materiais. No nível tático, consiste em estabelecer os planos de médio prazo, aonde o PCP desenvolve o Plano-mestre de Produção (PMP) de produtos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "materiais. No nível tático, consiste em estabelecer os planos de médio prazo, aonde o PCP desenvolve o Plano-mestre de Produção (PMP) de produtos"

Transcrição

1 13 INTRODUÇÃO O PCP - Planejamento e Controle da Produção ou Planeamento e Controle da Produção é o setor da organização que admite a sequência dos procedimentos produtivos fabris. O PCP controla a atividade de determinar sobre a melhor maneira de aplicação dos recursos de produção, garantindo, portanto, o cumprimento do que foi previsto na quantidade e no tempo certo e com os recursos corretos e apropriados. Assim sendo, o PCP trata de informações de diferentes áreas, transforma-os em dados, acompanha a produção para que o produto possa ser entregue no prazo estipulado e na quantidade solicitada. O controle da produção é a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de materiais e as atividades de processo de uma empresa, de modo que produtos específicos sejam produzidos por métodos específicos para atender um programa de vendas aprovado, sendo essas atividades realizadas de tal maneira que a mão de obra, os equipamentos e o capital disponíveis sejam empregados com o máximo aproveitamento. Entretanto, cabe ao PCP administrar os recursos disponíveis da empresa e aplicando de forma mais apropriada e econômica possível, porém, deve se atentar a estes requisitos: O que produzir? Quanto produzir? Onde produzir? Como produzir? Quando produzir? Com o que produzir? Com quem produzir? O propósito fundamental do Planejamento e Controle da Produção (PCP) é garantir que a produção elabore seus produtos e/ou serviços de forma hábil e eficiente, cumprindo a prazo às exigências e demanda dos clientes. Para isso é necessário que os recursos produtivos estejam disponíveis na quantidade necessária, no momento adequado e dentro dos parâmetros de qualidade especificados. No entanto, as atividades do PCP para alcançar a excelência dos seus objetivos são desempenhadas em três níveis hierárquicos de planejamento e controle das funções produtivas de um sistema de produção. Esses níveis são: Estratégico, Tático e Operacional. No nível estratégico, consiste em estabelecer um Plano de Produção para determinado período, de longo prazo, conforme as estimativas de vendas e a disponibilidade de recursos sejam financeiros ou

2 materiais. No nível tático, consiste em estabelecer os planos de médio prazo, aonde o PCP desenvolve o Plano-mestre de Produção (PMP) de produtos finais, conforme as previsões de vendas ou pedidos já confirmados de médio prazo, período a período, a partir do Plano de Produção, para que, com base no estabelecimento do PMP, o setor produtivo assuma compromissos de fabricação e montagem dos bens e serviços. No nível operacional, onde são preparados os programas de curto prazo de produção e o PCP prepara a programação da produção, realiza o acompanhamento, administra os estoques, sequenciando, emitindo e liberando as ordens de compras de materiais, fabricação e montagem. Entretanto, a manufatura já existia desde os tempos mais remotos, aonde consistia num processo usado unicamente pelas mãos e num sistema de fabricação em grande quantidade, de forma padronizada e em série. Porém, a industrialização ganhou força a partir do século XVIII estimulada pela Revolução Industrial, com o surgimento da máquina a vapor e as fábricas. A produção e aplicação de conhecimentos administrativos passaram a ser influenciados por uma nova personagem social: a empresa industrial. Nesse contexto, surgem estudiosos com aplicação de suas teorias, como por exemplo, o norte americano Frederick Winslow Taylor, com a teoria da Administração Científica, com foco na eficiência e eficácia e controles mecanicistas e inflexíveis elevando o desempenho das indústrias. O norte americano Henry Ford, fundador da Ford Motor Company e o primeiro empresário a aplicar a montagem em série de forma a produzir em massa automóveis em menos tempo e a um menor custo. E o francês Henry Fayol, fundador da teoria clássica da administração, contribuindo para o desenvolvimento administrativo moderno e a identificação das principais funções da administração que são: Planejamento, Organização, Comando, Coordenação e Controle (POCCC). A administração da produção, entretanto, consiste num sistema de informação para apoio à tomada de decisões táticas e operacionais, referente o que produzir, quanto produzir, quando produzir e com que recursos produzir para alcançar os desígnios estratégicos da empresa. Assim sendo, para alcançar a sua finalidade, os sistemas de produção exercem uma cadeia de funções operacionais, realizadas por pessoas de diversos níveis hierárquicos, que de forma geral, essas funções podem ser agrupadas em três funções básicas: Finanças, Produção e Marketing. Deste modo, sistema é um conjunto de partes ou elementos que interagem e funcionam no qual forma um todo unitário ou complexo, ou seja, 14

3 mantém relação ou interação das partes, portanto, pode ser representado interdependentemente em três partes: entradas (inputs), processo e saídas (outputs). Em resumo, a fábrica industrializa (modifica) as entradas como matériasprimas com auxílio de área funcional, transformando-os em produtos - as saídas. A problemática, no entanto, afrontada pelo PCP - Planejamento e Controle da Produção é não ser encarado pelos outros setores da empresa como departamento de apoio e suporte à tomada de decisão o qual está inserida, pois compete ao PCP decidir quanto, quando e como movimentar os produtos e, igualmente, onde comprá-los. Assim sendo, o PCP não trata de exclusivamente aplicar técnicas e gerar planos de produção para ao departamento funcional fabril da organização, deve ser visto muito mais que isso, pois o não cumprimento ou atraso dos planos produtivos ou subsídios imperfeitos originário da área laboral operacional acarretará enormes problemas à empresa, como por exemplo, atrasos na produção e consequentemente nas entregas, gerando prováveis devoluções e descontentamentos dos clientes, retrabalhos que muitas vezes serão até inutilizados e principalmente elevação dos custos funcionais desnecessários em toda uma cadeia. A resposta para isso, todavia, é que o PCP é responsável pela coordenação e aplicação dos recursos produtivos de forma a atender da melhor forma possível aos planos estabelecidos em níveis estratégico, tático e operacional. Porém, uma eficiente gestão deve, portanto, coordenar essas decisões de programação com outras operações da empresa, principalmente com a produção. Justifica-se que o PCP - Planejamento e Controle da Produção é uma área de vital importância para uma organização, pois cabe desenvolver um conjunto de diretrizes para as decisões relativas ao sistema produtivo e manutenção dos materiais de uma empresa, se torna imprescindível para uma eficaz utilização e aplicação de recursos financeiros escassos, melhor fluidez na produção e acréscimo da segurança da área produtiva para alcançar metas através dessa ferramenta utilizada como subsídio à tomada de decisão, melhorando o seu sistema de planejamento e controle da produção e inovando os métodos gerenciais. Quanto à metodologia utilizada neste trabalho de curso, quanto às fontes de dados, teve-se um embasamento teórico, com fundamento no levantamento bibliográfico, cuja finalidade é promover o avanço do conhecimento, por meio da análise e reconstrução de teorias e realidades com respostas aos 15

4 problemas proferidos, conforme os métodos científicos, processos e técnicas aplicados. Segundo Metring (2009, p. 61) que a pesquisa teórica Não tem como característica a intervenção na realidade, mas a criação de condições para que esta intervenção possa acontecer. Conforme o autor, não se trata da elaboração de uma nova tese, mas sim de uma releitura e reconstrução de uma realidade ou teoria já discutida anteriormente. Com referência à abordagem metodológica, a pesquisa teve-se um embasamento qualitativo, cujo escopo é compreender que a pesquisa qualitativa visa interpretar de forma detalhada aspectos e as complexidades sobre o tema abordado. De acordo com Menga (apud Lakatos; Marconi, 2010, p. 269) o estudo qualitativo é o que se desenvolve numa situação natural; é rico em dados descritivos, tem um plano aberto e flexível e focaliza a realidade de forma complexa e contextualizada. 16 Corroborando com Morin e Le Moigne (2000, p ), caso não se possa verificar pela experiência, verifica-se pela multiplicação das observações. A ciência é a aventura da razão humana que tenta dialogar com os dados e os fatos. Para Triviños (1995, p. 37) afirma que o estudo científico inicia-se com um tipo especial de classificação, tendo em vista dois fatores: o estado de conhecimento do tema sob investigação e o enfoque que o pesquisador pretende dar ao estudo. No entanto, o trabalho de curso está estruturado em quatro capítulos: No primeiro capítulo a historia e evolução da produção após a Revolução Industrial, que marcou dois acontecimentos importantes: o aparecimento das fábricas e o invento da máquina a vapor utilizada no processo de produção provocando um salto na industrialização. Nesse contexto, surgem estudiosos com aplicação de suas teorias e práticas, se destacando Frederick Winslow Taylor com a teoria da Administração Científica mecanicista e inflexível. Henry Ford, associado à linha de montagem móvel e da produção em massa. E Henry Fayol, contribuindo com as cinco funções da administração: planejamento, organização, comando, coordenação e controle (POCCC). No segundo capítulo apresenta os sistemas de administração da produção que trabalha com a previsão, planejamento, organização, coordenação e controle. Em resumo, a administração da produção transforma matérias-primas em produtos acabados envolvidas com as funções de Finanças, Produção e Marketing.

5 Assim sendo, a produção refere-se ao uso de recursos para modificar o estado de qualquer coisa para produzir outputs, ou seja, o processo de fabricação abrange alguns recursos de input usado para modificar alguma coisa ou para ser transformado em outputs de bens e serviços. No terceiro capítulo explica o que é PCP - Planejamento e Controle da Produção, como sendo a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de materiais e as atividades de processo, para que os produtos sejam fabricados por procedimentos específicos para atender um plano produtivo de vendas, empregando de forma eficiente e com o maior aproveitamento a mão de obra, o maquinário e os recursos disponíveis. Em síntese, o PCP é um departamento de tomar decisões com a finalidade de manter um sistema produtivo na direção de um objetivo, com base em informações para manter o padrão de qualidade e controle da avaliação do desempenho de todas as atividades. No quarto capítulo conclui o PCP como um departamento de planejamento em nível estratégico, tático e operacional. No nível estratégico são definidas como políticas de longo prazo, gerando um plano de produção. No nível tático são estabelecidos os planos de médio prazo para a produção, onde o PCP desenvolve o planejamento-mestre da produção, obtendo o plano-mestre de produção (PMP). No nível operacional, são preparados os programas de curto prazo de produção realizando e executando o acompanhamento e controle da produção. Por fim, são expostas as considerações finais, as referências bibliográficas embasadas para dar credibilidade, do qual o autor analisou e pesquisou para confirmar o assunto exposto e contundência dos fatos, um glossário com explicação de determinados pontos técnicos do planejamento e controle da produção com intuito de complementar e concluir a pesquisa científica. A realização da pesquisa a respeito do assunto acometido é ratificar aos gestores que o Planejamento e Controle da Produção (PCP) uma vez inserida de forma eficiente numa organização, com visão e comprometimento de todos da empresa como sendo uma área de apoio, suporte à produção como subsídio à administração da empresa, facilitando e solidificando as informações para uma eficaz tomada de decisão, consequentemente maior rentabilidade organizacional. 17

6 18 1 EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO PÓS-REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 1.1 Antes da Revolução Industrial Segundo Martin (2011) antes da Revolução Industrial era utilizada a manufatura, que consistia num sistema de produção de grande quantidade de produtos de forma unificada e em série. Neste procedimento de fabricação eram usadas somente as mãos ou com a utilização de máquinas como passou a ocorrer após a Revolução Industrial. Ainda que a expressão manufatura surgisse relacionada ao trabalho operacional manual, hoje em dia se usa esta expressão "produto manufaturado" para se mencionar ao bem fabricado de forma industrial, ou seja, com o uso de máquinas. 1.2 Revolução Industrial De acordo com Maximiano (2006) no século XVIII, as tendências que o mercantilismo havia iniciado foram impulsionadas pela Revolução Industrial, que foi marco de dois eventos: o surgimento das fábricas e a invenção da máquina a vapor. Gomes (2005) diz que o aproveitamento da máquina a vapor no processo de fabricação provocou um enorme surto de industrialização, que se estendeu rapidamente em toda a Europa e Estados Unidos da América Fases da Revolução Industrial Assim sendo, Gomes (2005) define que a Revolução Industrial se desenvolveu em duas fases distintas:

7 A primeira fase de 1780 a Surge apenas na Inglaterra, é a revolução do carvão, como principal fonte de energia, e do ferro, como principal matéria-prima. A segunda fase de 1860 a A Revolução espalha-se por Europa, América e Ásia: Bélgica, França, Alemanha, Estados Unidos, Itália, Japão, Rússia. É a revolução da eletricidade e derivados do petróleo, como as novas fontes de energia, e do aço, como a nova matériaprima. O transporte também se revoluciona, com a invenção da locomotiva e do barco a vapor. 19 Maximiano (2006) diz que as condições de trabalho nas fábricas dessa época eram rudes. Os trabalhadores ficavam totalmente à disposição do industrial e capitalista. Não podiam reclamar dos salários, horários de trabalho, barulho e sujeira nas fábricas e em suas casas, aonde as crianças eram obrigadas a trabalhar 14 (catorze) horas por dia e nesse contexto, surgem os sindicatos. A partir do século XX, surgem estudiosos como o engenheiro norte americano Frederick Winslow Taylor ( ), apresentando os princípios da Administração Cientifica, o empreendedor norte americano Henry Ford ( ) contribuindo com a produção em massa e o engenheiro francês Henry Fayol ( ), fundador da Teoria Clássica da Administração. 1.3 Frederick Winslow Taylor ( ) De acordo com Maximiano (2006) o engenheiro norte americano Frederick Winslow Taylor ( ) foi o criador e mais destacado do movimento da Administração Científica. Entre Taylor trabalhou numa empresa fabricante de bombas hidráulicas, aonde observou o que considerava uma má administração, "corpo mole" dos funcionários e relações de má qualidade entre os funcionários e os gerentes. Conforme suas observações e experiências, Taylor começou desenvolver seu sistema de administração de tarefas, mais tarde conhecido como taylorismo e finalmente administração científica.

8 O movimento da Administração Científica desenvolveu-se em três momentos, conforme figura abaixo: 20 Primeira Fase Segunda Fase Terceira Fase Ataque ao "problema dos salários". Estudo sistemático do tempo. Definição de tempos-padrão. Sistema de administração de tarefas. Ampliação de escopo, da tarefa para a administração. Definição de princípios de administração do trabalho Consolidação dos princípios. Proposição de divisão de autoridade e responsabilidade dentro da empresa. Distinção entre técnicas e princípios. Figura 1 Três Momentos da Administração Científica Fonte: Maximiano (2006, p. 39) Primeira Fase da Administração Científica (1895) De acordo com Maximiano (2006) o problema do qual a sociedade se ocupou foi o problema dos salários, estudo do tempo, definição de tempos-padrão, administração das tarefas. Os trabalhadores acreditavam que seu esforço, beneficiava somente o seu patrão, com isso eles não se empenhavam no trabalho; a forma de pagamento fazia com que eles acreditassem nisso. Esse sistema foi à base para o começo da administração de tarefas, foi com ele que começaram a selecionar trabalhadores, dando pagamentos de incentivo. Com a seleção de trabalhadores, estes eram postos nos setores adequados com os seus perfis; com isso permitia que a administração controlasse a produção, dispondo do trabalho padronizado, que era essencial para a eficiência.

9 Segunda Fase da Administração Científica (1903) De acordo com Maximiano (2006) Taylor apresenta o estudo Shop Management (Administração de operações fabris) ao trabalhador para aprimoramento dos métodos de trabalho, que propôs: seleção e treinamento de pessoal; salários altos e custos baixos de produção; identificação da melhor maneira de executar tarefas e cooperação entre administração e trabalhadores, conforme ilustrada figura abaixo: Princípios da Administração Científica Seleção e treinamento de pessoal Salários altos e custos baixos de produção Identificação da melhor maneira de executar tarefas Cooperação entre administração e trabalhadores Figura 2 Princípios da Administração Científica Fonte: Maximiano (2006, p. 40) Terceira Fase da Administração Científica (1911) Assim sendo, Maximiano (2006) diz que Taylor nesta fase resume a finalidade da administração científica que é desenvolver uma ciência para substituir o velho método empírico; selecionar, treinar, instruir e desenvolver o trabalhador, já que no passado eles escolhiam o próprio trabalho; cooperar com os trabalhadores garantindo que o trabalho seja feito de acordo com os princípios da ciência desenvolvida. No passado, quase todo o trabalho e a maior parte da responsabilidade recaíam sobre a mão de obra, onde nesta nova fase havia uma

10 divisão quase igual de trabalho e de responsabilidade a administração tem que estar mais bem preparada que o trabalhador, para não haver erro novamente. Taylor também acreditava no incentivo do trabalhador individual que significa ganho material, e estímulo pessoal. Nesta última fase a principal mudança foi à criação de um departamento de planejamento. Entretanto, Taylor tinha visão de controle inflexível e mecanicista, contudo, aumentou extraordinariamente a atuação das indústrias em que operou, porém, ao mesmo tempo provocou demissões e insatisfação para os subordinados Henry Ford ( ) Para Maximiano (2006) o empreendedor norte americano Henry Ford ( ) está associado à linha de montagem móvel, sendo responsável em elevar ao mais alto grau dos dois princípios da produção em massa, que é fabricação de produtos não diferenciados em grande quantidade: peças padronizadas e trabalhador especializado. A produção em massa faz uso de capital, ou seja, emprega um alto número de máquinas em relação ao número de trabalhadores, o produto é divido em partes e o processo de fabricação é divido em etapas. Cada etapa do processo produtivo corresponde à montagem de uma parte do produto e cada pessoa ou cada grupo de pessoas tem uma tarefa fixa dentro de uma etapa de um processo predefinido. 1.5 Henry Fayol ( ) Segundo Maximiano (2006) o personagem mais importante que sistematizou e divulgou essas ideias foi o engenheiro francês Henry Fayol ( ) um dos integrantes da Escola Clássica da Administração contribuindo para o desenvolvimento das empresas. Para Fayol, a administração é função distinta das demais funções da empresa, como finanças produção e distribuição. A

11 administração compreende cinco funções básicas: Planejamento, Organização, Comando, Coordenação e Controle (POCCC) A Função Administrativa Conforme Maximiano (2006) Fayol criou e divulgou sua própria teoria da administração, a qual divide a empresa em seis atividades ou funções distintas, conforme figura abaixo: Empresa Função Comercial Função Financeira Função de Administração Função de Segurança Função de Contabilidade Função Técnica Planejamento Organização Comando Coordenação Controle Figura 3 Funções da Empresa, segundo Fayol Fonte: Maximiano (2006, p. 50) 1. Técnica (produção, manufatura). 2. Comercial (compra, venda, troca). 3. Financeira (procura e utilização de capital). 4. Segurança (proteção da propriedade e das pessoas). 5. Contabilidade (registro de estoques, balanço, custos, estatísticas). 6. Administração (planejamento, organização, comando, coordenação e controle).

12 Conceitos de Administração De acordo com Chiavenato (2000), para Henry Fayol as funções administrativas envolvem os elementos da administração, isto é, as funções do administrador, conforme delineada abaixo: Planejar (prever): Visualizar o futuro e traçar o programa de ação. Organizar: Constituir o duplo organismo material e social da empresa. Comandar: Dirigir e orientar o pessoal. Coordenar: Ligar, unir, harmonizar todos os atos e todos os esforços coletivos. Controlar: Verificar que tudo ocorra de acordo com as regras estabelecidas e as ordens dadas. seus colaboradores necessitam de ordens para saber o que fazer, suas ações precisam de coordenação e suas tarefas precisam de um controle gerencial. Esse é o papel dos gerentes na visão de Fayol. O trabalho do dirigente consiste em tomar decisões, estabelecer metas, definir diretrizes e atribuir responsabilidades aos integrantes da organização, de modo que as atividades de planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar estejam numa sequência lógica[...] ( MAXIMIANO, 2006, p.51). Por fim, Maximiano (2006) diz que com referência a distinção entre a função administrativa e as atividades operacionais, Fayol ajudou a tornar mais nítido particularmente o papel dos executivos, ou seja, os administradores de nível mais alto na hierarquia da organização. A produção e aplicação de conhecimentos administrativos passaram a ser influenciados por uma nova personagem social: a empresa industrial. Martin (2011) diz que de 1900 até hoje surgem conglomerados industriais e multinacionais. A produção se automatiza; surge a produção em série; e explode a sociedade de consumo de massas, com a expansão dos meios de comunicação. Avança a indústria química e eletrônica, a engenharia genética e a robótica.

13 25 2 SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO 2.1 Sistema de Informação De acordo com Corrêa; Gianesi; Caon (1999) genericamente chamado de sistemas de administração da produção os sistemas de informação para apoio à tomada de decisões, táticas e operacionais, referentes às seguintes questões logísticas básicas, para que sejam atingidos os objetivos estratégicos da organização, conforme quadro abaixo: Quadro 1 Questões Logísticas Básicas Fonte: Corrêa; Gianesi; Caon (1999, p. 17) O que produzir e comprar? Quanto produzir e comprar? Quando produzir e comprar? Com que recursos produzir? 2.2 Administração da Produção De acordo com Marques (2010) a administração da produção é uma área da administração que trabalha com a previsão, planejamento, organização, coordenação e controle, mas a função principal dessa área é desenvolver o sistema produtivo da organização. A administração da produção transforma matérias-primas em produtos acabados, tendo como controle, análise de custo, análise de tempo, análise de pessoal, análise de qualidade. Corroborando com Tubino (2000) para atingir seus objetivos, os sistemas produtivos devem exercer uma série de funções operacionais, desempenhadas por pessoas que vão desde o projeto de produtos, controle de

14 estoques, distribuição dos produtos, etc. De forma geral, essas funções podem ser agrupadas em três funções básicas: Finanças, Produção e Marketing A Função da Produção Corroborando com Lima Júnior (1999, p. 394) a função produção representa a quantidade máxima de produto que se pode obter para uma dada combinação de fatores. A função produção é central para a organização porque produz os bens e serviços que são a razão de sua existência, mas não é a única nem, necessariamente a mais importante. Todas as organizações possuem outras funções com suas responsabilidades específicas. Embora essas funções tenham sua parte a executar nas atividades da organização, são (ou devem ser) ligadas com a função produção, por objetivos organizacionais comuns[...] ( SLACK et al, 1997, p.34) Para Marques (2010) a função produção produz bens e serviços, mas não é única e necessariamente, pois necessita de apoio para conseguir o êxito desejado Funções do Sistema e Produção As funções que colaboram diretamente com a produção são: A função de marketing; A função contábil-financeira; A função de recursos humanos; A função de compras; A função engenharia/suporte técnico. Segundo Tubino (2000) o sucesso de um sistema produtivo depende da forma como essas três funções se relacionam, Por exemplo, Marketing não pode promover a venda de bens ou serviços que a Produção não consiga executar, ou ainda, a Produção não pode ampliar sua capacidade produtiva sem o aval de Finanças para comprar equipamentos. Convencionalmente, as funções

15 desempenhadas dentro de um sistema produtivo limitam-se à esfera imediata de sua autoridade, conforme demonstra figura abaixo: 27 Sistema de Produção Finanças Produção Marketing Figura 4 Funções Básicas de um Sistema de Produção Fonte: Tubino (2000, p. 17) Ainda com Tubino (2000) as empresas sabem que as barreiras funcionais devem ser quebradas, o compartilhamento de informações nas tomadas de decisões é fundamental para o eficiente desempenho de todo o sistema. Assim, a estrutura funcional deve ceder espaço a uma estrutura operacional multilateral e aberta, como mostra a figura abaixo: Marketing Finanças Produção Figura 5 Estrutura Operacional Fonte: Tubino (2000, p. 18) Importância Estratégica do Sistema de Administração da Produção

16 28 Corrêa; Gianesi; Caon (1999) diz que os sistemas de administração da produção, para cumprirem seu papel de suporte ao atingimento dos objetivos estratégicos da organização, devem ser capazes de apoiar o tomador de decisões a: Planejar as necessidades futuras de capacidade produtiva da empresa; Planejar os materiais comprados; Planejar os níveis adequados de estoques de matérias-primas, semiacabados e produtos finais, nos pontos certos; Programar atividades de produção para garantir que os recursos produtivos envolvidos estejam sendo utilizados, em cada momento, nas coisas certas e prioritárias; Ser capaz de saber e informar corretamente a respeito da situação corrente dos recursos (pessoas, equipamentos, instalações, materiais) e das ordens (de compra e produção); Ser capaz de prometer os menores prazos possíveis aos clientes e depois fazer cumpri-los; Ser capaz de reagir eficazmente Produção A função produção consiste em todas as atividades diretamente estão relacionadas com a produção de bens ou serviços, como as operações de fabricação e montagens de bens e também as atividades de armazenagem, movimentação, entretenimento, aluguel, etc., quando estão voltadas para a área de serviços, conforme quadro abaixo, que apresenta alguns exemplos de operações produtivas e em quais sistemas produtivos elas ocorrem.

17 29 Tipos de Operações Produção de bens Movimentação e armazenagem Entretenimento e comunicação Aluguel, permuta e empréstimos Quadro 2 Exemplo de Operações Produtivas Fonte: Tubino (2000, p. 19) Sistemas Produtivos Manufaturas, construção civil, estaleiros, minerações Correio, hotelaria, transportadora, aerolinhas Estação de TV, rádio, clubes, jornais, telecomunicações Banco, operadora de leasing, seguradoras, locadoras Entretanto, afirma Tubino (2000) que a função produção é o centro dos sistemas produtivos, sendo responsável por gerar bens ou serviços comercializados pela empresa. A função produção transforma insumos em bens ou serviços por meio de um ou mais processos de organizados de conversão, demonstrados conforme figura abaixo: INSUMOS Capital Trabalho Materiais CONVERSÃO Cortar Alugar Transportar SAÍDAS Bens Serviços Figura 6 A Função da Produção Fonte: Tubino (2000, p. 19) A essência da função de produção consiste e adicionar valor aos bens ou serviços durante o processo de transformação. 2.4 Estrutura dos Sistemas De acordo Slack et al. (1997), qualquer operação produz bens ou serviços, ou um misto dos dois, e faz isso por um processo de transformação. Por transformação refere-se ao uso de recursos para mudar o estado ou condição de algo para produzir outputs. Em síntese, a produção envolve um conjunto de recursos

18 de input usado para transformar algo ou para ser transformado em outputs de bens e serviços, demonstrados conforme figura abaixo: Recursos transformados input 30 Materiais Informações Consumidores Ambiente Ambiente Input PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO Output Bens e Serviços Instalações Pessoa Ambiente Ambiente Recursos de transformação input Figura 7 Modelo de Transformação Fonte: Slack et al. (1997, p. 36) Entradas (Inputs) De acordo com Maximiano (2006) as entradas (inputs) compreendem os elementos ou recursos físicos e abstratos de que o sistema é feito, incluindo todas as influências e recursos recebidos do meio ambiente Processos de Fabricação (Transformação) Conforme Moreira (2000), o processo de conversão, em manufatura, modifica o formato das matérias-primas ou transforma a composição e a forma dos recursos. Em serviços, não há propriamente transformação: o serviço é criado. Maximiano (2006, p. 219) diz que o processo transforma os elementos de entrada em resultados, sendo utilizados para esse fim, pessoas, recursos (financeiros ou materiais) e informação.

19 Saídas (Outputs) Por fim, Maximiano (2006) diz que as saídas (outputs) são os resultados do sistema, os objetivos que o sistema pretende atingir ou efetivamente atinge. Para uma empresa, considerada como sistema, as saídas compreendem os produtos e serviços para os clientes ou usuários, os salários e os impostos que paga, o lucro de seus acionistas, o aumento das qualificações de sua mão de obra e outros efeitos. Em resumo, as saídas (outputs) são os produtos ou serviços de uma organização. Por fim, conforme quadro abaixo será demonstrado esse procedimento de entradas de insumos (inputs), processos (conversões) e saídas (outputs). Insumos (inputs) Processo (Conversão) Saídas (outputs) Fábrica de eletrodomésticos Matérias-primas Componentes Equipamentos Instalações/Mão de obra Conformação Montagem Inspeção Armazenagem/Expedição Liquidificadores Batedeiras Torradeiras Multiprocessadores Transportadora de bens e valores Carros fortes Combustíveis Rastreadores Coleta de bens e valores Transporte dos bens Guarda dos bens Transporte de bens e valores Segurança dos bens Transportadora de bens e valores Instalações Recepção Equipamentos Exame Médicos, Enfermeiros Terapia Medicamentos Medicação Laboratórios Cirurgia Pacientes curados Quadro 3 Exemplos de Entradas, Conversões e Saídas Fonte: Tubino (2000, p. 20)

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Introdução aos estudos da Administração da Produção 1 Introdução aos estudos da Administração da Produção UNIDADE I Evolução Histórica Objeto de estudo: ambiente, contexto

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção

Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção Apresentação Professor e alunos. Contextualização Quais os objetivos da disciplina: Apresentar os fundamentos da Administração de. O que se espera da disciplina: Realizar estudos de técnicas e instrumentos

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Fayol e a Escola do Processo de Administração

Fayol e a Escola do Processo de Administração CAPÍTULO 4 Fayol e a Escola do Processo de Administração Empresa Função de Administração Função Comercial Função Financeira Função de Segurança Função de Contabilidade Função Técnica Planejamento Organização

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 4º Encontro - 27/02/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - ATIVIDADES DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO Administração do latim ad(direção, tendência para) e minister(subordinação

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais