UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Faculdade de Farmácia Departamento de Tecnologia Farmacêutica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Faculdade de Farmácia Departamento de Tecnologia Farmacêutica"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Faculdade de Farmácia Departamento de Tecnologia Farmacêutica ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS Enzimologia e Tecnologia das Fermentações Tecnologia Enzimática e das Fermentações Profª Drª Yanina Madalena de Arruda Calvette Profª Drª Sorele Batista Fiaux Niterói - RJ 2010

2 Sumário Normas para redação do relatório de aulas práticas das disciplinas MTC04004 e MTC Curva Padrão... 4 Procedimento Prático... 5 Questionário... Erro! Indicador não definido. Curva de Crescimento... 7 Procedimento Prático Curva de Crescimento... 9 Construção da Curva de Crescimento Questionário para discussão dos dados no relatório Questionário para estudos... Erro! Indicador não definido. Exercícios de Fixação... Erro! Indicador não definido. 2

3 3 NORMAS PARA REDAÇÃO DO RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS DAS DISCIPLINAS MTC04004 E MTC00018 A forma para se redigir o relatório deve ser respeitada, uma vez que a avaliação do mesmo é feita de acordo com esta orientação. Assim todo relatório devera conter os seguintes itens: CAPA Devera ter: Nome da UFF. Depto de Tecnologia Farmacêutica Relatório de aulas práticas de Enzimologia e Tecnologia das Fermentações Ou Relatório de Tecnologia Enzimática e das Fermentações Título da aula Nome e turma prática do aluno Data (d/m/a) OBJETIVOS Intenção a ser alcançada com a complementação do grupo de aulas e experimentos realizados INTRODUÇÃO e REVISÃO DE LITERATURA Comentário da aula, incluindo comparativamente os fundamentos da metodologia empregada. Aspectos teóricos e informativos do assunto da aula prática encontrados na literatura. Deve conter informações complementares às da Apostila de Aulas Práticas. Preferencialmente até duas páginas. MATERIAL E MÉTODOS (PROCEDIMENTOS) Descrever os procedimentos executados em aula, inclusive as modificações propostas pelo professor. Identificar o experimento descrito. RESULTADOS Colocar em tabelas os resultados obtidos, gráficos, etc., mostrando o Grupo e a Turma onde os resultados foram obtidos. As tabelas e resultados listados devem referenciar os gráficos construídos a partir dos dados. DISCUSSÃO e CONCLUSÃO Comentar os resultados comparando-os com os da literatura. Comentar quais as conclusões da aula pratica. Ser claro e objetivo nas conclusões. Algumas poucas linhas são suficientes. Esclarecer se os objetivos propostos foram atingidos ou não. Usar as seguintes perguntas para completar este item: BIBLIOGRAFIA CONSULTADA Citar livros, revistas e sites da internet usados para compor o relatório.

4 4 CURVA PADRÃO A razão de ser de um laboratório é produzir resultados confiáveis. O pesquisador ou o analista, no seu dia a dia, preocupa-se em obter resultados que afastem qualquer dúvida razoável com respeito a sua exatidão e que possuam uma precisão adequada para a finalidade a que se destinam. Isto se aplica a qualquer análise, inclusive a da concentração de células. A concentração celular pode ser determinada através de vários e diferentes métodos, escolhidos de acordo com o caso em questão. Um dos métodos mais utilizados para a medida da concentração de células de bactérias e leveduras é o método da turbidimetria associada ao peso seco. A turbidimetria é um método simples de seguir o crescimento e, com os instrumentos finos agora existentes, é provavelmente o processo mais preciso. Esse método é baseado na dispersão da luz ao passar por uma amostra. As células em suspensão absorvem e dispersão a luz que passa através delas, fazendo com que uma cultura pareça turva à observação visual. De fato, a quantidade e luz absorvida e dispersada é proporcional à massa de células no trajeto luminoso; uma célula grande interfere com a luz mais que uma célula pequena. Para as medidas turbidimétricas da massa celular podem ser usados aparelhos sensíveis como um espectrofotômetro ou um fotocolorímetro. A cultura a ser avaliada, porém, deve ter uma densidade capaz de registrar alguma turvação no instrumento, e pode não ser possível a medida de culturas intensamente coradas ou que contêm outros materiais em suspensão, além das células. É preciso mencionar, também, que tanto as células vivas quanto as células mortas contribuem para a turvação. Filtro prisma ou Amostra células contendo Fotocélula mede a luz Registro (unidades) O método da turbidimetria é um método indireto de medida do crescimento celular. A determinação da turbidez (densidade ótica) por si só não é suficiente para que se conheça a concentração da suspensão em análise. É necessário conhecer a relação existente entre a turbidez e a concentração celular. Isso pode ser obtido através de uma curva padrão ou curva de calibração, construída utilizando como parâmetro um método direto de medida de concentração de células. Em geral, associa-se a turbidez ao peso seco de células. Essa curva segue a lei de Lambert-Beer. Alguns analistas julgam que elaborar uma curva de calibração (ou curva padrão) é uma das etapas mais simples de uma análise. No entanto, a exatidão dos resultados repousa na confiabilidade da curva elaborada. Preparação e diluição das soluções padrão e das amostras são geralmente as maiores causas de erros. Durante a calibração podem aparecer: erros sistemáticos (determinados); erros aleatórios (indeterminados); erros devidos ao uso de uma matriz para o padrão diferente da matriz das amostras (erros determinados ou indeterminados). Um ponto freqüentemente discutido é o numero de pontos necessários em uma curva de calibração. Esta dúvida foi resolvida por um par de estatísticos dedicados a problemas analíticos que demonstraram ser desnecessário um número maior que 6 pontos1. Isto porque a faixa de confiabilidade ou invólucro de segurança ao nível de 95% de confiança de uma curva de calibração não diminui de maneira vantajosa para o analista quando este toma mais que seis pontos. No entanto, o alargamento do invólucro de confiança aumenta acentuadamente quando menos de seis pontos são usados para a curva de calibração. 1 Caulcutt, R.; Boddy, R. Statistics for analytical chemists, 1 a edição, Londres: Chapman and Hall; 1983, 253 p.

5 5 PROCEDIMENTO PRÁTICO Objetivos Construir a curva de densidade ótica x peso seco para padronizar um método de dosagem da concentração celular em uma amostra. Executar técnicas de turbidimetria usando fotômetro. Microrganismo Levedura Saccharomyces cerevisiae. Meio de Cultivo Componente (g/l) Açúcar cristal 10,0 Sulfato de amônio 5,0 Fosfato diácido de potássio 1,5 Extrato de lêvedo 5,0 Sulfato de magnésio 7.H 2 O 0,5 Água destilada q.s.p 1000mL ph 6,0 Obtenção da Suspensão de Células Cultivo crescido de 18 a 20 horas em 100mL de meio de cultivo sob agitação a 30 C em estufa microbiológica ou Shaker oscilatório com banho-maria com temperatura controlada. Procedimento Preparo da suspensão-mãe: centrifugar a suspensão (10min à 3.000rpm); lavar as células duas vezes por suspensão em água destilada seguida de centrifugação; ressuspender as células com água destilada, transferir para um balão volumétrico de 100mL e avolumar. Obtenção da concentração celular da suspensão-mãe (método do peso seco): retirar 10mL da suspensão-mãe (em duplicata), transferir para pesa-filtros previamente secos e tarados e secar em estufa a 80 C por 24h. Após 24h, esfriar os pesa-filtros em dessecador e, depois, pesá-los. Obter o peso seco celular por diferença e expressá-los em g/l ou mg/ml. Diluição: transferir alíquotas da suspensão-mãe para balões volumétricos e avolumar com água destilada. Leitura: fazer a leitura em duplicata da densidade óptica de cada diluição utilizando espectrofotômetro a 540nm. Tratamento de Dados 1. Calcular o peso seco da suspensão-mãe de acordo com a equação abaixo e fazer a média aritmética dos pesos secos encontrados para as duas alíquotas da suspensão-mãe (duplicatas): 2. Calcular o peso seco de cada amostra diluída, de acordo com a equação abaixo: 3. Construir uma tabela com os dados de cada diluição obtidos na prática de acordo com o exemplo abaixo:

6 UK 6 Diluição Densidade Óptica A B Média Fator de Diluição Peso Seco (g/l) Construção da Curva Padrão Construir um gráfico os valores do peso seco no eixo X e das densidades ópticas médias no eixo Y, obtendo uma curva DO X PS. Levar em consideração o ponto (0,0). Se o gráfico for feito usando o Microsoft Excel, pedir para adicionar linha de tendência do tipo regressão linear e selecionar as opções definir interseção = 0, exibir equação no gráfico e exibir valor de R-quadrado no gráfico. Caso contrário, calcular manualmente o coeficiente angular da reta (a): a = Δy / Δx, lembrando de definir a interseção na origem. A equação será do tipo: y = a.x onde x = PS, y = DO e a = coeficiente angular da reta; ou seja, a equação será: DO = a.ps logo, PS = DO/a (essa informação será usada na determinação da curva de crescimento). O PS é dado como concentração celular em g/l. PARA PENSAR: Compare os métodos de determinação da concentração celular pelo peso seco e pela leitura da densidade ótica e discuta as aplicações em nível industrial. Considere o tempo de análise e o tipo de microrganismo utilizado, por exemplo. PS (g/l)

7 7 CURVA DE CRESCIMENTO Quando os microrganismos são inoculados em meio adequado e incubados sob condições apropriadas, ocorre um aumento do número de células, em um tempo relativamente curto. Com algumas espécies, a população máxima é atingida dentro de 24 horas, mas outras exigem tempos muito mais longos de incubação para alcançarem o crescimento máximo. O termo crescimento, tal como é comumente aplicado aos microrganismos, refere-se, usualmente, às alterações que ocorrem na cultura e não às alterações de um organismo isolado. Mais freqüentemente, o crescimento denota o aumento do número de microrganismos além do que estava presente no inóculo original. A determinação do crescimento requer, portanto, a medida quantitativa da população celular no momento da inoculação e em intervalos regulares durante a incubação. O tempo necessário para que a massa celular duplique é conhecido como tempo de geração (tg), que não é o mesmo para todos os microrganismos. Da mesma maneira, o tempo de geração varia, para um microrganismo em particular, dependendo das condições ambientais. O tempo de geração, e conseqüentemente o crescimento, depende fortemente dos nutrientes existentes no meio e das condições físicas de incubação. Quando se inocula um meio de cultura com um dado numero de células e se determina a população intermitentemente durante o período de incubação, obtém-se uma curva chamada Curva de Crescimento. Nesta curva observa-se que há um período inicial no qual parece não ocorrer crescimento, seguido por um rápido aumento da população que se nivela posteriormente e declina quanto ao numero de células viáveis. As fases como estão sendo descritas, ocorrem em um cultivo descontínuo ou em batelada. Essas fases são: Fase Lag fase em que a população permanece temporariamente inalterada, em relação ao crescimento. Mas isso não significa que as células estão em repouso; ao contrário, durante essa etapa as células aumentam de tamanho, são fisiologicamente muito ativas e estão sintetizando novas enzimas para se adaptarem ao novo meio e conseguirem utilizar os nutrientes. Ao fim dessa fase, as células se dividem; mas como nem toda célula completa essa etapa simultaneamente, ocorre um aumento gradual da população (aceleração) até o término da fase lag. Fase Exponencial fase em que as células se dividem firmemente e num ritmo constante, onde o numero de células relacionado com o tempo resulta numa curva exponencial. Nas condições dadas, o ritmo de crescimento é máximo nessa fase. Modificando-se as condições o ritmo de crescimento pode se alterar para mais ou para menos. Fase Estacionária fase em que o crescimento tende a diminuir até chegar ao seu fim. Essa tendência se deve à exaustão de nutrientes e, às vezes, ao acúmulo de produtos tóxicos proveniente do metabolismo celular. A população permanece constante durante algum tempo, talvez como resultado da completa cessação do crescimento ou do resultado do equilíbrio entre o ritmo de reprodução e o de morte.

8 8 Fase de Declínio ou de Morte fase em que aumenta o numero de morte das células, em relação ao crescimento. Isso ocorre devido à depleção dos nutrientes essenciais e ao acúmulo de substâncias inibidoras. O crescimento microbiano pode ser mensurado comparando-se a concentração celular de amostras retiradas do cultivo a intervalos regulares. A concentração celular pode ser determinada por diferentes técnicas baseadas num dos seguintes tipos de medidas: Contagem celular contagem direta ao microscópio, por plaqueamento ou em contador eletrônico de partículas. Determinação da massa celular diretamente por pesagem ou indiretamente por turbidimetria ou aferição de constituintes celulares. Avaliação da atividade celular indiretamente pela reação entre o grau de atividade bioquímica e o tamanho da população.

9 9 PROCEDIMENTO PRÁTICO CURVA DE CRESCIMENTO Objetivos Observar o perfil de crescimento de um microrganismo. Executar técnicas de turbidimetria usando fotomêtro. Desenvolver e interpretar uma curva de crescimento Microrganismo A Levedura Saccharomyces cerevisiae Meio de Cultivo Componente (g/l) Açúcar cristal 10,0 Sulfato de amônio 5,0 Fosfato diácido de potássio 1,5 Extrato de lêvedo 5,0 Sulfato de magnésio 7.H 2 O 0,5 Água destilada q.s.p 1000mL ph 6,0 Inóculo Cultivo crescido por 18 a 20 horas em 100mL de meio de cultivo sob agitação a 32 C. Equipamento Balão de fundo chato de 2000mL contendo 1000mL de meio de cultivo estéril, adaptado a um filtro e um compressor de ar, e com tubo de exaustão (saída de ar) e tubo de coleta (retirada de amostras). Procedimento 1. Amostragem: retirar assepticamente aproximadamente 5mL de amostra (em duplicata) pelo tubo de coleta através da obstrução do tubo de exaustão em intervalos regulares de tempo. 2. Centrifugação: marcar o volume de amostra no tubo e centrifugar (10min à 3.000rpm); lavar as células duas vezes por suspensão em água destilada seguida de centrifugação; ressuspender as células com água destilada para o mesmo volume (marcação feita anteriormente). 3. Leitura: fazer a leitura da densidade óptica no Espectrofotômetro utilizando comprimento de onda apropiado para avaliação da absorção de luz pelas células de levedura. 4. Diluição: caso necessário, diluir a amostra em água destilada.

10 10 Tratamento dos Dados Construir uma tabela com os dados de cada amostragem obtidos na prática de acordo com o exemplo abaixo: Hora Coleta (h) Ponto Tempo Cultivo (h) Densidade Óptica A B Média Diluição usada Concentr. X (g/l) Logarítimo de X (ln X) 12: ,22 0,24 0,23 0 0, :00 2 0,5 0,39 0,39 0,39 2x 0,092-2,386 13:30 3 1,0 0,54 0,53 0,535 3x 0,180-1, OBS: os valores usados nesta tabela são apenas ilustrativos, não correspondem a uma situação real. O tempo de cultivo deve ser calculado a partir da hora inicial (inoculação) e da hora de coleta, sendo que os minutos devem ser expressos em frações de horas (5 min = 0,083 h e 10 min = 0,167 h). Se a amostra estiver muita concentrada, se estiver fora da linearidade da curva (ver na curva padrão), a mesma deve ser diluída até que possa ser medida (até estar dentro da linearidade) Lei de Lambert-Beer. Para o cálculo da concentração celular (X) utilizar a equação da reta da curva padrão e a densidade ótica (DO), da seguinte forma: para a curva padrão, tem-se que y = a.x + b, onde: y = densidade óptica (D.O.) x = peso seco (P.S.) dado como concentração celular em g/l a = coeficiente angular da reta b=0, pois a reta passa pela origem Logo, (D.O.) = a.(p.s.) Para saber a concentração celular de cada amostra lida, deve-se aplicar a equação acima descrita aos dados obtidos experimentalmente, onde a D.O. será o lido na prática e o coeficiente angular será o valor obtido na equação da reta da curva padrão. Não esquecer de considerar a diluição, quando for o caso, multiplicar o P.S. obtido na equação acima pela diluição realizada: P.S. da amostra = P.S. calculado x diluição. CONSTRUÇÃO DA CURVA DE CRESCIMENTO Plotar em um gráfico com os valores de concentração celular (X) no eixo y e os tempos de cultivo no eixo x, obtendo uma curva X vs t. Na fase exponencial da curva de crescimento, a equação da reta pode ser descrita como: X = X o.e μt Linearizando essa equação, temos: ln x = ln x o + μ.t (essa regra só é válida na fase exponencial) Plotar uma segunda curva com os valores dos tempos de cultivo no eixo x e os valores do ln X no eixo y ; obtendo uma reta na fase exponencial, da qual o coeficiente angular corresponde à taxa específica de crescimento. Para calcular a velocidade específica de crescimento (μ), usar a equação do coeficiente angular: α = Δy / Δx ; onde α= μ, Δy= Δln X e Δx= Δt ; ou seja: μ = Δln X / Δt. Para saber o tempo de geração, basta usar o valor de μ encontrado na equação correspondente: tg = ln 2 / μ. Construção da Curva de Crescimento Usando o Microsoft ExcelPlotar o gráfico de X vs T (Concentração Celular vs Tempo de Cultivo). Identificar visualmente os pontos que estão na fase exponencial e plotar um outro gráfico apenas com esses pontos. Neste segundo gráfico, pedir para adicionar linha de tendência do tipo regressão exponencial e selecionar as opções, exibir equação no gráfico e exibir valor de R-quadrado no gráfico

11 A equação será do tipo: y = b. e a.x, onde y=x, b=x o, x=t e a=μ; ou seja, a equação será: X = X o. e μt. 11 Orientações para confecção do relatório referente às práticas de Curva Padrão e Curva de Crescimento O relatório deve ser feito em grupo, apresentado impresso na data acordada e deve conter os itens descritos no manual de relatório de aulas práticas QUESTIONÁRIO PARA DISCUSSÃO DOS DADOS NO RELATÓRIO 1. Qual a finalidade de construir uma Curva Padrão de uma espécie microbiana? 2. Justifique a construção das Curvas Padrão e Crescimento em uma indústria que emprega processo fermentativo para obtenção do seu produto final. 3. Explique porque é necessário construir uma Curva Padrão para cada microrganismo e justifique a necessidade de construir diferentes Curvas Padrões para o mesmo microrganismo. 4. A medida da turbidez em qualquer concentração será sempre um dado confiável? Explique. 5. Calcule a concentração celular do inóculo empregado no experimento executado objetivando a coleta de dados usados para construir a Curva de Crescimento? 6. A curva de crescimento resultante do trabalho corresponde a uma curva de crescimento típica, com todas as suas fases? Justifique a sua resposta.

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

Profa Dra Cristina L S Petrarolha Silva. FEA Fundação Educacional de Andradina FISMA-FCCA

Profa Dra Cristina L S Petrarolha Silva. FEA Fundação Educacional de Andradina FISMA-FCCA Disciplina: MICROBIOLOGIA I Aula: Crescimento Bacteriano Profa Dra Cristina L S Petrarolha Silva FEA Fundação Educacional de Andradina FISMA-FCCA 1-Considerações Gerais Crescimento em bactérias: Individual

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela.

FUNÇÕES. 1. Equação. 2. Gráfico. 3. Tabela. FUNÇÕES Em matemática, uma função é dada pela relação entre duas ou mais quantidades. A função de uma variável f(x) relaciona duas quantidades, sendo o valor de f dependente do valor de x. Existem várias

Leia mais

Ajuste de Curvas. Ajuste de Curvas

Ajuste de Curvas. Ajuste de Curvas Ajuste de Curvas 2 AJUSTE DE CURVAS Em matemática e estatística aplicada existem muitas situações em que conhecemos uma tabela de pontos (x; y). Nessa tabela os valores de y são obtidos experimentalmente

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE REDUÇÃO DO AZUL DE METILENO

ESTUDO DA CINÉTICA DE REDUÇÃO DO AZUL DE METILENO ESTUDO DA CINÉTICA DE REDUÇÃO DO AZUL DE METILENO Glauber Silva Godoi Aula 15 META Desenvolver no aluno a capacidade de extrair informações a partir de ensaios em espectrofotômetro. OBJETIVOS Ao fi nal

Leia mais

Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201

Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201 Universidade de São Paulo Instituto de Química Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201 Larissa Ciccotti São Paulo 2010 A disciplina Química das Águas (QFL 3201) contou com cinco aulas

Leia mais

Faculdades Anhanguera

Faculdades Anhanguera 2º Aula de Física 2.1 Posição A posição de uma partícula sobre um eixo x localiza a partícula em relação á origem, ou ponto zero do eixo. A posição é positiva ou negativa, dependendo do lado da origem

Leia mais

NÁLISE FRMCOPÊIC ENSIOS DE POTÊNCI MÉTODOS INSTRUMENTIS Profa. Ms. Priscila Torres Métodos Quantitativos Instrumentais - São mais sensíveis; - Requerem quantidades menores de amostras; - São mais seletivos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de Amido e Carboidratos Totais em Produtos de Origem Animal por Espectrofotometria UV/Vis

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de Amido e Carboidratos Totais em Produtos de Origem Animal por Espectrofotometria UV/Vis Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Camila Cheker Brandão RQ Substituta Análise crítica: Rosana Aparecida de Freitas RQ Aprovação: Zelita de Oliveira Lopes Brasil RT 1. Objetivo Descrever

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

BIORREATORES E PROCESSOS FERMENTATIVOS

BIORREATORES E PROCESSOS FERMENTATIVOS BIORREATORES E PROCESSOS FERMENTATIVOS BIORREATORES BIORREATORES OU REATORES BIOQUÍMICOS OU REATORES BIOLÓGICOS: GRUPO 1. REATORES ENZIMÁTICOS: ONDE AS REAÇÕES OCORREM NA AUSÊNCIA DE CÉLULAS (REATORES

Leia mais

Universidade Federal do Pará Centro de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Física Laboratório Básico I

Universidade Federal do Pará Centro de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Física Laboratório Básico I Universidade Federal do Pará Centro de Ciências Exatas e Naturais Departamento de Física Laboratório Básico I Experiência 02 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS E PÊNDULO SIMPLES 1. OBJETIVOS Ao término das atividades

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Espectrofotometria Pro r fe f ssor H elber Barc r ellos

Espectrofotometria Pro r fe f ssor H elber Barc r ellos Espectrofotometria Professor Helber Barcellos Espectrofotometria A Espectrofotometria é um processo de medida que emprega as propriedades dos átomos e moléculas de absorver e/ou emitir energia eletromagnética

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:26. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:26. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor em Física pela Universidade udwig Maximilian de Munique, Alemanha Universidade Federal da

Leia mais

Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais.

Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais. 7aula Janeiro de 2012 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS I: Papel Milimetrado Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais. 7.1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI MODELO PARA REDAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA DISCIPLINA: MÉTODO DE PESQUISA QUANTITATIVA PROFA. Dra. MARINA BANDEIRA, Ph.D. MARÇO 2014 1 MODELO PARA REDAÇÃO DOS TRABALHOS

Leia mais

Normas Adotadas no Laboratório de Microbiologia

Normas Adotadas no Laboratório de Microbiologia Normas Adotadas no Laboratório de Microbiologia As aulas práticas de microbiologia têm como objetivo ensinar ao estudante os princípios e os métodos utilizados em um laboratório de microbiologia. Nessas

Leia mais

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY )

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY ) ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO EXPEDITO ( SPEEDY ) DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...4 5. APARELHAGEM E MATERIAL...4

Leia mais

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE)

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) Jéssica

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO ZINCO Ε COBRE EM FERTILIZANTES POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA*

DETERMINAÇÃO DO ZINCO Ε COBRE EM FERTILIZANTES POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA* DETERMINAÇÃO DO ZINCO Ε COBRE EM FERTILIZANTES POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA* J. C. ALCARDE** C. O. PONCHIO*** RESUMO O presente trabalho descreve os estudos efetuados sobre alguns aspectos

Leia mais

ESTATÍSTICA. Prof. Ari Antonio, Me. Ciências Econômicas. Unemat Sinop 2012

ESTATÍSTICA. Prof. Ari Antonio, Me. Ciências Econômicas. Unemat Sinop 2012 ESTATÍSTICA Prof. Ari Antonio, Me Ciências Econômicas Unemat Sinop 2012 1. Introdução Concepções de Estatística: 1. Estatísticas qualquer coleção consistente de dados numéricos reunidos a fim de fornecer

Leia mais

Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência

Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência Por: George Schlesinger Existem diversos tipos de gráficos: linhas, barras, pizzas etc. Estudaremos aqui os gráficos

Leia mais

3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores. Guia de. Interpretação

3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores. Guia de. Interpretação 3M TM TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores Guia de Interpretação 3M TM TM Placa para Contagem de Leveduras e Bolores Este guia apresenta resultados das placas 3M para Contagem de Leveduras e Bolores.

Leia mais

4 Metodologia Experimental: Materiais e Métodos

4 Metodologia Experimental: Materiais e Métodos 4 Metodologia Experimental: Materiais e Métodos 4.1. Compostos húmicos As três substâncias húmicas avaliadas no presente trabalho e identificadas como HMC-1, HMC-2 e HMC-3, foram sintetizadas pela companhia

Leia mais

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios - Comentada VALOR: 13,0 NOTA:

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios - Comentada VALOR: 13,0 NOTA: NOME: Nº 2 o ano do Ensino Médio TURMA: Data: 11/ 12/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio L. de Freitas ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios - Comentada VALOR: 13,0 NOTA: INSTRUÇÕES (Leia

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICAS DE PROCESSOS BIOQUÍMICOS

MANUAL DE PRÁTICAS DE PROCESSOS BIOQUÍMICOS Universidade do Estado do Rio de Janeiro FACULDADE DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E AMBIENTAL PROCESSOS BIOQUÍMICOS MANUAL DE PRÁTICAS DE PROCESSOS BIOQUÍMICOS APOSTILA DAS

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA PARA SALA DE AULA: UMA EXPERIÊNCIA COM PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO. Kécio Gonçalves Leite 1

MODELAGEM MATEMÁTICA PARA SALA DE AULA: UMA EXPERIÊNCIA COM PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO. Kécio Gonçalves Leite 1 MODELAGEM MATEMÁTICA PARA SALA DE AULA: UMA EXPERIÊNCIA COM PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO Kécio Gonçalves Leite 1 RESUMO: Trata-se do relato de uma experiência vivenciada junto a professores da rede estadual

Leia mais

Fisiologia e Crescimento Bacteriano

Fisiologia e Crescimento Bacteriano UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Fisiologia e Crescimento Bacteriano Disciplina: Biologia de Microrganismos Professora: Alessandra Machado

Leia mais

DOCENTES: Prof. Ana Barbosa

DOCENTES: Prof. Ana Barbosa DOCENTES: TEÓRICA 9 DOCENTES: Prof. Helena Galvão Prof. David Montagnes (responsável componente University teórico) of Liverpool, U.K. Prof. Ana Barbosa (componente prático) Profª Helena Galvão F.C.M.A.,

Leia mais

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo Experimento 10: Fermentação Docente Sala (lab) Grupo 1 Experimento 10: Fermentação Introdução A glicose é uma importante molécula utilizada no metabolismo de diversos organismos para gerar energia. Em

Leia mais

Físico-Química Experimental II Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental II Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental II Bacharelado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 12 Introdução a Polarimetria. Lei de Biot. 1) Objetivos da aula Introdução a polarimetria. Determinação

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

Espectrofotometria Molecular UV-VIS

Espectrofotometria Molecular UV-VIS Controlo Controlo da Qualidade Qualidade e Segurança e Segurança Química Alimentar dos Alimentos II Espectrofotometria Molecular UV-VIS 1 Controlo Controlo da Qualidade Qualidade e Segurança e Segurança

Leia mais

Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos

Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos IT 508 - Cartografia Temática Representação cartográfica: Métodos de mapeamento para fenômenos qualitativos e quantitativos Profa.. Juliana Moulin Segundo os métodos padronizados, conforme o uso das variáveis

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

Soluções I e II. Soluções I e II Monitor: Gabriel dos Passos 28 e 29/05/2014. Material de apoio para Monitoria. 1. O que é uma solução?

Soluções I e II. Soluções I e II Monitor: Gabriel dos Passos 28 e 29/05/2014. Material de apoio para Monitoria. 1. O que é uma solução? 1. O que é uma solução? 2. Como podemos classificar as soluções? 3. O que você entende por concentração comum? 4. O que você entende por molaridade? 5. O que você entende por título percentual? 6. O que

Leia mais

Guia do professor. Introdução

Guia do professor. Introdução Guia do professor Introdução Um dos objetivos comuns ao ensino de química e de física é a caracterização da matéria a partir de suas propriedades. Uma substância pode ser definida como uma porção de matéria

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES

DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULA 4 PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES CAETANA CARVALHO, PAULO SANTOS 2006 1 INTRODUÇÃO As

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Análise de água. NANOCOLOR Verificação automática de turbidez para testes em tubo. Maior segurança para seus resultado MACHEREY-NAGEL. www.mn-net.

Análise de água. NANOCOLOR Verificação automática de turbidez para testes em tubo. Maior segurança para seus resultado MACHEREY-NAGEL. www.mn-net. Análise de água NANOCOLOR Verificação automática de turbidez para testes em tubo Maior segurança para seus resultado MACHEREY-NAGEL Medidas de turbidez de acordo com a ISO 7027 O que é turbidez? A turbidez

Leia mais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais 4.1. Confecção de um Relatório 4.1.1. Organização do relatório Um relatório é uma descrição detalhada, clara e objetiva de

Leia mais

1. Um corpo arremessado tem sua trajetória representada pelo gráfico de uma parábola, conforme a figura a seguir.

1. Um corpo arremessado tem sua trajetória representada pelo gráfico de uma parábola, conforme a figura a seguir. 1. Um corpo arremessado tem sua trajetória representada pelo gráfico de uma parábola, conforme a figura a seguir. Nessa trajetória, a altura máxima, em metros, atingida pelo corpo foi de a) 0,52m. b) 0,64m.

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA CAPÍTULO 1. Prof. Carlos R. A. Lima INTRODUÇÃO AO CURSO E TEORIA DA RELATIVIDADE ESPECIAL

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA CAPÍTULO 1. Prof. Carlos R. A. Lima INTRODUÇÃO AO CURSO E TEORIA DA RELATIVIDADE ESPECIAL NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO AO CURSO E TEORIA DA RELATIVIDADE ESPECIAL Edição de junho de 2014 2 CAPÍTULO 1 TEORIA DA RELATIVIDADE ESPECIAL ÍNDICE 1.1-

Leia mais

Densímetro de posto de gasolina

Densímetro de posto de gasolina Densímetro de posto de gasolina Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia Tema Materiais: propriedades Conteúdos Densidade, misturas homogêneas e empuxo Usos / objetivos Introdução ou aprofundamento do

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Nutrição Curso de Nutrição MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS

Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Nutrição Curso de Nutrição MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS Universidade Federal de Juiz de Fora 0 MANUAL DE RELATÓRIO DE AULAS PRÁTICAS Professores: Renato Moreira Nunes Cristiane Gonçalves de Oliveira Fialho Paulo Henrique Fonseca da Silva Renata Maria Souza

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores Departamento de Física - IE - UFJF As tarefas desta prática têm valor de prova! Leia além deste roteiro também os comentários sobre elaboração de gráficos e principalmente sobre determinação de inclinações

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

BC1707 BC1707 Métodos Experimentais em Engenharia Métodos Experimentais Material do curso Roteiro

BC1707 BC1707 Métodos Experimentais em Engenharia Métodos Experimentais Material do curso Roteiro Material do curso O curso é composto de 5 experimentos com respectivos projetos. Cada experimento é descrito em seu Roteiro. O site da disciplina i : https://sites.google.com/site/ufabcmeebc1707/ conterá:

Leia mais

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DO LEITE CRU ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS PED C: Débora Parra Baptista

Leia mais

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA:

NOME: Nº. ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: NOME: Nº 1 o ano do Ensino Médio TURMA: Data: 11/ 12/ 12 DISCIPLINA: Física PROF. : Petrônio L. de Freitas ASSUNTO: Recuperação Final - 1a.lista de exercícios VALOR: 13,0 NOTA: INSTRUÇÕES (Leia com atenção!)

Leia mais

Gráficos. Incluindo gráficos

Gráficos. Incluindo gráficos Gráficos Mas antes de começar, você precisa ter em mente três conceitos importantes que constituem os gráficos do Excel 2007. O primeiro deles é o ponto de dados. Este elemento é representado pela combinação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Bioquímica, aula prática, efeito do ph, hidroxiapatita.

PALAVRAS-CHAVE Bioquímica, aula prática, efeito do ph, hidroxiapatita. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS

EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS 1 UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química EXPERIÊNCIA 06: DETERMINAÇÃO DA MASSA MOLAR DE UM GÁS 1. Comportamento dos gases Ao se examinar o comportamento experimental

Leia mais

Cálculo de potência; Limites de confiança; Análise estatística (ANOVA).

Cálculo de potência; Limites de confiança; Análise estatística (ANOVA). CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO UNIFRA CURSO DE FARMÁCIA CONTROLE BIOLÓGICO DA QUALIDADE DE MEDICAMENTOS DELINEAMENTO: 3 x 3 3 doses do padrão Prof. Marcos R. dos Santos P2 A1 A3 A2 P1 A = amostra P=

Leia mais

Lista de Exercícios 1 - Estatística Descritiva

Lista de Exercícios 1 - Estatística Descritiva 1. O arquivo satisfaçãocomuniversidade.xlsx contém informações de uma amostra de 400 alunos de uma universidade. Deseja-se construir um histograma para a variável desempenho acadêmico, com intervalos de

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

ENSINO LIGAÇÕES OBJECTIVOS CURRICULUM NACIONAL

ENSINO LIGAÇÕES OBJECTIVOS CURRICULUM NACIONAL O Capítulo 1.2, Micróbios Inofensivos, destaca os benefícios de alguns micróbios examinando diversos meios e métodos para podermos utilizá-los em nosso benefício. Através da actividade fabricar iogurte,

Leia mais

Objectivos pedagógicos

Objectivos pedagógicos Programa de Ciências da Natureza 6º Ano Tema: Ambiente de Vida Capítulo II- Agressões do meio e integridade do organismo 1) Os Micróbios O capítulo 1.2, Micróbios Inofensivos, chama a atenção para o facto

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria

Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria. 2 Fundamentos O principal objetivo

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 06

FÍSICA. Questões de 01 a 06 FIS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 06 01. Um estudante de Física executou um experimento de Mecânica, colocando um bloco de massa m = 2kg sobre um plano homogêneo de inclinação regulável, conforme a figura

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE PREVISÃO DE DEMANDAS BASEADAS EM SÉRIES TEMPORAIS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOCICLETAS (ESTUDO DE CASO)

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE PREVISÃO DE DEMANDAS BASEADAS EM SÉRIES TEMPORAIS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOCICLETAS (ESTUDO DE CASO) XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE PREVISÃO DE DEMANDAS BASEADAS EM SÉRIES TEMPORAIS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOCICLETAS (ESTUDO DE CASO) Carlos Eduardo de Carvalho

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Considerações Iniciais É impossível saber, antes de amostrar, de que maneira os valores das variáveis irão se comportar: se dependente ou independente uma da outra. Devido as limitações da estatística

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

BIG 048 -Ecologia Geral Engenharia Ambiental. Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Departamento de Biologia Geral ICB - UFMG

BIG 048 -Ecologia Geral Engenharia Ambiental. Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Departamento de Biologia Geral ICB - UFMG BIG 048 -Ecologia Geral Engenharia Ambiental Aula - 5 Ambiente Energético (Parte II) Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Departamento de Biologia Geral ICB - UFMG Curso Ciências Biológicas Ecologia Energética

Leia mais

Variabilidade do processo

Variabilidade do processo Variabilidade do processo Em todo processo é natural encontrar certa quantidade de variabilidade. Processo sob controle estatístico: variabilidade natural por causas aleatórias Processo fora de controle:

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROCESSOS QUÍMICOS TECNOLÓGICOS Ângela de Mello Ferreira Belo Horizonte 2013 Prática 02 Processo de coagulação e floculação

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução Astroquímica Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Alunos: Víctor de Souza Bonfim Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. 1. Introdução Nossas discussões desta aula procuram

Leia mais

3 Previsão da demanda

3 Previsão da demanda 42 3 Previsão da demanda Este capítulo estuda o processo de previsão da demanda através de métodos quantitativos, assim como estuda algumas medidas de erro de previsão. Num processo de previsão de demanda,

Leia mais

Os gráficos estão na vida

Os gráficos estão na vida Os gráficos estão na vida A UUL AL A Nas Aulas 8, 9 e 28 deste curso você já se familiarizou com o estudo de gráficos. A Aula 8 introduziu essa importante ferramenta da Matemática. A Aula 9 foi dedicada

Leia mais

a) Um dos fatores que explicam esse fenômeno é a diferença da velocidade da água nos dois rios, cerca de vn

a) Um dos fatores que explicam esse fenômeno é a diferença da velocidade da água nos dois rios, cerca de vn 1. (Unicamp 014) Correr uma maratona requer preparo físico e determinação. A uma pessoa comum se recomenda, para o treino de um dia, repetir 8 vezes a seguinte sequência: correr a distância de 1 km à velocidade

Leia mais

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no Capítulo 3 Procedimento Experimental. CAPÍTULO 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Resíduo 3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no O primeiro passo foi à preparação das soluções necessárias

Leia mais

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms O uso da Calculadora Científica (Casio fx) fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms Prof. Ms. Renato Francisco Merli 2013 1 Sumário 1. Antes de Começar... 2 2. Cálculos Básicos... 8 3. Cálculos

Leia mais

C O L O R I M E T R I A

C O L O R I M E T R I A C O L O R I M E T R I A FUNDAMENTOS DA COLORIMETRIA Coleta da amostra Preparação da amostra Procedimento de teste O teste Amostra na cubeta Reagentes adicionados Período de espera Branco da amostra Leitura

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVA

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVA PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 19/10/2014 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVA 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

EXTINÇÃO 1 PUC-SP. Keller e Schoenfeld (1968), por exemplo, referem-se à extinção da seguinte maneira:

EXTINÇÃO 1 PUC-SP. Keller e Schoenfeld (1968), por exemplo, referem-se à extinção da seguinte maneira: EXTINÇÃO 1 MARIA AMALIA ANDERY E TEREZA MARIA SÉRIO PUC-SP Quando falamos em comportamento operante estamos falando de uma relação entre uma classe de respostas, as conseqüências por ela produzidas e as

Leia mais

GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974

GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974 GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974 CONSIDERAÇÕES GERAIS O objetivo deste documento é informar a estrutura e a informação esperadas num texto de Trabalho de Graduação. O conteúdo do texto deverá ser

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - IFSC CURSO DE XXXX - XXX NOME

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - IFSC CURSO DE XXXX - XXX NOME 0 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - IFSC CURSO DE XXXX - XXX NOME Nome do (s) autor (s). Se tiver mais de um autor, inserir os nomes em ordem alfabética. NBR 10719: apresentação de relatórios técnico-científicos

Leia mais

PRODUTIVIDADE NA SALA DE AULA

PRODUTIVIDADE NA SALA DE AULA PRODUTIVIDADE NA SALA DE AULA Este é apenas um modelo de projeto feito nos Estados Unidos que pode ser adaptado através de sites do IBGE. Modelo de aula baseado no censo americano. Levantamento dos Dados

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG 29 a 31 de outubro de 2014 Local: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Leia mais

Determine, em graus kelvins, o módulo da variação entre a maior e a menor temperatura da escala apresentada.

Determine, em graus kelvins, o módulo da variação entre a maior e a menor temperatura da escala apresentada. TERMOMETRIA ESCALAS TERMOMÉTRICAS 1. (Uerj 2015) No mapa abaixo, está representada a variação média da temperatura dos oceanos em um determinado mês do ano. Ao lado, encontra-se a escala, em graus Celsius,

Leia mais

Aula 4 O PROJETO DE PESQUISA. Gláucia da Conceição Lima Glauber Santana de Sousa

Aula 4 O PROJETO DE PESQUISA. Gláucia da Conceição Lima Glauber Santana de Sousa Aula 4 O PROJETO DE PESQUISA META Apresentar as etapas de elaboração de um projeto de pesquisa. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: defi nir projeto de pesquisa; identifi car a importância da

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA EQUAÇÃO DE ARRHENIUS

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA EQUAÇÃO DE ARRHENIUS CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA EQUAÇÃO DE ARRHENIUS A DEPENDÊNCIA DA VELOCIDADE DE REAÇÃO COM A TEMPERATURA A velocidade da maioria das reações químicas aumenta à medida que a temperatura também aumenta.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO TRILHO DE AR

EXPERIÊNCIAS NO TRILHO DE AR EXPERIÊNCIAS NO TRILHO DE AR 4 META Estudar o movimento de um corpo sob a ação de uma força conhecida e estudar e classificar os diferentes tipos de colisões unidimensionais. OBJETIVOS Ao final desta aula,

Leia mais

NO ESTUDO DE FUNÇÕES

NO ESTUDO DE FUNÇÕES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SEMANA DA MATEMÁTICA 2014 UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES GRÁFICOS NO ESTUDO DE FUNÇÕES PIBID MATEMÁTICA 2009 CURITIBA

Leia mais