TECNOLOGIAS APLICADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIAS APLICADAS"

Transcrição

1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0

2 Tecnologias Aplicadas 12º Ano Planificação Caracterização da Disciplina A disciplina de Tecnologias Aplicadas é leccionada nos dois primeiros anos de formação do Curso com uma carga horária (210 h) distribuída ao longo de cada ano. Dado o seu carácter teórico-prático, parte das aulas são teóricas e parte tem carácter prático pelo que serão leccionadas em laboratório / oficina de electricidade e electrónica. Esta disciplina pretende habilitar o aluno com conhecimentos técnicos e práticos de electricidade, electrónica e telecomunicações, abordando as regras, as técnicas, as metodologias da realização e o estudo dos materiais, dos componentes, das ferramentas e dos equipamentos. Desenvolver atitudes e comportamentos adequados no âmbito da Higiene, Segurança e Saúde no trabalho de forma a criar no aluno uma educação técnica e tecnológica que para além de ser um complemento da formação técnico-científica adquirida nas disciplinas de Electricidade e Electrónica e Sistemas Digitais integre a competência do saber e do saber-fazer preparando o aluno para a sua entrada no mundo laboral. Não se pretende abordagens aprofundadas dos fenómenos, nem tratamentos matemáticos complexos. O seu desenvolvimento far-se-á de forma a preparar os alunos para uma melhor integração no mundo laboral. Competências a Desenvolver Conhecer e aplicar as regras da Higiene, Segurança e Saúde no trabalho assim como as normas e princípios relativos à protecção das pessoas e equipamentos. Conhecer e aplicar os princípios básicos relativos às normas que regulam a organização da produção industrial de modo a satisfazer os sistemas da qualidade e normalização. Identificar os materiais mais comuns usados na indústria eléctrica e electrónica e respectivas aplicações. Executar e reparar pequenas instalações de baixa tensão de alimentação, comando, sinalização e protecção. Identificar, caracterizar e seleccionar os componentes discretos mais utilizados nos circuitos electrónicos. Conhecer e aplicar as técnicas de produção de circuitos impressos e montagens de circuitos e equipamentos electrónicos. 1

3 Conceber, executar e reparar pequenas instalações de ITED de acordo com as respectivas normas. Identificar, caracterizar e seleccionar componentes da optoelectrónica e da electrónica de potência de acordo com as suas aplicações. Conceber, planificar, montar e ensaiar um equipamento electrónico de acordo com os conhecimentos entretanto adquiridos nas disciplinas da componente técnica. Desenvolver o sentido empreendedor e análise crítica de informações, adquirindo assim um grau de autonomia pessoal e socialmente dignificante. Organizar e planear o trabalho de forma metódica em função dos meios, do tempo e dos objectivos definidos. Desenvolver capacidades de resolução de problemas, de comunicação e de flexibilização técnica e manual. Promover atitudes que potenciem hábitos de trabalho individual e em grupo, com sentido de responsabilidade, tolerância e respeito pela diferença. Orientações metodológicas/avaliação Em cada módulo, e sempre que tenha cabimento, averiguar-se-á a existência de conhecimentos prévios. Aulas expositivas, acompanhadas de diálogo com os alunos, recorrendo a imagens de diferentes fontes, nomeadamente livros, Internet, PowerPoint. Serão usados métodos de trabalho individual e em grupo, facilitadores de ambientes de aprendizagem que valorizam a iniciativa, responsabilidade, autonomia e sentido crítico. As estratégias permitem aos alunos, individualmente e em grupo, adquirir gosto pela autoformação e o conhecimento dos alunos pelo professor, o que permitirá que a acção educativa seja adaptada às necessidades e características individuais, para cujo conhecimento foi efectuado um teste de determinação do perfil de aprendizagem. Haverá iteração entre a teoria e a prática, estando a observação experimental sempre presente, pelo que o laboratório será o local de aprendizagem na quase totalidade do tempo. Serão exploradas, sempre que possível, as conexões da disciplina com outras áreas das Tecnologias Eléctricas/Electrónicas e o seu desenvolvimento será aproveitado noutros módulos. Utilizar-se-ão os meios audiovisuais para uma melhor aprendizagem, assim como as TIC. Recorrer-se-à à exibição de componentes e equipamentos, acompanhamento da sua observação, realizar experiências, questionar e estimular o estudo por parte dos alunos. Serão realizados trabalhos de pesquisa na Internet, individualmente ou em grupo, com o fim 2

4 de permitir uma melhor ligação ao mundo exterior. Sempre que necessário serão realizadas fichas e testes formativos e sumativos que contribuirão para a hetero e auto avaliação do aluno. A avaliação será contínua, assumindo carácter formativo e sumativo, prevendo-se para cada módulo um bloco para avaliação. Visitas de estudo permitirão conhecer o mundo do trabalho e os materiais e equipamentos usados na realidade laboral e tecnológica. Devem ser usados os critérios de avaliação aprovados pelo departamento. DISTRIBUIÇÃO DOS TEMPOS: (1 Tempo = 1 Aula = minutos) Módulos Turno Início Fim Total de Total Módulo 1 13-Out-2010* 2-Jan-2011 Horas 3 Aulas Out-2010* 2-Jan-2011 Módulo Fev Mai Jan Mai-2011 * Data de colocação do Docente Nota: - Nas Aulas de Avaliação estão incluídos tempos lectivos para Revisões e Correcção de Testes e/ou Trabalhos. MÓDULO OPTOELECTRÓNICA. ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA Conteúdos Objectivos Aulas Conhecer as características dos componentes optoelectrónicos Componentes optoelectrónicos Compreender o princípio de funcionamento dos componentes optoelectrónicos Relacionar os componentes de Sistemas de transmissão por um sistema de transmissão por fibra óptica fibra óptica Componentes de Electrónica Conhecer as características de potência dos componentes de 3 3

5 electrónica de potência. Compreender o funcionamento de componentes de electrónica de potência Relacionar os componentes de Sistemas de disparo um sistema de disparo Total 8 1 MÓDULO 7 PROJECTO E MONTAGEM DE UM EQUIPAMENTO ELECTRÓNICO Conteúdos Objectivos Aulas Análise do circuito electrónico Identificar as características de um equipamento a partir das suas especificações Selecção dos componentes Seleccionar componentes adequados para o circuito electrónico Concepção do circuito impresso Utilizar o programa de Planificação da caixa Produção do(s) circuito(s) impresso(s) Preparação dos componentes e soldadura Cablagem e montagem em caixa computador no desenho dos circuitos impressos Seleccionar caixa adequada à montagem do equipamento Organizar o plano de produção do equipamento tendo em conta as várias tarefas necessárias à sua construção Realizar o circuito impresso seguindo a planificação efectuada Utilizar equipamentos e produtos químicos de acordo com as regras de segurança Montar os componentes na placa de circuito impresso Preparar as superfícies e soldar 2 Registar os resultados dos ensaios efectuados Registar os resultados dos ensaios efectuados Ensaios Escrever um manual de operação do equipamento 2 3

6 Total 8 ESTRATÉGIAS GLOBAIS - Incentivar os alunos a funcionarem em grupo procurando definir normas comuns de ordem, limpeza e funcionamento do local de trabalho; - Apelar aos conhecimentos prévios dos alunos e suas experiências; - Apelar às capacidades e criatividade dos alunos de modo a levá-los para novos conhecimentos; - Apresentação de plantas onde os alunos irão executar os seus próprios projectos; - Utilização de meios audiovisuais/informáticos para incentivar e captar a atenção e interesse dos alunos; - Realização de trabalhos práticos e elaboração de relatórios; RECURSOS DIDÁTICOS Textos de apoio; Fichas; Internet; Transparências; Vídeo vigilância; Quadro; Kits didácticos; Material electrónico.

ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA

ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 40 Electricidade

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Electrónica, Automação e Computadores PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Tecnologias Aplicadas Escolas Proponentes / Autores E. P.

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Electrónica e Telecomunicações PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Tecnologias Aplicadas Escolas Proponentes / Autores E P Mariana

Leia mais

PROGRAMA AEC s Ciências Experimentais 2015/2016. Programa AEC s Ciências 1

PROGRAMA AEC s Ciências Experimentais 2015/2016. Programa AEC s Ciências 1 PROGRAMA AEC s Ciências Experimentais 2015/2016 Programa AEC s Ciências 1 PROGRAMA AEC s Ciências Experimentais OBJETIVOS GERAIS: - Divulgar a ciência junto dos mais novos. - Fomentar o gosto pela ciência.

Leia mais

[Critérios Específicos de Avaliação Disciplina de Projecto e Tecnologias _11º ano D1/D2/D3] 1. Introdução à disciplina. 2- Objectivos da disciplina

[Critérios Específicos de Avaliação Disciplina de Projecto e Tecnologias _11º ano D1/D2/D3] 1. Introdução à disciplina. 2- Objectivos da disciplina Departamento das Expressões e da Representação Curso de Comunicação Audiovisual Ano Lectivo 2011/2012 Disciplina de Projecto e Tecnologias _11º ano Diurno e Nocturno [Critérios Específicos de Avaliação

Leia mais

UFCD N.º 6028 Tecnologia dos Componentes Eletrónicos (25 horas de referência 30 AULAS) ESTRATÉGIAS/ ATIVIDADES. 1. Exposição oral.

UFCD N.º 6028 Tecnologia dos Componentes Eletrónicos (25 horas de referência 30 AULAS) ESTRATÉGIAS/ ATIVIDADES. 1. Exposição oral. Curso Profissional de Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Nº Projeto: POCH-0-557-FSE-005 Nº Curso: Escola Secundária Dr. Bernardino Machado PLANIFICAÇÃO ANUAL DE Tecnologias Aplicadas Ano: º Turma:

Leia mais

Departamento das Expressões e da Representação Curso de Comunicação Audiovisual Ano Letivo 2012/2013 Disciplina de Projeto e Tecnologias _11º ano

Departamento das Expressões e da Representação Curso de Comunicação Audiovisual Ano Letivo 2012/2013 Disciplina de Projeto e Tecnologias _11º ano Departamento das Expressões e da Representação Curso de Comunicação Audiovisual Ano Letivo 2012/2013 Disciplina de Projeto e Tecnologias _11º ano Áreas tecnológicas constituintes da disciplina de Projeto

Leia mais

Índice 7º ANO 2009/2010 ESCOLA BÁSICA 1, 2, 3 / JI DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO VISUAL

Índice 7º ANO 2009/2010 ESCOLA BÁSICA 1, 2, 3 / JI DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO VISUAL Índice COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS da EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Competências Gerais e Específicas da Educação Artística Dimensões das Competências Específicas Competências Especificas do 3º ciclo - Visual Competências

Leia mais

HORÁRIOS DE AULA CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SEMESTRE: 2015.2 PERIODO: 1º TURMA: TURNO: NOITE BLOCO: A

HORÁRIOS DE AULA CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SEMESTRE: 2015.2 PERIODO: 1º TURMA: TURNO: NOITE BLOCO: A CURSO: DE INFORMAÇÃO SEMESTRE: 2015.2 PERIODO: 1º TURMA: TURNO: NOITE BLOCO: A CURSO: DE INFORMAÇÃO SEMESTRE: 2015.2 PERIODO: 2º TURMA: TURNO: NOITE BLOCO: A I I I I CURSO: DE INFORMAÇÃO SEMESTRE: 2015.2

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no

Leia mais

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. Sistemas Electrónicos e Computadores

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. Sistemas Electrónicos e Computadores INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SETÚBAL CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Decreto Lei nº88/2006 de 23 de Maio Sistemas Electrónicos e Computadores Área de formação

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Ciências Naturais / 7º. Ano de Escolaridade Planificação a Longo Prazo 2012-2013

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré Atividade de Enriquecimento Curricular TIC Pré-Escolar Nenúfares Docente: Telma Sá Ano Letivo: 2015/2016 1 O saber é um processo, não é um produto. Jerome

Leia mais

OFERTA FORMATIVA 2019/2020

OFERTA FORMATIVA 2019/2020 OFERTA FORMATIVA 2019/2020 OFERTA FORMATIVA NÍVEL SECUNDÁRIO CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Os Cursos Científicos- Humanísticos destinam-se a jovens com o 9º ano de escolaridade ou equivalente que desejam

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Ciências Naturais / 9º. Ano de Escolaridade Planificação a Longo Prazo 01-015

Leia mais

01 - Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano;

01 - Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano; COLÉGIO TERESIANO DE BRAGA PLANIFICAÇÃO ANUAL - EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA COMPETÊNCIAS GERAIS 01 - Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. www.vantagem.com PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. www.vantagem.com PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru- SP Eixo Tecnológico: Segurança. Habilitação Profissional: Habilitação Profissional Técnica de Nível

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações.

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Electrónica, Automação e Computadores PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Sistemas Digitais Escolas Proponentes / Autores E P de Tecnologia

Leia mais

Modelo de Cenário de Aprendizagem

Modelo de Cenário de Aprendizagem Modelo de Cenário de Aprendizagem Disciplina: Contabilidade - Compras Tema: Contas Autor: António Pedro Assunção Tendência(s) Relevante(s) A Contabilidade é uma técnica de comunicação e informação fundamental

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2009/2010 1 DISCIPLINA: TECNOLOGIAS INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO: 10.º DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONRAÇÃO Conhecer a folha de cálculo e as suas finalidades funcionais; Usar a folha de cálculo de

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013

Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013 Departamento de Expressões e Representação Ano Letivo 2012/2013 Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12º ano Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013 1. Introdução à disciplina

Leia mais

342 Marketing e Publicidade

342 Marketing e Publicidade 342 Marketing e Publicidade Análise de mercados e consumidores Destinatários Diretores e Gestores de Marketing, Marca e Vendas. Não existentes. Formação Continua. Requisitos de acesso Modalidade de Formação

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

PLANIFICAÇÃO INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO BLOCO I

PLANIFICAÇÃO INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO BLOCO I PLANIFICAÇÃO INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO BLOCO I MÉDIO PRAZO 1 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA OBJECTIVOS CONTEÚDOS DATA Conceitos Introdutórios Conhecer os conceitos básicos relacionados

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1 Semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1 Semestre Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Ensino Técnico 1 Semestre Etec: DR. JÚLIO CARDOSO Código: 078 Município: Franca Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES/CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES/CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES/CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 7º Ano Disciplina: Educação Visual Metas Curriculares: Domínios/Objetivos Programáticos Critérios de Avaliação Instrumentos de Avaliação Técnica

Leia mais

CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E ATITUDES

CONHECIMENTOS, CAPACIDADES E ATITUDES ambientes digitais DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO [5.º] PLANIFICAÇÃO ANUAL 2018/2019 5.º Ano de Escolaridade Processador de texto Gerir documentos Utilizar conteúdos obtidos em pesquisas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Ciências Experimentais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Ciências Experimentais Ano letivo 2016 / 2017 Critérios específicos de avaliação da Estrutura Pedagógica de Ciências Natureza / Naturais e Biologia/Geologia 1. AVALIAÇÃO

Leia mais

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal.

Ficha de Actividade. Conteúdos: Os diferentes processos e serviços do Arquivo Municipal. Ficha de Actividade Tipo: Visitas de Estudo Tema: Faz de conta que somos de papel Público-alvo: Alunos Pré-escolar e 1º ciclo Equipa: Serviço Educativo Arquivo Municipal Calendarização: Todo o ano. Agendadas

Leia mais

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL

ISEL Sessão de Apresentação no ISEL ISEL ISEL Sessão de Apresentação no ISEL Manuel Pires Abraços 15 Novembro 2011 Apresentação O Poliempreende é um concurso de ideias e de planos de negócios que tem como objectivo avaliar e premiar projectos

Leia mais

Desencadeia motivações profundas, onde os comportamentos são mais importantes que o produto final;

Desencadeia motivações profundas, onde os comportamentos são mais importantes que o produto final; ÁREA DE PROJECTO 12º ANO Ano Lectivo 2008/2009 1. O QUÊ, PARA QUÊ? A Área de Projecto é uma área curricular não disciplinar que faz parte do currículo do 12º ano. Tem uma natureza interdisciplinar e transdisciplinar

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades

Leia mais

Aprender a observar A memorizar a analisar e sintetizar A orientar-se no espaço A ter noção de dimensões e proporções

Aprender a observar A memorizar a analisar e sintetizar A orientar-se no espaço A ter noção de dimensões e proporções CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES/CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 7º Ano Disciplina: Comunicação Visual Metas Curriculares: Domínios/Objetivos Conteúdos Programáticos Critérios de Avaliação Instrumentos de Avaliação

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2015/2016

PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2015/2016 PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 201/2016 DISCIPLINA: BIOLOGIA GEOLOGIA 10º Ano CURSO: CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS OBJETIVOS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento Agrupamento de Escolas de Torre de Dona Chama Biblioteca Escolar/Área de Projecto Novas leituras, outros horizontes Ano Lectivo 2010/2011 ÍNDICE Introdução 3 1. A Escola novos desafios 3 2. O domínio da

Leia mais

Ângulos, triângulos, pontos especiais num triângulo 8 o Ano. Cláudia Herdeiro Cardoso Escola E.B.2,3 Santo António

Ângulos, triângulos, pontos especiais num triângulo 8 o Ano. Cláudia Herdeiro Cardoso Escola E.B.2,3 Santo António 14 Ângulos, triângulos, pontos especiais num triângulo 8 o Ano láudia Herdeiro ardoso Escola E..2,3 Santo António láudia ardoso, de 36 anos de idade, é licenciada em Matemática (Ramo de Formação Educacional)

Leia mais

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO APOIO AO ESTUDO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/20164 1º CICLO 1. INTRODUÇÃO O despacho normativo nº7/2013 tem como objetivo conceder maior flexibilidade na constituição das

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2017/2018

PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2017/2018 PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2017/2018 DISCIPLINA: BIOLOGIA GEOLOGIA 11º Ano CURSO: CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS OBJETIVOS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania

Leia mais

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO No seguimento das propostas apresentadas por esta Direcção Regional de Educação para o Plano de Acompanhamento dos Centros de Recursos TIC (CRTIC) no ano de 2011, com uma linha orientadora

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OFICINA DE ILUMINAÇÃO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OFICINA DE ILUMINAÇÃO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular OFICINA DE ILUMINAÇÃO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2018/2019

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2018/2019 Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2018/2019 1. Unidade Orgânica Faculdade de Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo

Leia mais

CHAVE DO FUTURO. Formativa 2015/16. Oferta. está nas tuas mãos. Ensino Secundário Recorrente. Cursos. Educação e Formação de Adultos.

CHAVE DO FUTURO. Formativa 2015/16. Oferta. está nas tuas mãos. Ensino Secundário Recorrente. Cursos. Educação e Formação de Adultos. A CHAVE DO FUTURO está nas tuas mãos Ensino Secundário Recorrente Cursos Educação e Formação de Adultos Cursos Profissionais Cursos Científico-Humanísticos Cursos Vocacionais Orientar Saberes, Desenvolver

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Unidade Curricular Designação Ferramentas Digitais/Gráficas II Área Científica Design Gráfico e Multimédia Ciclo de Estudos Obrigatório Carácter: Obrigatório Semestre

Leia mais

342 Marketing e Publicidade

342 Marketing e Publicidade 342 Marketing e Publicidade Análise de mercados e consumidores Destinatários Diretores e Gestores de Marketing, Marca e Vendas. Não existentes. Formação Continua. Requisitos de acesso Modalidade de Formação

Leia mais

Mini-MBA de Especialização de Marketing Coordenador/Formador: José Guimarães

Mini-MBA de Especialização de Marketing Coordenador/Formador: José Guimarães Mini-MBA de Especialização de Marketing Coordenador/Formador: José Guimarães Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 3 Objetivo Geral... 3 Objetivos Específicos...

Leia mais

A) Ensaios económicos de um transformador monofásico, modelo e teste (Trabalho de Grupo)

A) Ensaios económicos de um transformador monofásico, modelo e teste (Trabalho de Grupo) FEUP - DEEC - LEEC MÁQUINAS ELÉCTRICAS I (T) (2º.Semestre) Trabalho de Laboratório TRANSF.-1 A) Ensaios económicos de um transformador monofásico, modelo e teste (Trabalho de Grupo) B) Ensaios em carga

Leia mais

PROGRAMA DE. EMPREENDEDORISMO 11ª Classe 2.º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO GERAL ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONAL FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO 1.

PROGRAMA DE. EMPREENDEDORISMO 11ª Classe 2.º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO GERAL ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONAL FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO 1. D26 PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO ª Classe 2.º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO GERAL ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONAL FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO.º CICLO FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de Empreendedorismo

Leia mais

Os consumidores estão cada vez mais exigentes, precisando ser seduzidos e atraídos a comprar.

Os consumidores estão cada vez mais exigentes, precisando ser seduzidos e atraídos a comprar. Vitrinismo Nome do Curso Vitrinismo Objectivos do Curso Os consumidores estão cada vez mais exigentes, precisando ser seduzidos e atraídos a comprar. As técnicas de vitrinismo aplicada às montras e expositores

Leia mais

Decreto-Lei Nº 6/2001 de 18 de Janeiro - Novos currículos do ensino básico

Decreto-Lei Nº 6/2001 de 18 de Janeiro - Novos currículos do ensino básico Decreto-Lei Nº 6/2001 de 18 de Janeiro - Novos currículos do ensino básico O Programa do Governo assume como objectivo estratégico a garantia de uma educação de base para todos, entendendo-a como início

Leia mais

Ciências Experimentais

Ciências Experimentais O ensino experimental da Física nos programas do ensino secundário Ciências Experimentais O propósito da Educação em Ciência, enquanto componente da experiência educativa global de todos os jovens, é prepará-los

Leia mais

Planeamento. Avaliação

Planeamento. Avaliação Planeamento e Avaliação Planeamento e Avaliação Definição de Planeamento Fases de Planeamento Plano vs Projecto Relatório O quê? PLANEAMENTO Planear uma actividade, evento ou projecto, significa responder

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 1, 2, 3 / JI DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO VISUAL

ESCOLA BÁSICA 1, 2, 3 / JI DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO VISUAL 7º ANO Índice COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS da EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Competências Gerais e Específicas da Educação Artística Dimensões das Competências Específicas Competências Especificas do 3º ciclo - Comunicação

Leia mais

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DAS TAIPAS Curso Profissional de Técnico de Comércio ANO LECTIVO 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: DISCIPLINA Organizar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA 2º ANO DE ESCOLARIDADE / FORMAÇÃO CÍVICA Educação para a Solidariedade e para os Direitos Humanos

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA 2º ANO DE ESCOLARIDADE / FORMAÇÃO CÍVICA Educação para a Solidariedade e para os Direitos Humanos EDUCAÇÃO PARA A SOLIDARIEDADE E PARA OS DIREITOS HUMANOS 1. CONTEXTUALIZAÇAO DO PROJECTO Ao abrigo do Despacho nº 19308/2008 1, no âmbito das ANC e no que diz respeito à Formação Cívica, a Coordenação

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Professor

RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Professor RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Professor Anexo I COORDENAÇÃO DO ENSINO: NOME DO AVALIADO: CÓDIGO DO HORÁRIO: LOCAL/LOCAIS ONDE EXERCE FUNÇÕES: CARGO: Professor PERÍODO EM AVALIAÇÃO: Ano lectivo de 2009-2010

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010 / 2011 Ciências Naturais 8º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 1º Período

ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010 / 2011 Ciências Naturais 8º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 1º Período ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010 / 2011 Ciências Naturais 8º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 1º Período Objectivos / Competências Relembrar quais são os sistemas terrestres Compreender que os

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR - INFORMÁTICA

PLANIFICAÇÃO MODULAR - INFORMÁTICA Agrupamento de Escolas de Santo André Escola Secundária Padre António Macedo PLANIFICAÇÃO MODULAR - INFORMÁTICA CURSO VOCACIONAL COMÉRCIO E ARTES Ciclo de Formação: 2014-2016 *** Ano Letivo: 2015-2016

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014 PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR Ano lectivo de 2013 2014 A Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos, de acordo com o que está definido no Projecto educativo, deste agrupamento (...)

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Controlo de Gestão de Projectos

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Controlo de Gestão de Projectos INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

Avaliação Interna da Escola Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil

Avaliação Interna da Escola Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Avaliação Interna da Escola Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Comissão Interna de Avaliação Equipa da Biblioteca Escolar Novembro de 2009 Campo de Trabalho Áreas de Incidência da Avaliação Interna

Leia mais

Acção n.º 41 Oficina de Escrita (Criativa) Modalidade: Oficina de Formação; Destinatários: Docentes dos grupos 110, 200, 210, 220 e 300

Acção n.º 41 Oficina de Escrita (Criativa) Modalidade: Oficina de Formação; Destinatários: Docentes dos grupos 110, 200, 210, 220 e 300 Acção n.º 41 Oficina de Escrita (Criativa) Modalidade: Oficina de Formação; Destinatários: Docentes dos grupos 110, 200, 210, 220 e 300 Esta oficina de formação visava desenvolver técnicas de criatividade

Leia mais

Tópicos para elaboração da candidatura ao concurso de Projectos de Produção de Conteúdos Educativos lançado pelo Ministério da Educação

Tópicos para elaboração da candidatura ao concurso de Projectos de Produção de Conteúdos Educativos lançado pelo Ministério da Educação Tópicos para elaboração da candidatura ao concurso de Projectos de Produção de Conteúdos Educativos lançado pelo Ministério da Educação Cento de competência Nónio ESE Viseu - 06/12/2005 Âmbito do Concurso

Leia mais

Planificação de atividade TIC

Planificação de atividade TIC Planificação de atividade TIC Ano(s) de escolaridade Disciplina(s) Previsão de duração 4º Matemática 3 aulas de 90 minutos Autoria Carla Oliveira Descrição da atividade Os alunos vão criar figuras geométricas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Perfil Profissional do Curso de Técnico de Vendas e Marketing DESCRIÇÃO GERAL DA QUALIFICAÇÃO Planear, coordenar e executar as atividades relacionadas com a promoção, comercialização e venda dos produtos

Leia mais

Ocupação de Tempos Escolares CLUBE LABORATÓRIO DE FÍSICA E QUÍMICA LOW-COST

Ocupação de Tempos Escolares CLUBE LABORATÓRIO DE FÍSICA E QUÍMICA LOW-COST CLUBE LABORATÓRIO DE FÍSICA E QUÍMICA LOW-COST 69 1. Apresentação O projeto que se apresenta, pretende iniciar um trabalho que perspetiva o desenvolvimento de um conjunto de atividades destinadas a promover

Leia mais

INICIO DO ANO LECTIVO

INICIO DO ANO LECTIVO INICIO DO ANO LECTIVO 2010-11 Dia Hora ACTIVIDADE / SERVIÇO 9.30-12.30 Recepção dos docentes do Agrupamento 1 14.30 Reunião Mediadores Cursos EFA+Direcção 15.00 Reunião de Coordenadores de Departamento

Leia mais

PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL DE CONTEÚDOS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL DE CONTEÚDOS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL DE CONTEÚDOS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º Ano Ano Letivo: 206-207 Grupo de Docência: 550 - Informática 7º Ano *** Ano Letivo: 206-207 N.º DE AULAS (45 ): 4 N.º DE AULAS

Leia mais

Apresentar de forma resumida a evolução histórica do Sistema Operativo Linux;

Apresentar de forma resumida a evolução histórica do Sistema Operativo Linux; PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO DISCIPLINA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Unidade de Ensino Aprendizage m Sistema Operativo Linux 10ºAn o - Total de 20-1º PERÍODO Objectivos Conteúdos Metodologias

Leia mais

ESCOLAS EMPREENDEDORAS DA CIM DÃO LAFÕES 2012/2013. Tondela, 26 de setembro de 2012

ESCOLAS EMPREENDEDORAS DA CIM DÃO LAFÕES 2012/2013. Tondela, 26 de setembro de 2012 ESCOLAS EMPREENDEDORAS DA 2012/2013 Tondela, 26 de setembro de 2012 Objetivos do projeto Criar uma cultura empreendedora; Promover o espírito de iniciativa, de cooperação e criatividade; Partilhar experiências

Leia mais

Disciplinas da Componente de Formação Técnica dos Cursos Profissionais por Área de Educação e Formação

Disciplinas da Componente de Formação Técnica dos Cursos Profissionais por Área de Educação e Formação Área de Educação e Formação 212 - Artes do espectáculo Área de Educação e Formação 213 - Audiovisuais e produção dos media Adereços 380 Cenografia 400 Cenotecnia 380 Conjuntos Instrumentais 180 Figurinos

Leia mais

Curso de Educação e Formação (CEF) 3º Ciclo. Departamento de Ciências Sociais e Humanas - Área Disciplinar de. Economia/Contabilidade

Curso de Educação e Formação (CEF) 3º Ciclo. Departamento de Ciências Sociais e Humanas - Área Disciplinar de. Economia/Contabilidade Curso de Educação e Formação (CEF) 3º Ciclo Departamento de Ciências Sociais e Humanas - Área Disciplinar de Economia/Contabilidade Disciplina: Organização Administrativa e Documental (CEF 1º ano) Planificação

Leia mais

Rua José Galhardo, 1-2º Esq, 1750 LISBOA (Portugal) (+351) 963 48 77 90 conforma@gmail.com. Sexo Masculino Data de nascimento 5 out 53

Rua José Galhardo, 1-2º Esq, 1750 LISBOA (Portugal) (+351) 963 48 77 90 conforma@gmail.com. Sexo Masculino Data de nascimento 5 out 53 Curriculum vitae INFORMAÇÃO PESSOAL GONÇALVES Carlos Rua José Galhardo, 1-2º Esq, 1750 LISBOA (Portugal) (+351) 963 48 77 90 conforma@gmail.com Sexo Masculino Data de nascimento 5 out 53 PROFISSÃO Consulting

Leia mais

Celestino Miguel Mineiro Manso. Arts/Music/Entertainment/Media/Fashion

Celestino Miguel Mineiro Manso. Arts/Music/Entertainment/Media/Fashion Curriculum vitae INFORMAÇÃO PESSOAL 914216560 ligares@gmail.com Sexo Masculino Data de nascimento 8 mar 81 PROFISSÃO Arts/Music/Entertainment/Media/Fashion EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL jan 08 Presente Formador

Leia mais

GUIA DO FORMANDO. 1. Objetivos Gerais. 2. Objectivos Específicos e Conteúdos Programáticos

GUIA DO FORMANDO. 1. Objetivos Gerais. 2. Objectivos Específicos e Conteúdos Programáticos GUIA DO FORMANDO Curso: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES Duração: 90h. Coordenação da Formação: Conceição Nobre Rodrigues. Equipa de Formadores: Cláudia A. Senra, Margarida M. Guimarães, Paulo

Leia mais

FACULDADE METROPLITANA DA AMAZÔNIA-FAMAZ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CALENDÁRIO DE PROVAS DA 1ª AVALIAÇÃO CURSO: ENGENHARIA CIVIL

FACULDADE METROPLITANA DA AMAZÔNIA-FAMAZ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CALENDÁRIO DE PROVAS DA 1ª AVALIAÇÃO CURSO: ENGENHARIA CIVIL CALENDÁRIO DE PROVAS DA 1ª AVALIAÇÃO TURMA: 450116 - SALA: 102 Bloco I TURNO: VESPERTINO 1º PERÍODO (1º semestre/2014) 1ª Avaliação Regimental Fundamentos da Engenharia 20.03.2014 14:00 às 17:30 Comportamento

Leia mais

PLANO TIC 2º E 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO O Coordenador TIC. Sandra Aracy Alfaia Pequenão Minhós

PLANO TIC 2º E 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO O Coordenador TIC. Sandra Aracy Alfaia Pequenão Minhós PLANO TIC 2017-2018 2º E 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO O Coordenador TIC Sandra Aracy Alfaia Pequenão Minhós Escola Escola Básica e Secundária da Ponta do Sol Rua do 5º Centenário, 9360-500

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2018/2019

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2018/2019 Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2018/2019 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ESTATÍSTICA (20309)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MATOSINHOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MATOSINHOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MATOSINHOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Educação Pré-Escolar, 1º, 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e Cursos de Educação Formação ANO LETIVO 2011/2012 1 Objetivo O presente documento

Leia mais

Colégio São Francisco Xavier CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 5.º ANO - 2º C.E.B.

Colégio São Francisco Xavier CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 5.º ANO - 2º C.E.B. Colégio São Francisco Xavier CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 5.º ANO - 2º C.E.B. ANO LETIVO 2015/16 Saber Fazer (Domínio Cognitivo) 80% DISCIPLINA: PORTUGUÊS DOMÍNIOS OBJETIVOS INSTRUMENTOS E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600)

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600) Direcção Regional de Educação do Centro AULA ASSISTIDA Nº 16 PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA EM ARTES VISUAIS ANO LECTIVO 2011/2012 PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA IDENTIFICAÇÃO PROFESSOR ESTAGIÁRIO

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 191, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 191, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 191, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Departamento de Expressões Ano letivo ATELIER d ARTES 1. NORMAS E PROCEDIMENTOS

Departamento de Expressões Ano letivo ATELIER d ARTES 1. NORMAS E PROCEDIMENTOS ATELIER d ARTES 1. NORMAS E PROCEDIMENTOS Local: Escola Secundária Poeta Joaquim Serra e Escola Básica Integrada do Esteval Inicio: Logo após o início do ano lectivo. Este espaço, é sobretudo, um local

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Projecto de Design Industrial I Área Científica: Design de Produto (DP) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 2º ECTS:

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011 / Agrupamento de Escolas de Vila Nova de S. Bento

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011 / Agrupamento de Escolas de Vila Nova de S. Bento CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011 / 2012 PRÉ-ESCOLAR Pontualidade / Assiduidade Autonomia / Independência Iniciativa Interacção com os adultos, com os pares e com o grupo Empenhamento em acabar as tarefas /

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DO ESTORIL Departamento 1º Ciclo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DO ESTORIL Departamento 1º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DO ESTORIL Departamento 1º Ciclo ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO Serão tidos em consideração os elementos de avaliação a seguir enumerados, essenciais para o desenvolvimento do

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MÃES D ÁGUA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MÃES D ÁGUA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MÃES D ÁGUA REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Página 1 Direcção Regional de Lisboa e Vale do Tejo MÃES D ÁGUA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

Leia mais

PROJECTO PROMED - 2011/2012. A função formativa da avaliação externa. Guião de apresentação de práticas PROMED

PROJECTO PROMED - 2011/2012. A função formativa da avaliação externa. Guião de apresentação de práticas PROMED 1 Caracterização da escola e suas concepções sobre avaliação O Colégio de Nossa Senhora da Paz é uma escola do EPC (ensino particular e cooperativo), propriedade da Província Portuguesa das Irmãs de Santa

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Conhecimentos Domínios Atitudes Metodologias e Avaliação ANO LETIVO 2018/19

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Conhecimentos Domínios Atitudes Metodologias e Avaliação ANO LETIVO 2018/19 Esta planificação anual é meramente indicativa (30 aulas de 50 min), sendo que o número de aulas previstas não deve ser levado "à risca", uma vez que o objetivo desta planificação não é percorrer os diversos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL PEDREIRO (M/F)

PERFIL PROFISSIONAL PEDREIRO (M/F) PERFIL PROFISSIONAL PEDREIRO (M/F) ÁREA DE ACTIVIDADE - CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS OBJECTIVO GLOBAL - Executar alvenarias e acabamentos, montagem de estruturas e coberturas e proceder a diferentes

Leia mais

Escola Secundária de Camarate. Curso Profissional de Animador Sociocultural Departamento: Expressões Planificação/11ºAno

Escola Secundária de Camarate. Curso Profissional de Animador Sociocultural Departamento: Expressões Planificação/11ºAno 40 Tempos Disciplina: Animação Sociocultural Ano Lectivo: 2014/2015 Módulo 6 Deontologia e Animação Sociocultural 1.1 Deontologia: noção, conceitos, fundamentos; 1.2 Valores: conceito e tipos de valores.

Leia mais