Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração:"

Transcrição

1 1 OBJETIVAS E COMPOSIÇÃO Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 - AS LENTES: As objetivas são comumente chamadas de lentes, que é um nome errôneo. As lentes são lâminas de cristal de podem ser côncavas, convexas, bicôncavas ou biconvexas. Observe a imagem abaixo: Figura 1 ao lado, da esquerda para a direita, as lentes: bicôncava, planocôncava, convexa- côncava, biconvexa, plano- convexa e côncava- convexa. A imagem também se forma de maneira diferente de acordo com as lentes que compõem nossa objetiva: Figura 2 - Como podemos observar ao lado, as lentes mais grossas produzem a imagem menor e mais próxima, enquanto as mais finas vão produzir imagens maiores e mais distantes. 1

2 2 As objetivas por sua vez, são um conjunto de lentes que vão fazer com que a imagem se forme maior ou menor no CCD, no vidicon 1, ou no filme. Figuras 3 e 4 - Na imagem à esquerda, o corte lateral da objetiva observe que se unirmos a e d teremos uma lente biconvexa, ou seja, ela vai captar os raios luminosos de um determinado ponto da imagem e os convergirá a um único ponto como podemos observar no esquema. Na imagem acima, um esquema dessa refração. 2 - TIPO DE OBJETIVA UTILIZADA: Portanto, como foi mencionado no capítulo anterior, o conjunto de lentes que formará as objetivas pode lhes atribuir algumas características específicas que as destacam e passam a ter nomes específicos que variam de acordo com as distâncias focais de cada uma. As distâncias focais (comprimento ótico da objetiva medido em milímetros) podem variar de acordo com a construção do corpo da câmara e com o captador 2 de imagens utilizado. Porém, pode-se considerar que dada uma distância focal Xmm para a objetiva normal do equipamento que se está utilizando, a distância focal da objetiva grande-angular do mesmo equipamento será sempre menor que a da normal, e a da teleobjetiva será sempre maior que a da normal A OBJETIVA GRANDE-ANGULAR: Esta objetiva, como o próprio nome diz, vai estar captando um grande ângulo de visão 3. Como se pode verificar na imagem abaixo, além de captar um grande ângulo (que pode chegar até a 180º), esta objetiva também tem grande profundidade de campo 4 e às vezes 1 Sensor utilizado nas câmaras VHS. 2 Captador de imagens pode ser o CCD, o vidicom ou o filme. O CCD como o filme pode apresentar variações de tamanho, e o filme pode variar também o formato, mudando a proporção. 3 Ângulo de visão - vide gráfico na p Profundidade de campo vide capítulo 3. 2

3 3 acaba causando distorções laterais como a curvatura do poste devido à sua construção que utiliza lentes mais grossas. Figura 5 - Pode-se dizer que esta imagem reflete o sentimento de alguém que está cansado voltando para casa DISTORÇÃO DA GRANDE-ANGULAR USOS: Além da distorção vista acima que é considerada desagradável, ela produz outra muito usada no dia-a-dia publicitário e no cinema em filmes de suspense. Esta distorção é causada por dois fatores, o primeiro por conta da espessura das lentes que a compõem, e o segundo, por sua capacidade de focalização de objetos a pequenas distâncias (em torno de 25cm). Ao aproximarmos a câmara com a objetiva grande-angular de um objeto ou pessoa, o que estiver mais próximo será ampliado em relação ao que está mais distante da câmara. Observe o exemplo abaixo: Figura 6 - Na imagem publicitária à esquerda, temos a garrafa de cerveja muito maior que a mulher que a segura no segundo plano. Compare o tamanho da garrafa com o tamanho do corpo da mulher e com as pessoas ao fundo. No cinema, a grande angular é utilizada por sua capacidade de focalização próxima, pois dessa forma pode-se aproximar bastante a câmara da pessoa (que vai adotar uma postura defensiva), acentuando a sensação de medo. E por isso é mais usada em filmes de suspense e terror. 3

4 A OBJETIVA NORMAL: Esta objetiva é a que nos permite captar as imagens de maneira mais semelhante àquela que nossos olhos enxergam normalmente. Figura 7 - Pode-se dizer que esta imagem reflete o sentimento de alguém que está voltando para casa em um dia normal A TELEOBJETIVA: Seu objetivo é restringir o ângulo de visão (que pode chegar a até 2º) que faz com que a imagem seja formada maior no captador. Por ter seu comprimento maior, precisa de mais luz para captar a imagem e, portanto seus diafragmas são mais abertos 5 que os das outras objetivas. Portanto, a teleobjetiva é a que oferece a menor profundidade de campo. Além disso, ela também vai causar um achatamento dos planos, fazendo com que as coisas pareçam mais próximas que na realidade. É comum vê-la utilizado quando temos uma imagem com a lua gigante no céu. Figura 8 - Agora sim! Esta imagem reflete aquele sentimento em que a volta de uma viagem para casa é sempre mais rápida que a ida. 5 Diafragmas mais abertos veja mais no sub-capítulo 3. 4

5 AS OBJETIVAS MACRO: As objetivas macro são as que permitem fazer foco em um determinado objeto que está bem próximo da câmara. Normalmente, esta distância é de uns dez centímetros, mas nas mais potentes, pode-se chegar a até uns dois centímetros. O resultado visual de uma objetiva macro é bastante semelhante ao de uma teleobjetiva, uma imagem ampliada e com pequena profundidade de campo, porém com a vantagem da aproximação, que numa teleobjetiva comum, só se pode conseguir foco numa distância em torno de um metro. Elas são muito usadas em fotografias de botânica, especialmente de insetos e de pequenas plantas como fungos AS OBJETIVAS ZOOM: São as mais usadas e também as mais versáteis, pois são objetivas compostas, ou seja, seu conjunto de lentes propicia o resultado ótico de duas ou mais objetivas citadas acima num mesmo corpo. Elas podem ser: de grande angular a normal, ou de grande angular a teleobjetiva com ou sem macro, ou ainda, de normal a teleobjetiva também com ou sem macro. O zoom pode ser ótico ou digital. O zoom ótico é aquele que é feito pela movimentação das lentes da objetiva, alterando então a refração da luz. É o melhor zoom em termos de qualidade visual, mas é o que gasta maior bateria da câmara. Já o zoom digital é obtido pela duplicação da informação dos pixels o que faz com que aumente a sua relação de tamanho com a imagem, favorecendo a percepção dos quadrados. Observe o gráfico abaixo: Figura 9 Ao lado, têm-se dois CCD s esquematizados. No CCD à esquerda, um raio de luz de determinada cor atinge apenas um pixel. No à direita, ao se utilizar o zoom digital de 2X, a informação luminosa captada pelo primeiro pixel é duplicada e transferida aos demais à sua volta. Dessa forma o tamanho do pixel aumenta, e por isso, passamos a enxergá-lo na imagem. Portanto, o zoom digital não deve ser usado em hipótese alguma, salvo em alguma emergência na qual a qualidade da imagem não é tão importante, o que é raro acontecer DISTÂNCIAS FOCAIS X ÂNGULOS DE VISÃO: As imagens a seguir são uma síntese do que foi visto até agora, em relação a uma câmara com filme 35mm (fotográfica ou cinematográfica). 5

6 6 6

7 7 2.7 DISTORÇÕES VISUAIS CAUSADAS PELAS OBJETIVAS: 7

8 8 3 - PROFUNDIDADE DE CAMPO: Determinamos a profundidade de campo de acordo com a área de nossa imagem que está em foco. Ou seja, a partir de que distância da câmara até qual outra distância minha imagem aparecerá focalizada. Esta característica da imagem pode variar de acordo com três principais variáveis: o tipo de objetiva utilizada, a distância da câmara em relação ao objeto enquadrado, e o diafragma utilizado. 3.1 TIPO DE OBJETIVA: A profundidade de campo é influenciada por vários fatores, e como já foi dito, o primeiro deles é a objetiva que se está usando. Isso acontece por conta da diferença de tamanho dos diafragmas de objetiva para objetiva. Observando as imagens abaixo, pode-se entender melhor: Figura 10 - A objetiva de cima é uma grande-angular (28mm), mais curta e, portanto, mais luminosa que a de baixo, uma normal (50mm). Para deixar passar a mesma quantidade de luz usando o mesmo diafragma em todas as objetivas, torna-se necessário um diferente diâmetro de abertura física. Figuras 11 e 12 - Um orifício maior, deixa que um número maior de raios luminosos partindo de um mesmo ponto da imagem atinja o captador, fazendo com que as imagens produzidas por objetivas longas se formem menos nítidas, o que explica a menor profundidade de campo. Compare as duas imagens a seguir: 8

9 9 Figura 13 - A primeira feita com uma objetiva grande-angular e a segunda com uma objetiva normal. Vale lembrar que ambas foram feitas à mesma distância e com o mesmo diafragma. 3.2 DISTÂNCIA DO OBJETO FOCALIZADO DA CÂMARA: Quanto mais próxima está a câmara do objeto focalizado, menor é a profundidade de campo, pois a distância relativa entre os objetos da cena é aumentada. Observe as imagens abaixo: Figuras 14 e 15 - Na primeira imagem, a câmara está no máximo 20cm de distância do ponto a onde o foco está feito, a distância relativa entre a e b nesta imagem é maior que na segunda, em que a câmara está uns 2 metros distante de a. 9

10 DIAFRAGMA UTILIZADO: Como já foi dito, quanto menor o orifício do diafragma, maior a profundidade de campo. Portanto, quanto mais fechado o diafragma (números maiores), maior a profundidade de campo e quanto mais aberto (números menores), menor a profundidade. Observe as três imagens abaixo: Figura 16 - Nas duas próximas fotos a situação é a mesma: o fotógrafo à esquerda fez o foco no menino em b que está a cerca de 2 metros dele. Figura 17 - Com o diafragma f 2, apenas o menino b, ficou em foco, daí pode-se dizer que a profundidade de campo é pequena. Figura 18 - Com o diafragma f 16, toda a cena ficou em foco, daí pode-se dizer que a profundidade de campo é grande, senão infinita. 10

11 11 4 COMPOSIÇÃO: Compor é o primeiro passo a ser dado em qualquer trabalho visual 6. Há quem diga que é complicado ou praticamente impossível pensar em composição quando tratamos de imagens em movimento, pois a ação está acontecendo e tem-se que registrá-la. Porém, com um pouco mais de atenção àquilo que está sendo gravado e treino, a preocupação com a composição deixa de existir, pois esta se automatiza. Para compor bem é preciso ter consciência dos limites impostos pelo captador que seja ele qual for, teremos o mesmo formato. O quadrado é um formato muito equilibrado, o triângulo, dinâmico e o círculo, movimentado. Portanto, não foi à toa que o formato retangular foi escolhido como padrão em várias formas de expressão, não somente no cinema. Basta lembrar do formato das telas de pintura, das folhas de papel usadas diariamente, dos cadernos, livros, das fotografias, etc. As cores também terão efeito sobre a composição, basta lembrar que a cor vibrante chama muita atenção e causa uma desestruturação da composição caso apareçam em algum ponto da imagem que não seja o principal, enquanto a cor neutra vai colaborar para uma composição mais harmoniosa. É claro que numa reportagem, como o registro de um casamento, não dá para pedir para a mãe do noivo que está de vermelho sair de perto do filho, de preto. Mas numa criação publicitária ou num clipe (de casamento ou quinze anos), há a necessidade de se ter atenção com o ambiente à sua volta; por exemplo, uma menina vestida de azul claro caminhando numa praça e ao fundo, um outdoor vermelho: certamente a atenção do espectador será desviada para o fundo. 4.1 PROPORÇÃO ÁUREA: A proporção dos diversos elementos citados no item anterior, como da tela da TV e do cinema segue um padrão. Essa proporção é bastante próxima da proporção áurea, termo cunhado na Grécia Antiga por estudiosos de matemática e estética, que significa a proporção perfeita. Figura 19 O retângulo CDAF compreende a área do captador e conseqüentemente, da tela. O retângulo DGHF compreende a área leve da cena, enquanto o retângulo GCAH, a área pesada. O ponto Y é o ponto focal visualmente, o olho gravita até este ponto naturalmente e é o ponto de equilíbrio de todo o espaço. Geralmente a composição é organizada em volta do ponto focal, e a base dos objetos principais deve ser colocada dentro da parte pesada. 6 HALLAWELL, Philip. À mão livre. p

12 COMPOSIÇÃO CENTRAL: A tarefa de compor equilibradamente é facilitada quando o assunto principal é centralizado, porque o peso visual dos elementos colocados na imagem equivale-se na direita e na esquerda. Se forem colocados elementos num lado e nada em outro, um desequilíbrio terá sido provocado 7. O enquadramento jornalístico mais usado em cobertura de eventos é o central, enquanto se usa uma objetiva grande-angular. Este tipo de enquadramento é o que propicia o menor índice de erros, mas é também aquele menos interessante e o que pode ter a maior quantidade de objetos que desviem a atenção, que podem ser tanto pela cor, como uma pessoa de vermelho ao fundo, quanto pelo movimento, como uma criança correndo. 4.3 VARIAÇÕES NA COMPOSIÇÃO: A composição pode ser também lateral, como composição lateral entende-se uma cena em que o objeto principal não está centralizado, devendo-se, portanto respeitar os espaços vazios, como por exemplo, em cenas em que aparece alguém de perfil o lado para onde a pessoa está olhando deverá ser obrigatoriamente um lado vazio, e não o contrário, o espaço vazio não pode ficar atrás da pessoa. Bibliografia: HALLAWELL, Philip. À mão livre. 2 ed. Melhoramentos: São Paulo, c Fotografia: Manual completo de arte e técnica. São Paulo: Ed. Abril cultural, ativo em 09/12/2005 Última revisão em 04 de Março de Veja mais no ítem 4.3 Variações na composição. 12

Como representar uma lente convergente e uma lente divergente.

Como representar uma lente convergente e uma lente divergente. Lentes Esféricas Lente é todo meio transparente limitado por duas superfícies curvas ou uma curva e uma plana. São encontradas em lupas, microscópios, telescópios, máquinas fotográficas, projetores, filmadoras,

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Histórico da Fotografia A fotografia surgiu do desejo do homem retratar o mundo a sua volta. Desde os primórdios, com a

Leia mais

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL Distância focal DISTÂNCIA FOCAL: Unidade de medida relativa à distância existente entre o centro óptico de uma lente e o plano de foco. A distância focal determina a relação de grandeza de um motivo e

Leia mais

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO 1 DEFIJI Semestre2014-1 Ótica Lentes Esféricos Prof. Robinson 10:07:19 1 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO INTRODUÇÃO Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças

Leia mais

No manual da webcam, ele descobriu que seu sensor de imagem tem dimensão total útil de 2

No manual da webcam, ele descobriu que seu sensor de imagem tem dimensão total útil de 2 1. (Ufsc 2015) Fotografar é uma arte que se popularizou com os celulares e se intensificou com as redes sociais, pois todos querem postar, publicar os seus registros, suas selfies. Talvez alguns celulares

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE II ÓPTICA GEOMÉTRICA Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J.

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

Foco e profundidade de campo

Foco e profundidade de campo Foco e profundidade de campo Foco Quando tiramos uma foto queremos que nosso destaque, no geral, esteja nítido e visível. O foco pode ser manual ou automático. Manualmente você gira o anel da sua lente.

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

Fotografia: conceitos e técnicas

Fotografia: conceitos e técnicas ca leo Carlos Leonardo S Mendes wwwcaleocombr caleo Carlos Leonardo dos S Mendes Fotografia: conceitos e técnicas Exposição Setembro de 2008 Versão 10 Nota: os textos ou fotos contidos neste material não

Leia mais

CAPÍTULO II A CÂMARA FOTOGRÁFICA

CAPÍTULO II A CÂMARA FOTOGRÁFICA CAPÍTULO II A CÂMARA FOTOGRÁFICA I - Princípios Básicos Toda câmera fotográfica é fundamentalmente uma câmara escura projetada segundo características específicas que envolvem sua óptica, mecânica e formato

Leia mais

4 Experimentos Computacionais

4 Experimentos Computacionais 33 4 Experimentos Computacionais O programa desenvolvido neste trabalho foi todo implementado na linguagem de programação C/C++. Dentre as bibliotecas utilizadas, destacamos: o OpenCV [23], para processamento

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Corpo de Criação e Desenvolvimento. Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2012

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Corpo de Criação e Desenvolvimento. Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2012 Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Corpo de Criação e Desenvolvimento Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2012 Primeira Prova Nesta prova há 32 questões de diferentes níveis

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Fotografia Digital no Brasil

Fotografia Digital no Brasil 1 Fotografia Digital no Brasil Hoje temos uma grande variedade de câmaras digitais, mas como elas captam a imagem e a transformam em informação digital é o que vamos ver a seguir. Um Pouco de História

Leia mais

Tecnologias PowerShot SX500 IS e PowerShot SX160 IS

Tecnologias PowerShot SX500 IS e PowerShot SX160 IS Tecnologias PowerShot SX500 IS e PowerShot SX160 IS EMBARGO: 21 Agosto 2012, 15:00 (CEST) Objetiva grande angular de 24mm com zoom ótico de 30x (PowerShot SX500 IS) Desenvolvida segundo os mesmos processos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: DISCIPLINA: FÍSICA II PROFESSOR: EDSON JOSÉ LENTES ESFÉRICAS 1. (FGV/2012) Uma estudante usou uma lupa para pesquisar a formação

Leia mais

CÂMERAS DE FILME 35mm BINÓCULOS

CÂMERAS DE FILME 35mm BINÓCULOS LEGENDA *. Às vezes a melhor imagem está muito próxima; outras vezes está muito distante. Você pode capturar ambas rapidamente com a ajuda da versátil função zoom. (*O número no ícone pode mudar para cada

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

Como fotografar bebês?

Como fotografar bebês? Como fotografar bebês? Bebês também são energia pura! Porém, ainda precisam do amparo dos pais para suas atividades, principalmente o deslocamento na hora do ensaio. Partindo desse princípio, comece a

Leia mais

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Documento técnico No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Índice 1. Introdução 3 2. O quebra-cabeça da sensibilidade de luz 3 3. Não seja enganado! 5 4. Como fazer a escolha mais inteligente

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Objetivas É uma lente óptica ou conjunto de lentes usada em conjunto com um corpo de câmera e um mecanismo para reproduzir

Leia mais

LUZ. Esses três elementos combinados permitem que o fotógrafo escolha como a imagem será feita.

LUZ. Esses três elementos combinados permitem que o fotógrafo escolha como a imagem será feita. FOTOGRAFIA LUZ A luz é o elemento primordial de uma imagem. Para ter controle na entrada de luz na câmera, o fotógrafo controla o ISO, a velocidade da cortina e o diafragma da lente. Esses três elementos

Leia mais

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas Tirar fotos não é apenas uma ação de apontar a máquina e apertar o botão (a menos que essa seja sua intenção artística). É necessário saber o que vai retratar e como vai

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão.

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão. Biofísica da Visão O OLHO HUMANO: O olho humano é um órgão extremamente complexo, constituído de numerosas partes. Do ponto de vista físico, podemos considerar o olho humano como um conjunto de meios transparentes,

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Câm ara Escura Tipos de Câmeras A Câmera Básica Componentes comuns em todas as câmeras Visor Objetiva Plano do filme Diafragma Obturador Mecanismos de foco

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Instrumentos Ópticos Lupa Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Luneta Astronômica Luneta ou Telescópio Refrator Instrumentos Ópticos Telescópio Refletor Telescópio Refletor

Leia mais

2. (UFAL) O esquema a seguir representa o eixo principal (r) de um espelho esférico, um objeto real O e sua imagem i conjugada pelo espelho.

2. (UFAL) O esquema a seguir representa o eixo principal (r) de um espelho esférico, um objeto real O e sua imagem i conjugada pelo espelho. 1. (UNESP) Isaac Newton foi o criador do telescópio refletor. O mais caro desses instrumentos até hoje fabricado pelo homem, o telescópio espacial Hubble (1,6 bilhão de dólares), colocado em órbita terrestre

Leia mais

FOTO = luz GRAFIA = escrever

FOTO = luz GRAFIA = escrever Iluminação FOTO = luz GRAFIA = escrever Joseph Nicéphore Niépce - 1826 Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design

Tópicos de Ambiente Web Web Design Tópicos de Ambiente Web Web Design Professora: Sheila Cáceres Historia As primeiras formas comunicativas foram mediante elementos visuais. Embora o surgimento da linguagem falada, a linguagem visual continuou

Leia mais

ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO:

ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO: Prática Social: VIVÊNCIA do conteúdo: CONTEÚDO: Obra: Gustavo Rosa. Cooper em família. 2003. Óleo sobre tela, 160 x 250 cm. Coleção Particular

Leia mais

O processo termina com o surgimento da última flecha quando aparece uma bolinha azul. Outras bolinhas aparecem aleatoriamente POWER POINT NEW WAY

O processo termina com o surgimento da última flecha quando aparece uma bolinha azul. Outras bolinhas aparecem aleatoriamente POWER POINT NEW WAY 01 Digamos que se queira mostrar as flechas amarelas com movimento, isto é, fazerem elas irem surgindo uma depois da outra e a que a surge fica visível, parada, enquanto que sempre tem uma na frente se

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

Exercícios sobre Espelhos Esféricos

Exercícios sobre Espelhos Esféricos Exercícios sobre Espelhos Esféricos 1-Quando colocamos um pequeno objeto real entre o foco principal e o centro de curvatura de um espelho esférico côncavo de Gauss, sua respectiva imagem conjugada será:

Leia mais

Viajar é bom! Melhor ainda trazendo boas fotos.

Viajar é bom! Melhor ainda trazendo boas fotos. Viajar é bom! Melhor ainda trazendo boas fotos. Iniciamos mais um curso de dez módulos grátis. Nele apresentaremos as possibilidades de captura fotográfica diferenciada e que marcará para sempre sua viagem.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 10-1 RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 CONSTRUÇÃO DE SISTEMA ÓTICO A PARTIR DE LENTES DE ÁGUA Aluno: Rubens Granguelli Antoniazi RA: 009849 Professor

Leia mais

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Objeto muito distante Objeto muito distante Objeto

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA GABARITO 4ª Chamada Bim. DISCIPLINA: FÍS. I E II / GEO. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 53 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Professora Bruna CADERNO 3. Capítulo 7 Lentes Esféricas. Página 242

Professora Bruna CADERNO 3. Capítulo 7 Lentes Esféricas. Página 242 CADERNO 3 Capítulo 7 Lentes Esféricas Página 242 LENTES ESFÉRICAS Uma lente é um sistema óptico feito de material transparente com um índice de refração diferente do meio onde será utilizada. Possuem formas

Leia mais

Introdução à Fotografia Digital

Introdução à Fotografia Digital Introdução à Fotografia Digital Aula 1 Fundamentos, Câmeras, Obje3vas Disponível em www.ecoclics.com/wp- content/pdf/aula_ifd_1.pdf Roteiro da Aula Apresentações Programação do curso Câmeras Objetivas

Leia mais

Como escolher e arrumar uma mochila

Como escolher e arrumar uma mochila Como escolher e arrumar uma mochila A escolha da mochila exige certa atenção. A mochila ideal é aquela que mais se adequa às actividades e à estrutura física. Conhecer bem a capacidade e saber arrumá-la

Leia mais

Iluminação Fotográfica

Iluminação Fotográfica 1 Iluminação Fotográfica Primeiramente, deveríamos lembrar da necessidade da luz para a realização de uma fotografia. Sem a luz, não há fotografia, expressão que significa gravar com a luz. Logo, a principal

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS Módulo 05 Projeto de Móveis CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 05 Aula 03 Assuntos a serem abordados: 04. Desenhos que Compõem um Projeto de Detalhamento de

Leia mais

Atividade O olho humano e os defeitos da visão

Atividade O olho humano e os defeitos da visão Atividade O olho humano e os defeitos da visão A atividade proposta pode ser desenvolvida para aprimorar seus conhecimentos sobre o olho humano e os defeitos da visão. Sugere-se que seja desenvolvida em

Leia mais

Série 3ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2013

Série 3ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2013 Disciplina FÍSICA Curso ENSINO MÉDIO Professor ANDRÉ ITO Série 3ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2013 Aluno (a): Número: 1 - Conteúdo: Espelhos esféricos e lentes; 2 -

Leia mais

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Imagens Uma imagem é representada por uma matriz

Leia mais

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central.

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central. Lentes Esféricas Uma lente é um meio transparente que tem duas faces curvas ou uma face curva e outra plana. Na figura temos os tipos usuais de lentes,sendo as faces curvas esféricas. Lentes de bordas

Leia mais

Forma de Captura de Imagens Digitais:

Forma de Captura de Imagens Digitais: Forma de Captura de Imagens Digitais: - Câmaras Digitais. -Videografia. - Scanner Normal. - Scanner plano B/P (tons de cinza). - Scanner plano Colorido. - Scanner plano profissional. - Scanner de tambor.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM15 LENTES PARE II

LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM15 LENTES PARE II Aparecida de Goiânia, de de 205. Aluno (a): nº Série: 2 Ano Turma: Professor (a): Cristiano C. Gonçalves (cristiano_fisica@hotmail.com) LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA A2/ II BIM5 LENTES PARE II Vergência

Leia mais

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c)

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c) ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO Visão estereoscópica se refere à habilidade de inferir informações da estrutura 3-D e de distâncias da cena de duas ou mais imagens tomadas de posições diferentes. Conversão de

Leia mais

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz Reto superior Gira o globo para cima e para perto do nariz Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz Reto inferior Gira o globo para baixo e para perto do nariz Reto medial Gira o

Leia mais

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia

A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia ILUMINAÇÃO A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia a luz vem de várias fontes; tem muitas qualidades; características que afetam todo o processo. A LINGUAGEM DA LUZ Fotografia Medíocre X Fotografia Grandiosa Depende

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA Luz e Visão Capítulo 8 8º ano - CSA 2014 Afinal, o que é luz? Luz é uma forma de transmissão de energia pelo espaço. Como a luz se propaga? Propagação da luz Corpos luminosos: emitem a própria luz. São

Leia mais

Elaboração de perfis longos dentro do projeto Memória Visual através da fotografia: revitalização do Cais Mauá

Elaboração de perfis longos dentro do projeto Memória Visual através da fotografia: revitalização do Cais Mauá Elaboração de perfis longos dentro do projeto Memória Visual através da fotografia: revitalização do Cais Mauá José Lourenço Degani 1 1. Introdução Quando, dentro do projeto Memória Visual Através da Fotografia:

Leia mais

Professor(a): Série: 1ª EM. Turma: Bateria de Exercícios de Física

Professor(a): Série: 1ª EM. Turma: Bateria de Exercícios de Física Nome: nº Professor(a): Série: 1ª EM. Turma: Data: / /2013 Sem limite para crescer Bateria de Exercícios de Física 3º Trimestre 1- A casa de Dona Maria fica no alto de uma ladeira. O desnível entre sua

Leia mais

MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO. (Manual de Actividades Experimentais)

MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO. (Manual de Actividades Experimentais) MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO (Manual de Actividades Experimentais) 3B W11851 (NT4025) Pág. 1 de 11 Como o olho humano recebe uma imagem Figura 1: O olho humano Quando a luz entra no olho, atinge primeiro

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS

ÓPTICA GEOMÉTRICA ÓPTICA REFLEXÃO MEIOS DE PROPAGAÇÃO DA LUZ CORPOS TRANSPARENTES CORPOS TRANSLÚCIDOS CORPOS OPACOS 12. Num calorímetro de capacidade térmica 8,0 cal/ o C inicialmente a 10º C são colocados 200g de um líquido de calor específico 0,40 cal/g. o C. Verifica-se que o equilíbrio térmico se estabelece a 50º

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

Apostila de Física 39 Lentes Esféricas

Apostila de Física 39 Lentes Esféricas Apostila de Física 39 Lentes Esféricas 1.0 Definições Lente Sistemas ópticos de maior importância em nossa civilização. Lente esférica Sistema óptico constituído por 3 meios homogêneos e transparentes

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

Zoom potente fácil de utilizar para imagens com grande detalhe

Zoom potente fácil de utilizar para imagens com grande detalhe DSC-H300 Câmara digital compacta Zoom potente fácil de utilizar para imagens com grande detalhe Obtenha facilmente imagens espantosas com um zoom ótico de 35x, sensor de 20 MP, vídeo HD e efeitos criativos

Leia mais

Astrofotografia com camera fixa

Astrofotografia com camera fixa Astrofotografia com camera fixa José Carlos Diniz - dinizfam@uninet.com.br Ao escrever sobre este tema pretendemos estimular o uso da astrofotografia, desmistificando e apresentando de forma simples e

Leia mais

Vivaldo Armelin Júnior

Vivaldo Armelin Júnior Vivaldo Armelin Júnior 2015 Neste módulo apresentamos uma solução para quem tem câmera compacta simples, que não permite imagens verdadeiramente macro e não possuem zoom óptico, o recorte. Introdução Não

Leia mais

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

Projeto CAPAZ Biblioteca Comunicação na Ótica

Projeto CAPAZ Biblioteca Comunicação na Ótica 1 Comunicação na Ótica Transformando complicadas características técnicas em convincentes argumentos de venda É verdade que estamos passando por uma fase da Óptica onde a informação tem sido a principal

Leia mais

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO Ao incidir em uma lente convergente, um feixe paralelo de luz, depois de passar pela lente, é concentrado em um ponto denominado foco (representado por

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida!

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida! Introdução e índice Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português. Aprender

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente

Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Refração da Luz Índice de refração absoluto Índice de refração relativo Leis da refração Reflexão total da luz Lentes Esféricas Vergência de uma lente Introdução Você já deve ter reparado que, quando colocamos

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE HOLOGRAFIA

EXPOSIÇÃO DE HOLOGRAFIA Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física.Gleb Wataghin. EXPOSIÇÃO DE HOLOGRAFIA Apresentação dos experimentos com rede de difração, reflexão e refração Eduardo Salmazo Orientador: Prof. José

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching"

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching" 1 Com suas palavras explique o que é Reconhecimento de Padrões- RP. Quais são os fases clássicas que compõem

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

COBERTURA SOCIAL FILME DE CASAMENTO COM UM

COBERTURA SOCIAL FILME DE CASAMENTO COM UM FILME DE CASAMENTO COM UM toque de fine art Saiba como o fotógrafo Marcio Sheeny organiza seu trabalho para fazer vídeos, antes e depois da cerimônia, com estética cinematográfica POR DIEGO MENEGHETTI

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS LENTES

EXERCÍCIOS EXTRAS LENTES EXERCÍCIOS EXTRAS LENTES 1) Qual a lente que deve ser usada para a correção da miopia? 2) Como se poderia queimar uma folha seca, com gelo e sol? 3) Utilizando-se a luz solar e uma lente podemos queimar

Leia mais

Instrumentos Ópticos. Associação de Lentes. Lentes Justapostas:

Instrumentos Ópticos. Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. Aberração Cromática. A Lente equivalente à associação de duas lentes Justapostas, apresenta vergências das lentes associadas:

Leia mais

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013

Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2012/2013 Ciências Físico-químicas 8º an o Teste de Avaliação 3 B - 08/02/2013 Nome Nº Turma 1. A figura mostra um feixe de luz muito

Leia mais

Prof. Julio Cesar (JC) LENTES ESFÉRICAS

Prof. Julio Cesar (JC) LENTES ESFÉRICAS Prof. Julio Cesar (JC) LENTES ESFÉRICAS FRMAÇÃ DAS LENTES ESFÉRICAS Lente convergente Lente Divergente LENTES ESFÉRICAS As lentes são os sistemas mais utilizados atualmente. Ex.: Máquinas fotográficas,

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno Caro aluno, Este material foi produzido objetivando que você aprofunde seus conhecimentos sobre os espelhos planos e os espelhos esféricos côncavos e convexos. Antes de iniciar as atividades desta oficina

Leia mais

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos Página 1 de 5 3 - estética e a técnica na ambientação 3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos iluminação de três pontos é composta por três refletores, cada qual com função

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ Exercícios Lentes Esféricas 1- Analise as afirmações a seguir e assinale a correta. A) É impossível obter uma imagem maior que o objeto com uma lente divergente. B) Quando um objeto está localizado a uma

Leia mais

Lentes esféricas. Introdução. Materiais Necessários

Lentes esféricas. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Algumas lentes são chamadas convergentes e outras divergentes, mas você já viu alguma delas em ação? Mãos a obra para verificar esse fenômeno! Cadastrada por Xambim Baldez Material

Leia mais