4. Princípios da Gestão da Qualidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4. Princípios da Gestão da Qualidade"

Transcrição

1 FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Parte 1: Fundamentos de Gestão da Qualidade 4. Princípios da Gestão da Qualidade (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Departamento de Engenharia e Gestão Industrial Setembro de 2013

2 Conteúdo 1. Gestão da qualidade: o que é? 2. Princípios da gestão da qualidade 2.1. Envolvimento das pessoas 2.2. Liderança 3. Síntese final Anexos Anexo 1: Exemplos de Gestão da Qualidade Anexo 2: Evolução da Gestão da Qualidade

3 1. Gestão da qualidade: o que é?

4 Introdução Tal como nos capítulos anteriores, vamos iniciar este novo capítulo procurando a resposta à questão: Gestão da qualidade: o que é?

5 Conceito de gestão da qualidade Tal como a gestão da produção e a gestão financeira designam um conjunto de atividades de planeamento e de controlo realizadas nas empresas para alcançar os seus objetivos de produção e financeiros, a Gestão da Qualidade designa o conjunto das atividades de uma organização realizadas com o intuito de alcançar os seus objetivos de garantia e melhoria da qualidade dos seus produtos e serviços.

6 Conceito de gestão da qualidade Gestão da Qualidade = Garantia da Qualidade + Melhoria da Qualidade

7 Exemplos de atividades de gestão da qualidade planeamento dos testes, inspeções e ensaios dos produtos; planeamento, controlo e verificação dos projetos; documentação dos procedimentos de fabrico; seleção e avaliação dos fornecedores; formação dos operadores; dinamização de grupos de melhoria; realização de inquéritos à satisfação dos clientes e estudos de mercado; planeamento e realização de auditorias; realização de ações de benchmarking.

8 Conceito de gestão da qualidade A Gestão da Qualidade é uma função que está sempre presente em qualquer empresa, pode é ser mais ou menos estruturada. O mesmo acontece, aliás, com a gestão da produção e a gestão financeira. Por Sistema de Gestão da Qualidade de uma organização designa-se o conjunto de pessoas, sistemas e procedimentos que suportam as atividades de gestão da qualidade.

9 Exemplo: Sistema de Gestão da Qualidade em Instituições de Ensino Superior

10 Gestão da Qualidade no Ensino Superior: Exemplo Os conceitos da gestão da qualidade aplicam-se, de forma idêntica, tanto a empresas e organizações industriais, como a empresas e organizações de serviços. Aplicam-se, em particular, às instituição de ensino superior como, por exemplo, a FEUP. De facto, o atual processo de acreditação dos cursos de ensino superior (entre os quais o MIIEC) inclui uma série de requisitos diretamente relacionados com o sistema de gestão da qualidade, entre os quais os seguintes...

11 Gestão da Qualidade no Ensino Superior: Exemplo No dossier que submete à Agência de Acreditação (nacional ou europeia), a Instituição de Ensino terá de: 1. Descrever os objetivos do curso em termos das competências profissionais que se pretendem desenvolver nos Estudantes. 2. Demonstrar que existem oportunidades no mercado de trabalho para profissionais com essas competências. 3. Descrever o plano de estudos e justificá-lo em função das competências que se pretendem desenvolver....

12 Gestão da Qualidade no Ensino Superior: Exemplo... Demonstrar que a instituição dispõe dos meios humanos e técnicos necessários para implementar o plano de estudos proposto. Demonstrar que existem mecanismos de controlo internos que garantem que o plano de estudos é de facto cumprido. Demonstrar que existem mecanismos de avaliação que permitem verificar que os Estudantes adquiriram, de facto, as competências pretendidas. É o conjunto destas disposições e mecanismos que constitui o sistema de gestão da qualidade da instituição de ensino.

13 Conceito de sistema de gestão da qualidade As normas ISO9000: fornecem um quadro de referência completo para os sistemas de gestão da qualidade e especificam os requisitos que os sistemas de gestão da qualidade devem satisfazer. Estas normas são baseadas num conjunto de princípios fundamentais, os quais são apresentados de seguida.

14 2. Princípios da gestão da qualidade

15 Princípios da Gestão da Qualidade A gestão da qualidade assenta num conjunto de princípios fundamentais, entre os quais: Controlo dos processos Melhoria contínua Orientação para o Cliente Envolvimento das pessoas Liderança Dado que os 3 primeiros princípios já foram tratados nas aulas anteriores, apenas os 2 últimos serão (brevemente) analisados.

16 2.1. Envolvimento das pessoas

17 Princípios da Gestão da Qualidade Como se viu, a melhoria contínua deve ser um objectivo permanente das organizações. Para ser mais eficaz, o esforço de melhoria deverá: 1. Envolver todos os Colaboradores da empresa, não apenas a Direcção da Qualidade todos os Departamentos, não apenas a Produção 2. Assentar na motivação, autonomia e responsabilização individual no trabalho em equipas multidisciplinares.

18 Envolvimento das pessoas As pessoas, a todos os níveis, são a essência das organizações Só quando estão motivadas e envolvidas é possível tirar o melhor partido das suas capacidades em benefício da organização e delas próprias.

19 Envolvimento das pessoas Como tal, a Gestão pela Qualidade rompe com o modelo taylorista tradicional ao assumir que: a organizações deve estar em permanente mudança para melhor; todos devem participar no esforço de melhoria, muito em especial as pessoas do terreno que são quem melhor conhece os processos.

20 O taylorismo O taylorismo carateriza-se por uma trilogia em que: uns pensam e decidem, outros executam e uns terceiros controlam. Entre estes 3 vetores, não há diálogo a não ser através de uma estrutura hierárquica rígida.

21 O taylorismo Não pense, há outras pessoas pagas para isso. Taylor dirigindo-se a um operário Deixe a sua cabeça lá fora e traga o seu corpo. Placard numa fábrica

22 Envolvimento das pessoas Avaliação da satisfação dos colaboradores num grande grupo de serviços

23 2.2. Liderança

24 Princípios da Gestão da Qualidade O potencial das pessoas será melhor aproveitado se existirem valores partilhados e uma cultura de confiança e responsabilização, que encoraje o envolvimento de todos. Para que isso aconteça, são necessários Líderes que, através do seu comportamento: estabeleçam objectivos claros e criem um ambiente de trabalho em que cada um possa dar o seu melhor contributo e esteja disponível para assumir compromissos

25 Liderança Aos líderes compete definir a direção a seguir pela organização e os objectivos a atingir, e criar uma unidade de propósitos entre os colaboradores em torno desses objectivos.

26 Liderança A Liderança e o Envolvimento das pessoas estão intimamente relacionados, pois não é possível envolver as pessoas se não existir uma liderança eficaz. O caso de sobre a AutoEuropa é um bom exemplo disto mesmo: foi o fortíssimo investimento nas pessoas que permitiu pôr em prática o programa de melhoria contínua e difícil em que se encontrava.

27 Liderança Tal como o caso AutoEuropa mostra, não é possível qualidade a sério sem pessoas que: estejam alinhadas com os objetivos da organização, acreditem que é possível alcançá-los e se superem para o conseguir.

28 3. Síntese final

29 Síntese Nas aulas anteriores, foram revistos os princípios fundamentais da gestão da qualidade. Estes princípios não são mais do que boas práticas de gestão. A sua aplicação sistemática conduz aquilo que é designado por excelência organizacional.

30

31 Ideias chave: Síntese Em síntese, as ideias chave que se pretenderam transmitir ao longo destas aulas de introdução à gestão da qualidade foram as seguintes: Eliminar o desperdício, evitando o erro Melhorar continuamente Confiar nas pessoas Liderar pelo exemplo

32 Eliminar o desperdício, evitar o erro As organizações (todas as organizações!) tem geralmente muita margem para progredir na eficiência e na qualidade de serviço através da eliminação de desperdício, em particular de erros. O desperdício pode ser evitado apenas com uma melhor organização e sem necessidade de realizar investimentos significativos.

33 Melhorar continuamente O efeito acumulado de múltiplas pequenas melhorias sobre o desempenho global pode ser muito significativo e decisivo. O esforço de melhoria deve ser permanente e baseado no aperfeiçoamento dos processos de trabalho. Claro que eliminar os desperdícios não será, normalmente, suficiente para tornar uma organização competitiva mas, antes de se equacionarem grandes investimentos ou reorganizações, é por aí que se deve começar, tirando o melhor partido dos recursos atuais.

34 Confiar nas pessoas As pessoas (todas as pessoas) podem, geralmente, dar um contributo muito maior do que aquele que dão atualmente e que, muitas vezes, se limita à mera execução de rotinas de trabalho. Para isso é preciso confiar nas pessoas, dar-lhes meios (tempo, formação, autonomia, ), reconhecer e recompensar o seu esforço e os seus contributos para a melhoria da organização.

35 Liderar pelo exemplo Não é possível envolver e motivar as pessoas sem uma liderança forte que esteja próxima das pessoas, com as quais estabeleça relações de confiança e que sirva de modelo para a organização.

36 Discussão Atualmente, os princípios da gestão da qualidade são consensuais. Apesar disso, a sua aplicação continua a ser difícil porque requer atitudes e práticas muito diferentes daquelas que se encontram em muitas organizações. Em particular

37 Discussão Requer que se acredite no impacto que um esforço persistente de melhoria dos produtos e processos pode ter sobre a competitividade. Requer que se acredite na importância das pessoas e no contributo que todos podem dar para essa melhoria (todas as pessoas, não apenas os especialistas e gestores). Requer a cada um disponibilidade para ouvir as opiniões dos outros (sobretudo dos clientes internos e externos) e abertura para mudar os métodos de trabalho a que estamos habituados.

38 Discussão Requer tempo às pessoas para tarefas que não estão diretamente ligados aos seus compromissos mais urgentes. Requer entusiasmo, esforço, dedicação e envolvimento dos colaboradores com as suas empresas. Requer disponibilidade e atenção por parte líderes para aspectos mais operacionais. Requer uma aposta a longo prazo numa altura de grande incerteza quanto ao futuro.

39 Gestão da Qualidade versus Gestão Estratégica A gestão da qualidade, tal como foi apresentada aqui, ocupa-se sobretudo do aperfeiçoamento das operações da empresa. Ao agilizar a organização, a gestão da qualidade cria melhores condições de sucesso para as grandes opções estratégicas. Neste sentido, a gestão da qualidade é complementar da gestão estratégica.

40 Anexo 1: Exemplos de Gestão da Qualidade

41 Exemplos de Gestão da Qualidade 1.1. O programa de melhoria contínua da AutoEuropa

42 Caso AutoEuropa O caso de estudo relativo à AutoEuropa apresentado em anexo oferece um bom exemplo de aplicação de todos os princípios da gestão da qualidade apresentados antes. A análise desse caso mostra que as condições materiais e a qualificação das pessoas não garantem, só por si, a qualidade dos serviços (embora custem, sempre, muito dinheiro). De facto, é possível dispor de recursos excelentes e ter um nível de desempenho inferior.

43 Caso AutoEuropa Quando foi criada, a AutoEuropa dispunha de condições excepcionais ao nível: das instalações (amplas e modernas) dos recursos (equipamentos de fabrico e sistemas de informação) das pessoas (jovens e qualificadas) No entanto, isso não foi suficiente para ser competitiva, tanto na qualidade como nos custos dos veículos que produzia.

44 Exemplos de Gestão da Qualidade 1.2. A política da Qualidade da CPPE Companhia Portuguesa de Produção de Eletricidade

45 Política da Qualidade Objectivos A CPPE declara que a sua política da Q assenta nos seguintes objetivos: Satisfazer, de forma equilibrada, as necessidades e expectativas dos Clientes, dos Acionistas, dos Colaboradores, dos Fornecedores e da Sociedade em Geral. Produzir, de modo sustentado, com elevada disponibilidade e fiabilidade ao menor custo.

46 Política da Qualidade Objectivos Assegurar a competitividade da Empresa para responder aos desafios da crescente liberalização do mercado da eletricidade, nomeadamente através da otimização dos processos e da aquisição de competências que permitam ganhar novas oportunidades de negócio Identificar a CPPE como Empresa de prestígio no contexto europeu e líder nacional no domínio da produção de eletricidade, pelas suas preocupações e realizações no domínio do aproveitamento dos recursos, da Segurança, da Qualidade e do Ambiente.

47 Política da Qualidade Princípios A prossecução dos objetivos assenta nos seguintes princípios: A Qualidade é um valor cultural da CPPE e uma responsabilidade individual de todos nós A focalização no cliente, interno e externo, é indispensável para a sustentação do negócio O comprometimento de todos com o trabalho bem feito e a melhoria contínua é essencial para a criação de valor e para o sucesso da Empresa. As relações entre todas as estruturas da Empresa são assumidas, em clima de parceria, como relações do tipo cliente-fornecedor fornecedor.

48 Política da Qualidade Princípios A Empresa exige aos seus Fornecedores a prática dos princípios da Qualidade e valoriza o estabelecimento de relações de parceria mutuamente vantajosas. A gestão por processos permite obter o resultado desejado de forma mais eficaz e eficiente. A prevenção de falhas e ineficiências tem prioridade sobre a sua correção. A medição é essencial para garantir a eficácia e a melhoria dos processos.

49 Exemplos de Gestão da Qualidade 1.3. Gestão da Qualidade na Cabelte

50 Orientação para o cliente A satisfação dos clientes assenta numa escuta contínua do mercado, procurando traduzir a sua voz em expectativas e responder não apenas às necessidades explícitas, mas também às latentes. Vitorino Coelho Director da Qualidade e Ambiente

51 Orientação para o cliente A perceção que os clientes tem da Cabelte é obtida, de forma sistemática, através de várias fontes: Auditorias e visitas realizadas pelos clientes à Cabelte; Inquéritos de avaliação da satisfação dos clientes; Entrevistas semi-estruturadas; Contactos da rede comercial e dos serviços técnicos; Gabinete de Apoio ao Cliente.

52 Orientação para o cliente Os dados e as informações assim obtidos são: sistematizados num Quadro de Bordo da satisfação dos clientes; devidamente tratados, com o intuito de compreender e prever as necessidades dos clientes e melhorar a sua fidelização.

53 Melhoria contínua A quase generalidade dos colaboradores está envolvida em atividades de melhoria, através da sua participação em equipas de três tipos: Equipas de Progresso Equipas de Ação Permanente Equipas de Ação Específicas

54 Melhoria contínua Equipas de Progresso para a resolução de problemas, as quais se extinguem uma vez terminada a sua missão; Equipas de Ação Permanente para ações de melhoria sistemáticas que não se esgotam no tempo; Equipas de Ação Específicas para intervenções de engenharia decorrentes da atividade normal da empresa.

55 Anexo 2: Evolução da Gestão da Qualidade

56 Evolução da Qualidade Nas últimas duas décadas, verificou-se uma evolução da gestão da Qualidade, primeiro do controlo dos produtos para o controlo dos processos de acordo com o princípio: a conformidade dos produtos e serviços entregues ao cliente decorre de processos de fabrico bem planeados e executados

57 Evolução da Qualidade Depois, evolui-se da qualidade dos produtos para a qualidade da gestão (ou qualidade total, ou excelência) de acordo com o princípio: a qualidade dos produtos e dos serviços decorre da excelência da organização e da gestão

58 Evolução da Qualidade Controlo de Qualidade Garantia de Qualidade Controlo de Qualidade Qualidade Total Controlo de Qualidade Garantia de Qualidade Controlo de Qualidade

59 Controlo de Qualidade Incide fundamentalmente sobre a produção; Coloca a ênfase no controlo do produto; Departamentos distintos responsáveis pelo fabrico e pelo controlo de qualidade.

60 Garantia da Qualidade Ênfase sobre a prevenção dos defeitos; Incide sobre todos os processos com impacto sobre a qualidade do produto (desenvolvimento, produção, venda e após-venda).

61 Qualidade Total ou Excelência Incide sobre todos os domínios da Empresa e envolve todos os seus colaboradores; Assenta na responsabilização, na autonomia e na criatividade individuais; Tem por objectivo a melhoria contínua do desempenho da Empresa.

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Os Conceitos Fundamentais da Excelência

Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais são princípios que estão subjacentes ao Modelo de Excelência e esboçam o alicerce da excelência organizacional. Alcançar Resultados Equilibrados

Leia mais

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Miguel Taborda - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. A NORMA NP 4457:2007 REQUISITOS

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Apresentação da disciplina

Apresentação da disciplina FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2014/15 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Apresentação da disciplina (v1 em 15 de setembro de 2014) Henriqueta Nóvoa, hnovoa@fe.up.pt José A. Faria, jfaria@fe.up.pt Faculdade

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas CRITÉRIO 2: COMISSÃO DE INTERNA Este capítulo inclui: Visão geral Orientações para desenvolver uma Política de Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas VISÃO

Leia mais

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional A Comunicação Estratégica no âmbito da Mudança Organizacional Entrevista 1 Organização A Caracterização da Organização e Entrevistado Tipo ORGANIZAÇÃO - A Instituição Particular de Solidariedade Social,

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos?

WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO. Onde estão os Riscos? WORKSHOP SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SUA CERTIFICAÇÃO Onde estão os Riscos? No Futuro... que pode ser duvidoso e nos forçar a mudanças... Nas Mudanças... que podem ser inúmeras e nos forçam a decisões...

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Caros colegas, orienta o modo como nossa organização trabalha para selecionar, desenvolver, motivar e valorizar o bem mais importante da Bausch + Lomb nossas

Leia mais

Apresentação do Manual de Gestão de IDI

Apresentação do Manual de Gestão de IDI Seminário Final do Projeto IDI&DNP Coimbra 31 de março Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. OVERVIEW DO MANUAL 3. A NORMA NP 4457:2007 4. A

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa transferência comuns. No que toca à rede regional, a cooperação já foi iniciada há algum tempo com o projecto do Sistema Regional de Transferência e Tecnologia que está em curso. No âmbito da rede este

Leia mais

MODELO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL UNIVERSITÁRIA

MODELO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL UNIVERSITÁRIA MODELO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL UNIVERSITÁRIA O Projeto El-Gate Portal de Cooperação Universitária Europa-América Latina (EUROPEAID/126-821/C/ACT/RAL), é uma iniciativa financiada pela União Europeia

Leia mais

Recursos Humanos e Qualidade

Recursos Humanos e Qualidade K Recursos Humanos e Qualidade na Gestão das Organizações do 3.º Sector S. Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009 S. l Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009_Isaque Dias O que é que fazem as Organizações

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade Sistemas de estão da Qualidade Transparências de apoio à disciplina de estão da Qualidade rupo de ontrolo e estão Normas de arantia da Qualidade Historicamente Imposição dos grandes compradores e detentores

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Programa de Gestão de Fornecedores. da White Martins. Sua chave para o sucesso

Programa de Gestão de Fornecedores. da White Martins. Sua chave para o sucesso Programa de Gestão de Fornecedores da White Martins Sua chave para o sucesso Quem Somos A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais

Leia mais

Reabilitação Sustentável

Reabilitação Sustentável Reabilitação Sustentável APRESENTAÇÃO 4 A empresa QUEM SOMOS 5 A nossa visão, missão e valores SOLUÇÕES 6 À sua medida REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL 7 O próximo desafio ARQUITETURA 8 Deixe que as suas ideias

Leia mais

Governo das Sociedades E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Governo das Sociedades E RESPONSABILIDADE SOCIAL Governo das Sociedades E RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS 23-2-2015 Carlos Tavares 1. Quando falamos em governo das sociedades e no papel da respectiva regulação, a primeira questão que se nos depara

Leia mais

Princípios de liderança e gestão

Princípios de liderança e gestão Schmitt-Elevadores, Lda Arroteia Via Norte 4466-953 S. Mamede de Infesta Tel +351-229 569 000 Fax +351-229 569 009 info@schmitt-elevadores.com www.schmitt-elevadores.com 1 Princípios de liderança e gestão

Leia mais

Grupo 4Work. Qualidade Reconhecida pela ATRIBUIÇÃO DA norma ISO 9001:2008

Grupo 4Work. Qualidade Reconhecida pela ATRIBUIÇÃO DA norma ISO 9001:2008 Grupo 4Work Qualidade Reconhecida pela ATRIBUIÇÃO DA norma ISO 9001:2008 Desde o final do passado mês de Junho que o Grupo 4Work vê a qualidade dos seus serviços certificada pela Norma ISO 9001:2008, alcançando

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

O QUE É QUALIDADE? PRESSUPOSTOS:

O QUE É QUALIDADE? PRESSUPOSTOS: A QUALIDADE TOTAL O QUE É QUALIDADE? ATRIBUTOS E CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS, ORGANIZAÇÕES, PRODUTOS E SERVIÇOS, PARA SATISFAZER NECESSIDADES E EXPECTATIVAS DAS PESSOAS E DAS SOCIEDADES. PRESSUPOSTOS:

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

Google imagens. Gestão de pessoas II. Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente

Google imagens. Gestão de pessoas II. Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente Google imagens Missão, valores e visão na gestão Gestão de pessoas II Kirlla Cristhine Almeida Dornelas, Doutora em Psicologia Docente O gestor ESTRATÉGICO de pessoas ѱ O gestor de pessoas tem de utilizar

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR. Imagens: depositphotos.com. Roberto Dias Duarte

Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR. Imagens: depositphotos.com. Roberto Dias Duarte Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR Imagens: depositphotos.com www.robertodiasduarte.com.br facebook.com/imposticida contato@robertodiasduarte.com.br Nossa "prosa" SPED

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Como criar um fluxo de informação entre empresa, fornecedor e distribuidor

Como criar um fluxo de informação entre empresa, fornecedor e distribuidor Como criar um fluxo de informação entre empresa, fornecedor e distribuidor ebook Guias completos e gratuitos www.socialbase.com.br Índice 1. Introdução 2. Política de comunicação interna 3. Padronização

Leia mais

Missão, Visão e Valores da Techint Engenharia e Construção. Código: FR-MA-MNG-001-01 R02

Missão, Visão e Valores da Techint Engenharia e Construção. Código: FR-MA-MNG-001-01 R02 da Techint Engenharia e Construção Código: FR-MA-MNG-001-01 R02 15 de Julho de 2008 Missão Nossa missão é agregar valor aos nossos acionistas e clientes através da prestação de serviços de Engenharia,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE.

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Por: Cândido Pires Presidente da Direcção do Centro de Solidariedade de Braga, Licenciado em Engenharia,

Leia mais

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade Certificação e Acreditação Auditorias Sumário da Aula JN2 Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade 1 Normalização Norma Internacional

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO

QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO O QUE É A QUALIDADE? É o grau de satisfação de requisitos (necessidade ou expectativa expressa, geralmente implícita ou obrigatória), dado por um conjunto de características (elemento

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Conceito de projecto ideia ou intuito de executar algo representação em perspectiva conjunto de documentos, cálculos e

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE COLABORADORES EM FUNÇÕES NÃO DOCENTES QUADRO DE REFERÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO DA UNIDADE ORGÂNICA O Instituto Superior Dom Afonso III, adiante designado por INUAF, é um estabelecimento

Leia mais

PRINCÍPIOS CORPORATIVOS

PRINCÍPIOS CORPORATIVOS PRINCÍPIOS CORPORATIVOS Os princípios corporativos do grupo Witzenmann Witzenmann GmbH Östliche Karl-Friedrich-Str. 134 75175 Pforzheim Telefone +49 7231 581-0 Fax +49 7231 581-820 wi@witzenmann.com www.witzenmann.de

Leia mais

1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS. Tudo a ver com as minhas Competências. Opção. Powerpoint. Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015

1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS. Tudo a ver com as minhas Competências. Opção. Powerpoint. Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015 1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015 Opção Tudo a ver com as minhas Competências. Apresentação Imp. 24/0 leaderconsulting.info 2 Apresentação O que é a Gestão por

Leia mais

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho PÁG. 1 DE 5 1. - OBJECTIVO Pretende-se definir: princípios básicos de adequados às actividades desenvolvidas pelas empresas do Grupo Santos e Vale visando prevenir os riscos profissionais e promover a

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais

PROCESSO DE AUDITORIA AO SISTEMA DE GESTÃO IDI. Coimbra / Instituto Pedro Nunes 28 de Outubro de 2014

PROCESSO DE AUDITORIA AO SISTEMA DE GESTÃO IDI. Coimbra / Instituto Pedro Nunes 28 de Outubro de 2014 PROCESSO DE AUDITORIA AO SISTEMA DE GESTÃO IDI Coimbra / Instituto Pedro Nunes 28 de Outubro de 2014 1 2 Normalização *Em 2013 Normas em Catálogo (UNE e ratificadas) Novas normas UNE ajudarão a: - Melhorar

Leia mais

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado:

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado: Rodrigo Barata Página 2 de 14 Indice 1. Promulgação 3 2. Politica da Qualidade 3 3. Missão da Empresa 4 4. Campo de aplicação 4 4.1 Referências 4 5. Apresentação da Empresa Rodrigo Barata Unipessoal 5

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

Implementação de Políticas de Segurança da Informação baseados na ISO 27001:2013

Implementação de Políticas de Segurança da Informação baseados na ISO 27001:2013 Implementação de Políticas de Segurança da Informação baseados na ISO 27001:2013 Orador: Engº Divaldo Sousa Agenda O que é a informação? Formato da informação. Importância da informação para as organizações.

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

Questionário de cibersegurança

Questionário de cibersegurança Nº respostas = 68 «Workshop ''Cibersegurança: aspetos económicos''» 3 Serviços prestados pelos respondentes 2 2 A introdução da diretiva SRI implica custos acrescidos? 7 6 5 4 3 2 Sim Não NS/NR Custos

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

EDIÇÃO : Reparação e substituição. de vidros para automóveis NESTA

EDIÇÃO : Reparação e substituição. de vidros para automóveis NESTA Maio Junho 2016 7,5 82 Reparação e substituição de vidros para automóveis NESTA EDIÇÃO : Software para Veículos Inteligentes Sistemas de recuperação de energia Comércio no aftermarket Eletrónica flexível

Leia mais

CRIF [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013]

CRIF [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013] CRIF [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013] ÍNDICE Nota Introdutória.2 Caraterização da Instituição..3 Objetivos Estratégicos 7 Objetivos Operacionais. 8 Atividades. 13 Considerações Finais.14 REV_00 1/13 NOTA

Leia mais

Estratégias SI/TI: que futuro?

Estratégias SI/TI: que futuro? Estratégias SI/TI: que futuro? Escola Nacional de Saúde Pública, 20 de junho de 2015 José Carlos Nascimento Sociedade da Informação Sistemas de Informação Organizacionais Redes de entidades que colaboram

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING)

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) Coordenação Gerenciadora ABEMD Associação Brasileira de Marketing Direto Presidente: Efraim

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório Primeiro Relatório 62473 Pedro Vasconcelos 63563 Francisco Ferreira 73440 Filipe Correia 74211 Carolina Ferreirinha 82665 Nkusu Quivuna Sumário Este documento é o primeiro relatório de um projeto de análise

Leia mais

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula Edimar Alves Barbosa (UFCG) - eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo (UFCG) - azevedo@dec.ufcg.edu.br

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte

Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte Proteção de dados É do conhecimento do contratante que, não só a informação referente à empresa particularmente informação referente

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Sig.rh Gestão de Recursos Humanos

Sig.rh Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Quem somos Sig.rh gestão de recursos humanos Uma empresa nova e inovadora na apresentação de soluções diferenciadas nas áreas de gestão e desenvolvimento do Capital Humano OUTSOURCING

Leia mais

ABNT NBR ISO. ABNT NBR ISO 9001:2015 Como usar

ABNT NBR ISO. ABNT NBR ISO 9001:2015 Como usar ABNT NBR ISO 9001 ABNT NBR ISO 9001:2015 Como usar A ABNT NBR ISO 9001 é uma norma que define os requisitos para colocar um sistema de gestão da qualidade em vigor. Ela ajuda empresas a aumentar sua eficiência

Leia mais

3. ANÁLISE DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

3. ANÁLISE DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Gestão de Operações s 2007/2008 3. ANÁLISE DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Jorge Moreira da Costa Professor Associado SCC/FEUP FEP_Fev Mar.2008 Top.3.1 Gestão de Operações s Análise de Risco 1 CONCEITOS GERAIS

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais