INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÕES TÉCNICAS"

Transcrição

1 INFORMAÇÕES TÉCNICAS

2 Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade de luz que está chegando em um ponto. Esta relação é dada entre a intensidade luminosa e o quadrado da distância (l/d²). A iluminância pode ser medida através de um luxímetro, porém, não pode ser vista. O que é visível são as diferenças na reflexão da luz. A iluminância é também conhecida como níveis de iluminação. Luminância Símbolo L Unidade cd/m² É a intensidade luminosa de uma fonte de luz produzida ou refletida por uma superfície iluminada. Esta relação é dada entre candelas e metro quadrado da área aparente (cd/m²). A luminância depende tanto do nível de iluminação ou iluminância, quanto das características de reflexão das superfícies. Intensidade Luminosa Símbolo I Unidade candela (cd) É a quantidade de luz que uma fonte emite por unidade de ângulo sólido (lúmen/esferorradiano) projetada em uma determinada direção. O valor está diretamente ligado à direção desta fonte de luz. Fluxo Luminoso Símbolo Unidade lúmen (lm) É uma das unidades fundamentais em engenharia de iluminação, dada como a quantidade total de luz emitida por uma fonte, em sua tensão nominal de funcionamento. A intensidade luminosa é expressa em candelas (cd) e, em algumas situações, em candelas/1000 lúmens. Índice de reprodução de cor - IRC É a medida de correspondência entre a cor real de um objeto ou superfície e sua aparência diante de uma fonte de luz. A luz artificial deve permitir ao olho humano perceber as cores corretamente, ou o mais próximo possível da luz natural do dia. Quanto mais alto o índice, melhor a reprodução das cores. Lâmpadas com IRC de 100% apresentam as cores com total fidelidade e precisão. Índice de reprodução de cor = 40% Índice de reprodução de cor = 100% 2

3 Eficiência Luminosa Unidade lúmen por Watt (lm/w) É a relação entre o fluxo luminoso emitido e a energia elétrica consumida (potência). Vida útil de uma lâmpada É dado em horas e é definido pela média aritmética do tempo de duração de cada lâmpada ensaiada. É útil para averiguarmos se um determinado tipo de lâmpada é mais ou menos eficiente do que outro. Temperatura de cor Símbolo K Unidade Kelvin É a grandeza expressa em Kelvin que indica a aparência de cor da luz. A luz quente, de aparência amarelada, tem baixa temperatura de cor (não superior a 3000K). A luz fria de aparência azul violeta, tem temperatura de cor maior que 6000K. A luz branca natural emitida pelo sol em céu aberto ao meio-dia, tem temperatura de cor perto de 5800K. 3

4 Rendimento da luminária Geralmente a lâmpada é instalada dentro de uma luminária, portanto o fluxo luminoso final que se apresenta é menor do que o irradiado pela lâmpada, devido à absorção, à reflexão e à transmissão da luz pelos materiais utilizados em sua confecção. O fluxo luminoso emitido é avaliado através do rendimento da luminária. Isto é, o fluxo luminoso da luminária em serviço dividido pelo fluxo luminoso da(s) lâmpada(s). O rendimento da luminária é um importante critério na economia de energia e decisivo para os cálculos luminotécnicos, sob condições específicas: posição de funcionamento da luminária e temperatura ambiente padrão de 25ºC para uso interno e 15ºC para uso externo. Sem refletor, o facho luminoso difunde, não focalizando ao plano de trabalho. Com refletor, o facho luminoso concentrase focalizando ao plano de trabalho, melhorando a eficiência luminosa. Com refletor em chapa pintada, o material absorve a poeira e impurezas existentes no ambiente, reduzindo sua capacidade reflexiva e seu rendimento com o passar do tempo. Com refletor em alumínio, a propriedade reflexiva do material é preservada, e com o passar do tempo o rendimento não sofre perdas significativas. Fator de utilização (FU) O fluxo luminoso emitido por uma lâmpada sofre influência do tipo de luminária e da conformação física do ambiente onde ele se propagará. O fluxo luminoso útil que incidirá sobre o plano de trabalho é avaliado pelo fator de utilização. Indica, portanto, a eficiência luminosa do conjunto lâmpada, luminária e ambiente. Índice do ambiente (RCR) É a relação entre as dimensões do local, tanto para iluminação direta como indireta. Fator ou Índice de Reflexão É a relação entre o fluxo luminoso refletido e o incidente, ou seja, é a porcentagem de luz refletida por uma superfície em relação a luz incidente. Em iluminação são considerados os índices de reflexão do teto, paredes e chão, necessários para a realização do cálculo luminotécnico. Curva de distribuição luminosa (CDL) A distribuição espacial da intensidade luminosa de uma lâmpada refletora ou de uma luminária é definida como a distribuição luminosa na superfície. Conhecida como curva de distribuição luminosa é apresentada em coordenadas polares (cd/1000 lm) para diferentes planos. São estas curvas que indicam se a lâmpada ou luminária têm uma distribuição de luz concentrada, difusa, simétrica, assimétrica, etc. Uma candela é a intensidade luminosa de uma fonte pontual que emite um fluxo luminoso de um lúmen em um ângulo sólido de um esferorradiano. Em outras palavras, é a representação da Intensidade Luminosa em todos os ângulos em que ela é direcionada num plano. Para a uniformização dos valores das curvas, geralmente essas são referidas a 1000 lm. Nesse caso, é necessário multiplicar o valor encontrado na CDL pelo fluxo luminoso da lâmpada em questão e dividir o resultado por 1000 lm Fatores de reflexão do teto 0.1 Fatores de reflexão das paredes A figura mostra o efeito da luz num plano vertical e a linha vermelha sobreposta corresponde ao diagrama de intensidade luminosa no plano transversal. 4

5 Iluminância por Classe de Tarefas Visuais Tipo de atividade Classe IESNA Iluminância (lux) Classe Referência ao plano de trabalho Áreas públicas com corredores escuros. A Orientação simples para permanência curta. B Recinto não usado para trabalho contínuo, depósito. C A.Iluminação geral para áreas usadas interruptamente ou com tarefas visuais simples. Iluminação sobre espaço. Tarefas com requisitos visuais limitados, trabalho bruto de maquinaria, auditórios. Tarefas com requisitos visuais normais, trabalho médio de maquinaria, escritórios. Tarefas com requisitos especiais, gravação manual, inspeção, indústria de roupas. D E F B.Iluminação geral para área de trabalho. Iluminação sobre a tarefa. Tarefas visuais exatas e prolongadas, eletrônica de tamanho pequeno. Tarefas visuais muito exatas, montagem de microeletrônica. G H C.Iluminação adicional para tarefas visuais difíceis. Iluminação sobre a tarefa obtida com a combinação de Tarefas visuais muito especiais, cirurgia. I iluminação geral e local iluminação complementar. Grau de proteção IP (Proteção Internacional) Classifica as luminárias de acordo com o grau de proteção proporcionado contra a entrada de corpos estranhos, poeira e umidade. A designação é feita pelas letras IP seguidas de dois algarismos, indicando sua conformidade com as condições mencionadas na tabela abaixo. O primeiro algarismo indica a proteção contra a entrada de corpos estranhos e poeira. O segundo algarismo indica o grau de vedação contra água. Primeiro algarismo Proteção contra poeira Grau de proteção Segundo algarismo Proteção contra umidade Grau de proteção 0 Sem proteção 0 Sem proteção 1 Proteção contra objetos sólidos maiores que 50mm 1 Proteção contra gotejamento d água 2 Proteção contra objetos sólidos maiores que 12mm 2 Proteção contra gotejamento d água quando inclinada acima de 15 3 Proteção contra objetos sólidos maiores que 2,5mm 3 Proteção contra água pulverizada 4 Proteção contra objetos sólidos maiores que 1,0mm 4 Proteção contra água borrifada 5 Proteção contra poeira 5 Proteção contra jatos d água 6 Hermético 6 Proteção contra jatos d água em alta pressão 7 Proteção contra efeitos de imersão 8 Proteção contra submersão Fórmulas básicas para cálculo luminotécnico Intensidade Luminosa I [cd] Fluxo luminoso em um ângulo sólido Ângulo Sólido Ω [sr] Luminância L Intensidade Luminosa [cd] [cd/m²] Superfície Aparente [m²] Iluminância E Fluxo luminoso que incide na área [lm] [lx] Área Iluminada [m²] Eficiência Luminosa η [lm/w] Fluxo Luminoso [lm] Consumo de Energia [W] Iluminância E Intensidade Luminosa [cd] [lx] Quadrado da distância [m²] 5

6 luminárias para tecnologia T5 o uso inteligente dos recursos naturais A redução na utilização dos recursos naturais é uma busca cada vez maior entre as empresas sustentáveis em todo o mundo. Entre as políticas adotadas a eficiência energética tornou-se um importante critério na escolha dos produtos de iluminação e o emprego da tecnologia T5 contribui para o sucesso deste processo, tornando possível obter um elevado fluxo luminoso com menor consumo de energia. TECNOLOGIA LUMIOTIC A tecnologia é inovadora nas aletas, pois permite um excelente desempenho das luminárias em função de suas características próprias para obter maior aproveitamento, rendimento e excelente controle de ofuscamento da luz. Vantagens das lâmpadas T5 Alta eficiência em função do elevado fluxo luminoso Maior durabilidade Menor diâmetro, o que reduz a perda por absorção da luz pelo próprio corpo da lâmpada Cabeceira do conjunto ótico especialmente projetada para esconder a fiação e soquetes. Parte superior da aleta totalmente selada sealed-top. Para maior aproveitamento dos raios de luz da lâmpada. Formato levemente côncavo o que aumenta o rendimento Lâmpada T5 Lâmpada T8 Reatores T5 Os reatores Lumidec foram projetados para extrair o máximo de rendimento dos sistemas de iluminação T5 Apresentam alta performance com excelente relação custo-benefício Fator de fluxo luminoso igual a 1 (100% de aproveitamento do fluxo da lâmpada) Alto fator de potência para melhor eficiência energética Aletas com espessura ultrafina, aumentando a abertura da área para vazão da luz 6

7 luminárias para tecnologia T8 projetadas para atender os mais diversos ambientes com qualidade e sofisticação Com quase 30 anos de existência, a Lumidec procura levar aos seus clientes luminárias que possam atender funcionalmente as tendências do atual mercado. Com diversos modelos e aplicações, conseguimos reunir no catálogo Lumidec o que há de melhor para os sistemas de iluminação. Oferecemos uma vasta linha de luminárias comerciais, sendo possível iluminar desde uma pequena sala comercial até projetos arquitetônicos de grande porte. A tecnologia é inovadora com relação às aletas, pois permite uma excelente performance das luminárias em função de suas características próprias para obter maior aproveitamento, rendimento e excelente controle de ofuscamento da luz. Parte superior da aleta totalmente selada sealed-top. Para maior aproveitamento dos raios de luz da lâmpada Vantagens das lâmpadas T8 Luminárias que proporcionam excelente conforto visual Luminárias com elevado rendimento Opções para vários tipos de ambiente Alternativas econômicas e ultra-econômicas Formato levemente côncavo o que aumenta o rendimento TECNOLOGIA LUMIOTIC Para atender a necessidade de elevado rendimento e excelente conforto visual, a Lumidec oferece luminárias com aletas. Espessura ultrafina, aumentando a abertura da área para vazão da luz 7

INFORMAÇÕES. Técnicas

INFORMAÇÕES. Técnicas INFORMAÇÕES Técnicas Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento.

Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento. 4. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO 4.1. Definições Fluxo luminoso ( ): é a quantidade de luz emitida por uma fonte, medida em lúmens (lm), na tensão nominal de funcionamento. Iluminância (E): relaciona a luz que

Leia mais

Cálculos e Projetos Método dos Lúmens

Cálculos e Projetos Método dos Lúmens Cálculos e Projetos Método dos Lúmens Lâmpadas Incandescentes e Halógenas Lâmpadas Fluorescentes Lâmpadas de Descarga - HID Fontes de Luz Fontes de Luz Forma de Emissão de Luz Incandescência de um Filamento

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

Iluminação LED de nível alto

Iluminação LED de nível alto Iluminação LED de nível alto Sistemas de iluminação em linha com LED As séries E4, E5 e E7 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Lâmpadas são fontes elementares de luz elétrica. Podemos proteger, refletir, refratar,filtrar, dimerizar, ou simplesmente expor as

Leia mais

Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso

Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso Mariana Fialho Bonates (UFPB) marianabonates@bol.com.br Elisa Lobo de Brito (UFPB) elisa_brito@ig.com.br

Leia mais

Aplicação de Leds e fotometria

Aplicação de Leds e fotometria 40 Capítulo VII Aplicação de Leds e fotometria Por José Gil Oliveira* A iluminação artificial tem sido objeto de evolução tecnológica ao longo dos anos. Atualmente, em face da necessidade do aumento da

Leia mais

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES 1 INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população,

Leia mais

ERGONOMIA. Introdução

ERGONOMIA. Introdução ERGONOMIA AULA 10: Iluminação no ambiente de trabalho Introdução Objetivo: uma boa iluminação do ambiente de trabalho contribui para aumentar a satisfação, melhorar a produtividade e reduzir a fadiga e

Leia mais

Índice. Capítulo 05. Critérios de desempenho do ponto de vista do projeto de iluminação

Índice. Capítulo 05. Critérios de desempenho do ponto de vista do projeto de iluminação Iluminação: Conceitos e Projetos A história da OSRAM está intimamente ligada à história da humanidade, suas relações e descobertas quanto à iluminação, pois sempre teve como meta o novo... o futuro. Isso

Leia mais

Luminária de LED Ágata Cód. 09591

Luminária de LED Ágata Cód. 09591 Luminária de LED Ágata Cód. 09591 1 Luminária de LED Ágata Cód. 09591 Características A LUMINÁRIA ÁGATA reúne desempenho, segurança e confiabilidade para atender as especificações dos sistemas de iluminação

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

ETME 01. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010

ETME 01. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010 ETME 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS PARA EFICIENTIZAÇÃO Revisão, 14/09/2010 SUMÁRIO 1.1 OBJETIVO...4 1.2 NORMAS RECOMENDADAS...4 1.3 UNIDADES DE MEDIDA...4 1.4 IDIOMA...4 1.5 GARANTIAS QUANTO AO

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA ÍNDICE I A iluminação no trabalho I.1 A aplicação norma regulamentadora NR 17 do Ministério do Trabalho I.2 Iluminação de Interiores NBR 5413 da ABNT I.3 Como selecionar

Leia mais

Goniofotometria e suas contribuições para a Iluminação Pública

Goniofotometria e suas contribuições para a Iluminação Pública Goniofotometria e suas contribuições para a Ivo Ázara Pesquisador no Laboratório de Radiometria e Fotometria (Laraf) O que é goniofotometria? Fotometria Medição da luz visível reproduzindo a sensibilidade

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer Objetivo da iluminação em atividades laborativas e produtivas: Obtenção de boas condições de visão associadas à visibilidade, segurança e orientação dentro

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO São lâmpadas de descarga à alta pressão. Há no interior da lâmpada um tubo de descarga de quartzo que suporta altas

Leia mais

TOPLEDS Lighting Solutions 1

TOPLEDS Lighting Solutions 1 TOPLEDS Lighting Solutions 1 INOVAÇÃO SUSTENTABILIDADE ECONOMIA LED, sigla em inglês de Diodo Emissor de Luz, é um semicondutor com vida útil extremamente longa, montado em um chip de silício que recebe

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 Permite o uso noturno das edificações e da cidade. Um bom projeto de iluminação deve garantir a possibilidade de executar uma tarefa visual

Leia mais

TECNOLOGIA LED LÂMPADAS E LUMINÁRIAS 2014-2015

TECNOLOGIA LED LÂMPADAS E LUMINÁRIAS 2014-2015 TECNOLOGIA LED LÂMPADAS E LUMINÁRIAS 2014-2015 3 5 7 18 22 Sobre a Sylvania Conceitos de Iluminação Lâmpadas Tabelas de Equivalência Luminárias 36 3 SOBRE A SYLVANIA Sylvania é uma companhia líder global

Leia mais

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA Luz e Visão Capítulo 8 8º ano - CSA 2014 Afinal, o que é luz? Luz é uma forma de transmissão de energia pelo espaço. Como a luz se propaga? Propagação da luz Corpos luminosos: emitem a própria luz. São

Leia mais

Difusores de painel plano

Difusores de painel plano Difusores de painel plano 2 ETAP Difusores de painel plano A iluminação com difusor tornou-se uma prioridade absoluta na iluminação geral de escritórios e edifícios públicos, algo que faz sentido pois

Leia mais

Capítulo III. Fotometria básica. Por Plinio Godoy*

Capítulo III. Fotometria básica. Por Plinio Godoy* 32 Capítulo III Fotometria básica Por Plinio Godoy* A maneira como expressamos a forma que uma fonte de luz ou luminária projeta o fluxo luminoso no espaço, as direções e as intensidades é medida e expressa

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

Linha Painéis. Suspenso/Sobreposto Quadrado Suspenso/Sobreposto Retangular Embutido Quadrado. Embutido Redondo. Acessórios. Dimerizável/Tunável

Linha Painéis. Suspenso/Sobreposto Quadrado Suspenso/Sobreposto Retangular Embutido Quadrado. Embutido Redondo. Acessórios. Dimerizável/Tunável Suspenso/Sobreposto Quadrado Suspenso/Sobreposto Retangular Embutido Quadrado Suspenso/Sobreposto Quadrado Dimerizável/Tunável Embutido Redondo Embutido Redondo Dimerizável Acessórios Linha Painéis www.leddy.com.br

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL O primeiro objetivo da iluminação é a obtenção de boas condições de visão associadas à visibilidade, segurança e orientação dentro de um determinado ambiente. Este objetivo está intimamente

Leia mais

Sistema híbrido de iluminação natural e artificial Case

Sistema híbrido de iluminação natural e artificial Case 30 Apoio Sistemas de iluminação Capítulo XI Sistema híbrido de iluminação natural e artificial Case Por Antonio Raad, Ana Carolona Iglezias Lima Caldas, Paulo Mauricio Senra e Vicente Guimaraes* A iluminação

Leia mais

MULTILUX CHAPA DE POLICARBONATO ALVEOLAR. Nada existe para ser temido e sim entendido. RESINAS PLÁSTICAS EXTRUDADAS LTDA VANTAGENS

MULTILUX CHAPA DE POLICARBONATO ALVEOLAR. Nada existe para ser temido e sim entendido. RESINAS PLÁSTICAS EXTRUDADAS LTDA VANTAGENS MULTILUX CHAPA DE POLICARBONATO ALVEOLAR VANTAGENS Material translúcido e leve para ambientes com iluminação natural. As chapas de policarbonato alveolar MULTILUX da Replaex são largamente utilizadas em

Leia mais

Módulo Iluminação Artificial

Módulo Iluminação Artificial FAU / USP AUT 262 / 2 Sem. 2008 Módulo Iluminação Artificial Programa 15 set. Luz, Visão e Grandezas Fotométricas 22 set. Fontes Artificiais de Luz e Equipamentos de Controle 29 set. Luminárias e Sistemas

Leia mais

Segredos da Iluminação

Segredos da Iluminação Introdução Reunimos neste guia, informações de A az sobre luminárias e iluminação. Esperamos que ele seja de grande utilidade para você. 1 Abertura de Facho Trata-se do ângulo sólido luminoso formado em

Leia mais

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC)

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC) PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN Iluminação Cores Ventilação Temperatura AMBIÊNCIA Umidade Ruído Material de revestimento Profa. Flávia Milagres Campos Ambiente aconchegante e agradável para clientese funcionários:

Leia mais

Informações. Técnicas

Informações. Técnicas Informações Técnicas LUMINOTÉCNICA - CONCEITOS BÁSICOS Iluminância Luminância Símbolo E Símbolo L Unidade lux (lx) Unidade cd/m² É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância

Leia mais

Manual de Iluminação

Manual de Iluminação Manual de Iluminação Agosto/2011 ELETROBRAS Av. Presidente Vargas, 409 13 andar Centro Rio de Janeiro 20071-003 Caixa Postal 1639 Tel: 21 2514 5151 www.eletrobras.com PROCEL - Programa Nacional de Conservação

Leia mais

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski a r t i g o Iluminação comercial Por Rosana Kozlakowski Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? Exemplo de iluminação comercial com LEDs Restaurante Flinstering / Breda - Holanda Lighting Design: Wibeke

Leia mais

21 55 102 Volume de ar (fluxo livre) 24 55 100 Volume de ar (com filtro de exaustão instalado) m³/h. 14 40 75 Nível de ruído

21 55 102 Volume de ar (fluxo livre) 24 55 100 Volume de ar (com filtro de exaustão instalado) m³/h. 14 40 75 Nível de ruído Série - Ventilador com Filtro (24 630) m³/h SÉRIE.50.8.xxx.1020.50.8.xxx.2055.50.8.xxx.3100 Ventilador com Filtro adequado para armários e painéis elétricos, versões de 120V ou 230V AC Baixo nível de ruído

Leia mais

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5%

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Células fotossensíveis CONES: funcionam com maior nível de iluminação e são responsáveis pela percepção das cores, além da percepção de espaço e de

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 5 Luminotécnica Porto Alegre - 2012 Tópicos A importância da boa iluminação Conceitos básicos de luminotécnica Grandezas e unidades

Leia mais

piano a luz sustentável

piano a luz sustentável piano a luz sustentável piano CARATERÍSTICAS LUMINÁRIA Design: Michel Tortel Estanquicidade bloco ótico: IP 66 LEDSafe Estanquicidade bloco eletrónico: IP 66 (*) Resistência ao choque (vidro): IK 08 (**)

Leia mais

SÉRIE AOD LED PAD II ILUMINAÇÃO PÚBLICA

SÉRIE AOD LED PAD II ILUMINAÇÃO PÚBLICA A série AOD LED PAD II para iluminação pública é integrada, fonte de luz LED e luminária. Devido a este projeto especial, a estrutura da SÉRIE PADII da AOD de Iluminação pública é menor e o seu peso é

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS: ARQUITETURA E CONSTRUÇÃO. www.plasttotal.com.br

CATÁLOGO DE PRODUTOS: ARQUITETURA E CONSTRUÇÃO. www.plasttotal.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS: ARQUITETURA E CONSTRUÇÃO www.plasttotal.com.br INOVANDO TECNOLOGIA. A Plasttotal Há mais de 20 anos no mercado de plásticos industriais, a Plasttotal é hoje referência nacional nos

Leia mais

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos 1 Prefácio Este é o primeiro manual de projeto de sistemas drywall publicado no Brasil um trabalho aguardado por arquitetos, engenheiros,

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 São estratégias de projeto que devem ser adotadas quando não se consegue tirar partido dos recursos naturais. Geralmente são indispensáveis

Leia mais

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação.

NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. NR10 - Instalações e Serviços em Eletricidade: é nesta norma que estão contidos itens voltados para iluminação. Das normas NR 10 são citadas abaixo as normas voltadas para a iluminação: 10.2.3.3. Os postos

Leia mais

Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios

Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios Utilizar a energia elétrica com eficiência significa combater desperdícios, e todos nós devemos participar ativamente

Leia mais

Rodoviária de Jundiaí

Rodoviária de Jundiaí c a s e Rodoviária de Jundiaí Iluminação ressalta pilares e grelha espacial Por Rodrigo Casarin Fotos: Mario Sergio Esteves Visão noturna da Rodoviária, quando é possível observar os pilares externos iluminados

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para determinado iluminamento: Pela carga mínima exigida por normas (aproximação de referência); Método dos Lúmens; Método

Leia mais

Aspectos para eficiência energética em sistemas de iluminação em indústrias

Aspectos para eficiência energética em sistemas de iluminação em indústrias 58 Capítulo IV Aspectos para eficiência energética em sistemas de iluminação em indústrias Por Juliana Iwashita Kawasaki e Vanderson Oliveira* Os temas ligados a eficiência energética, adequação do uso

Leia mais

Escritório. Iluminação contribui com identidade visual. c a s e. Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia

Escritório. Iluminação contribui com identidade visual. c a s e. Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia c a s e Escritório Iluminação contribui com identidade visual Por Claudia Sá Fotos: Fábio Castro / Studiof Fotografia INAUGURADA EM OUTUBRO DE 2007, A NOVA SEDE da CEAgro, localizada em Campinas, interior

Leia mais

SISTEMA TUBULAR DE CAPTAÇÃO E APROVEITAMENTO DE ENERGIA SOLAR (ILUMINAÇÃO NATURAL SOLAR)

SISTEMA TUBULAR DE CAPTAÇÃO E APROVEITAMENTO DE ENERGIA SOLAR (ILUMINAÇÃO NATURAL SOLAR) LUZ NATURAL, SEM CALOR, EM TODO O EDIFÍCIO SISTEMA TUBULAR DE CAPTAÇÃO E APROVEITAMENTO DE ENERGIA SOLAR (ILUMINAÇÃO NATURAL SOLAR) SOLARSPOT O sistema de captação e aproveitamento de energia solar iluminação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO Iluminação de Lojas Destacar uma vitrine, a arquitetura da fachada, os produtos e a decoração dos espaços internos tornando as lojas atraentes aos olhos do público, já não é possível sem a elaboração de

Leia mais

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães 1 de 9 01/11/2010 22:17 Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães O sistema mais utilizado atualmente para a iluminação de piscinas é composto por projetores submersíveis, portanto, instalados

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais

Residência contemporânea

Residência contemporânea c a s e Residência contemporânea Por Erlei Gobi Fotos: Carlos Mancini Iluminação norteada pela eficiência energética proporciona conforto visual Localizada em um condomínio fechado em Embu das Artes, cidade

Leia mais

Iluminação Fotográfica

Iluminação Fotográfica 1 Iluminação Fotográfica Primeiramente, deveríamos lembrar da necessidade da luz para a realização de uma fotografia. Sem a luz, não há fotografia, expressão que significa gravar com a luz. Logo, a principal

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO LEDS E OLEDS INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO MÓDULOS LED DAS MAIS ANTIGAS

Leia mais

Água. Quente. Grátis. A nova geração de soluções solares compactas e com um design único

Água. Quente. Grátis. A nova geração de soluções solares compactas e com um design único Água. Quente. Grátis. A nova geração de soluções solares compactas e com um design único Água. Quente. Grátis. A visão da Solcrafte uma visão com futuro. Os recursos energéticos fósseis tornam-se cada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CADERNO DIDÁTICO DAU2062 - CONFORTO AMBIENTAL II Projeto de Ensino Registro GAP N. 016776

Leia mais

Calandra de 4 Rolos modelo VRM

Calandra de 4 Rolos modelo VRM Calandra de 4 Rolos modelo VRM Sumário Construção de Máquinas é nossa Profissão com Criatividade e Paixão. Nós da HAEUSLER 3 Calandra de 4 Rolos 4 Particularidades da Calandra de 4 Rolos HAEUSLER Modelo

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Última atualização Maio/2011 CLASSIFICAÇÃO DAS FOLHAS DE ALUMÍNIO A folha de Alumínio é um produto resultante do processo de laminação a frio com secção transversal variando

Leia mais

FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID

FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID INDICE FLUORESCENTES COMPACTAS..................................................7 Espirais T2 Espirais alta potência Retas 2U e 3U Retas de alta potência Espirais

Leia mais

The art of handling. Energia

The art of handling. Energia The art of handling Energia A arte em eficiência energética através do manuseio do ar Devido ao aumento constante dos preços da energia e da necessidade de proteger o meio ambiente, está se tornando cada

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Comutador de Iluminação de Provisória Para Lâmpadas HQI ou Sódio, Código AFCSC250 Equipamento destinado a ser instalado em locais que são iluminados através de lâmpadas HQI ou de Sódio, geralmente estas

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS Uma empresa que tem orgulho de iluminar! CATÁLOGO DE PRODUTOS 1 PROJETORES ESTAMPADOS - LANÇAMENTO A Tec & Luz está com novidades em sua linha de produtos. Conheça a nova linha de Projetores Estampados

Leia mais

FLEX SINALIZAÇÃO MODULAR DESIGN, DURABILIDADE, PRATICIDADE.

FLEX SINALIZAÇÃO MODULAR DESIGN, DURABILIDADE, PRATICIDADE. FLEX SINALIZAÇÃO MODULAR DESIGN, DURABILIDADE, PRATICIDADE. A FLEX é uma empresa formada por profissionais com mais de 20 anos de experiência no mercado de comunicação visual, que nasce para trazer ao

Leia mais

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo Apostila 2 Capítulo 8 Página 305 Reflexões Fenômenos Ópticos Reflexão Refração Absorção Tipos de Reflexão Reflexão Especular Reflexão Difusa Na reflexão especular os raios de luz que entram paralelos são

Leia mais

3º Bimestre. Física II. Autor: Geraldo Velazquez

3º Bimestre. Física II. Autor: Geraldo Velazquez 3º Bimestre Autor: Geraldo Velazquez SUMÁRIO UNIDADE I Óptica Geométrica... 4 1 Natureza Da Luz... 4 2 Conceitos Preliminares... 5 2.1 Raios e Feixes... 5 2.2 Fontes De Luz... 6 2.3 MEIOS ÓPTICOS... 6

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

Iluminação comercial: considerações + dois casos de migração para a tecnologia LED

Iluminação comercial: considerações + dois casos de migração para a tecnologia LED Iluminação comercial: considerações + dois casos de migração para a tecnologia LED *Por Eduardo E. Dutra Rodrigues e Moshe Gorban O tema iluminação comercial é bastante rico, amplo e complexo. A fim de

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Gesso Convenciona O gesso é um material versátil: ele auxilia nas tarefas de embutir a iluminação, esconder ferragens e disfarçar vigas, além de criar efeitos fantásticos, especialmente

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS Profª. MSc. Marta Cristina Wachowicz Especialista em Psicologia do Trabalho Mestre em Engenharia

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

Concessionária. Projeto luminotécnico visa instigar consumidor de automóvel. c a s e. Por Rodrigo Casarin Fotos: João Valério

Concessionária. Projeto luminotécnico visa instigar consumidor de automóvel. c a s e. Por Rodrigo Casarin Fotos: João Valério c a s e Concessionária Por Rodrigo Casarin Fotos: João Valério LOCALIZADA NO BAIRRO CIDADE NOVA, EM INDAIATUBA, cidade do interior do Estado de São Paulo, a concessionária Honda Caiuás Indaiatuba, inaugurada

Leia mais

Residência. Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais. c a s e. Por Claudia Sá

Residência. Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais. c a s e. Por Claudia Sá c a s e Fotos: Rafael Leão Residência Por Claudia Sá Cenários para o dia-a-dia e ocasiões especiais ATMOSFERA ACOLHEDORA PARA O DIA-A-DIA E FLEXIBILIDADE para criação de cenários para eventos distintos.

Leia mais

Sérgio Ferreira de Paula Silva

Sérgio Ferreira de Paula Silva Instalações Elétricas 1 Projeto de Instalações Elétricas Projetar uma instalação elétrica para qualquer tipo de prédio ou local consiste essencialmente em selecionar, dimensionar e localizar, de maneira

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. Nathalya Luciano Buges - Acadêmica do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMS

Leia mais

A empresa opera nas seguintes áreas de negócio:

A empresa opera nas seguintes áreas de negócio: A ENP Energias Renováveis Portugal, SA, foi constituída em 2007 e faz parte do universo do Grupo Salvador Caetano, desenvolve a sua actividade no mercado das energias renováveis, da sustentabilidade e

Leia mais

Capítulo 3 Circuitos Elétricos

Capítulo 3 Circuitos Elétricos Capítulo 3 Circuitos Elétricos 3.1 Circuito em Série O Circuito Série é aquele constituído por mais de uma carga, ligadas umas as outras, isto é, cada carga é ligada na extremidade de outra carga, diretamente

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA XVII Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia Elétrica Vitória, 26 e 27 de Novembro de 2015 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Julian Villelia Padilla Conteúdo: Conceitos básicos. Aplicações típicas

Leia mais

Adesivos e Fitas Adesivas Industriais 3M 3M VHB. fitas de montagem. permanente. Alternativa comprovada a parafusos, rebites e soldaduras

Adesivos e Fitas Adesivas Industriais 3M 3M VHB. fitas de montagem. permanente. Alternativa comprovada a parafusos, rebites e soldaduras Adesivos e Fitas Adesivas Industriais 3M 3M VHB fitas de montagem permanente Alternativa comprovada a parafusos, rebites e soldaduras Pode uma fita substituir realmente sistemas de fixação mecânica? Sim.

Leia mais

ANEXO II SISTEMA DE PAINÉIS DE MENSAGENS VARIÁVEIS FIXOS. 1. Os painéis de mensagem variável - fixos deverão:

ANEXO II SISTEMA DE PAINÉIS DE MENSAGENS VARIÁVEIS FIXOS. 1. Os painéis de mensagem variável - fixos deverão: ANEXO II SISTEMA DE PAINÉIS DE MENSAGENS VARIÁVEIS FIXOS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1. Os painéis de mensagem variável - fixos deverão: a) Ser projetados para implantação externa junto às vias de tráfego,

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO EDITAL N.º 1- UFPA de 13/01/2014 30 de março de 2014 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES

Leia mais

Aspectos Físicos em UANs. Kelly Amichi

Aspectos Físicos em UANs. Kelly Amichi Aspectos Físicos em UANs. Kelly Amichi A participação do nutricionista no planejamento Físicofuncional das UANs está previsto na legislação: Lei 8.234/91, que regulamenta a profissão do Nutricionista,

Leia mais

Controlo de iluminação local multifuncional

Controlo de iluminação local multifuncional Controlo de iluminação local multifuncional I Controlo de iluminação local multifuncional A nível mundial, sensivelmente 20 % do consumo total de energia diz respeito à iluminação. Dependendo do tipo de

Leia mais

solução modular led para aplicações de elevada potência

solução modular led para aplicações de elevada potência road + urban solução modular led para aplicações de elevada potência até 120,000lm várias opções de montagem design térmico sem manutenção máxima FLEXIBILIdade para a sua SOLUção CUSTOMIzada o nosso sistema

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ILUMINAÇÃO EM LED: TENDÊNCIA MUNDIAL. A utilização da iluminação em LED, além de oferecer produtos com maior durabilidade e segurança, minimizam o custo e o consumo de energia elétrica,

Leia mais

Linha completa de aquecimento para banho e piscina

Linha completa de aquecimento para banho e piscina Linha completa de aquecimento para banho e piscina Aquecedor solar Aquecedor de piscina Bomba de calor www.heliotek.com.br Coletores solares Heliotek A força da nova geração Ao contrário dos coletores

Leia mais

Fenômeno Físico Como a cor acontece

Fenômeno Físico Como a cor acontece Fenômeno Físico Como a cor acontece Teoria das Cores Definição Expressa uma sensação visual que nos oferece a natureza através dos raios de luz irradiados em nosso planeta. A cor não existe, materialmente

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica. Mecanismos do Eclipse

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica. Mecanismos do Eclipse Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica 01 - (PUC RJ) A uma certa hora da manhã, a inclinação dos

Leia mais

Elementos e fatores climáticos

Elementos e fatores climáticos Elementos e fatores climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade,

Leia mais

PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED

PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA CELPE, COELBA E COSERN. ECONOMIZE ENERGIA COM LÂMPADA LED A substituição de lâmpadas

Leia mais

No manual da webcam, ele descobriu que seu sensor de imagem tem dimensão total útil de 2

No manual da webcam, ele descobriu que seu sensor de imagem tem dimensão total útil de 2 1. (Ufsc 2015) Fotografar é uma arte que se popularizou com os celulares e se intensificou com as redes sociais, pois todos querem postar, publicar os seus registros, suas selfies. Talvez alguns celulares

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DA REFLECTÂNCIA DE ARGAMASSAS. Joaquim Carneiro. Cliente. C - T A C Centro de Território, Ambiente e Construção

RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DA REFLECTÂNCIA DE ARGAMASSAS. Joaquim Carneiro. Cliente. C - T A C Centro de Território, Ambiente e Construção Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DA REFLECTÂNCIA DE ARGAMASSAS Joaquim Carneiro Cliente C - T A C Centro de Território, Ambiente e Construção (Prof. Doutor Said Jalali) Janeiro de 2010 ÍNDICE

Leia mais

limark caraterísticas - projetores vantagens

limark caraterísticas - projetores vantagens limark limark caraterísticas - projetores Estanquicidade: IP 67 (*) Resistência ao choque (PC): IK 09 (**) Resistência a uma carga estática: < 500 kg Tensão nominal (alimentador exterior): 24V DC Classe

Leia mais

FOTO = luz GRAFIA = escrever

FOTO = luz GRAFIA = escrever Iluminação FOTO = luz GRAFIA = escrever Joseph Nicéphore Niépce - 1826 Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície

Leia mais

Bombas de Calor Geotérmicas

Bombas de Calor Geotérmicas Bombas de Calor Geotérmicas Futuro A crescente subida dos preços dos combustíveis fósseis (gás e gasóleo) levou a CHAMA a procurar alternativas aos sistemas tradicionais de aquecimento. Alternativas que

Leia mais

201 6 Iluminação LED

201 6 Iluminação LED 201 6 Iluminação LED As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. Incandescente E27 E14 LED Lúmens 100W 1400 1300 1350lm

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula. Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009.

ERGONOMIA Notas de Aula. Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009. 1. INTRODUÇÃO ERGONOMIA Notas de Aula Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009. A Análise Ergonômica do Trabalho - AET é uma

Leia mais