VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR)"

Transcrição

1 XXX CONGRESSO PARAIBANO DE GINECOLOGIA VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) Norma Maranhão

2 EVOLUÇÃO DA MAMOGRAFIA

3 MAMOGRAFIA ANALÓGICA Limitações FILME l ÉCRAN EXCELENTE RESOLUÇÃO ESPACIAL CONTRASTE E AMPLITUDE DINÂMICA REDUZIDOS Reduzida amplitude dinâmica. Vulnerabilidade a sub ou superexposição. Tríplice função do filme: obter, exibir e armazenar. Imutabilidade da imagem após processamento. Processamento lento. Introdução de artefatos.

4 MAMOGRAFIA DIGITAL CAMPO TOTAL Obtenção Exibição Armazenamento Otimização de cada etapa Radiação transmitida através da mama absorvida por um detector eletrônico A informação é armazenada e demonstrada utilizando técnicas computadorizadas de imagem Maior utilidade diagnóstica Permite manipular a imagem brilho/contraste/ampliação Reduz necessidade de repetições sem exposições adicionais para a paciente

5 MAMOGRAFIA DIGITAL EM CAMPO LIMITADO Detector Digital Spot digital Maior acurácia diagnostica Realização de procedimentos intervencionistas 6x6cm Maior precisão, rapidez e conforto Obtenção Exibição Armazenamento

6 MAMOGRAFIAS Convencional Spot Digital

7 MAMOGRAFIAS Convencional Spot Digital Inversão

8 MAMOGRAFIA DIGITAL CAMPO TOTAL O detector deixa de ser o filme radiográfico, passando a ser um conjunto de semi-condutores, recebe radiação e transforma em sinal elétrico e transmite para um computador. Detector Digital

9 MAMOGRAFIA DIGITAL Produtividade A exibição quase imediata da imagem, elimina o tempo de espera para o processamento. Abolição da câmara escura. As imagens são levadas eletronicamente ao radiologista, eliminando as operações manuais de transporte e colocação no negatoscópio. O armazenamento eletrônico elimina custos e riscos do analógico.

10 MAMOGRAFIA DIGITAL CAMPO TOTAL Mudança na Realização da Mamografia Não Modifica Posicionamento da paciente Compressão da mama Disparo de Raios-X Modifica Imagem capturada p/ detector digital Revisão da imagem Armazenamento das imagens

11 MAMOGRAFIA DR Detector Digital ANALÓGICA CR

12 MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA - CR Sistema CR Computed Radiography Imagem obtida em mamógrafo analógico Apenas o chassis tem tecnologia digital, não tem filme, registra a imagem em tela fluorescente e analógica que depois é escaneada, obtendo-se uma imagem computadorizada Leitura em monitor e impressa em filme Menor custo operacional Limitações Menor DQE, maior ruído e menor resolução espacial comparando com o sistema digital de aquisição direta com a mesma dose de radiação Mamografia computadorizada Mamografia digital

13 CR I Vantagens e Desvantagens Vantagem Menor Custo I usa o equipamento de mamografia já existente Desvantagens Baixa MTF e DQE; Não representa ganho no fluxo e no número de exames; A dose de radiação utilizada nos sistemas CR é maior que nos sistemas DR; Não serve de plataforma para futuras aplicações: Tomossíntese Digital Os algoritmos de processamento de imagens de sistemas CR são desenvolvidos para outros tipos de exames radiológicos e são freqüentemente utilizados para imagens mamográficas; Estes algoritmos, ao eliminar ruídos que interferem na imagem, podem ocultar microcalcificações em áreas densas na mamografia;

14 DR I Vantagens e Desvantagens Vantagens Alta MTF e DQE; A maior DQE leva a superioridade na detecção de microcalcificações no parênquima denso, devido ao alto contraste. Isto não ocorre nos sistemas CR; Representa ganho no fluxo e no número de exames; Serve de plataforma para futuras aplicações: Tomossíntese I Mamografia com Contraste Desvantagem Alto Custo Operacional!

15 MAMOGRAFIA DIGITAL CAMPO TOTAL Estação de Revisão Fácil revisão das imagens Novos recursos para ajudar a detecção 2 Monitores de alta resolução Teclado específico Revisão personalizada Compensação da espessura Múltiplos controles l contraste e brilho Inversão negativo l positivo Lente de aumento eletrônica Permite transmissão para Arquivo digital Intranet Processadoras Internet Anotações, gráficos e medidas

16 MAMOGRAFIA DIGITAL

17 MAMOGRAFIA DIGITAL

18 MAMOGRAFIA DIGITAL

19 MAMOGRAFIA DIGITAL

20 MAMOGRAFIA DIGITAL DR A performance do detector avaliada através da medida da função de transferência de modulação - MTF e a eficiência quântica do detector - DQE MTF quantifica a nitidez da imagem DQE mede a eficiência do detector para capturar informações; razão do sinal pelo ruído, resolução do contraste e eficiência da dose. Com maior DQE, os níveis de radiação requeridos para conseguir uma boa RSR são reduzidas, assim como a dose para a paciente. Produzem melhor qualidade de imagem l baixa dosagem Filme Digital DQE l Detecção de Eficiência Quântica Mais alto no Sistema Digital Maior habilidade para detecção de microcalcificações.

21 . Mamografia Digital Detectores digitais têm uma resposta linear ao número de fótons incidentes, isto é, quanto mais fótons passam pelo sistema, mais escuras ficam as imagens; Melhor penetração nas áreas mais densas da mama, que podem ocultar cânceres. Melhor Resolução de Contraste: cerca de níveis de cinza em monitor de 14 bit ou em imagens impressas em câmara laser; Densidade óptica Contraste Low High Linha da pele Tecido mediano Linha da pele Tecido mediano Log Sinal Very Low Low Med. High Log exposição relativa Tecido denso Tecido denso Log exposição relativa

22 MAMOGRAFIAS Analógica Digital

23 MAMOGRAFIAS Analógica Digital

24 MAMOGRAFIAS Analógica Digital

25 MAMOGRAFIAS Analógica Digital Analógica Digital Analógica Digital

26 MAMOGRAFIA DIGITAL

27 MAMOGRAFIA DIGITAL Microcalcificações

28 MAMOGRAFIAS Analógica Digital

29 MAMOGRAFIA DIGITAL

30 MAMOGRAFIA DIGITAL Microcalcificações Zoom Zoom Inversão

31 MAMOGRAFIA DIGITAL Lente Eletrônica Lente Eletrônica

32 MAMOGRAFIA DIGITAL Microcalcificações Radiografia da Peça operatória

33 MAMOGRAFIA DIGITAL

34 MAMOGRAFIA DIGITAL AP. Carcinoma intraductal padrão arquitetural sólido com extensão a lóbulos adjacentes cancerização lobular. Graduação histológica de Van Nuys (Silverstein et al.): grupo 1 l não alto grau, sem comedonecrose. A lesão ocupa área de cerca de 3,2mm. Margens de ressecção livres. A menor distância da lesão in situ à margem é de 0,86mm.

35 MAMOGRAFIA DIGITAL

36 MAMOGRAFIA DIGITAL

37

38 MICROCALCIFICACOES mama reconstruída

39

40

41 LENTE ELETRÔNICA LENTE ELETRÔNICA

42

43 MAMOGRAFIA DIGITAL Testes Clínicos PRIMEIRO TRIAL GE Noninferiority Study FDA - Análise do Sistema Senographe 2000 D. 625 pacientes submetidas a mamografia diagnóstica Comparativo entre sistema DIGITAL e ANALÓGICO Sistemas de sensibilidade idêntica para detectar câncer As lesões próximas a linha da pele da mama, foram melhor identificadas no sistema digital Equalização l pós-processamento Resultado positivo para aprovação de uso pelo FDA 2000 l Fevereiro PRIMEIRO EQUIPAMENTO DIGITAL COMERCIALMENTE DISPONÍVEL 2000 l Julho PRIMEIRO EQUIPAMENTO MAMOGRAFIA DIGITAL AMÉRICA LATINA l BRASIL l PERNAMBUCO l RECIFE Clínica Radiológica Lucilo Maranhão

44 ENSAIOS CLÍNICOS MD x MC DMIST DIGITAL MAMOGRAPHY IMAGING SCREENING TRIAL OBJETIVOS Avaliar a acurácia diagnóstica da MD no rastreamento mamográfico Mamografia digital pode substituir mamografia convencional?

45 ENSAIOS CLÍNICOS MD x MC DMIST Outubro /2001 Novembro mulheres assintomáticas 33 centros USA e Colorado; informações relevantes (86,3%) Todos MD e MC, exames relatados independentemente por 2 radiologistas diferentes 5 equipamentos digitais diferentes (CR FUJI) Diagnóstico CA biópsia dentro de 15 meses após ou f/up > 10 meses Achados = 335 cânceres 232 carcinomas invasivos (69%) 52,8% (122) MD 103 (30,7%) in situ alto grau =40 grau intermediário = 37 baixo grau = (77%) estadio TIS ou TI

46 ENSAIOS CLÍNICOS MD x MC DMIST 2005 CONCLUSÕES ACURÁCIA DA MD e MC SIMILAR NA POPULAÇÃO GERAL ACURÁCIA DA MD SIGNIFICATIVAMENTE MAIOR 3 SUB-GRUPOS Mulheres < 50 anos Mulheres mamas densas ou muito densas Mulheres pré ou peri-menopausa

47 ENSAIOS CLÍNICOS MD x MC DMIST CÂNCERES DETECTADOS APENAS PELA MD < 50 anos Pré e peri-menopausa Mamas densas 14/43 (33%) CA invasivos 07/22 (32%) in situ grau /60 (32%) CA invasivo 12/30 (40%) in situ grau /116 (23%) CA invasivo 09/35 (26%) in situ grau 2-3

48

49

50 MAMOGRAFIA DIGITAL Aplicações Adicionais CAD ( computer aided detection) Transmissão da imagem Telemedicina Segunda opinião Unidades móveis Plataforma para novas tecnologias

51 EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA 1965 Mamografia (CGR) 1999 Mamografia digital 2010 Senographe TM DS Senographe Essential

52 PLATAFORMAS PARA NOVAS TECNOLOGIAS Tomossíntese - Aquisição de múltiplas imagens num período curto de exposição Mamografia com contraste Fusão com US- detector digital integrado para Imagenscedidas pelo InstitutGustaveRoussy, Villejuif, France aquisição simultânea de imagem mamográfica e ultra-sonografia

53 MAMOGRAFIA DIGITAL Vantagens CONTRASTE AMPLIADO E MAIOR AMPLITUDE DINÂMICA CAPACIDADE AMPLIADA DE PÓS-PROCESSAMENTO AMPLIA A POSSIBILIDADE DE APLICAÇÕES FUTURAS Maior quantidade de informações por imagem Obtém a imagem em tempo quase real Possibilita manipular imagem: ampliação l brilho l contraste l inversão Flexibiliza equalização de imagem desde o plano superficial ao profundo Elimina artefatos do sistema analógico filme l écran Elimina câmara escura. Arquivo de imagens em computador

54 Obrigada!!! Norma Maranhão NORMA MARANHÃO

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL XX CONGRESSO BRASILEIRO DE FÍSICA MÉDICA SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM MEDICINA OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital Professor Paulo Christakis 1 Em sistemas digitais de imagens médicas, as mudanças não se apresentam somente no

Leia mais

Essential para vida. Senographe Essential Sistema de mamografia digital de campo total

Essential para vida. Senographe Essential Sistema de mamografia digital de campo total Essential para vida Senographe Essential Sistema de mamografia digital de campo total A excelência em mamografia digital de campo total (FFDM) é um processo de busca contínua para o aprimoramento da tecnologia

Leia mais

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed FÍSICA DO RX Cristina Saavedra Almeida fisicamed O QUE É RADIAÇÃO Pode ser gerada por fontes naturais ou por dispositivos construídos pelo homem. Possuem energia variável desde valores pequenos até muito

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA José Luís Esteves Francisco Comissão Nacional de Mamografia SBM CBR FEBRASGO Ruffo de Freitas Júnior Presidente Nacional da Soc. Bras. De Mastologia Rede Goiana de Pesquisa

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial NR 07-PCMSO-Quadro II-Parâmetros para Monitorização PORTARIA SIT nº 223/2011-DOU:

Leia mais

GE Healthcare. Equipamento avançado de radiografia digital com o detector FlashPad

GE Healthcare. Equipamento avançado de radiografia digital com o detector FlashPad GE Healthcare Equipamento avançado de radiografia digital com o detector FlashPad O Discovery* XR656 oferece produtividade e fluxo de trabalho graças ao FlashPad*, um detector sem fio 1 totalmente digital

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS Prof. Homero Schiabel 6. FORMAÇÃO DE IMAGENS POR RAIOS X A Radiografia 2 fatores fundamentais: padrão de intensidade de raios-x transmitido através

Leia mais

Estrutura do Curso...

Estrutura do Curso... Radiologia Digital Aula 2 Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Estrutura do Curso... 1. Introdução à Radiologia Digital 2. A imagem digital e etapas de PDI 3. Equipamento - Detectores

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE SISTEMAS DIGITAIS

CONTROLE DE QUALIDADE DE SISTEMAS DIGITAIS CONTROLE DE QUALIDADE DE SISTEMAS DIGITAIS Marcel Zago Botelho Físico da STAFF - Soluções em Física Médica e Radioproteção Especialista em Física do Radiodiagnóstico ABFM Supervisor de Radioproteção CNEN

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI PROJETO REVELAÇÃO DE IMAGEM DIAGNÓSTICA DIGITALIZADA ECIMARA DOS SANTOS SILVA Email: e.santos@hospitalnardini.org.br Telefone: (11) 4547-6906 Cel. (11) 98697-6908

Leia mais

4.2. Técnicas radiográficas especiais

4.2. Técnicas radiográficas especiais SEL 5705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (III. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) 4.2. Técnicas radiográficas especiais 4.2.1. Abreugrafia Chapa, em

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas Eizo Soluções Médicas Conceitos Básicos RADIOLOGIA DIGITAL Entenda os conceitos, termos e a história da radiologia ; os benefícios, desafios e o futuro da radiologia digital INTRODUÇÃO Para profissionais

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama Invenia ABUS Screening TM Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound Roberta Fernandes MSc. Engenharia Biomédica COPPE/UFRJ Gerente Clínica Radiologia Geral Ultrassonografia GE Healthcare Incidência do Câncer

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA

NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Validação Revalidação (versão atualizada: 27.03.15) O Programa de Certificação de Qualidade em Mamografia do CBR, para

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0531_26_03_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0531_26_03_2012.html Page 1 of 6 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Institui o Programa Nacional de

Leia mais

16/08/2009. Modo A Amplitude. Modo A Amplitude. Modo B - Brilho. Formação de imagens por Varredura. Mais antigo (1930);

16/08/2009. Modo A Amplitude. Modo A Amplitude. Modo B - Brilho. Formação de imagens por Varredura. Mais antigo (1930); Formação de imagens por Varredura Modo A Amplitude Existem vários métodos para se extrair uma imagem a partir dos ecos: A-MODE (amplitude mode); B-MODE (brightness mode); M-MODE (motion mode). Informações

Leia mais

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

Validação. Revalidação

Validação. Revalidação NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Validação Revalidação 1) Médico Responsável pelo Serviço 1.1. Membro Titular do CBR, SBM ou FEBRASGO. 1.2. Título de Especialista em

Leia mais

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico Tomografia Computadorizada I Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04 Sistema Tomográfico Podemos dizer que o tomógrafo de forma geral, independente de sua geração, é constituído

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Aplicações das Técnicas de Radiodiagnóstico em Patologias do Tórax Tr. André Luiz S. de Jesus

Aplicações das Técnicas de Radiodiagnóstico em Patologias do Tórax Tr. André Luiz S. de Jesus Radiologia Torácica Patológica Aplicações das Técnicas de Radiodiagnóstico em Patologias do Tórax Tr. André Luiz S. de Jesus Importância Diagnóstica É fundamental um exame satisfatório e de qualidade

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X

A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X JEFERSON MIGUEL LEITE CASTILHO Discente do Curso de Tecnologia em Radiologia das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS CAMILA ALVES REZENDE LOPRETO Docente Esp.

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM).

Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Legislações - GM Ter, 27 de Março de 2012 00:00 PORTARIA Nº 531, DE 26 DE MARÇO DE 2012 Institui o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). O MINISTRO

Leia mais

Tópicos Imagens Médicas Ultrassonografia Ultrassonografia Ultrassonografia Doppler Ecocardiografia Doppler espectral fluxo a cores

Tópicos Imagens Médicas Ultrassonografia Ultrassonografia Ultrassonografia Doppler Ecocardiografia Doppler espectral fluxo a cores Tópicos Imagens Médicas Prof. João Luiz Azevedo de Carvalho, Ph.D. Aula na disciplina Processamento de Imagens Universidade de Brasília 17 de novembro de 2011 http://pgea.unb.br/~joaoluiz/ joaoluiz@pgea.unb.br

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

O melhor da tecnologia em prol da saúde da mulher. Graph Mammo DR Equipamento para mamografia digital. Catálogo Comercial

O melhor da tecnologia em prol da saúde da mulher. Graph Mammo DR Equipamento para mamografia digital. Catálogo Comercial O melhor da tecnologia em prol da saúde da mulher Graph Mammo DR Equipamento para mamografia digital Catálogo Comercial Nova tecnologia digital para Philips, sempre surpreendendo positivamente seus clientes!

Leia mais

Palavras-chave: Microtomografia; Imagem; Morfometria; Ossos.

Palavras-chave: Microtomografia; Imagem; Morfometria; Ossos. MORFOLOGIA DA ESTRUTURA INTERNA DE OSSOS: MICROTOMOGRAFIA POR RAIOS X G. Carvalho J.R.C. Pessôa F. V. Vidal J.T. Assis Resumo A Microtomografia Computadorizada (CT) é uma técnica de ensaio não destrutivo,

Leia mais

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia VII Encontro Nacional para o Controle do Câncer de Colo do Útero e de Mama QUALIDADE DA MAMOGRAFIA A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia Objetivo - Roteiro Descrever as

Leia mais

Prof. AGUINALDO SILVA

Prof. AGUINALDO SILVA Caro aluno e colega de profissão, disponibilizo este material mas caso tenha interesse em usá-lo favor não alterar os slides e não retirar os meus créditos. Obrigado e bons estudos!!! Direitos autorais

Leia mais

Fotografia Digital no Brasil

Fotografia Digital no Brasil 1 Fotografia Digital no Brasil Hoje temos uma grande variedade de câmaras digitais, mas como elas captam a imagem e a transformam em informação digital é o que vamos ver a seguir. Um Pouco de História

Leia mais

Astra LX Resultados via MS-WORD Guia para a emissão de laudos personalizados via MS-WORD no Programa AstraLX.

Astra LX Resultados via MS-WORD Guia para a emissão de laudos personalizados via MS-WORD no Programa AstraLX. 2011 www.astralab.com.br A Astra LX Resultados via MS-WORD Guia para a emissão de laudos personalizados via MS-WORD no Programa AstraLX. Equipe Documentação Astra AstraLab 11/11/2011 1 Sumário Resultados

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009

RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009 RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009 (Publicada no D.O.U. de 19 jan 2009, Seção I, pg. 94-5) Define e normatiza a Telerradiologia O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, no uso das atribuições conferidas pela lei nº. 3.

Leia mais

CADERNOS DE INFORMÁTICA Nº 1. Fundamentos de Informática I - Word 2010. Sumário

CADERNOS DE INFORMÁTICA Nº 1. Fundamentos de Informática I - Word 2010. Sumário CADERNO DE INFORMÁTICA FACITA Faculdade de Itápolis Aplicativos Editores de Texto WORD 2007/2010 Sumário Editor de texto... 3 Iniciando Microsoft Word... 4 Fichários:... 4 Atalhos... 5 Área de Trabalho:

Leia mais

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009, Seção 1, p. 94-5p

Leia mais

GE DR-F. Simples, compacto e totalmente digital

GE DR-F. Simples, compacto e totalmente digital Simples, compacto e totalmente digital Reconhecida por sua dedicação em oferecer o que há de mais avançado em tecnologia e qualidade, a GE Healthcare traz para você o O é um equipamento de raios-x digital

Leia mais

Profº. Emerson Siraqui

Profº. Emerson Siraqui RADIOLOGIA DIGITAL Profº. Emerson Siraqui Nome: Emerson Siraqui Formação Acadêmica: Graduação: Tecnólogo em Radiologia Médica-FASM Especialização: APRESENTAÇÃO Operacionalidade e Capacitação em aparelhos

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui CONCEITO Método que permite estudar o corpo em cortes ou fatias axiais ou trasversais, sendo a imagem obtida atraves dos Raios-X com o auxílio do computador (recontrução).

Leia mais

Eficiência ao Alcance das Mãos. Radiografia Digital GF50

Eficiência ao Alcance das Mãos. Radiografia Digital GF50 Eficiência ao Alcance das Mãos Radiografia Digital GF50 Experiência aprimorada de fluxo de trabalho levando a um alto rendimento Etapa 1 Etapa 2 Operação facilitada com o Auto-tracking Etapa 3 Operações

Leia mais

Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada. Fernando Mecca

Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada. Fernando Mecca Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada Fernando Mecca Quais são os parâmetros testados? qualidade da imagem ruído da imagem e homogeneidade número de TC resolução espacial espessura da imagem

Leia mais

Desempenho comprovado Sistema de ultrassom LOGIQ P5

Desempenho comprovado Sistema de ultrassom LOGIQ P5 Desempenho comprovado Sistema de ultrassom LOGIQ P5 Resultados sólidos Médicos de todo o mundo fizeram do LOGIQ P5 um dos sistemas de ultrassom da GE mais bem aceitos. Com base nessa plataforma sólida,

Leia mais

VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes

VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes AR COMPRIMIDO ASPIRAÇÃO IMAGIOLOGIA TRATAMENTO HIGIENE Eficiência no decorrer dos procedimentos na

Leia mais

DIGITAL. PODEROSO. PERSONALIZADO.

DIGITAL. PODEROSO. PERSONALIZADO. Sistema Vita CR, DRX-1 e software Image Suite Soluções veterinárias DIGITAL. PODEROSO. PERSONALIZADO. Soluções projetadas com as necessidades veterinárias no pensamento. AGORA CHEGOU O MOMENTO DE PASSAR

Leia mais

Gerenciamento de cor. 7.2 Calibração do scanner utilizando a calibração IT8 de SilverFast

Gerenciamento de cor. 7.2 Calibração do scanner utilizando a calibração IT8 de SilverFast Botão para a abertura do diálogo de calibração IT8 colorido: A calibração IT8 está ativa cinza: A calibração IT8 está desativada O botão IT8 somente está visível, se a função estiver liberada!.2 Calibração

Leia mais

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP

CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP CARCINOMA DUCTAL IN SITU GUILHERME NOVITA SERVIÇO O DE MASTOLOGIA DISCIPLINA DE GINECOLOGIA - HCFMUSP DEFINIÇÃO Mokbel et Cutulli, Lancet Oncol,, 2006; 7: 756-65 65 TIPOS DE CDIS Gaps > 2 cm Baixo grau

Leia mais

GE Healthcare. OEC * 9900 Elite. Sistema móvel de aquisição de imagens digitais Premium. * Marca Registrada General Electric Company

GE Healthcare. OEC * 9900 Elite. Sistema móvel de aquisição de imagens digitais Premium. * Marca Registrada General Electric Company GE Healthcare OEC * 9900 Elite Sistema móvel de aquisição de imagens digitais Premium. * Marca Registrada General Electric Company Descubra a nítida diferença. O sistema OEC da GE é inovador no mercado

Leia mais

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : o que é e quais as suas vantagens? Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : mamografia do futuro? MAMOGRAFIA: exame com limitações -Pouco

Leia mais

Detecção de pequenas microcalcificações para auxílio no diagnóstico precoce de câncer de mama

Detecção de pequenas microcalcificações para auxílio no diagnóstico precoce de câncer de mama UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA Detecção de pequenas microcalcificações para auxílio no diagnóstico precoce de câncer de mama Elizandra Martinazzi Dissertação de Mestrado

Leia mais

GE Healthcare. Tomossíntese de Mama da GE

GE Healthcare. Tomossíntese de Mama da GE GE Healthcare Tomossíntese de Mama da GE Mais de 1 milhão de pessoas recebem o diagnóstico de câncer de mama por ano em todo o mundo. (1) Desde 1965, a GE Healthcare vem obtendo progressos significativos

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho

VISMED. Diagnóstico de Nódulo Pulmonar. Aluno : Aristófanes Corrêa Silva. Professor : Paulo Cezar Carvalho Aluno : Aristófanes Corrêa Silva Professor : Paulo Cezar Carvalho Setembro/2001 Tópicos 1ª Fase Projeto VISMED Estimativa de Volume Pulmonar 2ª Fase Aquisição da Imagem Tomografia computadorizada Dicom

Leia mais

Ciência da Computação / Sistemas de Informação Sistemas Multimídia Prof. Marcelo Nogueira Parte - 02 Versão 2008/1.0

Ciência da Computação / Sistemas de Informação Sistemas Multimídia Prof. Marcelo Nogueira Parte - 02 Versão 2008/1.0 O que é Multimídia UNIP Tatuapé - SP Ciência da Computação / Sistemas de Informação Sistemas Multimídia Prof. Marcelo Nogueira Parte - 02 Versão 2008/1.0 Objetivos deste texto (1) Por multimídia entenderemos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Índice Índice Capítulo 7 - Formatando os slides... 2 Inserindo Números de Páginas... 2 Criando e Alterando Esquemas de Cores... 2 Adicionando um Fundo Colorido aos Slides... 3 Efeitos de Preenchimento... 4 1

Leia mais

Princípio da formação de imagem e sua aplicação na cardiologia intervencionista. Patrícia Lopes Barbosa patricialb7@gmail.com

Princípio da formação de imagem e sua aplicação na cardiologia intervencionista. Patrícia Lopes Barbosa patricialb7@gmail.com Princípio da formação de imagem e sua aplicação na cardiologia intervencionista Patrícia Lopes Barbosa patricialb7@gmail.com Produção dos raios X Na Cardiologia Intervencionista não existem fontes naturais

Leia mais

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013

NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR RIO DE JANEIRO 2013 NEOPLASIA INTRAEPITELIAL VULVAR diagnóstico e conduta RIO DE JANEIRO 2013 A NIV aumentou em 4 vezes nos EUA entre 1973 e 2000 A regressão da NIV existe O câncer invasor está presente em 3% das mulheres

Leia mais

MAMOGRAFIA DIGITAL. Especialista em Controle de Qualidade p/ Radiologia computadorizada

MAMOGRAFIA DIGITAL. Especialista em Controle de Qualidade p/ Radiologia computadorizada MAMOGRAFIA DIGITAL Material gentilmente cedido pela Tecnóloga Vanessa Dias. Vanessa Dias Tecnóloga em Radiologia Médica 2001 Especialista em Imagens e Produtos para Mamografia Pós Graduação Tomografia

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS DO FILME

3. CARACTERÍSTICAS DO FILME 3. CARACTERÍSTICAS DO FILME 3.1 INTRODUÇÃO Para que possamos analisar a forma como o filme radiográfico responde aos diferentes fatores determinados pela exposição à radiação, precisamos definir alguns

Leia mais

SAMSUNG. Ultrassom Samsung. Excellence on the Move. Liderando novos padrões

SAMSUNG. Ultrassom Samsung. Excellence on the Move. Liderando novos padrões SAMSUNG Ultrassom Samsung ULTRASOUND A35 H60 Liderando novos padrões Excellence on the Move Experiência de alto desempenho Como pioneira em ultrassom e imagem, a Samsung estabelece normas globais em equipamentos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA

Leia mais

PowerPoint 2003. Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos

PowerPoint 2003. Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos PowerPoint 2003 Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos Introdução Utilizamos o PowerPoint para serviços de criação de apresentações diversas.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada

Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada Trabalho apresentado no XXXV CNMAC, Natal-RN, 2014. Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada Sandro R. Fernandes Departamento de Educação e Tecnologia, Núcleo de

Leia mais

3. MATERIAIS E MÉTODOS

3. MATERIAIS E MÉTODOS 80 3. MATERIAIS E MÉTODOS Para este estudo foram adotados dois tipos de materiais diferentes, um metálico (material 1) e outro compósito (material 2). Amostras destes materiais foram obtidas em produtos

Leia mais

Nova linha de produtos MiniDV da Canon com Zoom Avançado

Nova linha de produtos MiniDV da Canon com Zoom Avançado Nova linha de produtos MiniDV da Canon com MD215 MD255 Para obter imagens em alta resolução destas e de outras imagens por favor visite http://www.canon-europe.com/press_centre Lisboa, 7 de Janeiro de

Leia mais

BIOSYS: sistema de captura e armazenamento de imagens para exames oftalmológicos em biomicroscópios - Fase 1 1

BIOSYS: sistema de captura e armazenamento de imagens para exames oftalmológicos em biomicroscópios - Fase 1 1 BIOSYS: sistema de captura e armazenamento de imagens para exames oftalmológicos em biomicroscópios - Fase 1 1 Hélton José Oliveira Fernandes 2 ; Paulo Cesar Rodacki Gomes 3 INTRODUÇÃO O presente descreve

Leia mais

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc.

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Radiologia Radiografia de Soldas Prof.: Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Agenda Tubulações e Equipamentos Tubulações e equipamentos Descontinuidades em

Leia mais

Apresentação. ECG Digital. Life Card. Telemedicina

Apresentação. ECG Digital. Life Card. Telemedicina ECG Digital Apresentação O WinCardio é composto por um eletrocardiógrafo USB em 12 derivações simultâneas, software compatível com Windows XP, Vista (32 bits), Windows 7 (32 bits) e filtros digitais que

Leia mais

Benefícios das Ortofotos Geradas a Partir das Imagens da ADS40 com Sensor SH52

Benefícios das Ortofotos Geradas a Partir das Imagens da ADS40 com Sensor SH52 Benefícios das Ortofotos Geradas a Partir das Imagens da ADS40 com Sensor SH52 Abstract As câmeras aéreas digitais são a mais avançada tecnologia de precisão para obtenção de imagens aerofotogramétricas.

Leia mais

Avaliação Situacional da Qualidade dos Serviços de Mamografia do Estado de Minas Gerais

Avaliação Situacional da Qualidade dos Serviços de Mamografia do Estado de Minas Gerais Avaliação Situacional da Qualidade dos Serviços de Mamografia do Estado de Minas Gerais Geórgia S. Joana 1, Maurício de Oliveira 1, Maurício C. de Andrade 1, Adriana C. Z. Cesar 1, Márcio A. Oliveira 1,2,

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

Protecção contra radiações em gastroenterologia

Protecção contra radiações em gastroenterologia Protecção contra radiações em gastroenterologia O uso de radiação ionizante em gastroenterologia está em transição. No passado, gastroenterologistas realizavam uma variedade de intervenções envolvendo

Leia mais

3DVR. Representação de Volume Tridimensional MANUAL DO OPERADOR IMAGING SCIENCES INTERNATIONAL, INC. 1910 North Penn Road, Hatfield, PA 19440, EUA

3DVR. Representação de Volume Tridimensional MANUAL DO OPERADOR IMAGING SCIENCES INTERNATIONAL, INC. 1910 North Penn Road, Hatfield, PA 19440, EUA 3DVR Representação de Volume Tridimensional MANUAL DO OPERADOR IMAGING SCIENCES INTERNATIONAL, INC. 1910 North Penn Road, Hatfield, PA 19440, EUA Fone 215-997-5666 Fax 215-997-5665, 5667 Peça nº 990320

Leia mais

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Vágner Nepumuceno Guimarães Orient.: Paulo Eduardo Ambrósio Introdução O avanço tecnológico vem influenciando cada vez mais na área médica.

Leia mais

A Imagem Radiológica

A Imagem Radiológica A Imagem Radiológica Tânia Aparecida Correia Furquim 1 1 Introdução A imagem radiológica médica é formada a partir da atenuação de forma diferenciada das partes anatômicas distintas do paciente que se

Leia mais

Tecnologia do sistema. UVIScan - detectar o perigo.

Tecnologia do sistema. UVIScan - detectar o perigo. UVIScan Se suas instalações merecem uma proteção de acordo com os mais altos padrões, valerá a pena analisar nosso UVIScan Under Vehicle Inspection System (Sistema de Inspeção Sob Veículos). Nosso sistema

Leia mais

ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR

ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR 1. PRIMEIRO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: 1.1 Os serviços que desejarem obter a certificação da qualidade deverão

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CONE BEAM HIGH DEFINITION PARA AVALIAÇÃO PERIODONTAL Autora: Nelma Maria de Freitas Agradecimentos: Imagem Radiologia de Itajaí, Dr. Élio Giácomo Papaiz (in memorian). Dr.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO. Eng. Marcelo Saraiva Coelho

INSTRUMENTAÇÃO. Eng. Marcelo Saraiva Coelho INSTRUMENTAÇÃO CONCEITOS E DEFINIÇÕES Nas indústrias, o termo PROCESSO tem um significado amplo. Uma operação unitária, como por exemplo, destilação, filtração ou aquecimento, é considerado um PROCESSO.

Leia mais

Película Scotchcal MR Série BR 7300

Película Scotchcal MR Série BR 7300 Película Scotchcal MR Série BR 7300 Dados Técnicos Julho/2005 Substitui: Junho/2004 Revisão 09 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As películas Scotchcal MR Série

Leia mais

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER MANFRED RONALD RICHTER 1. Princípios Radiografia Industrial OBJETIVO Verificação da existência de descontinuidades internas em materiais opacos pelo uso das radiações X ou (gama), que incidem em um dado

Leia mais

O Processamento Radiográfico

O Processamento Radiográfico O Processamento Radiográfico O primeiro estágio da formação da imagem latente é a absorção de fótons de luz pelos íons de brometo de prata. Não conseguimos distinguir os grãos modificados devido à luz

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas Segmentação de Imagens de Placas Automotivas André Zuconelli, Manassés Ribeiro Instituto Federal Catarinense - Campus Videira. Técnico em Informática, turma 2010 Rodovia SC, Km 5 Bairro Campo Experimental

Leia mais

Cirurgia Minimamente Invasiva, agora totalmente ao seu alcance. Solução Completa em Videocirurgia de Alta Definição

Cirurgia Minimamente Invasiva, agora totalmente ao seu alcance. Solução Completa em Videocirurgia de Alta Definição Cirurgia Minimamente Invasiva, agora totalmente ao seu alcance Solução Completa em Videocirurgia de Alta Definição A Covidien é uma empresa dedicada em difundir a utilização de técnicas cirúrgicas minimamente

Leia mais

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública Avaliação de Programas de Rastreamento: história natural da doença, padrão de progressão da doença, desenhos de estudo, validade e análise de custo-benefício. IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011. DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 DOU de 11/11/2011 (nº 217, Seção 1, pág. 88) O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE torna pública, nos termos do artigo

Leia mais

Relatório da prática/proposta

Relatório da prática/proposta Relatório da prática/proposta 1.Nome da pratica/ proposta inovadora: Projeto de Digitalização de Imagens Radiológicas na Rede Pública de Saúde de Naviraí 2.Caracterização da situação anterior: O município

Leia mais

Ficha técnica CANON PowerShot D30

Ficha técnica CANON PowerShot D30 Ficha técnica CANON PowerShot D30 Tipo de produto Tipo de sensor óptico Dimensão do sensor óptico Zoom óptico Zoom digital Processador de Imagem Estabilizador de imagem Auto-foco Controle AE/AF Câmara

Leia mais

Apresentação ANTECIPANDO TECNOLOGIAS

Apresentação ANTECIPANDO TECNOLOGIAS ANTECIPANDO TECNOLOGIAS Apresentação O WinCardio é composto por um eletrocardiógrafo USB em 12 derivações simultâneas, software compatível com Windows XP, Vista, Windows 7 e filtros digitais que garantem

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais