Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves"

Transcrição

1 Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

2 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem de crescimento anual é superior a 37% e Portugal não é excepção. Na Europa, a Directiva 2001/77/CE de 27 de Setembro de 2001 visa impor o aumento da percentagem da electricidade produzida a partir de fontes renováveis na União Europeia de 14% em 1997 para 22% em Segundo esta Directiva, até ao ano referido, 39% da electricidade consumida em Portugal deverá ser proveniente de fontes renováveis. Apesar deste tipo de energia constituir actualmente uma parcela significativa dos recursos utilizados para produção de electricidade (devido principalmente aos grandes aproveitamentos hidroeléctricos), a verdade é que o seu potencial de exploração se encontra subaproveitado. A construção de grandes barragens em Portugal para produzir energia eléctrica já não representa uma alternativa viável. Portugal esgotou a sua capacidade de carga no que respeita a estes empreendimentos e quaisquer novas barragens dificilmente compensarão energeticamente o forte investimento económico e os impactes sócio-ambientais que poderão provocar. A energia eólica constitui uma das melhores soluções ao nível das energias renováveis. Devido ao seu carácter não poluente, desempenha ou pode desempenhar um papel fundamental na concretização do compromisso nacional em reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e na contribuição para um desenvolvimento sustentável. Por outro lado, a produção a partir do recurso eólico revela-se também economicamente competitiva relativamente às demais fontes de energia: o custo de geração da energia eólica é dos mais baixos, sendo apenas ultrapassado pelo gás (podendo, em locais muito ventosos, equiparar-se). No entanto, atendendo ao ritmo de desenvolvimento tecnológico que se tem observado nesta área, é provável que, a prazo, a energia eólica se venha a tornar na mais barata fonte de produção de electricidade. As primeiras instalações eólicas em Portugal datam da década de 1990, e a sua implantação foi feita sem grande debate no que diz respeito ao estudo e à avaliação prévia dos lugares escolhidos. A situação actual é completamente diferente: este meio de produção de energia subiu em Portugal de 18,41MW em 1996 para 190MW em No final de 2004, entre instalações ligadas e em construção, o valor de potência instalada acumulada ultrapassou os 1250 MW (fonte: INEGI 2004), o que corresponde a mais de 800 turbinas, prevendo-se que em 2010 atinja os 2600MW (Direcção Geral de Energia, Rede Eléctrica Nacional, S. A. in Saraiva 2003). Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Iván Ramírez, SPEA,

3 Assim, começam a surgir no país instalações eólicas que afectam muito significativamente espaços naturais de enorme valor ecológico e ornitológico. Estes lugares, nem sempre protegidos legalmente, são escolhidos pelo seu potencial eólico, e os factores ambientais são relegados sem justificação. Mais ainda, o recente interesse pela energia eólica tem motivado novos projectos de parques situados directamente no meio aquático, nomeadamente nas áreas de ventos fortes situadas na plataforma continental e no interior de grandes estuários. Estas novas instalações, muito mais extensas do que as conhecidas em terra firme, representam um claro desafio ambiental, devido ao insuficiente quadram legal existente. Foi bastante difícil no passado defender a ideia, hoje amplamente aceite, de que até as energias consideradas alternativas ou limpas podem ter impactes ambientais muito negativos; no caso particular da energia eólica, a diversidade biológica, os habitats naturais e o património cultural/paisagístico são os mais afectados. Na actualidade, existem diversos estudos que provam que os parques indevidamente colocados representam uma séria ameaça para as aves, provocando mortalidade elevada de aves planadoras e de outros grupos animais, como os morcegos. Grosso modo, os parques eólicos podem ter três tipos de impacto sobre as aves: a) Mortalidade por colisão directa b) Perturbação das rotas de voo e dos comportamentos/grau de utilização das áreas c) Destruição do habitat através da construção das infra-estruturas Nos últimos anos, a SPEA Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, tem iniciado diversas actividades orientadas para conseguir uma implantação ordenada dos parques eólicos, minimizando as ameaças para as aves selvagens e para os seus habitats (ex: Paul da Serra, Madeira). O objectivo deste documento é, por um lado, apresentar uma posição clara da SPEA nesta matéria e, por outro, fornecer informação aos promotores e responsáveis pela implementação da energia eólica em Portugal que possa servir como referência para futuras reuniões e seminários. Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Iván Ramírez, SPEA,

4 2. Posição da SPEA Ao longo dos últimos anos, e devido ao grande incremento do número de parques eólicos em Portugal, a SPEA tem actualizado a sua posição no que diz respeito à energia eólica e tem revisto as suas exigências de planificação ambiental para o sector, que são resumidas nos seguintes pontos: A SPEA encontra-se claramente a favor do desenvolvimento das energias renováveis em Portugal. É essencial minimizar o contributo de outras fontes de energia não renováveis (combustíveis fósseis) a longo e médio prazo. Neste sentido, o compromisso firmado pelo Estado Português no âmbito do protocolo de Quioto, de redução das fontes do CO2 em Portugal (39% da Energia obtida através de energias renováveis em 2010), terá que ser atingido mediante a implantação de energias consideradas limpas. No entanto, todas as formas de produção de electricidade, mesmo as consideradas renováveis ou alternativas, como a energia eólica, apresentam impactes ambientais negativos. Assim, a SPEA considera essencial estabelecer processos de avaliação ambiental rigorosos que permitam minimizar estes impactes. Estes processos deverão começar muito antes da instalação dos parques eólicos e terão que ser repetidos de forma sistemática. A SPEA considera que os Parques Eólicos não devem ter efeitos negativos em áreas designadas para a conservação da natureza, ou que o possam vir a ser no futuro, incluindo Áreas Importantes para as Aves (IBAs - Important Bird Areas). Não é recomendável que sejam instalados nesses locais, sendo para tal necessário a demonstração da sua compatibilidade e/ou a falta de alternativas menos impactantes. A SPEA considera que uma boa estratégia política terá de considerar objectivos ambientais, energéticos e sociais. Isto só poderá ser realizado através dos seguintes princípios: - Promoção de políticas de poupança energética, de eficiência energética e de diminuição da procura energética em Portugal. Para uma politica energética sustentável, a gestão da procura é tão ou mais importante do que a gestão da oferta. - Substituição das instalações energéticas mais perigosas para o ambiente. - Incremento do auto-abastecimento em pequenos núcleos populacionais, de forma a minimizar os impactes derivados do transporte e armazenamento da energia eléctrica. Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Iván Ramírez, SPEA,

5 - Estabelecimento de uma estratégia ambiental definida que identifique áreas prioritárias para a conservação da diversidade biológica em Portugal. Estas áreas prioritárias não poderão sofrer alterações significativas, nomeadamente as derivadas da instalação de parques eólicos. Estes espaços prioritários serão classificados devido à sua importância ecológica, incluindo a importância ornitológica. O inventário IBAs da SPEA constitui a ferramenta ideal para o estabelecimento desta rede de áreas prioritárias em Portugal no que diz respeito às aves. A SPEA considera que os impactes cumulativos derivados da implantação de diversos parques eólicos não são suficientemente avaliados na legislação actual. Assim, a implementação de um parque eólico num determinado local deverá considerar a existência ou provável futura existência de outros empreendimentos semelhantes na região. De modo a que seja efectuada uma correcta avaliação da área e dos potenciais impactes é determinante que exista uma cooperação entre promotores. Infelizmente, frequentemente os processos de avaliação de impacte ambiental (AIA) dos parques eólicos não consideram outras áreas situadas na vizinhança. Ao realizar os processos de AIA de forma independente, torna-se muito difícil avaliar o verdadeiro impacto global destas instalações na área de estudo. No caso de parques eólicos planeados para zonas transfronteiriças, deverá ser estabelecida uma cooperação com as autoridades do Governo espanhol, para avaliar impactos do outro lado da fronteira. O mesmo deverá ser exigido das autoridades espanholas. A SPEA considera fundamental avaliar o impacte ambiental não só da área de implantação dos aerogeradores, mas também dos acessos e das linhas eléctricas de alta ou média tensão associadas a estes empreendimentos. A SPEA considera importante identificar e classificar áreas protegidas marinhas, antes de se identificarem os locais para desenvolvimento dos futuros parques eólicos offshore. Neste sentido, a SPEA desenvolve desde Outubro de 2004, um projecto de 4 anos (LIFE IBAs Marinhas) que visa identificar as zonas mais importantes para as Aves Marinhas na Zona Económica Exclusiva Portuguesa. Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Iván Ramírez, SPEA,

6 Finalmente, os processos de avaliação de impacte ambiental, AIA, constituem a ferramenta fundamental para o estudo e determinação da viabilidade de quaisquer empreendimentos. Assim, a SPEA defende os seguintes conteúdos nestes processos: a) Estudo da avifauna sedentária. Neste tema terão que ser consideradas todas as espécies residentes que irão ser afectadas pelo empreendimento. É essencial estudar não apenas a abundância das aves, mas também a utilização do habitat e o comportamento das espécies (nomeadamente rotas utilizadas e alturas de voo), identificando se for necessário aquelas áreas onde a instalação dos aerogeradores comportará maiores impactes para as aves. No caso de um parque eólico, os objectos naturais de estudo deverão ser, para além da avifauna, os quirópteros, a flora e os habitats. Considerando apenas a avifauna, poderão ser seleccionadas determinadas espécies-alvo que se preveja virem a ser os principais receptores dos impactes (ex. aves planadoras). b) Estudo da avifauna migratória. É muito importante realizar estudos das aves migratórias (nas passagens pré e pós-nupciais) nas áreas de estudo. (((A avaliação destas áreas de utilização torna-se essencial para definir os potenciais perigos das linhas eléctricas e dos aerogeradores que poderão ser colocados. É importante considerar os impactes cumulativos que poderão produzir-se em casos de pouca visibilidade, como, por exemplo, em circunstâncias meteorológicas adversas. As alíneas a) e b) serão apenas possíveis mediante um estudo prolongado no tempo e realizado de forma sistemática. Este estudo das aves e dos outros grupos de fauna presentes nos habitats identificados terão que cobrir todas as épocas do ano e idealmente considerarão os factores cumulativos de outros parques que possam existir na vizinhança. Estes estudos deverão ser custeados pelo Governo e/ou pela indústria eólica. c) Desenho do parque. Apenas depois de se ter realizado o estudo sobre abundância das espécies e utilização da área se deverá iniciar-se o desenho do parque eólico. A localização dos aerogeradores terá que considerar sempre zonas de passagem e corredores livres de aerogeradores, de forma minimizar os possíveis impactes sobre aves em voo. Deverão ser adoptadas soluções técnicas orientadas a reduzir o número de aerogeradores instalados, caso seja necessário. d) Monitorização. Deverão elaborar-se planos de seguimento dos parques eólicos, incluindo os períodos prévios á instalação dos mesmos e também durante a sua fase operativa. A monitorização deverá avaliar e quantificar os impactes nas aves e as causas da sua mortalidade. Terão que ser consideradas a fenologia e a biologia das espécies objecto de estudo (que podem ser extremamente variáveis), de modo a cobrir o conjunto dos ciclos biológicos, evitando a perda de dados relevantes. Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Iván Ramírez, SPEA,

7 Os dados obtidos através destes processos de monitorização deverão ser públicos e poderão ser utilizados para definir e adoptar medidas compensatórias destinadas a minimizar os impactes causados, ou eventualmente para modificar determinados aspectos do projecto. A monitorização deverá ser custeada pelo Governo e/ou pela indústria eólica. e) Análise estatística. Este tipo de amostragem permite a obtenção de uma grande quantidade de informação, o que é compatível com o estabelecimento de um desenho experimental orientado para a validação estatística dos dados. Deste modo obtém-se um maior grau de confiança na interpretação dos mesmos. g) Sistemas de Informação Geográfica (SIG). Os SIG assumem uma importância fundamental, uma vez que permitem integrar todos os dados biológicos recolhidos e produzir nova informação que servirá de apoio à decisão. A escala de abordagem é adaptável à dimensão do projecto considerando-se o valor 1:1.000 adequado à maioria dos casos. Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Iván Ramírez, SPEA,

Energia. Fontes e formas de energia

Energia. Fontes e formas de energia Energia Fontes e formas de energia Energia está em tudo que nos rodeia! Nestas situações associa-se energia à saúde ou à actividade. Energia está em tudo que nos rodeia! Diariamente, ouvimos ou lemos frases

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana.

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. O aumento da população humana é frequentemente citado como a principal causa de problemas para o planeta. De facto a humanidade está a crescer

Leia mais

1. Em que consiste o Resumo Não Técnico?

1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? 1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? Este Resumo Não Técnico é um volume independente que integra o Estudo de Impacte Ambiental do Parque Eólico de S. Lourenço da Montaria. Destina-se, como o nome

Leia mais

A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético:

A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético: A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético: O Caso do Planeamento das Redes de Transporte de Electricidade 4ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes Vila Real 20 de Outubro de 2010 Autores:

Leia mais

PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2)

PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2) PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2) PRINCIPAIS MENSAGENS O estudo WETO-H2 elaborou uma projecção de referência do sistema energético mundial e dois cenários alternativos,

Leia mais

Centro Cultural de Belém

Centro Cultural de Belém Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do Gás Natural Centro Cultural de Belém Perspectiva dos consumidores A opinião da COGEN Portugal A. Brandão Pinto Presidente da Comissão Executiva ÍNDICE

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Análise custo-benefício do SiNErGIC (Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral) 28 Novembro 2007

Análise custo-benefício do SiNErGIC (Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral) 28 Novembro 2007 Análise custo-benefício do SiNErGIC (Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral) 28 Novembro 2007 Objectivos do SiNErGIC (Resolução do Conselho de Ministros nº 45/2006) a) Assegurar

Leia mais

Faculdade de Engenharia / Universidade do Porto

Faculdade de Engenharia / Universidade do Porto Faculdade de Engenharia / Universidade do Porto ENERGIAS RENOVÁVEIS sensibilidade e bom senso uma avaliação crítica da atitude dos alunos de engenharia Quarta-feira 11 Junho 2003 DADOS TÉCNICOS Amostra

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 L 150/12 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 REGULAMENTO (CE) N.º 812/2004 DO CONSELHO de 26.4.2004 que estabelece medidas relativas às capturas acidentais de cetáceos no exercício das actividades

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

UVW 9. SÍNTESE DE IMPACTES

UVW 9. SÍNTESE DE IMPACTES 9. SÍNTESE DE IMPACTES Um dos objectivos fundamentais deste Estudo de Ambiental é o de identificar os impactes diferenciais da utilização de RIP como combustíveis alternativos. Assim, a existência ou não

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE

Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE O Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE, visa dar a conhecer a forma como a CMMN pretende continuar a divulgar os resultados obtidos ao longo do projecto GAPS. Dividido em duas partes, a primeira tem

Leia mais

PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO

PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO 1 RELATÓRIOS CGD NEUTRALIDADE CARBÓNICA 2010 PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO www.cgd.pt 2 1. A compensação de emissões como COMPROMISSO do Programa Caixa Carbono Zero A compensação de emissões inevitáveis

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

O MUNDO ONDE VIVEMOS!

O MUNDO ONDE VIVEMOS! O MUNDO ONDE VIVEMOS! PLANETA TERRA BIOSFERA (SERES VIVOS) ATMOSFERA (AR) HIDROSFERA (ÁGUA) LITOSFERA (TERRA) AMBIENTE NO SÉC. S XX A TEMPERATURA DA TERRA AUMENTOU MAIS OU MENOS DE 0,6ºC C A 2ºC. 2 AS

Leia mais

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira

Página Web 1 de 1. Ana Oliveira Página Web 1 de 1 Ana Oliveira De: GEOTA [geota@mail.telepac.pt] Enviado: quarta-feira, 11 de Abril de 2001 20:53 Para: erse@erse.pt Assunto: Comentários do GEOTA à proposta de Revisão dos Regulamentos

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL

DECLARAÇÃO AMBIENTAL C Â M A R A M U N I C I P A L D E S I N E S DECLARAÇÃO AMBIENTAL Atento ao parecer das entidades consultadas e às conclusões da Consulta Pública, relativos ao procedimento de Avaliação Ambiental Estratégica

Leia mais

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 REGULAMENTO (CE) N. o 734/2008 DO CONSELHO de 15 de Julho de 2008 relativo à protecção dos ecossistemas marinhos vulneráveis do alto mar contra os efeitos

Leia mais

Out. 2011 Um Edifício Energeticamente Eficiente CONCEITO É um Laboratório de Formação e de Investigação e Desenvolvimento (ID&I) na área da energia. Demonstração Experimentação Investigação Transferência

Leia mais

ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB

ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB Plano de Emergência de Aves Rupícolas Descrição geral ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB Problemas de conservação do património natural no PNDI As prioridades de conservação do PNDI (a

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

A MOBILIDADE ELÉCTRICA

A MOBILIDADE ELÉCTRICA A MOBILIDADE ELÉCTRICA Contextualização As significativas alterações climáticas e o aumento do preço dos combustíveis sustentam um dos maiores desafios do século XXI - fiabilidade, segurança e sustentabilidade

Leia mais

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 O Bloco de Esquerda apresentou um conjunto de propostas sobre a política fiscal, que permitiriam gerar 960 milhões de euros

Leia mais

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas Resumo das Conclusões Ainda vamos a tempo de evitar os piores impactos das alterações climáticas, se tomarmos desde já medidas rigorosas. As provas científicas são presentemente esmagadoras: as alterações

Leia mais

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Informação à Comunicação Social 3 de Fevereiro de 2000 TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Introdução Este estudo procura caracterizar as estruturas territoriais na Área Metropolitana

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA (Estudo Prévio) I. Tendo por base o Parecer Final da Comissão de Avaliação (CA), as Conclusões da Consulta

Leia mais

Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal

Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal A Biomassa Florestal, energia e desenvolvimento rural Universidade Católica do Porto Oportunidades do Aproveitamento da Biomassa Florestal Centro de Biomassa para a Energia 1 O QUE É A BIOMASSA? De acordo

Leia mais

Pós-avaliação AIA. As fases da AIA no DL 69/2000. Selecção dos projectos. Definição do âmbito. Consulta pública. Elaboração do EIA

Pós-avaliação AIA. As fases da AIA no DL 69/2000. Selecção dos projectos. Definição do âmbito. Consulta pública. Elaboração do EIA Pós-avaliação AIA As fases da AIA no DL 69/2000 Selecção dos projectos Definição do âmbito Consulta pública Elaboração do EIA Apreciação técnica do EIA Consulta pública Decisão DIA Pós-avaliação Consulta

Leia mais

Relatório Final Projecto de Avaliação da Interacção entre a Avifauna e a Rede de Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica dos Açores

Relatório Final Projecto de Avaliação da Interacção entre a Avifauna e a Rede de Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica dos Açores Relatório Final Projecto de Avaliação da Interacção entre a Avifauna e a Rede de Transporte e Distribuição de Energia Eléctrica dos Açores Ponta Delgada, Março, 2009 Relatório Intercalar Localização e

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010

Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 Artigo para a revista Planeta Azul APA, Abril de 2010 P. Quando entrará em funcionamento o PNAAS? O Plano Nacional de Acção Ambiente e Saúde (PNAAS) foi aprovado pela Resolução de Conselho de Ministros

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário A Contribuição Autárquica como fonte de financiamento dos municípios e a questão das isenções Paulo

Leia mais

Comentários COGEN_PDIRT E 2014_2023.pdf

Comentários COGEN_PDIRT E 2014_2023.pdf Ana Oliveira De: COGEN Portugal [cogen.portugal@cogenportugal.com] Enviado: quinta-feira, 6 de Março de 2014 17:36 Para: pdirt-e2013 Assunto: Consulta Pública PDIRT - Envio de comentários Anexos: Comentários

Leia mais

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU 19 CAPÍTULO 3 ÍNDICE 3. PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE Empresa Geral do Fomento e COMENTÁRIOS DA EMPRESA GERAL DO FOMENTO E DOUROGÁS, ACE À PROPOSTA DE REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO APRESENTADA PELA ERSE EM NOVEMBRO DE 2009 Novembro 2009 No seguimento da proposta

Leia mais

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Seminário de Boa Governação das Energias Renováveis Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Madival Alva das Neves Meteorologista (Direção Geral do Ambiente) São Tomé, 30 de junho,

Leia mais

Damos valor à sua energia

Damos valor à sua energia Damos valor à sua energia Invista em energias renováveis e eficiência energética e comece a poupar naturalmente. Energia O futuro do planeta está cada vez mais nas nossas mãos e a forma como obtemos e

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação. Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010

Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação. Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010 Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010 Percentagens a determinar para cada ponto de luz Visualizar filme em: www.smartli.net Introdução O sistema

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

Marketing Pessoal. aumentem de valor.

Marketing Pessoal. aumentem de valor. P U B L I C A Ç Ã O N º 3 2 3 D E Z E M B R O 2 0 0 9 Marketing Pessoal PONTOS DE INTERESSE: Conceito Na Prática Definir Objectivos Marca Pessoal Marketing Pessoal pode ser definido como o processo de

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

CASO DE ESTUDO SOBRE SIG

CASO DE ESTUDO SOBRE SIG Laboratório Regional de Engenharia Civil Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Câmara Municipal do Funchal Sistema Integrado para a Implementação de Sustentabilidade CASO

Leia mais

Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética;

Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética; Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética; Monitorização energética dos edifícios Isabel Santos ECOCHOICE Estoril, Abril

Leia mais

Estudo de Impacte Ambiental do Parque Eólico de São Bento. Parecer conjunto no âmbito da consulta pública

Estudo de Impacte Ambiental do Parque Eólico de São Bento. Parecer conjunto no âmbito da consulta pública Estudo de Impacte Ambiental do Parque Eólico de São Bento Parecer conjunto no âmbito da consulta pública 20 de Agosto de 2009 INTRODUÇÃO O presente documento constitui o contributo conjunto das ONGA, OIKOS

Leia mais

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS ANEXO 3 FACTOS E NÚMEROS A floresta portuguesa 1. Os espaços florestais ocupam 5,4 milhões de hectares e representam cerca de dois terços da superfície de Portugal Continental. Destes, 3,4 milhões de hectares

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Cogeração na Indústria

Cogeração na Indústria Cogeração na Indústria A cogeração como medida de eficiência energética na indústria: vantagens, enquadramento regulatório e situação em Portugal Rui Quintans dos Santos Comissão Executiva da COGEN Portugal

Leia mais

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade Tecnologia nacional potencia sustentabilidade 1 Tecnologia nacional potencia sustentabilidade O desenvolvimento de soluções inovadoras que melhoram a eficiência das organizações e a qualidade de vida das

Leia mais

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas).

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas). SI INOVAÇÃO [Projectos PROVERE] Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 15/SI/2011 Aberto concurso para a implementação dos PROVERE Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos que pretendem

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais

EFICIÊNCIA HÍDRICA. Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique. Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010

EFICIÊNCIA HÍDRICA. Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique. Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010 EFICIÊNCIA HÍDRICA Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010 Novembro de 2010 1. Introdução A água é um bem essencial à vida e indispensável

Leia mais

PARQUE EÓLICO DE FONTE DA MESA II VOLUME 1 RESUMO NÃO T ÉCNICO

PARQUE EÓLICO DE FONTE DA MESA II VOLUME 1 RESUMO NÃO T ÉCNICO PARQUE EÓLICO DE FONTE DA MESA II ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL VOLUME 1 RESUMO NÃO TÉCNICO ÍNDICE GERAL DO EIA VOLUME 1 RESUMO NÃO T ÉCNICO VOLUME 2 RELATÓRIO SÍN TESE Capítulo I Introdução Geral Capítulo

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável. António Eira Leitão

Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável. António Eira Leitão Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável António Eira Leitão RESUMO Apresenta-se uma síntese sobre a história da energia hidroelétrica em Portugal e perspectivase o

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA O Programa para a Eficiência Energética tem como objectivo principal melhorar a eficiência energética dos edifícios portugueses. Com efeito, Portugal, sendo um país com excelentes

Leia mais

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EDIFÍCIOS DE BAIXO CONSUMO COM SISTEMAS ACTIVOS DE ELEVADA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 20 de Maio de 2010 COMPONENTE PASSIVA DO EDIFÍCIO OPTIMIZADA COMPONENTE DOS SISTEMAS ACTIVOS OPTIMIZADA 1 COMPONENTE PASSIVA

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

A Importância do Aproveitamento Energético da Biomassa em Portugal

A Importância do Aproveitamento Energético da Biomassa em Portugal A Importância do Aproveitamento Energético da Biomassa em Portugal Conferência Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Lisboa, 7 de Julho de 2010 Clemente Pedro Nunes: Professor Catedrático

Leia mais

Voltar a explorar o mar

Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Com uma visão de longo prazo, a EDP está constantemente a analisar as tecnologias de aproveitamento das energias renováveis, com vista à futura comercialização

Leia mais

Eficiência Energética e Integração de Energias Renováveis em Edifícios

Eficiência Energética e Integração de Energias Renováveis em Edifícios Eficiência Energética e Integração de Energias Renováveis em Edifícios Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior dos Edifícios Leiria, 11 de Dezembro de 2008 Paulo Gata Amaral pgata@estg.ipleiria.pt

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS (Versão revista de 20 de Julho de 2009) ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS Da minha língua vê-se o mar Vergílio Ferreira INTRODUÇÃO Os Estados membros da Comunidade

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente

Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente 1. É notório um significativo impacto na saúde humana decorrente de factores de risco ambientais tanto ao nível da morbilidade como da mortalidade

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Assunto: Consulta Pública do Processo de Avaliação de Impacte Ambiental Parque Eólico de Alto da Coutada

Assunto: Consulta Pública do Processo de Avaliação de Impacte Ambiental Parque Eólico de Alto da Coutada Ex.mo Senhor Presidente do Instituto do Ambiente Rua da Murgueira 9/9ª Zambujal Apartado 7585- Alfragide 2721-865 Amadora Lisboa, 25 de Janeiro de 2008 Assunto: Consulta Pública do Processo de Avaliação

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS

ENERGIAS ALTERNATIVAS ENERGIAS ALTERNATIVAS (I.F./2006) Introdução O homem utiliza no seu quotidiano muitos produtos que derivam do petróleo, como por exemplo, os fertilizantes, o vestuário, a pasta de dentes, plásticos, pneus

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

SEMINÁRIO AVALIAÇÃO DO RISCO DE COLISÃO DE AVES COM LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA: O CASO SISÃO

SEMINÁRIO AVALIAÇÃO DO RISCO DE COLISÃO DE AVES COM LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA: O CASO SISÃO A EDP DISTRIBUIÇÃO E A AVIFAUNA SEMINÁRIO AVALIAÇÃO DO RISCO DE COLISÃO DE AVES COM LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA: O CASO SISÃO Lisboa, 11 de Novembro de 2011

Leia mais

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo Fundo Português de Carbono FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS CANDIDATURA DE PROGRAMA [de acordo com o Anexo do Regulamento] Resumo

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR)

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Em consulta pública O Projecto de Plano Nacional de Gestão de Resíduos (PNGR 2011-2020), bem como o Relatório Ambiental e o Resumo Não Técnico da Avaliação

Leia mais

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Projecto de Lei nº 466/XI/2ª Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Exposição de motivos A problemática da gestão dos resíduos está hoje no centro de muitas opções essenciais de

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável. II Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável. II Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto da Usina Eólica Casa Nova consiste na implantação e operação de uma

Leia mais

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH

AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH AS ENERGIAS DO PRESENTE E DO FUTURO 21, 22 de Novembro de 2005 ENERGIA HÍDRICAH ANTÓNIO NIO GONÇALVES HENRIQUES APROVEITAMENTOS HIDRO-ELÉCTRICOS EM PORTUGAL 35 médios m e grandes aproveitamentos hidroeléctricos

Leia mais

Planos de Promoção do

Planos de Promoção do Planos de Promoção do Desempenho Ambiental Sector eléctrico Balanço de 5 anos e novas regras 20 de Maio de 2008 Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos 1 Enquadramento 4 A tem as seguintes responsabilidades

Leia mais

Decreto-Lei n.º 84/97 de 16 de Abril

Decreto-Lei n.º 84/97 de 16 de Abril Decreto-Lei n.º 84/97 de 16 de Abril Transpõe para a ordem jurídica interna as Directivas do Conselho n.º 90/679/CEE, de 26 de Novembro, e 93/88/CEE, de 12 de Outubro, e a Directiva n.º 95/30/CE, da Comissão,

Leia mais

PPDA DA REN GASODUTOS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010

PPDA DA REN GASODUTOS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010 PPDA DA REN GASODUTOS ANÁLISE DO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ANO GÁS 2009-2010 Abril 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom

Leia mais

A Luta Contra as Alterações Climáticas e a Conferência Climática de Copenhaga (COP15)

A Luta Contra as Alterações Climáticas e a Conferência Climática de Copenhaga (COP15) DEBATER A EUROPA Periódico do CIEDA e do CIEJD, em parceria com GPE, RCE e o CEIS20. N.1 Junho/Dezembro 2009 Semestral ISSN 1647-6336 Disponível em: http://www.europe-direct-aveiro.aeva.eu/debatereuropa/

Leia mais

(Minho Laboratório de Inovação e Desenvolvimento)

(Minho Laboratório de Inovação e Desenvolvimento) Barcelos Braga Famalicão Guimarãe SESSÃO PÚBLIICA DE APRESENTAÇÃO MEMORANDO TÉCNIICO PLLANO DE DESENVOLLVI IMENTTO DA REGIÃO DO MINHO IDENTTI I IFFI ICAÇÃO DE UM MOTTOR DE DESENVOLLVI IMENTTO Janeiro de

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA António Gonçalves Henriques CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONCEITOS DE BASE Biodiversidade ou Diversidade Biológica é o conjunto das diferentes

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) http://curriculum.degois.pt Março de 2012 Versão 1.5 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador

Leia mais

enewsletter NOVEMBRO`09

enewsletter NOVEMBRO`09 Página Web 1 de 7 enewsletter NOVEMBRO`09 www.centralprojectos.pt Central Projectos conquista estatuto de PME Líder A Central Projectos foi recentemente reconhecida como PME Líder pelo IAPMEI no âmbito

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Mecânica Energias Renováveis 4 o Ano Prof. Doutor Engenheiro Jorge Nhambiu Aula 1 Recursos energéticos, situação actual

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

MANIFESTO VERDE. Açores Sustentáveis. Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores. Eleições para a Assembleia Legislativa

MANIFESTO VERDE. Açores Sustentáveis. Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores. Eleições para a Assembleia Legislativa Eleições para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos AÇORES MANIFESTO VERDE Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores Pela Produção e Consumo de Produtos Locais e Regionais Pela

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17 DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 207 17. DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17.1 INTRODUÇÃO Para que os investidores, operadores e ocupantes possam usufruir dos edifícios

Leia mais

A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS

A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS João M. L. Meira Geólogo INTRODUÇÃO A gestão adequada dos resíduos é, na actualidade, um dos grandes desafios das sociedades modernas

Leia mais

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 O NOVO CICLO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS AO SERVIÇO DO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL, Porto 07.06.13 O CONTRIBUTO DO MAR PARA O CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL DAS REGIÕES PORTUGUESAS Rui Azevedo II ENCONTRO DOS PARCEIROS

Leia mais

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação

1 Introdução. 2 Exemplo de aplicação Os problemas da utilização de métodos de simulação de cargas térmicas e consumo energético na auditoria energética para verificação dos Requisitos Energéticos dos edifícios por Luís Roriz e Alexandre Gonçalves

Leia mais