Fenômeno Físico Como a cor acontece

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fenômeno Físico Como a cor acontece"

Transcrição

1 Fenômeno Físico Como a cor acontece Teoria das Cores Definição Expressa uma sensação visual que nos oferece a natureza através dos raios de luz irradiados em nosso planeta. A cor não existe, materialmente falando. É apenas uma sensação produzida por certas organizações nervosas sob a ação da luz e o órgão da visão.

2 A cor depende de dois elementos para acontecer: 1) Luz (elemento físico, estímulo) 2) Olho (aparelho receptador, decifrador do fluxo luminoso) A característica luminosa (estímulos) que provocam a sensação da cor, chamamos de Matiz. Os estímulos que causam as sensações cromáticas estão divididos em dois grupos: 1) Cor-Luz 2) Cor-Pigmento Cor-Luz É a radiação luminosa visível que tem como síntese aditiva a luz branca. A luz solar é o melhor meio para expressar este conceito, por reunir de forma equilibrada todos os matizes existentes na natureza. Cada faixa colorida que compõem o espectro solar, quando tomadas isoladamente, uma a uma, denominam-se luzes monocromáticas. Cor-Pigmento É a substância material que, conforme sua natureza, absorve, refrata (modifica a direção da propagação de uma onda) e reflete os raios luminosos componentes da luz que se difunde sobre ela. Comumente, chamamos cores-pigmento as substâncias corantes que fazem parte do grupo das cores químicas, que são as cores que podemos criar. PERCEPÇÃO DA COR O fenômeno da percepção da cor é bastante mais complexo que o da sensação. Na sensação da cor entram os fatores físicos (luz) e o fisiológico (olho). Na percepção da cor, além dos elementos da sensação entram também o fator psicológico que podem alterar substancialmente a qualidade do que se vê. Na percepção distinguem-se três características principais que correspondem aos parâmetros básicos da cor: 1) Matiz (comprimento da onda, gama) 2) Valor (luminosidade ou brilho) 3) Croma (saturação ou pureza da cor)

3 Matiz: refere-se ao comprimento de onda específico de cada cor contida na luz. A decomposição da luz revela raios de luz que, uma vez isolados, oferecem aos olhos sensações especiais, as quais denominamos COR. Valor ou Luminosidade: Termos bastante utilizados para definir o grau de claridade ou de obscuridade contido numa cor. O valor de uma cor é determinado pelo grau de proximidade do preto ou do branco. Assim, para obtermos o valor de uma determinada cor, usamos como referência as graduações do cinza que temos entre o preto e o branco. Podemos dizer que cada cor tem um valor próprio, correspondente a um tom de cinza. (Exemplo: fotografia em preto e branco) Croma ou Saturação: É a qualidade específica de saturação de cada cor que indica seu grau de pureza. Uma cor em seu grau de pureza é uma cor saturada. Quanto mais preto for adicionado e uma determinada cor, mais saturada ela fica. Da mesma forma, uma cor é denominada mais dessatudara em função de sua mistura com o branco. CLASSIFICAÇÃO DAS CORES Podemos classificar as cores segundo suas características e formas de manifestação. Cor geratriz ou primária: é cada uma das três cores indecomponíveis, que misturadas entre si em suas proporções ideais, geram todas as outras cores existentes no espectro. Quando falamos em cor-luz, as cores primárias são o vermelho, verde e azul. A mistura destas três luzes colorida gera a luz branca. Quando falamos em cor-pigmento, substâncias corantes opacas, as cores primárias são o vermelho, o amarelo e o azul. Cor secundária: é a cor formada em equilíbrio óptico por duas cores primárias, em proporções iguais. São elas o laranja, o roxo e o verde.

4 Cor terciária: é a cor intermediária entre uma cor secundária e qualquer das duas primárias que lhe dão origem. Ou seja, é a mistura de uma cor secundária com uma das cores primárias que a formam. Cor complementar: Toda cor tem uma outra que a complementa. Pegando o sistema de cores-pigmento opacas para as cores primárias amarelo, vermelho e azul, teremos como cor complementar o roxo, o verde e o laranja, respectivamente. Analisando esta relação, notamos que a cor complementar de uma primária é a soma das outras duas primárias, ou, a cor complementar de uma cor secundária é a terceira cor primária. Cores quentes e frias: De acordo com a proporção de vermelho, amarelo, azul ou verde que as cores contenham, elas podem ser classificadas em quentes ou frias.

5 Cores quentes: São consideradas cores quentes o vermelho e o amarelo, além de todas aquelas que contêm uma predominância percentual de vermelho e/ou amarelo. As cores quentes são em geral mais luminosas e colocam as áreas por elas preenchidas num plano mais á frente. Por possuírem mais luminosidade, parecem ocupar uma área maior quando colocadas ao lado de uma cor quente, que produz menos luminosidade. Cores frias: São consideradas cores frias o azul e o verde, assim como todas aquelas que contêm uma predominância percentual de azul e/ou verde. As cores frias em geral são menos luminosas e colocam as áreas por elas preenchidas num plano mais atrás. Por possuírem menos luminosidade, parecem ocupar uma área menos quando colocadas ao lado de uma cor fria, que produz mais luminosidade.

Gorovitz/Maass Design 2000. Recomendações para uso de cores no ambiente escolar

Gorovitz/Maass Design 2000. Recomendações para uso de cores no ambiente escolar Gorovitz/Maass Design 2000 Recomendações para uso de cores no ambiente escolar Introdução O objetivo desse trabalho é fazer um estudo que fundamente as recomendações de uso de cor na pintura de ambientes

Leia mais

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Fundamentos da Cor Aluno: Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Turma: 0195A Disciplina: Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Professora: Berenice Gonçalves Data de entrega:

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA CORES

CLASSIFICAÇÃO DA CORES CLASSIFICAÇÃO DA CORES Na nossa vida cotidiana, estamos cercados por cores e as escolhemos regularmente, para nos vestir, decorar nossas casas ou mesmo para comprar um carro. Ter um olhar para as cores

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

Cor. A cor como ferramenta. Cor-luz. Percepção das cores. Cor-pigmento. Tipos de estímulos cromáticos. Design & Percepção 2. www.ligiafascioni.com.

Cor. A cor como ferramenta. Cor-luz. Percepção das cores. Cor-pigmento. Tipos de estímulos cromáticos. Design & Percepção 2. www.ligiafascioni.com. Design & Percepção 2 A cor como ferramenta Lígia Fascioni Cor Disco de Newton Muita gente estudou o fenômeno: Filósofos (Platão) Matemáticos (Newton) Físicos (Kepler, Descartes) Escritores (Goethe) Pintores

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

Gramática Visual. A cor

Gramática Visual. A cor Gramática Visual A cor Os nossos olhos são sensíveis às radiações luminosas propagadas no espaço em diferentes comprimentos de onda, o que origina a percepção visual das coisas que nos rodeiam. Temos

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

Cores Introdução. As cores como fenômenos físicos e químicos. 48 Capítulo 4

Cores Introdução. As cores como fenômenos físicos e químicos. 48 Capítulo 4 Cores Introdução O ser vivo é conectado ao meio ambiente por meio das sensações sonoras, luminosas, gustativas, táteis e olfativas. Portanto, a falta de qualquer um dos órgãos dos sentidos nos traz sérios

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5%

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Células fotossensíveis CONES: funcionam com maior nível de iluminação e são responsáveis pela percepção das cores, além da percepção de espaço e de

Leia mais

prof.nelson_urssi a cultura contemporânea em projeto

prof.nelson_urssi a cultura contemporânea em projeto prof.nelson_urssi dsg> cor, cultura e significado qualidades da cor cores aditivas e subtrativas harmonias e contrastes programação cromática psicologia das cores códigos+público alvo a cultura contemporânea

Leia mais

formação web design. 2013 01. 127

formação web design. 2013 01. 127 formação web design. 2013 01. 127 as cores a cor m a t i z o nome atual, como vermelho ou verde s a t u r a ç ã o indica a pureza da cor, o grau de pureza do matiz l u m i n o s i d a d e indica o quanto

Leia mais

As cores na identidade visual de empresas de tecnologia The colors in visual identity of technology companies

As cores na identidade visual de empresas de tecnologia The colors in visual identity of technology companies As cores na identidade visual de empresas de tecnologia The colors in visual identity of technology companies Lígia Cristina Fascioni Mestre em Engenharia Elétrica, UFSC Milton Horn Vieira Doutor, UFSC

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n) Analisando as Grandezas

REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n) Analisando as Grandezas ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n)

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Uso de Cores no Design de Interfaces

Uso de Cores no Design de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Uso de Cores no Design de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra

Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra ACTIVIDADE PRÁCTICA DE SALA DE AULA FÍSICA 10.º ANO TURMA A Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra 1. Na figura seguinte estão representados os espectros térmicos de dois corpos negros, na zona do

Leia mais

Nota: Todos os modelos de Kits Completos de Sensores de Parqueamento se encontram disponíveis unicamente na cor Preta. No entanto quando solicitado,

Nota: Todos os modelos de Kits Completos de Sensores de Parqueamento se encontram disponíveis unicamente na cor Preta. No entanto quando solicitado, Nota: Todos os modelos de Kits Completos de Sensores de Parqueamento se encontram disponíveis unicamente na cor Preta. No entanto quando solicitado, os sensores podem ser disponibilizados em formato avulso

Leia mais

Informática Aplicada a Radiologia

Informática Aplicada a Radiologia Informática Aplicada a Radiologia Apostila: Imagem Digital parte I Prof. Rubens Freire Rosa Imagem na forma digital A representação de Imagens na forma digital nos permite capturar, armazenar e processar

Leia mais

Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fotossíntese e Respiração... 1 Fotossíntese... 1 Respiração... 4 Exercícios... 5 Gabarito... 8 Fotossíntese e Respiração Fotossíntese Definição

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

Sistema de Cores. Guillermo Cámara-Chávez

Sistema de Cores. Guillermo Cámara-Chávez Sistema de Cores Guillermo Cámara-Chávez Conceitos Motivação - poderoso descritor de característica que simplifica identificação e extração de objetos da cena; - humanos podem distinguir milhares de tonalidades

Leia mais

As Cores das Estrelas

As Cores das Estrelas 1 As Cores das Estrelas Jane Gregorio-Hetem, Eduardo Brescansin de Amôres, Raquel Yumi Shida (IAG-USP) 1.INTRODUÇÃO O que aprenderei nesta atividade? Você aprenderá como os astrônomos calculam a temperatura

Leia mais

CORES E. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

CORES E. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR CORES E SISTEMAS DE CORES Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Abr/2014 A Estrutura do Olho Humano O olho humano é praticamente uma esfera com diâmetro médio

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Percepção Visual e de Cores - Parte I Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Percepção Visual e de

Leia mais

Cores são efetivas na codificação de informação?

Cores são efetivas na codificação de informação? Cores são efetivas na codificação de informação? Sistema Visual Sinais visuais Radiações Sinais luminosos Sinais elétricos Fóvea ou mancha amarela Cones sensíveis a comprimento de onda curto, médio e longo

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

RESISTORES, TIPOS DE RESISTORES, IDENTIFICAÇÃO E PRÁTICA DE MEDIÇÃO.

RESISTORES, TIPOS DE RESISTORES, IDENTIFICAÇÃO E PRÁTICA DE MEDIÇÃO. RESISTORES, TIPOS DE RESISTORES, IDENTIFICAÇÃO E PRÁTICA DE MEDIÇÃO. O resistor normalmente é encontrado na forma cilíndrica onde temos um material cerâmico enrolado por uma camada espiral de material

Leia mais

Bares e restaurantes. Sensações e estímulos provocados pela luz. p o n t o d e v i s t a. Por Claudia Torres

Bares e restaurantes. Sensações e estímulos provocados pela luz. p o n t o d e v i s t a. Por Claudia Torres p o n t o d e v i s t a Bares e restaurantes Por Claudia Torres Sensações e estímulos provocados pela luz NOS BARES E RESTAURANTES, A ATMOSFERA CRIADA PELA iluminação é tão importante quanto o cardápio.

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica Conteúdo: - Ótica Habilidades: - Entender a propagação da luz e suas aplicações Dispersão da luz A dispersão da luz consiste em um fenômeno onde a luz branca VERMELHO ALARANJADO AMARELO VERDE AZUL ANIL

Leia mais

Um estudo de cores em Josef Albers para um ambiente infantil* A Study Of Josef Albers Colors In An Environment For Children

Um estudo de cores em Josef Albers para um ambiente infantil* A Study Of Josef Albers Colors In An Environment For Children Artes Visuais Um estudo de cores em Josef Albers para um ambiente infantil* A Study Of Josef Albers Colors In An Environment For Children por Maria Gabriela Cherem Luft RESUMO As cores sugerem diferentes

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA. Luz 2º CEB. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online

GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA. Luz 2º CEB. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA Luz Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online 2º CEB Introdução O Explora é uma verdadeira floresta de fenómenos naturais.

Leia mais

CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL HORST HOGREFE COR E SAÚDE: O EFEITO DAS CORES NAS SOMATOPSICOPATOLOGIAS

CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL HORST HOGREFE COR E SAÚDE: O EFEITO DAS CORES NAS SOMATOPSICOPATOLOGIAS CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL HORST HOGREFE COR E SAÚDE: O EFEITO DAS CORES NAS SOMATOPSICOPATOLOGIAS CURITIBA 2011 HORST HOGREFE COR E SAÚDE: O EFEITO DAS CORES NAS SOMATOPSICOPATOLOGIAS Monografia

Leia mais

1) PROBLEMATIZAÇÃO 2) PERGUNTAS-CHAVE 3) CONCEITOS CHAVE. Atividade 3

1) PROBLEMATIZAÇÃO 2) PERGUNTAS-CHAVE 3) CONCEITOS CHAVE. Atividade 3 Atividade 3 1) PROBLEMATIZAÇÃO Não é raro se ouvir as pessoas falando que não é apropriado usar roupas pretas em dias muito quentes, por algum motivo afirmam que a roupa preta esquenta mais do que outra

Leia mais

Cores. Judith Kelner Eduardo Albuquerque Vários colaboradores

Cores. Judith Kelner Eduardo Albuquerque Vários colaboradores Cores Judith Kelner Eduardo Albuquerque Vários colaboradores Abril/2011 Um pouco de História... Homem Primitivo Significado simbólico. Antiguidade Platão (427-347 ac), nos olhos existia um fogo que dava

Leia mais

PIRÔMETROS RESUMO. Palavras-chaves: pirometria, temperatura, pirômetro, radiação eletromagnética.

PIRÔMETROS RESUMO. Palavras-chaves: pirometria, temperatura, pirômetro, radiação eletromagnética. PIRÔMETROS ISABELLE PEREIRA GOMES 1 RAPHAEL RIBEIRO PEREIRA² KATHLEEN VASCONCELLOS³ PROFESSOR ORIENTADOR: LEONARDO VIDAL RESUMO Este artigo trata sobre a medição de temperatura pelo processo de pirometria,

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 3 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA FEVEREIRO 2009 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA Não há como negar que, psicologicamente

Leia mais

Escola Básica Vasco da Gama de Sines

Escola Básica Vasco da Gama de Sines FICHA INFORMATIVA: PERÍMETRO DE UM POLÍGONO TEMA: PERÍMETROS E ÁREAS O perímetro de uma figura plana fechada é o comprimento da linha que limita a figura. É o comprimento da linha que limita o polígono

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica Resolução das atividades complementares 3 Física F7 Introdução à Óptica geométrica p. 10 1 (FMTM-MG) O princípio da reversibilidade da luz fica bem exemplificado quando: a) holofotes iluminam os atores

Leia mais

Material Didáctilo Raul Ventura o Cosmonauta!

Material Didáctilo Raul Ventura o Cosmonauta! Raul Ventura o Cosmonauta! Narrador: Raul era um menino muito curioso! Adorava fazer experiências, conhecer coisas novas! Já tinha efectuado várias viagens a volta de sua casa, na companhia do seu gato

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

Espaço para logotipos de patrocinador/ colaborador, se houver.

Espaço para logotipos de patrocinador/ colaborador, se houver. SUGESTÃO 1 Camiseta preta (Fatec ou Etec) SUGESTÃO 2 Camiseta azul (Fatec ou Etec) SUGESTÃO 3 Camiseta branca (Fatec ou Etec) SUGESTÃO 4 Camiseta amarela (Fatec ou Etec) SUGESTÃO 5 Camiseta verde (Fatec

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Entre Cores Teoria da Cor

Entre Cores Teoria da Cor Entre Cores Teoria da Cor A cor faz parte do nosso mundo e das nossas vidas. Todos os dias estamos em contato com as cores. Escolhendo as roupas para vestirmos, tentamos combinar as meias com o terno,

Leia mais

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1 Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS Cores Prof. Elisa M. Pivetta Cores 1 COR Adicionam impacto, interesse e informação a documentos e gráficos; Vários fatores envolvidos

Leia mais

Elaboração de um Guia de Estilos para Serviços de Informação em Ciência e Tecnologia via Web. Rosamelia Parizotto

Elaboração de um Guia de Estilos para Serviços de Informação em Ciência e Tecnologia via Web. Rosamelia Parizotto Elaboração de um Guia de Estilos para Serviços de Informação em Ciência e Tecnologia via Web Rosamelia Parizotto Parte I - Capítulo 2 2.1 Layouts O layout é a forma pela qual os itens de informação estão

Leia mais

ANALÍTICA V 1S 2013 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA V 1S 2013 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA V 1S 2013 Aula 5: 04-06-13 ESPECTROSCOPIA Espectrofotometria no UV-Vis Vis - Parte II Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

EXTERNATO MATER DOMUS

EXTERNATO MATER DOMUS EXTERNATO MATER DOMUS RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 MATÉRIA: FÍSICA PROFESSORA: RENATA LEITE QUARTIERI ALUNO: Nº Série: 3º TURMA: Única DATA: 02 /03/2015 ASSINATURA DO

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) «21. No ensino do desenho de observação, qual o maior motivo de principiantes sentirem dificuldades em desenhar rostos humanos? a) Porque rostos humanos

Leia mais

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP Docente: Bruno Duarte Fev 2010 O que é uma imagem digital? Uma imagem diz-se digital quando existe um ficheiro em computador que guarda a informação gráfica desta

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Índice Apresentação Malha Construtiva Área de Proteção Família Tipográ ca Padrões Cromáticos Redução da Marca Fundos Marca D água Marcas Especiais Especi cações Finais 02 Apresentação

Leia mais

Em duplas os alunos receberão uma folha contendo o material que será desenvolvido em aula.

Em duplas os alunos receberão uma folha contendo o material que será desenvolvido em aula. Série: 5ª série Carga horária: 2 períodos Conteúdo: Frações Objetivo: O aluno ao final da aula deverá verificar por meio de representações concretas, que o resultado de dividir a por b é o mesmo que dividir

Leia mais

NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015

NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015 NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015 Professor Danilo Lima Site: estudeadistancia.professordanilo.com PREFÁCIO Estas notas são divulgadas periodicamente no blog estudeadistancia.professordanilo.com A data

Leia mais

USO DE CORES. Ruy Alexandre Generoso

USO DE CORES. Ruy Alexandre Generoso USO DE CORES Ruy Alexandre Generoso DEFINIÇÃO DE COR Cor é a sensação ou o efeito fisiológico que produz a decomposição da luz branca em radiações com larguras variáveis. veis. AS CORES Proporcionam uma

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CORES FERRAMENTA FUNDAMENTAL PARA A DOCUMENTAÇÃO DIGITAL DE BENS CULTURAIS

GERENCIAMENTO DE CORES FERRAMENTA FUNDAMENTAL PARA A DOCUMENTAÇÃO DIGITAL DE BENS CULTURAIS Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.4, pp. 215-220 Copyright 2007 AERPA Editora GERENCIAMENTO DE CORES FERRAMENTA FUNDAMENTAL PARA A DOCUMENTAÇÃO DIGITAL DE BENS CULTURAIS

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA PRODUÇÃO GRÁFICA PUBLICIDADE & PROPAGANDA Prova Semestral --> 50% da nota final. Sistema de avaliação Atividades em laboratório --> 25% da nota final Exercícios de práticos feitos nos Laboratórios de informática.

Leia mais

Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Glossário

Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Glossário Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS Glossário 2004 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos das Avisos de caráter legal deste produto. 45044849

Leia mais

Prova Experimental. Quinta-feira, 7 de Julho de 2005. Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência!

Prova Experimental. Quinta-feira, 7 de Julho de 2005. Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência! 36 a Olimpíada Internacional de Física. Salamanca (Espanha) 005 Prova Experimental Quinta-feira, 7 de Julho de 005 Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência! Por favor, ler estas

Leia mais

WORKING TOGETHER PROCURA REDUZIR CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE COMUNICAÇÃO?

WORKING TOGETHER PROCURA REDUZIR CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE COMUNICAÇÃO? PROCURA REDUZIR CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE COMUNICAÇÃO? ENTÃO NÃO PROCURE MAIS. COM OS SERVIÇOS DE PROCUREMENT DA POLIVALOR ENCONTROU A SOLUÇÃO. Reduzir custos, seleccionar o fornecedor que garante

Leia mais

V - Correcção de perspectiva

V - Correcção de perspectiva V - Correcção de perspectiva E se o afastamento do ponto de tomada de vista e a utilização de uma altura média em relação ao elemento a fotografar reduzem a necessidade de movimentos de correcção da perspectiva,

Leia mais

volt 4625 pendente em alumínio pendente em alumínio e madeira branco pendente em alumínio e madeira branco e madeira branco pendente em alumínio

volt 4625 pendente em alumínio pendente em alumínio e madeira branco pendente em alumínio e madeira branco e madeira branco pendente em alumínio volt 4624 pendente em alumínio e madeira branco 35,5 x 35,5 cm (AxØ) 4626 pendente em alumínio e madeira branco 40 x 25 cm (AxØ) 4628 pendente em alumínio e madeira branco 31 x 33,5 cm (AxØ) 4625 pendente

Leia mais

Elementos Básicos da Comunicação Visual

Elementos Básicos da Comunicação Visual Elementos Básicos da Comunicação Visual Elementos Básicos da Comunicação Visual Temos variados pontos de vista para analisarmos qualquer obra visual; um dos mais reveladores é decompô-la em seus elementos

Leia mais

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez Visão humana Guillermo Cámara-Chávez Cor e visão humana Como uma imagem é formada? Uma imagem é formada a partir da quantidade de luz refletida ou emitida pelo objeto observado. Cor e visão humana Cor

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Programa de Gestão Ambiental da PGR PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Brasília, abril de 2007 Considerações Gerais Finalmente a questão ambiental

Leia mais

Universidade Federal do Paraná - Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067

Universidade Federal do Paraná - Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Universidade Federal do Paraná - Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Resistores Fixos de Película de Carbono ou Película Metálica Prof. Dr. Ewaldo L. M. Mehl, UFPR,

Leia mais

WEB DESIGN LAYOUT DE PÁGINA

WEB DESIGN LAYOUT DE PÁGINA LAYOUT DE PÁGINA Parte 3 José Manuel Russo 2005 17 Introdução A Cor é um factor importante em qualquer Web Site não só reforça a identificação de uma Empresa como o ambiente psicológico pretendido (calma,

Leia mais

Em nossa experiência diária, muitas

Em nossa experiência diária, muitas Mara Fernanda Parisoto Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre RS Brasil E-mail: marafisica@hotmailcom Thaís Rafaela Hilger Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre RS Brasil

Leia mais

CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC

CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC O OBJETIVO DO PROJETO A criação dos ícones dos cursos tem como objetivo construir uma identidade visual única para os cursos ofertados pelo IFC, principalmente

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Percepção da cor. Percepção visual II. S. Mogo 2013 / 14. Departamento de Física Universidade da Beira Interior. Percepção visual. S.

Percepção da cor. Percepção visual II. S. Mogo 2013 / 14. Departamento de Física Universidade da Beira Interior. Percepção visual. S. Percepção da cor Percepção II Departamento de Física Universidade da Beira Interior 2013 / 14 Outline 1 Definição de cor 2 Sistemas de especificação de cores de especificação de cores de especificação

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Fábio Legramanti Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jônatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Fábio Legramanti Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jônatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 06: Ondas longitudinais e ondas transversais; Medida do comprimento de uma

Leia mais

Preciso usar óculos?

Preciso usar óculos? A U A UL LA Preciso usar óculos? Você lembra daquela brincadeira de criança chamada cabra-cega? Nela, coloca-se uma venda nos olhos de um dos participantes que, sem conseguir enxergar nada, precisa pegar

Leia mais

FASHION COLOR REPORT INVERNO 2O13

FASHION COLOR REPORT INVERNO 2O13 FASHION COLOR REPORT INVERNO 2O13 FASHION COLOR REPORT FALL 2013 - SEMANA DE MODA DE NEW YORK FEVEREIRO 7 14, 2O13 - pantone.com.br/fashion-color-report-fall-2013.html FASHION COLOR REPORT INVERNO 2O13

Leia mais

TÍTULO DO PROGRAMA. Newton e Nightingale. Série: A Beleza dos Diagramas

TÍTULO DO PROGRAMA. Newton e Nightingale. Série: A Beleza dos Diagramas TÍTULO DO PROGRAMA Newton e Nightingale Série: A Beleza dos Diagramas SINOPSE DO PROGRAMA O documentário Newton e Nightingale, episódio da série A Beleza dos Diagramas, revela como dois personagens históricos

Leia mais

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação.

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. Das normas NR 10 são citadas abaixo as normas voltadas para a iluminação: 10.2.3.3. Os postos

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS Uma empresa que tem orgulho de iluminar! CATÁLOGO DE PRODUTOS 1 PROJETORES ESTAMPADOS - LANÇAMENTO A Tec & Luz está com novidades em sua linha de produtos. Conheça a nova linha de Projetores Estampados

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR. Capuchinho Vermelho. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR. Capuchinho Vermelho. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR Capuchinho Vermelho Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Era Uma Vez uma cor vermelha! Enquadramento Curricular Preparação da visita 3º Ciclo Ciências Naturais

Leia mais

Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos.

Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos. Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos. Os tutoriais são apenas de diferentes maquiagens para os olhos, com a pele já preparada.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 1.º Teste sumativo de FQA 21. Out. 2015 Versão 1 10.º Ano Turma A e B Professora: Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas e termina na palavra

Leia mais

Selagem Térmica Ozono

Selagem Térmica Ozono Selagem Térmica Ozono A selagem térmica Ozono é uma nova opção para o profissional de beleza, pois é uma linha inovadora e segura, composta por produtos para tratamento e alisamento dos cabelos, que surpreende

Leia mais

Escolhendo a Base Para peles oleosas, o indicado é escolher uma base que seja oil free, ou seja livre de óleo. Para peles secas ou mistas, a base

Escolhendo a Base Para peles oleosas, o indicado é escolher uma base que seja oil free, ou seja livre de óleo. Para peles secas ou mistas, a base Preparação da Pele Mas afinal, a pele deve ser preparada antes ou depois de fazer a maquiagem nos olhos? Isto irá depender de pessoa para pessoa, de maquiador para maquiador. Muitos preferem começar a

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema sustentável, utilizando uma Luminária a Base de LEDs

Desenvolvimento de um sistema sustentável, utilizando uma Luminária a Base de LEDs 1 Desenvolvimento de um sistema sustentável, utilizando uma Luminária a Base de LEDs N. S. H. Diego, Graduando em Engenharia Elétrica, IFBA, J.A. Diaz-Amado, Membro estudante, IEEE, Ms. Engenharia Elétrica,

Leia mais

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s C A P Í T U L O 1 4 I N F O R M A Ç Õ E S Ú T E I S P A R A A U X I L I A R A I N T E R P R E T A Ç Ã O V I S U A L D E I M A G E N S D E S A T É L I T E S M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Guia de qualidade de cores

Guia de qualidade de cores Página 1 de 5 Guia de qualidade de cores O Guia de qualidade de cores ajuda você a entender como as operações disponíveis na impressora podem ser usadas para ajustar e personalizar a saída colorida. Menu

Leia mais