Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo"

Transcrição

1 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque é que este estudo era necessário? O que pretendemos saber com este estudo? Quem participou neste estudo? Quais foram as principais conclusões do nosso estudo? Vários estudos, realizados fora de Portugal, têm demonstrado que o diagnóstico de um problema de saúde (anomalia congénita) no bebé pode ter um impacto importante na família é um período particularmente exigente e desafiante, porque implica ter de lidar com um conjunto de mudanças que não eram esperadas pelos pais, antes da notícia do diagnóstico. Especificamente, podemos identificar quatro aspetos que podem tornar esta experiência particularmente difícil para os pais: 1) A notícia do diagnóstico de um problema de saúde no bebé é habitualmente inesperada para os pais e constitui um choque; a gravidez e o nascimento de um filho são vistos pelos pais como períodos sem complicações e o bebé é imaginado como saudável e perfeito. Mesmo que a saúde do bebé seja uma preocupação para os pais, a existência de uma anomalia é uma situação pouco frequente e a maioria dos pais não tem casos semelhantes na sua história familiar, fazendo com que a notícia do diagnóstico de um problema de saúde no bebé seja muito inesperada. 2) Quando a notícia do diagnóstico é comunicada aos pais, eles têm de lidar com uma grande quantidade de informação médica sobre o problema de saúde, sobre as consequências futuras para o bebé e sobre as opções de tratamento disponíveis, entre outros aspetos. Por vezes, é difícil para os pais compreender toda a informação num curto período de tempo. 3) Cuidar de um bebé com um problema de saúde também pode ter exigências acrescidas. Por exemplo, os bebés com anomalias congénitas podem necessitar de um número maior de consultas médicas e de hospitalizações ou cirurgias do que os bebés saudáveis; podem também ter algumas características que tornam a prestação de cuidados ao bebé mais difícil (por exemplo, a alimentação dos bebés com lábio leporino pode ser mais difícil para os pais). Porque é que este estudo era necessário? 4) Podem também existir diferenças no contacto com a família e com o grupo de amigos; a gravidez e o nascimento de um filho são habitualmente períodos de grande alegria e de partilha com as pessoas que rodeiam os pais, mas a notícia do diagnóstico pode ser um assunto sobre o qual os pais preferem não falar/ partilhar, criando algum isolamento e dificuldades de interação com a rede de amigos. Todos estes aspetos tornam importante conhecer melhor o processo de adaptação da família à notícia do diagnóstico de anomalia congénita no bebé. No entanto, não existiam investigações portuguesas sobre este tópico por tudo isso, considerámos muito importante a realização deste estudo.

2 Página 2 O que pretendemos saber com este estudo? 1) Quais são as reações emocionais habituais dos pais à notícia do diagnóstico de um problema de saúde no bebé? Todos os pais têm reações semelhantes ou existem diferenças? 2) Como é a adaptação dos pais desde o diagnóstico até seis meses após o nascimento do bebé? Todos os pais fazem um percurso semelhante ou existem diferentes percursos ao longo do tempo? 3) Existem diferenças entre mães e pais na forma como se adaptam ao diagnóstico de um problema de saúde no bebé? Se sim, quais? 4) As características dos pais (por exemplo, a forma como se veem a si próprios ou como veem os outros) e o apoio que recebem dos outros são importantes para a adaptação dos pais ao diagnóstico de um problema de saúde no bebé? Quem participou no estudo? Inicialmente, participaram neste estudo 60 casais (60 mães e 50 pais) cujo bebé recebeu o diagnóstico de um problema de saúde (anomalia congénita). Na maioria dos casos, o diagnóstico do bebé foi conhecido durante a gravidez (41 bebés, 68.3%). Os diagnósticos mais frequentes foram as cardiopatias congénitas (17 bebés, 28.3%) e as anomalias do sistema urinário (16 bebés, 26.7%), seguindo-se as anomalias do sistema nervoso (9 bebés, 15%), o lábio leporino e a fenda palatina (7 bebés, 11.7%), as anomalias do sistema digestivo (6 bebés, 10%) e as anomalias dos membros inferiores e superiores (5 bebés, 8.3%). Cerca de seis meses após o nascimento do bebé, 43 casais (43 mães e 36 pais) responderam novamente a um conjunto de questionários. Adicionalmente, um grupo de pais de bebés saudáveis (isto é, sem problemas médicos diagnosticados) participou também neste estudo, para que tivéssemos um termo de comparação. Questão 1: Quais são as reações emocionais habituais dos pais à notícia do diagnóstico de um problema de saúde no bebé? Todos os pais têm reações semelhantes ou existem diferenças? Os nossos resultados demonstram que a notícia do diagnóstico do problema de saúde do bebé tem um impacto emocional negativo para a maioria dos pais. No entanto, nem todos os pais reagem da mesma forma à notícia do diagnóstico. Nós identificámos dois tipos de reações emocionais: um grupo de pais teve reações emocionais negativas muito intensas (tristeza, ansiedade, culpa, raiva, choque, desespero, frustração) que são semelhantes às emoções sentidas após uma perda importante (reações de luto); outro grupo de pais teve também reações emocionais negativas, mas menos intensas (por exemplo, sentiram menos choque, menos desespero e menos raiva). Porque é que estas difrenças acontecem? Vários fatores podem explicar estas diferenças. Por exemplo, quando os pais sentiam mais incerteza acerca do diagnóstico do bebé (ou seja, não tinham informação concreta sobre as características do problema de saúde, sobre as suas implicações para o quotidiano do bebé e sobre os tratamentos) e quando não tinham informação anterior sobre o problema de saúde diagnosticado ao bebé (ou seja, nunca tinham ouvido falar nem conheciam outras crianças com o mesmo problema de saúde do seu bebé), apresentavam reações emocionais mais intensas. Isto pode acontecer porque a incerteza e a falta de informação podem fazer com que os pais avaliem a situação como mais assustadora. De que forma é que estes resultados são importantes? Esta informação é muito importante para os profissionais de saúde. Por exemplo, os pais que têm reações emocionais mais intensas à notícia do diagnóstico podem ter mais dificuldades em compreender e reter a informação que lhes é dada pelos profissionais de saúde; assim, é importante que os profissionais de saúde tenham esse aspeto em atenção e utilizem estratégias apropriadas (por exemplo, marcando novas consultas brevemente para poderem repetir a informação e esclarecer as dúvidas dos pais; pedindo aos pais que falem acerca do que lhes foi dito, de forma a identificarem os tópicos em que ainda podem existir dúvidas ou mal-entendidos; oferecendo outras fontes de informação sobre a anomalia congénita, como folhetos com informação escrita).

3 Página 3 Além disso, é também importante que os profissionais de saúde reconheçam que o momento de comunicação do diagnóstico é particularmente difícil, do ponto de vista emocional, para os pais. Os profissionais de saúde devem procurar criar as condições necessárias para que, após a notícia do diagnóstico, os pais possam expressar as suas opiniões e emoções num ambiente seguro, tranquilo e protegido. Verificámos também que, apesar de as reações emocionais à notícia do diagnóstico de anomalia congénita no bebé serem sobretudo negativas, a grande maioria dos pais (97%) referiu ter sentido esperança, com grande intensidade. O que é que estes resultados significam? Estes resultados sugerem que, apesar da notícia inesperada do diagnóstico de um problema de saúde no bebé, os pais conseguem manter uma visão otimista do presente e do futuro achando que serão capazes de lidar com as exigências de prestação de cuidados ao bebé e que o bebé conseguirá ter uma vida com qualidade, apesar do problema de saúde (anomalia congénita). A esperança no futuro parece ter um papel importante, ao ajudar os pais a lidar com a incerteza do futuro e a planificar as ações necessárias para lidar com a situação. É importante também referir que os pais que sentem esperança no futuro não estão, habitualmente, a negar as dificuldades ou a gravidade do diagnóstico do seu bebé; eles demonstram compreender essa gravidade. De que forma é que estes resultados são importantes? Os profissionais de saúde que lidam com as famílias a cujo bebé foi diagnosticada uma anomalia congénita devem estar atentos à existência destas emoções positivas. Em primeiro lugar, devem reconhecer que sentir esperança após o diagnóstico no bebé é frequente, e não significa que os pais não tenham compreendido a gravidade ou as implicações da anomalia congénita; no entanto, é importante que os profissionais de saúde procurem garantir que os pais compreenderam a informação médica que lhes foi transmitida. Em segundo lugar, devem reconhecer que a esperança pode ser importante para ajudar os pais a lidar com a situação e, portanto, ao mesmo tempo que a informação deve ser transmitida de forma clara e realista, os pais devem ter a oportunidade de sentir e manifestar esta emoção positiva. Apesar de os pais experienciarem o mesmo acontecimento (o diagnóstico de um problema de saúde no bebé), é normal que as reações emocionais difiram entre as pessoas, porque elas são influenciadas por fatores diferentes e cada casal encontra-se em circunstâncias de vida diferentes. As reações emocionais predominantemente negativas são esperadas, porque o diagnóstico de um problema de saúde no bebé corresponde a uma situação inesperada, indesejada e para a qual os pais não tiveram tempo de se preparar. No entanto, existe também espaço para emoções positivas, como a esperança. Questão 2: Como é a adaptação dos pais desde o diagnóstico até seis meses após o nascimento do bebé? Todos os pais fazem um percurso semelhante ou existem diferentes percursos ao longo do tempo? Os nossos resultados mostram que, cerca de um mês após o diagnóstico de anomalia congénita no bebé, tenha ele ocorrido durante a gravidez ou já após o nascimento, estes pais apresentam mais sintomas de ansiedade e de depressão do que os pais de bebés saudáveis; no entanto, a qualidade de vida (bem-estar) dos pais de bebés com um problema de saúde (anomalia congénita) parece ser igual à dos pais de bebés saudáveis.

4 Página 4 O que é que estes resultados significam? Estes resultados significam que o diagnóstico de um problema de saúde no bebé e as primeiras exigências com que os pais destes bebés se confrontam (por exemplo, compreender a informação médica, tomar decisões sobre opções de tratamento, partilhar a notícia com a família e amigos) tem um impacto negativo na sua adaptação, que se reflete na ansiedade e na depressão. Apesar desse impacto negativo, estes pais sentem o mesmo bem-estar do que os pais de bebés saudáveis; apesar das exigências com que estes pais se confrontem, há muitas áreas de vida que não são negativamente afetadas pela ocorrência do diagnóstico do problema de saúde no bebé; além disso, o facto de os pais terem uma visão otimista e de esperança em relação ao futuro, contribui para esta avaliação positiva do seu bem-estar. E ao longo do tempo, a adaptação dos pais mantem-se? Os nossos resultados sugerem que, entre o diagnóstico e os seis meses de vida do bebé, a adaptação dos pais de bebés com um problema de saúde (anomalia congénita) melhora. Isto quer dizer que os pais apresentavam menos sintomas de ansiedade e de depressão e melhor qualidade de vida/bemestar físico (mais energia, mais capacidade de trabalho, menos fadiga) seis meses após o nascimento do bebé do que um mês após o diagnóstico. Várias razões podem ajudar a explicar estes resultados: a) ao longo do tempo, os pais vão tendo mais informação sobre o diagnóstico e compreendendo melhor a informação existente, lidando melhor com a situação; b) o contacto e a interação com a criança possibilita que os pais sintam emoções positivas e gratificantes, que contrastam com as emoções negativas sentidas após o diagnóstico; c) com a prática, os pais vão-se sentindo progressivamente mais capazes de lidar com as exigências de prestação de cuidados ao bebé. E todos os pais têm o mesmo percurso de adaptação ao longo do tempo? Os nossos resultados mostram que não. Verificámos uma melhoria da adaptação (isto é, uma redução dos sintomas de ansiedade e de depressão e uma melhoria na qualidade de vida) para mais de metade dos pais (57%). Outros pais (27%) conseguiram ter uma adaptação positiva (poucos sintomas de ansiedade e depressão e boa qualidade de vida) desde o momento do diagnóstico até seis meses após o nascimento do bebé. No entanto, alguns pais (15%) permaneceram com dificuldades de adaptação ao longo do tempo (ou seja, apresentaram vários sintomas de ansiedade e de depressão e baixa qualidade de vida, quer após o diagnóstico, quer seis meses após o nascimento do bebé). De que forma é que estes resultados são importantes? Estes resultados são importantes para os profissionais de saúde por duas razões. Em primeiro lugar, durante muitos anos, tinha-se uma ideia muito fatalista da forma como o diagnóstico de um problema de saúde no bebé afetava toda a família; os resultados do nosso estudo mostram que existe diversidade na forma como os pais se adaptam ao diagnóstico uns conseguem adaptar-se ao longo do tempo, outros apresentam dificuldades emocionais duradouras. Em segundo lugar, estes resultados apontam para a possibilidade de os pais que apresentam dificuldades emocionais duradouras poderem beneficiar de intervenção psicológica. Que sinais de alerta podem indicar dificuldades emocionais duradouras? Podem constituir alguns sinais de alerta: 1) a existência de sentimentos frequentes e intensos (quase todos os dias, na maior parte do dia) de tristeza, culpa, ansiedade ou desespero; 2) a falta de esperança e uma expetativa negativa acerca do futuro; 3) a dificuldade em cumprir as suas rotinas e tarefas; 4) a dificuldade em interagir com o bebé e em cumprir as tarefas de prestação de cuidados; 5) isolamento dos outros e dificuldades nas relações interpessoais (por exemplo, na relação conjugal), entre outros aspetos. Os pais que identifiquem estes sinais, em si ou nos(as) seus(suas) companheiros(as), devem procurar ajuda especializada.

5 Página 5 Apesar do impacto negativo inicial da notícia de um diagnóstico de um problema de saúde no bebé, os nossos resultados sugerem que, com o passar do tempo, e à medida que os pais se vão familiarizando e conhecendo o seu bebé, vão aprendendo a lidar com a informação médica, e se vão sentindo mais confiantes no seu papel de pais daquele bebé em particular, passarão a conseguir gerir melhor a situação isto pode levar algum tempo, e é normal que assim seja. No entanto, nas situações em que os pais sentem que as dificuldades se mantêm ao longo do tempo, é importante procurar ajuda! Questão 3: Existem diferenças entre mulheres e homens na forma como se adaptam ao diagnóstico de um problema de saúde (no bebé)? Se sim, quais? Os nossos resultados demonstram algumas semelhanças, mas também algumas diferenças, entre mães e pais. Por um lado, quando recebem a notícia do diagnóstico, as mães e os pais têm uma reação emocional semelhante. Por outro lado, ao longo do tempo, as mães tendem a ter mais dificuldades de adaptação (mais sintomas de ansiedade e de depressão e pior qualidade de vida) do que os pais. No entanto, isto também acontece entre mães e pais de bebés saudáveis. Uma possível explicação para estas diferenças é que as mães são, habitualmente, as principais prestadoras de cuidados ao bebé, sobretudo durante os seus primeiros meses de vida. Isto significa que os homens não sofrem com o diagnóstico de um problema de saúde no bebé? Não, não significa isso. Estes resultados significam apenas que mulheres e homens têm formas diferentes de lidar com este acontecimento e de manifestar o seu sofrimento (em termos de sintomas de tristeza e ansiedade). Além disso, os nossos resultados sugerem que os homens procuram assumir um papel de apoio e proteção das suas mulheres, durante este período, o que pode levá-los a esconder ou não querer partilhar o seu sofrimento. É de salientar que estas diferenças entre mulheres e homens podem ser vistas pelos pais como problemáticas e podem provocar situações de conflito entre o casal. Porque é que estes resultados são importantes? Estes resultados salientam que é muito importante que os profissionais de saúde utilizem algumas estratégias para ajudar os dois membros do casal a lidar com estas diferenças, aceitando-as, sem tentar tirar conclusões sobre o que essas diferenças significam. É importante promover a partilha e a comunicação entre o casal sobre o diagnóstico de um problema de saúde no bebé, bem como o respeito pelas manifestações e preferências de cada um dos pais ao lidar com o diagnóstico do bebé. As diferenças encontradas entre homens e mulheres são normais, e acontecem também noutros contextos: quando confrontadas com situações adversas, as mulheres tendem a expressar mais as suas emoções e o seu sofrimento, enquanto os homens são mais contidos emocionalmente, procurando mostrar-se mais fortes. O importante não é eliminar essas diferenças o que, aliás, seria muito difícil. O importante é que os casais reconheçam essas diferenças e tentem conversar acerca delas, e acerca da melhor forma de lidar com elas.

6 Questão 4: As características dos pais (por exemplo, a forma como se veem a si próprios ou como veem os outros) e o apoio que recebem dos outros são importantes para a adaptação dos pais ao diagnóstico de um problema de saúde (anomalia congénita) no bebé? Os nossos resultados demonstram que, quer as características dos pais, quer o apoio da família próxima e do grupo de amigos, têm influência na forma como os pais se adaptam ao diagnóstico de um problema de saúde (anomalia congénita no bebé). Mais especificamente, as mães e os pais que têm uma visão mais positiva de si (isto é, que se sentem confiantes e capazes de lidar com as exigências da sua vida) e dos outros (isto é, que veem os outros como pessoas disponíveis para ajudar, em caso de necessidade) adaptam-se melhor ao diagnóstico de anomalia congénita no bebé. Isto também se verifica em pais de bebés saudáveis; no entanto, para os pais de bebés com um diagnóstico de anomalia congénita, o papel destas características é ainda mais importante. O apoio da família e dos amigos também é importante para os pais de bebés com um problema de saúde (anomalia congénita). As mães que estão mais satisfeitas com o apoio que recebem da família (companheiro, pais e irmãos) apresentam menos stress, seis meses após o nascimento do bebé. Para além disso, os pais que estão mais satisfeitos com o apoio que recebem dos amigos também se adaptam melhor, seis meses após o nascimento do bebé com um problema de saúde (anomalia congénita). O que é que estes resultados nos dizem? Estes resultados dizem-nos duas coisas importantes: 1) a diversidade que encontrámos na adaptação dos pais ao diagnóstico de um problema de saúde no bebé pode ser explicada, em parte, por estas características (características individuais e apoio da família e dos amigos) 2) os pais que possuem estas características (visão mais positiva de si e dos outros, apoio da família e dos amigos) têm mais facilidade em adaptar-se à ocorrência do diagnóstico de um problema de saúde (anomalia congénita) no bebé os profissionais de saúde devem estar atentos a estes aspetos. Porque é que estes resultados são importantes? Estes resultados são importantes para os profissionais de saúde porque os ajudam a: 1) identificar os casais que podem ter mais dificuldades de adaptação ao diagnóstico de anomalia congénita no bebé (ou seja, os casais que não possuem as características de que falámos); e 2) utilizar estratégias de intervenção psicológica adequadas, com o objetivo de promover esses recursos nos pais de bebés com um problema de saúde (anomalia congénita). Existem características pessoais (uma visão positiva de si e dos outros, apoio da família e dos amigos) que podem facilitar a forma como os pais lidam e se adaptam à notícia de um diagnóstico de um problema de saúde no bebé. Estas características também se revelaram úteis para as pessoas lidarem com outras circunstâncias de vida. Por isso, é importante que os pais: 1) procurem adotar uma visão mais positiva de si e dos outros, procurando focar-se nas suas características positivas/qualidades, nas situações em que conseguiram lidar eficazmente com as dificuldades, etc; e 2) procurem recorrer ao apoio disponível da família e dos amigos, sempre que possível e necessário. Esta informação está também disponível em:

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?»

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?» DEPRESSÃO Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» Em determinados momentos da nossa vida é normal experienciar sentimentos de «grande tristeza». Para a maioria das pessoas, tais sentimentos surgem

Leia mais

Como lidar com a perda...

Como lidar com a perda... Psicóloga, Chou Im Keng Nascer, envelhecer e morrer, são etapas que fazem parte da vida. O nascimento de uma vida traz alegria e esperança, porém, quando perdermos um familiar ou companheiro, a tristeza

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS. 2013 Hogan Assessment Systems Inc.

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS. 2013 Hogan Assessment Systems Inc. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL EQ A HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS Relatório para Tal Fulano ID HC748264 Data 12, Novembro, 2014 2013 Hogan Assessment Systems Inc.

Leia mais

MOTIVAÇÃO E MUDANÇA DE PARADIGMAS

MOTIVAÇÃO E MUDANÇA DE PARADIGMAS MOTIVAÇÃO E MUDANÇA DE PARADIGMAS Márcia Souto de Araújo 2008 Desenvolvimento do Potencial Humano Priorizamos a educação na descoberta de talentos, desenvolvimento das competências, Globalização: atendimentos

Leia mais

Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente. 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger

Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente. 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.14 A criança com Autismo e Síndrome de Asperger Introdução A maioria das crianças, desde os primeiros tempos de vida, é sociável e procura ativamente

Leia mais

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 6 MILHÕES de casas em Portugal O seu lar reflete-o OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 por APAV 02 FAMÍLIA 03 > FAMÍLIA 1 /semana A violência doméstica foi responsável por uma morte/semana

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4,

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

CONVIVENDO COM O LÚPUS

CONVIVENDO COM O LÚPUS CONVIVENDO COM O LÚPUS Dr. Jean-Luc Senecal Aprender a viver com o lúpus é semelhante a todas as outras coisas da vida. Alguns deverão exercitar-se e este aprendizado não se faz da noite para o dia. A

Leia mais

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO Você deve ser a mudança que deseja ver no mundo. (Mahatma Gandhi) GESTÃO DE CONFLITOS Gestão de Conflitos é a arte de identificar, lidar e minimizar/resolver situações

Leia mais

Dedicados à coluna. unidade da coluna

Dedicados à coluna. unidade da coluna Dedicados à coluna A nova Unidade da Coluna do Hospital Beatriz Ângelo reúne médicos de várias especialidades com o objetivo de dar a resposta mais rápida e adequada às pessoas com doenças graves da coluna.

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

O que Realmente Funciona

O que Realmente Funciona Prisão de Ventre O mal conhecido como intestino preguiçoso, obstipação ou prisão de ventre atinge cerca de um em cada cinco pessoas. O tratamento é bastante simples, mas, na falta dele, a prisão de ventre

Leia mais

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6 FIAT Q Questionário de Relacionamento Interpessoal Glenn M. Callaghan Department of Psychology; One Washington Square, San Jose University, San Jose CA 95192-0120 Phone 08) 924-5610 e fax (408) 924 5605.

Leia mais

Inovação Tecnológica!

Inovação Tecnológica! Inovação Tecnológica! Engraçado, costumam dizer que tenho sorte, só eu sei que quanto mais eu me preparo Mais sorte eu tenho. A nthony Robbins Consultora Cássia Ghelfi Raza Marcelo Como você vai mover-se

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

PERTURBAÇÃO DA ANSIEDADE DE SEPARAÇÃO

PERTURBAÇÃO DA ANSIEDADE DE SEPARAÇÃO PERTURBAÇÃO DA ANSIEDADE DE SEPARAÇÃO Informação aos pais O que é a Perturbação da Ansiedade de Separação? A Perturbação da Ansiedade de Separação caracteriza-se principalmente por um mal-estar excessivo,

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 13 PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO 1. ESCUTAR OS FILHOS... 17 1.1 Dar tempo... 18 1.2 Prestar atenção... 19 1.3 Interpretar bem a mensagem... 19 1.4 Manifestar compreensão...

Leia mais

1- É importante conhecer os nossos pensamentos?

1- É importante conhecer os nossos pensamentos? DEFEITOS NO PENSAMENTO. E AGORA? Nosso pensamento ocorre de modo contínuo e automático, continuamos produzindo pensamentos até quando dormimos. São eles que determinam se teremos emoções e comportamentos

Leia mais

MODELOS MENTAIS E SEUS IMPACTOS NAS EQUIPES Por: Veronica Ahrens

MODELOS MENTAIS E SEUS IMPACTOS NAS EQUIPES Por: Veronica Ahrens MODELOS MENTAIS E SEUS IMPACTOS NAS EQUIPES Por: Veronica Ahrens O que são Modelos Mentais? Segundo Peter Senge, modelos mentais são pressupostos profundamente arraigados, generalizações, ilustrações,

Leia mais

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer?

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? O educador pode contribuir para prevenir o abuso de drogas entre adolescentes de duas formas básicas: incentivando a reflexão e a adoção de

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES (Des)motivação na sala de aula! Sugestões práticas da: Nota introdutória Ser professor é ter o privilégio de deixar em cada aluno algo que este possa levar para a vida, seja

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO

FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO 28 DE NOVEMBRO - 21 HORAS RECONHECER AS SUAS EMOÇÕES 1-TESTE DE AUTO-AVALIAÇÃO Indique até que ponto cada uma das seguintes afirmações o descreve. Seja franco e 1

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios"

Portugal - João Seixas: As cidades são grandes espelhos de nós próprios Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios" Nas crônicas urbanas do investigador João Seixas, agora publicadas em livro, a cidade é o reflexo das realizações e aspirações

Leia mais

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos:

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: TIPOS DE REUNIÕES Mariangela de Paiva Oliveira mariangela@fonte.org.br As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: no âmbito do pensar: quando acontece uma troca de idéias, opiniões ou informações;

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

A Problemática do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) :

A Problemática do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) : A Problemática do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) : Transtorno de Déficit de Atenção chama a atenção pela sigla TDAH sendo um distúrbio que ocorre em pessoas desde os primeiros

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas.

Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas. Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas. Manual elaborado pela equipa técnica do projeto MAIS JOVEM.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Preparação de uma Equipa CPM

Preparação de uma Equipa CPM Estrutura CPM Preparação de uma Equipa CPM CPM - Portugal Equipa Responsável Diocesana Casal Presidente Assistente Casal Secretário Casal Tesoureiro Casal Assessor Casal de Ligação Casal de Apoio Z A Casal

Leia mais

150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1

150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1 150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 1 23/09/2015 10:29:04 150923-BMS15SET05-livreto_v2 APROV.indd 2 23/09/2015 10:29:04 Talvez você já conheça algumas opções terapêuticas disponíveis contra o câncer,

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A Comissão de Política Geral reuniu no dia 11 de junho de 2014, na delegação de Ponta Delgada da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, a fim de apreciar, relatar e dar parecer

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE Este documento é uma tradução do crioulo haitiano e alguns termos foram adaptados para facilitar sua relevância para um público mais

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

Guia prático para professores

Guia prático para professores Guia prático para professores Não, Não e NÃO! Comportamentos de Oposição e de Desafio em sala de aula Sugestões práticas da: Nem todas as crianças são iguais, já ouvimos dizer muitas vezes.. Desde cedo,

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

Por Uma Questão de Igualdade

Por Uma Questão de Igualdade Por Uma Questão de Igualdade Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores membros do Governo Nos últimos 5 anos a Juventude Socialista tem vindo a discutir o direito ao Casamento

Leia mais

Perturbação da Ansiedade de Separação

Perturbação da Ansiedade de Separação Bibliografia e Recursos úteis (1996). DSM-IV Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. Lisboa: Climepsi Editores. Perturbação da Ansiedade de Separação Kendall, P. C. (2011). Child

Leia mais

[Diapositivo 2] Porquê a escolha desta população?

[Diapositivo 2] Porquê a escolha desta população? 1 De que falamos quando falamos de preconceito contra a homoparentalidade: Atitudes face à competência parental e ao desenvolvimento psicossocial das crianças. Jorge Gato [Diapositivo 1] Gostava de partilhar

Leia mais

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo 1 PROGRAMA DA ESCOLA DE PAIS I. Introdução A escola de pais apresenta-se com um espaço de formação para famílias (preferencialmente famílias de crianças com necessidades especiais), estando igualmente

Leia mais

POR QUE PERDOAR É MELHOR DO QUE VINGAR?

POR QUE PERDOAR É MELHOR DO QUE VINGAR? POR QUE PERDOAR É MELHOR DO QUE VINGAR? Adilson Assis C. E. Estrada da Luz Março de 2013 TELENOVELAS FILMES LITERATURA A vingança no Judaísmo e no Cristianismo Código de Hamurabi (1780 a.c.), Babilônia:

Leia mais

World Café: Interligar para vencer

World Café: Interligar para vencer World Café: Interligar para vencer Principais Reflexões Tais reflexões resultam de uma sessão intitulada World Café: Interligar para vencer que ocorreu na Cruz Vermelha Portuguesa Centro Humanitário de

Leia mais

SEXUALIDADE E DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: O DIREITO À EDUCAÇÃO SEXUAL

SEXUALIDADE E DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: O DIREITO À EDUCAÇÃO SEXUAL SEXUALIDADE E DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: O DIREITO À EDUCAÇÃO SEXUAL Tito Marcos Domingues dos Santos Escola Municipal Rivadávia Corrêa Resumo: Pesquisas mostram que a educação sexual tem sido negada aos

Leia mais

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA 140 TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA Lucas Moreira Professor Almiro Ferreira RESUMO Através deste trabalho será desenvolvido o conceito de responsabilidade social, onde para

Leia mais

DICAS DE BURACO ONLINE

DICAS DE BURACO ONLINE DICAS DE BURACO ONLINE Link: http://www.jogatina.com/dicas-jogar-buraco-online.html Às vezes, conhecemos todas as regras de um jogo, mas na hora de passar da teoria para a prática, as coisas não funcionam

Leia mais

5 Passos para vender mais com o Instagram

5 Passos para vender mais com o Instagram 5 Passos para vender mais com o Instagram Guia para iniciantes melhorarem suas estratégias ÍNDICE 1. Introdução 2. O Comportamento das pessoas na internet 3. Passo 1: Tenha um objetivo 4. Passo 2: Defina

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

Saúde E Segurança oculus.com/warnings

Saúde E Segurança oculus.com/warnings Saúde E Segurança oculus.com/warnings * Estas advertências de saúde e segurança são atualizadas periodicamente para garantir que estão sempre corretas e completas. Acede a oculus.com/warnings para obteres

Leia mais

Você gostaria de atingir os objetivos que traçou para sua vida de maneira mais consistente e sustentável? Gostaria de melhorar o seu aproveitamento, trabalhar menos pressionado ou estressado, e ainda aumentar

Leia mais

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO?

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? DEFICIÊNCIA INTELECTUAL OU ATRASO COGNITIVO? 1. O que é Deficiência Intelectual ou Atraso Cognitivo? Deficiência intelectual ou atraso cognitivo é um termo que se usa quando uma pessoa apresenta certas

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

influência dos grupos sociais Psicologia Social 1 Cláudio V. Torres

influência dos grupos sociais Psicologia Social 1 Cláudio V. Torres Processos de Grupo: A influência dos grupos sociais Psicologia Social 1 Cláudio V. Torres Definição de Grupo Grupo se refere a duas ou mais pessoas que interagem entre si de forma interdependente, no sentido

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a)

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Empreendedorismo Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. A formação do empreendedor... 3 4. Empreendedorismo nato ou desenvolvido?... 4 4.1 Características

Leia mais

Em Março de 2007 começa a história que mudou a minha vida para sempre.

Em Março de 2007 começa a história que mudou a minha vida para sempre. D.F., 25 anos, solteira, psicóloga, cancro da mama em 2007 Em Março de 2007 começa a história que mudou a minha vida para sempre. Certo dia senti uma dor suave da mama para a axila e na apalpação descobri

Leia mais

CENTRO NACIONAL EUROPASS

CENTRO NACIONAL EUROPASS CENTRO NACIONAL EUROPASS 1 Realize de seguida o seu diagnóstico e saiba qual a sua competência para Gerir o Stress: MOSTRA O QUE VALES EM TODA A EUROPA 2 O que é gerir o stress? É encontrar um equilíbrio

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES Ansiedade de desempenho nos alunos Sugestões práticas da: Nota introdutória Falamos-lhe hoje da ansiedade em situações de desempenho e avaliação. Tem-se observado uma crescente

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores A realização de pré-testes antes da distribuição dos materiais de extensão rural é um processo importante no desenvolvimento

Leia mais

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Por Maria Teresa Somma Com o intuito de entender os motivos que levam franqueados a transferir o seu negócio, foi realizada uma pesquisa exploratória

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Comportamento Agressivo na Infância Palestrante: Sandra Salles Rio de Janeiro 04/08/2000 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab"

Leia mais

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio O DESEJO DE MORRER A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más Suicídio Os comportamentos suicidários constituem um flagelo da nossa sociedade contemporânea. Contudo,

Leia mais

TIME, um desafio para alta performance

TIME, um desafio para alta performance TIME, um desafio para alta performance 1. Introdução O objetivo desse artigo é discutir um caminho para tornar os times de trabalho mais eficazes, mais produtivos, voltados a resultados significativos.

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

AS CRIANÇAS E A MISSA DOMINICAL

AS CRIANÇAS E A MISSA DOMINICAL Crianças na Missa AS CRIANÇAS E A MISSA DOMINICAL 1. É desejável que, na medida do possível, os pais possam participar juntos e com os filhos na Santa Missa dominical. É muito aconselhável que as crianças

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda

Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos...

Leia mais

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar

CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS. Geração Futura. Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! Sucesso Escolar Sucesso Escolar CONSELHOS PARA PAIS E FILHOS Geração Futura Perceba o seu filho e ajude-o a subir as notas! www.geracaofutura.pt geracaofutura.formacao@gmail.com Telemóvel: 919 123 725 Skype: geracaofutura

Leia mais

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador Prevenção do bullying Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador O que é bullying? Bullying não é um conflito nem uma briga. O bullying é o abuso físico, verbal ou emocional deliberado,

Leia mais

Comunicação Não Violenta

Comunicação Não Violenta Comunicação Não Violenta Ana Paula Franke Eder Conrado de Oliveira Mariangela Marini SIPAT 2013 21 de outubro O QUE É CNV? A Comunicação Não-Violenta é um processo de entendimento que facilita a harmonização

Leia mais

Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear

Psicossociologia do Trabalho. I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Psicossociologia do Trabalho COMUNICAÇÃO I didn t say that I didn t say it. I said that I didn t say that I said it. I Want to make that very clear Comunicação Funções Processo da comunicação. Emissor.

Leia mais

COMO TER TEMPO PARA COMEÇAR MINHA TRANSIÇÃO DE CARREIRA?

COMO TER TEMPO PARA COMEÇAR MINHA TRANSIÇÃO DE CARREIRA? COMO TER TEMPO PARA COMEÇAR MINHA TRANSIÇÃO DE CARREIRA? Um guia de exercícios para você organizar sua vida atual e começar a construir sua vida dos sonhos Existem muitas pessoas que gostariam de fazer

Leia mais

Questionário Sociodemográfico e Clínico

Questionário Sociodemográfico e Clínico Questionário Sociodemográfico e Clínico dados pessoais do sujeito: data: local: contacto telef.: nome: idade: naturalidade: estado civil: S C UF D V outros: escolaridade (nº anos c/ sucesso): habilitações

Leia mais

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES Autores: Tânia Regina Goia; José Paulo Diniz; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 02 - Edição 01 Julho - 2013 Entrevistada: Mayara Petri Martins Entrevistadora: Bruna Aguiar TEMA: OBESIDADE Mayara Petri Martins. Psicóloga analista do comportamento,

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE

Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito em outubro de 2015 Índice I- INTRODUÇÃO... 3 II- OUTROS ESTUDOS EFETUADOS ANTERIORMENTE... 3 III- OBJETIVOS... 4 IV- METODOLOGIA... 4 V- ANÁLISE DOS

Leia mais