A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS"

Transcrição

1 A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e a sciedade brasileiras cnviveram, em 1989, cm a inflaçã mais elevada de sua história. índice acumulad d an atingiu patamar de 1.764,83%. Uma inflaçã tã elevada, embra nã seja de natureza diferente de uma inflaçã "nrmal", pssui algumas particularidades que merecem ser ressaltadas. A primeira delas é que a mesma nã se explica pr um únic fatr, mas se insere num cmplex de causas estruturais, cuja remçã é difícil, mas necessária para seu cntrle. A segunda é elevad grau de autnmia que um prcess inflacinári desse tip tende a assumir, desligand-se das suas causas reais e vinculand-se às expectativas futuras. Além diss, nã deve ser esquecid caráter cncentradr de renda e de riqueza que essa inflaçã ptencializa, tendend, em geral, a penalizar s assalariads, s segments desprtegids scialmente e as empresas de menr pder de barganha n mercad. Finalmente, há, ainda, caráter explsiv que s auments de preçs pdem assumir a partir d elevad nível de seus reajustes mensais, levand a limite desgaste prgressiv ds mecanisms de indexaçã. A questã persistentemente reclcada nestes últims meses indaga se já estaríams na hiperinflaçã, uma vez que ultrapassams a marca ds 50% mensais de inflaçã. Nã existe uma mudança qualitativa entre uma alta inflaçã e uma hiperinflaçã. term hiperinflaçã designa apenas taxas de inflaçã muit altas. Cnsidera-se que a hiperinflaçã nã é indicada pr um índice, mas, sim, pr uma desarticulaçã da ecnmia prvcada pel prcess inflacinári. Ns exempls clássics de hiperinflaçã, cm fram cas da Alemanha e da Hungria entre utrs, ta- * Ecnmista da FEE e Prfessr da Faculdade de Ecnmia da UFRGS.

2 xas de inflaçã próximas às que vive Brasil atualmente paralisaram a ecnmia e prduziram desastres sciais cnsideráveis. Nã é, ainda,ócas d Brasil, pis se criaram aqui mecanisms de cnvivência, embra haja sinais segurs de que se caminha em direçã a ela. Cm se disse acima, mesm nã havend diferenças qualitativas entre uma inflaçã muit alta e uma hiperinflaçã, existe um mment em que s preçs expldem, fugind a qualquer referência e a qualquer cntrle. Apesar de nã ter acntecid ainda tal explsã ds preçs, a aceleraçã ds mesms em dezembr indica sua pssibilidade real. Neste artig, pretende-se fazer uma análise descritiva d cmprtament ds índices de inflaçã n decrrer d an e apntar as causas estruturais d prcess inflacinári, sem cuja remçã mesm dificilmente será revertid. As mdificações n IPC Trnu-se rtina n Brasil a mdificaçã n cálcul d índice da inflaçã ficial, sempre que seus resultads sejam incômds. Dis meses antes d Plan Cruzad, Ministr Funar substituiu índice Geral de Preçs (IGP), até entã medidr ficial da inflaçã, pel índice de Preçs a Cnsumidr (IPC) d IBGE. Plan Bresser fez mudanças n períd de cleta de dads d IPC, passand mesm a abranger nã mais mês d calendári, mas d dia 16 d mês anterir a dia 15 d mês a que se referia a inflaçã. Face a iss, a inflaçã de Í987 só abrangeu 11 meses e 12 dias. Da mesma frma, Plan Verã, prmulgad em 15 de janeir de 1989, embutiu imprtantes mdificações n cálcul d IPC d mês de janeir, qual cnsideru um períd de 51 dias, chegand a patamar de 70,28%.^ Em cnseqüência, cálcul da inflaçã de fevereir cbriu um períd de apenas 11 dias. ' cálcul da inflaçã de janeir e fevereir fi feit cm base em vetres de preçs, cnfrme indica esquema abaix. Vetr de preçs em 30 de nvembr; pnt médi entre 15 de nvembr e 15 de dezembr IPC de janeir (51 dias) Vetr de preçs em Vetr de preçs em 20 de janeir; pnt IPC de 31 de janeir; pnt médi entre 17 de janeir )> fevereir médi entre 17 de jar e 23 de janeir (11 dias) I nei r e 15 de feverei

3 , F E E - CED C: i BIBLITECA Essa, cntud, nã fi a única alteraçã sfrida pel IPC em Em 31 de julh, IBGE divulgu, através de sua Resluçã ne 50, as nvas estruturas básicas de pnderações para cálcul ds índices de preçs pr ele prduzids: índice Nacinal de Preçs a Cnsumidr (INPC) e índice de Preçs a Cnsumidr Auferid (IPCA); as quais já haviam cmeçad a ser utilizadas a partir d mês de junh. Deve-se ntar que, a cntrári das mdificações n cálcul d IPC de janeir, essas sã psitivas, pis visam captar as mudanças ns hábits de cnsum da ppulaçã. Cnfrme a Nta Técnica publicada na mesma resluçã, as nvas pnderações fram resultad da Pesquisa de rçaments Familiares, realizada n períd de març de 1987 a fevereir de 1988, e substituiu as anterires, feitas através da Pesquisa Estud Nacinal da Despesa Familiar, n períd de agst de 1974 a agst de 1975, servind de base para cálcul ds índices entre març de 1979 e mai de É imprtante ntar que, na nva Pesquisa de rçaments Familiares, IBGE utiliza ppulações-alv cm renda entre um e it piss salariais, entrevistand chefes de família assalariads, para cálcul d IPC e d INPC, em substituiçã à faixa de um a cinc piss salariais anterirmente adtada. Já para cálcul d IPCA, utiliza-se critéri de um a 40 piss salariais em vez da faixa de um a 30 anterir, pdend chefe ser assalariad u nã. A nva estrutura de pnderações para cálcul d IPC e d INPC, em cmparaçã cm a antiga, pde ser visualizada na Tabela 1. Tabela 1 Estruturas de pnderações d IPC e d INPC e mar./87-fev./88 ag./74-ag./75 ANTIGA ESTRUTURA NVA ESTRUTURA GRUPS DE PRDUTS (de um a cinc piss (de um a it piss salariais) salariais) Alimentaçã e bebidas 45,39 35,41 Habitaçã 9,99 12,36 Artigs de residência 5,75 9,21 Vestuári 9,28 13,33 Transprte e cmunicações 11,72 11,08 Saúde e cuidads pessais 4,96 7,80 Despesas pessais... 12,90 10,81 FNTE: IBGE. i%i

4 Através ds dads da Tabela 1, verifica-se que, n períd de 12 ans entre as duas pesquisas, se alteru significativamente a estrutura ds rçaments familiares ds brasileirs. A nta mais imprtante fica pr cnta da queda das despesas cm alimentaçã e bebidas, passand de 45,39% para 35,41%. Da mesma frma, perdeu imprtância item despesas pessais, caind seu pes relativ de 12,90% para 10,81% entre uma e utra pesquisa. Em cntraste, s artigs de residência quase dbraram sua participaçã, subind de 5,75% para 9,21%. D mesm md, prém cm menr intensidade, aumentaram seu pes vestuári (de 9,28% para 13,33%) e saúde e cuidads pessais (de 4,96% para 7,80%). Já item transprtes e cmunicações praticamente nã alteru sua pnderaçã (11,72% e 11,08% da antiga para a nva estrutura). que se pde cncluir dessas bservações acima sbre a alteraçã ds pess ds diferentes grups de despesas ns rçaments familiares? Seria precipitad cncluir pr alterações significativas n padrã de gasts da ppulaçã, uma vez que, entre uma e utra pesquisa, mudu critéri das faixas de renda cnsideradas. Face a iss, a diminuiçã de gasts cm alimentaçã em favr da habitaçã, ds artigs de residência e da saúde pde estar indicand nã que huve melhria na renda, mas simplesmente que, na nva estrutura de pnderações, fram incluídas famílias de rendas mais elevadas (entre cinc e it piss salariais), que nã cnstavam na antiga estrutura de cálcul. A evluçã ds índices Cnfrme se visualiza na Tabela 2, a inflaçã acumulada em 1989 atingiu um nível nunca antes alcançad n Brasil: 1.764,86%, dbrand praticamente índice de 1988, que fi de 933,62%. Recrde-se que an de 1988 nã teve seu plan de estabilizaçã, indicand iss que a pressã inflacinária é persistentemente crescente, cm plíticas antiinflacináriasgradualistas (1988)ucm plíticas de chque (Í986, 1987 e 1989). A estratégia d Plan Verã de represar a inflaçã pela cntençã da demanda, mediante a plítica de jurs elevads, fracassu ttalmente. Sem cntar a significativa absrçã da alta de preçs ds meses que lhe seguiram efetuada pel IPC de janeir, a média ds quatr primeirs meses d Plan fi muit elevada: 6,73%; Seus efeits duvidss duraram apenas quatr meses, pis salt d IPC de mai (9,94%) para junh (24,83%) pôs fim a quaisquer ilusões que prventura ainda restassem. Ns meses de junh, julh e agst, reajuste de preçs fi, respectivamente, de 24,83%, 28,76% e 29,34%, estabelecend uma média de 27,64% n trimestre.

5 Tabela 2 Taxas mensais e acumulada de inflaçã (IPC) n Brasil 1989 MESES TAXA MENSAL TAXA MÉDIA TAXA ACUMULADA N AN Jan. 70,28-70,28 Fev. 3,60-76,41 Mar. 6,09-87,15 Abr. 7,31 6,73 100,83 Mai 9,94-120,80 Jun. 24,83-175,62 Jul. 28,76 27,64 254,89 Ag. 29,34-359,01 Set. 35,95-524,03 ut. 37,62 38,33 758,80 Nv. 41, ,50 Dez. 53, ,86 FNTE: IBGE. Em setembr, crreu um nv salt, passand para 35,95% e perfazend, até utubr, uma nva média de 38,33%. Já n mês de dezembr, a taxa alcançada fi de 53,55%, sem que qualquer chque tenha acntecid ha ecnmia de md a explicar essa alta de 12,13 pnts. Em algumas capitais d Brasil, tem-se apntad item alimentaçã cm respnsável pela inflaçã de dezembr. N entant, n cnjunt d País, s aliments tiveram, em dezembr, um aument praticamente idêntic a d índice geral. salt da inflaçã n últim mês d an só pde ser explicad pelas expectativas e incertezas mais acentuadas que rndaram a ecnmia. Uma análise ds dads desagregads pr grups de prduts cmpnentes d IPC indica que mair reajuste de preçs crreu n grup despesas pessais, nde índice alcançu nível de 2.177,83%, seguid de pert pels itens saúde e cuidads pessais (2.167,70%); artigs de residência (2.129,35%); e vestuári (2.058,52%). Pr utr lad, enquant IPC smu 1.764,86% s aliments e bebidas tiveram um cresciment sensivelmente menr, da rdem de 1.516,19%, e a habitaçã, um puc acima, 1.686,18%, cnfrme indica a Tabela 3.

6 Tabela 3 Variaçã acumulada d IPC, pr grups de prduts, n Brasil 1989 GRUPS DE PRDUTS IPC ACUMULAD EM JAN-DEZ Alimentaçã e bebidas 1 516,19 Habitaçã 1 686,18 Transprte e cmunicações 1 888,12 Vestuári 2 058,52 Despesas pessais 2 177,83 Saúde e cuidads pessais 2 167,70 Artigs de residência 2 129,35 IPC Geral T764,86 FNTE: IBGE. (%) Pr utr lad, cm indica Gráfic 1, a Regiã Metrplitana de Curitiba fi a que apresentu mair cust de vida d Brasil, cm uma inflaçã de 1.848,44%, seguida pelas de Prt Alegre (1.804,18%), d Ri de Janeir (1.788,23%) e de Sã Paul (1.783,99%). N utr extrem, situa-se a de Frtaleza, cm menr índice inflacinári (1.625,75%), vind após a de Belém (1.636,04%) e a de Recife (1.691,79%). Tabela 4 Variaçã acumulada d IPC pr regiões metrplitanas brasileiras 1989 REGIÕES METRPLITANAS IPC ACUMULAD EM JAN-DEZ De Belém 1 636,04 De Frtaleza ,75 De Recife 1 691,79 De Salvadr 1 752,46 De Bel Hriznte 1 739,08 D Ri de Janeir 1 788,23 De Sã Paul 1 783,96 De Curitiba 1 848,44 De Prt Alegre 1 804,18 D Distrit Federal 1 761,74 IPC Geral 1 764,86 FNTE: IBGE. 1%1

7 GRAFr 1 VARIAÇÃ ACUMULADA D IPC PR REGIÕES METRPLITANAS N BRASIL IPC 1 900, , ,00 - CN CD CD ( G> CD )" CD CN CD 05 s CN c" , , , , , , ,00 ~ N LU -J ü ir tu m H- Z N C T _l m D > LU u. D _i D LU cc c c. LU C H c i I I I I \ I i \ r Regiões Metrplitanas FNTE: Tabela 4. Uma cmparaçã entre s índices de preçs de quatr instituições de pesquisas, entre janeir e nvembr, revela algumas diferenças entre eles: menr índice fi ICV-FIPE (1.043,37%), e mair fi INPC- -IBGE (1.197,97%). Enquant IPC-IBGE atingiu 1.114,50% n períd cnsiderad, IGP-DI da FGV fi de 1.160,36%, e ICV-IEPE, de 1.142,81%, cnfrme se pde visualizar na Tabela 5. Deve-se ntar que essas varia-

8 ç8es, a par de nã serem muit significativas, se explicam pr suas diferentes metdlgias^, que envlvem faixas de renda, períds de cleta, pnderaçdes e áreas gegráficas diferenciadas. Variações percentuais mensais e acumuladas de diferentes IndicE e n Ri Grande d Sul jan,-nvn/89 de preçs n Brasil ICV-SP DA FIPE IGP-DI DA FGV ICV-PA DG. lepe Jan, Fev,, Mar Abr, Mai Jun. Jul. Ag. Set.. ut. Nv. FNTE: IBGE. FIPE.. FGV. lepe. N mês N an N mês N an 70,28 70,28 35,48 35,48 3,60 6,09 7,31 9,94 24,85 28,76 29,34 35,95 37,62 76,41 87,15 100,83 120,60 175,62 254,89 359,01 524,03 758,80 16,35 5,90 8,06 16,67 29,40 27,40 33,18 36,55 38,76 57,63 66,93 80,39 110,46 172,33 246,95 362,07 530,03 774,23 N Mês 31,11 14,01 6,46 10,02 16,59 25,29 28,06 30,95 35,83 37,29 N An 31,11 49,48 59,13 75,08 104,13 155,75 227,51 528,88 482,54 699,78 41,42 1 1:14,50 48, ,97 42, ,37 N Mês N An 36,56 36,56 11,80 52,67 4,23 59,13 5,17 67,36 12,76 88,71 26,76 139,21 37,88 229,85 36,48 350,15 38,92 525,35 39,70 773,61 44, ,56 N Mês N An 30,77 30,77 16,72 52,63 10,16 68,14 8,84 83,01 11,39 103,85 37,82 180,95 31,35 269,02 28,95 375,86 31,96 527,94 36,75 758,71 44, ,81 A cntrári de 1988, cuja plítica antiinflacinária esteve marcada pel graduallsm imblllsta, an de 1989 iniciu cm;mais um^ plan de estabilizaçã, Plan Verã, terceir chque em apenas quatr ans. resultad fi uma inflaçã duplicada. Seus efeits fram duvidss e muit mais fugazes que s ds dis primeirs. Gráfic 2 prcura mstrar desgaste prgressiv ds efeits ds três plans. Cm exceçã d Plan Cruzad, n que diz respeit à dívida interna, que fi reduzida em aprximadamente 20%, as demais medidas desses três plans Um quadr cmparativ dessas metdlgias fi publicad pr esta revista n seu v.16, de janeir de 1989, p. 36. n.4,

9 antiinflacináris nã tcaram nas causas estruturais da inflaçã brasileira. fracass das plíticas de cmbate à inflaçã ds últims ans, graduallstas u de chque, deixam um recad: nssa inflaçã reflete um prcess de crise cuja sluçã passa pela remçã de suas causas estruturais. Tabela 6 Inflaçã ds Plans Cruzad, Bresser e Verã n Brasil - mar.-ag./86, jul.-dez./87, fev.-jul./89 (%) DISCRIMINAÇÃ INFLAÇÃ FNTE: IBGE. Plan Cruzad Mar./86-0,11 Abr./86 0,78 Mai/86 1,40 Jun./86 1,27 Jul./86 1,19 Ag./86 1,68 Plan Bresser Jul./87 3,05 Ag./87 6,36 Set./87 5,68 0ut./87 9,18 NV./87 12,84 Dez./87 14,14 Plan Verã Fev./89 3,60 Mar./89 6,09 Abr./89 7,31 Mai/89 9,94 Jun./89 24,83 Jul./89 28,76

10 GRÁFI 2 INFLAÇÃ pps PRIMEIRSSEIS MESES DS PLANS CRUZAD, BRESSER E VERÃ N BRASIL - MAR-AG/86, JUL-DEZ/87 E FEV-JUL/89 (%) 30,00 28,00 26,00 24,00 22,00 20,00 18,00 16,00 /PLANC VERÃ 14,00 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2, ,00 I...J^"^.-^ PLAN 3 BRESSER PLAN CRU ZAD FNTE:Tabela 6. Meses de cada plan NTA: s períds cnsiderads para cada plan fram: para Plan Cruzad, de març a agst de 1986; para Plan Bresser, de julh a dezembr de 1987; e para Plan Verã, de fevereir a julh de Cnclusã: as causas estruturais A inflaçã brasileira atual e seu persistente impuls a patamares elevads refutam qualquer explicaçã simplista d tip "déficit" públic, excess de emissã de meda u elevaçã ds saláris cm causa. A causa básica dessa inflaçã se insere n cntext de nssa crise ecnômica e plítica, expressã d esgtament d prcess de desen-

11 vlviment nacinal ds últims 50 ans, basead na substituiçã de imprtações, cujas fntes de financiament fram setr estatal e s recurss externs. esfrç final desse prcess teve que ser bancad pel setr estatal, dada a retraçã d financiament extern. Cm resultad, tems um país industrializad, mas impedid de cntinuar seu cresciment, pis as fntes históricas de financiament secaram e transfrmaram-se em dis estques de dívidas, da externa e da interna, fatres agra de estrangulament e expressã mair de nssa crise. Cm cnseqüência, a riqueza criada, impedida de valrizar-se na cntinuidade d prcess prdutiv, buscu valrizaçã financeira, desencadeand frtes pressões especulativas na ecnmia. Para tant, criaram-se mecanisms capazes de facilitar esse prcess especulativ, cm é cas ds títuls públics, cm valrizaçã diária e sem riscs. s custs financeirs desse circuit especulativ, smads a uma queda da receita tributária, acabaram prvcand um desequilíbri estrutural d setr estataleuma desarticulaçã ds instruments da plítica ecnômica. A mesm temp, cm fim d prjet desenvlvimentista e a crise que se seguiu, rmpeu-se pact de sustentaçã d pder, cnvertend-se a crise ecnômica numa crise plítica. É esse cnjunt de fatres que cnstitui a causa estrutural de nssa inflaçã atual. Sua aceleraçã prgressiva crre pr cnta da percepçã ds agentes ecnômics de que se esgta rapidamente a capacidade d Estad de cntinuar bancand a valrizaçã financeira da riqueza acumulada, u seja, s patamares elevads dessa inflaçã se explicam pela frte instabilidade d mercad financeir, resultante de expectativas de perdas significativas para s credres da dívida pública. Nessas circunstâncias, existe um cmprtament defensiv de preçs, que puc têm a ver cm s custs primáris da prduçã, parte expressiva ds quais também deve ser estimada, aliás cm uma margem significativa de segurança. Assim, autmatizam-se de certa frma s cmpnentes especulativs da valrizaçã financeira, e a inflaçã é muit mais puxada pelas expectativas futuras que mvida pel passad.

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Resídus Sólids Urbans: Cm alavancar investiments e viabilizar a implantaçã da Plítica Nacinal de Resídus Sólids Seminári BNDES-BID-ABDE Brasília, 07 de Mai de 2015 Área de Mei Ambiente Guilherme Martins

Leia mais

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015 Sã Paul, Brasil, 13 de abril de 2015 - O GPA [BM&FBOVESPA: PCAR4 (PN); NYSE: CBD] e Via Varej S.A. [BM&FBOVESPA:VVAR3 e VVAR11] anunciam desempenh das vendas d 1º trimestre de 2015. Desempenh de Vendas

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

NEWSLETTER DAIMON INDICADORES ECONÔMICOS AGENDA DO DIA NOTÍCIAS RELEVANTES PARA O SETOR DE ENERGIA. 24/Julho/2015. Brasil: Mundo:

NEWSLETTER DAIMON INDICADORES ECONÔMICOS AGENDA DO DIA NOTÍCIAS RELEVANTES PARA O SETOR DE ENERGIA. 24/Julho/2015. Brasil: Mundo: 24/Julh/2015 INDICADORES ECONÔMICOS AGENDA DO DIA Brasil: Sai IPC: Índice de Preçs a Cnsumidr mede a variaçã de preçs para cnsumidr na cidade de Sã Paul cm base ns gasts de quem ganha de 1 a 20 saláris

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado.

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. INDICADOR: F.13 COBERTURA VACINAL 1. Cnceituaçã Percentual de crianças imunizadas cm vacinas específicas, em determinad espaç gegráfic, n an cnsiderad. 2. Interpretaçã Estima nível de prteçã da ppulaçã

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele PVC Nã dá para imaginar a vida mderna sem ele Sã Paul, 26 de nvembr de 2012 A GBC Brasil Ref.: Cmentáris sbre item Materiais e Recurss, crédit 4 Cntrle de Materiais Cntaminantes Referencial GBC Brasil

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Resultados Consolidados 3º Trimestre de 2014

Resultados Consolidados 3º Trimestre de 2014 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Amadra sb númer únic de matrícula

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo Prspet Infrmativ Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Prdut Financeir Cmplex Designaçã Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Classificaçã Prdut Financeir Cmplex Depósit Indexad O depósit Mntepi Cnsumer Brands -

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso

O SIMPLES Nacional, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estudo de caso O SIMPLES Nacinal, realmente, reduz a carga tributária das empresas? Um estud de cas Otávi Gmes Cabell Maur Fernand Gall Carls Albert Pereira Resum: O Brasil pssui atualmente uma das maires cargas tributárias

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico ANA, Aerprts de Prtugal, S.A. Plan de Acções de Gestã e Reduçã de Ruíd para Aerprt de Lisba Resum Nã-Técnic Janeir 2014 Aerprt de lisba Plan de Ações de Gestã e Reduçã de Ruíd 2013-2018 Cnteúd CONTEÚDO...

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL

Reajuste Tarifário de 2006. Esclarecimentos sobre os valores concedidos pela ANEEL Reajuste Tarifári de 2006 Esclareciments sbre s valres cncedids pela ANEEL Abril/2006 Agenda Intrduçã IRT 2006 CVA PASEP-COFINS Impact na geraçã de caixa 2 ANEEL divulga reajuste de 6,7% Resluçã Hmlgatória

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Seminário de Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Seminário de Gestão Resíduos Sólidos Urbanos Seminári de Gestã Resídus Sólids Urbans EKOS 2015 Brasília, 27 de agst de 2015 Área de Mei Ambiente Martin Inguville martin.inguville@bndes.gv.br O Resídu Sólid Urban é apenas um ds tips de resídus, embra

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

Instruções para as apresentações científicas

Instruções para as apresentações científicas Instruções para as apresentações científicas As apresentações pderã ser realizadas na frma de PÔSTER u ORAL, dentr das especialidades dntlógicas: Ciências Básicas, Estmatlgia/Radilgia/Patlgia, Cirurgia,

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

MUSEU VIRTUAL DE CIÊNCIAS E SALA VIRTUAL DE LEITURA: Entendimento e Informações Técnicas

MUSEU VIRTUAL DE CIÊNCIAS E SALA VIRTUAL DE LEITURA: Entendimento e Informações Técnicas MUSEU VIRTUAL DE CIÊNCIAS E SALA VIRTUAL DE LEITURA: Entendiment e Infrmações Técnicas A elabraçã da prpsta baseu se em alguns pressupsts que fcam nã só us presente d Museu e da Sala de Leitura, cm suas

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL...

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... Respnsável pela elabraçã d trabalh: Fernanda Juli Barbsa Camps

Leia mais

Co-morbidade Aids/TB entre casos de óbitos por Aids de residentes na Região Metropolitana de Recife, PE no período de 2001 a 2008: resultado do

Co-morbidade Aids/TB entre casos de óbitos por Aids de residentes na Região Metropolitana de Recife, PE no período de 2001 a 2008: resultado do Universidade de Pernambuc UPE Faculdade de Enfermagem Nssa Senhra das Graças - FENSG C-mrbidade Aids/TB entre cass de óbits pr Aids de residentes na Regiã Metrplitana de Recife, PE n períd de 2001 a 2008:

Leia mais

A ROTATIVIDADE DOS ENFERMEIROS DE UM

A ROTATIVIDADE DOS ENFERMEIROS DE UM Educ Med Salud, Vl. 24, N. 4 (1990) A ROTATIVIDADE DOS ENFERMEIROS DE UM HOSPITAL-ESCOLA Maria Luiza Anselmi,' Emilia Luigia S. Angerami' e Armand Mari Infante 2 INTRODUJÁO Os trabalhadres, a iniciarem

Leia mais

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 47 48 3.1. VISÃO DE FUTURO DO MAIS RN PARA 2035 A classe empresarial ptiguar apresenta para a sciedade uma Visã de Futur usada e desafiadra.

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008.

MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. MENSAGEM Nº 458, DE 30 DE JUNHO DE 2008. Senhr Presidente d Senad Federal, Cmunic a Vssa Excelência que, ns terms d 1 d art. 66 da Cnstituiçã, decidi vetar parcialmente, pr incnstitucinalidade e cntrariedade

Leia mais

Sondagem do Bem-Estar

Sondagem do Bem-Estar 1 PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DOS SERVIÇOS PÚBLICOS NO RIO DE JANEIRO E EM SÃO PAULO A crescente demanda pr melhria ds serviçs públics n Brasil ganhu ainda mair evidência ns dis últims ans, quand a recessã

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ceres Grehs Beck Universidade Federal d Ri Grande d Sul UFRGS. Escla de Administraçã - Rua Washingtn Luís, 855 - Prt Alegre - RS CEP 90.010-460

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 >

APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 > APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 > Ari Dias Turrer< 02 > Paul Jsé de Barrs RabeJ

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926.

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926. O PREÇO ALIADO À QUALIDADE O PREÇO ALIADO À QUALIDADE Manual de Instruções Liquidificadr Industrial de ALTO RENDIMENTO O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr:

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

1. No final da década de 1950 e início da década de 1960, qual foi a medida para povoar a Região Centro Oeste?

1. No final da década de 1950 e início da década de 1960, qual foi a medida para povoar a Região Centro Oeste? 1. "O Crist Redentr é uma estátua art déc que retrata Jesus Crist, lcalizada n bairr Santa Teresa, na cidade d Ri de Janeir, Brasil. Em 2007 fi eleit uma das nvas sete maravilhas d mund." Verdade u fals?

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais