Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE: EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE: EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA"

Transcrição

1 PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE: EDUCAÇÃO VISUAL E TECNOLÓGICA 2º ciclo Ano letivo: 2015/2016 COMPETÊNCIAS - CHAVE Competência em Línguas Competência Matemática Competência Científica e Tecnológica Competência Cultural e Artística Competência Digital Competência Físico-motora Competência de Autonomia e Gestão da Aprendizagem Competência Social e de Cidadania CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS CURRICULARES ESTRATÉGIAS / ATIVIDADES CALENDARIZAÇÃO COMUNICAÇÃO Problemática do sentido Codificações Imagem na Comunicação Conhecer diferentes tipologias de comunicação - Identificar a utilização dos cinco sentidos humanos na comunicação. - Distinguir os agentes da comunicação (emissor, mensagem, recetor, código, ruído e meio) e analisar os tipos de comunicação (direta e indireta). - Diferenciar elementos da narrativa visual (perspetiva de narração, personagens e contexto). Distinguir códigos e suportes utilizados pela comunicação Analisar várias formas de comunicação e procurar perceber os códigos utilizados (obras de arte, cartazes, gráficos, mapas, publicidades, etc.) Fazer banda desenhada ou ilustração, partindo de um texto escrito, música, lengalenga, etc., procurando utilizar textos regionais. Realizar produtos de comunicação visual (cartazes, panfletos, BD, etc.), aplicando as regras aprendidas. Desenvolver projetos, explorando temas e situações da realidade regional ou local (cartazes para festas, panfletos informativos sobre acontecimentos culturais, exposições, ) Criar sistemas de sinais visuais, inventando códigos próprios. Criar símbolos visuais que possam ser aplicados na escola ou comunidade desenhar mapas/ plantas de locais de interesse histórico ou ambiental, criar símbolos ou sinais para identificar locais ou espécies naturais; Utilizar programas informáticos específicos Ao longo do ciclo

2 - Enumerar diferentes tipos de códigos de comunicação (gravura paleolítica, hieróglifos, sistemas numéricos, caligrafia, bandeiras, sinais, cor (semáforos), pictogramas, símbolos). - Classificar diversos suportes impressos (pergaminho, papel, tecido). - Identificar meios de comunicação e a sua evolução em função da evolução técnica e social (sonora telefone, rádio, podcast; escrita jornal, revista, cartaz, BD; audiovisual televisão e cinema, multimédia, hipermédia CD, TV digital, internet). Dominar a comunicação como um processo de narrativa visual - Desenvolver ações baseadas na organização sequencial da informação, com o objetivo de relatar uma história que contém um agregado de ações, relevantes para a boa estruturação da comunicação. - Desenvolver capacidades de enunciação de um discurso que descreva factos e acontecimentos numa determinada para a realização dos trabalhos gráficos. Observar as proporções da figura humana, em imagens, fotos, ou em si próprio (medir-se em palmos e comparar a medida da cabeça, com a altura total). Representar a figura humana atendendo às suas proporções, posições e contextos. Analisar e representar, através da observação de imagens e da realidade, a perceção de objetos sob vários pontos de vista (de cima, de baixo, ao longe, ao perto, ). Pesquisar imagens de obras de arte, de preferência de artistas regionais e observar nas mesmas os processos de representação do espaço. Realizar experimentações gráficas bidimensionais aplicando os processos de representação do espaço desenhos livres ou ilustrações, a partir da observação ou da imaginação. Exprimir gráfica e verbalmente as relações entre os elementos integrados num determinado espaço. Realizar trabalhos tendo em conta a organização equilibrada e funcional do espaço utilizado (bi ou tridimensional). Identificar tipos de formas (naturais, artificiais, livres, geométricas, ) Realizar trabalhos de grupo ou organizar bancos de imagens, com vários exemplos de registos dos elementos da forma. Representar formas naturais fauna e flora locais *), utilizando expressivamente os elementos básicos que as definem estrutura, textura, linha de contorno e cor. Realizar composições visuais, livres ou geométricas, partindo de uma forma natural

3 sequência temporal. Aplicar princípios da comunicação tecnológica - Identificar vocabulário específico da área tecnológica, utilizando-o para comunicar ideias e opiniões. - Interpretar instruções e esquemas gráficos/técnicos Desenvolver princípios da comunicação tecnológica - Organizar e ilustrar informação gráfica/técnica, específica da área tecnológica. - Produzir instruções e esquemas gráficos/ técnicos, utilizando sistemas discursivos, codificações e simbologias técnicas. Dominar a comunicação como um processo de organização de factos - Desenvolver ações orientadas para o encadeamento cronológico de aconou artificial e dos elementos que a caracterizam. Investigar e recolher, no meio envolvente, na internet, ou em livros, exemplos de estruturas e padrões (padrão geométrico das colchas de tear tradicionais de S. Jorge*) registo gráfico ou criação de bancos de imagens. Construção de padrões, a partir da repetição de um módulo. Registar graficamente formas observadas, partindo do entendimento da sua estrutura interna. Analisar diferentes tipos de estruturas identificando elementos básicos de uma estrutura resistente. Construir formas tridimensionais (esculturas em papel maché, pasta de papel, gesso, ), tendo como base a sua estrutura. Observar e registar formas naturais e construídas do meio envolvente, analisando a sua relação com a função que desempenha e o material de que são constituídas. Explorar a variedade cromática, utilizando diferentes técnicas de pintura. Realizar trabalhos de pintura (criação de padrões, contrastes, ), em suportes informáticos utilizar programas específicos de produção ou tratamento de imagens. Fazer registos cromáticos para trabalhos específicos de composição visual ou pesquisa (cores utilizadas em determinadas obras de arte/ artesanato local/ regional*). Utilizar nos seus trabalhos de expressão plástica, a cor, com objetivos específicos valores simbólicos, qualidades térmicas, poder expressivo (contraste/ harmonia), influência no comportamento humano, Identificar

4 tecimentos. - Desenvolver capacidades de enumerar, caracterizar e registar os factos observados. Reconhecer o papel e a influência do património na sociedade - Distinguir a importância do património artístico, cultural e natural de cada região, para a afirmação da identidade de cada uma. - Relacionar que a experiência pessoal condiciona o modo como se interpretam imagens e artefactos. Reconhecer o papel do discurso no âmbito de trajetórias históricas - Desenvolver ações orientadas para o estudo de trajetórias históricas reconhecendo a sua influência até ao momento presente. - Distinguir o papel das trajetórias históricas na perceção do futuro. elementos geométricos no meio envolvente (sala de aula); Noções de reta, semirreta e segmento de reta; Realizar exercícios com régua e esquadro na aplicação das noções de retas paralelas e perpendiculares; Registar graficamente a divisão de um segmento de reta em duas, três, quatro, cinco, seis e oito partes iguais; Construção rigorosa do quadrado e retângulo com o auxílio de régua, esquadro e compasso; Noções de circunferência, raio, diâmetro, corda, arco da circunferência, semicircunferência e círculo; Divisão da circunferência em duas, três, quatro, cinco, seis e oito partes iguais; Noções de circunferência, raio, diâmetro, corda, arco da circunferência, semicircunferência e círculo. Divisão da circunferência em duas, três, quatro, cinco, seis, sete e oito partes iguais. Pesquisar a evolução dos objetos mais usados pelo Homem. Realizar experiências que demonstrem os vários tipos de movimento. Observar e analisar equipamentos que possibilitem observar os processos de transmissão de movimento. Identificar os elementos de uma estrutura móvel. Utilizar conscientemente a representação do movimento, como elemento valorizador da expressão. Ex.: modificação dos objetos por ação do movimento, signos cinéticos, etc.

5 ENERGIA Fontes de energia recursos Reconhecer princípios básicos da criação de um discurso - Articular elementos do discurso gráfico (cor, contraste, fundo/figura, texto e imagem, etc.). - Aplicar elementos da Teoria da Gestalt no âmbito da comunicação (continuidade, segregação, semelhança, unidade, proximidade, pregnância e fechamento). - Articular e aplicar elementos da Teoria da Gestalt e do discurso gráfico, adequados ao emissor, à mensagem e ao recetor. Desenvolver a capacidade de avaliação crítica na criação de um discurso - Estimular o sentido crítico no âmbito da comunicação, através do reconhecimento dos elementos do discurso e do seu enquadramento na mensagem. - Adequar uma mensagem em função dos suportes e dos recetores que se pretende atingir. Distinguir as principais fontes de energia - Identificar recursos naturais (carvão, Construir mecanismos simples que utilizem os operadores mecânicos do movimento. Conhecer as várias fases do processo de resolução de problemas: - Situação; - Enunciado; - Pesquisa; - Proposta de solução; - Realização; - Avaliação. Pesquisar os vários tipos de movimento e os vários processos utilizados nos tipos de energia utilizada. Analisar e descrever o princípio de funcionamento de um objeto técnico simples. Descrever o funcionamento de objetos, explicando a relação entre as partes que o constituem. Interpretar as instruções de funcionamento de equipamentos técnicos de uso na escola. Realizar experiências que demonstrem os vários tipos de movimento. Observar e analisar equipamentos que possibilitem observar os processos de transmissão de movimento. Identificar os elementos de uma estrutura móvel. Interpretar símbolos simples. Utilizar conscientemente a representação do movimento, como elemento valorizador da expressão. Construir mecanismos simples que utilizem os operadores mecânicos do movimento. Construir brinquedos simples que utilizem os operadores mecânicos do movimento, (ex.: Cata-vento, carraças, carros de rolamentos, papagaios de papel, Ao logo do ciclo

6 energéticos Formas de energia Transformação de energia petróleo, vento, água, etc.) aplicados na produção de energia. - Enumerar e examinar diferentes fontes de energia (renováveis e não renováveis). - Reconhecer o impacto social e ambiental da exaustão das fontes energéticas naturais. Compreender processos de produção e de transformação de energia - Reconhecer diversos processos de produção de energia (sol, vento, desníveis de água, combustível, etc.). - Analisar e classificar diversos processos de transformação de energia (mecânica, eletroquímica, eletromagnética). Explorar soluções energéticas no âmbito dos operadores elétricos - Distinguir operadores elétricos na construção de circuitos elétricos simples. - Utilizar operadores elétricos no desenvolvimento de projetos de baixa etc.) Pesquisar objetos que acumulem e transformem energia. Realizar pesquisas sobre os vários tipos de material que se utiliza para se verificar que existe energia. Pesquisar as fontes de energia renováveis. Escolher e utilizar materiais tendo em conta as suas qualidades expressivas e a preservação do meio ambiente. Desenvolver projetos de sensibilização para as questões ambientais. Utilizar material reciclado e reaproveitar materiais. Utilizar com preocupação de rigor os materiais e técnicas específicas. Aplicar técnicas específicas aos materiais com que está a trabalhar. Selecionar e aplicar as ferramentas específicas aos materiais a trabalhar. Descrever um objeto comum por meio de esquemas gráficos e figuras. Identificar os materiais básicos, suas origens e aplicações, (ex.: madeira e fibras têxteis). Realizar trabalhos utilizando materiais típicos da região, tais como lã de ovelha, pedra de basalto e madeira da região. Planificar um circuito elétrico simples. Realizar um pequeno trabalho onde aplique um sistema de energia simples. Visitas de estudo a locais onde se desenvolvam várias atividades económicas regionais. Identificar os vários sectores profissionais, da região (ex.: fabrica do queijo, fabrica de transformação do atum, lota, serração de madeira etc.)

7 ESPAÇO Relatividade da posição dos objetos no espaço Objeto isolado: - Vertical; - Horizontal; - Oblíquo. Objetos referidos ao observador - Acima/abaixo; - Perto/longe. Objetos referidos a outros complexidade. Dominar procedimentos de análise e de sistematização - Desenvolver ações orientadas para metodologias de aquisição de conhecimento prático. - Identificar unidades funcionais, compostas por um ou mais elementos, que agregados cumprem uma função Conhecer as interações dos objetos no espaço - Reconhecer a posição de objetos no espaço relativa ao observador ou a outros objetos (longe, perto, à frente, trás, paralela, perpendicular, etc.). - Discriminar fatores que facilitam a leitura do espaço (espaço aberto e espaço fechado). Representar elementos físicos num espaço - Explorar relações entre a parte interna e a superfície de um objeto e utilizar na sua Colaborar na planificação das diversas fases de um trabalho, identificado nas visitas de estudo. Pesquisa sobre os habitats de algumas espécies locais, seleção e representação de lugares e animais com recurso a materiais expressivos de origem natural (terra, areia, folhas, pequenos ramos, entre outros). Exposição e partilha. (*) Pesquisa de plantas e animais endémicos, representação de algumas espécies e elementos do seu habitat, através de silhuetas. Construção de pequenas narrativas visuais (para teatro de sombras), alertando para a preservação dos mesmos. Apresentação da peça. (*) Representação de plantas endémicas selecionadas em diferentes escalas de pormenor. Junção das diferentes expressões. Pintura de um tapete visual.(*) Identificação no recinto escolar ou na comunidade envolvente de um espaço e/ou equipamento degradado; apresentação de um projeto de reabilitação; intervenção de recuperação dos equipamentos e/ou espaços e avaliação do impacto desta intervenção. (*) Identificação e análise das manifestações artísticas e culturais locais, selecionando uma delas. Conceção de formas de participação artística no evento. (*) Conceção e realização de atividades de intervenção artística para a melhoria de um espaço público de relevância local (marina ou porto, por exemplo). (*) Pesquisa junto de familiares de contos tradicionais de transmissão oral, sua exploração dramática e ilustração. (*) Identificação, na sua freguesia, de elementos Ao longo do ciclo

8 objetos: - Maior/menor; - Dentro/fora. Organização do Espaço Representação do Espaço ESTRUTURA Estrutura das formas Estrutura dos materiais representação elementos como dimensão, transparência/opacidade e luz/cor. - Comunicar graficamente e verbalmente as relações existentes entre um objeto e as respetivas representações (escala de plantas, mapas e alçados). Dominar a representação bidimensional - Desenvolver ações orientadas para a representação da forma, da dimensão e da posição dos objetos no espaço. - Interpretar e codificar as propriedades básicas do mundo visual, através de elementos de representação bidimensional. Explicar a estrutura como suporte da forma - Analisar vários tipos de estruturas (natural, artificial, arquitetónica e modular). - Reconhecer que a estrutura está intimamente ligada à forma/função, quer nos objetos e materiais, quer nos seres construídos ou não, identificados como património natural e/ou cultural material ou imaterial (impérios, fontes, igrejas, caldeiras, letras musicais, lendas, entre outros). Realização de composições plásticas com os elementos selecionados de entre os recolhidos, em grupo, aglutinando-os criativamente. Identificação dos pontos de ligação entre as diferentes propostas, unificando-as e criando um cadavre exquis. Avaliação do significado da composição resultante. (*) Verbalização de rimas e lengalengas e interpretação de canções tradicionais açorianas. (*) Realização de atividades que permitam o reconhecimento da música açoriana como parte do quotidiano e as diferentes funções que ela desempenha (Festas do Espírito Santo, Romeiros, Foliões, Folclore, entre outros). (*) Observação de um jornal regional, concluindo quanto à organização composição visual. Criação do Jornal Visual da turma. Seleção de textos e leitura dramática/noticiosa dos mesmos, explorando a função da voz. (*) Identificação de percursos de evacuação. Desenho de plantas de emergência, conceção de sinalética do percurso e divulgação gráfica de saídas de emergência. Simulação de sismo/incêndio de forma a evidenciar situações relativamente complexas, tais como: verificar a coordenação das equipas de resgate, primeiros socorros e combate a incêndios. (*) Elaboração do mapa de uma das ilhas da Região (a partir de uma ampliação projetada, Ao longo do ciclo

9 vivos. - Distinguir o módulo como elemento gerador da estrutura, criando e representando padrões através da utilização das leis de criação (repetição e ritmo, alternância, translação, rotação e simetria). Dominar a representação como instrumento de registo - Desenvolver ações orientadas para a representação esquemática que utiliza elementos geométricos. - Desenvolver capacidades de representação orgânica, através da identificação das proporções naturais e das relações orgânicas. Conhecer tipos de estrutura - Compreender o conceito de estrutura (forma, função, módulo). - Identificar diferentes tipos de estruturas (naturais e artificiais; fixas e móveis). - Analisar a evolução histórica dos por exemplo). Conceção de ícones visuais simples para enfatizar as zonas de interesse turístico. (*) Criação de pictogramas de reconhecimento de zonas de interesse turístico patrimonial (arquitetónico ou natural) e construção das placas de base de identificação, oferecendo à autarquia a ideia e o material produzido. (*) Conceção de embalagens e imagens de marca (símbolos, logótipos, ícones e outros) para produtos regionais (leite, queijo, doçaria, entre outros...). (*) Pesquisa, em obras de artistas plásticos açorianos, de representações de profissões tradicionais da Região e recriação plástica destas. Apreciação do valor estético da composição realizada. (*) Sensibilização para alguns efeitos produzidos pela tecnologia no ambiente local (escassez no abastecimento de água, tratamento de aterros sanitários, proteção das ribeiras, etc.), através da pesquisa em jornais locais, consultas online e entrevistas. (*) Identificação das regras simples de segurança nas diferentes atividades, para que o aluno tome consciência da integridade física e psicológica, sua e dos outros. (*) Utilização de proteção adequada às diferentes tarefas. Identificação da sinalética de segurança e higiene no trabalho e cumprimento das respetivas regras em todos os projetos a realizar. Uso de proteção adequada às diferentes tarefas e conhecimento do funcionamento de máquinas. Reflexão sobre as implicações da não utilização das normas de segurança e higiene no trabalho

10 processos de construção de estruturas. nas vertentes humanas, sociais e económicas. Explorar estruturas no âmbito da forma e função - Reconhecer a função das estruturas e dos seus componentes (suporte de cargas, suporte de forças exteriores, manter a forma, proteger e ligar os componentes). - Identificar os esforços a que estão sujeitas as estruturas (tração, compressão, flexão, torção e corte). - Desenvolver estruturas considerando materiais, processos de construção e forma/função. Dominar atividades coordenadas e interligadas, para a realização de um objetivo - Desenvolver ações orientadas para a identificação de requisitos e recursos disponíveis. - Desenvolver capacidades que se direcionam para a procura da melhor solução, para a apreciação dos prós e dos

11 contras e para a avaliação crítica das soluções alcançadas. FORMA Elementos da forma Relação entre a forma e os fatores que a condicionam Valor estético da forma Reconhecer a textura enquanto aspeto visual das superfícies - Identificar a textura como uma sensação visual e tátil (lisa, ponteada, rugosa, ondulada, macia e irregular). - Observar características da textura, classificando-as (naturais e artificiais) e identificando-as nos grandes espaços. - Distinguir o desenho como um meio que permite criar e exprimir visualmente a textura. Ao longo do ciclo Discriminar a relevância do objeto técnico - Definir o conceito de objeto técnico. - Distinguir a evolução histórica de alguns objetos técnicos e a sua repercussão na evolução da sociedade. - Relacionar a influência dos objetos técnicos, como resposta às necessidades humanas. - Interpretar objetos técnicos, sendo

12 capaz de os decompor e compreendera função das suas partes. Dominar a aquisição de conhecimento técnico - Desenvolver ações orientadas para a decomposição dos objetos, enumerando e analisando os elementos que os constituem. - Aplicar conhecimentos que evidenciem objetivamente a estrutura do objeto, as suas características e funções. GEOMETRIA Formas e estruturas geométricas no envolvimento Formas e relações geométricas puras Operações constantes na resolução de diferentes problemas - traçados geométricos Dominar materiais básicos de desenho técnico - Utilizar corretamente materiais básicos do desenho técnico (régua, esquadros, transferidor, compasso). - Experimentar diferenças de traçado rigoroso utilizando diversos suportes físicos. Ao longo do ciclo Compreender a geometria enquanto elemento de organização da forma - Distinguir a noção de ponto, linha,

13 plano. - Identificar no ambiente ou nas construções humanas, elementos geométricos simples (ponto, linha, plano, superfície e volume). - Representar corretamente traçados geométricos simples (traçados de linhas paralelas e perpendiculares). - Construir polígonos e dividir segmentos de reta e circunferências em partes iguais. Conhecer as interações dos objetos no espaço - Distinguir a posição relativa de duas retas no espaço (complanares: paralelas e concorrentes; não complanares). - Reconhecer a posição relativa entre reta e plano (pertencente, paralela ou concorrente). - Identificar a posição relativa de objetos no espaço (objetos isolados, posição absoluta: horizontal, vertical, oblíqua). LUZ/COR Natureza da cor Compreender características e qualidades da cor Ao longo do ciclo

14 A cor no envolvimento Simbologia da cor - Identificar a influência da textura ou da dimensão na perceção da cor. - Distinguir diferenças entre cor e pigmento (síntese aditiva e síntese subtrativa). - Identificar cores primárias e cores secundárias, cores complementares e relações de branco/preto, quente/frio e claro/escuro. Reconhecer a simbologia e o significado da cor - Identificar os valores simbólicos da cor (sinais de trânsito, normas industriais, etc.). - Distinguir a importância da cor na construção do sentido das mensagens. Dominar procedimentos sistemáticos e metodológicos - Desenvolver ações orientadas para a investigação que transforma os resultados numa parte ativa do conhecimento. - Desenvolver capacidades de observação

15 e compreensão do meio cromático envolvente. MATERIAL Origem e propriedades Transformação de matériasprimas Impacto ambiental Conhecer materiais riscadores e respetivos suportes físicos - Distinguir características de vários materiais riscadores (lápis de grafite, lápis de cor, lápis de cera, marcadores, pastel de óleo e seco, guache, aguarela e tinta da China). - Analisar características de diversos suportes (papel «cavalinho», papel vegetal, papel diverso). Ao longo do ciclo Conhecer a origem e propriedades dos materiais - Identificar diferentes tipos de materiais (papel, argila, têxteis, madeiras e metais). - Distinguir propriedades físicas dos diferentes tipos de materiais (cor, brilho, cheiro, textura, etc.). - Avaliar características e propriedades dos materiais que condicionam o seu armazenamento. - Enumerar diferentes formas de apre-

16 sentação dos materiais no mercado (normalização). Reconhecer processos de transformação das principais matérias-primas - Relacionar processos de transformação de matérias-primas com os materiais. - Identificar as ferramentas/utensílios mais adequados à transformação das matérias-primas em materiais. - Explicar modificações das propriedades dos materiais de acordo com as suas utilizações. - Realizar ensaios para determinar propriedades mecânicas como dureza, maleabilidade, etc. (ex.: barro). Distinguir alterações no meio ambiente determinadas pela ação humana - Avaliar o impacto ambiental provocado pelo processo de extração das matérias- -primas. - Reciclar e empregar materiais, de forma

17 a reduzir o seu impacto ambiental. Dominar procedimentos sistemáticos e metodológicos - Desenvolver ações orientadas para experiências que se transformam numa parte ativa do conhecimento. - Distinguir grupos singulares de recursos e tecnologias MEDIDA Métodos de medição Unidades de medida Instrumentos de medição Reconhecer tipos de grandeza e respetivos instrumentos de medição - Inferir a existência de diversos tipos de grandeza (comprimento, ângulo, massa, tempo, temperatura). - Identificar respetivos instrumentos de medição (régua graduada, transferidor, balança, relógio, termómetro). Discriminar a conveniência de medições rigorosas na execução de trabalhos - Identificar a importância das medições rigorosas. - Estabelecer a relação entre a qualidade do instrumento de medida e a previsão do Ao longo do ciclo

18 erro. - Articular com rigor unidades de medida e instrumentos de medição em função das grandezas que se pretendem determinar. Dominar a representação como instrumento de exposição rigorosa - Desenvolver ações orientadas para o registo de informação de modo racional e conciso. - Interpretar e representar informação, com o objetivo de organizar e hierarquizar conteúdos. MOVIMENTO Tipos de movimento Quanto à variação no espaço (trajetória): - Retilíneos; - Curvilíneos. Quanto à variação no tempo (ritmo): - Periódicos; Conhecer diversos tipos de movimentos - Identificar tipos de movimento quanto à sua variação no espaço (trajetória: retilíneos e curvilíneos). - Enumerar tipos de movimento quanto à sua variação no tempo (ritmo: periódicos, uniformes e acelerados). Reconhecer operadores mecânicos de transmissão e de transformação do Ao longo do ciclo

19 - Uniformes; - Acelerados. Produção de movimento: - Fontes de energia; - Mecanismos. Representação do Movimento - Movimento implícito; - Movimento explícito. movimento - Identificar processos de transformação e de transmissão (ex.: movimento de oscilação periódico do pêndulo do relógio no movimento circular dos ponteiros; movimento retilíneo da corda no movimento curvilíneo, pendular do sino). - Representar e desenvolver mecanismos simples, empregando processos de transmissão/conservação de movimento. TRABALHO Relação técnica / materiais Produção e organização Higiene e segurança Dominar a representação esquemática como registo de informação - Desenvolver ações orientadas para a investigação e registo de processos mecânicos. - Desenvolver capacidades de representação morfológica e estrutural Dominar a aquisição de conhecimento prático - Desenvolver ações orientadas para experiências que se transformam numa parte ativa do conhecimento prático. - Distinguir grupos singulares de recursos Ao longo do ciclo

20 e de técnicas de execução. Reconhecer o papel da tecnologia - Identificar o conceito de tecnologia e diferenciá-lo da noção de técnica. - Distinguir contextos históricos de evolução da tecnologia. - Identificar a influência da tecnologia no ambiente natural, humano e construído. Dominar atividades coordenadas e interligadas para a realização de um objetivo - Desenvolver ações orientadas para a procura de novas ideias e respostas para um problema, tendo como objetivo identificar e definir alternativas. - Desenvolver capacidades para a procura da melhor solução, para a apreciação dos prós e dos contras e para a avaliação crítica das soluções alcançadas. Distinguir a linguagem dos processos de

21 utilização, de fabrico e de construção - Identificar as fases necessárias para a organização e planificação de tarefas (espaço de trabalho, preparação de materiais e ferramentas, listas de componentes, etc.). - Compreender a problemática da higiene e da segurança no local de trabalho (noções de higiene e segurança individual e coletiva, riscos gerais e a sua prevenção, papel da organização e limpeza na prevenção de riscos de trabalho, etc.). Compreender processos técnicos de fabrico e de construção - Discriminar ferramentas e máquinas mais indicadas a cada tarefa (nomenclatura, componentes, uso técnico, segurança específica de uso, preparação, conservação e manutenção). - Identificar técnicas de fabrico mais indicadas a cada tarefa (processos de corte, conformação, moldagem e de acabamento). - Identificar e distinguir uniões rígidas de

22 uniões móveis (fixas e desmontáveis). - Relacionar tipos de união com os materiais (ex.: aparafusar peças de madeira difere de aparafusar peças em metal). Dominar a comunicação orientada para a demonstração - Desenvolver ações orientadas para a demonstração de factos e acontecimentos, que enunciam relações de causa e efeito. - Distinguir encadeamentos sequenciais e agregados de ações. AVALIAÇÃO: Ficha de avaliação diagnóstica; Trabalhos práticos; Observação direta e contínua das atividades; Trabalhos de grupo; Ficha de auto-avaliação. (*) Atividades / estratégias de ensino numa perspetiva de Educação para o Desenvolvimento Sustentável e valorização da Açorianidade. Redução, reutilização e reciclagem de objetos (incluindo a morte do objeto) nos projetos a desenvolver. Reflexão sobre as implicações da não utilização das normas de segurança e higiene no trabalho nas vertentes humanas, sociais e económicas. CONTEÚDO TRABALHADO NO ÂMBITO DA SAÚDE ESCOLAR. PREVENÇÃO DE ACIDENTES.

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 6ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno è capaz de: Identificar a influência da textura ou da dimensão na perceção da cor. Distinguir diferenças entre cor

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor; identificar

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 6.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL - 6.º ANO Ano Letivo 2014/2015 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: -Distinguir entre cor e pigmento (síntese aditiva e subtrativa) -Identificar cores primárias e secundarias,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016 DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual / Critérios de avaliação Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/Conteúdos Metas de Aprendizagem Estratégias/

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 Covilhã PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM - A definir em função das características das Turmas e dos interesses dos alunos. COMUNICAÇÃO TEMÁTICOS CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro Escola Básica de Eugénio de Castro Planificação Anual

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro Escola Básica de Eugénio de Castro Planificação Anual Ano Letivo 2015/16 Educação tecnológica- 2º Ciclo 5º Ano Metas Curriculares/de.Identificar o conceito de tecnologia e diferenciá-lo da noção de técnica.. Distinguir contextos históricos de evolução da

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO VISUAL (14) Abril de 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO VISUAL (14) Abril de 2015 Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Algarve Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes - Cód.145464 ESCOLA EB 2.3 PROFESSOR JOSÉ BUÍSEL INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL - 8.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor; identificar

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual

Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS. Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS Educação Visual Escola Básica e Secundária de Velas DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS REGIONAIS COMPETÊNCIAS

Leia mais

Planificação Anual 3º ano

Planificação Anual 3º ano ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA Planificação Anual 3º ano Expressões e Cidadania Página1 Desenho de expressão livre Desenhar no chão do recreio; Desenhar no quadro da sala; Planificação Anual de

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

IMAGINARTE: articulação com as Metas Curriculares

IMAGINARTE: articulação com as Metas Curriculares IMAGINARTE: articulação com as Metas Curriculares Metas Curriculares 5.º ano Imaginarte Domínios Objetivos gerais Descritores de desempenho Unidades/Conteúdos Manual 1. Conhecer materiais riscadores e

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar

Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA BÁRBARA Departamento Pré-Escolar/1º Ciclo 151 956 Departamento da Educação Pré-Escolar/1.º Ciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Pré-Escolar Área

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 5ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 5ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÂO VISUAL 5ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: Distinguir características de vários materiais riscadores (lápis de grafite, lápis de cor, lápis de cera,

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Visual Ano: 5.º Turma: A Ano letivo:

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Visual Ano: 5.º Turma: A Ano letivo: Planificação Anual Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Visual Ano: 5.º Turma: A Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Discurso

Leia mais

Planificação Curricular Pré-escolar

Planificação Curricular Pré-escolar PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ciclo/ Área/ Disciplina: Pré-escolar Ano Letivo 2012/2013 Área de Formação pessoal e Social Esboço Curricular para a Educação de Infância (segundo as Orientações Curriculares

Leia mais

ESCOLA BÁSICA SANTA CLARA. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Educação Visual (5ºAno) 2015-2016

ESCOLA BÁSICA SANTA CLARA. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Educação Visual (5ºAno) 2015-2016 1 1 Não conhece os materiais riscadores e respetivos suportes físicos. Não domina os materiais básicos de desenho técnico. Não domina a aquisição de conhecimento prático. Não compreende a geometria enquanto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares OFERTA COMPLEMENTAR 1º e 2º anos de escolaridade Ano letivo 2015/2016 l -Introdução No presente ano letivo a Oferta Complementar

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 7.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 7.º Ano Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Projeto 1: ILUSTRAR E DECORAR A CAPA INDIVIDUAL DO ESTUDANTE Objetivo Geral: desenhar o teu nome, seguindo as regras do desenho das letras e recorrendo

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 5ºAno PLANIFICAÇÃO ANUAL 1ºPERÍODO

EDUCAÇÃO VISUAL 5ºAno PLANIFICAÇÃO ANUAL 1ºPERÍODO EDUCAÇÃO VISUAL 5ºAno PLANIFICAÇÃO ANUAL 1ºPERÍODO TÉCNICA 1 - Conhecer materiais riscadores e respetivos suportes físicos. 2 - Dominar materiais desenho técnico. 3 - Dominar a aquisição de conhecimento

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 9.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 9.º Ano Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Projeto 1: IDENTIFICAÇÂO DA CAPA INDIVIDUAL Objetivo Geral: Com o recurso de uma foto do aprendente e uma imagem de gosto pessoal através da técnica

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 8.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 8.º Ano Projeto 1: ANIMAÇÂO GRÁFICA DA CAPA Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Objetivo Geral: Reinventar uma foto do aprendente através do desenho e colagem. Deste estudo resultará a ilustração

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 5ºANO

EDUCAÇÃO VISUAL 5ºANO REPRESENTAÇÃO R 5 TECNICA T5 ESCOLA EB 23 LUÍS DE CAMÕES ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 2014/2015 EDUCAÇÃO VISUAL 5ºANO DOMÍNIO Objetivos Gerais METAS CURRICULARES Descritores de desempenho CONTEÚDOS Atividades

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO EANES LOBATO Critérios de Avaliação Educação Pré Escolar Departamento Educação Pré Escolar Ano letivo 2013/2014 A avaliação do processo permite reconhecer a pertinência e sentido

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 2016/ 2017 ANO: 5 º de Escolaridade

EDUCAÇÃO VISUAL 2016/ 2017 ANO: 5 º de Escolaridade EDUCAÇÃO VISUAL 2016/ 2017 ANO: 5 º de Escolaridade ANO: 5º EDUCAÇÃO VISUAL Plano Anual Ano letivo: 2016/2017 DOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO RESULTADOS PRETENDIDOS CONTEÚDOS Técnica

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL de EDUCAÇÃO VISUAL 5ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL de EDUCAÇÃO VISUAL 5ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL de EDUCAÇÃO VISUAL 5ºANO-2015-2016 DOMÍNIOS Representação Discurso Projeto PROCEDIMENTOS Registo, comunicação, esquematização e visualização de simbologias gráficas encadeamento de factos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS Escola Básica 2/3 de Pedrouços Planificação de Português 7. 7ºano de escolaridade Ano letivo 2012/2013 Expressão oral Compreensão oral 1. o Período (+-64 aulas ) ))))))))646464+66666646

Leia mais

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano.

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano. COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Ao longo do ensino básico as competências que o aluno deve adquirir em Artes Visuais articulam-se em três eixos estruturantes fruição - contemplação, produção criação,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO AMGE - Auxiliar de Manutenção e Gestão de Espaços CRITÉRIOS DE Ano Lectivo 2014/15 Coordenador do Curso: José Pedro Moutinho Critérios de Avaliação (14-15) VOCACIONAL C AMGE -

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados segundo o programa em vigor e as Metas Curriculares definidas pelo ministério da Educação e Ciência.* 1º Período 26/28 aulas previstas

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE EDUCAÇÃO VISUAL 5º ANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE EDUCAÇÃO VISUAL 5º ANO Ano lectivo de 2014/15 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE EDUCAÇÃO VISUAL 5º ANO Conhecer materiais riscadores e respetivos suportes físicos. - Distinguir características de vários materiais riscadores (lápis de grafite,

Leia mais

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas

EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 7.ºANO EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - Disciplina semestral 32 aulas previstas CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR 2015/2016 Critérios de Avaliação da Educação Pré-Escolar Página 1 Introdução O princípio consensualmente partilhado de que a avaliação é um elemento integrante e regulador

Leia mais

Competências Gerais a Desenvolver no Pré-Escolar

Competências Gerais a Desenvolver no Pré-Escolar Competências Gerais a Desenvolver no Pré-Escolar ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL SOCIALIZAÇÃO Desenvolver atitudes procedimentos e conceitos Interiorizar valores espirituais morais e críticos Desenvolver

Leia mais

PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE

PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE Disciplina Eixos temáticos (conteúdos) Habilidades prioritárias a serem desenvolvidas pelo educando. Matemática Natureza e Arte Ampliação do vocabulário; Coordenação motora; Linguagem

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ARTÍSTICAS ARTES VISUAIS - GRUPO de RECRUTAMENTO -

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Pesquisa e planejamento. Conceituação. Concepção de produtos de moda voltada para o mercado de acessórios. 2 ATIVIDADES COMPLRES Fase: -x- Carga

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 1º VOLUME ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO Criação de desenhos, pinturas e colagens, com base em seu próprio repertório. Exploração das possibilidades oferecidas por diferentes

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 1 1. Introdução O Plano Anual de Atividades é um documento de planeamento, que define, em função do projeto educativo, os objetivos, as formas de e de programação das

Leia mais

Educação Visual - Cód. 14

Educação Visual - Cód. 14 Agrupamento Vertical de Escolas de Abação Escola EB 2,3 Abação Informação n.º 1 ---------------------------------------------------- Data: 12 de maio de 2014 ----------------------------------------------------

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Educação Pré-Escolar 2014/15 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em cada nível de educação e

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Maria da Graça Valente Disciplina: Ciências Naturais Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Maria da Graça Valente Disciplina: Ciências Naturais Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Maria da Graça Valente Disciplina: Ciências Naturais Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação o Relacionar alimento

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Pré-Escola 4 e 5 anos

Pré-Escola 4 e 5 anos PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC DIÁRIO DE CLASSE Educação Infantil Pré-Escola 4 e 5 anos DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: CRE: ATO DE CRIAÇÃO DIÁRIO OFICIAL / /

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Critérios de Avaliação Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Números e Operações Números naturais Utilizar corretamente os numerais ordinais

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Autorizado pela Resolução UNIV. nº 25, de16 de setembro de 2002. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação em Licenciatura

Leia mais

Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano

Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano Domínios TECNOLOGIA E SOCIEDADE Subdomínios/Sugestões de Exploração Tecnologia e necessidades Humanas: Tecnologia como resposta às necessidades

Leia mais

BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES

BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES 1.º PERÍODO PLANIFICAÇÃO DA ATIVIDADE DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES. Reconhecimento da importância das artes plásticas;. Desenvolvimento progressivo das possibilidades

Leia mais

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia E.E. Frontino Guimarães Sala 5 2ª Sessão Professor(es) Apresentador(es): Meire Pereira de França Roseli Fernandes Euquério Lima Realização: Foco Desenvolvimento da

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA ANEXO II DOMÍNIO: GESTÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Estudex PROJETOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS PARCERIAS CALENDARIZAÇÃO Sala de estudo para o

Leia mais

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Ano Letivo 2015/ 2016 Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Objeto de avaliação O teste tem por referência o programa de Física e Química A para

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016 Competências Gerais Conteúdos programáticos /Temas Objectivos Gerais Aulas Previstas (blocos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

INFORMATIVO 2015 II UNIDADE 3 ano LÍNGUA PORTUGUESA

INFORMATIVO 2015 II UNIDADE 3 ano LÍNGUA PORTUGUESA INFORMATIVO 2015 II UNIDADE 3 ano Com o objetivo de promover avanços no desenvolvimento dos educandos, tendo em vista a aquisição de novos conhecimentos, habilidades e a formação de atitudes e valores

Leia mais

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

1. Desenho artístico e técnico

1. Desenho artístico e técnico 1. Desenho artístico e técnico O desenho artístico possibilita uma ampla liberdade de figuração e apreciável subjetividade na representação. Dois artistas ao tratarem o mesmo tema transmitem, a quem observa

Leia mais

Turma: N. de alunos: Dia de aula: Hora: Sala:

Turma: N. de alunos: Dia de aula: Hora: Sala: 71 17.1. Distinguir os diversos tipos de resíduos. Manual Viva a Terra! 8, páginas 214, 215, 218, 226 e 227. Quais são os tipos de resíduos? Leitura, por um aluno, da informação contida no início da página

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: MÓDULO 3 1 o. Período Letivo 2009 Cristiane Rose Duarte, Joacir Esteves, Luciana Andrade, Maria Ligia Sanches, Paulo Afonso Rheingantz e Vera

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História Critérios específicos de avaliação História Ponto 1 : Informações gerais Os elementos de avaliação serão classificados de forma qualitativa, de acordo com a terminologia que a seguir se indica. A classificação

Leia mais

CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Agrupamento de Vale de Ovil Escola Básica e Secundária do Vale de Ovil Código 345702 CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é qualitativa e contínua com o objectivo de reconhecer

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016 DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual / Critérios de avaliação Disciplina: Matemática 2.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/Conteúdos Metas de Aprendizagem Estratégias/

Leia mais

PRÉ-ESCOLAR. critérios de avaliação 2015/2016

PRÉ-ESCOLAR. critérios de avaliação 2015/2016 PRÉ-ESCOLAR critérios de avaliação 2015/2016 Aprovado em Conselho Pedagógico a 1 de Setembro de 2015 Índice I. Introdução / Enquadramento Normativo. 2 II. Finalidades.. 3 III. Princípios. 4 IV. Processo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 3ºCICLO EDUCAÇÃO VISUAL

Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro 3ºCICLO EDUCAÇÃO VISUAL Agrupamento de Escolas de Aveiro Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro Ano Letivo 20-202 PROGRAMAÇÃO ANUAL 3ºCICLO EDUCAÇÃO VISUAL 2 O Programa da disciplina de Educação Visual é um Programa aberto e flexível.

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL 7ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Laboral - 7ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM: 2.000 exemplares

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova de Exame Nacional de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova 835 2013 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Para: Direção-Geral da Educação Inspeção-Geral da Educação e Ciência Direções Regionais

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec. Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências Humanas e suas tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Perfil do aluno no final do 5.º Ano O aluno canta a solo e em grupo, com intencionalidade expressiva, canções em diferentes tonalidades

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E PERFIL DO ALUNO NA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO VISUAL. 2º Ciclo. (5º e 6º anos)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E PERFIL DO ALUNO NA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO VISUAL. 2º Ciclo. (5º e 6º anos) CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E PERFIL DO ALUNO NA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO VISUAL 2º Ciclo (5º e 6º anos) Ano letivo 2016-2017 Departamento de Expressões Ano Letivo 2016/2017 Critérios de Avaliação

Leia mais

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1 1. Identificação Agrupamento de Escolas Zona Urbana de Viseu Nº de crianças e idades abrangidas: 20 (3 aos 6 anos) Ano letivo: 2012/2013 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 2º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/ RECURSOS ORALIDADE

Leia mais

CRECHE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2012/2013. Telef: 238490000 Fax: 238490003 Av. Cidade da Covilhã Apto. 52 6290-322 Gouveia - www.abpg.

CRECHE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2012/2013. Telef: 238490000 Fax: 238490003 Av. Cidade da Covilhã Apto. 52 6290-322 Gouveia - www.abpg. CRECHE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2012/2013 Unidade 1 Vamos à escola PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2012/2013 Unidade 2 Uma árvore de Natal muito familiar Mês: Outubro/Novembro/Dezembro Objetivos

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016

PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches PLANIFICAÇÃO POR UNIDADE TEMÁTICA MATEMÁTICA 6.º ANO 2015/2016 Tema 1: Números naturais. Potências de expoente

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 2º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

Anexos I. Objetivos para a Educação Pré-Escolar

Anexos I. Objetivos para a Educação Pré-Escolar Anexos I Objetivos para a Educação Pré-Escolar Domínio da Matemática CONHECI MENTO DO MUNDO FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 3 ANOS 1.º PERÍODO Independência/Autonomia Saber o seu nome Conhecer e utilizar o seu

Leia mais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Introdução O objetivo deste trabalho é demonstrar como as artes visuais podem ser trabalhadas com visitas a museus e centros culturais. Apresenta

Leia mais

Cooperativa de Ensino A Colmeia. Projeto Curricular de Escola

Cooperativa de Ensino A Colmeia. Projeto Curricular de Escola Cooperativa de Ensino A Colmeia Projeto Curricular de Escola TRIÉNIO 2010-2013 É preciso que toda a sociedade se consciencialize que ambiente é o conjunto de tudo o que envolve o Homem, incluindo o próprio

Leia mais

Projeto 1 (TG0090) Espaço e Forma1 (TG0091) Geometria Descritiva (TG0093) Desenho de Observação (TG0092) História da Arte e do Design 1 (TG0094)

Projeto 1 (TG0090) Espaço e Forma1 (TG0091) Geometria Descritiva (TG0093) Desenho de Observação (TG0092) História da Arte e do Design 1 (TG0094) 1 (TG0090) problemas. Abordagem do processo do design do fragmento ao conjunto organizado. Investigação, representação e comunicação através do desenho manual. Ambiente humano, dimensões de uso e significado

Leia mais

1.º PERÍODO. n.º de aulas previstas DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS/CONTEÚDOS OBJETIVOS. De 36 a 41

1.º PERÍODO. n.º de aulas previstas DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS/CONTEÚDOS OBJETIVOS. De 36 a 41 DE FÍSICO-QUÍMICA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno é capaz de: o Conhecer e compreender a constituição do Universo, localizando a Terra, e reconhecer o papel da observação e dos instrumentos

Leia mais

COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016

COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016 COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016 LÍNGUA PORTUGUESA Reconhecer o gênero de um texto a partir de seu contexto; Analisar textos de diferentes gêneros;

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Planificação/Critérios de Avaliação Estudo do Meio 2º Ano

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Planificação/Critérios de Avaliação Estudo do Meio 2º Ano Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/ conteúdos Meta de aprendizagem geral Estratégias/ recursos Avaliação: Tempo / Calendarização Instrumentos Ponderação. O passado próximo familiar. O passado mais longínquo

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação Pré Escolar 2014/2015. Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Departamento do Pré Escolar 1

Critérios de Avaliação Educação Pré Escolar 2014/2015. Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Departamento do Pré Escolar 1 Critérios de Avaliação Educação Pré Escolar 2014/2015 Departamento do Pré Escolar 1 Introdução O princípio consensualmente partilhado de que a avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

Planificação Anual da Sala dos 5anos

Planificação Anual da Sala dos 5anos Nome do Aluno: Janine Colaço Reis Planificação Anual da Sala dos 5anos Calendarizaçã o (mês) Áreas de conteúdo/ Conteúdos Curriculares Competências Situações de aprendizagem/ Estratégias Recursos Humanos/

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO Geografia (3º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2013 pelos alunos que se encontram abrangidos

Leia mais

2014/2015 3Ventos. 3Ventos. Curso Vocacional 3º Ciclo Ensino Básico

2014/2015 3Ventos. 3Ventos. Curso Vocacional 3º Ciclo Ensino Básico Curso Vocacional 3º Ciclo Ensino Básico B - Áreas Vocacionais Empregado(a) Comercial Acompanhante de Ação Educativa Operador(a) de Informática C - Matriz curricular Componentes de Formação Cada disciplina

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º Semestre Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico 1º Semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: : 078 Município: Franca Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

Planificação do trabalho a desenvolver no 5.ºA Grelha de conteúdos/aulas previstas

Planificação do trabalho a desenvolver no 5.ºA Grelha de conteúdos/aulas previstas Ano Letivo 2015/2016 Planificação do trabalho a desenvolver no 5.ºA Grelha de conteúdos/aulas previstas Português Período Aulas Previstas Oralidade - Interpretar discursos orais breves. - Utilizar procedimentos

Leia mais

Grupo de Educação Especial

Grupo de Educação Especial Grupo de Educação Especial Critérios Gerais de Avaliação 2015/2016 De acordo com o Despacho normativo n.º 24-A/2012, artigo 8.º (ponto 10): 10 A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais