Fatores críticos de implementação de data warehouse

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fatores críticos de implementação de data warehouse"

Transcrição

1 Fatores críticos de implementação de data warehouse Samuel Stábile Edson Walmir Cazarini USP-EESC - Escola de Engenharia de São Carlos - Área: Engenharia de Produção Abstract: Nowadays, the information is the most important resource in the conduction of organizations. They frequently seek forms of increasing their competitiveness through the strategic use of their information. The data warehouse is with no doubt, a powerful tool in the search of this objective for consolidating the organizational information in only one format and specific for strategic use. Even so, reports of failures are constant. This article lists some critical factors to be observed in the implementation of the data warehouse. Key words: data warehouse, critical factors, implementation, information management, competitiveness Resumo: A informação é atualmente, o recurso mais importante na condução das organizações. Estas freqüentemente procuram formas de aumentar sua competitividade através do uso estratégico de suas informações. O data warehouse é sem dúvida uma ferramenta poderosa na busca deste objetivo por consolidar as informações organizacionais em um formato único e específico para uso estratégico. Porém, relatos de fracassos são constantes. Este artigo lista alguns fatores críticos a serem observados na implantação do data warehouse. Palavras chave: data warehouse, fatores críticos, implementação, gerenciamento da informação, competitividade Introdução O data warehouse está na pauta de discussão da maioria das organizações, que em um mercado de acirrada concorrência, sabe que necessita utilizar estrategicamente suas informações para ganho de competitividade. O fato de o data warehouse integrar os dados espalhados pela organização, em um formato único e específico para consultas, certamente é motivo para que estas iniciem o projeto pelo grande potencial de benefícios possíveis. Porém, a implementação de um data warehouse é cara e complexa. Relatos de fracassos são constantes. Este trabalho aborda alguns fatores críticos a serem observados quando da implementação de um data warehouse. Avaliação inicial e foco estratégico De acordo com ADELMAN (1998), muitas organizações abraçam o projeto de data warehouse sem se perguntar o que realmente elas ganharão com isso. Uma avaliação completa, com estudos e levantamentos de benefícios deve ser executada antes de se dar início ao projeto, assim como todo o custo e o tempo que serão demandados. Segundo o mesmo autor, objetivos vagos são prejudiciais, e ainda, segundo CIPOLLA (1999), os objetivos organizacionais devem ser claros para guiar o projeto desde o início. De acordo com TAURION (1998), o primeiro passo é definir porque o data warehouse será desenvolvido. Segundo o mesmo autor, o projeto é caro e complexo de implementar, e mesmo após a implementação, demanda grandes esforços de desenvolvimento e de suporte, eliminando a possibilidade de não ser assistido. Segundo NIMER (1998), devido à grandiosidade do projeto, torna-se necessário um plano de implementação bem definido, além de justificativas reais dos benefícios aos negócios. A mesma afirmação é feita por VASCONCELLOS (1999). O data warehouse está diretamente ligado à estratégia da organização, e especial atenção deve

2 ser dada ao início do projeto, quando os gerentes definem quais assuntos, quais informações e quais níveis de resumos dessas informações serão abrangidos. Erros nesta fase podem desviar totalmente o foco do projeto. Áreas críticas da organização, que são essenciais para a competitividade, devem ser enfocadas primeiramente, nunca perdendo de vista, as metas corporativas. Dessa forma, os benefícios do data warehouse serão maiores e prontamente percebidos, e o projeto ganhará crédito para prosseguir. O imediatismo e expectativas irreais devem ser gerenciadas desde o início do projeto. Devido à sua complexidade, o data warehouse demanda tempo, e tempo pode ser um problema na organização. O imediatismo, que prejudica muitos projetos, não só em informática, deve ser trabalhado desde o início do projeto. O patrocinador do projeto, ao difundir a idéia do data warehouse pela organização, deve deixar bem claro o tempo para que os resultados apareçam. Sempre que novos projetos surgem nas organizações, sejam da área de informática ou não, imediatamente cria-se uma expectativa muito grande, que pode ser prejudicial. Os potenciais benefícios do data warehouse devem ser claramente especificados desde o início do projeto. O discurso utilizado para difusão da idéia na organização também deve ser cuidadoso. A forma como um projeto é apresentado tem influência direta na sua aceitação ou não pelos usuários. O projeto deve ser guiado pelo negócio e não pela tecnologia Segundo TAURION (1998) e também CIPOLLA (1999), um data warehouse deve ser guiado pelo negócio, e não pela tecnologia. Com o objetivo de atender às necessidades estratégicas da organização, o projeto do data warehouse deve seguir claramente os requisitos dos usuários, que deverão ter suas necessidades - informações e formatos de consultas - plenamente atendidos. As decisões de projeto deverão ser tomadas com base nos requisitos do negócio, e não com base na tecnologia. A equipe de sistemas, somente após conhecer claramente as necessidades dos usuários, deverá oferecer soluções técnicas que atendam estas necessidades. Se for usado o caminho inverso, dificilmente os usuários terão suas necessidades corretamente atendidas, e o projeto cairá em descrédito. Segundo RADEN (1998), mesmo sendo o suporte ao processo decisório uma das áreas mais atuais da computação, o foco é sempre essencialmente técnico, sem muita atenção aos processos de negócios que devem ser melhorados. O mesmo autor afirma ainda que, o data warehouse deve ser focado para responder questões e resolver problemas com os quais as pessoas tem que lidar dentro da organização. De acordo com ABRAMSON (2000), na área de tecnologia da informação, todos querem vender soluções, mas ninguém quer saber quais são os problemas dos usuários. Segundo TAURION (1998), experiências mostram sempre que o sucesso de um data warehouse está diretamente relacionado com o atendimento às necessidades do negócio e nunca por tecnicismo, e ainda, que os projetos tocados somente pela área técnica estão condenados ao fracasso. Patrocínio para o projeto De acordo com TAURION (1998), BISCHOFF (1998) e com VASCONCELLOS (1999), o projeto deve ter um patrocínio forte e claro dento da organização, já que além do tempo e do gasto financeiro, o data warehouse provoca várias mudanças de ordem política e estrutural. Este patrocinador deve estar ciente das dificuldades que irá encontrar e deve difundir corretamente a idéia do data warehouse na organização. A alta administração deve manifestar constantemente apoio explícito ao projeto e auxiliar a equipe de sistemas na condução dos trabalhos. Integração da área de sistemas e os usuários Muito fala-se sobre o envolvimento dos usuários nos projetos de informática, mas os problemas surgem com freqüência. Nos projetos de data warehouse podemos observar basicamente os mesmos problemas que ocorrem com a implantação de outros projetos, porém aqui, este envolvimento é mais crítico. Os gerentes, futuros usuários, devem ser inseridos no processo desde o início e devem sentir-se co-responsáveis pelo sucesso. O data warehouse está em constante estado de desenvolvimento e segundo BISCHOFF (1998), uma correta integração do usuário é fundamental. Já TAURION (1998), define a palavra do usuário como sendo a mais importante. Segundo VECCHIA (1998), uma das árduas tarefas no desenvolvimento de data warehouse é o levantamento das necessidades dos usuários, o que depende de uma correta integração. De acordo com PEREIRA (1999), deve-se trabalhar em sintonia com o usuário final para entender suas necessidades. O pessoal de desenvolvimento deve ser composto por pessoas das áreas de negócios e de sistemas. A integração

3 e a comunicação devem ser claras e constantes para o que data warehouse atenda plenamente o objetivo de apoiar satisfatoriamente os processos decisórios estratégicos. A área de sistemas é uma das áreas mais rejeitadas nas organizações. Com certeza, uma das maiores causas dessa rejeição é a comunicação incorreta desenvolvida pelos profissionais de informática e seu enfoque extremamente técnico. Quanto melhor for a comunicação entre as áreas de uma empresa, melhor será a implantação de uma tecnologia ou ferramenta. O fator humano geralmente é desprezado pela maioria dos projetos, e conseqüentemente, está entre as maiores causas de fracasso, seja em projetos de informática ou não. Quanto ao data warehouse, a maior parte dos fracassos dá-se por motivos não técnicos. Isto prova que por melhor que um projeto seja tecnicamente concebido, de nada valerá se as pessoas envolvidas não o utilizarem corretamente. Segundo ABRAMSON (2000), as pessoas precisam de tempo para mudar sua postura mental nas implantações de novas técnicas nas organizações. Política da organização O data warehouse provoca várias mudanças de ordem política e estrutural na organização, já que o projeto cruza barreiras departamentais, democratiza o acesso aos dados e modifica o processo decisório. Estas mudanças podem encontrar forte resistência de algumas pessoas na organização, já que tradicionalmente, o ser humano é avesso à mudanças. O processo de extração dos dados dos sistemas de informação tradicionais para o data warehouse pode revelar problemas escondidos durante anos nos departamentos. A exposição dos dados departamentais pode causar pavor a alguns funcionários, que por trabalharem muito tempo no departamento, sentem-se donos dos dados. Outro problema é que as pessoas divergem sobre as informações necessárias à uma decisão, sobre a forma de consultar estas informações e sobre a forma de decidir. O patrocinador e a equipe de sistemas devem estar cientes dessas dificuldades e ter habilidades para contorná-las sem prejuízo do projeto. Segundo CIPOLLA (1999), os diferentes departamentos podem falar diferentes línguas e possuírem objetivos próprios. As pessoas envolvidas devem ser treinadas para trabalharem juntas e colocarem as metas corporativas acima de tudo. A construção de um data warehouse demanda o envolvimento de vários profissionais, e mesmo após sua disponibilização para uso, essa demanda continua, pois seu desenvolvimento é constante e o data warehouse também requer monitoramento e gerenciamento. Segundo BISCHOFF (1998), isso requer uma clara definição de papéis e responsabilidades e também uma correta coordenação destes vários profissionais. De acordo com VASCONCELLOS (1999), as políticas de poder são barreiras poderosas de transpor quando você necessita acessar informações corporativas que estão em poder de outras divisões ou diretorias. Assim, se não houver um patrocínio forte acima de tudo isso, o projeto certamente será prejudicado. Ferramentas de consultas Apesar do vasto discurso de benefícios que serão possíveis com o data warehouse, sem ferramentas que proporcionem consultas e análises satisfatórias para os gerentes, o projeto pode ser um grande fracasso. Com o objetivo de prover acesso fácil e rápido aos dados desejados pelos gerentes, e sem a utilização de intermediários, as ferramentas de consultas devem ser bastante amigáveis, fáceis de usar, possuir recursos gráficos, interface intuitiva e desempenho satisfatório. De acordo com PEREIRA (1999), é extremamente necessário resolver os gargalos de desempenho antes de colocar o data warehouse em uso. Quando do projeto do data warehouse, os gerentes listam suas consultas inicialmente desejadas, e a equipe de sistemas deve prover, quando da colocação do data warehouse em funcionamento, essas consultas para os gerentes. Porém, com a utilização do data warehouse, os gerentes percebem seu grande potencial e rapidamente vão querer incrementar seu uso. Novas consultas serão solicitadas e a equipe de sistemas deve estar pronta para atendê-las rapidamente. Segundo ADELMAN (1998), um recurso valioso e produtivo é prover os gerentes com aplicações que lhes permitam criar suas próprias consultas. Dessa forma, o data warehouse ganhará cada vez mais crédito dos gerentes e sua utilização será maximizada. Um outro recurso interessante é a interatividade de certas ferramentas de consultas. O usuário interage com o aplicativo, e vai explorando as informações através de vários passos, recebendo apoio direto para sua decisão. Outra característica importante, é a possibilidade dos gerentes literalmente navegarem pelos vários níveis de resumos das informações. Por exemplo, em uma análise gráfica, com o simples clicar do mouse sobre um indicador de um gráfico, o gerente tem acesso aos dados que deram origem a aqueles resultados. Porém, convém salientar que isto depende da capacidade da ferramenta de consulta e dos níveis de

4 detalhamento dos dados contidos no data warehouse. De acordo com ADELMAN (1998), é de suma importância que os usuários tenham acesso fácil e imediato aos dados cruciais. Cabe salientar também que sem um correto treinamento e suporte possibilitados aos gerentes, o sucesso do projeto também fica comprometido. É somente através das ferramentas de consultas que os gerentes terão contato com o data warehouse, e se esse contato não for bem feito, rapidamente o projeto cai em descrédito. Segundo INMON (1997), um dos pressupostos básicos do data warehouse consiste no acesso flexível e imprevisível aos dados. Nível de granularidade Nível de granularidade é o nível de detalhamento dos dados e segundo INMON (1997), constitui a decisão mais importante do projeto. O nível de granularidade influi diretamente nas possibilidades de consultas e no desempenho do data warehouse. Quanto maior o nível de detalhamento dos dados, maiores as possibilidades de consultas e de navegação pelos vários níveis de detalhe, porém, utilizando um tempo maior de processamento, um espaço maior de armazenamento e acarretando maiores dificuldades de gerenciamento, já que o volume de dados crescerá mais rapidamente. Quanto menor o nível de detalhamento dos dados, menores são as possibilidades de consultas, porém, o tempo de resposta, o espaço requerido para armazenamento em disco e as dificuldades de gerenciamento também são menores. Cabe à equipe de sistemas, projetar corretamente o data warehouse para atender satisfatoriamente às consultas e análises dos gerentes, porém com tempos de respostas satisfatórios e com o tamanho e o crescimento do banco de dados do data warehouse, absolutamente gerenciáveis, o que constituem questões críticas. De acordo com PALMA(1998), torna-se necessário um equilíbrio entre a necessidade por dados analíticos em forma resumida e os dados detalhados. Extensibilidade, flexibilidade e integração O data warehouse, por ser um ambiente que integra várias ferramentas, tecnologias e processos, necessita de uma cuidadosa escolha de seus componentes, visando sempre a integração, o desempenho e a expansibilidade destes componentes. O data warehouse deve ser absolutamente extensível, visando a abrangência de novas áreas da empresa, novos dados, novos usuários, novas consultas, novas ferramentas e novas necessidades estratégicas do negócio. A gerência do projeto deve ter habilidade para avaliar e integrar as diversas ferramentas e tecnologias disponíveis. Segundo TAURION (1998), a extensibilidade é crítica, pois o data warehouse deve ser capaz de acomodar as mudanças cada vez mais rápidas dos negócios. De acordo com RADEN (1998), a flexibilidade é o principal objetivo do projeto, onde a habilidade de evoluir continuamente para atender às necessidades do usuário é mais crucial ainda do que a eficiência. Segundo TAURION (1998), o data warehouse não é um produto nem um conjunto de produtos, mas processos suportados por várias tecnologias. De acordo com SOBRAL (1998), um data warehouse pode dobrar de tamanho anualmente, sendo assim, torna-se muito importante a capacidade de crescimento do hardware adotado, como por exemplo, o banco de dados, que deve ter a robustez necessária para acompanhar o crescimento do data warehouse. Além disso, segundo BISCHOFF (1998), novas exigências dos usuários são constantes e o projeto deve ter a capacidade de integrá-las. As ofertas de componentes e ferramentas crescem bastante, assim como as promessas dos vendedores, que devem ser analisadas com cuidado. O projeto de um data warehouse é único para cada organização. Depende das áreas do negócio a serem incluídas no data warehouse, assim como as informações e seus níveis de detalhamento. A extração das informações dos bancos de dados dos sistemas de informação tradicionais para o data warehouse é bastante crítico e oneroso. É bastante difícil para um fornecedor ter soluções prontas e satisfatórias para todos os casos. Torna-se necessário às organizações, tomarem atitudes bastantes críticas e embasadas quando decidem pela implantação de um data warehouse. Os fornecedores de produtos e serviços de tecnologia de informação estão trabalhando para fornecer mais e melhores soluções a um mercado em expansão e bastante promissor. Por sua diversidade e necessidade de integração, segundo TAURION (1998), um data warehouse não pode ser simplesmente comprado e instalado. Segundo o mesmo autor, as soluções são únicas para cada projeto e torna-se necessário avaliar as propostas dos fornecedores com uma certa desconfiança. De acordo com SOBRAL (1998), poucos fornecedores estão capacitados para condução segura de um projeto de data warehouse. Segundo PALMA(1998), mesmo com bastante propaganda veiculada, nenhum vendedor consegue prover uma solução completa

5 para o problema, e ainda, segundo o mesmo autor, o produto tem que ser flexível com relação à mudanças na estrutura de informação. De acordo com PEREIRA (1999), o usuário perceberá novas necessidades constantemente, pois seu conhecimento dos dados será gradual. Assim, o projeto deve ser flexível o bastante para acomodar essas novas necessidades. Data mart Alguns autores como SOBRAL (1998), NIMER (1998), KONDRATIUK (1998) e VASCONCELLOS (1999), justamente pelo data warehouse ser caro e complexo, defendem a implantação inicial de um data warehouse departamental, o data mart. O data mart é um data warehouse menor, específico para um departamento, onde as facilidades de implantação são maiores, e os riscos e custos menores. Com um data mart, o retorno sobre o investimento aparece bem mais cedo, e torna-se mais fácil ganhar crédito e confiança na organização para um projeto maior, que englobe os demais departamentos posteriormente. Se uma das características principais do data warehouse é integrar os diversos bancos de dados da organização, quanto mais bancos de dados este englobar, teoricamente, maior será o benefício alcançado. Mas, como o data warehouse é específico para cada organização, pode ser que apenas um data mart seja suficiente para apoiar corretamente o processo decisório estratégico e permitir aumento de competitividade. Isso quem deve decidir são os gerentes usuários. Mesmo em apenas um departamento, vários sistemas de informação podem ter sido desenvolvidos ao longo do tempo, e o acesso à essas informações que tem várias idades é praticamente impossível. O data warehouse resolve o problema integrando corretamente, e da forma desejada pelos gerentes, todas as informações deste vários bancos de dados, permitindo consultas e análises satisfatórias, independente do cruzamento com informações de outros departamentos. Porém, se a organização decidir por implementar um data mart, desde o início do projeto, a futura integração de outros departamentos deve ser focada. Se um data mart é projetado isoladamente, quando a organização decide expandi-lo, ou integrá-lo com outros data marts, inúmeros problemas poderão surgir e o projeto estará condenado ao fracasso. Extração e carregamento dos dados O processo de extração dos dados dos bancos de dados dos sistemas de informação tradicionais e seu carregamento para o data warehouse, é bastante crítico e oneroso. Segundo PALMA (1998), o processo de aquisição de dados é caro e complexo. De acordo com BOHN, apesar desta complexidade, o processo de conversão de dados com qualidade é a base para um data warehouse bom e funcional, e já que o data warehouse contém as informações mais importantes para a tomada de decisão de uma corporação, pode ser considerado bastante crítico. Realmente é bastante complicado rastrear e mapear informações de vários bancos de dados, projetados por diferentes profissionais, em diferentes épocas, que podem estar em diferentes formatos, plataformas e tecnologias, espalhados por toda a organização, às vezes sem documentação e geralmente redundantes. Segundo WILLIAMS, o carregamento dos dados para o data warehouse é uma das etapas mais importantes do projeto, e muitas organizações a subestimam. De acordo com VASCONCELLOS (1999), os dados dos clientes, por exemplo, podem figurar em diversas fontes e quase sempre de maneiras diferentes. Segundo o mesmo autor, erros básicos de definição e preenchimentos de campos são encontrados nas bases operacionais. De acordo com BOHN, esta etapa pode revelar vários problemas nos dados de origem e quase sempre os usuários acusam o processo de extração como causador dos problemas. Assim, a equipe de sistemas, com o apoio do patrocinador do projeto, deve ser hábil o suficiente para contornar os problemas deste tipo. Um outro problema é que a equipe de sistemas pode gastar grande parte de seu tempo neste processo e não consegue atender satisfatoriamente às consultas desejadas pelos usuários, o que pode condenar o projeto ao fracasso. Segundo CIPOLLA (1999), a equipe de sistemas pode gastar 80% do tempo na preparação dos dados. É necessário um correto planejamento, coordenação e execução deste processo, porém sem perder de vista as demais demandas do projeto. Segundo MANNI & DORSA (1998), uma providência extremamente importante é centralizar o desenvolvimento dos sistemas de informações tradicionais e do data warehouse. Dessa forma, os dados dos novos sistemas de informação, que futuramente irão preencher o data warehouse, já serão do conhecimento da equipe de desenvolvimento deste, o que facilita imensamente o processo de extração e contribui para a qualidade dos dados.

6 Qualidade dos dados A qualidade dos dados que chega aos usuários é de suma importância. Segundo VECCHIA (1998), as principais causas de insucesso em projetos de data warehouse incluem a qualidade dos dados e o potencial de utilização destes pelos usuários. De acordo com TAURION (1998), o critério básico de sucesso é a qualidade da informação disponibilizada, e ORR (1998) compartilha a mesma afirmação. O processo de extração e carregamento é complexo, e se os usuários perceberem qualquer problema ou dados inconsistentes, deixarão de utilizar o sistema. É necessário conquistar a confiança do usuário desde o início, com dados confiáveis, no formato e no momento desejado. Segundo WILLIAMS, os dados não confiáveis podem resultar em decisões mal tomadas que tem efeitos adversos e que afetam diretamente o lucro, e os dados devem ser precisos para garantir que as decisões tomadas com base neles, sejam boas decisões de negócios. Monitoramento Após sua disponibilização para uso, o data warehouse requer um monitoramento constante. Tarefas importantes são a verificação do crescimento do volume de dados e o desempenho dos tempos de respostas. Porém, outro aspecto importante a ser monitorado é a freqüência de utilização dos dados. Certos dados poderão apresentar uma utilização bem mais freqüente que os demais. Dessa forma, a equipe de sistemas deverá trabalhar para melhor disponibilizar estes dados e verificar com os usuários a possibilidade de consultas mais sofisticadas sobre estes dados. Por outro lado, com o monitoramento de utilização, pode-se verificar também quais dados são menos utilizados ou mesmo não são utilizados. Segundo ORR (1998), estes dados representam custos, por ocuparem espaço e dificultarem o acesso aos dados realmente necessários. Deve-se discutir a possibilidade destes dados sofrerem resumos gradativos, serem alocados em meios de armazenamento alternativos ou até mesmo serem eliminados. O monitoramento deve resultar em indicadores que possibilitem buscar sempre a otimização do acesso aos dados mais utilizados. Ciclicidade dos dados Segundo INMON (1997), este fator crítico do projeto refere-se ao tempo que uma alteração nos bancos de dados operacionais leva para refletir no data warehouse. Este tempo pode ser crucial em tipos de negócios mais agressivos, em que os decisores necessitem dos dados atualizados com maior rapidez. Porém, quanto mais rápida esta atualização, mais cara e complexa será a tecnologia empregada. Por outro lado, se os decisores não tiverem as informações necessárias no momento necessário, o data warehouse perde seu sentido. Conteúdo do data warehouse A característica principal do data warehouse é integrar os diversos bancos de dados desenvolvidos ao longo dos anos nos diversos departamentos da organização, reunindo-os em um formato único e específico para consultas. Partindo-se desta idéia, pode-se chegar a casos em que o data warehouse torna-se um grande papa-dados inútil. Todas as bases operacionais vão sendo englobadas sem um objetivo definido, e o data warehouse cresce rapidamente. As dificuldades de gerenciamento também aumentam e o desempenho, quando se faz uma consulta à informações realmente necessárias, diminui consideravelmente. O excesso de dados sem objetivos reais também pode esconder os dados que são realmente necessários aos usuários. Com o objetivo de apoiar satisfatoriamente o processo decisório de áreas estratégicas da organização, o data warehouse deverá conter somente as informações julgadas necessárias pelos usuários. Segundo WILLIAMS, as informações devem ser relevantes para as necessidades do negócio. Ferramenta automática de manutenção dos metadados Os metadados são os dados sobre os dados do data warehouse. Eles contém toda a descrição do data warehouse, de sua estrutura, dos dados contidos e dos históricos das extrações e carregamentos de dados. Essas informações são de suma importância para o gerenciamento do data warehouse e devem estar constantemente atualizadas. Porém, segundo INMON & HACKATHORN (1997), sem uma ferramenta automática de manutenção dos metadados, estes rapidamente estarão defasados, em relação ao progresso que o data warehouse sofre, comprometendo seu gerenciamento eficaz.

7 Diferentes estratégias, diferentes projetos Mesmo que organizações atuem em um mesmo ramo e possuam a mesma estrutura, dificilmente um data warehouse será igual a outro. Primeiro, pela diversidade dos sistemas de informação existentes que passarão pelo complexo processo de extração e carregamento dos dados. Segundo, e principalmente, pelo enfoque estratégico que o data warehouse possui. Cada organização decide quais áreas seu data warehouse irá englobar para apoiar seu processo decisório em busca de competitividade. Definidas as áreas, ainda devem ser definidos quais dados e em quais níveis de resumo estes serão carregados para o data warehouse. Assim, por mais que os fornecedores de ferramentas avancem, é sempre muito complexo o processo de escolha de soluções, mesmo porque o mercado de data warehouse é recente. Segundo NIMER (1998), o data warehouse não pode ser comprado pela organização como se fosse uma ferramenta, mas precisa ser construído como uma arquitetura. Dados externos Segundo INMON (1997), os dados cuja fonte são os sistemas existentes na organização formam os dados internos, e representam o maior conteúdo do data warehouse. Estes dados internos podem significar apenas parte dos dados necessários à condução da organização. Porém, o data warehouse também pode acomodar dados externos, como dados econômicos ou concorrenciais, que tornam-se bastante úteis em um mercado altamente competitivo. Conclusão Em um mercado altamente competitivo e de forte concorrência, as organizações sabem que informação é um recurso valioso. Porém, a dificuldade de acesso às informações estratégicas, enfrentada pelo alto escalão da maioria das organizações, é um paradoxo. O data warehouse, quando corretamente implementado, permite este acesso de forma satisfatória. Porém, devido à sua complexidade e surgimento recente, muitos projetos de data warehouse fracassam. Este trabalho listou alguns fatores críticos a serem observados quando da implantação do projeto com o intuito de aumentar os índices de sucesso. Referências bibliográficas A terceira idade dos BDs. Revista Computerworld. 16/Ago/1999. pp O desenho ideal. Revista Computerworld. Suplemento especial data warehouse. 29 Jan/1996. pp 8-12 Qualidade dos dados no centro das atenções. Revista Information Week. 20/Out/1999. pp Quality control for data on the move. /articles/1998/05/05qualty.htm. Acesso em 04/05/2000 A inteligência do sistema. Revista Computerworld. Suplemento especial data warehouse. 29/Jan/1996. pp Um trabalho de equipe. Revista Computerworld. Suplemento especial data warehouse. 29/Jan/1996. pp ABRAMSON, G. Equilíbrio de prioridades. Revista HSM Management. Mai/Jun pp ABRAMSON, G. A TI muda tudo. Revista HSM Management. Nov/Dez pp ACKOFF, R. L. Gerência em pequenas doses. Rio de Janeiro, Editora Campus, 1988 ADELMAN, S. Establishing clear data warehouse objectives. /articles/1998/07/07clear.htm. 07/Jul/1998. Acesso em 04/05/2000 ALBRECHT, K. A terceira revolução da qualidade. Revista HSM Management. Nov/Dez pp AMERICANO, A.C. O data warehouse que deu certo. Revista Information Week. 08/Dez/1999. pp. 44 BISCHOFF, J. Data warehouse readiness assessments /06/23assess.htm. 23/Jun/1998. Acesso em 04/05/2000 BISPO, C. A. F. & CAZARINI, E. W. Transformando dados em informações via data mining. Revista Developers. Jan/1999. pp

8 BISPO, C. A. F. (1998). Uma análise da nova geração de sistemas de apoio à decisão. Dissertação de mestrado. EESC-USP BOHN, K. Convertendo dados para warehouses. Revista DBMS. v 1. n 3. pp BROOKS, P. Procurando dados em todos os lugares errados. Revista DBMS. Nov/1997. pp CIPOLLA, V. Four tips to better warehouse value tips.htm. 23/03/1999. Acesso em 04/05/2000 CORRÊA, L.H. A informação na ponta dos dedos. Revista Computerworld. Suplemento especial data warehouse. 29/Jan/1996. pp. 4-6 DALFOVO, O. & GRIPA, R. Data warehouse: usando a técnica de cubo de decisão. Revista Developers. Abr/1999. pp FORESTI, N. Um business intelligence fácil de usar. Revista Information Week. 08/Dez/1999. pp GOLDBACH, R. Gestão corporativa: a informação a serviço da competitividade. Revista Developers. Abr/1998. pp INMON, W. H. Como construir o data warehouse. São Paulo, Editora Campus, 1997 INMON, W. H. & HACKATHORN, R. D. Como usar o data warehouse. Rio de Janeiro, Editora Infobook SA KIMBALL, R. O que faz a equipe central de data warehouse. Revista DBMS. v 1. n 3. pp KOCHANSKI, D. Onde devem estar as informações? Revista Developers. Nov/1998. pp. 66 KONDRATIUK, E.R. Data warehouse: detalhes que fazem a diferença. Revista Developers. Fev/ pp. 22 LACHTERMACHER, S. Momento de decisão. Revista Information Week. 02/Jun/1999. pp MANNI, L.C. & DORSA, L.F.A.- Data warehouse: gerenciando a qualidade dos dados. Revista Developers. Fev/1998. pp. 20 MERCHAN, M. O desenho ideal. Revista Computerworld. Suplemento especial data warehouse. 29/ Jan/1996. pp MIMNO, P. Mistakes to avoid in defining data warehousing architectures. dci.com/articles/1998/07/21error.htm. 21/Jul/1998. Acesso em 04/05/2000 MONTARROYOS, L. Agilidade e eficiência na tomada de decisões na empresa. Revista Developers. Abr/1998. pp NIMER, F. Analisando o retorno sobre o investimento de data warehouse. Revista Developers. Fev/ pp ORR, K. Assuring data quality in data warehouses and data marts. articles/1998/07/07assure.htm. 07/Jul/1998. Acesso em 04/05/2000 PALMA, S. Os componentes funcionais do data warehouse. Revista Developers. Fev/1998. pp PENTEADO, S. O coração da companhia.revista Information Week. 02/Jun/1999. pp PEREIRA, M.R. Data warehouse: otimizando seu desempenho. Revista Developers. Abr/1999. pp RADEN, N. Um impulso na tecnologia push. Revista DBMS. n 9. Fev/Mar pp RENNHACKKAMP, M. Diversidade de sistemas. Revista DBMS. v 1. n 3. pp SOBRAL, F. Data warehouse: os limites entre a fantasia e a realidade. Revista Developers. Fev/1998. pp. 66 TAURION, C.- Data warehouse: vale a pena gastar milhões investindo em um? Revista Developers. Fev/1998. pp TAURION, C. O Data warehouse será útil para sua organização? Revista Developers. Fev/1998. pp VASCONCELLOS, J.M. Implementando um data warehouse departamental. Revista Developers. Abr/1999. pp VECCHIA, M. A infra-estrutura na construção de um data warehouse. Revista Developers. Mar/1998. pp VILAROUCA, J. J. Acerte nos dados. Revista Information Week. 26/Jan/2000. pp WILLIAMS, J. Ferramentas para a transformação de dados. Revista DBMS. v 1. n 3. pp XAVIER, M.P.T. & GOMES, S.B. A informação como vantagem da empresa competitiva. Revista Developers. Fev/1999. pp

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

Como cultivar leads do Comitê de TI

Como cultivar leads do Comitê de TI BRASIL Como cultivar leads do Comitê de TI O marketing está ajudando ou atrapalhando? Confiança + Credibilidade devem ser CONQUISTADAS O profissional de marketing moderno conhece a importância de cultivar

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

E R P. Enterprise Resource Planning. Sistema Integrado de Gestão

E R P. Enterprise Resource Planning. Sistema Integrado de Gestão E R P Enterprise Resource Planning Sistema Integrado de Gestão US$ MILHÕES O MERCADO BRASILEIRO 840 670 520 390 290 85 130 200 1995-2002 Fonte: IDC P O R Q U E E R P? Porque a única coisa constante é a

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Tecnologia melhora o ABC

Tecnologia melhora o ABC Tecnologia melhora o ABC As inovações da informática estão contribuindo para tornar realidade a determinação de custos com base em atividade Por Mary Lee Geishecker FINANÇAS 18 Mais do que nunca, trabalhar

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização 15 DE MAIO DE 2014 Hotel Staybridge - Sao Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO BRONZE APOIO REALIZAÇÃO Desafios para a Implementação por Processos

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade.

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. 1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. Todos nós da AGI Soluções trabalhamos durante anos

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação

EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação Resenha Crítica: Qual a relação entre competitividade, gestão do conhecimento e tecnologia da informação? Paulo Fernando da Silva Para discutirmos a relação

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira

IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS. Prof. Eduardo H. S. Oliveira IDÉIAS SOBRE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS EMPRESARIAIS INTEGRADOS Introdução Nos últimos seis anos, tem ocorrido no Brasil uma verdadeira revolução na área de gestão empresarial. Praticamente, todas as grandes

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais