Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais."

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO DO SCO

2 Conceito de SCO O Sistema de Comando em Operações é uma ferramenta gerencial para planejar, organizar, dirigir e controlar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo um meio de articular os esforços de agências individuais quando elas atuam com o objetivo comum de estabilizar uma situação crítica e proteger vidas, propriedades e o meio ambiente.

3 Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

4 Origem do SCO: O Incident Command System O Incident Command System foi desenvolvido como um modelo de comando, controle e coordenação de recursos e pessoal na cena de emergências. (FEMA, 1992) Capitão PMSC ARAÚJO GOMES

5 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ICS Origem na Califórnia

6 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ICS Consolidação: NIIMS; NFA; NFPA 1561; OSHA ; SARA de 1986 EPA; International Maritime Organization; IACP E CALEA. Capitão PMSC ARAÚJO GOMES

7 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ICS Sistema Nacional de Gerenciamento de Incidentes (National Incident Management System NIMS) Os atentados terroristas ocorridos nos Estados Unidos da América em 11 de setembro de 2001 representam uma data emblemática para a consolidação do uso do ICS em todo o país.

8 Sistema de Comando em Operações

9 Princípios do SCO O ICS representou para a sua época a concretização de alguns conceitos e princípios bastante avançados, que continuam a ser relevantes até hoje e são mantidos no SCO. O principal deles é a abordagem sistêmica às operações desenvolvidas em resposta a incidentes reconhecidamente complexos, contrapondo o paradigma da prevalência do planejamento prévio e específico pa ra cada cenário de risco. O segundo é a abordagem contingencial em relação à estrutura organizacional proposta, capaz de se expandir e diminuir diante dos estímulos do ambiente externo e interno, cujo controle é garantido por cadeias de garantia de comunicação

10 DEPARTAMENTO ESTADUAL DE DEFESA CIVIL PROJETO SCO Princípios do SCO Autonomia das agências Administração por Objetivos Integridade das unidades Clareza funcional Concepção para todas as emergências Capitão Araújo Gomes

11 Então o que é o SCO?

12 Então o que é o SCO Assim como o ICS, O SCO não é apenas um organograma ou um plano de contingência! Nem apenas uma estrutura física ou tecnológica de posto de comando!

13 Então o que é o SCO O SCO É UMA FERRAMENTA GERENCIAL

14 Então o que é o SCO QUE UTILIZA UM CONJUNTO DE PRINCÍPIOS E REGRAS PREVIAMENTE CONHECIDOS, ACEITOS E TREINADOS

15 Então o que é o SCO Para planejar, organizar, dirigir e controlar operações, principalmente quando envolvem múltiplas agências, jurisdições ou equipes!

16 APLICAÇÃO DO SCO Pela sua característica, o SCO se propõe a ser utilizável para qualquer composição de incidentes, incluindo incidentes com o envolvimento de: Várias configurações de agências, jurisdições e equipes; Vários tipos de incidentes; Operações com ou sem planejamento prévio.

17 Características do SCO estrutura modular e flexível; comando único ou comando unificado transferência de comando; cadeia e unidade de comando; administração por objetivos; uso de planos de ação do incidente; mobilização; controle de pessoal; amplitude de controle gerenciável; gerenciamento de recursos; comunicações integradas; terminologia comum; nomenclatura de locais e instalações pré-definidas; gerenciamento de informações e inteligência; uso de formulários padronizados.

18 Estrutura modular e flexível O SCO prevê uma série de funções previamente definidas e padronizadas

19 Estrutura modular e flexível Na verdade é um organograma grande e com muitas funções. Comando Porta-voz Ligações Segurança Secretaria Operações Planejamento Logística Administração Controlador Recursos Desmobilização Serviços Suporte Emprego Compras Situação Documentação Comunicação Suprimento Custos Setor Seção Unidade Especialistas Especialistas Medica Instalação Unidade Alimentação Apoio a unidades Unidade

20 Estrutura modular e flexível Entretanto, a estrutura é implementada top down, conforme a necessidade da situação e a disponibilidade de recursos, a partir das primeiras unidades que respondem.

21 Estrutura modular e flexível Parece difícil, ou mesmo desnecessário implementar todas estas funções em todas as operações... Comando Porta-voz Ligações Segurança Secretaria Operações Planejamento Logística Administração Controlador Recursos Desmobilização Serviços Suporte Emprego Compras Situação Documentação Comunicação Suprimento Custos Setor Seção Unidade Especialistas Especialistas Medica Instalação Unidade Alimentação Apoio a unidades Unidade

22 Estrutura modular e flexível... e realmente seria! Comando Porta-voz Ligações Segurança Secretaria Operações Planejamento Logística Administração Controlador Recursos Desmobilização Serviços Suporte Emprego Compras Situação Documentação Comunicação Suprimento Custos Setor Seção Unidade Especialistas Especialistas Medica Instalação Unidade Alimentação Apoio a unidades Unidade

23 Estrutura modular e flexível COMANDO COMANDO RECURSOS OPERACIONAIS

24 Estrutura modular e flexível COMANDO Comando da Operação OPERAÇÕES Chefe da seção de Operações Recurso Operacional A B Setores Seções Recurso Operacional

25 Estrutura modular e flexível Setor Setor Seção Seção Operações Operações Unidade Unidade Unidade Unidade Unidade Unidade Recursos Recursos Planejamento Planejamento Desmobilização Desmobilização Situação Situação Documentação Documentação Logística Logística Suprimento Suprimento Instalação Instalação Administração Administração Emprego Emprego Compras Compras Custos Custos Comando Comando Porta-voz Porta-voz Ligações Ligações Segurança Segurança Comunicação Comunicação Medica Medica Alimentação Alimentação Serviços Serviços Suporte Suporte Apoio a unidades Apoio a unidades Especialistas Especialistas Especialistas Especialistas Secretaria Secretaria Controlador Controlador

26 Estrutura modular e flexível Porta voz Segurança Ligações Secretaria Operações Planejamento Logística Administração Controlador Recursos Situação Documentação Segurança Porta-voz Serviços Comunicação Médico Alimentação Suprimento Instalações Apoio Un Emprego Operações Logística Controlador

27 Estrutura modular e flexível Operações Operações Recursos Recursos Planejamento Planejamento Desmobilização Desmobilização Situação Situação Documentação Documentação Logística Logística Suprimento Suprimento Instalação Instalação Administração Administração Emprego Emprego Compras Compras Custos Custos Comando Comando Porta-voz Porta-voz Ligações Ligações Segurança Segurança Comunicação Comunicação Medica Medica Alimentação Alimentação Serviços Serviços Suporte Suporte Apoio a unidades Apoio a unidades Especialistas Especialistas Especialistas Especialistas Secretaria Secretaria Controlador Controlador

28 Porta-voz Porta-voz Estrutura modular e flexível Operações Operações Recursos Recursos Planejamento Planejamento Desmobilização Desmobilização Situação Situação Documentação Documentação Logística Logística Suprimento Suprimento Instalação Instalação Administração Administração Emprego Emprego Compras Compras Custos Custos Comando Comando Ligações Ligações Segurança Segurança Comunicação Comunicação Medica Medica Alimentação Alimentação Serviços Serviços Suporte Suporte Apoio a unidades Apoio a unidades Especialistas Especialistas Especialistas Especialistas Secretaria Secretaria Controlador Controlador

29 COMANDO A B A B Setor Setor Seção Seção Operações Operações Unidade Unidade Unidade Unidade Unidade Unidade Recursos Recursos Planejamento Planejamento Desmobilização Desmobilização Situação Situação Documentação Documentação Logística Logística Suprimento Suprimento Instalação Instalação Administração Administração Emprego Emprego Compras Compras Custos Custos Comando Comando Porta-voz Porta-voz Ligações Ligações Segurança Segurança Comunicação Comunicação Medica Medica Alimentação Alimentação Serviços Serviços Suporte Suporte Apoio a unidades Apoio a unidades Especialistas Especialistas Especialistas Especialistas Capitão PMSC ARAÚJO GOMES Secretaria Secretaria Controlador Controlador COMANDO A B A B Setor Setor Seção Seção Operações Operações Unidade Unidade Unidade Unidade Unidade Unidade Recursos Recursos Planejamento Planejamento Desmobilização Desmobilização Situação Situação Documentação Documentação Logística Logística Suprimento Suprimento Instalação Instalação Administração Administração Emprego Emprego Compras Compras Custos Custos Comando Comando Porta-voz Porta-voz Ligações Ligações Segurança Segurança Comunicação Comunicação Medica Medica Alimentação Alimentação Serviços Serviços Suporte Suporte Apoio a unidades Apoio a unidades Especialistas Especialistas Especialistas Especialistas Capitão PMSC ARAÚJO GOMES Secretaria Secretaria Controlador Controlador Estrutura modular e flexível

30 Comando único ou unificado agência1 Postode Comando agência2 agência3 Comando Comando Comando Comando único: nico: em que apenas uma pessoa, representando sua agência, assume o comando da operação como um todo, sendo responsável pelo direcionamento de todas as atividades relativas ao incidente. O uso do comando único ocorre quan do apenas uma agência responde ao incidente ou quando uma agência específica é responsável primária pelo incidente com as demais apenas apoiando suas ações. Comando unificado: é utilizado para uma abordagem cooperativa no comando de uma operação onde o SCO é implementado, baseado na participação de representantes das equipes, jurisdições ou agências envolvidas no incidente quando mais de uma delas tem participação destacada na operação ou é especialmente impactada pelo incidente e as atividades de resposta.

31 Transferência de comando No SCO o princípio de implementação do topo para a base depende de que alguém entre os primeiros a chegarem na operação ative a função comando, assumindo o comando da operação como um todo e estruturando a partir daí o restante do sistema. Entretanto, nem sempre esta pessoa será a mais indicada para comandar a operação durante toda sua duração, e o comando precisará ser transferido. Capitão Araújo Gomes

32

33 Cadeia e unidade de comando Cadeia de comando significa que há uma linha de autoridade ordenada dentro dos níveis estabelecidos pelo sistema, conectando e subordinando os níveis mais inferiores aos mais elevados; Unidade de comando significa que cada indivíduo está designado para apenas um supervisor a quem se reporta na operação. Autoridade

34 Administração Por Objetivos Utilizando a administração por objetivos o comando vai identificar as legislações, políticas e orientações existentes; avaliar o incidente; estabelecer objetivos gerais para a operação; selecionar as estratégias adequadas para atingir os objetivos; direcionar as ações táticas, escolhendo as táticas apropriadas às estratégias, alocando os recursos necessários e monitorando o desempenho; providenciar as melhorias necessárias, alterando estratégias e táticas, realocando recursos, etc.

35 APO e uso de planos de ação únicos para a operação; Comando Objetivos Estratégias Recursos Estrutura

36 Controle de pessoal Mobilização, Unidade de comando, Amplitude de controle, Registro de recursos, Plano de ação.

37 Amplitude de controle gerenciável O número de pessoas ou recursos sob a responsabilidade de um supervisor deve ser compatível com a sua capacidade de gerenciá-los. Não deve, em princípio, ser inferior a três nem superior a sete.

38 Gerenciamento de recursos O SCO gerencia os recursos agrupando-os em duas grandes categorias: Recursos táticos t ticos ou operacionais. São unidades em condições de emprego operacional, incluindo as pessoas e os equipamentos necessários. Recursos logísticos sticos. São todos os outros recursos necessários para dar suporte às operações: alimentação, comunicações, equipamentos, materiais, etc.

39 Comunicações integradas O plano de integração de comunicações deve, segundo a recomendação do SCO, incluir três elementos: equipamentos que serão utilizados; planejamento do uso dos equipamentos disponíveis; e redes com procedimentos para a transferência interna e externa de informações.

40 Terminologia comum O SCO estabelece o uso de uma terminologia comum a fim de permitir que diferentes agências trabalhem em conjunto em praticamente qualquer tipo de incidente. Esta terminologia comum deve incluir: Funções organizacionais. Descrição dos recursos. Instalações do incidente.

41 Nomenclatura de locais e instalações pré-definidas Posto de Comando do Incidente Base Área de reunião Campo

42 Posto De Comando Capitão Araújo Gomes

43 Posto de Comando Básico Capitão Araújo Gomes

44 Posto de Comando Básico Capitão Araújo Gomes

45 Posto de Comando

46 Posto de Comando

47 Posto de Comando Capitão Araújo Gomes

48 Posto de Comando Capitão Araújo Gomes

49 Posto de Comando

50 Posto de Comando Capitão Araújo Gomes

51 Posto de Comando

52 Capitão Araújo Gomes

53 Posto de Comando Capitão Araújo Gomes

54 Posto de Comando Capitão Araújo Gomes

55 Área de Reunião

56 Área de reunião Área de reunião Área quente Posto de comando Capitão Araújo Gomes

57 Área de Reunião Capitão Araújo Gomes

58 Área de Reunião Capitão Araújo Gomes

59 Posto de Comando Área de Reunião Controlador Área de Reunião Capitão Araújo Gomes

60 Área de Reunião Capitão Araújo Gomes

61 Área de Reunião Capitão Araújo Gomes

62 Área de Reunião Capitão Araújo Gomes

63 Área de Reunião Capitão Araújo Gomes

64 Área de Reunião Capitão Araújo Gomes

65 Área de Reunião Capitão Araújo Gomes

66 Terminologia comum O SCO estabelece o uso de uma terminologia comum a fim de permitir que diferentes agências trabalhem em conjunto em praticamente qualquer tipo de incidente. Esta terminologia comum deve incluir: Funções organizacionais. Descrição dos recursos. Instalações do incidente.

67 uso de formulários padronizados. O SCO utiliza formulários previamente padronizados para a formalização das comunicações, consolidação de planos e registro de informações no decorrer de uma operação. O formato dos formulários, além do seu fluxo previamente determinado, estabelece os canais de comunicação vertical e horizontal do sistema, consolidando fluxos.

68 Quando o SCO pode ser utilizado Pela sua característica, o SCO se propõe a ser utilizável para qualquer composição de incidentes, Além disso, é adequado para a resposta a incidentes envolvendo diversos tipos de incidentes, Finalmente, é importante destacar que o SCO pode ser utilizado em operações com diferentes graus de planejamento prévio.

69 Sistema de Comando em Operações

70

71 ASSUNTO Apresenta o Sistema de Comando em Operações, abordando a sua história, os conceitos, os princípios e as características OBJETIVO Ao final desta lição o participante deverá ser capaz de: Conceituar SCO; Descrever os princípios do SCO; Descrever as principais características do SCO; Identificar situações em que o SCO pode ser utilizado. INSTRUTOR:

72 APRESENTAÇÃO DO SCO Capitão PMSC ARAÚJO GOMES

73 CAPACITAÇÃO PARA O SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES Capitão PMSC ARAÚJO GOMES

Emergências Ambientais e o Papel da Defesa Civil

Emergências Ambientais e o Papel da Defesa Civil DEFESA CIVIL MINAS GERAIS SEMPRE PRESENTE Emergências Ambientais e o Papel da Defesa Civil Semana de Produção e Consumo Sustentável FIEMG / 2014 Cidades Resilientes CONCEITO DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES

A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES GESTÃO DE DESASTRES A expressão gestão de desastres foi recentemente conceituada pela Estratégia Internacional para a Redução de Desastres,

Leia mais

A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes

A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes CURSO LÍDERES- CURSO INTERNACIONAL EM SAÚDE, DESASTRES E DESENVOLVIMENTO A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes David Rodrigues dos Santos Capitão Bombeiro Militar M.Sc em Desenvolvimento

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Outras Ferramentas da Equipe de Gerenciamento de Emergências da Instalação. Tópicos a Serem Abordados Durante O Resumo Inicial

Outras Ferramentas da Equipe de Gerenciamento de Emergências da Instalação. Tópicos a Serem Abordados Durante O Resumo Inicial Anexo 7 Outras Ferramentas da Equipe de Gerenciamento de Emergências da Instalação Tópicos a Serem Abordados Durante O Resumo Inicial Realizado pelo Gerente de Instalação Terrestre ou Marítima (OIM) Esclarecer

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS E PLANOS DE CONTINGÊNCIA Professor: Hêlbert A Continuidade de Negócios tem como base a Segurança Organizacional e tem por objeto promover a proteção

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Prof. JUBRAN. Aula 1 - Conceitos Básicos de Sistemas de Informação

Prof. JUBRAN. Aula 1 - Conceitos Básicos de Sistemas de Informação Prof. JUBRAN Aula 1 - Conceitos Básicos de Sistemas de Informação Conhecimento em Sistemas de Informação Os filósofos tentam há séculos definir dados ou fatores, informação e conhecimento. Seus resultados

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00413 de 30 de setembro de 2014

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00413 de 30 de setembro de 2014 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00413 de 30 de setembro de 2014 Dispõe sobre a aprovação do Documento Acessório Diferenciado "Política de Gestão de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo XI Comunicações

Gerenciamento de Projetos Modulo XI Comunicações Gerenciamento de Projetos Modulo XI Comunicações Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. 06/IN01/DSIC/GSIPR 01 11/NOV/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA

Leia mais

UNIDADE VI - Planejamento e Controle de Projetos

UNIDADE VI - Planejamento e Controle de Projetos UNIDADE VI - Planejamento e Controle de Projetos Características do Planejamento e Controle Tarefas do Planejamento e Controle Processo de Planejamento e Controle de Projetos Técnicas e Ferramentas de

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 2 INTRODUÇÃO A cada dia que passa, cresce a pressão pela liberação para uso de novas tecnologias disponibilizadas pela área de TI, sob o argumento

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES PROFESSOR EDÉSIO ANTÔNIO JUNGLES, DR

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES PROFESSOR EDÉSIO ANTÔNIO JUNGLES, DR UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROFESSOR LUCIO BOTELHO, DR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES PROFESSOR EDÉSIO ANTÔNIO JUNGLES, DR SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA

Leia mais

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula IX - 28/04/2011

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula IX - 28/04/2011 Disciplina: Administração de Departamento de TI Professor: Aldo Rocha Aula IX - 28/04/2011 INTRODUÇÃO A ITIL 1.História da ITIL; 2. Composição da ITIL; 3. Gerenciamento de processos; 4.Modelo de referência

Leia mais

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa - Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa A teoria clássica

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Sistemas de Apoio a Decisão

Sistemas de Apoio a Decisão Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Sistemas de Apoio a Decisão DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão O QUE É UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO?

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto. Equipe do Projeto. 9. Gerenciamento de recursos humanos do projeto

Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto. Equipe do Projeto. 9. Gerenciamento de recursos humanos do projeto Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto Equipe do Projeto 9. Gerenciamento de recursos humanos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 9.1 Planejamento organizacional 9.1 Planejamento de recursos humanos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, no

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES

SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES Secretaria Nacional de Defesa Civil SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES GUIA DE CAMPO 1 Comentários Por favor, apresente suas observações sobre este manual ao Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000. LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000. LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Esta seção agrupa os componentes relacionados ao sistema de governo da Organização, aos aspectos

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto 4. Gerenciamento de integração do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto 4.2 Desenvolver

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Participação Critérios de participação - Elegibilidade Procedimento para participar da chamada: Número de propostas/aplicações

Participação Critérios de participação - Elegibilidade Procedimento para participar da chamada: Número de propostas/aplicações Campanha Mundial "Construindo Cidades Resilientes: Minha cidade está se preparando! Plataforma Temática sobre Risco Urbano nas Américas Chamada sobre boas práticas e inovação no uso de Sistemas de Informação

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Gerenciamento de Desastres

Gerenciamento de Desastres M A N U A L Gerenciamento de Desastres Sistema de Comando em Operações O48l Oliveira, Marcos de. Livro Texto do Projeto Gerenciamento de Desastres - Sistema de Comando de Operações / Marcos de Oliveira.

Leia mais

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011 Disciplina: Administração de Departamento de TI Professor: Aldo Rocha Aula III - 25/08/2011 ITIL 1.A Central de Serviços; 1.1 Necessidade da Central de Serviços; 1.2 Dilema do Suporte; 1.3 Evolução do

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Gerenciamento de Níveis de Serviço

Gerenciamento de Níveis de Serviço Gerenciamento de Níveis de Serviço O processo de Gerenciamento de Níveis de Serviço fornece o contato entre a organização de TI e o cliente, para garantir que a organização de TI conhece os serviços que

Leia mais

Material didático ESR

Material didático ESR Material didático ESR 1 Sessão de aprendizagem 1 Modelo de conteúdo do material didático 2 Jean Caminha Introdução 3 A ação e interação dos objetivos com as incertezas originam ao risco, que se apresenta

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

Tecnologia em Redes de Computadores. Gestão de Redes de Computadores. Introdução. Edivaldo de Araújo Pereira

Tecnologia em Redes de Computadores. Gestão de Redes de Computadores. Introdução. Edivaldo de Araújo Pereira Tecnologia em Redes de Computadores Introdução Edivaldo de Araújo Pereira Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas e de Tecnologia Sumário Introdução Conceitos Fundamentais Redes de Computadores

Leia mais

Governança de TI B Aula 02

Governança de TI B Aula 02 Prof. Tiago Aguirre 1 Governança de TI B Aula 02 Objetivos da Aula Revisar e aprofundar os fatos motivadores e objetivos da Governança de TI Entender como atender as regulamentações de Compliance Fatores

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios:

1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios: 1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

Este Manual aplica-se a todos os Usuário de T.I. do Ministério Público de Goiás. ATIVIDADE AUTORIDADE RESPONSABILIDADE Manter o Manual Atualizado

Este Manual aplica-se a todos os Usuário de T.I. do Ministério Público de Goiás. ATIVIDADE AUTORIDADE RESPONSABILIDADE Manter o Manual Atualizado Versão 01 - Página 1/8 1 Objetivo Orientar o usuário de T.I. a solicitar atendimento. Mostrar o fluxo da solicitação. Apresentar a Superintendência 2 Aplicação Este Manual aplica-se a todos os Usuário

Leia mais

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 12 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS: Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. Definir responsabilidade e autoridade e suas implicações especialização,

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

Sociedade da Informação

Sociedade da Informação Sociedade da Revolução Tecnológica Revolução industrial: ampliação dos músculos m dos homens em forma de equipamentos Mecanização ão. Responsável por mudanças as nas formas de produção existentes Revolução

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006. Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PAS 99:2006 Especificação de requisitos comuns de sistemas de gestão como estrutura para a integração RESUMO/VISÃO GERAL (visando à fusão ISO 31000

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 4º Encontro - 27/02/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - ATIVIDADES DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Auditoria da Tecnologia da Informação Auditoria da Tecnologia da Informação A Auditoria da TI é uma auditoria operacional, analisa a gestão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 2 INFRAESTRUTURA DE TI Para garantir o atendimento às necessidades do negócio, a área de TI passou a investir na infraestrutura do setor, ampliando-a,

Leia mais

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos www.tecnologiadeprojetos.com.br Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos Eduardo F. Barbosa Dácio G. Moura Material didático utilizado na disciplina Desenvolvimento de

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS

O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS Ten Cel BM QOC/91 André Luiz Teixeira Morgado Comandante do Grupamento de Operações com Produtos Perigosos - GOPP Conhecer o ICS; Finalidade da Palestra Assegurar

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

Fayol e a Escola do Processo de Administração

Fayol e a Escola do Processo de Administração CAPÍTULO 4 Fayol e a Escola do Processo de Administração Empresa Função de Administração Função Comercial Função Financeira Função de Segurança Função de Contabilidade Função Técnica Planejamento Organização

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS

ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS ORGANOGRAMAS E FLUXOGRAMAS Rodrigo Müller rodrigo.muller@ufpr.br O ambiente competitivo atual faz com que as organizações busquem cada vez mais as melhorias contínuas em seus processos, produtos e serviços.

Leia mais