Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual"

Transcrição

1 Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS Educação Visual

2 Escola Básica e Secundária de Velas DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS REGIONAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS A DESENVOLVER CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS / ACTIVIDADES PROPOSTAS DE ARTICULAÇÃO INTERDISCIPLINAR Perceber e valorizar a importância da criatividade na Educação Visual. Compreender que a linguagem visual é uma aprendizagem. COMUNICAÇÃO ELEMENTOS VISUAIS DA COMUNICAÇÃO C1, C7, C8, C10, C13, C14, C15. Conhecer os conceitos e terminologias das Artes Visuais. Identificar e distinguir os elementos estruturais da linguagem plástica: ponto, linha, textura, cor, plano e volume. Reconhecer e aplicar os elementos visuais: ponto, linha e plano como meios expressivos. 1. ELEMENTOS ESTRUTURAIS DA LINGUAGEM PLÁSTICA O ponto A Linha Análise de pintura pontilhista. ( C6) Reprodução de imagens utilizando formas pontuais. (C1, C2) Reprodução de imagens utilizando formas lineares. (C1, C2) Expressão do Desenho através de linhas. ( C8) Físico-química: Constelações e a sua localização no céu (utilização dos elementos da linguagem visual na delineação das constelações). História: Arte Rupestre (utilização dos elementos da linguagem visual

3 A linha como estrutura/ritmo/textura modeladora/superfície. (C1) como forma de expressão através das gravuras e pinturas rupestres). Exercícios com estampagem, carimbos e silhueta. (C1, C7) Identificar e distinguir os vários tipos de texturas: naturais, artificiais, bidimensionais e tridimensionais. A Textura Noção de textura (texturas naturais/ artificiais e bidimensionais / tridimensionais). (C13, C14, C15) Criar composições a partir de observações directas e de realidades imaginadas utilizando os elementos e os meios da expressão visual. O Volume Recolha de texturas e produção de texturas visuais e/ou visuais e tácteis. ( C13, C14) Observação de sólidos e percepção das suas três dimensões (altura, largura e comprimento). (C1) Reconhecer a importância da cor e dos seus significados na percepção do mundo envolvente. O Plano A Cor Construção de origamis e de sólidos ou embalagens. (C1, C8) Fazer o levantamento gráfico (com lápis, esferográfica, carvão, guaches, marcadores, etc.) do seu envolvimento (equipamento, habitação, paisagem, actividades, pessoas, etc.) ( C8, C10) Geografia: Representação da superfície terrestre (utilização dos elementos da linguagem visual na interpretação e

4 C1, C3, C4, C7, C8, C9, C10, C12, C13, C14, C15. Identificar diferentes formas de comunicação visual. Reconhecer as Artes Plásticas como expressão das emoções e do conhecimento. Identificar conceitos em obras artísticas. Reconhecer os diferentes meios de expressão nas Artes Plásticas (na pintura, na escultura, no desenho, na instalação). Entender a ilustração como forma de comunicação visual. Reconhecer e identificar as diversas aplicações da ilustração (ilustração publicitária, editorial, científica, narrativa, técnica e de moda). Conhecer e aplicar a narrativa gráfica e literária da Banda Desenhada, as suas características, técnicas e metodologias. 2. FORMAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL Artes Plásticas Ilustração Elaboração de um trabalho sobre um grande pintor. (C1, C3, C6) Reprodução de alguns quadros de pintores conhecidos dos alunos. (C1, C8) Criação de pinturas influenciadas por características de alguns pintores. (C1, C8) Realização da ilustração de um conto/ texto. ( C3, C5) Observação e identificação de enquadramentos (planos) em Bandas Desenhadas, fotografias/slides e filmes. (C1, C3) Elaboração de uma prancha de Banda Desenhada. (C1, C3, C8) análise de mapas). História: Cultura, Arte e Religião Língua Portuguesa: Texto Narrativo e Poético. Língua Portuguesa: Banda Desenhada Entender o Design como uma metodologia. Identificar as principais áreas de Design Elaboração de um cartaz publicitário. (C1, C3, C4, C8)

5 intervenção do Design: Design de Comunicação, Design Industrial ou de Produto e Design de Moda. Elaboração de um candeeiro utilizando material reutilizado. (C1, C7, C8, C9) Aplicar a metodologia do Design na elaboração de cartazes, alfabetos, paginações, sinais, símbolos e embalagens. Publicidade Investigação do papel da figura humana na publicidade. (C1, C3, C10) Língua Portuguesa: Texto Publicitário Perceber o carácter comunicativo e visual da publicidade. Identificar as modalidades mais utilizadas em publicidade. Saber descodificar algumas mensagens publicitárias e identificar os seus efeitos positivos e nefastos. Entender as principais funções da Arquitectura. Reconhecer os estilos arquitectónicos mais importantes. Entender o planeamento como um modo de melhorar a qualidade de vida das pessoas e do meio ambiente. Arquitectura Recolher informação sobre alguns estilos arquitectónicos. (C1, C6) Identificar estilos arquitectónicos no meio onde vivem. (C1, C13, C14) História: Cultura, Arte e Religião Valorizar a património natural, artístico e arquitectónico como um bem a preservar.

6 Perceber a fotografia como instrumento de registo para vários fins: estéticos, comunicativos ou funcionais. Fotografia Fotografar de forma a expressar determinadas emoções, sensações, etc. (C1, C8) Entender e utilizar a fotografia como meio expressivo, narrativo, criativo e original. Reconhecer o cinema como uma linguagem de comunicação muito rica e abrangente. Cinema Elaboração de um pequeno filme. (C1, C3, C8) Compreender a função do enquadramento (planos), dos pontos de vista e do movimento da câmara na linguagem do cinema. Reconhecer a riqueza expressiva, plástica e narrativa do cinema de animação e das suas diversas técnicas. Participar em momentos de improvisação no processo de criação artística. Cinema de animação Elaboração de um filme de animação através da técnica da plasticina, recorrendo ao software de edição de vídeo. (C1, C3, C7, C8, C9, C10). Apresentação à comunidade escolar dos filmes de animação realizados pelos alunos. (C1, C3, C7, C8, C9, C10). Entender a televisão como importante meio de comunicação visual. Entender o vídeo como linguagem narrativa. Televisão Vídeo Visualização de filmes de animação realizados por artistas nacionais e internacionais. (C1, C3, C4).

7 Reconhecer a multimédia como combinação de vários meios: imagem, texto, som, vídeo e animação. Tratamento e produção de imagens, usando o computador. Saber utilizar software específico para a elaboração de produtos visuais. Multimédia Elaboração de um cartaz usando o computador e respectivo software. (C1, C3, C4, C7, C8, C9, C12, C14, C15) Gravação de um CD-Rom com alguns trabalhos elaborados pelos alunos. (C1, C9). Usar diferentes tecnologias da imagem na realização plástica. Reconhecer as vantagens da multimédia. Saber distinguir os vários produtos multimédia (CD-ROM, DVD, Internet, etc.) Reconhecer a importância visual e comunicativa das artes do espectáculo, nomeadamente o teatro, da ópera, das marionetas/ fantoches e do circo. Artes do Espectáculo Cooperação com a Oficina de Teatro. (C1, C3, C7, C8, C9, C10). Criação de marionetas. (C1, C3, C4, C7, C8, C9, C10, C15).

8 C1, C3, C4, C8, C13, C14. Compreender como se processa a comunicação visual. Inventar símbolos / códigos para representar o material artístico. CÓDIGOS DE COMUNICAÇÃO VISUAL Execução da capa do aluno e respectiva identificação e decoração usando a técnica da colagem. (C1, C5) Realização do logotipo (da escola, do aluno, da associação de estudantes, ) (C1, C13, C14) Observação e análise de ícones de origem variada (nacionais e estrangeiros). (C1, C4, C6) C3, C4, C8. Utilizar técnicas, processos e instrumentos para estimular e desenvolver a imaginação e a criatividade. PAPEL DA IMAGEM NA COMUNICAÇÃO Elaboração de postais de Natal, de s. Valentim, Felicitações,.... ( C3, C4, C8) ESPAÇO C1, C3, C8, C9, C10, C11, C12, C13, C14, C15. Conceber organizações espaciais dominando as regras elementares da composição. Entender o desenho como um processo de observação, registo e comunicação. Entender o desenho como um meio para a representação expressiva e rigorosa de formas. 1. REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO Objectos e espaço envolvente Sobreposição Dimensão Cor Representar o espaço utilizado, isoladamente ou de modo integrado, as sobreposições, variações de dimensão, de cor e de claro-escuro ou as gradações de nitidez. (C1, C3, C8, C10, C13, C15). Observação de fotografias a preto e branco. (C11, C12, C13, C15)

9 Aprender metodologias para a representação, através do desenho, de formas simples e complexas. Claro/Escuro Reprodução de fotografias a preto e branco (desenho de luz e sombra). ( C8) Entender a utilidade das linhas estruturantes e das linhas auxiliares no desenho. Gradação de nitidez Desenho de ruas/ vistas de edifícios/ paisagens,.... (C1, C11, C13, C15) Compreender e aplicar os processos do desenho linear e do desenho volumétrico. Desenhar espaços interiores e exteriores, à mão livre e analisar o resultado após observação de fotografias/ slides com a identificação dos pontos de fuga e de vista. Corrigir desenhando de novo o mesmo local, e comparar ambos. (C13, C14,C15) Conhecer e aplicar as técnicas básicas do desenho rigoroso na geometria plana e na geometria no espaço. Compreender a geometria plana e a geometria no espaço como possíveis interpretações da natureza e princípios organizadores das formas. Desenho rigoroso Geometria no plano Traçado de formas geométricas elementares: (C1, C2) - Ponto, recta, segmento de recta; - Divisão do segmento de recta em partes iguais; - Circulo/circunferência e sua divisão em partes iguais. Traçado de curvas concordantes, espirais e arcos. (C1, C2) Elaboração de uma investigação histórica sobre os arcos. ( C8, C9) Matemática: Do espaço ao plano: sólidos, triângulos e quadriláteros (medição de ângulos e representação de figuras)

10 Traçados geométricos das linhas curvam cónicas (elipse, parábola e hipérbole). (C1, C2) Conhecer e aplicar as técnicas básicas do desenho rigoroso na geometria no espaço. Compreender a importância do desenho rigoroso em determinados tipos de representação. Entender o desenho como um meio para a representação expressiva e rigorosa de formas. Entender o desenho como um processo de observação, registo e comunicação. Aprender metodologias para a representação, através do desenho, de formas simples e complexas. Geometria no espaço Perspectiva de observação (livre e rigorosa) Desenho de objectos e espaço envolvente, através da sua estruturação geométrica. (C1, C6) Desenho de observação de sólidos geométricos. (C1, C5) Elaboração de folhas normalizadas para desenho rigoroso, normalizadas par desenho rigoroso, legendadas de forma individual por cada aluno, respeitando alguns elementos obrigatórios. (C1, C2) Representação de objectos, usando diferentes escalas, em axonometria: isométrica, cavaleira e dimétrica. (C1, C5) Comparação da representação de objectos no sistema hexaédrico e em axonometria. (C1, C2)

11 C1, C10, C15. Entender a utilidade das linhas estruturantes e das linhas auxiliares no desenho. 2. RELAÇÃO HOMEM-ESPAÇO Visualização de obras de arte de vários períodos da História da Arte. (C1, C15) As proporções humanas (a anatomia, a antropometria, e a ergonomia). (C1, C10) Desenho de rosto. (C1, C10) Representação da figura humana em movimento. (C1, C10) C1, C8, C13, C14, C15. Identificar e distinguir os vários tipos de estruturas: naturais e artificias, bidimensionais e tridimensionais, regulares e irregulares. ESTRUTURA 1. ESTRUTURA/FORMA/FUNÇÃO Estruturas naturais e criadas pelo Homem Noção de estrutura (estruturas naturais/ artificiais, bidimensionais/ tridimensionais, regulares/ irregulares e geométricas7 não geométricas). (C1, C13, C14, C15) Ciências Naturais: Ecossistemas Entender o conceito de proporção e conhecer algumas relações de proporção importantes na natureza e nas formas criadas pelo homem. Ritmo de crescimento Recolha e observação de imagens proporcionais e desproporcionais. (C1, C8) A proporção na antiguidade clássica e no renascimento. (C1, C6) Matemática e Físicoquímica: Proporcionalidade e proporcionalidade inversa. C1, C7, Compreender os conceitos de módulo e de padrão e saber identificar estruturas modulares, grelhas e malhas. 2. MÓDULO/PADRÃO Realização de grelhas ou malhas tridimensionais ou bidimensionais. (C1, C8) Educação Tecnológica: Representação gráfica (utilização de estruturas e

12 C8. Criação de módulos e de padrões. ( C7, C8) módulos padrão na representação de objectos). FORMA C1, C9, C11, C13, C14, C15, C16. Reconhecer a importância do sentido da visão. Perceber o funcionamento do processo da visão humana. Compreender que ver não significa perceber. Conhecer alguns dos factores que influenciam a percepção das formas. 1. PERCEPÇÃO VISUAL DA FORMA VER E PERCEBER A Visão A Percepção Observação da estrutura do olho com intuito de dar a conhecer o funcionamento do órgão. (C1, C6) Jogo de mímica que possibilita a percepção dos possíveis entendimentos. ( C9, C13) Entender o fenómeno da ilusão. Reconhecer a aplicação do efeito de ilusão nas Artes Visuais. Reconhecer a exploração do efeito da ilusão através das novas tecnologias de computador. A Ilusão Observação de imagens incompletas, pormenores de paisagens ou elementos regionais. (C11, C13, C15, C16) Observação de situações de ilusão óptica, paradoxais e situações de ambiguidade forma/fundo e a respectiva análise dos factores que condicionam a sua percepção. (C1, C6)

13 C1, C7, C8, C14. Entender o conceito de composição e identificar diferentes tipos de composição. Identificar, numa composição, diferentes relações entre as formas: distância, repetição, contacto, sobreposição, adição, subtracção e intersecção. QUALIDADES FORMAIS Composição Relação entre formas Análise de algumas obras de artistas plásticos açorianos, (a perspectiva e o trompe l oeil ). ( C14, C15) Noção de organização de espaços, através de observação de imagens/ fotografias de vários tipos de composições. (C1, C14) Reconhecer características estáticas, dinâmicas ou cinéticas nas formas e nas composições. Estática / Dinâmica / Cinética Realização de composições através de sobreposição de formas transparentes e opacas, originando intersecções, sobreposições, perfurações, subtracções/ adições e transparências. ( C7, C8) Observação e análise de imagens. (C1) Criação de figuras de arame/mobiles que traduzam estes conceitos. (C1, C8) C7, C8. Distinguir forma e fundo e perceber a importância entre estes dois elementos numa composição. QUALIDADES EXPRESSIVAS Forma e fundo Decomposição de imagens em forma/fundo. ( C7)

14 Identificar e distinguir formas de contraste diferentes numa composição. Contraste Exercícios com formas simétricas e assimétrica. ( C8) Composição formal usando recortes e colagem de formas com diferentes elementos visuais. ( C7, C8) C1, C8. Identificar e distinguir simetrias e assimetrias existentes na natureza e nas formas criadas pelo homem. QUALIDADES GEOMÉTRICAS Simetria/Assimetria Completar uma fotografia cortada a meio através de desenho com grafite. (C1, C8) Identificar e distinguir formas de equilíbrio diferentes numa composição. Equilíbrio Recolha e análise de imagens em situação de equilíbrio e desequilíbrio. (C1, C6) C1, C8, C11, C13. Conhecer e dominar um conjunto de técnicas e materiais e ser capaz de os aplicar com correcção na representação, na comunicação e na expressão. 2. TÉCNICAS E MATERIAIS Técnicas de desenho e pintura Desenho em vários suportes e utilizando materiais variados de pintura (lápis, marcadores, guaches, pastel, aguarelas,...). (C1, C8) Perceber e valorizar a importância da criatividade na Educação Visual. Técnicas tridimensionais Realização de objectos escultóricos em gesso/ barro/ sabão/ arame/ madeira ou

15 Participar em momentos de improvisação no processo de criação artística. aproveitamento de materiais ou objectos usados. (C1, C11, C13) Utilizar técnicas, processos e instrumentos para estimular e desenvolver a imaginação e a criatividade. Técnicas de impressão Execução de carimbos através de gravura em batatas. (C1, C8) Exercícios com monotipia. (C1, C8) Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Criar composições a partir de observações directas e de realidades imaginadas utilizando os elementos e os meios de expressão visual. Colagem e técnicas mistas Exercícios com colagens e pintura. (C1, C8) Criação de diferentes imagens solução que se adaptem a uma mesma ideia. (C7, C8) C1, C3, C4, C7, C8, C9, C10, C11. Entender o Design como uma metodologia. Identificar as principais áreas de intervenção do Design: Design de Comunicação, Design Industrial ou de Produto e Design de Moda. Aplicar a metodologia do Design na elaboração de cartazes, alfabetos, paginações, sinais, símbolos, 3. FACTORES QUE DETERMINAM A FORMA DOS OBJECTOS Criação de um objecto, tendo em conta os factores físicos, económicos, funcionais e estéticos do mesmo. (C1, C3, C7, C8, C9, C10) Educação Tecnológica: Metodologia de projecto (fases de elaboração de um projecto).

16 embalagens e objectos. Conhecer as propriedades físicas de diversos materiais (comportamento em esforço, reacção aos agentes exteriores, etc.). Físicos Propriedades dos materiais Escolher os materiais a utilizar na resolução de problemas de design, em função das suas propriedades físicas. Compreender a importância dos factores económicos considerando como condicionantes do design a mãode-obra, os materiais, o tempo e a conservação. Económicos Mão-de-obra Materiais Recolha de informação sobre alguns materiais existentes na ilha e comparação dos mesmos. (C1, C4, C7, C8, C9, C11) Compreender a diferença entre produções artesanal e industrial. Compreender as vantagens económicas do fabrico em série de elementos e de módulos. Tempo Conservação Produção artesanal e produção industrial Produção em série Elementos e módulos Funcionais Distinguir entre a função principal e as subfunções de um objecto ( por exemplo: guarda-chuva, pega, etc.). Função principal e subfunções

17 Relacionar a forma dos objectos com as medidas e os movimentos do Homem. Fundamentar a escolha de uma entre várias formas que satisfaçam todos os factores considerados. Antropometria e Ergonomia Estéticos C1, C2. 4. REPRESENTAÇÃO TÉCNICA DE OBJECTOS Compreender a geometria plana e a geometria no espaço como possíveis interpretações da natureza e princípios organizadores das formas. Dupla projecção ortogonal Projecção diédrica de alguns sólidos: cubo, prisma, cilindro e cone. (C1, C2) Compreender a importância do desenho rigoroso em determinados tipos de representação. Utilizar algumas convenções ou normalizações: escalas, traçados, cotagem e cortes. Conhecer e distinguir três sistemas de representação técnica: projecções, axonometrias e perspectiva cónica. Vistas: cubo envolvente e sistema europeu Axonometrias Representação de objectos no sistema Europeu (ou hexaédrico) de projecção. (C1, C2) Comparação da representação de objectos no sistema hexaédrico e em axonometria. (C1, C2)

18 C1, C3, C8, C10, C13, C14, C15. Reconhecer a importância da cor e dos seus significados na percepção do mundo envolvente. Compreender e saber explicar o que é o espectro luminoso. Compreender a cor dos objectos como resultado da absorção e reflexão selectivas das ondas luminosas pela matéria. Perceber que é através da luz e da visão que percepcionamos a cor. Compreender as diferenças entre a síntese aditiva (luz) e a síntese subtractiva (pigmentos). Identificar as cores primárias, secundárias e complementares na síntese subtractiva. Reconhecer as qualidades da cor: tom, valor e saturação. LUZ-COR A COR-LUZ NO AMBIENTE CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS Espectro luminoso Absorção e reflexão selectivas Globo ocular Cor/Luz=Síntese Adictiva Cor/Pigmento=Síntese Subractiva Cores Primárias e cores Secundárias da síntese aditiva Cores Primárias e cores Secundárias da síntese subtractiva Observação da refracção da luz, através da visualização de um raio de luz a passar por um prisma. (C1) Observar a constituição do olho. (C1, C3) Experiência com três focos de luz, com as cores primárias (cor/luz). (C1, C3) Construção do círculo cromático ou do disco de Newton. (C1, C3, C8, C10) Físico-química: Luz e Cor (espectro luminoso) Geografia: Representação da superfície terrestre (importância da cor na interpretação de mapas). Identificar cores quentes e cores frias e compreender que estas transmitem sensações. Cores complementares/contrastes Exercícios com cores complementares/ harmonias de cor. (C1, C8, C13) Língua Portuguesa e Línguas Estrangeiras: A cor das bandeiras nacionais (importância da cor

19 Reconhecer e aplicar diferentes harmonias de cor. Utilização de grupos de cores quentes e frias em diferentes representações da mesma imagem. (C1, C8, C13) nas bandeiras nacionais e seu significado). Observar a aplicação da cor nas artes visuais, na arquitectura, no design e nas artes aplicadas. Aplicações das sínteses aditiva e subtractiva A aplicação da cor nas Artes Plásticas e no design. ( C8, C13, C14, C15) Exercícios de criação de volume através da gradação de cor. (C1, C8)

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 Covilhã PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM - A definir em função das características das Turmas e dos interesses dos alunos. COMUNICAÇÃO TEMÁTICOS CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 3ºCICLO EDUCAÇÃO VISUAL

Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 3ºCICLO EDUCAÇÃO VISUAL Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro Ano Letivo 20-202 PROGRAMAÇÃO ANUAL 3ºCICLO EDUCAÇÃO VISUAL 2 O Programa da disciplina de Educação Visual é um Programa aberto e flexível.

Leia mais

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano.

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano. COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Ao longo do ensino básico as competências que o aluno deve adquirir em Artes Visuais articulam-se em três eixos estruturantes fruição - contemplação, produção criação,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES º C.E.B. DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL ANO: 9º ANO LETIVO 0/0 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor; identificar

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO VISUAL (14) Abril de 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO VISUAL (14) Abril de 2015 Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Algarve Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes - Cód.145464 ESCOLA EB 2.3 PROFESSOR JOSÉ BUÍSEL INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 9.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 9.º Ano Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Projeto 1: IDENTIFICAÇÂO DA CAPA INDIVIDUAL Objetivo Geral: Com o recurso de uma foto do aprendente e uma imagem de gosto pessoal através da técnica

Leia mais

Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE: EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA

Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE: EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE: EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA 2º ciclo Ano letivo: 2015/2016 COMPETÊNCIAS - CHAVE Competência em Línguas Competência Matemática Competência Científica e Tecnológica

Leia mais

Planificação Anual 3º ano

Planificação Anual 3º ano ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA Planificação Anual 3º ano Expressões e Cidadania Página1 Desenho de expressão livre Desenhar no chão do recreio; Desenhar no quadro da sala; Planificação Anual de

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 213. Audiovisuais e Produção dos Media Itinerário de Formação 21305. Fotografia Saída Profissional

Leia mais

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões Introdução A apresentação das metas para as Expressões baseia-se nas Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar integrando, as Expressões Motora.

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 7.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 7.º Ano Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Projeto 1: ILUSTRAR E DECORAR A CAPA INDIVIDUAL DO ESTUDANTE Objetivo Geral: desenhar o teu nome, seguindo as regras do desenho das letras e recorrendo

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor; identificar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA CURSO DE DESIGN Disciplina / Ementa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA CURSO DE DESIGN Disciplina / Ementa Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior 1 18 2 Oficinas de Integração Criativa 3 Seminários: Ambientalismo e Empreendedorismo 4 Antropologia I 5 Linguagem Oral e Escrita

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Autorizado pela Resolução UNIV. nº 25, de16 de setembro de 2002. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação em Licenciatura

Leia mais

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Compreendendo as Artes Visuais como área de conhecimento, que busca a formação de um sujeito atuante nos diferentes contextos da sociedade, pretendemos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DE DESIGN. Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior

MATRIZ CURRICULAR DE DESIGN. Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior MATRIZ CURRICULAR DE DESIGN Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior 1 18 2 Oficinas de Integração Criativa 3 54 3 Seminários: Ambientalismo e Empreendedorismo 3 54

Leia mais

ESCOLA BÁSICA SANTA CLARA. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Educação Visual (5ºAno) 2015-2016

ESCOLA BÁSICA SANTA CLARA. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Educação Visual (5ºAno) 2015-2016 1 1 Não conhece os materiais riscadores e respetivos suportes físicos. Não domina os materiais básicos de desenho técnico. Não domina a aquisição de conhecimento prático. Não compreende a geometria enquanto

Leia mais

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA 1.º ANO Desenho 1.º Semestre A cadeira de Desenho visa dotar os alunos de uma sólida base de conhecimentos e promover acções específicas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE ARTE TEMA: CIRCO

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE ARTE TEMA: CIRCO TEMA: CIRCO 1. ano Reconhecimento e análise de formas visuais presentes na natureza e nas diversas culturas Utilização de elementos da linguagem visual: linha, cor, forma Representação por meio de colagem,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO GRÁFICA E AUDIOVISUAL ANO:

Leia mais

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 1. Enquadramento O Serviço Educativo da Casa das Histórias Paula Rego é entendido como um sector de programação que visa uma mediação significativa entre

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 8.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 8.º Ano Projeto 1: ANIMAÇÂO GRÁFICA DA CAPA Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Objetivo Geral: Reinventar uma foto do aprendente através do desenho e colagem. Deste estudo resultará a ilustração

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 7 12 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!///////////////////// 3 CINEMA EM CASA!//////////////////////////////////////////////////// 4 QUE FEITIÇO É ESTE?/////////////////////////////////////////////////

Leia mais

DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO. Conjunto de Metodologias. Procedimentos. que visam o desenvolvimento. comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS.

DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO. Conjunto de Metodologias. Procedimentos. que visam o desenvolvimento. comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS. DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO Conjunto de Metodologias Procedimentos que visam o desenvolvimento comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS. DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO GEOMÉTRICA Objectivo produzir documentação

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Saída(s) Profissional(is): Operador de Fotografia (nível 2)

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Saída(s) Profissional(is): Operador de Fotografia (nível 2) INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Área de Formação: 213. AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DOS MÉDIA Itinerário de Qualificação: 21305. FOTOGRAFIA

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Currículo nº 2

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Currículo nº 2 CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Currículo nº 2 Reconhecido pelo Decreto nº. 3595, de 14.10.08, D.O.E. nº 7.827 de 14.10.08, e complementação do reconhecimento pelo Decreto nº.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL Ano Letivo 2011-2012

PROGRAMAÇÃO ANUAL Ano Letivo 2011-2012 PROGRAMAÇÃO ANUAL Ano Letivo 20-202 3ºCICLO OFICINA DE ARTES Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 2 A Disciplina de Oficina de Artes funcionando no 7º e no 8º ano em regime

Leia mais

DISCIPLINA DE ARTE CONTEÚDOS:

DISCIPLINA DE ARTE CONTEÚDOS: DISCIPLINA DE ARTE OBJETIVOS: 6 ano Construir, expressar-se e comunicar-se em artes plásticas e visuais, articulando percepção, memória, imaginação, sensibilidade e reflexão. Desenvolver relação de autoconfiança

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 1º VOLUME ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO Criação de desenhos, pinturas e colagens, com base em seu próprio repertório. Exploração das possibilidades oferecidas por diferentes

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO AMGE - Auxiliar de Manutenção e Gestão de Espaços CRITÉRIOS DE Ano Lectivo 2014/15 Coordenador do Curso: José Pedro Moutinho Critérios de Avaliação (14-15) VOCACIONAL C AMGE -

Leia mais

P R O G R A M A. M ó d u l o d e G e o m e t r i a D e s c r i t i v a ( 2 4 h o r a s )

P R O G R A M A. M ó d u l o d e G e o m e t r i a D e s c r i t i v a ( 2 4 h o r a s ) DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN C U R S O L I V R E 2 0 0 9 P R E P A R A Ç Ã O P A R A A S P R O V A S D E A V A L I A Ç Ã O D E D E S E N H O E G E O M E T R I A D E S C R I T I V A E DE H I S T Ó R I

Leia mais

CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16. Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso

CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16. Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16 Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso Conhecimentos AQUISIÇÃO DE CONHECIMENTOS Percepção e Compreensão

Leia mais

Planificação Curricular Pré-escolar

Planificação Curricular Pré-escolar PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ciclo/ Área/ Disciplina: Pré-escolar Ano Letivo 2012/2013 Área de Formação pessoal e Social Esboço Curricular para a Educação de Infância (segundo as Orientações Curriculares

Leia mais

ANEXO. Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado

ANEXO. Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado ANEXO Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado EXAME DE HABILIDADE PARA OS CANDIDATOS A FACULDADE DE ARTES VISUAIS MODALIDADE LICENCIATURA E BACHARELADO ARTES VISUAIS Para candidatar-se ao

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016 DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual / Critérios de avaliação Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/Conteúdos Metas de Aprendizagem Estratégias/

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

EB 2,3 do Cadaval Planificação Anual Geografia 3º Ciclo 7º Ano Ano Lectivo 2006/2007. A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES A Geografia e a paisagem

EB 2,3 do Cadaval Planificação Anual Geografia 3º Ciclo 7º Ano Ano Lectivo 2006/2007. A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES A Geografia e a paisagem EB 2,3 do Cadaval Planificação Anual Geografia 3º Ciclo 7º Ano Ano Lectivo 2006/2007 A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES A Geografia e a paisagem A Geografia e a paisagem Identificar o objecto de estudo

Leia mais

WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos

WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos VERÃO 2011 WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos Oficina de BD Neste workshop não se faz apenas banda desenhada: faz-se um fanzine de banda desenhada! Vamos criar uma história com base no teu imaginário

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE 3.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE 3.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR CURSO: GRADUAÇÃO: REGIME: DURAÇÃO: INTEGRALIZAÇÃO: ARQUITETURA E URBANISMO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 05 (CINCO) ANOS LETIVOS MÍNIMO: 05 (CINCO) ANOS LETIVOS A) TEMPO TOTAL:

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME. Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME. Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados Unidade 4 O mundo secreto das tocas e dos ninhos Unidade 5 Luz, sombra e ação! Unidade

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Pesquisa e planejamento. Conceituação. Concepção de produtos de moda voltada para o mercado de acessórios. 2 ATIVIDADES COMPLRES Fase: -x- Carga

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS CEPS PROCESSSO SELETIVO 2016 PS 2016 EXAME DE HABILIDADES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS CEPS PROCESSSO SELETIVO 2016 PS 2016 EXAME DE HABILIDADES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS CEPS PROCESSSO SELETIVO 2016 PS 2016 EXAME DE HABILIDADES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO DE ARTES VISUAIS I. NOÇÕES DE PERCEPÇÃO E PERSPECTIVA

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 12 18 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!/////////////////////////////////////// 3 CINEMA EM CASA!////////////////////////////////////////////////////////////////////// 4 BRINQUEDOS ÓPTICOS///////////////////////////////////////////////////////////////

Leia mais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Introdução O objetivo deste trabalho é demonstrar como as artes visuais podem ser trabalhadas com visitas a museus e centros culturais. Apresenta

Leia mais

REGULAMENTO CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO

REGULAMENTO CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO CRIADORES Jovens Criadores 14 JOVENS 14 REGULAMENTO O concurso Jovens Criadores, visa incentivar e promover valores emergentes de diferentes áreas artísticas. As áreas a concurso são:artes Plásticas, Banda

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016 Critérios de Avaliação da Educação Pré-Escolar Página 1 Introdução O princípio consensualmente partilhado de que a avaliação é um elemento integrante e regulador

Leia mais

Projeto 1 (TG0090) Espaço e Forma1 (TG0091) Geometria Descritiva (TG0093) Desenho de Observação (TG0092) História da Arte e do Design 1 (TG0094)

Projeto 1 (TG0090) Espaço e Forma1 (TG0091) Geometria Descritiva (TG0093) Desenho de Observação (TG0092) História da Arte e do Design 1 (TG0094) 1 (TG0090) problemas. Abordagem do processo do design do fragmento ao conjunto organizado. Investigação, representação e comunicação através do desenho manual. Ambiente humano, dimensões de uso e significado

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados segundo o programa em vigor e as Metas Curriculares definidas pelo ministério da Educação e Ciência.* 1º Período 26/28 aulas previstas

Leia mais

I CFD. Área: ARTE Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL

I CFD. Área: ARTE Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL. Arte Rupestre. Arte Africana. Arte Indígena Brasileira Valorizar o(s) autor (es) dos objetos culturais apreciados, conhecendo aspectos de suas principais obras;

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 850. Protecção do Ambiente Itinerário de Formação 85001. Operação de Sistemas Ambientais Saída Profissional Designação:

Leia mais

2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO E SUA INSERÇÃO NO PLANO DE ACTIVIDADES DA ENTIDADE PROPONENTE

2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO E SUA INSERÇÃO NO PLANO DE ACTIVIDADES DA ENTIDADE PROPONENTE 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Educação Artística Contributos para a Educação para a Sustentabilidade, Ambiente e Reutilização Criativa 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO E SUA INSERÇÃO NO PLANO DE

Leia mais

BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES

BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES 1.º PERÍODO PLANIFICAÇÃO DA ATIVIDADE DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES. Reconhecimento da importância das artes plásticas;. Desenvolvimento progressivo das possibilidades

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

Uma Visão Geral do Currículo para os Pais Seu Filho na Primeira Série

Uma Visão Geral do Currículo para os Pais Seu Filho na Primeira Série Uma Visão Geral do Currículo para os Pais Seu Filho na Primeira Série Caros Pais e Guardiões: Seus filhos vêm para a escola trazendo com eles uma grande bagagem de conhecimento e uma carga de varias experiências

Leia mais

Planificação de. Aplicações Informáticas B

Planificação de. Aplicações Informáticas B Escola básica e secundária de Velas Planificação de Aplicações Informáticas B Ano letivo 2011/2012 1- Introdução à Programação Planificação de Aplicações Informáticas B Unidade Sub-Unidades Objetivos Conteúdos

Leia mais

Unificação Fechamento Continuidade

Unificação Fechamento Continuidade UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1081 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Matriz: 421 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Componente Curricular: EXPRESSÃO GRÁFICA

Leia mais

Educação Visual - Cód. 14

Educação Visual - Cód. 14 Agrupamento Vertical de Escolas de Abação Escola EB 2,3 Abação Informação n.º 1 ---------------------------------------------------- Data: 12 de maio de 2014 ----------------------------------------------------

Leia mais

PLANO DE EXECUÇAO DE USO DO MATERIAL EM ATIVIDADES EXTRAS 6º ANO 1 FOLHA DE CARTOLINA DUPLA FACE PRETA; 02 METROS DE TECIDO ALGODÃOZINHO

PLANO DE EXECUÇAO DE USO DO MATERIAL EM ATIVIDADES EXTRAS 6º ANO 1 FOLHA DE CARTOLINA DUPLA FACE PRETA; 02 METROS DE TECIDO ALGODÃOZINHO PLANO DE EXECUÇAO DE USO DO MATERIAL EM ATIVIDADES EXTRAS 6º ANO MÊS DATA COMEMORATIVA MATERIAL JUSTIFICATIVA OBJETIVO JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL 14/02- DIA DA AMIZADE; 21/03- DIA DO TEATRO; 27/03-

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual e

Leia mais

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais.

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais. Ficha de Unidade Curricular Cursos de Design: Industrial e Ambientes 2009/2010 Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno è capaz de: Identificar a influência da textura ou da dimensão na perceção da cor. Distinguir diferenças entre cor

Leia mais

1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO. Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos

1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO. Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos 1) Plano de Aula PARTE I ENQUADRAMENTO Título Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Escala Tema/Conteúdos Conceitos Objectivos/ Competências Agricultura controlada 3º Ciclo 8º Ano Geografia Território

Leia mais

Técnico de MULTIMÉDI@ Perfil de desempenho:

Técnico de MULTIMÉDI@ Perfil de desempenho: Curso Profissional Técnico de MULTIMÉDI@ Perfil de desempenho: Conhece e coloca em prática técnicas avançadas de captação Certificação: DIPLOMA DE 12ºANO; CERTIFICADO DE QUAL. PROF. DE NÍVEL 4 DA UE (Técnico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Curso: 0 DESIGN, HABILITAÇÃO EM DESIGN GRÁFICO Documentação: Resolução n 010/CEG/UFSC/008, de 0/09/008 Curso reconhecido pela portaria/mec n 09, publicado no Diário Oficial da

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Clube de adrez Professor Responsável Carlos Magalhães Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivos

Leia mais

Artes Visuais Estudantis (AVE)

Artes Visuais Estudantis (AVE) Artes Visuais Estudantis (AVE) O que é O projeto Artes Visuais Estudantis (AVE) é parte integrante do desenvolvimento de políticas culturais com a juventude estudantil, para a promoção das diversas linguagens

Leia mais

Geometria Descritiva A

Geometria Descritiva A Prova de Exame Nacional de Geometria Descritiva A Prova 708 2011 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec. Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências Humanas e suas tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL IZA RIZZOTTI CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - 2 PERÍODO

CENTRO EDUCACIONAL IZA RIZZOTTI CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - 2 PERÍODO CENTRO EDUCACIONAL IZA RIZZOTTI CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - 2 PERÍODO Falar de educação é em primeiro lugar falar de ser humano. E falar de ser humano é pensar e sentir, deslocar-se de lugares e posições

Leia mais

18. (Ausência de resposta).

18. (Ausência de resposta). Na sua opinião, a sua formação inicial contemplou de forma adequada o desenvolvimento de competências profissionais na área das Expressões Artísticas? Respostas Categorias 1. (Ausência de resposta). 2.

Leia mais

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA:

SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA: SISTEMAS DE SOMBREAMENTO EM ARQUITECTURA: PROPOSTA DE UM NOVO MÉTODO DE CONCEPÇÃO E DIMENSIONAMENTO Milene Silva de Jesus Palhinha Dissertação para a obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura Instituto

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA

EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA PRINCÍPIOS ORIENTADORES A manipulação e experiência com os materiais, com as formas e com as cores permite que, a partir de descobertas sensoriais, as crianças desenvolvam

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a AutoCAD WS M

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos de Educação Inclusiva

Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos de Educação Inclusiva Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos de Educação Inclusiva O presente Diário de Bordo serve como parte da avaliação para a disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos

Leia mais

A arte de conceber, de levantar, de redigir e de divulgar os mapas.

A arte de conceber, de levantar, de redigir e de divulgar os mapas. CARTOGRAFIA Cartografia (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. Joly (1990, p. 7) considera a cartografia como:

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS AUTORIZAÇÃO: Decreto Federal nº 73.259/73 RECONHECIMENTO: Decreto Estadual nº 711/2011 PERÍODO DE CONCLUSÃO: Mínimo: 4 anos / Máximo: 7 anos NÚMERO DE VAGAS: 20 vagas

Leia mais

ANO LECTIVO 2011-12 LABORATÓRIOS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES

ANO LECTIVO 2011-12 LABORATÓRIOS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES ANO LECTIVO 2011-12 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES 1 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO Chefs no Laboratorium Muitos dos alimentos que fazem as delícias dos mais pequenos resultam

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Conhecer diferentes termos espaciais (em pé, deitado, em cima, em baixo, à frente, atrás, dentro, fora ) Descrever itinerários diários (exemplos:

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS Área temática: Preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro Professora Drª Adriane Borda (coordenador da Ação de Extensão) Vanessa da Silva Cardoso 1,

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO Geografia (3º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2013 pelos alunos que se encontram abrangidos

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº01/2015 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Saber dotar um edifício de boas condições de conforto acústico,

Leia mais

PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Artes Visuais Professores: Mirian Terezinha Bolsi Período/ Fase: 7ª Semestre: 1/2014 Ano: 2014 Disciplina:

Leia mais