquei mantém-se estável e garantindo que problemas oriundos de regressão sejam rapidamente detetados. É também boa prática mudar a forma de encarar incidentes detetados em Produção, isto é, o objetivo será sempre de tentar garantir ao máximo um Software isento de incidentes, mas porque os há, cabe a uma equipa garantir também que a resolução dos mesmos seja também ela automatizada e diariamente verificada nas baterias de testes de regressão. Deste modo a qualidade deve ser assumida de forma proactiva e reativa ao longo do ciclo de vida de desenvolvimento da aplicação, nunca esquecendo a máxima que qualquer não-conformidade detetada numa fase inicial do projeto limita o impacto e o custo de resolução da mesma. Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar Página 6

7 Acerca do Autor André Martins tem 8 anos de experiência profissional na área de Software Testing e Quality Assurance tendo iniciado a sua carreira profissional como SW Tester em Setembro de 2004 no grupo IC R&D Mobile E2E Solutions da Siemens, tendo acumulado funções de Test Coordinator em Em 2006, integrou na empresa nacional de SW Testing WinTrust como consultor de Quality Assurance. Durante esta fase, desempenhou funções de desenho e execução de casos de teste funcionais em clientes como ITIJ, Vodafone, CelFocus, BPI, TIMw.e., Millennium BCP, Vodafone, através de parcerias com a Novabase e Critical SW. Ainda como consultor de QA da WinTrust esteve envolvido na conceção de uma arquitetura de testes automatizados no cliente OutSystems. Em 2008, passou pela Caixa Leasing e Factoring tendo como responsabilidade assegurar a passagem de conhecimento da metodologia de testes adotada pela WinTrust a colaboradores da Caixa Leasing e Factoring da DSI. Através de uma parceria com a Lógica foi responsável pela Automatização, Implementação e Execução dos cenários de teste de carga no âmbito da migração do sistema de base de dados de DB2 para Oracle das aplicações SAP SEAG e SGCC-SEP da EDP. No final de 2008 e até final de 2009, esteve no projeto Nova Plataforma de Balcões da CGD onde exerceu as funções de Arquiteto Chefe, Arquiteto Líder, Analista de Testes e Analista de Dados e onde teve papel preponderante na Automatização de Testes Funcionais. Em Dezembro de 2009 ingressou na INDRA onde é atualmente o responsável pela Equipa de Quality Assurance da aplicação SIT-e da PT Comunicações. Possui certificação ISTQB Foundation Level desde 2008 e é Licenciado em Engenharia de Telecomunicações e Informática pelo ISCTE. Ciclo de Vida em QA Uma perspetiva complementar Página 7

Retorno do Investimento em Testes Software

Retorno do Investimento em Testes Software Retorno do Investimento em Testes Software Rui Ribeiro Santos Av. Conde de Valbom, 30 8º 1050-068 Lisboa PORTUGAL Telef: +351 213 510 540 Fax: +351 213 510 549 Email: rui.santos@wintrust-intl.com URL:

Leia mais

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Índice Introdução... 2 A solução... 2 Plataforma Integrada (principais características)... 4 Eliminar limitações à execução de testes

Leia mais

Solução de Gestão de Contraordenações - STICO. Apresentação de Solução

Solução de Gestão de Contraordenações - STICO. Apresentação de Solução Solução de Gestão de Contraordenações - STICO Apresentação de Solução A Oferta dos CTT Expresso e encomendas Courrier Estafetagem Logística Serviços Financeiros Produtos Poupanças Seguros Soluções Pagamentos

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Solução de Telecontagem. Gestão de Contratos. Esta solução é indicada para sistemas de contagem de caudal usando um mínimo de recursos.

Solução de Telecontagem. Gestão de Contratos. Esta solução é indicada para sistemas de contagem de caudal usando um mínimo de recursos. Solução de Telecontagem Esta solução é indicada para sistemas de contagem de caudal usando um mínimo de recursos. Os Dataloggers utilizados neste sistema, dispensam a necessidade de rede elétrica. Para

Leia mais

Software Open Source e Integração Contínua no Instituto de Informática Ferramentas de Integração Contínua

Software Open Source e Integração Contínua no Instituto de Informática Ferramentas de Integração Contínua Software Open Source e Integração Contínua no Instituto de Informática Ferramentas de Integração Contínua Janeiro 2015 Área de Desenvolvimento Departamento de Arquitetura e Desenvolvimento Agenda Processo

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

PHC Formacão CS. Controlo da área administrativa de um centro de formação

PHC Formacão CS. Controlo da área administrativa de um centro de formação PHCFormacão CS DESCRITIVO O módulo PHC Formação permite a definicão de unidades, ou seja, cursos que irão ser dados. Cada unidade permite arquivar toda a informação sobre a mesma, desde o conteúdo programático,

Leia mais

EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA

EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA EM398X-R1 - UPS 600-1000-1600VA 2 PORTUGUÊS Índice 1.0 Introdução... 2 1.1 Funções e funcionalidades... 2 1.2 Conteúdo da embalagem... 3 1.3 Ligar a UPS... 3 2.0 Software

Leia mais

RESULTADOS PRÁTICOS DO USO DE INTEGRAÇÃO CONTÍNUA COM O JENKINS. Emerson Cordeiro Vieira. emerson@7comm.com.br

RESULTADOS PRÁTICOS DO USO DE INTEGRAÇÃO CONTÍNUA COM O JENKINS. Emerson Cordeiro Vieira. emerson@7comm.com.br RESULTADOS PRÁTICOS DO USO DE INTEGRAÇÃO CONTÍNUA COM O JENKINS Emerson Cordeiro Vieira emerson@7comm.com.br PAUTA Caracterização da empresa Motivação Arquitetura da solução Resultados Lições aprendidas

Leia mais

A Gestão da experiência do consumidor é essencial

A Gestão da experiência do consumidor é essencial A Gestão da experiência do consumidor é essencial Sempre que um cliente interage com a sua empresa, independentemente do canal escolhido para efetuar esse contacto, é seu dever garantir uma experiência

Leia mais

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração.

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração. . Quem somos //Sobre A Oficina1 é uma consultoria direcionada à tecnologia da informação, com foco na implementação dos ERPs Protheus e OpenBravo, além do aplicativo de Service Desk SysAid, abrangendo

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

PHC dintranet. A gestão eficiente dos colaboradores da empresa

PHC dintranet. A gestão eficiente dos colaboradores da empresa PHC dintranet A gestão eficiente dos colaboradores da empresa A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores, por forma a aumentar a sua produtividade.

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de ações a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

FIGURA 9.5 Definir tipo de rede

FIGURA 9.5 Definir tipo de rede FIREWALLS 289 A grande maioria das firewalls comerciais, assim como as que vamos ver a seguir, por predefinição, bloqueia todas as portas de entrada, de maneira que se quisermos facilitar o acesso ao nosso

Leia mais

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Gestão de Equipas Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013 Academia da PwC O sucesso das organizações depende cada vez mais de equipas de alto desempenho. Venha conhecer connosco as melhores

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

Consulte a área Bancos Aderentes para saber em detalhe todas as informações relativas aos bancos aderentes.

Consulte a área Bancos Aderentes para saber em detalhe todas as informações relativas aos bancos aderentes. SERVIÇO MB Way O que é o MB Way? O MB Way é a primeira solução interbancária que permite fazer compras e transferências imediatas através de smartphone ou tablet. Basta aderir ao serviço num MULTIBANCO,

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na atividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO

TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO TESTES AUTOMATIZADOS COM JUNITE MOCKITO Jaime William Dias 12, Dener Barranco 1, Douglas Delapria 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) 2 Universidade Estadual de Maringá (UEM) Paranavaí PR Brasil dener_barranco@hotmail.com,

Leia mais

A solução que permite controlar e executar remotamente a assistência técnica da empresa, contribuindo para um melhor serviço ao Cliente

A solução que permite controlar e executar remotamente a assistência técnica da empresa, contribuindo para um melhor serviço ao Cliente PHC dsuporte Interno DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Interno é uma ferramenta essencial para o técnico gerir o seu dia-a-dia, permitindo desempenhar um melhor serviço aos Clientes, aumentar o know-how

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material 61 5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material A fim de avaliar as características da arquitetura proposta e a corretude da implementação, realizamos experiências com cenários de

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos.

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos. VERSÃO 5 Outubro/2012 Release Notes Não deixe de atualizar o seu sistema Planejamos a entrega ao longo do exercício de 2012 com mais de 140 melhorias. Mais segurança, agilidade e facilidade de uso, atendendo

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 16/IN01/DSIC/GSIPR 00 21/NOV/12 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA DESENVOLVIMENTO E OBTENÇÃO DE SOFTWARE

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Funções

Gerência de Configuração de Software Funções Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Funções Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

1. Introdução ao. Crystal Reports

1. Introdução ao. Crystal Reports 1. Introdução ao Crystal Reports Como é sabido e geralmente aceite por todos nós, vivemos um período onde a complexidade dos negócios é cada vez maior, tal como o prova a intensificação da concorrência,

Leia mais

SOA 2.0 ou Event-Driven SOA

SOA 2.0 ou Event-Driven SOA SOA SOA 2.0 ou Event-Driven SOA 1 Introdução Recentemente, a Oracle anuciou o termo SOA 2.0. E já deu para imaginar a repercussão que isto teve. Estamos em um momento onde SOA (Service-Oriented Architecture),

Leia mais

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos.

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos. VERSÃO 5 Outubro/2012 Release Notes Não deixe de atualizar o seu sistema Planejamos a entrega ao longo do exercício de 2012 com mais de 140 melhorias. Mais segurança, agilidade e facilidade de uso, atendendo

Leia mais

Serviço de Faturação Eletrónica

Serviço de Faturação Eletrónica E-Invoicing Serviço prestado em acordo de interoperabilidade com a: Nov.2013 Ref. 02.007.14353 ÍNDICE 1 O que é uma Fatura Eletrónica? 3 2 Porquê a Faturação Eletrónica? 4 3 Quais as Vantagens? 7 4 O papel

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

MEMÓRIAS DE TRADUÇÃO NO PARLAMENTO EUROPEU A IMPORTÂNCIA DO MULTILINGUISMO

MEMÓRIAS DE TRADUÇÃO NO PARLAMENTO EUROPEU A IMPORTÂNCIA DO MULTILINGUISMO MEMÓRIAS DE TRADUÇÃO NO PARLAMENTO EUROPEU A IMPORTÂNCIA DO MULTILINGUISMO Numa breve consulta da página dedicada ao Multilinguismo no site oficial do Parlamento Europeu (www.europarl.europa.eu), deparamos

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

User Guide. PRIMAVERA EXPRESS V7 Versão 1.0. Março de 2012. Pg 1

User Guide. PRIMAVERA EXPRESS V7 Versão 1.0. Março de 2012. Pg 1 User Guide PRIMAVERA EXPRESS V7 Versão 1.0 Março de 2012 Pg 1 1. Instalação Para poder efetuar o download do produto PRIMAVERA Express deve começar por se registar no site da PRIMAVERA, indicando os dados

Leia mais

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Leme Nazário, Ricardo Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil renazariorln@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Os novos desafios do secretariado profissional

Os novos desafios do secretariado profissional www.pwc.pt/academy Os novos desafios do secretariado profissional Lisboa, 19 e 26 de fevereiro de 2013 Academia da PwC Um programa que mobiliza competências de eficiência pessoal e profissional apoiando

Leia mais

Estrutura de Relacionamento:

Estrutura de Relacionamento: 1 Índice Por que ter Guia de Relacionamento e Suporte?... 3 Qual a Estrutura de Relacionamento com o Cliente?... 3 Agente de Atendimento (CAT):... 3 Gerente de Contas (GC):... 3 Gerente de Serviço (GS):...

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

Manual XML-Validador-Conversor Registar recursos humanos

Manual XML-Validador-Conversor Registar recursos humanos Manual XML-Validador-Conversor Registar recursos humanos Sistema de Informação da Organização do Estado (SIOE-RH) XML março de 2012 Introdução De acordo com o previsto na Lei n.º 57/2011, de 28 de novembro,

Leia mais

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração.

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração. . Quem somos //Sobre A Oficina1 é uma consultoria direcionada à tecnologia da informação, com foco na implementação dos ERPs Protheus e OpenBravo, além do aplicativo de Service Desk SysAid, abrangendo

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!!

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! TUTORIAL DO ALUNO Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! O Moodle é a plataforma de ensino a distância utilizada pela Uniapae sendo a unidade de ensino para rápida capacitação

Leia mais

FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO BPM CERTIFIED BUSINESS PROCESS PROFESSIONAL. 1ª edição. AEP Leça da Palmeira UMA PARCERIA ENTRE A ABPMP E A AEP

FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO BPM CERTIFIED BUSINESS PROCESS PROFESSIONAL. 1ª edição. AEP Leça da Palmeira UMA PARCERIA ENTRE A ABPMP E A AEP FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO BPM CERTIFIED BUSINESS PROCESS PROFESSIONAL UMA PARCERIA ENTRE A ABPMP E A AEP ª edição AEP Leça da Palmeira CERTIFICAÇÃO CBPP (CERTIFIED BUSINESS PROCESS PROFESSIONAL) REQUISITOS

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Softblue Logic IDE Guia de Instalação www.softblue.com.br Sumário 1 O Ensino da Lógica de Programação... 1 2 A Ferramenta... 1 3 Funcionalidades... 2 4 Instalação... 3 4.1 Windows...

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de acções a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO Bem-vindo ao website do O Não-Monstro/The Not-Monster. Este Site, o livro virtual O Não-Monstro/The Not-Monster e todo seu conteúdo (o Site ) são controlados e operados por CAROLINE

Leia mais

Prognos SMART OPTIMIZATION

Prognos SMART OPTIMIZATION Prognos SMART OPTIMIZATION A resposta aos seus desafios Menos estimativas e mais controlo na distribuição A ISA desenvolveu um novo software que permite o acesso a dados remotos. Através de informação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

Guia de instalação do Player Displr Windows 7, 8.1 e 10

Guia de instalação do Player Displr Windows 7, 8.1 e 10 Guia de instalação do Player Displr Windows 7, 8.1 e 10 Versão 1.0 www.displr.com Índice 1- Requisitos mínimos do sistema... 3 2- Preparação da instalação... 3 3- Assistente de instalação... 4 3.1 Bem-vindo

Leia mais

PHC dsuporte Interno. ππ Reportar o fecho de pedidos. remotamente ππ Consulta da agenda do técnico. ππ Equipamentos e Instalações

PHC dsuporte Interno. ππ Reportar o fecho de pedidos. remotamente ππ Consulta da agenda do técnico. ππ Equipamentos e Instalações PHC dsuporte Interno DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Interno é uma ferramenta essencial para o técnico gerir o seu dia-a-dia, que permite desempenhar um melhor serviço aos clientes, aumentar o know-how

Leia mais

Os Serviços ELEVATION no ERP PRIMAVERA 9 Questões Frequentes sobre serviços cloud e a ligação do ERP ao ELEVATION

Os Serviços ELEVATION no ERP PRIMAVERA 9 Questões Frequentes sobre serviços cloud e a ligação do ERP ao ELEVATION Os Serviços ELEVATION no ERP PRIMAVERA 9 Questões Frequentes sobre serviços cloud e a ligação do ERP ao ELEVATION Versão 1.0 Última atualização a 30.01.2015 PRIMAVERA Business Software Solutions, S.A.

Leia mais

HP Quality Center. Preparar materiais de treinamento e observações para a nova versão 16 Suporte pós-atualização 16 Suporte 17 Chamada à ação 17

HP Quality Center. Preparar materiais de treinamento e observações para a nova versão 16 Suporte pós-atualização 16 Suporte 17 Chamada à ação 17 Documento técnico HP Quality Center Atualize o desempenho Índice Sobre a atualização do HP Quality Center 2 Introdução 2 Público-alvo 2 Definição 3 Determine a necessidade de uma atualização do HP Quality

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec ÁREA DE NORMAS, QUALIDADE E PROCESSOS. I - NORMA ISO/IEC 29110 Micro e Pequenas Empresas focadas no desenvolvimento de software. 2) Ambiente É possível constatar,

Leia mais

PHC dsuporte Interno BENEFÍCIOS. _Help-Desk e suporte pósvenda

PHC dsuporte Interno BENEFÍCIOS. _Help-Desk e suporte pósvenda PHC dsuporte Interno DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Interno é uma ferramenta essencial para o técnico gerir o seu dia-a-dia, que permite desempenhar um melhor serviço aos clientes, aumentar o know-how

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

O controlo sobre os custos e utilizadores da frota

O controlo sobre os custos e utilizadores da frota PHC Frota CS O controlo sobre os custos e utilizadores da frota A solução para o controlo total sobre os custos e utilizadores da frota, a sua manutenção e o seu estado. BUSINESS AT SPEED Visite www.phc.pt

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

BancoEstado ganha eficiência de dados e mais rapidez no desenvolvimento de sistemas com CA ERwin

BancoEstado ganha eficiência de dados e mais rapidez no desenvolvimento de sistemas com CA ERwin CUSTOMER SUCCESS STORY BancoEstado ganha eficiência de dados e mais rapidez no desenvolvimento de sistemas com CA ERwin PERFIL DO CLIENTE Setor: Serviços Financeiros Organização: BancoEstado de Chile Funcionários:

Leia mais

FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS

FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS Ivo BRAGA 1 RESUMO Os Serviços de manutenção exigem cada vez mais um elevado nível de complexidade. Mesmo a nível local onde o grau de especialização

Leia mais

QMS QUALIDADE COMUNICAÇÃO DE GESTÃO DA ESTRUTURA CONFIANÇA DECISÃO MODELO. ambidata GARANTIA SISTEMA GESTÃO SISTEMA RELATÓRIO SOFTWARE

QMS QUALIDADE COMUNICAÇÃO DE GESTÃO DA ESTRUTURA CONFIANÇA DECISÃO MODELO. ambidata GARANTIA SISTEMA GESTÃO SISTEMA RELATÓRIO SOFTWARE GARANTIA QMS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE COMUNICAÇÃO GESTÃO SOFTWARE RELATÓRIO CONFIANÇA DECISÃO MODELO ESTRUTURA SISTEMA ambidata Digital Innovation Solutions & Consulting # 1 ATRIBUTOS DE UM PRODUTO

Leia mais

Nota de Aplicação. Utilizando os recursos de segurança dos controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Nota de Aplicação. Utilizando os recursos de segurança dos controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Nota de Aplicação Utilizando os recursos de segurança dos controladores HI HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00050 Versão 1.01 outubro-2013 HI Tecnologia Utilizando os recursos de segurança

Leia mais

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade.

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Descritivo completo PHC dcrm Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Benefícios Acesso aos contactos

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha

Leia mais

PHC dsuporte Interno

PHC dsuporte Interno Descritivo PHC dsuporte Interno PHC PHC dsuporte Interno O controlo da assitência técnica da empresa A ferramenta essencial para o técnico gerir o seu diaa-dia, permitindo-lhe oferecer um melhor serviço

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

Introdução à realização de macros

Introdução à realização de macros Introdução à realização de macros 1 Introdução Macros são ações que se executam automaticamente num documento do MS Office, tal como abrir um arquivo, selecionar um campo ou fazer um cálculo, isto é, é

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

o Maria Hermínia Cabral o Sérgio Guimarães o Pedro Krupenski

o Maria Hermínia Cabral o Sérgio Guimarães o Pedro Krupenski II Oficina de Trabalho Código de Conduta: Processos e Metodologias 24 de Setembro 2015 Conclusões da Sessão da manhã Com o apoio dos Parceiros do Mecanismo de Apoio à Elaboração de Projetos de Cooperação,

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003. Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via Internet

Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003. Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via Internet Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003 Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via de Índice 1 Introdução... 4 1.1 Objetivo...4 1.2 Funcionalidades...5 1.3 Autenticação...5

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

PHC Workflow. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa

PHC Workflow. Informatize de forma eficaz todos os circuitos e processos de trabalho usados na sua empresa PHCWorkflow DESCRITIVO O PHC Workflow permite que o conjunto de acções a executar, sigam uma ordem pré- -definida de acordo com as normas da empresa, aumentando a agilidade e produtividade dos colaboradores.

Leia mais

Matriz de Cursos. Testes para melhoria da Qualidade dos Sistemas. ATHOS Tecnologia

Matriz de Cursos. Testes para melhoria da Qualidade dos Sistemas. ATHOS Tecnologia Matriz de Testes para melhoria da Qualidade dos Sistemas ATHOS Tecnologia Testes para melhoria da Qualidade dos Sistemas - Apresentação e Instruções A matriz a seguir apresenta os cursos para Testes mais

Leia mais

Estudo de Caso 22. Figura 4 Console da TEC*. *Alguns dados foram removidos atendendo a política de segurança da informação da empresa.

Estudo de Caso 22. Figura 4 Console da TEC*. *Alguns dados foram removidos atendendo a política de segurança da informação da empresa. 2 Estudo de Caso O gerenciamento de serviços é um fator crítico para a organização em análise, os processos devem garantir os acordos de níveis de serviços estabelecidos com os clientes. Destarte, a atividade

Leia mais