29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS"

Transcrição

1 A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS Área temática: Preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro Professora Drª Adriane Borda (coordenador da Ação de Extensão) Vanessa da Silva Cardoso 1, Renata Azevedo Requião 2, João Vicente Corrêa de Oliveira 3, Thales Serra Negra Teodoro 4, Adriane Borda 5 Palavras-chave: UFPel, Pelotas, vídeo,modelagem Geométrica e Visual Resumo Este trabalho parte da concepção de que histórias explicitam percepções particulares de quem as conta. E também da compreensão de que histórias são contadas através do texto narrativo, da poesia, da música, mas também através da imagem, do cinema, da animação. Entende-se aqui que, mesmo através da arquitetura, das formas que o homem cria para se organizar no espaço, a história pode ser contada. Assim, neste trabalho, cujo objeto final é um vídeo, para ampla veiculação nas escolas e em outras instâncias mais ou menos formais da comunidade em geral, se dá a ver uma história possível: a história da Universidade Federal de Pelotas, UFPel, contada através de seus prédios, e da ocupação que ela realiza na cidade. Pretende-se com o vídeo estimular a discussão, no âmbito da sociedade, sobre o papel da universidade, no processo de construção e de apropriação do espaço urbano, coletivo, e especificamente por revitalizar, com suas diferentes unidades, o patrimônio histórico da cidade. Introdução Considerada a própria dispersão da estrutura física da universidade na cidade, com os campi em diversas regiões, e com seus muitos prédios isolados, a UFPel é um forte pólo reorganizador da vida na cidade de Pelotas, que, como uma rede, multiplica a ocupação e os fluxos da malha urbana. Há uma história a ser contada, desde sua criação em 1969 quando participaram do núcleo formador da UFPel as seguintes unidades: Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Faculdade de Ciências Domésticas e Faculdade de Veterinária (Universidade Federal Rural do Rio Grande do Sul); Faculdade de Direito, Faculdade de Odontologia e Instituto de Sociologia e Política (Universidade Federal do Rio 1 Especialista ligada ao GEGRADI, IFM, DTGC UFPel 2 Professora Drª Faculdade de Letras UFPel 3 Acadêmico Cinema de Animação UFPel 4 Acadêmico Design Digital UFPel 5 Professora Drª ligada ao GEGRADI, IFM, DTGC / UFPel

2 Grande do Sul em Pelotas), estabelecendo-se desde este primeiro momento com uma estrutura multicampi, permeando a cidade com o ambiente universitário. Neste trabalho há um objetivo de cunho social, ao pretender estimular a discussão, no âmbito da sociedade, sobre o papel da UFPel, no processo de construção e de apropriação do espaço urbano e especificamente na revitalização do patrimônio histórico da cidade. Há também um objetivo acadêmico, baseado no processo de formação de alunos, pesquisando uma linguagem de expressão particular, para contar esta história, através de um vídeo que se utiliza dos recursos de representação gráfica digital, da fotografia digital, da modelagem geométrica e visual, de simulações e animações. Metodologia O estudo tem se desenvolvido a partir das seguintes etapas de trabalho: Elaboração de um texto narrativo O texto foi construído como um ensaio que faz uma reflexão sobre a estrutura física e conceitual da UFPel. O ensaio, que serviu ao mesmo tempo como roteiro e narração do vídeo, versa sobre a integração da universidade com a cidade e seus habitantes. Também abrange as ações da instituição no sentido de revitalizar os espaços e preservar o patrimônio e a memória da cidade. O texto traz uma visão particular do autor, docente da UFPel e coautora deste trabalho, de uma forma poética, sendo assim, abre espaço para que cada um construa uma história própria a partir de suas experiências e percepções. Seleção das referências visuais Há várias formas de se contar uma história. Esta é uma pequena história: fala da cidade e seus dias, da cidade e seus saberes, seus esforços, seus trabalhos. Da cidade e das pessoas que nela habitam. De como a cidade se forma. Fala de nossa cidade e dos lugares que Pelotas constrói. (Renata Requião, 2010) O storyboard uma organização sequencial de ilustrações ou imagens utilizadas para pré-visualizar filmes, animações e apresentações digitais interativas foi construído com o propósito de reforçar a informação textual com imagens, buscando fazer com que as diferentes formas de expressão trabalhassem em sintonia. A figura 1, por exemplo, seleciona elementos que constituem o frontão de um edifício representativo da história da UFPel e consequentemente da cidade de Pelotas. As imagens buscam reforçar o significado atribuído a cada um dos elementos que compõem tal frontão, e que poeticamente estão sendo destacados no trecho supracitado.

3 Figura 1. Storyboard feitos a partir do texto narrativo Para determinar o ritmo da narração e da transição entre as imagens foi selecionada uma melodia com o mesmo caráter autoral e reflexivo, de compositores também vinculados à UFPel. A partir desse ritmo foi estabelecido o roteiro dividindo as imagens e o texto narrativo no tempo da melodia. Escolha das tipologias de representação gráfica Com o storyboard completo, foram selecionados diferentes tipos de representações gráficas. Essa diversidade foi utilizada, observando uma coerência entre os diversos estilos de visualização, com o propósito de estimular o exercício acadêmico, um dos objetivos do projeto. As tipologias utilizadas foram elencadas tendo como base os saberes desenvolvidos pelos membros da equipe multidisciplinar tais como: fotografia digital, vídeo, animações, modelagem 3D. Envolvem estudantes dos cursos de Graduação em Artes (fotografia Digital), Cinema e Animação, Design Gráfico, Design Digital, Arquitetura e Urbanismo e do Curso de Especialização em Gráfica Digital.(figura 2) Figura 2. Modelagem de prédio e de elementos da arquitetura Desenvolvimento das imagens, animações e vídeos O trabalho quer destacar a importância das ações da UFPel para a preservação da memória e do patrimônio arquitetônico da cidade de Pelotas. Para isso explora as técnicas de representação gráfica digital para destacar a riqueza das formas que

4 compõem este patrimônio. Efeitos de transição entre vídeo de cenas reais e virtuais, mesclando fotografia digital, modelos digitais tridimensionais fotorrealistas e não fotorrealistas são adotados para adicionar novos olhares sob os elementos representados, como se pode exemplificar pela sequencia de imagens apresentada nas figuras 3 e 4 relativas, respectivamente, aos recortes dos textos abaixo: Fala também dos lugares que, abandonados, guardaram em si nossa cidade. A cidade é como teia, lugar que se repete e se expande.(...) (Renata Requião, 2010) Figura 3. Sequencia de aproximação do mapa para um detalhe da arquitetura modelada em 3D e sua fusão com a malha da cidade. Pelotas é cidade civil e nesse sentido no sentido do humano, universal. Cidade de diversos cultivos, cidade de saberes herdados e de saberes, aqui, constituídos. Aqui nesta história, a cidade de Pelotas explicita sua mais forte instituição democrática: na Universidade Federal (...) (Renata Requião, 2010) Figura 4. Sequencia onde a malha da cidade se funde com a malha do modelo 3D do brasão da universidade

5 Montagem do vídeo institucional O trabalho se encontra nesta etapa, onde o investimento se refere às questões tecnológicas de renderizações que exigem tempo que varia de acordo com a capacidade do equipamento. Nessa etapa também são criadas as transições entre as imagens e cenas com a adição de efeitos no sentido de alcançar uma coesão entre as informações visuais, textuais e de áudio. Etapa de Sistematização do processo Durante todo o desenvolvimento do projeto são promovidas oficinas de formação, ministradas pelos próprios estudantes tais como: aplicativos de tratamento e retoque em fotografia, aplicativos de modelagem 3D, edição de vídeo não linear. O objetivo é compartilhar a aprendizagem, considerando que cada um é oriundo de formações e trajetórias específicas. Estas oficinas são abertas à comunidade em geral. Desta maneira, as práticas vêm sendo sistematizadas no intuito de gerar materiais para fins de ensino aprendizagem. Etapa de avaliação e difusão do vídeo Nessa etapa o vídeo será apresentado à comunidade acadêmica e para a comunidade como um todo, buscando estimular a reflexão crítica sobre o papel da UFPel no âmbito da cidade de Pelotas, especialmente sobre suas ações de de valorização da memória e do patrimônio. Através de entrevistas com os expectadores, no âmbito tanto da comunidade acadêmica como da população em geral, buscar-se-á o registro de dados para avaliar a ação. Resultados e discussões O trabalho encontra-se em desenvolvimento na etapa de montagem e adequação das imagens geradas para a edição do vídeo. Entretanto, alguns resultados parciais já podem ser apontados: promoção da interdisciplinaridade, de trabalho colaborativo entre docentes e estudantes de diferentes áreas de conhecimento; possibilidade dos estudantes colocarem em prática e aperfeiçoar suas competências nas áreas específicas de formação; sistematização e compartilhamento das práticas em formato de oficina de representação gráfica digital, de animações e de vídeo configuradas no âmbito do projeto contribuindo para a reestruturação de disciplinas da pós-graduação e graduação e, principalmente, levando o conhecimento à comunidade; materiais didáticos oriundos da sistematização destas práticas; e, logicamente o texto produzido que explicitou uma percepção sobre a história da universidade norteou o desenvolvimento deste trabalho. Considerações finais Considera-se que os resultados parciais atendem ao caráter acadêmico e extensionista do projeto. Isso se dá através da revisão de conceitos aprendidos nas diferentes áreas do saber e na formação multidisciplinar do grupo através da difusão das práticas estabelecidas. Pretende-se, a partir da divulgação do vídeo em escolas e eventos populares e institucionais, estimular a discussão, no âmbito da sociedade, sobre o papel da universidade dentro da comunidade pelotense. Espera-se, com

6 esse trabalho, incentivar a avaliação crítica a cerca dos processos de construção e de apropriação do espaço urbano, coletivo, e especificamente da revitalização, através das diferentes unidades acadêmicas, do patrimônio histórico da cidade. A ampliação do presente trabalho pode ser feita em estudos posteriores junto à comunidade no sentido de avaliar os resultados a partir da veiculação do vídeo.

RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA

RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA Área Temática: Tecnologia e Produção Prof. Reginaldo da Nóbrega Tavares 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Prof. Reginaldo da Nóbrega Tavares

Leia mais

OFICINA: ANÁLISE DA FORMA A PARTIR DE REALIDADE AUMENTADA

OFICINA: ANÁLISE DA FORMA A PARTIR DE REALIDADE AUMENTADA 15 OFICINAS OFERTADAS DURANTE O IV WORKSHOP ALFA GAVIOTA OFICINA: DESENHO PARAMÉTRICO 08/04/2013 a 12/04/2013 Laboratório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Introdução de técnicas de desenho paramétrico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E SOCIEDADE CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA Nova

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL Letras Licenciatura Português/Espanhol e Português/Inglês Letras Tradução Francês/Inglês/Português Letras Licenciatura Português/Inglês e Português/Francês Ementário (não mais ofertada em Processo Seletivo)

Leia mais

CROQUI DIGITAL E INTERATIVO

CROQUI DIGITAL E INTERATIVO CROQUI DIGITAL E INTERATIVO Luisa Felix Adriane Borda Almeida da Silva Neusa Rodrigues Felix Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Desenho Técnico e Gráfica Computacional, Brasil Isa_luls@universia.com.br,

Leia mais

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 1. Enquadramento O Serviço Educativo da Casa das Histórias Paula Rego é entendido como um sector de programação que visa uma mediação significativa entre

Leia mais

O aluno que estiver com disciplina pendente no currículo antigo, poderá cursar a sua equivalente, que for oferecida no período, do currículo novo.

O aluno que estiver com disciplina pendente no currículo antigo, poderá cursar a sua equivalente, que for oferecida no período, do currículo novo. Equivalências das disciplinas obrigatórias do currículo antigo do curso de Social (cinema, jornalismo e publicidade) vinculadas ao Departamento de Estudos Culturais e Mídia. O aluno que estiver com disciplina

Leia mais

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS SANTOS, Noeli Batista dos 1 Palavras-chave: imagem, ensino, tecnologia.

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

NÚCLEO EXPERIMENTAL DE CINEMA DO MIS CONVOCATÓRIA PRODUÇÃO DE CURTA-METRAGEM 2016 PRIMEIRA EDIÇÃO: GÊNERO TERROR

NÚCLEO EXPERIMENTAL DE CINEMA DO MIS CONVOCATÓRIA PRODUÇÃO DE CURTA-METRAGEM 2016 PRIMEIRA EDIÇÃO: GÊNERO TERROR NÚCLEO EXPERIMENTAL DE CINEMA DO MIS CONVOCATÓRIA PRODUÇÃO DE CURTA-METRAGEM 2016 PRIMEIRA EDIÇÃO: GÊNERO TERROR Esta convocatória, iniciativa do Museu da Imagem e do Som (MIS), instituição da Secretaria

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Autorizado pela Resolução UNIV. nº 25, de16 de setembro de 2002. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação em Licenciatura

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a obra do poeta Carlos Drummond de Andrade a partir de um documentário não tradicional;

Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a obra do poeta Carlos Drummond de Andrade a partir de um documentário não tradicional; Ensino Médio Cinema e Educação: O Poeta das Sete Faces Disciplinas/Áreas do Conhecimento: Língua Portuguesa; Arte; História; Sociologia; Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a

Leia mais

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia E.E. Frontino Guimarães Sala 5 2ª Sessão Professor(es) Apresentador(es): Meire Pereira de França Roseli Fernandes Euquério Lima Realização: Foco Desenvolvimento da

Leia mais

EMENTÁRIO Entrada: até 2009 1º ANO

EMENTÁRIO Entrada: até 2009 1º ANO EMENTÁRIO Entrada: até 2009 1º ANO TEORIA E TÉCNICAS DAS RELAÇÕES PÚBLICAS EMENTA: Origem das Relações Públicas e sua evolução histórica e conceitual. O mercado de trabalho. Abordagens técnicas do profissional

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA N º 29/2014/PROPPI

CHAMADA PÚBLICA N º 29/2014/PROPPI CHAMADA PÚBLICA N º 29/2014/PROPPI PROCESSO SELETIVO DE PESQUISADOR PARA O PROJETO DE PESQUISA APLICADA DE VIDEOAULAS E JORNALISMO DA IFSCTV EXECUÇÃO: AGOSTO/2014 A AGOSTO/2015. 1 APRESENTAÇÃO A Reitora

Leia mais

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM?

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? Marlene Fernandes Universidade Luterana do Brasil RESUMO O mundo está em constante transformação, com segmentos funcionais altamente globalizados,

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS (SP) Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA Série

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Currículo nº 2

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Currículo nº 2 CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Currículo nº 2 Reconhecido pelo Decreto nº. 3595, de 14.10.08, D.O.E. nº 7.827 de 14.10.08, e complementação do reconhecimento pelo Decreto nº.

Leia mais

AUXILIAR DOCENTE Atualizado em Março/2013

AUXILIAR DOCENTE Atualizado em Março/2013 AUXILIAR DOCENTE Atualizado em Março/2013 RELAÇÃO DE REQUISITOS MÍNIMOS PARA INGRESSO NO EMPREGO PÚBLICO PERMANENTE DE AUXILIAR DOCENTE I Este documento tem por finalidade apresentar os requisitos de titulação

Leia mais

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A DINÂMICA

Leia mais

DIA DA SEMANA EVENTO NOME DO EVENTO TURNO HORÁRIO DATAS 20/05, 27/05, 03/06, 10/06 E 17/06/2013. MANHÃ 08:00 às 12:00 2ª FEIRA

DIA DA SEMANA EVENTO NOME DO EVENTO TURNO HORÁRIO DATAS 20/05, 27/05, 03/06, 10/06 E 17/06/2013. MANHÃ 08:00 às 12:00 2ª FEIRA 1 A.M. 69062 LENDO IMAGENS ATRAVÉS DE ALBERTO MANGUEL * Ementa: Leitura de imagens a partir da teoria de Alberto Manguel e por meio de diálogo entre as obras de arte selecionadas, autor e apreciadores.

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

LETRAS. GRAUS ACADÊMICOS: Licenciado / Bacharel em Tradução PRAZO PARA CONCLUSÃO:

LETRAS. GRAUS ACADÊMICOS: Licenciado / Bacharel em Tradução PRAZO PARA CONCLUSÃO: LETRAS 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÕES:Português e Literaturas Correspondentes (Licenciatura) Noturno Inglês e Literat. Correspond. e Bach. em Trad. em Língua. Inglesa Português/Inglês e Literaturas Correspondentes

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

Planejamento Anual - 2016

Planejamento Anual - 2016 Planejamento Anual - 2016 GRUPO: METEOROLOGIA Curso específico PT UFPEL 6341326 ELABORADO PELO(S) TUTOR(ES) JOAO CARLOS TORRES VIANNA (01/05/2012) - Tutor(a) Atual Informações do Planejamento Planejamento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Psicologia COREU

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Psicologia COREU VII SEMANA DA DIVERSIDADE TEMA: PSICOLOGIA, LIBERDADE, ÉTICA 23ª Jornada da Clinica de Psicologia 8ª Jornada da Ênfase Psicologia Organizações e Sociedade 2ª Jornada da Rede Psi EDITAL PARA SELEÇÃO DE

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 13. CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Área de atuação O curso pretende formar o arquiteto pleno, capacitado a atuar nos diversos âmbitos

Leia mais

FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS

FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: Design de Moda MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2016.1 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 2016.1 Sistema de Moda FASE: 1ª Fase CARGA HORÁRIA: 30h Descrição

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Amambai 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para proposta

Leia mais

Edital 04/2014 Projeto UNA-SUS Chamada para o Programa de Bolsas Acadêmicas

Edital 04/2014 Projeto UNA-SUS Chamada para o Programa de Bolsas Acadêmicas Edital 04/2014 Projeto UNA-SUS Chamada para o Programa de Bolsas Acadêmicas A Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação torna público o presente Edital de chamada para o Programa de Bolsas Acadêmicas do

Leia mais

» analisar os resultados de uso dos materiais e refletir sobre as estratégias empregadas no processo.

» analisar os resultados de uso dos materiais e refletir sobre as estratégias empregadas no processo. 1 Introdução Quando nos propomos a pensar o quê um professor pode usar na sua relação com os alunos em sala de aula como recurso didático, o que imaginamos? Há um universo de possibilidades para estabelecer

Leia mais

FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA

FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ARTE-EDUCAÇÃO 1. Nome do Curso e Área do Conhecimento Curso de Especialização Lato Sensu

Leia mais

Capitulo I Do Fundo de Investimentos Culturais do Pantanal

Capitulo I Do Fundo de Investimentos Culturais do Pantanal Lei n 2.135, de 23 de dezembro de 2009. Dispõe sobre a criação do Fundo de Investimento Culturais do Pantanal FIC/Pantanal e do Conselho de Cultura de Corumbá. Capitulo I Do Fundo de Investimentos Culturais

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita.

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 191 195 O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS MARQUES, Fernanda Vieira ANDRADE, Antonio Carlos Siqueira de Palavras-chave: texto,

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 12 18 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!/////////////////////////////////////// 3 CINEMA EM CASA!////////////////////////////////////////////////////////////////////// 4 BRINQUEDOS ÓPTICOS///////////////////////////////////////////////////////////////

Leia mais

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA 1 VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA Curitiba PR Maio 2014 Alexandre Oliveira Universidade Positivo Online alexandre@alexandreoliveira.com Pâmella de Carvalho Stadler Universidade

Leia mais

CULTURA Kita Pedroza, Dante Gasltadoni e João Roberto Ripper* As imagens das favelas cariocas expostas neste ensaio NE permitem

CULTURA Kita Pedroza, Dante Gasltadoni e João Roberto Ripper* As imagens das favelas cariocas expostas neste ensaio NE permitem C U L T CULTURA Kita Pedroza, Dante Gasltadoni e João Roberto Ripper* A favela vê As imagens das favelas cariocas expostas neste ensaio NE permitem uma insuspeita conexão entre os domínios da física e

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA CONTEMPORÂNEA CONTEXTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA CONTEMPORÂNEA CONTEXTO PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA CONTEMPORÂNEA Entidades: Instituto Politécnico do Porto/ Escola Superior de Música, Artes e Espectáculo (ESMAE); Câmara Municipal do Porto / Teatro Municipal do Porto Rivoli Campo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Ciências humanas e suas tecnologias. Componente Curricular: geografia Série:

Leia mais

Roteiro de Classificação da Produção Audiovisual

Roteiro de Classificação da Produção Audiovisual Roteiro de Classificação da Produção Audiovisual Em dezembro de 0, a coordenadora da área de antropologia da Capes, Lia Zanotta Machado (UnB), apresentou ao fórum de coordenadores de PPGAS, a proposta

Leia mais

OFICINAS DE CINEMA. Viviane Scalon Fachin

OFICINAS DE CINEMA. Viviane Scalon Fachin OFICINAS DE CINEMA Viviane Scalon Fachin Resumo Destacamos, neste trabalho, a utilização de vídeos educativos e demais produções cinematográficas para o ensino de História no Ensino Médio. Vivemos uma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA CURSO DE DESIGN Disciplina / Ementa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA CURSO DE DESIGN Disciplina / Ementa Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior 1 18 2 Oficinas de Integração Criativa 3 Seminários: Ambientalismo e Empreendedorismo 4 Antropologia I 5 Linguagem Oral e Escrita

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO 190 RELATÓRIO FINAL BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO Uma das características mais marcantes da chamada sociedade da informação é o extraordinário desenvolvimento

Leia mais

RECURSOS DA INTERNET PARA O USO PEDAGÓGICO NAS AULAS DE

RECURSOS DA INTERNET PARA O USO PEDAGÓGICO NAS AULAS DE RECURSOS DA INTERNET PARA O USO PEDAGÓGICO NAS AULAS DE Resumo MATEMÁTICA Ana Paula R. Magalhães de Barros 1 / UNESP Rúbia Barcelos Amaral 2 /UNESP Devido ao aumento da oferta de recursos tecnológicos

Leia mais

FESTIVAL FUNDAÇÃO DAS ARTES DE TEATRO ESTUDANTIL 2016

FESTIVAL FUNDAÇÃO DAS ARTES DE TEATRO ESTUDANTIL 2016 FESTIVAL FUNDAÇÃO DAS ARTES DE TEATRO ESTUDANTIL 2016 REGULAMENTO 1. INSTITUIÇÃO E OBJETO 1.1. A Fundação das Artes de São Caetano do Sul é uma instituição pública da Administração Indireta da Prefeitura

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

ANEXO III NORMAS COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE BELAS ARTES, ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ESCOLA DE MÚSICA ESCOLA DE BELAS ARTES

ANEXO III NORMAS COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE BELAS ARTES, ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ESCOLA DE MÚSICA ESCOLA DE BELAS ARTES ANEXO III NORMAS COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE BELAS ARTES, ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ESCOLA DE MÚSICA ESCOLA DE BELAS ARTES Normas Complementares, relativas aos temas e as especificações das Provas

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

PERÍODO: 2016/02 ANEXO IV- EDITAL PROACOM N 09/2016 ICSA - INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO: TURISMO

PERÍODO: 2016/02 ANEXO IV- EDITAL PROACOM N 09/2016 ICSA - INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO: TURISMO PERÍODO: 2016/02 ANEXO IV- EDITAL PROACOM N 09/2016 ICSA - INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MONITORIA- REMUNERADA CURSO: TURISMO DISCIPLINA VAGAS HORÁRIO CARGA HORÁRIA DIÁRIA REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DE DESIGN. Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior

MATRIZ CURRICULAR DE DESIGN. Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior MATRIZ CURRICULAR DE DESIGN Ordem Disciplina Fase Créditos Carga Horária 1 Integração ao Ensino Superior 1 18 2 Oficinas de Integração Criativa 3 54 3 Seminários: Ambientalismo e Empreendedorismo 3 54

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD

Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD Patrícia Roberta de Almeida Castro MACHADO (FL-UFG) patricia_cultura@hotmail.com Lucielena Mendonça de LIMA orientadora (FL-UFG) lucielenalima@gmail.com

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS.

RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS. RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS. SERGIO LUIZ PEREIRA DA SILVA Memória, identidade e cultura visual: a construção da identidade

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Cegos, Audiotextos, Inclusão, Comunidade Universitária

PALAVRAS-CHAVES: Cegos, Audiotextos, Inclusão, Comunidade Universitária PRODUÇÃO DE AUDIOTEXTOS: UM MOVIMENTO PARA A INCLUSÃO RAMPELOTTO, Elisane Maria 1 DORNELES, Marciele Vieira 2 JOST, Sabine 3 RESUMO O presente trabalho consiste num desdobramento do Projeto de Extensão

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

Docência Multimídia - Produzindo Materiais Didáticos Audiovisuais 1

Docência Multimídia - Produzindo Materiais Didáticos Audiovisuais 1 Docência Multimídia - Produzindo Materiais Didáticos Audiovisuais 1 Marlene Aparecida dos Reis 2 Márcio Henrique Melo de Andrade 3 Renata Kelly Souza Araújo 4 Resumo O workshop Docência Multimídia - Produzindo

Leia mais

DESIGN GRÁFICO. Criação Desenho Industrial:Resolução n.º 3007, de 16.07.96, alterada a denominação através da Resolução CEPE n.º 98, de 18.08.04.

DESIGN GRÁFICO. Criação Desenho Industrial:Resolução n.º 3007, de 16.07.96, alterada a denominação através da Resolução CEPE n.º 98, de 18.08.04. DESIGN GRÁFICO Criação Desenho Industrial:Resolução n.º 3007, de 16.07.96, alterada a denominação através da Resolução CEPE n.º 98, de 18.08.04. Implantação do Curso na UEL 24.02.97 Reconhecimento Decreto

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 Covilhã PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM - A definir em função das características das Turmas e dos interesses dos alunos. COMUNICAÇÃO TEMÁTICOS CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO

A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO Resumo Silvana Souza Silva Alves 1 - UnB Amaralina Miranda de Souza 2 - UnB Grupo de Trabalho Diversidade e inclusão

Leia mais

Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas

Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas O que é "Mais Cultura nas Escolas"? O PROGRAMA MAIS CULTURA NAS ESCOLAS consiste em iniciativa interministerial firmada entre os Ministérios da Cultura (MINC)

Leia mais

Plano de ensino. 2) Objetivos Desenvolver habilidades de comunicação com a língua brasileira de sinais.

Plano de ensino. 2) Objetivos Desenvolver habilidades de comunicação com a língua brasileira de sinais. Plano de ensino 1) Identificação Curso Direito Disciplina EDU328 Carga horária 34 horas Semestre letivo 2/2012 Professor Ms. Michele Quinhones Pereira 2) Objetivos Desenvolver habilidades de comunicação

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Anexo II ORIENTAÇÕES, CRITÉRIOS ESPECÍFICOS E DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR I Orientações Gerais (Qualquer área) a) Projeto com duração superior a seis meses deverá apresentar, pelo menos, 25% (vinte e cinco

Leia mais

PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI

PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI João Paulo de Oliveira Maciel Graduando do Curso de Licenciatura em Artes Cênicas IFTO Prof. Pablo Marquinho Pessoa Pinheiro (Orientador) Instituto Federal de Educação,

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA

EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA EDUCAÇÃO FÍSICA E CULTURA POPULAR ATRAVÉS DA DANÇA Maria do Patrocínio Freire Batista (UEPB)-patrícia.fb22@gmail.com Artur Albuquerque (UEPB) Julliana de Lucena Souto Marinho (UEPB) Thayse Borges Costa

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO. Faculdade de Direito de Alta Floresta (FADAF)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO. Faculdade de Direito de Alta Floresta (FADAF) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO Faculdade de Direito de Alta Floresta (FADAF) 2011 SUMÁRIO Capítulo I... 4 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 4 Capítulo II... 4 DA FINALIDADE E OBJETIVOS DO NAP...

Leia mais

Dossiê Cinema e Audiovisual: entre o sensível e o reflexivo

Dossiê Cinema e Audiovisual: entre o sensível e o reflexivo Apresentação Milene de Cássia Silveira Gusmão* ** *** *Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Docente do Bacharelado em Cinema e Audiovisual e do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Tratados e Acordos Internacionais na Área Cultural

Tratados e Acordos Internacionais na Área Cultural Perfil do Administrador Cultural Conhecimentos Básicos no Campo da Administração Cultural Planejamento Estratégico È a base e o início do trabalho do Administrador Cultural. O conhecimento dos objetivos,

Leia mais

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão Neste teste, a resolução da questão 1 exige a audição de uma sequência de três músicas que serão executadas sem interrupção: uma vez, no início do teste; uma vez, dez minutos após o término da primeira

Leia mais

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Mara Pereira da Silva IFPA- CRMB pereiracantora1@hotmail.com RESUMO A pesquisa foi realizada mediante análise

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

Filme: A Pessoa é Para o que Nasce

Filme: A Pessoa é Para o que Nasce Filme: A Pessoa é Para o que Nasce Gênero Documentário Diretor Roberto Berliner Elenco Conceição, Maria, Regina Ano 1998 Duração 6 min Cor Colorido Bitola 35mm País Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=1010

Leia mais

REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Tradutor e Intérprete Bacharelado Currículo: LTI 00001

REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Tradutor e Intérprete Bacharelado Currículo: LTI 00001 REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Fundamentação Legal PARECER CNE/CES 492/2001 APROVADO em 03/04/2001 e HOMOLOGADO, com despacho do Ministro em 4/7/2001 e publicação no Diário Oficial da União

Leia mais

CARLOS RENATO PARAIZO RA 974808 ANÁLISE DO PORTAL. educarede.org.br

CARLOS RENATO PARAIZO RA 974808 ANÁLISE DO PORTAL. educarede.org.br CARLOS RENATO PARAIZO RA 974808 www.educarede.com.br - 1 ANÁLISE DO PORTAL educarede.org.br Trabalho apresentado como aproveitamento da disciplina AM540 Multimeios e Educação, sob orientação do Prof. Dr.

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO SOCIAL O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18 de maio

Leia mais

LISTA DOS TRABALHOS APROVADOS NA VI SEMANA EDUCA

LISTA DOS TRABALHOS APROVADOS NA VI SEMANA EDUCA LISTA DOS TRABALHOS APROVADOS NA VI SEMANA EDUCA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA PERSPECTIVA DE ACADÊMICOS INDÍGENAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA INTERCULTRUAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

Leia mais

LISTA DAS CONFERÊNCIAS QUE SERÃO OFERECIDAS AOS PARTICIPANTES DO III EREM:

LISTA DAS CONFERÊNCIAS QUE SERÃO OFERECIDAS AOS PARTICIPANTES DO III EREM: LISTA DAS CONFERÊNCIAS QUE SERÃO OFERECIDAS AOS PARTICIPANTES DO III EREM: CF01 A via história tortuosa ou a via matemática direta: qual é a mais proveitosa? Profº Drº John Andrew Fossa (UFRN) Investigaremos

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRODUZIR VÍDEOS PARA AS INICITAIVAS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY,

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRODUZIR VÍDEOS PARA AS INICITAIVAS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY, Termo de Referência CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRODUZIR VÍDEOS PARA AS INICITAIVAS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY, EM SÃO FÉLIX DO XINGU, NO ESTADO DO PARÁ. INTRODUÇÃO E CONTEXTO A The Nature

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso: Pedagogia - vespertino Disciplina: EDM0323 - Metodologia do ensino de português: a alfabetização. Docente: Prof.ª Nilce da Silva Aluna (nºusp): Flávia

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 7 12 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!///////////////////// 3 CINEMA EM CASA!//////////////////////////////////////////////////// 4 QUE FEITIÇO É ESTE?/////////////////////////////////////////////////

Leia mais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Introdução O objetivo deste trabalho é demonstrar como as artes visuais podem ser trabalhadas com visitas a museus e centros culturais. Apresenta

Leia mais

EDITAL DE OCUPAÇÃO CRIATIVA Circuito Cultural Ribeira Ciclo 3 Segundo Edital

EDITAL DE OCUPAÇÃO CRIATIVA Circuito Cultural Ribeira Ciclo 3 Segundo Edital EDITAL DE OCUPAÇÃO CRIATIVA Circuito Cultural Ribeira Ciclo 3 Segundo Edital Em 17 edições o Circuito Cultural Ribeira ativou a participação de mais de 500 atrações culturais parceiras e a visita de mais

Leia mais

Ateliê Mathieu Duvignaud

Ateliê Mathieu Duvignaud Ateliê Mathieu Duvignaud Paisagem & Cultura Criações Press Ateliês Paris 39 rue liancourt 75014 Paris Tel: +33(0)1 43 21 48 51 Brasil 202 ayrton senna 59080-100 Natal, RN Tel: +55(84) 8127 2717 mathieuduvignaud.com

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: INFORMÁTICA FORMA/GRAU:( X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Resumo. PALAVRAS-CHAVE: Mídia, leitura e escrita. 1- Introdução

Resumo. PALAVRAS-CHAVE: Mídia, leitura e escrita. 1- Introdução Jovens Governantes Interações virtuais e intervenções locais MSc.Nara Luz Chierighini Salamunes, da Secretaria Municipal da Educação de Curitiba, aluna do Programa de Doutorado em Informática na Educação

Leia mais

Uma análise qualitativa RESUMO

Uma análise qualitativa RESUMO Mostra Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar III MICTI Fórum Nacional de Iniciação Científica no Ensino Médio e Técnico - I FONAIC-EMT Camboriú, SC, 22, 23 e 24 de abril de 2009

Leia mais