Uma Reflexão Crítica sobre o Sofrimento dos Empregados durante a Implementação de Mudanças Organizacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma Reflexão Crítica sobre o Sofrimento dos Empregados durante a Implementação de Mudanças Organizacionais"

Transcrição

1 Uma Reflexão Crítica sobre o Sofrimento dos Empregados durante a Implementação de Mudanças Organizacionais Autoria: Márcio de Oliveira Mota, Paloma Machado de Moreira, Francisco Correia de Oliveira, Daniel Rodrigues de Carvalho Pinheiro Resumo Quando se fala para os empregados em mudança organizacional, usa-se uma expressão cujo sentido pendula entre melhoria e demissão, entre esperança e sofrimento. Para compreender o sentimento dos empregados mediante situações de mudanças organizacionais e analisar o impacto que essas situações exercem na rotina laboral e pessoal na vida dos empregados, essa pesquisa foi desenhada. A metodologia é qualitativa, histórico-hermenêutica, feita com entrevistas de profundidade de que participaram diferentes empregados que trabalham em uma empresa no ramo de vendas, locação e serviços de máquinas pesadas utilizadas na indústria de construção, com atuação na região nordeste do Brasil. As evidências indicam que no âmbito profissional o impacto psicossocial da mudança é recalcado, por medo de demissão; na esfera pessoal do empregado, o sofrimento se revela como isquemia cerebral, hipertensão arterial sistêmica, depressão de filho advinda da ausência da mãe, entre outras queixas provocadas pelo sofrimento intenso. Mudanças que presumem melhorias desestabilizaram significativamente o ambiente organizacional da empresa-caso. Introdução As empresas nos dias atuais se preocupam freqüentemente com diversos fatores e ambientes de mercado no intuito de avaliar como e quando será realizada a próxima mudança. Mudar é a única certeza que seus gestores preconizam e esses afirmam que a mudança é a única forma de sobreviver nesse mercado tão competitivo. As inovações tecnológicas, em especial na tecnologia da informação, permitem que o ciclo de conhecimento seja cada vez mais curto, representando obsolescência em práticas e modelos gerenciais. O fato é que mudar nem sempre faz parte do modus operandi das organizações e nem sempre compõe a sua missão. As mudanças profundas são realizadas com a única preocupação no ambiente externo àquela organização, sem haver uma reflexão crítica sobre como os empregados irão conseguir se adaptar a esses novos processos. Há ainda casos de mudança por pura vaidade de gestores, quando esses assumem cargos de gerentes ou de diretores de área e querem impor sua conduta e pensamento de trabalho aos seus subordinados (GROUARD; MESTON, 2001). Estudos sobre a relação satisfação-sofrimento no trabalho por Dejours (1987 e 2000), Dejours et al (1994) e Mendes e Tamayo (2001) definem sofrimento como uma vivência subjetiva que aparece da desconexão entre um fato ideal e um fato presente. Por outro lado, Ferreira e Mendes (2001) definem como uma vivência intensa e de longa duração, em muitos casos inconscientemente, de experiências dolorosas como medo, insegurança e angústia. Dejours et al (1994) verificaram que as estratégias defensivas são coletivas, as quais são mencionadas como a busca por parte do indivíduo trabalhador buscar modificar, minimizar e transformar a percepção do fato presente que o faz sofrer. Chanlat (1994, 1996a, 1996b e 1999) questionou o papel atual do indivíduo nas organizações e como a gestão exerce papel fundamental direta nesse indivíduo, o qual há uma divergência de idéias entre a competitividade e rentabilidade financeira e a nova inserção do trabalhador a uma visão mais humana, afetivo e ético no cotidiano laboral, inclusive com a reconciliação entre as práticas de gestão com o social. Assim, em função dos argumentos acima expostos, busca-se com esta pesquisa, resposta a esta questão: Quais os impactos que os indivíduos sofrem quando empresas implementam mudanças nos processos organizacionais? 1

2 Dessa forma, o principal objetivo visa compreender o sofrimento dos empregados mediante situações de mudanças organizacionais e avaliar o impacto que essas situações exercem na rotina laboral e pessoal na vida dos empregados. O interesse pelo tema reside no fato de que embora alguns estudos (e.g. MENDES et al, 2003; FERREIRA; MENDES, 2001 DEJOURS et al, 1993; DEJOURS, 1993), tenham analisado o sofrimento dos empregados de uma forma geral no trabalho, ainda há uma lacuna na literatura sobre a situação específica dessa relação em mudanças organizacionais. 1. Mudança Organizacional A necessidade da implementação de mudanças nas organizações para garantir a sobrevivência atingiu patamar mais elevado com os estudos de Abrahamson (2000), Grouard e Meston (2001), Clegg e Walsh (2004), entre outros. O crescimento da competitividade entre firmas, o aumento das incertezas nos mercados, novas tecnologias modificando a forma das empresas trabalharem, a redução de barreiras à entrada em novos mercados através da Internet, a necessidade de reduzir custos, melhorar a qualidade e atender os consumidores com maior responsabilidade são apenas algumas das situações que impulsionam à transformação das empresas (CLEGG; WALSH, 2004). Segundo Grouard e Meston (2001) é preciso mudar e adaptar-se à medida que clientes e mercados mudam e concorrentes se desenvolvem. Os autores acreditam ainda que a liderança é a essência das mudanças que atingem seus objetivos com sucesso. Para atingir os objetivos pretendidos com as transformações propostas nas organizações é imprescindível que se saiba escolher as opções corretas de mudanças e se consiga implementá-las de maneira rápida e efetiva. Para isso, é necessário ser flexível e ter todos os níveis da empresa em posição de contínuo aprendizado, desenvolvendo um ambiente propício a transformações com agilidade. Essa seria a fórmula para que se obtenham os melhores resultados com relação a valor, custo e tempo (GROUARD; MESTON, 2001). Grouard e Meston (2001) analisam ainda que o status da própria mudança mudou (p. 2). Enquanto antigamente era considerada a passagem de um estado a outro, um momento de desconforto ou um estágio de transição que transformava a empresa temporariamente em um caos e que deveria ser finalizado o mais breve possível, hoje a mudança é considerada inerente às rotinas e funções organizacionais, substituindo, assim, a estabilidade pela busca de fluidez. Esta é necessária para que se evite a sensação de estar constantemente em um estágio intermediário, o que poderia ocasionar um alto nível de insatisfação e a queda nos padrões técnicos, de qualidade e eficiência. Todavia, Abrahamson (2000) escreveu que para obter o sucesso, as organizações devem parar de mudar bruscamente a todo momento. E prossegue, as empresas devem intercalar iniciativas de mudança em determinados períodos, através de pequenas e sistemáticas transformações, valendo-se da reconfiguração de práticas e modelos de negócio existentes. Essa é uma maneira de implementar mudanças através de um enfoque chamado por ele de Estabilidade Dinâmica (Dynamic Stability). É fato que a implementação desse tipo de mudança, pequenas e paulatinas, é mais difícil do que as que acontecem de maneira grande e audaciosa. Uma perfeita analogia mencionada pelo autor é que é bem mais fácil finalizar uma guerra com uma bomba atômica do que através da negociação. Clegg e Walsh (2004) escrevem que os enfoques utilizados para a implementação de mudanças são parciais e especulativos. Assim, essa seria uma das razões para que, de certo modo, as iniciativas de mudança sejam ineficientes no alcance de seus objetivos. Caso não se reconheça a importância das dimensões culturais e humanas envolvidas nesse processo, este não obterá o sucesso pretendido. Como na maioria das vezes a implementação de mudanças é vista como uma ameaça por muitos colaboradores, esses processos acabam gerando ansiedades quanto à estabilidade do emprego, à capacidade de desempenho, ao salário, à função, ao status, aos relacionamentos de trabalho, entre outros. Todos esses aspectos geram uma aflição que pode prejudicar o bom andamento das mudanças 2

3 (GROUARD; MESTON, 2001). Por este motivo, Abrahamson (2000) sustenta que para se alcançar os objetivos pretendidos com as transformações é necessário aprender a mudar sem sofrimento. O processo de mudança não precisa gerar angústia, pois ele é mais eficiente quando causa menos dor. E mais, ele acredita que mudanças, da maneira que normalmente são conduzidas, criam um caos organizacional. E esse caos gera uma enorme resistência daquelas pessoas diretamente afetadas pelas transformações em curso. Esse tipo de mudança reflete as ânsias da maioria dos empresários e executivos de alto escalão maximizar o valor do crescimento econômico o mais rápido possível (ABRAHAMSON, 2000). Em oposição a conceitos que aceitam a existência da instabilidade e intitulam a agilidade como fator preponderante para o sucesso das mudanças organizacionais (GROUARD; MESTON, 2001), a Estabilidade Dinâmica proposta Abrahamson (2000) tem como principal objetivo sustentar os avanços em curto e longo prazo, amparados por uma situação de relativa estabilidade. Mudanças através do enfoque Estabilidade Dinâmica utilizam três processos: a) recombinação criativa, b) prover mudanças em larga escala e, c) encontrar o equilíbrio entre estabilidade e mudança (ABRAHAMSON, 2000). A recombinação criativa sugere que se reestruturem processos e rotinas já existentes incentivando a firma a descobrir simples e eficientes soluções com as ferramentas que ela já possui e são de conhecimento de sua equipe. Esse tipo de processo evita maiores resistências, posto que serão utilizadas competências e habilidades pertencentes à firma e seu time. De acordo com Abrahamson (2000) a recombinação criativa pode não garantir o sucesso, porém custa menos, é menos desestabilizadora e mais rápida do que a destruição criativa (SCHUMPETER, 1988) e invenção. Prover mudanças em larga escala é recombinar em um grau mais elevado, envolvendo muito mais agentes. Um bom exemplo seria a criação de um novo negócio com instrumentos que a empresa já possui, mas que estão ociosos, para solucionar os problemas de custos gerados por essa inatividade. Transforma-se um problema em oportunidade de negócio. Por último, para evitar a adinamia ou até mesmo a auto-destruição da firma gerada por um ritmo de grandes mudanças frenéticas e audaciosas é necessário que os gestores reconheçam a hora de diminuir o ritmo ou encontrem o equilíbrio entre estabilidade e o movimento de mudança. Isso não quer dizer que a firma deva parar de mudar, porém é imprescindível que ela reconheça a importância de criar um ambiente de estabilidade. Essa estabilidade pode ser gerada através da implementação de pequenas transformações contínuas. Esse processo evita a acomodação da equipe e a prepara para uma próxima mudança radical. Mudanças radicais devem ocorrer em intervalos longos de tempo, exatamente para que as pessoas percebam que o caos gerado por essas situações é temporário e não constante. Emendar uma grande mudança em uma maior ainda provoca um ambiente de instabilidade, gerando ceticismo e cinismo. Finalmente, é importante ressaltar que pequenas e grandes mudanças devem ocorrer nos intervalos de tempo corretos. 2. Sofrimento e Prazer no Trabalho Embora o capital tenha pretensão de colonizar o trabalho (para usar uma expressão de Habermas), o local de trabalho permanece como o lugar da resistência. Dessa forma, submissão, dominação e resistência geram forças conflitantes ou em luta (BRANT; DIAS, 2004). Hegel (1999) afirma que o homem que trabalha é transformado pelo sofrimento, ou seja, um contraste entre a preservação e a destruição das consciências. Assim, não há trabalho sem dor ou esperança e não há lembranças sem sofrimento. O tema sofrimento no trabalho teve como precursor a psicopatologia do trabalho, a qual tem como objetivo estudar a entender como os trabalhadores conseguem manter um 3

4 equilíbrio psíquico e manter-se na normalidade. Na década de 80, a psicopatologia comprovava que os transtornos psíquicos são desencadeados pelo trabalho, ou seja, todas as relações e envolvimentos que os trabalhadores constroem. Dejours et al (1993) afirma que o sofrimento singular é herdado da história psíquica de cada indivíduo; o sofrimento criativo é quando o sujeito produz soluções benignas a sua saúde; e o sofrimento patogênico é quando o indivíduo produz soluções desfavoráveis a sua vida. Esse mesmo autor finaliza que as premissas do sofrimento humano têm origem na sociedade do consumo. Dejours (1987) enfatiza que a organização do trabalho é a causa de sofrimento e descompensações no quadro clínico do empregado. A agressividade e a pressão do cotidiano, gritos, brigas, desmaios e choros podem ser resultados desse sofrimento e, freqüentemente, trazer como conseqüência o aumento do absenteísmo, a fabricação de peças com defeitos, a redução da produtividade. Nesse estágio, os empregados estariam passando por um problema de saúde mental, e nem sempre eles ou a organização são capazes de perceber essa psicopatologia. Para Freud (1996), o sofrimento (no processo civilizatório) está relacionado com o perigo e esse último com a expectativa, elementos que contribuem para o estudo do sofrimento em indivíduos no trabalho. O sofrimento não é constituído por um dado da natureza, mas uma posição designada, assumida e reconhecida, culturalmente, entre sujeitos históricos. O sofrimento, além da sua inscrição no corpo, pressupõe a existência de uma linguagem que permita identificar algo como perigoso ou não, estranho ou familiar. Logo, pode-se considerar o sofrimento como contingente ao ato de viver e configurá-lo como uma reação da insistência em viver sob circunstâncias que, na maioria das vezes, não é favorável ao homem. Dessa forma, pode-se dizer que sofrimento no trabalho é uma vivência individual ou coletiva usual e perene, o qual em muitos casos acontece no inconsciente, repleto de experiências dolorosas como angústia, medo e insegurança provenientes do conflito entre as necessidades de satisfação no trabalho. Daí, o sofrimento é instalado quando a realidade não oferece mais possibilidades de prazer nos trabalhadores e faz com que haja um aumento da resistência e do fortalecimento da identidade pessoal, e como conseqüência nortear o trabalhador a encontrar estratégias para enfrentar de forma criativa e mudar as situações que o provocaram (MENDES et al, 2003). A noção de prazer está estreitamente vinculada à de sofrimento, que para a psicopatologia do trabalho figura como o ponto central da relação psíquica estabelecida entre o homem e o trabalho. O trabalho é favorável ao equilíbrio mental e à saúde do corpo, quando permite ao indivíduo reconciliar-se com os seus desejos e aspirações individuais mais profundos, alcançando a sua realização. Esse fenômeno é denominado por Dejours (1993) de ressonância simbólica e consiste na condição em que o sentimento de sofrimento ou de prazer experimentado pelo indivíduo é determinado pela amplitude de espaço de liberdade existente entre organização prescrita e o que realmente ocorre na execução do trabalho. Deste modo, a maior ou menor rigidez da organização do trabalho permite um maior ou menor esforço de liberdade de ação ao trabalhador, para que esse possa interagir com maior ou menor intensidade na reorganização dos modos operatórios prescritos. O trabalho é também fonte de prazer e mediador da saúde. Conforme Dejours (1993), em sua luta contra o sofrimento, às vezes, o sujeito elabora soluções originais que são favoráveis tanto à produção quanto à saúde. Tal forma de sofrimento foi por ele denominado de sofrimento criativo. Quando, ao contrário, nessa luta contra o sofrimento, o sujeito chega a soluções desfavoráveis tanto à produção quanto à sua saúde, tal forma de sofrimento caracteriza-se como sofrimento patogênico. O sofrimento e as defesas contra o sofrimento decorrentes da organização prescrita do trabalho introduzem a desconfiança entre os diferentes níveis de trabalhadores, interferem na 4

5 qualidade da produção, provocando uma desorganização da cooperação. Conforme Dejours (1993), muitas pessoas só conseguem manter-se equilibradas e obter satisfações afetivas graças ao trabalho. Dessa forma, trabalho e sublimação aparecem como operadores fundamentais da saúde mental. Para Dejours (1993, p. 160), "a criatividade confere sentido porque ela traz, em contrapartida ao sofrimento, reconhecimento e identidade", o sofrimento adquire um sentido, portanto, "definitivamente, o prazer no trabalho é um produto derivado do sofrimento". As estratégias defensivas no trabalho podem ser individuais ou coletivas. Dejours et al (1994) verificaram que na maioria das vezes as estratégias defensivas são coletivas, as quais são mencionadas como a busca por parte do indivíduo trabalhador buscar modificar, minimizar e transformar a percepção do fato presente que o faz sofrer. Para esses autores, as estratégias defensivas usadas pelos trabalhadores são, em sua maioria, coletivas e não individuais, pois o grupo compartilha o sofrimento e encontra conjuntamente soluções para lidar com estas situações. Essas estratégias coletivas diferenciam-se das individuais à medida que desaparecem, quando afastada a situação que gera sofrimento. O trabalhador poderá levar a um processo de alienação caso ele torne essas estratégias de enfretamento de pressões psicológicas do trabalho em um objetivo em si mesmo. Isso bloqueará qualquer tentativa de transformação da realidade, através do desencorajamento e na geração de sofrimento. A mobilização de energia social e psíquica permite a mudança das situações que geram o sofrimento para situações que geram o prazer. Dejours (2000) disserta sobre a mobilização subjetiva do trabalhador em seu ambiente de trabalho e de sua dependência da dinâmica contribuição-retribuição simbólica que é aferida pelo reconhecimento da competência do trabalhador pelos seus pares e pela hierarquia a qual ele está inserido. São dois elementos para a mobilização subjetiva: a inteligência astuciosa, a qual ajuda o trabalhador a resistir ao que é prescrito, e a cooperação enquanto condições para o coletivo de trabalho (DEJOURS, 1987). Nesse caso, o trabalhador adquire uma invenção própria e usa a sua capacidade de imaginação no intuito de desenvolver um saber fazer particular, mesmo que desconheça a tecnologia. Assim, as estratégias defensivas, caracterizam-se por comportamentos de isolamento psicoafetivo e profissional do grupo de trabalho, de resignação, de descrença, de renúncia à participação, de indiferença e de apatia (MENDES; MORRONE, 2002, p. 33). As propostas teóricas anteriormente levantadas levam a concluir que o sofrimento pode ser enfrentado por estratégias defensivas ou por uma mobilização coletiva e isso é fundamental para a saúde psíquica dos trabalhadores, especialmente no uso de estratégias de mobilização coletiva, que inclui os mecanismos que permitem a construção de novas formas de gestão do contexto de trabalho, constituído pela organização e pelas condições e relações de trabalho.(mendes et al, 2003, p.3-4). O texto indica que, em situações de mudança acentuada, os trabalhadores necessitam desenvolver mecanismos de defesa e sobrevivência. Sendo assim, busca-se compreender o sofrimento de empregados/trabalhadores, tendo em vista as mudanças constantes nas organizações e avaliar o impacto que essas situações e vivências exercem na vida pessoal e nas rotinas de trabalho. 3. Metodologia e procedimentos empíricos Esta pesquisa fez inicialmente um estudo exploratório bibliográfico (ALMEIDA, 1996; LAKATOS; MARCONI, 1996; RICHARDSON, 1999), sobre o sofrimento em mudanças organizacionais e, em seguida, um estudo descritivo (MARCONI; LAKATOS, 2002; SELLTIZ; COOK; WRIGHTSMAN, 1981), cujo objetivo principal é descrever um fenômeno ou situação, em um determinado espaço-tempo (WHITEHAD, 1993) através de seu registro, análise e interpretação. 5

6 Dessa forma, busca-se conhecer mais a fundo as motivações, os conceitos, as percepções, imagens e mudanças de valores ou atitudes dos indivíduos, sujeito de estudo, em relação às organizações, objeto de estudo. Para a fenomenologia parte da perspectiva de que o mundo e a realidade não são objetivos e exteriores ao homem, mas socialmente construídos e recebem um significado a partir do homem (ROESCH, 2005, p.123). Sendo assim, a tarefa do pesquisador será, principalmente, compreender as diferentes construções da fala e os significados que os indivíduos atribuem às próprias percepções do sofrimento durante os processos de mudança organizacional. Não se trata de um procedimento explicativo, mas de uma construção do círculo da compreensão histórico-hermenêutica (CORETH, 1973, p. 53 ss). Na escolha do caso os critérios de inclusão foram: empregados de empresa que passa por uma reestruturação organizacional em andamento. A empresa-caso é do ramo de vendas, locação e serviços de máquinas pesadas utilizadas na indústria de construção, com atuação na região nordeste do Brasil. Os indivíduos entrevistados são partícipes diretos desses processos. Ao longo das análises serão introduzidas outras informações a respeito dessa empresa de modo a estabelecer o horizonte de sentido da compreensão objetiva (CORETH, 1973). Foram realizadas seis entrevistas de profundidade (McDANIEL; GATES, 2003) com empregados de níveis hierárquicos distintos, com a utilização de uma pauta semi-estruturada, durante o mês de dezembro de Este procedimento foi usado porque, de acordo com Malhotra (2001), a entrevista individual é uma técnica direta e pessoal em que um único entrevistado deve responder sobre suas crenças, opiniões, sentimentos, conceitos e pensamentos. A pauta permite analogias, ressaltando diferenças entre as respostas e não sobre as questões em si (MARCONI; LAKATOS, 2002). As entrevistas foram realizadas pelos pesquisadores em local, data e horário em comum acordo com cada entrevistado e foram gravadas em áudio estéreo digital, com as devidas permissões dos entrevistados e, em seguida, todas as entrevistas foram transcritas na íntegra para posterior análise com o auxílio do software de análise de dados qualitativos. Ressalta-se que os nomes da empresa e dos entrevistados foram mantidos em sigilo, tendo sido codificados apenas por números entre 1 e 6. Frases e parágrafos foram definidos como unidades de análise e agrupados em uma grade fechada com base na literatura existente nas seguintes categorias: mudanças organizacionais; sofrimento no trabalho; sofrimento na vida pessoal; prazer e trabalho; e enfretamento do sofrimento. As entrevistas foram analisadas através da técnica de análise de conteúdo. Para Bardin (1977, p. 38), a análise de conteúdo pode ser definida como um conjunto de técnicas de análise das comunicações, que utiliza procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens. Nesse sentido, ela se constitui numa ferramenta eficaz para o processamento de dados científicos, pois possibilita, a partir de uma série de procedimentos especiais, captar o sentido simbólico de uma mensagem e entender os seus múltiplos significados. Minayo (1998, p. 74), destaca que uma das funções na aplicação da técnica de análise de conteúdo é aquela que diz respeito à descoberta do que está por trás dos conteúdos manifestos, indo além das aparências do que está sendo comunicado. 4. Análise dos Resultados A empresa em análise está passando por um profundo processo de mudança organizacional desde o início de Até este ano, a organização era responsável pela venda, locação e serviços de máquinas pesadas nos estados Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. Em fevereiro de 2003, a empresa adquiriu os direitos de vender seus produtos nos demais estados da região nordeste Maranhão, Piauí, Alagoas, Sergipe e Bahia. Essa decisão foi consolidada através da incorporação de um conglomerado de filiais de um 6

7 outro grupo empresarial. Junto à estrutura física, foram incorporados processos, pessoas e cultura. Desde então, a empresa vem empreendendo esforços para uniformizar seus procedimentos, processos e rotinas. Os depoimentos recolhidos nas diversas formas de expressão dos atores geraram um quadro reflexivo de interpretação divinatória e objetiva, de base fenomenológica, estruturada como hermenêutica do discurso tal como é sugerida por Coreth (1973). A hermenêutica é uma interpretação existencial inspirada principalmente no Heidegger posterior. Enquanto compreensão, significa imediatamente uma apreensão do sentido e uma compreensão comparativa por meio de múltiplos dados particulares. Ou reconstrução histórica e divinatória objetiva e subjetiva (CORETH, 1973, P. 19). Daquilo que não pode ser imediatamente conhecido por mais apenas compreendido. Como faz o behaviorista radical nos estudos do gozo. Mas, nesse caso, a subjetividade se manifesta como sofrimento. E é subjetividade, precisamente, porque é sofrimento do outro. Em resumo, a entrevista trabalha com a esthesia, aqui traduzida, talvez impropriamente, por percepção humana. A partir das falas colhidas, pode-se recensear como as mudanças organizacionais foram implementadas na empresa e como os empregados perceberam e reagiram, de tal modo, que estão descritas a seguir: (...) eu já vi, várias mudanças, né? (...) e agora por último tem a expansão da empresa a partir do ano de 2003, né? Essa expansão gerou uma necessidade de mudança muito grande, que a empresa era. A empresa praticamente dobrou de tamanho. Aí, você tem uma necessidade grande de... mudança de cultura, adaptação de cultura, adaptação de normas, processos (E1). (...) é um elemento assim que, de transformação, não só com relação à equipe de informática como pra todo o restante da empresa, é... É mudança, é desafio, e ao mesmo tá, tá servindo até de, de balizador e de união entre os funcionários. Então, a gente percebe uma movimentação, hum, assim um pouco diferente, né? (E2) (...) a empresa, nos últimos três anos vem passando por profundas, não só essa questão de Seis Sigma, que ela é uma particularidade até minha, que tem um grau maior de complexidade, né? (...) Mas, a empresa como um todo vem, assim se reestruturando completamente. É... se você, em todos os, em todos os setores, então isso, causa é um... um certo desconforto, em todas as áreas, em todos os funcionários. É... a principio não entenderem muito, e achar que as coisas vão ficar meio de ponta cabeça, é... há mudanças muito grandes. Por ser uma empresa muito conservadora na questão de turnover de pessoas, (...) então é... essa mudança tá de certa forma, mudando isso, renovando esse quadro, às vezes causa algumas inquietações (E3). (...) mudanças de impacto, foram realmente com a aquisição dessa antiga empresa, que virou a nossa atual empresa e com isso duplicou o tamanho e todo mundo teve muita dificuldade pra incorporar ações, pra gerenciar, como é que ia ser feita a divisão. A gente inclusive viajou muito para as lojas, pra sentir como era, pra tentar padronizar tudo. Isso daí eu acho que foi um ponto inicial (E4). (...) Mudança de cultura, que é uma das grandes mudanças, que também tá acontecendo, na empresa. Exatamente por que ela disse assim: olha, eu não vou mais tá o tempo todo passando a mão na sua cabeça por que eu tô deixando de ser aquela empresa paternalista. Eu quero que você venha junto comigo administrando junto comigo entendeu? Eu tô te passando maiores responsabilidades pra isso, tá? Ah... na questão, na questão assim disso com as pessoas... elas se afligem pela insegurança, tá gerando um clima muito forte na empresa... de uma insegurança muito grande de perder o emprego, tá? (E6) 7

8 Percebeu-se que a empresa tomou a decisão de incorporar as filiais de um grupo empresarial concorrente, no intuito de crescer e reduzir a competitividade entre firmas e as incertezas em seu mercado de atuação. Para fortalecer-se, está implementando novas tecnologias, tais como a filosofia do Seis Sigma e de um novo sistema de informática interligando as informações de suas áreas estratégicas. O intuito, dentre outros, é reduzir custos com trabalhos manuais e melhorar a qualidade das informações estratégicas prestadas. Isso corrobora com as afirmações de Clegg e Walsh (2004). Esses relatos também corroboram com Grouard e Meston (2001), pois se deve reconhecer a importância das dimensões culturais e humanas envolvidas nesse processo de mudança para se ter sucesso. No entanto, a empresa está passando por transformações, em especial, com a mudança de cultura e de processos. Os empregados estão passando por dificuldades em incorporarem os novos processos pelo fato da empresa ter tido atitude paternalista durante muitos anos, inclusive com um nível de rotatividade de pessoal baixo. Pode-se ressaltar, por exemplo, que os entrevistados tinham 2, 7, 15, 19, 26 e 29 anos de trabalho na empresa, não necessariamente na ordem dos entrevistados. Por um lado, com a nova incorporação, os empregados estão também passando por um forte clima de inquietações e desconforto entre seus pares e de insegurança em perder o emprego pelo fato deles nunca terem assumido e se comprometido com a administração de todos os processos de suas áreas com visão geral de crescimento da firma. Por outro lado, de acordo com o E2, essas inquietações também têm seu lado positivo em servir como balizador de união entre os empregados. Sobre como eles souberam e participaram do processo de mudanças os empregados responderam que houve comunicação, de certa forma gradual, com casos em que houve participação total, inclusive com a implementação e treinamentos dados pelos próprios empregados. No caso os empregados que estão subordinados às gerências, eles afirmaram que foram e são informados sempre que qualquer mudança afete o seu departamento. Entretanto, o último entrevistado (E6) ressaltou que essa comunicação somente foi mais abrangente quando a empresa contratou uma consultoria externa para guiar os empregados, pois as mudanças implementadas pela empresa em diversos setores ao mesmo tempo geraram desmotivação e falta de um norte estratégico por parte dos empregados. Portanto, as falas dos entrevistados E1 a E5 podem estar se referindo às conseqüências da vinda de uma consultoria externa e não das ações imediatas geradas pela empresa quando iniciou suas mudanças desde (...) teve comunicação, a comunicação ela foi gradual, à medida que os processos, que as coisas iam acontecendo. Teve comunicações também... comunicação teve, faltaram algumas informações nessa comunicação, eventualmente em determinados momentos não foram completas, tá certo? Mas que houve a comunicação houve (E1). Eu participei de todo o processo da mudança (E2). Participei, participei como implantador (sic) de mudanças (E3). (...) nossa gerência, num sei os outros porque aqui cada departamento tem a sua administração, mas o nosso sempre a gente faz reuniões semanais e toda segundafeira, quando ele participa com a diretoria de alguma coisa, ele sempre passa pra gente (E4). (...) a comunicação, num é o forte dela não [da empresa], mas, tudo que tem de mudança na minha área, normalmente eu sou informado e faço, participo e dou os treinamentos (E5). Não teve uma comunicação... logo quando começaram as mudanças, que a empresa começou a mudar que todo mundo, começou a sentir. Então, você não 8

9 sabia o que estava realmente acontecendo. Depois que inclusive a empresa contratou uma empresa de consultoria, pra tá fazendo um trabalho junto com ela. Exatamente porque tinha muitas mudanças acontecendo, em muitos cantos ao mesmo tempo, em todos os departamentos, mas as mudanças de diretoria, mais as mudanças de integração, mais as mudanças de pessoal de TI, isso foi acontecendo, de uma forma muito rápida, e as pessoas não foram comunicadas... a questão da desmotivação, foi muito grande, tá? Pessoas desmotivadas, as pessoas... vamos dizer assim apáticas às situações... a consultoria começou a inserir você, no que tava acontecendo... assim: nós estamos aqui e nós queremos chegar aqui. O que que nós temos que fazer nesse meio tempo? Tá, nesse caminho aqui o que que eu preciso de cada um, e aí foi começado a ser a vir essa comunicação (E6). Os dados colhidos indicam formas de sofrimento no trabalho por causa dessas mudanças que a seguir estão descritas. É estresse, constante, todo dia tem um diferente também voltado a isso, por que? Novamente, você tá lidando com gente que briga com gente, que não gosta do que fulano ou beltrano fez, ou não concorda com o que fulano ou beltrano fez, ou com o que a empresa tá querendo fazer (E1). (...) primeiro desgaste de, de, de quando você tá implementando isso, estressa mesmo, sabe assim, porque as pessoas... é... como falei, resistem e tem problema e você tem tempo pra fazer isso e acaba, acaba que, é... desgastante, muito desgastante pra você, pra pessoa que tá implementando. No meu caso, por exemplo, é muito desgastante, e além disso assim, a... inicialmente tem um desgaste com as pessoas, as pessoas, acaba às vezes criando um clima de animosidade (...) às vezes até a ponto que fica desgastante de forma pessoal, a pessoa lhe vê como um opositor... (E3). (...) toda preocupação acaba refletindo em produtividade, em... com certeza, afeta dessa forma... (E3). (...) a nossa equipe ela é muito reduzida. Cada um tem... tem as funções. A gente tenta traçar pra, claro, pra minimizar os gastos, e cada trabalho é tipo que no limite. Aí, às vezes acontece que, um tira férias, a gente sempre tem que, tem viagens pras lojas, alguma coisa assim. Aí, acaba sobrecarregando um pouco nesses períodos... (E4). (...) A nível de estresse eu diria assim é muito forte, tá certo? Foi um ano difícil, está sendo um ano muito difícil porque você lida com pessoas num grupo, aonde você tem que tá decidindo o tempo todo. O grupo tem que tá decidindo, as mudanças, as divergências de opiniões. Isso cria um nível de estresse muito grande (...) às vezes você tá com vontade de explodir, mas eu não tento explodir porque eu penso no grupo e quando você não bota pra fora, você anda o tempo, doente, assim... nesse ponto eu acho que o estresse faz mais parte desse momento de aprendizado, desse momento de mudança, forte, drástica que a empresa tá passando... (E6). É possível compreender que esses relatos também corroboram com Grouard e Meston (2001), pois eles informam que na maioria das vezes a implementação de mudanças é vista como uma ameaça por muitos colaboradores e esses processos acabam gerando ansiedades quanto à estabilidade do emprego e à capacidade de desempenho, fazendo com que esses aspectos gerem uma aflição e prejudiquem o bom andamento das mudanças e das atividades dos empregados. Caso a empresa tivesse utilizado o enfoque de Abrahamson (2000) de Estabilidade Dinâmica, ou seja, se a empresa tivesse feito mudanças graduais ao invés de uma única e brusca, as sistemáticas dos processos afetariam menos a rotina de seus empregados e os 9

10 negócios da empresa. Outro fato que se pode perceber é que apenas o E2, que possui 2 anos de trabalho na empresa, consegue enxergar as mudanças de uma forma natural. Isso se corrobora através da fala do E6, quando este relatou que a empresa era muito paternalista e hoje transfere maior responsabilidade e avalia os empregados pelos resultados alcançados. As grandes mudanças também foram percebidas pelos demais entrevistados, todos com mais de 7 anos de trabalho na empresa. Esses puderam fazer analogias entre o antes e o depois das grandes mudanças que ocorreram na instituição a partir de 2003, com a aquisição de novo território de atuação.as Em seguida, pode-se refletir sobre a dicotomia entre o sofrimento e o prazer no trabalho mediante os relatos descritos. De acordo com Mendes et al (2003) o sofrimento faz com que haja um aumento da resistência e do fortalecimento da identidade pessoal, e como conseqüência, guia o empregado a encontrar estratégias para enfrentar de forma criativa e mudar as situações que o provocaram. Seja usando estratégias próprias no intuito de elevar a auto-estima, seja elevando a estima dos colegas de trabalho. Em outros casos, o entrevistado prefere se conter e sofrer sozinho a compartilhar e extrapolar suas emoções com o grupo pelo fato de achar que seria pior para todos. Pôde ser verificado nas falas, a saber: (...) adaptar os processos (sic), porque, culturalmente, às vezes, um processo, ele é adequado pra uma região, é adequado pra uma casa, mas, chega em outra casa ele tem que ser adaptado... (E1). (...) gente, vamos conversar e vamos chegar a um consenso vamos olhar pro caminho, tentar olhar pro caminho mais correto... (E2). (...) quase todo dia tem uma coisa diferente como se eu tivesse chegando naquele momento. Então pra mim, você vê uma coisa como se todo dia fosse uma coisa nova (E5). Eu diria até que eu tô tendo uma oportunidade ímpar, que eu estou dentro de uma empresa que está mudando. Uma oportunidade pra tá aprendendo mil coisas (...) vamos dizer assim que é um conhecimento que eu não tenho como mensurar (...) eu acho que eu ganhei muito com isso tá, certo? (E6) (...) às vezes você tá com vontade, de explodir, mas eu não tento explodir porque eu penso no grupo (...) nesse ponto eu acho assim que o estresse faz parte desse momento de aprendizado, desse momento de mudança, forte, drástica que a empresa tá passando (E6). Outro fato relevante obtido pelos relatos dos entrevistados foi que mesmo com a forma de não explodir dentro da empresa e com seus pares, muitos nos confirmaram que levam esse sofrimento e estresse aos seus lares, relatando inclusive problemas (a) familiares, com alto índice de atritos e conflitos entres filhos e cônjuges; (b) de saúde física, com caso de isquemia cerebral; e (c) saúde mental, como frustração, ansiedade, agressividade, irritação, impaciência e solidão, sentimento de injustiça e falta de comprometimento dos colegas. Há inclusive um relato sobre o filho de um dos entrevistados que foi diagnosticado com depressão aos 20 anos de idade, que apontou como uma das causas da doença o fato do entrevistado não estar mais presente em casa e não se importar mais com ele e com a família. Ressalta-se também o caso de um outro entrevistado que sofreu uma isquemia cerebral aos 36 anos de idade e relatou que tudo já havia passado e de que o ocorrido fora normal, representando o fato como algo comum nos dias modernos de trabalho. Portanto, há a ocorrência de que nem a empresa nem seus colegas de trabalho conhecem tais problemas, já que os respondentes chamam de problemas pessoais, mesmo acreditando que estes são reflexos dos problemas ocasionados pelas mudanças na empresa. 10

11 (...) tem a parte de relacionamento com a família que é, o nível de exigência também cresce, o tempo reduz e a família cobra presença (...) tive problemas de saúde também (...) especificamente eu tive um problema de isquemia. Então, passei, dois dias com o braço paralisado, mas fiz exames. Fiz tudo, passou, isso foi normal (E1). (...) apesar de não aparentar e de ninguém achar isso, mas eu tenho uma certa ansiedade e talvez o sofrimento seja maior por isso, porque eu não passo pra fora essa ansiedade eu fico pra mim mesmo (E2). (...) o fato de eu tá um pouco distante de casa isso aí é que mexe um pouco com a parte de sentimento... de sofrimento, porque eu sou muito família, né? Eu tenho duas filhas, né?(e2). (...) termina o expediente, você ainda tá sobre o efeito desse... desse estresse e continua, às vezes vai pra casa e tal, é... traz, outra é, os relacionamentos você fica, às vezes é... muito... na defensiva, entendeu, ou, agressivo, sei lá, por conta dessa, dessa carga que você recebe aqui, com certeza tem efeitos (E3). (...) você não ter tempo pra sua família, a ponto de você, não te sobrar mais tempo, eu sou uma mãe muito presente, uma esposa muito presente, de ficar ligando, Oh, você já almoçou? Oh, você já foi, as meninas inclusive reclamaram disso, que eu estava abandonando elas, por conta da empresa porque agora a gente chega, sai, volta, você chega duas horas da manhã em casa e tá, não liga pra gente, a gente não consegue falar com você (...) indo dormir muito tarde, ficar muito irritada, sem paciência, de falar e você já tá explodindo. É como se assim: fico me contendo aqui pra coisa poder andar, mas quando eu saio pro meu espaço, não eu posso, você tem que entender, eu passo a gritar, no momento que deveria ter repensado naquilo, de já ficar impaciente com o esposo... (E6). Por último, a análise do enfretamento desse sofrimento pelos entrevistados mediante as mudanças. Em primeiro lugar, foi possível perceber que nenhum entrevistado mencionou ações internas da empresa através do Departamento de Recursos Humanos ou outro departamento, no intuito de identificar e solucionar os problemas enfrentados por seus empregados antes e durante essa fase das mudanças. Outro fato, é que os entrevistados conhecem os males que essas mudanças estão ocasionando em suas vidas, seja no âmbito pessoal ou profissional, porém pouco é feito por eles individualmente. Há inclusive a ressalva feita por um entrevistado (E2) relatando que, em seus momentos de lazer, ele costuma realizar atividades esportivas para que seus sentimentos intrínsecos possam se tornar latentes e suas angústias possam ser liberadas. (...) gosto de filmes, é... coisas da tv, gosto de... ir ao cinema, praia nem tanto, tomar uma cervejinha, sexozinho vai bem, só em casa, né? (E1) Há sim, válvula de escape sem dúvida (...) eu jogo futebol toda quarta-feira, é um grupo pequeno (...) eu sou um pouco diferente desse profissional da empresa, porque eu xingo (risos), consigo tranqüilo, né? Diferente de dentro de casa também, né? Eu xingo grito, corro, e aí eu acho que nessa, nesse momento aí, é que eu desopilo (sic) esse, esse estresse (E2). Não estou fazendo nada. Tô só absorvendo isso, por incrível que pareça sabe, e... o que eu pude notar, é que por não fazer nenhuma atividade, até mesmo de lazer sei lá uma coisa assim, que... é impacte (sic) nesse estresse, ele se reflete num colesterol mais alto, num triglicerídeos mais altos, num... Enfim, as taxas, tudo começa a subir, que não tem muita explicação pra isso começar a subir, a não ser essa questão, de estresse (E3). 11

12 Eu tenho é uma rotina, como que seja uma rotina, praticamente definida, eu, eu pratico um esporte que eu gosto, eu gosto muito de esportes... é... eu tenho uma neta que a gente rola no chão ainda. Quer dizer me divirto! A minha filha mais nova, tem já, já tem 18 anos, é como se tivesse 2 (...) eu tenho um sustento muito grande na família por trás. Então, pra mim é o suporte principal. E eu tenho uns colegas que o meu departamento (...) a gente é muito unido, é a gente tem força, se apóia muito (...) quando eu tenho problema, fica, quando ele num fica, eu levo pra casa, aí, ali em casa, minha família, meu travesseiro ajuda a gente a melhorar. Na realidade meu travesseiro é uma das coisas que é o meu padre, me confesso e vou dormir. Pode ter certeza, todo dia eu durmo, assim se eu não botar o despertador, eu não acordo (E5). Ultimamente não estou fazendo nada... (...) é por isso que a carga está realmente muito baixa... a sensibilidade está muito aflorada, os nervos estão muito tensos... exatamente porque não está sobrando esse tempo de está fazendo algo fora... curtindo alguma coisa que você gosta (...) muita gente não está saindo de férias, que não dar pra sair (...) tirar férias, viajar, esquecer o celular em casa, não ver televisão nem relógio em minha frente. É o meu maior sonho (E6). Ações simples são mencionadas nos relatos e sonhos possíveis de serem realizados fazem parte da rotina de muitas pessoas na vida moderna, seja com eventos individuais, como ir ao cinema, seja com eventos coletivos, como praticar um esporte. Os entrevistados desse estudo apresentaram o que Dejours (2000) afirma sobre a mobilização subjetiva do trabalhador, em que ele tem de sofrer de alguma forma para ser reconhecido por seus pares. Percebe-se ainda que o conceito da Estabilidade Dinâmica poderia ter amenizado o sofrimento dos empregados e, conseqüentemente, melhorado e agilizado os resultados perseguidos pela empresa. A mescla entre mudanças pequenas e paulatinas e grandes transformações poderia ter evitado, ou pelo menos amenizado, a angústia produzida pelas incertezas e seus impactos na vida pessoal e profissional dos entrevistados (ABRAHAMSON, 2000). Essa seria uma boa maneira de buscar soluções para a redução do estresse não apenas no âmbito pessoal, mas também na esfera profissional dos indivíduos. Conclusão A competitividade mercadológica impôs um ritmo de aumento de intensidade e duração de trabalho, dinamia e celeridade para as empresas que pretendem manter-se ativas e rentáveis. Como mencionado anteriormente, os estudiosos e gestores acreditam que mudar é a única solução para sobreviver nesse mercado tão competitivo. Sendo assim, a pergunta como e quando será realizada a próxima mudança? faz parte do dia-a-dia da maioria das empresas dos dias atuais. A proposta deste trabalho foi buscar respostas a questionamentos que talvez devam surgir antes desta pergunta instrumental, no intuito de apontar caminhos para amenizar o sofrimento e as angústias que, normalmente, surgem nos processos de mudança. O objetivo fora compreender elementos intrínsecos que são gerados nos profissionais envolvidos nessa situação, gerando informações válidas para a compreensão de todo o processo da mudança. A análise das entrevistas individuais representou a interpretação dos empregados quanto à realidade do seu trabalho. Em primeiro lugar, verificou-se de que forma as mudanças organizacionais ocorrem na empresa e como o trabalho atua como fonte de insatisfação, sofrimento, frustração, estresse e insegurança na vida profissional e, em especial, na vida pessoal. Em segundo lugar, analisou-se como o trabalho contribuiu para a satisfação das necessidades psicossomáticas e aspirações dos empregados, servindo como mecanismo de auto-afirmação e crescimento pessoal. E, finalmente, abordou-se como o sofrimento é enfrentado no cotidiano. 12

13 A hermenêutica do discurso mostra que os principais impactos que sofrem os indivíduos quando as empresas implementam mudanças nos processos organizacionais é a insegurança advinda da instabilidade. Não saber o que virá depois das mudanças ou qual será a sua importância para empresa após a transformação, deixa os empregados sujeitos a um alto nível de estresse, que tem se refletido, freqüentemente, no âmbito de suas relações pessoais. Apesar dos sujeitos da pesquisa manifestarem sinais de estresse em períodos de mudança, os empregados procuram manter o equilíbrio no ambiente profissional para não demonstrar insegurança e evitar a geração de problemas. Por outro lado, os impactos ora suprimidos na esfera profissional tem demonstrado seus resultados na vida pessoal dos empregados. A pesquisa leva a crer que essa postura é assumida na tentativa de evitar que os gestores os vejam como resistentes às mudanças, o que poderia colocá-los em uma posição delicada, entrando na lista das prováveis demissões que, os empregados normalmente acreditam, ocorrerão após a reestruturação e automatização dos processos. No âmbito da ação profissional, o impacto gerado por situações de mudança é ocultado e reprimido, enquanto na esfera pessoal o trabalhador tem sofrido com as mudanças, instabilidade, incertezas e o mal-estar provocado por elas. Danos à saúde e às relações familiares foram freqüentemente apontadas, ainda que tenham sido consideradas conseqüências naturais dos dias modernos de trabalho. Essa realidade parece ser uma escolha tomada com base na racionalidade material dos seres humanos. Como a esfera profissional é mais vulnerável, o empregado utiliza a solidez das relações pessoais tanto para descarregar suas frustrações como para recarregar suas forças. A família, normalmente, suporta maiores pressões sem abandoná-lo, enquanto no mundo dos negócios impera a máxima de que ninguém é insubstituível. Em sínteses: (a) os profissionais reconhecem que as mudanças são necessárias à sobrevivência da empresa, todavia provocam alto nível de estresse e instabilidade no âmbito profissional; (b) devido à instabilidade, os reflexos da mudança não são expostos na esfera profissional, restando-lhes as relações e atividades pessoais como catalisadores para o descarregamento de sentimentos negativos e recarregamento de forças para enfrentar as turbulências no ambiente empresarial. A pesquisa tem os limites dos estudos de caso, conforme assinalam os metodólogos. Mesmo em situações onde cuidados especiais para validação das informações gerais foram tomados, não é possível fazer inferências importantes. A repetição dos estudos daria o que Yin (2001) chama de validação interna e externa para melhor generalização das evidências aqui apontadas, ou seja, que as mudanças estão gerando forte impacto na vida pessoal dos profissionais e instabilidade emocional, posto que são mudanças longas, profundas e que dificultam a visualização de horizonte de estabilidade vindouro. Referências ABRAHAMSON, E. Change without pain. Harvard Business Review, Boston, v. 78: 75-79, jul/ago ALMEIDA, M. L. P. Tipos de pesquisa. In:. Como elaborar monografias. 4. ed. rev. e atual. Belém: Cejup, cap. 4, p BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: edições 70, BRANT, L. C.; DIAS, E. C. Trabalho e sofrimento em gestores de uma empresa pública em reestruturação. Cad. Saúde Pública v.20 n.4 Rio de Janeiro jul./ago CHANLAT, J. F. (Org.).O Indivíduo na Organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, v (Org.).O Indivíduo na Organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, v a. 13

14 . (Org.).O Indivíduo na Organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, v b.. Ciências Sociais e Management: reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas, CLEGG, C.; WALSH, S. Change Management: Time for a Change! European Journal of Work and Organizational Psychology. v. 13 (2): , CORETH, E. Questões fundamentais de hermenêutica. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. São Paulo: FGV, A loucura do trabalho: estudo da psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez, Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In: CHANLAT, J. F. (Org.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. 2 ed., São Paulo: Atlas, 1993, v. I. DEJOURS, C.; DESSORS, D.; DESRIAUX, F. Por um trabalho, fator de equilíbrio. Revista de Administração de Empresas RAE, São Paulo, 33(3): , mai./jun DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E.; JAYET, O. Psicodinâmica do trabalho: contribuição da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, FERREIRA, M. C.; MENDES, A. M. Só de pensar em vir trabalhar, já fico de mau humor : atividade de atendimento ao público e prazer-sofrimento no trabalho. Revista Estudos de Psicologia, Natal, v. 6, nº. 1, p , FREUD, S. Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, GIL, Antônio Carlos, Métodos e técnicas de Pesquisa Social São Paulo, Atlas, 5ª. ed. GROUARD, B.; MESTON, F. A Empresa em Movimento. Rio de Janeiro: Elsevier, HEGEL, G.W.F. A fenomenologia do espírito. 2a Ed. Petrópolis: Editora Vozes; LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Pesquisa. In: Técnica de pesquisa. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, cap. 1, p MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, MARCONI, M.; LAKATOS, E. M. Técnica de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, MENDES, A. M.; MORRONE, C. F. Vivências de prazer-sofrimento e saúde psíquica no trabalho: trajetória conceitual e empírica. In: MENDES, A. M; BORGES, L. de O. ; FERREIRA, M. C. (Orgs.). Trabalho em transição: saúde em risco. Brasília: Ed. da UnB, MENDES, A. M.; TAMAYO, A. Valores organizacionais e prazer: sofrimento no trabalho. PSICO-USF, v. 6, n. 1, p , MENDES, A. M.; COSTA, V. P. ; BARROS, P. C. R. Estratégias de enfrentamento do sofrimento no trabalho bancário. Revista Estudos e Pesquisas Em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p , MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 8. ed. Petrópolis: Vozes, RICHARDSON, R. J.; e colaboradores PIRES, J. A. S. e outros. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. São Paulo: Atlas, ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 3 ed., São Paulo: Atlas, SCHUMPETER, J. A. Teoria do Desenvolvimento Econômico Uma Investigação Sobre Lucros, Capital, Crédito, Juro e o Ciclo Econômico. São Paulo: Editora Nova Cultural Ltda, 3 a edição, SELLTIZ, C.; COOK, S.; WRIGHTSMAN, L. Métodos de pesquisa nas relações sociais. v. 1, São Paulo: EPU, WHITEHAD, A. N. O conceito de natureza. Lisboa: Edições 70,

15 YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman,

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO 1 PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Daniele Almeida Duarte Mariana Devito Castro Francisco Hashimoto Resumo: É fato que o indivíduo, quando é

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO DE MULHERES MILITARES E SUAS RELAÇÕES COM O PODER

SOFRIMENTO PSÍQUICO DE MULHERES MILITARES E SUAS RELAÇÕES COM O PODER SOFRIMENTO PSÍQUICO DE MULHERES MILITARES E SUAS RELAÇÕES COM O PODER Joice de Lemos Fontes 1 O presente trabalho é fruto de uma pesquisa que objetivou investigar a existência de sofrimento psíquico em

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR Fabiane da Fontoura Messias de Melo 1 Melissa Andréa Vieira de Medeiros 2 Introdução O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

De mãos dadas: RH e marketing

De mãos dadas: RH e marketing De mãos dadas: RH e marketing A união de RH e marketing é um dos melhores caminhos para a sobrevivência de uma empresa - e das próprias áreas Não é incomum, em tempos de turbulência e incertezas econômicas,

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO Elizabeth Braz Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Vanessa Barros Santi Annelise de Oliveira Rodrigues Priscila Conde Bogo

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Des estresse! 01. Afinal de contas, o que é estresse?

Des estresse! 01. Afinal de contas, o que é estresse? Akira Nakao Des estresse! Você é competitivo, estressado, equilibrado, acomodado, tranquilo ou couraceiro? Lembra do material da nossa primeira semana? 01. Afinal de contas, o que é estresse? É um mecanismo:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra Os Desafios na Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Agenda Análise de contexto Conceitos básicos Papel da Pessoa na Gestão da Carreira Análise de Contexto Mudança de Referências

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 SILVEIRA, J.F²; BRANDT, B. O²; CORRÊA, D. M. W²; POTRICH, A. C. G³; ROHDE, C. L. C 4. 1 Trabalho de Pesquisa 2 Psicóloga,

Leia mais

George Vittorio Szenészi

George Vittorio Szenészi A Semana > Entrevista N Edição: 2173 01.Jul.11-21:00 Atualizado em 07.Jul.11-15:47 George Vittorio Szenészi "Inteligência sem emoção não funciona" O psicoterapeuta diz como a capacidade de lidar bem com

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

Como transformar Grupos em Equipes

Como transformar Grupos em Equipes Como transformar Grupos em Equipes Caminhos para somar esforços e dividir benefícios Introdução Gestores de diversos segmentos, em algum momento de suas carreiras, deparam-se com desafios que, à primeira

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Perda dos Entes Queridos Palestrante: Mauro Operti Rio de Janeiro 08/05/1998 Organizadores da palestra: Moderador: Macroz (nick:

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

Serasa Experian e Educação Financeira

Serasa Experian e Educação Financeira Família e Dinheiro FAMÍLIA E DINHEIRO Serasa Experian e Educação Financeira O Programa Serasa Experian de Educação Financeira Sonhos Reais é uma iniciativa que alia o conhecimento em crédito da empresa

Leia mais

A filosofia ganha/ganha

A filosofia ganha/ganha A filosofia ganha/ganha Interdependência Talvez nunca tenha existido, na história da humanidade, uma consciência tão ampla sobre a crescente interdependência entre os fatores que compõem nossas vidas,

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1.

PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1. GRECO, ROSANGELA MARIA 2 Objetivo

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

Modulo 4. Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação

Modulo 4. Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação Metodologia de Estudo e de Pesquisa em Administração Modulo 4 Principais instrumentos de coleta de dados. Entrevista Questionário Formulário Observação Triangulação UAB - UNEMAT Prof. Dr. Marcos Luís Procópio

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Socióloga - Consultora em Gestão de Pessoas - Personal & Professional Coach 1. Cenários organizacionais: Como delimitar

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL (JANELA JOHARI) É constituído de 20 situações possíveis de ocorrer dentro de uma empresa, composto por duas afirmativas de resposta em cada. O usuário deve analisar qual

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

Liderança com foco em resultados

Liderança com foco em resultados Liderança com foco em resultados Como produzir mais, em menos tempo e com maior qualidade de vida. Introdução O subtítulo deste texto parece mais uma daquelas promessas de milagres. Independentemente de

Leia mais

Clima Organizacional. Como mensurar e melhorar

Clima Organizacional. Como mensurar e melhorar Clima Organizacional Como mensurar e melhorar Índice Clique para navegar pelo material Capítulo 1 O que é o Clima Organizacional Capítulo 2 Clima Organizacional x Cultura Organizacional Capítulo 3 O impacto

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico Cultura e Clima Organizacionais Aula 3 Profa. Me. Carla Patricia Souza Organização da Aula Cultura e mudança Impactos da mudança Resistência à mudança Mudança: um Mal Necessário Contextualização O ambiente

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

GLEISON CORTINA BENASSI OBJETIVOS PROFISSIONAIS. Áreas: Gestão Empresarial; Gestão Administrativo-Financeira; Comercial; Nível Hierárquico: Gerente

GLEISON CORTINA BENASSI OBJETIVOS PROFISSIONAIS. Áreas: Gestão Empresarial; Gestão Administrativo-Financeira; Comercial; Nível Hierárquico: Gerente GLEISON CORTINA BENASSI Estado Civil Casado, com filhos. Telefone (62) 8141-9485 - (62) 9693-2773 Natural Erechim - RS E-mail benassirs@gmail.com Redes Sociais Facebook: Gleison Benassi Linkedin: Gleison

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas

Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas Franci Daniele Prochnow (CEFET-PR) francidaniele@yahoo.com Dr. Magda Lauri Gomes Leite (CEFET-PR) magda@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra UNESP - Botucatu Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Prof. Joel Dutra Professor-Livre Docente da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo FEA-USP,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

A importâ nciâ dâ tecnologiâ dâ informâçâ o nâs empresâs

A importâ nciâ dâ tecnologiâ dâ informâçâ o nâs empresâs A importâ nciâ dâ tecnologiâ dâ informâçâ o nâs empresâs RESUMO O presente artigo visa apresentar a importância das Tecnologias de Informação no gerenciamento das empresas de forma ágil e eficaz, demonstrando

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE 399 A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE Maryana Barrêtto Pereira¹; Solange Mary Moreira Santos² e Kamilla de Fátima Magalhães

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins - GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/5 Lucros Bons e Lucros Ruins Podemos pensar que lucrar é sempre bom,

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

Curso Introdução ao Secretariado Empresarial

Curso Introdução ao Secretariado Empresarial Seja bem Vindo! Curso Introdução ao Secretariado Empresarial CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 20hs Conteúdo Programático: 1. Um novo perfil 2. Da era da máquina datilográfica à internet 3. Um perfil

Leia mais

QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA?

QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA? QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA? Sonhos, Execução e Responsabilidade. ROBERTO FERMINO (ROCO) Q uer saber... Esta semana você é minha prioridade! Fiquei tão movido pelas dúvidas e mensagens de apoio que o mínimo

Leia mais

Mobilização de Equipes para Alta Performance

Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Pessoas liderar é influenciar pessoas para que desenvolvam motivação para fazer o que "deve" ser feito com vontade e com o máximo de seu potencial

Leia mais

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial Começo minha reflexão de hoje pensando um pouco na história da Administração, nos princípios de gestão e formas como as empresas hoje são geridas.

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM ALCANÇAR OS SEUS OBJETIVOS E OUTRAS NÃO?

POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM ALCANÇAR OS SEUS OBJETIVOS E OUTRAS NÃO? PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZAÇÃO NO TRABALHO Doutorando - UFG romeumontes@gmail.com Rio Verde GO, agosto de 2012 POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM ALCANÇAR OS SEUS OBJETIVOS E OUTRAS NÃO?

Leia mais

Classes de restrições ao lazer:

Classes de restrições ao lazer: 6 Resultados Através das entrevistas, no primeiro momento foram identificadas as restrições ao lazer pelo método da redução de dados por dedução, aonde de acordo com Motta (2008), o pesquisador parte de

Leia mais

CONHECIMENTO POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM REALIZAR OS SEUS PROJETOS E OUTRAS NÃO? MUDANÇAS DE PARADIGMAS

CONHECIMENTO POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM REALIZAR OS SEUS PROJETOS E OUTRAS NÃO? MUDANÇAS DE PARADIGMAS GESTÃO ESTRATÉGICA E EMPRESARIAL ELABORAÇÃO DE PROJETOS Prof. Carlos Romeu Montes Lopes romeumontes@gmail.com Rio Verde GO POR QUE ALGUMAS EQUIPES CONSEGUEM REALIZAR OS SEUS PROJETOS E OUTRAS NÃO? INCONVENIENTE

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual Por: Rosana Rodrigues Quando comecei a escrever esse artigo, inevitavelmente fiz uma viagem ao meu passado. Lembrei-me do meu processo de escolha de carreira e me dei conta de que minha trajetória foi

Leia mais

Atividade - Sequência Conrado Adolpho

Atividade - Sequência Conrado Adolpho Atividade - Sequência Conrado Adolpho Agora, eu quero lhe apresentar os 6 e-mails do conrado adolpho para vender o 8ps. Quero que você leia está sequência com muita atenção e, depois, responda às provocações

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA. Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Diagnóstico

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA. Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Diagnóstico PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Foco do programa O desenvolvimento de habilidades gerenciais e capacidades de liderança passa pelo

Leia mais

JUSTIFICATIVA. Grupo de Pesquisa: GEPEL - Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade. 1 Composição de Guilherme Arantes e Jon Lucien.

JUSTIFICATIVA. Grupo de Pesquisa: GEPEL - Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade. 1 Composição de Guilherme Arantes e Jon Lucien. A LUDICIDADE COMO CAMINHO PARA A RESILIÊNCIA EM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM SITUAÇÃO DE ESTRESSE OCUPACIONAL PEREIRA, Fernanda Almeida UFBA GT-04: Didática Resumo Atualmente, no Brasil, estudos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: O OLHAR DOS EMPREGADOS NUMA SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: O OLHAR DOS EMPREGADOS NUMA SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: O OLHAR DOS EMPREGADOS NUMA SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA Esse trabalho consiste numa pesquisa acerca dos sentidos que os empregados atribuem ao Sistema de Avaliação de Desempenho

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE OFICINAS DE ARTESANATO COM USUÁRIOS DO CAPS AD NO MUNICÍPIO DE CANOAS-RS. Introdução

O DESENVOLVIMENTO DE OFICINAS DE ARTESANATO COM USUÁRIOS DO CAPS AD NO MUNICÍPIO DE CANOAS-RS. Introdução O DESENVOLVIMENTO DE OFICINAS DE ARTESANATO COM USUÁRIOS DO CAPS AD NO MUNICÍPIO DE CANOAS-RS GT 7 - Economia solidária e sustentabilidades Relato de experiência SOUZA, Égon Ferreira 1 RESUMO O presente

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

Atividade Extra. Como fazer seu Projeto de Vida

Atividade Extra. Como fazer seu Projeto de Vida Atividade Extra Criação Andrea Fiuza - 2011 Como fazer seu Projeto de Vida Por definição projeto é um empreendimento único, com inicio e fim determinados, que utiliza recursos e é conduzido por pessoas,

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

STRATEEGIA. Soluções Empresariais PORTFÓLIO PALESTRAS. A estrada para o sucesso passa pela Strateegia

STRATEEGIA. Soluções Empresariais PORTFÓLIO PALESTRAS. A estrada para o sucesso passa pela Strateegia STRATEEGIA Soluções Empresariais PORTFÓLIO PALESTRAS A estrada para o sucesso passa pela Strateegia Quem somos nós Somos uma empresa de educação corporativa com foco em estratégias empresariais, prestando

Leia mais

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social ADAPTAÇÃO ESCOLAR O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social Lélia de Cássia Faleiros* Esse tema ADAPTAÇÃO ESCOLAR - tem sido motivo de grandes inquietações, principalmente

Leia mais