UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA Caio Leonardo da Silva Pinto O GERENCIAMENTO E CONTROLE DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UM ESTUDO DE CASO SOB A ÊNFASE DOS SUB-PROCESSOS OPERACIONAIS DA GESTÃO DE FLUXO NA MANUFATURA BELÉM

2 2011 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA Caio Leonardo da Silva Pinto O GERENCIAMENTO E CONTROLE DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UM ESTUDO DE CASO SOB A ÊNFASE DOS SUB-PROCESSOS OPERACIONAIS DA GESTÃO DE FLUXO NA MANUFATURA Trabalho de conclusão de curso, apresentado a graduação de Engenharia de Produção do Centro de Ciências Exatas e da Terra da Universidade da Amazônia UNAMA, como requisito avaliativo para a obtenção do título de graduado de Engenheiro de Produção. Orientador: Profº M.Sc. Léony Luis Lopes Negrão. BELÉM

3 2011 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA Caio Leonardo da Silva Pinto O GERENCIAMENTO E CONTROLE DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UM ESTUDO DE CASO SOB A ÊNFASE DOS SUB-PROCESSOS OPERACIONAIS DA GESTÃO DE FLUXO NA MANUFATURA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade da Amazônia como requisito avaliativo parcial para obtenção do grau de Engenheiro de Produção. Banca Examinadora Profº M.Sc. Léony Luis Lopes Negrão 1º Membro Avaliador 2º Membro Avaliador Apresentado em: / /2010 Conceito: BELÉM 2011

4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho primeiramente a Deus, pois Ele é o meu refúgio, a minha fortaleza e nele confiarei toda minha vida. A toda minha família, em especial meus pais, meus avós, meus tios, irmãos, amigos e todos meus fiéis companheiros presentes na minha memória. Esta consquista é nossa. Por fim, aos erros e virtudes desenvolvidos ao longo destes custosos anos de investimento intectual, pessoal e profissional.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por esta grande e honrada conquista, esta obra é graças a ELE. Agradeço grandiosamente aos meus pais e meus avôs tão presentes na minha vida. Em especial, por todo este belo e infinito amor demonstrado ao longo de todos estes anos. Agradeço aos meus tios, meus irmãos, minha namorada e meus amigos por todo o suporte, lealdade, fraternidade, humildade, companheirismo, entre outras virtudes necessárias para tal processo ser concluído ao longo destes anos. Nem uma obra inteira impressa conseguiria expressar toda minha gratidão por todos vocês. Agradeço aos meus colegas de turma, aos meus orientadores, pelo incentivo e apoio conseguido nesta obra. Agradeço à vida por esta oportunidade oferecida e concluída e a todos aqueles que de alguma forma contribuíram direta e indiretamente nesta jornada, MUITO OBRIGADO!

6 Eu sou um vencedor, eu terei vitórias porque a força e o poder de Deus estão presentes em mim. Eu não temerei nenhum mau e nem serei atingido, porque aos anjos, Deus dará ordens ao meu respeito para me guardarem e me protegerem. Eu terei paz, prosperidade, amor, vida, sabedoria, provisão e harmonia porque tudo posso naquele que confio. Pois, é o meu pastor e nada me faltará SALMOS 23 e 91. A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam HEBREUS. Ela (a fé) pode transportar montanhas manifestando toda a plenitude no ser humano. Faça, acredite, persista. E o milagre acontecerá LAURO TREVISAN. O pensamento é o fundamento Eu ganho o mundo sem sair do lugar, Com a força do pensar Passei pelas ruínas, Pra no alto cantar Com a imaginação que faz Você viajar, todo mundo RAS BERNARDO.

7 RESUMO Este trabalho faz uma análise do gerenciamento e controle da produção na construção civil sob a ênfase dos 4 sub-processos operacionais, nos quais são determinados a Rota e Velocidade de Atravessamento da Produção; Planejamento da Produção e do Fluxo de Material; Execução da Capacidade e Planejamento da Demanda e Medidas de Desempenho modelos conceituais da Gestão de Fluxo da Manufatura (GFM). Esta metodologia por sua vez, faz parte de modelo conceito da Gestão da Cadeia de Suprimentos (GCS) que tem sido aperfeiçoada e desenvolvidas nas últimas décadas devido a pressão do mercado por melhores formas de gerenciamento das cadeias produtivas. Deste modo, este trabalho utilizou a construção de apartamentos residenciais para análise e propor melhorias quanto ao gerenciamento e controle da produção dos mesmos. Os resultados alcançados estão no campo da proposição de melhorias futuras em todos os campos de manufatura da construção civil nos quesitos de gerenciamento e controle da produção. Palavras Chaves: Gestão do Fluxo de Manufatura. Logística. Construção Civil. Gestão da Cadeia de Suprimentos. Planejamento e Controle da Produção.

8 ABSTRACT This study is an analysis of management and production control in construction under the four subemphasis of operational processes, which are determined in the course and speed Crossover Production, Production Planning and Material Flow, Capacity and Implementation Demand Planning and Performance Measures of conceptual models of Manufacturing Flow Management (GFM). This approach in turn is part of the model concept of Supply Chain Management (SCM) that has been refined and developed in recent decades due to market pressure for better ways of managing supply chains. Thus, this study used the construction of residential apartments to analyze and propose improvements in the management and control of their production. The results of the proposition are in the field of future improvements in all fields of manufacturing in the categories of construction management and production control. Keywords: Manufacturing Flow Management. Construction. Logistic. Supply Chain Management. Planning and Production Control.

9 SUMÁRIO CAPÍTULO I - TEMA E PROBLEMA INTRODUÇÃO PROBLEMÁTICA OBJETIVO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA DA PESQUISA ASPECTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTO DO ESTUDO REFERENCIAL TEÓRICO OBJETO DO ESTUDO TIPO DE ESTUDO Coleta de Dados Observação Entrevistas Pesquisa bibliográfica Estruturação do método 22 CAPÍTULO II REVISÃO TEÓRICA GESTÃO DOS FLUXOS DE MANUFATURA (GFM) EDIFICAÇÕES CIVIS PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO CIVIL 31 CAPÍTULO III APLICAÇÃO DA GESTÃO DE FLUXO NA MANUFATURA EM UMA EDIFICAÇÃO CX ENGENHARIA RESIDENCIAL Y DESCRIÇÃO DO PROCESSO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO CONDOMINIAL PROCESSO DA CONSTRUÇÃO DA ESTRUTURA DO PRÉDIO PROCESSO DA CONSTRUÇÃO DOS APARTAMENTOS Processo de Levantamento de Alvenaria Processo de Marcações dos Pontos de Rede Processo de Preparo de Parede Processo de Acabamento Processo de Assentamento METODOLOGIA APLICADA FASES SUB-OPERACIONAIS DA GFM SPO 1 - Determinar rota e velocidade de atravessamento da produção SPO 2 - Planejamento da Produção e do Fluxo de Material 50

10 SPO 3 - Executar Capacidade e Planejamento da Demanda SPO 3 - Executar Capacidade e Planejamento da Demanda 51 CAPÍTULO IV - ANÁLISE DE RESULTADOS 54 CAPÍTULO V CONSIDERAÇÕES FINAIS 55 REFERÊNCIAS 57 APÊNDICE A 61

11 CAPÍTULO I TEMA E PROBLEMA Este capítulo descreve a estruturação teórica desta obra. Desta forma, são abordadas a relevância do tema ao seu cenário de execução, assim como introdução, a problemática do tema, o objetivo geral e os específicos, justificativa em cenário nacional e estadual e os aspectos metodológicos que foram abordados para desenvolvimento do mesmo. 1. INTRODUÇÃO A indústria da construção civil tem importância estratégica para o país devido ao grande potencial para geração de empregos diretos e indiretos, sendo responsável pela ampliação e manutenção da infra-estrutura necessária para habitação, saúde, educação, transporte, etc., essenciais para a população (AVELAR e MONTEIRO, 2007). Além disso, mesmo com o reflexo da crise financeira, foi responsável por 14,2% do PIB brasileiro no ano de 2009 segundo levantamentos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010). No contexto atual, o setor vem evidenciando a necessidade de melhorar seu sistema de planejamento e controle da produção. Este setor difere bastante da manufatura industrial de onde surgiram e se desenvolveram os conceitos de gestão operacional. Com isso, a indústria da construção civil vem tendo pouca evolução nessa área (SANTOS, ARAÚJO, VILLAR & MONTENEGRO, 2008). Tal característica evidencia um empreendimento de edificação como um projeto, ratificada com a não utilização de um processo fabril tradicional de produção, como na manufatura tradicional. Na construção civil, o produto é fixo e único, característico de um sistema de produção para grandes projetos, definido como uma sequência de atividades ou eventos, com início e fim, determinados e dirigidos por pessoas que se destinam a alcançar um dado objetivo dentro de parâmetros de custo, tempo, recursos e qualidade (SANTOS et tal, 2008). Ou seja, independente de um processo subseqüente e similar de ações, uma edificação é um produto final conotado sempre como único, com processo por projeto ou tradicionalmente, conhecido como um sistema produtivo sob encomenda.

12 Para Santos e Farias Filho (1998), o modelo atual ainda ignora os fluxos de insumos e de informações que, geralmente, não agregam valor de forma direta, mas são imprescindíveis à agregação de valor ao produto final. Segundo a ótica dos clientes, portanto, se otimizados através de uma logística eficiente, contribuiriam muito para a eliminação e/ou redução de atividades de espera, inspeção e transporte, aumentando assim a produtividade e a própria agregação de valor. Assim, a grande dificuldade no processo produtivo deste setor está na busca, identificação e otimização das atividades indiretas do sistema, no qual interferem diretamente no custo total do produto, diminuindo o lucro final das empresas. A indústria através de seus agentes empresariais cada vez mais enxerga as necessidades de ampliar a produtividade, reduzir custos e, sobretudo, melhorar o atendimento aos clientes e a qualidade dos produtos, ao mesmo tempo em que reduz os impactos ambientais dos produtos e processos devido o aumento da concorrência (FABRICIO, 2002). De acordo com Cardoso (1996), nesta busca, em relação aos resultados que estão sendo conseguidos, é válido destacar a racionalização construtiva através de programas de produção enxuta, práticas voltada para redução de custos, das perdas e dos desperdícios, e um ambiente baseado na melhoria contínua e na otimização da flexibilidade total do processo de produção. Além disso, observa-se um grande salto na eficiência técnica da construção em si de uma edificação final do produto, ou seja, na produtividade de insumos para transformação, tais como: materiais físicos, mão de obra, equipamentos, etc. Nesse sentido, inclina-se uma tendência de maior eficiência nos sistemas produtivos, onde as empresas estão começando a investir na logística de processos, que visa otimizar os fluxos físicos, as informações, a manufatura no canteiro de obras e os outros componentes externos. Ou seja, é a tendência de tratar uma edificação como um sistema integrado, gerenciando desde o projeto até o relacionamento pós venda do produto com os consumidores, prática conhecida na logística empresarial como a Gestão da Cadeia de Suprimentos (GCS), esta definida como coordenação sistêmica e estratégica das funções e táticas de negócios tradicionais através de negociações entre as áreas funcionais dentro de uma empresa particular e através de negociações na cadeia de suprimentos. O objetivo

13 desta coordenação é melhorar a performance a longo prazo de uma empresa individual e de uma cadeia como um todo (LAMBERT, 2008). Uma das maiores dificuldades enfrentadas pelas empresas, atualmente, é justamente gerenciar sua cadeia produtiva de forma efetiva e estabelecer relações entre fornecedores e clientes dentro da mesma, que permitam a tal sistema de produção obter vantagens competitivas e atingir seus objetivos de desempenho almejados, sejam eles referentes a custo, qualidade, rapidez, flexibilidade ou confiabilidade (SLACK, CHAMBERS e JOHNSTON, 2007). Para Severino e Godinho Filho (2010), verifica-se um crescimento exponencial de estudos e pesquisas relacionadas à melhor gestão da cadeia de suprimentos, tanto no meio acadêmico como no meio empresarial. Tal aumento pode ser justificado pela tentativa de redução de custos que oneram as empresas e as nações para movimentação dos produtos. Tais custos estão associados à distribuição física e logística. Um dos principais desafios dos praticantes da Gestão da Cadeia de Suprimentos é desenvolver mecanismos de coordenação de fluxo efetivos (SEVERINO et. al., 2010). Lambert (2008) considera o Processo de Gestão do Fluxo de Manufatura como um mecanismo efetivo para tal ensejo. A Gestão do Fluxo de Manufatura (GFM) pode ser entendida como o processo que inclui todas as atividades necessárias para obter, implementar e gerenciar a flexibilidade de produção na cadeia de suprimentos e mover os produtos através das plantas integrantes da cadeia de suprimentos. Com grande alvo na melhoria dos mecanismos de coordenação de fluxo na cadeia de suprimentos, este trabalho tem por objetivo identificar as atividades que podem ser desenvolvidas, as informações necessárias (inputs) e as informações geradas (outputs) para tal coordenação, a partir do Processo de Gestão do Fluxo de Manufatura (SEVERINO et. al., 2010). Desta forma, este trabalho tem como princípio propor uma melhoria contínua e eficiente de coordenação da Gestão da Cadeia de Suprimentos (GSC) em empreendimentos de edificações civis, por meio de um modelo de interface dos processos de GCS nos 4 sub-processos operacionais da GFM identificando suas atividades, inputs e outputs. Como anseio principal, será feita uma análise em uma

14 edificação residencial, especificamente na construção dos apartamentos propondo melhorias no Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos através dos sub-processos operacionais da GFM. 2. PROBLEMÁTICA A realização deste estudo baseou-se na questão: Qual o impacto dos 4 subprocessos operacionais da Gestão de Fluxo na Manufatura (GFM) na Gestão da Cadeia de Suprimentos (GCS) em empreendimentos de edificações. 3. OBJETIVOS O desenvolvimento deste projeto parte dos objetivos descritos a seguir 3.1. GERAL Identificar impactos no Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos de transformação dos apartamentos em uma edificação civil, por meio dos 4 subprocessos operacionais da Gestão de Fluxo na Manufatura (GFM) ESPECÍFICOS Melhorar a identificação de processos indiretos da gestão de fluxo, tais como as atividades a serem desenvolvidas, as informações necessárias (inputs) e as informações geradas (outputs), na busca por melhores resultados quanto à produção de uma edificação na construção civil; Identificar as atividades diretas e indiretas do processo de uma edificação; Identificar a sua cadeia de suprimentos da construção civil.

15 Identificar os fluxos da transformação do produto, inputs e outputs. Propor melhorias no processo para esta gestão de fluxos dos materiais. 4. JUSTIFICATIVA O setor industrial encontra-se em grande euforia no mercado, em 2009, mesmo com o reflexo da crise financeira, foi responsável por 14,2% do PIB brasileiro. Este impulso se dá pelos incentivos fiscais, ampliação dos créditos ofertados, Plano de Aceleração do crescimento (PAC) e a expectativa para a de Copa de 2014 e Olimpíadas de 2016, segundo o levantamento do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC, 2009). Seus produtos variam entre pequenas casas à grandes obras. Além da importância econômica, a construção civil tem papel fundamental na sociedade brasileira, principalmente por vários motivos. O primeiro se dirige à taxa empregabilidade, pois é quem gera o maior número de empregos e os melhores salários (IBGE, 2010). Ainda neste quesito, existe a estimativa, segundo o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP, 2011), que este acúmulo de empregos ultrapasse 3 milhões de trabalhadores formais em No Estado do Pará, o balanço do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA, 2011), o ano de 2010 e dos últimos 12 meses mostra um espetacular desempenho na geração de postos de trabalho. Houve um crescimento de 12,77% na geração de empregos na construção civil paraense. Segundo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Pará (SindusCon-PA, 2011), foram admissões contra desligamentos, gerando um saldo positivo de postos de trabalho, havendo uma taxa de crescimento de aproximadamente 11% no período de um ano. O segundo motivo é o déficit habitacional que gera um grande custo social à população, o qual por razões históricas e uma série de motivos, é possível destacar a falta de planejamento do setor da construção, que não conseguiu acompanhar o

16 crescimento da população entre as décadas de 80 e 90 e a ausência de políticas públicas pelo Estado Federal (BRASIL, 2003). Outras características do setor acentuam a importância da cadeia produtiva da construção civil, como sua capacidade de geração de impostos dentro do processo produtivo. O setor de construção é aquele que gera mais impostos indiretos líquidos e tem um papel importante sobre as deduções, paga por outros setores de atividade. Por outro lado, o setor da construção civil apresenta um dos mais baixos coeficientes de importação, inferior a 2% da demanda total o que justifica ainda mais a importância deste setor. O setor também impacta direta e indiretamente a demanda por importação e a produção dos demais setores de atividade (CONSTRUBUSINESS,1999). Atualmente, grandes avanços tecnológicos de alvenaria tem sido alcançados nos últimos anos. Porém, as edificações têm apresentado uma lenta evolução histórica em sua tecnologia de produção segundo levantamento em conjunto pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e o Departamento de Engenharia de Construção Civil (BRASIL, 2003). Para Santos e Farias Filho (1998), basicamente é uma série de processos que convertem materiais, mão-de-obra, equipamentos entre outros, em produtos acabados. Cada processo principal é sub dividido em processos menores, que também se caracterizam por conversões. O modelo enfoca o controle de atividades isoladas, perdendo muitas vezes o foco no impacto que essas atividades têm no empreendimento como um todo. Além disto, muitas atividades de controle são geradas, aumentando o número de atividades que não agregam valor ao produto final. Apesar dos avanços técnicos da alvenaria sentidos nos últimos anos, verifica-se ainda um grande elo no gerenciamento e planejamento da manufatura do processos de edificações. O grande obstáculo está em integrar informações e os recursos de transformações em um banco de dados para um gerenciamento eficiente de toda a cadeia produtiva das obras de edificações. Esta ausência de integração da cadeia, por conseqüência, gera grandes desperdícios de materiais e de mão de obra empregada nos processos de manufatura (COELHO, 2009). Esta

17 situação é o elemento fundamental para que o planejamento e a organização, tanto de materiais quanto de outros recursos na produção de edificações sejam eficazes (FRANCO, 1998) A importância do controle do processo de produção para o gerenciamento da construção reside em identificar os problemas gerenciais de fluxo, que geram atraso, bem como a má utilização de informações e recursos disponíveis (COELHO, 2009). Para Fabricio (2002), o controle é uma operação de apoio para toda a organização no atendimento ao processo executivo. Isto acontece porque os departamentos de controle da qualidade, compras, contabilidade, armazenamento, compras, marketing e manutenção trabalham para que o processo de produção resulte em um produto eficiente (COELHO, 2009). Para o melhor gerenciamento de toda a cadeia produtiva de um edifício, nas últimas décadas, verifica-se um crescimento exponencial de estudos e pesquisas relacionadas à melhor gestão da cadeia de suprimentos através do sub-processo de Gestão de Fluxo de Manufatura. Tais estudos estão evidenciados tanto no meio acadêmico como no meio empresarial. Tal aumento pode ser justificado pela tentativa de redução de custos, que oneram as empresas e as nações para movimentação dos produtos. Tais custos estão associados à distribuição física e logística (SEVERINO et. al, 2010). Segundo Ballou (2007), estes custos são em média 20% do PIB em países como EUA, Reino Unido e China, e representam cerca de 25% do valor de vendas em países como Japão. Para cada empresa individualmente, este custo pode ser de até 32% do valor das vendas. Desta forma, com coordenação de fluxo de materiais e informações na cadeia de suprimentos, seria possível reduzir custos logísticos e tal redução teria impacto em toda a cadeia de suprimentos. O mau planejamento de execução das obras impacta diretamente nos custos, qualidade e prazos, influenciando maiores trabalhos auxiliares e improdutivos. Estes, por consequência agregam parte da satisfação dos clientes com o produto final (COELHO, 2009).

18 O gerenciamento e planejamento da construção, aliado às novas tecnologias aplicadas nas alvenarias, integram uma nova realidade no setor a Tecnologia de Informação e conhecimento. Esta aparece como grande propulsora das mudanças organizacionais e pode ser vista como ferramenta poderosa no processo destas mudanças. Sua potencialidade e capacidade geram grandes impactos e benefícios por toda a organização. No entanto, é preciso também promover mudanças culturais dentro das empresas (HAGA, 2000). Desta maneira, este trabalho aprofundará as pesquisas neste sentido, propondo melhorias em uma obra. 5. ASPECTOS METODOLÓGICOS Este trabalho visa contribuir para a modernização organizacional, operacional e controle de processos aplicados à construção civil, analisando, apresentando e principalmente, identificando métodos para aumentar a eficiência do planejamento e do controle da gestão da cadeia de suprimentos, através da Gestão de Fluxo de Manufatura, capazes de desenvolver o processo. Conseqüentemente, focando na entrega de um melhor produto final, convergindo para a melhoria da qualidade da produção e o monitoramento da cadeia de suprimentos, adequando-os às necessidades. Para Alencar e Gomes (1998), a metodologia, como uma preocupação instrumental que cuida dos procedimentos, ferramentas e caminhos; isto é: as formas de se fazer ciência. Segundo estes autores, a metodologia diz respeito ao processo de produção de conhecimento. Neste processo de produção do conhecimento, a combinação de técnicas de pesquisa qualitativa e quantitativa é crescente e vem sendo muito utilizadas no campo da ciência social, inclusive, em estudos de acompanhamento e avaliação de programas e projetos de desenvolvimento regional como ferramentas legítimas na obtenção de realidade social DELINEAMENTO DO ESTUDO

19 Este trabalho está classificado como de caráter qualitativo e exploratório, com a utilização de ferramentas para os sub-processos teóricos da cadeia de suprimentos com o objetivo de identificar os métodos de planejamento e controle utilizados, realizando uma análise crítica e teórica das mesmas, estudando a sua aplicabilidade no setor da construção civil em uma edificação REFERENCIAL TEÓRICO O aprofundamento bibliográfico faz-se necessário para conhecer as diversas teorias relativas ao tema e, a partir delas, questionar e selecionar os elementos necessários para explicar os problemas reais observados na pesquisa de campo. Adicionando, dentro da compreensão da gestão da cadeia de suprimentos em empresas, não deve ser descartada a própria dinâmica do mercado econômico mundial e seus reflexos no ambiente setorial de construção (HAGA, 2000). Para se compreender a importância da identificação dos processos da GFM dentro da cadeia de suprimentos, faz-se necessário a realização de um estudo bibliográfico a cerca dos temas utilizando de textos selecionados sobre a indústria de construção como referência, dando o suporte necessário para aplicação do tema no estudo de caso OBJETO DO ESTUDO O universo de estudo é uma futura edificação civil privada, situada na Região Metropolitana de Belém PA. A construção será localizada na BR-316, pertinente ao Município de Marituba PA. O espaço de amostra é definido nesta obra, identificando os processos, para a melhor eficiência da sua GFM TIPO DE ESTUDO

20 O trabalho é um caso específico, em caráter exploratório, através de ferramentas teóricas com aplicação em um caso de uma edificação na cidade de Marituba PA. Esta abordagem é uma estratégia de pesquisa adequada quando o problema é contemporâneo, pouco explorado por pesquisadores, e não existe uma delimitação clara entre o fenômeno estudado e o contexto, ou seja, trata-se de uma estratégia adequada para buscar respostas a questões e pesquisas do tipo como e por que. Além disto, é indicado para desenvolver novas teorias ou examinar situações não familiares (YIN, 2001). Para Yin (2001), o estudo de caso permite uma investigação para se preservar as características holísticas e significativas dos eventos da vida real. É uma estratégia de pesquisa diferente, que possui seus próprios projetos de pesquisa, sendo utilizada em muitas situações, nas quais se incluem estudos organizados e gerenciais, como o do gerenciamento dos processos construtivos nos canteiros de obras. A vantagem do estudo de caso é que permite examinar em profundidade o desenvolvimento de ações em seus próprios cenários (ALENCAR et. al., 1998). Para Yin (2001), o estudo de caso tem como objetivo uma unidade que se analisa profundamente e que visa ao exame detalhado de um ambiente, de um simples sujeito ou de uma situação em particular, sendo seu propósito fundamental, como tipo de pesquisa, analisar intensivamente uma unidade social. Quanto se opta pelo estudo de caso, o pesquisador não tem controle exato da situação, o que não ocorre no caso de pesquisa experimental, na qual geralmente as condições dos laboratórios permitem que o pesquisador controle as variáveis que podem interferir no desenvolvimento da pesquisa (COELHO, 2009). Para a continuidade desta perspectiva, caracteriza-se o estudo de caso como sendo um estudo profundo e exaustivo de um ou de poucos objetos, permitindo dessa forma o seu amplo e detalhado conhecimento. Para o mesmo autor, o estudo de caso apresenta as seguintes vantagens: estímulo a novas descobertas e a ênfase na totalidade, fato que, será deferido na conclusão e trabalhos futuros desta obra.

21 Uma vez determinada a questão do estudo restringindo o campo de pesquisa através do objetivo proposto, definiu-se os apartamentos para verificação dos dados. Para validação da pesquisa foram utilizadas ferramentas como entrevistas, observações e verificações diretas nas obras Coleta de Dados A coleta de dados para a identificação das atividades nos processos de gestão do fluxo de manufatura, inputs e outputs foi realizada de acordo com os tópicos, tais como observação, entrevistas, pesquisa bibliográfica e estruturação do método. A estruturação da fonte de coleta de dados é desenvolvida com a utilização de documentos escritos ou não escritos (LUNA, 1999). Atualmente, com o advento da informática, é natural que você escolha os recursos computacionais para dar suporte à elaboração de índices e cálculos estatísticos, tabelas, quadros e gráficos (GIL, 1999) Observação Quando se utilizam os sentidos na obtenção de dados de determinados aspectos da realidade. Esta observação será sistemática, ou seja, tem planejamento, realiza-se em condições controladas para responder aos propósitos preestabelecidos (GIL, 1999). Deste modo, identificando os processos da GFM em uma edificação Entrevistas A obtenção de informações de uma entrevista padronizada, sobre determinado assunto ou problema. Os especialistas da edificação selecionados

22 foram solicitados a responder individualmente as perguntas, usualmente contendo um conjunto de perguntas apoiadas por justificativas e informações bibliográficas, qualitativas e quantitativas. De acordo com Goldenberg (1997), deve-se recorrer à entrevista, sempre que se tem necessidade de dados que não podem ser encontrados em registros ou fontes documentais e que se esperar que alguém esteja em condições de fornecer. Para este trabalho foram realizadas entrevistas com os gestores da edificação, ou seja, o corpo de engenheiros com a responsabilidade de planejamento da obra e com os funcionários da operação envolvidos na manufatura, visando identificar todos os gargalos da GFM Pesquisa bibliográfica A pesquisa bibliográfica foi realizada através da coleta de material já elaborado e publicado a respeito do tema estudado, os quais sejam artigos, monografias e livros referidos na referencia bibliográficas. É baseada na análise da literatura já publicada em forma de livros, revistas, publicações avulsas, imprensa escrita e até eletronicamente (RUDIO, 2000) Estruturação do método A identificação das atividade na GFM foi em forma de observação empírica, apresentando os resultados aos gestores da edificação, buscando a aplicabilidade desta obra. Esta estrutura foi formatada no pacote Microsoft Office Word, Excel e Projet.

23 CAPÍTULO II REVISÃO TEÓRICA A contextualização dos termos e conceitos utilizados no desenvolvimento da pesquisa e, para levantar o estado da arte e as atuais diretrizes sobre o tema proposto: gestão da cadeia de suprimentos com ênfase nos 4 sub-processos operacionais da GFM aplicáveis em edificação civil. Para o alcance deste objetivo realizou-se uma revisão bibliográfica enfocando os assuntos pertinentes ao estudo dos temas citados (HAGA, 2000). Atualmente tem sido muito discutido que a tendência na competição por mercados não será definida somente por empresas individuais, mas sim pela gestão da cadeia de suprimentos. Estudos sobre a gestão da cadeia de suprimentos, parcerias e logística mostram a importância das organizações estabelecerem relacionamentos colaborativos na intenção de manter liderança e crescimento de mercado (VIVALDINI & SOUZA, 2006). Neste novo ambiente de negócios, as vantagens competitivas são efêmeras e as estruturas organizacionais tendem a ser mais maleáveis, de onde se observa no mundo real a multiplicação de aproximações com fornecedores e a formação de parcerias e alianças com clientes e concorrentes. Ao mesmo tempo, soluções avançadas em manufatura vêm surgindo incessantemente nos principais centros de pesquisa, empresas de consultoria e também em software houses (HAGA, 2000). A obtenção de uma maior eficiência no sistema de gestão da empresa iniciase investindo em um controle logístico, de preferência generalizado em toda a cadeia produtiva do empreendimento (WISNER, 2009). Em um canteiro de obras, procura-se otimizar os fluxos físicos e as informações, na logística de rua onde se procura otimizar a gestão dos materiais e dos componentes e ainda em alguns conceitos da produção enxuta, onde tentar-se-á aplicar na construção civil vários

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ISSN 1984-9354 APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Danielle Meireles de Oliveira, Mariana Del Carlo Pereira (Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG)

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Administração Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Luciano Venelli Costa Objetivos Diferenciar um de um processo. Compreender o ambiente que cerca os s. Identificar as fases do ciclo de vida de um.

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO

1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO 1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO Ao analisar-se o mercado imobiliário de apartamentos novos, em particular os lançamentos voltados para a classe média no Município do Rio de Janeiro, observa-se que a indústria

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT SIGA: TMBALSC*11/01 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA É COM A FGV SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA em Logística e Supply Chain Management Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas

Leia mais

Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas.

Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas. Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas. Francisco Ignácio Giocondo César (UNIMEP) giocondo@merconet.com.br Osvaldo Elias Farah (UNIMEP) oefarah@unimep.br

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO RESUMO

CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO RESUMO 1 CONTROLE DE ESTOQUE: UM RECURSO VITAL PARA O PROCESSO PRODUTIVO Ana Caroline de Souza (Discente do 4º ano do curso de Administração-AEMS) Dayanny Karoliny Pedroso de Oliveira (Discente do 4º ano do curso

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

BPM - Sem Processos, Sem Nada!

BPM - Sem Processos, Sem Nada! BPM - Sem Processos, Sem Nada! Márcio Teschima email: marcio@teschima.com Cientista da Informação, Pós Graduado em Qualidade, Processos e Projetos e com MBA em Gestão Empresarial, busco a oportunidade

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

INFLUÊNCIAS DO PROJETO DE PRODUÇÃO E DO PROJETO DE CANTEIRO NO SISTEMA LOGÍSTICO DA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

INFLUÊNCIAS DO PROJETO DE PRODUÇÃO E DO PROJETO DE CANTEIRO NO SISTEMA LOGÍSTICO DA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS INFLUÊNCIAS DO PROJETO DE PRODUÇÃO E DO PROJETO DE CANTEIRO NO SISTEMA LOGÍSTICO DA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Otávio José de OLIVEIRA M.Sc., Eng., Professor da UNINOVE e UNIBAN - Rua Vasco Cinquini, 70 Bl.:2B

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/AUTOMAÇÃO HENRY MEINELECKI BUENO BARBOSA LUCAS PEVIDOR DE CARVALHO CAVALLARI MURILO

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO Patrícia Moschen (1); Roberto de Oliveira (2); Mayra Soares de Mesquita Mororó (2); Luiz Fernando Mählmann

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG

Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Logística de Coleta de Resíduos Provenientes de Varrição do Serviço de Limpeza Urbana da Região Central do Município de Belo Horizonte - MG Carlos Cirilo Marcelino ( FEAMIG ) carlosmarcelino1976@yahoo.com.br

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA

GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA GESTÃO DE SUPRIMENTO TECNÓLOGO EM LOGÍSTICA Gestão da Cadeia de Suprimento Compras Integração Transporte Distribuição Estoque Tirlê C. Silva 2 Gestão de Suprimento Dentro das organizações, industriais,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO 1º SEMESTRE Administração Aplicada ao Meio Ambiente Ementa: Gestão ambiental e desenvolvimento sustentável. Compromisso dos indivíduos e das

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais