Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear"

Transcrição

1 Psicossociologia do Trabalho COMUNICAÇÃO I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Comunicação Funções Processo da comunicação. Emissor. Codificação. Mensagem. Canal. Descodificação. Receptor. Feedback. Distorção da comunicação Fundamentos da comunicação DIRECÇÃO DA COMUNICAÇÃO REDES FORMAIS OU INFORMAIS COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL ESCOLHA DO CANAL DE COMUNICAÇÃO BARREIRAS A UMA COMUNICAÇÃO EFICAZ 1

2 Comunicação transferência e compreensão de significados Robbins, Funções da comunicação. 1 Controlo Ex. O grupo pode gozar ou ironizar com um elemento que trabalha de mais (fazendo os outros parecer que trabalham pouco), dessa forma o grupo comunica informalmente e controla o comportamento desse elemento. 2 Implementar motivação Através da comunicação de: - Objectivos/metas - Feedback dos resultados - Reforço sobre o comportamento correcto. 3 Expressão Emocional A comunicação permite o libertar das expressões emocionais dos sentimentos e o preenchimento das necessidades sociais.. 4 Informação A comunicação fornece a informação para a tomada de decisão (dados para identificar e avaliar escolhas alternativas) O processo de comunicação Passos entre o emissor e o receptor que resultam (bem ou mal) numa transferência e entendimento duma significação Elementos da comunicação. Emissor. Codificação. Mensagem. Canal. Descodificação. Receptor. Feedback Distorção da comunicação 2

3 Modelo de comunicação Mensagem Mensagem Mensagem Mensagem Emissor Codificação Canal Descodificação Receptor Feedback Antes da comunicação ter lugar é necessário existir um objectivo/intenção que expresso sob a forma de uma mensagem tem que ser transportada. O transporte é entre o emissor e o receptor. A mensagem é codificada e transmitida através dum canal. O receptor por sua vez descodifica-a e dá um feedback Codificação conversão da mensagem duma comunicação numa forma simbólica A codificação é afectada por: Aptidões - Por exp.º o sucesso em dar a aula bem, em comunicar eficazmente, depende das aptidões do orador. O sucesso total em termos de aptidões para a comunicação também incluem: a escrita, a leitura, o saber ouvir e raciocinar e a comunicação não verbal. Atitudes - As atitudes influenciam o comportamento e aquilo que dizemos. Nós possuímos ideias preconcebidas sobre determinados assuntos, as nossas atitudes sobre esses assuntos afectam a comunicação. Conhecimento - se for de menos, não podemos comunicar aquilo que não sabemos, se for de mais pode ser complicado para o receptor entender-nos. Sistema sócio-cultural de pertença - Os valores e as crenças, tal como as atitudes, agem de forma a influenciar-nos como fontes de comunicação. 3

4 Mensagem Aquilo que é comunicado, produto da codificação do emissor A mensagem é aquilo que é um produto físico da codificação. É o que se ouve, vê ou lê. É a fala quando falamos, a escrita quando escrevemos, são os gestos quando gesticulamos e é uma pintura quando pintamos A mensagem é afectada por: Código ou grupo de símbolos usados - Constituem a escrita, a fala e por exp.º a pintura, todos estes elementos são compostos por símbolos Conteúdos - aquilo que a mensagem contém Forma - forma como a mensagem é transmitida. Canal Meio através do qual a mensagem circula O canal pode ser:: Formal - Estabelecido pela organização, circulam essencialmente mensagens relacionadas com trabalho Informal - Circulam essencialmente mensagens mais sociais e pessoais. Descodificação Reconversão da mensagem do emissor Os factores que afectam a descodificação são os mesmos que afectam a codificação. Feedback Última ligação no processo de comunicação, faz o retorno da mensagem para o sistema como garantia de que ela foi compreendida correctamente 4

5 Fontes de distorção Mensagem Mensagem Mensagem Mensagem Emissor Codificação Canal Descodificação Receptor Feedback Qualquer dos elementos do modelo de comunicação que, por defeito/erro, possam causar perturbação ao objectivo da comunicação Exs:. O canal se for mal escolhido ou se o ruído for elevado a mensagem pode não chegar ou ser mal entendida;. Os preconceitos, conhecimentos, capacidades, atenção e cuidados postos na descodificação por parte do receptor são factores que podem fazer com que a mensagem seja vista de forma diferente àquela que foi enviada pelo emissor. Fundamentos da comunicação DIRECÇÃO DA COMUNICAÇÃO REDES FORMAIS OU INFORMAIS COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL ESCOLHA DO CANAL DE COMUNICAÇÃO BARREIRAS A UMA COMUNICAÇÃO EFICAZ 5

6 Direcção da comunicação Vertical Descendente - Do topo para a base em termos hierárquicos Ascendente - Da base para o topo - dá feedback acerca dos objectivos, desempenho e comunicação de problemas Exs. - Relatórios de trabalho - Caixa de sugestões - Questionários de atitudes - Reuniões com diversos níveis hierárquicos Lateral Comunicação que ocorre entre elementos de uma linha hierárquica semelhante Pode facilitar a coordenação entre elementos Pode constituir uma dificuldade para a acção da hierarquia Redes de comunicação Definem os canais por onde a informação flui. Redes Formais Comunicações ligadas à tarefa que seguem a cadeia da autoridade, são normalmente com direcção vertical Redes Informais Comunicação pessoa a pessoa 3 características - Sem controle da gestão - Vista como mais credível pelos trabalhadores - Usada para servir os interesses próprio das pessoas 6

7 Três tipos de redes formais cadeia volante todos os canais Critérios de eficácia para cada tipo de rede Velocidade Precisão/rigor Emergência líder Satisfação moderada alta moderada moderada rápida alta alta baixa rápida moderada nenhuma alta A adequação de cada rede formal depende do critério. Não há redes ideais para todas as ocasiões Estudos de Davis (1953) e Sutton & Porter (1968) sobre a comunicação pessoa a pessoa. O procedimento destes estudos, consistia em saber como é que o receptor, tinha recebido uma determinada informação e depois saber quem a tinha transmitido, qual ou quais tinham sido os emissores, as conclusões foram: - 10% das pessoas é que são os que fazem circular a comunicação (apesar de quase todos terem recebido a comunicação) - Não são sempre os mesmos, depende da relevância pessoal - No topo a comunicação é mais inter-departamental, nas bases é intra-departamental Rigor da comunicação pessoa a pessoa é de 75% 7

8 Rumores Têm a função de estruturar e reduzir a ansiedade, para dar sentido à informação incompleta ou mal estruturada e surgem quando: as situações são importantes para nós: quando há ambiguidade e ou; a situação gera ansiedade Exp.º A existência de uma possível promoção, é uma situação de competitividade, que é importante e gera ansiedade - vou ser eu???. Formas de contrariar os rumores: 1. Definir datas para as tomadas de decisão importantes; 2. Explicar decisões e comportamentos que possam parecer inconsistentes ou secretos; 3. Dar igual ênfase aos aspectos positivos e negativos; 4. Discutir sempre abertamente os piores cenários possíveis. Comunicação não verbal Mensagens transmitidas através dos movimentos do corpo, as entoações ou ênfase que damos às palavras, expressões faciais e a distância entre o emissor e o receptor. Exemplos (manifestados inconscientemente) - Levantar sobreolho para demonstrar incredulidade - Corar para mostrar embaraço - Cruzamos os braços para nos isolarmos ou nos protegermos - Encolher os ombros para mostrar indiferença - Piscamos os olhos para mostrar intimidade - Batemos os dedos para mostrar impaciência - Batemos na testa quando nos esquecemos de algo Ligados à linguagem adquirem um sentido completo Pode ser, ou não, consonante com o conteúdo da mensagem (ex Bom dia!) (Atenção: Estudos menos científicos, mais baseados em saber popular ) 8

9 Escolha do canal de comunicação Os canais diferem na quantidade e qualidade da informação que transmitem RIQUEZA DO CANAL Rico Pobre HIERARQUIA DA RIQUEZA DOS CANAIS TIPO DE MENSAGEM - Não rotineira - Ambígua - Rotina - Clara EXPº MEIO INFORMAÇÃO Face a face Telefone Cartas Relatórios A RIQUEZA DO CANAL é a quantidade de informação que pode ser transmitida (pistas, feedback, ser mais ou menos pessoal) A escolha do canal depende entre outros da rotina e da ambiguidade/clareza da mensagem. Barreiras à comunicação FILTRAÇÃO Manipulação da informação por parte do emissor, para ficar bem visto pelo receptor. Quanto maior for o número de níveis hierárquicos da organização, maior é a probabilidade de existir filtração. PERCEPÇÃO SELECTIVA Percepção selectiva da informação com base nas necessidades, motivações, experiência e características pessoais. EMOÇÕES A disposição do momento pode afectar a comunicação. Estados extremos de euforia ou depressão, provocam julgamentos mais emocionais, menos objectivos, menos racionais. LINGUAGEM O sentido das palavras pode diferir de pessoa para pessoa. Pode depender do background cultural. Ao longo da linha hierárquica podem existir muitas diferenças que justificam um cuidado na linguagem usada. As linguagens ou jargões técnicos também podem constituir uma barreira idêntica. 9

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM COMUNICAÇÃO NO PROCESSO GERENCIAL

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM COMUNICAÇÃO NO PROCESSO GERENCIAL UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM COMUNICAÇÃO NO PROCESSO GERENCIAL Prof. Cassimiro Nogueira Junior RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 3, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Unidade IV. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas

Unidade IV. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas Unidade IV Comunicação Empresarial Profª. Cleide de Freitas Resumo aula anterior Variações Línguísticas Níveis da fala Modelos de redação Veículos de redação administrativa Vantagens e desvantagens da

Leia mais

Aula 05 Comunicação nas Empresas

Aula 05 Comunicação nas Empresas Aula 05 Comunicação nas Empresas Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será estudar os processos de comunicação nas empresas, suas funções e fundamentos e as principais barreiras existentes para se

Leia mais

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional A Comunicação Estratégica no âmbito da Mudança Organizacional Entrevista 1 Organização A Caracterização da Organização e Entrevistado Tipo ORGANIZAÇÃO - A Instituição Particular de Solidariedade Social,

Leia mais

Comunicar com. Madalena Leão

Comunicar com. Madalena Leão Comunicar com Impacto Madalena Leão 15 de Fevereiro de 2009 Falar em público Capacidade que possibilita a um bom orador defender e fundamentar as suas ideias; Afirmar energeticamente as suas propostas;

Leia mais

Excelência no Atendimento

Excelência no Atendimento Excelência no Atendimento Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Instrutor: HUARLEY PRATTE LEMKE Introdução O que é atendimento? Atendimento é o ato de atender, ou seja, ao ato de cuidar, de prestar

Leia mais

Gerenciamento das Comunicações do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Comunicações do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Comunicações do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Inclui os processos necessários para assegurar que as informações do projeto sejam planejadas, coletadas, criadas, distribuídas, armazenadas, recuperadas,

Leia mais

Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I:

Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I: Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional Unidade I: 0 Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional http://pro.corbis.com/enlarge ment/enlargement.aspx?id=4 2-22634984&caller=search

Leia mais

Introdução - A COMUNICAÇÃO NO CERNE DA VIDA ORGANIZACIONAL

Introdução - A COMUNICAÇÃO NO CERNE DA VIDA ORGANIZACIONAL , Indice Notas prévias à 2ª edição 17 Síntese de objectivos e conteúdos 19 Introdução - A COMUNICAÇÃO NO CERNE DA VIDA ORGANIZACIONAL 1. Animais sociais e organizacionais 1.1. Sem comunicação, não há organização

Leia mais

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Módulo Consultoria Diretor de Planejamento Experiência Profissional: SENAC-Rio em 2007 como especialista e coordenador

Leia mais

Estudo do comprometimento organizacional em unidades de informação: relacionamento interpessoal versus comunicação

Estudo do comprometimento organizacional em unidades de informação: relacionamento interpessoal versus comunicação Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Estudo do comprometimento organizacional em unidades de informação: relacionamento interpessoal versus comunicação Rebeka Maria de Carvalho Santos Godeiro (UFERSA) - rebeka_carvalho@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO INTERNA NAS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO INTERNA NAS ORGANIZAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO INTERNA NAS ORGANIZAÇÕES Airton Aparecido Magrini - 613 9031 Aliny Varella - 613 8808 Cláudia Prezotto - 613 9444 Elaine Benati Mazeta - 613 9281 Raphael Varella - 613 8803

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

A importância da comunicação como instrumento. de gestão de pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

A importância da comunicação como instrumento. de gestão de pessoas. Glaucia Falcone Fonseca como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca Todos sabem que a comunicação é vital para a organização, mas nem todos são capazes de criar o tipo de ambiente de trabalho rico em informações

Leia mais

A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria

A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria As aptidões essenciais de uma boa tutoria não são muito diferentes das do bom professor presencial. O que distingue umas e outras é o ambiente

Leia mais

Programa de Educação Bilingue - II Ciclo 3ª Classe CONTEÚDOS

Programa de Educação Bilingue - II Ciclo 3ª Classe CONTEÚDOS Programa de L1-3ª Classe Família Compreender mensagens e textos orais; Distinguir a pronúncia padrão da não Respeitar as diferentes formas de expressão dos seus companheiros; Expressar-se de forma clara

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa 3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa O objetivo do presente estudo é o de avaliar um processo de comunicação oficial na organização STAR, uma organização do segmento de educação, sem fins lucrativos,

Leia mais

Psicossociologia do Trabalho

Psicossociologia do Trabalho Diferenças Individuais Psicossociologia do Trabalho Diferenças individuais (Categorização dos indivíduos) 2 Quantificação objectiva das características dos indivíduos numa determinada população Exemplos

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Concurso: Aula 8 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Aula 8 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Aula 8 LEONARDO FERREIRA Comunicação Introdução (1) Toda organização funciona a partir dos processos de comunicação. A dinâmica organizacional somente é possível

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Motivar os Professores

Motivar os Professores Motivar os Professores Ramiro Marques Conferência Realizada no Dia da Escola Escola Superior de Educação de Santarém 11 de Novembro de 2003 Uma das formas de motivar o jovem professor é: Ouvi-lo com atenção

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Conteúdos: Funções da Linguagem

Conteúdos: Funções da Linguagem Conteúdos: Funções da Linguagem Habilidades: Analisar a função da linguagem utilizada em diferentes gêneros textuais, de acordo com a sua finalidade comunicativa; Habilidades: Identificar e classificar

Leia mais

A partir da situação hipotética acima, assinale a opção correta acerca dos afetos e vínculos dos profissionais com o trabalho e com as organizações.

A partir da situação hipotética acima, assinale a opção correta acerca dos afetos e vínculos dos profissionais com o trabalho e com as organizações. Un/SP -ertificação Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Unidade III. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas

Unidade III. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas Unidade III Comunicação Empresarial Profª. Cleide de Freitas Resumo aula anterior Construção de textos Tipos de parágrafos Texto Narrativo, Descritivo e Dissertativo Resumo Esquema Resenha Sinóptico O

Leia mais

AULA 28 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO E NEGOCIAÇÃO

AULA 28 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO E NEGOCIAÇÃO Curso: MBA COC Administração Geral Módulo: Gestão Estratégica Aula 28 Processo de Comunicação e Negociação Módulo 8 Data: 23/01/2012 30/01/2012 Prezados alunos, Iniciamos o Módulo 8 Gestão Estratégica,

Leia mais

Sistema de Informação da Empresa

Sistema de Informação da Empresa TRABALHO DE GRUPO Carlos Ribeiro, José Bispo, Raul Falcão, Rui Fonseca, Vítor Costa ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA Organização: Grupo de pessoas que se constitui de forma organizada para objetivos comuns (cooperativas,

Leia mais

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada.

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada. 10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS Para administrar CONFRONTAÇÃO; dar FEEDBACK, dizer NÃO, expressar DESACORDO ou SATISFAÇÃO Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada CONSTRUINDO MELHORES

Leia mais

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Qualidade no Atendimento ao Público Profa.: Keyvila

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL Vocês sabem ouvir e realizar um Aconselhamento Pastoral (AP) eficaz e eficiente? Sabem as técnicas que podem ser utilizadas no Gabinete

Leia mais

Apresentação pessoal.

Apresentação pessoal. Apresentação pessoal. QUEM é o orador? Qualidades do Orador. O meu orador não entrega o seu controle remoto para ninguém. A autoestima do orador. Nenhum dia sem uma linha. João Guimarães Rosa; Machado

Leia mais

Módulo 11- Disciplina da Segurança Penitenciária IV. Disciplina: Comunicação de Dados

Módulo 11- Disciplina da Segurança Penitenciária IV. Disciplina: Comunicação de Dados Módulo 11- Disciplina da Segurança Penitenciária IV Módulo 11- Disciplina da Segurança Penitenciária IV 1. CONCEITO DE COMUNICAÇÃO A Comunicação é entendida como a transmissão de estímulos e respostas

Leia mais

ASSERTIVIDADE: QUALIDADE QUE TRAZ BENEFÍCIOS À COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTOS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES. Amanda Spano Aranda 1

ASSERTIVIDADE: QUALIDADE QUE TRAZ BENEFÍCIOS À COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTOS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES. Amanda Spano Aranda 1 ASSERTIVIDADE: QUALIDADE QUE TRAZ BENEFÍCIOS À COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTOS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Amanda Spano Aranda 1 1 Aluna do curso de MBA em Gestão de Pessoas FATEP: amandinhaspano@msn.com RESUMO

Leia mais

Falando a mesma língua

Falando a mesma língua por Mauricio Duarte Falando a mesma língua Gestão de relacionamentos: A comunicação como ferramenta no mundo corporativo GETTY IMAGE 10 Relações humanas se dão por meio da comunicação. Em todas as esferas

Leia mais

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Comunicar significa transmitir ideias, sentimentos ou experiências de uma pessoa para outra, tornar comum, participar, fazer saber, transmitir. ANDRADE (2008, p. 45) O resultado

Leia mais

Auditores Internos da Qualidade em laboratórios de calibração e ensaio. Instrutora: Ana Cristina D. M. Follador

Auditores Internos da Qualidade em laboratórios de calibração e ensaio. Instrutora: Ana Cristina D. M. Follador Auditores Internos da Qualidade em laboratórios de calibração e ensaio Instrutora: Ana Cristina D. M. Follador Programação do curso Objetivo do curso Definições fundamentais (exercício) Bases da auditoria

Leia mais

Kimberly Willis. The Little Book Of Diet Help. Inês Rodrigues. Liliana Lourenço. Tradução de. Ilustrações de

Kimberly Willis. The Little Book Of Diet Help. Inês Rodrigues. Liliana Lourenço. Tradução de. Ilustrações de Kimberly Willis The Little Book Of Diet Help Tradução de Inês Rodrigues Ilustrações de Liliana Lourenço PARTE 1 > SOBRE ESTE LIVRO 9 PARTE 2 > VAMOS COMEÇAR 19 PARTE 3 > MUDE A FORMA COMO SE SENTE 49

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

Palavras-Chave: Marketing relacional; marketing one-to-one; clientes;

Palavras-Chave: Marketing relacional; marketing one-to-one; clientes; Resumo Este trabalho, pretende demonstrar o que é o marketing relacional, através de algumas definições e elementos que o caracterizam. Em primeiro lugar, vamos ver a origem do marketing relacional e,

Leia mais

A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RESUMO

A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO RESUMO A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO Murilo Cezar Cucolo - FAFIJAN RESUMO O objetivo do presente estudo é levantar a importância da comunicação interna como

Leia mais

TÉCNICAS DE ATENDIMENTO

TÉCNICAS DE ATENDIMENTO GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos de Educação e Formação Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL TÉCNICAS DE ATENDIMENTO (Tipo 3) Página 1 de 7 Competências Gerais Acolher clientes, diagnosticar

Leia mais

Contribuição do Sistema de Comunicação para a Eficiência da Assistência Perioperatória

Contribuição do Sistema de Comunicação para a Eficiência da Assistência Perioperatória Contribuição do Sistema de Comunicação para a Eficiência da Assistência Perioperatória Enfa Ms Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso malucardoso@saoluiz.com.br Julho/2009 Agenda: Processo e Formas de Comunicação

Leia mais

Lúdico e as relações pessoais: oportunidades de ação

Lúdico e as relações pessoais: oportunidades de ação Lúdico e as relações pessoais: oportunidades de ação Profa. Elaine Prodócimo Faculdade de Educação Física UNICAMP GEPA- Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Agressividade Sentimento de violência Percepção

Leia mais

Profª Dr a Valéria Valls Agosto de 2012

Profª Dr a Valéria Valls Agosto de 2012 Profª Dr a Valéria Valls Agosto de 2012 Panorama sobre Gestão da Qualidade, incluindo os princípios fundamentais relacionados ao atendimento A Qualidade em Serviços e a percepção do cliente A importância

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO Priscila Gomez Soares de Moraes 1 Fabrício Ziviani 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo questionar

Leia mais

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I Profa. Ma. Andrea Morás Unidade I COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Comunicação empresarial Definição: Compreende um conjunto complexo de atividades, ações, estratégias, produtos e processos desenvolvidos para reforçar

Leia mais

Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção e Auto-Estima

Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção e Auto-Estima Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção e Auto-Estima Paulo José Costa Assistente de Psicologia Clínica Serviço de Pediatria do CHL, EPE (Leiria) www.paulojosecosta.com paulojosecosta@gmail.com

Leia mais

A AUTO-ESTIMA DA CRIANÇA COM DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM E O PAPEL DO PROFESSOR:

A AUTO-ESTIMA DA CRIANÇA COM DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM E O PAPEL DO PROFESSOR: A AUTO-ESTIMA DA CRIANÇA COM DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM E O PAPEL DO PROFESSOR: A primeira coisa que devemos lembrar, como bem nos coloca Souza (2010) é que a auto-estima de uma criança está muito relacionada

Leia mais

Guia prático para professores

Guia prático para professores Guia prático para professores Não, Não e NÃO! Comportamentos de Oposição e de Desafio em sala de aula Sugestões práticas da: Nem todas as crianças são iguais, já ouvimos dizer muitas vezes.. Desde cedo,

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Compreender informação factual e explicações Compreender instruções e orientações

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

DIREÇÃO ADMINISTRATIVA

DIREÇÃO ADMINISTRATIVA Prof. Jairo Molina Gestão em Petróleo e Gás 2 DIREÇÃO ADMINISTRATIVA Para que a Empresa funcione adequadamente ela precisa ser dirigida. Em outros termos, ela precisa ser governada e orientada para os

Leia mais

Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM PAG. 2 PAG. 3 PAG. 4

Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM PAG. 2 PAG. 3 PAG. 4 Associação de Basquetebol de Aveiro CAD Aveiro ARBITRAGEM Árbitro ou Oficial de Mesa. Uma forma diferente de jogar Basquetebol NOV 2015 Nº 01 Índice: PAG. 2 CO N CENTRAÇÃO PAG. 3 CRITÉRIO PAG. 4 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento Kleber A. Ribeiro Controle e execução do projeto Objetivos - Desenvolvimento da equipe - Controle do gerenciamento de mudanças - Monitorar o progresso

Leia mais

Processos Organizacionais Temas que afetam os Processos Organizacionais. Temas que afetam os Processos Organizacionais

Processos Organizacionais Temas que afetam os Processos Organizacionais. Temas que afetam os Processos Organizacionais Processos Organizacionais 1. Conflito e Negociação 2. Poder e política 3. Liderança 5. Tomada de Decisão 6. Mudança e Estresse É um processo de remessa e recebimento de mensagens com conteúdo significativo.

Leia mais

Escola Secundária c/ 3º ciclo do Fundão. Palavras-chave: transição, instrução, empenhamento motor, exemplificação, comunicação.

Escola Secundária c/ 3º ciclo do Fundão. Palavras-chave: transição, instrução, empenhamento motor, exemplificação, comunicação. Escola Secundária c/ 3º ciclo do Fundão Quinta-feira 05 De Novembro de 2009 Turma: 12ºCSEAV --» Aula do professor estagiário Nuno Rodrigues. Palavras-chave: transição, instrução, empenhamento motor, exemplificação,

Leia mais

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe Agenda Comportamento de grupos Caso Uma Equipe Desunida Trabalho em equipe 1 Fundamentos do comportamento de grupos 1 Aula 6 Grupos e Equipes de Trabalho Ref.: Robbins, caps. 7 e 8 Definição Um grupo é

Leia mais

Expressão Facial e Corporal na comunicação em LIBRAS

Expressão Facial e Corporal na comunicação em LIBRAS Expressão Facial e Corporal na comunicação em LIBRAS Solange de Fátima Brecailo JULHO DE 2012 Expressão Facial e Corporal na comunicação em LIBRAS Introdução: A necessidade de comunicação nasceu do homem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I Comunicação e relações humanas no trabalho de Enfermagem

Leia mais

Competência individual essencial

Competência individual essencial Competência individual essencial Introdução Objetivo Reflexão e aprofundamento sobre o processo básico da comunicação, a fim de que haja maior exatidão na compreensão do significado daquilo que se quer

Leia mais

Como se comunicar bem. Prof. Alexandre Lozi

Como se comunicar bem. Prof. Alexandre Lozi Prof. Alexandre Lozi Comentário das apresentações Avaliação da postura: Falhas: Mãos enroladas Mãos soltas Andado desordenado Pêndulo Balanço do pé Apoio no quadro Apoio na perna Permanecer sentado Mãos

Leia mais

Atividade Motora Adaptada

Atividade Motora Adaptada Distúrbio de aprendizagem (DA) Atividade Motora Adaptada DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Discrepância entre o potencial e o aproveitamento escolar, que não se deve a retardo mental, distúrbio emocional nem

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

Facilitadora: Ana Leila Moura

Facilitadora: Ana Leila Moura Facilitadora: Ana Leila Moura RELAÇÕES INTERPESSOAIS FÁBULA A UNIÃO DE FLORA - RAINHA DA VEGETAÇÃO E ZÉFIRO - O VENTO OESTE. Diz-se que um dia ambos se encontraram: No momento do encontro, a senhora da

Leia mais

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno;

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno; IRAIR VALESAN (PMP) OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Apresentar o caderno; Exemplo de projetos bem sucedidos http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulomineiro/noticia/2015/02/produtores-ruraisaprendem-como-recuperar-nascentes-de-riosem-mg.html

Leia mais

Psicossociologia do Trabalho

Psicossociologia do Trabalho Psicossociologia do Trabalho Valores e Atitudes Valores Atitudes pnoriega@fmh.utl.pt 1 Valores Um valor é uma crença duradoura de que um modo de conduta específico ou um estado de existência, é pessoalmente

Leia mais

Relatório de reflexão crítica

Relatório de reflexão crítica Centro de Formação de Associação das Escolas de Matosinhos C304. Abordagem Multidisciplinar do Atletismo Relatório de reflexão crítica Maria Alcina Jorge Almeida Formadores : Mário Paiva e Sara Fernandes

Leia mais

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas.

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas. PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre ASPECTOS GERAIS TEORIA DE APRENDIZAGEM DE ROBERT GAGNÉ: 1.Informação verbal; 2.Competências intelectuais; 3.Estratégias

Leia mais

Menos paixão: o sucesso na Negociação

Menos paixão: o sucesso na Negociação Menos paixão: o sucesso na Negociação O sucesso de uma negociação está na ausência da paixão. Quanto mais objetiva e baseada em critérios imparciais for a negociação, melhor será o acordo final para todos.

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Desenvolvimento de aplicações de rede UDP e TCP 1 Protocolo UDP ( User Datagram Protocol ) Tal como o nome indica, trata-se de um serviço de datagramas, ou seja

Leia mais

Perturbação da Ansiedade de Separação

Perturbação da Ansiedade de Separação Bibliografia e Recursos úteis (1996). DSM-IV Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. Lisboa: Climepsi Editores. Perturbação da Ansiedade de Separação Kendall, P. C. (2011). Child

Leia mais

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA A A Unidade IV Ciência - O homem na construção do conhecimento. 2 A A Aula 39.2 Conteúdos: Anúncio publicitário: A construção de um anúncio publicitário. 3 A A Habilidades: Relacionar linguagem verbal

Leia mais

Comunicação Não-Violenta

Comunicação Não-Violenta Comunicação Não-Violenta Setembro 2014, São Paulo Palestrante: Sven Fröhlich Archangelo XII Congresso Latino-Americano de PNL Julgamentos Egoista, incompetente, dono da verdade, mentirosa, grosseiro,

Leia mais

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto.

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Um risco tem uma causa e, se ocorre, uma conseqüência. Se um ou outro

Leia mais

Aspectos da Consciência

Aspectos da Consciência Consciência Aspectos da Consciência Consciência Muitos livros definem a consciência como a percepção atual do indivíduo em relação a estímulos externos e internos isto é, de eventos do ambiente e de sensações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS Alessandra dos Santos Silva Helenice Moraes Rosa Roseneia Farias Gazoli Valdilene Batista de Lima O QUE PODEMOS APRENDER

Leia mais

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL. Otília Damaris Psicopedagoga

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL. Otília Damaris Psicopedagoga AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL Otília Damaris Psicopedagoga AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL O desenho é uma das formas de expressão

Leia mais

Natureza e dimensões do. Natureza e dimensões do

Natureza e dimensões do. Natureza e dimensões do Preconceito Natureza e dimensões do preconceito Preconceito e categorização social Efeitos do preconceito Factores explicativos do preconceito e discriminação Copyright, 2006 José Farinha Natureza e dimensões

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br FUNÇÕES DA LINGUAGEM Professor Jailton www.professorjailton.com.br Comunicação e Intencionalidade discursiva / Funções Intrínsecas do Texto Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção

Leia mais

A COMUNICAÇÃO NA GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

A COMUNICAÇÃO NA GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A COMUNICAÇÃO NA GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Eliacy Cavalcanti Lélis Engenheira de Materiais, Administradora, Especialista em Educação Superior, Ms. em Engenharia de Produção, Analista de Avaliação

Leia mais

COMUNICAÇÃO ASSERTIVA: elementos, barreiras e técnicas

COMUNICAÇÃO ASSERTIVA: elementos, barreiras e técnicas COMUNICAÇÃO ASSERTIVA: elementos, barreiras e técnicas Objetivos Neste tópico você poderá: Identificar os elementos da comunicação e as barreiras à comunicação Reconhecer os efeitos da comunicação nos

Leia mais

Psicossociologia do Trabalho

Psicossociologia do Trabalho Psicossociologia do Trabalho 159 000 000 pnoriega@fmh.utl.pt 1 pnoriega@fmh.utl.pt 2 pnoriega@fmh.utl.pt 3 Liderança Introdução - Liderança, natureza e necessidade Teorias dos traços de liderança Teoria

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

CENTRO NACIONAL EUROPASS

CENTRO NACIONAL EUROPASS CENTRO NACIONAL EUROPASS MOSTRA O QUE VALES EM TODA A EUROPA Realize de seguida o seu diagnóstico e saiba qual é o seu estilo de Comunicação e Trabalho em Equipa: É impossível não comunicar! Até no silêncio

Leia mais

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO NO SERVIÇO ODONTOLÓGICO Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br É a proposta de uma nova relação entre usuário, os profissionais que o atendem e os serviços. Todos

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO INTERNA: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA FEDERAL EM BOA VISTA-RR

ANÁLISE DO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO INTERNA: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA FEDERAL EM BOA VISTA-RR ANÁLISE DO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO INTERNA: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA FEDERAL EM BOA VISTA-RR Maria Elizonete P. de Araújo elizoneteadm@outlook.com FEA Victória Corrêa Fortes vcfortes@gmail.com

Leia mais

Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO. Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais)

Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO. Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais) Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais) 1 Aprender linguagem > 4 a 5 anos > VOCABULÁRIO > 1. Aumentando o vocabulário (ajudas e efeitos gerais)

Leia mais

Novas Tecnologias e Comunicação A Arte de Comunicar em Saúde

Novas Tecnologias e Comunicação A Arte de Comunicar em Saúde Novas Tecnologias e Comunicação A Arte de Comunicar em Saúde De que vamos falar? O n o v o c i b e r e s p a ç o B o a s p r á t i c a s e m D e s i g n d e C o m u n i c a ç ã o O m e l h o r d o M u

Leia mais

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ACTIVIDADES/ - Apresentar comportamentos que promovam um melhor crescimento saudável de si, dada a compreensão

Leia mais

NetEtiqueta. É uma abreviação de Etiqueta na Internet. Aplica-se ao envio de e-mails, conversas de chat e envio de mensagens para Fóruns de discussão.

NetEtiqueta. É uma abreviação de Etiqueta na Internet. Aplica-se ao envio de e-mails, conversas de chat e envio de mensagens para Fóruns de discussão. NetEtiqueta É uma abreviação de Etiqueta na Internet. Aplica-se ao envio de e-mails, conversas de chat e envio de mensagens para Fóruns de discussão. No caso das comunicações virtuais é fácil esquecer

Leia mais

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?»

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?» DEPRESSÃO Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» Em determinados momentos da nossa vida é normal experienciar sentimentos de «grande tristeza». Para a maioria das pessoas, tais sentimentos surgem

Leia mais

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter-

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- Algumas definições Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- relações. O sentido de um termo

Leia mais

CollaborativeBook. número 4. Feedback

CollaborativeBook. número 4. Feedback CollaborativeBook número 4 Feedback Feedback 2 www.apoenarh.com.br Nesta nova publicação abordaremos o tema feedback, usando com o objetivo de instrumentalizar o indivíduo para ação e desenvolvimento.

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica Centro de Economia e Administração - CEA Administração Estratégica AULA 3 ANÁLISE SETORIAL Cinco forças competitivas básicas (Porter, 1980): Ameaça de novos concorrentes Intensidade de rivalidade Ameaça

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão

Sistemas de Apoio à Decisão Sistemas de Apoio à Decisão Processo de tomada de decisões baseia-se em informação toma em consideração objectivos toma em consideração conhecimento sobre o domínio. Modelar o processo de tomada de decisões

Leia mais