TRH E CÂNCER DE MAMA FONTE:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRH E CÂNCER DE MAMA FONTE:"

Transcrição

1 VALÉRIA COUTINHO

2 FONTE:

3 SINTOMAS (precoces) ACHADOS FÍSICOS (Intermediárias) DOENÇAS (Tardias) Fogacho Insônia Irritabilidade Distúrbio do humor Atrofia vaginal Incontinência urinária Atrofia da pele Osteoporose D. Cardiovascular Demência tipo Alzheimer Câncer

4

5 DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO DE CÂNCER DE MAMA EM PACIENTES EM TRH SENSIBILIDADE 25% RR=5,23 (IC 95% 1,09-25,02) ESPECIFICIDADE 4% RR=1,33 (IC 95% 0,87-0,001) FONTE: LAYA MB et al. JNCI 1996;88:643-9

6 ALTERAÇÕES MAMOGRÁFICAS DEVIDO A TRH Aumento da densidade mamográfica em 17 a 73% (focal/ multifocal/ difusa) Formação de cistos Aumento da densidade com TRHC (E+P) contínua > TRE Aumento da densidade e mastalgia com Estradiol > EEC Estrogênio via vaginal não altera densidade Tibolona aumenta discretamente a densidade Tibolona tem menor associação com mastalgia

7 Alerta às mulheres Quatro milhões de brasileiras fazem terapia de reposição hormonal. E muitas delas tomam um remédio condenado por um estudo americano

8 De quem é a razão? Os médicos agora tentam entender por que os maiores estudos sobre reposição hormonal chegaram a resultados opostos

9 BREAST CANCER AND HORMONE REPLACEMENT THERAPY: COLLABORATIVE REANALYSIS OF DATA FROM 51 EPIDEMIOLOGICAL STUDIES OF WOMEN WITH BREAST CANCER AND WOMEN WITHOUT BREAST CANCER Collaborative Group on Hormonal Factors in Breast Cancer INTERPRETATION The risk of having breast cancer diagnosed is increased in women using HRT and increases with increasing duration of use. This effect is reduced after cessation of use of HRT and has largely, if not wholly, disappeared after about 5 years. These findings should be considered in the context of the benefits and other risks associated with the use of HRT. FONTE: LANCET Oct 11;350(9084):

10 Estimated Cumulative Number of Breast Cancers 80 Cumulativenumber of breast cancers diagnosed in 1000 women Age (years) Uso por 10 anos Uso por 05 anos Nunca usou FONTE:LANCET, October 11,1997- vol 350,1057

11 BREAST CANCER AND HORMONE REPLACEMENT THERAPY: COLLABORATIVE REANALYSIS OF DATA FROM 51 EPIDEMIOLOGICAL STUDIES OF WOMEN WITH BREAST CANCER AND WOMEN WITHOUT BREAST CANCER Collaborative Group on Hormonal Factors in Breast Cancer CONCLUSÕES: RR= 1,023 (IC 95% 1,011-1,036) PARA CADA ANO DE USO RR= 1,35 ( IC 95% 1,21-1,49) USO DE TRH > 5 ANOS RR= 1,07 (IC 95% 0,97 1,18) SUSPENSO TRH > 5 ANOS RISCO ELEVADO DE CÂNCER DE MAMA COM TRH > 10 ANOS CÂNCER MENOS AVANÇADO EM USUÁRIAS TRH X NÃO USUÁRIAS FONTE: LANCET Oct 11;350(9084):

12 RESULTADO HISTOPATOLÓGICO DE DOENÇA BENIGNA DE MAMA E RISCO RELATIVO DE CÂNCER INVASIVO DA MAMA SEGUNDO TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL RESULTADO HISTOPATOLÓGICO DE DOENÇA BENIGNA RISCO RELATIVO USO DE TRH NÃO-USO DE TRH HIPERPLASIA ATÍPICA 2,87 (1,3-6,3) 2,53 (1-6,3) FIBROADENOMA COMPLEXO 1,57 (0,72-3,4) 1,46 (0,53-4) DOENÇA PROLIFERATIVA SEM ATIPIA 1,37 (0,88-2,1) 1,13 (0,69-1,9) INTERVALO DE CONFIANÇA (IC) DE RR AO NÍVEL DE 95% FONTE:DUPONT ET AL., 1999

13 RISCO RELATIVO (RR) RISCO ABSOLUTO (RA /ano) CA DE CÓLON E RETO (0,63) FRATURA DE BACIA (0,66) INFARTO (1,29) CA DE CÓLON E RETO FRATURA DE BACIA (5) INFARTO (7) TROMBO EMBOLISMO (2,11) CA DE MAMA (1,26) AVC (1,41) (6) TROMBO EMBOLISMO (8) CA DE MAMA (8) AVC (8) FONTE: JAMA, July 17,2002- vol 288 nº 3,

14 Schairer C. et al. JAMA 2000; 283: TRHC (E/P) RR= 1,4 TRE RR= 1,2 NÃO USUÁRIA RR= 1,0 SUSPENSO USO > 4 ANOS RR=1,0 Ross RK et al. JNCI 2000; 92: TRHC (E/P) RR= 1,24 TRE RR= 1,06 NÃO USUÁRIA RR= 1,0

15 Chen CL et al. JAMA 2002; 287: TRH ( TRE OU TRHC) POR LONGO PERÍODO RR= 3,07 TRHC TEM MAIOR RISCO DE CARCINOMA LOBULAR INFILTRANTE Li, CI et al. JAMA 2003; 289(11): TRHC RR= 1,52 (Carcinoma Lobular Infiltrante) RR= 1,96 ( Carcinoma Ducto-lobular Infiltrante) RR= 1,03 (Carcinoma Ductal Infiltrante) Aumento de CLI de 9,5% (1987) para 15,6% (1999 CLI de 19,8 para 33,4 / mulheres CDI de 153,8 para 155,3/ mulheres

16 The Journal of The American Medical Association INFLUENCE OF ESTROGEN PLUS PROGESTIN ON BREAST CANCER AND MAMMOGRAPHY IN HEALTHY POSTMENOPAUSAL WOMEN The Women's Health Initiative Randomized Trial Rowan T. Chlebowski, MD, PhD; Susan L. Hendrix, DO; Robert D. Langer, MD, MPH; Marcia L. Stefanick, PhD; Margery Gass, MD; Dorothy Lane, MD, MPH; Rebecca J. Rodabough, MS; Mary Ann Gilligan, MD, MPH; Michele G. Cyr, MD; Cynthia A. Thomson, PhD, RD; Janardan Khandekar, MD; Helen Petrovitch, MD; Anne McTiernan, MD, PhD; for the WHI Investigators JAMA. 2003;289: Conclusions: Relatively short-term combined estrogen plus progestin use increases incident breast cancers, which are diagnosed at a more advanced stage compared with placebo use, and also substantially increases the percentage of women with abnormal mammograms. These results suggest estrogen plus progestin may stimulate breast cancer growth and hinder breast cancer diagnosis.

17 CARACTERÍSTICAS DO CA DE MAMA TRHC PLACEBO Tamanho Médio Axila (+) Ec. Avançado Grau Histológico Tipo Histológico RH (+/-) Mamografia Anormal (Após 1º ano) 1,7cm 25,9% 25,4% sem diferença sem diferença maior 9,4% 1,5cm 15,8% 16% sem diferença sem diferença menor 5,4% JAMA. 2003;289:

18

19 Não fazer TRH em mulheres com: CONCLUSÕES: hiperplasia atípica história familiar de Ca de mama em parentes de 1º grau (< 50 anos) Câncer A maioria de mama dos trabalhos prévio é com EEC ou EEC/AMP Não Existe fazer maior TRH risco como com terapia maior preventiva dose e maior de doenças tempo de uso da TRH cardiovasculares Há maior risco em com mulheres uso de TRHC assintomáticas (E/P) Preferir Fitoestrógenos a TRE nas mulheres histerectomizadas Fazer Tibolona o menor tempo e dose possíveis ( TENDÊNCIA ATUAL) Recomendações Risco X Benefício no uso da mamografia

20

Paciente de Alto Risco

Paciente de Alto Risco Paciente de Alto Risco Novas Fronteiras do Bloqueio Estrogênico na Prevenção do Câncer de Mama Não há conflitos de interesse. Nunca recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade

Leia mais

TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL. Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com.

TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL. Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com. TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL Prof. Eduardo J. Campos Leite Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia campolei@terra.com.br Estrogênios? O que existe por trás desta linda mulher? T R

Leia mais

o estado da arte em 2015 Amália Martins Ana Fatela Ermelinda Pinguicha Tereza Paula

o estado da arte em 2015 Amália Martins Ana Fatela Ermelinda Pinguicha Tereza Paula o estado da arte em 2015 Amália Martins Ana Fatela Ermelinda Pinguicha Tereza Paula WHI, DOPS, KEEPS, ELITE DOPS 2012 E2 trifasico NETA E2 16 1006 45-58 (49,7) >3>24M (7) morte, EAM risco mortalidade,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO CLÍNICA CLIMATÉRIO CARMEN VERA GIACOBBO DAUDT MÉDICA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE GRAMADO, 03 DE ABRIL DE 2014.

ATUALIZAÇÃO CLÍNICA CLIMATÉRIO CARMEN VERA GIACOBBO DAUDT MÉDICA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE GRAMADO, 03 DE ABRIL DE 2014. ATUALIZAÇÃO CLÍNICA CLIMATÉRIO CARMEN VERA GIACOBBO DAUDT MÉDICA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE GRAMADO, 03 DE ABRIL DE 2014. Maria, 49 anos, branca, dona-de-casa, vem à consulta de revisão com seu médico de

Leia mais

TOTELLE CICLO WYETH INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA

TOTELLE CICLO WYETH INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA TOTELLE CICLO WYETH INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA Drágea 1,0 mg / 1,0 mg + 0,250 mg TOTELLE CICLO estradiol, trimegestona I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Totelle Ciclo Nome genérico: estradiol,

Leia mais

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Terapia hormonal de baixa dose Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Alterações endócrinas no Climatério pg/ml mui/ml mui/ml 150 FSH 80 60 100 50 0-8 -6-4 -2 0 2 4 6 8 anos Menopausa LH Estradiol 40

Leia mais

Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica. Rogério Bonassi Machado

Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica. Rogério Bonassi Machado Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica Rogério Bonassi Machado Terapia Hormonal no Climatério 1942 - Estrogênios eqüinos conjugados 1950 - Uso difundido nos Estados Unidos 1970 -

Leia mais

Climatério. Indicações e Contraindicações. ao Uso da Terapia Hormonal

Climatério. Indicações e Contraindicações. ao Uso da Terapia Hormonal Climatério Indicações e Contraindicações ao Uso da Terapia Hormonal Profa. Dra. Miriam S Wanderley Área de Ginecologia e Obstetrícia Faculdade de Medicina/ UnB Sintomas Vasomotores Principal indicação

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

Perspectivas Médicas ISSN: 0100-2929 perspectivasmedicas@fmj.br Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil

Perspectivas Médicas ISSN: 0100-2929 perspectivasmedicas@fmj.br Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil Perspectivas Médicas ISSN: 0100-2929 perspectivasmedicas@fmj.br Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil Garcia Barbato, Cristina; Reis, Fernando Ivan dos; Conti Teixeira, Luis Felipe; Albejante Hoffmann,

Leia mais

AVALIAÇÃO CRÍTICA DA TERAPIA HORMONAL.

AVALIAÇÃO CRÍTICA DA TERAPIA HORMONAL. AVALIAÇÃO CRÍTICA DA TERAPIA HORMONAL. QUAL O SIGNIFICADO DA TERAPIA HORMONAL? Hormônios não são drogas e não são destinados a curar. A administração de hormônios após a menopausa não é uma terapia para

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Rastreamento Populacional de Câncer Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Roteiro de aula Aspectos relacionados ao rastreamento de câncer Exercícios introdutórios Desenvolvimento

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

Neoplasias dos epitélios glandulares II

Neoplasias dos epitélios glandulares II Neoplasias dos epitélios glandulares II PATOLOGIA II Aula Prática nº4 MAMA: Correlação estrutura/lesão Cél. Basais/mioepiteliais Cél. Basais/mioepiteliais (actina) Cél. luminais Cél. luminais MAMA: Estrutura

Leia mais

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama Invenia ABUS Screening TM Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound Roberta Fernandes MSc. Engenharia Biomédica COPPE/UFRJ Gerente Clínica Radiologia Geral Ultrassonografia GE Healthcare Incidência do Câncer

Leia mais

Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério

Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério Marco Aurélio Martins de Souza Unimontes-MG Tiradentes MG SOGIMIG 2008 Introdução Climatério é um evento fisiológico Deve ser considerado sob uma perspectiva

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

Atualização em Farmacoterapia. Ocitocina tópica

Atualização em Farmacoterapia. Ocitocina tópica Atualização em Farmacoterapia 1 Ocitocina tópica Benefício no tratamento da atrofia vaginal em mulheres pósmenopausa, restaurando epitélio vaginal, sem efeitos adversos e alterações hormonais sistêmicas

Leia mais

Terapia de substituição hormonal

Terapia de substituição hormonal Terapia de substituição hormonal Elizabeth Barrett-Connor SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros BARRETO, ML., et al., orgs. Epidemiologia, serviços e tecnologias em saúde [online]. Rio de Janeiro:

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

TEXTO DE BULA DE TOTELLE. Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas contendo 1 mg de estradiol e 0,125 mg de trimegestona.

TEXTO DE BULA DE TOTELLE. Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas contendo 1 mg de estradiol e 0,125 mg de trimegestona. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Totelle estradiol, trimegestona APRESENTAÇÃO TEXTO DE BULA DE TOTELLE Cartucho contendo 1 envelope contendo 1 blister com 28 drágeas contendo 1 mg de estradiol e 0,125 mg

Leia mais

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010 Ano I - Número I - Julho 2010 Avaliação ultrassonográfica da recorrência ganglionar em pacientes operadas por câncer de mama. Prezado colega, Acompanhando o ritmo acelerado da produção científica em medicina

Leia mais

Terapia de reposição hormonal e o câncer do endométrio. Hormone replacement therapy and endometrial cancer. Abstract. Introdução ARTIGO ARTICLE

Terapia de reposição hormonal e o câncer do endométrio. Hormone replacement therapy and endometrial cancer. Abstract. Introdução ARTIGO ARTICLE ARTIGO ARTICLE 2613 Terapia de reposição hormonal e o câncer do endométrio Hormone replacement therapy and endometrial cancer Naidilton Lantyer Cordeiro de Araújo Júnior 1 Daniel Abensur Athanazio 1,2

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Estratégias de Quimioprevenção do Câncer de Mama. José Roberto Filassi 27/11/2009

Estratégias de Quimioprevenção do Câncer de Mama. José Roberto Filassi 27/11/2009 Estratégias de Quimioprevenção do Câncer de Mama José Roberto Filassi 27/11/2009 RECEPTOR DE ESTRÓGENO: INTERAÇÃO COM O ESTRADIOL Hormonioterapia no Câncer de Mama Bloquear o Receptor de Estrogenio Bloquear

Leia mais

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública Avaliação de Programas de Rastreamento: história natural da doença, padrão de progressão da doença, desenhos de estudo, validade e análise de custo-benefício. IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

História natural de carcinoma lobular x ductal

História natural de carcinoma lobular x ductal Filomena Marino Carvalho filomena@usp.br História natural de carcinoma lobular x ductal 1 Classificaçãohistológicados tumores de mama Carcinoma invasivo de tipo não especial (ductal invasivo) Subtipos

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

Terapia de reposição hormonal e trombose

Terapia de reposição hormonal e trombose J Vasc Br 2003, Vol. 2, Nº1 17 ARTIGO DE REVISÃO Terapia de reposição hormonal e trombose Hormonal replacement therapy and thrombosis Maria Elisabeth Rennó de Castro Santos* Resumo A terapia de reposição

Leia mais

Programa de controle de CA de Mama

Programa de controle de CA de Mama Programa de controle de CA de Mama Profª: Dayse Amarílio Estima-se incidência anual de mais de 1.000.000 de casos no séc XXI; CA mais incidente no sexo feminino nos países desenvolvidos e Brasil, o que

Leia mais

Perimenopausa e Menopausa

Perimenopausa e Menopausa Perimenopausa e Menopausa Lívia Maria Borges Amaral E1 Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Coordenador Definição: é a ausência de menstruação por 12 meses em mulher com idade acima de 45 anos na ausência

Leia mais

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : o que é e quais as suas vantagens? Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : mamografia do futuro? MAMOGRAFIA: exame com limitações -Pouco

Leia mais

Atenção Primária e Terapia de Reposição Hormonal no Climatério

Atenção Primária e Terapia de Reposição Hormonal no Climatério Atenção Primária e Terapia de Reposição Hormonal no Climatério Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Elaboração Final: 16 de Junho de 2001 Autoria: Marinho RM, Fernandes CE,

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa?

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Menopausa é a parada de funcionamento dos ovários, ou seja, os ovários deixam

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina)

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina) ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina APRESENTAÇÃO Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha Depot de 3,6

Leia mais

Análise de dados epidemiológicos de pacientes acompanhadas por neoplasia mamária em um hospital de Fortaleza (CE)

Análise de dados epidemiológicos de pacientes acompanhadas por neoplasia mamária em um hospital de Fortaleza (CE) DOI: 10.5327/Z201600020002RBM ARTIGO ORIGINAL Análise de dados epidemiológicos de pacientes acompanhadas por neoplasia mamária em um hospital de Fortaleza (CE) Epidemiological data analysis of patients

Leia mais

Artigo Original/Original Article

Artigo Original/Original Article Artigo Original/Original Article Impacto do estudo Women s Health Initiative nas atitudes dos médicos e das mulheres relativamente à terapêutica hormonal da pós-menopausa Impact of Women s Health Initiative

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha APRESENTAÇÃO Depot de 3,6

Leia mais

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013 NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR diagnóstico e conduta RIO DE JANEIRO 2013 A NIV aumentou em 4 vezes nos EUA entre 1973 e 2000 A regressão da NIV existe O câncer invasor está presente em 3% das mulheres

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 06 - Mastologia Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

Leia mais

ANEXO I. 1 Indicadores da dimensão da atenção à saúde

ANEXO I. 1 Indicadores da dimensão da atenção à saúde ANEXO I RELAÇÂO DOS INDICADORES, COM AS RESPECTIVAS METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS A SEREM UTILIZADAS NO PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR - COMPONENTE OPERADORAS - REFERENTE AO ANO DE 2013 1 Indicadores

Leia mais

ATUALIZA PÓS-GRADUAÇÃO ADAILTON SILVA DOS SANTOS E TAMARA COUTINHO GALVÃO SILVA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL X CÂNCER DE MAMA

ATUALIZA PÓS-GRADUAÇÃO ADAILTON SILVA DOS SANTOS E TAMARA COUTINHO GALVÃO SILVA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL X CÂNCER DE MAMA ATUALIZA PÓS-GRADUAÇÃO ADAILTON SILVA DOS SANTOS E TAMARA COUTINHO GALVÃO SILVA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL X CÂNCER DE MAMA SALVADOR BA 2011 ADAILTON SILVA DOS SANTOS TAMARA COUTINHO GALVÃO SILVA TERAPIA

Leia mais

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação?

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e Hospital Dom Vicente Scherer Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS 1 O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS THE KNOWLEDGE OF FAMILY HEALTH PROGRAM NURSES ABOUT PERFORMING CLINICAL BREAST EXAMINATIONS KÊNIA

Leia mais

Consenso sobre terapia hormonal e câncer de mama

Consenso sobre terapia hormonal e câncer de mama editorial Consenso sobre terapia hormonal e câncer de mama Coordenadores: Marco Aurélio Albernaz Maria Celeste Osório Wender Luciano de Melo Pompei César Eduardo Fernandes Antonio Luiz Frasson Relatores:

Leia mais

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2 ESTUDO CLÍNICO-PATOLÓGICO E IMUNOHISTOQUÍMICO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES JOVENS DIAGNOSTICADAS E TRATADAS NO HOSPITAL DE CÂNCER DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 1996 A 2006. Marília Ávila Acioly 1 ; Maria

Leia mais

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL Cristina Cantarino Pneumologista Coordenadora do Centro de Estudos para Tratamento da Dependência à Nicotina do INCA Coordenadora Municipal do Controle de Tabagismo de Niterói Coordenadora da Clínica de

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse.

Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Faculdade de Medicina do ABC Disciplina de Ginecologia Serviço do Prof. Dr. César Eduardo Fernandes Setor de Mastologia IVO CARELLI FILHO Maior dilema da

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

Aliane Bernardes dos Santos 2 e Maria do Carmo Araújo 3

Aliane Bernardes dos Santos 2 e Maria do Carmo Araújo 3 Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 13, n. 1, p. 63-70, 2012. Recebido em: 10.04.2012. Aprovado em: 03.07.2012. ISSN 2177-3335 FATORES DE RISCO EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Caso Clínico para Site SBM

Caso Clínico para Site SBM Caso Clínico para Site SBM 18/03/13 Primeira consulta Paciente 35 anos Feminino Parda Casada Brasileira Natural de Pacatuba-CE Queixa Principal: Nódulo doloroso em MAMA DIREITA há 2 meses. Refere Ultrasonografia

Leia mais

ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot. 3,6 mg e 10,8 mg

ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot. 3,6 mg e 10,8 mg ZOLADEX (acetato de gosserrelina) AstraZeneca do Brasil Ltda. Depot 3,6 mg e 10,8 mg ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção:

Leia mais

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina Citopatologia mamária Puberdade: crescimento das mamas em função do desenvolvimento glandular e da deposição aumentada de tecido adiposo. Mulheres durante o ciclo menstrual: aumento do volume mamário em

Leia mais

Vitex agnus castus. Alternativa terapêutica eficaz, segura e bem tolerada para os sintomas da síndrome pré-menstrual moderada a severa 1.

Vitex agnus castus. Alternativa terapêutica eficaz, segura e bem tolerada para os sintomas da síndrome pré-menstrual moderada a severa 1. Atualização em Nutracêuticos 1 Alternativa terapêutica eficaz, segura e bem tolerada para os sintomas da síndrome pré-menstrual moderada a severa 1. O extrato seco de é um tratamento que demonstra resultados

Leia mais

Perfil dos requerimentos de mamografia das usuárias da atenção básica da cidade de Pombal-PB

Perfil dos requerimentos de mamografia das usuárias da atenção básica da cidade de Pombal-PB ARTIGO CIENTÍFICO http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/intesa Perfil dos requerimentos de mamografia das usuárias da atenção básica da cidade de Pombal-PB Profile of requirements of mammography users

Leia mais

Diretoria TRIÊNIO 2003-2006

Diretoria TRIÊNIO 2003-2006 Diretoria TRIÊNIO 2003-2006 Presidente: Alberto Soares Pereira Filho Vice Presidente: João Sabino de Lima Pinho Neto Secretário Geral: Rogério Bonassi Machado 1º Secretário: Juan Cabrera Fiat 1º tesoureiro:

Leia mais

FACULDADE ISEIB INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO IBITURUNA ISEIB Portaria MEC N 2.861 de 13/09/2004 DOU 16/09/04

FACULDADE ISEIB INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO IBITURUNA ISEIB Portaria MEC N 2.861 de 13/09/2004 DOU 16/09/04 FACULDADE ISEIB INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO IBITURUNA ISEIB Portaria MEC N 2.861 de 13/09/2004 DOU 16/09/04 HORMÔNIOS SINTÉTICOS VERSUS FITO-HORMÔNIOS PARA REPOSIÇÃO HORMONAL FEMININA: OPINIÃO DOS GINECOLOGISTAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA IONE JAYCE CEOLA SCHNEIDER ESTUDO DE SOBREVIDA EM MULHERES COM CÂNCER

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP DEFINIÇÃO Mokbel et Cutulli, Lancet Oncol,, 2006; 7: 756-65 65 TIPOS DE CDIS Gaps > 2 cm Baixo grau

Leia mais

Cessação do tabagismo e Farmacoterapia. Edward Ellerbeck, MD, MPH

Cessação do tabagismo e Farmacoterapia. Edward Ellerbeck, MD, MPH Cessação do tabagismo e Farmacoterapia Edward Ellerbeck, MD, MPH Juiz de Fora, Brasil October 17, 2011 Mary: Uma mulher de 54 anos na minha clínica Paciente regular nos últimos 5 anos» Realizava o exame

Leia mais

Protocolo de Rastreamento e Detecção Precoce do Câncer de Mama do Município de Porto Alegre

Protocolo de Rastreamento e Detecção Precoce do Câncer de Mama do Município de Porto Alegre PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO Protocolo de Rastreamento e Detecção Precoce do Câncer de Mama do Município de Porto Alegre 1

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CASCAVEL 2010 2 DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO

Leia mais

EFEITOS DO ESTILO DE VIDA SEDENTÁRIO NA QUALIDADE DE VIDA EM MULHERES PÓS CÂNCER DE MAMA DO VALE DE BRAÇO DO NORTE

EFEITOS DO ESTILO DE VIDA SEDENTÁRIO NA QUALIDADE DE VIDA EM MULHERES PÓS CÂNCER DE MAMA DO VALE DE BRAÇO DO NORTE EFEITOS DO ESTILO DE VIDA SEDENTÁRIO NA QUALIDADE DE VIDA EM MULHERES PÓS CÂNCER DE MAMA DO VALE DE BRAÇO DO NORTE Effect of the Sedentary style of Life in the Quality of Life in Women after - breast Câncer

Leia mais

Hipogonadismo Feminino

Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Luíz Antônio de Araújo Diretor do Departamento de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Presidente do Clube da Hipófise

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules.

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules. Citologia Mamária Keratin plug Squamous epithelium Lactiferous sinus Interlobular ducts Lobule with acini Subsidiary duct Terminal (intralobular) ducts Lobules Main ducts 2ª Costela Músculo Grande Peitoral

Leia mais

Sumário. Data: 13/12/2013 NTRR 258/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 13/12/2013 NTRR 258/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NTRR 258/2013 Solicitante: Dr. Amaury Silva, Juiz de Direito da 6.ª Vara Cível dacomarca de Governador Valadares Data: 13/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo:0296392-06.2013.8.13.0105

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM OBSTÉTRICA TAÍS GONZAGA TAVARES

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM OBSTÉTRICA TAÍS GONZAGA TAVARES ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM OBSTÉTRICA TAÍS GONZAGA TAVARES IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE COLO UTERINO. SALVADOR BAHIA 2012 TAÍS GONZAGA TAVARES IMPORTÂNCIA

Leia mais

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE Nenhum conflito de interesse COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Como fazer o acompanhamento

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE MAMOGRAFIA E SEUS DESDOBRAMENTOS EM UM PLANO DE AUTOGESTÃO EM SAÚDE

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE MAMOGRAFIA E SEUS DESDOBRAMENTOS EM UM PLANO DE AUTOGESTÃO EM SAÚDE ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE MAMOGRAFIA E SEUS DESDOBRAMENTOS EM UM PLANO DE AUTOGESTÃO EM SAÚDE MARCIA RODRIGUES BRAGA Dissertação apresentada com vistas à obtenção do título de Mestre em Ciências na área

Leia mais

Abstract Resumo. Ação do raloxifeno no endométrio AT U A L I Z A Ç Ã O. Raloxifene effects on endometrium

Abstract Resumo. Ação do raloxifeno no endométrio AT U A L I Z A Ç Ã O. Raloxifene effects on endometrium Raloxifene effects on endometrium AT U A L I Z A Ç Ã O Abstract Resumo O raloxifeno é uma droga relativamente nova quando consideramos seus efeitos colaterais. Efeitos adversos podem se manifestar muito

Leia mais

EFEITO DA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL SOBRE A DENSIDADE MAMÁRIA AVALIADA PELA MAMOGRAFIA

EFEITO DA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL SOBRE A DENSIDADE MAMÁRIA AVALIADA PELA MAMOGRAFIA SANDRA HELENA FERNANDES MENDES EFEITO DA TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL SOBRE A DENSIDADE MAMÁRIA AVALIADA PELA MAMOGRAFIA Rio de Janeiro 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA

Leia mais

Farlutal acetato de medroxiprogesterona

Farlutal acetato de medroxiprogesterona Farlutal acetato de medroxiprogesterona I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Farlutal Nome genérico: acetato de medroxiprogesterona APRESENTAÇÕES Farlutal 10 mg em embalagens contendo 10 ou

Leia mais

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO (SCREENING) Identificação presuntiva de doença em indivíduos assintomáticos, por teste/exame clínico de aplicação rápida Objetivo:

Leia mais

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE

CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE CÂNCER DE MAMA NA SENILIDADE ANTOMIA PATOLÓGICA SENILIDADE aos 65? Diminuição da filtração glomerular Aumento de sensibilidade a mielotoxicidade Mucosite Neurotoxicidade Toxicidade cardíaca IDADE COMO

Leia mais

Anatomia da mama Função biológica

Anatomia da mama Função biológica Dr.Jader Burtet Ginecologia e Obstetrícia Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas de Porto Alegre Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

Prolia para osteoporose

Prolia para osteoporose Data: 29/06/2013 Nota Técnica 105/2013 Número do processo: 0110170-82.2013-813.0525 Solicitante: Juiz de Direito Dr. Napoleão da Silva Chaves Réu: Estado de Minas Gerais Medicamento Material Procedimento

Leia mais