PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTRUMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTRUMENTO"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTRUMENTO Djair Picchiai Revisado em 05/04/2010 1

2 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A coerência entre o nível estratégico, o nível tático e nível operacional define o sentido de unidade da organização. Alinhavar estes três níveis através das pessoas, junto com as chefias e lideranças funcionais e/ou setoriais da organização, é fundamental em uma organização. O principal ator é o gestor de pessoas, cujo papel inclui as seguintes atribuições: transmitir informações; dar exemplos de conduta; explicar os processos de trabalho bem como seus conteúdos; tomar decisões; praticar ações; implantar modelos; introjetar valores e crenças da organização nos colaboradores (fazer crer). O estabelecimento de uma linguagem comum, clara e objetiva dentro das organizações, evita a dispersão e incompreensão, permitindo que todos caminhem numa mesma direção. AR Revisado em 05/04/ LI

3 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS Ações que possam identificar oportunidades e ameaças do ambiente em que a organização opera, visando observar as suas forças e fraquezas, sua capacidade atual e potencial e se antecipar às necessidades e demandas de mercado, para nele poder melhor competir Processo que possibilita à direção estabelecer o rumo a ser seguido pela organização Conjunto deliberado e sistemático de tomada de decisões. Promove maior interação entre a organização e seu ambiente, envolvendo todas as decisões que afetam a organização por um longo tempo. Mesmo quando está cercado de incertezas por abranger períodos longos e fatos que ainda não ocorreram. Opera com as incertezas do ambiente. Considera outros atores políticos do meio ambiente no qual se insere. Deve ser conduzido pela alta administração da organização. Envolve a organização como um todo. Dimensão temporal ampla. Análise do ambiente futuro da organização Fornece as bases para o planejamento tático/operacional da organização. Disseminação incorpora mentalidade estratégica na organização. Estratégias: - São os sistemas, métodos e caminhos planejados para a utilização dos recursos, meios e oportunidades, visando atingir os objetivos propostos. - O que a organização decide fazer, considerando o ambiente, para atingir os objetivos, respeitando os princípios, visando cumprir a missão do negócio. Revisado em 05/04/2010 3

4 Conceitos em Nível Estratégico: VISÃO I Maneira pela qual a organização vê a si própria no futuro, dentro do mercado, da comunidade e no meio ambiente onde atua. A maneira de como ela quer ser vista pela sociedade. Imagem do futuro da organização. Aonde a organização quer chegar Vislumbrar a organização no amanhã. Percepção que a organização deseja que a clientela tenha dela. A visão é estabelecida do ponto de vista do cliente. O PENSAR: O Discurso Como queremos ser reconhecidos VISÃO II Expressa uma aspiração da organização. Descreve uma mudança que tem o intuito de motivar seus colaboradores. Sempre voltada para o futuro. Estado que a organização deseja atingir no futuro. Observações importantes: A tradução da visão estratégica em objetivos claramente definidos. A comunicação da visão por toda a organização. Um esforço permanente para obter o comprometimento dos colaboradores com a visão. Visão é um alvo, é a imagem mental de um estado futuro possível e desejável. Pode ser tão vaga quanto um sonho, Pode ser tão precisa quanto uma meta, Não pode se estabelecida por decreto. (Warren Bennis) Um enunciado claro Uma noção de propósito nobre Uma chance possível de sucesso (Karl Albrecht) AR Revisado em 05/04/ LI

5 Visão deve: Tratar-se de um conceito claro e objetivo; Ser tão curta quanto possível, para ficar gravada na cabeça de cada um; Envolver um propósito nobre, ético, inspirador: deve valer a pena; Ser motivadora, pois reflete no senso de valor; Ser desafiadora, pois exige esforço; Apresentar uma possibilidade plausível; Ser individualizadora: aplicável somente na organização em que está. A visão é uma função de liderança que deve ser compartilhada, inspiradora, desafiadora, cuja conotação alicerça os valores a ela pertinentes, pois é uma peculiaridade humana sobreviver valorizando o olhar futuro. CRENÇAS E VALORES São as formas de pensar, decidir e atuar da alta direção. Comportamentos e atitudes consideradas corretas pela administração. O SENTIR: A Vivência Em que acreditamos em termos de qualidade, satisfação do cliente, liderança, autonomia dos recursos humanos, ética etc. SÃO COMO RAÍZES DE UMA ÁRVORE, QUE LHE PERMITE O ESPLENDOR DO CRESCIMENTO. CRENÇAS Aquilo que é tido como verdade na organização. É aquilo em que a organização acredita fielmente. O que define os rumos a serem seguidos. São todas as certezas que formam o caráter e a visão da organização. Identifica uma organização no decorrer do tempo. Advém da cultura. São os pontos centrais da cultura organizacional. São inquestionáveis. Exemplos: ética administrativa, respeito aos clientes e honestidade. Revisado em 05/04/2010 5

6 VALORES Afirmações culturais, originadas nas crenças e que modelam as atitudes e comportamento. Guias que definem o caráter da organização. Modulam comportamentos e atitudes dos funcionários. Definem os padrões que devem ser alcançados (seguidos) pela organização. Tanto podem ser coletivas ou individuais, e influenciam a visão e missão que a organização se propõe. Definem o sucesso em termos concretos para seus colaboradores. Estabelecem os padrões que devem ser alcançados. Se você faz isso, você também será um sucesso. Exemplos: qualidade, inovação, importância da motivação dos funcionários, importância do clente etc. Ainda que as organizações tendam a personalizar seus valores, podemos verificar que ele guardam algumas características comuns. Outros exemplos: responsabilidade; pró-atividade; ética; cooperação; lealdade; transparência; agilidade. PAPEL DAS LIDERANÇAS Líderes transformam a visão estratégica em ação, reúnem poder difuso e delegam esse poder a outros que irão transformar a visão em realidade. A função da liderança é catalisar uma visão clara e compartilhada para a organização e assegurar o comprometimento e a busca vigorosa dessa visão. MISSÃO Referencial estratégico básico da organização. Com a organização se posiciona historicamente, sua natureza, finalidade e ação institucional. Proposta que uma organização faz nas suas relações com o meio no qual está inserida, consigo mesma e com a comunidade onde atua. Compromisso que a organização tem para com seus stakeholders. Proposta que a organização faz junto aos grupos sujeitos a suas ações. Aquilo que ela pretende cumprir durante sua existência. AR Revisado em 05/04/ LI

7 Referencial básico da organização. Envolve sua finalidade e ação institucional. Deve estar de acordo com a visão, com valores e crenças e ser passível de realização. Descreve uma realidade que persiste no tempo. Razão de ser da organização. As necessidades sociais que ela atende e seu foco fundamental de atuação. O QUERER: As Ações O que queremos? Exemplos: Centro de Valorização da Vida prevenção de suicídio, ouvindo as pessoas e removendo esta idéia, através de voluntários treinados. Definir missão de uma empresa é difícil. Doloroso e arriscado. Mas é só assim que se consegue estabelecer políticas, desenvolver estratégias, concentrar recursos, começar a trabalhar. É só assim que uma empresa pode ser administrada visando a um desempenho ótimo (Peter Drucker) A missão é difícil de ser definida. Mas uma organização precisa ter sua missão bem definida para saber onde chegar, alcançar metas e sintonizar ações. Ela varia de acordo com o autor, mas todos concordam que ela deve conter valor intrínseco, ser disseminada e internalizada, ou seja, podemos não lembrar para repeti-la, mas agimos de acordo com ela. OBJETIVOS Resultados que a organização precisa alcançar, em prazo determinado, no contexto do seu ambiente, para cumprir sua missão. É tudo aquilo que uma organização pretende conquistar com vista ao cumprimento de sua missão. Podem ser tanto quantitativos e mensuráveis, como qualitativos, e abrangem um tempo maior que as metas. Podem também existir os objetivos permanentes. Objetivos Estratégicos: Onde se pretende chegar ou o que se pretende obter; normalmente relacionados a questões sobre as quais não se tem controle diretamente. Os objetivos refletem a missão organizacional e são importantes como auxílio na tomada de decisão e guias para aumentar a eficiência. Exemplo: conquistar a fidelidade do usuário. Revisado em 05/04/2010 7

8 ESTRATÉGIAS São os caminhos escolhidos pela organização para se chegar a seu objetivo. São ações integradas que garantem o cumprimento da visão à longo prazo, levando ao cumprimento dos objetivos Exemplo: Explorar portifólio de novos cursos: a) Pesquisa e Desenvolvimento (10% do faturamento) b) Lançamento (5% do faturamento para consolidação do produto) c) Criar unidades de negócios para consolidar produtos em segmentos específicos (custo fixo em 3%) NEGÓCIO Âmbito de atuação da organização OS PROCESSO DE MUDANÇAS SÓ SÃO BEM SUCEDIDOS QUANDO CONSEGUE-SE EQUILIBRAR O PENSAR, O SENTIR, O QUERER. AR Revisado em 05/04/ LI

9 VISÃO O PENSAR: A ENERGIA DO PENSAR ESTÁ LOCALIZADA NO SISTEMA NEUROSENSORIAL. VALORES O SENTIR: A ENERGIA DO SENTIR PODE SER VISUALIZADA NO SISTEMA RÍTMICO DO SER HUMANO. MISSÃO O QUERER: A ENERGIA DO QUERER OU AGIR ESTÁ LOCALIZADO NO SISTEMA METABÓLICO LOCOMOTOR. Revisado em 05/04/2010 9

10 EXEMPLOS Transportes aéreos: Visão : Ser vista como a excelência na prestação de serviços em relação a segurança, pontualidade, confiabilidade e conforto. Ser vista como a maior parceira dos clientes, proporcionando-lhes a satisfação de todas as suas necessidades e interesses. Crenças : As necessidades dos clientes devem ser satisfeitas a qualquer preço. O cliente sempre tem razão. Bons serviços não tem preço. Valores: Trabalho árduo Limpeza e segurança Pontualidade Qualidade Missão: Ser a maior e mais bem conceituada empresa no ramo de transporte aéreo de passageiros do Brasil. Crenças e Valores Exemplo: Escola de Administração de Empresas de São Paulo FGV O aluno não é o cliente. Quem se matricula na escola confia na filosofia de trabalho dos profissionais que a dirigem. Portanto, não é lógico encarar o aluno como cliente e não é necessário satisfazer suas vontades. Nosso cliente é a sociedade A ética é valor inquestionável dentro da escola AR Revisado em 05/04/ LI

11 Conceitos em Nível Tático PLANEJAMENTO TÁTICO São as decisões que abrangem as áreas funcionais da organização e são relativas às atividades do presente e do futuro próximo. Os empreendimentos envolvidos são mais limitados, os prazos são menores e os níveis de hierarquia mais baixos. Seu objetivo é o controle e a interação das operações da organização, alocação dos recursos e tomada de decisões de nível intermediário. Acompanhando o planejamento estratégico para descrever o nível tático, deparamos com a ideologia organizacional aplicada aos projetos, programas e planos de ação. Neste nível as idéias passam a ser materializadas. Temos a alocação de recursos orçamentários, materiais e humanos. Conjunto de tomada deliberada e sistemática de decisões, envolvendo empreendimentos mais limitados, prazos mais curtos, áreas menos amplas e níveis mais baixos da hierarquia organizacional. Está afeto às áreas funcionais da organização. Características: 1. Está relacionado às atividades presentes e aquelas situadas em futuro próximo. 2. Visa o controle e a integração das operações da organização. 3. Preocupa-se com a alocação atual de recursos, especialmente através do processo orçamentário. 4. Nível de decisão intermediário. 5. Dimensão temporal inferior ao planejamento estratégico. 6. Abrangência: somente a área funcional. PLANOS DE AÇÃO Materialização da estratégia. As estratégias ainda são bastante vagas, para atingi-las são necessários planos. Os planos devem ser vistos como uma ferramenta organizacional. É o documento que contém: Um diagnóstico da situação Metas e objetivos a serem alcançados Meios, recursos e instrumentos disponíveis Distribuição de autoridade e responsabilidade Forma de implantação Revisado em 05/04/

12 Cronograma Marcos de acompanhamento Sistemas de avaliação e controle PROJETOS: DEFINIÇÃO E CARACTERÍSTICAS Ações especiais feitas em conjunto que tem resultados específicos a serem obtidos. Conjunto de estudos específicos tendo em vista resultados pré-estabelecidos. Objetivo claramente definido e de curto prazo. Estudo específico delimitado no tempo e no espaço. Equipe integrada, como característica, dada à clara definição do objetivo. É um esforço temporário empreendido para criar um serviço ou produto único. Temporário, tem começo e fim bem definidos. Único: cria um produto ou serviço distinto dos outros. PROCESSOS: DEFINIÇÃO E CARACTERÍSTICAS Conjunto de atividades que juntas transformam inputs (contribuições) em produção ou produtos, agregando valor para satisfazer os stakeholders. Operações sequenciais em busca de uma finalidade concreta e objetiva. Uma série de atividades que culminam num fim específico. Compreende um conjunto de atividades, voltadas para uma finalidade definida e específica. Rotinas desenvolvidas no espaço e no tempo. Clientelas a serem atendidas como resultado do processo. Resultados obtidos ao final do processo. Feedback como elo entre os resultados e inputs do processo. Devemos formalizar os processos (ISO s com exemplos de formalização de processos). O fluxograma é um gráfico que representa o processo. METAS AR Revisado em 05/04/ LI

13 Significam parte dos objetivos a serem atingidos a curto prazo. Em geral são setorizados. São mensuráveis e devem ser monitoradas pelas chefias. Exemplo: Gerar 200 novas vagas em 3 anos. Metas As metas são estabelecidas pelos gerentes, a partir de planos de negócios da organização. Para defini-las, utilizamos o critério SMART. SPECIFIC: (específica) as metas devem ser claras, objetivas e detalhadas, evitando má interpretação. MENSURABLE: (mensurável) as metas devem possibilitar uma forma de medição. ACHIEVABLE: (realizável) as metas devem ser razoáveis e viáveis. RELEVANT: (relevantes) a meta deve ser relevante para o trabalho, devendo contribuir para a meta ou para a missão da unidade de trabalho. TIME-BASED: (oportuna) a meta deve incluir cronogramas específicos e prazos finais. TÁTICAS Formas e os caminhos adotados, em obediência aos planos e projetos, para atingir as metas. Revisado em 05/04/

14 Conceitos em Nível Operacional PLANEJAMENTO OPERACIONAL Preocupa-se basicamente, com o como fazer. Esta voltado para a otimização de resultados, em nível de tarefas e operações. Necessita de maior certeza. Características : 1. Seu caráter é imediatista, focaliza curto prazo. 2. Implantação de rotinas. 3. Está voltado para a eficiência, enquanto que a eficácia é problema dos níveis institucional e intermediário da organização. DECISÕES E AÇÕES Corresponde às atitudes, comportamentos e processamentos direcionados ao cumprimentos das estratégias, dos planos dos processos e dos projetos, obedecem as táticas e têm como referencial as metas. RESULTADOS São os produtos e serviços oferecidos efetivamente aos clientes. É o desempenho obtido pela organização, que nós comparamos com as metas estabelecidas. Devem ser acompanhados durante o processo. Devem ser mensuradas ao final dos processos. Formação de indicadores para se medir os resultados e desempenhos. Comparação com os referenciais de excelência estabelecidas. CONTROLE A AVALIAÇÃO O feedback deve ser estender pelos três níveis de planejamento da organização para que se tenha o controle e avaliação do negócio. Acompanhamento construído a partir dos resultados almejados, comparando-os com os resultados obtidos, tendo influência para recolocar o negócio nos rumos desejados. Resultado alcançado comparado com as metas pré estabelecidas. AR Revisado em 05/04/ LI

15 Em organizações de grande porte, com diversas unidades, cada unidade tem diferentes objetivos e metas a serem controlados e avaliados. A área de produção científica tem como meta, quantidades de produção e aumento de produtividade. A área de atendimento tem como objetivos aumento de níveis de satisfação dos clientes e medidas de desempenho (tempos de resposta, tempos de solução, número de consultas etc.). A importância da comunicação que garante a coerência e a unidade dos níveis estratégico, tático e operacional da organização em busca do cumprimento dos seus objetivos (resultados) GLOSSÁRIO Políticas: - são orientações para a tomada de decisão (explícitas e implícitas). - associadas a condicionamentos referentes a questões sobre as quais se tem comando direto. Diretrizes: são guias para a formulação de cursos de ação (tomada de decisão). Procedimentos: seqüência de passos para a execução dos planos. Métodos: descreve o processo de executar um passo ou uma etapa do procedimento. Stakeholders: são os públicos internos e externos com os quais uma organização tem interfaces: consumidores, clientes, fornecedores, terceiros (governos, conselhos de trabalho, associações, comunidade) e nossa gente. Fluxogramas: são gráficos que representam o fluxo ou seqüência de procedimentos ou de rotinas. Orçamentos: são planos operacionais relacionados com os recursos financeiros dentro de um determinado período de tempo. Programas: constituem planos operacionais relacionados com o tempo e as atividades que devam ser executadas. Regras e regulamentos: constituem planos operacionais relacionados com o comportamento solicitado às pessoas. Revisado em 05/04/

16 ANEXO I PROCESSOS Definição Processo é um conjunto de atividades com uma ou mais entradas, utilizando os recursos da organização, e que contribui para a realização dos objetivos desta. Um processo pode ser subdividido em sub-processos, atividades e tarefas. Processo é a organização de: Informações Procedimentos Pessoas Equipamentos Materiais Energia Desenho de Processo: Identificar os processos-chave de um negócio Mapear as atividades, os participantes e os recursos utilizados de cada um dos processos Definir os produtos gerados pelos processos Identificar os possíveis problemas e suas causas Redesenhar os processos incorporando as sugestões para as resoluções dos problemas O fluxograma é um gráfico que representa o desenho do processo ANEXO II PLANO OPERACIONAL Projeto Meta Ações Prazos Responsável Resultado Avaliação AR Revisado em 05/04/ LI

17 ITEM O QUE FAZER? (WHAT) (AÇÃO) COMO FAZER? (HOW) POR QUE FAZER? (WHY) PLANO DE AÇÃO QUEM? (WHO) QUANDO? (WHEN) ONDE? (WHERE) Nº QUANTO CUSTA? (HOW MUCH) Universidade Federal de São Paulo Revisado em 05/04/

18 ANEXO IV INDICADORES CHAVES DE RENDIMENTO Áreas Críticas de Resultados Indicadores Chaves de Rendimento Treinamento Porcentagem de investimento em capacitação Horas / homem ano de treinamento Satisfação no Trabalho Turn-over dos colaboradores ANEXO V Estratégia e o Desenho do Cargo Definição do Negócio Dimensionamento Qualitativo e Quantitativo de RH Desenho dos Cargos Plano de Carreiras Recrutamento e Seleção Gestão de Desempenho Remuneração Estratégica Treinamento Desenvolvimento AR Revisado em 05/04/ LI

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012 Logística Profª. Paula Emiko Kuwamoto Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos Agenda da Teleaula Reforçar a importância dos projetos no cenário atual. Apresentar os principais conceitos envolvendo

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG

Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Manual de Processo Elaborar Relatório Anual de Governo - RAG Versão 1.0 Setembro de 2015 Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Felipe de Souza Leão Gabinete do Secretário

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

PLANEJAMENTO PDI PLANO DE AÇÃO. Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRODI

PLANEJAMENTO PDI PLANO DE AÇÃO. Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRODI PLANEJAMENTO PDI PLANO DE AÇÃO Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRODI 1 agenda Planejamento Planejamento de Longo Prazo - PDI Objetivos Metas Indicadores Planejamento de Curto Prazo - PA

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

CollaborativeBook. número 1. Gestão. Processos. por

CollaborativeBook. número 1. Gestão. Processos. por CollaborativeBook número 1 Gestão por Processos Gestão por Processos 2 www.apoenarh.com.br Transformar conhecimento em ação e resultado com o desenvolvimento e aplicação de soluções de aprendizagem diferenciadas

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia.

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia. Avaliação de Desempenho- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Alinhamento do desempenho humano ao organizacional Veremos agora o alinhamento do desempenho humano ao organizacional. Segundo Souza (2005),

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Condicionantes da Estrutura Organizacional De acordo com Simeray ( 1970) é produto dos seguintes fatores: O valor do homem O conhecimento

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

#6 GESTÃO POR PROCESSOS

#6 GESTÃO POR PROCESSOS #6 GESTÃO POR PROCESSOS ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de processo 3. Gestão de processos no MEG 4. Processos gerenciais e o MEG 5. Gestão POR processos ou gestão DE processos? 6. Organização funcional

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo1 Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo1 Gestão Estratégica de Pessoas Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Módulo1 Gestão Estratégica de Pessoas Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Exercícios de Gestão de Processos

Exercícios de Gestão de Processos Exercícios de Gestão de Processos Agente de Administração 1) Uma organização formal, também conhecida como tradicional, compõe-se de camadas hierárquicas, enfatizando: a) o meio ambiente. b) os funcionários.

Leia mais

Aplicação para a norma ISO 9001 e Balanced Scorecard

Aplicação para a norma ISO 9001 e Balanced Scorecard Curso e-learning Como criar e usar Indicadores de Desempenho Aplicação para a norma ISO 9001 e Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Prof. Marcopolo Marinho Acompanhamento do Cronograma Conceitos essenciais: Aula de Hoje Estratégia, Inovação, Competitividade, Diferenciais competitivos. Análise do Ambiente Externo; Turbulência e Vulnerabilidade;Análise

Leia mais

Palestra. Gestão e Planejamento Estratégico. 22/05/2014 14h20 às 15h20

Palestra. Gestão e Planejamento Estratégico. 22/05/2014 14h20 às 15h20 Palestra Gestão e Planejamento Estratégico 22/05/2014 14h20 às 15h20 Empreendedor, Professor e Consultor. Especialista em Gestão de Negócios pela Fundação Dom Cabral (FDC) Bacharel em Direito pelo Centro

Leia mais

Passar o bastão - Desenvolver parcerias

Passar o bastão - Desenvolver parcerias CAPÍTULO VI CONSTRUINDO A VISÃO DA QUALIDADE TOTAL... não fui desobediente à visão celestial Apóstolo Paulo Como já vimos anteriormente, as empresas vivem num cenário de grandes desafios. A concorrência,

Leia mais

AÇÕES INFALÍVEIS PARA MELHORAR RESULTADOS E SUPERAR CRISES. Tancredo Otaviano Dias

AÇÕES INFALÍVEIS PARA MELHORAR RESULTADOS E SUPERAR CRISES. Tancredo Otaviano Dias AÇÕES INFALÍVEIS PARA MELHORAR RESULTADOS E SUPERAR CRISES Tancredo Otaviano Dias OBJETIVO Apresentar, de maneira geral e resumida, um conjunto de ações capazes de melhorar significativamente os resultados

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

CONCEITOS. Professor Wagner Rabello Jr

CONCEITOS. Professor Wagner Rabello Jr CONCEITOS PLANEJAMENTO OPERACIONAL Para realizar objetivos, é preciso definir quais atividades devem ser executadas e quais recursos são necessários para a execução das atividades. O processo de definir

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Um projeto tem como objetivo transformar idéias e aspirações em ações concretas que possam aproveitar oportunidades, solucionar problemas, atender a necessidades

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE)

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) STE/02 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E POTENCIAL EM 360º NYDIA GUIMARÃES E ROCHA ABB RESUMO

Leia mais

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (http://www.trt23.jus.br) Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard José Silva Barbosa Assessor de Planejamento e Gestão Setembro/2009 Objetivos Apresentar a

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM HOTEL

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM HOTEL NOTA DE AULA CLASS NOTE PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM HOTEL Roberto de Medeiros Junior roberto.medeiros.junior@hotmail.com Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com Gisele

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS AGI.01 1ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. INTRODUÇÃO... 2 3. ABRANGÊNCIA E APLICABILIDADE... 2 4. PRINCÍPIOS GERAIS... 2 5. COLABORADORES... 3 A Conduta Pessoal e Profissional... 3 B Condutas não Aceitáveis...

Leia mais

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia Balanced Scorecard Da estratégia às ações do dia-a-dia Perspectivas Em se tratando de gerenciamento de desempenho, perspectivas são os grandes vetores debaixo dos quais são agrupados objetivos, indicadores

Leia mais

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA A Gestão do desempenho e outros requisitos Planejamento Estratégico A Importância do Planejamento Estratégico Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

% Das estratégias fracassam por ineficácia em sua execução. Raramente fracassam por falta de inteligência ou visão. DEFININDO A DIREÇÃO CAPITULO:1 NÃO É A ESTRATÉGIA UM FUTURO QUE MAL CONSEGUEM VISLUMBRAR

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Como é o RH nas Empresas?

Como é o RH nas Empresas? Como é o RH nas Empresas? Informações gerais da pesquisa Objetivo: entender a percepção dos profissionais de RH sobre clima organizacional Pesquisa realizada entre 24/06 e 12/07 Parceria entre Hay Group

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

AULA 16 Marketing de Serviços

AULA 16 Marketing de Serviços AULA 16 Marketing de Serviços A cadeia de lucro de serviço Ligações da cadeia de lucro de serviço Fidelidade do cliente estimula lucratividade e crescimento. Satisfação do cliente estimula sua fidelidade.

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Evolução Estratégica do Movimento Qualidade RS 13 anos de atividade Instalação do Programa Cumulativo Consolidação do Programa como Promotor da Causa Evolução

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais