DIREÇÃO ADMINISTRATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREÇÃO ADMINISTRATIVA"

Transcrição

1 Prof. Jairo Molina Gestão em Petróleo e Gás

2 2 DIREÇÃO ADMINISTRATIVA Para que a Empresa funcione adequadamente ela precisa ser dirigida. Em outros termos, ela precisa ser governada e orientada para os objetivos pretendidos. Sem a Direção, a Empresa fica à deriva, sem rumo certo. A Direção relaciona-se diretamente com a maneira pela qual o objetivo deve ser alcançado através das atividades que devem ser realizadas. Estabelecidos os objetivos, definido o Planejamento, Organizados os trabalhos, cabe à Direção fazer executar as coisas. Todo trabalho deve ser dirigido para o alcance dos objetivos. Se as pessoas que trabalham numa empresa não conhecem os objetivos que elas devem alcançar, os seus esforços serão feitos ao acaso. A Administração se baseia no trabalho de muitas pessoas em conjunto

3 e torna-se necessário orientar o comportamento dessas várias pessoas, integrá-las e dirigi-las rumo aos objetivos empresariais. 3 CONCEITO E CARACTERÍSTICAS A Direção constitui a terceira etapa do processo administrativo, depois do Planejamento e da Organização. Enquanto o Planejamento e a Organização são etapas anteriores à execução dos trabalhos, a Direção é a etapa concomitante ou simultânea a ela. Direção é a função administrativa que conduz e coordena o pessoal na execução das atividades planejadas e organizadas. Significa orientar e coordenar os trabalhos dos subordinados. No fundo, dirigir significa interpretar os objetivos e os planos para os outros e dar as instruções de como executá-los. Trata-se de atuar diretamente sobre pessoas para conseguir que executem as suas atividades. PLANEJAMENTO ORGANIZAÇÃO DIREÇÃO CONTROLE EXECUÇÃO ANTES DURANTE DEPOIS A importância da Direção está em que nada adianta um bom Planejamento e uma boa Organização, se as pessoas trabalham sem uma orientação coordenação adequadas. Daí, a Direção ser considerada a mais importante das funções administrativas, a essência do trabalho do bom Administrador. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DIREÇÃO

4 4 A Direção deve basear-se em quatro princípios básicos, a saber: a) PRINCÍPIO DA UNIDADE DE COMANDO Cada subordinado deve subordinar-se a um e apenas um superior. A recíproca deste princípio é a de que deve haver uma autoridade única sobre cada pessoa na Empresa, para evitar a duplicidade de ordens. b) PRINCÍPIO DA DELEGAÇÃO É preciso que todas as atividades necessárias à realização dos objetivos empresariais sejam delegadas a um nível que possa executá-las adequadamente. A delegação significa a designação de tarefas, a transferência de autoridade e a exigência de responsabilidade pela execução daquelas tarefas. c) PRINCÍPIO DA AMPLITUDE DE CONTROLE Também chamado Princípio de Âmbito de Controle, refere-se ao número ideal de subordinado que cada chefe pode supervisionar diretamente. Seu enunciado é o seguinte: Cada Chefe deve ter um número adequado de subordinados para poder supervisioná-los adequadamente. d) PRINCÍPIO DA COORDENAÇÃO Também chamado Princípio das Relações Funcionais. Diz ele: Todas as atividades devem ser coordenadas e integradas tendo em vista um objetivo comum.. MEIOS DE DIREÇÃO

5 Para dirigir os subordinados, a Administrador - em qualquer nível que esteja situado - deve dar ordens ou instruções, comunicar, motivar, liderar e coordenar. Por isso, falaremos de ordens ou instruções, de comunicação, de motivação, de liderança e de coordenação, que são os principais meios de Direção. O talento do bom Administrador reside em saber utilizar todos esses meios de Direção. MEIOS DE DIREÇÃO 5 INSTRUÇÕES E ORDENS COMUNICA ÇÃO MOTIVAÇÃO LIDERANÇA COORDE NAÇÃO Vejamos cada um dos meios de Direção à disposição do Administrador: INSTRUÇÕES E ORDENS Para dirigir os subordinados, o Administrador deve dar ordens ou instruções, para que estes saibam o que devem fazer e quando fazer. Tanto a ordem quanto a instrução servem para fazer iniciar, modificar e cessar uma tarefa ou atividade. Porém, a ordem se refere ao que fazer e quando, enquanto a instrução se refere ao como fazer alguma tarefa ou atividade. Enquanto a ordem é um imperativo de fazer algo, a instrução é uma orientação sobre a maneira de fazer algo. Quanto a sua AMPLITUDE, as ordens podem ser GERAIS e ESPECÍFICAS. ORDENS GERAIS - são aquelas destinadas as pessoas da Empresa, indistintamente. Ex.: marcação do ponto, horários, crachás, etc.

6 6 ORDENS ESPECÍFICAS - são aquelas destinadas a determinadas pessoas. Ex.: relatório sobre o veículo (motorista), etc. Quanto à FORMA pela qual são transmitidas, as ordens podem ser VERBAIS (ORAIS) ou ESCRITAS, ORDENS VERBAIS - são aquelas transmitidas de viva voz. ORDENS ESCRITAS - são aquelas transmitidas por escrito, através de alguma correspondência ou documento. COMUNICAÇÃO A Comunicação na empresa representa um dos maiores desafios para o Administrador. Para algumas empresas, a Comunicação representa o recurso mais importante no alcance dos objetivos. COMUNICAÇÃO é o processo de transmissão de informação e compreensão de uma pessoa para outra. Toda comunicação envolve sempre duas ou mais pessoas, pois é um processo de interação de pessoas. A comunicação realiza uma ponte de significados entre duas ou mais pessoas. Assim, comunicar não é somente transmitir uma mensagem. É sobretudo, fazer com que a mensagem seja compreendida pela outra pessoa. Se não houver essa compreensão do significado, não há comunicação. Se uma pessoa transmitir uma mensagem e esta não for compreendida pela outra pessoa, a comunicação não se efetiva. Como a comunicação é um processo de transmissão e compreensão de uma pessoa para a outra, existem cinco etapas que ela deve percorrer: A) EMISSOR : é a pessoa que pretende comunicar uma mensagem.

7 7 B) TRANSMISSOR : é a etapa que codifica a mensagem. Ex.: a voz humana em língua portuguesa, o telefone da pessoa que está comunicando a mensagem, etc. C) CANAL : é o espaço situado entre o emissor e o destinatário. Ex.: a sala onde as duas pessoas se encontram, a central telefônica etc. D) RECEPTOR : é a etapa que decodifica a mensagem. Ex.: o ouvido da outra pessoa, o telefone da pessoa que recebe a mensagem, etc. E) DESTINATÁRIO : é a pessoa a quem a mensagem é destinada. Contudo, a Comunicação geralmente sofre ruídos e interferências. Ruídos é uma perturbação em qualquer uma das etapas do processo acima, que pode provocar perdas ou desvios na mensagem. Ex.: o emissor fala mal a língua portuguesa ou tem problema de prolação, o telefone apresenta linhas cruzadas, etc. Interferência é uma perturbação externa que interfere no processo, provocando distorções ou distúrbios. Ex.: muito barulho devido à presença de outras pessoas, intempéries ou trovoadas que interferem no sistema telefônico. Isto significa que nem sempre aquilo que o emissor pretende comunicar é exatamente aquilo que o destinatário interpreta e compreende. E é este o desafio das comunicações nas nossas empresas. Além dos desvios, distorções e perdas, a que nos referimos, as comunicações podem sofrer acréscimos, como é o caso do boato. EMISSOR TRANS MISSOR CANAL RECEP TOR DESTINO RUÍDO

8 8 Quanto ao TIPO, a comunicação pode ser: A) FORMAL - é a comunicação endereçada através dos canais de comunicação existentes no organograma da empresa. A mensagem é transmitida e recebida dentro dos canais de comunicação formalmente estabelecidos pela empresa na sua estrutura organizacional. É basicamente a comunicação veiculada pela estrutura formal da empresa. Quase toda a comunicação formal é feita por escrito e devidamente documentada através de correspondência ou formulários. B) INFORMAL - é a comunicação desenvolvida espontaneamente através da estrutura informal da empresa e fora dos canais de comunicação estabelecidos pelo organograma da empresa. Geralmente, a comunicação informal veicula mensagens que podem ou não ser referentes às atividades da empresa. As comunicações formais fluem dentro da empresa através dos seguintes canais de comunicação: 1- CANAIS VERTICAIS - podem ser descendentes(de cima para baixo) e se referem à comunicação entre o superior e subordinados, veiculando ordens ou instruções. Podem ser ascendentes (de baixo para cima) e se referem à comunicação entre o subordinado e o superior, veiculando informações a respeito do trabalho executado. 2- CANAIS HORIZONTAIS - referem-se às comunicações laterais entre dois órgãos (dois departamentos ou duas seções, por exemplo) ou dois cargos (dois gerentes ou dois auxiliares administrativos) no mesmo nível hierárquico. EXEMPLO DE BOA COMUNICAÇÃO NAS EMPRESAS O PRESIDENTE DIZ AO GERENTE:

9 Na próxima 6ª feira, às 17:00hs, o cometa Halley estará nesta área. Trata-se de um evento que ocorre somente a cada 78 anos. Assim, por favor, reúnam os funcionários no pátio da fábrica, todos de capacete de segurança, quando explicarei o fenômeno a eles. Se estiver chovendo, não poderemos ver o espetáculo a olho nú. Nesse caso, todos deverão ir para o refeitório, onde será exibido um documentário sobre o cometa. O GERENTE FALA PARA O SUPERVISOR: Por ordem do Presidente, na 6ª feira, às 17:00hs, o cometa Halley vai aparecer sobre a fábrica. Se chover, por favor, reúnam os funcionários, todos de capacete de segurança, e os encaminhem ao refeitório, onde o fenômeno terá lugar, o que acontece a cada 78 anos a olho nú. O SUPERVISOR PARA O CHEFE DE PRODUÇÃO: A convite do nosso querido Presidente, o cientista Halley, de 78 anos, vai aparecer nú e usando capacete no refeitório da fábrica, na 6ª feira, às 17:00hs, pois vai ser apresentado um filme sobre o problema da chuva na segurança. O Presidente levará a demonstração para p pátio. O CHEFE DE PRODUÇÃO FALA PARA O MESTRE: Na 6ª feira, às 17:00hs, o Presidente, pela primeira vez em 78 anos, vai aparecer no refeitório da fábrica para filmar o Halley nú, o cientista famoso e sua equipe. Todo mundo deve estar lá de capacete, pois será apresentado um show sobre a segurança na chuva. O Presidente levará a banda para o pátio da fábrica.. FINALMENTE, O MESTRE DIZ PARA OS FUNCIONÁRIOS: Todo mundo nú, sem exceção, deve estar com os seguranças no pátio na próxima 6ª feira, às 17:00hs, pois o manda-chuva (o Presidente) e o Sr. Halley, guitarrista famoso, estarão lá para mostrar o raro filme Dançando na Chuva. Caso comece a chover mesmo, é para ir para o refeitório de capacete. O show será lá, o que ocorre a cada 78 anos. AVISO A TODOS Na 6ª feira, o Chefe da Diretoria vai fazer 78 anos e liberou geral para a festa, às 17:00hs, no refeitório. Vai estar lá, pago pelo manda-chuva, Bill Halley e Seus Cometas. Todo mundo deve estar nú e de capacete, porque a banda é muito louca e o Rock vai rolar no pátio, mesmo com chuva!!! MOTIVAÇÃO 9 O QUÊ É MOTIVAÇÃO? É O MOTIVO PARA A AÇÃO

10 A Motivação é um poderoso instrumento de Direção. Um MOTIVO é qualquer coisa que leva uma pessoa a praticar uma ação. Um motivo é a causa, a razão de algum comportamento. Como as pessoas são diferentes entre si e reagem individualmente a uma mesma situação, a Direção deve levar em conta essas diferenças individuais e tratar as pessoas adequadamente. Na prática, toda essa teoria pode ser aplicada através dos fatores de Motivação. Os fatores de Motivação mais importantes são: Trabalho interessante e que propicie desafios para a pessoa; Remuneração adequada ao trabalho executado; Oportunidades de progresso na Empresa; Projeção e prestígio social decorrente do trabalho feito; Reconhecimento pelo superior e colegas de trabalho. TEORIA DA MOTIVAÇÃO DE HERZBERG Segundo Herzberg, quando as pessoas sentem-se insatisfeitas com seus serviços, preocupavam-se com o ambiente que estavam trabalhando e quando sentem-se bem no serviço isso se liga ao trabalho propriamente dito. Para melhor explicar isso Herzberg dividiu em fatores de Higiene e Motivadores. Fatores de Higiene (AMBIENTE) - Programa de administração - Supervisão - Condições de trabalho - Relações interpessoais - dinheiro, status, segurança Fatores Motivadores (O SERVIÇO) - Reconhecimento por realização - Trabalho que é desafio - Maior responsabilidade - Crescimento e desenvolvimento A pesquisa motivação-higiene serviu a todos os níveis da organização, servindo para aumentar sentimentos de competência, auto-estima, auto-confiança e autonomia. 10

11 11 QUESTÕES REFLEXIVAS - DIANTE DO CONTEÚDO ANTERIOR, FAÇA UMA BREVE ANÁLISE E CITE O QUE VOCÊ(S) ENTENDE(M) O QUE SEJA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO NAS EMPRESAS ATUAIS. - O QUE MAIS MOTIVA OS FUNCIONÁRIOS NO TRABALHO? - E O QUE MAIS DESMOTIVA? TEORIA DA MOTIVAÇÃO X E TEORIA Y. Apresentada por Douglas McGregor. Teoria X : Nela supõem-se que a maioria das pessoas preferem ser dirigidas, não se interessam por responsabilidades e desejam a segurança acima de tudo, acredita-se que as pessoas são motivadas por dinheiro vantagens de emprego e ameaças de castigo. Com o uso desta teoria segundo os administradores admitese controlar, supervisionar rigorosamente seus empregados que não merecem confiança, são irresponsáveis e imaturas. Após a utilização da hierarquia estabelecida por Maslow, McGregor conclui que a Teoria X são de modo geral imprecisas e que os métodos de administração criados a partir delas muitas vezes deixavam de motivar os indivíduos para trabalhar na busca dos objetivos da organização. Teoria Y: Nela supõem-se que as pessoas não são preguiçosas e merecedoras de confiança, podendo o homem se motivar adequadamente governar-se e ter criatividade no trabalho, despertando a potencialidade. A realização dos objetivos do funcionário é direcionado seus esforços para realização dos objetivos da organização.

12 12 FATORES PESSOAIS E RENDIMENTO NO TRABALHO A) Frustração no contexto motivacional; frustração: Pessoa motivada em relação a um objetivo e este é interferido. Dizse que esta frustrada. Podem existir três tipos principais de barreiras ou bloqueios que causam frustrações: 1- Barreiras situacionais: Pode ser de natureza física e de ambigüidade, que impedem o indivíduo de realizar um objetivo. 2- Barreiras interpessoais: São entre as pessoas ou grupos que impedem a satisfação do motivo. Acontece geralmente quando em uma organização um indivíduo criativo é punido ou barrado por seu chefe superior. 3- Barreiras intrapessoais: Observados quando o indivíduo não atinge seus objetivos devido a alguma deficiência física ou mental, e também caracterizada pela existência de motivos conflitantes da própria pessoa. B) Frustração e improdutividade: Quando o indivíduo não atinge um objetivo inicialmente pretendido, coloca-se a perseguir outro, tornando-se necessário optar em ficar insistindo no objetivo inicial ou ceder a um outro mais viável, e quando levado a assumir uma das posições atender apenas a uma delas, passa a viver uma sensação interior de grande tensão que lhe será desconfortável e infelicitante, ficando em um estado psicológico conhecido como ansiedade. Todos esses fatores, conflito, ansiedade e tensão geram no indivíduo a frustração e improdutividade. LIDERANÇA Para dirigir as pessoas, não basta apenas dar ordens e instruções, comunicar e motivar. É preciso ainda, Liderar. E aí está outro desafio para o Administrador. Liderança é a capacidade de influenciar as pessoas. Para dirigir pessoas, deve-se influenciar os seus comportamentos. Durante muito tempo, achava-se que a Liderança era uma qualidade pessoal determinada por

13 características de personalidade. Atualmente, aceita-se a existência de três fatores de liderança, isto é, três fatores que influem na capacidade de liderar pessoas: 13 POSIÇÃO HIERÁRQUICA - decorrente da autoridade em relação aos subordinados. Quanto mais alta a posição hierárquica, maior força de liderança oferecida pela estrutura organizacional ao Administrador. COMPETÊNCIA PROFISSIONAL - é resultante dos conhecimentos gerais (cultura geral) e específicos (cultura técnica) que o Administrador possui. Quanto maior a competência profissional, maior a força de liderança que o próprio Administrador possui. PERSONALIDADE - decorrente das qualidades pessoais do Administrador, como o seu temperamento, caráter, relacionamento humano, inteligência, compreensão etc. A Personalidade constitui uma base importante para a liderança. Se não houver facilidade no tratamento com as pessoas, de nada valem a posição hierárquica e a competência profissional. Convém lembrar que liderar é influenciar o comportamento das pessoas. Existem três tipos de Liderança, a saber: AUTOCRÁTICA - Também chamada liderança Autoritária. Sua principal característica é a de que o Líder é quem toma as decisões e impõe as ordens aos subordinados, sem sequer explicá-las ou justificá-las. Os subordinados não têm liberdade de atuação, pois o líder autocrático controla rigidamente a sua atividade e não lhes explica o objetivo de seu trabalho. LIBERAL - Também chamada Laissez-faire. O Líder se omite e não se impõe, enquanto os subordinados se tornam os donos da situação. Há uma completa e total liberdade de atuação para os subordinados. Nenhum controle sobre o seu trabalho. Todavia, os objetivos do trabalho não são explicados. DEMOCRÁTICA - é o tipo de liderança que fica no meio-termo entre os dois já citados, evitando as desvantagens de ambos. O

14 trabalho é apresentado pelo Líder aos subordinados, que lhes dá as diversas alternativas de execução e os objetivos que devem ser alcançados. O assunto é debatido com os subordinados que fazem sugestões, as quais, se viáveis, são aceitas pelo Líder. 14 COORDENAÇÃO Para dirigir os subordinados, o Administrador deve dar ordens ou instruções, comunicar, motivar, liderar e, além disso, também coordenar as diferentes atividades dos diversos subordinados. Coordenar significa unir e harmonizar todas as atividades e esforços de diferentes pessoas ou órgãos da Empresa, tendo em vista um objetivo comum. A importância da Coordenação reside no fato de que todas as atividades de uma empresa precisam ser integradas e sincronizadas para que os seus objetivos sejam alcançados plenamente. Se apenas algumas pessoas ou órgãos funcionam bem, os objetivos empresariais podem ser sacrificados. Torna-se necessário que a Empresa - como um todo - funcione integralmente para o pleno sucesso. Este é o papel da Coordenação. PODE FICAR TRANQÜILO, O FURO ESTÁ NO LADO DELES!

15 15

Gestão de Pessoas no Setor Público: Desafios e Experiências

Gestão de Pessoas no Setor Público: Desafios e Experiências ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SEMINÁRIO Gestão de Pessoas no Setor Público: Desafios e Experiências Assembléia Legislativa de São Paulo 14 a 16 de outubro de 2008 Outubro/2008 1

Leia mais

Aula 3. Comunicação Organizacional

Aula 3. Comunicação Organizacional Aula 3 Comunicação Organizacional Comunicação Interna (Endomarketing) Profa. Ms. Daniela Cartoni Comunicação Organizacional Comunicação Externa Comunicação Organizacional Comunicação Interna Comunicação

Leia mais

O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados?

O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados? O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados? A empresa deve ser pensada como organização social, humana. Além das relações decorrentes das tarefas, ocorrem outros relacionamentos

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula de Motivação Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Teorias da Motivação? As teorias sobre a motivação, que explicam desempenho das pessoas

Leia mais

Organização em Enfermagem

Organização em Enfermagem Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I Organização em Enfermagem Prof. Thiago C. Nascimento Objetivos: Discorrer

Leia mais

Recursos Humanos. Recursos Humanos -1-

Recursos Humanos. Recursos Humanos -1- Recursos Humanos -1- ÍNDICE Recursos Humanos CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 6 HISTÓRIA... 7 CONTEXTO... 8 CAPÍTULO 2 CONCEITO DE ORGANIZAÇÃO... 10 ERAS DA ORGANIZAÇÃO...11 ORGANIZAÇÃO COMO SISTEMAS ABERTOS...

Leia mais

Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I:

Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I: Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional Unidade I: 0 Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional http://pro.corbis.com/enlarge ment/enlargement.aspx?id=4 2-22634984&caller=search

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração. Aula 5 Motivação e Liderança

Introdução à Teoria Geral da Administração. Aula 5 Motivação e Liderança Introdução à Teoria Geral da Administração Aula 5 Motivação e Liderança Taylor e Hawthorne Há relação entre o taylorismo e a experiência de Hawthorne? Há relação entre Taylor e a motivação? Homo Oeconomicus

Leia mais

Unidade IV. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas

Unidade IV. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas Unidade IV Comunicação Empresarial Profª. Cleide de Freitas Resumo aula anterior Variações Línguísticas Níveis da fala Modelos de redação Veículos de redação administrativa Vantagens e desvantagens da

Leia mais

Gerson Mori. Saiba se é ou não um bom negócio. Todos os segredos revelados.

Gerson Mori. Saiba se é ou não um bom negócio. Todos os segredos revelados. Gerson Mori Saiba se é ou não um bom negócio Todos os segredos revelados. Como importar via trading. Saiba se é ou não um bom negócio. Todos os segredos revelados. Introdução Muitas pessoas querem importar

Leia mais

CURSO ONLINE: LIDERANÇA

CURSO ONLINE: LIDERANÇA CURSO ONLINE: LIDERANÇA O QUE É 2 O que é Liderança? A liderança é a capacidade de conseguir que as pessoas façam o que não querem fazer e gostem de o fazer. (Harry Truman 33º Presidente dos EUA) Liderança

Leia mais

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Comunicar significa transmitir ideias, sentimentos ou experiências de uma pessoa para outra, tornar comum, participar, fazer saber, transmitir. ANDRADE (2008, p. 45) O resultado

Leia mais

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS Rogéria Lopes Gularte 1 Resumo: No presente trabalho procuramos primeiramente definir o que é motivação, e como devemos nos comportar com as diferentes necessidades,

Leia mais

Líder: o fio condutor das mudanças

Líder: o fio condutor das mudanças Líder: o fio condutor das mudanças Por Patrícia Bispo para o RH.com.br Para quem imagina que liderar pessoas significa apenas delegar ordens e cobrar resultados a qualquer custo, isso pode significar o

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO Atualizado em 11/01/2016 MOTIVAÇÃO Estar motivado é visto como uma condição necessária para que um trabalhador entregue um desempenho superior. Naturalmente, como a motivação

Leia mais

Capítulo 16 - Motivação

Capítulo 16 - Motivação Capítulo 16 - Motivação Objetivos de aprendizagem Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o processo motivacional. Descrever a hierarquia das necessidades humanas. Diferenciar

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

A TEORIA DA BUROCRACIA

A TEORIA DA BUROCRACIA A TEORIA DA BUROCRACIA Uma das primeiras aplicações do termo Burocracia data do século XVIII, onde o termo era carregado de forte conotação negativa, designando aspectos de poder dos funcionários de uma

Leia mais

Menos paixão: o sucesso na Negociação

Menos paixão: o sucesso na Negociação Menos paixão: o sucesso na Negociação O sucesso de uma negociação está na ausência da paixão. Quanto mais objetiva e baseada em critérios imparciais for a negociação, melhor será o acordo final para todos.

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado.

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado. 3 PAPEL DOS GERENTES Os gerentes são os protagonistas do processo administrativo. Eles são responsáveis por coordenar o trabalho dos outros funcionários da empresa. Não existe apenas um modelo administrativo,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.2 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

À medida que o ser humano aprende qualquer coisa, as ligações entre grupos de neurônios mudam a sua composição química.

À medida que o ser humano aprende qualquer coisa, as ligações entre grupos de neurônios mudam a sua composição química. 2 Índice 1 - Objetivo... 3 2 Arquivo Mental... 4 3 - Filtros Cerebrais... 9 4 - Paradigmas e Percepções... 13 5 - Alterações do Mapa Mental... 16 Resumo... 22 Saiba mais...... 24 3 1 - OBJETIVO Este texto

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Tipos de Organização. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Tipos de Organização. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Tipos de Organização Professor: Roberto César CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA ORGANIZAÇÃO FORMAL A organização consiste em um conjunto de posições funcionais e hierárquicas orientado

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES RESUMO A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Flávia Aline Seger 1 Francieli Teresinha Eckhardt 2 Nedisson Luis Gessi 3 RESUMO Este artigo constitui-se em uma pesquisa bibliográfica que busca informações

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

Desmotivação no Trabalho

Desmotivação no Trabalho Desmotivação no Trabalho Carolline de MORAIS¹ RGM 89552 Karen C. P. S. PENHAVEL¹ RGM 88579 Renata SORIO¹ RGM 88861 Romerianne BATISTA¹ RGM 088671 Orientadora² : Viviane Regina de Oliveira Silva Resumo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO Administração do latim ad(direção, tendência para) e minister(subordinação

Leia mais

COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: QUANDO A COMUNICAÇÃO FALHA

COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: QUANDO A COMUNICAÇÃO FALHA ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: QUANDO A COMUNICAÇÃO FALHA Marcelo Salmeron Figueredo ASSELVI - Associação Educacional Leonardo da Vinci Turma

Leia mais

Erros mais freqüentes

Erros mais freqüentes Lição 1 Erros mais freqüentes Extraímos de comunicações empresariais alguns erros, que passamos a comentar: 1. Caso se faça necessário maiores esclarecimentos... Apontamos duas falhas: 1. Caso se faça

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 FATORES QUE INTERFEREM NO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DURANTE A PASSAGEM DE PLANTÃO Samuel Leandro dos Santos 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A comunicação é um processo

Leia mais

Gestão de pessoas: revisão de conceitos

Gestão de pessoas: revisão de conceitos Glaucia Falcone Fonseca Chegamos ao final de nosso curso e vale a pena fazer uma retrospectiva sobre os principais aspectos da gestão de pessoas, algo tão importante no atual mundo do trabalho, caracterizado

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

Atividades de Psicologia do Trabalho

Atividades de Psicologia do Trabalho Atividades de Psicologia do Trabalho Aula 1 1 - Explique o conceito de psicologia. Psicologia é uma ciência que estuda o comportamento humano e animal e os processos mentais (razão, sentimentos, pensamentos,

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL

O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL A Motivação : a força geradora do comportamento Quando nos interrogamos sobre a razão pela qual o indivíduo age de determinada maneira, estamonos a interrogar pelos motivos,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 17 - Teorias Contingenciais de Liderança Para STONER e FREEMAN (1985; 350) a abordagem contingencial é a visão de que a técnica de administração que melhor

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Of. Circular n 01/2013 Juiz de Fora, 15 de abril de 2013

Of. Circular n 01/2013 Juiz de Fora, 15 de abril de 2013 Of. Circular n 01/2013 Juiz de Fora, 15 de abril de 2013 ASSUNTO: Agenda de Orientações Docente Prezados Professores, De modo geral, quando se conversa com nossos egressos e alunos sobre a Faculdade Machado

Leia mais

ADM. GERAL E PÚBLICA Módulo Único

ADM. GERAL E PÚBLICA Módulo Único Rua Maria Tomásia, 22 Aldeota Fortaleza/CE Fone: (85) 3208.2222 www.masterconcurso.com.br 2 CONCURSO: TJ-Ce ASSUNTO: EXERCÍCIOS 01. O líder autocrático, na divisão de tarefas, determina quem vai executar

Leia mais

Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear

Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Psicossociologia do Trabalho COMUNICAÇÃO I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Comunicação Funções Processo da comunicação. Emissor.

Leia mais

GUIA DE SOCIAL MEDIA. para empresas de excursões e atividades

GUIA DE SOCIAL MEDIA. para empresas de excursões e atividades GUIA DE SOCIAL MEDIA para empresas de excursões e atividades Conteúdo Introdução do autor Qual é o ponto de tudo isso? 20 passos fáceis para: #1: Tenha sua própria hashtag #2 Compartilhe conteúdo ao vivo

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa 3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa O objetivo do presente estudo é o de avaliar um processo de comunicação oficial na organização STAR, uma organização do segmento de educação, sem fins lucrativos,

Leia mais

Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações

Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações Motivação e liderança: um trabalho em equipe nas organizações Marcelo Augusto Loenert 1 Introdução As práticas de motivação e liderança estão sendo cada vez mais aplicadas nas organizações. Várias mudanças

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 Versão Preliminar 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4 1.1 Apresentação...4 1.2 Organização e uso do manual...4 1.3 Dúvidas e canais de atendimento...4 2 VISÃO GERAL

Leia mais

CURSO ONLINE LIDERANÇA

CURSO ONLINE LIDERANÇA CURSO ONLINE LIDERANÇA 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 LIDERANÇA _O que é Liderança _Liderança Formal e Informal _Funções do Líder 4 O QUE É LIDERANÇA?

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Ideias gerais sobre Liderança

Ideias gerais sobre Liderança Ideias gerais sobre Liderança Ideias gerais sobre LIDERANÇA PREFEITURA DE JUIZ DE FORA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS SARH SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL SSDI DEPARTAMENTO

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ESTRUTURA MATRICIAL ENQUANTO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Franclin Michel Vasconcelos GONÇALVES 1 Lucas De Paiva ANDRADE 2 Pillar Caldeira SETIN 3 Nadia bosso FERNANDES

Leia mais

COMO COMEÇAR 2016 se organizando?

COMO COMEÇAR 2016 se organizando? COMO COMEÇAR 2016 se organizando? Como começar 2016 se organizando? Conheça estratégias simples para iniciar o novo ano com o pé direito Você sabia que, de acordo com o Sebrae, os principais motivos que

Leia mais

20/5/2011. Gestão x avaliação. O ciclo PDCA APO APO. Métodos contemporâneos para avaliação de desempenho

20/5/2011. Gestão x avaliação. O ciclo PDCA APO APO. Métodos contemporâneos para avaliação de desempenho Gestão x avaliação O termo gestão do desempenho surge nos últimos anos como conceito alternativo para as técnicas tradicionais de avaliação de desempenho ; Métodos contemporâneos para avaliação de desempenho

Leia mais

Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal. Prof. Robson Soares

Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal. Prof. Robson Soares Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal Prof. Robson Soares Capítulo 4 Aplicando Pessoas Na gestão de pessoas estudamos seis processos de administração de recursos humanos; processos de agregar pessoas,

Leia mais

Liderança situacional nas organizações

Liderança situacional nas organizações Liderança situacional nas organizações Shayani Estrabelli (Universidade Paranaense Campus Cascavel) shayani_17@hotmail.com Fernanda Pellegrini (Universidade Paranaense Campus Cascavel) fernandampellegrini@hotmail.com

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

Conhecendo o Decoder

Conhecendo o Decoder Conhecendo o Decoder O Decoder da sua ion TV, ou receptor, também é chamado de STB, sigla em inglês para Set Top Box, que é o aparelho responsável por receber o sinal de TV, decodificá-lo e enviá-lo para

Leia mais

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe Agenda Comportamento de grupos Caso Uma Equipe Desunida Trabalho em equipe 1 Fundamentos do comportamento de grupos 1 Aula 6 Grupos e Equipes de Trabalho Ref.: Robbins, caps. 7 e 8 Definição Um grupo é

Leia mais

7 COMUNICAÇÃO INTERNA / ADMINISTRATIVA

7 COMUNICAÇÃO INTERNA / ADMINISTRATIVA 40 7 COMUNICAÇÃO INTERNA / ADMINISTRATIVA Examinando a Comunicação Organizacional podemos observar que a Comunicação Mercadológica está voltada para o relacionamento entre a empresa e o público externo

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

INSS. Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores. Atualizada 14/09/2010

INSS. Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores. Atualizada 14/09/2010 1. Origens da Administração. A empresa e a moderna administração surgiram a partir do século XVIII com a revolução industrial. A revolução Industrial teve inicio na Inglaterra, com a invenção da maquina

Leia mais

Treinamento de Administrador. Zoho CRM

Treinamento de Administrador. Zoho CRM Treinamento de Administrador Zoho CRM Objetivos Apresentar os principais recursos do CRM a fim de propiciar ao administrador do sistema autonomia para: Criar e alterar campos; Acrescentar, renomear e customizar

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS

ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA GESTÃO ESCOLAR: OBSERVAÇÕES, PARTICIPAÇÕES E INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS RESUMO Eliane Barbosa Éllen Patrícia Alves Castilho Deyse Cristina Brandão Este trabalho refere-se

Leia mais

A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga

A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga 2014 A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. 3 A palestra em questão aborda a busca da excelência e o paradigma

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Gerenciamento de Projetos - Gerenciamento dos Recursos Humanos do Projeto

Gerenciamento de Projetos - Gerenciamento dos Recursos Humanos do Projeto Gerenciamento de Projetos - Gerenciamento dos Recursos Humanos do Projeto Caio Cardozo Eric Naves dos Reis Mateus Vilela Marcos Vinicius Bedo Rafael Stéfano 1. Introdução Essa monografia tem como objetivo

Leia mais

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO 1 LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO Elisângela de Aguiar Alcalde (Docente MSc. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Linda Jennyfer Vaz (Discente do 2º ano do curso de Administração-

Leia mais

OS DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA E SUA INFLUÊNCIA NO CLIMA ORGANIZACIONAL

OS DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA E SUA INFLUÊNCIA NO CLIMA ORGANIZACIONAL 1 OS DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA E SUA INFLUÊNCIA NO CLIMA ORGANIZACIONAL Denise Buzatto Garcia é servidora pública Municipal no Estado do Espírito Santo. Especialista em Gestão de Pessoas. RESUMO O

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Conceito de projecto ideia ou intuito de executar algo representação em perspectiva conjunto de documentos, cálculos e

Leia mais

Prova Escrita de Português

Prova Escrita de Português EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Português Alunos com deficiência auditiva de grau severo ou profundo 12.º Ano de Escolaridade Prova 239/2.ª

Leia mais

Excelência no Atendimento

Excelência no Atendimento Excelência no Atendimento Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Instrutor: HUARLEY PRATTE LEMKE Introdução O que é atendimento? Atendimento é o ato de atender, ou seja, ao ato de cuidar, de prestar

Leia mais

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 10 OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS 558 Os Espíritos fazem outra coisa além de se aperfeiçoar individualmente? Eles concorrem para a harmonia do universo ao executar os

Leia mais

O processo envolve quatro questões básicas:

O processo envolve quatro questões básicas: Planejamento de RH O planejamento de recursos humanos coleta e utiliza informações para apoiar as decisões sobre os investimentos que devem ser feitos com atividades de RH O processo envolve quatro questões

Leia mais

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento Capítulo II Treinamento & Desenvolvimento QUESTÃO 01. (SERPRO/2005) A respeito do diagnóstico de necessidades de treinamento e desenvolvimento, julgue os itens seguintes. Avaliação de necessidades de treinamento

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário

ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário 1. PARECER TÉCNICO CETEF Nº 04/2011, de 20/07/2011. 2. EMENTA: Obrigatoriedade de registro das empresas de Treinamento nos Conselhos Regionais de Administração. 3. RELATOR:

Leia mais

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida)

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) Liderança é inata? Abordagem Genética - Antigamente acreditava-se que o indivíduo nascia com características, aptidões e valores próprios de um líder. Na moderna

Leia mais

CollaborativeBook. número 4. Feedback

CollaborativeBook. número 4. Feedback CollaborativeBook número 4 Feedback Feedback 2 www.apoenarh.com.br Nesta nova publicação abordaremos o tema feedback, usando com o objetivo de instrumentalizar o indivíduo para ação e desenvolvimento.

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

www.ricardoalmeida.adm.br

www.ricardoalmeida.adm.br Teoria Neoclássica Todas as teorias administrativas assentaram-se na Teoria Clássica, seja, como ponto de partida, seja como crítica para tentar uma posição diferente, mas a ela relacionada intimamente.

Leia mais

Estudo do comprometimento organizacional em unidades de informação: relacionamento interpessoal versus comunicação

Estudo do comprometimento organizacional em unidades de informação: relacionamento interpessoal versus comunicação Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Estudo do comprometimento organizacional em unidades de informação: relacionamento interpessoal versus comunicação Rebeka Maria de Carvalho Santos Godeiro (UFERSA) - rebeka_carvalho@hotmail.com

Leia mais

ATIVIDADE DE NEGOCIÇÃO

ATIVIDADE DE NEGOCIÇÃO ATIVIDADE DE NEGOCIÇÃO A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NA NEGOCIAÇÃO RIO BRANCO- ACRE 2013 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1- A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO...4 2- COMUNICAÇÃO E NEGOCIAÇÃO...6 2.1 Os quatros conceitos

Leia mais

Como obter uma liderança eficaz

Como obter uma liderança eficaz Como obter uma liderança eficaz Camila CORTEZ 1 Dayane SILVA 2 Emanuel CALVO 3 RESUMO: Este artigo analisa como obter uma liderança eficaz, descrevendo primeiramente o que é liderança, suas características,

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

Curso Direito Empresarial Básico

Curso Direito Empresarial Básico Seja bem Vindo! Curso Direito Empresarial Básico CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 20hs Conteúdo Programático: 01. Introdução 02. Definições 03. Conceito contemporâneo de marketing 04. História do marketing

Leia mais

Gestão Estratégica de Recursos Humanos nas Empresas Familiares

Gestão Estratégica de Recursos Humanos nas Empresas Familiares Gestão Estratégica de Recursos Humanos nas Empresas Familiares Empresa Familiar É considerada Empresa Familiar, toda a organização empresarial ligada a uma família, por pelo menos duas gerações. A importância

Leia mais

CURSO ONLINE MOTIVAÇÃO PROFISSIONAL

CURSO ONLINE MOTIVAÇÃO PROFISSIONAL 1 CURSO ONLINE MOTIVAÇÃO PROFISSIONAL 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1- Bem Vindo ao Curso! O QUE É MOTIVAÇÃO _A Teoria de Maslow 4 INTRODUÇÃO A motivação

Leia mais

ASSERTIVIDADE: QUALIDADE QUE TRAZ BENEFÍCIOS À COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTOS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES. Amanda Spano Aranda 1

ASSERTIVIDADE: QUALIDADE QUE TRAZ BENEFÍCIOS À COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTOS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES. Amanda Spano Aranda 1 ASSERTIVIDADE: QUALIDADE QUE TRAZ BENEFÍCIOS À COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTOS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Amanda Spano Aranda 1 1 Aluna do curso de MBA em Gestão de Pessoas FATEP: amandinhaspano@msn.com RESUMO

Leia mais

Conceito de Regras e Comportamento Modelado pelas Contingências e sua Aplicação na Clínica

Conceito de Regras e Comportamento Modelado pelas Contingências e sua Aplicação na Clínica Conceito de Regras e Comportamento Modelado pelas Contingências e sua Aplicação na Clínica Patrícia Piazzon Queiroz Instituto de Análise Aplicada de Comportamento IAAC Comportamento Modelado por Contingências

Leia mais

Profº Rogério Tavares

Profº Rogério Tavares Profº Rogério Tavares Administração Por Objetivos - APO A partir da década de 1950, a Teoria Neoclássica deslocou a atenção antes fixada nas chamadas atividades meios para os objetivos ou finalidades da

Leia mais

UNIVERSIDADE CÃNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

UNIVERSIDADE CÃNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS UNIVERSIDADE CÃNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Por: Estela Maria Morais dos Santos Orientador: Luiz Cláudio Lopes

Leia mais

17/5/2009. Esta área de conhecimento tem o objetivo de utilizar de forma mais efetiva as pessoas envolvidas no projeto (equipe e stakeholders)

17/5/2009. Esta área de conhecimento tem o objetivo de utilizar de forma mais efetiva as pessoas envolvidas no projeto (equipe e stakeholders) Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto FAE S. J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Recursos Humanos Esta área de conhecimento tem o objetivo de utilizar de forma

Leia mais

ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ACADEMIC PERFORMANCE OF DIAGNOSTIC COMPANY IN THE REGION, WITH THE INTERVENTION PROPOSAL Vania Maria Ferreira * Rosangela

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

Apoio à Infância IV. Módulo 3263 Técnicas de Expressão e Atividades Práticas em Creches e Jardins de Infância. CenCal AlcobAçA 2014

Apoio à Infância IV. Módulo 3263 Técnicas de Expressão e Atividades Práticas em Creches e Jardins de Infância. CenCal AlcobAçA 2014 Apoio à Infância IV Módulo 3263 Técnicas de Expressão e Atividades Práticas em Creches e Jardins de Infância CenCal AlcobAçA 2014 PROCESSO DE ADAPTAÇÃO DA CRIANÇA A entrada de uma criança para uma instituição

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais