Liderança de equipes. Estudo. 6 ecoenergia Julho/2013. A indústria do petróleo e seus derivados no

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Liderança de equipes. Estudo. 6 ecoenergia Julho/2013. A indústria do petróleo e seus derivados no"

Transcrição

1 Estudo Liderança de equipes Damáris Vieira Novo Psicóloga organizacional, mestre em administração, professora da FGVe consultora em gestão de pessoas A indústria do petróleo e seus derivados no pos gigantes e o aumento do PIB industrial. O crescimento do país está intimamente ligado à força de suas indústrias e, conseqüentemente, de suas empresas, e com esse crescimento a ta e as relações humanas podem se deteriorar com uma comunicação distorcida. Entendemos que o sucesso esperado, tanto individual quanto da equipe, no ambiente de relações interpessoais e dos tipos de comunicação que as pessoas estabelecem entre si. procuram eliminar bloqueios não intencionais. Para tal, o autoconhecimento se faz necessário. As pessoas possuem várias formas de comunicar-se. A comunicação oral é uma maneira representativa que o ser humano tem de rela- - jetiva, que é o nível profundo da comunicação parte das relações que estabelecemos, nos co- o outro entenderá perfeitamente o que queremos transmitir, o que culmina em distorções, gerando problemas nos nossos relacionamentos. O que fazer então? Como podemos nos tornar bons comunicadores? Observando cuidadosamente as reações dos recebedores ao que transmitimos. A comunicação interpessoal também en- tividade da mensagem, tanto do que transmitimos quanto do que recebemos. Isso afeta nosso comportamento na comunicação, pois nos preocupamos com o que as pessoas esperam sobre nosso próprio comportamento sobre as outras pessoas prenunciando como reagirão à nossa comunicação é a empatia, capacidade de nos colocarmos no lugar do outro, de nos projetarmos dentro da personalidade do outro. O estudo da comunicação humana é bem - lingüística, entre outras. Além disso, devemos levar em conta todos os fatores que afetam o comportamento das pessoas para obtermos o que desejamos com a mensagem transmitida. Fatores como a cultura, nossas necessidades ças, nossos valores, nossos sistemas sociais se humana, por isso, ela não pode ser prognosticada com absoluta certeza. 6 ecoenergia Julho/2013

2

3 A comunicação afeta as relações e, conseqüentemente, os resultados no trabalho em equipe. Cada vez mais, podemos constatar, mento de lideranças, que é responsabilidade do líder o investimento na habilidade de comu- essa habilidade pode ser aprendida e aprimorada. Porém, o que e por que você comunica resultam de sua visão de missão, sua sensibilidade, ética, comprometimento e vontade. cação não verbal, pois nem sempre comunicamos o que queremos efetivamente transmitir. Muitas vezes ocorrem distorções e desentendimentos entre as pessoas quando o receptor entende a mensagem de forma diferente do que o emissor tentou transmitir. De acordo com Rob- negativas ao emissor para supor quais seriam suas intenções, por isso muitas vezes achamos que entendemos o que outro quis dizer, mas nem sempre estamos certos. O que ocasiona essa lacuna? É a comunicação não verbal, que atenta da postura corporal, tom de voz e características faciais. Observando esses elementos a mensagem enviada está sendo recebida de forma coerente. Além disso, para que sua co- - Segundo alguns pesquisadores, as palavras - pacto e da sinceridade percebidos na comunicação interpessoal são determinados pela linguagem corporal, não verbal, enquanto que vras ou conteúdo. Quando esses três aspectos se reforçam mutuamente, a comunicação é congruente. Se houver uma discrepância entre as palavras e a linguagem corporal, o ouvinte prestará atenção à parte não verbal, geral- 8 ecoenergia Julho/2013

4 Então, se você acredita que o propósito da comunicação é construir e manter o bom entendimento entre as pessoas, como líder, você deve estar onde os empregados estão, colocar-se no lugar deles, desenvolvendo empatia. Conhecê- desejos, seus valores e tomar decisões, usando seus atributos de liderança com sabedoria. Assim, observar e, principalmente, ouvir são habi- cação interpessoal. Entendemos, então, que a habilidade na comunicação consiste numa grande responsabilidade por parte do emissor. Como emissores, o que fazer para tornar nossa comunicação mais É importante saber o que desejamos comunicar e para quem. O conteúdo da mensagem com a utilização de um vocabulário de acordo com o entendimento do receptor, evitando frases longas e se quer atingir. O tom de voz também deve estar congruente com o que queremos transmitir, propiciando maior abertura, pelo recebedor, ao que pretendemos transmitir. Além disso, os gestos abertos e o contato visual com o interlocutor são fundamentais para compreensão e aceitação da mensagem. nos ajudar bastante na melhoria da comunicação interpessoal. Para tal, podemos utilizar gravações em vídeo, solicitar ajuda dos amigos para acompanhar nosso próprio desempenho e observar as mudanças ocorridas com a prática. Lembre-se, enquanto estiver praticando, hecimento e melhorar as relações interpessoais; não deve tornar-se um gerador de estresse e, aprendizado. - processos associados a transmitir e receber informações. Entretanto, se quisermos desenvolver relações interpessoais mais competentes, o mos transmitir ou ouvir. como a comunicação a uma pessoa ou grupo no sentido de fornecer-lhe informações sobre como seu comportamento ou desempenho está afetando outras pessoas. É um processo de ajuda para manutenção, melhoria ou mudança de desenvolvimento da competência interpessoal. ser nada agradável, pois na nossa cultura isso é percebido como negativo ou simplesmente equipe de trabalho não é, necessariamente, um ambiente em que as pessoas têm que se amar, mas se respeitar e cooperar produtivamente. Para tal, é fundamental compreender o quanto nossos comportamentos afetam os outros e o desempenho da equipe, e, como líderes, sensibilizar nossos empregados e pares para que tenham a mesma postura. Como líderes, devemos estar atentos àqueles que realmente não estão preparados ou - Como agir, então, para ajudá-los a superar as ticipante de uma equipe de trabalho, você pro- recíproca para diminuir as barreiras entre ambas as partes emissor e receptor, reconheça que o o equilíbrio emocional, aprenda a fornecer feed- Julho/2013 ecoenergia 9

5 10 ecoenergia Julho/2013

6 tivos, com motivação e ética, utilize a técnica elogios + críticas construtivas + encorajamento, desenvolva um plano de ação para correção dos pontos negativos e negocie metas, prazos e compromissos mútuos. Nosso auto desenvolvimento está tão propor- mitem, quanto à nossa abertura em recebê-los, revermos nossos comportamentos e colocar- necessárias. sores e como receptores e temos a oportuni- emissores podemos desenvolver nossa capacidade de crítica e análise, perspicácia, integridade, empatia, comunicação oral e gestual, assertividade, persuasão, entre outras. E, como receptores, desenvolvemos o saber ouvir, a tração e o autocontrole sobre nossa ansiedade e nossas reações. Os resultados que obtemos com e por intermédio dos outros dependem do autoconhecimento e da consciência que temos acerca das pessoas com as quais nos relacionamos. A comunicação é um processo de interação, em E a comunicação no trabalho em equipe? Uma equipe é caracterizada por possuir uma grupo, ela é a representação da identidade do grupo. Ela caracteriza o vínculo entre os participantes do grupo. O líder é aquele que entende e se faz entender pelo grupo. É por meio dos bros da equipe têm conhecimento do resultado do seu trabalho e de seu desempenho como equipe. lo. Nós o encaramos como crítica e, como tal, ponham. Por outro lado, todos nós tomamos decisões baseadas nas reações dos outros, o a nossa percepção estiver distorcida pelos con- - o auto desenvolvimento, poderemos aproveitar as oportunidades não só para o autoconhecimento, como também ajudar nossos colaboradores a melhorar sua perfomance pessoal e Para obtenção dos resultados em performance, sugerimos que você observe o processo de comunicação entre os membros de sua equipe de trabalho. Será que eles têm consciência sobre seus comportamentos e seu desempenho? Você desenvolver um plano de aperfeiçoamento em suas comunicações %!"#$" interpessoais? &%'('% A comunicação interpessoal não é muito simples; vários fatores interferem no que transmitimos e recebemos. E quando se trata de for- Julho/2013 ecoenergia 11

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga

A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga 2014 A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. 3 A palestra em questão aborda a busca da excelência e o paradigma

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS Alessandra dos Santos Silva Helenice Moraes Rosa Roseneia Farias Gazoli Valdilene Batista de Lima O QUE PODEMOS APRENDER

Leia mais

Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo:

Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo: Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo: 05/07/1988 Marcelo Ponzoni Cristiane Lança Ponzoni São Paulo e Ribeirão Preto Sede Própria com 700m2 C O M U N I C

Leia mais

Profª Dr a Valéria Valls Agosto de 2012

Profª Dr a Valéria Valls Agosto de 2012 Profª Dr a Valéria Valls Agosto de 2012 Panorama sobre Gestão da Qualidade, incluindo os princípios fundamentais relacionados ao atendimento A Qualidade em Serviços e a percepção do cliente A importância

Leia mais

Excelência no Atendimento

Excelência no Atendimento Excelência no Atendimento Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Instrutor: HUARLEY PRATTE LEMKE Introdução O que é atendimento? Atendimento é o ato de atender, ou seja, ao ato de cuidar, de prestar

Leia mais

5 DICAS DE GESTÃO EM TEMPOS DE CRISE. Um guia prático com 5 dicas primordiais de como ser um bom gestor durante um período de crise.

5 DICAS DE GESTÃO EM TEMPOS DE CRISE. Um guia prático com 5 dicas primordiais de como ser um bom gestor durante um período de crise. 5 DICAS DE GESTÃO EM TEMPOS DE CRISE Um guia prático com 5 dicas primordiais de como ser um bom gestor durante um período de crise. INTRODUÇÃO Gerir uma empresa não é uma tarefa fácil, mas em tempos de

Leia mais

Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011. Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com

Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011. Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011 Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com 05 de maio de 2011 LIDERANÇA COACHING : A PRÁTICA DE VALORIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS

Leia mais

Dicas para Liderar com alta performance

Dicas para Liderar com alta performance Walbron Siqueira 5 Dicas para Liderar com alta performance Faça da melhoria contínua um hábito e seja o protagonista de sua carreira Sobre o autor Walbron Siqueira é bancário, especialista em gestão de

Leia mais

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AUTOAPRENDIZAGEM

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AUTOAPRENDIZAGEM MÉTODOS E TÉCNICAS DE AUTOAPRENDIZAGEM Maiêutica - Cursos de Gestão Claudete Teixeira Fernandes 1 Sirlésia Vigarani Scalco 2 Rodrigo Borsatto Sommer da Silva 3 RESUMO A partir da consideração de que existem

Leia mais

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO NO SERVIÇO ODONTOLÓGICO Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br É a proposta de uma nova relação entre usuário, os profissionais que o atendem e os serviços. Todos

Leia mais

Soluções que funcionam. Manual de Identidade Visual

Soluções que funcionam. Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Introdução Assim como as pessoas, as marcas sempre passam alguma impressão. Quando uma pessoa demonstra um comportamento diferente para cada situação, costumamos dizer que ela

Leia mais

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7 HTTP://WWW.SUPEREDESAFIOS.COM.BR/SEGREDO/FORMULANEGOCIOONLINE E8BOOKCURSODE ORATÓRIA Prof.DaniloMota Prof.&Danilo&Mota& &Blog&Supere&Desafios& 1 Introdução:Tempodeouvir,tempodefalar. Não saber ouvir bem,

Leia mais

COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO

COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO Sobre o curso: A criatividade, produtividade e a estabilidade emocional são a base para o progresso de qualquer natureza, mas, infelizmente, a rotina, responsabilidades

Leia mais

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos:

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: TIPOS DE REUNIÕES Mariangela de Paiva Oliveira mariangela@fonte.org.br As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: no âmbito do pensar: quando acontece uma troca de idéias, opiniões ou informações;

Leia mais

CollaborativeBook. número 4. Feedback

CollaborativeBook. número 4. Feedback CollaborativeBook número 4 Feedback Feedback 2 www.apoenarh.com.br Nesta nova publicação abordaremos o tema feedback, usando com o objetivo de instrumentalizar o indivíduo para ação e desenvolvimento.

Leia mais

Categorias Temas Significados Propostos

Categorias Temas Significados Propostos 91 5. Conclusão O objetivo do presente trabalho foi descrever a essência do significado da experiência consultiva para profissionais de TI que prestam de serviços de consultoria na área de TI. Para atingir

Leia mais

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo.

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Material referente ao texto do Módulo 3: Ações Básicas de Mobilização. O conhecimento da realidade é a base fundamental ao desenvolvimento social, que visa

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

DETALHES IMPORTANTES PARA ATINGIR A BOA COMUNICAÇÃO

DETALHES IMPORTANTES PARA ATINGIR A BOA COMUNICAÇÃO Página 1 de 7 INDICE Nenhuma entrada de sumário foi encontrada. Página 2 de 7 Autor: Alkíndar de Oliveira (alkindar@terra.com.br) Dentre outros atributos, o exercício da oratória exige o conhecimento e

Leia mais

Prof. Paulo Barreto www.paulobarretoi9consultoria.com.br REVISÃO DE PROVA

Prof. Paulo Barreto www.paulobarretoi9consultoria.com.br REVISÃO DE PROVA Prof. Paulo Barreto www.paulobarretoi9consultoria.com.br REVISÃO DE PROVA Grupo 01 Conceitos de Negociação Negociação é um processo de comunicação bilateral, com o objetivo de se chegar a uma decisão conjunta

Leia mais

Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo

Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo Camila Lopes Ferreir a (UTFPR) camila@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti (UTFPR) lapilatti@pg.cefetpr.br

Leia mais

QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE CURSO?

QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE CURSO? Palestra: Comunicação e Marketing Pessoal: Dicas para Valorizar a sua Imagem. Prof. Adm. Esp. Juliana Pina Bomm E-mail: professorajulianapina@yahoo.com.br QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE

Leia mais

atitudes e comportamentos. Acima de tudo, o Ser Humano tem alma, emoções e sentimentos. Quantas mudanças ocorrem na vida da empresa? Inúmeras.

atitudes e comportamentos. Acima de tudo, o Ser Humano tem alma, emoções e sentimentos. Quantas mudanças ocorrem na vida da empresa? Inúmeras. RH SENSÍVEL RH é uma área sensível à mentalidade que em geral predomina nas organizações. A gestão de RH abrange aspectos como a cultura organizacional, satisfação no trabalho e talento. Isis Corrêa Como

Leia mais

AUTOCONHECIMENTO: DESCUBRA O TESOURO QUE HÁ DENTRO DE VOCÊ

AUTOCONHECIMENTO: DESCUBRA O TESOURO QUE HÁ DENTRO DE VOCÊ Silvia Cristina Correia Romin Você sabe como o autoconhecimento é importante ou pelo menos já ouviu falar, mas realmente, O QUANTO VOCÊ SE CONHECE? Neste E-book, vamos entender os três principais benefícios

Leia mais

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Qualidade no Atendimento ao Público Profa.: Keyvila

Leia mais

Consumidor e produtor devem estar

Consumidor e produtor devem estar A produção científica tem um produtor e um consumidor e, evidentemente, todo produtor é também um consumidor: quanto melhor consumidor ele for, melhor será como produtor. Há pesquisas em psicologia que

Leia mais

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria

Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos. Programa de Preparação para a Aposentadoria Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Quando o entardecer chega... o envelhecimento ainda surpreende muitos Programa de Preparação para

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MANUAL DO AVALIADOR Avaliar é fazer análise e ter a oportunidade de rever, aperfeiçoar, fazer de forma diferente, sempre em busca de eficácia e resultados. Gartner & Sánchez As

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Eloqüência na gestão de carreira Ari Lima * Eloqüência, é a faculdade de considerar, para cada questão, o que pode ser apropriado para persuadir. Aristóteles A comunicação interpessoal

Leia mais

Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança

Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança Tempo de Mulher Arieta Arruda 14 horas atrás Houve um tempo em que as pessoas queriam mostrar sua face mais racional no mercado de trabalho,

Leia mais

INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL

INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL ZANDONATO, Zilda Lopes - UNESP GT: Educação Fundamental/nº 13 Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE Augusto César de Aguiar CUÉLLAR 1 Victor Dutra MARTINS 2 Roberta Gomes CAVALCANTE 3 RESUMO: As empresas atualmente têm sofrido

Leia mais

TEORIA COMPORTAMENTAL. Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações.

TEORIA COMPORTAMENTAL. Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações. TEORIA COMPORTAMENTAL Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações. Teoria Comportamental Um dos temas fundamentais é a Motivação Humana, pois para explicar

Leia mais

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO Você deve ser a mudança que deseja ver no mundo. (Mahatma Gandhi) GESTÃO DE CONFLITOS Gestão de Conflitos é a arte de identificar, lidar e minimizar/resolver situações

Leia mais

Nós o Tempo e a Qualidade de Vida.

Nós o Tempo e a Qualidade de Vida. Nós o Tempo e a Qualidade de Vida. Será que já paramos e pensamos no que é o tempo? Podemos afirmar que o tempo é nossa própria vida. E a vida só é vivida no aqui e agora, no efêmero momento entre o passado

Leia mais

O Pequeno Livro da Sabedoria

O Pequeno Livro da Sabedoria Lauro Henriques Jr. (org.) O Pequeno Livro da Sabedoria Ensinamentos de grandes mestres para você ter uma vida mais feliz Baseado em Palavras de Poder Prefácio PARA UMA VIDA MAIS FELIZ Todos nós já passamos

Leia mais

Administração de Recursos Humanos I

Administração de Recursos Humanos I ADMINISTRAÇÃO Administração de Recursos Humanos I Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS OFICIAIS JÁ APLICADAS Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br rev.1a Índice de Questões Prova:

Leia mais

ATIVIDADE DE NEGOCIÇÃO

ATIVIDADE DE NEGOCIÇÃO ATIVIDADE DE NEGOCIÇÃO A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NA NEGOCIAÇÃO RIO BRANCO- ACRE 2013 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1- A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO...4 2- COMUNICAÇÃO E NEGOCIAÇÃO...6 2.1 Os quatros conceitos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

Planejamento de Aula - Ferramenta Mar aberto

Planejamento de Aula - Ferramenta Mar aberto Planejamento de Aula - Ferramenta Mar aberto Planejar uma aula é uma arte não uma tarefa. O planejamento de aula através da ferramenta Mar Aberto ajuda e contribui para infinitas possibilidades para seu

Leia mais

UMC POS Gestão Equipes e Desenvolvimento de Pessoas GEDPB04 Maio / 2013 Professora: Maria Luísa Dias MATERIAL DE APOIO AULA 1. Equipes Dão Certo!

UMC POS Gestão Equipes e Desenvolvimento de Pessoas GEDPB04 Maio / 2013 Professora: Maria Luísa Dias MATERIAL DE APOIO AULA 1. Equipes Dão Certo! Equipes Dão Certo! Um grupo é um conjunto de pessoas que possuem o mesmo objetivo comum ou que compartilham alguma característica. Já uma equipe, é um conjunto de pessoas que se unem para alcançar o mesmo

Leia mais

O uso de jogos no ensino da Matemática

O uso de jogos no ensino da Matemática 607 O uso de jogos no ensino da Matemática Cyntia Luane Silva Godoy 1 Marlene Menegazzi 2 RESUMO Neste trabalho irei abordar a importância do uso de jogos no ensino da Matemática como um recurso didático

Leia mais

COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA DE PODER QUEM NÃO COMUNICA NÃO LIDERA

COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA DE PODER QUEM NÃO COMUNICA NÃO LIDERA COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA DE PODER QUEM NÃO COMUNICA NÃO LIDERA Não há mais lugar para a empresa que se cala, nem para o dirigente que confina sua atividade ao gabinete fechado. Luiz Carlos Trabuco

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É Descobrindo-se... Fácil é olhar à sua volta e descobrir o que há de

Leia mais

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I Profa. Ma. Andrea Morás Unidade I COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Comunicação empresarial Definição: Compreende um conjunto complexo de atividades, ações, estratégias, produtos e processos desenvolvidos para reforçar

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem SENTIDOS (principal) Gosto de informações que eu posso verificar. Não há nada melhor para mim do que aprender junto

Leia mais

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Módulo Consultoria Diretor de Planejamento Experiência Profissional: SENAC-Rio em 2007 como especialista e coordenador

Leia mais

CENARIO INDUSTRIAL TECNOLOGIA RELACIONAMENTO COMPETÊNCIA

CENARIO INDUSTRIAL TECNOLOGIA RELACIONAMENTO COMPETÊNCIA COMPETIÇÃO GLOBAL Se você estiver pensando em fazer coisas melhores, pelo menos duas vezes mais rápido, com a metade dos recursos, você tem uma atitude mental certa para desafiar efetivamente a competição

Leia mais

Gestão de Pessoas. É bem mais fácil quando você conhece profundamente seus colaboradores

Gestão de Pessoas. É bem mais fácil quando você conhece profundamente seus colaboradores Gestão de Pessoas É bem mais fácil quando você conhece profundamente seus colaboradores 1 Gestão de Pessoas Acalme-se. Já não é necessário comer um quilo de sal pra conhecer profundamente as pessoas com

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

OBJETIVO DESENVOLVER UM MELHOR CONHECIMENTO DE SI MESMO E

OBJETIVO DESENVOLVER UM MELHOR CONHECIMENTO DE SI MESMO E TRABALHO EM EQUIPE: SUPERANDO DESAFIOS OBJETIVO DESENVOLVER UM MELHOR CONHECIMENTO DE SI MESMO E DOS OUTROS. ANALISAR, ESTUDAR E DISCUTIR AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS EXISTENTES NA EQUIPE DE TRABALHO, VISANDO

Leia mais

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6 FIAT Q Questionário de Relacionamento Interpessoal Glenn M. Callaghan Department of Psychology; One Washington Square, San Jose University, San Jose CA 95192-0120 Phone 08) 924-5610 e fax (408) 924 5605.

Leia mais

Avaliação por. competências Recursos Humanos

Avaliação por. competências Recursos Humanos Avaliação por competências Recursos Humanos Missão Promover ações de saúde, educação e assistência social Ampliar a presença do Seconci-SP como agente social, garantindo qualidade e eficiência no desenvolvimento

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

Comitê de Atendimento ao Consumidor

Comitê de Atendimento ao Consumidor Comitê de Atendimento ao Consumidor Critérios de Avaliação Para Admissão de Atendentes Comitê de Atendimento ao Consumidor Critérios de Avaliação para Admissão de Atendentes 1 ) Critérios Gerais: 1. Agilidade.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada.

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada. 10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS Para administrar CONFRONTAÇÃO; dar FEEDBACK, dizer NÃO, expressar DESACORDO ou SATISFAÇÃO Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada CONSTRUINDO MELHORES

Leia mais

SEGUNDA EDIÇÃO. Mini guia do líder. De Renzo Oswald Moityca Eficiência Empresarial Ltda. São Paulo. 2004 Moityca Eficiência Empresarial Ltda.

SEGUNDA EDIÇÃO. Mini guia do líder. De Renzo Oswald Moityca Eficiência Empresarial Ltda. São Paulo. 2004 Moityca Eficiência Empresarial Ltda. 2004 SEGUNDA EDIÇÃO Mini guia do líder De Renzo Oswald Moityca Eficiência Empresarial Ltda. São Paulo 2004 Moityca Eficiência Empresarial Ltda. 1 Mini guia do líder Segunda Edição 2004 São Paulo Todos

Leia mais

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 1. O fornecedor é totalmente focado no desenvolvimento de soluções móveis? Por que devo perguntar isso? Buscando diversificar

Leia mais

Motivando Equipes em Tempos de Crise. Rackel Valadares Maio/2013

Motivando Equipes em Tempos de Crise. Rackel Valadares Maio/2013 Motivando Equipes em Tempos de Crise Rackel Valadares Maio/2013 Motivando Equipes em Tempos de Crise O que é Motivação? August 26, 2013 Slide 2 2009 GXS, Inc. Motivando Equipes em Tempos de Crise Motivação

Leia mais

Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes.

Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes. Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes. Administração de Vendas Planejamento, direção e controle

Leia mais

COMUNICADO À COMUNIDADE ACADÊMICA DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - IFMA

COMUNICADO À COMUNIDADE ACADÊMICA DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - IFMA COMUNICADO À COMUNIDADE ACADÊMICA DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - IFMA O empreendimento de ações no campo da educação, notadamente na modalidade a distância, solicita de seus agentes o cuidado

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS GUIA DE BOAS PRÁTICAS A RODADA DE NEGÓCIOS A RODADA DE NEGÓCIOS É UM EVENTO EMPRESARIAL ORGANIZADO PARA PROMOVER NEGÓCIOS E PARCERIAS. Em um mesmo local estão empresas convidadas com interesse em comprar,

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA

Leia mais

Colgate-Palmolive Company. Código de Conduta do Fornecedor

Colgate-Palmolive Company. Código de Conduta do Fornecedor Colgate-Palmolive Company Código de Conduta do Fornecedor Prezado Fornecedor da Colgate, No decorrer do tempo, a Colgate-Palmolive Company construiu sua reputação como organização que emprega práticas

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua A Ciência e a Arte de Ser Dirigente Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1 INTRODUÇÃO Este tema traz a tona uma grande questão que vamos tentar responder nestas poucas paginas, ser um dirigente requer grande

Leia mais

Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação

Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação Um ambiente em constante mutação, com alterações cada vez mais rápidas e significativas, exige uma empresa com capacidade de adaptação crescente ao

Leia mais

DICAS DE BURACO ONLINE

DICAS DE BURACO ONLINE DICAS DE BURACO ONLINE Link: http://www.jogatina.com/dicas-jogar-buraco-online.html Às vezes, conhecemos todas as regras de um jogo, mas na hora de passar da teoria para a prática, as coisas não funcionam

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Media Training

Assessoria de Imprensa e Media Training Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social Habilitação: Relações Públicas Disciplina: Assessoria de Comunicação Profª. Nadege Lomando Assessoria de Imprensa e

Leia mais

Movendo para a Carreira. Josiane Barbosa Diretora Executiva Elite de Vendas Independente

Movendo para a Carreira. Josiane Barbosa Diretora Executiva Elite de Vendas Independente Movendo para a Carreira Josiane Barbosa Diretora Executiva Elite de Vendas Independente O que te move a fazer Mary Kay? Josiane Barbosa Diretora Executiva Elite de Vendas Independente SONHOS Quais são

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Assegurar a satisfação do cliente no pós-venda, desenvolvendo um relacionamento duradouro entre o vendedor e o cliente, além de conseguir indicações através de um sistema de follow-up (acompanhamento).

Leia mais

:: aula 3. :: O Cliente: suas necessidades e problemáticas. :: Habilidades a ser desenvolvidas

:: aula 3. :: O Cliente: suas necessidades e problemáticas. :: Habilidades a ser desenvolvidas :: Nome do Curso Análise e Desenvolvimento de Sistemas :: Nome da Unidade Curricular Programação WEB :: Tema da aula O Cliente: levantamento de dados, suas necessidades e problemáticas. :: Fase / Etapa

Leia mais

RELAÇÕES HUMANAS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP - 42883

RELAÇÕES HUMANAS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP - 42883 Coren/SP - 42883 n Onde houver duas pessoas, com certeza teremos um relacionamento 2 n Não é surpresa para ninguém que as pessoas diferem umas das outras, não havendo dois seres iguais no mundo. n O homem

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

Inovação Tecnológica!

Inovação Tecnológica! Inovação Tecnológica! Engraçado, costumam dizer que tenho sorte, só eu sei que quanto mais eu me preparo Mais sorte eu tenho. A nthony Robbins Consultora Cássia Ghelfi Raza Marcelo Como você vai mover-se

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 13

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 13 ÍNDICE PrefÁcio... 11 INTRODUÇÃO... 13 Capítulo 1 OS PONTOS DE REFERÊNCIA DA DISCIPLINA.. 17 Os pontos de referência... 17 Os fundamentos da disciplina: os primeiros 6 meses... 18 Dos 7 aos 8 meses: a

Leia mais

Motivar os Professores

Motivar os Professores Motivar os Professores Ramiro Marques Conferência Realizada no Dia da Escola Escola Superior de Educação de Santarém 11 de Novembro de 2003 Uma das formas de motivar o jovem professor é: Ouvi-lo com atenção

Leia mais

www.belcorp.biz VIII/09

www.belcorp.biz VIII/09 CÓDIGO DE ÉTICA www.belcorp.biz VIII/09 Na Belcorp acreditamos que cada pessoa tem o poder de transformar seus sonhos em realidade. Assumir este poder significa reconhecer que nossas ações e decisões têm

Leia mais

Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear

Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Psicossociologia do Trabalho COMUNICAÇÃO I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Comunicação Funções Processo da comunicação. Emissor.

Leia mais

A ARTE E A IMPORTÂNCIA DE RECEBERMOS FEEDBACK

A ARTE E A IMPORTÂNCIA DE RECEBERMOS FEEDBACK A ARTE E A IMPORTÂNCIA DE RECEBERMOS FEEDBACK Sandra Regina da Luz Inácio O que é feedback? Feedback é o processo de fornecer dados a uma pessoa ou grupo ajudando-o a melhorar seu desenvolvimento no sentido

Leia mais

Recrutamento e Seleção

Recrutamento e Seleção Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Recursos Humanos OFICINA DE RECURSOS HUMANOS CRS Recrutamento e Seleção Data: 02 de maio de 2012 Local: CEFOR SP Responsável: Por que estamos aqui? Redes

Leia mais

Título do Case: Diversidades que renovam, transformando novas realidades

Título do Case: Diversidades que renovam, transformando novas realidades Título do Case: Diversidades que renovam, transformando novas realidades Categoria: Práticas Internas. Temática: Pessoas. Resumo: A motivação dos funcionários é importante para incentivar o trabalho e

Leia mais

PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO

PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO [ Pág 2 Capa 1 Objectivos 3 Introdução... 4 Como fazer uma negociação eficaz... 5 Preparar a Negociação. 6 Cuidar da Apresentação.. 7 Escolher o Método de Negociação. 8 Regra da

Leia mais

Lúdico e as relações pessoais: oportunidades de ação

Lúdico e as relações pessoais: oportunidades de ação Lúdico e as relações pessoais: oportunidades de ação Profa. Elaine Prodócimo Faculdade de Educação Física UNICAMP GEPA- Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Agressividade Sentimento de violência Percepção

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR. Imagens: depositphotos.com. Roberto Dias Duarte

Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR. Imagens: depositphotos.com. Roberto Dias Duarte Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR Imagens: depositphotos.com www.robertodiasduarte.com.br facebook.com/imposticida contato@robertodiasduarte.com.br Nossa "prosa" SPED

Leia mais

Liderança Ciclo Motivacional Clima Organizacional Cultura Organizacional

Liderança Ciclo Motivacional Clima Organizacional Cultura Organizacional Clima Organizacional Cultura Organizacional Disciplina: Gestão de Pessoas Página: 1 Aula: 09 O líder pode ser definido como uma pessoa capaz de unir outras através de esforços combinados para atingir determinado

Leia mais

Competências organizacionais

Competências organizacionais GESTÃO DO PROCESSO JUDICIAL Capacidade de coordenar e controlar as atividades processuais, entregando com eficiência e presteza a tutela jurisdicional. EXCELÊNCIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Capacidade para

Leia mais

HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA O ATENDIMENTO AO CLIENTE

HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA O ATENDIMENTO AO CLIENTE HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA O ATENDIMENTO AO CLIENTE SUMÁRIO Telefone Tickets de suporte e email Chat 4 6 8 Rede social 10 HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA O ATENDIMENTO AO CLIENTE 3 HABILIDADES NECESSÁRIAS

Leia mais

Ferramentas de Coaching Potencializando Equipes

Ferramentas de Coaching Potencializando Equipes Ferramentas de Coaching Potencializando Equipes Caxias do Sul, 04 de junho 2014 Silvia Bernardi Vivemos em uma busca constante e incansável... Do que mesmo? Qual sua direção? 2 O QUE É COACHING? 3 COACHING

Leia mais

RELATÓRIO 2012 REALIZAÇÃO:

RELATÓRIO 2012 REALIZAÇÃO: RELATÓRIO 2012 REALIZAÇÃO: Durante os últimos 4 meses de 2012, nós tivemos o prazer de conduzir o projeto Cidadão do Futuro nas comunidades de Antônio Pereira (Ouro Preto/MG), Condados (Guarapari/ES),

Leia mais