PROJECTO PROMED /2012. A função formativa da avaliação externa. Guião de apresentação de práticas PROMED

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJECTO PROMED - 2011/2012. A função formativa da avaliação externa. Guião de apresentação de práticas PROMED"

Transcrição

1 1 Caracterização da escola e suas concepções sobre avaliação O Colégio de Nossa Senhora da Paz é uma escola do EPC (ensino particular e cooperativo), propriedade da Província Portuguesa das Irmãs de Santa Doroteia, com alvará desde 1932 e paralelismo pedagógico. Possui, actualmente, as valências do Jardim de Infância, 1º, 2º e 3º Ciclos e Secundário com um total de cerca de 400 alunos. A auto-avaliação é o recurso privilegiado pelo Colégio de Nª Sª da Paz para a avaliação da prossecução de todas as suas finalidades e projecto, bem como de todas as suas componentes organizacionais, na medida em que se considera que ela é um dos principais recursos das escolas que procuram saber qual é o seu valor acrescentado, melhorar o seu desempenho ou mudar, conceitos importantes associados à qualidade e eficácia do processo de ensino-aprendizagem. Ela tem também como objectivo permitir o acesso a outros daquilo que na escola correm o risco de ser tarefas solitárias e estritamente individuais (as aulas, as avaliações dos alunos ). 2 Prática de reflexão sobre os resultados obtidos pelos alunos em dispositivos de avaliação externa O Colégio desenvolveu um PERFIL DE AUTO-AVALIAÇÃO DE ESCOLA (PAVE), constituído por Domínios, Factores e Sub-factores que foram concebidos a partir de fontes essenciais da investigação educacional (IGE, Modelo EFQM, Modelo CIPP e o PAVE descrito por MacBeath, 2005). O seu Domínio 9, que se refere aos Resultados dos Alunos, é utilizado para avaliar o Produto. Este domínio considera os seguintes Factores e Sub-Factores: FACTOR Resultados académicos Resultados sociais: Desenvolvimento cívico: envolvimento dos alunos, responsabilização e identificação com a escola Comportamento e disciplina Follow up SUB - FACTOR Médias e progresso por disciplinas, avaliação interna e externa, retenção; (Qualitativo: respeito, solidariedade, responsabilidade; n.º de alunos com prémios mérito na categoria Atitude Cívica Nº de faltas e processos disciplinares Quantitativo e qualitativo O PAVE tem aplicação bienal, tendo-se no entanto considerado crucial uma aplicação de carácter mais simplificado nos anos intermédios; desta faz parte o Domínio 9, no fator dos Resultados Académicos e respectivo sub-factor (Médias e progresso, insucesso, avaliação interna e externa, taxa de retenção). Estes dados anuais (da avaliação externa e interna) são apresentados, globalmente e na sua evolução, em reunião geral de Docentes e Não Docentes. Os dados da avaliação interna são comunicados e analisados trimestralmente por todos os professores, no 1º ciclo (Balanços de Rendimento Académico por turma), 2º e 3º Ciclos e Secundário (Médias por turmas e disciplina, insucesso). Os dados relativos à avaliação externa são comunicados e objeto de reflexão, assim que são disponibilizados pelo GAVE ou ENEB, junto de todos os professores do 1º Ciclo, dos professores de

2 Matemática e Língua Portuguesa (2º e 3º Ciclos) e dos professores das disciplinas objeto de Testes Intermédios no 3º Ciclo ou titulares de turma (no caso dos Testes Intermédios do 1º Ciclo). Nestes dados são habitual e globalmente analisados, por todos os professores: a) O desempenho dos alunos por comparação com padrões de referência tais como: a.1) Médias Nacionais a.2) Resultados internos (avaliações escritas) dos mesmos alunos a.3) Resultados dos anos anteriores (nacionais, regionais e internos, de outros alunos) b) O desempenho dos alunos por competências/áreas temáticas, identificando áreas fortes e aquelas nas quais a generalidade dos alunos não obteve os resultados esperados ou em que revelaram mais dificuldade. Pretende-se, neste último caso: - Verificar se o que esteve em causa foi a tipologia das questões ou o não domínio de competências/conteúdos; - Definir estratégias e procedimentos que melhorem as competências (p.e. a reorganização da gestão do currículo, com diversificação de estratégias e planificações adequadas -por ano e turma). Especificamente, são consideradas, nas Provas de Aferição, as percentagens dos diferentes níveis (A a E) por disciplina, ano e turma; nos Testes Intermédios, a correlação com os resultados dos Exames Nacionais (como forma de prognóstico e deteção preventiva de áreas de melhoria) e a comparação com o histórico dos resultados internos e nacionais; nos exames Nacionais, o benchmarking com escolas de perfil idêntico ao do Colégio de Nossa Senhora da Paz, a comparação com resultados da avaliação interna e com resultados obtidos em anos anteriores, a comparação com os resultados nacionais. Para estes estudos são utilizadas metodologias de análise e reflexão variadas tais como: reuniões de pares pedagógicos, reuniões de grupos disciplinares, reuniões pedagógicas interciclos, grelhas de sistematização de resultados quantitativos, guiões reflexivos sobre práticas pedagógicas e resultados. 3 Práticas resultantes da reflexão sobre os resultados obtidos pelos alunos em dispositivos sobre avaliação externa produzidos pelo Ministério da Educação As principais alterações introduzidas pelos professores na sua prática pedagógica graças à reflexão referida anteriormente foram: a) O envolvimento dos alunos, de uma forma mais ativa, no processo de ensino-aprendizagem (p.e. capacidade de demonstração e da comunicação Matemática) b) A introdução de estratégias de consolidação de conteúdos/competências em falta ou com piores resultados (áreas prioritárias de melhoria) c) A reformulação da abordagem dos diferentes conteúdos das disciplinas d) A alteração de planificações e) A revisão da gestão do programa, com menos incidência em alguns conteúdos (Testes Intermédios) f) A mobilização dos tempos letivos de Estudo Acompanhado para implementação das áreas de melhoria detetadas g) A promoção da articulação entre docentes h) A revisão sistemática (através de resumos, fichas de revisão e materiais diversos) dos conteúdos dos vários anos de escolaridade. i) A realização de trabalho individualizado dirigido a treino de competências específicas. j) O reforço do esclarecimento dos critérios específicos de correção (de Provas de Aferição e Exames Nacionais)

3 k) O reforço da preparação dos alunos para a tipologia de questões das Provas e/ou Exames l) A realização de Provas e/ou Exames de anos anteriores e Provas/Exames modelo m) A realização de exercícios de aplicação com relacionamento de conteúdos de vários anos de escolaridade (p.e. 7º, 8º e 9º Anos) n) A adaptação dos testes internos de avaliação ao modelo das Provas de Aferição, ou Exames Nacionais ou Testes Intermédios, com inclusão de: - questões daqueles (de anos anteriores) - exercícios de tipologia similar - aplicação dos mesmos critérios de correção a partir do 5º Ano. o) A reflexão sobre as questões das Provas de Aferição imediatamente após a realização das mesmas. Para a promoção da melhoria nas práticas pedagógicas são realizadas regularmente acções de formação específicas que resultam do levantamento das necessidades de formação dos docentes dos diferentes ciclos de ensino. A título de exemplo, decorre ao longo deste ano lectivo uma formação sobre o novo programa de matemática (1.º CEB) que visa a promoção de estratégias instrutivas para o trabalho das competências previstas neste programa. 4 Exemplos específicos de Práticas resultantes da reflexão sobre os resultados obtidos pelos alunos em dispositivos sobre avaliação externa produzidos pelo Ministério da Educação 1 TESTE INTERMÉDIO DE CIÊNCIAS NATURAIS 3º CICLO Neste caso, considerou-se que seria uma mais-valia para os alunos a adequação da estrutura e tipologia dos testes da avaliação interna à dos Testes Intermédios desta disciplina (mesmo tendo em conta os muito bons resultados neles obtidos pelos alunos), nomeadamente através de: - Relacionamento de conteúdos do 5º e 6º Anos ou 7º, 8º e 9º Anos no mesmo exercício de aplicação; - Inclusão de mais itens com suporte em documentos, textos, tabelas, gráficos, mapas, fotografias, etc; - Inclusão de itens que recorrem à mobilização de saberes relativos a mais do que um dos temas programáticos; Esta prática foi generalizada aos testes de avaliação interna dos alunos desde o 5º Ano do Ensino Básico (a partir do ano letivo de 2011/2012), pretendendo-se com ela prepará-los e treiná-los para melhores competências de compreensão, interpretação, mobilização de saberes e estabelecimento de relações. 2 PROVAS DE AFERIÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 2º CICLO Os resultados da avaliação externa (Provas de Aferição) apontavam para alguma dificuldade, por parte dos alunos, na deteção de informação dispersa ou implícita num texto, ou para a sua deteção incompleta. Assim, a nova prática visou melhorar a competência de todos os alunos do 2º Ciclo, e logo desde o 5º Ano, de selecionar e assinalar toda a informação requerida numa questão e que se encontra explícita ou implícita num texto, mesmo de forma dispersa.

4 Os alunos passaram obrigatoriamente, antes de procederem às suas respostas, a sublinhar nos textos lidos toda a informação abrangida por cada questão, assinalando na margem do texto o número da questão correspondente. Respostas mais completas e o desenvolvimento de competências de dedução de sentidos implícitos foram os resultados obtidos com a prática acima mencionada. Inicialmente, os alunos ofereceram-lhe resistência, uma vez que esta prática é mais trabalhosa e morosa, mas a sua aplicação continuada e as vantagens reconhecidas nos resultados levou a uma adesão mais generalizada e significativa. A implementação desta estratégia teve como contrapartida, ou resultado não previsto, uma maior lentidão no processo de resposta a um questionário. 3 TESTE INTERMÉDIO DE INGLÊS 3º CICLO Depois de conhecidos a estrutura e resultados deste Teste Intermédio (em que os alunos revelaram melhores resultados na componente de reading and writing ), a nova prática pedagógica consistiu no aumento das actividades de listening (áudio e vídeo) e na implementação de fichas de verificação da compreensão dos enunciados orais, para todos os alunos e logo desde o 5º Ano do Ensino Básico. Pretende-se assim melhorar o desempenho dos alunos, promover a sua autoconfiança neste tipo de atividades e implementar estratégias mais diversificadas de aprendizagem e avaliação. Os alunos têm revelado bons resultados nos testes de listening, prevendo-se que a sua prática continuada e desde muito mais cedo (desde o 5º Ano), produza uma clara mais valia formativa, bem como resultados significativamente melhores no final do ensino básico, comparativamente com os primeiros alunos que realizaram esta tipologia de Teste. 4 PROVAS DE AFERIÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1º CICLO Os resultados das Provas de Aferição de Língua Portuguesa do 1º Ciclo apontaram a área da expressão escrita como uma área de melhoria na aprendizagem dos alunos do 1º Ciclo do Colégio. Por essa razão, quer no Plano de Melhoria Institucional do 1º Ciclo (para 2010/2011), quer nos Planos de Melhoria Individuais dos professores titulares de turma (resultantes da Avaliação de Desempenho Docente Individual, realizada internamente) se considerou a ( ) a Promoção de competências de escrita, nomeadamente, as Estratégias de diversificação de escrita (procura de materiais, formação,, como área prioritária. Assim, a nova prática pedagógica consistiu no treino mais sistemático e diversificado de diferentes tipos de escrita, desde o inicio do ensino básico (todos os alunos do 1º Ciclo). As planificações das diferentes turmas foram revistas, bem como o seu trabalho diário, tendo-se construído um documento interno com as principais estratégias a utilizar/implementar neste domínio, que passou a ser considerado central em termos curriculares. Exercícios de escrita criativa, e de leitura dramatizada; reconto de histórias; escrita de textos de diferentes tipologias; planeamento, execução e avaliação da escrita de textos propostos (a partir de esquemas e chuva de ideias); escrita semanal de histórias a partir de frases, estruturas, imagens dadas ou jogos lúdicos de palavras oficina de escrita Uma história vai nascer ; organização de ficheiros com diferentes propostas de escrita de textos; escrita de histórias colectivas; grelhas de autocorrecção e de

5 planeamento e correção de textos escritos; leitura autónoma na sala de aula; ditados com auto e hétero correcção ortográfica, foram algumas das principais estratégias implementadas. Constata-se que, por exemplo: - os alunos que neste momento frequentam o 2º Ano de escolaridade, embora ainda na fase de iniciação de construção de textos, possuem mais ferramentas básicas para este efeito, obtendo melhores resultados neste área nos seus testes de avaliação interna; - os alunos que frequentam o 3º ano melhoraram a sua estruturação do pensamento, com um encadeamento mais organizado e lógico das suas ideias; - as melhorias ao nível dos alunos do 4º Ano se situam na organização, estruturação e sequencialização das ideias apresentadas nos seus textos, bem como na adequada utilização da pontuação; - os resultados obtidos nesta área, na Prova de Aferição de Língua Portuguesa de 2011, apresentaram melhorias significativas face ao ano anterior (com um aumento de 23%) e face à média dos três anos anteriores (com um aumento de 18%). Os alunos participam ativamente neste processo, auto-corrigindo os seus textos depois de dadas a cada um as pistas de melhoria, desenvolvendo sistematicamente competências críticas relativamente ao seu próprio trabalho e ganhando consciência da importância da escrita organizada como forma de comunicação. 5 TESTES INTERMÉDIOS 1º CICLO O Teste Intermédio de Matemática, realizado pelos alunos do 2º Ano revelou a existência de potenciais áreas de melhoria, face aos objetivos propostos, no campo da resolução de situações problemáticas e da comunicação matemática. As novas práticas implementadas passaram pela criação da Oficina de Matemática para a promoção da utilização de diferentes estratégias de resolução de problemas: semanalmente os alunos distribuem-se em grupos de 3 ou 4 elementos e resolvem 2 ou 3 situações problemáticas/desafios matemáticos, sendo a solução de 1 posteriormente comunicada ao grande grupo; implementação do Problema da Semana, que é colocado no caderno, resolvido em casa (com o envolvimento das famílias, que se disponibilizaram para este efeito) e apresentado ao grande grupo em função das diferentes estratégias de resolução; o Ginásio da Matemática, dedicado à resolução de desafios e problemas, também através da utilização de diferentes estratégias de cálculo. Foi também detetada a necessidade de se treinar competências de análise de questões e revisão de respostas de acordo com os enunciados. Introduziu-se por isso uma prática lectiva que consiste na explicitação de questões de reflexão que os alunos devem utilizar no seu discurso interno durante a realização dos exercícios (ex. O que me está a ser perguntado? Respondi a tudo? Respondi sem erros?, ). Paralelamente, foram definidas algumas estratégias personalizadas para alunos que apresentavam desfasamento em competências específicas de acordo com o relatório dos testes intermédios. Estas estratégias foram partilhadas com os pais, em reuniões individuais, com o objectivo de se promover um trabalho conjunto entre a escola e a família. Todas tiveram como objetivos estimular o gosto pela matemática e pelos seus desafios; promover o interesse pela resolução de problemas; desenvolver hábitos de persistência e resiliência (perante as dificuldades). E tiveram como resultado um maior empenho e entusiasmo por parte dos alunos, a melhoria da comunicação matemática e a melhoria do sentido crítico indispensável na leitura inicial de situações problemáticas.

6

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO APOIO AO ESTUDO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/20164 1º CICLO 1. INTRODUÇÃO O despacho normativo nº7/2013 tem como objetivo conceder maior flexibilidade na constituição das

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 23 /2015, de 27 de fevereiro revogou a Portaria nº 9/2013, de 11 de fevereiro referente à avaliação das aprendizagens e competências

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014 PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR Ano lectivo de 2013 2014 A Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos, de acordo com o que está definido no Projecto educativo, deste agrupamento (...)

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO 2015-2016 Avaliação (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho; Despacho Normativo nº 17-A/2015 de 22 de Setembro e Despacho Normativo nº 13/2014 de 15

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

Atividades de Apoio Educativo

Atividades de Apoio Educativo Plano Curricular 2012 2013 Plano Anual de Atividades Atividades de Apoio Educativo Departamento/Estrutura: Orientações para as Atividades de Apoio Educativo Receção Biblioteca Manuel Monteiro Zonas de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS ANOS LETIVOS: 2014/2015 A 2017-2018 Coordenadora do plano: Maria José

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO Área de intervenção Resultados escolares: promoção do sucesso e da excelência Objetivos Metas Atividades Indicadores Situação inicial Atingir em 95% os Elaboração dos PDI segundo Cumprimento

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Carta de Missão 2013/2017 Maria Guilhermina Cruz de Pina Madeira Barros Ramos Compromissos Objetivos Estratégias Metas/Critérios de sucesso C1 Sucesso escolar

Leia mais

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA Designação: Centro Social de Azurva Endereço: Rua Professor

Leia mais

Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso

Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso ANO LETIVO: 2016/2017 Amadeo de Souza-Cardoso Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento Dando cumprimento ao disposto no Decreto-Lei 139/2012, na sua redação atual, e no Despacho normativo nº 1-F/2016,

Leia mais

Projecto Educativo. de Escola

Projecto Educativo. de Escola Projecto Educativo de Escola 2006/2010 Nota Introdutória P.E.E. No seu primeiro ano de implementação 2006/07, com o objectivo de trabalhar os problemas seleccionados: dificuldades sentidas nas relações

Leia mais

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011 Relatório Final de Actividade Ano Lectivo 2010/2011 A) DESENVOLVIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNAÇÃO: (+)APOIAR_PAT RESPONSÁVEIS: MARTHA FERNANDES E LICÍNIO PEREIRA LOCAL: ESCOLA EB 2,3 DIOGO CÃO DINAMIZADORES:

Leia mais

Plano de Articulação Curricular

Plano de Articulação Curricular Plano de Articulação Curricular 2014-2015 Agrupamento de Escolas Fernando Pessoa Índice 1.Introdução... 3 2 2.Prioridades... 4 3.Operacionalização do Plano de Articulação Curricular... 5 4.Monitorização

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré Atividade de Enriquecimento Curricular TIC Pré-Escolar Nenúfares Docente: Telma Sá Ano Letivo: 2015/2016 1 O saber é um processo, não é um produto. Jerome

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo Taxa média de retenção no 2.º ano de escolaridade de 12% no ano letivo 2014/2015 e de 11,6% no ano letivo 2015/2016. 1.º e 2.º anos. 3. Designação da Apoio educativo coadjuvante nas turmas de 1.º e 2.º

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DE UM PORTEFÓLIO

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DE UM PORTEFÓLIO GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DE UM PORTEFÓLIO 1. O que é um portefólio? Segundo Tierney, citado por Bernardes e Bizarro (2004): Uma colecção sistemática, organizada e devidamente planeada de trabalhos produzidos

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 Universidade de Aveiro e Universidade do Porto Fernando Almeida (UA) Helena Sant Ovaia (UP) Geomateriais e Recursos Geológicos 1.

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO CURRICULAR: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR ALJEZUR, 4 DE DEZEMBRO DE 7 INTRODUÇÃO Desde a sua criação até aos dias de hoje, a formação interna dos elementos que constituem o Corpo de Bombeiros Voluntários de Aljezur, tem sido uma constante, na

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo

Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera. Plano. Estudos. Desenvolvimento. Currículo Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto Castanheira de Pera Plano de Estudos e Desenvolvimento do Currículo Educação Pré Escolar A Educação Pré-Escolar afigura-se como a primeira etapa da educação básica

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa Critérios de Avaliação do Ensino Básico - º Ciclo Língua Portuguesa DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONDERAÇÃO NA CLASSIFICAÇÃO TIPOLOGIA DOS INSTRUMENTOS DE FINAL AVALIAÇÃO POR PERÍODO Teste(s) de compreensão oral

Leia mais

Serviço de Psicologia Externato da Luz

Serviço de Psicologia Externato da Luz Serviço de Psicologia Externato da Luz Índice Apresentação do Programa 3 Estrutura do Programa 4 Portefólio e Blogue Interactivo 5 Implementação do Programa 7 Grupos, horários e respectivos orientadores

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos

Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos Ano letivo 2013-2014 INTRODUÇÃO - Avaliação (Decreto-Lei nº139/2012, de 5 de julho) - A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador

Leia mais

1ª Medida- Crescer a Comunicar

1ª Medida- Crescer a Comunicar 1ª Medida- Crescer a Comunicar 2- Anos de Escolaridade a 3- Designação da Crescer a Comunicar a da execução da ) Atendendo às orientações curriculares/ metas da educação pré -escolar verifica-se que um

Leia mais

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 (Decreto-regulamentar n.º 26/2012, de 21 de Fevereiro) A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e das

Leia mais

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ANO LECTIVO 2010/2011 Introdução O Plano do Departamento de Línguas tem como pressupostos o Projecto Educativo em vigor da Escola Secundária da Baixa da Banheira cujos

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO DE 2017/2018 PORTUGUÊS

Leia mais

Plano de Melhoria 2016/2019

Plano de Melhoria 2016/2019 Plano de Melhoria 20162019 Outubro 2016 20162017 Índice INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVO... 4 ÁREAS DE MELHORIA... 4 IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO... 5 PLANO DE MELHORIA... 6 CONCLUSÃO... 18 ANEXOS... 19 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Relatório de análise dos resultados da Avaliação 3.º Período - História

Relatório de análise dos resultados da Avaliação 3.º Período - História Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra - Montijo Relatório de análise dos resultados da Avaliação 3.º Período - História O presente relatório tem por base as reflexões individuais registadas em documento

Leia mais

I Alunos com NEE que cumprem o currículo comum:

I Alunos com NEE que cumprem o currículo comum: Agrupamento de Escolas de Freamunde (Código 150769) Praceta da Escola Secundária, 21 4590-314 FREAMUNDE Avaliação dos alunos com NEE de carácter permanente, abrangidos pelas medidas educativas especiais

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular.

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. O MODELO DE AUTO-AVALIA AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. ESRDL/CREM CREM/Carlos Carlos Carvalho 1 Interacção Sociedade-Escola Escola-NTI Vivemos

Leia mais

I Competências / Domínios a avaliar

I Competências / Domínios a avaliar O trabalho desenvolvido na disciplina de Português 2º ciclo visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos dois as do ciclo, metas linguísticas s domínios do oral e do escrito, competências de leitura

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I. Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I. Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito ARTIGO 1º ÂMBITO E NATUREZA Os Quadros de Excelência, Honra e Mérito destinam-se a reconhecer as competências/ capacidades

Leia mais

Escola Secundária de Cacilhas Tejo

Escola Secundária de Cacilhas Tejo Escola Secundária de Cacilhas Tejo Plano de Melhoria 2013-2014 1. Introdução PLANO DE MELHORIA O presente Plano de Melhoria resulta da articulação entre o relatório da Avaliação Externa da Inspeção-Geral

Leia mais

EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017

EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017 EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017 Aprovado em Conselho de Docentes em julho de 2016 Diretora Pedagógica Rosa Cândida Gomes Princípios Orientadores

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA Considerando - Que a Educação é um direito de todos, cabendo ao Estado promover a sua democratização, bem como as condições

Leia mais

PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA ABRIL DE 2016 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 4 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº1... 6 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº2... 8 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº3... 9 FICHA

Leia mais

RELATÓRIO TEIP. Acções de Apoio à Melhoria das aprendizagens +Turma

RELATÓRIO TEIP. Acções de Apoio à Melhoria das aprendizagens +Turma RELATÓRIO TEIP Acções de Apoio à Melhoria das aprendizagens +Turma 1 Identificação da Actividade A actividade é designada por (+) Turma, cujo objectivo é promover a qualidade das aprendizagens. Esta actividade

Leia mais

PLANO DE MELHORIA

PLANO DE MELHORIA PLANO DE MELHORIA 2013 2015 1 - Introdução Entende-se por Plano de Melhoria da Escola um conjunto de procedimentos e estratégias organizadas e implementadas com o objetivo de promover a melhoria dos processos

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

Desencadeia motivações profundas, onde os comportamentos são mais importantes que o produto final;

Desencadeia motivações profundas, onde os comportamentos são mais importantes que o produto final; ÁREA DE PROJECTO 12º ANO Ano Lectivo 2008/2009 1. O QUÊ, PARA QUÊ? A Área de Projecto é uma área curricular não disciplinar que faz parte do currículo do 12º ano. Tem uma natureza interdisciplinar e transdisciplinar

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Princípios Orientadores - Processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Avaliação Interna. Agrupamento de Escolas de Briteiros 2013/ 2017

Avaliação Interna. Agrupamento de Escolas de Briteiros 2013/ 2017 Avaliação Interna Agrupamento de Escolas de Briteiros 2013/ 2017 Apresentação da Equipa Agradecemos a todos os Alunos, Assistentes Operacionais Administrativos, Docentes, Pais e Encarregados de Educação,

Leia mais

Plano Anual de 2015-2016. Atividades. Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Fernanda Moedas (Psicóloga SPO)

Plano Anual de 2015-2016. Atividades. Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Fernanda Moedas (Psicóloga SPO) Pl Anual de 2015-2016 Atividades Fernanda Moedas (Psicóloga SPO) Serviço de Psicologia e Orientação de Matosinhos HORÁRIO: Horário extra curricular - (preferencialmente são marcadas sessões com a colaboração

Leia mais

Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo. 1º Ciclo do Ensino Básico

Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo. 1º Ciclo do Ensino Básico Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo 1º Ciclo do Ensino Básico Ano lectivo 2009/2010 1 I. Introdução De acordo com a legislação em vigor (Portaria 72/2006 de 24 de Agosto), a avaliação deverá incidir

Leia mais

Objetivos e Metas 2014/2015

Objetivos e Metas 2014/2015 Projeto Educativo / Plano Anual de Atividades Objetivos e Metas 2014/2015 1 Indicadores de desempenho (2013-2014) Quadro 1 Resultados da Avaliação Interna Indicadores 2013/2014 Taxa de abandono Ensino

Leia mais

PERA Programa Escolar de Reforço Alimentar

PERA Programa Escolar de Reforço Alimentar PERA Programa Escolar de Reforço Alimentar 2012/2013 e 2013/2014 COORDENAÇÃO NACIONAL Setembro de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. APRESENTAÇÃO DO PERA 2. ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA. 3. QUESTÕES ORGANIZACIONAIS

Leia mais

Índice. Plano de Acção para a Matemática

Índice. Plano de Acção para a Matemática Índice 1 Introdução... 2 2 Identificação do Agrupamento / Escola... 2 3 Coordenador do projecto e professores que integram a equipa responsável pela sua execução:... 2 4 Diagnóstico dos resultados dos

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

Plano de Melhoria para 2015/2016

Plano de Melhoria para 2015/2016 Plano de Melhoria para 2015/2016 Ano letivo de 2015/2016 Preâmbulo justificativo O recebeu, de 17 a 20 de novembro de 2014, a visita da equipa de avaliação externa (constituída no âmbito da Área Territorial

Leia mais

NCE/10/00551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00551 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: IPUMI - Instituto para a Promoção

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Ano Letivo 2014/2015-1.º Período

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Ano Letivo 2014/2015-1.º Período Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Ano Letivo 04/05 -.º Período A Coordenadora Francisca Oliveira

Leia mais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Competências gerais Princípios e valores orientadores do currículo A clarificação das competências a alcançar no final da educação básica toma

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 4/2010. Gestão Integrada da Biblioteca Escolar do Agrupamento. Modalidade: Curso de Formação

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 4/2010. Gestão Integrada da Biblioteca Escolar do Agrupamento. Modalidade: Curso de Formação Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 4/2010 Gestão Integrada da Biblioteca Escolar do Agrupamento Modalidade: Curso

Leia mais

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Projeto Educativo (Anexo3)

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Projeto Educativo (Anexo3) Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Projeto Educativo (Anexo3) 2016-2019 Anexo 3 (Plano de Ação Estratégica) (PNPSE) 1 Introdução O Projeto Educativo do AEVH define como uma das principais áreas de

Leia mais

2008 Concelho de Ourique

2008 Concelho de Ourique Plano de Acção 2008 Concelho de Rede Social Programa Rede Social Conselho Local de Acção Social de Janeiro 2008 Ficha Técnica Título: Plano de Acção 2008 do Concelho de Autoria: Núcleo Executivo da Rede

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO /2016

PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO /2016 PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO - 2015/2016 Ações a realizar: Aplicação do Modelo CAF Educação (ciclo diagnóstico organizacional) a partir de janeiro; Aplicação do Modelo Framework de Desenvolvimento Pedagógico

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS

TECNOLOGIAS APLICADAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0 Tecnologias

Leia mais

2015/16. Critérios Gerais de Avaliação

2015/16. Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Portela e Moscavide Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela 2015/16 Critérios Gerais

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017 Agrupamento de Escolas Vasco Santana Código 171840 PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017 Aprovado em conselho pedagógico de 22 de janeiro 2015. Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 3 PÚBLICO-ALVO... 3 OBJETIVOS GERAIS...

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO 1 Introdução Um Plano de Melhoria é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho académico dos alunos e a qualidade

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias.

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias. Plano de Melhoria 1. Introdução Em Julho de 2012, o Agrupamento de Escolas de Carnaxide-Valejas juntou-se à Escola Secundária Camilo Castelo Branco dando origem ao atual Agrupamento de Escolas de Carnaxide.

Leia mais

Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino

Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino Resolução SME nº 13/2012 de 26 de novembro de 2012 Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino ARACIANA ROVAI CARDOSO DALFRÉ, Secretária Municipal da Educação, NO EXERCÍCIO

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

O.L.E. - Oficina de Leitura e Escrita

O.L.E. - Oficina de Leitura e Escrita O.L.E. - Oficina de Leitura e Escrita 1. Enquadramento: Este projeto assenta na necessidade de obviar a problemas que parecem vir assumindo alguma premência no Agrupamento de Escolas de Portel, quer pelo

Leia mais

Escola B 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (3º ciclo)

Escola B 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (3º ciclo) Escola B 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira (3º ciclo) Departamento de Língua Estrangeira Ano Lectivo 2009/2010 1. Considerações Gerais 1. Pretende-se que a avaliação

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES POR ANO DE ESCOLARIDADE E POR DISICPLINA 1º PERÍODO 2012/2013

ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES POR ANO DE ESCOLARIDADE E POR DISICPLINA 1º PERÍODO 2012/2013 ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES POR ANO DE ESCOLARIDADE E POR DISICPLINA 1º PERÍODO 2012/2013 Pretende-se com este relatório fazer uma análise global da forma como decorreu a avaliação dos alunos do 1.º

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A letivo: 2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Francês, 3º Ciclo, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia e Orientação Ano Lectivo 2011/2012 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos

Leia mais

Dispositivo de Avaliação - Oficina Gráfica e Design Gráfico Ano letivo 2015/16 Ensino Secundário Curso Profissional de Técnico de Design Gráfico

Dispositivo de Avaliação - Oficina Gráfica e Design Gráfico Ano letivo 2015/16 Ensino Secundário Curso Profissional de Técnico de Design Gráfico Dispositivo de Avaliação - Oficina Gráfica e Design Gráfico Ano letivo 2015/16 Ensino Secundário Curso Profissional de Técnico de Design Gráfico 1. Critérios de avaliação AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS 1.

Leia mais

Quadros de Valor, Mérito e Excelência. Regulamento

Quadros de Valor, Mérito e Excelência. Regulamento Quadros de Valor, Mérito e Excelência Regulamento Os quadros de valor e de Excelência são criados no âmbito do Agrupamento de Escolas de Campo Maior, como incentivo ao sucesso escolar e educativo, visando

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral julho 2015 Introdução O presente Plano de Melhoria insere-se no âmbito do Relatório elaborado pela Equipa de Avaliação Externa da IGEC, em resultado

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA 2º ANO DE ESCOLARIDADE / FORMAÇÃO CÍVICA Educação para a Solidariedade e para os Direitos Humanos

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA 2º ANO DE ESCOLARIDADE / FORMAÇÃO CÍVICA Educação para a Solidariedade e para os Direitos Humanos EDUCAÇÃO PARA A SOLIDARIEDADE E PARA OS DIREITOS HUMANOS 1. CONTEXTUALIZAÇAO DO PROJECTO Ao abrigo do Despacho nº 19308/2008 1, no âmbito das ANC e no que diz respeito à Formação Cívica, a Coordenação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURÇA (152778) Escola Básica e Secundária de Murça (346305) RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INTERNA 2011/2012 1º PERÍODO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURÇA (152778) Escola Básica e Secundária de Murça (346305) RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INTERNA 2011/2012 1º PERÍODO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURÇA (152778) Escola Básica e Secundária de Murça (346305) RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INTERNA 2011/2012 1º PERÍODO SUMÁRIO 1. Alunos avaliados 2. Aulas dadas 3. Assiduidade 4. Resultados

Leia mais

TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO

TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO 3011 Ano Letivo 20-2016 TRABALHO DE PESQUISA PASSO A PASSO Uma ajuda a alunos e professores para o tratamento da informação 5º, 6º, 7º e 8º e 9º Anos de escolaridade Amélia Macedo & Bernardete Esteves

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH)

Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH) Maputo, Julho de 2015

Leia mais

Melhoria de Resultados Escolares no 1º CEB

Melhoria de Resultados Escolares no 1º CEB AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS RELATÓRIO FINAL DO PLANO DE MELHORIA IMPLEMENTADO Melhoria de Resultados Escolares no 1º CEB Novembro de 2013 1 1. Introdução O desenvolvimento do trabalho enquadrou-se na

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação

Critérios Específicos de Avaliação Critérios Específicos de Avaliação A avaliação escolar como processo de construção de conhecimento DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CARREGAL

Leia mais

PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO

PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Alcácer do Sal PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A lectivo:2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Inglês, 2ºciclo, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos cinco as dos dois Ciclos, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

anexo 1 Diagnóstico AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA

anexo 1 Diagnóstico AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA anexo 1 Diagnóstico AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA Deficiente preparação de base nas disciplinas nucleares Manifestação de algum desinteresse e desmotivação Baixos níveis de raciocínio crítico/analítico Comportamento/Postura/atitude

Leia mais

Relatório de Avaliação Externa junho 2014

Relatório de Avaliação Externa junho 2014 Relatório de Avaliação Externa junho 2014 Avaliação Externa Visita efetuada entre 25 e 27 de novembro de 2013 Avaliação Externa Metodologia IGEC Análise documental Documento de apresentação da escola e

Leia mais