APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE"

Transcrição

1 Capítulo 5 APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE Neste capítulo apresentaremos diversos exemplos e algumas aplicações que envolvem os conceitos de limite e de continuidade, estudados anteriormente. Exemplo 5.1. [1] Uma montadora de computadores determina que um empregado após x dias de treinamento, monta m computadores por dia, onde: m(x) = 0x x + x + 5. Qual é ocomportamentode m = m(x)paratreinamentoslongos? Observe que: 0x lim m(x) = lim x + x + x + x + 5 = 0. Logo, após um longo treinamento, um empregado pode montar 0 computadores por dia Figura 5.1: Gráfico do exemplo[1]. 197

2 198 CAPÍTULO 5. APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE [] Ocustoparaproduzir xunidadesdeumcertoprodutoédadopor C(x) = 0.5x em reais. (a) Determine o custo médio quando x cresce. (b) Interprete o resultado. (a) Primeiramente, CM e (x) = C(x) x = x ; então: lim CM e(x) = lim x + x + [ x ] = 0.5. (b) Isto é, quando o bem em questão é produzido em grande escala o custo médio tende a estabilizar-se em 0.5 reais. CMe x Figura 5.: Gráfico do exemplo[]. [3] Um governo determina que o custo para despoluir x% de metais pesados que contaminam umareservadeáguadoceédadopor: medido em dólares. C(x) = 10000x 100 x, (a) Qual éocustoparaeliminar a metadedosmetaispesados? (b) Com dólares, que percentual da reserva fica despoluida? É economicamente viável despoluir totalmente a reserva? (a) Calculamos C(50) = US$ (b) Agora, devemos resolver a equação: = 10000x 100 x = x = %. Por outro lado, lim C(x) = +,; x 100

3 199 isto implica em que à medida que nos aproximamos para despoluir toda a reserva, os custos crescem arbitrariamente, isto é, é economicamente inviável, despoluir toda a reserva. C x Figura 5.3: Gráfico do custo para despoluir. [4] A função de produção de um certo bem em relação à quantidade de matéria prima, em quilogramas, é dada por: P(x) = x 4 x. Determine e interprete a produção quando se tem quilogramas de matéria prima. Como P = P(x) nãoestádefinidapara x =, devemoscalcular: isto é, são produzidas 4 unidades. lim P(x) = lim (x + ) = 4, x x Figura5.4: Comportamentode P = P(x). [5]Modelou-seaevoluçãodapopulaçãodeumacertacidade,após tanos,apartirde009por: E(t) = t t + t Determine o comportamento da população após t = 3, t = 5, t = 15 anos. Qual é o comportamento a longo prazo?

4 00 CAPÍTULO 5. APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE Como a função é contínua, primeiramente calculamos: t E(t) A longo prazo, temos que: [ lim E(t) = lim t ] t + t + t = t + 10 Istoé,alongoprazo apopulação fica estável Figura 5.5: Comportamento da população. 5.1 Juros Compostos Sabemos que se uma quantia A 0 é investida a uma taxa r de juros compostos,capitalizados m vezesao ano,osaldo A(t), após t anosédadopor: A = A 0 [1 + r m ]mt. Se os juros forem capitalizados continuamente, o saldo deverá ser: A = Analogamente, com a taxa efetiva: e o valor atual da quantia (desconto): lim A [ r ] mt [[ r ] m ] t = A0 lim 1 + = A0 e rt. m + m m + m A 0 = lim r ef = e r 1. m + lim A[ 1 + r ] mt = Ae rt. m + m

5 5.1. JUROS COMPOSTOS 01 Exemplo 5.. [1] Os juros de uma aplicação de renda fixa é de 6% ao ano, compostos diariamente. São aplicados R$100,00 neste fundo. Determine o ganho após 10 anos, considerando a taxa de 6% de juros compostos continuamente. Calculando diretamente A(t) = 100 e 0.06t,logo A(10) 18.1 reais Figura 5.6: Comportamento da aplicação. [] Considere um certo investimento que paga 14% de juros anuais sobre um depósito inicial der$3000. Os ganhosdaaplicação após5anosforam estimadospor: A = 3000( ) 5t, onde t é medido em anos. Calcule os ganhos trimestrais e diários da aplicação. Que acontece no caso de os juros serem aplicados continuamente? Devemos calcular A 1 = A t=1/4 (trimestral), A = A t=1/365 (diária) e o limite de A, respectivamente: A 1 = reais A = reais e A = reais A t Figura5.7: Gráfico de A = A(t).

6 0 CAPÍTULO 5. APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE Muitas funções utilizadas em Economia e em Administração não são contínuas e apresentam uma quantidade finita de pontos de descontinuidade. Por exemplo, a função de custo é frequentemente discreta devido à natureza dos bens que ela representa. Exemplo 5.3. [1] Um distribuidor de refrigerantes vende um certo tipo de refrigerante segundo a seguinte lista de preço: R$ 10 por caixa, na compra de até 30 caixas. R$ 8 por caixa, na compra de mais de30caixas emenosde70caixas. R$5porcaixa, nacomprademais de70caixas emenosque 150 caixas e R$4porcaixa,nacompraacima de150 caixas. Acheafunção querepresentaesta lista e esboce seu gráfico. Se x éaquantidadedecaixas e p opreçototal,afunção preçoé: 10x se 0 x 30 8x se 30 < x 70 p(x) = 5x se 70 < x 150 4x se 150 < x. p x Figura 5.8: Gráfico da função preço. [] Em geral os custos de produção diminuem quando aumenta a produção. Suponha que uma empresa tem a seguinte função de custo, para certo produto x: (a) Esboceográficode C = C(x). (b) Determine lim C(x), lim x 100 (a) Esboçode C = C(x): 1.x se 0 < x x se 100 < x 300 C(x) = 0.75x se 300 < x x se 600 < x. x 100 x 600 C(x), lim C(x)e lim + x C(x).

7 5.1. JUROS COMPOSTOS Figura 5.9: Gráfico de C(x). (b) lim C(x) = lim 1.x = 10, lim C(x) = lim 0.9x = 90 e x 100 x 100 x x 100 lim C(x) = lim 0.75x = 450, lim C(x) = lim 0.6x = 360 x 600 x 600 x x 600 [3] Umaempresatemcomo função decusto,paracertoproduto x: C(x) = (a) Esboceográfico de C = C(x). (b) Determine lim C(x)e lim C(x). x 10 x 10 + (c) C = C(x)écontínua? (a) Esboçode C = C(x): { x se 0 < x x + 14 se 10 < x Figura 5.10: Gráfico de C(x). (b) lim C(x) = lim x = 0 e lim C(x) = lim 0.6x + 14 = 0. x 10 x 10 x 10 + x 10 (c) Écontínua, pois C(10) = 0.

8 04 CAPÍTULO 5. APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE [4] Numa cidade se observa que a despesa de uma família com TV a cabo depende do tempo t, mensal, que os habitantes assistem TV e esta quantidade, em centenas de reais, é modelada por: 0 se 0 t < 0 P(t) = 0.1t se 0 t t 1000 se 100 < t. t Estude a continuidade da despesa P = P(t). A despesa de uma família é sensivelmente diferente se o tempo que assiste TV é ligeiramente inferior ou superior a 0 horas? E para 100 horas? Primeiramente calculamos: lim P(t)) = lim 0 = 0 t 0 t 0 lim P(t) = lim 0.1t = t 0 + t 0 Logo, a função é descontínua em t 0 = 0. Note que a mudança de gasto de uma família varia sensivelmente se as horas que assiste TV é ligeiramente inferior ou superior a 0 horas. Por outro lado, calculamos lim P(t)) = lim 0.1t = 10 t 100 t 100 lim P(t) = lim t t t 1000 t = 10 Logo, a função é contínua em t 0 = 100. Note que não existem mudanças de gasto quando a tempoemqueassistetv mudaligeiramente inferior a100 horasousuperiora 100 horas P t Figura5.11: Gráfico de P = P(t). [5] A despesa em artigos de limpeza, de certa família, depende de sua receita x, em centenas de reais. A despesa destes artigos é modelada por: 0.05x se 0 x 00 G(x) = 40x se 00 < x. x + 000

9 5.1. JUROS COMPOSTOS 05 (a) Estude a continuidade da despesa G = G(x). A despesa de uma família é sensivelmente diferente se sua receita é levemente inferior ou superior a 00 reais? (b) Podeuma família gastarmais doque0 reais? (a) Notequeoúnicopontoproblemático é x 0 = 00, entãodevemosestudar: lim G(x) = lim x 00 lim G(x) = lim x 00 + x x = 3 x 00 40x x = Logo, a função é descontínua em x 0 = 00. A mudança da despesa de uma família varia sensivelmente se sua receita é levemente inferior ou superior a 00 reais. (b) Por outro lado: 40x lim G(x) = lim x + x + x = 0. A função apresenta uma assíntota em y = 0; logo, nenhuma família pode gastar mais do que 0 reais em artigos de limpeza. G x Figura5.1: Gráfico de G = G(x). [6] A administração de um hospital vai implementar um novo sistema que pretende reduzir o tempo de espera para cirurgias. O seguinte modelo foi experimentalmente determinado para prever que em t meses o percentual de pacientes que podem ser operadossem entrar em lista deesperaé: t 8t + 50 se 0 t 10 h(t) = 38t 100 se 10 < t. 0.4t Estudeacontinuidadedafunção h. Qual éopercentualquenão poderánuncaseratingido? Notequeoúnico pontoproblemático é t 0 = 10; então,devemosestudar: lim h(t) = lim t 10 lim h(t) = lim t 10 + t 10 t 10 t 8t + 50 = 70 38t 100 = t

10 06 CAPÍTULO 5. APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE h(10) = 70. Logo,afunção écontínuaem t 0 = 10. Poroutrolado: 38t 100 lim h(t) = lim = 95. t + t + 0.4t A função apresenta uma assíntota em y = 95; logo, o percentual nunca poderá ultrapassar 95 %. h t Figura5.13: Gráfico de h = h(t). [7] Num certo país, o montante de impostos de renda T(x) devido por uma pessoa física que recebe x u. m. émodeladopor: 0.15x se 0 x < 5000 T(x) = (x 5000) se 5000 x < (x 60000) se x. Estudeacontinuidadedo impostode renda T = T(x). A rendade um contribuinte é sensivelmente diferente se sua receita é ligeiramente inferior ou superior a reais? Notequeospontosproblemáticos são x 0 = 5000 e x 1 = 60000; entãodevemosestudar: e lim T(x) = x 5000 lim T(x) = x lim T(x) = x lim T(x) = x lim x 5000 lim x 5000 lim x lim x x = 3750 [ ] (x 5000) = 3750 [ (x 5000) ] = 1500 [ (x 60000) ] = Logo, a função é contínua. As mudanças da renda do contribuinte não tem variação sensível sesuarendaélevementeinferiorou superiora60000 u.m.

11 5.. FUNÇÃO PARTE INTEIRA T x Figura5.14: Gráfico de T = T(x). 5. Função Parte Inteira Como vimos nos exemplos anteriores, muitas vezes é necessário representar uma situação que não é possível modelar através de funçãos contínuas. Neste sentido, a seguinte função é utilizada para modelar situações onde a variável independente é escalonada. Definamos aseguintefuncão: f : R Zpor: f(x) = maior{n Z /n x < n + 1}. Denotamos f(x) = [[x]]. Isto é, [[x]] denota o maior número inteiro n tal que n x < n + 1. Claramente esta função é descontínua. Note que [[x]] = 1 se 1 x < 0, [[x]] = 0 se 0 x < 1, [[x]] = 1se 1 x <, etc. Exemplo 5.4. [1] A função f(x) = [[x]] édescontínuaparacada k Z. De fato, se k Z, lim [[x]] = k 1 e lim [[x]] = k; logo, lim [[x]] não existe. Se k R Z, x k x k + x k então lim [[x]] existe. x k Figura5.15: Gráfico de f(x) = [[x]].

12 08 CAPÍTULO 5. APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE [] Suponhaqueafunção custoparaproduzir,emreais, certotipodeprodutoédadapor: C(x) = 0.34([[x]] + ), emmilhõesdereais. Esboceográfico de C = C(x). Como [[x]] = 0se 0 x < 1, [[x]] = 1se 1 x <, etc. Temos: x C(x) Figura5.16: Gráfico de C = C(x). [3] Serão aplicados R$ 5000 numa aplicação financeira que rende 15% ao ano com juros capitalizados trimestralmente. O montante após t anos pode ser calculado utilizando uma das seguintes fórmulas: A 1 = 5000( ) 4t ou A = 5000( ) [[4t]]. Que fórmula é mais conveniente utilizar após 10 dias de aplicação? As fórmulas são iguais se [[4t]] é inteiro. Em geral, A A 1 para todo t 0. Logo, é mais vantajoso utilizar A 1. Defato, calculando para t = 10/365: A 1 = e A = reais.

13 5.. FUNÇÃO PARTE INTEIRA Figura5.17: Gráficos de A 1 e A,respectivamente. [4] Uma refinaria de petróleo possui 10 torres de destilação. O custo para operar cada torre é deus$140 porsemanaeocustodamatériaprimaédeus$0.9porbarril depetróleorefinado. Cada torre pode processar matéria prima de modo a produzir barris por semana. Se as torres só são ativadas quando houver matéria prima, e se x é a quantidade de matéria prima, embarris, ocustodeproduçãoé: C(x) = 140( [[ x ]] + 1) + 0.9x Esboceográfico de C = C(x). Noteque a quantidade [[ x ]] [[ x ]] foi aumentada de 1, pois torresde destilação produzem no máximo x barris e que para qualquer produção adicional será necessário co meçar a operar com outra torre Figura 5.18: Gráfico de C = C(x). [5] A tarifa de uma ligação telefônica a longa distância noturna do Rio de Janeiro para New Yorké70 centavos dereal peloprimeiro minuto ede 50 centavos dereal porminuto ou fração de minuto adicional. A tarifa é modelada por: { 0.7 se 0 < t 1 T(t) = [[t + 1]] se 1 < t.

14 10 CAPÍTULO 5. APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE Determinequantosedevepagarporumaligação deminutose43segundos? Calculemos T(.43); como t > 1 utilizamos a parte da função T(t) = [[t + 1]]; logo T(.43) = [[3.43]] = =.. Deve pagarreais e 0centavos. T t Figura5.19: Gráficos de T = T(t). [6] Aquantidadedematériaprima deumacertaempresaémodeladapor: m(t) = 0 [ [[ t + ]] ] t. Esboce o gráfico de m = m(t) no intervalo [0,6) e determine quando a empresa deve repor o estoque. Note que: [[t + ]] [[ t ]] = 1 +. Então, [[ t + ]] [[t + ]] = 1 se, e somente se 0 t < ; = se, e somente se t < 4; [[t + ]] = 3se,esomentese 4 t < 6; logo: 0( t) se 0 t < m(t) = 0(4 t) se t < 4 0(6 t) se 4 t < 6 Ográfico de m = m(t)é:

15 5.. FUNÇÃO PARTE INTEIRA m t Por outro lado: lim t logo,devereporoestoqueacada anos. Figura5.0: Gráfico de T = T(t). t 4 t 6 m(t) = lim m(t) = lim m(t) = 0;

16 1 CAPÍTULO 5. APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE 5.3 Exercícios 1. A evolução notempo t dacapacidade deproduçãodeumafábrica édadapor: P(t) = (t 100). (a) Calcule P(10), P(0), P(50), P(100) e P(150). Expliqueoqueestáacontecendocom a produção. (b) Calcule lim t 100 P(t) (c) Calcule lim t 00 P(t);expliqueoresultado. (d) Esboceográfico de P.. A população (em milhares) de uma colônia de bactérias, t minutos após a introdução de uma toxina, é dada pela função: (a) Calcule lim t 10 f(t). f(t) = (b) Calcule lim f(t)e lim f(t). t 5 t 5 + (c) Afunção f écontínuaem t = 5? { t + 7 se t < 5 8t + 7 se 5 t. (d) Explique por que a população deve ser de bactérias em algum momento entre t = 1et=7. (e)esboceográfico de f. 3. A pontuação num vestibular obtida por um estudante depende do tempo t, em horas, que dedicou ao estudo. Esta pontuação é modelada por: t V (t) = 3 t 0.t + 3 se 0 t 15 se 15 < t. (a) Estude a continuidade da função. (b) Justifique por que a pontuação não pode ultrapassar 15 pontos.

17 5.3. EXERCÍCIOS O preço atingido por certos artigos num leilão depende do número de pessoas interessadasnasuaaquisição. Opreçoédadopor: 5x + 5 se 0 x 10 P(x) = 38x se 10 < x. 9 Verifique se existe alguma variação importante quando o número de pessoas interessadas é ligeiramente superior a Numacidadeoconsumodeáguaémodeladoemfunçãodoconsumode xmetroscúbicos mensais por: 8 se x < 10 A(x) = 8 + (x 10) se 10 x < (x 0) se 0 x. (a) Estudeacontinuidadedoconsumodaágua A = A(x). (b) Analise seoconsumodeágua ésensivelmentediferentesesãogastosemtornode0 metros cúbicos de água. (c) Esboceográfico de A = A(x). 6. Onúmerodeunidadesdeum certoprodutomantidoemestoqueé dadopor: E(t) = 5 ( [[ ]] t + t ), 0 t 1. (a) Esboceográfico de E = E(t). (b) Comquefrequência aempresadevereporoestoque? (c) Calcule lim t 1 E(t). 7. Opreçodeum certoprodutoé p(x) = [[ ]] [ [[ ]] x x x onde x o número de produtos vendidos. Determine lim p(x) e lim p(x); o que podemos x 16 x 16 + concluir? 8. Um acordo coletivo dos empregados de uma empresa garante um aumento anual de 11% durante os próximos 10 anos. Se o salário anual dos empregadosé1000 dólares e se tal situação é modelada por: s(t) = [[t]], (a) esboce o gráfico do salário. (b) determineosalário após8anos.

18 14 CAPÍTULO 5. APLICAÇÕES DE LIMITES E CONTINUIDADE 9. O número de pessoas infectadas por uma epidemia de dengue é modelada por: (a) Esboceográfico de d = d(t). d(t) = 30t t t + 4. (b) A epidemia de dengue passará a longo prazo? Justifique sua resposta. 10. Definamos e denotemos o lucro médio por: LMe(x) = L(x) x R(x) C(x) =. x (a) Umaempresafabrica um produtoaumcustounitário de0.15 u. m. e ovendea0.9u. m. a unidade;. Se a empresa invistiu u. m. para fabricar o produto., determine o lucro médio,para e 0000 unidades. Qual éolucro médio alongoprazo? (b) Se o custo de uma empresa é dado por C(x) = 1.5 x + 1.5x + 10 e a receita é dada por R(x) =.7x, esboceográficodolucro médio.

Gráfico: O gráfico de uma função quadrática é uma parábola. Exemplos: 1) f(x) = x 2 + x -3-2 -1-1/2 1 3/2 2. 2) y = -x 2 + 1 -3-2 -1

Gráfico: O gráfico de uma função quadrática é uma parábola. Exemplos: 1) f(x) = x 2 + x -3-2 -1-1/2 1 3/2 2. 2) y = -x 2 + 1 -3-2 -1 Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 1º semestre 2015 Profa Olga Função Quadrática Uma função f : R R chama-se função quadrática quando existem números reais a, b e c, com a 0, tais que f(x) = ax 2 + bx

Leia mais

UFPel - CENG - CÁLCULO 1

UFPel - CENG - CÁLCULO 1 UFPel - CENG - CÁLCULO 1 FUNÇÕES -Parte I 1. Esboce os gráficos das funções afins, indicando as interseções com os eixos. a) f(x) = 400 3x b) f(x) = 10x + 75 c) S(t) = s 0 + vt, sendo s 0 = 20m e v = 5m/s

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M9 Noções de Matemática Financeira

Matemática. Resolução das atividades complementares. M9 Noções de Matemática Financeira Resolução das atividades complementares Matemática M9 Noções de Matemática Financeira p. 9 1 (Cesesp-PE) Suponha que uma classe constituída de rapazes e moças tenha 0 alunos, dos quais 6 são moças. Assinale

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS E ECONOMIA

INTEGRAIS DEFINIDAS E ECONOMIA Capítulo 13 INTEGRAIS DEFINIDAS E ECONOMIA 13.1 A Integral Definida como Variação Total Neste capítulo estudaremos o problema inverso do estudado na Análise Marginal. Suponha que desejamos determinar o

Leia mais

1º LISTÃO QUINZENAL DE MATEMÁTICA MAIO/2011 1º ANO PARTE 1 ESTUDO DAS FUNÇÕES

1º LISTÃO QUINZENAL DE MATEMÁTICA MAIO/2011 1º ANO PARTE 1 ESTUDO DAS FUNÇÕES 1º LISTÃO QUINZENAL DE MATEMÁTICA MAIO/2011 1º ANO PARTE 1 ESTUDO DAS FUNÇÕES 01. Dadas as funções definidas por f(x) = 1 2 x 2 x + e g(x) = + 1 2 5, determine o valor de f(2) + g(5). 02. Dada a função

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Capítulo 7 APLICAÇÕES DA DERIVADA 7. Variação de Funções Definição 7.. Seja f umafunçãoex 0 Dom(f).. f possui um ponto de máximo relativo ou de máximo local noponto x 0, se existe umpequeno intervalo aberto

Leia mais

LIMITES E CONTINUIDADE

LIMITES E CONTINUIDADE Capítulo 3 LIMITES E CONTINUIDADE 3.1 Introdução A seguir, apresentaremos como listar os valores de uma função, no formato de tabela, em uma vizinhança de um ponto que não necessariamente pertence ao do

Leia mais

Solução. a) Qual deve ser o preço de venda de cada versão, de modo que a quantidade de livros vendida seja a maior possível?

Solução. a) Qual deve ser o preço de venda de cada versão, de modo que a quantidade de livros vendida seja a maior possível? 1 A Editora Progresso decidiu promover o lançamento do livro Descobrindo o Pantanal em uma Feira Internacional de Livros, em 01. Uma pesquisa feita pelo departamento de Marketing estimou a quantidade de

Leia mais

UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Matrizes e Sistemas de Equações Apresentação Lineares UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Descrever e comentar possibilidades

Leia mais

LISTA 3 ( ) Q = 700 400e -0,5t, onde. Q = quantidade de peças produzidas mensalmente por um funcionário; t = meses de experiência; e = 2,7183.

LISTA 3 ( ) Q = 700 400e -0,5t, onde. Q = quantidade de peças produzidas mensalmente por um funcionário; t = meses de experiência; e = 2,7183. LISTA 3 1. A trajetória de um salto de um golfinho nas proximidades de uma praia, do instante em que ele saiu da água (t = 0) até o instante em que mergulhou (t = T), foi descrita por um observador por

Leia mais

Função Quadrática Função do 2º Grau

Função Quadrática Função do 2º Grau Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Função Quadrática 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 5 º Bimestre/13 Aluno(a): Número: Turma: Função Quadrática

Leia mais

Função do 2º Grau. V(x) 3x 12x. C(x) 5x 40x 40.

Função do 2º Grau. V(x) 3x 12x. C(x) 5x 40x 40. Função do º Grau. (Espcex (Aman) 04) Uma indústria produz mensalmente x lotes de um produto. O valor mensal resultante da venda deste produto é dado por C(x) 5x 40x 40. V(x) 3x x e o custo mensal da produção

Leia mais

1 Variáveis Aleatórias

1 Variáveis Aleatórias Variáveis Aleatórias Exercício Num lançamento de 3 moedas equilibradas seja X avariável aleatória que representa o número de caras saídas Escreva a função de probabilidade de X Exercício Quantasvezessedevelançarumdadoaoarparaqueaprobabilidade

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

1 2 c) y 2x 2 d) y 2x 2 e) y 2x 2

1 2 c) y 2x 2 d) y 2x 2 e) y 2x 2 ALUNO(a): Nº: SÉRIE: ª TURMA: UNIDADE: VV JC JP PC DATA: / /05 Obs.: Esta lista deve ser entregue apenas ao professor no dia da aula de Recuperação Valor: 0,0 SETOR A. O gráfico representa a função real

Leia mais

Matemática Exercícios sobre Funções AFA/EFOMM

Matemática Exercícios sobre Funções AFA/EFOMM Matemática Exercícios sobre Funções AFA/EFOMM p 8 01 - A fórmula N dá o valor aproximado do 4 número do calçado (N) em função do comprimento (p), em centímetros, do pé de qualquer pessoa. De acordo com

Leia mais

CAPÍTULO 4 Exercícios Resolvidos

CAPÍTULO 4 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 4 Exercícios Resolvidos R4.1) Condição para concretização de uma venda Um certo tipo de componente é vendido em lotes de 1000 itens. O preço de venda do lote é usualmente de 60 u.m. Um determinado

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web . (Pucrj 015) Sejam as funções f(x) = x 6x e g(x) = x 1. O produto dos valores inteiros de x que satisfazem a desigualdade f(x) < g(x) é: a) 8 b) 1 c) 60 d) 7 e) 10 4. (Acafe 014) O vazamento ocorrido

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Problemas do 1º grau 2016

Problemas do 1º grau 2016 Problemas do º grau 06. (Unicamp 06) O gráfico abaixo exibe o lucro líquido (em milhares de reais) de tręs pequenas empresas A, B e C, nos anos de 03 e 04. Com relaçăo ao lucro líquido, podemos afirmar

Leia mais

BANRISUL SIMULADO PRÉ-PROVA

BANRISUL SIMULADO PRÉ-PROVA BANRISUL SIMULADO PRÉ-PROVA MATEMÁTICA Instrução: Para responder às questões desta prova, considere, se necessário, as tabelas abaixo, as quais contêm resultados de cálculos de algumas fórmulas pertinentes

Leia mais

FUNÇÕES EM ECONOMIA. Capítulo 3. 3.1 Introdução

FUNÇÕES EM ECONOMIA. Capítulo 3. 3.1 Introdução Capítulo 3 FUNÇÕES EM ECONOMIA 3.1 Introdução Nestas notas aplicaremos os conceitos do Cálculo Diferencial e Integral de uma variável a um ramo da Economia, chamado de Microeconomia, que estuda como os

Leia mais

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Por Carlos Alexandre Sá Neste trabalho vamos analisar um elemento importante do Fluxo das Atividades Operacionais: a necessidade de capital de

Leia mais

1. Um corpo arremessado tem sua trajetória representada pelo gráfico de uma parábola, conforme a figura a seguir.

1. Um corpo arremessado tem sua trajetória representada pelo gráfico de uma parábola, conforme a figura a seguir. 1. Um corpo arremessado tem sua trajetória representada pelo gráfico de uma parábola, conforme a figura a seguir. Nessa trajetória, a altura máxima, em metros, atingida pelo corpo foi de a) 0,52m. b) 0,64m.

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Matemática 1. 20. Abaixo temos um extrato bancário simplificado do mês de novembro.

Matemática 1. 20. Abaixo temos um extrato bancário simplificado do mês de novembro. Matemática 1 17. Uma revista semanal de larga circulação apresentou matéria contendo o seguinte texto: O governo destinou 400.000 reais para a vacinação de 25 milhões de cabeças de gado, ou seja, um centavo

Leia mais

Aplicações de Derivadas

Aplicações de Derivadas Aplicações de Derivadas f seja contínua no [a,b] e que f '(x) exista no intervalo aberto a x b. Então, existe pelo menos um valor c entre a eb, tal que f '(c) f (b) f (a) b a. pelo menos um ponto c (a,

Leia mais

a) R$ 51 500,00. b) R$ 52 000,00. c) R$ 52 400,00. d) R$ 52 500,00. e) R$ 53 000,00.

a) R$ 51 500,00. b) R$ 52 000,00. c) R$ 52 400,00. d) R$ 52 500,00. e) R$ 53 000,00. MATEMÁTICA 49 Um terreno comprado por R$ 30 000,00 valorizou de tal maneira, que seu valor no mercado imobiliário 2 anos após sua compra era de R$ 50 000,00, e 5 anos após a compra era de R$ 68 000,00.

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

COMO CALCULAR OS JUROS

COMO CALCULAR OS JUROS COMO CALCULAR OS JUROS Este texto foi redigido para aqueles que se interessam pelo cálculo dos juros. A maioria das pessoas prefere deixá-lo aos especialistas. Entretanto, como estes cálculos representam

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

Questão 02 (UFJF MG/2012) Considere as afirmativas abaixo envolvendo as funções f (x) = sen(x), g(x) = x 2 3x + 2 e h(x) = e x.

Questão 02 (UFJF MG/2012) Considere as afirmativas abaixo envolvendo as funções f (x) = sen(x), g(x) = x 2 3x + 2 e h(x) = e x. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: ª Série

Leia mais

Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões:

Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões: Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho Questões: 01.(UNESP) Apresentamos a seguir o gráfico do volume do álcool em função de sua massa, a uma temperatura fixa de 0 C.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1

MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1 CAPÍTULO 1 JUROS SIMPLES MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1 1.1) DEFINIÇÃO No cálculo dos juros simples, os rendimentos ou ganhos J em cada período t são os mesmos, pois os juros são sempre calculados

Leia mais

Matemática Régis Cortes. JURO composto

Matemática Régis Cortes. JURO composto JURO composto 1 O atual sistema financeiro utiliza o regime de juros compostos, pois ele oferece uma maior rentabilidade se comparado ao regime de juros simples, onde o valor dos rendimentos se torna fixo,

Leia mais

MATEMÁTICA PARA NEGÓCIOS - GST1075 Semana Aula: 1 Aula 1. Função Custo. Objetivos

MATEMÁTICA PARA NEGÓCIOS - GST1075 Semana Aula: 1 Aula 1. Função Custo. Objetivos MATEMÁTICA PARA NEGÓCIOS - GST1075 Semana Aula: 1 Aula 1. Função Custo. Objetivos Ao final desta aula, o aluno deverá ser capaz de: Diferenciar o custo fixo do custo variável. Determinar a função custo

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

Omatematico.com ESTATÍSTICA DESCRITIVA

Omatematico.com ESTATÍSTICA DESCRITIVA Omatematico.com ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. Classifique as variáveis abaixo: (a) Tempo para fazer um teste. (b) Número de alunos aprovados por turma. (c) Nível sócio-econômico (d) QI (Quociente de inteligência).

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE. VESTIBULAR 2013 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE. VESTIBULAR 2013 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE VESTIBULAR 0 a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. 0. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da

Leia mais

Função Trigonométrica

Função Trigonométrica Função Trigonométrica 1. (Ufpr 013) O pistão de um motor se movimenta para cima e para baixo dentro de um cilindro, como ilustra a figura. Suponha que em um instante t, em segundos, a altura h(t) do pistão,

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 5. Questão 3. alternativa C. alternativa E. alternativa C.

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 5. Questão 3. alternativa C. alternativa E. alternativa C. Questão TIPO DE PROVA: A José possui dinheiro suficiente para comprar uma televisão de R$ 900,00, e ainda lhe sobrarem da quantia inicial. O valor que so- 5 bra para José é a) R$ 50,00. c) R$ 800,00. e)

Leia mais

1)Faça a representação gráfica das seguintes funções do primeiro grau: a)y = - x + 3 b)f(x) = - 3x + 5 c)y = x + 2 d)y = x + 3

1)Faça a representação gráfica das seguintes funções do primeiro grau: a)y = - x + 3 b)f(x) = - 3x + 5 c)y = x + 2 d)y = x + 3 Função do Primeiro Grau 1)Faça a representação gráfica das seguintes funções do primeiro grau: a)y = - x + 3 b)f(x) = - 3x + 5 c)y = x + 2 d)y = x + 3 2)Uma função polinomial do 1 o grau y = f(x) é tal

Leia mais

LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES

LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Capítulo 4 LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES 4. Introdução O desenvolvimento teórico de grande parte do Cálculo foi feito utilizando a noção de ite. Por eemplo, as definições de derivada e de integral

Leia mais

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Funções e Aplicações Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Maio de 2011 Índice 1 - Conjuntos Numéricos... 4 Intervalos... 5 Intervalos finitos... 5 Intervalos

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 02. Assunto: JUROS E PORCENTAGENS

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 02. Assunto: JUROS E PORCENTAGENS Nome: Ano: 3º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº 02 Assunto: JUROS E PORCENTAGENS 1) Porcentagem Definição: É uma fração que indica a participação de uma quantidade sobre um todo.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Manuel MATEMÁTICA FINANCEIRA 01. (UNEB-2008) O proprietário de um imóvel contratou uma imobiliária para vendê-lo, pagando-lhe 5% do valor obtido na transação. Se a imobiliária recebeu R$ 5.600,00,

Leia mais

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29

MATEMÁTICA 3. Resposta: 29 MATEMÁTICA 3 17. Uma ponte deve ser construída sobre um rio, unindo os pontos A e, como ilustrado na figura abaixo. Para calcular o comprimento A, escolhe-se um ponto C, na mesma margem em que está, e

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

3. JUROS SIMPLES. i 100

3. JUROS SIMPLES. i 100 Matemática Financeira com a Calculadora HP -12C 23 3. JUROS SIMPLES 3.1 INTRODUÇÃO 5 10 15 20 Como vimos no Capítulo 1, juros simples apresentam uma grande vantagem operacional sobre os compostos. Isso

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. E pode-se iniciar o estudo sobre o tema com a seguinte frase: NÃO SE SOMA OU SUBTRAI QUANTIAS EM DINHEIRO

Leia mais

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4 Teorema de Taylor Prof. Doherty Andrade Sumário 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange 1 2 Exemplos 2 3 Exercícios 3 4 A Fórmula de Taylor 4 5 Observação 5 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange

Leia mais

REVISÃO 1ª FASE UFU Vestibular 2012/2 Exercícios para a Semana de 08 a 22 de julho 2012 MATEMÁTICA prof. HAWLEY RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES

REVISÃO 1ª FASE UFU Vestibular 2012/2 Exercícios para a Semana de 08 a 22 de julho 2012 MATEMÁTICA prof. HAWLEY RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES REVISÃO ª FASE UFU Vestibular 0/ Exercícios para a Semana de 08 a de julho 0 MATEMÁTICA prof HAWLEY RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES QUESTÃO Sendo p o valor da parcela caso a geladeira seja paga em n parcelas, do

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2014-2 INSPER. ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2014-2 INSPER. ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR - INSPER. ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Utilize as informações a seguir para as questões e. Uma estação de trens é constituída

Leia mais

FUNÇÕES E INEQUAÇÕES

FUNÇÕES E INEQUAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA ANDRÉIA SCHMIDT GEHHANNY ASSIS JAQUELINI ROCHA SIMÃO LARISSA VANESSA DOMINGUES FUNÇÕES E INEQUAÇÕES CURITIBA 2012

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA

EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA 1. Uma construtora, para construir o novo prédio da biblioteca de uma universidade, cobra um valor fixo para iniciar as obras e mais um valor, que aumenta de acordo com o passar

Leia mais

Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008

Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008 Licenciatura em Gestão Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão [2] 2007/2008 Noções Fundamentais Rendimento = Consumo + Poupança [Aforro] Aforro = Entesouramento + Investimento Financeiro Entesouramento

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais

REVISÃO DE. Vamos em Frente. O sucesso nos espera.

REVISÃO DE. Vamos em Frente. O sucesso nos espera. REVISÃO DE Esta Lista de Revisão reúne questões de vestibulares de todo o país. Sobre os assuntos dados no º Semestre. As questões foram selecionadas e classificadas cuidadosamente por assunto, com o objetivo

Leia mais

Módulo de Juros e Porcentagem. Juros Simples e Compostos. Sétimo Ano

Módulo de Juros e Porcentagem. Juros Simples e Compostos. Sétimo Ano Módulo de Juros e Porcentagem Juros Simples e Compostos Sétimo Ano Juros Simples e Compostos 1 Eercícios Introdutórios Eercício 1. Um investidor quer aplicar a quantia de R$ 800, 00 por 3 meses, a uma

Leia mais

LISTA DE FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU - 2012. ax b, sabendo que:

LISTA DE FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU - 2012. ax b, sabendo que: 1) Dada a função f(x) = 2x + 3, determine f(1). LISTA DE FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU - 2012 2) Dada a função f(x) = 4x + 5, determine x tal que f(x) = 7. 3) Escreva a função afim f ( x) ax b, sabendo

Leia mais

b) a 0 e 0 d) a 0 e 0

b) a 0 e 0 d) a 0 e 0 IFRN - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN PROFESSOR: MARCELO SILVA MATEMÁTICA FUNÇÃO DO º GRAU 1. Um grupo de pessoas gastou R$ 10,00 em uma lanchonete. Quando foram pagar a conta,

Leia mais

3 Matemática financeira e atuarial

3 Matemática financeira e atuarial 3 Matemática financeira e atuarial A teoria dos juros compostos em conjunto com a teoria da probabilidade associada à questão da sobrevivência e morte de um indivíduo são os fundamentos do presente trabalho.

Leia mais

Problemas de função do 1º grau

Problemas de função do 1º grau Problemas de função do º grau. (Ucs 204) O salário mensal de um vendedor é de R$ 750,00 fixos mais 2,5% sobre o valor total, em reais, das vendas que ele efetuar durante o mês. Em um mês em que suas vendas

Leia mais

ATIVIDADE IMOBILIÁRIA - VENDAS A PRAZO Registros Contábeis

ATIVIDADE IMOBILIÁRIA - VENDAS A PRAZO Registros Contábeis ATIVIDADE IMOBILIÁRIA - VENDAS A PRAZO Registros Contábeis Sumário 1. Introdução 2. Venda a Prazo de Unidades Imobiliárias Concluídas 3. Venda a Prazo ou à Prestação de Unidade Não Concluída Com Vencimento

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES EXERCÍCIOS

GESTÃO DE ESTOQUES EXERCÍCIOS GESTÃO DE ESTOQUES EXERCÍCIOS GIRO DE ESTOQUE GIRO DE ESTOQUE Indica quantas vezes o estoque é utilizado em determinado período. ROTATIVIDADE/GIRO = ((CONSUMO) / (ESTOQUE MÉDIO)) Ex01 - Um pequeno especialista

Leia mais

Tipos de variáveis aleatórias

Tipos de variáveis aleatórias Tipos de variáveis aleatórias Variáveis aleatórias discretas se assumem um conjunto finito ou infinito numerável de valores. Exemplos: número de pintas que sai no lançamento de um dado; registo, a intervalos

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

Mini-curso: Vestibular e Concurso sem Complicação II Orientação: Profa. Dra. Edna Maura Zuffi Monitor Responsável: Bruno Aguiar Alves de Camargo

Mini-curso: Vestibular e Concurso sem Complicação II Orientação: Profa. Dra. Edna Maura Zuffi Monitor Responsável: Bruno Aguiar Alves de Camargo Mini-curso: Vestibular e Concurso sem Complicação II Orientação: Profa. Dra. Edna Maura Zuffi Monitor Responsável: Bruno Aguiar Alves de Camargo Atividades Atividade 1 1) (Vunesp-SP) Uma escada apoiada

Leia mais

Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas

Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas Introdução aos Modelos Biomatemáticos - aulas Teórico-Práticas Mestrado em BBC, 2008/2009 1 Capítulo 1 Nos exercícios 1) e 2) suponha que o crescimento é exponencial. 1. Entre 1700 e 1800 a população humana

Leia mais

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF)

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 010 ExercíciosProgramados1e VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Esses exercícios abrangem a matéria das primeiras semanas de aula (Aula 1) Os alunos

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciências e Humanidades. Representação Gráfica de Funções

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciências e Humanidades. Representação Gráfica de Funções Bacharelado em Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciências e Humanidades BC 0005 Bases Computacionais da Ciência Representação Gráfica de Funções Prof a Maria das Graças Bruno Marietto graca.marietto@ufabc.edu.br

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Versão 2010 Laércio Luis Vendite 1. INTRODUÇÃO Nos dias atuais, o ensino de Matemática tem seguido, em várias situações, uma linha axiomática que sempre só apresenta aos alunos a

Leia mais

EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 2013-2 GABARITO. Questão 1.

EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 2013-2 GABARITO. Questão 1. EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 0 - Questão. GABARITO Considere um triângulo equilátero de lado e seja A sua área. Ao ligar os pontos médios de cada lado, obtemos um segundo triângulo equilátero de área

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição 90 1. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 1.1 FUNÇÕES INJETORAS Definição Dizemos que uma função f: A B é injetora quando para quaisquer elementos x 1 e x de A, f(x 1 ) = f(x ) implica x 1 = x. Em

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática DISCIPLINA: CALCULO B UNIDADE III - LISTA DE EXERCÍCIOS Atualizado 2008.2 Domínio, Imagem e Curvas/Superfícies de Nível y2 è [1] Determine o domínio

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

MATEMÁTICA PRIMEIRA ETAPA - 1999

MATEMÁTICA PRIMEIRA ETAPA - 1999 MATEMÁTICA PRIMEIRA ETAPA - 1999 QUESTÃO 46 Observe a figura. Essa figura representa o intervalo da reta numérica determinado pelos números dados. Todos os intervalos indicados (correspondentes a duas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

http://www.de.ufpb.br/~luiz/

http://www.de.ufpb.br/~luiz/ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequências

Leia mais

F=1.038,50. F = P. (1+i) n F=1.000(1+0,12) 4/12. F = P. (1+i) n J=F-P J=1.000(1+0,02) 12 1.000 = 268,24

F=1.038,50. F = P. (1+i) n F=1.000(1+0,12) 4/12. F = P. (1+i) n J=F-P J=1.000(1+0,02) 12 1.000 = 268,24 1 Quais serão os juros pagos pelo empréstimo de $1. durante um ano a uma taxa de 2% am? P=1. i=2%am n=1 ano(=12meses) F = P. (1+i) n J=F-P J=1.(1+,2) 12 1. = 268,24 3 Qual será o montante pago pelo empréstimo

Leia mais

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II MAT454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II a Lista de Exercícios -. Ache os pontos do hiperboloide x y + z = onde a reta normal é paralela à reta que une os pontos (,, ) e (5,, 6).. Encontre

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

Introdução à matemática nanceira

Introdução à matemática nanceira Introdução à matemática nanceira Estela Mara de Oliveira 1 e Sônia Regina Leite Garcia (Orientadora) 2 1 Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP), Brazil estelaime@hotmailcom

Leia mais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais e mensais de $ 1.000,00 cada uma, dentro do conceito de termos vencidos, sabendo-se que

Leia mais