O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, , linguagem, oralidade, escrita.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita."

Transcrição

1 Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS MARQUES, Fernanda Vieira ANDRADE, Antonio Carlos Siqueira de Palavras-chave: texto, , linguagem, oralidade, escrita. Problemática: A partir do uso e disseminação das mídias eletrônicas, a construção de textos assume novas configurações, de acordo com Marcuschi (2005) e Crystal (2001). Para ambos, a escrita eletrônica, principalmente o , apresenta como características a informalidade, a transgressão de regras ortográficas e a objetividade. Enquadramento conceitual e teórico: Tradicionalmente, o texto possui uma tipologia geral: o descritivo (sequência de aspectos), o narrativo (sequência de fatos ordenados no tempo e/ou no espaço) e dissertativo/argumentativo (sequência de informações ou de opiniões). Articula-se através de níveis da estrutura sintática e da organização semântica (GUIMARÃES, 2005). Numa definição mais abrangente, o texto é um processo global de comunicação e designa um enunciado qualquer oral ou escrito, longo ou breve, antigo ou moderno como linguagem verbal. Essa definição enquadra-se na visão que a escola considera em seus processos de escolarização, alfabetização e letramento (MARCUSCHI, 2003) e Andrade (1998). No plano semiótico, de sentido multidimensional, texto ou discurso engloba as relações sintagmáticas de qualquer sistema de signos: texto cinematográfico, teatral, coreográfico entre outros (GUIMARÃES, 2005). O texto construído e veiculado pela mídia eletrônica requer uma abordagem diferente daquela utilizada no ensino tradicional (ANDRADE, 1997), pois não conta com estudos e sistematização por ser algo recente e também por abrigar simultaneamente características da língua falada. Consequentemente, problema de texto, doravante e-texto, não é apenas fundir uma modalidade discursiva com a outra, mas amalgamar essas duas e construir uma modalidade nova que, longe de ser monológica, é dialógica em sua natureza, onde o

2 usuário dispõe de um espaço próprio no mundo digital e que pode ser expandido infinitamente. Procedimentos metodológicos: OBJETIVOS A pesquisa teve como propósito: Levantar estratégias de produção textual utilizadas na construção de textos veiculados eletronicamente; Testar hipóteses sobre a natureza híbrida dos gêneros eletrônicos; Estabelecer as relações entre a fala e a escrita, oralidade e letramento; Contribuir de algum modo para o entendimento dos processos de interdiscursividade e de intertextualidade. METODOLOGIA A pesquisa parte da revisão da literatura, quando foram examinadas as principais obras de referência sobre o assunto, embora o tema ainda não apresente pesquisa com segurança e variedade de trabalhos. Assim, a bibliografia específica ressente-se de obras, pois é algo ainda incipiente há muitas obras sobre a internet, alcance de mídia eletrônica, mas muito pouco sobre a sua natureza discursiva, a estruturação e/ou configurações que apresenta. A pesquisa situa-se na área de estudos linguísticos e considera a linha sociointeracionista na composição dos gêneros textuais. O e-texto aqui estudado é o da correspondência eletrônica: o , em duas modalidades o pessoal (ou privado) e o profissional. A hipótese que norteia o trabalho é: - Há certa regularidade na fusão de características da fala com a da escrita na composição do e-texto. As hipóteses derivadas são: - A construção do e-texto não abriga as repetições do texto falado (ANDRADE, 1988) nem as redundâncias do texto escrito (ANDRADE, 1993); - As estratégias de regularização e normatização que partem da corretude linguística são menos relevantes no e-texto. 192

3 - A natureza dialógica do e-texto é o fator decisivo na transgressão de regras gramaticais; - O tipo de correspondência (pessoal ou profissional) estabelece regras de construção próprias. COMPOSIÇÃO CORPORA O corpus levantado foi constituído de 43 s de caráter particular ou privado, incluindo suas respostas (correspondência entre pessoas que se relacionam frequentemente fora do ambiente de trabalho) e de 36 s de caráter profissional, incluindo suas respostas (memorandos, circulares, assuntos ligados ao desempenho profissional do informante). Total de informantes: 79 Os s considerados pela análise foram selecionados levando-se em conta as variáveis apresentadas mais adiante (Imagem 1). Natureza da correspondência: pessoal, ou seja, o intercâmbio de mensagens entre pessoas que cultivem um relacionamento de amizade, que tenham contatos pessoais e virtuais frequentes, que dividam crenças, opiniões, propósitos e tipos de vida. Profissionais, isto é, intercâmbio de mensagens comuns no ambiente profissional: memorandos, circulares, análise de relatórios, pareceres e outros assuntos ligados ao desempenho profissional do informante. A inclusão de mais de um tipo de , isto é, o particular e o profissional, se pauta pela possibilidade de variação diafásica da mensagem, porquanto o texto se orienta como coloquial/informal de um lado e formal de outro, estabelecendo uma escala que inclui formas de tratamento (pronomes, vocativos), vocabulário neutro ou informal e modo de abordagem de temas. Variáveis Imagem 1 193

4 Resultados Principais e/ou Considerações Finais: Na fase anterior de nossa pesquisa, a Coleta de Dados, tivemos uma dificuldade para o levantamento do nosso CORPUS, uma vez que os voluntários que concederam seus s para participar de nossa pesquisa pouco utilizavam este meio de correspondência. Como atualmente, a grande maioria de pessoas que se comunica pela internet, seja pessoal ou profissionalmente, possui um perfil em alguma página de relacionamento social (enfatizamos aqui o Facebook até agora o maior responsável pela ausência de comunicação via ) e automaticamente acaba se aproveitando deste também para sua correspondência eletrônica diária. A adoção deste novo método de comunicação nos causou uma imprevista falta de volume de elementos para a análise (como pode ser observado em uma de nossas variáveis Homens 18/30 anos cunho profissional, na qual eram previstas, no mínimo, 10 amostras, porém o quantitativo desta variável foi trabalhado com apenas 6). Portanto, foi constatado que devido à necessidade de velocidade para veiculação de informações, o , assim como outras mídias, está perdendo a sua força e deixando de ser o meio principal de veiculação digital abrindo um espaço volumoso para a comunicação instantânea nas redes sociais. De acordo com os dados levantados, chegamos às seguintes conclusões em relação às nossas hipóteses: Confirmamos a hipótese principal, de que há regularidade na fusão de características da fala com a escrita na composição do e-texto. Já os s de caráter profissional seguem o modelo de texto escrito, pautado pela norma culta. Fica claro que tanto este tipo de correspondência (a profissional), quanto o outro tipo (a pessoal) têm suas próprias regras de construção, pois o mesmo indivíduo constrói um e-texto profissional e outro e-texto pessoal, este último com marcas de oralidade. Portanto, o quantitativo que correspondeu a nossas hipóteses, os s de caráter pessoal, mostrou que na escrita do e-texto há mais liberdade de expressão. Através da utilização de símbolos gráficos em outro contexto, ou repetições, ou abreviações, com outra finalidade, que não o gramatical, é possível comunicar qualquer tipo de mensagem, conversa, emoção, situação etc. E, de acordo com as respostas destes s, é perceptível o entendimento desta transgressão gramatical como característica desse tipo de texto. Tais transgressões, repetições, irregularidades, são simplesmente 194

5 características do discurso que se apresenta imediato. A corretude linguística é irrelevante. O diálogo é imediato. E é isso que se observa no texto escrito: um tipo de representação gráfica do que se fala. Referências: GUIMARÃES, Elisa. A articulação do texto. São Paulo: Ática, 2006 FÁVERO, L. L. Coesão e Coerência Textuais. São Paulo: Ática, 2004 MARCUSCHI, Luiz Antônio & XAVIER, Antônio Carlos (orgs). Hipertexto e gêneros digitais. Rio de Janeiro: Lucerna, MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, SALIES, Tâinia & SHEPHERD, Tania. Linguística da Internet. São Paulo: Contexto, (Julho 2013) 195

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 Naziozênio A. LACERDA (UFPI/UFMG) 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho é relatar uma experiência de uso da tecnologia do hipertexto

Leia mais

EDITAL PRG nº/22/2013/prg/ufla

EDITAL PRG nº/22/2013/prg/ufla UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Caixa Postal 3037 - Lavras - MG - 37200-000 (35) 3829 1113 http://www.prg.ufla.br prg@ufla.br EDITAL PRG nº/22/2013/prg/ufla EDITAL PARA O PROGRAMA

Leia mais

OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO

OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO OS GÊNEROS EMERGENTES NO BLOG E SUA INTERFACE NO APRENDIZADO RESUMO Luciano de Lima Costa Raquel Pessoni Tinonin Thaís Inácio Braga (G CLCA UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias (Orientador CLCA UENP/CJ) O

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos UMA ANÁLISE DOS GÊNEROS DIGITAIS PRESENTES NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute os gêneros digitais que são abordados

Leia mais

1ª Série. 6NIC088 FOTOGRAFIA Conceitos de fotografia analógica e digital e sua aplicação nos meios de comunicação de massa e na comunicação dirigida.

1ª Série. 6NIC088 FOTOGRAFIA Conceitos de fotografia analógica e digital e sua aplicação nos meios de comunicação de massa e na comunicação dirigida. 1ª Série 6NIC091 ADMINISTRAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS Conceitos básicos de administração geral. Organizações e grupos formais e informais. Estrutura organizacional. Funções organizacionais da administração.

Leia mais

REGULAMENTO Promoção: União Postal Universal Realização no Brasil: CORREIOS

REGULAMENTO Promoção: União Postal Universal Realização no Brasil: CORREIOS REGULAMENTO Promoção: União Postal Universal Realização no Brasil: CORREIOS Apresentação O Concurso Internacional de Redação de Cartas para Jovens é promovido anualmente pela União Postal Universal (UPU),

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 E-MAIL: UM GÊNERO TEXTUAL A SER APRESENTADO NA ESCOLA Cassia Teixeira (UERJ) kassiarteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO Sabemos que a comunicação faz parte das necessidades do homem. E desde as civilizações

Leia mais

A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa

A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa Dra. Eulália Vera Lúcia Fraga Leurquin 1 Marina Kataoka Barros 2 Resumo Por meio desta comunicação, desejamos refletir sobre

Leia mais

O TEXTO NA ESCOLA ATUAL: DO LIVRO PARA AS REDES SOCIAIS

O TEXTO NA ESCOLA ATUAL: DO LIVRO PARA AS REDES SOCIAIS 1 O TEXTO NA ESCOLA ATUAL: DO LIVRO PARA AS REDES SOCIAIS Ana Cátia Alves da Silva (Aluna do PROFLETRAS- UERN) anacatiacr@hotmail.com Ana Maria Fernandes ANACLETO (Aluna do PROFLETRAS-UERN) anamariauirauna@hotmail.com

Leia mais

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras Entrevista Margarida Kunsch Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras no campo das relações públicas e da comunicação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL Gabriela Jurak de Castro UCPel gabriela.jurak@ucpel.tche.br Letícia Marques Vargas UCPel lvargas@ucpel.tche.br

Leia mais

NASCIMENTO, Pâmella de Souza 1 UEPB LIMA, Renally Arruda Martins 2 - UEPB PEREIRA, Mirla Farias 3 - UEPB. Resumo

NASCIMENTO, Pâmella de Souza 1 UEPB LIMA, Renally Arruda Martins 2 - UEPB PEREIRA, Mirla Farias 3 - UEPB. Resumo LETRAMENTO DIGITAL: A IMPLANTAÇÃO DOS GÊNEROS TEXTUAIS DE NATUREZA VIRTUAL COMO ESTRATÉGIA DE INFLUXO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA ESCRITA E DA LEITURA EM SALA DE AULA NASCIMENTO, Pâmella de Souza

Leia mais

BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS?

BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS? BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS? Daiane Eloísa dos Santos (G-CLCA-UENP/CJ) Geovana Lourenço de Carvalho (G-CLCA-UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora-CLCA-UENP/CJ) Resumo: Com base

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos INTENCIONALIDADE E IDENTIDADE NOS NICKNAMES Juliano Rodrigues Pereira (UEMS) julianoroper@hotmail.com Maiara Cano Romero (UEMS) Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@uol.com.br 1. Da invenção

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa 3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa O objetivo do presente estudo é o de avaliar um processo de comunicação oficial na organização STAR, uma organização do segmento de educação, sem fins lucrativos,

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS Área temática: Preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro Professora Drª Adriane Borda (coordenador da Ação de Extensão) Vanessa da Silva Cardoso 1,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Técnico em Segurança

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL Letras Licenciatura Português/Espanhol e Português/Inglês Letras Tradução Francês/Inglês/Português Letras Licenciatura Português/Inglês e Português/Francês Ementário (não mais ofertada em Processo Seletivo)

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB Telma Cristina Gomes da Silva (PROLING/UFPB) telmapedist@hotmail.com Introdução A Cultura Digital impõe novos desafios pedagógicos

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Disciplina Inglês. Prova 367 2015. Tipo de Prova Escrita e Oral. Ensino Secundário

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Disciplina Inglês. Prova 367 2015. Tipo de Prova Escrita e Oral. Ensino Secundário INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina Inglês Prova 367 2015 Tipo de Prova Escrita e Oral Ensino Secundário O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

Título: OS PRONOMES RELATIVOS COMO MARCADORES DE COESÃO. Palavras-chave: pronomes relativos, coesão textual; referências textuais, regências RESUMO

Título: OS PRONOMES RELATIVOS COMO MARCADORES DE COESÃO. Palavras-chave: pronomes relativos, coesão textual; referências textuais, regências RESUMO Título: OS PRONOMES RELATIVOS COMO MARCADORES DE COESÃO Autor: Elisa da Costa Santos Palavras-chave: pronomes relativos, coesão textual; referências textuais, regências Orientador: José Carlos da Silva

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

INTERCÂMBIO ENTRE ORALIDADE E ESCRITA EM PRÁTICAS DISCURSIVAS ESCOLARES Ana Maria Pires Novaes UNISUAM / UNESA profananovaes@hotmail.

INTERCÂMBIO ENTRE ORALIDADE E ESCRITA EM PRÁTICAS DISCURSIVAS ESCOLARES Ana Maria Pires Novaes UNISUAM / UNESA profananovaes@hotmail. INTERCÂMBIO ENTRE ORALIDADE E ESCRITA EM PRÁTICAS DISCURSIVAS ESCOLARES Ana Maria Pires Novaes UNISUAM / UNESA profananovaes@hotmail.com As diferenças entre oralidade e escrita não podem ser estabelecidas

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO (Currículo iniciado em 2015) ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 68 h/a 1425 A função Financeira nas empresas. Matemática Financeira valor do dinheiro

Leia mais

Linha de Pesquisa 1: ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS

Linha de Pesquisa 1: ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS Linha de Pesquisa 1: ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS Tem como objetivo o estudo dos processos de ensino e aprendizagem de línguas materna e estrangeiras e, em especial, do papel da linguagem no desenvolvimento

Leia mais

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com).

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com). SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS Aula 9 META Destacar a importância da progressão no desenvolvimento dos comportamentos leitores e escritores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

INGLÊS PROVA DE EXAME FINAL DE ÂMBITO NACIONAL DE. Nível de Continuação. Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.04.19/2005. 12.º Ano de Escolaridade

INGLÊS PROVA DE EXAME FINAL DE ÂMBITO NACIONAL DE. Nível de Continuação. Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.04.19/2005. 12.º Ano de Escolaridade gabinete de avaliação educacional INFORMAÇÃO N.º 19/05 Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.04.19/2005 Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção Geral de Educação Direcções

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

ensino encontra-se no próprio discurso dos alunos, que, no início do ano, quando se resolve adotar determinado livro, perguntam: Professor, tem

ensino encontra-se no próprio discurso dos alunos, que, no início do ano, quando se resolve adotar determinado livro, perguntam: Professor, tem 1 Introdução Tudo o que comunicamos só é possível através de algum gênero discursivo (Bakhtin, [1979] 2000; Kress, 1993; Meurer, 2000). Por esta razão, o estudo sobre gêneros discursivos é de grande importância,

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS CETÓBRIGA. Escola Básica dos 2º e 3º ciclos de Aranguez

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS CETÓBRIGA. Escola Básica dos 2º e 3º ciclos de Aranguez AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS CETÓBRIGA Escola Básica dos 2º e 3º ciclos de Aranguez INFORMAÇÃO - EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO 6º Ano de Escolaridade 2011/2012 PROVA

Leia mais

REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Tradutor e Intérprete Bacharelado Currículo: LTI 00001

REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Tradutor e Intérprete Bacharelado Currículo: LTI 00001 REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Fundamentação Legal PARECER CNE/CES 492/2001 APROVADO em 03/04/2001 e HOMOLOGADO, com despacho do Ministro em 4/7/2001 e publicação no Diário Oficial da União

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Curso Serviço Social - 2011

Regulamento do Trabalho de Curso Serviço Social - 2011 Regulamento do Trabalho de Curso Serviço Social - 2011 Manual de TC Manual de TC Manual detc de Serviço Social 1. INTRODUÇÃO Definimos o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), como um trabalho científico,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Elisa Cristina Amorim Ferreira Universidade Federal de Campina Grande elisacristina@msn.com RESUMO: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999)

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) Ioná Vieira Guimarães Venturi * Décio Gatti Júnior RESUMO O presente

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC de Mairiporã Código: 27 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de técnico

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Técnico em Desenho de Construção Civil

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Técnico em Desenho de Construção Civil Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC MASSUYUKI KAWANO Código: 9136 Município: Tupã - SP Eixo Tecnológico: Construção Civil Habilitação Profissional: Técnico em Desenho de Construção Civil

Leia mais

A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA

A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA Carla Monteiro de Souza* Em todos os tempos existem homens, eles existem no seu tempo e continuarão a existir enquanto alguém contar a

Leia mais

Palavras -chave: EAD, materiais didáticos, critérios de avaliação.

Palavras -chave: EAD, materiais didáticos, critérios de avaliação. OS CRITÉRIOS DE QUALIDADE NO MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO NA EAD Autora: Lucicleide da Silva (UNEAL/UFAL) lucicleide2004@ig.com.br Drª. Cleide Jane de Sá Araújo Costa (UFAL) cleidejanesa@gmail.com RESUMO:

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO

TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO RESUMO TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO Laura Amaral Kümmel Frydrych (UFRGS) Luiza Milano Surreaux (UFRGS) O presente trabalho propõe apresentar uma abordagem teórico-metodológica

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso: Pedagogia - vespertino Disciplina: EDM0323 - Metodologia do ensino de português: a alfabetização. Docente: Prof.ª Nilce da Silva Aluna (nºusp): Flávia

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos FÓRUNS DE DISCUSSÃO NA EaD: INTERAÇÃO, LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevfaraujo@gmail.com Márcio Luiz Côrrea Vilaça (UNIGRANRIO)

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: ORALIDADE

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: ORALIDADE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PUCPR CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS DISCIPLINA: METODOLOGIA DO ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA II PROFESSORA: ÂNGELA MARI GUSSO SEQUÊNCIA DIDÁTICA: ORALIDADE BRUNA

Leia mais

7 COMUNICAÇÃO INTERNA / ADMINISTRATIVA

7 COMUNICAÇÃO INTERNA / ADMINISTRATIVA 40 7 COMUNICAÇÃO INTERNA / ADMINISTRATIVA Examinando a Comunicação Organizacional podemos observar que a Comunicação Mercadológica está voltada para o relacionamento entre a empresa e o público externo

Leia mais

6 Conclusão do estudo e implicações empresariais

6 Conclusão do estudo e implicações empresariais 6 Conclusão do estudo e implicações empresariais Este estudo buscou entender o fenômeno da criação de aceleradoras corporativas por parte de empresas de grande porte, com base na análise dos dois casos

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

EMENTÁRIO Entrada: até 2009 1º ANO

EMENTÁRIO Entrada: até 2009 1º ANO EMENTÁRIO Entrada: até 2009 1º ANO TEORIA E TÉCNICAS DAS RELAÇÕES PÚBLICAS EMENTA: Origem das Relações Públicas e sua evolução histórica e conceitual. O mercado de trabalho. Abordagens técnicas do profissional

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO E A PERSPECTIVA DO LETRAMENTO Graciela Fátima Granetto (UEMS) gracigranetto@gmail.com Ana Aparecida Arguelho de Souza (UEMS) 1. Introdução A Olimpíada

Leia mais

TRABALHANDO O GÊNERO E - MAIL EM SALA DE AULA: UMA ALTERNATIVA DE ENSINO RESUMO

TRABALHANDO O GÊNERO E - MAIL EM SALA DE AULA: UMA ALTERNATIVA DE ENSINO RESUMO TRABALHANDO O GÊNERO E - MAIL EM SALA DE AULA: UMA ALTERNATIVA DE ENSINO Ligiane Aparecida Bonacin (GP Leitura e Ensino CLCA UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora CLCA UENP/ CJ) RESUMO As aulas

Leia mais

Breves notas sobre o desafio das novas tecnologias na leitura e produção textual na escola básica Sandro Luis da Silva 1. Resumo

Breves notas sobre o desafio das novas tecnologias na leitura e produção textual na escola básica Sandro Luis da Silva 1. Resumo Breves notas sobre o desafio das novas tecnologias na leitura e produção textual na escola básica Sandro Luis da Silva 1 Resumo O tema educação e novas tecnologias tem despertado cada vez mais o olhar

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

2º PRÊMIO ITAÚ DE FINANÇAS SUSTENTÁVEIS REGULAMENTO 2010

2º PRÊMIO ITAÚ DE FINANÇAS SUSTENTÁVEIS REGULAMENTO 2010 2ºPRÊMIOITAÚDEFINANÇASSUSTENTÁVEIS REGULAMENTO2010 1. OPRÊMIOITAÚDEFINANÇASSUSTENTÁVEIS 1.1. O PRÊMIO ITAÚ DE FINANÇAS SUSTENTÁVEIS, designado neste Regulamento PRÊMIO ITAÚ,emsuasegundaedição,éumainiciativadoItaúUnibancoS.A.(

Leia mais

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Resgatando a memória do lugar e sua importância para a recuperação da interação entre jovens e idosos Rosilene Silva de Oliveira 1. Justificativa Os atores

Leia mais

O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA

O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA O ENSINO DA LÍNGUA ESPANHOLA: UM DESAFIO PARA UMA LINGUAGEM COMUNICATIVA BRUTTI, Elizane Aparecida 1 CONTRI, Andréia Mainardi 2 ZAMBERLAN, Eliane Luiza 3 Resumo do trabalho: Considerando a importância

Leia mais

Resumo. PALAVRAS-CHAVE: Mídia, leitura e escrita. 1- Introdução

Resumo. PALAVRAS-CHAVE: Mídia, leitura e escrita. 1- Introdução Jovens Governantes Interações virtuais e intervenções locais MSc.Nara Luz Chierighini Salamunes, da Secretaria Municipal da Educação de Curitiba, aluna do Programa de Doutorado em Informática na Educação

Leia mais

CAPÍTULO 2 METODOLOGIA

CAPÍTULO 2 METODOLOGIA CAPÍTULO 2 METODOLOGIA O presente capítulo tem o objetivo de apresentar e descrever os instrumentos e os procedimentos utilizados para coleta e análise dos dados, justificando o uso de tais instrumentos

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Código: 21 Ano de escolaridade: 9º (Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de julho e Despacho Normativo n.º 24-A/2012,

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 INFLUÊNCIAS MÚTUAS DE UMA MODALIDADE SOBRE A OUTRA NO INCONSCIENTE DE UM INDIVÍDUO COM UM ALTO GRAU DE LETRAMENTO José Mario Botelho (UERJ e ABRAFIL) botelho_mario@hotmail.com Marcela Cockell (UERJ) marcelacockell@hotmail.com

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALUNOS SOBRE LÍNGUA E ESCRITA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS

CONCEPÇÕES DE ALUNOS SOBRE LÍNGUA E ESCRITA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS CONCEPÇÕES DE ALUNOS SOBRE LÍNGUA E ESCRITA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS beneditobezerra@gmail.com mandinhacavalcante@yahoo.com.br RESUMO Partindo da análise das respostas de estudantes de graduação a um questionário,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO Joaquim Cesar Cunha dos Santos ATIVIDADE 07 DISCIPLINA:

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO MYSUITE

MANUAL DE ACESSO AO MYSUITE MANUAL DE ACESSO AO MYSUITE A Ferramenta de Atendimento Online MySuite é a nova forma de atendimento utilizada pela Gerpos. Por meio dela, é possível solicitar atendimentos do Suporte Técnico e de outros

Leia mais

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Douglas Vaz, Suelen Silva de Andrade Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {doug.vaz,

Leia mais

Língua(gem), Tecnologia e Informação

Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua, Tecnologia e Informação A Ciência da Informação estuda vários aspectos sobre o acesso ao registro, acesso ideal de maneira eficiente e eficaz O registro de

Leia mais

PRODUÇÃO ORAL E ESCRITA NO EXAME CELPE-BRAS

PRODUÇÃO ORAL E ESCRITA NO EXAME CELPE-BRAS PRODUÇÃO ORAL E ESCRITA NO EXAME CELPE-BRAS Professoras: Luiza Castro Solange López Indagações: Como preparar um aluno para o exame CELPE-Bras? É importante conhecer a cultura do Brasil? Que habilidades

Leia mais

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos;

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos; PLANO DE AULA 1º BIMESTRE LÍNGUA PORTUGUESA 6 º ANO CONTEÚDO ESTRUTURANTE: O DISCURSO COMO PRÁTICA SOCIALMENTE Professora: Rosangela Manzoni Siqueira CONTEÚDOS BÁSICOS: RETOMADA DOS GÊNEROS TRABALHADOS

Leia mais

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva.

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva. O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO Diana de Oliveira MENDONÇA 1 Maíra Dévely Silva BORGES 2 Sunamita Sâmela Simplício da SILVA 3 Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras Modernas/UFRN

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS MESTRADO E DOUTORADO (Resolução nº 102/2011-CI/CCH e Resolução nº 083/2013-CI/CCH)

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS MESTRADO E DOUTORADO (Resolução nº 102/2011-CI/CCH e Resolução nº 083/2013-CI/CCH) EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS MESTRADO E DOUTORADO (Resolução nº 102/2011-CI/CCH e Resolução nº 083/2013-CI/CCH) A constituição do texto oral Estudo da constituição do

Leia mais

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem

BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Palavras chaves:educação Matemática,Tecnologia, ensino-aprendizagem Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos 27 a 29 de Novembro UEPB Campina Grande, Paraíba. 2014 BLOG COMO FERRAMENTA DE ENSINO Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação

Leia mais

9 Considerações Finais

9 Considerações Finais Considerações Finais 181 9 Considerações Finais A hipótese que propõe responder ao problema investigado pela pesquisa afirma que a mensagem veiculada pelo banner pop-up não é devidamente processada pelo

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

TRABALHOS CIENTÍFICOS: REGULAMENTO

TRABALHOS CIENTÍFICOS: REGULAMENTO TRABALHOS CIENTÍFICOS: REGULAMENTO As VI Jornadas Luso- Brasileiras de Nutrição Oncológica pretendem proporcionar uma oportunidade para que todos os profissionais e investigadores interessados possam contribuir

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL

Leia mais

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo 5 METODOLOGIA Este capítulo descreve a metodologia utilizada neste estudo visando verificar de que maneira os livros didáticos analisados estão incluindo gêneros discursivos em suas atividades de leitura

Leia mais

AULA 15 Análise de dados e conclusões

AULA 15 Análise de dados e conclusões 1 AULA 15 Análise de dados e conclusões Ernesto F. L. Amaral 12 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.131-140 & 141-147.

Leia mais

DISCIPLINAS ONLINE EM CURSOS PRESENCIAIS: ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS

DISCIPLINAS ONLINE EM CURSOS PRESENCIAIS: ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS 1 DISCIPLINAS ONLINE EM CURSOS PRESENCIAIS: ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS Resende - RJ - Abril - 2014 Miguel Carlos Damasco dos Santos Associação Educacional Dom Bosco contato@profdamasco.site.br.com

Leia mais

FORMAS DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ATRAVÉS DA INTERNET 1

FORMAS DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ATRAVÉS DA INTERNET 1 FORMAS DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ATRAVÉS DA INTERNET 1 Karina Gularte Peres 2 RESUMO: Com o advento da Internet, e principalmente com sua popularização, ampliaram-se as formas de comunicação das organizações.

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

INGLÊS PROVA DE EXAME FINAL DE ÂMBITO NACIONAL DE. Nível de Iniciação. Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.03.11/2005. 12.º Ano de Escolaridade

INGLÊS PROVA DE EXAME FINAL DE ÂMBITO NACIONAL DE. Nível de Iniciação. Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.03.11/2005. 12.º Ano de Escolaridade gabinete de avaliação educacional INFORMAÇÃO N.º 11/05 Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.03.11/2005 Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção Geral de Educação Direcções

Leia mais

Módulo III Objetos de Aprendizagem ALFABETIZAÇÃO

Módulo III Objetos de Aprendizagem ALFABETIZAÇÃO ALFABETIZAÇÃO Guia do professor Introdução A leitura e a escrita são instrumentos que auxiliam a promoção da inclusão social. Sendo assim, a alfabetização é um processo relevante e imprescindível para

Leia mais

ANÁLISE DOS GÊNEROS TEXTUAIS ABORDADOS NA COLEÇÃO PROJETO MULTIDISCIPLINAR BURITI DO 1º AO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO DO CAMPO

ANÁLISE DOS GÊNEROS TEXTUAIS ABORDADOS NA COLEÇÃO PROJETO MULTIDISCIPLINAR BURITI DO 1º AO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO DO CAMPO ANÁLISE DOS GÊNEROS TEXTUAIS ABORDADOS NA COLEÇÃO PROJETO MULTIDISCIPLINAR BURITI DO 1º AO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO DO CAMPO INTRODUÇÃO Amanda Fernandes dos Santos; Joelma Miriam de Oliveira;

Leia mais

Portfólio Easy to Learn PEDAGOGIA

Portfólio Easy to Learn PEDAGOGIA Portfólio Easy to Learn PEDAGOGIA ÍNDICE Leitura e Interpretação de Textos...2 Didática I...2 Psicologia da Educação...2 História da Educação...2 Conteúdo e Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa...3

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA PORTUGUESA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA PORTUGUESA ANO: 6º anos PROFESSOR(A):

Leia mais

O PERFIL DO ALUNO CONCLUINTE DO ENSINO FUNDAMENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO SERIDÓ

O PERFIL DO ALUNO CONCLUINTE DO ENSINO FUNDAMENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO SERIDÓ O PERFIL DO ALUNO CONCLUINTE DO ENSINO FUNDAMENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO SERIDÓ Elis Betania Guedes da Costa 1 1- Introdução Esta pesquisa segue a abordagem qualitativa de cunho etnográfico. Para tanto,

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 17:11:43 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

Osasco - SP 04/2015. Classe B1 Estudo de Caso. Setor Educacional - c) Educação Superior

Osasco - SP 04/2015. Classe B1 Estudo de Caso. Setor Educacional - c) Educação Superior EaD DE DENTRO PARA FORA: O APROVEITAMENTO E INTEGRAÇÃO DOS DOCENTES PRESENCIAIS COMO FORMA DE MELHORAR O ENVOLVIMENTO E ENFRENTAR OS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Agricultura Familiar; Sustentabilidade; Contextualização; Conhecimento Químico.

PALAVRAS-CHAVE Agricultura Familiar; Sustentabilidade; Contextualização; Conhecimento Químico. 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO (X ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS PARA OBJETOS DE APRENDIZAGEM: DE AUTORES E LEITORES PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS PARA OBJETOS DE APRENDIZAGEM: DE AUTORES E LEITORES PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA LUCIANE MULAZANI DOS SANTOS PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS PARA OBJETOS DE APRENDIZAGEM: DE AUTORES E LEITORES PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de

Leia mais

TÍTULO: BIOÉTICA NOS CURSOS SUPERIORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

TÍTULO: BIOÉTICA NOS CURSOS SUPERIORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO TÍTULO: BIOÉTICA NOS CURSOS SUPERIORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE PRESBITERIANA

Leia mais