Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I:"

Transcrição

1 Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional Unidade I: 0

2 Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional ment/enlargement.aspx?id= &caller=search Comunicação, liderança e motivação se conjugam numa relação de causa e efeito. Não há como abordar o tema motivação, sem mencionar a necessidade de zelo com as técnicas de liderança e de comunicação. As melhores estratégias motivacionais não terão êxito, se não houver práticas coerentes de comunicação ou de liderança. Comunicação, sem dúvida, é uma das competências mais importantes de um líder. Comunicação como fator motivacional Não é possível dizer qualquer coisa, de qualquer jeito, em qualquer momento, a qualquer pessoa Chanlat e Dufour ent.aspx?id= &caller=search Mintzberg (1973) aponta que a função de um líder é em sua essência a comunicação. Embora executivos utilizem os verbos planejar, dirigir, coordenar, controlar, entre outros, para descrever suas funções mais rotineiras, o verbo comunicar estará sempre presente no cotidiano destes líderes. Mas o que é comunicação afinal? No Dicionário Escolar da Língua Portuguesa, do Ministério da Educação, encontra-se a seguinte definição para o termo comunicação fazer saber, tornar comum, participar. Desta definição, dois aspectos devem ser destacados. O primeiro deles é que comunicação envolve transmitir algo para alguém. A comunicação é um fator social. É necessário que haja um 1

3 emissor, mas também um receptor, pois do contrário não há comunicação. O segundo aspecto é que para que haja comunicação deve existir algo a ser transmitido. Ou seja, é necessário que haja uma mensagem. Assim, dentre os elementos importantes a comunicação estão: o emissor, o receptor e a mensagem. O emissor emite uma mensagem por meio de um código, codifica a mensagem, e o receptor a decodifica. Esta mensagem é transmitida por meio de um canal da comunicação e para que a comunicação seja fluida faz-se necessário evitar qualquer ruído ou barreira a este processo. O Diagrama Clássico da Comunicação demonstra de forma clara como se dá este processo. A ilustração de Roland, apresentada no livro Relações Humanas na família e no trabalho Pierre Weil 1, representa de forma humorada alguns dos componentes deste Diagrama. Todavia, vale ressaltar que não basta apenas haver um emissor, um receptor, um canal e uma mensagem para que a comunicação ocorra, é necessário considerar os efeitos da mensagem sobre quem a emite e, principalmente, sobre quem a recebe. 1 WEIL, Pierre Relações Humanas na família e no trabalho Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 22º ed.,

4 A frase de apresentada no início do tópico Não é possível dizer qualquer coisa, de qualquer jeito, em qualquer momento, a qualquer pessoa, de Chanlat e Dufour ilustra bem esta necessidade de considerar os efeitos da comunicação sobre o emissor e, principalmente, sobre o receptor. necessário considerar todos os elementos envolvidos na comunicação para que a mesma ocorra de forma completa e adequada. É Analisando a frase de Chanlat e Dufour, podemos destacar que: Não é possível dizer qualquer coisa de qualquer jeito. É preciso adequar o código utilizado na comunicação ao nível de nosso receptor. Também não é possível dizer qualquer coisa, de qualquer jeito, em qualquer momento. O tipo de comunicação deve-se adequar a situação específica. Não é apropriado que o diálogo entre o líder e o liderado seja idêntico em situações distintas como uma reunião de trabalho e um evento informal da empresa, por exemplo. Embora, seja sempre necessária a postura profissional, a comunicação adequada pode aproximar as pessoas. Sobre momento também é importante lembrar que nem todos os assuntos são convenientes. Há assuntos que merecem ser deixados para momentos adequados. Cabe ao receptor avaliar qual é o momento mais adequado para cada assunto. Não é possível dizer qualquer coisa, de qualquer jeito, a qualquer pessoa. Uma vez que as pessoas são diferentes a forma como estas 3

5 recebem as mensagens também é bastante particular. Uma mensagem pode despertar motivação em alguns, mas desmotivação em outros. É preciso se ater à pessoa a quem a mensagem é transmitida e quais são as intenções desta mensagem. Além de se preocupar com o que dizer, para não dizer qualquer coisa, de qualquer jeito..., é necessário também nos atentarmos às outras formas de comunicação. Quem nunca ouviu dizer quer uma imagem vale mais que mil palavras? A transmissão de uma mensagem pode se dar, além da fala, por meio de uma expressão, de um olhar, de um tom de voz, enfim, a comunicação por ser feita de várias maneiras. Um líder pode, por exemplo, transmitir uma mensagem de motivação e de incentivo por meio da fala, mas se contradizer pela mensagem emitida por meio de suas expressões faciais, seus gestos, sua postura. = &caller=search É preciso considerar que todos os estímulos são importantes na comunicação e, consequentemente, na motivação. E quando falamos todos os estímulos, nos referimos a todos mesmo, inclusive à sua vestimenta, à sua imagem como profissional, como pessoa etc., tudo o que você é ou representa interferirá em como as mensagens que você transmite serão recebida por seu receptor. Do mesmo modo que o descaso com a comunicação coloca a perder qualquer projeto, o cuidado com a mesma traz vantagens incontáveis para qualquer plano. Quando se trata de comunicação, é importante ainda oferecer escuta a quem transmite uma mensagem. É comum observarmos pessoas que simplesmente não escutam o que o outro diz. Tamanha é a spx?id=aakd001014&caller=search 4

6 necessidade de falar, que simplesmente alguns ignoram as mensagens transmitidas pelos outros. Todavia, ter empatia pelo outro, ser bom ouvinte, permite ao líder conhecer melhor seu liderado, além de fazer com que este se sinta reconhecido e valorizado nesta relação. Um outro aspecto sobre a comunicação que vale a pena se atentar é quanto ao feedback. É necessário que haja feedback tanto positivo, quanto negativo. É tão mais comum ouvirmos falar dos problemas, dos erros, das perdas, do que ouvirmos dos progressos, das conquistas, dos sucessos. Cabe ao líder se atentar para o sucesso e oferecer feedback positivo aos seus funcionários. Por tudo isto, a comunicação interfere diretamente na motivação e o líder deve estar atento às estratégias de comunicação utilizadas. Liderança como fator motivacional Para ser um líder, você tem que fazer as pessoas quererem te seguir, e ninguém quer seguir alguém que não sabe onde está indo Joe Namath nt.aspx?id= &caller=search Muito poderia ser dito sobre liderança como fator motivacional, mas aqui vamos nos ater à liderança como poder de influenciar o outro. Exercemos liderança sempre que influenciamos o outro a atingir uma meta. E para influenciar o outro, é necessário que o líder exerça poder sobre este. Todavia, existem tipos de poder. Podemos exercer poder sobre o outro, em função de uma posição que ocupamos, por exemplo. Você certamente conhece a frase: manda quem pode, obedece quem tem juízo. Quando devo obediência a alguém, em função do poder que este tem sobre mim, certamente esta pessoa me influenciará a fazer determinadas coisas. 5

7 Mas não é sobre este tipo de poder, que trataremos aqui, mas outro tipo, o poder legítimo, que não está vinculado ao cargo ou à posição, mas sim à pessoa. Quantas vezes vemos pessoas pedirem conselhos a um amigo, a um professor ou aos seus pais. Estes a quem pedimos conselhos exercem poder sobre nossas vidas, pois de certa forma influenciam nossas escolhas. Quanto maior a influencia dessas pessoas sobre nossas vidas, maior o poder que estas exercem sobre nós. spx?id= &caller=search Embora seja cada vez menos comum, existem líderes organizacionais, que exercem poder legítimo sobre seus liderados. Independente de sua posição na empresa, de seu cargo, de seu poder em promover ou demitir alguém, estes líderes influenciam seus liderados. Este poder é conquistado não pelo cargo, mas a partir de atitudes de respeito, da transmissão de confiança, de proximidade para com seus liderados. comprometimento, em motivação. E esta proximidade, confiança e respeito resultam em Quantas vezes já ouvimos de histórias em que a empresa estava passando por dificuldades financeiras, mas os funcionários permaneciam unidos, trabalhando, por vezes até sem receber salário, mas procurando reerguer a empresa? Ou, quantas vezes, ouvimos também de empresas que estavam passando por dificuldades financeiras e os funcionários torcendo para que a empresa entrasse em falência, mesmo sem se darem conta de que perderiam seus empregos? O que muda entre o primeiro e o segundo exemplo? Muitas vezes, o que muda é o estilo de liderança. O funcionário que se sente pertencente à empresa, que compreende que seu líder é comprometido para com ele, fará de tudo para ajudar a este líder, mas o contrário também é verdadeiro. funcionário que não se sente parte da empresa, não se importará que a mesma O 6

8 encerre suas atividades, tenha prejuízos, perca clientes, pois ele não faz parte da empresa. Daí a importância de uma liderança que conquiste liderados, que faça com que o funcionário se sinta parceiro da empresa. Mas, liderar assim não é tarefa fácil, exige cuidado e esforço. Exige olhar para o outro, procurar compreender suas necessidades, suas motivações. Este é um grande desafio para a liderança e, consequentemente, para o sucesso de qualquer empreendimento. O líder conquista quando sabe impor sua posição, sem ser autoritário. Preocupa-se com seus funcionários, mas sem que isto comprometa o desempenho, o desenvolvimento das atividades. Sabe o que está fazendo é transmite esta segurança aos seus liderados. Fala e age com entusiasmos sobre seus projetos. Enfim, como já dito, liderar não é tarefa fácil, exige dedicação. Liderar é como andar de bicicleta. Dizem que, quem aprende nunca mais esquece, mas existe muita diferença entre um ciclista profissional e um amador. O ciclista profissional dedica-se à prática de andar de bicicleta, enquanto o amador, não. O líder, deve se dedicar à prática de liderar, pois só com a experiência, poderá se tornar um líder que influencia verdadeiramente as pessoas. apxv?id=0= Essa postura coesa e verdadeira desenvolve na equipe não só a confiança, mas a desejo de estar junto ao líder e atingir as metas por este determinadas. Este pode ser considerado um dos segredos de se obter comprometimento do funcionário. Quando o profissional admira seu líder, bem como reconhece que pode confiar nele como profissional e como pessoa, ele não só o respeita, como também se compromete com aquilo que lhe é proposto. Claro que há variações de pessoa para pessoa, mas, de forma geral, há uma pré-disposição em se comprometer com quem se percebe como merecedor de nossa dedicação. 7

9 Vale lembrar também que para se comprometer com algo, precisamos gostar daquilo que fazemos e, isto, nem sempre está relacionado com a empresa ou com o líder, mas sim com a própria pessoa. O líder neste caso pode atuar como um orientador. Enfim, se você deseja uma equipe comprometida com o que faz, deve conquistar a confiança e a admiração da mesma e isto, não se consegue sem dedicar respeito ao outro. 8

10 Referências BRIDGES, W., Job Shift: um Mundo sem Empregos. São Paulo: MB Books, DEJOURS, Christophe. Uma visão do Sofrimento Humano nas Organizações. Em: CHANLAT, Jean-François (organizador). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. Ofélia de Lanna Sette Torres (organizadora); tradução e adaptação Arakey Martins Rodrigues; revisão técnica Carlos O. Bertero, 3º Ed. São Paulo: Atlas, DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E. & JAYET, C. Psicodinâmica do Trabalho - Contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação Prazer, Sofrimento e Trabalho. São Paulo: Editora Atlas S.A., LIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção. 7ed. São Paulo: Edgar Blucher, MILLS, Wright. A Nova Classe Média. Rio de Janeiro: Zahar Editores, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual De Procedimentos Para Serviço Da Saúde: Doenças Relacionadas ao Trabalho. Brasília, SAÚDE MENTAL EM FOCO. Em busca de novas perspectivas. Módulo de saúde mental é sucesso no Congresso Latino-Americano de Serviços de Saúde. SINDHOSP. Ano 02, Boletim nº 08, Jul/Ago/Set,

11 10 Responsável pelo Conteúdo: Professora Ms. Gisele de Lima Fernandes Campus Liberdade Rua Galvão Bueno, São Paulo SP Brasil Tel: (55 11)

Unidade: PSICODINÂMICA DO TRABALHO: o estresse no ambiente organizacional. Unidade I:

Unidade: PSICODINÂMICA DO TRABALHO: o estresse no ambiente organizacional. Unidade I: Unidade: PSICODINÂMICA DO TRABALHO: o estresse no ambiente organizacional Unidade I: 0 Unidade: PSICODINÂMICA DO TRABALHO: o estresse no ambiente organizacional O trabalho pode ser visto como um mero ganha-pão,

Leia mais

Motivação e Comprometimento

Motivação e Comprometimento Motivação e Comprometimento Comunicação e Liderança como fatores motivacionais Responsável pelo Conteúdo: Profa. Ms. Gisele de Lima Fernandes Revisão Textual: Profa. Esp. Alessandra Fabiana Cavalcante

Leia mais

CollaborativeBook. número 4. Feedback

CollaborativeBook. número 4. Feedback CollaborativeBook número 4 Feedback Feedback 2 www.apoenarh.com.br Nesta nova publicação abordaremos o tema feedback, usando com o objetivo de instrumentalizar o indivíduo para ação e desenvolvimento.

Leia mais

A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga

A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga 2014 A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. Júlia Farnese Fernanda Queiroga A Busca da Excelência: entre o dizer e o fazer. 3 A palestra em questão aborda a busca da excelência e o paradigma

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS Alessandra dos Santos Silva Helenice Moraes Rosa Roseneia Farias Gazoli Valdilene Batista de Lima O QUE PODEMOS APRENDER

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

Objetivos. Discutir as novas tendências de mercado; Ampliar a visão de Gestão; Compreender os múltiplos papéis do Gestor;

Objetivos. Discutir as novas tendências de mercado; Ampliar a visão de Gestão; Compreender os múltiplos papéis do Gestor; Gestão de Pessoas Objetivos Discutir as novas tendências de mercado; Ampliar a visão de Gestão; Compreender os múltiplos papéis do Gestor; Discernir sobre os efeitos e benefícios da comunicação; Fomentar

Leia mais

Caros amigos e alunos, este espaço destaquei para que vocês possam perceber alguns testes em relação ao autoconhecimento, inteligência, autoestima,

Caros amigos e alunos, este espaço destaquei para que vocês possam perceber alguns testes em relação ao autoconhecimento, inteligência, autoestima, Testes em Geral Caros amigos e alunos, este espaço destaquei para que vocês possam perceber alguns testes em relação ao autoconhecimento, inteligência, autoestima, raciocínio lógico, empatia entre outros.

Leia mais

Blog: http://flaviobotana.wordpress.com

Blog: http://flaviobotana.wordpress.com Quem serão os Líderes do Futuro na Indústria Gráfica Em seu livro Administração por Processos, o autor Djalma de Pinho Rebouças de Oliveira apresenta em seu capítulo inicial o que ele chama de Evolução

Leia mais

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Módulo Consultoria Diretor de Planejamento Experiência Profissional: SENAC-Rio em 2007 como especialista e coordenador

Leia mais

Um representante é alguém que está onde eu não consigo estar.

Um representante é alguém que está onde eu não consigo estar. DUAS VERDADES IMPORTANTES Um representante é alguém que está onde eu não consigo estar. DUAS VERDADES IMPORTANTES CERCA DE 80% DO PROFISSIONAIS DE VENDAS VEM PARA A ATIVIDADE DE FORMA CIRCUNSTANCIAL E

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011. Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com

Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011. Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com Jornada Nacional Unimed de Enfermeiros 2011 Enfermeira Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso marialucia@saocamilo.com 05 de maio de 2011 LIDERANÇA COACHING : A PRÁTICA DE VALORIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS

Leia mais

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO Você deve ser a mudança que deseja ver no mundo. (Mahatma Gandhi) GESTÃO DE CONFLITOS Gestão de Conflitos é a arte de identificar, lidar e minimizar/resolver situações

Leia mais

E-book Grátis Como vender mais?

E-book Grátis Como vender mais? E-book Grátis Como vender mais? Emissão: 27/01/2015 Responsável: Luiz Carlos Becker Filho Cargo: Diretor Executivo E-book Grátis Como vender mais? Esse conteúdo pode realmente lhe ajudar: Premissas: Olá,

Leia mais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais Seção Relação entre as organizações cristãs e as Conforme discutido na Seção 1, as desempenham um papel na proclamação e na demonstração do evangelho. Entretanto, com muita freqüência, o papel da igreja

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação

Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação Módulo 6 Cultura organizacional, Liderança e Motivação Um ambiente em constante mutação, com alterações cada vez mais rápidas e significativas, exige uma empresa com capacidade de adaptação crescente ao

Leia mais

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você O que a Postura Consultiva tem a ver com Você Marcelo Egéa M* O que é postura consultiva Criar e sustentar uma marca é um trabalho que exige o máximo de todos na empresa. Alguns têm contato direto com

Leia mais

CENARIO INDUSTRIAL TECNOLOGIA RELACIONAMENTO COMPETÊNCIA

CENARIO INDUSTRIAL TECNOLOGIA RELACIONAMENTO COMPETÊNCIA COMPETIÇÃO GLOBAL Se você estiver pensando em fazer coisas melhores, pelo menos duas vezes mais rápido, com a metade dos recursos, você tem uma atitude mental certa para desafiar efetivamente a competição

Leia mais

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes

Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes Tribunais Exercícios Gestão de Pessoas Atendimento Ao Público Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Qualidade no Atendimento ao Público Profa.: Keyvila

Leia mais

Guia prático para professores

Guia prático para professores Guia prático para professores Não, Não e NÃO! Comportamentos de Oposição e de Desafio em sala de aula Sugestões práticas da: Nem todas as crianças são iguais, já ouvimos dizer muitas vezes.. Desde cedo,

Leia mais

COMO FALAR EM PÚBLICO

COMO FALAR EM PÚBLICO COMO FALAR EM PÚBLICO Técnicas e habilidades para comunicação oral Izidoro Blinkstein Capítulo 1: FALAR EM PÚBLICO O que é falar em público? Comunicação Coloquial: O Objetivo é estabelecer comunicação

Leia mais

5 Passos para vender mais com o Instagram

5 Passos para vender mais com o Instagram 5 Passos para vender mais com o Instagram Guia para iniciantes melhorarem suas estratégias ÍNDICE 1. Introdução 2. O Comportamento das pessoas na internet 3. Passo 1: Tenha um objetivo 4. Passo 2: Defina

Leia mais

Gestão de pessoas: revisão de conceitos

Gestão de pessoas: revisão de conceitos Glaucia Falcone Fonseca Chegamos ao final de nosso curso e vale a pena fazer uma retrospectiva sobre os principais aspectos da gestão de pessoas, algo tão importante no atual mundo do trabalho, caracterizado

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Você gostaria de atingir os objetivos que traçou para sua vida de maneira mais consistente e sustentável? Gostaria de melhorar o seu aproveitamento, trabalhar menos pressionado ou estressado, e ainda aumentar

Leia mais

DIREÇÃO ADMINISTRATIVA

DIREÇÃO ADMINISTRATIVA Prof. Jairo Molina Gestão em Petróleo e Gás 2 DIREÇÃO ADMINISTRATIVA Para que a Empresa funcione adequadamente ela precisa ser dirigida. Em outros termos, ela precisa ser governada e orientada para os

Leia mais

Menos paixão: o sucesso na Negociação

Menos paixão: o sucesso na Negociação Menos paixão: o sucesso na Negociação O sucesso de uma negociação está na ausência da paixão. Quanto mais objetiva e baseada em critérios imparciais for a negociação, melhor será o acordo final para todos.

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E AS REUNIÕES PEDAGÓGICAS POSSIBILIDADES E CAMINHOS

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E AS REUNIÕES PEDAGÓGICAS POSSIBILIDADES E CAMINHOS 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E AS REUNIÕES PEDAGÓGICAS POSSIBILIDADES E CAMINHOS AMANDA GONCALVES DOS SANTOS INTRODUÇÃO A idéia que muitos têm do coordenador pedagógico é aquela ainda imbricada em valores

Leia mais

Desmotivação no Trabalho

Desmotivação no Trabalho Desmotivação no Trabalho Carolline de MORAIS¹ RGM 89552 Karen C. P. S. PENHAVEL¹ RGM 88579 Renata SORIO¹ RGM 88861 Romerianne BATISTA¹ RGM 088671 Orientadora² : Viviane Regina de Oliveira Silva Resumo

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Unidade IV. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas

Unidade IV. Comunicação Empresarial. Profª. Cleide de Freitas Unidade IV Comunicação Empresarial Profª. Cleide de Freitas Resumo aula anterior Variações Línguísticas Níveis da fala Modelos de redação Veículos de redação administrativa Vantagens e desvantagens da

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

Dicas para Liderar com alta performance

Dicas para Liderar com alta performance Walbron Siqueira 5 Dicas para Liderar com alta performance Faça da melhoria contínua um hábito e seja o protagonista de sua carreira Sobre o autor Walbron Siqueira é bancário, especialista em gestão de

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a)

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Empreendedorismo Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. A formação do empreendedor... 3 4. Empreendedorismo nato ou desenvolvido?... 4 4.1 Características

Leia mais

Liderança Organizacional

Liderança Organizacional Liderança Organizacional Mauricio Lima Competência 07 Desenvolvimento de Recursos, Finanças e Legislação Corporativa Fundamentação Teórica Entre as atividades mais importantes do líder está a responsabilidade

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva.

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva. ARTIGO Paulo Lanes Lobato * RESUMO Considerando que o marketing é hoje integrante de grande parte das conversas relacionadas ao esporte e, principalmente, que se transformou na esperança do esporte em

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Assegurar a satisfação do cliente no pós-venda, desenvolvendo um relacionamento duradouro entre o vendedor e o cliente, além de conseguir indicações através de um sistema de follow-up (acompanhamento).

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa 3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa O objetivo do presente estudo é o de avaliar um processo de comunicação oficial na organização STAR, uma organização do segmento de educação, sem fins lucrativos,

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Excelência no Atendimento

Excelência no Atendimento Excelência no Atendimento Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Instrutor: HUARLEY PRATTE LEMKE Introdução O que é atendimento? Atendimento é o ato de atender, ou seja, ao ato de cuidar, de prestar

Leia mais

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada.

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada. 10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS Para administrar CONFRONTAÇÃO; dar FEEDBACK, dizer NÃO, expressar DESACORDO ou SATISFAÇÃO Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada CONSTRUINDO MELHORES

Leia mais

EXCELÊNCIA PROFISSIONAL

EXCELÊNCIA PROFISSIONAL EXCELÊNCIA PROFISSIONAL Jamais na história da humanidade o ser humano foi tão DESAFIADO. Vivemos em mundo onde tudo muda o tempo todo. Uma pergunta instigante: Quais os Maiores DESAFIOS do Profissional

Leia mais

A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria

A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria A tutoria online perfil e compete ncias de uma boa tutoria As aptidões essenciais de uma boa tutoria não são muito diferentes das do bom professor presencial. O que distingue umas e outras é o ambiente

Leia mais

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL)

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) % ABERTURA JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) Esta avaliação é constituída de 20 questões possíveis de ocorrer em uma empresa. Cada questão é composta por duas afirmativas. Você deve analisar

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ

Rua Baronesa do Engenho Novo, 189 Eng. Novo - Rio de Janeiro - RJ. Rua Buenos Aires, 12 / 12 o andar Centro - Rio de Janeiro - RJ Manual do Cursista Copyright COP EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados a COP EDITORA LTDA. Essa é uma co-edição entre a COP EDITORA LTDA e a FUNAGER - Fundação Nacional de Apoio Gerencial. Proibida

Leia mais

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6 FIAT Q Questionário de Relacionamento Interpessoal Glenn M. Callaghan Department of Psychology; One Washington Square, San Jose University, San Jose CA 95192-0120 Phone 08) 924-5610 e fax (408) 924 5605.

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Administração

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Administração FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Programa de Certificação de Qualidade Curso de Graduação em Administração PROVA DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 1º Semestre / 2010 - P2 - TIPO 1 DADOS DO ALUNO: Nome: Assinatura INSTRUÇÕES:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK Jéssica Fernanda Torres 1 Larissa Custódio Grosseli 2 Solange Suffi Barbosa 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO A qualidade de vida no

Leia mais

Titulo: Fluxo de Caixa. 2016 Fernando Nunes. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos. Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição

Titulo: Fluxo de Caixa. 2016 Fernando Nunes. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos. Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição Titulo: Fluxo de Caixa 2016. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição Introdução Pedro era um pequeno empresário que trabalhava muito em seu negócio.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado.

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado. 3 PAPEL DOS GERENTES Os gerentes são os protagonistas do processo administrativo. Eles são responsáveis por coordenar o trabalho dos outros funcionários da empresa. Não existe apenas um modelo administrativo,

Leia mais

A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO

A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO Adm. Marlene Carnevali, PMP, PMI_RMP 1 Adm. Marlene Carnevali, PMP, PMI-RMP marlene@prorisks.com.br www.prorisks.com.br Neste artigo

Leia mais

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO O Processo de Design Vamos começar! Nós sabemos por experiência que o único jeito de aprender o design centrado no ser humano é aplicando-o. Por isso,

Leia mais

Gerenciamento das Comunicações do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Comunicações do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Comunicações do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Inclui os processos necessários para assegurar que as informações do projeto sejam planejadas, coletadas, criadas, distribuídas, armazenadas, recuperadas,

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO

Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO Capítulo 15: TÉCNICAS PARA UMA ENTREVISTA DE TRABALHO 15.1 Como se Preparar para as Entrevistas É absolutamente essencial treinar-se para as entrevistas. Se você não praticar, poderá cometer todos os tipos

Leia mais

"O SEGREDO DA PRÁTICA REVELADO PARA VOCÊ."

O SEGREDO DA PRÁTICA REVELADO PARA VOCÊ. "O SEGREDO DA PRÁTICA REVELADO PARA VOCÊ." Cenário Sair de 77% para 82%(retenção) Reduzir XXXX Sair de Não podemos mais repetir esses erros! Hoje em dia, os produtos são muito parecidos e o que mais diferencia

Leia mais

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível Para quem é este livro? Este livro é para todas aquelas pessoas que fazem o que amam em seu trabalho mas não estão tendo o retorno que gostariam. Este mini guia com 21 sacadas é um resumo dos atendimentos

Leia mais

Análise spot publicitário

Análise spot publicitário Análise spot publicitário Trabalho Realizado por: Carlos Nunes carlosmmnunes@gmail.com Nº 20240 Para a disciplina: Multimédia Scriptwriting Leccionada por: Profª Joana Carvalho Porto, 13 de Abril de 2011

Leia mais

atitudes e comportamentos. Acima de tudo, o Ser Humano tem alma, emoções e sentimentos. Quantas mudanças ocorrem na vida da empresa? Inúmeras.

atitudes e comportamentos. Acima de tudo, o Ser Humano tem alma, emoções e sentimentos. Quantas mudanças ocorrem na vida da empresa? Inúmeras. RH SENSÍVEL RH é uma área sensível à mentalidade que em geral predomina nas organizações. A gestão de RH abrange aspectos como a cultura organizacional, satisfação no trabalho e talento. Isis Corrêa Como

Leia mais

AVALIAÇÃO: Teste escrito

AVALIAÇÃO: Teste escrito Aulas de Ciências do Comportamento 24 Novembro (quarta) Introdução à Psic. Desporto Conhecimento do atleta Motivação 3 Dezembro (quarta) Comunicação e aprendizagem Auto-confiança Formulação de objectivos

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

Como Atender. Bem. Clientes em Farmácias e Drogarias. Dr Juan Carlos Becerra Ligos

Como Atender. Bem. Clientes em Farmácias e Drogarias. Dr Juan Carlos Becerra Ligos Bem Vindos! Como Atender Bem Clientes em Farmácias e Drogarias Dr Juan Carlos Becerra Ligos Juan@sincofarma.org.br VALE A PENA Sensação negativa Marketing para a empresa Fidelização (diferencial sustentável)

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010 Pais e Alunos Proposta de Trabalho Ensino Médio 2010 A partir de 2010 o nosso projeto pedagógico do Ensino Médio estará ainda mais comprometido com a formação integral

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

Ao assumir um papel integrado à sua própria equipe, o líder assume uma postura privilegiada, de crítico e participante ao mesmo tempo.

Ao assumir um papel integrado à sua própria equipe, o líder assume uma postura privilegiada, de crítico e participante ao mesmo tempo. FRANCISCO BITTENCOURT Consultor do MVC LÍDERES TAMBÉM INTEGRAM SUAS EQUIPES Introdução Quando se aborda o tema liderança e trabalho em equipe, em geral, observa-se o papel do líder como condutor de sua

Leia mais

Nós o Tempo e a Qualidade de Vida.

Nós o Tempo e a Qualidade de Vida. Nós o Tempo e a Qualidade de Vida. Será que já paramos e pensamos no que é o tempo? Podemos afirmar que o tempo é nossa própria vida. E a vida só é vivida no aqui e agora, no efêmero momento entre o passado

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Motivar os Professores

Motivar os Professores Motivar os Professores Ramiro Marques Conferência Realizada no Dia da Escola Escola Superior de Educação de Santarém 11 de Novembro de 2003 Uma das formas de motivar o jovem professor é: Ouvi-lo com atenção

Leia mais

7 passos para solução de problemas

7 passos para solução de problemas 7 passos para solução de problemas em qualidadebrasil.com.br Você já deve ter ouvido falar sobre os resultados que o trabalho em equipe pode gerar não é? Pois bem, hoje vou abordar este tema que considero

Leia mais

5 Instrução e integração

5 Instrução e integração SEÇÃO 5 Instrução e integração no meio de trabalho Quando um novo funcionário entra para uma organização, é importante que ele receba um bom apoio para entender sua função e a organização. Instrução é

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP

TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

DETALHES IMPORTANTES PARA ATINGIR A BOA COMUNICAÇÃO

DETALHES IMPORTANTES PARA ATINGIR A BOA COMUNICAÇÃO Página 1 de 7 INDICE Nenhuma entrada de sumário foi encontrada. Página 2 de 7 Autor: Alkíndar de Oliveira (alkindar@terra.com.br) Dentre outros atributos, o exercício da oratória exige o conhecimento e

Leia mais

QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader

QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader QUE TIPO DE PESSOA QUERO EM MINHA EQUIPE? Crédito da Apresentação: Diretora Milene Nader VOCÊ CONHECE ALGUÉM QUE: Quer ganhar dinheiro; Quer uma renda extra; Deseja conhecer pessoas e fazer novas amizades;

Leia mais

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*)

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) Joilson Oliveira Malta Administrador público e Assistente técnico da Diretoria Legislativa da Câmara Municipal de Salvador Mat.2031 Este artigo tem

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

Como utilizar as ferramentas de marketing digital no relacionamento com os cooperados

Como utilizar as ferramentas de marketing digital no relacionamento com os cooperados Como utilizar as ferramentas de marketing digital no relacionamento com os cooperados 26 de Agosto de 2015 Belo Horizonte - MG Joe Jackson Sangalli Vidor Joe Jackson Sangalli Vidor Diretor da 2ck Marketing

Leia mais

Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo

Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo Estratégias adotadas pelas empresas para motivar seus funcionários e suas conseqüências no ambiente produtivo Camila Lopes Ferreir a (UTFPR) camila@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti (UTFPR) lapilatti@pg.cefetpr.br

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA

GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA www.uniube.brpropepmestradorevista GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA SILVA, Eduardo Alex Carvalho Ribeiroi Lívia Rodrigues Acadêmico do Curso de Licenciatura Plena em Ciências Biológicas do Centro Federal

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

Prova 2. Olá! Meu nome é João. Sou professor da Universidade X. Eu queria de te dar os parabéns pelo seu trabalho. Gostei muito dele.

Prova 2. Olá! Meu nome é João. Sou professor da Universidade X. Eu queria de te dar os parabéns pelo seu trabalho. Gostei muito dele. INF1303 Introdução a Interação Humano-Computador Turma: 3VB, das 19 até 21 horas Professor: Bruno Santana da Silva Data: 09/05/2006 Aluno: Matrícula: Prova 2 Cenário da Prova: Site da SBC Suponha que você

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais