Simulação da Extrusão de PEAD. Utilizando Diferenças Finitas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simulação da Extrusão de PEAD. Utilizando Diferenças Finitas"

Transcrição

1 A R T G Simulaçã da Extrusã de PEAD e de Blendas de PEAD/PELUAPM Utilizand Diferenças Finitas Rsari E. S. Bretas e Carls J. F. Granad* Resum: A equaçã cnstitutiva de Criminale-Ericksen-Filbey (CEF) fi utilizada para calcular pnt de peraçã para a extrusã de plietilen de alta densidade (PEAD) de diferentes pess mleculares ede suas blendas cm plietilen linear de ultra alt pes mlecular (PELUAPM). A viscsidade dependente da taxa de cisalhament e ceficiente da primeira diferença de tensões nrmais fram btids apartir de dads experimentais de um reômetr capilar. A equaçã característica da rsca fi calculada utilizand métd de diferenças finitas centrais. Para cmparar, essa equaçã fi também calculada utilizand a equaçã da lei das ptências. A equaçã característica da matriz fi btida apartir da lei das ptências. À temperaturas menres, aequaçã de CEFprprcinu melhres resultads. Palavras-Chave: Extrusã, blendas, equações relógicas de estad. TRODUÇÃO A elasticidade d fundid é de extrema imprtância em prcessament de plímers, especialmente na mldagem a spr, fiaçã e utrs prcesss relacinads à extrusã [1,2]. Entretant, para a simulaçã desses prcesss us de equações cnstitutivas viscelásticas [3.4] requer lngs cálculs e a utilizaçã de parâmetrs essencialmente teórics. Assim, equações empíricas cm a da lei das ptências [5] e de ajuste plinmial [6] ainda sã utilizadas na simulaçã d cmprtament d plímer fundid a altas taxas de cisalhament, devid a sua simplicidade. este trabalh utilizams uma equaçã relógica de estad, a equaçã de CEF [7], para cálcul d pnt de peraçã teóric de uma extrusra de rsca única, assumind cndições istérmicas [8]. T= - 7J Y - (1/2 l/j, + l/j2) {Y. Y} + 1/2 l/jl OY (1) Ot nde: T= tensã; Y=taxa de cisalhament; 7J =viscsidade em cisalhament; l/j, = ceficiente da primeira diferença de tensões nrmais; l/j2 = ceficiente da segunda diferença de tensões nrmais; t= temp Bt derivada de Jaumann. Essa equaçã englba, simplificadamente, cmprtament viscelástic característic de plímers fundids. Para a simulaçã, fram utilizads três PEAO de diferentes pess mleculares euma blenda 9/1 d PEAO 1/ PELUAPM. Os dads relógics experimentais fram empregads para calcular s parâmetrs dessa equaçã e métd de diferenças finitas central para reslver as equações dinâmicas de cnservaçã de quantidade de mviment. Prpriedades ds plímers EXPERMETAL Rsari E. S. Bretas Departament de Engenharia de Materiais-Universidade Federal de Sã Carls Sã Carls, SP Carls J. F. Granad * Departament de Engenharia de Materiais-Universidade Estadual de Pnta Grssa Pnta Grssa, PR. (mandar crrespndência para *) Plímers: Ciência e Tecnlgia - Jul/Set-92 37

2 A Tabela apresenta pes mlecular médi pnderai a\;\/y,) e num~iclm n!. eadistribuiçã de pess mleculares {PM =M/MnJ ds PEA e PELUAPM (Plialden Petrquímica SAl. TABELA Plímer M M DPM PEA ,41 PEA ,49 PEA ,65 PELUAPM 3,5-4.10' Dads relógics A viscsidade em cisalhament YJ e inchament d extrudad f3 =O/ De' nde O=diâmetr d extrudad e De =diâmetr d capilar. fram btids num Reômetr Capilar nstrn, mdel 3211, usand capilares cm L/De , send L= cmpriment d capilar. Oinchament d extrudad fi medid após recziment em óle de silicne ( Crning 200/5, p =0,92 g/cm 3 ) a 130 ± tc para s PEA e140 ± tc para as blendas durante 25 minuts. Para evitar perda de massa ds plímers durante recziment, fi adicinad a óle de silicne um antixidante, rganx 1010 [3-(3,5 di-tert.butil dihidrxifenil) prpianat]. Pr análise de infravermelh fi cnfirmada a ausência d óle nas amstras pliméricas ( cm-, banda de Si-O) e d plímer n óle (2920, 2850, 1470, 1460,730 e720 cm-, vibrações de CHzl. O ceficiente da primeira diferença de tensões nrmais,!/j, fi calculad a partir da equaçã de Tanner [9], f3 =0,1 +(1 +1/2 SR2) 1/6 nde: SR =('T" send que:!/j =('Tl - Extrusã - 'T22 )/ 2'T 2(cisalhament recuperável!. 'T22)/ Y~ (2) A vazã experimental Qe a queda de pressã LlP fram medidas numa extrusra de rsca única (Pugliese) cm mstrad na Figura 1, cm as seguintes especificações: Os =diâmetr da rsca =4,5 cm; L s =cmpriment da rsca =108 cm; B= prfundidade d canal = 0,4 cm; =ângul da hélice =17'; =largura d canal da rsca =3)5 cm. A matriz pssuia um diâmetr d=0,31 cm ecmpriment Lm= 2,99 cm. Artaçã da rsca variu entre 5-70 rpm. Simulaçã Para a aplicaçã da equaçã de CEF, canal helicidal da rsca fi "desenrlad" cm mstrad na Figura 2 [8]. Fig.2- Gemetria d canal helicidal da rsca desenrlad As seguintes supsições fram feitas para a análise: 1. Oescament é independente d temp; 2. Oescament é laminar; 3. Oescament é cmpletamente desenvlvid; 4. ã há escrregament na parede; 5. Escament incmpressível; 6. Frças da gravidade sã desprezadas; 7.!/J2 écnsiderad desprezível. Apl icand a equaçã cnstitutiva de CEF à equaçã de cnservaçã de quantidade de mviment, e assumind regime permanente cm as cndições de cntrn: T 1 nde U= velcidade da rsca. Terems que a cmpnente x será: U=7T s {U,=U, (V) Uy =O U, =U, (x,v)!/j2 =O Fig.1 - Gemetria da rsca da extrusra O=~ +~ ~, ax av YJ av (3) 38 Plímers: Ciência etecnlgia - Jul/Set-92

3 Ea cmpnente zserá: 0= _dj +L [17 ~(+ ~ [0/1 au xill] az ax ax ax ay ay _ll 0/1 Ux~z~ ~zl+l~ r0/1 aux au,] 2 ax ax 2 ay ay 2 ay l ay ax ax Xi+1 - Xi-1 e (5) ai L\i + + L\ia2x \+1 +(L\i +/ L\i -) _Xi )- (1 + L\i +/ L\i -). Xi(6) a i 2 1/2 [(L\i+)2 +L\i +. L\i-) A equaçã característica da rsca fi calculada sujeita às seguintes cndições de cntrn: Ux(0)=0 Uz(-W/2,y)=0 Uz(x,O)= O iwz] _ljl 0/1 Ux[d... 2 ay ax ay Para reslver esta equaçã fi empregad métd de diferenças finitas central [lo], n qual as derivadas pa~ciais pdem ser aprximadas pr: Ux(B)=Ux U,(W/2,y) =O U z (x,b) =U canal da extrusra fi dividid numa rede de pnts nã equidistantes ns eixs x e z. A vazã é calculada através ds valres btids de velcidade para uma dada queda de pressã, fazend a smatória da multiplicaçã das velcidades n pnt i pela área a redr desse pnt. Quand a diferença entre avazã anterir eaatual é mair que a diferença estipulada, nvas velcidades sã calculadas. Quand a diferença é menr, a vazã é calculada para uma nva pressã [11]. Os dads de viscsidade em cisalhament e primeira diferença de tensões nrmais fram btids através de ajuste plinmial de segunda rdem ds dads relógics experimentais. A equaçã característica da matriz fi calculada utilizand a equaçã da lei das ptências, n't {-º-} 3 Q= 2 1+3n nde: d ]l/ n "2 L\P [ 2mL n= índice da lei das ptências; m= cnsistência d fundid. eassumind que Vr = Ve = OeVz =Vz(r). send V=velcidade d plímer na matriz. A Tabela apresenta s dads experimentais usads na simulaçã e as taxas de cisalhament na rsca e matriz, i'r e i'm, respectivamente. Plímers: Ciência e Tecnlgia - Jul/Set-92 (4) (7) Ē... z'" Cl <[ Cl u'" :> = , A PEAD 1 ler 10 g 2,3 <[ 2,2 a: ~ 2;1 g 2,0 ~ 1,9 ~ 1,8 ::: ~ 1,7 Cl 1,6.<[ <[ a: 2,4 1,5 1,4 PEAD 2 PEAD 3 BLEDA i TAXA DE CSALHAMETO (ç') J Fig.3 - Viscsidade x Taxa de cisalhament para s PEAD (T=190 C) e para BLEDA (T=240ºC) 1, x10 3 TAXA DE C/SALHAMETO (ç') ' ~~-- -- Fig.4 - Razã de inchament d Extrudad x Taxa de Cisalhamenta para s PEAD (T=190ºC) e para BLEDA (T=240ºC) RESULTADOS EDSCUSSÃO As Figuras 3, 4 e 5 mstram a viscsidade d fundid, inchament d extrudad e ceficiente da primeira diferença de tensões nrmais a 190 C (hmplímers) e a 240 C (blenda). Cm esperad, aviscsidade aumentu cm aument d pes mlecular ataxas de cisalhament baixas emédias. Entretant, a altas taxas de cisalhament, PEAD 3, devid a sua mair distribuiçã de pes mlecular, tem uma viscsidade menr que PEAD 2. Ous de 10% em pes de PELUAPM aumenta levemente aviscsidade. OPEAD 3apresentu um cmprtament de inchament d extrudad diferente. Àbaixas taxas de cisalhament seu inchament fi menr que s PEAD 1e 2, cntrári a aument d inchament esperad cm aument d pes mlecular [12]. Oinchament da blenda fi menr que inchament ds PEAD, devid prvavelmente que a temperatura utilizada fi mair. 39

4 31'103~--tr , D. PEAD 1 BLEDA 9 e z"'... "' 7 "'e ;z u 6 -' c::i.<t c.: 5 <t U TAXA DE CSALHAMETO, PEAD 2 c PEAD 3 Fig.S - Ceficiente da Primeira Diferença de Tensões rmais (C.P.DT.) para s PEAD (T=190 C) e para BLEDA (T=240 C). TABELA 11 Plímer T i'r Yrn 1/0(*) m(**) (Oe) (rpm) (s-l) (s-l) (s"/cm) PEADl ,3 0, "' PEADl , ,974 0,506 E u PEAD , ,522 3,577 PEAD , ,781 2,306 '<t PEAD , ,525 32,513 PEAD , ,599 12,160 BLEDA9/ , ,203 0,454 BLEDA , ,150 0, Oll!,--O-...Q:=F:::::: L-----L..-_~ O QUEDA DE PRESSÃO ( /cm z ) O CEF C EXP C YMATRZ-210C v LP C Fig. 7-Vazã x Queda de Pressã para PEAD 2, nde EXP = Experimental e LP = Lei das Ptências. <t 12~ =---r-----' (*) n=alg T alg y, calculad em Ym. (**) pr extraplaçã das curvas de viscsidade em cisa hament versus taxa de cisalhament QUEDA DE PRESSÃO /cm 2 ) Fig. 8 - VazãO x Queda de Pressã para PEAD 3, nde EXP = Experimental e LP = Lei das Ptências. 15,0 llcef - '190COCEF _ 2100C, EXP C EXP C c MATRZ-190 C YMATRZ -210 C a LP C v LP C 10r = ,-~ llcef C 'EXP C c MATRZ-240 C 8 alp-240c '10,... "' 1 7,5 '<t 5,0, 6 "'e u '<t ~ O OUEDA DE PRESSÃO ( / cm 2 ) Fig. 6 - Vazã x Queda de Pressã para PEAD 1, nde EXP = Experimental e LP = Lei das Ptências Ó--~~~-6"J0L,,0'-----~90~0~'-1~2i'1iOOO->-15(1500 QUEDA DE PRESSÃO /cm 2 ) Fig. 9 - Vazã x Queda de Pressã para a Blenda 9/1, nde EXP = Experimental e LP = Lei das Ptências. ~ Plímers: Ciência e Tecnlgia - Jul/Set-92

5 100 li PEAD 1-CEF 80 PEAD 1 - LP PEAD 2-CEF 60 PEAD2-LP O PEAD 3-CEF _ 40 PEAD 3 - LP BLEDA-CEF * ~ 20 v BLEDA-LP :: lu l---~~------"'~ j TEMPERATURA roc) Fig Err x Temperatura Para fazer uma cmparaçã, as curvas de Qversus ilp fram também calculadas utilizand a equaçã da lei das ptências. As Figuras 6, 7, 8 e 9 mstram essas simulações a C e C (hmplímers) e 240 C (blenda). A figura 10 mstra uma curva de err (E) versus temperatura, nde E = [ (vazã calculada - vazã experimental) / vazã experimental] xl 00. Oerr cai cm aument da temperatura, independente d plímer e da equaçã cnstituitiva utilizada na simulaçã. A equaçã de CEF deu melhres resultads para s PEAD 1 e 3, às temperaturas menres. Cnsiderand pes mlecular, pde ser bservad que quant mair seu valr, mair será err intrduzid utilizand a equaçã de CEF. Em relaçã à distribuiçã de pes mlecular, um aument nesse parâmetr prduz um aument n err, independente da equaçã empregada. COCLUSÕES Medidas de elasticidade d fundid cnjuntamente cm uma equaçã cnstitutiva adequada, que incrpra esses parâmetrs, pdem prprcinar uma melhr simulaçã d prcessament d plímer. Quand a simulaçã é istérmica, prtant lnge d prcess real, a equaçã da lei das ptências cntinua send uma aprximaçã válida. Cntud, prcess de extrusã é sabidamente nã istérmic; nesse cas a elasticidade d fundid influirá marcantemente cálcul d pnt de peraçã, já que ela é um parâmetr dependente da temperatura. esse cas, a equaçã de CEF pderá apresentar melhres resultads. Àtemperatura de 190 C, s valres btids util izand a equaçã de CEF fram mais próxims as experimentais. ss pde ser explicad pel fat de que àtemperaturas mais baixas, s efeits elástics serã mais prnunciads. AGRADECMETOS À Plialden Petrquímica S.A., à FAPESP (Cntrat º 87/2699-5) e a CPq (401470/88-1MM/FV/PQ) pel suprte financeir. REFERÊCAS BBLOGRÁFCAS 1. BRETAS. R. E. S.; POWELL R. L. - "Dynamic and Transient Rhelgical Prperties f Glass Filled Plymer Melts, Rhelgica Acta, 24, 69-74, (1985)". 2. BRETAS, R. E. S.; BRETAS,. G. - "Sftare para Cálcul das Prpriedades Viscelásticas e Estruturais de Plímers Fundids, "Anais d 7º CBECMAT. UFSC, Flrianóplis, p , (1986). 3. SHROFF, R..; SHDA. M. - "Applicatin f a Cnstitutive Equatin t Plymer Melts", Jurnal f Applied Plymer Science, vl 26, , (1981 ). 4. MTSOULlS, E.; VLACHOPOULOS, J. - "A umerical Study f the Effect f rmal Stress and Elngatinal Viscsity n Entry Vrtex Grth and Extrudate Sell", Plymer Engneering and Science, vl. 25, , (1985). 5. RAUWEDAAL C. - "Thrughput-Pressure Relatinships fr Per La Fluids in Single Scre Extruders", Plymer Engineering and Science, vl. 26, , (1986). 6. AGUR, E. F.; VLACHOPOULOS, J. - "A Cmputer Mdel f a Single-Scre Plasticating Extruder", Plymer Engineering and Science, vl. 22, , (1982). 7. BRD, R. B.; ARMSTROG, R. C.; HASSAGER, O. "Dynamics f Plymeric Liquids", vl. 1, 2º ed., Jhn Wiley & Sns, e Yrk (1987). 8. MDDLEMA, S. - "Fundamentais f Plymer Prcessing" McGra Hill Bk C, eyrk, (1977). 9. TAER, R. - "A Thery f Die-Sell", Jurnal f Plymer Science, Part A-2, 8, , (1970). 10. CROCHET. M. J.; DAVES, A. R.; WALTERS, K. - "umerical Simulatin f n-etnian Fl", Elsevier Pub. C., e Yrk (1984). 11. GRAMADO, C. J. F. - "Simulaçã de um Prcess de Transfrmaçã de PEAD ede suas Blendas cm Peluapm", DE Ma-UFSCar, 1990, 123p, (Mestrad). 12. LA MATA. F. P.; VALEZA. A.; ACERO, D. - "A Cmprehensive Experimental Study f the Rhelgical Behaviur f HDPE.. Entrance Effect and Shear Viscsity Results," Rhelgica Acta, 22, , (1983). Plímers: Ciência e Tecnlgia - Jul/Set-92 41

Palavras-chave: Polipropileno, degradação, extrusão reativa, 2,S-dimetil-2,S-di-(t-butil-peróxi)-hexano, 2,S-di-(butilperóxi)-hexino-3.

Palavras-chave: Polipropileno, degradação, extrusão reativa, 2,S-dimetil-2,S-di-(t-butil-peróxi)-hexano, 2,S-di-(butilperóxi)-hexino-3. A R T I G Degradaçã ntrlada de Pliprpilen Marisa C.G. Rcha, Fernanda M.B. Cutinh e Stephen Balke Resum: Pliprpilen fi degradad em extrusra, utilizand-se dis peróxids rgânics - Lupersl13 e Lupersl 101 -,

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas UNICAMP. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC. Pós-Graduação. Tópicos em Engenharia de Computação I

Universidade Estadual de Campinas UNICAMP. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC. Pós-Graduação. Tópicos em Engenharia de Computação I Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Faculdade de Engenharia Elétrica e de Cmputaçã FEEC Pós-Graduaçã Tópics em Engenharia de Cmputaçã I Métds de Pesquisa em Engenharia de Cmputaçã (IA364-M) Prf.

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

QUARTA EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES DE QUARTO DE ONDA EWALDO ÉDER CARVALHO SANTANA JÚNIOR EE06115-67 TURMA2

QUARTA EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES DE QUARTO DE ONDA EWALDO ÉDER CARVALHO SANTANA JÚNIOR EE06115-67 TURMA2 UNIVERSIDADE FEDERA DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOOGIA DEPARTAMENTE DE ENGENHARIA DA EETRICIDADE ABORATÓRIO DE ONDAS EETROMAGNÉTICAS QUARTA EXPERIÊNCIA DO ABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente,

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente, Questã 46 Um pequen crp é abandnad d repus, n pnt, situad a uma altura h, e atinge sl cm uma velcidade de módul v. Em seguida, mesm crp é disparad verticalmente para cima, a lng da mesma trajetória descrita

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

NO NORDESTE DO BRASIL (PERIODO 1977-81) Maria Marle Bandeira 1 Juan Carlos Ceballos;'~ e Bernardo Barbosa da Silva 2

NO NORDESTE DO BRASIL (PERIODO 1977-81) Maria Marle Bandeira 1 Juan Carlos Ceballos;'~ e Bernardo Barbosa da Silva 2 598 REGINALIZACA D REGIME DE ENERGIA ELICA N NRDESTE D BRASIL (PERID 1977-81) Maria Marle Bandeira 1 Juan Carls Ceballs;' e Bernard Barbsa da Silva 2 Departament de Ciências Atmsféricas Universidade Federal

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Lista de Exercícios Funções

Lista de Exercícios Funções PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Matemática Departament de Matemática Cálcul Dierencial e Integral I Lista de Eercícis Funções ) O gráic abai epressa a temperatura em

Leia mais

Transesterificação em Blendas de Polibutileno Tereftalato (PBT)

Transesterificação em Blendas de Polibutileno Tereftalato (PBT) A R T G Transesterificaçã em Blendas de Plibutilen Tereftalat (PBT) J. R. Decarlj* Resum: Blendas cntend pliésteres termplástics pdem sfrer transesterificaçã durante prcessament, resultand em rearranjs

Leia mais

Segmentação de Imagem

Segmentação de Imagem em pr bjectiv dividir a imagem em regiões u bjects segund um critéri Frequentemente resultad nã é uma imagem mas um cnjunt de regiões/bjects A precisã da fase de segmentaçã determina sucess u falha ds

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

Análise de Desempenho utilizando Diversidade de Transmissão e Multiplexagem Espacial em Malha Aberta para Redes LTE com Repetidores Fixos

Análise de Desempenho utilizando Diversidade de Transmissão e Multiplexagem Espacial em Malha Aberta para Redes LTE com Repetidores Fixos Análise de Desempenh utilizand Diversidade de Transmissã e Multiplexagem Espacial em Malha Aberta para Redes LTE cm Repetidres Fixs André Martins IT/ISEL Antóni Rdrigues IT/IST Pedr Vieira IT/ISEL Sumári

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS)

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS) ISCTE SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO An Lectiv 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II (Interpretaçã de Outputs de SPSS) Interval de Cnfiança para a Média Ppulacinal Ensai de Hipóteses para a Média

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Lista de exercícios de resistência ao cisalhamento dos solos

Lista de exercícios de resistência ao cisalhamento dos solos UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departament de Engenharia Civil Setr de Getecnia Paul Sérgi de Almeida Barbsa Lista de exercícis de resistência a cisalhament ds sls 1.ª ) Uma amstra de uma argila nrmalmente

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Avaliação das Propriedades Mecânicas de Material Polimérico Utilizado na Confecção de Caixas de Medição de Energia Elétrica

Avaliação das Propriedades Mecânicas de Material Polimérico Utilizado na Confecção de Caixas de Medição de Energia Elétrica Avaliaçã das Prpriedades Mecânicas de Pliméric Utilizad na Cnfecçã de Caixas de Mediçã de Energia Elétrica Ricard J. Ferracin Institut de Tecnlgia para Desenvlviment, Curitiba/PR Adhemar Ruvl Filh Departament

Leia mais

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica Lista de Exercíci COMPLEMENTAR de Termquímica e Termdinâmica 1) A água expande-se quand cngela. Quant trabalh realiza uma amstra de 100g de água quand cngela a 0 C e estura um can de água quand a pressã

Leia mais

ANÁLISE DOS PARÂMETROS DA EQUAÇÃO DE INFILTRAÇÃO DE KOSTIAKOV-LEWIS NA IRRIGAÇÃO POR SULCOS 1

ANÁLISE DOS PARÂMETROS DA EQUAÇÃO DE INFILTRAÇÃO DE KOSTIAKOV-LEWIS NA IRRIGAÇÃO POR SULCOS 1 167 Revista Brasileira de Engenharia Agrícla e Ambiental, v.3, n.2, p.167-172, 1999 Campina Grande, PB, DEAg/UFPB ANÁISE DOS PARÂMETROS DA EQUAÇÃO DE INFITRAÇÃO DE KOSTIAKOV-EWIS NA IRRIGAÇÃO POR SUCOS

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pntifícia Universidade Católica d S Faculdade de Engenharia LABOATÓO DE ELETÔNCA DE POTÊNCA EXPEÊNCA 4: ETFCADO TFÁSCO COM PONTO MÉDO ( PULSOS) OBJETO erificar qualitativa e quantitativamente cmprtament

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisã Bibligráfica 2.1. Tips de Defrmaçã N cncret sb carregament há três tips de defrmações: defrmações elásticas, defrmações plásticas e defrmações viscsas. Pde também existir uma cmbinaçã entre elas

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ASSIMILAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA PARA A DISPOSIÇÃO FINAL DOS EFLUENTES DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS

DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ASSIMILAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA PARA A DISPOSIÇÃO FINAL DOS EFLUENTES DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ASSIMILAÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA PARA A DISPOSIÇÃO FINAL DOS EFLUENTES DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS Rbsn Sarment (1) Engenheir Espec., M.Sc., Ph.D - Prfessr d Departament de Hidráulica

Leia mais

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura CAPÍTULO ETFCADOES A DODO.1 ETFCADO MONOFÁSCO DE MEA ONDA A DODO a) Carga esistiva Pura A estrutura d retificadr mnfásic de meia nda alimentand uma carga resistiva está representada na figura.1. v D D

Leia mais

Determinação da Distribuição do Peso Molecular do Perfluoropoliéter Através da Desti lação Fracionada

Determinação da Distribuição do Peso Molecular do Perfluoropoliéter Através da Desti lação Fracionada A R T I G Determinaçã da Distribuiçã d Pes Mlecular d Perflurpliéter Através da Desti laçã Fracinada em Alt Vácu Flavia Martellini e Selma Matheus Lureir Guedes* Resum: A distribuiçã d pes mlecular de

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 >

APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 > APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 > Ari Dias Turrer< 02 > Paul Jsé de Barrs RabeJ

Leia mais

5. Lista de Exercícios - Amplificadores e Modelos TBJ

5. Lista de Exercícios - Amplificadores e Modelos TBJ 5. Lista de Exercícis - Amplificadres e Mdels TBJ. Um TBJ tend β = 00 está plarizad cm uma crrente cc de cletr de ma. Calcule s valres de g m, r e e r π n pnt de plarizaçã. Respsta: 40 ma/; 25 Ω; 2,5 kω.

Leia mais

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO Cap. etificadres a Did 7 CAPÍTUO ETFCADOES A DODO. ETFCADO MONOFÁSCO DE MEA ONDA A DODO a) Carga esistia Pura (Figura.) () D D Fig.. etificadr mnfásic de meia nda cm carga resistia. Onde: ( ) sen( ) sen(

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Terremotos e Ressonância

Terremotos e Ressonância Ntas d Prfessr Terremts e Ressnância Pergunta em fc Cm mviment d sl causad pr um terremt afeta a estabilidade de edifícis de diferentes alturas? Ferramentas e materiais Dis pedaçs quadrads de madeira,

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

Questão 13. Questão 14. Resposta

Questão 13. Questão 14. Resposta Questã Uma empresa imprime cerca de.000 páginas de relatóris pr mês, usand uma impressra jat de tinta clrida. Excluind a amrtizaçã d valr da impressra, cust de impressã depende d preç d papel e ds cartuchs

Leia mais

Determinação do teor de gordura no leite através de parâmetros acústicos

Determinação do teor de gordura no leite através de parâmetros acústicos 40. SBAI - SimpósiBrasileir de Autmaçã Inteligente, Sã Paul, Sp, 08-10 de Setembr de 1999 Determinaçã d ter de grdura n leite através de parâmetrs acústics Fernand Bacaneli bacaneli@gacrux.mcca.ep.usp.br

Leia mais

Física FUVEST ETAPA. Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. b) A energia cinética (E c ) do meteoro é dada por:

Física FUVEST ETAPA. Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. b) A energia cinética (E c ) do meteoro é dada por: Física QUSTÃO 1 Uma das hipóteses para explicar a extinçã ds dinssaurs, crrida há cerca de 6 milhões de ans, fi a clisã de um grande meter cm a Terra. stimativas indicam que meter tinha massa igual a 1

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questã 1 Numa cidade d interir d estad de Sã Paul, uma prévia eleitral entre.000 filiads revelu as seguintes infrmações a respeit de três candidats A, B, ec, d Partid da Esperança (PE), que cncrrem a 3

Leia mais

Volume II Isolamento Térmico

Volume II Isolamento Térmico INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR TRANSFERÊNCIA DE CALOR (TCL) Vlume II Islament Térmic Curs Técnic Módul 2 Prf. Carls Babaid Net,

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Tecnologia de Fabricação de Pré-Impregnados para Compósitos Estruturais Utilizados na Indústria Aeronáutica

Tecnologia de Fabricação de Pré-Impregnados para Compósitos Estruturais Utilizados na Indústria Aeronáutica Tecnlgia de Fabricaçã de Pré-Impregnads para Cmpósits struturais Utilizads na Indústria Aernáutica Luiz C. Pardini e Rdlf J.C. Peres Resum: s pré-impregnads sã a matéria-prima básica para a manufatura

Leia mais

Capacitância e Capacitores

Capacitância e Capacitores Nessa prática, farems um estud sbre capacitres. erá intrduzid cnceit de capacitância e estudarems as leis de carga e descarga de capacitres, bem cm as regras de assciaçã desses elements de circuit. empre

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Estruturas de Concreto

Estruturas de Concreto Estruturas de Cncret ISSN 1519-4086 Númer 4 MODELOS DE PREVISÃO DA FLUÊNCIA E DA RETRAÇÃO DO CONCRETO JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Editra DUNAS Estruturas de Cncret é uma publicaçã seriada cm bjetiv de abrdar

Leia mais

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS CAPÍTULO 0 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS TRANSLAÇÃO DE EIXOS NO R Sejam O e O s eis primitivs, d Sistema Cartesian de Eis Crdenads cm rigem O(0,0). Sejam O e O s nvs eis crdenads cm rigem O (h,k), depis

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

(1) de Newton F=ma, se x(t) é a

(1) de Newton F=ma, se x(t) é a EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS E APLICAÇÕES Ana Maria S. Luz (anamluz@ul.cm.br - blsista PIBIC/CNPQ) e Prf. Dr. Francisc Júli Sbreira de Araúj Crrêa (fjuli@ufpa.br - rientadr), Departament de Matemática,

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Barras de FRP: Avaliando o Módulo de Elasticidade não Destrutivamente

Barras de FRP: Avaliando o Módulo de Elasticidade não Destrutivamente Barras de FRP: Avaliand Módul de Elasticidade nã Destrutivamente Prtasi F. Castr Resum: Um estud experimental fi realizad cm bjetiv de cntribuir cm desenvlviment de métds de ensais de avaliaçã das características

Leia mais

MODELAGEM DO TRANSPORTE PNEUMÁTICO VERTICAL EM FASE DILUÍDA: APLICAÇÕES EM TRANSFERENCIA DE CALOR E SECAGEM

MODELAGEM DO TRANSPORTE PNEUMÁTICO VERTICAL EM FASE DILUÍDA: APLICAÇÕES EM TRANSFERENCIA DE CALOR E SECAGEM UNVERSDADE ESTADUAL DE CAMPNAS FACULDADE DE ENGENHARA QUÍMCA Área de Cncentraçã: ENGENHARA DE PROCESSOS MODELAGEM DO TRANSPORTE PNEUMÁTCO VERTCAL EM FASE DLUÍDA: APLCAÇÕES EM A TRANSFERENCA DE CALOR E

Leia mais

JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Departamento de Materiais e Construção FURG, Rio Grande, RS e-mail: ed.dunas@mikrus.com.br

JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Departamento de Materiais e Construção FURG, Rio Grande, RS e-mail: ed.dunas@mikrus.com.br Teria e Prática na Engenharia Civil, n5, p1-10, Agst, 2004 Prcesss simplificads para cálcul de flechas de vigas de cncret armad Simplified prcedures t predictin f deflectins f reinfrced cncrete beams RESUMO

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação.

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação. Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris mdulares para sluções em sistemas industriais de mvimentaçã. 11/2012 Esquema de mntagem Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris para esteiras transprtadras Imagem

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

Circuitos de Corrente Alternada I

Circuitos de Corrente Alternada I Institut de Física de Sã Carls Labratóri de Eletricidade e Magnetism: Circuits de Crrente Alternada I Circuits de Crrente Alternada I Nesta prática, estudarems circuits de crrente alternada e intrduzirems

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa C

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa C Questã 46 N instante t = 0 s, um móvel A parte d repus cm aceleraçã escalar cnstante e descreve uma trajetória retilínea. Nesse mesm instante, utr móvel B passa pr A, cm velcidade escalar cnstante, descrevend

Leia mais

ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO

ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO Pntifícia Universidade Católica d Ri Grande d Sul Faculdade de Engenharia Curs de Engenharia Civil CONCRETO ARMADO III ABERTURAS EM ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE CONCRETO COMENTÁRIOS GERAIS 1/9 ABERTURAS EM

Leia mais

Vantagens do Sistema Trifásico

Vantagens do Sistema Trifásico Vantagens d Sistema Trifásic Original: 6-06-03 Hmer Sette Revisã: 30-06-03 Agra que sistema trifásic chegu as amplificadres, cm advent d TRI 6000 S da Etelj, interesse pel assunt na cmunidade de áudi aumentu

Leia mais

Estudo da Degradação Térmica de Copolímeros Graftizados de Poli (metacrilato de metila) e Poli (óxido etileno-b-óxido de propileno)

Estudo da Degradação Térmica de Copolímeros Graftizados de Poli (metacrilato de metila) e Poli (óxido etileno-b-óxido de propileno) A R T G Estud da Degradaçã Térmica de Cplímers Graftizads de Pli (metacrilat de metila) e Pli (óxid etilen-b-óxid de prpilen) Elizabete F. Lucas*. Clara Marize F. Oliveira e Rger S. Prter Resum: A influência

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

MINI-BOMBA DE CALOR ACOPLADA A COLETORES SOLARES

MINI-BOMBA DE CALOR ACOPLADA A COLETORES SOLARES III ngress Brasileir de Energia Slar - Belém, 21 a 24 de setembr de 2010 MINI-BOMBA DE ALOR AOPLADA A OLETORES SOLARES Sérgi Pereira da Rcha srcha@ifsc.edu.br Jaquim Manel Gnçalves jaquimm@ifsc.edu.br

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

Física E Extensivo V. 1

Física E Extensivo V. 1 Física E Extensiv V. 1 Exercícis 01) Verdadeira. Verdadeira. Temperatura mede a agitaçã ds átms. Verdadeira. Temperatura e energia cinética sã diretamente prprcinais. Verdadeira. Falsa. Crp nã tem calr.

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD. Questã Se Amélia der R$,00 a Lúcia, entã ambas ficarã cm a mesma quantia. Se Maria der um terç d que tem a Lúcia, entã esta ficará cm R$ 6,00 a mais d que Amélia. Se Amélia perder a metade d que tem, ficará

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta Instruções: Indique claramente as respstas ds itens de cada questã, frnecend as unidades, cas existam Apresente de frma clara e rdenada s passs utilizads na resluçã das questões Expressões incmpreensíveis,

Leia mais

APLICAÇÃO DE PROCESSO ELETROLÍTICO NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E DE CORANTES DE EFLUENTES INDUSTRIAIS

APLICAÇÃO DE PROCESSO ELETROLÍTICO NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E DE CORANTES DE EFLUENTES INDUSTRIAIS VI SHMMT I XVIII ENTMME- 01 -Ri de Janeir/Brazil APLICAÇÃO DE PROCESSO ELETROLÍTICO NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E DE CORANTES DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Ana Cristina Lurenç da Silve/, rwbela Bellt de

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

Barreira Ó t i c a, Grade e C o r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança

Barreira Ó t i c a, Grade e C o r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança Barreira Ó t i c a, Grade e C r t i n a d e L u z, e S c anner L aser d e S e g u rança Sluções em Sistemas de Segurança e Autmaçã. E alg mais. Eletreletrônica Industrial Ltda. Análise de riscs segund

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA APOSTILA ELÉTRIA PARA AULA 11 MÓDULO - 1 ORRENTE ONTÍNUA E ALTERNADA Induçã Eletrmagnética Geraçã de crrente cntínua e alternada Frmas de nda - icl - Períd - Frequência lts de pic e pic-a-pic Tensã eficaz

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metdlgia 3.1 Tip de Pesquisa O principal bjetiv de uma pesquisa é cntribuir para cnheciment, endereçand algumas das muitas perguntas nã respndidas. Para fazê-l de frma satisfatória e para avaliar se

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente As Clientes ds Sistemas de Química ADVIA. Referente: Ntificaçã Urgente de Segurança em Camp CHSW 13 03 10816443 Rev. A Data Nvembr / 2013 E-mail assunts.regulatris.br@siemens.cm Internet www.siemens.cm

Leia mais

VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE POTENCIAIS ESCALARES COM CONTORNO RUGOSOS PELO MÉTODO M DOS ELEMENTOS FINITOS

VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE POTENCIAIS ESCALARES COM CONTORNO RUGOSOS PELO MÉTODO M DOS ELEMENTOS FINITOS VALIDAÇÃO DE UM MODELO DE POTENCIAIS ESCALARES COM CONTORNO RUGOSOS PELO MÉTODO M DOS ELEMENTOS FINITOS Prpsta de Tese de Dutrad de Lucas Máxim M Alves DOUTORANDO Luiz Alkimin de Lacerda ORIENTADOR Jsé

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Redes Neurais no Auxilio Pedagógico aos Cursos de Formação Militar

Redes Neurais no Auxilio Pedagógico aos Cursos de Formação Militar Redes Neurais n Auxili Pedagógic as Curss de Frmaçã Militar Henrique Guilherme d Amaral Sants Escla de Administraçã d Exércit - ESAEX Rua Territóri d Amapá, 455 Salvadr/BA guilhermewar@htmail.cm Melisa

Leia mais

TRABALHOS DE VALIDAÇÃO TÉCNICA. Catalisadores enzimáticos para biodegradações para resíduos sólidos orgânicos.

TRABALHOS DE VALIDAÇÃO TÉCNICA. Catalisadores enzimáticos para biodegradações para resíduos sólidos orgânicos. TRABALHOS DE VALIDAÇÃO TÉCNICA Catalisadres enzimátics para bidegradações para resídus sólids rgânics. Inici ds testes de labratóri Care Systems: Objetivs Aceleraçã ds prcesss de bidegradaçã. Tratament

Leia mais