Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110"

Transcrição

1 Fundamentos da Cor Aluno: Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: Curso: Design (420) Turma: 0195A Disciplina: Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Professora: Berenice Gonçalves Data de entrega: 20/abr//2005

2 Introdução O que é cor? Abaixo selecionei várias definições de cor que conseguem de maneira técnica (não metafórica) esclarecer melhor o conceito de cor. A cor não tem existência material. Ela é, tão-somente, uma sensação provocada pela ação da luz sobre o órgão da visão. Em linguagem corrente, a palavra cor tanto designa a sensação cromática, como o estímulo (a luz direta ou o pigmento capaz de refletí-la) que a provoca. Mas, a rigor, esse estímulo denomina-se matiz, e a sensação provocada por ele é que recebe o nome de cor. PEDROSA, Israel. O universo da cor. Rio de Janeiro: Ed. SENAC Nacional, Um atributo visual das coisas, que resulta da luz que eles emitem, transmitem ou refletem; a cor branca é feita de vários diferentes comprimentos de onda. A aparência de objetos (ou fontes luminosas) descrita em termos da percepção de uma pessoa para sua matiz, luminância (ou brilho) e saturação. Cor é a sensação que (em seres humanos) deriva da habilidade da fina estrutura do olho em distinguir três diferentes análises filtradas de uma visualização. A percepção da cor é influenciada pela historia de longo prazo (cultura) do observador e também de efeitos de curto prazo como as cores ao redor. O termo cor também é usado para as propriedades de objetos ou fontes de luz que podem ser distinguidas por diferenças nos receptores do olho. O atributo da experiência visual que pode ser descrito como tendo dimensões quantitativamente especificáveis de matiz, saturação e brilho ou luminância. Ela não incluí aspectos de extensão (por exemplo tamanho, formato, textura, etc.) nem duração (por exemplo movimento, tremulação, etc..). Uma cor pode ser vista como um simples comprimento de onda ou uma combinação de vários. A maioria das cores são combinações bem complexas de vários comprimentos de onda com várias amplitudes. A propriedade de um objeto a qual é dependente do comprimento de onda da luz que ele reflete, ou no caso de um corpo luminescente, o comprimento de onda da luz que ele emite. Se, em qualquer dos dois casos supracitados, a luz for de um comprimento de onda simples, a cor será vista como uma cor espectral pura, mas, se luz de dois ou mais comprimentos de onda é emitida, a cor será misturada. Luz branca é uma mistura equilibrada de todas as cores espectrais visíveis.

3 Cor-luz, Cor-pigmento opaca e Corpigmento transparente O modelo de cores-pigmento opacas ou modelo artístico é questionado hoje em dia. O autor Israel Pedrosa o considera, enquanto que Luciano Guimarães não. Abaixo definições dos dois autores. Os efeitos luminosos, constituidos por radiações eletromagnéticas, capazes de provocar a sensação que denominamos cor, dividem-se em três grupos distintos. São eles: o das cores-luz, o das cores-pigmento opacas e o das cores-pigmento transparentes. Mesmo tendo a luz como origem comum, esses estímulos constituem espécies diferentes. Cores-luz são as que provêm de uma fonte luminosa direta, estudadas mais detidamente na área da Fisica, com vasto emprego na sociedade contemporanea. São elas que iluminam as nossas vidas, como a luz do sol, a de uma vela, a de uma lâmpada ou a de uma descarga eletrica. Sua tríade primária é constituída pelo vermelho, verde e azul-violetado. A mistura proporcional das cores-luz produz o branco, em síntese denominada aditiva Cores-pigmento opacas são as cores de superfície de determinadas matérias químicas, produzidas pela propriedade dessas matérias em absorver, refletir ou refratar os raios luminosos incidentes. Sua tríade primária é composta pelo vermelho, amarelo e azul, cores que em mistura proporcional produzem um cinza neutro escuro, o preto. Esse fenômeno é denominado síntese subtrativa. Cores-pigmento transparentes são as cores de superfície produzidas pela propriedade de alguns corpos químicos de filtrar os raios luminosos incidentes, por efeitos de absorção, reflexão e transparência, tal como ocorre nas aquarelas, nas películas fotográficas e nos processos de impressão gráfica em que as imagens são produzidas por retículas e por pontos nos processos computadorizados. PEDROSA, Israel. O universo da cor. Rio de Janeiro: Ed. SENAC Nacional, Cor-luz é o termo que especifica a cor formada pela emissão direta de uma fonte luminosa. Cor-pigmento é o termo que especifica a cor produzida pelo processo seletivo de reflexão e absorção da luz efetuado por um objeto iluminado. A cor transmitida por um objeto é, portanto, resultado da seleção da luz por sua superfície pigmentada. A cor resultante desse processo corresponde à soma dos raios refletidos pelo objeto. GUIMARÃES, Luciano. As cores na mídia. Editora AnnaBlume.

4 Alguns comentários sobre modelos de cor e parâmetros da cor: Don Jusko, artista da Ilha de Maui - Havaí, no seu site na internet mauigateway.com/~donjusko/othercolorwheel.htm critica o modelo de cores opacas, afirmando que a mistura de uma cor com a sua complementar gera marrons, nunca pretos ou cinzas-neutros; o modelo opaco obriga o uso do preto para a geração das tonalidades escuras, enquanto que o modelo CMY permite o uso da cor complementar para criar as tonalidades escuras, o que é mais lógico. Ele criou a roda RCW, que em tradução para Português seria o Verdadeiro Círculo das Corespigmento e prega o ensino e o uso do CMY nas escolas de arte, por ser mais fácil de ser entendido pelos alunos porque funciona. Luciano Guimarães, em seu livro As Cores na mídia, também critica o modelo de cores opacas, afirmando que o vermelho não é primário, pois pode ser obtido da mistura do amarelo e do magenta. Já o amarelo e o magenta, estes sim são primários, já que não são obtidos da mistura de nenhuma outra cor Um comentário final meu é que a definição usual de matiz diz respeito a um comprimento de onda predominante em uma cor observada. Acho que este conceito deve ser ligeiramente modificado pelas exceções que ocorrem: - Se a cor observada, for composta de um comprimento de onda vermelho e um comprimento de onda verde, a matiz percebida é a do amarelo, mesmo sem haver ondas de luz de comprimento de onda do amarelo. - Se a cor observada, for composta de um comprimento de onda vermelho e um comprimento de onda azul, a matiz percebida é a do magenta, que não existe no espectro, por isso a denominação de cores não-espectrais para estes matizes.

5 Disco de cor-pigmento opaco A maioria dos artistas reconhece o vermelho, o amarelo e o azul como as três cores primárias. Estas cores primárias são as cores puras que não podem ser criadas pela mistura de nenhuma outra cor. Este sistema é usado em pinturas a óleo e em diversas outras tintas de base opaca. Este sistema de cores, ao contrário do RGB e do CMY, não tem uma sigla que o denomina.

6 Disco de cor-pigmento transparente Na indústria gráfica, com a adição do preto, devida a limitações do papel, temos o modelo CMYK (Cyan, Magenta, Yellow and black). Este é usado em publicações impressas como jornais, revistas, livros e folders. Também é usado em impressoras jato-de-tinta domésticas.

7 Disco de cor-pigmento transparente Amostras de cores de mídia impressa Para exemplificar o uso prático do modelo CMYK, fizemos recortes de revistas contendo as cores primárias, secundárias e terciárias deste modelo.

8 Parâmetros da cor No ato perceptivo, distinguem-se três características principais que correspondem aos parâmetros básicos da cor: Croma - Refere-se à saturação, percebida como intensidade da cor. Estágio em que o vermelho apresenta-se mais vermelho, equidistante do azul e do amarelo; o amarelo mais amarelo; o verde mais verde; o azul mais azul. Valor, luminosidade ou brilho - Termos utilizados para designar o Indice de luminosidade da cor. Matiz - Variedade do comprimento de onda da luz direta ou refletida, percebida como vermelho, amarelo, azul e demais resultantes das misturas dessas cores. Escalas Correspondendo aos três parâmetros descritos acima, elaborei as escalas de saturação, valor e matizes. A escala de saturação começa com o azul ciano puro, cor bastante saturada, e partir da mistura com cinza, chega-se gradualmente a um cinza neutro. A escala de valor dá brilho ao azul ciano por mistura com o branco, processo conhecido por dessaturação e tira o brilho do azul ciano por mistura com o preto, processo conhecido por rebaixamento. A escala de matizes mostra diferentes matizes das cores saturadas.

9 Escala de Saturação Escala de Valor Escala de Matizes

10 Contrastes simultâneos Justapondo cores, uma ao lado de outra mais escura tende a parecer mais clara do que realmente é, enquanto que a outra se torna ainda mais escura pela aproximação da mais clara. Cores contrárias têm uma forma particular quando estão opostas às suas respectivas contrárias. Os efeitos gerados pelo contraste simultâneo de cor mostram que uma cor muda quando outra cor está presente. Por exemplo: um cinza parece ligeiramente azul em um fundo laranja. Deve-se lembrar do processo oponente da percepção: olho busca as complementares. A composição a seguir mostra o constraste de diversas cores com o verde-médio. O verde-claro escurece o verde-médio. O verde-escuro e o azul-escuro clareiam o verde-médio. As cores frias (azul e verde) o atenuam. As cores quentes (amarelo e vermelho) o realçam.

11 Contrastes simultâneos

12 Composições com contrastes e harmonias A composição com contraste escolhida foi o contraste de cores complementares. No caso o azul é o complementar do amarelo no modelo CMY. A forma espiral foi escolhida para reforçar mais ainda o contraste. A composição com harmonia escolhida foi a harmonia de cores quentes. Foram usadas as cores vermelho-alaranjado, laranja e amarelo em fundo salmão. A imagem do fogo foi escolhida para reforçar o conceito de cores quentes.

13

14

15 Releitura a partir de imagem A imagem escolhida foi a pintura de Claude Monet intitulada Terraço sobre o mar perto do Havre (96 x 127 cm; 1866). A vibração da luz, expressa em termos já decisivamente impressionistas, parece trazer a atmosfera viva para a tela. A amostra escolhida para a releitura localiza-se no lado direito do jardim onde há plantas com flores vermelhas. Há uma predominância de cores saturadas nos matizes verde, amarelo, laranja e vermelho. Terraço sobre o mar perto do Havre por Claude Monet Detalhe escolhido para releitura

16

17 Referências Bibliográficas PEDROSA, Israel. O universo da cor. Rio de Janeiro: Ed. SENAC Nacional, PEDROSA, Israel. Da cor à cor inexistente GUIMARÃES, Luciano. As cores na mídia. Editora AnnaBlume. GONÇALVES, Berenice. Apostila Fundamentos para o estudo da Cor glossary.html

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

COR. Prof. Wanderlei Paré

COR. Prof. Wanderlei Paré DEFINIÇÃO Cada fonte, ou centro luminoso, emana ondas ou vibrações que, impressionando a vista, dão precisamente a sensação de luz. A luz se compõe de uma mistura de radiações de diferentes longitudes

Leia mais

Fenômeno Físico Como a cor acontece

Fenômeno Físico Como a cor acontece Fenômeno Físico Como a cor acontece Teoria das Cores Definição Expressa uma sensação visual que nos oferece a natureza através dos raios de luz irradiados em nosso planeta. A cor não existe, materialmente

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA CORES

CLASSIFICAÇÃO DA CORES CLASSIFICAÇÃO DA CORES Na nossa vida cotidiana, estamos cercados por cores e as escolhemos regularmente, para nos vestir, decorar nossas casas ou mesmo para comprar um carro. Ter um olhar para as cores

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas

Ondas Eletromagnéticas Luz e Cor Ondas Eletromagnéticas Uma fonte de radiação emite ondas eletromagnéticas. Possuem diferentes comprimentos de onda. O olho humano é sensível a somente alguns: Distinção das cores Ao falarmos

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Cores Introdução. As cores como fenômenos físicos e químicos. 48 Capítulo 4

Cores Introdução. As cores como fenômenos físicos e químicos. 48 Capítulo 4 Cores Introdução O ser vivo é conectado ao meio ambiente por meio das sensações sonoras, luminosas, gustativas, táteis e olfativas. Portanto, a falta de qualquer um dos órgãos dos sentidos nos traz sérios

Leia mais

As cores são ações e paixões da luz.

As cores são ações e paixões da luz. As cores são ações e paixões da luz. Goethe Robert Delunay, Drama políltico, óleo e colagem sobre cartão, 88,7 x 67,3, 1914 Cada olhar envolve uma observação, cada observação uma reflexão, cada reflexão

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica professor Rafael Hoffmann Cor Modelos cromáticos - Síntese aditiva/cor-luz Isaac Newton foi o responsável pelo desenvolvimento da teoria das cores. Em

Leia mais

Gorovitz/Maass Design 2000. Recomendações para uso de cores no ambiente escolar

Gorovitz/Maass Design 2000. Recomendações para uso de cores no ambiente escolar Gorovitz/Maass Design 2000 Recomendações para uso de cores no ambiente escolar Introdução O objetivo desse trabalho é fazer um estudo que fundamente as recomendações de uso de cor na pintura de ambientes

Leia mais

Cor. A cor como ferramenta. Cor-luz. Percepção das cores. Cor-pigmento. Tipos de estímulos cromáticos. Design & Percepção 2. www.ligiafascioni.com.

Cor. A cor como ferramenta. Cor-luz. Percepção das cores. Cor-pigmento. Tipos de estímulos cromáticos. Design & Percepção 2. www.ligiafascioni.com. Design & Percepção 2 A cor como ferramenta Lígia Fascioni Cor Disco de Newton Muita gente estudou o fenômeno: Filósofos (Platão) Matemáticos (Newton) Físicos (Kepler, Descartes) Escritores (Goethe) Pintores

Leia mais

Tipos de cores. Entendendo as cores. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração.

Tipos de cores. Entendendo as cores. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração. Sua impressora permite que você se comunique em cores. As cores chamam a atenção, indicam respeito e agregam valor ao material ou às informações impressas. O uso de cor aumenta o público leitor e faz com

Leia mais

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta Teoria da Cor TI Elisa Maria Pivetta A percepção da cor é um processo complexo, resultante da recepção da luz pelo olho e da interpretação desta pelo cérebro. O que de fato determina a cor de um objeto

Leia mais

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA PRODUÇÃO GRÁFICA PUBLICIDADE & PROPAGANDA Prova Semestral --> 50% da nota final. Sistema de avaliação Atividades em laboratório --> 25% da nota final Exercícios de práticos feitos nos Laboratórios de informática.

Leia mais

prof.nelson_urssi a cultura contemporânea em projeto

prof.nelson_urssi a cultura contemporânea em projeto prof.nelson_urssi dsg> cor, cultura e significado qualidades da cor cores aditivas e subtrativas harmonias e contrastes programação cromática psicologia das cores códigos+público alvo a cultura contemporânea

Leia mais

Sistema de Cores. Guillermo Cámara-Chávez

Sistema de Cores. Guillermo Cámara-Chávez Sistema de Cores Guillermo Cámara-Chávez Conceitos Motivação - poderoso descritor de característica que simplifica identificação e extração de objetos da cena; - humanos podem distinguir milhares de tonalidades

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 3 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA FEVEREIRO 2009 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA Não há como negar que, psicologicamente

Leia mais

Porque as. cores mudam?

Porque as. cores mudam? Porque as cores mudam? O que são cores? As cores não existem materialmente. Não possuem corpo, peso e etc. As cores correspondem à interpretação que nosso cérebro dá a certo tipo de radiação eletro-magnética

Leia mais

Gramática Visual. A cor

Gramática Visual. A cor Gramática Visual A cor Os nossos olhos são sensíveis às radiações luminosas propagadas no espaço em diferentes comprimentos de onda, o que origina a percepção visual das coisas que nos rodeiam. Temos

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CORES FERRAMENTA FUNDAMENTAL PARA A DOCUMENTAÇÃO DIGITAL DE BENS CULTURAIS

GERENCIAMENTO DE CORES FERRAMENTA FUNDAMENTAL PARA A DOCUMENTAÇÃO DIGITAL DE BENS CULTURAIS Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.4, pp. 215-220 Copyright 2007 AERPA Editora GERENCIAMENTO DE CORES FERRAMENTA FUNDAMENTAL PARA A DOCUMENTAÇÃO DIGITAL DE BENS CULTURAIS

Leia mais

CORES E. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

CORES E. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR CORES E SISTEMAS DE CORES Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Abr/2014 A Estrutura do Olho Humano O olho humano é praticamente uma esfera com diâmetro médio

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

Alguns métodos utilizados

Alguns métodos utilizados Alguns métodos utilizados TIF Algumas pessoas exportam o trabalho feito no Corel em formato TIF,que é um procedimento comum para impressão em jornais e publicações impressas. Para exportar desta forma

Leia mais

Cores. Judith Kelner Eduardo Albuquerque Vários colaboradores

Cores. Judith Kelner Eduardo Albuquerque Vários colaboradores Cores Judith Kelner Eduardo Albuquerque Vários colaboradores Abril/2011 Um pouco de História... Homem Primitivo Significado simbólico. Antiguidade Platão (427-347 ac), nos olhos existia um fogo que dava

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Guilherme Lima. Designer Gráfico

Guilherme Lima. Designer Gráfico Guilherme Lima Designer Gráfico TEORIA DAS CORES A teoria A Teoria das Cores afirma que a cor é um fenômeno físico relacionado a existência da luz, ou seja, se a luz não existisse, não existiriam cores.

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

formação web design. 2013 01. 127

formação web design. 2013 01. 127 formação web design. 2013 01. 127 as cores a cor m a t i z o nome atual, como vermelho ou verde s a t u r a ç ã o indica a pureza da cor, o grau de pureza do matiz l u m i n o s i d a d e indica o quanto

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer

Leia mais

Guia de qualidade de cores

Guia de qualidade de cores Página 1 de 5 Guia de qualidade de cores O Guia de qualidade de cores ajuda você a entender como as operações disponíveis na impressora podem ser usadas para ajustar e personalizar a saída colorida. Menu

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

WEB DESIGN LAYOUT DE PÁGINA

WEB DESIGN LAYOUT DE PÁGINA LAYOUT DE PÁGINA Parte 3 José Manuel Russo 2005 17 Introdução A Cor é um factor importante em qualquer Web Site não só reforça a identificação de uma Empresa como o ambiente psicológico pretendido (calma,

Leia mais

Um estudo de cores em Josef Albers para um ambiente infantil* A Study Of Josef Albers Colors In An Environment For Children

Um estudo de cores em Josef Albers para um ambiente infantil* A Study Of Josef Albers Colors In An Environment For Children Artes Visuais Um estudo de cores em Josef Albers para um ambiente infantil* A Study Of Josef Albers Colors In An Environment For Children por Maria Gabriela Cherem Luft RESUMO As cores sugerem diferentes

Leia mais

Quadricromia. e as Retículas AM e FM

Quadricromia. e as Retículas AM e FM Quadricromia e as Retículas AM e FM A retícula A retícula tradicional ou convencional AM (Amplitude Modulada) é composta de pontos eqüidistantes e com dimensões variáveis. A retícula A retícula tradicional

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2014) Uma pessoa está parada numa calçada plana e horizontal diante de um espelho plano vertical E pendurado na fachada de uma loja. A figura representa a visão de cima da região. Olhando para

Leia mais

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1 Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS Cores Prof. Elisa M. Pivetta Cores 1 COR Adicionam impacto, interesse e informação a documentos e gráficos; Vários fatores envolvidos

Leia mais

Estão corretas: (A) I, II e IV (B) II e III (C) II e IV (D) III e V (E) I, III e V

Estão corretas: (A) I, II e IV (B) II e III (C) II e IV (D) III e V (E) I, III e V FUNDAÇÃO VISCONDE DE CAIRU FACULDADE VISCONDE DE CAIRU CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.: AFONSO CELSO M. MADEIRA DISCIPLINA: COMPUTAÇÃO GRÁFICA (TACOG) 4º SEMESTRE GABARITO Segundo a

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica Resolução das atividades complementares 3 Física F7 Introdução à Óptica geométrica p. 10 1 (FMTM-MG) O princípio da reversibilidade da luz fica bem exemplificado quando: a) holofotes iluminam os atores

Leia mais

Uso correto da Marca ONS. versão 1.0 dezembro 2012

Uso correto da Marca ONS. versão 1.0 dezembro 2012 Uso correto da Marca ONS versão 1.0 dezembro 2012 O ONS desempenha com eficiência e eficácia seu papel no setor elétrico. A Marca ONS identifica e representa a organização e todos que a formam. Este documento

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

Luz e fotografia considerações iniciais

Luz e fotografia considerações iniciais Introdução às técnicas de iluminação luz e óptica 67 Luz e fotografia considerações iniciais Tudo o que a câmera registra se deve à luz, natural ou artificial. A própria palavra "fotografia" significa

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

COR LUZ, COR PIGMENTO E OS SISTEMAS RGB E CMY. Prof. Me. João Carlos Rocha

COR LUZ, COR PIGMENTO E OS SISTEMAS RGB E CMY. Prof. Me. João Carlos Rocha COR LUZ, COR PIGMENTO E OS SISTEMAS RGB E CMY THE ADDITIVE COLOR MODEL RGB, AND SUBTRACTIVE COLOR MODEL CMY Prof. Me. João Carlos Rocha Resumo: Este texto pretende tratar dos sistemas de cor RGB ( Red,

Leia mais

2 Fundamentos da colorimetria

2 Fundamentos da colorimetria 19 o 2 Fundamentos da colorimetria Em todas as áreas das ciências e da engenharia, a medição assume papel relevante já que da sua confiabilidade dependem os processos de manufatura e está presente em praticamente

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Percepção Visual e de Cores - Parte I Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Percepção Visual e de

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Índice Apresentação Malha Construtiva Área de Proteção Família Tipográ ca Padrões Cromáticos Redução da Marca Fundos Marca D água Marcas Especiais Especi cações Finais 02 Apresentação

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5

A cor e o computador. Teoria e Tecnologia da Cor. Unidade VII Pág. 1 /5 A cor e o computador Introdução A formação da imagem num Computador depende de dois factores: do Hardware, componentes físicas que processam a imagem e nos permitem vê-la, e do Software, aplicações que

Leia mais

1) PROBLEMATIZAÇÃO 2) PERGUNTAS-CHAVE 3) CONCEITOS CHAVE. Atividade 3

1) PROBLEMATIZAÇÃO 2) PERGUNTAS-CHAVE 3) CONCEITOS CHAVE. Atividade 3 Atividade 3 1) PROBLEMATIZAÇÃO Não é raro se ouvir as pessoas falando que não é apropriado usar roupas pretas em dias muito quentes, por algum motivo afirmam que a roupa preta esquenta mais do que outra

Leia mais

ÁLVARO BELEZA DE NORONHA ASSOCIAÇÕES ATRIBUÍDAS ÀS COMBINAÇÕES CROMÁTICAS APLICADAS EM MEIOS IMPRESSOS

ÁLVARO BELEZA DE NORONHA ASSOCIAÇÕES ATRIBUÍDAS ÀS COMBINAÇÕES CROMÁTICAS APLICADAS EM MEIOS IMPRESSOS ÁLVARO BELEZA DE NORONHA ASSOCIAÇÕES ATRIBUÍDAS ÀS COMBINAÇÕES CROMÁTICAS APLICADAS EM MEIOS IMPRESSOS Universidade de Fortaleza Fortaleza 2004 ii ÁLVARO BELEZA DE NORONHA ASSOCIAÇÕES ATRIBUÍDAS ÀS COMBINAÇÕES

Leia mais

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar.

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com uma velocidade

Leia mais

manual de identidade visual

manual de identidade visual manual de identidade visual Índice do nosso manual 1.Nosso Logo 1.1. Apresentação...3 1.2. Versões...4 Logo A Aplicações...5 Cores...6 Logo B Aplicações...7 Cores...8 Logo C Aplicações...9 Cores...10 1.3.

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Como são estes olhos e o que eles veem?

Como são estes olhos e o que eles veem? Seção 2 Como são estes olhos e o que eles veem? Esta seção é composta por três conjuntos de painéis e aparatos interativos com o objetivo de mostrar os principais tipos de olhos do reino animal, com ênfase

Leia mais

Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica

Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica Módulo VI Luz e Príncipios da Óptica Geométrica Luz: O omem sempre necessitou de luz para enxergar as coisas a seu redor: luz do Sol, de toca, de vela, de lâmpada. Mas afinal, o que é luz? Luz : é uma

Leia mais

WORKING TOGETHER PROCURA REDUZIR CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE COMUNICAÇÃO?

WORKING TOGETHER PROCURA REDUZIR CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE COMUNICAÇÃO? PROCURA REDUZIR CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE COMUNICAÇÃO? ENTÃO NÃO PROCURE MAIS. COM OS SERVIÇOS DE PROCUREMENT DA POLIVALOR ENCONTROU A SOLUÇÃO. Reduzir custos, seleccionar o fornecedor que garante

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

V - Correcção de perspectiva

V - Correcção de perspectiva V - Correcção de perspectiva E se o afastamento do ponto de tomada de vista e a utilização de uma altura média em relação ao elemento a fotografar reduzem a necessidade de movimentos de correcção da perspectiva,

Leia mais

Entre Cores Teoria da Cor

Entre Cores Teoria da Cor Entre Cores Teoria da Cor A cor faz parte do nosso mundo e das nossas vidas. Todos os dias estamos em contato com as cores. Escolhendo as roupas para vestirmos, tentamos combinar as meias com o terno,

Leia mais

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP Docente: Bruno Duarte Fev 2010 O que é uma imagem digital? Uma imagem diz-se digital quando existe um ficheiro em computador que guarda a informação gráfica desta

Leia mais

Fotografia Digital. Aula 1

Fotografia Digital. Aula 1 Fotografia Digital Aula 1 FOTOGRAFIA DIGITAL Tema da aula: A Fotografia 2 A FOTOGRAFIA A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη grafê, e significa

Leia mais

Capítulo 3 Combinação de cores

Capítulo 3 Combinação de cores Capítulo 3 Combinação de cores A principal combinação de cores para o artista é a dos pigmentos e corantes, que será tratada inicialmente. É aquela mesma que aprendemos quando crianças, com tintas e lápis

Leia mais

Imagens Digitais Tratamento de Imagens

Imagens Digitais Tratamento de Imagens Imagens Digitais Imagens de Bitmap Bitmap = Mapa de Bits ou Imagens Raster São as imagens formadas por pixels em oposição às imagens vetoriais. Imagens de Bitmap Imagem de bitmap Imagem vetorial Imagens

Leia mais

Gama do monitor. Michael v.ostheim Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Gama do monitor. Michael v.ostheim Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga Michael v.ostheim Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 4 2 Usando as imagens de teste 4 2.1 Imagem de teste da escala de cinza............................ 4 2.2

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015

NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015 NOTAS AULAS DE FÍSICA ÓPTICA 05/2015 Professor Danilo Lima Site: estudeadistancia.professordanilo.com PREFÁCIO Estas notas são divulgadas periodicamente no blog estudeadistancia.professordanilo.com A data

Leia mais

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem:

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: C.F.Q. 8ºA Outubro 1 1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: 1.1. Qual é o detetor de luz? O olho. 1.2. Qual é o recetor de luz? A bola. 1.3. De que cor veremos a bola se ela

Leia mais

introdução à Óptica Geométrica

introdução à Óptica Geométrica PARTE II Unidade E capítulo 10 introdução à Óptica Geométrica seções: 101 Conceitos fundamentais 102 Princípios da Óptica Geométrica antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas principais do

Leia mais

As divisões da óptica

As divisões da óptica ÓPTICA As divisões da óptica Óptica física : Estuda a natureza da luz. Óptica fisiológica: Estuda os mecanismos responsáveis pela visão. Óptica geométrica: Estuda os fenômenos relacionados à trajetória

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Aula 6: Composição: forma, cor e tipologia. DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS

Aula 6: Composição: forma, cor e tipologia. DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS Aula 6: Composição: forma, cor e tipologia. DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGENS Forma Podemos classificar os elementos do desenho bidimensional em 3 grandes grupos: Conceituais: ponto linha e plano São percebidos

Leia mais

As cores na identidade visual de empresas de tecnologia The colors in visual identity of technology companies

As cores na identidade visual de empresas de tecnologia The colors in visual identity of technology companies As cores na identidade visual de empresas de tecnologia The colors in visual identity of technology companies Lígia Cristina Fascioni Mestre em Engenharia Elétrica, UFSC Milton Horn Vieira Doutor, UFSC

Leia mais

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez Visão humana Guillermo Cámara-Chávez Cor e visão humana Como uma imagem é formada? Uma imagem é formada a partir da quantidade de luz refletida ou emitida pelo objeto observado. Cor e visão humana Cor

Leia mais

11ºano MÓDULO 1. Material a utilizar: esferográfica preta ou azul, máquina de calcular

11ºano MÓDULO 1. Material a utilizar: esferográfica preta ou azul, máquina de calcular 11ºano MÓDULO 1 Matriz da Prova de Equivalência à Frequência (Decreto-lei nº 74/2004) PROVA ESCRITA E PRÁTICA DE FÍSICA E QUÍMICA APLICADA 11º E 12º anos Vertente Imagem Código da Prova 815 1ª Fase / 2ªFase

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

10/04/2015. As cores na Publicidade. Cor é vida

10/04/2015. As cores na Publicidade. Cor é vida As cores na Publicidade Profa. Soraya Barreto Desde que os primeiros homens começaram a usar as cores como forma de magia para atrair, através de seus poderes, a tão preciosa caça, as cores passaram a

Leia mais

Exercícios de Óptica Conceitos básicos

Exercícios de Óptica Conceitos básicos COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR BARBACENA MG POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS Exercícios de Recuperação de Física 1ª prova DATA: SOESP: Profª. Eliane Ensino Médio Série 2º Turmas 201-202-203 1ª etapa

Leia mais

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração Física IV Difração Sears capítulo 36 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Difração e a Teoria Ondulatória da Luz Difração e a Teoria Ondulatória da Luz A difração é um fenômeno essencialmente ondulatório, ou

Leia mais

Óptica Básica. www.nsaulasparticulares.com.br Página 1 de 14

Óptica Básica. www.nsaulasparticulares.com.br Página 1 de 14 Óptica Básica 1. (Pucrj 2013) A uma certa hora da manhã, a inclinação dos raios solares é tal que um muro de 4,0 m de altura projeta, no chão horizontal, uma sombra de comprimento 6,0 m. Uma senhora de

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica Conteúdo: - Ótica Habilidades: - Entender a propagação da luz e suas aplicações Dispersão da luz A dispersão da luz consiste em um fenômeno onde a luz branca VERMELHO ALARANJADO AMARELO VERDE AZUL ANIL

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE Manual de Identidade Visual UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE INTRODUÇÃO A Universidade Federal de Pernambuco apresenta - através do Bureau de Design da Pró-Reitoria de Extensão - o projeto de Redesign

Leia mais

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( )

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( ) Aula Óptica Luz visível A luz que percebemos tem como característica sua freqüência que vai da faixa de 4.10 14 Hz ( vermelho) até 8.10 14 Hz (violeta). Esta faixa é a de maior emissão do Sol, por isso

Leia mais

Cores são efetivas na codificação de informação?

Cores são efetivas na codificação de informação? Cores são efetivas na codificação de informação? Sistema Visual Sinais visuais Radiações Sinais luminosos Sinais elétricos Fóvea ou mancha amarela Cones sensíveis a comprimento de onda curto, médio e longo

Leia mais

FOTO = luz GRAFIA = escrever

FOTO = luz GRAFIA = escrever Iluminação FOTO = luz GRAFIA = escrever Joseph Nicéphore Niépce - 1826 Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície

Leia mais

CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL HORST HOGREFE COR E SAÚDE: O EFEITO DAS CORES NAS SOMATOPSICOPATOLOGIAS

CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL HORST HOGREFE COR E SAÚDE: O EFEITO DAS CORES NAS SOMATOPSICOPATOLOGIAS CENTRO REICHIANO DE PSICOTERAPIA CORPORAL HORST HOGREFE COR E SAÚDE: O EFEITO DAS CORES NAS SOMATOPSICOPATOLOGIAS CURITIBA 2011 HORST HOGREFE COR E SAÚDE: O EFEITO DAS CORES NAS SOMATOPSICOPATOLOGIAS Monografia

Leia mais

Atividade: matrizes e imagens digitais

Atividade: matrizes e imagens digitais Atividade: matrizes e imagens digitais Aluno(a): Turma: Professor(a): Parte 01 MÓDULO: MATRIZES E IMAGENS BINÁRIAS 1 2 3 4 5 6 7 8 Indique, na tabela abaixo, as respostas dos 8 desafios do Jogo dos Índices

Leia mais

PRODUTOS NOBRE. Manual de desenvolvimento de Rótulos e embalagens.

PRODUTOS NOBRE. Manual de desenvolvimento de Rótulos e embalagens. PRODUTOS NOBRE Manual de desenvolvimento de Rótulos e embalagens. :: INTRODUÇÃO A importância da marca. Vivemos em uma época em que a disputa de um produto em relação ao seu concorrente não acontece somente

Leia mais

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta TRATAMENTO DE IMAGENS Elisa Maria Pivetta CATEGORIAS DE IMAGENS Distinguem-se geralmente duas grandes: Bitmap (ou raster) - trata-se de imagens "pixelizadas", ou seja, um conjunto de pontos (pixéis) contidos

Leia mais

Introdução à Óptica Luz

Introdução à Óptica Luz Introdução à Óptica Luz A luz é uma forma de energia que se propaga nos meios materiais e também no vácuo. A luz emitida pelo Sol estrela mais próxima da Terra chega a nós em 8 minutos e 20 segundos, percorrendo

Leia mais