PET-CT INTRODUÇÃO 1/10

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PET-CT INTRODUÇÃO 1/10"

Transcrição

1 PET-CT Apresentador: Caio Plopper Debatedor dos aspectos favoráveis: Raquel Ajub Moyses Debatedor dos aspectos desfavoráveis: Priscila Pereira Costa de Araujo Moderador: Pedro Michaluart Junior Relator: Luiz Paulo Kowalski INTRODUÇÃO Caio Plopper apresentou as bases físicas da emissão de pósitrons. Basicamente o deslocamento positrônico em tecidos depende da energia cinética do pósitron e da densidade do tecido. A tomografia por emissão de pósitrons (Positron Emission Tomography - PET) é um método diagnóstico metabólico que se baseia na detecção dos dois fótons gama diametralmente opostos originados da desintegração de isótopos radiativos produzidos em um acelerador de partículas ou ciclotron. Os isótopos assim produzidos têm meia vida curta, destacando-se aqueles de importância médica por serem a base da síntese de moléculas orgânicas: C 11, 20,4 minutos; N 13, 9,97 minutos; O 15, 122 segundos; F 18, 110 minutos. Utilizam-se esses isótopos na síntese de radiofármacos ativos que administrados por via endovenosa, permitem a obtenção de imagens com finalidade diagnóstica. Dada a meia vida curta dos isótopos, eles obrigatoriamente devem ser produzidos em locais próximos dos equipamentos em que serão utilizados. As imagens obtidas em equipamentos de PET são pouco nítidas. Para uma melhor definição anatômica o equipamento de PET é acoplado a um tomógrafo computadorizado (CT), permitindo a obtenção tanto das imagens metabólicas como das anatômicas acopladas e com maior resolução (PET-CT) (12). Células tumorais malignas têm aumento da expressão dos receptores transportadores de glicose (Gluts) e consequentemente captam mais fácil e rapidamente esta substância. A F 18 -FDG (F 18 -fluoro-deoxi-d-glicose) tem metabolismo análogo ao da glicose é o radiofármaco mais utilizado na oncologia por ser lentamente fosforilada e fixar-se nas células neoplásicas. As neoplasias malignas (assim como cérebro, coração, rins e tecidos inflamados) concentram F 18 -FDG. Embora a atividade muscular seja habitualmente baixa, tanto a deglutição como a fonação podem levar a resultados falso-positivos em PET-CT. Também tonsilas palatinas e musculatura ocular extrínseca apresentam captação fisiológica. 1/10

2 Em tumores malignos a atividade metabólica é maior que nos tecidos normais, consequentemente neles a concentração de F 18 -FDG encontra-se aumentada. A maior concentração local de F 18 -FDG associa-se a tumores mais indiferenciados e de pior prognóstico, assim como, a sua presença após tratamento sugere fortemente persistência ou recorrência tumoral. Nos tumores a concentração de F 18 -FDG é proporcional a sua atividade metabólica, que é quantificada pelo valor de captação padronizado (standardized uptake value, SUV). O SUV é obtido pela expressão: SUV = ACvoi/(Atividade/Peso), onde ACvoi é a concentração medida (em MBq/ml) no volume desenhado, aplicando-se um coeficiente de conversão sobre a densidade de contagens. Como regra geral os tumores de baixa proliferação ou os necróticos após tratamento não concentram o radiofármaco. A glicemia ideal para realização do exame é de 70 a 110mg/dl, devendo-se evitar a ingestão calórica por 4 a 5 horas antes para inibir a captação competitiva com a F 18 -FDG. Deve-se evitar ainda o uso de insulina porque ela aumenta a captação de F 18 -FDG pela musculatura. Após a administração do radiofármaco recomenda-se 40 a 45 minutos em repouso. ASPECTOS FAVORÁVEIS DO PET-CT Raquel Ajub Moysés apresentou extensa revisão de literatura apontando aspectos favoráveis ao emprego de PET-CT em pacientes com neoplasias de cabeça e pescoço, focando em carcinomas epidermóide e indiferenciado de vias aerodigestivas superiores em de tireóide. Aplicações em diagnóstico Em carcinoma epidermóide de vias aerodigestivas superiores o PET-CT pode ser útil no estadiamento de pacientes sem linfonodos cervicais clinicamente evidentes (cn0). Uma meta-análise (13) compara este com outros métodos. Apesar do custo mais elevado do exame ele permite a detecção de doença não suspeita clinicamente em linfonodos retrofaríngeos, eventuais outros tumores primários sincrônicos e metástases a distância, particularmente em tumores da nasofaringe. Outra situação onde o exame parece ser útil é na investigação diagnóstica em pacientes com metástases cervicais com tumor primário oculto. O tumor oculto pode ser identificado em até 25% dos casos 2/10

3 em que exames convencionais e panendoscopia foram negativos, além de poder orientar locais para biopsias. Aplicações no planejamento de tratamento Uma aplicação importante do PET-CT é no planejamento da radioterapia exclusiva ou pós-operatória. O exame permite reduzir a variabilidade inter-observadores no delineamento do tumor. Hoje em muitos centros de excelência utiliza-se radioterapia guiada por PET-CT (2,5,20). Aplicações em avaliação de resposta ao tratamento A avaliação de resposta terapêutica, particularmente em pacientes submetidos a quimioterapia de indução pode ser útil para o prosseguimento do plano terapêutico. Também pode ser utilizado ao final do tratamento para avaliação de resposta em linfonodos clinicamente estadiados como cn2-n3. O PET-CT tem maior sensibilidade que os outros métodos, reduzindo em 75% a indicação de esvaziamento cervical pós tratamento radioquimioterápico. Indicado de preferência cerca de 12 semanas após o término do tratamento, permite avaliação da presença e viabilidade de lesão residual no local primário e em linfonodos cervicais (2). Aplicações em doenças tireoideanas Incidentalomas são diagnosticados em 2 a 4% dos pacientes submetidos a PET CT. Um SUV elevado é considerado um bom preditor de malignidade nestes casos. Outra aplicação potencialmente relevante é na avaliação de lesões suspeitas pela ultrassonografia e punção aspirativa com agulha fina (PAAF) (4). Diversos estudos mostram que carcinomas bem diferenciados de tireóide podem sofrer desdiferenciação, o que prediz maior agressividade tumoral e uma má resposta a radioiodoterapia (1,14,17). Robbins et al. (18) analisaram 400 casos de carcinomas bem diferenciados tratados no Memorial Sloan Kettering Cancer Center, observando que as variáveis idade, estádio inicial, tireoglobulina, captação pelo radioiodo e PET-CT tiveram influência nos resultados de sobrevida global na análise univariada. Em análise multivariada, somente idade e PET-CT foram s preditores de sobrevida. O estudo 3/10

4 sugere que no futuro o tratamento de pacientes com PET-CT positivo deveria incluir radioterapia e eventualmente selecionar pacientes para tratamentos experimentais. Hall e Kloos (8) revisaram as indicações de PET-CT, mostrando evidências favoráveis a sua indicação em pacientes com carcinomas bem diferenciados com tireoglobulina positiva, mas PCI (pesquisa de corpo inteiro com I 131 ) negativa. Também em pacientes com carcinoma medular da tireóide com calcitonina ou CEA elevados há dados suficientes para indicar o PET-CT para localização de doença residual ou metastática. O PET-CT é também indicado para pacientes com carcinomas de células de Hurthle. Uma indicação plausível, mas menos aceita é para estadiamento de pacientes com carcinomas bem diferenciados classificados como de alto risco. ASPECTOS DESFAVORÁVEIS DO PET-CT Priscila Pereira Costa de Araújo também apresentou extensa revisão bibliográfica. O PET-CT foi introduzido no Brasil há mais de uma década, mas somente nos últimos anos apareceram publicações relevantes sobre seu papel no diagnóstico, estadiamento, planejamento terapêutico, avaliação de resposta terapêutica e seguimento de pacientes com doenças específicas. Para emprego do método, devem ser considerados diversos aspectos estruturais, económicos e clínicos. Existem inúmeros problemas relacionados a produção e distribuição do radiofármaco. Em primeiro lugar a meia vida curta do F 18 -FDG (decaimento de 50% da dose a cada 100 Km rodados), dificulta sua utilização pois a produção é limitada e centralizada por órgãos federais localizados somente em São Paulo e Rio de Janeiro, e mais recentemente em Pernambuco. Existem ainda uma série de obstáculos a implantação do serviço, entre eles, a capacidade de atendimento, espaço, controle de temperatura, blindagem, radioproteção e pessoal altamente treinado. Outros aspectos relevantes são relacionados a questões financeiras, retorno comercial, assistenciais e científicos. Os elevados custos de equipamento, da dose e de profissionais elevam os custos para o paciente (um exame custa em média R$ 3200,00) pois o exame não tem cobertura de boa parte das empresas de saúde suplementar uma vez que no rol da ANS somente foram incluídos alguns tipos de tumores, ainda que exista literatura ampla justificando seu emprego em um número muito maior, incluindo tumores de cabeça e pescoço. 4/10

5 Diversos são os problemas para interpretação dos resultados de PET-CT, entre eles a captação observada em lesões de natureza inflamatória, tumores pouco ou não captantes de F 18 -FDG, gordura marrom, sítios não usuais de tumor, resolução limitada de lesões pequenas, alterações de biodistribuição no diabético, artefatos relacionados a movimento durante o exame (principalmente respiratórios), PET positivo e CT negativo, PET e CT positivos mas em diferentes localizações e captações positivas sem significado clínico. O exame é contra-indicado para gestantes, pacientes com história de alergia a contraste. Diabéticos devem ter preparo especial. Devem ser considerados ainda questões relacionadas a exames em crianças, adultos com claustrofobia (3,6,11,16,19). Observa-se que o PET-CT é menos específico que a laringoscopia com biópsia na detecção de recidivas de carcinoma de laringe após radioterapia. Também pode ser alta a taxa de exames com resultados falsos negativos e falsos positivos em pacientes previamente submetidos a radioterapia no pescoço. Nesses casos a especificidade equivale a da CT convencional. Apesar de um melhor valor preditivo positivo para linfonodos cervicais quando comparado com CT de alta resolução, o PET-CT frequentemente não define o significado anátomo-clínico das lesões encontradas (3,11,16,19). Observa-se ainda um baixo valor preditivo positivo do PET-CT em nódulos indeterminados de tireóide (7), assim como na detecção de recorrências e metástases de câncer tireoideano (9,10). Em glândulas salivares descreve-se um alto índice de incidentalomas em parótida (15). DISCUSSÃO Pedro Michaluart Junior, discutiu os aspectos relatados com os apresentadores e com o público presente, composto por especialistas em cirurgia de cabeça e pescoço e convidados de outras áreas da medicina. Foi ressaltada a questão do custo elevado da tecnologia, mas que seu uso racional e provável futura redução do custo do método podem ter impacto significativo na prática clínica. A discussão progrediu com respeito ao uso que pode ser recomendado na atualidade por haver relevante informação científica publicada. Em resumo, foram feitas 8 perguntas e as respostas foram: 5/10

6 1. O PET-CT pode mudar a conduta terapêutica em pacientes com câncer de cabeça e pescoço? Não há evidência suficiente na literatura para uso rotineiro da tecnologia na avaliação inicial visto que outros métodos geralmente utilizados na prática permitem o estadiamento. A questão que permanece, diz respeito aos casos em que o PET-CT poderia mudar o estadiamento, particularmente em casos de câncer avançado locoregionalmente em que se demonstre a presença de metástases a distância; 2. O PET-CT está indicado na investigação diagnóstica de pacientes com metástases cervicais de tumor primário oculto? Dois apresentadores relataram resultados de trabalhos divergentes sobre este tema. O exame pode orientar biópsias. Na avaliação dos presentes, é um exame que pode ser útil e deveria ser recomendado, mas existem limitações de custo e disponibilidade deste recurso diagnóstico em diferentes áreas geográficas; 3. A possibilidade de diagnóstico de tumores primários múltiplos sincrônicos, com consequente mudança no plano terapêutico justifica o uso do PET-CT? A opinião unânime foi de que não está justificado e que a critério clínico outros exames como a endoscopia tríplice devem ser indicados já que a maioria destes tumores ocorre em locais acessíveis a estes exames; 4. Em pacientes já tratados cirurgicamente o planejamento de radioteapia utilizando PET-CT pode ser indicado? Considerou-se que nestes casos o PET-CT pode ser empregado melhorando o delineamento da área a ser irradiada, aumentando a eficácia terapêutica e reduzindo a morbidade associada ao tratamento; 5. PET-CT deve fazer parte da rotina de seguimento de pacientes tratados por radioquimioterapia? Esta é considerada uma indicação bem estabelecida na literatura e o primeiro exame deve ser realizado 3 meses após o término do tratamento. Não há consenso quanto a indicação de exames subsequentes, mas em situações em que o exame clínico e outros exames de imagem gerem dúvida, o PET-CT deve ser também indicado durante o seguimento; 6/10

7 6. Em carcinomas bem diferenciados e carcinoma medular da tireóide com marcadores positivos e exames habituais de imagem negativos, o PET CT está indicado? Os palestrantes e os presentes concordaram que esta é uma indicação precisa e bem documentada na literatura; 7. A interpretação dos resultados de PET-CT é médico-dependente? Todos consideram a interpretação do PET-CT médico-dependente. Observa-se ainda que o SUV não permite definir com segurança o diagnóstico diferencial entre tumor residual ou recorrência com processos inflamatórios ou infecciosos. É preciso levar em conta um conjunto de informações clínicas para recomendar-se outras condutas de diagnóstico e terapêuticas; 8. Em pacientes com PET-CT positivo há necessidade de biópsia para reabordar cirurgicamente? O exame auxilia a localizar o sítio para biópsia que deve sempre ser realizada, principalmente quando há necessidade de procedimento de resgate que associe-se a maior morbidade. Confirmação histológica não é necessária quando a doença residual está restrita a territórios linfonodais e o esvaziamento cervical é indicado. CONCLUSÕES O PET-CT é considerado um valioso exame para estadiamento e planejamento de tratamento de pacientes com câncer de cabeça e pescoço. No entanto, ele é considerado de alto custo e não está disponível em muitos locais. Deste modo, o seu emprego é restrito a prática da especialidade em algumas áreas geográficas e sujeito a uma série de limitações de natureza sócio-econômica. Nestas circunstâncias deve-se utilizar os meios estabelecidos de diagnóstico e estadiamento, incluindo exame clínico, endoscopia, tomografia computadorizada e ressonância nuclear magnética. Sempre que disponível, considera-se que há evidências científicas para indicação de PET-CT nas seguintes condições clínicas: 7/10

8 1. No estadiamento inicial de pacientes com forte suspeita da presença de metástases a distância ou neoplasias primárias múltiplas, cuja confirmação diagnóstica possa modificar o planejamento terapêutico; 2. No diagnóstico de pacientes com metástases cervicais com tumor primário oculto, após investigação com métodos habituais (endoscopia, CT ou ressonância nuclear magnética) negativos ou que gerem considerável dúvida; 3. Planejamento de radioterapia, particularmente em casos de tumores volumosos ou re-irradiação; 4. Avaliação de resposta terapêutica 3 meses após radioterapia ou radioquimioterapia; 5. Durante o seguimento de casos que apresentem sinais clínicos ou em exames de imagem convencionais (CT ou ressonância nuclear magnética) que gerem considerável dúvida quanto a presença de tumor residual, recorrência ou metástase; 6. Pacientes com carcinoma bem diferenciado ou carcinoma medular da tireóide com marcadores séricos positivos, mas exames convencionais de imagem negativos para identificação do sítio de recorrência ou metástase. Referências bibliográficas 1. Al-Nahhas A, Khan S, Gogbashian A, Banti E, Rampin L, Rubello D. 18F-FDG PET in the diagnosis and follow-up of thyroid malignancy. In Vivo Jan- Feb;22(1): Bussink J, van Herpen CM, Kaanders JH, Oyen WJ. PET-CT for response assessment and treatment adaptation in head and neck cancer. Lancet Oncol Jul;11(7): Choi JW, Lee JH, Baek JH, Choi BS, Jeong KS, Ryu JS, Kim TY, Kim WB, Shong YK. Diagnostic accuracy of ultrasound and 18-F-FDG PET or PET/CT for patients with suspected recurrent papillary thyroid carcinoma. Ultrasound Med Biol Oct;36(10): de Geus-Oei LF, Pieters GF, Bonenkamp JJ, Mudde AH, Bleeker-Rovers CP, Corstens FH, Oyen WJ. 18F-FDG PET reduces unnecessary hemithyroidectomies for thyroid nodules with inconclusive cytologic results. J Nucl Med May;47(5): Duet M, Hugonnet F, Faraggi M. Role of positron emission tomography (PET) in head and neck cancer. Eur Ann Otorhinolaryngol Head Neck Dis /10

9 Mar;127(1): Griffeth LK. Use of PET/CT scanning in cancer patients: technical and practical considerations. Proc (Bayl Univ Med Cent) Oct;18(4): Hales NW, Krempl GA, Medina JE. Is there a role for fluorodeoxyglucose positron emission tomography/computed tomography in cytologically indeterminate thyroid nodules? Am J Otolaryngol Mar-Apr;29(2): Hall NC, Kloos RT. PET imaging in differentiated thyroid cancer: where does it fit and how do we use it? Arq Bras Endocrinol Metabol Jul;51(5): Iagaru A, Kalinyak JE, McDougall IR. F-18 FDG PET/CT in the management of thyroid cancer. Clin Nucl Med Sep;32(9): Iagaru A, Masamed R, Singer PA, Conti PS. 2-Deoxy-2-[18F]fluoro-D-glucosepositron emission tomography and positron emission tomography/computed tomography diagnosis of patients with recurrent papillary thyroid cancer. Mol Imaging Biol Sep-Oct;8(5): Kao J, Vu HL, Genden EM, Mocherla B, Park EE, Packer S, Som PM, Kostakoglu L. The diagnostic and prognostic utility of positron emission tomography/computed tomography-based follow-up after radiotherapy for head and neck cancer. Cancer Oct 1;115(19): Kapoor V, McCook BM, Torok FS. An introduction to PET-CT imaging. Radiographics Mar-Apr;24(2): Kyzas PA, Evangelou E, Denaxa-Kyza D, Ioannidis JP. 18F-fluorodeoxyglucose positron emission tomography to evaluate cervical node metastases in patients with head and neck squamous cell carcinoma: a meta-analysis. J Natl Cancer Inst May 21;100(10): Lal G, Fairchild T, Howe JR, Weigel RJ, Sugg SL, Menda Y. PET-CT scans in recurrent or persistent differentiated thyroid cancer: is there added utility beyond conventional imaging? Surgery Dec;148(6):1082-9; discussion Lee SK, Rho BH, Won KS. Parotid incidentaloma identified by combined 18Ffluorodeoxyglucose whole-body positron emission tomography and computed tomography: findings at grayscale and power Doppler ultrasonography and ultrasound-guided fine-needle aspiration biopsy or core-needle biopsy. Eur Radiol Sep;19(9): Okada M, Murakami T, Kumano S, Kuwabara M, Shimono T, Hosono M, Shiozaki H. Integrated FDG-PET/CT compared with intravenous contrast-enhanced CT for evaluation of metastatic regional lymph nodes in patients with resectable early stage esophageal cancer. Ann Nucl Med Jan;23(1): Robbins RJ, Larson SM. The value of positron emission tomography (PET) in the management of patients with thyroid cancer. Best Pract Res Clin Endocrinol Metab. 9/10

10 2008 Dec;22(6): Robbins RJ, Wan Q, Grewal RK, Reibke R, Gonen M, Strauss HW, Tuttle RM, Drucker W, Larson SM. Real-time prognosis for metastatic thyroid carcinoma based on 2-[18F]fluoro-2-deoxy-D-glucose-positron emission tomography scanning. J Clin Endocrinol Metab Feb;91(2): Roh JL, Kim JS, Lee JH, Cho KJ, Choi SH, Nam SY, Kim SY. Utility of combined (18)F-fluorodeoxyglucose-positron emission tomography and computed tomography in patients with cervical metastases from unknown primary tumors. Oral Oncol Mar;45(3): Troost EG, Schinagl DA, Bussink J, Oyen WJ, Kaanders JH. Clinical evidence on PET-CT for radiation therapy planning in head and neck tumours. Radiother Oncol Sep;96(3): /10

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer Data: 27/11/2012 Nota Técnica 23/2012 Medicamento Material Procedimento X Cobertura Solicitante: Bruna Luísa Costa de Mendonça Assessora do Juiz da 2ª Vara Cível Numeração Única: 052512020931-3 Tema: Uso

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

PET- TC aplicações no Tórax

PET- TC aplicações no Tórax PET- TC aplicações no Tórax Disciplina de Pneumologia InCor- HCFMUSP Prof. Dr. Mário Terra Filho 1906 1863 Eisenberg 1992 (J. Kavakama) RxTC- Sec XIX-XX Lyons-Petrucelli 1978 Sec XIX PET- Sec XX-XXI PET

Leia mais

PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar?

PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar? PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar? ESÔFAGO ESÔFAGO - AVALIAÇÃO DO TUMOR PRIMÁRIO ULTRASSONOGRAFIA ENDOSCÓPICA É o método de escolha ESTADIAMENTO TUMORAL extensão do

Leia mais

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico EMENTA 1. PET/CT com FDG: Conceitos básicos 2. PET/CT-FDG no CA de Pulmão e NPS: a. Indicações aprovadas pela ANS b. Bases científicas

Leia mais

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO GUIA PET-CT TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA

Leia mais

Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.;

Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.; VALOR DO 99m Tc-SESTAMIBI EM PACIENTES COM MELANOMA MALIGNO Gomes,Gustavo V.; Abreu,Daniel D.G.; Magalhães,Gustavo S.C.; Calapodopulos,George H.; Braga, Helton M.; Moraes, Renata F.; Rezende,Marta O.;

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Sérgio Altino de Almeida

Sérgio Altino de Almeida Project and Uses of PET Scan LAS ANS SYMPOSIUM 2005 Sérgio Altino de Almeida Hospital Samaritano - Clínica Radiológica Luiz Felippe Mattoso Rio de Janeiro - Junho - 2005 Geração e Interpretação das Imagens

Leia mais

TUMORES NEUROENDÓCRINOS

TUMORES NEUROENDÓCRINOS TUMORES NEUROENDÓCRINOS MEDICINA NUCLEAR Inês Lucena Sampaio Serviço de Medicina Nuclear do IPO-Porto TNE: DEFINIÇÃO The North American Neuroendocrine Tumor Society (NANETS) (NANETS Guidelines, The Pathologic

Leia mais

Carcinoma de tireóide ide na infância

Carcinoma de tireóide ide na infância Carcinoma de tireóide ide na infância Dra. Rossana Corbo INCa/UFRJ 2006 Incidência: 5 casos/milhão /ano EUA (1973 1977) crianças as com idade inferior a 20 anos Apresentação clinica: predomínio em meninas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PET/CT NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER THE IMPORTANCE OF PET / CT DIAGNOSTIC EARLY CANCER

A IMPORTÂNCIA DO PET/CT NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER THE IMPORTANCE OF PET / CT DIAGNOSTIC EARLY CANCER Centro de Imagem e Saúde CIMAS São Paulo SP A IMPORTÂNCIA DO PET/CT NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER THE IMPORTANCE OF PET / CT DIAGNOSTIC EARLY CANCER Juliana Thaina Lopes Pinéo Fone: (85)8737-6812 Endereço:

Leia mais

AGLÂNDULA TIREOIDE SE LOCALIZA NA REGIÃO IN-

AGLÂNDULA TIREOIDE SE LOCALIZA NA REGIÃO IN- mulheres, ficando como o quinto tipo de câncer mais frequente na população feminina americana. No Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a incidência dessa neoplasia foi estimada em 10,6

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

Data: 07/12/2012. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. TEMA: Pet CT no câncer de colon e no câncer gástrico

Data: 07/12/2012. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. TEMA: Pet CT no câncer de colon e no câncer gástrico NT 43/2012 Solicitante: Ilma Dra Jacqueline de Souza Toledo e Dutra Juíza de Direito do 2º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0162231-94.2012.8.13.0525 Data: 07/12/2012 Medicamento

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS AUTOR Dr.

Leia mais

Quais são as ferramentas de estadiamento do câncer de cabeça e pescoço localmente avançado?

Quais são as ferramentas de estadiamento do câncer de cabeça e pescoço localmente avançado? Quais são as ferramentas de estadiamento do câncer de cabeça e pescoço localmente avançado? Sílvia Marçal Benício de Mello Med Imagem Hospitais São José e São Joaquim Beneficência Portuguesa de São Paulo

Leia mais

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Serviços de Endocrinologia e Medicina Nuclear do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco Apresentadora: Maíra Melo da

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Tireóide. Dr. Pedro Collares Maia Filho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Tireóide. Dr. Pedro Collares Maia Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO Câncer da Tireóide Maia Filho Revisão da Anatomia REVISÃO ANATOMIA REVISÃO ANATOMIA REVISÃO ANATOMIA REVISÃO

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse.

Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Faculdade de Medicina do ABC Disciplina de Ginecologia Serviço do Prof. Dr. César Eduardo Fernandes Setor de Mastologia IVO CARELLI FILHO Maior dilema da

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

Eduardo Silveira Dantas Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Eduardo Silveira Dantas Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Eduardo Silveira Dantas Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço ASPECTOS GERAIS» São divididos em três tipos principais:

Leia mais

Abstract Purpose: Study the approach of patients with cervical

Abstract Purpose: Study the approach of patients with cervical ISSN: 2340-3438 Edita: Sociedad Gallega de Otorrinolaringología. Periocidad: continuada. Web: www: sgorl.org/revista Correo electrónico: actaorlgallega@gmail.com Resumen Objetivos: Estudar a abordagem

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre

Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre NT 40/2013 Solicitante: NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Data: 04/04/2013 Medicamento Material Procedimento x Cobertura Numeração: 004561-6/13

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde. Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde. Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso do PET Scan no diagnóstico, e r do câncer de pulmão pequenas células

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE PESQUISA DE CORPO INTEIRO (PCI)

INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE PESQUISA DE CORPO INTEIRO (PCI) INFORMAÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE PESQUISA DE CORPO INTEIRO (PCI) Importante: A Pesquisa de Corpo Inteiro (PCI) NÃO deve ser realizada em mulheres grávidas! Caso haja qualquer dúvida de risco de gestação,

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 49/2013 Data: 23/03/2014 Solicitante: Dr. José Hélio da Silva Juíz de Direito da 4a Vara Civel Comarca de Pouso Alegre em Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo:

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO

CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Leia mais

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Caso 1 Paciente fumante crônico, 61 anos, bom estado geral. Diagnosticado tumor de LSD de 3,7 cm,

Leia mais

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer.

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer. Conduta no NT Resultado citológico diagnóstico ou suspeito de CTP cirurgia é recomendada. (A) Nódulos parcialmente císticos com aspirados repetidamente não diagnósticos observação rigorosa ou cirurgia

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio

Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Residente Anike Brilhante Serviço de Cirurgia Geral Hospital Federal Cardoso Fontes Chefe do Serviço: Antônio Marcílio Nódulo: - Pcp manifestação clínica das dçs da tireóide - 5% das mulheres e 1% dos

Leia mais

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências CONGRESSO DE AUDITORIA - NATAL - 2015 Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço Contexto da Medicina Baseada em Evidências Tratamento do Câncer de Cabeça e

Leia mais

Sobrevida Mediana Classe I: 7,1 meses Classe II: 4,2 meses Classe III: 2,3 meses

Sobrevida Mediana Classe I: 7,1 meses Classe II: 4,2 meses Classe III: 2,3 meses Tratamento das Metástases Cerebrais Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Tratar ou Não Tratar? Piora do prognóstico Déficits neurológicos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

Radioterapia para Metástases em Coluna Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Radioterapia para Metástases em Coluna Aspectos Clínicos Indicações

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso do PET Scan no diagnóstico de nódulo pulmonar solitário Canoas, junho

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012

Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Gaudencio Barbosa R4 CCP HUWC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 02-2012 Abordagens combinadas envolvendo parotidectomia e ressecção do osso temporal as vezes são necessárias como parte de ressecções

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

O USO DA ULTRASSONOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO E SEGUIMENTO DE NÓDULOS TIREOIDIANOS

O USO DA ULTRASSONOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO E SEGUIMENTO DE NÓDULOS TIREOIDIANOS Facene/Famene - 9(2)2011 71 Artigo de Revisão O USO DA ULTRASSONOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO E SEGUIMENTO DE NÓDULOS TIREOIDIANOS Cláudio Emmanuel G. da Silva Filho 1 Michelle Garcia Ximenes Quintans 1 Laís

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde. Sumário das Evidências e Recomendações sobre o

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde. Sumário das Evidências e Recomendações sobre o Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações sobre o uso do PET Scan para diagnóstico, estadiamento de linfonodos regionais

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

S R E V R I V Ç I O D E E C IR I URGIA I A T O T RÁCIC I A

S R E V R I V Ç I O D E E C IR I URGIA I A T O T RÁCIC I A Neoadjuvância Julio Espinel R2 CIT Cristiano Feijó Andrade Outubro 2009 Importância Estadiamento linfonodal Unificar para discutir e poder propor modificações; Selecionar tratamento multimodais; Discordâncias

Leia mais

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 APLICAÇÕES NA ÁREA MÉDICA RADIODIAGNÓSTICO RADIOTERAPIA MEDICINA NUCLEAR USO DE FONTES DE RADIAÇÃO NA ÁREA MÉDICA RAIOS-X DIAGNÓSTICO: equipamentos emissores

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho CÂNCER DE BOCA Disciplina: Proteção Radiológica Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho OBJETIVOS Descrever o processo carcinogênico geral e específico para o

Leia mais

Manejo do Nódulo Pulmonar

Manejo do Nódulo Pulmonar Manejo do Nódulo Pulmonar Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e INSCER PUC/RS Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS brunohochhegger@gmail.com Manejo do Nódulo Pulmonar

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância Câncer de Tireóide Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O câncer de tireóide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula

Leia mais

04/06/2012 OBJETIVOS. Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA

04/06/2012 OBJETIVOS. Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA Mauro Zamboni, MD, FCCP, MSc Pneumologista, Coordenador do Grupo de Oncologia Torácica

Leia mais

Câncer da Tireóide. Thyroid cancer EXAMES DE AVALIAÇÃO

Câncer da Tireóide. Thyroid cancer EXAMES DE AVALIAÇÃO CONDUTAS DO INCA/MS / INCA/MS PROCEDURES Câncer da Tireóide Thyroid cancer INTRODUÇÃO O câncer da glândula tireóide é a neoplasia maligna mais comum do sistema endócrino, afetando mais freqüentemente as

Leia mais

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país José Soares Junior Presidente da SBBMN (Sociedade Brasileira de Biologia, Medicina Nuclear e Imagem Molecular)

Leia mais

TUMOR DE HIPOFARINGE. Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC. Mário Sérgio R. Macêdo

TUMOR DE HIPOFARINGE. Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC. Mário Sérgio R. Macêdo TUMOR DE HIPOFARINGE Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço HUWC Mário Sérgio R. Macêdo Anatomia Epidemiologia, Quadro Clínico, Diagnóstico e Estadiamento Tratamento Anatomia Epidemiologia O sítio mais

Leia mais

NEOPLASIA DE ESÔFAGO. Rodrigo Bordin Trindade

NEOPLASIA DE ESÔFAGO. Rodrigo Bordin Trindade NEOPLASIA DE ESÔFAGO Rodrigo Bordin Trindade INTRODUÇÃO HISTOLOGIA Ca de esôfago 3ª malignidade do TGI Entre os 10 mais prevalentes no mundo Taxa de sobrevida em 5 anos 57-78% para diagnóstico precoce

Leia mais

OBJETIVOS Conduta no nódulo tireoideano. Conduta no câncer de tireóide. USG suspeito: Nódulo irregular Microcalcificações Vasc. central Forte suspeita de câncer Nódulo tireóide História, exame físico,

Leia mais

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE

NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE NÓDULOS E CÂNCER DE TIREÓIDE PROF.DR. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS Patologia cirurgica da tiroide localização NÓDULOS DE TIREÓIDE Prevalência clinicamente

Leia mais

BRAQUITERAPIA DECABEÇA E PESCOÇO?

BRAQUITERAPIA DECABEÇA E PESCOÇO? HÁ ESPAÇO PARA HÁ ESPAÇO PARA BRAQUITERAPIA DE CABEÇA E PESCOÇO? BRAQUITERAPIA DECABEÇA E PESCOÇO? Dra. Anne Karina S. Kiister R3 - Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE-SP) Braquiterapia Da palavra

Leia mais

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Roberto Esmeraldo R3 CCP SENSIBILIDADE capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros positivos, nos indivíduos verdadeiramente doentes. sujeito a falso-positivos

Leia mais

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva;

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Controle loco-regional na doença metastática

Controle loco-regional na doença metastática Câncer de pâncreas Controle loco-regional na doença metastática Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia Hospital Nove de Julho Não tenho conflitos de interesse FIGURE 1 Ten Leading Cancer Types for the

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Brazilian Journal of Otorhinolaryngology ISSN: 1808-8694 revista@aborlccf.org.br Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico- Facial Brasil Amar, Ali; Rapoport, Abrão; Curioni, Otávio

Leia mais

METÁSTASES ÓSSEAS: QUAL O MELHOR TRATAMENTO?

METÁSTASES ÓSSEAS: QUAL O MELHOR TRATAMENTO? METÁSTASES ÓSSEAS: QUAL O MELHOR TRATAMENTO? Raphael Colturatto Camargo R3 Hospital de Câncer de Barretos Curitiba 20/06/2012 Metástases ósseas são manifestações comuns de doenças malignas que podem causar

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir Yara Furtado Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Durante a

Leia mais

Estadiamento do Mediastino

Estadiamento do Mediastino III Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão Estadiamento do Mediastino PET CT vs. Mediastinoscopia vs. EBUS Fabio José Haddad Cirurgia Torácica Broncoscopia III Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão

Leia mais

F-FDG PET/CT no câncer de reto: visão do oncologista clínico

F-FDG PET/CT no câncer de reto: visão do oncologista clínico 168 de Castro et al. Artigo Original O uso de F-FDG PET/CT no câncer de reto: visão do oncologista clínico The use of F-FDG PET/CT in rectal cancer: vision of clinical oncologist Ana Carolina Guimarães

Leia mais

GRUPO DE BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA ANÁLISE DOS PRIMEIROS 500 CASOS

GRUPO DE BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA ANÁLISE DOS PRIMEIROS 500 CASOS GRUPO DE BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA ANÁLISE DOS PRIMEIROS 500 CASOS Hospital de S. Marcos Braga Departamento de Cirurgia. Serviço de Cirurgia I Director: Dr. A. Gomes Unidade de Cabeça e Pescoço

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Câncer de Vias Biliares Versão eletrônica atualizada em Julho 2009 Os colangiocarcinomas e carcinomas de vesícula biliar são tumores originários do epitélio dos ductos biliares

Leia mais

Caso Clínico para Site SBM

Caso Clínico para Site SBM Caso Clínico para Site SBM 18/03/13 Primeira consulta Paciente 35 anos Feminino Parda Casada Brasileira Natural de Pacatuba-CE Queixa Principal: Nódulo doloroso em MAMA DIREITA há 2 meses. Refere Ultrasonografia

Leia mais

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia*

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO E CULTURA Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* VIEIRA,Denise Ferreira 1 ; SOARES,Mariana

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 95. Recomendação Final

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 95. Recomendação Final IODOTERAPIA DE BAIXAS DOSES (30MCI E 50MCI), EM REGIME AMBULATORIAL, PARA CASOS DE CARCINOMA DIFERENCIADO DA TIREOIDE CLASSIFICADOS COMO DE BAIXO RISCO OU DE RISCO INTERMEDIÁRIO. Demandante: Departamento

Leia mais

TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE PÓSITRONS (PET/CT)

TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE PÓSITRONS (PET/CT) TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE PÓSITRONS (PET/CT) Avaliação no Nódulo Pulmonar Solitário e no Câncer de Pulmão Carlos A. Buchpiguel Métodos Estruturais Moleculares Excelente resolução Nível estrutural e tecidual

Leia mais

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO TOMOGRAFIA DE PESCOÇO INTRODUÇÃO O exame de pescoço por TC é realizado com o paciente decúbito dorsal, com a cabeça voltada para gantry, imagens axiais contínuas com espessura de corte de 5mm e 5mm de

Leia mais

ACORDAM, em Quarta Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, por votação unânime, negar provimento ao recurso.

ACORDAM, em Quarta Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, por votação unânime, negar provimento ao recurso. ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÂTICA REGISTRADO(A) SOB N III H *02536027* Piano de saúde - Recusa de cobertura de exame prescrito por médico especialista para paciente em

Leia mais

Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002)

Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002) Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002) 1. Supraglote a. Epiglote suprahióidea (inclui ponta da epiglote, superfícies lingual e laríngea) b. Prega ariepiglótica, face laríngea c. Aritenóide

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA CITO-HISTOLÓGICA DA PATOLOGIA NODULAR DA TIROIDE

ANÁLISE COMPARATIVA CITO-HISTOLÓGICA DA PATOLOGIA NODULAR DA TIROIDE Cadernos Otorrinolaringologia. CLÍNICA, INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO 1 2 Agosto de 2013 ONCOLOGIA ANÁLISE COMPARATIVA CITO-HISTOLÓGICA DA PATOLOGIA NODULAR DA TIROIDE CYTO-HISTOLOGICAL COMPARATIVE ANALYSIS

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Nódulos tiroideanos são comuns afetam 4- a 10% da população (EUA) Pesquisas de autópsias: 37

Leia mais