2 Razão de Ser 2 Visão 3 Crenças 4 Direcionadores de cultura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 Razão de Ser 2 Visão 3 Crenças 4 Direcionadores de cultura"

Transcrição

1 1

2 1. NO QUE ACREDITAMOS 2. NOSSO MOMENTO 3. NO QUE MIRAMOS 4. COM QUEM CAMINHAMOS 5. QUE PEGADA DEIXAMOS 6. ANEXOS 2 Razão de Ser 2 Visão 3 Crenças 4 Direcionadores de cultura 5 Mensagem do Conselho de Administração 7 Mensagem do Comitê Executivo 9 Perfi l 14 Nossos compromissos 16 Governança 24 Sistema de Gestão Natura 25 Perspectiva e estratégias 28 Temas prioritários de sustentabilidade 34 Inovação da inovação 37 Construção coletiva 38 Qualidade das relações 43 Colaboradores 53 Consultoras e CNOs 59 Consumidores 61 Fornecedores 64 Comunidades fornecedoras 68 Comunidades do entorno 71 Acionistas 73 Governo 78 Cadeia de valor Natura 79 Geração de valor ambiental 92 Geração de valor social 98 Geração de valor econômico 101 Demonstrações Contábeis 134 Parecer DNV 136 Sobre o relatório 137 Pacto Global 138 Índice remissivo 2

3 1. NO QUE ACREDITAMOS RAZÃO DE SER Nossa Razão de Ser é criar e comercializar produtos e serviços que promovam o bem-estar/estar bem. BEM-ESTAR é a relação harmoniosa, agradável, do indivíduo consigo mesmo, com seu corpo. ESTAR BEM é a relação empática, bem-sucedida, prazerosa, do indivíduo com o outro, com a natureza da qual faz parte, com o todo. VISÃO A Natura, por seu comportamento empresarial, pela qualidade das relações que estabelece e por seus produtos e serviços, será uma marca de expressão mundial, identifi cada com a comunidade das pessoas que se comprometem com a construção de um mundo melhor através da melhor relação consigo mesmas, com o outro, com a natureza da qual fazem parte, com o todo. CRENÇAS A vida é um encadeamento de relações. Nada no universo existe por si só, tudo é interdependente. Acreditamos que a percepção da importância das relações é o fundamento da grande revolução humana na valorização da paz, da solidariedade e da vida em todas as suas manifestações. A busca permanente do aperfeiçoamento é o que promove o desenvolvimento dos indivíduos, das organizações e da sociedade. O compromisso com a verdade é o caminho para a qualidade das relações. Quanto maior a diversidade das partes, maior a riqueza e a vitalidade do todo. A busca da beleza, legítimo anseio de todo ser humano, deve estar liberta de preconceitos e manipulações. A empresa, organismo vivo, é um dinâmico conjunto de relações. Seu valor e sua longevidade estão ligados à sua capacidade de contribuir para a evolução da sociedade e seu desenvolvimento sustentável. 3

4 DIRECIONADORES DE CULTURA OS DIRECIONADORES DE CULTURA FO- RAM CRIADOS A PARTIR DE NOSSA ESSÊN- CIA PARA ORIENTAR NOSSAS ESCOLHAS E ATITUDES. SÃO COMO TRILHOS, DESE- NHANDO CAMINHOS CONCRETOS E SI- NALIZANDO O QUE MERECE NOSSA ESPE- CIAL ATENÇÃO NO DIA A DIA DO NOSSO TRABALHO. OS DIRECIONADORES SÃO FRUTO DE UM PROCESSO COLABORATIVO QUE ENVOL- VEU OS FUNDADORES DA EMPRESA, OS MEMBROS DO COMITÊ EXECUTIVO E O TIME DE LIDERANÇA. TAMBÉM NOS BASEAMOS NAS REFLEXÕES DOS DIÁLOGOS DE CUL- TURA, EVENTOS REALIZADOS EM 2009, COM 150 COLABORADORES DOS PÚBLICOS AD- MINISTRATIVO, OPERACIONAL E DA FORÇA DE VENDAS, PROVENIENTES DE TODAS AS POSIÇÕES. SÃO ELES: COMPROMISSO COM A VERDADE Ser autêntico e íntegro, mantendo o compromisso consigo mesmo e com os outros. Defender o que acredita e agir de acordo com o discurso. CUIDAR DAS RELAÇÕES Fazer junto é melhor: abrir-se para o outro com generosidade e empatia, criando um ambiente de confi ança com vínculos de qualidade. Reconhecer que o outro é diferente de você, ouvir sem julgamento, respeitar sua opinião, acolhendo divergências em busca do melhor resultado para o todo. APERFEIÇOAMENTO CONTÍNUO Melhorar sempre, evoluir em todas as dimensões: material, emocional, intelectual e espiritual. Buscar continuamente o autoconhecimento, reconhecendo seus próprios talentos e limitações. Criar um ambiente que promova a aprendizagem, o aperfeiçoamento contínuo e reconheça alta performance. FAZER BEM FEITO Ser obstinado em fazer tudo com simplicidade, porém com beleza, qualidade e cuidado com os detalhes. Ter disciplina para cumprir o combinado. INOVAÇÃO Empreender, ser protagonista, fazer o que nunca foi feito e assumir os riscos. Questionar continuamente o já estabelecido e se estimular com a busca do novo. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Entregar permanentemente resultados superiores e valor relevante nas dimensões econômica, social e ambiental. Gerir o curto prazo com o compromisso de construir o futuro da empresa. PRAZER E ALEGRIA Encarar os desafi os do dia a dia com otimismo, leveza e bom humor. Celebrar as conquistas, alimentando o entusiasmo e a energia que nos encorajam a evoluir e a continuar fazendo mais e melhor. Encontrar no trabalho realização, afi nidade com seu propósito de vida, colocando signifi cado em tudo o que é feito. 4

5 2. NOSSO MOMENTO E S T A M O S CONECTADOS COM AS PESSOAS E COM OS DESAFIOS DO NOSSO TEMPO. TRABALHAMOS PARA A PERMANENTE E V O L U Ç Ã O DE NOSSAS ATIVIDADES E DAS COMUNIDADES QUE NOS RECEBEM. 2.1MENSAGEM DA PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO NA REALIDADE, TUDO NA VIDA ESTÁ INTERRELACIONADO. TODAS AS PESSOAS ESTÃO PRESAS EM UMA TEIA INESCAPÁVEL DE MUTUALIDADES, ENTRELAÇADAS EM UM ÚNICO TECIDO DO DESTINO. O QUE QUER QUE AFETE A MIM DIRETAMENTE, AFETA A TODOS INDIRETAMENTE. EU NÃO POSSO SER O QUE DEVERIA, ATÉ QUE VOCÊ SEJA O QUE DEVE SER. E VOCÊ NUNCA PODERÁ SER O QUE DEVE, ATÉ QUE EU SEJA O QUE DEVO SER. ESTA É A ESTRUTURA INTERLIGADA DA REALIDADE. Martin Luther King A FORÇA DA TRANSFORMAÇÃO License granted by Intellectual Properties Management, Inc., Atlanta, Georgia, as exclusive licensor of the Estate of Dr. Martin Luther King, Jr. INDIVÍDUOS, EMPRESAS E PAÍSES PRECISAM DE UM NORTE. UM OBJETIVO. UM IDEAL. OU- VÍAMOS AINDA FORTEMENTE O ECO DA MENSAGEM, DOS SONHOS E DAS UTOPIAS DE MARTIN LUTHER KING QUANDO FUNDAMOS A NATURA, TAMBÉM EMBALADOS POR UM PROPÓSITO QUE PARECIA INATINGÍVEL. Desde então, a determinação de construir a empresa foi alimentada pelo sonho de construir um mundo melhor. Como Martin Luther King, estamos convictos de que a vida só faz sentido se pensarmos, sentirmos e agirmos sistemicamente. 5

6 Contemplamos o embate de forças por vezes antagônicas. Individualismos exacerbados, que buscam apenas a maximização de valor material, convivem com o crescimento de uma visão voltada ao interesse coletivo. As ações e a ampliação da consciência em torno da causa socioambiental são exemplos reveladores da emergência de uma mudança civilizatória. Devemos, portanto, mobilizar a sociedade para a construção de uma agenda transformadora. Ao longo dos anos, fi ca cada vez mais claro que essa agenda, para prosperar, tem de ser vivida por todos os que fazem a Natura e ambição confessa por aqueles com quem nos relacionamos. Vivemos intensamente esse objetivo, com a consciência de que há excluídos no mundo, preconceitos, desigualdades sociais, corrupção... Enfi m, sombras que provocam indignação e exigem ações imediatas, pois atentam contra a ética da vida, da justiça e da possibilidade da paz. A visão individualista pode considerar ingênuo o ideal da empresa que reconhece a necessidade de mudança. Com todo o respeito por aqueles que pensam diferente, acreditamos que é preciso levar em conta o mundo que nos cerca. Olhando para nossa história, para o sonho que, pouco a pouco, se transforma na mais concreta realidade, sabemos que é possível ser bem-sucedido com base nessa crença. E a evolução da Natura vem revelando o acerto de nossas escolhas. Iniciamos, em 2008, um período de preparação de nossas estruturas para o desenvolvimento futuro. Nesse período, reforçamos os traços de nossa cultura organizacional, estreitamos o alinhamento das lideranças com nossa Essência, construímos um novo sistema de gestão, redesenhamos nosso modelo logístico e concentramos os esforços de expansão geográfi ca dos negócios na América Latina, ampliando nossa participação de mercado em toda a região e fortalecendo nossa liderança no Brasil. O futuro nos reserva oportunidades e desafi os. Estamos atentos a um ambiente concorrencial mais acirrado e permanecemos confi antes em nossas forças: uma marca vigorosa, que inspira nossos consumidores, atendidos por 1,2 milhão de consultoras e consultores; nossa capacidade inovadora, que se manifesta desde a forma como promovemos a qualidade das relações até a transformação de ativos da biodiversidade em produtos; e nossa revigorada capacidade de gestão e execução. Queremos expressar nosso reconhecimento ao time de liderança, motivado e talentoso, que conduziu esse processo e que agora dedica sua energia para dar sequência aos planos de expansão de nossas atividades. Estendemos também esse agradecimento a toda a comunidade Natura, pelo empenho e pelo engajamento às nossas causas comuns. É a partir da mobilização de todos os que formam nossa rede de relações que esse movimento se tornará cada vez mais abrangente. Acreditamos que podemos contribuir para a superação dos desafi os futuros, por meio de nossa disposição em encontrar soluções que transformem os dilemas socioambientais em oportunidades de negócios sustentáveis, com geração de prosperidade para todos. Essa vocação histórica da Natura torna nossa proposta de valor ainda mais atraente, o que nos permite ambicionar ir além das atuais fronteiras e ver nossa marca transformando realidades ainda mais distantes. ANTONIO LUIZ DA CUNHA SEABRA PEDRO LUIZ BARREIROS PASSOS Copresidentes do Conselho de Administração 6

7 2.2 MENSAGEM DO COMITÊ EXECUTIVO A NATURA ESTÁ EM CONDIÇÕES DE RESPONDER AOS DESAFIOS DOS NOVOS TEMPOS. NOSSA CONFIANÇA SE APOIA NO BOM DESEMPENHO CONTINUADO DOS ÚLTIMOS ANOS. EM 2010, FICAMOS FELIZES POR TER ALCANÇADO RESULTADOS EXPRESSIVOS, AO MESMO TEMPO EM QUE EVOLUÍMOS CONSISTENTEMENTE NA EXECUÇÃO DO PLANO INICIADO EM 2008, DESTINADO A MANTER NOSSO RITMO DE CRESCIMENTO NO BRASIL E, EM PARALELO, LANÇAR AS BASES PARA NOSSO DESENVOLVIMENTO COMPROMISSO COM O FUTURO EMBORA ALGUMAS DE NOSSAS INICIATIVAS SEJAM ESTRUTURAIS E DEMANDEM MAIS TEM- PO PARA ATINGIR A MATURIDADE, FICAMOS ENTUSIASMADOS AO CONSTATAR QUE AL- CANÇAMOS TODOS OS OBJETIVOS INICIALMENTE PROPOSTOS. Por mais um ano, expandimos nossos negócios vigorosamente. Crescemos a receita líquida consolidada em 21,1% e o Ebitda em 24,6%. Atraímos mais consultoras e consultores em todas as nossas operações. Nesse cenário, a América Latina ganha cada vez mais relevância em nossos resultados. Para fazer frente aos nossos planos de expansão na região, decidimos iniciar a produção local por meio de parceiros na Argentina, na Colômbia e no México. No Brasil, nossa marca mostrou-se ainda mais forte e atingiu a preferência de 49% dos consumidores. Ampliamos nossa liderança em 1,1 ponto percentual, alcançando 23,6% de participação em nosso mercado-alvo. Geramos e distribuímos mais valor para todos os nossos principais públicos de relacionamento. Mobilizamos o setor empresarial em torno do tema da biodiversidade e reduzimos o impacto ambiental de nossos produtos. Nem tudo, entretanto, aconteceu do jeito que planejamos. Apesar dos avanços realizados em 2010, ainda devemos evoluir no nível do serviço que prestamos a nossas consultoras e consultores. Temos confi ança, no entanto, de que os investimentos realizados em infraestrutura alcem nosso atendimento ao padrão que almejamos. Embora tenhamos nos empenhado, também não alcançamos os resultados que esperávamos no clima organizacional, fi cando aquém da evolução almejada. Estamos, porém, seguros de ter adotado as medidas corretas para avançar na qualidade da relação com nossos colaboradores. Por ser um tema de extrema relevância para a Natura, vamos redobrar a atenção para elevar o nível de satisfação. 7

8 O plano que colocamos em prática a partir de 2008 reunia iniciativas de efeito imediato e outras mais perenes. Entre as medidas que já contribuíram para o atual resultado estão: a inovação em nosso modelo comercial, com a implementação das Consultoras Natura Orientadoras; a concentração de nosso portfólio em lançamentos mais relevantes, como a linha de maquiagem Una, a perfumaria Amó e o antissinais Chronos; e a ampliação dos investimentos em comunicação e marketing com o aporte adicional de R$ 410 milhões, fi nanciados por ganhos de produtividade de R$ 449 milhões. Promovemos também ações mais duradouras: implementamos um modelo de gestão, apoiado a partir de uma visão de processos e estruturado em Unidades de Negócios e Unidades Regionais; revigoramos nossa cultura organizacional, com foco no desenvolvimento e atração de lideranças alinhadas com nossa Essência; estruturamos e demos ritmo à gestão da qualidade das relações, com a ampliação das práticas de engajamento; e investimos em projetos estruturais, com evoluções no modelo de produção, logística e tecnologia da informação para aperfeiçoar os serviços prestados a nossas consultoras, consultores e consumidores, com ganhos econômicos e redução do impacto ambiental de nossas operações. Ao mesmo tempo em que trabalhamos no curto e médio prazos, em 2010 estendemos nosso olhar para um horizonte mais distante e construímos nossa Visão Essa refl exão reforça nosso compromisso com o futuro da Natura e nos alerta para os desafi os e as incertezas de um mundo em acelerada transformação. Reitera também o nosso propósito de gerar resultados sustentáveis no tempo e de contribuir para uma sociedade mais justa, inclusiva e responsável. Muitos dos acontecimentos de 2010 trazem um traço comum: o entusiasmo por um projeto que renova nossa energia a cada ciclo de realizações. Queremos agradecer a todos aqueles que se dedicam e torcem pela nossa Natura. É a nossa atuação conjunta que vai proporcionar as soluções inovadoras tão necessárias para transformar os desafi os dos próximos 20 anos em oportunidades de desenvolvimento para toda a sociedade. ALESSANDRO CARLUCCI Diretor-presidente JOÃO PAULO FERREIRA Vice-presidente de Operações e Logística JOSÉ VICENTE MARINO Vice-presidente de Negócios MARCELO CARDOSO Vice-presidente de Desenvolvimento Organizacional e Sustentabilidade ROBERTO PEDOTE Vice-presidente de Finanças, Jurídico e Tecnologia da Informação TELMA SINICIO Vice-presidente de Inovação 8

9 2.3 PERFIL POR MEIO DE NOSSOS PRODUTOS E SERVIÇOS, QUEREMOS ESTIMULAR O AUTOCONHECIMENTO E PROMOVER O BEM ESTAR BEM. NOSSO DESEJO É PROPICIAR AOS CONSUMIDORES NOVAS MANEIRAS DE ESTABELECEREM LIGAÇÕES CONSIGO MESMOS, COM AQUELES QUE ESTÃO AO SEU REDOR E COM O MUNDO. A Natura é uma empresa do setor de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos de origem brasileira e com forte presença na América Latina. Desde nossa fundação, em 1969, construímos uma cultura de valorização das relações e pautamos nosso comportamento empresarial na promoção do desenvolvimento sustentável, despertando a consciência sobre o uso responsável e inovador dos ativos da biodiversidade. Buscamos gerar valor a partir de soluções e novas oportunidades, identifi cadas de maneira compartilhada, por meio da cocriação e da parceria, sempre orientados para a melhor equação entre os impactos sociais, ambientais e econômicos dos nossos negócios. Adotamos a venda direta como modelo comercial porque acreditamos em nossa capacidade de gerar e distribuir renda, oferecer alternativas de desenvolvimento e mobilizar as mais de 1,2 milhão de consultoras e consultores na disseminação de nossa proposta de valor aos nossos consumidores. Contamos com mais de 7 mil profi ssionais. Nossa sede corporativa está localizada em Cajamar (SP) e possuímos cinco escritórios comerciais no Brasil: Salvador (BA), Campinas (SP), Alphaville (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Porto Alegre (RS). Temos fábricas e Centros de Pesquisa e Tecnologia em Cajamar e em Benevides (PA), e, desde 2006, contamos com um Centro Avançado de Tecnologia em Paris. No Brasil, nossos produtos são entregues às consultoras e consumidores a partir Centros de Distribuição localizados em Cajamar (SP), Jundiaí (SP), Canoas (RS), Matias Barbosa (MG), Uberlândia (MG), Simões Filho (BA), Jaboatão dos Guararapes (PE), e em Castanhal (PA). Temos operações próprias na França, na Argentina, no Chile, na Colômbia, no México e no Peru. Por meio de distribuidores locais, nossos produtos também são comercializados na Bolívia, na Guatemala, em Honduras e em El Salvador. Em 2010, demos início à expansão da nossa manufatura internacional pela Argentina por meio de parceiros locais. Possuímos ainda as Casas Natura, espaços de apoio ao trabalho e capacitação de nossas consultoras, onde consumidores podem conhecer nossos produtos. Temos sete no Brasil, concentradas especialmente no estado de São Paulo, e 15 no exterior. Somos uma empresa de capital aberto desde Cerca de 40% de nossas ações estão disponíveis no Novo Mercado da Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa) e há cinco anos consecutivos, fi guramos, no Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa (leia mais na página 71, Acionistas). PRINCIPAIS DESTAQUES DO ANO ECONÔMICOS ¾ Nossa receita líquida alcançou R$ 5,1 bilhões, com crescimento de 21,1%. ¾ Registramos o Ebitda de R$ 1,2 bilhão, crescimento de 24,6% em relação ao ano anterior, e a margem Ebitda de 24,5%, ante 23,8 em ¾ Alcançamos o lucro líquido R$ 744,1 milhões, 8,8% maior que o do ano anterior. ¾ Distribuímos mais recursos para nossos públicos. Ampliamos em 20% os recursos aos colaboradores, 19% para as CNs e 17% aos acionistas. ¾ Demos início à manufatura internacional, por meio de parceiro, na Argentina. Em 2011, daremos início à produção no México e na Colômbia. 9

10 SOCIAIS ¾ O número de consultoras e consultores chegou a 1,2 milhão, um crescimento de 17% no Brasil e de mais de 20% nas nossas Operações Internacionais. ¾ O Programa Natura Crer para Ver arrecadou R$ 10 milhões, recorde do programa e volume 168% superior a Nas Operações Internacionais arrecadamos R$ 1,3 milhões. A receita provém da venda de itens do nosso portfólio e é investida em ações de educação. ¾ Embora tenha evoluído, ainda não conseguimos elevar a qualidade do serviço para as consultoras aos patamares que desejamos. Seguimos buscando melhorias para reduzir nosso índice de nãoatendimento (INA), que registra os produtos não disponíveis pedidos pelas consultoras. ¾ A pesquisa de clima revelou índice geral de favorabilidade de 73% com nossos colaboradores, um ponto percentual abaixo de A queda foi motivada por reduções no indicador em nossas Operações Internacionais e no público operacional no Brasil. ¾ A lealdade das consultoras e consultores no Brasil avançou de 17% para 21%, mas recuou entre as Consultoras Natura Orientadoras (CNOs) de 37%, para 32%. AMBIENTAIS ¾ Estendemos para 2013 o prazo de alcance da meta de reduzir 33% nossas emissões relativas de Gases Causadores do Efeito Estufa. O prazo inicial era Até 2010, reduzimos 21%. ¾ Lançamos a primeira embalagem de refi l de polietileno produzido a partir da cana-de-acúcar, fonte de energia renovável. Além de ser 100% reciclável, ela reduz em 58% a emissão de gases causadores de aquecimento global, em relação ao plástico comum. ¾ Reduzimos em 10% nosso consumo relativo de água. O resultado foi alcançado em função de melhorias a efi ciência no uso dos recursos. ¾ Criamos a primeira metodologia de valoração dos impactos socioambientais em nossa cadeia de suprimentos para aprimorar a seleção de fornecedores. ¾ Fomos autuados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) por ausência de autorizações prévias para a realização de pesquisas com insumos da biodiversidade brasileira. A Natura não concorda com o procedimento e contestou formalmente essas autuações. PRÊMIOS E RECONHECIMENTOS RECEBIDOS PELA NATURA EM 2010 ATENDIMENTO AO CLIENTE Reconhecimento Organização Colocação/categoria premiada As 25 melhores empresas em atendimento ao cliente do País IBRC/Exame 2ª no ranking geral 1ª no ranking do setor de cosméticos COMUNICAÇÃO Reconhecimento Organização Colocação/categoria premiada Prêmio Comunique-se Comunique-se Melhor profi ssional de comunicação corporativa: Rodolfo Guttilla, diretor de Assuntos Corporativos e Relações Governamentais da Natura FINANÇAS Reconhecimento Organização Colocação/categoria premiada As 100 melhores ações Revista Você S/A 7ª colocada em melhores ações As Melhores da Dinheiro Revista Isto É Dinheiro A melhor empresa do setor farmacêutico, de higiene e limpeza Las empresas que más facturan Argentina Revista Mercado 120ª no ranking geral Las mayores empresas de América Latina Revista America Económica 92ª no ranking geral Ranking Destaque Agência Estado Valor Estado de S. Paulo Jornal Valor Econômico 5ª no ranking geral das 10 melhores empresas listadas na Bovespa A melhor empresa do setor de higiene e cosméticos 10

11 INSTITUCIONAL Reconhecimento Organização Colocação/categoria premiada Mais admiradas - Carta Capital Melhores e Maiores Pesquisa Quanto Vale a Imagem de uma Empresa Revista Carta Capital Exame Revista Exame e Reputation Institute - NY A empresa mais admirada no Brasil A empresa mais admirada no setor de higiene pessoal 10º líder lais admirado: Alessandro Carlucci 3ª melhor empresa do setor bens de consumo 68ª no ranking Melhores e Maiores 5ª colocação em melhor reputação entre empresas do Brasil Ranking Euromoney Revista Euromoney A melhor empresa na categoria bens de consumo da América Latina A empresa excelência em gestão corporativa no Brasil Ranking de imagen 100 mejores - Argentina Revista Imagen 59ª no ranking geral GRI e RCA Awards The GRI Amsterdam Global Conference 1ª colocada em cadeia de valor 5º melhor relatório anual no The GRI Reader s Choice Award The Bizz World Confederation of Businesses 1ª em excelência empresarial INTERNET Reconhecimento Organização Colocação/categoria premiada Padrão de Qualidade em B2B Revista B2B Melhor empresa na categoria cosméticos, higiene e limpeza Prêmio Top of Mind Internet UOL Fomos reconhecidos como a marca mais lembrada pelos consumidores da web na categoria produtos de beleza MARCA Reconhecimento Organização Colocação/categoria premiada Marcas de Quem Decide Jornal do Comércio RS Reconhecida como a marca líder no setor de higiene e beleza pessoal e em preservação do meio ambiente Marcas Mais Valiosas do Brasil Interbrand e Isto É Dinheiro Ficou em 5º lugar no ranking das marcas mais valiosas. Prêmio Apex Brasil Apex Melhor gestão internacional da marca Prêmio IMPAR Índice das Marcas de Preferência e Afi nidade Regional Revista Impar/PR 2ª colocada em preferência estadual/paraná no segmento perfume e cosméticos Prêmio Intangíveis do Brasil PIB Grupo Padrão e Revista do Consumidor Moderno 1ª colocada em pioneirismo em intangíveis Prêmio Recall de Marcas Jornal do Commercio Recife 1ª colocada em Sustentabilidade Ranking das 100 marcas mais valiosas do Brasil Revista The Brander/IAM 48ª marcar mais valiosas do Brasil Top of Mind Folha de São Paulo Marca mais lembrada na categoria preservação do ambiente Top of Mind Marcas de Sucesso Minas Gerais Revista Mercado Comum (MG) Marca mais lembrada na categoria liderança em produtos de beleza feminina. Top of Mind Revista Amanhã Porto Alegre Revista Amanhã Marca mais lembrada nas categorias sustentabilidade e perfumes Top Vale Jornal Vale Paraibano 1ª colocada em cosméticos e meio ambiente World s Hottest Brands Advertising Age Brasil Advertising Age Foi reconhecida como marca regional Brazil South America Marcas de Confi ança Revista Seleções Eleita a empresa mais responsável socialmente, melhor marca na categoria cremes para pele. Além disso, o diretor presidente Alessandro Carlucci foi eleito o executivo do ano MARKETING, PRODUTO E EMBALAGEM Reconhecimento Organização Colocação/categoria premiada ABRE Design e Embalagem Associação Brasileira de Embalagem Melhor embalagem de cosméticos e cuidados pessoais: nova linha Natura Chronos Módulo marketing melhor estratégia de comunicação: Safra Açaí 2009 Atualidade Cosmética Revista Atualidade Cosmética e J.R. Paula Jr. Design 1ª colocada em tratamento facial Chronos Perfume masculino latino-americano: Essencial Exclusivo Prêmios de Beleza Elle - México Grupo Expansión Mejor producto spa 11

12 Prêmio Nova Beleza Revista Nova Cabelo: Finalizador Natura Fixplant Pós-Escova Anti-Frizz. Melhor shampoo e condicionador para cabelos lisos Natura Plant Liso Esfoliante facial Chronos Dupla Ação Natura Una Batom Sabonete em barra Natura Ekos Sabonete de cupuaçu para fatiar RECURSOS HUMANOS Reconhecimento Organização Colocação/categoria premiada Prêmio Personalidade de RH do Ano da ABTD/PR Prêmio Você RH Profi ssional do Ano Great Place to Work - Peru Mejores empresas para trabajar México Empresa dos Sonhos dos Jovens ABTD/PR Editora Abril Great Place to Work Institute e Jornal El Comércio Grat Place to Work Grupo DMRH e Cia de Talentos Marcelo Cardoso foi reconhecido como Personalidade de RH do Ano Marcelo Cardoso venceu como profi ssional do Ano 2009 no Setor Higiene e Limpeza. RH do Ano: Marcelo Cardoso, vice-presidente de Desenvolvimento Organizacional e Sustentabilidade 33º colocada no rankingmelhores empresas para se trabalhar no Peru 11ª colocada no ranking melhores empresas para se trabalhar 5ª colocada no ranking das 10 primeiras empresas na preferência dos jovens brasileiros SUSTENTABILIDADE Reconhecimento Organização Colocação/categoria premiada 2011 Global 100 Corporate Knights ET Carbon Verifi cation Leaders Award Environmental Investment Organisation (EIO) Global 100 Most Sustainable Corporations in the World Mejores Prácticas de Responsabilidad Social - México Prêmio Ciudadanía Empresarial AMCHAM - Argentina Ranking As 100 empresas mais sustentáveis segundo a mídia Ranking Fundación Chile: Las Empresas Mejor Preparadas para el Cambio Climático Ranking Nacional de RSE Las Empresas Chilenas Socialmente Reponsables Carbon Disclosure Project Corporate Knights Inc., Innovest Strategic Value Advisors, Asset 4 e Bloomberg Centro Mexícano para la Filantropia AMCHAM Argentina Mídia B + Portal Imprensa Fundación Chile y Revista Capital Fundación Prohumana y Revista Que Pasa 66º colocada entre as 100 companhias mais sustentáveis do mundo 1ª colocada como empresa global por suas estratégias de controle, verifi cação e divulgação de emissões de carbono 99ª colocada entre as 100 empresas mais sustentáveis do mundo 1ª colocada em melhores práticas: vínculo com a comunidade 2ª colocada na categoria gestão orientada à sustentabilidade 2ª colocada no ranking geral 1ª colocada no setor farmacêutico, higiene, cosméticos e limpeza 3ª colocada entre as empresas mais bem preparadas para as mudanças climáticas Menção honrosa em empresas chilenas socialmente responsáveis Ranking RSE - Argentina Revista Apertura 16ª colocada no ranking geral Road to Credibility SustainAbility e FBDS Melhor relatório sustentabilidade Top Consumidor Excelências nas Relações de Consumo e Respeito ao Meio Ambiente Rio Grande do Sul INEC Instituto Nacional do Consumidor e do Cidadão e Consumidor Teste 1ª colocada em compromisso com o consumo sustentável RELAÇÕES COM INVESTIDORES Reconhecimento Organização Colocação/categoria premiada Abrasca Melhor Relatório Anual Companhia Aberta 7ª colocada no ranking dos melhores relatórios Ranking Empresas Mais Transparentes do Ibovespa Ranking As Top Companhias para os Acionistas IR Magazine BRazil Awards BM&FBovespa Revista Capital Aberto IBRE Instituto Brasileiro de Economia e FGV Fundação Getúlio Vargas 6ª colocada entre as empresas mais transparentes do Ibovespa 1ª colocada no ranking top companhias para os acionistas Melhor governança corporativa e melhor sustentabilidade socioambiental 12

13 MAPA DE OPERAÇÕES França México Colômbia Peru Brasil Chile OPERAÇÕES COMERCIAIS FÁBRICAS Argentina ESCRITÓRIOS REGIONAIS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO CASAS NATURA LABORATÓRIO DE PESQUISA TECNOLÓGICA NOSSO MERCADO Mais uma vez o setor de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos ampliou a série histórica de crescimento, desta vez, em meio ao cenário de forte expansão da economia brasileira, estimada em 7,5% do PIB em Com menos vigor, mas também de forma consistente, as economias da América Latina seguiram a tendência de aumento da atividade econômica com destaque para Chile e México. O ritmo de crescimento do mercado latino-americano de cosméticos foi o dobro do experimentado pelos países da Europa e dos Estados Unidos na última década, alcançando cerca de 15% do mercado mundial e evidenciando a dimensão das oportunidades que temos na América Latina. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal (Sipatesp/Abihpec), o mercado-alvo brasileiro teve evolução nominal de 13,5% em Nossa proposta de valor demonstrou novamente seu vigor, ampliando nossa liderança em mais de um 1,1 ponto percentual de participação, alcançando 24 % no nosso mercado-alvo. O segmento de vendas diretas também continua a atrair mais pessoas a cada ano. A Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas totaliza 2,7 milhões de revendedores no país, o que representa uma ampliação de 12,2% no canal de vendas sobre os 2,4 milhões de

14 2.4 NOSSOS COMPROMISSOS APRESENTAMOS, ANO APÓS ANO, NOSSO COMPROMISSO COM A MELHORIA DOS INDICADORES DE DESEMPENHO. ELES REFLETEM NOSSA DISPOSIÇÃO PARA EVOLUIR NA GESTÃO DOS TEMAS PRIORITÁRIOS DE SUSTENTABILIDADE, SEMPRE ALINHADOS AO NOSSO CICLO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. PARA SABER MAIS SOBRE AS METAS APONTADAS, CONSULTE OS TEXTOS DOS RESPECTIVOS PÚBLICOS OU TEMAS PRIORITÁRIOS. 7METAS NÃO ATINGIDAS 2COMPROMISSOS EM ANDAMENTO 8METAS ATINGIDAS COLABORADORES QUALIDADE DAS RELAÇÕES 1. META 2010: Atingir 76% 1 de favorabilidade na pesquisa de clima Natura. NÃO ATINGIDA: A Natura alcançou 73% de favorabilidade. META 2011: Registrar 76% de favorabilidade na pesquisa de clima Natura. META 2011: Atingir 32% de lealdade do colaborador. 1. Por um erro de cálculo publicamos no relatório de 2009 a meta de 77%. EDUCAÇÃO 2. META 2010: Atingir 100 horas médias de treinamento por colaborador no Brasil. NÃO ATINGIDA: Registramos média de 90 horas de treinamento por colaborador na Operação Brasil. META 2011: Atingir 100 horas médias de treinamento por colaborador no Brasil. META 2011: Registrar 88 horas médias de treinamento na média geral Natura, incluindo as Operações Internacionais. COMUNIDADES FORNECEDORAS QUALIDADE DAS RELAÇÕES 3. META 2010: Aumentar em 44% os recursos destinados às comunidades fornecedoras (composto por fornecimento, repartição de benefícios, fundos e apoios, uso de imagem, capacitações, certifi cação, estudos e assessorias). ATINGIDA: Ampliamos os recursos em 57% em relação a META 2011: Aumentar em 25% os recursos destinados às comunidades em relação a META 2011: Atingir nota média de 3,7 na avaliação do BioQlicar. META 2011: Atingir 44% de lealdade das comunidades fornecedoras. CONSULTORAS E CNOS 2 QUALIDADE DAS RELAÇÕES 4. META 2010: Atingir 18% no índice de lealdade com as consultoras e consultores. ATINGIDA:Chegamos a 21% de lealdade com nossas CNs META 2011: Atingir 22% no índice de lealdade com as consultoras e consultores. 5. META 2010: Atingir 40% no índice de lealdade com as Consultoras Natura Orientadoras. NÃO ATINGIDA: A lealdade das CNOs foi de 32%. META 2011: Atingir 37% no índice de lealdade com as Consultoras Natura Orientadoras. EDUCAÇÃO 6. META 2010: Registrar 500 mil participações de CNs em treinamentos. ATINGIDA: Tivemos 517,4 mil participações de CNs em treinamentos. META 2011: Registrar 540 mil participações de consultoras e consultores nos treinamentos. 7. META 2010: Arrecadar R$ 6 milhões com a venda dos produtos da linha Crer para Ver. ATINGIDA: Registramos arrecadação recorde de R$ 10 milhões META 2011: Arrecadar R$ 13 milhões com a venda dos produtos da linha Crer para Ver. 14

15 8. META 2010: Ter 100 mil consultoras e consultores engajados no Movimento Natura. ATINGIDA: 113,1 mil CNs se envolveram no Movimento Natura. META 2011: Chegar a 135 mil CNs engajadas no Movimento Natura. META 2011: Atingir 13% de penetração das consultoras e consultores ao programa Crer para Ver. 2. Metas referentes à Operação Brasil. CONSUMIDORES IMPACTO DOS PRODUTOS 9. META 2010: Eliminar os parabenos do portfólio até 1 de dezembro de NÃO ATINGIDA: Em função de difi culdades técnicas de processo, sistema e formulação, não conseguimos excluir o parabeno como ingrediente de formulação de todos os produtos do portfólio, incluindo as Operações Internacionais. META 2011: Eliminar os parabenos do portfólio até 30 de junho de META 2010: Eliminar os ftalatos do portfólio como ingrediente de formulação até 1 de julho de ATINGIDA: A Natura excluiu os ftalatos como ingrediente de formulação de todos os produtos do seu portfólio. QUALIDADE DAS RELAÇÕES 11. META 2010: Manter em 46% o índice de lealdade do consumidor no Brasil. ATINGIDA: Alcançamos 53% de consumidores leais no Brasil. META 2011: Atingir 54% de lealdade do consumidor. FORNECEDORES QUALIDADE DAS RELAÇÕES 12. META 2010: Atingir 85% de satisfação de fornecedores com a empresa. NÃO ATINGIDA: Registramos 81%, mantendo o mesmo patamar alcançado em META 2011: Manter em 28% o índice de lealdade dos fornecedores com a Natura. MEIO AMBIENTE GASES DO EFEITO ESTUFA (GEE) 13. META 2010: Reduzir as nossas emissões relativas de GEE em 33% até 2011, levando em consideração o inventário que realizamos em COMPROMISSO EM ANDAMENTO. Atingimos até 2010, 21% de redução. META: Estimativa de redução de 33% foi postergada para META 2010: Reduzir nossas emissões de GEE em 10% até 2012 relacionadas ao escopo 1 e 2 do GHG Protocol, tomando como base as emissões de 2008 do Brasil. COMPROMISSO EM ANDAMENTO. A avaliação acumulada de 2008 a 2010 apresentou aumento em 38%. META: Reduzir nossas emissões de GEE em 10% até 2012 relacionadas ao escopo 1 e 2 do GHG Protocol, tomando como base as emissões de 2008 do Brasil. IMPACTO DOS PRODUTOS 15. META 2010: Atingir 18,5% na venda de refi l sobre itens faturados no Brasil. NÃO ATINGIDA: Alcançamos 16,9% de venda de refi l, o que representa queda no percentual em relação a META 2010: Reduzir em 6% o peso total de resíduos por unidade faturada. NÃO ATINGIDA: Nosso índice subiu 8%, chegando a 25,7 gramas por unidade faturada. META 2011: Reduzir em 3% o peso total de resíduos por unidade faturada. 17. META 2010: Reduzir em 10% o consumo de água por unidade faturada. ATINGIDA: Conseguimos reduzir os 10%. META 2011: Reduzir em 3% o consumo total de água por unidade faturada. Notas: 1. Para ter um retrato mais completo da qualidade da relação com nossos públicos também estamos adotando o índice de lealdade, que analisa três aspectos: a satisfação, a intenção de continuar o relacionamento com a Natura e a recomendação da nossa marca, diferentemente da pesquisa de satisfação, que considera apenas um destes aspectos. Para os colaboradores, além da lealdade, mantemos a pesquisa de clima que avalia questões mais específi cas de gestão, ambiente de trabalho e carreira. 2.Os indicadores de qualidade de relação acima apresentam uma margem de erro que corresponde ao intervalo de confi ança de 95%. 3. Os compromissos de Qualidade das Relações, exceto favorabilidade na Pesquisa de Clima, referem-se à Operação Brasil. 15

16 2.5 GOVERNANÇA TEMOS APRIMORADO PERMANENTEMENTE NOSSA GOVERNANÇA CORPORATIVA NUM ESFORÇO QUE SE ACENTUOU, ESPECIALMENTE, DESDE 2004, ANO DA ABERTURA DE CAPITAL NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO. O Conselho de Administração é composto por dois sócios-fundadores: Antonio Luiz da Cunha Seabra e Pedro Luiz Barreiros Passos. O terceiro sócio-fundador, Guilherme Peirão Leal, renunciou à função em maio de 2010 para disputar as eleições presidenciais como candidato a vice-presidência na chapa liderada pelo Partido Verde (PV) (leia quadro abaixo). Outros quatro integrantes formam o Conselho, sendo três deles independentes. A escolha dos conselheiros considera as qualificações, o conhecimento sobre sustentabilidade, a complementaridade de vivências executivas e a ausência de conflitos de interesse. São remunerados por uma parcela fixa mensal e uma variável anual, vinculada aos resultados econômico-financeiros, sociais e ambientais da Natura. Continuamos a busca dos mais elevados padrões de governança, aprimorando e reforçando o ambiente de controles e processos internos o que nos levou a alcançar a certificação SOx baseada nos critérios da Lei norte-americana Sarbanes-Oxley para empresas listadas na bolsa de valores de Nova York. A Natura é uma das primeiras empresas brasileiras a obter a Certificação SOx sem ter a obrigatoriedade legal de realizar essa adequação. Em nossa visão, o principal benefício em ter um ambiente de controles mais eficiente é propiciar transparência e segurança aos nossos públicos de relacionamento sobre a execução de nossas operações, garantindo que as demonstrações financeiras apresentem a precisão dos processos de negócio. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PEDRO LUIZ BARREIROS PASSOS Conselheiro e Copresidente em exercício da Presidência ANTONIO LUIZ DA CUNHA SEABRA Conselheiro e Copresidente EDSON VAZ MUSA Conselheiro JOSÉ GUIMARÃES MONFORTE Conselheiro e Presidente do Comitê de Auditoria, Gestão de Riscos e Finanças JULIO MOURA NETO Conselheiro e Presidente do Comitê Estratégico LUIZ ERNESTO GEMIGNANI Conselheiro e Presidente do Comitê de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS A participação do então copresidente do Conselho de Administração, Guilherme Leal, nas eleições presidenciais de 2010 foi dos principais defadios da governança da Natura no ano. Reforçamos nossa postura transparente e deixamos clara a separação entre a decisão individual de um dos nossos acionistas controladores de candidatar-se a um cargo público e a atuação da Natura. Guilherme Leal renunciou suas funções na Natura logo após o lançamento da chapa do Partido Verde, indicando seu nome como candidato a vice-presidente. A estrutura de governança da Natura garantiu que todas as decisões necessárias fossem tomadas de forma adequada. Montamos um comitê especial para acompanhar como a Natura e seu cofundador estariam sendo expostos durante o pleito. Acreditamos que saímos amadurecidos desse processo, fruto de uma trajetória de autonomia e independência, desenvolvida ao longo dos últimos anos. Um exemplo dessa postura é nossa Política de Doações de Campanha, em vigor desde 2006, que evidencia nossa decisão de não realizar doações a candidatos ou a partidos políticos, e que ganhou ainda mais relevância neste ano. 16

17 AVALIAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Realizamos, em 2010, dois processos de avaliação de nossos conselheiros e dos membros dos Comitês de apoio: a autoavaliação e uma avaliação externa, que permitiram identifi car as oportunidades de evolução de nossa governança. A autoavaliação foi conduzida no âmbito do Comitê de Governança, que realizou uma série de entrevistas individuais com o objetivo de capturar as impressões dos integrantes a respeito da dinâmica do Conselho, da autonomia para tomada de decisões e outros temas. Os principais apontamentos e conclusões foram consolidados e apresentados ao próprio Conselho. Entre os avanços decorrentes dessa autoavaliação estão: a retomada das sessões executivas e melhorias nas pautas das atividades. Na avaliação externa, realizada por uma consultoria, a análise incluiu o estudo sobre o tamanho e a composição do Conselho e de seus Comitês de apoio, o grau de empoderamento, o clima, o valor adicionado ao trabalho por seus membros, entre outras questões. Formuladas com autonomia pela consultoria, as entrevistas individuais basearam-se em um cruzamento das iniciativas da Natura com as melhores práticas de governança encontradas internacionalmente. Os aspectos que alcançaram maior pontuação na avaliação externa dizem respeito ao bom clima de trabalho, à liberdade para tratar dos temas e apresentar as considerações, além da clareza das informações disponibilizadas para que o Conselho tome decisões. Por outro lado, constantou-se que os critérios do processo de avaliação do Conselho e de seus comitês devem ser mais disseminados para a alta direção da empresa. Identifi cou-se também que as informações gerais são veiculadas de forma adequada, embora o fl uxo possa ser aprimorado para que os integrantes tenham mais tempo para análise. As evoluções decorrentes dessa avaliação serão implementadas ao longo de Com o objetivo de aproximar os Conselheiros das características locais das diferentes regiões onde atuamos, passamos a realizar encontros fora da sede da empresa. Das seis reuniões ordinárias do ano, uma ocorreu no Rio de Janeiro, em abril, e outra no México, em setembro. Em 2011, manteremos essa prática com a realização de um encontro em uma regional brasileira e outra em uma unidade internacional. O Conselho de Administração é apoiado por quatro comitês: Estratégico; de Governança Corporativa; de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional; e de Auditoria, Gestão de Riscos e Finanças. Este último foi reformulado em dezembro de 2010, passando a contar apenas com membros externos e independentes. A mudança teve o objetivo de aprimorar o ambiente interno de controle. O Comitê é responsável pelas análises de cenários sobre os temas contábeis, fi scais, tributários, societários e de novos investimentos. Os novos integrantes iniciaram suas atividades em fevereiro de 2011 e são apoiados tecnicamente por um grupo de especialistas externos e executivos da Natura. COMITÊS DE APOIO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO AUDITORIA, GESTÃO DE RISCOS E FINANÇAS Desde o início de 2011, é formado pelos conselheiros independentes José Guimarães Monforte, Edson Vaz Musa e o Luiz Ernesto Gemignani, apoiado pelos especialistas externos Gilberto Mifano e Taiki Hirashima; pelo vice-presidente de Finanças, Jurídico e Tecnologia da Informação, Roberto Pedote; pelo diretor de Governança Corporativa, Moacir Salzstein; e pela gerente de Gestão de Riscos e Auditoria Interna, Mercedes Stinco, que secretaria o comitê. Reúne-se quatro vezes ao ano e entre suas principais atribuições está o apoio ao Conselho de Administração na análise fi nanceira, de riscos e de relacionamento com as auditorias externas. ESTRATÉGICO É composto por três conselheiros Pedro Luiz Barreiros Passos, Julio Moura Neto e Edson Vaz Musa, além do diretor-presidente Alessandro Carlucci. Eles analisam os temas estratégicos, preparando orientações e recomendações para o Conselho de Administração. O Comitê acompanha os projetos estratégicos em curso, defi nidos no Planejamento Estratégico, e discute as ações de longo prazo da Natura. Reúne-se mensalmente, exceto em janeiro e julho de cada ano. GOVERNANÇA CORPORATIVA Entre suas atribuições está a discussão das melhorias e avanços do processo de governança e na operação do negócio. Formado por três conselheiros: Pedro Luiz Barreiros Passos, José Guimarães Monforte e Júlio Moura Neto, além de Moacir Salzstein, diretor de Governança Corporativa, que secretaria o Comitê. Os encontros são trimestrais e, em 2010, o grupo reuniu-se cinco vezes, sendo um encontro extraordinário para avaliação das modifi cações no Comitê de Auditoria, Gestão de Riscos e Finanças. O Comitê também foi responsável pelo processo de autoavaliação do Conselho de Administração e de seus comitês de apoio, bem como pela liderança no processo de avaliação externa que ocorreu no último trimestre de

18 PESSOAS E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL É composto por três conselheiros Pedro Luiz Barreiros Passos, Edson Vaz Musa e Luiz Ernesto Gemignani ; pela participante externa, ingressa em 2010, Fátima Raimondi; pelo diretor-presidente, Alessandro Carlucci; e pelo vice-presidente de Desenvolvimento Organizacional e Sustentabilidade, Marcelo Cardoso. As reuniões são mensais, exceto em janeiro e julho, quando não há reuniões. Entre os temas avaliados pelo comitê estão questões relativas à remuneração, à condução dos projetos de liderança, à sucessão, à capacitação, a temas de interesse da área de Recursos Humanos, ao Programa de Cultura e ao Sistema de Gestão Natura. Em 2010, procuramos ampliar a participação dos acionistas individuais na Assembleia Geral Ordinária. Reunimos cerca de 200 investidores em nossa unidade em Cajamar para acompanharem em tempo real a assembleia realizada na sede da Natura em Itapecerica da Serra. No evento, os investidores também tiveram a oportunidade de aproximar-se de nossa empresa, dos acionistas controladores e dos executivos (leia mais na página 71, Acionistas). Desde 2007, a Natura integra o Company Circle of Latin American Corporate Governance, associação formada por um grupo de corporações latino-americanas, escolhidas pelo International Financial Corporation, do Banco Mundial, pela qualidade das práticas de governança.. GOVERNANÇA EXECUTIVA Principal instância executiva da Natura, o Comitê Executivo (Comex) é composto pelo diretor-presidente, Alessandro Carlucci, e por cinco vice-presidentes. Suas funções principais estão vinculadas à gestão dos negócios e avaliação de resultados, que considera os aspectos econômico, social e ambiental; e ao acompanhamento do Planejamento Estratégico e dos nossos Projetos Estratégicos. COMITÊ EXECUTIVO ALESSANDRO CARLUCCI Diretor-Presidente JOÃO PAULO FERREIRA Vice-Presidente de Operações e Logística JOSÉ VICENTE MARINO Vice-Presidente de Negócios MARCELO CARDOSO Vice-Presidente de Desenvolvimento Organizacional e Sustentabilidade ROBERTO PEDOTE Vice-Presidente de Finanças, Jurídico e Tecnologia da Informação TELMA SINICIO Vice-Presidente de Inovação 18

19 Com a chegada dos novos vice-presidentes de Operações e Logística e de Inovação, o Comitê Executivo viveu em 2010 seu primeiro ciclo de trabalho completo dentro da nova confi guração. Sua atuação também se consolida a partir do desenvolvimento das lideranças da empresa, o que possibilita um olhar global dos negócios, além de foco na construção da visão de futuro da empresa. O Comex conta com o apoio de oito comitês, que atuam como espaços de discussões temáticas e representam o poder executivo nas iniciativas ligadas aos temas: marca, sustentabilidade, ética, inovação comercial, produtos, processos e, no início de 2011, foram criados os de clientes e de ideias e conceitos. DIRETORIA EXECUTIVA DA NATURA EM 2010 ALEXANDRE CRESCENZI Diretor de Gestão Comercial Brasil ALESSANDRA DA COSTA Diretora de Recursos Humanos Brasil ANA LUIZA MACHADO ALVES Diretora de Marca ANGEL MEDEIROS Diretor de Inovação Logística ARMANDO MARCHESAN NETO Diretor de Serviços ao Cliente Brasil ARNÔ ARAÚJO Diretor Comercial México AXCEL MORICZ Diretor Geral Colômbia CECÍLIA GOYA MEADE Diretora-Geral México DANIEL GONZAGA Diretor Geral Peru DANIEL LEVY Diretor de Novos Negócios DENISE ALVES Diretora de Cultura DENISE FIGUEIREDO Diretora de Unidade de Negócios DIEGO DE LEONE Diretor de Unidade de Negócios ERASMO TOLEDO Diretor de Desenvolvimento e Inovação Comercial FLÁVIO PESIGUELO Diretor de Desenvolvimento Organizacional e Sustentabilidade Operações Internacionais GILBERTO XANDÓ Diretor de Negócios Brasil HERIOVALDO SILVA Diretor de Gestão Comercial Operações Internacionais JORGE ROSOLINO Diretor de Finanças Brasil JOSELENA PERESSINOTO ROMERO Diretora de Disponibilização Produtos JOÃO CARLOS MOCELIN Diretor Industrial JOÃO AUGUSTO PEDREIRA Diretor de Unidade de Negócios LUCILENE PRADO Diretora Jurídica LUIS BUENO Diretor de Unidade Regional LUIZ CARLOS LIMA Diretor de Finanças Corporativo MARCEL GOYA Diretor de Finanças Operações Internacionais MARCOS PELAEZ Diretor de Tecnologia da Informação MARCUS OLIVER RISSEL Diretor de Unidade Regional MOACIR SALZSTEIN Diretor de Governança Corporativa MÔNICA GREGORI Diretora de Comunicação e Marketing NESTOR FELPI Diretor de Serviços ao Cliente Operações Internacionais PEDRO GONZALES Diretor Geral Argentina PEDRO VILLARES Superintendente do Instituto Natura RENATO ABRAMOVICH Diretor de Unidade Regional RICARDO FAUCON Diretor de Suprimentos ROBERT CLAUS CHATWIN Diretor de Desenvolvimento de Negócios RODOLFO WITZIG GUTTILLA Diretor de Assuntos Corporativos e Relações Governamentais ROGÉRIO CHER Diretor de Recursos Humanos Corporativo TATIANA PIGNATARI Diretora de Unidade de Negócios TOMAS JANS Diretor de Negócios Operações Internacionais VICTOR FERNANDES Diretor de Ideia, Conceitos, Ciência e Tecnologia 19

20 COMITÊS DE APOIO AO COMEX CLIENTES Criado em janeiro de 2011, sua principal função é monitorar a qualidade dos serviços prestados pela Natura aos consumidores fi nais e a consultoras e consultores. É liderado pelo vice-presidente de Operações e Logística, João Paulo Ferreira, e tem ainda como representantes do Comex, a vice-presidente de Inovação, Telma Sinicio. ÉTICA Acompanha os assuntos relacionados aos Princípios de Relacionamento da Natura e toma decisões a respeito de casos práticos de desvios desses princípios. Tem como líder o vice-presidente de Finanças, Jurídico e Tecnologia da Informação, Roberto Pedote, e como membros do Comex participantes o diretor-presidente, Alessandro Carlucci, e o vice-presidente de Desenvolvimento Organizacional e Sustentabilidade, Marcelo Cardoso. IDEIAS E CONCEITOS Liderado pelo diretor-presidente, Alessandro Carlucci, foi criado em março de 2011 e atua na defi nição de ideias e conceitos inovadores de longo prazo para a empresa. Também participam deste comitê a vice-presidente de Inovação, Telma Sinicio, e os acionistas e membros do Conselho de Administração, Pedro Luiz Barreiros Passos e Antonio Luiz da Cunha Seabra. INOVAÇÃO COMERCIAL Tem como principal atribuição analisar os projetos que proporcionam inovações comerciais para o negócio. É liderado pelo vice-presidente de Negócios, José Vicente Marino, e também conta com a presença do vicepresidente de Finanças, Jurídico e Tecnologia da Informação, Roberto Pedote. MARCA É voltado à gestão da marca Natura e analisa temas como arquitetura da marca, avaliação da linguagem Natura e seus principais movimentos. É liderado pelo diretor-presidente Alessandro Carlucci, além do vice-presidente de Negócios, José Vicente Marino, e do vice-presidente de Desenvolvimento Organizacional e Sustentabilidade, Marcelo Cardoso. PROCESSOS Acompanha a implementação da Gestão por Processos, defi nindo focos de atuação e estratégias. Seu líder é o vice-presidente de Desenvolvimento Organizacional e Sustentabilidade, Marcelo Cardoso. O vice-presidente de Operações e Logística, João Paulo Ferreira, também representa o Comex nessa instância. PRODUTOS Monitora os fl uxos e processos que envolvem a aprovação de novos produtos criados pela Natura. É liderado pela vice-presidente de Inovação, Telma Sinicio, e tem ainda a presença do diretor-presidente Alessandro Carlucci e do vice-presidente de Negócios, José Vicente Marino. SUSTENTABILIDADE Acompanha gestão dos temas de sustentabilidade ligados ao ciclo de Planejamento Integrado da empresa, tais como: acompanhamento do Orçamento Socioambiental (as metas e compromissos assumidos pela Natura nestes temas) e defi nição da Matriz de Materialidade. Além disso, monitora a gestão de projetos estratégicos ligados à sustentabilidade, como Carbono Neutro e o de Resíduos Sólidos. O grupo também é responsável por avaliar posicionamentos e estratégias conectados à visão de sustentabilidade e de Qualidade das Relações. É liderado pelo vice-presidente de Desenvolvimento Organizacional e Sustentabilidade, Marcelo Cardoso, e tem a participação dos vice-presidentes de Finanças, Jurídico e Tecnologia da Informação, Roberto Pedote, e de Operações e Logística, João Paulo Ferreira. 20

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

terceiro trimestre de 2005

terceiro trimestre de 2005 apresentação institucional terceiro trimestre de 2005 1 1panorama da empresa 2 panorama da empresa Empresa de cosméticos, fragrâncias e higiene pessoal com receita bruta de R$2,5 bilhões no 2004 (9M05:

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Conheça a MRV Engenharia

Conheça a MRV Engenharia Conheça a MRV Engenharia MRV em Números Ficha técnica MRV Engenharia Número de empregados nas obras (média 2014)...23.704 Vendas Contratadas (R$ milhões) (2014)...R$ 6.005 Receita liquida (R$ milhões)

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Sustentabilidade. é parte do negócio IBGC 12/11/2007. Fabio Colletti Barbosa Banco Real ABN Amro

Sustentabilidade. é parte do negócio IBGC 12/11/2007. Fabio Colletti Barbosa Banco Real ABN Amro Sustentabilidade é parte do negócio IBGC 12/11/2007 Fabio Colletti Barbosa Banco Real ABN Amro Agenda Contexto Nossa essência Nosso jeito de fazer negócios Resultados Contexto Nossa Essência Nosso jeito

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Liderança Feminina Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Sobre o Hay Group Hay Group é uma consultoria global em gestão que trabalha com líderes para transformar estratégias

Leia mais

Comunicação Institucional Visão de Futuro

Comunicação Institucional Visão de Futuro Comunicação Institucional Visão de Futuro Organograma Presidente Comunicação Institucional Assistente Imagem Corporativa e Marcas Comitê Estratégico Imprensa Planejamento e Gestão Atendimento e Articulação

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Lição 4 Avaliação na EAD

Lição 4 Avaliação na EAD Estudo e Aprendizado a Distância 89 Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: identifi car a fi nalidade de um objetivo de aprendizagem; identifi car o conceito de avaliação da aprendizagem;

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

natura #11 VERSÃO COMPLETA GRI relatório natura # 11

natura #11 VERSÃO COMPLETA GRI relatório natura # 11 1 natura # 11 natura #11 VERSÃO COMPLETA GRI 2 1. NOSSA ESSÊNCIA 3 Razão de Ser 3 Visão 3 Crenças 4 Direcionadores de cultura 2. ONDE ESTAMOS 5 Mensagem da Presidência do Conselho de Administração 7 Mensagem

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Sumário. Nossa essência 3 Razão de Ser 3 Visão 3 Crenças. como chegamos até aqui 4. Nosso momento

Sumário. Nossa essência 3 Razão de Ser 3 Visão 3 Crenças. como chegamos até aqui 4. Nosso momento r e l at ó r i o a n u a l n at u r a 2009 Sumário Nossa essência 3 Razão de Ser 3 Visão 3 Crenças como chegamos até aqui 4 Nosso momento No que miramos com quem caminhamos que pegada deixamos 5 Mensagem

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade Versão para público externo Mensagem da alta administração Em 93 anos de história da Votorantim, temos mantido a consistência na geração de valor, pautando

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

natura relatório anual

natura relatório anual relatório anual natura 2008 Sumário Essência 3 Razão de Ser Visão Crenças Mensagem da Presidência 4 Perfil 5 Operações Natura Temas Prioritários de Sustentabilidade Cadeia de Valor Evolução dos Nossos

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Unilever Brazil Sustentabilidade Cada Gesto Conta

Unilever Brazil Sustentabilidade Cada Gesto Conta Unilever Brazil Sustentabilidade Cada Gesto Conta 01/06/2011 A Visão da Unilever Trabalhamos para criar um futuro melhor todos os dias. Ajudamos as pessoas a se sentirem bem, bonitas e a aproveitarem mais

Leia mais

Essência ) ) Identidade

Essência ) ) Identidade Realização: Apoio: Essência ) ) Identidade O conjunto da nossa Razão de Ser, Crenças, Visão e Missão da Marca. É a alma da Marca. Fonte de inspiração para o desenvolvimento dos colaboradores, para o gerenciamento

Leia mais

LANXESS AG. Rainier van Roessel Membro da Diretoria. Sustentabilidade em Borrachas: Hoje e Amanhã. Painel 1 Discurso de Abertura

LANXESS AG. Rainier van Roessel Membro da Diretoria. Sustentabilidade em Borrachas: Hoje e Amanhã. Painel 1 Discurso de Abertura LANXESS AG Rainier van Roessel Membro da Diretoria Sustentabilidade em Borrachas: Hoje e Amanhã Painel 1 Discurso de Abertura LANXESS Rubber Day São Paulo (Favor verificar em relação à apresentação) 23

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade.

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade. MISSÃO Oferecer serviços imobiliários de qualidade, gerando valor para os clientes, colaboradores, sociedade e acionistas. VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários

Leia mais

Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Plano Estratégico 2013-2022

Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Plano Estratégico 2013-2022 Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Plano Estratégico 2013-2022 1 Visão Geral do Processo Fase 1 Fase 2 Mobilização e Nivelamento Conceitual Diagnóstico do Desempenho Estratégico da FPCRJ Análise

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

CONSTRUINDO UM EXCELENTE AMBIENTE DE TRABALHO:

CONSTRUINDO UM EXCELENTE AMBIENTE DE TRABALHO: CONSTRUINDO UM EXCELENTE AMBIENTE DE TRABALHO: OS RH S MAIS ADMIRADOS Ruy Shiozawa CEO Great Place to Work 18.Mar.2014 Download da Apresentação www.gptw.com.br publicações e eventos palestras 2 Great Place

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio?

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Matheus Kfouri Marino Camila Dias de Sá* A competitividade do agronegócio brasileiro é incontestável e resulta em taxas expressivas

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE

GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE 2 Download da Apresentação www.gptw.com.br publicações e eventos palestras Great Place to Work - Missão 3 Construindo um Excelente Ambiente de Trabalho 4 1 2 3 4 O que

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Outubro/2011 Temas de Interesse Meio Ambiente Ações Sociais / Projetos Sociais / Programas Sociais Sustentabilidade / Desenvolvimento

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Dezembro/2011 Instrumentos da Política SocioAmbiental Linhas de Instituições Financiamento participantes da pesquisa Participação de

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013 Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos Junho, 2013 1 Contexto Concentração espacial, econômica e técnica; Indústria é de capital intensivo e business to business

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Resumo de conclusões e questionamentos

Resumo de conclusões e questionamentos Resumo de conclusões e questionamentos Abertura - Vídeo do príncipe de Gales 1 - Mudanças climáticas ilustram necessidade de tratar sustentabilidade no contexto empresarial com veemência. Precisamos de

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico.

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico. Faz parte da vontade da diretoria da New Age contribuir socialmente para um mundo melhor, mais justo e sustentável. Acreditamos que através da educação e com a experiência que temos, transportando tantos

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO CANA SUL 2008 RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO Maria Luiza Barbosa Campo Grande, 23 de agosto de 2008 RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL É a forma de gestão que se define pela

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Valor das marcas dos 17 clubes mais valiosos do Brasil

Valor das marcas dos 17 clubes mais valiosos do Brasil Valor das marcas dos 17 clubes mais valiosos do Brasil Edição de 2012 Valor das marcas dos 12 clubes mais valiosos do Brasil Pelo quarto ano consecutivo a BDO publica seu estudo avaliando as marcas dos

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

Estudo de Remuneração

Estudo de Remuneração 2012 2013 Estudo de Remuneração Cenário atual e perspectivas para 2013 Uma onda positiva atingiu o mercado de trabalho brasileiro até o início de 2012, que apresentou taxas de desemprego baixíssimas e

Leia mais

O Papel Fundamental do RH na Gestão da Empresa. Natura Alessandra da Costa Maio de 2011

O Papel Fundamental do RH na Gestão da Empresa. Natura Alessandra da Costa Maio de 2011 O Papel Fundamental do RH na Gestão da Empresa Natura Alessandra da Costa Maio de 2011 Agenda Contexto de Mercado Case Natura Perguntas Contexto Externo (1/3) Pesquisa Panorama Empresarial Brasil 2011,

Leia mais

Compromissos de Sustentabilidade. Coelce

Compromissos de Sustentabilidade. Coelce Compromissos de Sustentabilidade Coelce ÍNDICE 5 5 5 6 6 6 7 8 8 9 INTRODUÇÃO 1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES 1.1 Valores 1.2 Política de Sustentabilidade 2. COMPROMISSOS INSTITUCIONAIS 2.1 Pacto

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

Governança Corporativa no Grupo Melitta

Governança Corporativa no Grupo Melitta Governança Corporativa no Grupo Melitta Management Holding Monitoramento e Supervisão Operational Framework Agenda O Grupo Melitta: Dados 2009 História da Melitta: Começo das Práticas de Governança Práticas

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

PAEX Parceiros para a Excelência

PAEX Parceiros para a Excelência PAEX Parceiros para a Excelência Estabelecer parcerias por melhores resultados: uma prática comum na natureza e nas empresas que querem se desenvolver. CONHECA A FDC Alianças Internacionais: Uma Escola

Leia mais