GERHUS. CRM Saúde: da aviação para medicina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERHUS. CRM Saúde: da aviação para medicina"

Transcrição

1 GERHUS Gerenciamento de Recursos Humanos na Saúde CRM Saúde: da aviação para medicina Dr Alfredo Guarischi Cirurgião Oncológico Membro da Camera Técnica de Oncologia do CREMERJ Mestre em Cirurgia pela UFRJ Organizador do GERHUS e do Safety-Congresso Maj Av Felipe Koeller R. Vieira Investigador Sênior de Acidentes Aeronáuticos Instrutor de Vôo em Avião e Helicópteros Piloto de Busca e Salvamento Força Aérea Brasileira Editor Científico da Revista Conexão Sipaer Organizador do GERHUS e do Safety-Congresso

2 GERHUS CRM em Saúde Objetivo Demonstrar como o conceito do CRM da aviação pode ser aplicado ao sistema de saúde, gerando oportunidades de reflexão e criando condições favoráveis para mudança de comportamento diante dos eventos adversos. Aviação Saúde

3 O que significa CRM AVIAÇÃO Gerenciamento de Recursos de Cabine / Tripulação Cockpit Crew Resource Management Resource Management Company Resource Management

4 Como começou o GERHUS Felipe Koeller Alfredo Guarischi Foram reuniões 42 reuniões entre agosto de 2008 a julho de Preparamos 170 aulas diferentes, até chegarmos aos 8 temas principais, em duas modalidades de treinamento, de um e dois dias. O logo GERHUS simboliza a saúde e o fator humano. O Fator Humano com suas Habilidades não Técnicas é uma importante fonte para solução dos problemas de um sistema complexo como o da saúde.

5 Um breve histórico Primeiro Curso Hosp. Central da Aeronáutica Rio de Janeiro 8 e 9 de julho de 2010 Até outubro de 2013 estivemos no Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Canoas, Joinville, Ipatinga. Foram 800 alunos em 20 treinamentos. Sete deles em dois dias e o restante em um dia. Somos atualmente 5 instrutores formados e mais 5 em preparação. Treinamento em dois dias apresenta melhor aproveitamento na introdução destes novos conceitos do que o realizado em um dia. Com o GERHUS em um dia conseguimos sensibilizar os gestores (ideal x possível).

6 Roteiro Histórico do CRM Acidentes nos serviços de saúde GERHUS (CRM em Saúde) Mudanças esperadas e comportamento individual

7 Roteiro Histórico do CRM Acidentes nos serviços de saúde GERHUS (CRM em Saúde) Mudanças esperadas e comportamento individual

8 Acidentes Aeronáuticos A Questão: Por que uma aeronave moderna e confiável, com boa manutenção, comandada por pilotos experientes, sofria um acidente? Análise: Cada um cumpria bem o seu papel individualmente Persistiam os fatores humanos: 70 90% dos acidentes Na maioria das vezes a informação, sobre os problemas existentes, ESTAVA DISPONÍVEL!

9 Acidentes O que o CRM mudou na aviação Equipamento Ações de Prevenção de Acidentes: Foco nos equipamentos Tempo

10 Origem dos Acidentes Aéreos Avanço dos equipamentos Solução de muitos problemas Os Problemas terminaram? Falhas de treinamento Falhas de manutenção Conflitos de padronização Solução: Padronização de procedimentos, Treinamento em Simuladores, Doutrina de Segurança de Vôo.

11 Acidentes O que o CRM mudou na aviação Equipamento Ações de Prevenção de Acidentes: Foco nas Habilidades Técnicas Treinamento Tempo

12 Origem dos Acidentes Aéreos Acidentes Aeronáuticos na Década de 1970 A análise das caixas-pretas mostrou que havia: Falhas de comunicação Falhas de relacionamento interpessoal Perda de consciência situacional Falhas na liderança Falhas no processo de tomada de decisão Falhas no Gerenciamento dos Recursos Humanos disponíveis.

13 A Criação do CRM 1979 Workshop da NASA: Resource Management on the Flightdeck (Gerenciamento de Recursos na Cabine de Vôo) Análise dos Gravadores de Voz de Cabine (CVR): Pilotos eram treinados para vôo solo em monomotores leves Condicionados a agirem sozinhos Não utilizavam os recursos disponíveis! Co-piloto como sistema de reserva e não como o segundo piloto Ênfase nos aspectos técnicos em detrimento ao ambiente de cabine

14 Acidentes O que o CRM mudou na aviação Equipamento Ações de Prevenção de Acidentes: Foco nas Habilidades Não-Técnicas Treinamento Fator Humano CRM Tempo

15 O que o CRM mudou na aviação Um processo de treinamento para tripulantes (pilotos ou não) que visa reduzir erros de julgamento através de um melhor uso dos recursos humanos disponíveis. O treinamento de CRM visa proporcionar: Conhecimento Auto Avaliação Mudança de Atitude & Comportamento

16 As Gerações do CRM 1ª Geração: Gerenciamento de Recursos de Cabine Foco nos pilotos ( C = Cockpit) 2ª Geração: Gerenciamento de Recursos de Tripulação Foco em todos os tripulantes ( C = Crew) 3ª Geração: Gerenciamento de Recursos da Organização Foco na organização ( C = Corporation / Company) 4ª Geração: ACRM = CRM Avançado Foco nos procedimentos de CRM 5ª Geração: CRM com GERENCIAMENTO do ERRO Foco no Desempenho Humano 6ª Geração: CRM com Análise de Ameaça Foco no Desempenho Humano e Ambiente

17 O que significa CRM Cockpit Crew Resource Management Resource Management Company Resource Management

18 O treinamento em CRM é É um treinamento visando trabalho em equipe. É dirigido à toda tripulação. Pode ser aplicado a todas as formas de treinamento de tripulação. Esta concentrado nas atitudes e no comportamento da tripulação e seu impacto na segurança do vôo. É uma oportunidade para os indivíduos examinarem seu comportamento e o impacto na segurança. É uma oportunidade para os indivíduos examinarem seu comportamento e tomar decisões individuais de como melhorar o trabalho de equipe no vôo. Usa a tripulação como uma unidade de treinamento.

19 O treinamento em CRM não é Um remendo que pode ser implementado da noite para o dia. Um programa de treinamento realizado por alguns especialistas ou para resolver casos específicos. Um programa que ocorre de forma independente das outras atividades de treinamento. Um programa no qual é dado uma prescrição de como trabalhar com os outros no vôo. Outra forma de treinamento de equipe centratado no indivíduo. Aulas passivas. Uma tentativa de gerenciamento, para impor um específico comportamento no avião.

20 Implantação do CRM na aviação A aceitação do CRM pela aviação percorreu um longo caminho. Primeiro CRM foi realizado pela United Airlines, em A International Civil Aviation Organization (ICAO) determinou a aplicação obrigatória do CRM a partir de No Brasil, a Varig e a FAB, iniciaram o CRM em Atualmente o CRM é um requisito para que uma empresa de transporte aéreo possa operar. O CRM é realizado em TODAS as unidades aéreas militares.

21 Desafios atuais do CRM na aviação Algumas companhias aéreas de grande porte deixaram de ter uma estrutura própria de CRM. Muitas companhias menores terceirizam este treinamento como uma forma de atender aos requisitos. O maior número de acidentes vem ocorrendo exatamente com aviões menores. Na saúde sabemos que teremos dificuldades semelhantes. Estamos customizando os treinamentos, para diminuir a resistência a mudança de cultura de que a segurança é obrigação de todos.

22 Roteiro Histórico do CRM Acidentes nos serviços de saúde GERHUS (CRM em Saúde) Mudanças esperadas e comportamento individual

23 Acidentes nos serviços de saúde

24 Eventos Adversos em pacientes hospitalizados LOCAL NY AUSTRALIA Revisão de Vries et al. Qual Saf Health Care, 2008 Ano Eventos adversos 4% 17% 9% Lesão permanente 4% 14% 7% Mortalidade 14% 5% 7% Previsibilidade? 51% 43% Origem do E.A. : Cirurgia (36%) e Medicação (15%)

25 Acidentes nos serviços de saúde Várias visões sobre o mesmo problema O que vem ocorrendo: criação da indústria da má-prática (a tragédia da renda e lucro) uma imagem coorporativa negativa ( máfia de branco ) medidas punitivas como a principal solução inexistência de um plano global de prevenção

26 Acidentes nos serviços de saúde Várias visões sobre o mesmo problema Paciente/ Família : Quer provar que houve erro - por imperícia / imprudência / negligência. Guarischi, 2001

27 Acidentes nos serviços de saúde Várias visões sobre o mesmo problema Judiciário: Quer provar a relação causal. Nova especialidade no Direito: Acusar ou Defender - médicos, hospitais e seguradoras (planos de saúde) Guarischi, 2001

28 Acidentes nos serviços de saúde Várias visões sobre o mesmo problema Sistema de Saúde (privado ou público): Alega que se houve erro este foi de responsabilidade do profissional ou do hospital. Hoje a jurisprudência reconhece a responsabilidade solidária de planos e governos. Criação de um departamento jurídico especializado. Guarischi, 2001

29 Acidentes nos serviços de saúde Várias visões sobre o mesmo problema Líderes / Equipe de Saúde: Querem justificar que não houve erro, muitas vezes, sem a documentação adequada ou baseado em argumentos que não consideram os fatores subjetivos destas questões. Aceitam condições de trabalho por contingências ou necessidade financeira. Guarischi, 2001

30 Acidentes nos serviços de saúde Várias visões sobre o mesmo problema Atitudes adotadas para a prevenção dos acidentes. Não houve erro, mas complicação. Treinamento apenas em habilidades técnicas. Investimento em Equipamento sofisticados. Certificação de processos Marketing x Acreditação. Gerenciamento do Risco voltado à evitar judicialização.

31 Roteiro Histórico do CRM Acidentes nos serviços de saúde GERHUS (CRM em Saúde) Mudanças esperadas e comportamento individual

32 O que significa CRM na Saúde GERHUS CRM - Company Resource Management GERHUS - Gerenciamento dos Recursos Humanos em Saúde é um treinamento para promover a segurança com foco nas habilidades não técnicas. Não adotamos o termo CRM para ficar claro que o treinamento envolve todos os membros equipe da saúde e não apenas médicos. O termo CRM desta forma não deve ser confundido com Conselho Regional de Medicina.

33 As dificuldades para a adoção conceito do CRM na saúde. I CRM da aviação vem permanentemente sendo recriado. A ideia que pilotos podem treinar profissionais de saúde é ilusória. Não é possível "copy and paste entre estas atividades. O sistemas são semelhantes, porém apresentam importantes diferenças. Não existe uma cabine nem um piloto comandante em medicina. Uma sala de Cirurgia ou de CTI não tem o isolamento de uma aeronave. Os profissionais de saúde, atuam sobre o paciente numa dinâmica própria e totalmente diferente de um ambiente aeronáutico. A tradição na medicina é que estudos quantitativos e prospectivos são a fonte mais confiável de evidência científica. Nunca foi feito um estudo prospectivo randomizado para a implantação do CRM na aviação. A queda da taxa de acidentes aéreos, medida em análises retrospectivas, mostra a eficácia do CRM como medida de prevenção.

34 As dificuldades para a adoção conceito do CRM na saúde. II O maior desafio foi colocar todos os profissionais de saúde, com atividade intensa (médicos, enfermeiros, técnicos, farmacêuticos, fisioterapeutas, psicólogos, nutricionistas, administrativos, entre outros) no conceito do Cockpit e de Crew. Diferente da aviação em que poucos lidam diretamente com a pilotagem, a maioria dos profissionais de saúde, algum momento, pilotam o paciente. No entanto, a necessidade da liderança em cada situação, nem sempre fica clara para os profissionais de saúde. Existe muitas semelhanças, no entanto, o trabalho foi construir um treinamento estruturado para o ambiente de saúde, mas buscando demonstrar a necessidade de uma cultura de segurança sistêmica de responsabilidade de todos, como na aviação.

35 O que aviação e medicina têm em comum? Aviação X Saúde Pessoas Trabalhando em equipe Ambiente dinâmico Ambiente complexo

36 GERHUS Metodologia Aulas expositivas: para apresentação dos conceitos aplicáveis; são de curta duração (20-30 min); Exercícios individuais: para reflexão e oportunidade de auto-conhecimento; discutimos cada tópico com casos reais, sem identificação do profissional ou hospital; Exercícios de grupo: para o desenvolvimento das habilidades de trabalho em equipe e treinamento da aplicação dos conceitos do GERHUS.

37 Metodologia - GERHUS Apresentamos filmes de curta duração (máximo 2 minutos) de situações de fora da medicina que ajudam a amenizar a abordagem de temas mais árduos; Nos exercícios práticos são formados grupos de no máximo seis profissionais. Sempre mesclando as diversas categorias. Estes grupos sofrem rodízio a cada rodada de exercícios. O treinamento de um dia dura 7 horas. Existe um intervalo para almoço e três coffee-breaks. Não permitimos celulares. O treinamento de dois dias segue a mesma sistemática, porém aprofundamos as discussões. Num futuro esperamos que se torne a rotina. Atualmente é obrigatória na formação inicial dos futuros instrutores.

38 Temas abordados HISTÓRICO - INTRODUÇÃO COMUNICAÇÃO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL PROFICIENCIA TÉCNICA TOMADA DE DECISÃO CULTURA JUSTA GERENCIAMENTO DO ERRO

39 Trabalho de grupo: Estudo de caso CRM na Aviação GERHUS

40 Roteiro Histórico do CRM Acidentes nos serviços de saúde GERHUS (CRM em Saúde) Mudanças esperadas e comportamento individual

41 Hospital Equipe Doença Paciente 1. Paciente com saúde não existe. 2- Nós não temos controle sobre a doença ou sobre o paciente que nos procura. 3- Devemos ter controle pessoal e do ambiente em que atuamos.

42 O que é o GERHUS Um processo de treinamento para profissionais de saúde que visa produzir melhores decisões (julgamentos) através do uso adequado dos recursos humanos disponíveis. Para melhor compreender a doença e o tratamento: estude Technical Skills Para melhor compreender o trabalho em conjunto com seus companheiros: GERHUS No Technical Skills

43 Aonde o GERHUS atua Hospital Doença GERHUS (gerenciamento) Ciências da Saúde Equipe Paciente

44 Mudanças esperadas: Comportamento individual Várias situações e acidentes serão usados como exemplo Alguns deles com pessoas conhecidas e que podem estar entre nós Foco no Quê, Não em Quem! Tudo o que aconteceu com eles, poderia e pode acontecer conosco, sem nomes ou comentários pessoais!

45 Nossa mensagem final Medicina era simples, pouco eficaz e relativamente segura. A cada dia fica mais complexa, relativamente eficaz, porém com alto custo e perigosa. Devemos simplificar os processos, de modo que a eficiência e riscos possam ser gerenciados Chantler, 1999, modificado Guarischi, 2013

46 Referências Bibliográficas Bernstein, P L. Desafio aos Deuses. A Fascinante história do risco. Rio de Janeiro. Ed Elsevier Carvalho PVR, Vidal M, Santos IL. Safety implications of some cultural and cognitive issues in nuclear power plant operation. Appl Ergon 2006;37(2): E N de Vries, M A Ramrattan, S M Smorenburg, D J Gouma and M A Boermeester. The incidence and nature of in-hospital adverse events: a systematic review Qual. Saf. Health Care 2008;17; Gomes JO, Woods DD, Carvalho PVR, Gilbert J. Huber GJ, Borges MRS: Resilience and brittleness in the offshore helicopter transportation system: The identification of constraints and sacrifice decisions in pilots work. Reliability Engineering and System Safety 94 (2009) Guarischi, A. Entrevista com Florence Nightangale. Filme. Safety2010. II Congresso Brasileiro sobre Segurança no Sistema de Saúde. e III Congresso Brasileiro sobre Eventos Adversos em Medicina. Rio de Janeiro 2010.

47 Referências Bibliográficas Guarischi, A. Entrevista com Marcia Peltier. Erro em Medicina. Filme. Novembro de 2011.CNT. Rio de Janeiro Guarischi, A. Entrevista com Ana Maria Braga. Erro em Medicina. Filme. Rede Globo. www. youtube.com / watch?v=zpsfwabzvei Setembro de 2011, Rio de Janeiro Helmreich, R.L., Merritt, A.C., & Wilhelm, J.A. (1999). The evolution of Crew Resource Management training in commercial aviation. International Journal of Aviation Psychology, 9(1), Lee, F. Se Disney administrasse seu hospital. São Paulo. Ed Artmed Nance, J. Como fazer a segurança dos hospitais decolar? São Paulo. Ed Bookman Pereira, M C. Voando com CRM. Da filosofia operacional técnica à filosofia interativa humana. Recife. Comunigraf Editora Wiener EL, Kanki BG, Helmreich RL; Cockipt Resource Management Academic Press 1993

48 Produção & Realização safetymed.com.br

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Erro Humano e Cultura Organizacional. Felipe Koeller R. Vieira Oficial Aviador Investigador Sênior de Acidentes

Leia mais

CREW RESOURCE MANAGEMENT

CREW RESOURCE MANAGEMENT CREW RESOURCE MANAGEMENT Como integrar o CRM na cultura da sua empresa Monica Lavoyer Escudeiro E S P E C I A L I S TA E M R E G U L A Ç Ã O D E AV I A Ç Ã O C I V I L G E R Ê N C I A T É C N I C A D E

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 212 213 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

CONSCIÊNCIA SITUACIONAL

CONSCIÊNCIA SITUACIONAL GRUPO DE TRANSPORTE ESPECIAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL Objetivo Reconhecer a importância da manutenção da Consciência Situacional elevada como aspecto básico de CRM entendendo sua

Leia mais

O conceito de Fatores Humanos na aviação

O conceito de Fatores Humanos na aviação O conceito de Fatores Humanos na aviação DANIELA DE ALMEIDA MARTINS LILIANA ANDOLPHO MAGALHÃES GUIMARÃES RUY LANGE FILHO LEONARDO DA VINCI RIBEIRO SIQUEIRA DIRETORIA GERAL DE RECURSOS HUMANOS DGRH UNICAMP

Leia mais

NOTECHS: UM MODELO DE AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES NÃO TÉCNICAS ATRAVÉS DE INDICADORES COMPORTAMENTAIS

NOTECHS: UM MODELO DE AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES NÃO TÉCNICAS ATRAVÉS DE INDICADORES COMPORTAMENTAIS Monica Lavoyer Escudeiro 1 Artigo submetido em: 27/01/2012 Aceito para publicação em: 02/03/2012 RESUMO: O desempenho efetivo de indivíduos e equipes nas atividades aéreas pressupõe o domínio tanto das

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade.

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade. Idealizada para ser a melhor em seu ramo de atuação, a SkyBound é formada por consultores com sólida formação prática e acadêmica, profundo conhecimento aeronáutico e grande experiência em suas respectivas

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico Página 1/29 Índice Parte A: Generalidades..4 14.001 Aplicabilidade 4 14.003

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA PARA A 9 1 Sumário Panorama Atual dos Dados Relativos às

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

TURNING YOUR DESIRE INTO REALITY

TURNING YOUR DESIRE INTO REALITY CONTACS: Winfly Corso Sempione 32B - Milão Aeròdromo "E. Mattei "Pisticci - Basilicata Via Sant Angelo 75010 Pisticci Scalo (Matera) +39 0236683102 TURNING YOUR DESIRE INTO REALITY www.winfly.eu www.basilicata-airport.eu

Leia mais

Voar sobre cidade...

Voar sobre cidade... Voar sobre cidade... ...e quando precisamos? Ee q -Quais desses serviços você quer abrir mão? -Polícia -Bombeiro -Tv/rádio/trânsito - roubo veículos - transporte público - transporte privado... e quando

Leia mais

Realização. Apoio. Patrocínio

Realização. Apoio. Patrocínio Realização Apoio Patrocínio Seminário Internacional de VANT 2010 VANT Quem Opera? Cel Av R1 Alexandre Lessa Destaques das Palestras da Conferência Anual de Treinamento e Simulação em VANT em Londres,

Leia mais

Qualificações do Pessoal Aeronáutico

Qualificações do Pessoal Aeronáutico Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico PARTE A: GENERALIDADES... 4 14.001 APLICABILIDADE... 4 14.003 DEFINIÇÕES... 4 14.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 4 PARTE B: QUALIFICAÇÕES DO PESSOAL AERONÁUTICO...

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO- OPERACIONAL STE

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO- OPERACIONAL STE REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO- OPERACIONAL STE INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 060-1002A TREINAMENTO EM GERENCIAMENTO DE RECURSOS

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA CARGA DE TRABALHO DO PILOTO DURANTE PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA EM OPERAÇÕES AÉREAS DE HELICÓPTEROS

ESTUDO PRELIMINAR DA CARGA DE TRABALHO DO PILOTO DURANTE PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA EM OPERAÇÕES AÉREAS DE HELICÓPTEROS V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO SALVADOR, BA 12 12- ESTUDO PRELIMINAR DA CARGA DE TRABALHO DO PILOTO DURANTE PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA EM OPERAÇÕES AÉREAS DE HELICÓPTEROS Flávio

Leia mais

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A.

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Este RBHA-E deve ser colocado junto ao RBHA 121 e revoga o RBHA-E 92 Este arquivo contém o texto do RBHA-E 92A no formato

Leia mais

5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR. Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo. Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial

5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR. Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo. Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo 5º SSV MAJ JOSÉ ANTONIO SAZDJIAN JÚNIOR - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012)

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PT-EDP EMB 721C DATA 12 MAR 2009 RF A- 017/CENIPA/2009

Leia mais

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Avião da TAM com 95 passageiros ficou sem dados em 2011, após decolar. Companhia respondeu que melhorou treinamento de pilotos, diz relatório

Leia mais

Treinamento das Habilidades de Comunicação: uma Ferramenta proativa para a segurança de Aviação.

Treinamento das Habilidades de Comunicação: uma Ferramenta proativa para a segurança de Aviação. Treinamento das Habilidades de Comunicação: uma Ferramenta proativa para a segurança de Aviação. Ana Maria Vieira ITA Prof. Dra. Isabel Cristina dos Santos UNITAU - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL Luiz Munaretto - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 330 de 1112 - - -

Leia mais

Esclarecimento à Sociedade

Esclarecimento à Sociedade PRESS RELEASE 21 de julho de 2007 Esclarecimento à Sociedade São Paulo, 21 de julho de 2007 Ainda sob o impacto da tragédia ocorrida na última terça-feira (17), a TAM vem a público mais uma vez para prestar

Leia mais

Uso de SPA na Aviação Civil

Uso de SPA na Aviação Civil Uso de SPA na Aviação Civil Programa de Dependência Química em empresas aéreas Dr. Carlos Henrique Bergling Coordenador Médico da TAM 1. Qual é o problema no uso de drogas? 2. Quem usa drogas? 3. De quem

Leia mais

7:03 V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO SALVADOR, BA 12-14/09/2012. Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro

7:03 V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO SALVADOR, BA 12-14/09/2012. Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro PROF.ª DRª SELMA RIBEIRO Diretora Técnica V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO ATUAÇÃO DA PSICOLOGIA NA AVIAÇÃO BRASILEIRA Prof.ª Dr.ª Selma Ribeiro 1 OBJETIVO Discutir, do ponto de vista

Leia mais

INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS UFABC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC

INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS UFABC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC INSTITUTO PROFESSOR KALAZANS UFABC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CURSO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EM DIREITO AERONÁUTICO COM ÊNFASE EM INVESTIGAÇÃO JURÍDICA DE ACIDENTES AERONÁUTICOS E SEGURANÇA DE VOO

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012.

V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012. V ENCONTRO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA APLICADA À AVIAÇÃO 13 e 14 de SETEMBRO DE 2012. A Avaliação Psicológica e os Acidentes Aeronáuticos: Existe uma relação? 1 TEN PSL PATRÍCIA FAGUNDES- HARF 2 TEN PSL

Leia mais

ERROS DE ADMINISTRAÇAO DE MEDICAMENTOS E CONSEQUENCIAS FINANCEIRAS

ERROS DE ADMINISTRAÇAO DE MEDICAMENTOS E CONSEQUENCIAS FINANCEIRAS ERROS DE ADMINISTRAÇAO DE MEDICAMENTOS E CONSEQUENCIAS FINANCEIRAS Andrea Righi de Oliveira Kelian Enfermeira especialista em Gerenciamento de Enfermagem, Administração Hospitalar e em Gestão da Qualidade

Leia mais

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE 1 FONSECA, Wilber Campos 2 BARCO, Juliana Alexandra P. de C Ms. Humberto César Machado. RESUMO: Com a elevada demanda no tráfego aéreo, o número de incursões

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NO ACIDENTE AÉREOA

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NO ACIDENTE AÉREOA JUSTIÇA FEDERAL RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NO ACIDENTE AÉREOA Colisão entre dois ônibus: Acidente de Trânsito OBJETIVO Conhecer as principais conseqüências jurídicas de um acidente aéreo, a especialmente

Leia mais

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Objetivo da Nossa Aliança: Criar um Programa exclusivamente dedicado à Aviação Geral, em especial aos Proprietários e Pilotos

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 069/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-YEG 206B 24NOV2009 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Inscrições abertas para curso de formação de mapeadores de competências

Inscrições abertas para curso de formação de mapeadores de competências Ano 2 N 20 05 de abril de 2012 Inscrições abertas para curso de formação de mapeadores de competências Termina nesta sexta-feira (05/04) o prazo de inscrição para o curso Formação de Mapeadores de Competências

Leia mais

PreviNE CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL. A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto de Congonhas - SBSP, São Paulo-SP, às

PreviNE CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL. A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto de Congonhas - SBSP, São Paulo-SP, às CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL Figura 1 - Acidente em que a perda da Consciência Situacional foi um dos fatores contribuintes (BRASIL, 2009). A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto

Leia mais

SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011. SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional

SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011. SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011 SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional A área da saúde costumava ser mais simples, menos eficaz e mais segura. Chantler, 1997. A área da saúde

Leia mais

Institucional. Índice. Decolando com a vontade de bem-servir. Conheça um pouco da trajetória da TAM Aviação Executiva.

Institucional. Índice. Decolando com a vontade de bem-servir. Conheça um pouco da trajetória da TAM Aviação Executiva. Decolando com a vontade de bem-servir Conheça um pouco da trajetória da TAM Aviação Executiva. Em 1961, a TAM Táxi Aéreo Marília iniciou suas operações com três pequenos aviões Cessna, que faziam rotas

Leia mais

PSICOLOGIA NO CONTEXTO DA AVIAÇÃO: BREVE RETROSPECTIVA

PSICOLOGIA NO CONTEXTO DA AVIAÇÃO: BREVE RETROSPECTIVA Rev. Conexão SIPAER, v. 1, n. 1, nov. 2009. Edição de Lançamento. 129 PSICOLOGIA NO CONTEXTO DA AVIAÇÃO: BREVE RETROSPECTIVA Selma Leal de Oliveira Ribeiro 1 RESUMO: A aviação é um dos setores da atividade

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV)

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DE DADOS DE VÔO (PAADV) 20 DEZ 2004 PORTARIA DE APROVAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 1204/STE, DE 26

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL INTRODUÇÃO Patrícia Palhares Tupinambá FERNANDES DE

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

Glossário da Aviação Brasileira

Glossário da Aviação Brasileira Glossário da Aviação Brasileira Caro colaborador, Criamos esse glossário especialmente para você! Organizamos em um único documento diversos termos da aviação brasileira e outras siglas que você utilizará

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE 6 Disponibilizado no endereço http://www.acaoergonomica.ergonomia.ufrj.br Ação Ergonômica vol 3 nº. 1 (2007) pp. 01-06 METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA

Leia mais

Prof. Guido Carim Júnior

Prof. Guido Carim Júnior Sistema de Gestão da Segurança Operacional (SGSO) : fundamentos e requisitos Prof. Guido Carim Júnior 28 de maio de 2010 Objetivo Apresentar os fundamentos de um sistema de gestão (de segurança) como meio

Leia mais

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a : primeiros passos Este documento descreve uma abordagem para melhorar a utilizando um modelo de parceria, estruturado em torno do aperfeiçoamento

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS. Ricardo Luís Raulik

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS. Ricardo Luís Raulik UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Ricardo Luís Raulik A INFLUÊNCIA DO COMPORTAMENTO DO COMANDANTE NO TOCANTE A SEGURANÇA DE VÔO Curitiba PR Ano 2008 2 Ricardo Luís Raulik

Leia mais

Grupo de Colaboração Internacional para o Gerenciamento da Segurança Operacional (SM ICG) Termo de Referência

Grupo de Colaboração Internacional para o Gerenciamento da Segurança Operacional (SM ICG) Termo de Referência Grupo de Colaboração Internacional para o Gerenciamento da Segurança Operacional (SM ICG) Termo de Referência 25 Janeiro 2012 Aprovação do Termo de Referência Graeme Harris Diretor, Aviação Civil Autoridade

Leia mais

O PAPEL DOS PROFISSIONAIS MÉDICOS NA JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA E PRIVADA. Florentino Cardoso

O PAPEL DOS PROFISSIONAIS MÉDICOS NA JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA E PRIVADA. Florentino Cardoso O PAPEL DOS PROFISSIONAIS MÉDICOS NA JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA E PRIVADA Florentino Cardoso SUS Operadoras de Saúde SUS CF 1988 SUS 1990 Universalidade, Equidade, Integralidade Financiamento Gestão

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS - CENIPA. Brig Ar CARLOS Alberto da Conceição (61) 3364-8800 cac363@gmail.

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS - CENIPA. Brig Ar CARLOS Alberto da Conceição (61) 3364-8800 cac363@gmail. CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS - CENIPA Brig Ar CARLOS Alberto da Conceição (61) 3364-8800 cac363@gmail.com OBJETIVO APRESENTAR O CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES

Leia mais

Anexo I - Cronograma de Eventos Realizados

Anexo I - Cronograma de Eventos Realizados Anexo I - Cronograma de Eventos Realizados EVENTO DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA PERMANENTE DE CAPACITAÇÃO ÁREA DEMANDANTE STATUS DO EVENTO DATA DE INÍCIO (PRESENCIAL) DATA DE TÉRMINO (PRESENCIAL) DATA DE INÍCIO

Leia mais

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO Necessidade de Atendimento e Riscos à saúde Complexidade do Sistema de Atenção à Saúde. Difíceis interações entre

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

ANAC realiza Seminário sobre Qualidade de Serviços Aeroportuários

ANAC realiza Seminário sobre Qualidade de Serviços Aeroportuários Ano 3 N 37 13 de agosto de 2013 ANAC realiza Seminário sobre Qualidade de Serviços Aeroportuários A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) realizará, em parceria com o Governo dos Estados Unidos da América

Leia mais

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO 1. APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA 1.1 A presente Justificativa expõe as razões

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

SMS. Risk Assessment. Instruction and training Flights

SMS. Risk Assessment. Instruction and training Flights SMS Risk Assessment Instruction and training Flights SMS Componentes Operacionais Identificação de hazards (situações de risco) Estão identificados os principais factores de risco com que lidamos no dia

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 Define o Perfil do Administrador Responsável (Accountable Manager) e as Habilitações

Leia mais

Novas edições do curso de Atualização para INSPAC PEL e OPS

Novas edições do curso de Atualização para INSPAC PEL e OPS Ano 3 N 35 07 de junho de 2013 Novas edições do curso de Atualização para INSPAC PEL e OPS Serão realizadas duas edições do curso INSPAC PEL e OPS Atualização. A primeira acontecerá no Rio de Janeiro,

Leia mais

CARGO ÁREA ESPECIALIDADE. ESCOLARIDADE I PRÉ-REQUISITOS (a serem comprovados no ato da contratação) CARGA HORÁRIA VAGAS REMUNERAÇÃO LOTAÇÃO ETAPAS

CARGO ÁREA ESPECIALIDADE. ESCOLARIDADE I PRÉ-REQUISITOS (a serem comprovados no ato da contratação) CARGA HORÁRIA VAGAS REMUNERAÇÃO LOTAÇÃO ETAPAS Possuir formação superior em Administração. Ter Analista Administrativo Jr. - Educacional conhecimento em atividades e rotinas administrativas. Possuir capacidade de observação e análise, criatividade,

Leia mais

ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO

ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO ATERRAGENS E DESCOLAGENS: O FACTOR HUMANO Panorâmica da Apresentação 1. Introdução 2. Estabilidade Direccional no Solo e Considerações Aerodinâmicas a Baixas Altitudes Estabilidade Direccional Efeito Solo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FLÁVIO LION NOGARA FARIAS PARÂMETROS PARA AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS SUBJETIVA NA FORMAÇÃO DE PILOTO COMERCIAL AVIÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FLÁVIO LION NOGARA FARIAS PARÂMETROS PARA AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS SUBJETIVA NA FORMAÇÃO DE PILOTO COMERCIAL AVIÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FLÁVIO LION NOGARA FARIAS PARÂMETROS PARA AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS SUBJETIVA NA FORMAÇÃO DE PILOTO COMERCIAL AVIÃO CURITIBA 2014 FLÁVIO LION NOGARA FARIAS PARÂMETROS PARA

Leia mais

A LEI DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM

A LEI DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM A LEI DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM 1- PRINCIPAIS MARCOS DA HISTÓRIA DA SAÚDE E DA ENFERMAGEM NO BRASIL E A EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM DA COLONIZAÇÃO À ÉPOCA IMPERIAL Surge a primeira

Leia mais

Figura 1 Clientes das informações meteorológicas Fonte: http://www.meted.ucar.edu/dlac2/mod1_es/print.htm#z1.0

Figura 1 Clientes das informações meteorológicas Fonte: http://www.meted.ucar.edu/dlac2/mod1_es/print.htm#z1.0 A necessidade, os benefícios e o caminho para a implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade na prestação do serviço meteorológico à navegação aérea. A necessária proximidade com o usuário Artur Gonçalves

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE AERONÁUTICO PT MBV

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

A ANÁLISE DA CONDUTA CULPOSA NO ACIDENTE AÉREO Dr. Humberto César Machado Bel Vinícius Araújo de Souza MsC. Cinthya Amaral Santos

A ANÁLISE DA CONDUTA CULPOSA NO ACIDENTE AÉREO Dr. Humberto César Machado Bel Vinícius Araújo de Souza MsC. Cinthya Amaral Santos RESUMO A ANÁLISE DA CONDUTA CULPOSA NO ACIDENTE AÉREO Dr. Humberto César Machado Bel Vinícius Araújo de Souza MsC. Cinthya Amaral Santos O ensaio busca mostrar a conduta culposa dentro dos acidentes aeronáuticos,

Leia mais

Projeto "Valorização da Vida"

Projeto Valorização da Vida Prevenir e Educar Esta é a nossa meta Quem somos. O Corpo de Socorristas Voluntários do Brasil é uma ONG (Organização Não Governamental), formada por voluntários das mais variadas áreas: Médicos, Bombeiros,

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico15 Limites dos Tempos de Serviço do Pessoal Aeronáutico Página 1/9 Índice Parte A: Generalidades.. 3 15.001 Aplicabilidade...3

Leia mais

TÁXI AÉREO NO BRASIL

TÁXI AÉREO NO BRASIL TÁXI AÉREO NO BRASIL 1 TÁXI AÉREO NO BRASIL Número de empresas no Brasil : 177 ( ANAC) Frota: 510 aviões (monomotores, bimotores, turbo-hélices e jatos) 240 helicópteros (aeronaves leves, médias e de grande

Leia mais

O que é Inovação em Saúde?

O que é Inovação em Saúde? Capa foto: dreamstime.com O que é Inovação em Saúde? A competitividade no setor da saúde depende essencialmente de melhorar a qualidade da assistência e a segurança do paciente reduzindo custos Por Kika

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Os Simuladores e as TI para PC para a formação do pessoal aeronáutico

Os Simuladores e as TI para PC para a formação do pessoal aeronáutico Os Simuladores e as TI para PC para a formação do pessoal aeronáutico Sua utilização e eficácia Pedro Oliveira DCTI - ISCTE 1 I Objectivo Demonstrar a eficácia das TI para PC na formação aeronáutica o

Leia mais

índice A Empresa Nossa Infra Estrutura Porque utilizar Simulação Benefícios do Treinamento Metodologia de Ensino Simuladores Sistema de Treinamento

índice A Empresa Nossa Infra Estrutura Porque utilizar Simulação Benefícios do Treinamento Metodologia de Ensino Simuladores Sistema de Treinamento índice A Empresa Nossa Infra Estrutura Porque utilizar Simulação Benefícios do Treinamento Metodologia de Ensino Simuladores Sistema de Treinamento Modalidades de Treinamento Avaliação Profissional Nossos

Leia mais

Responsabilidade civil médicohospitalar na jurisprudência do STJ

Responsabilidade civil médicohospitalar na jurisprudência do STJ Responsabilidade civil médicohospitalar na jurisprudência do STJ 4º Congresso Brasileiro de Aspectos Legais para Gestores e Advogados de Saúde São Paulo, 24 de maio de 2013 Ricardo Villas Bôas Cueva Ministro

Leia mais

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do paciente...pode parecer talvez um estranho princípio enunciar como

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PP-KBK A-122B DATA 24 JUL 2007 ADVERTÊNCIA

Leia mais

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais.

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. PORTUGUÊS BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. CORPORATIVO ENERGIA O Bell 206L4 foi projetado para ser o local de trabalho em voo ideal. Ele

Leia mais

O Crew Resource Management como Contributo da Ciência Aeronáutica para a Ciência Médica

O Crew Resource Management como Contributo da Ciência Aeronáutica para a Ciência Médica O Crew Resource Management como Contributo da Ciência Aeronáutica para a Ciência Médica Crew Resource Management and Aircraft Science as a Contribution for Medical Science Armindo MARTINS 1 Acta Med Port

Leia mais

Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos?

Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos? Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos? Juliana P Machado Gerente de Enfermagem HSF Doutoranda EERP- USP Esp. em Gestão de Negócios Saúde Membro REBRAENSP Segurança do Paciente...

Leia mais

OS DESAFIOS DO TREINAMENTO E DA QUALIFICAÇÃO DE PILOTOS NO SÉCULO XXI. Célio Eugenio de Abreu Júnior 1

OS DESAFIOS DO TREINAMENTO E DA QUALIFICAÇÃO DE PILOTOS NO SÉCULO XXI. Célio Eugenio de Abreu Júnior 1 R. Conex. SIPAER, v. 4, n. 2, mar-abr 2013. 129 OS DESAFIOS DO TREINAMENTO E DA QUALIFICAÇÃO DE PILOTOS NO SÉCULO XXI Artigo submetido em 17/12/2012 Aceito para publicação em 25/04/2013 Célio Eugenio de

Leia mais

2005 IAC 135-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

2005 IAC 135-1002 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL ! MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA DAC N o 976/DGAC, DE 20 DE SETEMBRO DE. Aprova a IAC que estabelece normas para elaboração e análise de programa de

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade CARLOS MONTINO DE OLIVEIRA Especialista em Regulação da Aviação Civil Gerência de Controle de Riscos Aeronáuticos

Leia mais