Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa."

Transcrição

1 A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais

2 Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que combate eventos pouco graves, mas de alta frequência; e outra que se concentra na eliminação de eventos de baixa frequência, mas muito graves, que afetam irreversivelmente a vida das pessoas mais especificamente, aqueles que podem resultar em perda de vida. Esse é o contexto deste documento, que se concentra em ações e comportamentos proativos que podem ser adotados por gerentes de operações e por equipes locais de liderança para ajudar a eliminar o risco de fatalidades. Segundo A Liderança Faz a Diferença, os líderes devem dar o tom e definir a direção em relação a o que é importante, por meio da liderança visível e percebida. As ações e os comportamentos dos líderes ecoam muito mais fundo e por muito mais tempo do que as palavras. Ser o modelo dos comportamentos desejados e agir em consonância com o próprio discurso significa incorporar os valores essenciais que deixam claro aos funcionários que nem a produção, nem qualquer outra coisa, é mais importante que a segurança no trabalho. O que é liderança visível e percebida? Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. Envolver-se e interagir regularmente com pessoas e processos. Entender seu papel como ouvinte, instrutor, treinador, técnico, motivador, mentor. Ter compromisso e determinação enquanto estiver no local de trabalho. Treinar ativamente outras pessoas sobre comportamentos e processos. Ser claro sobre suas expectativas em relação a segurança no trabalho. Demonstrar entusiasmo pelo que faz no local de trabalho. Mostrar reconhecimento a indivíduos, equipes ou grupos em todas as oportunidades possíveis. Remover os obstáculos que impedem o trabalho seguro e o alto moral da equipe. Agir de acordo com o próprio discurso seus comportamentos refletem os valores da organização. Os líderes bem-sucedidos expressam e endossam ativamente a crença de que todos os acidentes e doenças podem ser evitados, e de que fatalidades são inaceitáveis. Nossa expectativa é de que A Liderança Faz a Diferença, do ICMM, forneça aos gerentes de operações orientações práticas de liderança sobre a condição de iniciativas, processos e sistemas, visando a atingir a meta de zero fatalidades. Dr R. Anthony Hodge, Presidente

3 A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais 3 Embora muitas empresas do setor de metalurgia e mineração tenham implementado sistemas abrangentes de gestão de segurança, eventos fatais e potencialmente fatais continuam ocorrendo com frequência inaceitável. Este documento é destinado a gerentes de operações, e tem por objetivo fornecer uma ferramenta para ajudar a reduzir tais eventos. Uma série de lembretes autodiagnósticos, criados com base em um sistema de gerenciamento de risco internacionalmente reconhecido, pode ajudar a identificar falhas nos sistemas de gerenciamento de segurança. O texto A Liderança Faz a Diferença: Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais deve ser lido em conjunto com o relatório anterior do ICMM destinado a Executivos-Chefe e líderes corporativos, A Liderança Faz a Diferença: Eliminando Fatalidades. Ambos os relatórios fornecem recomendações em forma de checklist sobre três temas-chave: fatalidades Concentre-se em eventos de alto potencial Reconheça que as pessoas e os sistemas são falíveis Além das orientações fornecidas aqui, é preciso considerar outras questões relativas ao pessoal de contratos e ao gerenciamento de mudanças. Lembramos o leitor de que acidentes e fatalidades devem ser tratados como elementos específicos de um esforço geral para a obtenção de dano zero - uma taxa de acidentes baixa ou decrescente não garante que riscos fatais estejam sendo adequadamente gerenciados. Este relatório não é um guia abrangente sobre sistemas de segurança e gerenciamento de risco, mas acreditamos que ajudará os gerentes a usar seus processos já existentes como base para aprimorar seu gerenciamento de riscos fatais.

4 4 A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais A estrutura deste documento está de acordo com os Princípios e Orientações de Gerenciamento de Risco ISO 31000, um sistema de referência de seis etapas que fornece uma estrutura uniforme e garante que o processo será parte integral do gerenciamento, que fará parte da cultura e das práticas da operação, e que foi feito sob medida para o processo de negócios da organização. Os seis elementos são: Comunicação e consulta Estabelecer o contexto Identificação do risco Análise e avaliação do risco Tratamento do risco Monitoramento e revisão A aplicação rigorosa dessa metodologia permite tomar decisões conscientes sobre opções de tratamento de riscos em cada nível da operação. Trabalhando pelo sistema de referência de gerenciamento de risco e respondendo às perguntas colocadas em cada lembrete, o gerente de operações pode examinar os esforços atuais para eliminar fatalidades e lidar com lacunas de recursos, pessoal e sistemas continuando os esforços rumo ao objetivo de eliminar fatalidade.

5 A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais 5 Modelo para Gerenciamento de Risco Processo para Gerenciamento de Risco Estabelecendo o contexto Liderança e Comprometimento Levantament o de Riscos Assessmen Identificação do Risco Monitoramento e Revisão Comunicação e Consulta Definição do Modelo para Gerenciamento do Risco Análise do Risco Criar valores Parte integral dos processos organizacionais Parte da tomada de decisões Explicitamente focado na incerteza Sistemático, estruturado e oportuno Baseado na melhor informação disponível Feito sob medida Considerar a cultura e os fatores humanos Transparente e inclusivo Dinâmico, interativo e aberto a mudanças Facilitar a melhoria contínua e o desenvolvimento da organização. Implementação do Gerenciamento de Risco Melhoria Contínua do Modelo de Gerenciamento Monitoramento e revisão do modelo de gerenciamento de Risco Princípios para o Gerenciamento de Riscos Avaliação do Risco Tratamento do Risco Figura 1: Relações entre os princípios, o sistema de referência e o processo do gerenciamento de risco [conforme o ISO 13001]. Gerenciamento de risco Princípios e orientações ISO 31000

6 Comunicação e consulta 6 Um mecanismo para que todos os níveis da organização se envolvam na identificação de perigos e na eliminação, no controle e na mitigação de riscos fatais. Como você envolveu a capacidade operacional de diferentes níveis da organização na análise de riscos fatais? Como o mecanismo diferencia riscos fatais de riscos menos sérios? Como você sabe que o pessoal realizando a tarefa está obedecendo aos controles identificados para gerenciar possíveis riscos fatais? Como os indivíduos são responsabilizados pela implementação de controles de riscos fatais? Um sistema que forneça educação contínua sobre a prevenção de fatalidades. Quais são os sistemas que garantem que os funcionários recebam treinamento e avaliação de competência suficientes para a prevenção de fatalidades? Como você garante a educação contínua do pessoal de modo que eles entendam consistentemente os controles para a prevenção de eventos fatais? Ações de prevenção de fatalidades definidas e mensuráveis, para todos os níveis gerenciais, e que sejam comunicadas aos funcionários. Como os líderes são conscientizados de suas responsabilidades quanto à prevenção de fatalidades? Como essas responsabilidades são comunicadas aos funcionários? Quais são as métricas que medem a qualidade e a eficácia das ações empreendidas por líderes responsáveis por atividades de prevenção de fatalidades?

7 Estabelecendo o contexto 7 As pessoas certas, nos cargos certos com competências, intelecto, entusiasmo e experiência para liderar a prevenção de fatalidades. Como você garante que uma pessoa competente seja responsável pelo processo de identificação e análise de riscos, bem como pelo desenvolvimento de medidas de controle, e que essa pessoa inclui, nesse processo, pessoal adequadamente experiente? Quais são os processos para selecionar e treinar líderes, de modo a garantir que tenham as competências, as habilidades, o intelecto, o comprometimento e a experiência para eliminar os riscos fatais em sua área de responsabilidade? Um sistema que incentive relatos completos e precisos sem medo das consequências. Como você sabe que todos os eventos potencialmente fatais são relatados? Como a maneira pela qual você reage a notícias de eventos potencialmente fatais encoraja mais relatos desses eventos pelo próprio pessoal da operação? Que sistema é usado para facilitar e sustentar uma cultura de relatos aberta?

8 Identificação de riscos 8 Sistemas que capturem e classifiquem eventos que tenham alto potencial, mesmo se não houver acidente ou dano. Como o sistema captura e classifica situações de exposição a eventos com alto potencial de fatalidades? Como se determina que a metodologia aplicada em sua operação para identificar e controlar riscos fatais é apropriada e adequada? Como o sistema evita falhas comuns, como: negligenciar um risco potencialmente fatal na avaliação; manter um controle inadequado; haver manipulação dos resultados da avaliação? Um mecanismo para identificar e aprender com os erros que permita o compartilhamento regular e aberto das lições aprendidas. Quando uma ação de controle de riscos fatais falha, como a informação é compartilhada com toda a organização? Como os riscos identificados pelo programa de prevenção de fatalidades são comunicados e compartilhados com toda a organização? Como a operação relata e investiga incidentes de pequena importância, mas com potencial para consequências fatais? Como são conduzidas as ações preventivas identificadas nas investigações de eventos potencialmente fatais e como se avalia a eficácia dessas ações?

9 Análise e avaliação de riscos 9 Procedimentos abrangentes de avaliação de riscos fatais, incluindo a identificação de controles e padrões de desempenho críticos. Que metodologia de risco é usada para identificar e avaliar controles críticos de riscos fatais e definir padrões de desempenho apropriados? Que processo assegura que as estratégias e ações de prevenção de riscos fatais estejam sendo aplicadas rigorosamente por toda a operação? Iniciativas de negócios que incluam uma avaliação da contribuição para prevenção de fatalidades. Como os critérios de tolerância a riscos fatais foram desenvolvidos e como estão sendo aplicados? Quais são os processos usados para integrar decisões de prevenção de eventos fatais a iniciativas de operações? Como é medida a eficácia dos controles de riscos fatais?

10 Tratamento de riscos 10 Uso da hierarquia de controles um processo contínuo para aumentar os controles sistemáticos de riscos fatais. Como a hierarquia de controles é aplicada para reduzir riscos fatais na operação? Como os processos de planejamento e orçamento levam em conta a necessidade da implementação de controles de engenharia para reduzir riscos fatais? Que processo de educação é usado para garantir a compreensão da hierarquia de controles? O processo incentiva a designação de múltiplas camadas de controles? Critérios e processos transparentes para determinar as consequências da desobediência aos controles críticos de riscos fatais. Como você sabe que as pessoas compreendem a necessidade dos controles de riscos fatais, assim como sua responsabilidade de obedecer a eles? Que critérios e processos determinam as consequências da desobediência aos controles de riscos fatais? Esses critérios e processos são transparentes?

11 Monitoramento e avaliação 11 Indicadores de prevenção de fatalidade que possam ser medidos e que sejam regularmente revistos. Que indicadores proativos e reativos foram estabelecidos para medir atividades de prevenção de fatalidades? Como esses indicadores são monitorados e avaliados, e como as ações são transformadas em medidas de prevenção de fatalidades? Como fontes externas são usadas como referência para validar controles e premissas acerca da prevenção de fatalidades? Investigação, análise e comunicação de qualidade sobre os fatores causais e o controle de eventos efetivamente arriscados, bem como de alto potencial de risco. Como se avalia a qualidade das investigações e da análise de causa de eventos potencialmente fatais? Qual é o processo que garante que os achados da investigação serão inseridos no programa de prevenção de fatalidades? Como você assegura a investigação de eventos efetivamente arriscados, bem como de alto potencial de risco, por colaboradores independentes? Um processo de verificação para validar a existência de controles críticos e que estes fornecem o benefício desejado a nossos funcionários. Qual é o processo para verificar se os controles críticos identificados em avaliações de risco fatal estão fornecendo a proteção desejada contra eventos fatais?

12 Hierarquia de controles Eliminação Substituição Mais eficaz em eliminar/ controlar perigos e riscos Isolamento Engenharia Administração Equipamentos de Proteção Individual Menos eficaz em eliminar/ controlar perigos e riscos O Conselho Internacional de Mineração e Metais (ICMM) é um grupo liderado por diretores executivos que trata de prioridades-chave e questões emergentes dentro da indústria. Tem por objetivo desempenhar um papel de liderança na promoção de boas práticas e desempenho melhorado, e incentiva uma consistência maior de abordagem, em âmbito nacional e entre diferentes commodities, através de seus membros e empresas associadas. ICMM 35/38 Portman Square, Londres W1H 6LR Reino Unido A visão do ICMM é ter um setor respeitado de mineração e metais, que seja reconhecido amplamente como essencial para a sociedade e como colaborador-chave para o desenvolvimento sustentável. Tel: +44 (0) Fax: +44 (0)

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade significa negócios Igualdade significa Negócios Igualdade significa Negócios da Mulheres Princípios de Emponderamento

Leia mais

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo.

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. Nesta aula veremos o resumo de: O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. 1 VÍDEO 2 O INTRA-EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO 1 AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO Giovanni Moraes de Araújo Mestre em Sistema de Gestão pela UFF giomor@terra.com.br RESUMO Este trabalho tem por objetivo destacar

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC CONDUZINDO E EXPANDINDO NOSSOS NEGÓCIOSDE UMA MANEIRA RESPONSÁVEL E SUSTENTÁVEL HSEC APPROACH INTRODUCAO SOBRE NÓS A Trafigura é líder no mercado global de commodities. Suprimos,

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Princípios de Empoderamento das Mulheres

Princípios de Empoderamento das Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade Significa Negócios Princípios de Empoderamento das Mulheres 1. Estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de Gênero, no mais alto nível. 2.

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 NORMAS ABNT ISSO/IEC 27001 E 27002 (Antiga ISSO/IEC 17799) A norma ISO/IEC 27001. A norma ISO/IEC

Leia mais

Transformando a TI de uma agência governamental em ágil

Transformando a TI de uma agência governamental em ágil Transformando a TI de uma agência governamental em ágil Gavin Martin O governo é composto de programas independentes que, por causa de sua organização, inibem cadeias de valor eficientes. Por minha experiência,

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Material didático ESR

Material didático ESR Material didático ESR 1 Sessão de aprendizagem 1 Modelo de conteúdo do material didático 2 Jean Caminha Introdução 3 A ação e interação dos objetivos com as incertezas originam ao risco, que se apresenta

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Liderança, Cultura e Segurança

Liderança, Cultura e Segurança Liderança, Cultura e Segurança Uma Introdução à Abordagem Liderando Com Segurança (LWS ) da BST A obtenção de melhores resultados em segurança está associada à capacidade da organização de conectar as

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Planejando a melhoria de desempenho

Planejando a melhoria de desempenho 10Minutos Auditoria Interna Estudo sobre a situação da profissão de auditoria interna Planejando a melhoria de desempenho Setembro 2014 Destaques A auditoria interna deve estar alinhada com as expectativas

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

Versão 2 Março 2009 Final

Versão 2 Março 2009 Final Versão 2 Março 2009 Final PADRÃO PARA GESTÃO AMBIENTAL ÍNDICE VOLUME 1: NORMA PARA SISTEMA DE GESTÃO INTRODUÇÃO 3 GESTÃO AMBIENTAL NA ANGLO AMERICAN 5 NOSSA VISÃO 5 NOSSOS PRINCÍPIOS 5 NOSSA POLÍTICA

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

GTI Governança de TI. GTI como Ativo Estratégico. GTI - Um Ativo Estratégico 1

GTI Governança de TI. GTI como Ativo Estratégico. GTI - Um Ativo Estratégico 1 GTI Governança de TI GTI como Ativo Estratégico GTI - Um Ativo Estratégico 1 GTI Um Ativo Estratégico Para pensar: Os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos pelo mesmo nível

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Apresentação dos Resultados

Apresentação dos Resultados Fórum Internacional sobre Responsabilização e Transparência no Setor Público Apresentação dos Resultados Evelyn Levy Secretária de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - Brasil Grupo

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Abordagem comportamental na gestão de Segurança

Abordagem comportamental na gestão de Segurança Abordagem comportamental na gestão de Segurança Experiência DuPont 14 de junho 2012 Palestrante Mário Rabello Objetivo Compartilhar com o plenário a abordagem e algumas técnicas que a DuPont utiliza na

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins meramente informativos. É proibida a reprodução total ou

Leia mais

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers

Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings ALSHOP Questões jurídicas e de riscos referentes aos processos de licenciamento e operação de Shoppings Centers São Paulo, 26 de julho de 2012 Marcelo Drügg

Leia mais

Prof. Guido Carim Júnior

Prof. Guido Carim Júnior Sistema de Gestão da Segurança Operacional (SGSO) : fundamentos e requisitos Prof. Guido Carim Júnior 28 de maio de 2010 Objetivo Apresentar os fundamentos de um sistema de gestão (de segurança) como meio

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Indicadores Gestão da Ética

Indicadores Gestão da Ética Indicadores Gestão da Ética Identificação Segmento: Diversos Resultados Sua Pontuação: 0 Sua Avaliação: INICIANTE Descrição: A empresa utiliza muito pouco ou praticamente nenhuma ferramenta de gestão de

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

OHSAS 18002 Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional - Diretrizes para a implementação da OHSAS 18001

OHSAS 18002 Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional - Diretrizes para a implementação da OHSAS 18001 OHSAS 18002 Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional - Diretrizes para a implementação da OHSAS 18001 1 / 42 ÍNDICE Prefácio 1 Objetivo e campo de aplicação 2 Publicações de referência. : 3

Leia mais

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade brasileira Identificar os compromissos da ANAC relacionados

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG)

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) o Tel. (11) 3895-8590 premiodeexcelencia@revistaminerios.com.br

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO 4 A ESTRUTURA DE SEGURANÇA NA ANGLO 5 SEGURANÇA NA ANGLO AMERICAN 6 LIDERANÇA VISÍVEL E PERCEBIDA 7

ÍNDICE INTRODUÇÃO 4 A ESTRUTURA DE SEGURANÇA NA ANGLO 5 SEGURANÇA NA ANGLO AMERICAN 6 LIDERANÇA VISÍVEL E PERCEBIDA 7 Versão 2 Dezembro de 2007 SAFETY MANAGEMENT SYSTEM STANDARDS THE ANGLO SAFETY WAY ÍNDICE INTRODUÇÃO 4 A ESTRUTURA DE SEGURANÇA NA ANGLO 5 SEGURANÇA NA ANGLO AMERICAN 6 LIDERANÇA VISÍVEL E PERCEBIDA 7

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS VISÃO GERAL DE CAPACIDADES SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS AT-RISK International oferece Análise de Riscos, Proteção, Consultoria, Investigações e Treinamento em Segurança, nas Américas,

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS AGI.01 1ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. INTRODUÇÃO... 2 3. ABRANGÊNCIA E APLICABILIDADE... 2 4. PRINCÍPIOS GERAIS... 2 5. COLABORADORES... 3 A Conduta Pessoal e Profissional... 3 B Condutas não Aceitáveis...

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Aula Anterior. Capítulo 2

Aula Anterior. Capítulo 2 Capítulo 2 Clique Ciclo para de Vida editar e o estilo do Organização título do mestre Projeto O Ciclo de vida do projeto Características do ciclo de vida do projeto Relações entre o ciclo de vida do projeto

Leia mais

ORGANIZATI ONAL AGILITY

ORGANIZATI ONAL AGILITY PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO A VANTAGEM COMPETITIVA DO GERENCIAMENTO EFICAZ DE TALENTOS ORGANIZATI ONAL ORGANIZATI ONAL AGILITY AGILITY MARÇO DE 2013 Estudo Detalhado Pulse of the Profession

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS Francesco De Cicco Abril, 2012 A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS AGENDA A nova definição de Risco e sua importância para as organizações. Os novos documentos internacionais e brasileiros de referência em

Leia mais