Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 3ºCICLO EDUCAÇÃO VISUAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 3ºCICLO EDUCAÇÃO VISUAL"

Transcrição

1 Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro Ano Letivo PROGRAMAÇÃO ANUAL 3ºCICLO EDUCAÇÃO VISUAL

2 2 O Programa da disciplina de Educação Visual é um Programa aberto e flexível. Esta Proposta de Gestão do Programa não pretende esgotar todas as possibilidades e abordagens das unidades de trabalho a desenvolver com os alunos. Constitui sobretudo uma referência fundamental, indicando os conteúdos e competências essenciais a trabalhar a nível da Escola em cada ano de escolaridade, assim como as atividades a desenvolver que se integram no Plano Anual de Atividades, de acordo com o estabelecido na Secção e tendo em conta o Projeto Educativo do Agrupamento. Apesar de serem sugeridas diversas propostas de trabalho, os temas, as atividades e as estratégias dependerão das turmas reais, sem pôr em causa a concretização das atividades previstas no P.A.A., o desenvolvimento das competências específicas e o cumprimento dos conteúdos programáticos previstos para cada ano de escolaridade. O desenvolvimento das unidades de trabalho deverá ter sempre em vista a educação de atitudes de assiduidade e pontualidade, o empenho e a autonomia na realização das tarefas propostas, a organização do material escolar, o respeito pelo outro e o espírito de entreajuda e cooperação. A programação feita para o 7º e o 8º ano contempla quer o ajustamento do programa de Educação Visual, quer o documento Competências específicas Ed. Visual, de acordo com a reorganização curricular. No 7ºano aborda-se fundamentalmente o desenho expressivo, o desenho de observação e o desenho geométrico. Pretende-se que, na globalidade, o aluno compreenda a linguagem visual, utilizando-a para se exprimir graficamente, interpretar significados e comunicar visualmente. No 8ºano aborda-se fundamentalmente a representação do espaço e a conceção de formas aplicando o método projetual do design. Pretende-se que o aluno analise e tenha em conta os fatores que determinam a forma dos objectos, compreenda e utilize nas suas propostas/projetos diferentes modos de representação de objetos e do espaço tridimensional, aplicando códigos de representação normalizada. No 9ºano coloca-se a tónica na realização de projetos (de objetos de design de equipamento e de moda, de design gráfico, de objetos de comunicação estética, de espaços), nos quais são aplicados e aprofundados conhecimentos anteriores. Como ano terminal de ciclo, os alunos estarão envolvidos e apresentarão trabalhos no Desfile de Moda Vestir Arte do 9ºano, dinamizado pela disciplina de Oficina de Artes, caso a 7ª edição do Desfile se venha a concretizar. Nas unidades de trabalho, a organização do processo de Ensino/Aprendizagem prevê atividades que atravessam os eixos estruturantes das competências específicas: fruição/contemplação, reflexão/interpretação e de criação/produção, integrando assim as dimensões essenciais do desenvolvimento humano - sentir, agir e conhecer. As fichas de avaliação que constam dos quadros terão de ser ajustadas ao calendário de testes de cada turma. Prevê-se um número mínimo de semanas no ºPeríodo, 0 semanas no 2ºperíodo e 8 ou 9 semanas no 3ºperíodo, (8 para o 9º ano e 9 para os 7º e 8ºanos). 2

3 3 7ºANO ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Construção bidimensional, Recorte e Colagem Competências específicas e Propostas de Trabalho: CAPA e DESENHO EXPRESSIVO Entender o desenho como um meio para a representação expressiva e rigorosa de formas. Reconhecer através da experimentação plástica a arte como expressão do sentimento e do conhecimento. Conceber organizações espaciais dominando regras elementares da composição. Aplicar o claro-escuro nas suas experimentações plásticas. Criar composições a partir de observações directas e de realidades imaginadas utilizando os elementos e meios da expressão visual. Organizar com equilíbrio espaços bidimensionais. Fruição contemplação Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural. Reconhecer e dar valor a diferentes formas de expressão artística. Utilizar o desenho com os lápis de grafite como modo de expressão. Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Interpretar os significados expressivos e comunicativos das Artes Visuais. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes. Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística recorrendo a referências e experiências no âmbito das Artes Visuais. Conhecer conceitos e terminologias nas Artes Visuais. Apresentação. Esclarecimentos sobre a disciplina, trabalho a desenvolver ao longo do ano. Modo como se processa a avaliação, regras da sala de aula e organização dos lugares. Material necessário. Preenchimento das fichas da caderneta. Organização do caderno de apontamentos. Organização de secções; Página tipo do caderno. Noção de instrumento de registo e suporte. Lápis de grafite: Experimentação e caracterização dos lápis nº, 2 e 3/minas B, HB, H; Traços com meios de registo diferentes. Referência ao manual Ficha de avaliação diagnóstico teórico-prática. CAPA para guardar os trabalhos de E.V. - Construção da capa, aplicando medições, meio corte, recorte e colagem. DESENHO EXPRESSIVO e obra de Arte: Fazer e interpretar. - Abordagem oral da comunicação através do desenho: Interpretar e utilizar os elementos básicos do desenho Ponto, linha e mancha. - Abordagem da distinção entre o ponto, linha e superfície geométricos e visuais. - Apresentação de exemplos de desenhos usando ponto, linha e mancha. - Identificação das posições das linhas no espaço recorrendo ao posicionamento de objectos reais (ex.lápis). Analogias/associação de ideias e significados. - Exemplificação no quadro (ou visualização de ppt) de diferentes tipos de linhas. Analogias/associação de ideias e significados. Abordagem do Valor expressivo do traço - Reflexão sobre as reacções pessoais à linha (sensações e emoções). Referência ao manual. - Observação e interpretação do desenho Campo de trigo, de Van Gogh, - aplicando conhecimentos relativos ao ponto, linha e mancha. - Exercícios práticos sobre ponto e linha para aplicar conhecimentos e estimular a criatividade. - Identificação da capa Apresentação oral da noção de campo visual, composição, peso e equilíbrio visual (estático e dinâmico) e exemplificação (no quadro ou em projeção). Utilização do manual. ficha para consolidação. - Desenho e recorte de 2 ou mais formas geométricas elementares em cartolina. - Experimentação e Criação de uma composição equilibrada com o exercício sobre a linha, as formas geométricas em cartolina colorida e a fotografia. - Colagem dos diversos elementos na capa. -Colagem de desenhos realizados por artistas diversos no álbum de imagens do caderno. Trabalho de análise e apreciação das mesmas para revisão da matéria. - Ficha de avaliação. Estrutura modulada/paginação Margens Espaço de imagem Mancha de texto Instrumento/meio de registo e Suporte Os lápis de grafite como meios de registo (características e funções). Medição Meio corte Elementos básicos do desenho - ponto (Dimensão, cor, distribuição) - linha (tipos de linha, posições das linhas no espaço) - mancha Valor expressivo do traço Primeiras noções de Campo visual e Composição; Peso e equilíbrio visual; Composições estáticas e dinâmicas. (90min)/ /2 /2 /2 /2 /2 /2 /2 /2 /2 3

4 4 7ºANO ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho e Pintura Competências específicas e Proposta de Trabalho: ILUSTRAÇÃO Desenho de observação e geometrização da forma Tema : Retrato (90min)/ Entender o desenho como um meio para a representação objetiva de formas. Compreender através da representação de formas, processos subjacentes à percepção do volume. Compreender a estrutura das formas naturais (rosto). Compreender a geometria plana como possível interpretação da natureza e princípios organizadores das formas. Utilizar o desenho com os lápis de grafite como modo de expressão. Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Reflexão Interpretação Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística do mundo/meio envolvente. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. - Breve diálogo com os alunos sobre a unidade de trabalho a desenvolver. Desenho de observação: - Exposição oral (apoiada em imagens) sobre a distinção entre desenho expressivo e desenho de observação. - Identificação de elementos a analisar para fazer desenho de observação: Abordagem oral e exemplificação no quadro e/ou através de power point dos Elementos Visuais / Características ou Propriedades visuais das formas (Estrutura e Proporção, Contorno, Silhueta, Textura, Claro-escuro, Cor). Referência ao manual. Tema: Retrato - Apresentação de fotografias de rostos de diversas raças ou de diversas idades ou fotografia do aluno e análise das características e proporções do rosto humano. - Representação gráfica do rosto por observação de fotografia, utilizando lápis de grafite. Aplicação de sombreados e caracterização da textura do cabelo. - Geometrização do rosto humano: Traçado (no quadro e em papel cavalinho) da oval ou do óvulo, traçado da mediatriz de um segmento de recta e traçado de rectas paralelas. Autoavaliação do final do º período. Forma: Perceção visual da forma. Elementos visuais Características ou propriedades visuais da forma -Contorno -Silhueta -Claro/Escuro -Estrutura -Textura -Cor Estrutura/Forma - Compreender a estrutura não apenas como suporte de uma forma, mas também como princípio organizador dos elementos que a constituem. Traçado da circunferência Mediatriz do segmento de recta Oval/Óvulo Traçado de paralelas /4 /4 /2 /2 /2 (Fim ºPer.) 4

5 5 7ºANO 2ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho e Pintura Competências específicas e Proposta de Trabalho: Desenho de observação Tema 2: Formas da Natureza Entender o desenho como um meio para a representação objectiva de formas. Reconhecer através da experimentação plástica a arte como expressão do conhecimento. Compreender através da representação de formas, processos subjacentes à percepção do volume. Compreender a estrutura das formas naturais. Aplicar os valores cromáticos nas suas experimentações plásticas. Fruição contemplação Reconhecer a importância do espaço natural. Conhecer o património natural da região de Aveiro e encarar a sua preservação como um dever cívico. Utilizar o desenho com os lápis de grafite e a pintura com os lápis de cor como modo de expressão. Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Reflexão Interpretação Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística do mundo/meio envolvente. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. - Tema 2: Formas da Natureza (Sub tema a definir em cada turma) - Apresentação de formas naturais (como búzios, seixos, algas, folhas, ramos, frutos, plantas e/ou animais) do mar, das dunas, da Ria, ou do Bosque através de exemplares ou imagens (em fichas ou power point) para observação e análise da forma. - Breve revisão dos elementos visuais e da metodologia a aplicar no desenho de observação. - Representação gráfica das formas observadas utilizando lápis de grafite. - Abordagem da técnica da pintura a lápis de cor e apresentação de exemplos. - Obtenção de diferentes tons e valores por sobreposição. - Experimentação da técnica em papel cavalinho. - Pintura dos desenhos produzidos com lápis de cor. Forma: Perceção visual da forma. Elementos visuais Características ou propriedades visuais da forma Estrutura/Forma - Compreender a estrutura não apenas como suporte de uma forma, mas também como princípio organizador dos elementos que a constituem. Cor: A Cor no ambiente/perceção do mundo envolvente 5

6 6 7ºANO 2º e 3ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Pintura, Impressão Proposta de Trabalho: Competências específicas e Padrão/Friso subordinado ao tema Formas da Natureza Revalorização estética do espaço físico da Escola Realização de um padrão colectivo ou Friso para a Escola Reconhecer através da experimentação plástica a arte como expressão do conhecimento. Compreender a geometria plana como possível interpretação da natureza e princípios organizadores das formas. Compreender a estrutura das formas naturais e dos objetos artísticos (padrões). Criar composições (padrões) a partir de observações diretas utilizando os elementos e meios da expressão visual. Compreender a síntese subtrativa, contrastes e harmonias cromáticas. Aplicar os valores cromáticos nas suas experimentações plásticas. Fruição contemplação Reconhecer a importância da qualidade do espaço / Escola. Conhecer o património natural da região de Aveiro e encará-lo como um valor a preservar. Compreender e utilizar diferentes modos de dar forma baseados na observação. Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Utilizar o desenho e a pintura a marcador como meio expressivo de representação. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes. Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística da envolvente. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. - Diálogo com os alunos sobre a unidade de trabalho a desenvolver e debate na turma para selecção da zona de intervenção. -Realização no quadro e no caderno ou em papel cavalinho dos traçados geométricos necessários à geometrização de algumas formas naturais. - Geometrização de uma forma natural já observada, utilizando como suporte o papel cavalinho. - Apresentação do conceito de módulo e de padrão, de malha/rede e observação de exemplos na sala de aula e no livro. Sugestão: Propor trabalho de pesquisa extra aula sobre A Geometria na Arte - uma obra que se integre no abstracionismo geométrico. - Criação do desenho para o módulo e padrão aplicando uma forma natural já representada e, eventualmente, formas geométricas abordadas. (Recurso ao papel vegetal para passagem dos desenhos de observação e realização dos traçados geométricos necessários.) - Ficha de avaliação. - Estudo da cor; A cor no envolvimento/escola; Apresentação oral e exemplificação com imagens do livro das noções de Contrastes e Harmonias Cromáticas e de Monocromia. - Abordagem oral e apresentação de exemplos das Técnicas de pintura a marcador. Utilização do manual. Síntese subtractiva - aplicações. - Pintura do módulo a marcador utilizando pontos, linhas e manchas. Autoavaliação de final de período. 3ºPeríodo - Conclusão da pintura do trabalho/módulo a marcador. - Realização de um Padrão ou Friso recorrendo ao recorte e colagem, aplicando repetições por translação, alternância, rotação, simetria. (recurso à reprografia para redução e reprodução do módulo, se necessário) - Realização de um painel colectivo ou friso para o local definido, a partir dos módulos criados. Forma: Perceção visual da forma. Qualidades formais e geométricas. Traçado de: - Paralelas e Perpendiculares*; - Mediatriz e Ponto Médio do segmento de recta *. -Quadrados*, triângulos* e rectângulos; -Divisão da circunferência em 2*, 3*, 4* partes iguais; - Bissetriz de um ângulo*; - Divisão da circunferência em 6, 8 e 5 partes iguais; -Divisão de um segmento de recta em partes iguais (processo geral) - Traçado da espiral bicêntrica* *(A realizar preferencialmente) Estrutura: Estrutura/Forma Estruturas naturais e Ritmo de crescimento Peso e equilíbrio visual Módulo, Padrão, Malha Repetição por translação, alternância, simetria, rotação. Cor: Cor no ambiente Síntese subtractiva Contrastes e Harmonias Cromáticas. Monocromia. /2 /2 3ºPer. 6

7 7 7ºANO 3ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Pintura, Construção bi ou tridimensional Competências específicas Propostas de Trabalho: Criação de um objecto de comunicação visual sobre o tema Eixos Estruturantes Formas da Natureza Ler e interpretar objectos de comunicação visual. Conceber organizações espaciais dominando regras elementares da composição. Entender o desenho como um meio para a representação expressiva e objectiva de formas. Compreender a geometria plana como princípio organizador das formas. Aplicar os valores cromáticos na realização de objectos de comunicação visual. Conceber projectos e organizar com funcionalidade e equilíbrio espaços bidimensionais e tridimensionais. Fruição contemplação Reconhecer a importância das artes visuais na comunicação. Produção - Criação Utilizar diferentes meios expressivos. Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Interpretar os significados expressivos e comunicativos das Artes Visuais. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes. Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística recorrendo a referências no âmbito das Artes Visuais. Compreender mensagens visuais expressas através de cartazes, painéis... Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. Realização de um objecto de comunicação visual (cartaz, folheto informativo...) - Diálogo com os alunos sobre a unidade de trabalho. -Observação e análise de objectos de comunicação visual (cartazes, folhetos...) Forma Texto, Letra; Imagem, Relação Texto/Imagem, Cor e Composição. (Composições Estáticas, Dinâmicas, Simétricas, Assimétricas) Sugestão: Realizar um trabalho de pesquisa e análise de um cartaz. - Recolha e organização da informação a apresentar (Desenhos, Pinturas, Fotografias, Textos...); - Estudo da Letra, Mancha de texto, Cor e Espaço de imagem. - Estudo da organização dos elementos da composição de forma atractiva e equilibrada. (Trabalho de pares/grupo) - Desenho e pintura dos elementos necessários. - Revisão da matéria dada. - Ficha de avaliação. - Conclusão do trabalho e colagem dos diversos elementos (Texto e imagem), Auto avaliação final. Comunicação: Papel da imagem na Comunicação O Cartaz e o painel informativo. Margens Espaço de imagem Mancha de texto Letra, Cor Composição. Estrutura e Movimento: Peso e Equilíbrio visual. Dinâmica/Tensão de formas: Composições estáticas e dinâmicas. Simetria e assimetria. Cor: Contrastes Cromáticos Harmonias Cromáticas. Valor expressivo e simbólico da cor. /2 /2 +/2 /2 7

8 8 8ºANO ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Construção bidimensional, Pintura, Recorte e Colagem Competências específicas e Propostas de Trabalho: Construção e Identificação da Capa: COMPOSIÇÃO COM PERSPETIVA Reconhecer, através da experimentação plástica, a arte como expressão do conhecimento. Entender o desenho como um meio para a representação objectiva e rigorosa de formas no espaço. Conceber organizações espaciais dominando regras elementares da composição. Entender visualmente a perspetiva cónica recorrendo à observação, análise de espaços/imagens e representação gráfica. Compreender as relações do Homem com o espaço: proporção. Criar composições a partir de observações directas e de realidades imaginadas utilizando os elementos e meios da expressão visual. Organizar com equilíbrio espaços bidimensionais. Aplicar os valores cromáticos nas suas experimentações plásticas. Fruição contemplação Identificar e relacionar as diferentes manifestações das Artes Visuais no seu contexto histórico. Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes. Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. Apresentação. Esclarecimentos sobre a disciplina, trabalho a desenvolver ao longo do ano. Modo como se processa a avaliação, regras da sala de aula e organização dos lugares. Material necessário. Preenchimento das fichas da caderneta. Organização do caderno de apontamentos. Projeção, observação de imagens e descoberta de erros em Falsas perspetivas. Ficha de avaliação diagnóstico teórico-prática. Construção da capa para guardar os trabalhos de E.V. Abordagem da Perspetiva de observação livre na Representação do espaço - Abordagem da Sobreposição de formas, variação de dimensão, cor, nitidez para obter o efeito de profundidade ( exemplificação no quadro). - Observação e análise de imagens relativamente à aplicação dos princípios da perspetiva de observação livre. - Exercício prático. - Apresentação dos princípios da Perspetiva cónica frontal exemplificação no quadro e registo do exercício em papel cavalinho. (Noções de Linha do Horizonte, Linhas de fuga e Ponto de Fuga). - Análise de fotografias de espaços interiores e exteriores: Identificação de Linhas de fuga, Ponto de fuga e Linha do Horizonte. Perspetiva frontal centrada e descentrada. - Visita às passagens cobertas do recinto escolar para análise dos princípios da perspetiva frontal. - Referência à representação do espaço no antigo Egipto, na Idade Média e no Renascimento. A Perspetiva atmosférica. (visualização de ppt ou imagens de livros). (Articulação com História) Desenhar uma sala ou um corredor: exemplificação no quadro. Realização de um exercício: desenhar um corredor/sala em perspetiva frontal, em papel cavalinho, inserindo aberturas, pavimento geométrico... - Revisão dos procedimentos técnicos da pintura a marcador usando a régua. - Pintura do trabalho a marcador. - Revisão dos conceitos de composição e equilíbrio estático e dinâmico. - Organização de uma composição equilibrada com o desenho em perspetiva e a fotografia do aluno, tendo em conta as proporções. - Desenho e recorte de formas geométricas em cartolina colorida para integrar na composição, completando-a. Colagem dos diversos elementos na capa para identificação da mesma. - Apreciação oral dos trabalhos, revisões e esclarecimento de dúvidas. Ficha de avaliação. Estrutura modulada/paginação Margens Espaço de imagem Mancha de texto Medição Meio corte Espaço - Princípios da perspetiva de observação livre: Sobreposição, variação de dimensão, cor, nitidez - Perspectiva frontal Linha do Horizonte, Ponto de fuga, Linhas de fuga/profundidade Representação das verticais e das horizontais - Perspetiva frontal centrada e descentrada - Relação Homem /Espaço; Proporções. Estrutura Peso e Equilíbrio visual estático e dinâmico. Cor Contrastes cromáticos. /3 2/3 /3 /3 /3 /2 8

9 9 8ºANO ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho Competências específicas e Propostas de Trabalho: OS OBJETOS QUE NOS RODEIAM - Representação em perspetiva Entender o desenho como um meio para a representação expressiva e rigorosa de formas. Entender visualmente a perspetiva cónica recorrendo à observação e à representação. Compreender através da representação de formas os processos subjacentes à perceção do volume Produção - Criação Realizar produções plásticas/desenhos usando os elementos da comunicação e da forma. Compreender diferentes modos de dar forma baseados na observação de criações da Natureza e do Homem. Reflexão Interpretação Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. Apresentação do problema: Como representar objetos em perspetiva frontal? Representação de cubos e cilindros de diferentes dimensões acima, abaixo e ao nível do olhar do observador - Exemplificação no quadro e representação em papel cavalinho. - Do cubo e do cilindro a objetos mais complexos: exemplificação no quadro da representação em perspetiva frontal. - Exercício de representação gráfica e de consolidação de conhecimentos: Representação de um espaço interior em perspetiva frontal com alguns objetos. - Autoavaliação de final de período. (Fim do ºPeríodo) Perspetiva frontal centrada e descentrada Elementos visuais na comunicação/desenho /2 /2 9

10 0 8ºANO 2ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Recorte, colagem, Construção bi e tridimensional Competências específicas e Propostas de Trabalho: CRIAÇÃO DE UM OBJETO 3D (Saco, Embalagem para oferta...) Entender o desenho como um meio para a representação rigorosa de formas. Conceber formas obedecendo a alguns princípios de representação normalizada. Relacionar as formas com os fatores condicionantes, físicos e dos materiais, funcionais e expressivos. Compreender as relações do corpo com os objetos. Representar a figura humana compreendendo relações básicas de estrutura e proporção. Compreender a geometria como princípio organizador das formas. Conceber o projeto de um objeto. Fruição - contemplação Identificar e relacionar diferentes manifestações das Artes Visuais no seu contexto histórico e sócio cultural (evolução das formas da produção artesanal ao Design). Produção - Criação Compreender diferentes modos de dar forma baseados na observação de criações da Natureza e do Homem. Interpretar os significados expressivos e comunicativos das Artes Visuais. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes. Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística recorrendo a referências e experiências no âmbito das Artes Visuais. Compreender mensagens visuais expressas em diversos códigos. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. - Diálogo com os alunos sobre a unidade de trabalho. - Apresentação oral da noção de Design e da atividade do designer como criativo e projetista (relacionando a Forma dos objetos com a sua função tendo em conta o utilizador, a produção e o material e a Relação Homem /objeto/antropometria. - Apresentação à turma de alguns objetos e análise das respetivas formas, funções e subfunções (Funções prática, estética e simbólica), relação com o corpo humano e materiais utilizados. - Apresentação de imagens sobre a evolução das formas dos objetos: do artesanato à produção industrial, a Bauhaus e o Funcionalismo, o Styling. (Referência ao manual). Sugere-se a realização de trabalho de pesquisa extra aula sobre a Bauhaus. - Realização de um trabalho de análise e reflexão sobre um objeto. - Representação gráfica da figura humana/relação com um objeto (p.e. figura humana/cadeira) atendendo às proporções e pontos de articulação. - Pesquisa e recolha de dados: Solicitação aos alunos de exemplos de diversos tipos de sacos e embalagens para realização dos primeiros esboços. - Abordagem oral do Processo de Design (da pesquisa, à ideia, ao esboço, à representação rigorosa e à produção) com utilização do manual. - Pesquisa formal: realização de desenhos/esboços com hipóteses de solução tendo em conta a recolha de dados e as condicionantes. - Explicação da necessidade de dominar sistemas de representação rigorosa dos objetos para a elaboração de projetos. - Explicação da dupla projeção ortogonal e do método europeu (cubo envolvente) p.e. a partir de um diedro e de um cubo planificado em cartolina. (Sugere-se a utilização de elementos da escola paralela como recursos didácticos e a leitura do manual para sistematização e consolidação de conhecimentos.) - Apresentação de sólidos (cubo, prisma, cilindro, cone) e representação das vistas no quadro e no caderno à mão levantada com aplicação da linguagem gráfica convencional. (Referência ao manual) - Realização de fichas de trabalho com exercícios de representação de peças (com superfícies cilíndricas, cónicas, planos inclinados e invisibilidades) sendo dadas as isometrias e pedidas as vistas no sistema europeu, aplicando a noção de escala, cotagem e linguagem gráfica convencional. (Realização de alguns exercícios em casa para consolidação de conhecimentos). - Ficha de avaliação. - Seleção e desenvolvimento da melhor proposta de saco/embalagem. - Elaboração do Projeto: Desenho das Vistas, Cotagem, Proposta cromática e Memória descritiva. - Execução do Projeto - (trabalho de pares ou de grupo). - Autoavaliação de final de período. Forma - Fatores que determinam a forma dos objectos. (Físicos e dos materiais, sociais, económicos, ambientais, estéticos e funcionais.) Antropometria. - Função prática, estética e simbólica. - Design e produção industrial (em série). - Design e Stiling. - Produção artesanal e produção industrial Forma - Fatores que determinam a forma dos objectos. (Físicos e dos materiais, sociais, económicos, ambientais, estéticos e funcionais.) - Função prática, estética e simbólica. Metodologia do Design - Representação técnica de objetos: Dupla projeção ortogonal. Vistas no sistema europeu. (conversão de isometrias de objetos nas vistas) Cotagem Linguagem gráfica convencional - Traço contínuo fino - Traço contínuo grosso - Traço interrompido. +/2 /2 0

11 8ºANO 3ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho Competências específicas e Propostas de Trabalho: O espaço arquitetónico Habitação Actividades/Estratégias Entender o desenho como um meio para a representação rigorosa de formas. Compreender as relações do Homem com o espaço: proporção, escala, movimento, ergonomia e antropometria. Descodificar projetos e analisar a funcionalidade dos espaços de habitação. Relacionar a arquitetura tradicional com os lugares/contextos de implantação. Fruição contemplação Reconhecer a importância do espaço natural e construído público e privado. Conhecer o património arquitetónico da sua região e encarar a sua preservação como dever cívico. Interpretar significados expressivos e comunicativos das Artes Visuais (projetos de arquitetura) e processos subjacentes à sua criação. Reflexão Interpretação Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística. Compreender mensagens visuais expressas em diversos códigos. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. O espaço arquitectónico: Habitação - Realização de um esboço da planta da sua casa. - Diálogo com os alunos sobre a organização dos espaços nas suas habitações e orientação das mesmas. - Projeção, observação, leitura e análise de plantas de habitações. - Apresentação de imagens de edifícios de arquitetura do século XX: referência à Arquitetura orgânica de F. L. Wright e ao Movimento moderno e ao Funcionalismo com Le Corbusier. - Análise crítica da orientação dos edifícios, colocação das aberturas, iluminação natural e organização dos espaços. (Trabalho de grupo com guião/ficha de trabalho). - Debate para elaboração de sínteses/conclusões. Arquitectura tradicional - Palheiros - Projeção de imagens de Palheiros e análise das mesmas: Relação dos materiais e sistemas construtivos com o Lugar; Impacto e relação com o ambiente. Sugestão: Realização de um breve trabalho de pesquisa (com guião) a concluir extra-aula sobre: Uma casa de Arquitecto (Ex: F.L.Wright, Le Corbusier, Mies van der Rohe, Siza Vieira, Souto Moura...) ou Os palheiros do nosso Litoral. Espaço Representação do espaço Vistas: Sistema europeu Escala Linguagem gráfica convencional Noção de corte; Cortes horizontais e verticais. Relação Homem /Espaço. Ergonomia e Antropometria Forma Fatores funcionais e estéticos que determinam a organização do mobiliário e do espaço numa habitação Fatores físicos e dos materiais, funcionais e estéticos e ambientais. Cor Cor-luz no ambiente - Melhoria da qualidade do ambiente - Influência no comportamento das pessoas. /2 /2

12 2 8ºANO 3ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Pintura Competências específicas e Propostas de Trabalho: Criação de um LOGOTIPO Entender o desenho como um meio para a representação rigorosa de formas. Conceber um logótipo em função de uma mensagem. Conceber organizações espaciais dominando regras elementares da composição. Compreender a geometria como princípio organizador das formas. Criar um logótipo utilizando os elementos e meios de expressão visual. Aplicar com intencionalidade os contrastes e harmonias cromáticas. Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Compreender e utilizar diferentes modos de dar forma baseados nas criações da Natureza e do Homem. Interpretar os significados expressivos e comunicativos das Artes Visuais e os processos subjacentes à sua criação. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística recorrendo a referências e experiências no âmbito das Artes Visuais. Compreender mensagens visuais. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. - Diálogo com os alunos sobre a unidade de trabalho e definição do tema. (Sugere-se uma Instituição cultural, ou um evento como o Vestir Arte)) - Apresentação oral do conceito de logótipo e distinção entre logótipos, pictogramas e símbolos. - Apresentação e análise de exemplos (p.e. em power point, através da Net e no manual). Importância da Letra. - Identificação de traçados geométricos e concordâncias associados à criação de muitos logótipos (a Geometria como modo de dar forma). - Realização no quadro dos traçados geométricos implícitos à sua criação. (Ex: Circunferências concêntricas, Recta tangente à circunferência num ponto, Circunferências tangentes internas e externas; Concordâncias) - Realização de esboços com propostas de logótipos. Estudo cromático. - Revisões e esclarecimento de dúvidas. - Ficha de avaliação. - Selecção da melhor proposta de solução e geometrização/traçado da mesma. - Pintura do logótipo a marcador ou lápis de cor. - Autoavaliação final. Comunicação Papel da imagem na comunicação Códigos de comunicação visual Logótipos, pictogramas e símbolos Lettering: Tipo de letra, dimensão, cor, Pautas/malhas Traçados geométricos Circunferências concêntricas Noção de tangente Recta tangente à circunferência num ponto Circunferências tangentes Internas e externas; Concordâncias; Estrutura/Movimento Peso e Equilíbrio Visual Dinâmica/Tensão de formas: Formas estáticas e dinâmicas /2 /2 /2 /2 /2 2

13 3 9ºANO ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Construção bidimensional, Pintura, Recorte e Colagem Competências específicas e Propostas de Trabalho: Construção e Identificação da Capa: COMPOSIÇÃO COM LETTERING E PICTOGRAMA Reconhecer, através da experimentação plástica, a arte como expressão do sentimento e do conhecimento. Entender o desenho como um meio para a representação expressiva e rigorosa das formas. Conceber organizações espaciais dominando regras elementares da composição. Compreender a geometria plana como princípio organizador das formas. Conceber projetos e organizar com equilíbrio espaços bidimensionais. Aplicar os valores e contrastes cromáticos nas suas experimentações plásticas. Utilizar diferentes meios expressivos de representação, inclusive o computador. Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Interpretar significados comunicativos e os processos subjacentes à sua criação. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes. Compreender mensagens visuais relacionadas com a sinalética. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. Apresentação. Esclarecimentos sobre a disciplina, trabalho a desenvolver ao longo do ano. Preenchimento das fichas da caderneta. Modo como se processa a avaliação, regras da sala de aula. Organização do caderno de apontamentos. Material necessário. Preenchimento de um questionário sobre a escolha da disciplina. Construção da capa para guardar os trabalhos de E.V. aplicando medições, meio corte, recorte e colagem. Ficha de avaliação diagnóstico teórico-prática. Abordagem do Lettering no âmbito do design gráfico. Exemplificação (no quadro e computador) de tipos de letra, dimensões da letra, pautas. Revisão dos conceitos de Logótipo, Símbolo e de Pictograma: Apresentação e análise de exemplos. Cor e geometria na Sinalética. Elaboração de uma caixa de texto com o nome do aluno escrito com diferentes tipos de letra (Trabalho de casa) Projeto de Lettering para o nome e Pictograma para a disciplina. Realização de esboços. Seleção da melhor proposta. Desenho rigoroso da mesma. Passagem do trabalho a marcador preto. Revisão dos conceitos de composição e equilíbrio estático e dinâmico. Abordagem dos contrastes de texturas, de claro-escuro. Traçado e recorte de elementos geométricos necessários à composição. Criação de uma composição para identificação da capa com o lettering, a caixa de texto, a fotografia do aluno, o pictograma da disciplina e os elementos geométricos: Experimentação de diferentes soluções e seleção de uma delas, tendo em conta o equilíbrio visual estático ou dinâmico. Colagem dos diversos elementos da composição na capa. Apreciação oral dos trabalhos. Medição Meio corte Comunicação Papel da imagem na comunicação Códigos de comunicação visual Lettering: Tipo de letra, dimensão, cor, pauta ou grelha Logótipo Sinalética Traçados geométricos simples Pictogramas Forma Perceção visual da forma Cor Contrastes cromáticos Cor na sinalética Estrutura/Movimento Peso e Equilíbrio Visual Dinâmica/Tensão de formas: Equilíbrios estáticos e dinâmicos /2 /2 /2 3

14 4 9ºANO ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Pintura ou outras, Construção bi e tridimensional. Competências específicas e Propostas de Trabalho: A INSTALAÇÃO como Objecto artístico e Projecto de comunicação estética Proposta de uma Instalação com tema a definir com a turma Interpretar Instalações. Conceber uma Instalação em função de mensagens. Reconhecer a arte como expressão do sentimento e do conhecimento. Entender o desenho como meio para a representação objectiva de formas Conceber organizações espaciais dominando regras elementares da composição. Organizar formalmente espaços tridimensionais. Entender visualmente a perspectiva cónica recorrendo à observação e à representação. Compreender as relações do Homem com o Espaço: proporção, escala Compreender a natureza da cor e a sua relação com a luz. Compreender a síntese aditiva. Fruição - contemplação Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural. Identificar e relacionar diferentes manifestações das Artes Visuais no seu contexto histórico e sócio cultural. Reconhecer e dar valor a formas artísticas diversificadas. Produção - Criação Interpretar os significados expressivos e comunicativos das Artes Visuais. Projetar em esboço uma Instalação. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes. Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. Apresentação oral da noção de Arte concetual e de Instalação, como meio expressivo utilizado pelos artistas concetuais. Observação e análise de imagens de Instalações: leitura descritiva e interpretativa. A importância da luz abordagem da síntese aditiva. Apresentação de um guião para a realização de um trabalho de pesquisa e reflexão sobre uma instalação. Definição da temática, do local e dos objetos/elementos necessários à Instalação a criar através do debate / trabalho coletivo. Abordagem da perspetiva frontal para representação do espaço da Instalação através da comunicação oral e da exemplificação no quadro. (Como evitar os erros detetados na avaliação diagnóstico e utilizar pontos de medição;) Apresentação dos princípios da Perspetiva angular (Recurso a imagens/ppt e ao quadro). Representação de cubos e prismas. Esboço da Instalação em perspetiva. Revisão dos conceitos lecionados e esclarecimento de dúvidas. Ficha de avaliação. Conclusão do Projeto da Instalação. COMUNICAÇÃO Papel da imagem na comunicação - Influência das imagens no comportamento das pessoas A Instalação como meio expressivo da Arte Conceptual ESPAÇO Perspetiva frontal centrada e descentrada com pontos de medição Perspetiva angular Relação Homem/Espaço COR A cor/luz no ambiente/instalação Síntese aditiva. /2 /2 /2 4

15 5 9ºANO ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho. Competências específicas e Propostas de Trabalho: Desenhar o Património Aveirense Entender o desenho como meio para a representação expressiva e objectiva das formas. Identificar os elementos integrantes da expressão visual. Compreender através da representação de formas processos subjacentes à percepção de volume. Compreender a estrutura das formas naturais e dos objectos artísticos relacionando-os com os seus contextos. Aplicar os valores cromáticos nas suas composições plásticas. Fruição - contemplação Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural. Conhecer o Património Artístico Arte Nova e Art Déco de Aveiro e encarar a sua preservação como um dever cívico. Conhecer a obra de Maluda. (Identificar e relacionar diversas manifestações das Artes Visuais no seu contexto histórico e sócio-cultural de âmbito nacional e internacional.) Produção - Criação Utilizar o desenho como meio de representação. Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Usar diferentes tecnologias da imagem na realização plástica. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes. Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. Observação de fotografias do Património Aveirense Edificado. Caracterização do estilo Arte Nova, do Estilo Art Déco e do Modernismo. (Articulação com História) Observação e Representação gráfica de formas naturais inspiradoras da Arte Nova e de motivos geométricos e decorativos Déco e Modernistas utilizados nos edifícios. Apresentação da obra de Maluda. Tratamento digital de fotografias do património aveirense edificado, e dos desenhos produzidos, explorando contrastes com a linha, a superfície, a textura e a cor Experimentação na aula e em casa. (Articulação com TIC) Auto avaliação de final de período. Forma: Percepção visual da forma. Qualidades formais, geométricas, expressivas. Comunicação Elementos visuais na comunicação; Características ou propriedades visuais da forma. Cor Contrastes e harmonias cromáticas. + /2 /2 5

16 6 9ºANO 2ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Pintura e Construção tridimensional Competências específicas e Propostas de Trabalho: Criação de adereços inspirados na Arte Abstracionista O Abstracionismo geométrico de Mondrian e a Optical Art de Vasarely e Bridgit Riley; Reconhecer a arte como expressão do Influência na Arte Portuguesa - Abordagem da obra de Almada Negreiros, conhecimento. Eduardo Nery, Nadir Afonso, Maria Keil (...) e análise dos elementos Entender o desenho como um meio para a geométricos utilizados. representação expressiva e rigorosa de formas. Conceber formas obedecendo a alguns princípios Apresentação de um guião para um trabalho de pesquisa sobre um de representação normalizada. daqueles artistas. Conceber organizações espaciais dominando regras Aplicação do Processo de Design à criação de um adereço inspirado nas elementares da composição. obras daqueles artistas. Apresentação de exemplos de adereços. Compreender a geometria como princípio organizador das formas. Relacionar as formas com os factores condicionantes, físicos e dos materiais, funcionais e expressivos. Compreender as relações do corpo com os objectos. Conceber o projecto de um objecto de design de moda/adereço. Aplicar os valores cromáticos na criação de um objecto de design de moda/adereço. Fruição - contemplação Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural. Identificar e relacionar diversas manifestações das Artes Visuais no seu contexto histórico e sóciocultural de âmbito nacional e internacional. Conhecer a obra de artistas portugueses abstracionistas do século XX como Almada e Mª Keil. Produção Criação Compreender diferentes modos de dar forma baseados na observação de obras de arte. Realizar produções plásticas usando os elementos da comunicação e da forma visual. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes. Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística recorrendo a referências e experiências no âmbito das Artes Visuais. Compreender mensagens visuais expressas em códigos de representação normalizada e convencional. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. Definição do tipo de adereço a criar por cada aluno. Pesquisa formal: realização de desenhos/esboços com hipóteses de solução/composições, tendo em conta a recolha de dados e algumas condicionantes, como os materiais a utilizar. Referência à necessidade de dominar sistemas de representação rigorosa dos objectos para a elaboração dos projectos: - Revisão da Dupla projecção ortogonal, do método europeu (cubo envolvente); Noção de corte horizontal e corte vertical. - Apresentação das noções básicas relativas à representação de objectos em Perspetiva Isométrica e em Perspetiva Cavaleira, recorrendo ao Manual e ao quadro. - Apresentação de sólidos (cubo, prisma, cilindro...) e representação das Vistas, Isometria e Perspectiva Cavaleira no quadro à mão levantada; Registo no caderno. Aplicação da linguagem gráfica convencional. - Realização de ficha de trabalho com exercícios de representação de peças (com superfícies cilíndricas, cónicas, planos inclinados e invisibilidades) através da perspectiva cavaleira sendo dadas as vistas no sistema europeu, aplicando a noção de escala, cotagens e linguagem gráfica convencional. (Realização de alguns exercícios em casa para consolidação de conhecimentos). Ficha de avaliação. Selecção da melhor solução (em esboço) /proposta de adereço. Traçado geométrico rigoroso da composição bidimensional. Transformação da composição bidimensional em Volume e desenho do Projecto de adereço (Desenho das Vistas, Corte, Perspectiva Cavaleira, Cotagem.) Elaboração de proposta cromática e definição de materiais. Concretização do Projecto de adereço. (Articulação com PAE-Vestir Arte) Autoavaliação de final de período. Percepção visual das formas Qualidades formais, geométricas e expressivas Metodologia do Design FORMA - Factores que determinam a forma dos objectos. (Físicos e dos materiais, sociais, económicos, ambientais, estéticos e funcionais.) - Função prática, estética e simbólica. - Representação técnica de objectos: Dupla projecção ortogonal. Vistas no sistema europeu. Perspetiva cavaleira Isometria Cortes Cotagem Linguagem gráfica convencional - Traço contínuo fino - Traço contínuo grosso - Traço interrompido. Traçados geométricos COR Contrastes e Harmonias. /2 /2 /2 +/2 +/2 + +/2 + /2 6

17 7 9ºANO 3ºPERÍODO Prevê-se a necessidade de concluir a concretização do adereço na ª semana do 3ºperíodo. +/2 tempos 90min. 9ºANO 3ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Pintura, Tecnologias da Imagem Competências específicas e Propostas de Trabalho: Design de Comunicação e Publicidade CARTAZ de divulgação para o Desfile de moda Vestir Arte Descodificar mensagens em cartazes diversos. Conceber um cartaz em função de uma mensagem. Conceber organizações espaciais dominando regras elementares da composição. Compreender a geometria como princípio organizador das formas. Organizar diversos elementos com equilíbrio no espaço bidimensional. Criar um cartaz utilizando os elementos e meios de expressão visual. Aplicar com intencionalidade os contrastes e harmonias cromáticas. Fruição - contemplação Reconhecer a importância e influência das artes visuais na vida das pessoas. Realizar um cartaz usando os elementos da comunicação e da forma visual. Usar diferentes tecnologias da imagem (computador) na realização plástica. Compreender e utilizar diferentes modos de dar forma baseados nas criações do Homem. Interpretar os significados expressivos e comunicativos das Artes Visuais e os processos subjacentes à sua criação. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes Compreender mensagens visuais. Analisar criticamente os valores de consumo veiculados nas mensagens visuais. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. Diálogo com os alunos sobre a unidade de trabalho. Apresentação oral das funções da comunicação e figuras de retórica visual; aspectos a ter em consideração na elaboração de um cartaz de divulgação. Apresentação e análise de exemplos (em ppt e no manual) Análise da importância da Letra, Imagem, Cor e composição nos cartazes apresentados. Recolha de dados para elaboração do cartaz. Realização de esboços com propostas de cartazes. Selecção da melhor proposta de solução. Realização do trabalho recorrendo à fotografia digital e ao computador. (Articulação com TIC e eventualmente com PAE-Vestir Arte) Revisões e esclarecimentos de dúvidas. Ficha ou trabalho de avaliação. Comunicação Papel da imagem na comunicação Funções da comunicação Retórica visual Publicidade e Cartaz de divulgação Tipo de letra, dimensão, cor, Pautas/malhas Composição Cor e elementos visuais na comunicação Estrutura/Movimento Peso e Equilíbrio Visual Dinâmica/Tensão de formas: Formas estáticas e dinâmicas Cor Harmonias e Contrastes cromáticos /2 7

18 8 9ºANO 3ºPERÍODO Áreas de Exploração: Desenho, Pintura, Tecnologias da Imagem Competências específicas e Propostas de Trabalho: Preparação do Desfile de moda Vestir Arte a PERFORMANCE Conceber uma performance em função de uma mensagem, integrando trabalhos produzidos. Conceber organizações espaciais dominando regras elementares da composição. Compreender as relações do Homem com o espaço. Organizar elementos diversos com equilíbrio e movimento no espaço tridimensional. Aplicar conhecimentos sobre a luz/cor. Fruição - contemplação Reconhecer a importância e influência das artes visuais como valor cultural. Identificar e relacionar diversas manifestações das Artes Visuais no seu contexto histórico e sóciocultural de âmbito nacional e internacional. Conhecer a obra de artistas portugueses do séc. XX como Lourdes Castro e Helena Almeida. Conceber e eventualmente apresentar uma performance, utilizando-a como meio de expressão. Interpretar os significados expressivos e comunicativos das Artes Visuais e os processos subjacentes à sua criação. Reflexão Interpretação Desenvolver a criatividade integrando novos saberes. Desenvolver o sentido de apreciação estética e artística recorrendo a referências e experiências no âmbito das artes visuais.. Conhecer conceitos e terminologias das Artes Visuais. Noção de Performance. Conceção coletiva e preparação de uma performance a partir da instalação concebida no º período (a apresentar eventualmente no Vestir Arte, com trabalhos já produzidos e com inspiração em artistas Helena Almeida ou Lourdes Castro ). Autoavaliação final e avaliação das actividades desenvolvidas. Comunicação Elementos visuais Papel da imagem na comunicação Espaço Relação Homem/Espaço Forma Perceção visual da forma Estrutura/Movimento Peso e Equilíbrio Visual Dinâmica/Tensão de formas: Estático e dinâmico Cor/luz A cor/luz no ambiente Aplicações da Síntese aditiva e subtractiva /2 8

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS REGIONAIS COMPETÊNCIAS

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 Covilhã PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM - A definir em função das características das Turmas e dos interesses dos alunos. COMUNICAÇÃO TEMÁTICOS CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano.

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano. COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Ao longo do ensino básico as competências que o aluno deve adquirir em Artes Visuais articulam-se em três eixos estruturantes fruição - contemplação, produção criação,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor; identificar

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL Ano Letivo 2011-2012

PROGRAMAÇÃO ANUAL Ano Letivo 2011-2012 PROGRAMAÇÃO ANUAL Ano Letivo 20-202 3ºCICLO OFICINA DE ARTES Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 2 A Disciplina de Oficina de Artes funcionando no 7º e no 8º ano em regime

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES º C.E.B. DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL ANO: 9º ANO LETIVO 0/0 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 9.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 9.º Ano Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Projeto 1: IDENTIFICAÇÂO DA CAPA INDIVIDUAL Objetivo Geral: Com o recurso de uma foto do aprendente e uma imagem de gosto pessoal através da técnica

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO VISUAL (14) Abril de 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO VISUAL (14) Abril de 2015 Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Algarve Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes - Cód.145464 ESCOLA EB 2.3 PROFESSOR JOSÉ BUÍSEL INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16. Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso

CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16. Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso CRITÉRIOS e INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Departamento das expressões - 3º ciclo - ano lectivo 2015-16 Domínios Parâmetros Instrumentos % Peso Conhecimentos AQUISIÇÃO DE CONHECIMENTOS Percepção e Compreensão

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Critérios de Avaliação, 1º Ciclo - Ano Letivo 2014-15 Página 1 de 10 1. Domínios de avaliação: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados segundo o programa em vigor e as Metas Curriculares definidas pelo ministério da Educação e Ciência.* 1º Período 26/28 aulas previstas

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL Ministério da Educação Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora nº2 Novo Programa de Português do Ensino Básico Sequência Didáctica 5º ano Ano lectivo de 2010/2011 Tipologia Textual O conto Competências

Leia mais

Educação Visual - Cód. 14

Educação Visual - Cód. 14 Agrupamento Vertical de Escolas de Abação Escola EB 2,3 Abação Informação n.º 1 ---------------------------------------------------- Data: 12 de maio de 2014 ----------------------------------------------------

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 7.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 7.º Ano Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Projeto 1: ILUSTRAR E DECORAR A CAPA INDIVIDUAL DO ESTUDANTE Objetivo Geral: desenhar o teu nome, seguindo as regras do desenho das letras e recorrendo

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno è capaz de: Identificar a influência da textura ou da dimensão na perceção da cor. Distinguir diferenças entre cor

Leia mais

Planificação Curricular Pré-escolar

Planificação Curricular Pré-escolar PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ciclo/ Área/ Disciplina: Pré-escolar Ano Letivo 2012/2013 Área de Formação pessoal e Social Esboço Curricular para a Educação de Infância (segundo as Orientações Curriculares

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO AMGE - Auxiliar de Manutenção e Gestão de Espaços CRITÉRIOS DE Ano Lectivo 2014/15 Coordenador do Curso: José Pedro Moutinho Critérios de Avaliação (14-15) VOCACIONAL C AMGE -

Leia mais

BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES

BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES 1.º PERÍODO PLANIFICAÇÃO DA ATIVIDADE DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES. Reconhecimento da importância das artes plásticas;. Desenvolvimento progressivo das possibilidades

Leia mais

Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE: EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA

Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE: EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE: EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA 2º ciclo Ano letivo: 2015/2016 COMPETÊNCIAS - CHAVE Competência em Línguas Competência Matemática Competência Científica e Tecnológica

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor; identificar

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo 550 Informática Ano Lectivo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 2º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16 (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) Os alunos com Necessidades Educativas Especiais, de caráter permanente, a beneficiar de Medidas

Leia mais

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO

AE Lousada. aelousada.net CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Escola Básica de Boavista Escola Secundária de Lousada Escola Básica Lousada Centro -Silvares Escola Básica de Boim Escola Básica de Cristelos

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Profissional Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de Matemática

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO. Conjunto de Metodologias. Procedimentos. que visam o desenvolvimento. comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS.

DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO. Conjunto de Metodologias. Procedimentos. que visam o desenvolvimento. comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS. DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO Conjunto de Metodologias Procedimentos que visam o desenvolvimento comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS. DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO GEOMÉTRICA Objectivo produzir documentação

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL 7ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Laboral - 7ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM: 2.000 exemplares

Leia mais

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões Introdução A apresentação das metas para as Expressões baseia-se nas Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar integrando, as Expressões Motora.

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Critérios de Avaliação Avaliação na Educação Pré-Escolar Princípios Orientadores De acordo com as recomendações da DGIDC, a avaliação é um elemento integrante e regulador

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares OFERTA COMPLEMENTAR 1º e 2º anos de escolaridade Ano letivo 2015/2016 l -Introdução No presente ano letivo a Oferta Complementar

Leia mais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais Normas e Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais O formador deve orientar toda a sua atividade didática no sentido de promover o sucesso educativo do formando através de planificações contextualizadas,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Pesquisa e planejamento. Conceituação. Concepção de produtos de moda voltada para o mercado de acessórios. 2 ATIVIDADES COMPLRES Fase: -x- Carga

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL * * * Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE GRELHA DE OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO PESSOAL DOCENTE (Decreto Regulamentar Nº 2/2008, de 10 de Janeiro) Identificação

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. 1.º Ciclo do Ensino Básico

DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. 1.º Ciclo do Ensino Básico DEPARTAMENTO DO 1.º CICLO/PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º Ciclo do Ensino Básico ANO LETIVO 2015/2016 Constituem objeto de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 1º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 1º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO Critérios de Avaliação 1º Ano Disciplina: PORTUGUÊS Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de avaliação Ponderação Oralidade Assimilar e expressar

Leia mais

PRÉ-ESCOLAR. critérios de avaliação 2015/2016

PRÉ-ESCOLAR. critérios de avaliação 2015/2016 PRÉ-ESCOLAR critérios de avaliação 2015/2016 Aprovado em Conselho Pedagógico a 1 de Setembro de 2015 Índice I. Introdução / Enquadramento Normativo. 2 II. Finalidades.. 3 III. Princípios. 4 IV. Processo

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A

Prova Prática de Geometria Descritiva A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º/ 12.º anos de Escolaridade Prova 708/2.ª Fase 5 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016 Critérios de Avaliação da Educação Pré-Escolar Página 1 Introdução O princípio consensualmente partilhado de que a avaliação é um elemento integrante e regulador

Leia mais

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática

Aprender com o scratch. E.B. 2,3 José Afonso, Alhos Vedros Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 5.º ano matemática 2012 Aprender com o scratch Filomena Benavente e Ricardo Costa 2012 Designação: Aprender com o scratch Enquadramento curricular

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Grupo de Educação Especial

Grupo de Educação Especial Grupo de Educação Especial Critérios Gerais de Avaliação 2015/2016 De acordo com o Despacho normativo n.º 24-A/2012, artigo 8.º (ponto 10): 10 A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Quadro de síntese 3º Ciclo Domínios da Avaliação 0 Saber 70% Português 0 Saber Fazer 20% "0 Ser / Saber Ser" " O Saber 75% Inglês

Leia mais

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 7.ºANO EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS Caráter holístico e contextualizado do processo de desenvolvimento e aprendizagem da criança; Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA 1.º ANO Desenho 1.º Semestre A cadeira de Desenho visa dotar os alunos de uma sólida base de conhecimentos e promover acções específicas

Leia mais

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Tema 1: Números naturais. Potências de expoente

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO EANES LOBATO Critérios de Avaliação Educação Pré Escolar Departamento Educação Pré Escolar Ano letivo 2013/2014 A avaliação do processo permite reconhecer a pertinência e sentido

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

Planificação Anual 3º ano

Planificação Anual 3º ano ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA Planificação Anual 3º ano Expressões e Cidadania Página1 Desenho de expressão livre Desenhar no chão do recreio; Desenhar no quadro da sala; Planificação Anual de

Leia mais

Setembro.2010 F +351 239 499 239

Setembro.2010 F +351 239 499 239 SOFTWARE EDUCATIVO PARA PROMOÇÃO DA LEITURA E LITERACIA PLANO NACIONAL DE LEITURA 1. Apresentação... 2 2. O Plano Nacional de Leitura... 2 3. Ler+com Imagina: Promoção da Leitura e da Literacia com Recurso

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA CURSO DE DESIGN Disciplina / Ementa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA CURSO DE DESIGN Disciplina / Ementa Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior 1 18 2 Oficinas de Integração Criativa 3 Seminários: Ambientalismo e Empreendedorismo 4 Antropologia I 5 Linguagem Oral e Escrita

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016 DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual / Critérios de avaliação Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/Conteúdos Metas de Aprendizagem Estratégias/

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AZEITÃO Avaliação Educação Pré-Escolar 2014-2015 3º Período. Departamento Pré-Escolar

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AZEITÃO Avaliação Educação Pré-Escolar 2014-2015 3º Período. Departamento Pré-Escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AZEITÃO Avaliação Educação Pré-Escolar 2014-2015 3º Período Departamento Pré-Escolar Introdução As educadoras, após analisarem os diferentes instrumentos de avaliação (observação

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

80 SÉRIE 2º CÓD AUPA301

80 SÉRIE 2º CÓD AUPA301 FACULDADE: LETRAS, ARTES, COMUNICAÇÃO E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO: Arquitetura e Urbanismo DISCIPLINA: Fundamentos de projeto de Arquitetura II ANO 2012 Currículo: C/ H ANUAL 80 SÉRIE 2º CÓD AUPA301 7

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DE DESIGN. Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior

MATRIZ CURRICULAR DE DESIGN. Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior MATRIZ CURRICULAR DE DESIGN Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior 1 18 2 Oficinas de Integração Criativa 3 54 3 Seminários: Ambientalismo e Empreendedorismo 3 54

Leia mais

Ficha de Reflexão Individual :: Ano Letivo: 2011/2012

Ficha de Reflexão Individual :: Ano Letivo: 2011/2012 Disciplina: Educação Visual Unidade de trabalho: Apresentação Ano: 7º Turma: A Aula Nº: 3 e 4 Data: 22 de Setembro 2011 ANÁLISE CRÍTICA (1ª aula assitida) A aula decorreu com normalidade, houve um controle

Leia mais

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1 1. Identificação Agrupamento de Escolas Zona Urbana de Viseu Nº de crianças e idades abrangidas: 20 (3 aos 6 anos) Ano letivo: 2012/2013 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: MÓDULO 3 1 o. Período Letivo 2009 Cristiane Rose Duarte, Joacir Esteves, Luciana Andrade, Maria Ligia Sanches, Paulo Afonso Rheingantz e Vera

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Mapa-mundo 7. o ANO. Geografia. Planos ARINDA RODRIGUES. Professor

Mapa-mundo 7. o ANO. Geografia. Planos ARINDA RODRIGUES. Professor Mapa-mundo 7. o ANO Geografia Planos aula de ARINDA RODRIGUES Professor ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 4 PLANIFICAÇÃO ANUAL... 5 CALENDARIZAÇÃO DAS AULAS DO 1. O PERÍODO... 6 CALENDARIZAÇÃO DAS AULAS DO 2. O PERÍODO...

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

Desenvolvimento do pensamento e imaginação musical, isto é, a capacidade de imaginar e relacionar sons;

Desenvolvimento do pensamento e imaginação musical, isto é, a capacidade de imaginar e relacionar sons; DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA Educação Musical _ º ANO _ A Ano Letivo: 0/0. Introdução / Finalidades O processo de ensino e aprendizagem da educação musical consiste na interação de um conjunto

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 8.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 8.º Ano Projeto 1: ANIMAÇÂO GRÁFICA DA CAPA Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Objetivo Geral: Reinventar uma foto do aprendente através do desenho e colagem. Deste estudo resultará a ilustração

Leia mais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Introdução O objetivo deste trabalho é demonstrar como as artes visuais podem ser trabalhadas com visitas a museus e centros culturais. Apresenta

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 1º VOLUME ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO Criação de desenhos, pinturas e colagens, com base em seu próprio repertório. Exploração das possibilidades oferecidas por diferentes

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Compreendendo as Artes Visuais como área de conhecimento, que busca a formação de um sujeito atuante nos diferentes contextos da sociedade, pretendemos

Leia mais

Projeto 1 (TG0090) Espaço e Forma1 (TG0091) Geometria Descritiva (TG0093) Desenho de Observação (TG0092) História da Arte e do Design 1 (TG0094)

Projeto 1 (TG0090) Espaço e Forma1 (TG0091) Geometria Descritiva (TG0093) Desenho de Observação (TG0092) História da Arte e do Design 1 (TG0094) 1 (TG0090) problemas. Abordagem do processo do design do fragmento ao conjunto organizado. Investigação, representação e comunicação através do desenho manual. Ambiente humano, dimensões de uso e significado

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Educação Pré-Escolar 2014/15 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em cada nível de educação e

Leia mais

WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos

WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos VERÃO 2011 WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos Oficina de BD Neste workshop não se faz apenas banda desenhada: faz-se um fanzine de banda desenhada! Vamos criar uma história com base no teu imaginário

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 706/7 Págs. Duração da prova: 150 minutos 2007 2.ª FASE PROVA PRÁTICA DE DESENHO A V.S.F.F.

Leia mais

COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo

COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo COLÉGIO DE LAMEGO (70%-89%) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Do 1º Ciclo 2014/2015 Avaliar é um conceito que se utiliza com frequência na sociedade actual. Ao fazer-se uma avaliação queremos apreciar

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Clube de adrez Professor Responsável Carlos Magalhães Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivos

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS MATEMÁTICA_6º ANO_B. Ano Letivo: 2013/2014. 1. Introdução / Finalidades. Metas de aprendizagem

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS MATEMÁTICA_6º ANO_B. Ano Letivo: 2013/2014. 1. Introdução / Finalidades. Metas de aprendizagem DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS MATEMÁTICA_6º ANO_B Ano Letivo: 203/204. Introdução / Finalidades A disciplina de Matemática tem como finalidade desenvolver: A estruturação do pensamento A apreensão e

Leia mais

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS (AULAS DE 45 )

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS (AULAS DE 45 ) Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 5º ANO DISTRIBUIÇÃO ANUAL DAS UNIDADES TEMÁTICAS/ TEMPOS LETIVOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Formação Musical - 2º Ciclo Contínua COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Leitura - Ler frases rítmicas em diferentes unidades de tempo e compassos; - Entoar afinadamente, melodias nos modos

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Autorizado pela Resolução UNIV. nº 25, de16 de setembro de 2002. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação em Licenciatura

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A. Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Prática de Geometria Descritiva A. Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Prática de Geometria Descritiva A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 708/1.ª Fase 6 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

Plano de aula nº 1. Lição n.º Data/Hora Sala Turma Docente Docente de substituição. Sumário. Elementos e Figuras Geométricas

Plano de aula nº 1. Lição n.º Data/Hora Sala Turma Docente Docente de substituição. Sumário. Elementos e Figuras Geométricas Plano de aula nº 1 Elementos e Figuras Geométricas Reta, semirreta e segmento de reta Plano Ângulo Circunferência, círculo e elipse Polígonos Polígonos convexos e polígonos côncavos Polígonos regulares

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Currículo nº 2

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Currículo nº 2 CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Currículo nº 2 Reconhecido pelo Decreto nº. 3595, de 14.10.08, D.O.E. nº 7.827 de 14.10.08, e complementação do reconhecimento pelo Decreto nº.

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História Critérios específicos de avaliação História Ponto 1 : Informações gerais Os elementos de avaliação serão classificados de forma qualitativa, de acordo com a terminologia que a seguir se indica. A classificação

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS. 1º Período 18 de Setembro a 17 de Dezembro [Aulas previstas: 89]

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS. 1º Período 18 de Setembro a 17 de Dezembro [Aulas previstas: 89] COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS PLANIFICAÇÃO 1º PERÍODO DESENHO A 10º ANO Domínio Perceção visual Expressão gráfica Comunicação visual Calendarização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO GEOMETRIA DESCRITIVA A 10º e 11º ou 11º e 12º anos CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS E CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE ARTES

Leia mais

ANEXO. Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado

ANEXO. Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado ANEXO Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado EXAME DE HABILIDADE PARA OS CANDIDATOS A FACULDADE DE ARTES VISUAIS MODALIDADE LICENCIATURA E BACHARELADO ARTES VISUAIS Para candidatar-se ao

Leia mais

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo.

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. EXPRESSÃO GRÁFICA Prof. Sérgio Viana Estas notas de aula são destinadas aos alunos que desejam ter um conhecimento básico de Expressão Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. 1 Caligrafia Técnica

Leia mais