AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO"

Transcrição

1 AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO O planejamento possui três etapas: O estabelecimento dos objetivos a alcançar Tomada de decisões a respeito das ações futuras Elaboração de planos Explicando melhor, quanto mais os objetivos distanciam-se no tempo, mais se tornam imaginários.

2 Os objetivos Os objetivos em relação ao tempo podem ser: imediatos acessíveis imaginários.

3 1. Estabelecimento dos objetivos A definição dos objetivos e a elaboração dos planos para alcançá-los é o começo do planejamento. Mas o que é objetivo? Objetivos são resultados previamente estabelecidos, que devem ser atingidos em certo período de tempo (metas), ou ainda, são pretensões futuras que, alcançadas deixam de ser objetivos e se tornam realidade.

4 À medida que o tempo passa e os objetivos imediatos vão sendo alcançados, os objetivos acessíveis tornam-se imediatos e os objetivos imaginários tornam-se acessíveis, havendo uma contínua evolução dos objetivos que vão sendo redefinidos à medida que são alcançados.

5 Hierarquia dos objetivos As empresas buscam geralmente alcançar vários objetivos ao mesmo tempo, havendo assim a necessidade de uma hierarquia de objetivos. Os objetivos da empresa são os mais importantes e predominam sobre todos os outros objetivos, e os objetivos de cada divisão predominam sobre os objetivos de cada especialista. Os objetivos maiores impõem-se aos objetivos específicos.

6 Desdobramentos dos objetivos Como consequências da hierarquia dos objetivos surgem os desdobramentos dos objetivos, que podem ser fixados pela empresa em políticas organizacionais, diretrizes, metas, programas, procedimentos, métodos e normas. Com base nos objetivos almejados, a organização define a estratégia para alcançá-los.

7 Por estratégia entende-se como o conjunto de objetivos, finalidades, metas, diretrizes fundamentais e de planos, postulados de forma a definir em que situação a organização se encontra, que tipo de organização ela é ou deseja ser.

8 A estratégia e os objetivos descrevem um conceito do campo de atuação da organização. Eles especificam o volume, a área e as direções do crescimento, os principais pontos fortes e as metas de responsabilidades.

9 A estratégia permite a definição das políticas, o seu desdobramento em diretrizes, e a partir daí, em metas dos diversos departamentos, programas, procedimentos, métodos e normas.

10 Políticas As políticas organizacionais são regras que vão orientar o comportamento e o procedimento interno e externo das organizações:

11 Características principais: Flexibilidade; Abrangência; Coordenação, e Ética As políticas podem ser divididas em políticas gerais e políticas específicas e utilizam verbos como: manter, seguir, usar, prover, assistir, etc.

12 Finalidade Direcionam a execução das ações e proporcionam marcos ou limitações para demarcar as áreas nas quais a ação administrativa deverá se desenvolver.

13 Exemplos de políticas gerais: O critério básico para qualquer decisão é a relação rentabilidade/custo; A busca do consenso na tomada de decisão é prioritária. Exemplo de políticas específicas: Remunerar os funcionários com salários compatíveis com o mercado de trabalho e com as funções exercidas; Não será tolerado atraso superior a 30 minutos.

14 Diretrizes São princípios estabelecidos para possibilitar o alcance dos objetivos pretendidos. Sendo os objetivos o fim, as diretrizes servem para balizar os meios adequados para atingi-los. Exemplo: Diretrizes de pessoal, diretrizes de compra, diretrizes de venda, etc

15 Metas São objetivos quantificados com prazo de duração, ou alvos que se pretende atingir a curto prazo. Podem ser confundidas com objetivos imediatos ou com objetivos departamentais. Exemplo: metas de produção mensal, de cobrança diária, de venda quinzenal, etc

16 Programas São atividades necessárias para atingir cada uma das metas, sendo os mesmos específicos. Exemplo: programas de produção, programas de venda; programas sociais, etc

17 Procedimentos É a maneira pela qual os programas são executados. Também chamados de rotina, prescrevem a seqüência cronológica de tarefas específicas. Exemplo: procedimentos para admissão de pessoal, procedimentos para desligamento de pessoal, etc.

18 Método O método detalha como o trabalho deve ser realizado. Sua amplitude é mais restrita e limitada que o procedimento. Exemplo: método de como descrever uma atividade, método de preenchimento de relatório gerencial. Obs: Tanto o procedimento quanto o método podem utilizar-se de fluxogramas que representam o fluxo ou a sequencia de operações.

19 Normas São regras ou regulamentos que cercam e asseguram os procedimentos, estabelecendo os limites do empregado, esclarecendo o que deve e o que não deve ser feito. Exemplo: define locais de fumar, se permitido ou não fumar, horário de trabalho, horário de almoço, etc.

20 Princípios para o estabelecimento dos objetivos São três os princípios para o estabelecimento dos objetivos: a) Principio da Comunicação total b) Princípio da coerência vertical c) Principio da coerência horizontal

21 a) Principio da Comunicação total Os objetivos devem ser comunicados à toda empresa, e todos os níveis hierárquicos devem conhecer e compreender os objetivos da organização e a sua participação relativa quanto ao alcance deles. Mesmo que determinada área não faça parte daquela ação ou daquele objetivo, deverá a mesma ter pleno conhecimento dos objetivos estabelecidos.

22 b) Princípio da coerência vertical O objetivo de um nível deve ser aquele que torne mais provável, mais fácil e econômico a realização do objetivo organizacional imediatamente superior.

23 c) Principio da coerência horizontal Deve haver harmonia e coerência entre os objetivos dos órgãos situados no mesmo nível organizacional, para evitar conflitos ou incompatibilidades. Ex: Vendas x Produção

24 2. Tomada de Decisão O planejamento é um processo que, a partir da fixação dos objetivos a serem alcançados, determina a priori, o que se deve fazer, quando fazer, quem deve fazê-lo e de que maneira. Feito o diagnóstico da situação atual e determinados os objetivos a serem alcançados, o planejamento é o caminho entre ambos, entre a situação presente e a situação objetivada. Há várias maneiras diferentes para se fazer esse caminho; é preciso compará-las e escolher a mais adequada. E a escolha é o resultado de um processo de tomada de decisão.

25 Decidir é selecionar e escolher a alternativa mais adequada ou conveniente para uma determinada questão. Embora todo planejamento seja um processo de tomada de decisão, toda decisão não é necessariamente um planejamento.

26 Características da Tomada de decisão a) Tomada de decisão antecipatória Refere-se à decisão sobre o que fazer, e como, antes de a ação requerida ser executada. O Planejamento envolve um processo formal, enquanto a tomada de decisão pode ser informal.

27 Características da Tomada de decisão b) Interconexão das decisões O Planejamento busca conjugar as decisões nos diversos níveis e áreas da organização, bem como, com outras decisões antecedentes e subsequentes.

28 Características da Tomada de decisão c) Criação de um estado futuro desejável O planejamento busca alcançar uma situação futura almejada pela organização. Pode referir-se tanto a objetivos organizacionais globais como a objetivos departamentais ou setoriais.

29 Métodos utilizados no processo decisório a) Experiência passada: É o método mais utilizado e comum para a tomada de decisões. A experiência passada não considera rápidas e profundas mudanças na organização e no seu ambiente, pois o que foi apropriado no passado pode ser inapropriado numa situação futura. Se a situação presente apresenta alguma relação direta com a experiência passada, a perspectiva histórica não pode ser ignorada.

30 Métodos utilizados no processo decisório b) Experimentação: É um método alternativo para a tomada de decisão. Por exemplo, temos num teste de mercado, a experiência piloto, para decidir sobre o lançamento de um produto novo

31 Métodos utilizados no processo decisório c) Pesquisa operacional: Utiliza vários modelos analíticos ou matemáticos para verificar as relações entre os vários fatores e alternativas na forma de equações, matrizes e modelos matemáticos. Uma marcante contribuição desta abordagem foi a conscientização sobre a necessidade de colocação explícita de objetivos, recursos, restrições e riscos.

32 Métodos utilizados no processo decisório d) Árvores de decisões: É uma extensão da matriz decisorial, tendo por finalidade projetar os possíveis efeitos de uma decisão através de um período de tempo.

33 Métodos utilizados no processo decisório Qualquer que seja o método utilizado, o importante é a predição das consequências possíveis das decisões a serem tomadas, a avaliação e a comparação dessas consequências para que a melhor alternativa possa ser escolhida.

34 Métodos utilizados no processo decisório 3. Elaboração de planos Abrangência do planejamento: Além da hierarquia dos objetivos, existe a hierarquia do planejamento. Os níveis do planejamento podem ser; estratégico, tático e operacional.

35 O planejamento estratégico É o planejamento mais amplo e abrangente da organização, situando-se no topo da hierarquia empresarial, tendo como características:

36 O planejamento estratégico a) É definido no nível institucional e corresponde ao plano maior ao qual todos os demais estão subordinados. b) É projetado em longo prazo com efeitos e consequências estendidos por vários anos. c) Envolve a empresa como um todo, abrangendo seus recursos e áreas de atividade, e preocupa-se em atingir os objetivos no nível organizacional;

37 O planejamento tático O planejamento tático: É o planejamento feito no nível departamental, tendo como características: objetivos departamentais. a) É definido no nível intermediário para cada departamento da empresa. b) É projetado em médio prazo ou para o exercício atual. c) envolve cada departamento, seus recursos específicos e preocupa-se em atingir os

38 O planejamento operacional O planejamento operacional: É o planejamento feito no nível operacional tendo como características: Prazos: Longo prazo: Contexto quase ou totalmente incerto Médio prazo: Contexto de determinismo aleatório. Pode ser definido com certa validade, por métodos estatísticos de previsão por extrapolação de tendência. Curto prazo: Contexto de determinismo puro. Pode ser definido com bastante segurança.

39 Tipos de planos O planejamento produz um resultado imediato: O Plano, que é o evento intermediário entre o processo de planejamento e o processo de sua implementação.

40 Tipos de planos Todos os planos têm um propósito comum: a previsão, a programação e a coordenação de uma sequencia lógica de eventos, os quais, se aplicados com sucesso, deverão conduzir ao alcance dos objetivos que os comandam.

41 Tipos de planos Como um plano descreve um curso de ação, ele precisa proporcionar respostas às questões: o quê, quando, como, onde e por quem.

42 Técnicas relacionadas com o planejamento As técnicas utilizadas para o planejamento servem igualmente para o controle, sendo as principais: Cronograma, gráfico de Gantt e Pert. Cronograma: É um gráfico de planejamento e controle. Demonstra o início e o término de cada evento de um processo operacional dentro dos períodos de tempo considerados, permitindo a sincronização dos tempos dos vários eventos de um processo de maneira simples, por meio de simples traços cheios (o que foi planejado) ou pontilhados (o que foi realizado).

43 Técnicas relacionadas com o planejamento Métodos Comportamentos Tempo Procedimentos Orçamentos Programas ou Programações Regras ou regulamentos Dinheiro Métodos de trabalho ou de execução. (Fluxogramas) Receita/despesa em determinado período de tempo Correlação entre tempo e atividades. (Cronograma) Como se comportar em determinadas situações Operacionais Estratégico, tático ou operacional

44 Gráfico de Gantt: Igualmente simples, também relaciona a atividade ao tempo de uma maneira muito semelhante à que vimos na descrição do cronograma. A técnica para sua elaboração consiste em segmentar cada atividade em seus componentes críticos e listá-los e apresentá-los graficamente em função do tempo. Pode-se acompanhar a execução do processo na prática e compará-lo com a previsão anterior. O tempo é indicado por colunas atravessadas no gráfico, com tarefas individuais representadas por flechas terminando em pontos. O tamanho e posições das flechas mostram a data de início e a duração das tarefas. Você também pode usar linhas sólidas ao invés de flechas terminando em pontos.

45 Método Pert: (PROGRAM EVALUATION REVIEW TECHNIQUE) É uma técnica de revisão e avaliação de programas. O método é baseado em cinco elementos principais: rede, alocação de recursos, considerações de tempo e de custo, rede de caminhos e caminho crítico. A rede é um diagrama que mostra as relações entre as atividades e os eventos durante todo o período de realização de uma tarefa. Tem três componentes: eventos (círculos), atividades (setas) e relações (sequências).

46 Os eventos são pontos que indicam o início ou o fim de uma tarefa; as atividades representam a energia cognitiva ou física empenhada para a realização do evento e são representadas por flechas; o tempo necessário para sua realização é indicado pelo número colocado ao lado; as relações são indicadas pela sequência de eventos e atividades na rede.

47 Para este método são utilizadas três estimativas de tempo para realização de uma atividade: otimista, mais provável e pessimista. Estimado o tempo, passase a calcular o caminho crítico - análise do tempo de cada etapa para determinar o tempo mínimo possível para completar o projeto. O caminho crítico é a sequência mais comprida de atividades dependentes que levam à finalização do plano. (o mais longo) deve ser o mais controlado.

48 A figura abaixo exemplifica uma rede de PERT. 1 Levantamento de literatura X 2 Montagem do Projeto X 3 Coleta de dados X X X 4 Tratamento dos dados X X X X 5 Elaboração do Relatório Final X X X 6 Revisão do texto X 7 Entrega do trabalho X Atividades / Períodos

49 Princípios de administração aplicados ao planejamento

CONCEITOS. Professor Wagner Rabello Jr

CONCEITOS. Professor Wagner Rabello Jr CONCEITOS PLANEJAMENTO OPERACIONAL Para realizar objetivos, é preciso definir quais atividades devem ser executadas e quais recursos são necessários para a execução das atividades. O processo de definir

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

www.ricardoalmeida.adm.br

www.ricardoalmeida.adm.br Teoria Neoclássica Todas as teorias administrativas assentaram-se na Teoria Clássica, seja, como ponto de partida, seja como crítica para tentar uma posição diferente, mas a ela relacionada intimamente.

Leia mais

Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto. Gerenciamento de Tempo

Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto. Gerenciamento de Tempo Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto Gerenciamento de Tempo Principal objetivo garantir que o projeto seja concluído dentro do prazo determinado; O cronograma do projeto é sempre

Leia mais

Henri Fayol (1841-1925) Teoria Clássica da Administração. Contexto de Fayol: Para Fayol Administrar é:

Henri Fayol (1841-1925) Teoria Clássica da Administração. Contexto de Fayol: Para Fayol Administrar é: Henri Fayol (1841-1925) Teoria Clássica da Administração Formou-se em Engenharia de Minas aos 19 anos e desenvolveu sua carreira numa mesma empresa. Sua principal obra é o livro Administração Geral e Industrial,

Leia mais

Profº Rogério Tavares

Profº Rogério Tavares Profº Rogério Tavares Administração Por Objetivos - APO A partir da década de 1950, a Teoria Neoclássica deslocou a atenção antes fixada nas chamadas atividades meios para os objetivos ou finalidades da

Leia mais

Organização em Enfermagem

Organização em Enfermagem Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I Organização em Enfermagem Prof. Thiago C. Nascimento Objetivos: Discorrer

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E ESTRUTURAR CAMPANHAS, TREINAMENTOS E CURSOS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

PLANEJAR, ELABORAR E ESTRUTURAR CAMPANHAS, TREINAMENTOS E CURSOS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PLANEJAR, ELABORAR E ESTRUTURAR CAMPANHAS, TREINAMENTOS E CURSOS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Planejamento Planejar é pensar antes de agir, é indicar o caminho a ser percorrido. O planejamento consistes

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler O planejamento do projeto Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler 2 Introdução Processo de definição das atividades Sequenciamento de atividades Diagrama de

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Simulado "Simulado PMP 13-02-2012 25 questoes"

Simulado Simulado PMP 13-02-2012 25 questoes Pá gina 1 de 12 Simulado "Simulado PMP 13-02-2012 25 questoes" Simulado do PMI por Juarez Vanderlei Guimarães Junior 13 de March de 2012 Pá gina 2 de 12 Disciplinas e temas deste simulado Introdução ao

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Termos Técnicos de Administração

Termos Técnicos de Administração Termos Técnicos de Administração É importante ter metas, mas também é fundamental planejar cuidadosamente cada passo para atingi-las. (Bernadinho) 0) Administrar é dirigir uma organização utilizando técnicas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

8.1 Planejar o Gerenciamento da Qualidade SAÍDAS

8.1 Planejar o Gerenciamento da Qualidade SAÍDAS Plano de Gerenciamento da Qualidade Descreve como as políticas de qualidade de uma organização serão implementadas. Como a equipe de gerenciamento do projeto planeja cumprir os requisitos de qualidade

Leia mais

Planejamento Tático e Operacional

Planejamento Tático e Operacional UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Tático e Operacional Profa. Marta Valentim Marília 2014 Geral É um processo desenvolvido

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

Ano: 2012 Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br

Ano: 2012 Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br Ano: 2012 POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br 2 Sumário 1 - PRINCÍPIOS GERAIS 2 - OBJETIVOS 3 -

Leia mais

EVENTOS QUADRO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA DADOS DO EVENTO

EVENTOS QUADRO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA DADOS DO EVENTO EVENTOS QUADRO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA NOME DO EVENTO: DADOS DO EVENTO EMPRESA RESPONSÁVEL: CNPJ: END. COMPLETO: ESTRUTURA: ( ) CAMAROTE NOME: ( ) POSTO DE TRANSMISSÃO ( ) PALCO - ( ) PRATICÁVEIS:

Leia mais

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS Prof. Marcio R. G. de Vazzi UMA PEQUENA REVISÃO TEORIA ORGANIZACIONAL - CONCEITOS Organização: É uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos

Leia mais

O que é, e para que serve o Cronograma:

O que é, e para que serve o Cronograma: O que é, e para que serve o Cronograma: O cronograma é um instrumento de planejamento e controle semelhante a um diagrama em que são definidas e detalhadas minuciosamente as atividades a serem executadas

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. PERT/CPM PERT Program Evaluation and Review Technique CPM Critical Path Method Métodos desenvolvidos em

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I DATA:

Leia mais

Introdução. Toda organização executa basicamente dois tipos de atividade: Projeto; e. Operação (execução).

Introdução. Toda organização executa basicamente dois tipos de atividade: Projeto; e. Operação (execução). Gestão de Projetos Introdução Toda organização executa basicamente dois tipos de atividade: Projeto; e Operação (execução). O projeto é uma atividade muito particular, cuja finalidade principal é dar origem

Leia mais

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM Program Evaluation and Review Technique PERT: VISÃO GERAL Program Evaluation and Review Technique Técnica para avaliação e revisão de programa.

Leia mais

Gestão de Projetos. Processos Gerenciais Profª. Silvia Cristina da Silva Okabayashi. O que se entende por Projeto?

Gestão de Projetos. Processos Gerenciais Profª. Silvia Cristina da Silva Okabayashi. O que se entende por Projeto? Processos Gerenciais Profª. Silvia Cristina da Silva Okabayashi Gestão de Projetos Planejamento, Execução e Controle de um Projeto Laboratório de Administração Gestão de Projetos O que se entende por Projeto?

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR Departamentalização e os Principais Tipos Antonia Angélica Muniz dos Santos 7 Daniele Santos Lima e Silva 7 Edna Almeida Guimarães 7 RESUMO Este artigo tem como objetivo mostrar a departamentalização e

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 2. O ciclo de gestão. Contabilidade e Controlo de Gestão. 3º ano - Gestão Turística e Hoteleira - Ramo- GT

Contabilidade e Controlo de Gestão. 2. O ciclo de gestão. Contabilidade e Controlo de Gestão. 3º ano - Gestão Turística e Hoteleira - Ramo- GT Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Ciclo de Gestão Planear Definir o rumo da empresa, ou seja, o que se pretende atingir (objectivos) e para tal o que fazer

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado Método do Caminho Crítico PERT /CPM Prof. Marcio Cardoso Machado - Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos - Fatores: prazo, custo e qualidade - Aplicado

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Professor Djair Picchiai Campus São Paulo Março 2010 AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Todo diretor, gerente, chefe e encarregado exercem estas sete funções administrativas, a saber:

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Balanced Scorecard INTRODUÇÃO

Balanced Scorecard INTRODUÇÃO Balanced Scorecard Transformando a teoria em prática Nairson de Oliveira Drª Rosemeire Guzzi Sampaulo INTRODUÇÃO Somente 10% das empresas conseguem executar suas estratégias Fortune Na maioria dos fracassos

Leia mais

Dezembro/2014 Versão 1.0

Dezembro/2014 Versão 1.0 Orientações de Preenchimento do Questionário de Detalhamento da Estrutura de Gestão de Riscos Orientações da Susep ao Mercado Dezembro/2014 Versão 1.0 Sumário: 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável...

Leia mais

_Estamos vivendo em constante mudança, em um ritmo cada vez mais acelerado.

_Estamos vivendo em constante mudança, em um ritmo cada vez mais acelerado. EMENDA _Introdução ao gerenciamento de projetos. _Planejamento de escopo, custo e prazo. _Qualidade, RH, aquisições, comunicação. _Noções de governança de TI. _Noções de ITIL. _Noções de COBIT. INTRODUÇÃO

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

1) Objetivos. 3) Estabelecer o Escopo do Software. 2) Principais Atividades

1) Objetivos. 3) Estabelecer o Escopo do Software. 2) Principais Atividades 1) Objetivos Tem como objetivo oferecer estimativas razoáveis de custo, recursos e cronogramas. Gera o plano do projeto de software. UNIDADE 4 100 2) Principais Atividades 1. Estabelecer o escopo do software.

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Objectivos Definição de estrutura organizacional. Descrever a configuração e as

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.2 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

É a função administrativa que define quais os objetivos a atingir e como se deve fazer para alcançálos.

É a função administrativa que define quais os objetivos a atingir e como se deve fazer para alcançálos. PLANEJAMENTO É a primeira função administrativa; base para as demais funções. É a função administrativa que define quais os objetivos a atingir e como se deve fazer para alcançálos. Um modelo teórico para

Leia mais

Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projetos

Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projetos Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de s O guia de melhores práticas em gerenciamento de projetos, PMBOK, é organizado em áreas de conhecimento e, por sua vez, cada área de conhecimento é descrita através

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 20 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 20-30/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

O QUE É UMA POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR (PSST)?

O QUE É UMA POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR (PSST)? O QUE É UMA POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR (PSST)? Original: Guía para redactar una declaración de política OHS Copyright 1997-2006 Centro Canadiense de Salud y Seguridad Ocupacional Disponível

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Prof. Cassimiro Nogueira Junior PESSOAS CAPITAL HUMANO CAPITAL INTELECTUAL GRAU DE CONHECIMENTO: PRODUTIVOS E RECONHECIDOS

Leia mais

11/05/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

11/05/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.10 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Estruturas Organizacionais EO 04 2011/1 Material de apoio Ler bibliografia recomendada

Estruturas Organizacionais EO 04 2011/1 Material de apoio Ler bibliografia recomendada Estruturas Organizacionais Tópicos para discussão Sobral Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. Cap. 6 Organizar Fayol Organizar é constituir é dispor um conjunto de recursos humanos e

Leia mais

Estrutura e organização de projeto científico

Estrutura e organização de projeto científico O PROCESSO DE PESQUISA BÁSICA EM ADMINISTRAÇÃO Estrutura e organização de projeto científico PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Fase I: Formulação Desenvolver: -teoria; -Questões de pesquisa; -Hipóteses; -Plano

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos 1 AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos Ernesto F. L. Amaral 11 e 13 de setembro de 2012 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Gerenciamento de Prazo 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 10 Tema: Gerenciamento

Leia mais

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL Por quê o lado humano dos negócios está emergindo como uma indispensável vantagem competitiva? Era Industrial Taylor e Fayol Era do Conhecimento Tecnologia

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD 1 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD São Luís MA Maio/2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: D / Meso: H / Micro: M Natureza:

Leia mais

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e Prof. Fernando Lopes Unidade II Administração de Cargos e Salários Conforme Chiavenato (2004, p. 267), a avaliação de cargos visa a obtenção de dados que permitirão uma conclusão acerca do valor interno

Leia mais

Plano de Carreira e Desenvolvimento

Plano de Carreira e Desenvolvimento Plano de Carreira e Desenvolvimento CNPEM ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONCEITOS... 4 3. MANUAL DE AVALIAÇÃO DOS CARGOS... 5 3.1. As Carreiras... 5 3.2. As carreiras e seus estágios... 6 3.3. Fatores utilizados

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

SIMULADO IV UNIDADE Técnico em Administração

SIMULADO IV UNIDADE Técnico em Administração 2013 Novembro SIMULADO IV UNIDADE Técnico em Administração 1 1º Ano Ensino Médio INTEGRADO INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO E MARKETING 1) Marketing é a área de conhecimento que engloba todas as atividades concernentes

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

G E S T Ã O POR P R O Ç E S S O S MÉTODOS PROCESSOS. Organização, Sistemas, Métodos & Processos ORGANIZAÇÃ0 SISTEMAS

G E S T Ã O POR P R O Ç E S S O S MÉTODOS PROCESSOS. Organização, Sistemas, Métodos & Processos ORGANIZAÇÃ0 SISTEMAS G E S T Ã O POR P R O Ç E S S O S Organização, Sistemas, Métodos & Processos ORGANIZAÇÃ0 SISTEMAS MÉTODOS & PROCESSOS Disposição de recursos materiais, humanos e tecnológicos da empresa, de maneira harmônica,

Leia mais

PRIORIDADES EM SERVIÇOS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. Professora Andréia Ribas rp_andreiaribas@hotmail.com

PRIORIDADES EM SERVIÇOS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. Professora Andréia Ribas rp_andreiaribas@hotmail.com PRIORIDADES EM SERVIÇOS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Professora Andréia Ribas rp_andreiaribas@hotmail.com Organização Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis tendo em vista

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 13 OBJETIVOS OBJETIVOS COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas

Leia mais

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONCEITOS GERAIS : A curva S representa graficamente o resultado da acumulação das distribuições percentuais, parciais, relativas à alocação de determinado fator de produção (mão de obra, equipamentos

Leia mais

MÉTODOS DE PLANEJAMENTO

MÉTODOS DE PLANEJAMENTO MÉTODOS DE PLANEJAMENTO 1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL - MÉTODO PES A adoção do PES se justifica pela sua coerência com os conceitos e abordagem anteriores, referentes ao processo social em que

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

Departamentalização. Disciplina: Organização de Sistemas e Métodos Instituto Educacional de Monte Alto IEMA Faculdade de Monte Alto - FAN

Departamentalização. Disciplina: Organização de Sistemas e Métodos Instituto Educacional de Monte Alto IEMA Faculdade de Monte Alto - FAN Departamentalização Disciplina: Organização de Sistemas e Métodos Instituto Educacional de Monte Alto IEMA Faculdade de Monte Alto - FAN Prof. Marcio R. G. de Vazzi Departamentalização Conceitos Processo

Leia mais

PREPARANDO A IMPLANTAÇÃO

PREPARANDO A IMPLANTAÇÃO Início Revisão Crítica A P POLÍTICA AMBIENTAL Melhoria Contínua Verificação e Ação Corretiva C D Planejamento IMPLEMENTAÇÃO Início Revisão Crítica Planejamento A C Melhoria Contínua P D POLÍTICA AMBIENTAL.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

CISD Centro Integrado de Soluções e Desenvolvimento Apoio:

CISD Centro Integrado de Soluções e Desenvolvimento Apoio: CISD Centro Integrado de Soluções e Desenvolvimento Apoio: Rádio Norte FM 104,9Mhz 1 2 Cursos Disponíveis: 1. Curso de Técnicas de Negociação e Vendas... 4 2. Motivação e Produtividade... 5 3. Curso de

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL É examinar a situação de uma empresa e determinar seus pontos fortes e fracos em relação a: sua organização; sua capacidade gerencial; seu know-how tecnológico; sua capacidade

Leia mais

O processo envolve quatro questões básicas:

O processo envolve quatro questões básicas: Planejamento de RH O planejamento de recursos humanos coleta e utiliza informações para apoiar as decisões sobre os investimentos que devem ser feitos com atividades de RH O processo envolve quatro questões

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais