Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/2013"

Transcrição

1 Departamento de Expressões e Representação Ano Letivo 2012/2013 Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12º ano Critérios Específicos de Avaliação Ano letivo de 2012/ Introdução à disciplina A principal finalidade da disciplina de Modelação e Animação 3D é dotar os alunos de um conjunto de competências técnico-artísticas nos domínios da modelação e animação virtual em ambiente tridimensional. A disciplina de Modelação e Animação 3 D desenvolve-se ao longo do ano letivo com uma carga horária semanal de 2 unidades letivas de 90 minutos. De acordo com o estabelecido para o programa, foram consideradas 33 semanas de atividades letivas, o que corresponde a 66 unidades letivas anuais. No 11º ano, que representa o início do percurso formativo, a ênfase é posta na aquisição de conhecimentos que permitam ao aluno desenvolver as competências básicas. A planificação incidirá sobretudo nos conteúdos relacionados com a modelação e animação 3D de objetos e ambientes, assim como numa abordagem geral à utilização de elementos cénicos, tais como a iluminação, edição e aplicação de materiais e texturas e por fim no processo de render e finalização. No início do ano letivo serão ainda abordados diferentes conceitos introdutórios relacionados com a tecnologia de Modelação Digital 3D tais como as diferentes aplicações da tecnologia 3D, o processo de produção, a representação do espaço tridimensional, entre outros. Para o 12º ano, o programa da disciplina foi delineado de forma a aprofundar os conhecimentos adquiridos e propõe a abordagem de conceitos mais avançados nas áreas acima referidas. As aprendizagens a adquirir têm como objetivo a criação e animação de personagens virtuais, um dos aspetos mais complexos, mas também mais cativantes do trabalho em 3 D, assim como a aprendizagem e aplicação de efeitos especiais em projetos a desenvolver no âmbito da própria disciplina ou em projetos a realizar nas diferentes tecnologias de PT do curso de Comunicação Audiovisual. 2. Objetivos gerais da disciplina De seguida, são enumerados os objetivos essenciais do desenvolvimento dos conteúdos pedagógicos da disciplina de Modelação e Animação 3D: Critérios Específicos de Avaliação da Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12ºAno 1

2 1. Compreender o potencial expressivo e comunicativo da tecnologia de modelação digital 3D no campo artístico 2. Reconhecer a área de intervenção conceptual e tecnológica da modelação digital tridimensional. 3. Conhecer e saber aplicar, sequencialmente, os principais métodos e ferramentas tecnológicas da modelação e animação digitais 3D. 4. Conhecer as diferentes áreas de aplicação da tecnologia de modelação e animação digitais e saber utilizar os procedimentos adequados ao output final. 5. Aplicar as competências adquiridas no desenvolvimento de projectos digitais 3D. 6. Desenvolver a criatividade no contexto dos trabalhos propostos. 7. Desenvolver capacidades de avaliação e aplicação do processo de produção de conteúdos digitais 3D. 8. Desenvolver capacidades de adaptação a novas situações e contextos. 3. Metodologia de Avaliação A metodologia utilizada no desenvolvimento do programa varia consoante a natureza teórico-prática dos conteúdos propostos, mas tendo sempre em especial atenção a motivação dos alunos e o carácter inovador e experimental dos conteúdos, factores importantes para a aprendizagem. A natureza desta disciplina orienta-nos sobretudo para uma formação experimental com aprendizagens de incidência prática, fundamental na reflexão teórica e no conhecimento científico. Como consequência dessa preocupação, a avaliação da disciplina de Modelação e Animação 3 D pretende-se contínua e sistematizada, devendo assumir uma função de regulação e otimização do processo de ensino e aprendizagem. Visa contemplar a evolução e integração do aluno no processo de aprendizagem e no contexto da produção global da turma. A avaliação nesta disciplina contempla, de forma articulada e complementar, modalidades de avaliação que se traduzirão, para cada ano lectivo, na realização das seguintes provas e momentos de avaliação:» Realização de testes diagnósticos no início de cada ano letivo. No 11º ano, o objetivo será o de destetar o nível de competências dos alunos em termos de: manuseamento do computador, domínio de língua estrangeira, capacidade de expressão e representação, motivações perante a disciplina e as perspetivas futuras que dela possam advir. Esta forma de avaliação representa uma ferramenta de enorme utilidade para o professor da disciplina de Modelação e Animação 3D, pois permite Critérios Específicos de Avaliação da Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12ºAno 2

3 traçar um diagnóstico preciso da situação do aluno relativamente a um conjunto de competências e conceitos considerados fundamentais para o desenvolvimento do programa, permitindo a adoção de estratégias de diferenciação pedagógica.» Realização de testes diagnósticos no início de cada ano letivo. No 11º ano, o objetivo será o de detetar o nível de competências dos alunos em termos de: manuseamento do computador, domínio de língua estrangeira, capacidade de expressão e representação, motivações perante a disciplina e as perspetivas futuras que dela possam advir. Esta forma de avaliação representa uma ferramenta de enorme utilidade para o professor da disciplina de Modelação e Animação 3D, pois permite traçar um diagnóstico preciso da situação do aluno relativamente a um conjunto de competências e conceitos considerados fundamentais para o desenvolvimento do programa, permitindo a adoção de estratégias de diferenciação pedagógica. Critérios Específicos de Avaliação da Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12ºAno 3

4 » Realização de testes sumativos no final do módulo ou do período, para avaliação das aprendizagens de facto adquiridas, podendo assumir as vertentes teóricas e/ou práticas consoante a natureza do módulo. Para o professor, será o momento de avaliar a consolidação dos conhecimentos e competências ao longo do processo ensino-aprendizagem e para o aluno servirá de reflexão sobre as aprendizagens adquiridas.» Avaliação do trabalho prático e respetiva memória descritiva. O peso da avaliação do trabalho prático variará consoante a complexidade do mesmo. O trabalho final, no término de cada período, e que representa o culminar de um ciclo, terá um peso superior ao das restantes provas. Estas propostas visam a validação dos saberes e competências adquiridos ao longo do módulo e concretizam-se em projetos práticos que desenvolvam o saber-fazer e consequentemente estimulem e motivem o aluno para a aprendizagem. No final do 3º período o aluno irá desenvolver um Projeto de Final de Ano com o objetivo de integrar os conhecimentos adquiridos, demonstrando a capacidade do aluno.» Avaliação contínua do trabalho desenvolvido pelo aluno ao longo dos diferentes módulos do programa através de instrumentos de avaliação precisos. Esta avaliação deverá ser realizada de forma contínua e sistematizada, para que os alunos testem frequentemente as aprendizagens realizadas, permitindo a todos, alunos e professores, obter informação sobre o desenvolvimento dessas aprendizagens.» Avaliação a realizar no final de cada proposta de trabalho de avaliação e em que, face aos resultados obtidos, o aluno será convocado a fazer a sua autoavaliação.» Avaliação a realizar no fim de cada período e em que, face aos resultados obtidos, o aluno será convocado a fazer a sua autoavaliação, sendo ainda o momento do balanço global do processo de ensino e aprendizagem. A classificação a atribuir ao aluno no final de cada período letivo deve resultar da avaliação integrada dos vários saberes das diferentes componentes da disciplina e traduzir um balanço das aprendizagens e desempenho global até então efetuado pelo aluno. Assim esta classificação e avaliação não deverá ser um somatório de avaliações parciais, mas sim basearse na análise global do percurso de formação do aluno. Nos três momentos de avaliação, a classificação obtida em cada período deve ser calculada mediante o processo que a seguir se apresenta: a) A classificação obtida no final do 1º Período corresponde ao trabalho desenvolvido pelo aluno durante o período. b) A classificação obtida no final do 2º Período corresponde à média das classificações Critérios Específicos de Avaliação da Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12ºAno 4

5 obtidas no primeiro e segundo períodos. c) A classificação final do ano lectivo resulta da média das classificações dos três períodos A classificação é ponderada atendendo ao percurso/ progressão do aluno nos domínios das aprendizagem e atitudes. Esse factor de ponderação traduz-se num valor que será somado ou subtraído à média das classificações obtidas. 1. Ao nível dos valores e das atitudes Saber analisar criticamente e compreender o uso da linguagem tridimensional digital para a representação e comunicação. Critérios Específicos de Avaliação da Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12ºAno 5

6 Curiosidade pelos fenómenos artísticos nomeadamente os que envolvem a utilização da linguagem tridimensional digital. Desenvolvimento dos valores estéticos. Valorizar as expressões artísticas independentemente de adesões ou gostos pessoais. Integrar nos projetos realizados conhecimentos adquiridos noutras disciplinas e de outras áreas do saber. Integrar as competências adquiridas em projetos interdisciplinares (nomeadamente nas disciplinas nucleares) e transversais à comunidade escolar. Estabelecer e organizar projetos individuais ou de grupo. Desenvolver atitudes críticas perante os fenómenos artísticos. 2. Ao nível do desenvolvimento cognitivo Apropriação dos meios de comunicação e expressão na área do audiovisual Investigação de fontes, pesquisa e recolha de meios no exterior Utilização de diferentes metodologias de trabalho adaptadas a cada situação concreta Utilização e domínio de vocabulário específico Domínio das diferentes possibilidades tecnológicas 3. Ao nível das capacidades e competências Poder de observação e capacidade de análise Realizar projetos que evidenciem criatividade, cultura visual e sensibilidade estética. Desenvolvimento da criatividade da imaginação e da experimentação Aplicação da metodologia projetual aos diferentes projetos Desenvolvimento do adestramento e da coerência na representação Melhorar a capacidade crítica a par do domínio inventivo e de intervenção Exploração das possibilidades expressivas dos materiais, instrumentos, técnicas e suportes Apropriação e domínio dos meios, dos instrumentos e das máquinas 4. Avaliação: Atendendo aos Objetivos Gerais para o ano letivo de 2012/2013, já enunciados anteriormente na disciplina de Modelação e Animação 3D, a avaliação das aprendizagens no 11º ano e 12ºano, tem em conta as finalidades, objetivos e competências a desenvolver expressas no programa desta disciplina. Critérios Específicos de Avaliação da Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12ºAno 6

7 A avaliação incide sobre o domínio da aprendizagem dos conhecimentos e competências técnico-artísticas e sobre o domínio das atitudes e comportamentos. A avaliação integra ainda, a expressão da língua Portuguesa, nomeadamente na execução de planificações, apresentação e defesa dos trabalhos realizados. A avaliação do aluno na disciplina, está assente nos dois principais modelos de avaliação, a Formativa e a Sumativa. A organização da disciplina prevê testes de avaliação ou proposta de trabalho, a realizar no final de cada período. a) No que se refere ao domínio da aprendizagem, com um peso relativo de 90%, constituem objeto de avaliação:» Aquisição de conhecimentos sobre as tecnologias, as linguagens, os suportes e diferentes modos de expressão e representação no campo da Modelação e Animação 3D.» Aprendizagens essenciais no âmbito da gestão dos recursos humanos, materiais e temporais necessários à produção de um produto tridimensional.» Conhecimentos nas áreas da planificação de um projeto 3D (sinopse, storyboard, argumento e planificação técnica).» Desenvolvimento das competências técnicas, críticas e criativas nos domínios da modelação, animação, iluminação, aplicação e mapeamento de texturas e renderização de objetos, cenários e personagens.» Desenvolvimento das competências técnicas necessárias ao desenvolvimento e pósprodução (renderização, tratamento de imagem, edição não linear e correcta adaptação ao output final).» Comportamento metodológico, capacidade de organização e sistematização de trabalho.» Adequação dos temas a desenvolver nas diferentes propostas de trabalho, com o resultado final dos projetos. b) No domínio das atitudes e comportamentos, com um peso relativo de 10% avaliam-se:» A motivação e participação.» A capacidade de iniciativa e autonomia.» Índices de cooperação e responsabilidade no âmbito do trabalho em equipa.» A capacidade de organização e cumprimento de prazos. Critérios Específicos de Avaliação da Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12ºAno 7

8 4.1 Instrumentos de avaliação A avaliação deverá apoiar-se em instrumentos que permitam a recolha de informação acerca da progressão de cada aluno, com a seguinte ponderação: Domínio das aprendizagens 90% a) Aquisição de conhecimentos 30% Instrumentos de avaliação: Dossiers de planificação (sinopses, storyboards, argumentos, planificações, relatórios, exposições orais e testes de avaliação). b) Mobilização de conhecimentos 60% Instrumentos de avaliação: Exercícios de experimentação. Desenvolvimento e concretização dos trabalhos (projetos). Domínio das atitudes e comportamentos 10% a) A motivação e participação. c) A capacidade de iniciativa e autonomia. d) Índices de cooperação e responsabilidade no âmbito do trabalho em equipa. e) A capacidade de organização e cumprimento de prazos. A classificação sumativa no final de cada período será expressa numa escala de 0 a 20. Porto, Setembro de 2012 O Representante da Disciplina Prof. Pedro Coelho do Amaral Critérios Específicos de Avaliação da Disciplina de Modelação e Animação 3D - 11º e 12ºAno 8

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A letivo: 2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Francês, 3º Ciclo, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 203/204 Planificação a Longo Prazo Matemática 9º ano Finalidades, avaliação e organização temporal Grupo Disciplinar 500 Departamento de Matemática e

Leia mais

Planificação anual de Português 12º ano

Planificação anual de Português 12º ano Planificação anual de Português 12º ano 1 OBJETIVOS Desenvolver os processos linguísticos, cognitivos e metacognitivos necessários à operacionalização de cada uma das competências de compreensão e produção

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados segundo o programa em vigor e as Metas Curriculares definidas pelo ministério da Educação e Ciência.* 9.ºANO 1º Período 39/42 aulas previstas

Leia mais

3º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 7º Ano

3º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 7º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I ANO LECTIVO DE 2015-2016 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Disciplina de Matemática Critérios de Avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA

Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA Governo dos Açores NÚCLEO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Programa Despiste e orientação Vocacional UNECA - TVA I Caracterização da UNECA-TVA II Identificação e caracterização dos Alunos III Matriz Curricular para

Leia mais

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º PARÂMETROS GERAIS DE AVALIAÇÃO Integração escolar e profissionalizante Intervenções e Atividades na sala de aula: PESOS PARÂMETROS ESPECÍFICOS INSTRUMENTOS Peso 2 Peso 5 Comportamento-assiduidade-pontualidadecumprimento

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões

Critérios de Avaliação. Departamento de Expressões Critérios de Avaliação Departamento de Expressões 2015/2016 5.º ano Disciplina Educação Visual instrumental 60% Trabalhos realizados de acordo com a planificação da disciplina Interesse e empenho 10% Comportamento/adequação

Leia mais

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros:

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros: 3º ciclo Oferta Complementar: Apoio ao estudo da disciplina de Português Domínios Ponderação Componente cognitiva (capacidades e conhecimentos) Oralidade Leitura Escrita Gramática 80% Componente socioafetiva

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

PROJETO E TECNOLOGIAS 10º ANO

PROJETO E TECNOLOGIAS 10º ANO Escola Artística de Soares dos Reis Rua Major David Magno, 4000-191 Porto Tlf.: 225 371 010. Fax: 225 102 187 www.essr.net CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014 2015 PROJETO E TECNOLOGIAS 10º ANO I - CRITÉRIOS GERAIS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3

1. Princípios orientadores e funções da avaliação Objetivos da avaliação Processos de avaliação Avaliação Diagnóstica 3 Índice 1. Princípios orientadores e funções da avaliação 2 2. Objetivos da avaliação 2 3. Processos de avaliação 3 3.1. Diagnóstica 3 3.2. Formativa 3 3.3. Instrumentos de avaliação 4 3.3. Períodos de

Leia mais

Planificação Desenho A 10º Ano

Planificação Desenho A 10º Ano Planificação Desenho A 10º Ano Ano lectivo 2013/2014 O programa é elaborado dentro dos princípios de flexibilidade, continuidade e adequação à realidade. Também de acordo com as indicações referente aos

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Conforme o ponto 1 do artigo 128º do Regulamento Interno

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Psicologia B 12º ano Ano lectivo 2011/2012 Critérios de avaliação Competências: Equacionar a Psicologia no panorama geral das ciências; Capacidades de

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR DE BIOLOGIA E GEOLOGIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo de ensino-aprendizagem e deve ser sistemática e cuidadosa para ser objetiva e rigorosa.

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo A função de avaliação corresponde à análise cuidada das aprendizagens conseguidas relativamente às planeadas, devendo traduzir-se numa descrição

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600)

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600) Direcção Regional de Educação do Centro AULA ASSISTIDA Nº 16 PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA EM ARTES VISUAIS ANO LECTIVO 2011/2012 PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA IDENTIFICAÇÃO PROFESSOR ESTAGIÁRIO

Leia mais

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Nº de aulas (45 minutos) 1º Período 2º Período 3º Período Total Previstas 41 31 27 99 /Correção 6 6 6 18 Tema 4: As atividades económicas*

Leia mais

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO ATITUDES E VALORES (5%) CONHECIMENTOS E CAPACIDADES (95%) Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN 2016/2017 Português Leitura/ Educação Literária Componente escrita: Compreensão de textos escritos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 Competências Transversais Promoção da educação para a cidadania A língua

Leia mais

Critérios de Avaliação de Francês 2016 / ºano

Critérios de Avaliação de Francês 2016 / ºano Critérios de Avaliação de Francês 2016 / 2017 7ºano A avaliação certifica as aprendizagens e tem como objetivo a melhoria dessas aprendizagens. Os conteúdos programáticos serão trabalhados, desenvolvendo

Leia mais

Competências a Desenvolver

Competências a Desenvolver ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE GONDOMAR Curso Profissional Técnico de Construção Civil Turma: 12º12 Disciplina de OFICINA TECNOLÓGICA PLANIFICAÇÃO ANUAL DAS ATIVIDADES LETIVAS 2013/2014

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular PROTOTIPAGEM (L5020) 5.

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

Ponderação dos domínios por disciplina

Ponderação dos domínios por disciplina Critérios de Avaliação - 1º ciclo Domínio Instrumentos de avaliação Peso % Cognitivo Trabalhos individuais e de grupo 15% Participação e intervenção 15% Fichas de avaliação 50 % Socioafetivo Registos 20%

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%) PORTUGUÊS DOMÍNIOS DE Leitura / Educação literária (25) Escrita (25) Gramática (15) Oralidade (15) 80 Assiduidade/Pontualidade (2) Comportamento / Relação com os outros (6) Organização do material (2)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÂO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS 2º CICLO ANO LETIVO 2015 / 2016 DOMÍNIOS DE APRENDIZAGEM DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA PONDERAÇÃO INSTRUMENTOS DE

Leia mais

Critérios de avaliação

Critérios de avaliação II Critérios de avaliação Cursos profissionais 2014/15 Na avaliação dos alunos que frequentam os cursos profissionais deste estabelecimento de ensino aplicamse os diplomas legais em vigor. A avaliação

Leia mais

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo Objeto de avaliação Conhecimentos e Capacidades Específicos Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo 2016-2017 Itens/Parâmetros Compreensão histórica (Temporalidade Espacialidade

Leia mais

Critérios específicos de avaliação

Critérios específicos de avaliação Critérios específicos de 1. Aspetos a considerar na específica A sumativa expressa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares, com exceção das disciplinas de Português e Matemática no 4º ano

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016

ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016 ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS ANO LETIVO 2015/2016 Avaliação das aprendizagens dos alunos A 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E CURSOS CIENTÍFICOHUMANÍSTICOS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

Critérios de avaliação Geometria Descritiva A 10º/11º

Critérios de avaliação Geometria Descritiva A 10º/11º 1. Finalidades da Disciplina Segundo o programa da disciplina de Geometria Descritiva: http://sitio.dgidc.minedu.pt/recursos/lists/repositrio%20recursos2/attachments/235/geometria_desc_a_10_11.pd f Desenvolver

Leia mais

PROJETO E TECNOLOGIAS ESPECIALIZAÇÃO EM MULTIMÉDIA

PROJETO E TECNOLOGIAS ESPECIALIZAÇÃO EM MULTIMÉDIA Informação da Prova de Equivalência à Frequência Prova 266 2015 CURSO DE COMUNICAÇÃO AUDIOVISUAL 10º, 11º e 12º Anos de Escolaridade PROJETO E TECNOLOGIAS ESPECIALIZAÇÃO EM MULTIMÉDIA 1. Introdução O presente

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo:

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: Planificação Anual Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Representação

Leia mais

Critérios de Avaliação na educação pré-escolar

Critérios de Avaliação na educação pré-escolar Critérios de Avaliação na educação pré-escolar 1 - Modalidades de avaliação e suas funções O ato de avaliar contempla duas vertentes fundamentais: A avaliação da ação educativa - avaliação da qualidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA E QUÍMICA A

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA E QUÍMICA A AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LOUSÃ-161391 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA E QUÍMICA A ENSINO SECUNDÁRIO Ano Letivo 2015/2016 A avaliação à disciplina

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO DE 2014/2015 Expressões 1- Educação Pré-escolar 1.1 - Objecto da avaliação 1.1.1 - Parâmetros de avaliação, por áreas curriculares Na educação pré-escolar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 230. Planificação Anual / Critérios de Avaliação

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 230. Planificação Anual / Critérios de Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 230 Planificação Anual / Critérios de Avaliação Disciplina: Matemática 6.º ano 2016 / 2017 Domínio (Unidade/ Tema) Subdomínio/ Conteúdos Meta de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS Entidade Formadora: Questão de Igualdade Entidade Promotora: Edufoco FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES/AS Apresentação do curso e condições de frequência Certificado de Autorização de Funcionamento

Leia mais

Disciplina: Físico-Química. Ano: 8.º

Disciplina: Físico-Química. Ano: 8.º ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ Disciplina: Físico-Química Ano: 8.º Professores: Ana Padilha e Alberto Morgado Ano Letivo: 2016-2017 Índice 1. Previsão do número de aulas de 45

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Móduloe 1 Carga horária total: 400h Projeto Integrador I 40 Não tem Aprendizagem Infantil

Leia mais

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Critérios de Avaliação na Educação Pré-Escolar Revistos e aprovados na reunião de Departamento de 13 de setembro de 2016 Introdução O princípio consensualmente

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD.

DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD. 1 DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS REGIÃO ALGARVE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO - CÓD. 145348 ESCOLA SECUNDÁRIA C/3.º CICLO DE VILA REAL DE SANTO

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO Prova de Equivalência à Frequência de 302 - BIOLOGIA (ter como referência o Desp.Norm. nº 1-G/2016) Ano letivo 2015/2016 I. INTRODUÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS

TECNOLOGIAS APLICADAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0 Tecnologias

Leia mais

Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo

Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Curso Vocacional de Turismo e Restauração Higiene e Nutrição / 3º Ciclo Planificação

Leia mais

DOCENTE: MICAEL ALVES

DOCENTE: MICAEL ALVES Planificação anual Curso Vocacional de Ensino Básico Ano letivo 2015 / 2016 CURSO VOCACIONAL DE INFORMÁTICA E MULTIMÉDIA ANO: 9.º DISCIPLINA: APLICAÇÕES DE ESCRITÓRIO DOCENTE: MICAEL ALVES COMPETÊNCIAS

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III - TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III - TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática Ano Letivo Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prática (De acordo com o Capítulo III, Artigo 18º do Regulamento das Provas e dos Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário, anexo ao Despacho

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE O 11ºano ANO LETIVO 2013 / 2014

INFORMAÇÃO SOBRE O 11ºano ANO LETIVO 2013 / 2014 CURSO DE PRODUÇÃO ARTÍSTICA INFORMAÇÃO SOBRE O ºano ANO LETIVO 2013 / 2014 ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO CERÂMICA OURIVESARIA TÊXTEIS REALIZAÇÃO PLÁSTICA DO ESPETÁCULO CURSO DE PRODUÇÃO ARTÍSTICA ANO LETIVO

Leia mais

Desenvolvimento de competências em leitura funcional

Desenvolvimento de competências em leitura funcional Balula 2010 Desenvolvimento de competências em leitura funcional João Paulo Balula jpbalula@esev.ipv.pt Paulo Martins Plano Introdução Objectivos Percurso didáctico Materiais/Instrumentos Tratamento dos

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Forma e Design (prática laboratorial) Área Científica: Design de Produto Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS:

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 11º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2016/2017 1 O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação,

Leia mais

Ano letivo

Ano letivo ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO VISEU (401626) Critérios de avaliação das disciplinas do Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância Ano letivo 2016-2017 DEPARTAMENTO: LÍNGUAS DISCIPLINA: PORTUGUÊS

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação. Atividades de planeamento de produções orais: grelhas

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas Escola EB 2,3 Poeta Bernardo Passos Ano letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE ESPANHOL - 7.

Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas Escola EB 2,3 Poeta Bernardo Passos Ano letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE ESPANHOL - 7. Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas Escola EB 2,3 Poeta Bernardo Passos Ano letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE ESPANHOL - 7.º Ano Professora: Élia Gonçalves COMPETÊNCIAS / OBJETIVOS Objetivos

Leia mais

ESCOLA E B 2,3/S MIGUEL LEITÃO DE ANDRADA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDRÓGÃO GRANDE DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXATAS 2015/2016

ESCOLA E B 2,3/S MIGUEL LEITÃO DE ANDRADA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDRÓGÃO GRANDE DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXATAS 2015/2016 ESCOLA E B 2,3/S MIGUEL LEITÃO DE ANDRADA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDRÓGÃO GRANDE DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXATAS 2015/2016 PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA 6ºANO 1º Período 2º Período 3º Período Apresentação,

Leia mais

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 8º ANO A Ano Letivo: 2012/2013 Introdução /Metas Consigna-se no Despacho n.º 5306/2012, de 18 de abril de 2012, que o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas. Programa do Curso.

Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas. Programa do Curso. Formação Pedagógica Inicial de Formadores blearning 90 Horas Programa do Curso www.areapedagogica.com 2 Programa do Curso de Formação Pedagógica de Formadores blearning 90 Horas Objetivos Gerais No final

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Profª Lourdes Sufredini Profª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio João

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

TÉCNICO DE ELETRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS

TÉCNICO DE ELETRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Núcleo de Ofertas Formativas CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO DE 2016/2017 TÉCNICO DE ELETRÓNICA,

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES À DISTÂNCIA DURAÇÃO DO CURSO 90 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO 1. TRAINING CENTER,

Leia mais

TÉCNICO DE ELETRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES

TÉCNICO DE ELETRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Núcleo de Ofertas Formativas CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO DE 2016/2017 TÉCNICO DE ELETRÓNICA,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo MELHORAR RESULTADOS EDUCATIVOS E ESCOLARES EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANO DE AÇÃO Julho de 2014

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Dr. José Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Habilitação Profissional Técnica

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/ º ciclo do Ensino Básico

GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/ º ciclo do Ensino Básico DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA - Ano Letivo 2016/2017 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 1. A avaliação é contínua e sistemática.

Leia mais

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação Educação Musical º ANO C Ano Letivo: 0/0. Introdução / Finalidades A música enquanto disciplina tem como um dos objetivos fundamentais o desenvolvimento do pensamento musical dos alunos, através da compreensão

Leia mais

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação

Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação - Interpretação e comunicação DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E Educação Musical 6º ANO B Ano Letivo: 06/07. Introdução / Finalidades A música enquanto disciplina tem como um dos objetivos fundamentais o desenvolvimento do pensamento

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Visual Ano: 5.º Turma: A Ano letivo:

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Visual Ano: 5.º Turma: A Ano letivo: Planificação Anual Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Visual Ano: 5.º Turma: A Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Discurso

Leia mais

Escola B 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (3º ciclo)

Escola B 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (3º ciclo) Escola B 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira (3º ciclo) Departamento de Língua Estrangeira Ano Lectivo 2009/2010 1. Considerações Gerais 1. Pretende-se que a avaliação

Leia mais

Curso Vocacional de Saúde e Ambiente Noções Básicas de Saúde / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo

Curso Vocacional de Saúde e Ambiente Noções Básicas de Saúde / 3º Ciclo Planificação a Longo Prazo Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Curso Vocacional de Saúde e Ambiente Noções Básicas de Saúde / 3º Ciclo Planificação

Leia mais