Ondas Eletromagnéticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ondas Eletromagnéticas"

Transcrição

1 Luz e Cor

2 Ondas Eletromagnéticas Uma fonte de radiação emite ondas eletromagnéticas. Possuem diferentes comprimentos de onda. O olho humano é sensível a somente alguns:

3

4

5

6 Distinção das cores Ao falarmos de cores, temos duas linhas de pensamento distintas: a Cor-Luz e a Cor-Pigmento. Falar de cor sem falar de luz é impossível, mesmo se tratando da Cor-Pigmento, pois ela, a luz, é imprescindível para a percepção da cor, seja ela Cor-Luz ou Cor-pigmento. No caso da Cor-Luz ela é a própria cor e no caso da Cor-Pigmento ela, a luz, é que é refletida pelo material, fazendo com que o olho humano perceba esse estímulo como cor. Os dois extremos da classificação das cores são: o branco, ausência total de cor, ou seja, luz pura; e o preto, ausência total de luz, o que faz com que não se reflita nenhuma cor. Essas duas "cores" portanto não são exatamente cores, mas características da luz, que convencionamos chamar de cor.

7 Cor-luz Luz solar Formada pela adição de 3 cores primárias Sistema aditivo Secundárias formam as primárias das cores-pigmento

8 A Luz Branca

9

10 Vermelho + Verde

11

12 Vermelho + Azul

13

14 Azul + Verde

15

16 Cores-pigmento Substâncias naturais Substâncias sintéticas Três cores primárias Sistema subtrativo

17 Amarelo + Magenta

18 Amarelo + Ciano

19 Ciano + Magenta

20

21 O disco cromático O disco cromático não é um instrumento científico de classificação de cores, mas é muito útil no entendimento da teoria das cores. Geralmente usado para estudar as corespigmento, o disco cromático pode ser desenvolvido em qualquer material, lembrandose que cores-luz e cores pigmentos sofrem alterações de acordo com sua própria essência.

22

23 Matiz É a característica que define e distingue uma cor. Vermelho, verde ou azul, por exemplo, são matizes. Para se mudar o matiz de uma cor acrescenta-se a ela outro matiz. Matiz é a cor em sua máxima intensidade; é a própria cor. É também a variação de tonalidade obtido pela mistura de duas cores em sua máxima intensidade, sem mistura de pigmentos pretos ou brancos, formando novas cores. No círculo cromático e na estrela das cores podemos ver todas as matizes entre as cores primárias e secundárias que sejam vizinhas (cores análogas).

24 Tom Refere-se a maior ou menor quantidade de luz presente na cor. Quando se adiciona preto a determinado matiz, este se torna gradualmente mais escuro, e essas gradações são chamadas escalas tonais. Para se obter escalas tonais mais claras acrescenta-se branco.

25 Intensidade Diz respeito ao brilho da cor. Um matiz de intensidade alta ou forte é vívido e saturado, enquanto o de intensidade baixa ou fraca caracteriza cores fracas ou "pastel". O disco de cores mostra que o amarelo tem intensidade alta enquanto a do violeta é baixa. Conhecer a teoria das cores não é suficiente para elaborar trabalhos interessantes, porém ajuda e muito a atingir objetivos quando estes envolverem o sentido da visão. Afinal é o olho o órgão que capta as cores, passando a mensagem ao cérebro que a identifica e associa com estes conceitos apresentados.

26 Cores Complementares "A cor do complemento de onda dominante que o matiz absorve é a sua complementar". É a cor "negativa"" de qualquer cor, como os negativos de fotografia. É a que forma o verdadeiro contraste. Quando uma cor é colocada lado a lado com sua complementar, elas se intensificam pelo contraste simultâneo. No círculo cromático a cor complementar é a que está "diametralmente oposta", isto é, traçando um diâmetro é a que está do lado oposto.

27

28 Isocromia Isocromia é a harmonia obtida em uma composição usando-se cores diferentes, mas que implicam uma na outra. Por exemplo: uma pintura que tem o magenta como cor predominante e o uso de uma de suas MATIZES.

29 Monocromia Uma pintura que emprega vários tons de uma mesma cor recebe o nome de monocromia: a arte feita com uma única cor, com variação de tonalidades. É a harmonia obtida através da adição gradativa de branco ou preto a uma única cor primária, secundária ou terciária.

30

31 Policromia Em artes gráficas, a policromia é obtida através da combinação das três cores primárias (amarelo; ciano; magenta) mais o preto para realçar os contrastes. As ilustrações aparecem com cores bonitas. Tonalidades e matizes dão uma agradável sensação a quem olha. Mas, para imprimir, as cores foram separadas.

32

33 Cores Quentes As cores quentes tendem para o amarelo, e suas matizes com os alaranjados e avermelhados. As cores quentes estimulam a circulação do observador, causando um ligeiro aumento na temperatura do corpo. o amarelo é uma cor alegre, é a cor do verão; o vermelho é o sangue, é vida.

34

35 Cores Frias As cores frias tendem para o azul, e as matizes entre o verde, azul e violeta. Ao contrário das cores quentes, diminuem a circulação do observador, causando uma ligeira queda na temperatura do corpo. O azul é a calma, a harmonia, a paz, mas também a tristeza e melancolia.

36

37 Cores Análogas A mistura gradativa entre as cores do círculo cromático é um matiz gradativo, um "degradê" que forma uma escala entre duas cores. Essa variação também é conhecida como matiz e, quando é feita entre uma cor primária e uma secundária que sejam vizinhas no círculo cromático, forma uma escala de cores análogas. Analogia significa semelhança. As cores análogas são semelhantes em sua composição.

38 Bibliografia Cores Cor - Uso e abuso, Ismael Guarnelli Desktop Publishing - Revista de Editoração Eletrônica, Computação Gráfica, préimpressão e multimídia, Expressão Editorial, Itú, SP. Galeria de Arte - Cor, Alison Cole Editora Manole, S. Paulo - SP, 1994 À Mão Livre - A Linguagem do Desenho, Philip Hallawell Companhia Melhoramentos, S. Paulo, 1994 Color, musica y vibracion, Dr Bernard Jensen (traducido por Teresa Sans Morales) Mandala Ediciones - Madrid, 1992 Iniciação à Pintura - Estudos Técnicos, Edson Motta e Maria Luiza Guimarães Salgado Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro - RJ, 1976 Da Cor a Cor Inexistente, Israel Pedrosa Editora Universidade de Brasília, Brasília - DF Classificação de primárias e Secundárias, Carlos Roberto Fernandes - Unicamp SP

39 THE END

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

COR. Prof. Wanderlei Paré

COR. Prof. Wanderlei Paré DEFINIÇÃO Cada fonte, ou centro luminoso, emana ondas ou vibrações que, impressionando a vista, dão precisamente a sensação de luz. A luz se compõe de uma mistura de radiações de diferentes longitudes

Leia mais

Fenômeno Físico Como a cor acontece

Fenômeno Físico Como a cor acontece Fenômeno Físico Como a cor acontece Teoria das Cores Definição Expressa uma sensação visual que nos oferece a natureza através dos raios de luz irradiados em nosso planeta. A cor não existe, materialmente

Leia mais

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Fundamentos da Cor Aluno: Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Turma: 0195A Disciplina: Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Professora: Berenice Gonçalves Data de entrega:

Leia mais

As cores são ações e paixões da luz.

As cores são ações e paixões da luz. As cores são ações e paixões da luz. Goethe Robert Delunay, Drama políltico, óleo e colagem sobre cartão, 88,7 x 67,3, 1914 Cada olhar envolve uma observação, cada observação uma reflexão, cada reflexão

Leia mais

Tipos de cores. Entendendo as cores. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração.

Tipos de cores. Entendendo as cores. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração. Sua impressora permite que você se comunique em cores. As cores chamam a atenção, indicam respeito e agregam valor ao material ou às informações impressas. O uso de cor aumenta o público leitor e faz com

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA CORES

CLASSIFICAÇÃO DA CORES CLASSIFICAÇÃO DA CORES Na nossa vida cotidiana, estamos cercados por cores e as escolhemos regularmente, para nos vestir, decorar nossas casas ou mesmo para comprar um carro. Ter um olhar para as cores

Leia mais

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 2 - Conceitos básicos de produção gráfica professor Rafael Hoffmann Cor Modelos cromáticos - Síntese aditiva/cor-luz Isaac Newton foi o responsável pelo desenvolvimento da teoria das cores. Em

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Entre Cores Teoria da Cor

Entre Cores Teoria da Cor Entre Cores Teoria da Cor A cor faz parte do nosso mundo e das nossas vidas. Todos os dias estamos em contato com as cores. Escolhendo as roupas para vestirmos, tentamos combinar as meias com o terno,

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

Porque as. cores mudam?

Porque as. cores mudam? Porque as cores mudam? O que são cores? As cores não existem materialmente. Não possuem corpo, peso e etc. As cores correspondem à interpretação que nosso cérebro dá a certo tipo de radiação eletro-magnética

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Cores. Misturando apenas essas três cores, em proporções e intensidades variadas, podemos obter todas as outras, mesmo as que não estão no

Cores. Misturando apenas essas três cores, em proporções e intensidades variadas, podemos obter todas as outras, mesmo as que não estão no Cores A cor é uma sensação provocada pela luz sobre o órgão da visão, isto é, sobre nossos olhos. A cor-luz pode ser observada através dos raios luminosos. Cor-luz é a própria luz que pode se decompor

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 3 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA FEVEREIRO 2009 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA Não há como negar que, psicologicamente

Leia mais

Gorovitz/Maass Design 2000. Recomendações para uso de cores no ambiente escolar

Gorovitz/Maass Design 2000. Recomendações para uso de cores no ambiente escolar Gorovitz/Maass Design 2000 Recomendações para uso de cores no ambiente escolar Introdução O objetivo desse trabalho é fazer um estudo que fundamente as recomendações de uso de cor na pintura de ambientes

Leia mais

Cores Introdução. As cores como fenômenos físicos e químicos. 48 Capítulo 4

Cores Introdução. As cores como fenômenos físicos e químicos. 48 Capítulo 4 Cores Introdução O ser vivo é conectado ao meio ambiente por meio das sensações sonoras, luminosas, gustativas, táteis e olfativas. Portanto, a falta de qualquer um dos órgãos dos sentidos nos traz sérios

Leia mais

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta Teoria da Cor TI Elisa Maria Pivetta A percepção da cor é um processo complexo, resultante da recepção da luz pelo olho e da interpretação desta pelo cérebro. O que de fato determina a cor de um objeto

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Cor. A cor como ferramenta. Cor-luz. Percepção das cores. Cor-pigmento. Tipos de estímulos cromáticos. Design & Percepção 2. www.ligiafascioni.com.

Cor. A cor como ferramenta. Cor-luz. Percepção das cores. Cor-pigmento. Tipos de estímulos cromáticos. Design & Percepção 2. www.ligiafascioni.com. Design & Percepção 2 A cor como ferramenta Lígia Fascioni Cor Disco de Newton Muita gente estudou o fenômeno: Filósofos (Platão) Matemáticos (Newton) Físicos (Kepler, Descartes) Escritores (Goethe) Pintores

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

Colégio Técnico Educáre Curso Técnico de Design de Interiores. Modulo 1 - CORES NOS AMBIENTES TEORIA DAS CORES. Professora Arq.

Colégio Técnico Educáre Curso Técnico de Design de Interiores. Modulo 1 - CORES NOS AMBIENTES TEORIA DAS CORES. Professora Arq. Colégio Técnico Educáre Curso Técnico de Design de Interiores Modulo 1 - CORES NOS AMBIENTES TEORIA DAS CORES Professora Arq. SIMONE CAMILLO Você já tentou perceber o mundo em preto e branco? Você já pensou

Leia mais

prof.nelson_urssi a cultura contemporânea em projeto

prof.nelson_urssi a cultura contemporânea em projeto prof.nelson_urssi dsg> cor, cultura e significado qualidades da cor cores aditivas e subtrativas harmonias e contrastes programação cromática psicologia das cores códigos+público alvo a cultura contemporânea

Leia mais

Uso de Cores no Design de Interfaces

Uso de Cores no Design de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Uso de Cores no Design de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

Gramática Visual. A cor

Gramática Visual. A cor Gramática Visual A cor Os nossos olhos são sensíveis às radiações luminosas propagadas no espaço em diferentes comprimentos de onda, o que origina a percepção visual das coisas que nos rodeiam. Temos

Leia mais

Alguns métodos utilizados

Alguns métodos utilizados Alguns métodos utilizados TIF Algumas pessoas exportam o trabalho feito no Corel em formato TIF,que é um procedimento comum para impressão em jornais e publicações impressas. Para exportar desta forma

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1 Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS Cores Prof. Elisa M. Pivetta Cores 1 COR Adicionam impacto, interesse e informação a documentos e gráficos; Vários fatores envolvidos

Leia mais

Guilherme Lima. Designer Gráfico

Guilherme Lima. Designer Gráfico Guilherme Lima Designer Gráfico TEORIA DAS CORES A teoria A Teoria das Cores afirma que a cor é um fenômeno físico relacionado a existência da luz, ou seja, se a luz não existisse, não existiriam cores.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO VISUAL COR. Prof. Carlos Café Dias

PROGRAMAÇÃO VISUAL COR. Prof. Carlos Café Dias PROGRAMAÇÃO VISUAL COR Prof. Carlos Café Dias O mundo à nossa volta é repleto de cores, mas tudo está na nossa cabeça, é ativado em nós. Experimentamos as cores por apenas um sentido: a visão. As cores

Leia mais

apostila técnica COLORS www.lolacosmetics.com.br

apostila técnica COLORS www.lolacosmetics.com.br COLORS apresentação Prezado, É com imenso prazer que apresentamos a apostila de coloração da Lola. Nosso objetivo foi desenvolver um material completo que reunisse informações técnicas e alguns bons argumentos

Leia mais

Iluminação Fotográfica

Iluminação Fotográfica 1 Iluminação Fotográfica Primeiramente, deveríamos lembrar da necessidade da luz para a realização de uma fotografia. Sem a luz, não há fotografia, expressão que significa gravar com a luz. Logo, a principal

Leia mais

Cartografia Temática Produto de um SIG

Cartografia Temática Produto de um SIG GA020 SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Cartografia Temática Produto de um SIG Alzir Felippe Buffara Antunes Conceitos A função de uma mapa é interagir com o usuário descrevendo os fenômenos ambientais. O

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

Teoria da Cor - Fundamentos Básicos

Teoria da Cor - Fundamentos Básicos Teoria da Cor - Fundamentos Básicos O objetivo desse material de apoio é trazer algumas informações básicas sobre teoria da cor, embora seu estudo seja muito mais amplo e envolve diversos aspectos de percepção,

Leia mais

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A Via Láctea é uma faixa de luz tênue e esbranquiçada que percorre todo o céu, formando um anel à nossa volta. É conhecida desde a antiguidade. Somente com o uso do telescópio

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

2.0 A Técnica: A luz e a formação da imagem na TV

2.0 A Técnica: A luz e a formação da imagem na TV 63 Texto extraído de BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade de Arquitetura, Artes

Leia mais

Luz e fotografia considerações iniciais

Luz e fotografia considerações iniciais Introdução às técnicas de iluminação luz e óptica 67 Luz e fotografia considerações iniciais Tudo o que a câmera registra se deve à luz, natural ou artificial. A própria palavra "fotografia" significa

Leia mais

Mandalas. A Busca do Equilíbrio

Mandalas. A Busca do Equilíbrio Mandalas A Busca do Equilíbrio Mandalas A Busca do Equilíbrio Maria Tereza Franchi 3 Índice O Interesse pelas Mandalas... 15 Tudo é Mandala... 20 As Mandalas da Natureza... 23 O Uso das Mandalas... 25

Leia mais

Guia de qualidade de cores

Guia de qualidade de cores Página 1 de 5 Guia de qualidade de cores O Guia de qualidade de cores ajuda você a entender como as operações disponíveis na impressora podem ser usadas para ajustar e personalizar a saída colorida. Menu

Leia mais

A Cor nos Ambientes Construídos. Para Desenvolver um Plano de Cores

A Cor nos Ambientes Construídos. Para Desenvolver um Plano de Cores A Cor nos Ambientes Construídos A medicina psicossomática já constatou as fortes relações entre os ambientes construídos e as atitudes mentais e emocionais dos usuários. Para Desenvolver um Plano de Cores

Leia mais

Sistema de Cores. Guillermo Cámara-Chávez

Sistema de Cores. Guillermo Cámara-Chávez Sistema de Cores Guillermo Cámara-Chávez Conceitos Motivação - poderoso descritor de característica que simplifica identificação e extração de objetos da cena; - humanos podem distinguir milhares de tonalidades

Leia mais

COLOR EXCELLENCE. HAIR PERFECTION.

COLOR EXCELLENCE. HAIR PERFECTION. COLOR EXCELLENCE. HAIR PERFECTION. Naturais 1 Preto 6 2 Escuro 7 3 8 4 9 5 10 Naturais Bahia 4 NB 8 NB 5 NB 9 NB 6 NB 7 NB 10 NB Naturais Intensos 3 NI 8 NI 4 NI 5 NI 6 NI 7 NI 9 NI Louro claríssimo Tendenza

Leia mais

Cooperação para criar valor

Cooperação para criar valor Cooperação para criar valor & 0 Cooperação para criar valor & 1 PALESTRANTE Dr. Bernhard Fritz Gerente de Productos Marketing SunChemical 2 Dr. Bernhard Fritz Gerente de Produtos & Marketing, Sun Chemical

Leia mais

FÍSICA. e. Impede a saída de água, por ser menor que a

FÍSICA. e. Impede a saída de água, por ser menor que a FÍSICA 01. CA 5 ENEM Nossa pele possui células que reagem à incidência de luz ultravioleta e produzem uma substância chamada melanina, responsável pela pigmentação da pele. Pensando em se bronzear, uma

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual sumário Manual de Identidade Visual EBSERH Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares 3 a marca 4 malha construtiva 5 cores institucionais 6 aplicações em fundo colorido 7

Leia mais

Exposição Exploratorium (piso 1)

Exposição Exploratorium (piso 1) Exposição Exploratorium (piso 1) Departamento Educativo - PNE Vivemos numa floresta de sons, cores, tonalidades, reflexos e texturas de uma realidade que nos chega pelos sentidos e molda a imagem perceptiva

Leia mais

Aula 8 - Contraste. professor Rafael Hoffmann

Aula 8 - Contraste. professor Rafael Hoffmann Aula 8 - Contraste professor Rafael Hoffmann Estar contra. Comparação, na qual as diferenças se tornam claras. Usado para sugerir distinções visuais. Ao compararmos o dessemelhante, aguçamos o significado

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5%

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Células fotossensíveis CONES: funcionam com maior nível de iluminação e são responsáveis pela percepção das cores, além da percepção de espaço e de

Leia mais

Estes filtros devem estar na lista de prioridade de suas compras pois eles protegem sua lente contra poeira, umidade e arranhões.

Estes filtros devem estar na lista de prioridade de suas compras pois eles protegem sua lente contra poeira, umidade e arranhões. Venda Locação! """ Os filtro podem ser divididos em famílias e sub famílias: Proteção Correção Filmes Coloridos Filmes P & B Efeito: Difusores Contraste Efeitos ópticos Polarizador Cor Cor/Graduados PROTEÇÃO:

Leia mais

Oficina: As Cores das Estrelas Parte A

Oficina: As Cores das Estrelas Parte A Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica - Divisão de Astrofísica/ INPE Oficina: As Cores das Estrelas Parte A I - Cor e Temperatura Ao olharmos o céu estrelado, podemos notar que nem todas as estrelas

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Óptica Básica. www.nsaulasparticulares.com.br Página 1 de 14

Óptica Básica. www.nsaulasparticulares.com.br Página 1 de 14 Óptica Básica 1. (Pucrj 2013) A uma certa hora da manhã, a inclinação dos raios solares é tal que um muro de 4,0 m de altura projeta, no chão horizontal, uma sombra de comprimento 6,0 m. Uma senhora de

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Concurso Público (Aplicação: 07/08/2011) Cargo: Técnico em Artes Gráficas/Classe D-101 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique,

Leia mais

Gama do monitor. Michael v.ostheim Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Gama do monitor. Michael v.ostheim Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga Michael v.ostheim Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 4 2 Usando as imagens de teste 4 2.1 Imagem de teste da escala de cinza............................ 4 2.2

Leia mais

PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Artes Visuais Professores: Mirian Terezinha Bolsi Período/ Fase: 7ª Semestre: 1/2014 Ano: 2014 Disciplina:

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL DISCIPLINA: ARTE PROFESSORA: Cristiana de Souza DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 6º ANO TURMA: ALUNO (A): RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL Nº: 01.

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer

Leia mais

A cor é a música dos olhos. Goethe

A cor é a música dos olhos. Goethe LUZ - COR - TINTA A cor é a música dos olhos. Goethe ONDAS ELETROMAGNÉTICAS RAIO X CALOR RÁDIO 1/1000000 nm 1/1000 nm 1 nm 400 nm 700 1/1000 mm 1 mm 1 m 1 km 1000 km RAIOS GAMA E ALFA LUZ TELEVISÃO CORRENTE

Leia mais

Siga nossos padrões de margens especificadas abaixo e utilize nossas matrizes (disponíveis no link Gabaritos).

Siga nossos padrões de margens especificadas abaixo e utilize nossas matrizes (disponíveis no link Gabaritos). Guia de Instruções Atenção com as margens de corte Siga nossos padrões de margens especificadas abaixo e utilize nossas matrizes (disponíveis no link Gabaritos). Sempre utilize no mínimo a 3,5mm de margem

Leia mais

10/04/2015. As cores na Publicidade. Cor é vida

10/04/2015. As cores na Publicidade. Cor é vida As cores na Publicidade Profa. Soraya Barreto Desde que os primeiros homens começaram a usar as cores como forma de magia para atrair, através de seus poderes, a tão preciosa caça, as cores passaram a

Leia mais

1. A CUTÍCULA E a parte externa. E formada de células planas ou escamas que se posicionam como telhas de um teto.

1. A CUTÍCULA E a parte externa. E formada de células planas ou escamas que se posicionam como telhas de um teto. 1 ESTRUTURA DO CABELO A estrutura dos cabelos é formada por três partes concêntricas: A CUTÍCULA (parte externa) A MEDULA (centro) O CÓRTEX (a verdadeira estrutura) 1. A CUTÍCULA E a parte externa. E formada

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Percepção Visual e de Cores - Parte I Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Percepção Visual e de

Leia mais

Manual de Identidade Visual e Aplicação da marca do Governo do Estado de Mato Grosso

Manual de Identidade Visual e Aplicação da marca do Governo do Estado de Mato Grosso Manual de Identidade Visual e Aplicação da marca do Governo do Estado de Mato Grosso Manual de Identidade Visual e Aplicação da Logomarca do Governo do Estado de Mato Grosso Este manual foi desenvolvido

Leia mais

Em nossa experiência diária, muitas

Em nossa experiência diária, muitas Mara Fernanda Parisoto Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre RS Brasil E-mail: marafisica@hotmailcom Thaís Rafaela Hilger Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre RS Brasil

Leia mais

CROMOTERAPIA O USO DAS CORES COMO TERAPIA COMPUTACIONAL

CROMOTERAPIA O USO DAS CORES COMO TERAPIA COMPUTACIONAL Érica Arten Palaria RA 0300236 CROMOTERAPIA O USO DAS CORES COMO TERAPIA COMPUTACIONAL Jaguariúna 2006 Érica Arten Palaria RA 0300236 CROMOTERAPIA O USO DAS CORES COMO TERAPIA COMPUTACIONAL Trabalho de

Leia mais

CORES E. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

CORES E. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR CORES E SISTEMAS DE CORES Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Abr/2014 A Estrutura do Olho Humano O olho humano é praticamente uma esfera com diâmetro médio

Leia mais

Cédula de R$ 100,00. R$ 100,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cor predominante: azul

Cédula de R$ 100,00. R$ 100,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cor predominante: azul Cédula de R$ 100,00 R$ 100,00 Dimensões: 140 x 65 mm. Cor predominante: azul 1 - Marca d água Segure a cédula contra a luz, olhando para o lado que contém a numeração. Observe na área clara, do lado esquerdo,

Leia mais

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA PRODUÇÃO GRÁFICA PUBLICIDADE & PROPAGANDA Prova Semestral --> 50% da nota final. Sistema de avaliação Atividades em laboratório --> 25% da nota final Exercícios de práticos feitos nos Laboratórios de informática.

Leia mais

CAPITULO VI : OS FILTROS

CAPITULO VI : OS FILTROS OS FILTROS Thomaz. W.M. Harrell CAPITULO VI : OS FILTROS Fig 6.1 60 CAPITULO VI Thomaz. W.M. Harrell Os filtros exercem multiplas e importantes funções nos processos fotográficos. São aplicados não somente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA TECNOLOGIA EM COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA TECNOLOGIA EM COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA TECNOLOGIA EM COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL FERNANDA CARNEIRO DA ROCHA RHAYANA KETHELEEN GARCIA DE SOUZA MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

Leia mais

Perguntas Freqüentes sobre a Gráfica Abril

Perguntas Freqüentes sobre a Gráfica Abril Perguntas Freqüentes sobre a Gráfica Abril Qual é o papel usado na impressão de revistas? Cada revista utiliza um tipo de papel diferente. Na gráfica são utilizados papéis do tipo LWC, SC, Couchê, Jornal

Leia mais

Imagens Digitais Tratamento de Imagens

Imagens Digitais Tratamento de Imagens Imagens Digitais Imagens de Bitmap Bitmap = Mapa de Bits ou Imagens Raster São as imagens formadas por pixels em oposição às imagens vetoriais. Imagens de Bitmap Imagem de bitmap Imagem vetorial Imagens

Leia mais

ILUMINAÇÃO A LED. c o n h e ç a a U n il e d. já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia.

ILUMINAÇÃO A LED. c o n h e ç a a U n il e d. já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia. ILUMINAÇÃO A LED c o n h e ç a a U n il e d já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia. Quem Somos A 6 anos atuando na importação e distribuição de produtos com tecnologia a LED, trazendo

Leia mais

FOTO = luz GRAFIA = escrever

FOTO = luz GRAFIA = escrever Iluminação FOTO = luz GRAFIA = escrever Joseph Nicéphore Niépce - 1826 Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície

Leia mais

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA

Luz e Visão. Capítulo 8 8º ano - CSA Luz e Visão Capítulo 8 8º ano - CSA 2014 Afinal, o que é luz? Luz é uma forma de transmissão de energia pelo espaço. Como a luz se propaga? Propagação da luz Corpos luminosos: emitem a própria luz. São

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual rede de atenção À urgência Manual de Identidade Visual Versão 1.0 / Abr. 2012 As marcas do sus Introdução O Ministério da Saúde, por meio do SUS (Sistema Único de Saúde), presta inúmeros serviços à população

Leia mais

Philatécnica. versão em Português, por Ricardo Feliberto. Definitivos

Philatécnica. versão em Português, por Ricardo Feliberto. Definitivos Philatécnica Álbum de Selos do Brasil versão em Português, por Ricardo Feliberto Definitivos www.philatecnica.com.br: Todos os direitos reservados. O titular dos Direitos Autorais licenciou a presente

Leia mais

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP

TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP TEORIA DA COR E DA IMAGEM COM PHOTOSHOP Docente: Bruno Duarte Fev 2010 O que é uma imagem digital? Uma imagem diz-se digital quando existe um ficheiro em computador que guarda a informação gráfica desta

Leia mais

COR LUZ, COR PIGMENTO E OS SISTEMAS RGB E CMY. Prof. Me. João Carlos Rocha

COR LUZ, COR PIGMENTO E OS SISTEMAS RGB E CMY. Prof. Me. João Carlos Rocha COR LUZ, COR PIGMENTO E OS SISTEMAS RGB E CMY THE ADDITIVE COLOR MODEL RGB, AND SUBTRACTIVE COLOR MODEL CMY Prof. Me. João Carlos Rocha Resumo: Este texto pretende tratar dos sistemas de cor RGB ( Red,

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS. Conteúdo: - Ótica Conteúdo: - Ótica Habilidades: - Entender a propagação da luz e suas aplicações Dispersão da luz A dispersão da luz consiste em um fenômeno onde a luz branca VERMELHO ALARANJADO AMARELO VERDE AZUL ANIL

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Manual de aplicação do selo comemorativo de 60 anos da Ufes

Manual de aplicação do selo comemorativo de 60 anos da Ufes Manual de aplicação do selo comemorativo de 60 anos da Ufes A marca comemorativa de 60 anos da Ufes, através do símbolo que representa o infinito, baseia-se no conceito de continuidade, de olhar para o

Leia mais

Quadricromia. e as Retículas AM e FM

Quadricromia. e as Retículas AM e FM Quadricromia e as Retículas AM e FM A retícula A retícula tradicional ou convencional AM (Amplitude Modulada) é composta de pontos eqüidistantes e com dimensões variáveis. A retícula A retícula tradicional

Leia mais

ESMALTES - BAIXA TEMPRERATURA

ESMALTES - BAIXA TEMPRERATURA UFRGS UNIVERSIDAE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE ARTES ESMALTES - BAIXA TEMPRERATURA Disciplina: ART02207 Pesquisa Cerâmica Professor: Carlos Carusto Camargo Período Letivo: 2007/02 Alunos:

Leia mais

ÁLVARO BELEZA DE NORONHA ASSOCIAÇÕES ATRIBUÍDAS ÀS COMBINAÇÕES CROMÁTICAS APLICADAS EM MEIOS IMPRESSOS

ÁLVARO BELEZA DE NORONHA ASSOCIAÇÕES ATRIBUÍDAS ÀS COMBINAÇÕES CROMÁTICAS APLICADAS EM MEIOS IMPRESSOS ÁLVARO BELEZA DE NORONHA ASSOCIAÇÕES ATRIBUÍDAS ÀS COMBINAÇÕES CROMÁTICAS APLICADAS EM MEIOS IMPRESSOS Universidade de Fortaleza Fortaleza 2004 ii ÁLVARO BELEZA DE NORONHA ASSOCIAÇÕES ATRIBUÍDAS ÀS COMBINAÇÕES

Leia mais

ANALÍTICA V 1S 2013 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA V 1S 2013 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA V 1S 2013 Aula 5: 04-06-13 ESPECTROSCOPIA Espectrofotometria no UV-Vis Vis - Parte II Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

Colégio Técnico Educáre Curso Técnico de Design de Interiores. Modulo 1 - CORES NOS AMBIENTES TEORIA DAS CORES. Professora Arq.

Colégio Técnico Educáre Curso Técnico de Design de Interiores. Modulo 1 - CORES NOS AMBIENTES TEORIA DAS CORES. Professora Arq. Colégio Técnico Educáre Curso Técnico de Design de Interiores Modulo 1 - CORES NOS AMBIENTES TEORIA DAS CORES Professora Arq. SIMONE CAMILLO A cor A ciência que estuda a medida das cores é chamada de colorimetria.

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz

Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz. Reto superior Gira o globo para cima. e para perto do nariz Reto superior Gira o globo para cima e para perto do nariz Oblíqüo superior. Gira o globo para baixo e para longe do nariz Reto inferior Gira o globo para baixo e para perto do nariz Reto medial Gira o

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DA REFLECTÂNCIA DE ARGAMASSAS. Joaquim Carneiro. Cliente. C - T A C Centro de Território, Ambiente e Construção

RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DA REFLECTÂNCIA DE ARGAMASSAS. Joaquim Carneiro. Cliente. C - T A C Centro de Território, Ambiente e Construção Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DA REFLECTÂNCIA DE ARGAMASSAS Joaquim Carneiro Cliente C - T A C Centro de Território, Ambiente e Construção (Prof. Doutor Said Jalali) Janeiro de 2010 ÍNDICE

Leia mais

Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Glossário

Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS. Glossário Fiery Color Server SERVER & CONTROLLER SOLUTIONS Glossário 2004 Electronics for Imaging, Inc. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos das Avisos de caráter legal deste produto. 45044849

Leia mais

Esta actividade demonstra que a luz branca que vemos habitualmente é na realidade uma mistura de luzes de várias cores.

Esta actividade demonstra que a luz branca que vemos habitualmente é na realidade uma mistura de luzes de várias cores. Disco de Newton As ondas de luz colorida misturam-se para produzir a luz branca. Cartolina Tesoura Régua Marcadores Motor de um brinquedo ou palito de espetadas Suporte universal Recorta um círculo de

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais